gabinete de estratégia e estudos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "gabinete de estratégia e estudos"

Transcrição

1 Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados pelo GEE 1 Síntese Investimento Directo do Exterior em Portugal 2 Investimento Directo de Portugal no Exterior 4 A - Investimento Directo do Exterior em Portugal IDE por tipo de operação 6 IDE por sector de actividade 7 IDE por área geográfica 9 Comparações internacionais 11 Saldo do IDE (mil milhões de US$) Saldo do IDE (em percentagem da FBCF) Índice de desempenho do IDE Índice do potencial do IDE Matriz do desempenho e do potencial do IDE B - Investimento Directo de Portugal no Exterior IDPE por tipo de operação 13 IDPE por sector de actividade 14 IDPE por área geográfica 16 Comparações internacionais 18 Saldo do IDPE (mil milhões de US$) Saldo do IDPE (em percentagem da FBCF) Índice de desempenho do IDDE GEE - Av. da República, LISBOA - Telef Fax

2 Tratamento e análise dos dados pelo GEE Investimento produtivo Os dados relativos ao Investimento directo quer do exterior em Portugal (IDEP) quer de Portugal no exterior (IDPE) são parte integrante das estatísticas da Balança de Pagamentos, cuja fonte é o Banco de Portugal (BP). O GEE, pretendendo acompanhar a evolução da componente produtiva desses investimentos no sector empresarial, optou por seleccionar um número limitado de operações (investimentos no capital das empresas e lucros reinvestidos), assim como por expurgar os valores registados pelo Banco de Portugal, de alguns fluxos que indiciam interesses meramente financeiros e/ou especulativos e que introduzem um comportamento irregular e anómalo na série temporal. Porém, tendo em conta os condicionalismos de segredo estatístico existentes, não será possível identificar este tipo de ajustamentos introduzidos pelo GEE no seu detalhe. Importa, pois, deixar claro que os valores totais de investimento não coincidem com os totais divulgados pelo Banco de Portugal, já que retratam universos diferentes. Para cada um dos quadros desta publicação procedeu-se a uma análise dos valores anormais detectados no período em análise, com o objectivo de os expurgar de situações como: empresas não nacionais que utilizam filiais nacionais para efectuar investimentos em países terceiros; operações encadeadas como substituição de suprimentos por capital; investimento do exterior em Portugal que posteriormente sai como investimento de Portugal no exterior (ou vice versa); operações efectuadas num sentido e no sentido oposto no mesmo mês muito comum com os créditos e os suprimentos (são operações que não afectam o investimento líquido, mas que modificam artificialmente o investimento bruto); operações efectuadas num sentido e no sentido oposto num mês diferente normalmente no seguinte (nestes casos são afectados quer o investimento bruto quer o líquido, mas em meses diferentes, mantendo-se igual o valor anual). Estas alterações estão devidamente afectadas à área geográfica, ao sector e ao tipo de operação correspondente, garantindo-se, portanto, coerência entre todos os quadros apresentados. Assim, a nível dos sectores e das áreas geográficas, os dados referem-se aos investimentos realizados com os diversos tipos de operações, após terem sido retirados os valores anómalos, e não apenas ao tipo de operações seleccionadas como indicadores de investimento produtivo (investimento no capital das empresas e lucros reinvestidos). Ou seja, o total dos investimentos referidos por áreas geográficas e por sectores é igual ao valor global indicado no quadro por tipo de operações (primeiras colunas da página 6 IDEP TOTAL e da página 13 IDPE TOTAL ) e não à soma das operações consideradas pelo GEE como investimento produtivo. OBS.: Os conceitos utilizados nesta publicação estão definidos em 1 GEE/ Síntese IDE Agosto 26

