Moçambique 201 Moçambique Inquérito Demográfi co Inquérito Demográfi 2011 e de Saúde co e de Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Moçambique 201 Moçambique Inquérito Demográfi co Inquérito Demográfi 2011 e de Saúde co e de Saúde"

Transcrição

1 Moçambique Inquérito Demográfico e de Saúde 2011

2

3 MOÇAMBIQUE Inquérito Demográfico e de Saúde 2011 Instituto Nacional de Estatística Ministério da Saúde Maputo, Moçambique MEASURE DHS/ICF International (Assistência Técnica) Março 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE

4 O Inquérito Demográfico e de Saúde (IDS) em Moçambique faze parte dum programa internacional de inquéritos (MEASURE DHS) desenvolvido pelo ICF International através de um contrato com a USAID, com o propósito de apoiar aos governos e instituições privadas dos países em desenvolvimento na realização de inquéritos nacionais por amostragem, nas áreas de população e saúde. O Programa MEASURE DHS tem por objectivo: Subsidiar a formulação de políticas e implementação de programas nas áreas de população e saúde; Aumentar a base internacional de dados sobre população e saúde para acompanhamento e avaliação; Aprimorar metodologia de inquérito por amostragem, e Consolidar, na área de inquérito, a capacidade técnica da instituição executora no país participante do Programa. O Programa DHS teve início em 1984 e, desde então, já foram realizados inquéritos em mais de 70 países da América Latina, Caribe, África, Ásia e Leste Europeu. Informações adicionais sobre o Programa MEASURE DHS ou IDS podem ser obtidas no seguintes endereços: Instituto Nacional de Estatística Avenida 24 de Julho, Nº 1989 Caixa Postal 493 Maputo Mozambique Telefone: (258) Fax: (258) Internet: Ministério da Saúde Avenida Salvador Allende C.P. 264, Maputo, Moçambique Telefone: (2581) /4 Fax: (2581) ICF International/MEASURE DHS program Beltsville Drive, Suite 300 Calverton, MD 20705, U.S.A. Telefone: (301) Fax: (301) Internet: Citação recomendada: Ministerio da Saude (MISAU), Instituto Nacional de Estatística (INE) e ICF International (ICFI). Moçambique Inquérito Demográfico e de Saúde Calverton, Maryland, USA: MISAU, INE e ICFI.

5 ÍNDICE QUADROS E GRÁFICOS... vii PREFÁCIO... xiii SIGLAS E ACRÓNIMOS... xv MAPA DE MOÇAMBIQUE... xvi 1 INTRODUÇÃO Descrição Geral do País Geografia História Economia Dinâmica da População Língua e Religião Política de População e Programa de Planeamento Familiar Política de População Programa Nacional de Planeamento Familiar Programas e Prioridades de Saúde Aspectos Metodológicos e Organização do Inquérito Questionários Desenho da Amostra Treinamento do Pessoal do Inquérito Recolha de Dados Processamento de Dados Supervisão e Controle de Qualidade Taxas de Resposta CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO E DOS AGREGADOS FAMILIARES Características de Habitação Posse de Bens Duráveis O Índice de Riqueza Aspectos de Higiene Características Gerais da População dos Agregados População por Área de Residência, segundo Idade e Sexo Composição dos Agregados Familiares Registo de Nascimento de Crianças Menores de 5 Anos Convivência e Orfandade dos Menores de 18 Anos Frequência Escolar por Estado de Sobrevivência dos Pais Nível de Escolaridade e Frequência Escolar CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO ENTREVISTADA Características Gerais Nível Escolaridade e Alfabetismo Acesso e Exposição a Meios de Comunicação Estado de Emprego Cobertura do Seguro de Saúde Uso do Tabaco ESTADO CIVIL E ACTIVIDADE SEXUAL Introdução Estado Civil Poligamia Idade na Primeira União Idade ao Primeiro Contacto Sexual Actividade Sexual Recente Índice iii

6 5 FECUNDIDADE Introdução Fecundidade Actual Diferenciais de Fecundidade Tendências da Fecundidade Fecundidade Acumulada Intervalos de Nascimentos Amenorreia, Abstinência e Insusceptibilidade Pós-parto Término da Exposição à Gravidez ou Menopausa Idade ao Nascimento do Primeiro Filho Fecundidade das Adolescentes INTENÇÕES REPRODUTIVAS Desejo de Ter Mais Filhos Número Ideal de Filhos Planeamento dos Nascimentos CONTRACEPÇÃO Conhecimento da Contracepção Conhecimento da Contracepção por Características Seleccionadas Uso Actual da Contracepção Diferenciais no Uso de Métodos Contraceptivos Fontes de Obtenção de Métodos Contraceptivos Utilização de Preservativos de Marketing Social Escolha Informada do Método Contraceptivo A Descontinuidade de Uso de Métodos Contraceptivos Necessidade e Procura de Planeamento Familiar Intenção de Uso Futuro de Métodos Anticonceptivos Exposição e Aceitação de Mensagens Pelos Meios de Comunicação Contacto das Não Usuárias com os Provedores de Serviços de Planeamento Familiar MORTALIDADE INFANTO-JUVENIL E MATERNA Introdução Metodologia Qualidade dos Dados Níveis e Tendências da Mortalidade Diferenciais da Mortalidade Mortalidade Perinatal Grupos de Comportamento Reprodutivo de Alto Risco Mortalidade Adulta e Materna Procedimentos de Recolha de Dados Estimativa Directa da Mortalidade Adulta Estimativas da Mortalidade Materna ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL E AO PARTO Cuidados Pré-natais Tipos de Cuidados Pré-natais Imunização Antitetânica Assistência ao Parto Local do Parto Assistência Durante o Parto Problemas No Acesso aos Cuidados de Saúde SAÚDE DA CRIANÇA Peso e Tamanho da Criança à Nascença Imunização Infantil Vacinação à Data do Inquérito Vacinação Durante os Primeiros 12 Meses de Idade Prevalência e Tratamento de Infecções Respiratórias Agudas (IRA) Prevalência e Tratamento de Febre Prevalência e Tratamento de Diarreia Conhecimento Sobre Pacote de Sais de Rehidratação Oral ou Líquidos Pré-empacotados Tratamento de Fezes iv Índice

7 11 AMAMENTAÇÃO DA CRIANÇA, NUTRIÇÃO INFANTIL E DA MÃE Estado Nutricional das Crianças Amamentação ao Peito Início da Amamentação Condição de Amamentação por Idade Duração Mediana da Amamentação Alimentos Suplementares Prevalência de Anemia Entre Crianças Consumo de Micronutrientes Pelas Crianças Testagem do Sal nos Agregados Familiares Estado Nutricional das Mulheres Peso e Altura Prevalência de Anemia em Mulheres Consumo de Micronutrientes Entre as Mães MALÁRIA Introdução Posse de Redes Mosquiteiras Pulverização Intra-domiciliária Acesso a Redes Mosquiteiras Uso de Redes Mosquiteiras Uso de Redes Mosquiteiras Entre as Crianças Menores de Cinco Anos Mulheres Grávidas Uso de Medicamentos Antimaláricos Durante a Gravidez Prevalência e Tratamento Pontual de Febre em Crianças Menores de Cinco Anos Prevalência da Malária e da Anemia nas Crianças Menores de Cinco Anos CONHECIMENTOS, ATITUDES E COMPORTAMENTOS EM RELAÇÃO AO SIDA Conhecimento do HIV/SIDA Conhecimento de Formas Específicas de Evitar HIV Conhecimento Abrangente Sobre SIDA Conhecimento Sobre Transmissão de Mãe para Filho Atitudes de Aceitação em Relação às Pessoas Vivendo com HIV Atitudes em Relação a Negociação de Sexo Seguro com o Marido Apoio dos Adultos na Educação Sobre o Uso de Preservativo para Prevenir HIV Parceiros Sexuais Múltiplos Sexo Pago e Uso de Preservativo no Último Sexo Pago Cobertura de Testagem para HIV Anterior ao Inquérito Aconselhamento e Testagem de HIV nas Mulheres Grávidas Circuncisão Masculina Declaração Voluntaria de Infecções de Transmissão Sexual (ITS) Prevalência de Uso de Injecções Médicas Conhecimento Abrangente e Uso de Preservativo Entre os Jovens de 15 a 24 Anos Idade da Primeira Relação Sexual Entre os Jovens de 15 a 24 Anos Relações Sexuais Pré-maritais Entre os Jovens de 15 a 24 Anos Parceiros Sexuais Múltiplos nos Últimos 12 Meses nos Jovens de 15 a 24 Anos Sexo Intergeracional Testagem para HIV Entre os Jovens EMPODERAMENTO DA MULHER Introdução Empoderamento, Emprego e Rendimento Controlo dos Rendimentos Posse de Bens Imóveis Autonomia nas Decisões Atitudes com Respeito a Agressão Contra as Mulheres Indicadores de Empoderamento da Mulher Empoderamento e Saúde Reproductiva Índice v

8 15 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Metodologia Violência Física Perpetradores da Violência Física Violência Sexual Perpetrador da Violência Sexual Idade à Primeira Agressão Sexual Tipo de Violência Violência Durante a Gravidez Grau de Controlo Exercido Pelo Cônjuge Violência Conjugal Prevalência da Violência Exercida Pelo Cônjuge Violência Conjugal, Características dos Conjugues e Indicadores de Empoderamento Violência Física ou Sexual Exercida Pelo Cônjuge nos Últimos 12 Meses Primeiro Episódio da Violência Conjugal Consequências de Violência Conjugal Violência Física Perpetrada Pelos Respondentes Contra Seus Parceiros Procura de Ajuda REFERÊNCIAS APÊNDICE A DESENHO E COBERTURA DA AMOSTRA A.1 Introdução A.2 Marco Amostral A.3 Selecção da Amostra A.4 Taxas de Resposta e Composição da Amostra APÊNDICE B ERROS DE AMOSTRAGEM APÊNDICE C QUADROS DA QUALIDADE DOS DADOS APÊNDICE D PESSOAL DO INQUÉRITO APÊNDICE E QUESTIONÁRIOS vi Índice

9 QUADROS E GRÁFICOS 1 INTRODUÇÃO... 1 Quadro 1.1 Indicadores económicos seleccionados para Moçambique, Quadro 1.2 População e taxa de crescimento, Quadro 1.3 Composição da população por idade, Quadro 1.4 População por sexo e densidade demográfica... 6 Quadro 1.5 Amostra implementada: mulheres Quadro 1.6 Amostra implementada: homens CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO E DOS AGREGADOS FAMILIARES Quadro 2.1 Agregados familiares por fonte de água para beber Quadro 2.1a Agregados familiares por fonte de água para beber Quadro 2.2 Infraestruturas sanitárias de agregados familiares Quadro 2.2a Infraestruturas sanitárias de agregados familiares Quadro 2.3 Características das habitações Quadro 2.3a Características das habitações Quadro 2.4 Bens duráveis do agregado familiar Quadro 2.4a Bens duráveis do agregado familiar Quadro 2.5 Quintís de riqueza Quadro 2.6 Lavagem das mãos Quadro 2.7 População de agregados familiares por sexo e idade Quadro 2.8 Composição de agregados familiares Quadro 2.9 Registo de nascimento de crianças menores de 5 anos Quadro 2.10 Convivência e orfandade Quadro 2.11 Frequência escolar por estado de sobrevivência dos pais Quadro Atendimento escolar da população feminina dos agregados familiares Quadro Atendimento escolar da população masculina dos agregados familiares Quadro 2.13 Taxas de frequência escolar Gráfico 2.1 Percentagem de agregados familiares que tem energia eléctrica, segundo área de residência e província, Moçambique, 2003 e Gráfico 2.2 Pirâmide da população inquirida, Moçambique Gráfico 2.3 Taxas líquidas do ensino primário, segundo área de residência e província, Moçambique, 2003 e Gráfico 2.4 Taxas de frequência escolar por sexo e idade, Moçambique CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO ENTREVISTADA Quadro 3.1 Características seleccionadas dos entrevistados Quadro Frequência escolar: Mulheres Quadro Frequência escolar: Homens Quadro Alfabetismo: Mulher Quadro Alfabetismo: Homens Quadro Acesso aos meios de comunicação de massas: Mulheres Quadro Acesso aos meios de comunicação de massas: Homens Quadro Situação de emprego: Mulheres Quadro Situação de emprego: Homens Quadro Ocupação: Mulheres Quadro Ocupação: Homens Quadro 3.7 Tipo de emprego: Mulheres Quadro Cobertura de seguro de saúde: Mulheres Quadro Cobertura de seguro de saúde: Homens Quadro Uso de tabaco: Mulheres Quadro Uso de tabaco: Homens Quadros e Gráficos vii

10 Gráfico Gráfico Gráfico Gráfico Percentagem de mulheres que frequentaram ensino secundário ou mais, segundo área de residência e província, Moçambique, 2003 e Percentagem de homens que frequentaram ensino secundário ou mais, segundo área de residência e província, Moçambique, 2003 e Percentagem de mulheres alfabetizadas, segundo área de residência e província, Moçambique, 2003 e Percentagem de homens alfabetizados, segundo área de residência e província, Moçambique, 2003 e ESTADO CIVIL E ACTIVIDADE SEXUAL Quadro 4.1 Estado civil actual Quadro Número de co-esposas Quadro Número de esposas Quadro 4.3 Idade na primeira união Quadro 4.4 Idade na primeira união por características seleccionadas Quadro 4.5 Idade mediana à primeira relação sexual Quadro 4.6 Idade mediana à primeira relação sexual por características seleccionadas Quadro Actividade sexual recente: Mulheres Quadro Actividade sexual recente: Homens FECUNDIDADE Quadro 5.1 Fecundidade actual Quadro 5.2 Fecundidade por características seleccionadas Quadro Tendências das taxas de fecundidade por idade Quadro Tendências nas taxas globais de fecundidade Quadro Tendências nas taxas globais de fecundidade Quadro Tendências da fecundidade por província Quadro 5.4 Filhos nascidos vivos e sobreviventes Quadro 5.5 Intervalo entre os nascimentos Quadro 5.6 Amenorreia, abstinência e insusceptibilidade pós-parto Quadro 5.7 Duração mediana da amenorreia, abstinência e insusceptibilidade pós-parto Quadro 5.8 Menopausa Quadro 5.9 Idade ao nascimento do primeiro filho Quadro 5.10 Idade mediana ao nascimento do primeiro filho Quadro 5.11 Gravidez e maternidade na adolescência Gráfico 5.1 Taxas de fecundidade por idade, segundo área de residência INTENÇÕES REPRODUTIVAS Quadro 6.1 Intenções reprodutivas por número de filhos vivos Quadro Desejo de limitar nascimento de filhos: Mulheres Quadro Desejo de limitar nascimento de filhos: Homens Quadro 6.3 Número ideal de filhos por número de filhos vivos Quadro 6.4 Número médio ideal de filhos Quadro 6.5 Planeamento dos nascimentos Quadro 6.6 Fecundidade desejada e real CONTRACEPÇÃO Quadro 7.1 Conhecimento de métodos contraceptivos: mulheres e homens Quadro 7.2 Conhecimento de métodos contraceptivos por características seleccionadas Quadro 7.3 Uso actual da contracepção por idade Quadro 7.4 Uso actual de métodos contraceptivos por características seleccionadas Quadro 7.5 Fonte de obtenção de métodos contraceptivos modernos Quadro 7.6 Uso de marcas de marketing social Quadro 7.7 Escolha informada Quadro 7.8 Razões da descontinuidade Quadro 7.9 Necessidade e procura por contracepção entre mulheres actualmente casadas/em união Quadro 7.10 Necessidade e procura por contracepção entre mulheres actualmente não casadas ou em união Quadro 7.12 Exposição à mensagens sobre planeamento familiar viii Quadros e Gráficos

11 Quadro 7.13 Gráfico 7.1 Contacto de mulheres não usuárias de métodos contraceptivos com agentes do planeamento familiar Uso de contraceptivos entre as mulheres em união marital, por área de residência e Província, 1997, 2003 e MORTALIDADE INFANTO-JUVENIL E MATERNA Quadro 8.1 Mortalidade infantil e na infância Quadro 8.2 Mortalidade infantil e na infância por características socioeconómicas Quadro 8.3 Mortalidade infantil e na infância por características demográficas Quadro 8.4 Mortalidade perinatal Quadro 8.5 Comportamento reprodutivo de elevado risco Quadro 8.6 Taxas de mortalidade adulta Quadro 8.7 Probabilidades de falecimento nos adultos Quadro 8.8 Mortalidade materna Gráfico 8.1 Evolução das taxas de mortalidade infantil, Moçambique,1997, 2003 e Gráfico 8.2 Taxas de mortalidade infantil para o período dos dez anos que antecederam o inquérito, segundo área de residência, província e nível de escolaridade, Moçambique, ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL E AO PARTO Quadro 9.1 Cuidados pré-natais Quadro 9.2 Número de visitas de consultas de cuidados pré-natais e tempo da primeira consulta Quadro 9.3 Tipos de cuidados pré-natais Quadro 9.4 Vacinação antitetânica Quadro 9.5 Local do parto Quadro 9.6 Assistência durante o parto Quadro 9.7 Problemas no acesso aos cuidados de saúde SAÚDE DA CRIANÇA Quadro 10.1 Peso e tamanho da criança à nascença Quadro 10.2 Vacinação por fonte de informação Quadro 10.3 Vacinação por características seleccionadas Quadro 10.4 Vacinação no primeiro ano de vida Quadro 10.5 Prevalência e tratamento de infecções respiratórias agudas Quadro 10.6 Prevalência e tratamento de febre Quadro 10.7 Prevalência de diarreia Quadro 10.8 Tratamento da diarreia Quadro 10.9 Padrão de alimentação durante a diarreia Quadro Conhecimento sobre sais de rehidratação oral e líquidos pré-empacotados Quadro Tratamento de fezes das crianças AMAMENTAÇÃO DA CRIANÇA, NUTRIÇÃO INFANTIL E DA MÃE Quadro 11.1 Estado nutricional das crianças Quadro 11.2 Início da amamentação Quadro 11.3 Estado de amamentação por idade Quadro 11.4 Duração mediana da amamentação Quadro 11.5 Alimentos e líquidos consumidos pelas crianças no dia ou na noite anteriores a entrevista Quadro 11.6 Práticas de alimentação de lactentes e crianças pequenas Quadro 11.7 Prevalência de anemia entre as crianças Quadro 11.8 Consumo de micronutrientes entre crianças Quadro 11.9 Presença do Iodização no sal dos agregado familiares Quadro Situação nutricional das mulheres Quadro Prevalência de anemia nas mulheres Quadro Consumo de micronutrientes entre as mulheres Gráfico 11.1 Estado nutricional das crianças por meses de idade Gráfico 11.2 Estado de amamentação por idade Gráfico 11.3 Duração mediana da amamentação, segundo área de residência e província Quadros e Gráficos ix

12 12 MALÁRIA Quadro 12.1 Posse de redes mosquiteiros no agregado familiar Quadro 12.2 Pulverização intra-domiciliária com insecticida de efeito residual (PID) Quadro 12.3 Acesso a redes mosquiteiras tratadas com insecticida (MTI) Quadro 12.4 Uso de redes mosquiteiras pela população de facto Quadro 12.5 Uso de redes mosquiteiras por crianças Quadro 12.6 Uso de redes mosquiteiras por mulheres grávidas Quadro 12.7 Uso profiláctico de medicamento antimalárico e uso de tratamento intermitente preventivo (TIP) durante a gravidez Quadro 12.8 Prevalência, diagnóstico e tratamento pontual de crianças com febre Quadro 12.9 Tipo de antimalárico e tempo de medicação para as crianças com febres Quadro Prevalência de anemia nas crianças Quadro Prevalência da malária nas crianças Gráfico Posse de rede mosquiteira nos agregados segundo área de residência e província CONHECIMENTOS, ATITUDES E COMPORTAMENTOS EM RELAÇÃO AO SIDA Quadro 13.1 Já ouviram falar de HIV e SIDA Quadro 13.2 Conhecimento de formas de evitar o HIV/SIDA Quadro Conhecimento abrangente sobre SIDA: Mulheres Quadro Conhecimento abrangente sobre SIDA: Homens Quadro 13.4 Conhecimento sobre a prevenção da transmissão do HIV de mãe para o filho Quadro Atitudes de aceitação em relação aos que vivem com o HIV: mulheres Quadro Atitudes de aceitação em relação aos que vivem com o HIV: homens Quadro 13.6 Atitudes em relação à negociação para sexo seguro com o marido Quadro 13.7 Aprovação da educação sexual dos jovens Quadro Parceiros Sexuais Múltiplos: Mulheres Quadro Parceiras Sexuais Múltiplas: Homens Quadro 13.9 A prevalência e prevalência cumulativa de parceiros sexuais simultâneos Quadro Sexo pago e uso de preservativo na última relação sexual paga Quadro Cobertura de testagem de HIV anterior ao inquérito: Mulheres Quadro Cobertura de testagem de HIV anterior ao inquérito: Homens Quadro Mulheres grávidas aconselhadas e testadas para o HIV Quadro Circuncisão masculina Quadro Declaração voluntária de infecções sexualmente transmitidas (ITS) e seus sintomas Quadro Prevalência de injecções medicas Quadro Conhecimento abrangente sobre SIDA e fonte de preservativos entre os jovens Quadro Idade da primeira relação sexual entre jovens de ambos sexos Quadro Relações sexuais pré-maritais e uso de preservativo durante o sexo antes do casamento entre jovens de ambos sexos Quadro Parceiros sexuais múltiplos nos últimos 12 meses entre jovens anos: Mulheres Quadro Parceiros sexuais múltiplos nos últimos 12 meses entre jovens anos: Homens Quadro Mistura de idade nas relações sexuais entre homens e mulher de Quadro Teste de HIV entre jovens EMPODERAMENTO DA MULHER Quadro 14.1 Emprego e rendimentos de mulheres e homens actualmente casados Quadro Controlo dos rendimentos da mulher e magnitude relativa dos rendimentos da mulher Quadro Controlo dos rendimentos do homem Quadro 14.3 Controlo dos rendimentos pelas mulheres Quadro Posse de bens: Mulheres Quadro Posse de bens; Homens Quadro 14.5 Participação na tomada de decisão Quadro Participação da mulher na tomada de decisões Quadro Participação do homem na tomada de decisões Quadro Atitude em relação a agressão física às esposas: Mulheres x Quadros e Gráficos

13 Quadro Atitude em relação a agressão física às esposas: Homens Quadro 14.8 Indicadores de empoderamento da mulher Quadro 14.9 Uso actual de métodos contraceptivos por empoderamento da mulher Quadro Número médio ideal de filhos e necessidade insatisfeita por empoderamento da mulher Quadro Cuidados da saúde reprodutiva e empoderamento da mulher VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Quadro Violência física Quadro Violência física Quadro Perpetrador da violência física Quadro Perpetrador da violência sexual Quadro Violência sexual Quadro Violência sexual Quadro Perpetrador da violência sexual Quadro Perpetrador da violência sexual Quadro Idade da entrevistada quando foi violada sexualmente pela primeira vez Quadro Idade do entrevistado quando foi violado sexualmente pela primeira vez Quadro Tipos de violência Quadro Tipos de violência Quadro 15.7 Violência durante a gravidez Quadro Grau de controlo exercido pelo marido/esposo Quadro Grau de controlo exercido pela esposa Quadro Violência conjugal Quadro Violência conjugal Quadro Violência conjugal por características seleccionadas Quadro Violência conjugal por características seleccionadas Quadro Violência conjugal, características do marido e indicadores de empoderamento Quadro Violência conjugal, característica da esposa e indicadores de empoderamento Quadro Violência física ou sexual nos últimos 12 meses exercida pelo marido/parceiro Quadro Violência física ou sexual nos últimos 12 meses exercida pela esposa/parceira Quadro Violência conjugal por duração do casamento Quadro Violência conjugal por duração do casamento Quadro Consequências da violência conjugal Quadro Consequências da violência conjugal Quadro Violência física contra seus esposos por características seleccionadas Quadro Violência física contra suas esposas por características seleccionadas Quadro Violência física contra seus esposos segundo características do marido e indicadores de empoderamento Quadro Violência física contra suas esposas segundo características da mulher e indicadores de empoderamento Quadro Procura de ajuda Quadro Procura de ajuda Quadro Fonte de apoio Quadro Fonte de apoio APÊNDICE A DESENHO E COBERTURA DA AMOSTRA Quadro A.1 Alocação da amostra Quadro A.2 Amostra implementada: mulheres Quadro A.3 Amostra implementada: homens Quadro A.4.1 Mulheres que completaram o módulo da violência por características seleccionadas Quadro A.4.2 Características seleccionadas dos homens que completaram o módulo da violência APÊNDICE B ERROS DE AMOSTRAGEM Quadro B.1 Lista das variáveis seleccionadas para o cálculo de erros de amostragem Quadro B.2 Taxas de mortalidade Quadro B.3 Taxa Global de Fecundidade Quadros e Gráficos xi

14 APÊNDICE C QUADROS DA QUALIDADE DOS DADOS Quadro C.1 Distribuição da população dos agregados familiares, por idade e sexo Quadro C.2.1 Distribuição das mulheres elegíveis e entrevistadas, por idade Quadro C.2.2 Distribuição dos homens elegíveis e entrevistados, por idade Quadro C.3 Qualidade das informações Quadro C.4 Nascimentos, por ano de nascimento Quadro C.5 Idade ao morrer declarada em dias Quadro C.6 Idade ao morrer declarada em meses Quadro C.7 Estado nutricional das crianças baseada no NCHS/CDC/WHO População de referência xii Quadros e Gráficos

15 PREFÁCIO É com imensa satisfação que apresentamos os resultados do 3 o Inquérito Demográfico e de Saúde (IDS) realizado no nosso Pais em Esperamos que as constatações resumidas neste relatório contribuam para o reforço do conhecimento sobre a realidade demográfica e de saúde da população moçambicana e, simultaneamente, para o fortalecimento dos processos de planificação monitoria e diálogo entre os diferentes intervenientes no desenvolvimento socioeconómico de Moçambique. Os resultados apresentados no presente relatório revelam extraordinários progressos na saúde da população, mas também desafios que teremos que fazer face ao longo dos próximos anos. Por exemplo, os dados indicam que a mortalidade infantil reduziu drasticamente, os níveis de conhecimento sobre o HIV- SIDA quase atingiram os 100%. Em contrapartida, os níveis de fecundidade mostram sinais de aumento, particularmente nas zonas rurais e nalgumas províncias, o uso de métodos contraceptivos entre as mulheres casadas ou unidas reduziu de 16.5% em 2003 para 11.5% em 2011 e a subnutrição continua elevada no Norte e Centro do País. O êxito do trabalho de campo do IDS, sobretudo nas áreas remotas onde o acesso é dificil, não seria possível sem o empenho, seriedade e dedicação dos inquiridores, supervisores e motoristas, assim como dos técnicos do INE e do MISAU que não pouparam esforços para o sucesso da operação. O apoio logístico prestado pelas autoridades locais. bem como a disponibilidade dos agregados familiares inquiridos, também foram cruciais para o sucesso de toda a operação de campo. Bem haja a todos. Agradecemos também a todas as entidades, singulares e colectivas que contribuíram para a realização do IDS com sucesso. A recolha de dados e a publicação do presente relatório não teriam sido possiveis sem apoio financeiro da Agência para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos da América (USAID) e da assistência técnica da MEASURE DHS/ICF International. Finalmente, reconhecer a importância da parceira entre o INE e o MISAU na realização dos IDS, pois de forma isolada e unilateral ter-nos-ia sido dificil realizar o inquérito com sucesso. Neste sentido, tomase necessário consolidar e preservar este espírito de parceria consubstanciado na conjugação de esforços e na racionalização dos limitados recursos de que dispomos. Maputo, Agosto de 2012 João Dias Loureiro (Presidente do Instituto Nacional de Estatística) Alexandre Manguele (Ministro da Saúde) Prefácio xiii

16

17 SIGLAS E ACRÓNIMOS ACT ARV ATS CDC CPN FG HIV IDS INE INS ISF ITS JICA MISAU MTI MTILD OMS ONG OPV PID PMI PNCM PTV PVHS RBM RGPH SIDA SP TBN TFG TGF TFI TIP TRD UNDP UNICEF USAID Terapia combinada com base de Artemisinina Anti-Retrovirais Aconselhamento e Testagem em Saúde Centers for Disease Control and Prevention Consulta Pré-Natal Fundo Global Vírus de Imunodeficiência Humana Inquérito Demográfico e de Saúde Instituto Nacional de Estatística Instituto Nacional de Saúde Índice Sintético de Fecundidade Infecção de Transmissão Sexual Agência de Cooperação Internacional do Japão Ministério da Saúde Rede Mosquiteira Tratada com Insecticida / Mosquiteiro Tratado Com Insecticida Rede Mosquiteira Tratada com Insecticida de Longa Duração / Mosquiteiro Tratado com Insecticida de Longa Duração Organização Mundial da Saúde Organização Não Governamental Organizações Privadas Voluntarias Pulverização Intra-Domiciliária Iniciativa Presidencial contra a Malária Programa Nacional de Controlo da Malária Prevenção da Transmissão Vertical Pessoas Vivendo com HIV e SIDA Roll Back Malaria / Fazer Recuar o Paludismo Recenseamento Geral da População e Habitação Síndroma de Imunodeficiência Adquirida Sulfadoxina Pirimetamina Taxas Brutas de Natalidade Taxa de Fecundidade Geral Taxa Global de Fecundidade Taxas de Fecundidade por Idade Tratamento Intermitente Preventivo (com Sulfadoxina Pirimetamina) Teste Rápido de Diagnóstico United Nations Development Program Fundo das Nações Unidas para a Infância Agência para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos Siglas e Acrónimos xv

18 xvi Mapa de Moçambique

19 INTRODUÇÃO 1 Principais Resultados O Inquérito Demográfico e de Saúde de Moçambique de 2011 (IDS 2011) foi realizados para obter indicadores de saúde reproductiva, saúde materno-infantil, nutrição e doenças endémicas a nível nacional e provincial. Este é o terceiro inquérito deste género, pois, dois primeiros, foram realizados em 1997 e Durante o inquérito se realizaram entrevistas completas com 13,919 agregados familiares, 13,745 mulheres de 15 a 49 anos e 4,035 homens de 15 a 64 anos. E m Moçambique os Inquéritos Demográficos e de Saúde (IDS), têm assumido uma importância cada vez mais crescente por se constituírem numa das fontes mais fidedignas de informação sobre saúde, principalmente no que se refere a desagregação geográfica e análise por características seleccionadas da população. Por este motivo, os seus resultados têm sido amplamente divulgados através de variadas formas de difusão. Os IDS fazem parte do programa mundial dos inquéritos designados na língua inglesas por Demographic Health Surveys (DHS), que actualmente se encontram na sua sexta fase de execução. O nosso País aderiu ao programa pela primeira vez em 1997 e desde então já fora três, o segundo em 2003 e o terceiro em 2011, realizados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) em parceria com o Ministério da Saúde (MISAU) e com apoio técnico da ICF International. Este tipo de inquéritos é realizado na base duma amostra de representatividade nacional, regional e de área de residência (urbano e rural) de mulheres de 15 a 49 anos e de homens de 15 a 64 anos. Estão desenhados para administrar a informação sobre fecundidade, saúde materno-infantil e características sócio-económicas da população entrevistada. Na área da fecundidade, as informações recolhidas permitem avaliar os níveis e tendências da fecundidade, conhecimento e uso de métodos contraceptivos, amamentação e outros determinantes próximos desta variável demográfica, como a proporção de mulheres casadas e/ou em união e duração da amenorreia pós parto. Investiga, ainda, intenções reprodutivas e necessidades não satisfeitas relacionadas com o planeamento familiar. Na área de saúde materno-infantil, recolhe-se a informação sobre a mortalidade materna, HIV/SIDA, DTS, gravidez, assistência pré-natal e ao parto. A nível da saúde da criança, os dados recolhidos permitem determinar as taxas e tendências da mortalidade infanto-juvenil, como também analisar os seus determinantes sócio-económicos, uma vez que são investigadas as principais causas de doenças predominantes na infância (diarreia e infecções respiratórias), imunização e estado nutricional. O inquérito regista, ainda, características sócio-económicas da população entrevistada, como: Nível de escolaridade; o acesso aos meios de comunicação; ocupação; religião; condições da habitação em relação a acesso a água, saneamento, electricidade, bens duráveis de consumo, número de divisões e material predominante na construção do pavimento. No caso do IDS 2011, recolheu-se também aspectos sobre violência doméstica, testagem e prevenção da malária e anemia nas mulheres em idades reprodutivas e nas crianças menores de 5 anos. Introdução 1

20 Além do inquérito à população feminina, foi também feita uma sub-amostra de 30% dos agregados familiares seleccionados com o objectivo de entrevistar os homens para avaliar conhecimento, atitudes e práticas relacionadas com o planeamento familiar, intenções reprodutivas e comportamento face ao HIV/SIDA. Com a apresentação, neste relatório, dos resultados do IDS 2011, Moçambique passa a dispor de estimativas actualizadas, fidedignas, representativos e de elevada comparabilidade, tanto a nível nacional como internacional, permitindo gerar indicadores para análise de tendências e mudanças. 1.1 DESCRIÇÃO GERAL DO PAÍS Geografia Moçambique situa-se na faixa sul-oriental do Continente Africano, entre os paralelos 10 27' e 26 52' de latitude Sul e entre os meridianos 30 12' e 40 51' longitude Este. Ao Norte limita com a Tanzânia; ao Oeste com o Malawi, Zâmbia, Zimbabwe e Swazilândia; e ao Sul com a África do Sul. Toda a faixa Este, é banhada pelo Oceano Índico numa extensão de 2,470 km. Esta extensão tem um significado vital tanto para Moçambique como para os países vizinhos situados no interior, que têm ligação com o oceano através dos portos moçambicanos. A superfície do território moçambicano é de 799,380 km 2. O país está dividido em 11 províncias: ao Norte, estão as Províncias do Niassa, Cabo Delgado e Nampula, no Centro encontram-se as de Zambézia, Tete, Manica e Sofala e ao Sul, Inhambane, Gaza, Maputo Província e Maputo Cidade (Veja -se o Mapa 1). O território moçambicano, como toda a região Austral do Continente Africano, não apresenta grande variedade de paisagem. Da costa para o interior podem-se distinguir três tipos de relevos: A planície do litoral que ocupa a grande parte do território (40 por cento). Esta é a região natural onde se observa a maior concentração da população; Os planaltos com altitudes que variam entre 200 e metros; Os grandes planaltos e montanhas que ocupam uma pequena parte do território nacional, com altitudes superiores a metros. Do ponto de vista da distribuição geográfica da população, já que não constituem uma superfície contínua, não oferecem grandes obstáculos para assentamentos humanos História Moçambique adquiriu a actual configuração geográfica, representada no Mapa 1, em Maio de 1891, altura em que foi assinado o tratado Anglo-Português de partilha das zonas de influência em África. No caso de Moçambique, a sua ocupação por Portugal remonta do século XVI, período em iniciou a invasão da costa oriental de África. Moçambique tornou-se independente de Portugal em 1975, após dez anos de luta armada de libertação nacional movida pela FRELIMO (Frente de Libertação Nacional de Moçambique). A independência política de Moçambique foi negociada entre a Frelimo e o Governo português no acordo de Lusaka, a 7 de Setembro de Neste acordo foi estabelecido um governo de transição chefiado por Joaquim Chissano, então Primeiro-Ministro, que governou o País até 25 de Junho de 1975, dia em que foi proclamada oficialmente a Independência de Moçambique. O primeiro governo moçambicano estabeleceu uma estratégia de transformação socialista da sociedade moçambicana, tendo levado a cabo programas amplos na área de educação, saúde e habitação, até ao final dos anos 80. Reconhece-se, por exemplo, que as campanhas nacionais de imunização contra a 2 Introdução

Investir mais e melhor nas crianças

Investir mais e melhor nas crianças Investir mais e melhor nas crianças Perspectivas de melhoria do financiamento dos sectores sociais em Moçambique A reprodução de qualquer parte desta publicação não carece de autorização, excepto para

Leia mais

Epidemia de VIH nos países de língua oficial portuguesa

Epidemia de VIH nos países de língua oficial portuguesa Epidemia de VIH nos países de língua oficial portuguesa Situação atual e perspectivas futuras rumo ao acesso universal à prevenção, tratamento e cuidados Portugual Cabo Verde Guiné-Bissau São Tomé e Príncipe

Leia mais

ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO DA

ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COM OS PAÍSES 2008-2013 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Dados da Biblioteca AFRO para Catalogação na Publicação Estratégia de cooperação da Organização Mundial

Leia mais

Relatório de Progresso de Execução dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio CABO VERDE

Relatório de Progresso de Execução dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio CABO VERDE 1 3 Assegurar a Educação Primária Universal Reduzir a Mortalidade de Crianças Menores de 5 Anos Reduzir a Pobreza Extrema e a Fome 2 Promover a Igualdade entre os Sexos e a Emancipação das Mulheres 4 2010

Leia mais

TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO

TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, DIRECÇÃO DE PLANIFICAÇÃO MINERVA CENTRAL 1500 EXEMPLARES PROGRAMA

Leia mais

Direito à Alimentação e Segurança Alimentar e Nutricional nos Países da CPLP

Direito à Alimentação e Segurança Alimentar e Nutricional nos Países da CPLP 1 Direito à Alimentação e Segurança Alimentar e Nutricional nos Países da CPLP Diagnóstico de Base Direito à Alimentação e Segurança Alimentar e Nutricional nos Países da CPLP Diagnóstico de Base Junho

Leia mais

POBREZA E BEM-ESTAR EM MOÇAMBIQUE: SEGUNDA AVALIAÇÃO NACIONAL

POBREZA E BEM-ESTAR EM MOÇAMBIQUE: SEGUNDA AVALIAÇÃO NACIONAL POBREZA E BEM-ESTAR EM MOÇAMBIQUE: SEGUNDA AVALIAÇÃO NACIONAL Março de 2004 Direcção Nacional do Plano e Orçamento, Ministério de Plano e Finanças Gabinete de Estudos, Ministério de Plano e Finanças Instituto

Leia mais

SIDA em África: Três cenários até 2025

SIDA em África: Três cenários até 2025 Rand 5 BANK 5 5 PROGRAMA CONJUNTO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O VIH/SIDA : Três cenários até 225 E S C OLHAS D I F Í CE I S P E R Í O D O S DE TRANSIÇÃO LEGADOS 2 E ARMAD I LHAS BANQUE DU CONGO 2 2 RESERVE

Leia mais

Moçambique: aprender a caminhar com uma bengala emprestada? Ligações entre descentralização e alívio à pobreza.

Moçambique: aprender a caminhar com uma bengala emprestada? Ligações entre descentralização e alívio à pobreza. Moçambique: aprender a caminhar com uma bengala emprestada? Ligações entre descentralização e alívio à pobreza. Iina Soiri Com o apoio financeiro do Governo da Finlândia e da Comissão Europeia. Dezembro

Leia mais

Um Brasil para as Crianças e Adolescentes. A Sociedade Brasileira Monitorando os Objetivos do Milênio Relevantes para a Infância e a Adolescência

Um Brasil para as Crianças e Adolescentes. A Sociedade Brasileira Monitorando os Objetivos do Milênio Relevantes para a Infância e a Adolescência Um Brasil para as Crianças e Adolescentes A Sociedade Brasileira Monitorando os Objetivos do Milênio Relevantes para a Infância e a Adolescência 1 Índice Sumário Executivo Quadro de Metas Introdução A

Leia mais

Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher. - Pequim, 1995 -

Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher. - Pequim, 1995 - Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher - Pequim, 1995-147 Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher - Pequim, 1995 - Apresentação Maria

Leia mais

Segurança Social: Um novo consenso

Segurança Social: Um novo consenso Segurança Social: Um novo consenso DEPARTAMENTO DE COOPERAÇÃO MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO DE PORTUGAL 1 2 A edição original desta obra foi publicada pelo Bureau Internacional do Trabalho

Leia mais

Reunião da República Democrática de Timor-Leste com os Parceiros de Desenvolvimento em 2013 DOCUMENTO DE FUNDO

Reunião da República Democrática de Timor-Leste com os Parceiros de Desenvolvimento em 2013 DOCUMENTO DE FUNDO Timor-Leste 2013 Development Partners Meeting Background Paper Reunião da República Democrática de Timor-Leste com os Parceiros de Desenvolvimento em 2013 DOCUMENTO DE FUNDO IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO

Leia mais

Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde

Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde Cláudia Furtado João Pereira Escola Nacional de Saúde Pública Universidade Nova de Lisboa Lisboa Julho de 2010 Índice 1. Introdução... 4 2. Enquadramento da análise...

Leia mais

República de Angola Ministério do Planeamento e do Desenvolvimento Territorial. Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017

República de Angola Ministério do Planeamento e do Desenvolvimento Territorial. Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 República de Angola Ministério do Planeamento e do Desenvolvimento Territorial Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 Dezembro 2012 Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 2 ÍNDICE ABREVIATURAS

Leia mais

Por um Portugal amigo das crianças, das famílias e da natalidade (2015-2035)

Por um Portugal amigo das crianças, das famílias e da natalidade (2015-2035) Título. Por um Portugal amigo das crianças, das famílias e da natalidade (2015-2035): remover os obstáculos à natalidade desejada Autoria. Joaquim Azevedo (Coord.), Ana Cid Gonçalves, Ana Sampaio, Bruno

Leia mais

DINÂMICA DEMOGRÁFICA E SUA RELEVÂNCIA ECONÔMICA E SOCIAL NO BRASIL: IMPLICAÇÕES PARA O PROGRAMA UNFPA 2011-2015. 18 fevereiro, 2011

DINÂMICA DEMOGRÁFICA E SUA RELEVÂNCIA ECONÔMICA E SOCIAL NO BRASIL: IMPLICAÇÕES PARA O PROGRAMA UNFPA 2011-2015. 18 fevereiro, 2011 DINÂMICA DEMOGRÁFICA E SUA RELEVÂNCIA ECONÔMICA E SOCIAL NO BRASIL: IMPLICAÇÕES PARA O PROGRAMA UNFPA 2011-2015 18 fevereiro, 2011 (Versão Preliminar) George Martine José Eustáquio Diniz Alves ÍNDICE 1)

Leia mais

Um mundo para as crianças

Um mundo para as crianças Um mundo para as crianças Relatório da Sessão Especial da Assembléia Geral das Nações Unidas sobre a Criança As metas das Nações Unidas para o Milênio Nações Unidas Relatório do Comitê Ad Hoc Pleno da

Leia mais

Reduzir as desigualdades no domínio da saúde na União Europeia

Reduzir as desigualdades no domínio da saúde na União Europeia Reduzir as desigualdades no domínio da saúde na União Europeia A presente publicação é encomendada ao abrigo do Programa da União Europeia para o Emprego e a Solidariedade Social PROGRESS (2007-2013).

Leia mais

Fim à Violência Contra a Rapariga na Escola

Fim à Violência Contra a Rapariga na Escola Fim à Violência Contra a Rapariga na Escola Setembro 2013 Histórias de Sucesso 2 Fim à Violência Contra as Raparigas na Escola! Façamos dos direitos da rapariga à educação uma realidade! O projecto fim

Leia mais

Saúde em análise Uma visão para o futuro

Saúde em análise Uma visão para o futuro Saúde em análise Uma visão para o futuro Public Sector, Life Sciences & Healthcare 2011 Índice 5 Sumário Executivo 11 Introdução 13 Metodologia 15 Contexto económico, social e tecnológico 23 Os stakeholders

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Programa do XVII Governo Constitucional 2 Índice INTRODUÇÃO... 6 CAPÍTULO I UMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO PARA A PRÓXIMA DÉCADA... 9 I. VOLTAR A ACREDITAR... 9 1. Uma

Leia mais

Análise da Cadeia de Valor do Caju em Moçambique. Iniciativa Africana do Caju

Análise da Cadeia de Valor do Caju em Moçambique. Iniciativa Africana do Caju Análise da Cadeia de Valor do Caju em Moçambique Iniciativa Africana do Caju A Iniciativa Africana do Caju é financiada pela: COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE e parceiros privados REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA Implementação

Leia mais

A Saúde no Brasil e na América Latina

A Saúde no Brasil e na América Latina A Saúde no Brasil e na América Latina Programa de Estudos do Futuro - PROFUTURO Fundação Instituto de Administração - FIA Instituída por Professores do Departamento de Administração da FEA/USP Coordenação:

Leia mais

O Impacto da Imigração nas Sociedades da Europa

O Impacto da Imigração nas Sociedades da Europa O Impacto da Imigração nas Sociedades da Europa Um Estudo para a Rede Europeia das Migrações - o caso Português - Ponto de Contacto Nacional em Portugal Serviço de Estrangeiros e Fronteiras do Ministério

Leia mais

Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho

Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho Parecer de Iniciativa (Aprovado no Plenário de 19 de Novembro de 2008) Relatora: Conselheira Isabel Guerra Lisboa 2008 Índice Nota Prévia........

Leia mais

PARECER DE INICIATIVA

PARECER DE INICIATIVA PARECER DE INICIATIVA SOBRE AS CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS, SOCIAIS E ORGANIZACIONAIS DECORRENTES DO ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO (aprovado em Plenário a 13/03/2013) Relator: Conselheiro Manuel Lemos Março

Leia mais

Evolução e Perspectivas da Mortalidade Infantil no Brasil

Evolução e Perspectivas da Mortalidade Infantil no Brasil Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Departamento de População e Indicadores Sociais Estudos e Pesquisas Informação

Leia mais

Manual de Trabalho de Campo ASEG. Programa de Análise Sócio-Económica e de Género. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura

Manual de Trabalho de Campo ASEG. Programa de Análise Sócio-Económica e de Género. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Manual de Trabalho de Campo ASEG Programa de Análise Sócio-Económica e de Género Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura As referências feitas nesta publicação e a apresentação

Leia mais

Malária durante a Gravidez

Malária durante a Gravidez Malária durante a Gravidez Emmanuel Otolorin, Director Nacional, Nigéria William Brieger, Especialista Sénior na área da Malária Jhpiego, The Johns Hopkins University Esta palestra foi preparada por Emmanuel

Leia mais