L I V R O D E R E S U M O S

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "L I V R O D E R E S U M O S"

Transcrição

1 LIVRO DE RESUMOS

2

3 SUMÁRIO Mesas Redondas Painéis Grupos de Trabalhos Índice Remissivo

4

5 MESAS REDONDAS MESAS REDONDAS 5

6

7 MESA 1 NATUREZA, TERRITORIALIZAÇÃO E ETNICIDADE Coordenador: Renato Athias (NEPE/UFPE) Participantes: Vânia Fialho - UPE Edmundo Pereira - UFRN Mércia Batista - UFCG MESAS REDONDAS Esta mesa redonda pretende desenvolver questões relacionadas aos paradigmas natureza e cultura enfatizando o discurso político das comunidades étnicas. Pretende prioritariamente discutir a relação que envolve as diversas concepções de natureza e suas dimensões na produção da cultura com p recorte da etnicidade. O entendimento sobre as questões dos recursos ambientais, notadamente relacionados aos aspectos da natureza orienta o caminho das expectativas das comunidades étnicas com relação ao seu desenvolvimento social e econômico. A mãe natureza, a mãe terra torna-se o eixo norteador nas principais reivindicações dessas comunidades. As diversas dimensões da terra e a transformação de um território buscam a uma análise mais ampla sobre a relação com a natureza e os processo de identidade étnica nos diversos momentos históricos. Uma análise da relação natureza e cultura entre os índios possibilitam hoje ter uma visão das possibilidades de futuro nas relações interétnicas que se formam a partir de processos de territorialização. Como as dimensões da natureza são construídas no discurso políticos das comunidades étnicas e sua relação com o estado e nos processo de busca de autonomia de políticas locais de desenvolvimento. As interfaces das intervenções: Renato Athias (Coordenação) Na moderação do debate se procurará direcionar a uma discussão sobre as noções de cultura e Natureza que é parte importante do conflito político onde se situam e são elaboradas as identidades indígenas e negras no Nordeste. Em outras palavras, se trata situar as idéias de Cultura e Natureza nos diversos contextos sociais e como estas relacionam e com os processo identitários. Vânia Fialho - Universidade de Pernambuco A apresentação será a partir das experiências de elaboração laudos antropológicos em áreas indígenas e quilombolas com a finalidade de regularização fundiárias. Serão apresentados os modelos de produção de cultura e a discussão sobre a idéia de natureza e ambiente entre os índios e negros o nordeste. 7

8 MESAS REDONDAS Mércia Batista - Universidade Federal de Campinas Grande A apresentação desenvolverá as temáticas da Identidade e da diversidade que aparentemente apontam para campos opostos: o que privilegiar o idêntico ou o diverso nos processos de elaboração cultural dos índios. A apresentação terá como pano de fundo os índios Truka de Pernambuco. Edmundo Pereira - Universidade Federal do Rio Grande do Norte A partir da experiência de campo na Comunidade de Macambira: de negros da Macambira à Associação Quilombola, será discutido o processo de etnicização do grupo, em particular tendo como eixo a constituição de uma memória social - de fundação, família e território do - e tomando como situação social a produção de relatório antropológico, esta entendida como produção dialógica de conhecimento. 8

9 MESA 2 POLÍTICAS E AÇÕES CULTURAIS Coordenadora: Maria Eunice Maciel (UFRGS) Participantes: Antonio Motta (UFPE) Julie Cavignac (UFRN) Jane Felipe Beltrão (UFPA) Convidado Especial: (UFBA) MESAS REDONDAS A Proposta visa promover um debate em torno de questões relacionadas às políticas culturais bem como à chamada economia da cultura e à ação cultural pois, hoje, proliferam diversas atividades às quais o antropólogo é chamado a participar e que se relacionam, muito genericamente, com a cultura. Trata-se, porém, de campo ambíguo, derivado do próprio entendimento do termo cultura pela sociedade em geral e mesmo pelas instituições especializadas no fazer cultural. Instituições estas que se apressam em criar setores e mesmo fundações destinadas ao tema (empresas privadas e estatais) aproveitando-se das leis de incentivo à Cultura tornando-se um espaço à atuação de antropólogo. Neste contexto, o antropólogo tem sido chamado para atuar em áreas nas quais ele não atuava anteriormente e o faz em interlocução com outras áreas do conhecimento num diálogo que nem sempre fácil. Enquanto, permanece longe das situações com as quais estaria mais familiarizado e, nas quais, o antropólogo executaria seu métier com pertinência, como na estruturação de políticas culturais. Urge inventariar as situações, discutir a pertinência das ações e pensar os significados destas, refletindo sobre nós e os outros no processo de inclusão/exclusão social que vivenciamos. Promover um debate em torno de questões relacionadas às políticas culturais bem como à chamada economia da cultura e à ação cultural, pois, hoje, proliferam diversas atividades às quais o antropólogo é chamado a participar e que se relacionam, muito genericamente, com a cultura. Trata-se, porém, de campo ambíguo, derivado do próprio entendimento do termo cultura pela sociedade em geral e mesmo pelas instituições especializadas no fazer cultural. Instituições estas que se apressam em criar setores e mesmo fundações destinadas ao tema (empresas privadas e estatais) aproveitando-se das leis de incentivo à Cultura tornando-se um espaço à atuação de antropólogo. Neste contexto, o antropólogo tem sido chamado para atuar em áreas nas quais ele não atuava anteriormente e o faz em interlocução com outras áreas do conhecimento num diálogo que nem sempre fácil. Enquanto, permanece longe das situações com as quais estaria mais familiarizado e, nas quais, o antropólogo executaria seu métier com pertinência, como na estruturação de políticas culturais. Urge inventariar as situações, discutir a pertinência das ações e pensar os significados destas, refletindo sobre nós e os outros no processo de inclusão/exclusão social que vivenciamos. 9

10 MESAS REDONDAS MESA 3 ANTROPOLOGIA DA POLÍTICA: CAMPO EM EXPANSÃO Coordenador: Ernesto Seidl (UFS) Participantes: Marcos O. Bezerra (UFF/CNPq) Antonádia M. Borges (UnB) Igor G. Grill (UFMA) A mesa tem por objetivo reunir pesquisadores com estudos voltados aos fenômenos da política a partir de um ângulo próprio ao campo da Antropologia para discutir algumas das contribuições trazidas pela Antropologia da Política. A idéia central é estruturar os debates em torno de dois eixos: um deles mais centrado em discussões sobre as redefinições das próprias Ciências Sociais em relação a seus objetos e, em especial, à renovação dos estudos da política proporcionada pela Antropologia e as novas e perspectivas de investigação abertas; e um segundo eixo, mais específico, dedicado às possibilidades de exploração dos recursos conceituais e metodológicos engendrados por essa área temática, a partir da apresentação de estudos empíricos recentes. Sobre vivos e mortos: estado e teoria antropológica na África do Sul contemporânea Antonádia Monteiro Borges A recusa de nossos anfitriões aos nossos enquadramentos é sempre um convite à transformação e expansão dos conceitos antropológicos. Na África do Sul contemporânea, a Antropologia da Política aprende com outras teorias que admitem a relação do Estado com vivos e com mortos, com espíritos e com coisas. O desafio teórico de pensarmos um Estado que governa e, por vezes, é também governado pelos mortos afasta-se sobremaneira das teorias que apregoavam ou (i) a inexistência do Estado nesses lugares, ou que (ii) interpretavam a atuação política desses grupos como formas transmutadas de outros tipos de socialidade - como parentesco, como magia ou como religião, por exemplo. Essa definição a priori de um Estado laico tornou-nos incapazes de enxergar os espíritos agindo, atuando sobre as pessoas e sobre próprio Estado. Essa lição, que se aplica tanto no Brasil como fora daqui, servirá de ponto de partida para fazer desta comunicação uma reflexão sobre as relações entre trabalho de campo, comparação e produção de conhecimento antropológico a respeito da vida política daqueles que nos recebem em nossas pesquisas. 10

11 Um olhar antropológico sobre a política e a corrupção. Marcos Otavio Bezerra As divulgações recentes de investigações sobre irregularidades na administração pública têm alimentado o sentimento de descrédito e desconfiança em relação à política e aos políticos. Tendo esta conjuntura como referência, proponho nesta intervenção retomar a perspectiva que considera o fenômeno da corrupção como porta de entrada para a análise de uma das dimensões efetivas do funcionamento do Estado e da política, isto é, aquela que se distancia das normas e formulações oficiais. A idéia é explorar como este fenômeno pode tornarse terreno fértil de estudo, uma via para se pensar questões como a definição de moralidades públicas, as exigências próprias do exercício do poder e modalidades de interação com o poder público. Herança e memória na política: parentesco, redes e partidos. Igor Gastal Grill MESAS REDONDAS A exposição apresentará reflexões que resultam de pesquisas empíricas concernentes à seleção e ao recrutamento das elites políticas no Rio Grande do Sul e no Maranhão. Serão analisadas as bases sociais e as estratégias em pauta na ativação do passado como recurso de luta política, assim como as invenções de genealogias a cargo de famílias de políticos e de protagonistas ligados por laços pessoais. Relações pessoais e carreiras institucionais militares e religiosas. Ernesto Seidl A comunicação terá por base discussões oriundas de pesquisas dedicadas ao exame do recrutamento e seleção de elites da Igreja e do Exército. O foco central repousará nas condições de realização de carreiras institucionais bem sucedidas e o peso do uso de recursos sociais oriundo de relações pessoais, acumulados e mobilizados de diversos modos, pelo grupo familiar, através de relações de amizade, compadrio, patronagem, clientelismo, entre outros. As modalidades e estratégias de acionamento desses recursos são apreendidas através do exame de trajetórias sociais e profissionais de militares e religiosos consagrados em suas respectivas esferas de atuação. 11

12 MESAS REDONDAS MESA 4 REGULARIZANDO TERRAS DE QUILOMBO: CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES, CONHECIMENTOS AUTORIZADOS E POLÍTICAS PÚBLICAS Coordenador: Carlos Guilherme Octaviano do Valle (UFRN) Essa mesa redonda tem como objetivo refletir sobre questões diretamente associadas à regularização de terras de quilombo. Mais particularmente, a atividade buscará tanto convergir como comparar idéias e posições de antropólogos e agentes institucionais envolvidos com as atuais políticas públicas de territorialização quilombola, ainda que resguardando, ao mesmo tempo, seus diferentes pontos de vista e o alcance específico de suas práticas institucionais e profissionais. Considerando a posição já estabelecida, em termos normativos, do antropólogo nos processos de regularização das terras de quilombo, sua produção especializada baseia-se em critérios de autoridade intelectual, cujo alcance e autonomia estão referidos aos limites de suas atribuições, das expectativas que estão em jogo no processo de situação etnográfica bem como da configuração política que transcorre ao longo de todo processo de regularização. Deve-se considerar a heterogeneidade atual de posições e experiências de pesquisadores (antropólogos docentes de IES, antropólogos vinculados ao INCRA, pesquisadores autônomos, etc) no caso da grande variedade de demandas sociais de regularização das terras de quilombo, incluindo as que vêm sendo realizadas ultimamente em áreas urbanas brasileiras. Do mesmo modo, o tema da (re)construção identitária étnico-racial se impõe através dessas demandas sociais e consiste em um dos nódulos da política de identidades que se manifesta ao longo de todo o processo de regularização fundiária. Além disso, a necessidade de articulação do trabalho do antropólogo em equipes governamentais não impede a existência de tensões, descompassos e impasses entre todos os agentes envolvidos, o que enseja uma maior atenção acadêmica e institucional. O INCRA e a política de regularização de territórios quilombolas: desafios e perspectivas Rui Leandro da Silva Santos (Coordenador Geral de Regularização de Territórios Quilombolas, INCRA; Mestre em Antropologia Social, UFRGS). Apresentação das linhas gerais da política pública de regularização de terra de quilombo, considerando a atuação da agência governamental e do profissional em Antropologia na execução dessa política. 12

13 Dialogando com os Negros de Acauã ou Cunhã Velha: auto-análise de uma experiência como antropólogo Carlos Guilherme Octaviano do Valle (UFRN; Doutor em Antropologia, Universidade de Londres). Será apresentada uma reflexão sobre a atuação profissional de um antropólogo no caso de regularização de uma terra de quilombo no Rio Grande do Norte. Terras de quilombo: identidade étnica e os caminhos do reconhecimento Eliane Cantarino O Dwyer (UFF; Doutora em Antropologia Social, Museu Nacional/UFRJ). MESAS REDONDAS Discussão do tema da construção da identidade étnica e da etnicidade quilombola em termos dos processos políticos de regularização de suas terras. Produção de relatórios antropológicos de terra de quilombo: desafios e perspectivas José Augusto Laranjeira Sampaio (UNEB; Doutor em Antropologia; ANAI). Apresentação de um panorama da produção especializada de antropólogos no caso das terras de quilombo, partindo da experiência do palestrante como coordenador do GT Quilombo da Associação Brasileira de Antropologia. 13

14 MESAS REDONDAS MESA 5 ETNICIDADE, CULTURA MATERIAL E EXPOSIÇÕES ETNOGRÁFICAS Coordenador: Rodrigo de Azeredo Grünewald (UFCG) / Através das materializações da cultura pode se compreender como os homens codificam parte de suas relações com o mundo e, assim, externam valores e significados embutidos em processos sociais. Ao longo da história, a evidência de objetos tem sido fundamental para se falar de encontros interculturais ou para se trazer às audiências metropolitanas provas da existência de distintas experiências de vida. Os objetos produzidos historicamente por grupos étnicos estão dinamicamente relacionados com a construção de suas identidades sociais, de modo que uma dimensão política da cultura material está conectada com a etnicidade desses grupos. O estabelecimento de um patrimônio cultural material nativo remete-nos, além disso, a processos (políticos) criativos de objetos que já promoveram a exigência da reformulação de pressupostos acerca da concepção das exposições etnográficas - as quais devem agora ter a precaução de contextualizar a produção dos objetos, notando que os mesmos procedem de coletividades que experimentam trocas culturais com outras sociedades e que são produzidos situacionalmente para diversos fins, inclusive para comercialização. A produção, mediação, negociação e apresentação desses objetos devem ser pensadas em seus vários aspectos sociais constituintes. Além disso, o papel dos museus para a legitimidade dessas etnicidades pode ser importante e, portanto, não só um exame da rede de atores sociais envolvidos na produção, circulação, recepção e apresentação dos objetos étnicos é fundamental para apreciação antropológica, como também a questão da política cultural que dá visibilidade aos atores culturais - quer pensados em termos étnicos ou através da produção dos artistas individuais. As estratégias das exposições são ainda importantes para reflexões em torno tanto da natureza e da dinâmica do pluralismo étnico, quanto dos fluxos e misturas culturais dentro de grupos étnicos e da relação entre a arte (ou cultura material) e a etnicidade desses grupos. 14 Trajes, sementes e relíquias: as taxonomias nativas e o lugar dos objetos no contexto de alguns povos indígenas do Nordeste brasileiro. Wallace de Deus Barbosa (IACS UFF) O processo de afirmação étnica dos povos indígenas no nordeste do Brasil, deflagrado a partir da década de 1980, culminou com o reconhecimen-

15 to oficial de uma série de povos. Neste contexto, determinados grupos indígenas do sertão pernambucano investiram na retomada de práticas culturais tidas como tradicionais, como as danças e o artesanato. Esta produção cultural contemporânea, expressa por meio das indumentárias e dos objetos rituais concorreu para a configuração de uma imagem índia a ser apresentada para a sociedade nacional. Neste mesmo movimento, se constituiu um extenso repertório de itens materiais e de práticas que se consagraram como elementos atestatórios da indianidade e contribuiu grandemente para o estabelecimento de um patrimônio cultural nativo. Este processo ensejou ainda a construção, afirmação e difusão de um sistema de objetos que tem colocado em xeque alguns pressupostos museológicos tradicionais e as formas mais usuais de se conceber as exposições e os museus etnográficos. Antiquidades, segredos e bandeiras: Dilemas atuais para os museus e os movimentos étnicos João Pacheco de Oliveira (Museu Nacional/UFRJ e DIPES/FUNDAJ) MESAS REDONDAS Os museus tem tido um papel importante nos processos de formação nacional e de construção de identidades étnicas, re-elaborando imagens e representações com ampla repercussão social, em geral revestidas de uma elevada aceitação e legitimidade. Para as coletividades portadoras de culturas que não apresentam fortes e conhecidos sinais diacríticos, os museus revestem-se igualmente de enorme interesse, ao mesmo tempo que trazem muito medo e desconfiança. As formas de vida e pensamento de cada uma dessas coletividades implica em viva e intensa troca com outras tradições culturais (indígenas, européias, afro-brasileiras, etc), não vindo a configurar estruturas rígidas, homogêneas, excludentes e auto-reprodutivas. Os ideais culturais, embora remetidos ao passado, não são unicamente consubstanciados no cotidiano atual das aldeias, nem resultam de exercícios mecânicos. A comunicação irá basear-se no processo de pesquisa e formação de coleções sobre os índios do nordeste destinada à exposição Os Primeiros Brasileiros (Recife, 2006), procurando apresentar as imagens e concepções pelas quais uma extensa rede de atores sociais (museólogos, historiadores, antropólogos, indigenistas e líderes indígenas) engendra doutrinas distintas (em certos aspectos antagônicas) para explicar o processo de criação de culturas por essas coletividades. Tradições de arte em mudança em exposição Nelson Graburn Universidade da Califórnia em Berkeley (UCB) P. A. Hearst Museum of Anthropology Não se pode esperar que tradições de artes de povos étnicos minoritários tenham permanecido imutáveis através dos séculos. De fato, muitos povos perderam ou mudaram suas tradições materiais e recentemente muitos têm renovado seu patrimônio cultural através de revitalização étnica e do estímulo de demandas turísticas. Exposições devem, portanto, traçar e contextualizar as mudanças na cultura material, enfatizando agência e criatividade local. Velhos objetos podem ser mostrados (com exemplos materiais ou imagens) ao lado de modernos, ilustrando continuidades ou mudanças. Se possível, a lembrança das populações sobre essas mudanças deveria ser incluída no texto e na exposição narrativa. Exemplos serão esboçados a partir de uma exibição proposta das coleções do Alaska do Phoebe Hearst Museum of Anthropology in Berkeley. 15

16 MESAS REDONDAS MESA 6 PERFORMANCE, DRAMA E RITUAL A FORMAÇÃO DE UM CAMPO E A EXPERIÊNCIA CONTEMPORÂNEA. Coordenador Rubens Alves da Silva (UNIP/Brasília) Participantes Esther Jean Matteson Langdon (UFSC) João Gabriel Lima Cruz Teixeira (UnB) John Cowart Dawsey (USP) 16 Campos emergentes de estudo revelam deslocamentos produzidos nos substratos de sua própria formação. Em estudos de performance desenvolvidos nas ciências sociais, as categorias do drama e ritual surgem em tais substratos. Nesta proposta de MR pretende-se discutir o campo da performance nas ciências sociais tendo-se em vista as relações entre performance, drama e ritual. Duas questões e suas respectivas premissas merecem destaque. Em primeiro lugar, chama atenção o descentramento desse universo de estudos. O conceito de performance adquire formas variadas, cambiantes e híbridas. Há algo de não resolvido neste conceito que resiste às tentativas de definições conclusivas ou delimitações disciplinares. O que dizer da variedade de abordagens, recortes e composições conceituais do campo? A segunda questão surge como um desdobramento da primeira. Em se tratando de uma espécie de campo liminar inter(e anti)-disciplinar estudos de performance espelham a própria experiência do mundo contemporâneo. A fragmentação das relações. O inacabamento das coisas. A dificuldade de significar o mundo. Seria o campo da performance, onde se espelha a fragmentação do mundo contemporâneo, também uma expressão da busca de significado? O que dizer desse empreendimento? O objetivo desta proposta de mesa redonda é propiciar uma oportunidade para reflexão sobre um campo (ainda) emergente nas ciências sociais, com destaque às relações entre performance, drama e ritual. Propõe-se um diálogo entre pesquisadores que se inspiram nos trabalhos de Victor Turner, Richard Schechner, Erving Goffman, Dell Hymes, Richard Bauman, e Judith Butler, entre outros, para fins de explorar o caráter descentrado do campo e o modo como nele se espelha a experiência contemporânea. Dessa forma, procura-se dar continuidade às discussões que vem ganhando destaque no cenário brasileiro desde os anos de 1990 e, mais recentemente, em uma série de GTs e Mesas Redondas nos principais fóruns do país: ABANNE, 2003; ABRACE 2003 e 2005, ABA, 2004, 2006; e ANPOCS, 2005, Relevância da proposta. Performance entrou como um campo importante no cenário internacional há várias décadas (Bateson, Bauman, Geertz, Goffman, Schnecher, Singer, Tambiah, Turner, etc). No Brasil, os estudos de performance na antropologia cresceram significativamente a partir do início da década de 90, impulsionados em grande parte pelo retorno de pesquisadores de seus

17 estágios de formação no exterior. Um reflexo deste crescimento está no surgimento de núcleos de pesquisa em universidades e na freqüência com que grupos de trabalho voltados para a discussão da relação entre rito, performance, arte, identidade, política e sociedade têm se formado em congressos, tendo todos como característica a interdisciplinaridade. Apesar de recorrente, entretanto, a noção de performance tem sido usada com diferentes significados. Para que seja possível um avanço epistemológico e a conseqüente consolidação dos estudos nesta área, observou-se a necessidade de implementação de uma discussão que considere os distintos marcos teórico-metodológicos que estão orientando suas respectivas pesquisas, no sentido de estabelecer uma maior clareza na conceituação da performance. A importância do tema atual é verificada pelo número crescente de núcleos de pesquisa formados no campo. Só na antropologia, há núcleos consolidados na Universidade de Brasília, Unversidade Federal de Rio de Janeiro, Universidade Federal da Bahia, UNICAMP, e Universidade de São Paulo. Em outras universidades, pesquisadores vêm pesquisando sobre o tema, consolidando seus grupos. Outra indicador da importância do campo é o número de GT s realizados em conferências nacionais e regionais nos últimos cinco anos. Podemos citar a realização dos GT s na últimas Reuniões da ABANNE, RBA, RAM e ANPOCS. MESAS REDONDAS Um dos componentes da Mesa está realizando uma pesquisa com apoio de CNPq para investigar as diferentes abordagens teórico-metodológicas da noção de performance nos estudos antropológicos brasileiros. Além de apontar a variedade de conceitos sendo utilizados neste campo interdisciplinar, a pesquisa indica que há ainda uma necessidade de um dialogo teórico e analítico. Em geral os Grupos de Trabalho tem sido mais caracterizados por apresentações de estudos de caso sem maiores discussões sobre os conceitos e métodos de análise. Assim, os conceitos de performativo e performance têm especificidades variadas, dependendo do pesquisador e como os emprega. A proposta da mesa visa, sobretudo, dar continuidade e aprofundar o debate já iniciado sobre as perspectivas teórico-metodológicas que embasam as pesquisas brasileiras sobre performance. Para tanto, foram convidados para esta MR três pesquisadores, dois pioneiros na introdução da perspectiva da performance nas ciências sociais brasileira, e um terceiro que mais recentemente se destaca como referência importante da teoria da performance no Brasil. Algumas das principais abordagens na área são: performance ritual, festas, danças, música e arte indígena (Amaral, 1998; Müller, 2000; Calvacante 1999; Silva, 2005); performance e oralidade (Langdon, 1996; 1999; Lima, 2003; Hartmann, 2000); performance e teatro (Dawsey, 1997; Teixeira, 1996; Bião, 1996); performance, política e identidade étnica (Peraino, 2001). 17

18 MESAS REDONDAS MESA 7 DIÁLOGOS INTERCULTURAIS DE CULTURA POPULAR Coordenador/Debatedor Prof. Dr. Sérgio Ivan Gil Braga (UFAM); Participantes Profa.Dra. Maria Paula de Abreu (Universidade de Coimbra Portugal); Prof. Dr. Ulisses Neves Rafael (UFS) Prof. Dr. Sérgio Ivan Gil Braga (UFAM) Cultura popular em cidades Amazônicas (Manaus, Parintins e Manacapuru, Estado do Amazonas): entre a festa de rua e o espetáculo folclórico. Prof. Dra. Paula Abreu (Investigadora do Centro de Estudos Sociais CES (FEUC) Docente da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra FEUC O estudo da cultura popular tem adquirido relevância em estudos antropológicos nas últimas décadas, com ênfase em processos sócio-culturais que tem como contraponto as cidades. Um conceito interessante para análise desses processos desponta com certo interesse na atualidade, o de patrimônio imaterial ou de bens culturais intangíveis. Temas como conhecimentos e modos de fazer enraizados no cotidiano das comunidades, celebrações, manifestações literárias, musicais, plásticas, cênicas e lúdicas, lugares, como mercados, feiras, santuários, praças e demais espaços onde se concentram e reproduzem práticas culturais coletivas, encontram-se não raro resumidos em eventos que freqüentemente assumem a conotação de folclóricos, na perspectiva de seus protagonistas, ao mesmo tempo que representam diferentes formas de apropriação da cidade originando inclusive novas formas de centralidade da cultura popular em meio urbano. Os eventos selecionados para exposição referentes ao Estado do Amazonas são os seguintes: Manacapuru (Festival de Cirandas e Festa de Santo Antônio da Terra Preta), Parintins (Festa de Nossa Senhora do Carmo, Festival Folclórico de Parintins) e Manaus (Festival Folclórico do Amazonas). Busca-se demonstrar, em última instância, a dinâmica de certas manifestações da cultura popular associadas ao fenômeno urbano amazônico. O Fado de Lisboa ou de como a cidade se encena na sua cultura popular Prof. Dr. Ulisses Neves Rafael (Professor adjunto do Departamento de Ciências Sociais de Universidade Federal de Sergipe) As cidades são espaços de muitos cruzamentos: sociais, económicos, políticos e culturais. Nesse caldo urbano forjam-se múltiplas expressões de cultura que ganham forma de um modo que poderíamos definir original- 18

19 mente híbrido. As culturas urbanas distinguem-se exactamente por nascerem da intensidade dos contactos, das relações e das trocas sociais e culturais entre grupos. Em Portugal, o Fado é um dos exemplos mais interessantes do modo como uma expressão cultural popular se cria e reinventa no espaço urbano, assumindo um carácter híbrido. A sua transformação até aos nossos dias ilustra como as expressões de cultura popular urbana são apropriadas e redefinidas pelas tecnologias económicas, culturais e políticas que produzem a cultura urbana. E isso é tanto mais importante quando nos referimos a uma expressão cultural musical, definida não apenas pela sua dimensão material, mas sobretudo pelo seu carácter simbólico e, portanto, imaterial. No contexto da comunicação que aqui apresento, proponho-me equacionar uma reflexão em torno dos modos de criação e produção das expressões culturais populares urbanas, analisando o exemplo do Fado de Lisboa, actualmente objecto de um processo que visa a sua consagração como património cultural (imaterial) da humanidade. MESAS REDONDAS Os processos de construção identitária nas cidades a partir de expressões culturais de tradição agrária Prof. Dr. Sérgio Ivan Gil Braga (UFAM) Nosso objetivo é discutir a construção de identidades nas cidades, a partir de processos de permutas e negociações envolvendo agentes sociais provenientes de outras áreas habitacionais do mesmo estado. Trata-se de debater o papel do migrante rural em contextos citadinos, cujo ambiente não impede a emergência de práticas culturais de tradição agrária. Assim, nossa atenção estará voltada para os traços idiossincráticos de capitais brasileira de origem recente e que resultaram de projetos de planejamento modernos, mas que agregam em seu interior agentes, cujas práticas encontram-se atreladas ao passado rural dos seus agentes. Em Aracaju, especificamente, a presença desses agentes faz-se notar não apenas pelo conjunto de expressões culturais por eles desenvolvidas e que encontram no universo agrário sua referência fundamental, mas também pelo peso que o termo tabaréu, ocupa no cotidiano da cidade, sendo freqüentemente veiculada como forma de classificação depreciativa, daqueles que estão associados àquela procedência interiorana. Para acompanharmos o papel que o tabaréu desempenha na moderna Aracaju, faz-se necessário deter-se sobre algumas expressões da cultura que se desenvolvem por intermédio da presença desse segmento e que nesta capital, atualiza o passado, remoto ou recente no campo, expresso, sobretudo nos festejos juninos. 19

20 MESAS REDONDAS MESA 8 ENSINO DE ANTROPOLOGIA NO NORTE E NO NORDESTE: RAÍZES, CONTEXTOS E PERSPECTIVAS. Coordenação: Parry Scott (UFPE) Apresentações: Carlos Caroso (UFBA) Luciana Chianca (UFRN) Heraldo Maués (UFPA) Parry Scott (UFPE) Debate: Lea Freitas Perez, Coordenação da Comissão de Ensino da ABA e UFMG Nesta mesa discute as experiências de inserção do ensino de antropologia em quatro contextos estaduais diferentes no Norte e no Nordeste com o objetivo de subsidiar uma discussão sobre as perspectivas atuais deste ensino. Na atualidade o emprego de conhecimento antropológico continua em expansão e diversificação e encontra novas perspectivas para os contextos em que é ensinada. De acordo com a diversidade de experiências locais, ressaltam-se questões envolvendo as transformações históricas da inserção do ensino da antropologia nos cenários estaduais, o ensino de antropologia nos contextos acadêmicos, o ensino e capacitação antropológicos em contextos extra-acadêmicos, emprego da antropologia em movimentos e programas governamentais e não governamentais, a antropologia no ensino médio, a antropologia no ensino público e privado, e a importância de intercambios e vínculos extra-regionais na qualidade e abrangência do ensino. A discussão centra nas perspectivas que estas condições traçam para a promoção atual do ensino de antropologia no Norte e no Nordeste. 20

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES Resumo O texto em questão é parte da pesquisa em desenvolvimento (mestrado) que tem como objetivo

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

Culturas juvenis, escola e comunidade: mapeando as práticas musicais

Culturas juvenis, escola e comunidade: mapeando as práticas musicais Culturas juvenis, escola e comunidade: mapeando as práticas musicais André Lodeiro Castanheira andre_castanha@hotmail.com Magali Oliveira Kleber magali.kleber@gmail.com Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão.

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão. Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão. Palestra: Apresentação da experiência do Complexo Histórico

Leia mais

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo

Leia mais

ATENÇÃO: As informações abaixo são um resumo do projeto. A sua íntegra está disponível para consulta na secretaria do PPGAS/UFRGS

ATENÇÃO: As informações abaixo são um resumo do projeto. A sua íntegra está disponível para consulta na secretaria do PPGAS/UFRGS ANEXO 1: Informações sobre o Casadinho/Procad UFG/UFRGS/UFSC ATENÇÃO: As informações abaixo são um resumo do projeto. A sua íntegra está disponível para consulta na secretaria do PPGAS/UFRGS Chamada Pública

Leia mais

22h00 às 23h30 COQUETEL E LANÇAMENTO Coquetel de boas vindas e Lançamento de livros e revistas Espaço da feira de livros 27/10, TERÇA-FEIRA

22h00 às 23h30 COQUETEL E LANÇAMENTO Coquetel de boas vindas e Lançamento de livros e revistas Espaço da feira de livros 27/10, TERÇA-FEIRA 26/10/, SEGUNDA-FEIRA 20h30 às 22h00 ABERTURA Abertura oficial do 39º Encontro Anual da ANPOCS Anfiteatro Glória Cerimônia de entrega do Prêmio ANPOCS de Excelência Acadêmica - Anfiteatro Glória 22h00

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

I ENCONTRO DE ENSINO DE HISTÓRIA DA MATA NORTE

I ENCONTRO DE ENSINO DE HISTÓRIA DA MATA NORTE I ENCONTRO DE ENSINO DE HISTÓRIA DA MATA NORTE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E O ENSINO DE HISTÓRIA Universidade de Pernambuco Campus Mata Norte Curso de Licenciatura em História Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Atividade: Mesa-Redonda (MR-02) Título: OS POVOS INDÍGENAS E AS DEMANDAS POLÍTICAS NO BRASIL ATUAL Instituição Proponente: ABA Coordenador: Vânia

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDO EM CULTURA, TEOLOGIA E ARTE PROJETO. Prof. Me. Carlos César Borges Nunes de Souza

NÚCLEO DE ESTUDO EM CULTURA, TEOLOGIA E ARTE PROJETO. Prof. Me. Carlos César Borges Nunes de Souza NÚCLEO DE ESTUDO EM CULTURA, TEOLOGIA E ARTE PROJETO Prof. Me. Carlos César Borges Nunes de Souza SALVADOR 2010 2 O Núcleo de Estudo em Cultura, Teologia e Arte NECTAR está vinculado e subordinado ao Centro

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

NOVAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A CULTURA: O SISTEMA DE CULTURA DE LARANJEIRAS/SE

NOVAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A CULTURA: O SISTEMA DE CULTURA DE LARANJEIRAS/SE NOVAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A CULTURA: O SISTEMA DE CULTURA DE LARANJEIRAS/SE Hildênia Santos de Oliveira 1 Luana Silva Bôamorte de Matos 2 RESUMO: O presente artigo discorre sobre a implantação do Projeto

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PROPOSTA DO NETA À UFPEL RELATIVA ÀS LEIS 9.394/96, 10.639/03, 11.645/08, 12.711/12 E À CRIAÇÃO DA COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO E DIÁLOGO INTERCULTURAL

PROPOSTA DO NETA À UFPEL RELATIVA ÀS LEIS 9.394/96, 10.639/03, 11.645/08, 12.711/12 E À CRIAÇÃO DA COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO E DIÁLOGO INTERCULTURAL PROPOSTA DO NETA À UFPEL RELATIVA ÀS LEIS 9.394/96, 10.639/03, 11.645/08, 12.711/12 E À CRIAÇÃO DA COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO E DIÁLOGO INTERCULTURAL Considerando os objetivos explicitados em seu Regulamento,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

A experiência da Fundaj na articulação entre pesquisa e ensino para a melhoria da gestão pública

A experiência da Fundaj na articulação entre pesquisa e ensino para a melhoria da gestão pública A experiência da Fundaj na articulação entre pesquisa e ensino para a melhoria da gestão pública Fundação Joaquim Nabuco Criada pelo Congresso Nacional em 1949 (Lei nº 770) - Projeto apresentado pelo deputado

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 28 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 FORMAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DA LEI 10.639/03: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO DE EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA NO COTIDIANO ESCOLAR, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

FESTAS PPGAC. Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira. Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas

FESTAS PPGAC. Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira. Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas 20 FESTAS PPGAC Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas Lúcia Lobato Érico José Souza de Oliveira Cadernos do GIPE-CIT Grupo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Contemporaneidade, Imaginário

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PROCESSOS URBANOS E REGIONAIS DO DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PROCESSOS URBANOS E REGIONAIS DO DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO Áreas de Concentração / Linhas de Pesquisa ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PROCESSOS URBANOS E REGIONAIS DO DESENVOLVIMENTO As transformações em curso

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO Processos do silêncio: oficina dialógica e criativa HISTÓRICO DA AÇÃO Processos do Silêncio é um projeto contemplado com o II Prêmio Nacional de Expressões Culturais

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Resumo. As crianças desde o seu nascimento estão imersas em uma cultura para qual, inevitavelmente, terão

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC Fernanda Costa SANTOS UFG/CAC- nandacostasantos@hotmail.com Karolina Santana

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes Nos Estados Unidos o uso de nações indígenas serviu como uma espécie de senha para a tomada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais