10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína"

Transcrição

1 FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Curso de Medicina Veterinaria Disciplina: Tecnologia e Inspeção de Leite e Derivados Profª Andrea O B Botelho 8 e 9º períodos ROTEIRO DE ESTUDOS - Estes exercícios deverão ser utilizados como material de orientação dos estudos, não devendo desprezar o material teórico (anotações em sala de aula, livros, revistas, sites). 1. Sobre a composição do leite, assinale a alternativa falsa: a) A lactose é o principal carboidrato do leite, tendo sua origem a partir da glicose do sangue e caracterizase por ser um dos principais agentes osmóticos do leite; b) A gordura do leite é composta principalmente por ácidos graxos insaturados, sendo considerado o componente do leite que menos sofre variação; c) As proteínas do leite podem ser classificadas em caseínas e proteínas do soro, sendo que as caseínas sofrem coagulação em ph menor que 4,6; d) A caseína, também chamada de proteína verdadeira do leite é extremamente importante para o rendimento na fabricação de queijos, sendo que quanto maior o teor de caseína do leite, maior o rendimento industrial da fabricação de queijos; e) Dentre os vários elementos minerais encontrados no leite, o potássio é aquele que apresenta a maior concentração. 2. Sobre as propriedades físico-químicas do leite, assinale a alternativa falsa: a) O extrato seco total ou o teor de sólidos totais do leite é o total de todos os componentes do leite com a exceção da água. b) Quando o leite sofre adição de água por fraude ou de forma acidental, podemos concluir que a sua densidade é diminuída. Quando o leite sofre desnate (retirada de gordura) ocorre aumento da sua densidade; c) A crioscopia mede o ponto de congelamento do leite sendo útil na identificação de adição de água no leite, uma vez que no leite adicionado de água o ponto de congelamento sofre alteração. d) Os principais componentes do leite que podem alterar a crioscopia do leite são a gordura e proteína. e) A acidez do leite pode ser afetada pela fermentação bacteriana da lactose, a qual pode ser degradada em ácido lático e resulta no aumento da acidez titulável do leite. 3. Assinale a alternativa que indica quais as melhores estratégias para reduzir a contaminação dos tetos antes da ordenha. a) Uso de pré-dipping e pós-dipping; b) Controle de ambiente para evitar acúmulo de sujeira nos tetos e uso de prédipping seguido de secagem com toalha descartável; c) Lavagem dos tetos com água corrente e secagem com papel toalha descartável; d) Pós-dipping e lavagem dos tetos com água corrente; e) Todas as alternativas. 4. Sobre a limpeza manual de equipamentos de ordenha é incorreto afirmar: a) Necessita de controle da dosagem de detergentes b) O operador controla quando cada fase de limpeza começa e termina

2 c) Permite drenagem do equipamento de ordenha de forma manual d) Não apresenta riscos de sub ou superdosagem dos detergentes utilizados, sendo mais eficiente 5. Assinale entre os procedimentos de ordenha aquele que tem função de reduzir a ocorrência de novas infecções causadas por agentes ambientais: a) Higiene das mãos dos ordenhadores b) Retirada dos primeiros jatos de leite antes da ordenha c) Lavagem dos tetos com água corrente d) Desinfecção dos tetos antes da ordenha e) Estimular a descida do leite. 6. Assinale entre os procedimentos de ordenha aquele que tem função de reduzir a ocorrência de novas infecções causadas por agentes contagiosos: a) Desinfecção dos tetos antes da ordenha b) Lavagem dos tetos antes da ordenha c) Secagem dos tetos com papel toalha descartável d) Desinfecção dos tetos após a ordenha e) Retirada dos primeiros jatos de leite antes da ordenha 7. As conseqüências da alta CBT no leite são:. a)são mínimas, já que a pasteurização elimina a grande parte das bactérias b)são dependentes somente da contagem, pois quanto maior a contagem, menores serão as concentrações de enzimas degradantes dos componentes do leite c)dependem da contagem e do tipo dos microrganismos que compõem essa contagem, já que a natureza das bactérias influencia nos problemas que o leite pode apresentar d)a alta CBT aumenta os riscos da saúde ao consumidor 8. Assinale a alternativa que indique, respectivamente, o componente encontrado no leite em maior concentração e aquele que pode sofrer a maior faixa de variação. a) Gordura e lactose b) Lactose e proteína c) Água e proteína d) Água e gordura e) Gordura e proteína 9. No processo de síntese e secreção do leite estão envolvidos vários fatores. Assinale aquele que não interfere nesse processo. a) Suprimento de precursores a partir do sangue b) Tamanho do úbere c) Capacidade de captação dos precursores e sua conversão de em componentes do leite d) Remoção do leite da glândula mamária e) Todas as anteriores 10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína

3 b) Lactoglobulina c) Triacilglicerídeos d) Lactoalbumina e) Imunoglobulinas 11. Sobre a composição do leite, assinale a alternativa falsa: a) A lactose é o principal carboidrato do leite, tendo sua origem a partir da glicose do sangue e caracterizase por ser um dos principais agentes osmóticos do leite b) A gordura do leite é composta principalmente por ácidos graxos insaturados, sendo considerado o componente do leite que menos sofre variação. c) As proteínas do leite podem ser classificadas em caseínas e proteínas do soro, sendo que as caseínas sofrem coagulação em ph menor que 4,6. d) A caseína, também chamada de proteína verdadeira do leite é extremamente importante para o rendimento na fabricação de queijos, sendo que quanto maior o teor de caseína do leite, maior o rendimento industrial da fabricação de queijos. e) Dentre os vários elementos minerais encontrados no leite, o potássio é aquele que apresenta a maior concentração. 12. Sobre as propriedades físico-químicas do leite, assinale a alternativa falsa: a) O extrato seco total ou o teor de sólidos totais do leite é o total de todos os componentes do leite com a exceção da água. (correto: o EST é a soma da concentração de gordura, proteínas, lactose e minerais presentes no leite) b) Quando o leite sofre adição de água por fraude ou de forma acidental, podemos concluir que a sua densidade é diminuída. Quando o leite sofre desnate (retirada de gordura) ocorre aumento da sua densidade. (correto: a adição de água no leite causa a sua diluição e redução da densidade, mas quando ocorre desnate a densidade tente a subir, pois a gordura tem densidade menor que a dos demais componentes do leite) c) A crioscopia mede o ponto de congelamento do leite sendo útil na identificação de adição de água no leite, uma vez que no leite adicionado de água o ponto de congelamento sofre alteração. (correto: o leite sofre redução do ponto de congelamento de forma linear com a adição de água, podendo-se até determinar a quantidade adicionada) d) Os principais componentes do leite que podem alterar a crioscopia do leite são a gordura e proteína. e) A acidez do leite pode ser afetada pela fermentação bacteriana da lactose, a qual pode ser degradada em ácido lático e resulta no aumento da acidez titulável do leite.(correto: quando há crescimento de fermentadores de lactose ocorre aumento do ácido lático e consequente redução do ph). 13. Assinale a alternativa incorreta em relação ao manejo de ordenha: a) O adequado manejo de ordenha é uma das medidas importantes para o controle de mastite ambiental e contagiosa b) A desinfecção dos tetos antes da ordenha resulta em melhoria da qualidade do leite e da estimulação dos tetos c) A estimulação das vacas antes da ordenha facilita a ordenha rápida e eficiente d) A ordenha rápida e completa reduz o risco de lesões nos tetos e) A ordenha incompleta do úbere reduz o risco de mastite, pois diminui o tempo de ordenha e melhora a condição dos tetos

4 14. São medidas que asseguram as condições básicas para um bom manejo de ordenha, com exceção de: a) Conduzir as vacas até a sala de ordenha de maneira calma e sem agressões, evitando o estresse antes da ordenha b) Realizar periodicamente uma tosquia ou queima dos pelos do úbere para reduzir a aderência de sujidades c) Necessidade de lavagem completa dos tetos e úbere antes da ordenha d) Manter as vacas em ambiente confortável com acesso a água e sombra na sala de espera. e) Planejar o tamanho dos lotes para que as vacas não fiquem mais de uma hora na sala de espera. 15. Assinale a alternativa correta sobre a relação entre manejo de ordenha e controle de mastite. a) O manejo de ordenha tem como objetivo reduzir a contaminação dos tetos por microrganismos causadores de mastite. b) A higiene das mãos dos ordenhadores é um dos pontos críticos para reduzir a chance de transmissão de novos casos de mastite, mas pode ser substituída pelo pré-dipping c) O uso do pré-dipping auxilia no controle da mastite contagiosa, mas é um procedimento considerado opcional d) O uso de toalhas de pano de uso múltiplo reduz os riscos de transmissão de mastite ambiental e) Nenhuma das alternativas anteriores 16. Assinale verdadeiro ou falso para as seguintes alternativas e justifique a resposta: ( ) Microrganismos patogênicos reduzem a qualidade do leite pois degradam a proteína e gordura pelo seu metabolismo ( ) Quando a vaca esta saudável, mesmo dentro dos alvéolos o leite já se encontra contaminado, e portanto pode ser uma possível fonte de contaminação ( ) Vacas com mastite podem contribuir com o aumento a CBT, pois alguns microrganismos apresentam altas concentrações no leite ( ) Para a redução da contaminação bacteriana dos tetos é recomendável a lavagem com água e sua secagem imediata ( ) Com o resfriamento do leite é possível reduzir o crescimento de microrganismos mesófilos, os quais são fermentadores de lactose. ( ) Microrganismos patogênicos reduzem a qualidade do leite pois degradam a proteína e gordura pelo seu metabolismo ( ) Quando a vaca esta saudável, mesmo dentro dos alvéolos o leite já se encontra contaminado, e portanto

5 pode ser uma possível fonte de contaminação ( ) Mesmo em baixa concentração pode ocorrer limpeza eficiente quando usado o detergente alcalino e o ácido em associação. ( ) Dentre os grandes desafios para a limpeza de equipamentos de ordenha podem ser citados: grandes superfícies de contato, aderência de resíduos de leite e facilidade de multiplicação microbiana ( ) Em baixas temperaturas a ação química dos detergentes é diminuída, enquanto temperaturas muito elevadas causam degradação de ingredientes, o que também reduz a eficácia dos detergentes ( ) Mesmo em baixa concentração pode ocorrer limpeza eficiente quando for utilizado em associação os detergentes alcalino e ácido. 17. Assinale a alternativa correta sobre a qualidade microbiológica do leite. a) O resfriamento rápido do leite após a ordenha é uma medida fundamental para a obtenção de leite de alta qualidade, pois aumenta a carga microbiana do leite. b) A carga microbiana do leite depende de dois fatores principais: da contaminação inicial e da taxa de multiplicação bacteriana. c) Dentre os diversos métodos de análise microbiológica do leite, podemos citar que a contagem de células somáticas é um dos principais parâmetros avaliados atualmente. d) A redutase é uma prova usada par avaliar a qualidade microbiológica do leite, sendo caracterizada pela sua alta precisão dos resultados e pela necessidade de equipamentos sofisticados. 18. Assinale a alternativa incorreta sobre as principais fontes de contaminação bacteriana do leite. a) Utilização de água contaminada b) Limpeza deficiente do equipamento de ordenha c) Ordenha de tetos úmidos ou com acúmulo de sujidades d) Ocorrência de vacas com mastite no rebanho e) Nutrição inadequada ou deficiência de nutrientes na dieta 19. Assinale a alternativa que indica quais as melhores estratégias para reduzir a contaminação dos tetos antes da ordenha. a) Uso de pré-dipping e pós-dipping b) Controle de ambiente para evitar acúmulo de sujeira nos tetos e uso de pré-dipping seguido de secagem com toalha descartável c) Lavagem dos tetos com água corrente e secagem com papel toalha descartável d) Pós-dipping e lavagem dos tetos com água corrente e) Todas as alternativas

6 20. Sobre a limpeza manual de equipamentos de ordenha é incorreto afirmar: a) Necessita de controle da dosagem de detergentes b) O operador controla quando cada fase de limpeza começa e termina c) Permite drenagem do equipamento de ordenha de forma manual d) Não apresenta riscos de sub ou superdosagem dos detergentes utilizados, sendo mais eficiente 21. Assinale a alternativa incorreta sobre os problemas mais comuns associados à limpeza de equipamentos de ordenha: a) Enxágüe com água fria: solidificação da gordura e maior dificuldade para a etapa de limpeza com detergente alcalino; b) Uso de água quente (50ºC) para o ciclo de limpeza alcalina c) Volume insuficiente de água para preparação de soluções de limpeza d) Velocidade ou turbulência é insuficiente por deficiência do equipamento e) Inadequada dosagem de detergentes alcalino e ácido utilizados 22 - Assinale a alternativa que melhor indique a importância de CBT no leite a) A manutenção da CBT do leite em valores até UFC/mL já é o suficiente, já que este é o limite legal apregoado pela IN 62/2011. b)baixas CBT mantém a integridade de propriedades físico-químicas e sensoriais do leite e portanto, seu adequado processamento pela indústria c)a CBT é um parâmetro de maior importância para fins de saúde pública, já que o leite com alta CBT pode ocasionar doenças no homem d)a CBT é uma avaliação pouco importante para a qualidade do leite, já que a pasteurização elimina a grande parte das bactérias 23 - As consequências da alta CBT no leite cru são: a) mínimas, já que a pasteurização elimina a grande parte das bactérias contaminantes b) dependentes somente da contagem, pois quanto maior a contagem, menores serão as concentrações de enzimas degradantes dos componentes do leite c)dependem da contagem e do tipo dos microrganismos que compõem essa contagem, já que a natureza das bactérias influencia nos problemas que o leite pode apresentar d)a alta CBT aumenta os riscos da saúde ao consumidor, pois nem sempre a pasteurização elimina os patógenos causadores de doenças Com respeito ao efeito da temperatura no desenvolvimento microbiano em alimentos, assinale a opção correta. ( ) Não ocorre desenvolvimento bacteriano em temperatura de 45ºC. ( ) A temperatura de 35 C é considerada extremamente favorável ao desenvolvimento da maioria dos microrganismos. ( ) O desenvolvimento microbiano diminui à medida que a temperatura decresce e cessa completamente quando a temperatura atinge 10 C. ( ) A temperatura de 40 C é utilizada para a esterilização de alimentos. ( ) A faixa de temperatura de 3 C a 5 C é a mais desfavorável ao desenvolvimento de microrganismos, em razão do congelamento dos fluidos e consequente formação de cristais nas células.

7 25. Considerando os critérios de inspeção do leite e dos produtos lácteos no Brasil, o leite in natura deve ser condenado, invariavelmente, no caso de ( ) presença de sujidades. ( ) acidez fora do padrão. ( ) produto fisiologicamente anormal. ( ) produto colostral. ( ) produto parcialmente desnatado na propriedade rural 26. Em relação à fisiologia da lactação ou ao manejo da ordenha, é correto afirmar: ( ) maiores concentrações de gordura se encontram nas primeiras do que nas últimas porções do leite obtido em cada ordenha; a pressão intra-alveolar regula a velocidade de secreção do leite; portanto, ordenhas freqüentes levam a um aumento na produção. ( ) o leite é sintetizado nas células epiteliais dos alvéolos; já os ductos alveolares possuem receptores de oxitocina e, portanto, estão envolvidas no reflexo de ejeção do leite. ( ) para dar suporte à produção leiteira, a circulação sangüínea na glândula mamária é maior que em outros tecidos do organismo; calcula-se que, para cada litro de leite produzido, até 100 litros de sangue circulam nos vasos que circundam os alvéolos mamários. ( ) o mecanismo fisiológico da ejeção do leite envolve os sistemas nervoso e endócrino, e órgãos como o hipotálamo e a neuro-hipófise; em vacas acostumadas à ordenha mecânica, pode ser considerado um exemplo de condicionamento clássico. ( ) o leite é sintetizado nas células mioepiteliais dos alvéolos, que possuem receptores de oxitocina e, portanto, também estão envolvidas no reflexo de ejeção do leite. 27. A ocorrência de mastites provoca consideráveis prejuízos à produção leiteira, sendo particularmente importante a mastite subclínica, que juntamente com a crônica, pode frequentemente afetar 50% dos animais em um plantel. Sendo facilmente transmitido durante a ordenha, respondendo pobremente aos tratamentos e causando mastite aguda e crônica, o principal agente etiológico das mastites é: ( ) Corynebacterium pyogenes. ( ) Streptococcus agalactiae. ( ) Escherichia coli. ( ) Pseudomonas aeruginosa. ( ) Staphylococcus aureus. 28. O leite, um alimento amplamente consumido, pode ser facilmente fraudado ou contaminado. Com relação a esse alimento, julgue os itens seguintes. ( ) A detecção de coliformes fecais a 45º C no leite pasteurizado implica, necessariamente, a sua rejeição para o consumo humano. ( ) O leite integral deve apresentar, no mínimo, 3% de gordura. ( ) O leite com resíduo de antibióticos pode ser utilizado apenas para a fabricação de bebidas lácteas. ( ) A adição de água ao leite, uma das fraudes mais comuns, pode ser facilmente detectada pela determinação da densidade do produto. 29. Considere as seguintes análises indicadoras da qualidade higiênica e sanitária de alimentos: I. Contagem padrão de microrganismos mesófilos aeróbios estritos e facultativos viáveis. II. Número mais provável de coliformes fecais.

8 III. Contagem de bolores e leveduras. Sobre essas análises, é correto afirmar: ( ) I. pode indicar condições favoráveis para o desenvolvolvimento de patógenos; II. indica contaminação a partir de material de origem fecal; III. representa importante indicador de contaminação de origem ambiental. ( ) I. reflete a contaminação global presente no alimento; II. expressa a contaminação a partir de material fecal de animais de sangue quente; III. pode indicar a potencial presença de agentes toxigênicos. ( ) I. quantifica indiretamente os patógenos possivelmente presentes; II. representa o aprimoramento da pesquisa de coliformes totais; III. permite avaliar a eficácia de desinfetantes na indústria. ( ) I. pode indicar a contaminação por patógenos mesófilos; II. permite quantificar patógenos de origem intestinal; III. está indicada para alimentos ácidos. ( ) I. avalia a carga global de contaminantes quando associada à contagem de bolores e leveduras; II. é mais rápida e eficaz que a pesquisa de coliformes totais; III. pode indicar indiretamente a presença de micotoxinas. 30. O componente químico encontrado em maior quantidade no extrato seco total (EST) do leite é: A) ( ) lactose B) ( ) proteínas C) ( ) sais minerais D) ( ) gorduras E) ( ) frutose 31. A oxitocina é secretada: A) ( ) ovário B) ( ) hipotálamo C) ( ) placenta D) ( ) endométrio E) ( ) miométrio 32. Ao obter uma matéria-prima de origem animal devemos dispensar cuidados especiais e controlar todo o processo de beneficiamento, acondicionamento, transporte e manuseio, para que seja assegurada sua qualidade. Na obtenção do leite, o descarte dos três primeiros jatos é uma prática de rotina nas propriedades rurais. Explique o porquê dessa prática e como isso afeta a qualidade do leite. 33. As enzimas (catalisadores) são um grupo de proteínas produzidas por organismos vivos. Elas têm a capacidade de provocar reações químicas e afetar o curso e a velocidade de tais reações, fazendo isso sem serem consumidas. Cite as enzimas presentes no leite. 34. Quais são os cuidados necessários para obtenção higiênica do leite, garantindo assim sua qualidade e segurança para a saude?

9 35. Sobre o produto leite, analise. I. A avaliação da densidade pode não se detectar eficientemente uma fraude por adição de água, pois há casos em que se utiliza amido para disfarçar. II. Quanto aos percentuais de extrato seco total, considerando-se a soma do extrato seco desengordurado com a gordura mínima permitida pela legislação, um leite normal deve ter no mínimo 11,4% de matéria seca, e é indispensável para o julgamento da integridade do produto. III. Ao adicionar água ao leite, há um tipo de alteração; com isso, além de lesar o consumidor, põe em risco sua saúde, pois a água que é adicionada, muitas vezes não passa por nenhum tratamento e pode contaminar o produto com micro-organismos patogênicos. Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s) A) I B) II C) III D) I, II E) I, II, III 36. No Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado, quanto ao teor de acidez, os valores que se apresentam dentro do limites estabelecidos estão em torno de A) 6 a 8 ºD. B) 8 a 10 ºD. C) 10 a 13 ºD. D) 14 a 18 ºD. E) 19 a 20ºD. 37. Como estratégia para reduzir o índice de mamite do rebanho está INCORRETO recomendar: A ( ) Higiene e conforto na área de permanência dos animais. B ( ) Secagem antecipada (vacas que apresentam altas CCS durante vários meses). C ( ) Tratamento com antibióticos de todas as vacas com CMT positivo. D ( ) Correto manejo de ordenha com ênfase na desinfecção das tetas (antes e após a ordenha). E ( ) Descarte ou segregação das vacas com mastite crônica. 38. Identifique os componentes da glândula mamária: 39. Identifique os locais indicados pelas setas e descreva o mecanismo de ejeção do leite. 40. Quais os fatores que podem interferir na ejeção do leite e Explique como ocorre esse bloqueio.

10 Bibliografia recomendada: 1. BEHMER, M.L.A. Tecnologia do Leite. Produção Industrialização Análise, 13ª edição São Paulo Editora Nobel,1996; 2. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa 62. Brasília, 2011; 3. BRASIL/MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Instrução Normativa nº 68 de 12/12/2006 / (D.O.U. 14/12/2006) Métodos Analíticos Oficiais Físico-Químicos - Produtos Lácteos. Oficializa os Métodos Analíticos Oficiais Físico- Químicos, para Controle de Leite e Produtos Lácteos, em conformidade com o anexo desta Instrução Normativa, determinando que sejam utilizados nos Laboratórios Nacionais Agropecuários. 4. TRONCO, V.M Manual para Inspeção da Qualidade do Leite; 5. RIISPOA. Regulamento de inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal. Ministério da agricultura;. 6. SANTOS, M.V Curso Online: Qualidade de Leite e Manejo de Ordenha ORDÔÑEZ, J.A Tecnologia de Alimentos vol. II, alimentos de origem animal. Porto Alegre, Artmede, Links: ntre_mastite_e_contagem_bacteriana_total_5583.aspx

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Aula 05 Manejo de Ordenha Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Introdução Em geral, a ordenha determina a quantidade e a qualidade do leite. Retorno do investimento

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite 1 O QUE PODE AFETAR A COMPOSIÇÃO DO LEITE? RAÇA MANEJO MASTITE ESTRESSE ALIMENTAÇÃO Mastite Doença que mais causa prejuízos econômicos na cadeia

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE Ângela Maria Fiorentini QUALIDADE DO LEITE Organoléptica Nutricional Físico-química Microbiológica LEITE E PRODUTOS Fonte : Rabobank, adaptado por Otavio A. C. De Farias LEITES

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO

AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO Marcus Vinicios da Costa de Souza 1 ; Ariely Conrrado de lima 2 ; Jussara Maria

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP Laerte Dagher Cassoli 1, Paulo F. Machado 2 Clínica do Leite ESALQ /USP Piracicaba, SP 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 37 AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 Resumo: A elevada procura pela qualidade dos produtos

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS Rua: Victor Sopelsa, nº 3000 Bairro Salete E-mail: sac-lableite@uncnet.br Fone: (49) 3441-1086 Fax: (49) 3441-1084 Cep: 89.700-000 Concórdia Santa Catarina Responsável /Gerente

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Vinicius Emanoel Carvalho 1, Thiago Paim Silva 1, Marco Antônio Faria

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP.

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP. Boas práticas de produção associadas à higiene de ordenha e qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

PROCESSAMENTO DO LEITE

PROCESSAMENTO DO LEITE PROCESSAMENTO DO LEITE Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa. A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011 Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.br 32 3311-7537 Conteúdo 1. Breve histórico sobre o tema Qualidade do

Leia mais

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Clara Costa Zica Gontijo¹; Brenda Veridiane Dias¹; Silvana Lúcia dos Santos Medeiros² ¹Estudante de Zootecnia.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

A Solução GenEón. Reduzir a repetição de compra de produtos químicos de limpeza criando o seu próprio é a solução inteligente.

A Solução GenEón. Reduzir a repetição de compra de produtos químicos de limpeza criando o seu próprio é a solução inteligente. Durante décadas, limpamos e higienizamos os lugares em que vivemos, trabalhamos e nos divertimos através da compra repetitiva de produtos químicos tóxicos caros. A Solução GenEón E enquanto produtos químicos

Leia mais

nasce uma nova estirpe de produtor no brasil Por que o fígado é tão importante para as vacas leiteiras? Nossa História: conheça a Fazenda Pinheiros

nasce uma nova estirpe de produtor no brasil Por que o fígado é tão importante para as vacas leiteiras? Nossa História: conheça a Fazenda Pinheiros Revista Técnica da Bovinocultura de Leite - Número 47 - Ano 7 fevereiro 2013 IMPRESSO FECHADO. PODE SER ABERTO PELA ECT. nasce uma nova estirpe de produtor no brasil Nossa História: conheça a Fazenda Pinheiros

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias SEGURANÇA ALIMENTAR Prevenir a presença de agentes patogénicos nos alimentos agentes biológicos microrganismos parasitas agentes tóxicos origem microbiana origem no

Leia mais

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO LEITE O leite é o produto da secreção das glândulas mamárias dos mamíferos. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS O leite é

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 THE IMPORTANCE OF THE COUNTING OF SOMATIC CELLS AND TOTAL BACTERIAL COUNTING

Leia mais

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Agenda 1. Situação atual da qualidade do leite 2. Conceitos

Leia mais

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Bruno Souza Franco ¹, Susana Rubert Manfio 1, Cristiano

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO LEITE CRU REFRIGERADO PRODUZIDO NO MUNICÍPIO DE SAPOPEMA/PR MICROBIOLOGICAL QUALITY AND PHYSICAL CHEMISTRY OF RAW REFRIGERATED MILK PRODUCED IN THE CITY SAPOPEMA/PR

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área temática: Tecnologia e Produção Maximiliane Alavarse Zambom (Coordenadora da Ação de Extensão) Leslié Defante 1,

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 O Conseleite foi criado originalmente em

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

2. Nesse sistema, ocorre uma relação de protocooperação entre algas e bactérias.

2. Nesse sistema, ocorre uma relação de protocooperação entre algas e bactérias. PROVA DE BIOLOGIA QUESTÃO 01 Entre os vários sistemas de tratamento de esgoto, o mais econômico são as lagoas de oxidação. Essas lagoas são reservatórios especiais de esgoto, que propiciam às bactérias

Leia mais

Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia

Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . UNEB Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia - Pesquisa da UNEB analisará

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DO LEITE CRU ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS PED C: Débora Parra Baptista

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE?

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? A sujidade é um residual físico, químico ou biológico considerado estranho ao produto original, que pode ser capaz de provocar efeitos deterioráveis, detectados visualmente

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7 CAPÍTULO 7 Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade Rodolpho de Almeida Torres Vânia Maria Oliveira Guilherme Nunes de Souza Introdução A qualidade do leite para o consumidor está

Leia mais

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Nívea Maria Vicentini Pesquisadora Embrapa Gado de Leite 15 o Encontro Técnico do Leite Campo Grande, 15 de maio de 2012 O QUE É O PAS?

Leia mais

ANEXO I - DOS CENTROS TECNOLÓGICOS, UNIDADES TEMÁTICAS, CARGA-HORÁRIA, NÚMERO DE VAGAS, CURSOS, REQUISITOS MÍNIMOS E TEMAS.

ANEXO I - DOS CENTROS TECNOLÓGICOS, UNIDADES TEMÁTICAS, CARGA-HORÁRIA, NÚMERO DE VAGAS, CURSOS, REQUISITOS MÍNIMOS E TEMAS. ERRATA 001 - EDITAL 013/2013/ITEP/OS Onde lê-se: ANEXO I - DOS CENTROS TECNOLÓGICOS, UNIDADES TEMÁTICAS, CARGA-HORÁRIA, NÚMERO DE VAGAS, CURSOS, REQUISITOS MÍNIMOS E TEMAS. CT CURSO DISCIPLINA CH VAGAS

Leia mais

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados 2014 1.Enquadramento: A limpeza dos dispositivos médicos contaminados (DMC) é, de acordo com a Norma n.º 2 Descontaminação de Dispositivos Médicos e Equipamentos 1, o processo que inclui a lavagem, o enxaguamento

Leia mais

1) O que entende por contaminação cruzada? Cite algumas medidas de prevenção da contaminação cruzada. 2) Quais as categorias de perigos que conhece? 3) Dê alguns exemplos de Perigos Biológicos. 4) Quais

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS 67 TRABALHO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 EVALUATION OF CHEMICAL COMPOSITION

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

Nesse sistema de aquecimento,

Nesse sistema de aquecimento, Enem 2007 1- Ao beber uma solução de glicose (C 6 H 12 O 6 ), um corta-cana ingere uma substância: (A) que, ao ser degradada pelo organismo, produz energia que pode ser usada para movimentar o corpo. (B)

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Introdução a Pecuária Leiteira Valdirene Zabot Zootecnista valdirene@unochapeco.edu.br

Leia mais

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização A qualidade do ar em um sistema de ar comprimido tem variações e todas elas estão contempladas no leque de opções de produtos que a hb ar comprimido oferece.

Leia mais

PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI

PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI PASTEURIZAÇÃO Obrigatória no Brasil para todo o leite Todos os derivados devem ser fabricados a partir de leite pasteurizado Tecnologia obrigatória em todo

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO Obtenção de Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO A produção

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR LAT ENZIM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE GORDURAS

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR LAT ENZIM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE GORDURAS INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR LAT ENZIM PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE GORDURAS LAT - ENZIM é o produto indicado para o tratamento de todos os entupimentos de gordura orgânica em canalizações de esgoto e grelhas

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

Leite de qualidade LEGISLAÇÃO DO LEITE NO BRASIL. Leite de Qualidade. Histórico 30/06/ Portaria 56. Produção Identidade Qualidade

Leite de qualidade LEGISLAÇÃO DO LEITE NO BRASIL. Leite de Qualidade. Histórico 30/06/ Portaria 56. Produção Identidade Qualidade Leite de Qualidade Leite de qualidade Histórico LEGISLAÇÃO DO LEITE NO BRASIL Getúlio Vargas 29 de março de 1952 RIISPOA Decreto nº 30.691 Brasil Mercosul (Anos 90) Ministério da Agricultura 1998 Grupo

Leia mais

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE AMBIENTE TÉRMICO O ambiente térmico pode ser definido como o conjunto das variáveis térmicas do posto de trabalho que influenciam o organismo do trabalhador, sendo assim um fator importante que intervém,

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: PAPENBORG LATICÍNIOS LTDA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: PAPENBORG LATICÍNIOS LTDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - CTC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E DE ALIMENTOS EQA5611 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS I ORIENTADOR: JOÃO BORGES LAURINDO

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Genkor. 32 FOOD INGREDIENTS BRASIL Nº 10-2009 www.revista-fi.com. Introdução

Genkor. 32 FOOD INGREDIENTS BRASIL Nº 10-2009 www.revista-fi.com. Introdução MÉTODOS E CRITÉRIOS PARA SUBSTITUIÇÃO DE FONTES LÁCTEAS EM GELADOS COMESTÍVEIS Introdução O leite pode ser considerado a principal matéria-prima para a indústria de gelados comestíveis em função de ter

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE

IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE 1 IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE JOSÉ AUGUSTO HORST A produção de leite no Brasil vem crescendo a cada ano, tendo dobrado sua produção nos últimos 20 anos, com uma produção anual

Leia mais

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM Procedimento pré-estabelecido para seleção, retirada, preservação, transporte e preparação das porções a serem removidas do lote como amostras, de uma maneira tal que o tratamento matemático dos testes

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 CIÊNCIAS DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE DE 2012

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

Abril Educação Água Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Água Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Água Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 A água e o ar são indispensáveis para a sobrevivência dos seres vivos, mas o homem vem poluindo esses meios de forma muitas

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

Redução da contagem bacteriana na propriedade

Redução da contagem bacteriana na propriedade Redução da contagem bacteriana na propriedade Marcos Veiga dos Santos Agenda Fontes de contaminação do leite Redução da Contagem Bacteriana Total (CBT); Limpeza de equipamentos e utensílios Resfriamento

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

Processo de industrialização do leite pasteurizado

Processo de industrialização do leite pasteurizado Processo de industrialização do leite pasteurizado Bruna dos Santos 1 (FECILCAM) brunadosantos@hotmail.com Igor José do Nascimento 1 (FECILCAM) - igor_jnascimento@live.com Fabiane Avanzi Rezende 1 (FECILCAM)

Leia mais

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria. 2 Fundamentos O principal objetivo

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

Características da Carne de Frango

Características da Carne de Frango Características da Carne de Frango Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com)

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Cadeia produtiva do leite

Leia mais