3 SÍNTESE Considera-se adequado informar que os dados do investimento directo de e no estrangeiro sofreram significativas alterações, aquando da divulgação pelo Banco de Portugal dos dados de Dezembro de 25, na sequência da substituição das anteriores estimativas pelos resultados do último inquérito efectuado às empresas. A Investimento Directo do Exterior em Portugal O Investimento Directo do Exterior em Portugal representou, no 1º trimestre de 26, cerca de 14,6% do PIB, atingindo o valor mais baixo desde o 4º trimestre de 24. valores em % do PIB I II III IV I II III IV I II III IV 26 I Investimento 18,3 16,2 15,6 18,8 16,5 17,8 14,3 19,4 17, 16,5 15,3 16, Desinvestimento 21,3 15,4 13,2 18, 13,4 16,2 12,6 27,2 13,6 14,3 14,1 15,8 Saldo - 3,,7 2,4,8 3,1 1,5 1,7-7,8 3,4 2,1 1,1,2 14,6 12,8 1,8 (valores correntes) O Saldo, cerca de 1,8% do PIB, é ligeiramente superior ao valor médio de 25 (1,7%), tendo subido em relação ao trimestre anterior devido ao desinvestimento ter desacelerado mais que o investimento. Globalmente (Quadro 1), no período de Janeiro a Maio de 26, o investimento directo do exterior em Portugal, em termos brutos (isto é, crédito, atracção de capitais) e relativamente ao período homólogo de 25, desceu para cerca de 9,6 mil milhões de euros (-8,2%). Em termos líquidos verificou-se uma variação positiva de 1,9% para valores que rondam os 1,9 mil milhões de euros. Considerando somente o investimento no capital de empresas e os lucros reinvestidos, verifica-se que o investimento bruto sofreu um decréscimo, de 45,1%, para cerca de 1,4 mil milhões de euros. O valor líquido registou também uma variação negativa, de 53,4%, atingindo cerca de 569 milhões de euros. Ao nível sectorial (Quadros 2 e 3), é de salientar no período de Janeiro a Maio de 26 e tomando como referência o período homólogo de 25: o Nas indústrias transformadoras o investimento bruto desceu 19,% atingindo valores próximos dos 3,1 mil milhões de euros, tendo também o investimento líquido descido para valores negativos; 2 GEE/ Síntese IDE Agosto de 26

4 o o o No sector do comércio por grosso, retalho, reparações, alojamento e restauração o investimento bruto cresceu 2,9%, atingindo cerca de 2,8 mil milhões de euros, tendo o investimento líquido apresentado uma melhoria significativa, atingindo cerca de 18 milhões de euros; Nas actividades imobiliárias, alugueres e serviços às empresas verifica-se um decréscimo no investimento bruto de cerca de 26,1%, para cerca de 1,6 mil milhões de euros e de 3,% no investimento líquido, para cerca de 789 milhões de euros; No sector das actividades financeiras nota-se um acréscimo do investimento bruto para valores próximos de 946 milhões de euros, tendo igualmente o investimento líquido subido, 1,3%, para valores que rondam os 657 milhões de euros. Investimento Bruto Total (por sector) 1 Euros % 17% 26% 29% 37% 32% 25 (Jan a Maio) 26 (Jan a Maio) Outras Construção Transportes/ Armazenamento/ Comunicações Actividades Financeiras Actividades Imobiliárias, aluguer, serviços às empresas Comércio/ Reparações/ Alojamento/ Restauração Indústrias Transformadoras Geograficamente (Quadro 4), a União Europeia continua, no período de Janeiro a Maio de 26, a ser a principal investidora em Portugal, representando cerca de 91,2% do investimento bruto (8,8 mil milhões de euros). Em termos líquidos verifica-se uma descida face ao período homólogo de 25 para valores que rondam os 1,6 mil milhões de euros (-1,5%). Dos países investidores em Portugal salientam-se o Reino Unido, a Alemanha, a França e a Espanha, tendo, no período de Janeiro a Maio de 26, o Reino Unido (+26,8%) e a França (+11,6%) reforçado as suas posições de investidores em Portugal relativamente ao período homólogo de 25 (Quadro 5). GEE/ Síntese IDE Agosto de 26 3

5 Investimento Bruto Total (por país) 1 Euros 11 1 Outros 9 8 Suiça 7 Estados Unidos % 13% 14% 16% Espanha % 2% 14% 2% 25 (Jan a Maio) 26 (Jan a Maio) França Alemanha Reino Unido B Investimento Directo de Portugal no Exterior 19% 21% 14% 2% 19% 16% O Investimento Directo de Portugal no Exterior representou, no 1º trimestre de 26, cerca de 2,8% do PIB, atingindo o valor mais baixo desde o 1º trimestre de 25. valores em % do PIB I II III IV I II III IV I II III IV I Investimento 2,6 1,9 1,8 4,7 5,8 5,2 4,8 11,1 1,8 4,3 3,2 4,6 2,8 Desinvestimento 1,4 3, 2,3 5,7 2,4 3,1 2,3 8,,8 2, 3,8 4,9 1,7 Saldo 1,2-1,1 -,5-1, 3,4 2, 2,5 3,2 1, 2,4 -,6 -,2 1,1 (valores correntes) O saldo foi positivo, cerca de 1,1% do PIB, o que não acontecera nos dois trimestres anteriores. Globalmente (Quadro 7), o investimento directo de Portugal no exterior teve, em termos brutos, um decréscimo de 17,2%, para cerca de 1,5 mil milhões de euros no período de Janeiro a Maio de 26, relativamente ao período homólogo de 25. Em termos do saldo líquido houve igualmente um decréscimo de 48,7%, para valores que rondam os 488 milhões de euros. 4 GEE/ Síntese IDE Agosto de 26

6 Considerando somente a componente produtiva do investimento directo de Portugal no Exterior - no capital de empresas e os lucros reinvestidos nota-se que, face ao período homólogo de 25, o investimento diminuiu para cerca de 625 milhões de euros (-3,1%), verificando-se uma diminuição do investimento líquido, nestas duas rubricas, para cerca de 49 milhões de euros. Ao nível sectorial (Quadros 8 e 9), é de salientar, no período de Janeiro a Maio de 26 e relativamente ao período homólogo de 25: No sector das actividades imobiliárias, alugueres e serviços às empresas, que continua a ser o sector de maior presença de investimento de Portugal no exterior, registou-se um aumento do investimento bruto para cerca de 1,2 mil milhões de euros (13,9%) associado a um acréscimo do investimento líquido na ordem dos 45,5%, para valores próximos dos 543 milhões de euros; No sector das actividades financeiras registou-se uma diminuição no investimento bruto (-82,3%) para cerca de 9 milhões de euros, enquanto o investimento líquido registou entradas de capital superiores às saídas, correspondentes a desinvestimentos neste sector. No sector do comércio por grosso, retalho, reparações, alojamento e restauração, verificou-se a descida do investimento bruto (-22,7%), para cerca de 7 milhões de euros, tendo o investimento líquido subido para valores próximos dos 57 milhões de euros; No caso das indústrias transformadoras constata-se que o investimento bruto decresceu 24,6% atingindo valores próximos dos 63 milhões de euros, tendo o investimento líquido igualmente diminuído para valores que rondam os 15 milhões de euros; Geograficamente (Quadro 1), prossegue a tendência iniciada em 21 de orientação preferencial do investimento para a Zona Euro. No período de Janeiro a Maio de 26 esta zona representava aproximadamente 56,9% do investimento bruto (cerca de 849 milhões de euros) o que representou um decréscimo de 33,5% em relação ao período homólogo de 25. Registou-se uma descida do investimento líquido de 84,3%, para cerca de 15 milhões de euros. Os principais países de destino foram a Espanha, o Brasil, os EUA, o Reino Unido e a França (Quadro 11), tendo o investimento no Brasil registado um acréscimo em relação ao período homólogo de 25, o mesmo não acontecendo nos investimentos destinados aos restantes países considerados. GEE/ Síntese IDE Agosto de 26 5

7 Por tipo de operação: IDEP TOTAL Quadro 1 - INVESTIMENTO DIRECTO DO EXTERIOR EM PORTUGAL (IDEP) Total * No Capital de Empresas Constituição de Empresas Aumento de Capital Lucros Reinvestidos Const. empresas + aum. de capital + lucros reinvestidos Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito [5+7+9] [6+8+1] [3+9] valores em 1 Euros Capital de empresas + Lucros reinvestidos Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Saldo [4+1] TVHA ,2 1,9-67, -61,6 43,5-47,7-36,2 2,3 67,3-19,6-19,7-45,1-53,4 Obs: Crédito = Investimento bruto; Saldo = Investimento bruto - Desinvestimento * Inclui aquisição de quotas / acções 6 GEE/ Síntese IDE Agosto 26

8 Quadro 2 - Por sector de actividade: valores em 1 Euros Agricultura, caça, Indústrias Indústrias Produção e distribuição de silvicultura e pesca extractivas Transformadoras electricidade, gás e água Construção Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai TVH ,8-12,4-58,6-19, 223,1 16,2 Comércio grosso/retalho Transportes, armazenag. Activ. Imobiliárias, aluguer Actividades financeiras reparação/aloj/restauração e comunicações serviços às empresas Outras actividades Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai TVH ,9 119,2 4,1 1,3-26,1-3, -16,5-13,3 7 GEE/ Síntese IDE Agosto 26

9 Quadro 3 - INVESTIMENTO DIRECTO DO EXTERIOR EM PORTUGAL (IDEP) POR SECTORES DE ACTIVIDADE CRÉDITO Jan a Maio 25 e 26 Outras actividades Imobil/aluguer/serv às empresas Activ financeiras Transp/armaz/ comunicações Comércio/repara/ aloj/restauração Construção Prod elect,gás,água Indúst Transform Indúst extractiva Agric/caça/silv/pesca milhões de euros SALDO Jan a Maio 25 e 26 Outras actividades Imobil/aluguer/serv às empresas Activ financeiras Transp/armaz/ comunicações Comércio/repara/ aloj/restauração Construção Prod elect,gás,água Indúst Transform Indúst extractiva Agric/caça/silv/pesca milhões de euros 8 GEE/ Síntese IDE Agosto de 26

10 Quadro 4 - INVESTIMENTO DIRECTO DO EXTERIOR EM PORTUGAL (IDEP) Por região: OCDE IDEP TOTAL UE Total OCDE Outros OCDE Total UE Zona Euro Fora Zona Euro valores em 1 Euros Resto do Mundo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai TVHA ,2 1,9-8,7-6,7-1,5-13,3-19,5-33,5 36,8 633,7 21,6 57,7 58,7 9 GEE/ Síntese IDE Agosto 26

11 Por país: Quadro 5 - INVESTIMENTO DIRECTO DO EXTERIOR EM PORTUGAL (IDEP) valores em 1 Euros Alemanha Espanha França Reino Unido EUA Suíça Brasil Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Crédito Saldo Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai TVHA ,8-5,7-34,6-5,7 11,6 69,6 26,8 296,1 31,4 67,1 36, 229,6 558,8 83,3 1 GEE/ Síntese IDE Agosto de 26

12 Quadro 6 - COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS INVESTIMENTO DIRECTO DO EXTERIOR SALDO (mil milhões de US$) Portugal Alemanha Espanha Reino Unido União Europeia Mundo Espanha , milhões de Euros ,3 6,6 1,3 1,8 1, milhões de Euros 6 1, , INVESTIMENTO DIRECTO DO EXTERIOR SALDO (em Percentagem da FBCF) % Portugal Espanha 2,4 19,5 7,6 5,6 2, % Reino Unido União Europeia Mundo ,6 23,7 16, 8,8 1 5, ÍNDICE DE DESEMPENHO DO INVESTIMENTO DIRECTO DO EXTERIOR (a) 1 Azerbeijão... 23,8 2 Bélgica e Luxemburgo... 19,7... 7,9 5 Irlanda 28 Rep. Checa Nigéria 49 Espanha 55 Finlândia 71 Ucrânia 75 Polónia 78 Reino Unido 8 França 81 Portugal Venezuela 94 Canadá 98 Itália 118 Alemanha 129 Grécia,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 a) Ratio entre a quota do país no saldo global do IDE e a respectiva quota no PIB global (valores relativos ao triénio 22-24) Fonte: UNCTAD, World Investment Report, GEE/ Síntese IDE Agosto 26

13 ÍNDICE DO POTENCIAL DO INVESTIMENTO DIRECTO DO EXTERIOR (a) 1 Estados Unidos...,659 3 Reino Unido 9 Bélgica e Luxemburgo 1 Irlanda 25 Espanha 28 Eslovénia Líbia 35 Malásia 36 Portugal 37 Malta 38 China 39 Rep. Checa Polónia 44 Letónia 47 Lituânia 49 Croácia,1,2,3,4,5 Índice do Potencial do IDE a) Média não ponderada de valores normalizados de oito variáveis:taxa de Crescimento do PIB, PIB per capita, quota das exportações no PlB, linhas telefónicas por 1 habitantes,uso comercial de energia per capita, quota das despesas em I&D no Rendimento Nacional Bruto, quota de estudantes terciários na população, risco político e comercial do país (valores relativos ao triénio 21-23). MATRIZ DO DESEMPENHO E DO POTENCIAL DO IDE Alto Desempenho Baixo Desempenho Alto Potencial "Front-runners" "Below potential" (...) Bélg/ Lux Eslováquia Hungria Suiça (...) Brasil Eslovénia Irlanda (...) Alemanha EUA Japão Ucrânia Bulgária Espanha Letónia Austrália Grécia Noruega (...) China Estónia Lituânia Áustria Islândia Polónia Chipre Finlândia Portugal Canadá Itália R. Unido Croácia França Rep. Checa Coreia Grécia Dinamarc Holanda Suécia "Above potential" "Under-performers" (...) (...) Baixo Potencial Angola Marrocos Roménia África do Sul Paquistão Venuzuela Bolívia Moçambique Índia Paraguai Uruguai Equador Macedónia (...) Indonésia Turquia (...) (Período: 21-23) Fonte: UNCTAD, World Investment Report, GEE/ Síntese IDE Agosto de 26

14 Por tipo de operação: IDPE TOTAL Quadro 7 - INVESTIMENTO DIRECTO DE PORTUGAL NO EXTERIOR (IDPE) Total ** No Capital de Empresas Constituição de Empresas Aumento de Capital Lucros Reinvestidos Const. empresas + aum. de capital + lucros reinvestidos Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito [5+7+9] [6+8+1] [3+9] valores em 1 Euros Capital de empresas + Lucros reinvestidos Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Saldo * [4+1] TVHA ,2 48,7-46, 243,9-26,1 211,4-12, 37,4-2,9-3,1 93, * Saldos negativos significam que as empresas portuguesas investiram um montante no estrangeiro superior ao montante que desinvestiram ** Inclui aquisição de quotas / acções 13 GEE/ Síntese IDE Agosto 26

15 Quadro 8 - Por sector de actividade: valores em 1 Euros Agricultura, caça, Indústrias Indústrias Produção e distribuição de silvicultura e pesca extractivas Transformadoras electricidade, gás e água Construção Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai TVH ,9 47,3-24,6 34,4-79,9 73,5-142,1 Comércio grosso/retalho Transportes, armazenag. Activ. Imobiliárias, aluguer Actividades financeiras reparação/aloj/restauração e comunicações serviços às empresas Outras actividades Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai TVH ,7-6,2 15,7-82,3 13,9-45,5 7,2-15,1 * valores negativos significam que as empresas portuguesas investiram um montante no estrangeiro superior ao montante que desinvestiram 14 GEE/ Síntese IDE Agosto 26

16 Quadro 9 - INVESTIMENTO DIRECTO DE PORTUGAL COM O EXTERIOR (IDPE) POR SECTORES DE ACTIVIDADE DÉBITO Jan a Maio 25 e 26 Outras actividades Imobil/aluguer/serv às empresas Activ financeiras Transp/armaz/ comunicações Comércio/repara/ aloj/restauração Construção Prod elect,gás,água Indúst Transform Indúst extractiva Agric/caça/silv/pesca milhões de euros SALDO* Jan a Maio 25 e 26 Outras actividades Imobil/aluguer/serv às empresas Activ financeiras Transp/armaz/ comunicações Comércio/repara/ aloj/restauração Construção Prod elect,gás,água Indúst Transform Indúst extractiva Agric/caça/silv/pesca milhões de euros * valor negativo significa que as empresas portuguesas investem um montante no estrangeiro que é superior ao montante que desinvestem GEE/ Síntese IDE Agosto de 26 15

17 Quadro 1 - INVESTIMENTO DIRECTO DE PORTUGAL NO EXTERIOR (IPE) Por região: OCDE IDPE TOTAL UE Total OCDE Outros OCDE Total UE Zona Euro Fora Zona Euro valores em 1 Euros Resto do Mundo Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai TVHA -17,2 48,7-23,6 6,4-32,2 79,8-33,5 84,3-21,5 42,7 132,8 15,3 9,8 * valores negativos significam que as empresas portuguesas investiram um montante no estrangeiro superior ao montante que desinvestiram 16 GEE/ Síntese IDE Agosto 26

18 Por país: Quadro 11 - INVESTIMENTO DIRECTO DE PORTUGAL NO EXTERIOR (IPE) valores em 1 Euros Alemanha Espanha França Reino Unido EUA Suíça Brasil Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Débito Saldo * Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai TVHA 34,1 18,8-6, 73,3-23, 38,9-51,3-324,7-15,7 4,4 47,4-146,4 136,6-55,9 * valores negativos significam que as empresas portuguesas investiram um montante no estrangeiro superior ao montante que desinvestiram 17 GEE/ Síntese IDE Agosto 26

19 Quadro 12 - COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS INVESTIMENTO DIRECTO NO EXTERIOR SALDO (mil milhões de US$) Portugal Alemanha Espanha Reino Unido União Europeia Mundo Espanha milhões de Euros ,2 7,3 6,2 1,3, , milhões de Euros 5 1, , INVESTIMENTO DIRECTO NO EXTERIOR SALDO (em Percentagem da FBCF) % ,2 Portugal Espanha 21,8 15,7 % ,4 Reino Unido União Europeia Mundo 25,7 21,7 17,6 11,4 1, ÍNDICE DE DESEMPENHO DO INVESTIMENTO DIRECTO NO EXTERIOR (a) 1 Bélgica e Luxemburgo... 2,1 8 Suécia 9 Suiça 1 Espanha 11 Holanda 12 Chipre 13 Canadá 14 Reino Unido 15 Portugal 16 França 17 Áustria EUA 34 Itália 36 Finlândia 81 Alemanha,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 Índice de Desempenho a) Ratio entre a quota do país no saldo global do IDE e a respectiva quota no PIB global (valores relativos ao triénio 22-24) Fonte: UNCTAD, World Investment Report, GEE/ Síntese IDE Agosto 26

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005

INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005 Data Tema Acontecimento 21/02 Economia 01/03 Preços 01/03 Economia 01/03 Emprego 02/03 Indústria 03/03 Economia INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060221-2/d060221-2.pdf

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos Em Análise Walter Anatole Marques 1 Importações e Exportações Portuguesas de Produtos A balança comercial de produtos de Portugal é fortemente deficitária, tendo o peso do seu défice no PIB aumentado mais

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos gabinete de estratégia e estudos Síntese Estatística INVESTIMENTO DIRECTO DE PORTUGAL NO EXTERIOR (IDPE) Fevereiro de 25 GEE - R.Laura Alves, 4-1º, 15-138 LISBOA - www.gee.min-economia.pt Telef. 21 799

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2012 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez SUMÁRIO Uma oportunidade Definição das tecnologias Conceitos Análise da Rentabilidade

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014 EXPORTAÇÕES (POR CAPÍTULO) 2013 2014 50 Artigos de seda 462 282-38,9% 51 Artigos de lã 60.801 63.996 5,3% 52 Artigos de algodão 145.006 154.454 6,5% 53 Outras fibras têxteis vegetais 4.839 4.169-13,8%

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

MINIGUIA DA EUROPA 2011 Comunicar com os Europeus Línguas Na Europa fala-se muitas línguas, cujas principais famílias são a germânica, a românica, a eslava, a báltica e a céltica. As instituições da União

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2).

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2). 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 04-agosto-2015 3.1. Cartões de Crédito Designação do cartão Redes onde o cartão é aceite Barclays

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2015 12 de Março de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% As exportações de bens aumentaram 0,9% e as importações

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais