ESTUDO POLÍTICO-ECONÔMICO DA CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO POLÍTICO-ECONÔMICO DA CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA"

Transcrição

1 UNIFAE CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO ESTUDO POLÍTICO-ECONÔMICO DA CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA PROF. MS. GILBERTO BRANDÃO MARCON Estudo desenvolvido para o livro Pesquisas e Temáticas do UNIFAE com o título Políticas Públicas por Gilberto Brandão Marcon, Professor e Pesquisador da UNIFAE, Ex- Presidente do IPEFAE (2007/2009), Economista graduado pela UNICAMP (1982/1985), pós-graduado lato sensu em Economia de Empresas pela FAE (1986/1988), com Mestrado Interdisciplinar em Educação, Administração e Comunicação pela UNIMARCO (2006/2008), Comentarista Econômico TV União, Escritor, e com aperfeiçoamento como aluno especial no Mestrado de Filosofia da UNICAMP na área de Filosofia da Psicanálise (2002/2003). SÃO JOÃO DA BOA VISTA-SP 2010

2 RESUMO O texto aqui apresentado visa a identificar historicamente a intervenção do Estado como gestor das políticas públicas e também como parte integrante e complementar da economia ao setor privado, onde as políticas tributária e fiscal são vistas além do seu aspecto de gestão financeira, mas também como instrumento capaz de dinamizar a demanda, a produção e consequentemente o emprego na economia de um Estado de regime democrático, onde a peça orçamentária é vista não apenas sob o olhar econômico, mas como interação resultante das forças políticas representantes da vontade dos cidadãos. Palavras-Chave: Gestão Pública, Intervenção do Estado, Orçamento, Política Fiscal, Política Tributária. 1

3 ABSTRACT The text presented here aims to identify historically the intervention of the State as manager of public policy and also as part of the economy and complement the private sector, where tax and fiscal policies are seen in addition to its financial management aspect, but also as an instrument able to stimulate the demand, production and hence employment in the economy of a democratic state, where part of the budget is seen not only from the view of economy, but as resulting interaction of political forces representing the will of citizens. Keywords: Budget, Fiscal Policy, Public Management, State Intervention, Tax Policy. 2

4 INTRODUÇÃO A questão da carga tributária foi sempre um assunto político. Tanto é assim que a história nos mostra que momentos críticos de contendas sociais surgiram em torno da arrecadação de tributos. Apenas para citar alguns, primeiramente no Brasil: a Inconfidência Mineira, em 1789, dos colonos contra a coroa portuguesa e a Guerra dos Farrapos ( ), dos gaúchos contra o império brasileiro. No plano internacional a Revolução Americana dos colonos norte-americanos contra o colonizador inglês e posteriormente a Revolução Francesa, da burguesia e das classes mais baixas contra a monarquia da França. E apenas para citar mais recentemente, a Inglaterra no início dos anos noventa, quando a consagrada primeira ministra, Margareth Thatcher, já eleita por três vezes, perdeu a reeleição por conta de propor criação de um novo imposto. O conceito utilizado para se mensurar o total de tributos recolhidos é a carga tributária, que implicará a somatória de todos os recursos transferidos da sociedade para o governo. Trata-se de uma variável quantitativa, que pode se transformar em qualitativa quando for transformada em percentual de carga tributária que, neste caso, será o total dos recursos transferidos para o governo, dividido pelo total de riquezas produzidas no país no mesmo período, identificado pelo PIB, produto interno bruto. O resultante de tal divisão será o percentual da carga tributária. TABELA DE EVOLUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA ANO CARGA EM DIAS CARGA EM PORCENTAGEM ANO CARGA EM DIAS CARGA EM PORCENTAGEM ,66% ,32% ,27% ,51% % ,15% ,19% ,62% ,86% ,44% ,66% ,99% ,48% ,81% ,21% ,36% ,49% ,73% ,04% ,00% ,40% ,55% ,40% ,28% Fonte: IBPT Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário 1 1 SITE IBPT, Dias trabalhados em 2009 para pagar tributos, 20/05/2009, Acesso: 14/05/2010 3

5 O que ocorre é que a tal carga tributária vem apresentando, ao longo das últimas décadas, um aumento contínuo. Cada vez mais a sociedade transfere recursos para o setor público. Para se ter ideia, a partir de informações fornecidas pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), ao longo do governo José Sarney a carga flutuou de 20% até 22,66%, o que se transposto para os dias do ano, tomando o ano de 365 dias, significaria que se trabalhou de 73 a 82 dias no período para arcar com a transferência de recursos ao governo, ou seja, algo entre 2,5 meses a aproximadamente pouco menos de 3 meses. Ou dito de outra forma, concentrando o pagamento, até o mês março se trabalharia meramente para arcar com carga tributária. A partir do Governo Collor-Itamar, temos um aumento da carga que flutua entre o mínimo de 24,66% até o máximo de 29,86%, ou seja, mínimo de 90 dias e máximo de 109, ou seja, agora o mínimo é de 3 meses, e já se avançam meados de abril os dias trabalhados para sustentar o Estado. No primeiro governo FHC, a carga praticamente se estabiliza no pico do período anterior; o mínimo é 27,40% e máximo de 29,04%, ou seja, entre 100 a 107 dias, porém em seu segundo mandato, vai estabelecer um crescimento progressivo iniciando com 31,51% em 1999 e terminando em 36,44% em 2002, quantificados em dias de 115 dias para 133, ou seja, do final de abril para abocanhar recursos inerentes até meados de maio. Iniciado o governo Lula, a expansão desacelerou-se, mas continuou a acontecer. Assim, a partir em 2003 de 135 dias, com 36,99%, terminou seu primeiro mandado com 39,73%, portanto 145 dias, ou seja, de meados de maio para a última semana de maio. Já em seu segundo mandato, a partir de 2007, inicia-se com um pequeno crescimento e parece se estabilizar em torno 40 a 40,5%, o que implica dizer que são aproximadamente cinco meses de carga tributária. De modo geral, o que vemos foi que se consideramos os anos 70 que segundo o IBPT teve uma média de 76 dias correspondendo à carga, e que ainda apresentou valores aproximados nos anos 80, foi um profundo acréscimo, já que hoje nos aproximamos dos 150 dias; por muito pouco, não podemos dizer que a carga tributária dobrou, ou dito de outra forma que antes pagávamos em torno de 2,5 meses de carga, mas passamos a recolher praticamente 5,0 meses. Isto também poderia ser visto em relação a semana, em seis dias trabalhados, 2,5 dias seriam destinados ao governo, ou seja de segunda até aproximadamente a 4

6 metade da quarta feira se estaria trabalhando para recolher os seus impostos. A conta também poder ser feita em dias no caso supondo trabalhar-se 7h e vinte minutos por dia, praticamente três horas por dia para sustentar a carga tributária paga ao governo. Seguindo tal raciocínio, o citado instituto em outro estudo procurou observar a evolução da tributação, tendo por variáveis de um lado a perspectiva de vida do brasileiro em dado momento, de do outro a carga tributária deste mesmo momento. E o que se obteve foi o seguinte, a partir de uma avaliação dos referidos dados nos últimos 108 anos de história do Brasil. De modo geral, enquanto a expectativa de vida do cidadão brasileiro cresceu 116 %, a carga tributária aumentou no mesmo período 256%. A avaliação é que o brasileiro vive cada vez mais, porém paga cada vez mais impostos. Observando estes dados com maior proximidade teríamos o seguinte: em 1900, a expectativa de vida era de 33,4 anos, enquanto que a expectativa de pagamento de tributos era de 3,92 anos, de modo que aproximadamente 11,8% da sua vida seriam destinados ao pagamento de impostos. Na sequência, dando um salto de 50 anos; chegamos em 1950, na metade do século XX, e o brasileiro já vive em média 42,6 anos, e, destes, 6,82 serão destinado a pagar tributos, ou seja, 16% da sua vida estavam comprometidos com o pagamento de impostos. Mais um salto de 50 anos e chegamos à virada do século, no mítico ano 2000, e percebemos um grande salto na expectativa de vida do brasileiro, que passou a ser de 70,5 anos. Mas o salto da carga tributária foi ainda maior; assim, 23,31 passaram a ser destinados a transferir compulsoriamente tributos para o fisco, 33,06%, ou praticamente um terço da vida pagando impostos. Por fim, oito anos depois, nova evolução da expectativa de vida atingindo o patamar dos 72,30 anos, mas o crescimento da carga tributária novamente supera e assim agora já são 29,29 anos pagando impostos. TABELA: DIAS TRABALHOS PAGOS EM IMPOSTOS País Dias Trabalhados Suécia 185 França 149 Espanha 137 EUA 102 Argentina 97 Chile 92 México 91 Uma maneira de entendermos se isto é pouco ou muito é comparar a nossa carga tributária com de outros países, uma comparação interessante é com as economias da 5

7 Argentina e do México, que juntamente com a do Brasil compõem as maiores economias latino-americanas onde, segundo dados do FMI (Fundo Monetário Internacional), o Brasil ocupa o oitavo posto, enquanto o México a décima quarta posição e a Argentina a trigésima primeira, portanto a maior economia latinoamericana, respectivamente a segunda e quarta economia latino-americana, logo atrás da liderança brasileira. Segundo dados do IBPT (Instituto Brasileiro de Política Tributária), atualmente no México os cidadãos deste país trabalham 91 dias e na Argentina 97 dias para dar conta da sua carga tributária, algo bem menor que os 147 dias por aqui trabalhados, ou seja, um mexicano trabalha 58 dias a menos que um brasileiro, e um argentino 50 dias a menos por ano para pagar seus impostos, o que significa que têm à sua disposição mais recursos para sua sustentação. Não é pouco, são aproximadamente 2 meses a menos. Lembrando, são economias com pontos em comum com a nacional. A comparação também pode ser feita com a maior economia do mundo, a norteamericana. Por lá se trabalha em torno de 102 dias, ou seja, aproximadamente 3,5 meses, ainda assim 45 dias a menos que no Brasil. Portanto, por aqui quase 1,5 mês a mais. É interessante observar que ao se buscarem países com cargas similares encontram-se países europeus tais como a França e a Espanha, cujos estados promovem benefícios sociais e serviços bem mais adequados aos seus cidadãos, respectivamente 149 e 137 dias, respectivamente quinta e nona maiores economias do mundo. Mais do que no Brasil é o caso da Suécia, vigésima segunda economia do mundo. Recolhe 185 dias, pouco mais de um mês a mais que o Brasil. Entretanto, o Estado oferece serviços de alta qualidade à sua população, ou seja, paga-se, mas existe retribuição, enquanto no Brasil, isto ocorre de maneira insatisfatória. A questão, porém, não é meramente de quantidade; já dizia o filósofo Jean Jacques Rousseau a respeito do melhor governo: Não é pela quantidade dos tributos que se deve medir o ônus, mas sim pelo caminho que tem de fazer para voltar às mãos dos que saíram. Quando esta circulação é rápida e bem estabelecida, não importa que se pague muito ou pouco, pois o povo será sempre rico e as finanças andarão sempre bem (ROSSEAU, 1978, p.94). Ou seja, a questão a relação: preço (imposto cobrado) e retribuição (serviço prestado). O objetivo deste artigo é, por meio da utilização da pesquisa bibliográfica, identificar os aspectos da intervenção do governo brasileiro via gestão pública, através da política fiscal, e suas subsequentes política tributária e de gastos contempladas no Orçamento Público, visando construir informações em torno da temática carga tributária 6

8 que, conforme o exposto, se mostra em níveis elevados, a partir de um enfoque teórico e histórico geral, para depois se fixar no caso brasileiro. I -TEORIA TRIBUTÁRIA E POLÍTICA FISCAL O fato é que existe atualmente o que se define como teoria da tributação que propõe alguns princípios: [...] a finalidade de aproximar de um sistema tributário ideal é importante que alguns aspectos principais sejam levados em consideração: a) conceito de equidade, ou seja, a idéia de que a distribuição ônus tributário deve ser eqüitativa entre os diversos indivíduos de uma sociedade; b) o conceito de progressividade, isto é, o princípio de que deve-se tributar mais quem tem uma renda mais alta; c) o conceito de neutralidade, pelo qual os impostos devem ser tais que minimizem os possíveis impactos negativos, segundo o qual o sistema tributário deve ser de fácil compreensão para o contribuinte e de fácil arrecadação para o governo. (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.37) A questão é que, de modo geral, pode-se dizer que o dinheiro que é arrecadado pelo Estado, ou seja, pelo setor público, visto sob um olhar macroeconômico, implica a transferência de recursos do setor privado para o Governo, ou dito de outra forma, implicará necessariamente, num primeiro momento, a redução de poder de compra do setor privado em favor do setor público; assim se poderia identificar o governo: Recorrendo ao conceito de EDEY-PEA-COCK 2 entendemos o governo como: um agente coletivo que contrata diretamente o trabalho das unidades familiares e que adquire uma parcela da produção das empresas para proporcionar serviços úteis à sociedade como um todo. Trata-se, pois, de um centro de produção de bens e serviços coletivos. Suas receitas resultam da retirada compulsória do poder aquisitivo das unidades familiares e das empresas, feita por meio do sistema tributário; e suas despesas são caracterizadas pelos pagamentos efetuados aos agentes envolvidos no fornecimento dos bens e serviços públicos à sociedade (ROSSETTI, 1995, pp. 54/55). José Paschoal Rossetti também identifica institucionalmente a estrutura que compõe o governo: engloba os órgãos federais, as administrações estaduais e municipais e outras repartições públicas que fornecem serviços de uso coletivo [...] a 2 EDEY, Harold C., e PEACOCK, Alan T., Renda Nacional e Contabilidade Social, Zahar, Rio de Janeiro, 1963, p.51 7

9 segurança, a administração da justiça e os programas públicos de saúde, saneamento, educação e lazer (ROSSETTI, 1995, p.55). De modo geral, o governo deverá, através dos recursos transferidos do setor privado para o setor público, cumprir sua função segundo Alfredo FILELLINI: em termos de redução analítica, podemos dizer que o nexo da sociedade é a busca eficiente do bem-estar, através da elevação das oportunidades de concretização das metas de vida peculiares a cada um de seus membros e dos objetivos comuns (FILELLINI, p. 22), e vai além afirmando que: tais oportunidades, ainda que o fim não seja econômico em si, se apóiam na disponibilidade ampliada de recursos econômicos e no acesso da população a eles (FILELLINI, p. 22). Entretanto, nos termos que estão propostos, tais aspectos pedem outros conceitos que proporcionem avaliar a eficiência do Estado no cumprimento do propósito acima exposto. Neste sentido são utilizados dois critérios, trata-se da eficiência alocativa e eficiência distributiva, conforme abaixo identificadas: Eficiência alocativa: é a capacidade de maximizar a produção de bens econômicos, a partir da disponibilidade existente de recursos produtivos. Eficiência distributiva: é a capacidade de maximizar satisfações a partir da ordem da produção realizada (FILELLINI, p. 22). Segundo Fernando Rezende, os textos tradicionais de finanças públicas propõem a seguinte classificação segundo a distinção entre tributos em torno de quem suporta o ônus dos mesmos: em princípio suportado pelo próprio contribuinte e aquele que admite a transferência total ou parcial do pagamento para terceiros e feita separando os tributos em: Diretos e Indiretos (REZENDE, 1983, p.160) Outros dois autores que contribuem na definição desta classificação são Giambiagi e Além: Os impostos diretos incidem sobre o indivíduo e, por isso, estão associados à capacidade de pagamento de cada contribuinte. Os impostos indiretos, por sua vez, incidem sobre a atividade ou objeto, sobre consumo, vendas ou posse de propriedades, independentemente das características do indivíduo que executa a transação ou que é proprietário. (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.44) A carga tributária, que pode ser entendida como o percentual total que o governo transfere da sociedade para os seus cofres, trata-se da somatória da tributação de modo direto e indireto. No que se refere aos diretos, seriam aqueles tributos cujos contribuintes são os mesmos indivíduos que arcam com o ônus da respectiva contribuição (REZENDE, 1983, p.160) são aqueles que incorrem sobre a renda do 8

10 trabalho, tais como salários e honorários em torno dos quais recai o IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física), e INSS, associado à previdência e saúde, assim como as contribuições sindicais; trata-se de recolhimentos diretos sobre a renda, mas também sobre a renda do capital acumulado Assim, quanto à base de tributação, neste primeiro caso tem-se que o imposto sobre a renda: incide sobre todas as remunerações geradas no sistema econômico, ou seja. salários, lucros, juros, dividendos e aluguéis é uma forma de tributação direta e classifica-se em imposto de renda da pessoa física (IRPF) e imposto de renda da pessoa jurídica (IRPJ) (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.44). No caso do IRPF: é cobrado em base pessoal, com isenções e alíquotas progressivas, determinadas pelas características individuais do contribuinte (IDEM). Já no caso do IRPJ 3 : incide sobre o lucro das empresas, que pode ser calculado por três métodos: a) o do lucro real; b) o do lucro presumido; e c) o do lucro arbitrado (IDEM, p. 45) Entretanto, não é só isto, além do cidadão já ter parte de sua renda destinada a este fim terá outra parte deduzida no momento que for consumi-la novamente, pagando sobre o consumo através dos denominados impostos indiretos, que seriam os tributos para os quais os contribuintes poderiam transferir total ou parcialmente o ônus da contribuição para terceiros (REZENDE, 1983, p.160),ou seja, quando o consumidor paga por um produto ou serviço no seu preço estarão incluídas parcelas referentes a vários recolhimentos, são os denominados impostos indiretos, identificados por siglas tais como: PIS, COFINS, Contribuição Social, IPI, ICMS e ISSQN. Nestes casos, o que se tem quanto à base de aplicação são as vendas, de modo que quem acaba pagando é o consumidor, ou seja, o vendedor simplesmente recolhe o imposto do consumidor e repassa ao Fisco: Os impostos sobre as vendas de mercadorias e serviços são tributos indiretos, também conhecidos como impostos sobre o consumo. Este tipo de imposto pode ser classificado quanto: a) à amplitude de sua base de incidência; b) ao estágio do processo de produção e 3 No que tange a classificação direto e indireto, o IRPJ apresenta segundo Giambiagi & Além o seguinte problema em torno de questão ainda ser aqui tratada: o principal problema inerente ao IRPJ é que ele pode contrariar os princípios da equidade e da progressividade, tendo em vista que não se pode ter certeza de que o ônus da imposto sobre o lucro recaia integralmente sobre o produtor (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.45), em especial no caso do lucro presumido e o arbitrado, onde se utiliza a receita bruta, o que em tese o tipificaria como indireto, sendo pago pelo consumidor, o que já não acontece no real onde é efetivamente apurado. Ainda em relação ao tema esclarece Montouro: Sendo o Imposto de Renda da Pessoa Juridica (IRPJ) uma parcela deste lucro ele é em última instância pago pelas famílias e é considerado um imposto direto (MONTOURO, 1994, p. 43) 9

11 comercialização sobre o qual incide e c) à forma de apuração da base para o cálculo do imposto (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.47). Mas ainda não sendo suficiente, após receber a renda, deixando outra parte dela no consumo, se o cidadão conseguir poupar o suficiente ou então tomar financiamento para constituir seu patrimônio, também continuará a pagar tributos sobre ele: para quem tem imóvel urbano, o IPTU; para o imóvel rural, o ITR; quem tem automóvel paga o IPVA; além disto, acresçam-se o ITCMD e o ITBI; também pagam-se estas taxas inerentes às eventuais transferências patrimoniais. impostos pagos tendo por base o patrimônio: O grupo acima se refere aos O imposto sobre o patrimônio pode ser cobrado regularmente em função do simples ato de posse dos ativos durante um determinado período, como no caso do imposto predial e territorial urbano (IPTU) ou do imposto sobre a propriedade de veículos automotores (IPVA). Alternativamente, a cobrança pode se dar no momento em que os ativos mudam de propriedade como se o imposto sobre a transmissão da propriedade. (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.47). Isto não sendo suficiente, paga-se, conforme o lugar, algumas taxas extras tais como a de coleta de lixo, taxa para a limpeza pública, taxa para emitir documentos, para manter aberta qualquer tipo de atividade, o tal alvará, eventualmente, contribuições para iluminação pública. e somem-se a isto, Do exposto se pode verificar que além de classificados entre diretos e indiretos, os tributos também poderiam ser classificados segundo à base do que é tributado. Neste sentido: as bases de incidência dos impostos são a renda, o patrimônio e o consumo (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.44), que por seu lado devem ser pensadas dentro do quadro de variáveis macroeconômicas, passíveis de instrumentalização a partir da teoria keynesiana que define as suas relações: Keynes propôs em sua obra um novo entendimento dos mecanismos da determinação dos níveis de produção e emprego, assinalado a importância da atividade governamental na compreensão dos eventuais declínios do consumo e investimento privados, que acompanham a explicam os períodos de recessão. [...] É indiscutível a importância da contribuição de Keynes em relação ao papel dos gastos público, como suplemento ao dispêndio privado (PEREIRA, 2003, p.92). Ou seja, quando Keynes propõe a intervenção do Estado, via governo, na economia, ele num primeiro momento estava pensando em Política Fiscal, que de modo simplificado pode ser assim definida: chama-se de política fiscal às decisões do governo sobre quanto gastar, quanto arrecadar e que tipos de impostos recolher 10

12 (CARSOSO, 1987, p.92), ou seja, implica de um lado as receitas produzidas a partir da política tributária, acima conceitualmente esclarecida, e na contrapartida os gastos: No que se refere aos aspectos da política fiscal e suas opções para a política tributária é importante identificar que: os impostos são chamados progressivos quando os ricos pagam proporcionalmente mais do que os pobres, contribuindo para tornar a distribuição de renda mais igualitária. Caso contrário, os impostos são chamados regressivos (CARDOSO, 1987, p.98). Conciliando este conceito com os tipos de impostos conforme a base: os impostos indiretos são regressivos, enquanto que o imposto de renda, [...] progressivo (CARDOSO, 1987, p.99). Isto é assim explicado: os impostos de renda são aplicados de acordo com o princípio da capacidade e são progressivos, taxando os ricos proporcionalmente mais do que os pobres. Como o imposto de renda recai mais fortemente sobre os ricos, ele contribui para diminuir a diferença entre ricos e pobres (CARDOSO, 1987, pp.98/99), enquanto que: os impostos indiretos não têm essa característica, já que todos indivíduos pagam a mesma alíquota, [...] (CARDOSO, 1987, p.99). Em termos da política econômica, a opção por uma tributação progressiva, possibilitará ao governo cumprir o papel redistributivo da política tributária: Atuação sobre a política fiscal tributária, utilizando-se de uma política tributária progressiva, que objetiva absorver parte relativamente maior da renda dos ricos do que da renda dos pobres, contribuindo para diminuir via captação da receita tributária a desigualdade de renda, o que pode ainda ser mais potenciado conforme a destinação dada ao imposto arrecadado, no sentido de benefícios sociais aos pobres, nesta etapa atuando de forma redistributiva. Neste caso, tal atuação será efetivamente favorável ao consumo e diminuirá a dependência do investimento para a manutenção do nível de emprego (DILLARD, 1981, p.77). Há que se pensar a política fiscal, também, dentro de um quadro de enfrentamento das flutuações da atividade econômica. Neste caso, passa a prevalecer a questão da condução do orçamento e suas possibilidades de deficitário, superavitário ou equilibrado, no sentido de aquecer ou esfriar a demanda, o que está ligado à função do Estado. Visando a evitar o desemprego é que Keynes fundamenta a sua proposta de gasto público, objetivando para cobrir a insuficiência do investimento privado. Sintetizando: a manutenção de elevados níveis de emprego recai sobre os gastos públicos destinados a cobrir a disparidade existente entre a renda e o [...] consumo [...] para atingir o pleno emprego (DILLARD, 1982, p.96). 11

13 Neste sentido seriam duas as opções, uma política fiscal expansiva ou regressiva. A primeira seria usada quando se detectasse insuficiência de demanda agregada na economia, situação esta caracterizada pela formação de estoques indesejáveis que levariam à redução da capacidade ocupada do capital e redução do emprego do trabalho, gerando desemprego. No sentido oposto se teria excesso de demanda, com estoques abaixo dos planejados e ocupação próximos ao limite da capacidade produtiva do capital e intensa procura por trabalho, normalmente iniciando a tendência inflacionária. Visando a aquecer a demanda agregada, a política fiscal visará ao aumento dos gastos públicos em despesas ou investimentos, a diminuição da carga tributária, estímulo à exportação visando à ampliação do mercado via front externo e aumento de tarifas e colocação de barreiras às importações, defendendo o produtor nacional. No sentido inverso, objetiva-se a redução dos gastos públicos, aumenta-se a carga tributária retirando renda do setor privado e aumento das importações acrescido de redução das tarifas e barreiras para intensificar a concorrência no mercado interno. No plano da política econômica, em especial a política fiscal e a política tributária, o conjunto de conceitos acima apresentado no tópico visou propiciar instrumentos capazes de permitir uma análise do tema proposto. II-VISÃO HISTÓRICO-TEÓRICA DA GESTÃO PÚBLICA Uma discussão que está presente no plano político desde o nascimento da democracia moderna, surgida em contraposição ao absolutismo monárquico, assim como no plano econômico, ligada à revolução comercial e depois industrial que deu origem ao modo de produção capitalista é identificada pela intervenção do Estado, que tem por fundamentação a ideologia liberal que defende a idéia de Estado Mínimo, que é aquele que pretende ser enxuto, cuidar tão somente de segurança, sistema jurídico e moeda nacional. [...] a ideia liberal de economia de mercado, da propriedade privada, do mérito da competência individual e do risco. [...] o mercado é sempre mais eficiente do que o Estado (FRANCO, 2005, p.12), são estes os preceitos seguidos pelos regimes democráticos até a Crise de 1929, denominado de democracias liberais. A visão de não intervenção na economia passará a ser questionada, e acabará contestada e teorizada por John Maynard Keynes, e por fim instrumentalizada, no sentido de oferecer ao gestor público instrumentos econômicos para tanto, ou seja: a 12

14 crise econômica deflagrada em 1929 colocou os responsáveis pela política econômica desses países diante da contingência de intervir decididamente em suas economias com a finalidade premente de reativar os negócios em geral, e o ritmo de produção e o nível de emprego, em particular (FIGUEIREDO, 1999, p.12) O professor e economista André Franco Montouro Filho destaca a importância de Keynes para a evolução da macroeconomia 4 e consequentemente a capacitação do gestor público na intervenção na economia: A Teoria Geral de Keynes, verdadeira Carta Magna teórica da macroeconomia, inaugurou efetivamente a utilização e construção de modelos em macroeconomia, ou seja, supor algumas relações de comportamento, derivar resultados destas relações e verificar como os resultados variam se houver mudança de parâmetros. A técnica em si não era a novidade. A sua utilização no campo sim, como indica o fato de Keynes ter sido forçado a idealizar um modelo macroeconômico clássico em oposição a seu próprio modelo. Podemos considerar que antes de Keynes a teoria monetária era a única teoria econômica agregativa que existia, assim como a política monetária era o único instrumento de estabilização aceito. (MONTOURO, 1994, p.11) A proposta de Keynes é inovadora justamente por instrumentalizar a utilização do Orçamento Fiscal, para o que se desenvolveu as hoje denominadas políticas fiscais, a partir da identificação de que a economia era conduzida pelo denominado Princípio da Demanda Efetiva 5, assim: é indispensável a importância de Keynes em relação ao papel dos gastos públicos como suplemento ao dispêndio privado [...] quando ocorresse insuficiência de demanda o governo deveria assumir o papel ativo de complementar o gasto privado ou reduzindo impostos (PEREIRA, 2003, pp.92/93),ou seja, uma clara instrumentalização do Orçamento visando interferir da demanda agregada da economia. Será uma mudança de foco nos países capitalistas democráticos que atuavam segunda as linhas liberais, será o momento onde acabará por se desenvolver a reforma da teoria econômica promovida pelo economista John Maynard Keynes, que defenderá a intervenção do Estado na economia como meio de combater a crise, levando a economia ao equilíbrio. Neste sentido: é perfeitamente coerente para aqueles que preconizam os gastos com empréstimos ou financiamentos de déficits, em períodos de 4 O termo macroeconomia foi introduzido pro Ragmar Frish em Ele se aplica ao estudo das relações entre grandes agregados econômicos e se diferencia do estudo do processo de tomada de decisão de indivíduos e empresa, que é o objetivo da microeconomia (MONTOURO, 1994, p, 09) 5 O ponto de partida lógico da teoria do emprego, de Keynes, é princípio da procura efetiva. [...] O pleno emprego depende da procura agregada e o desemprego é o resultado duma carência de procura agregada (DILLARD, 1982, p.28). 13

15 depressão, preconizar orçamentos equilibrados nos períodos de prosperidade (DILLARD, 1982, p.104). Não se trata de uma opção pelo intervir ou não intervir, mas pela conveniência e a forma, seja pelo lado da receita, seja pelo lado do gasto; dois aspectos interativos no orçamento público: a finalidade do financiamento de déficits é criar uma plena utilização dos recursos econômicos. Acima do ponto de pleno emprego não há mais a necessidade de manter uma política de déficits. O programa de Keynes aspira ao pleno emprego, sem inflação ou deflação. (DILLARD, 1982, p.104). No que tange o aspecto de sua sistematização teórica, a teoria keynesiana surgirá em meio à crise dos anos 30, em 1936, através da obra Teoria Geral do Emprego, Investimento e Juros; com isto: abriu caminho à decisiva intervenção do Governo no processo econômico. Isto porque caberia aos gastos públicos, movidos por razões de interesse social, assegurar que a demanda agregada [...] pudesse ser mantida em níveis adequados de estimula a atividade econômica (FILELLINI, 1994, p.14) Keynes vai além da produção teórica e acaba por produzir instrumentos que contribuíram de modo definitivo na condução da intervenção do Estado via gestão pública: Credita-se a Keynes, portanto, o esforço pelo desenvolvimento de um instrumental nos campos metodológico, teórico e normativo do sistema econômico em sua totalidade. Sua teoria geral, além da mudança da ênfase da microeconomia para a macroeconomia, introduziu grande número de inovações (PEREIRA, 2003, p.92). Ou seja: suas vigorosas idéias semearam nas férteis necessidades de melhor compreensão do fenômeno econômico global, vital para inspiração das exigidas respostas antidepressivas [...] conduzidas pelos gastos bélicos dos países envolvidos na crise (FILELLINI, 1994, p.14) e que acabariam por envolver no confronto da Segunda Guerra Mundial em Durante a citada vai ocorrer a intensificação da intervenção do estado; neste sentido: entre 1939 e 1945, o esforço bélico tornou ainda mais premente a participação dos órgãos públicos na atividade econômica dos países conflagrados (FIGUEIREDO, 1999, p.12) se havia um corpo teórico agora se fazia necessário: ressaltar a busca de instrumentos mais refinados, tanto para a análise econômica quanto para a programação.[...] Impulsiona o progresso dos métodos de quantificação macroeconômica, entre os quais se insere a Contabilidade Nacional (FIGUEIREDO, 1999, p.13). É importante ter em mente que não basta a base teórica e suas variáveis, se faz necessário a sua instrumentação quantitativa: nesse sentido, é bom lembrar que a 14

16 elaboração das contas nacionais não depende apenas da adoção de bases teóricas, que são bastante simples. Depende, sim, da disposição das séries estatísticas exigidas pelos métodos. Isto é mais difícil e trabalhoso (FILELLINI, 1994, p. 16). A relação entre Teoria Macroeconômica e Contabilidade Social é íntima. Enquanto a primeira identifica as variáveis e suas relações no plano teórico, a outra permite quantificar e operacionalizar a gestão pública. Neste sentido: o desenvolvimento da contabilidade social foi decisivo para o próprio desenvolvimento do conhecimento macroeconômico. [...] É preciso ressaltar que temos aqui uma avenida de duas mãos. Os avanços da teoria macroeconômica, especialmente na vertente keynesiana [...], foram ajudados pelos progressos na contabilidade social (MONTOURO, 1994, p.15). O período da Segunda Guerra em parte contribuirá para a integração entre a teoria macroeconômica com a contabilidade nacional: as economias de mercado transformaram-se necessariamente em economias centralizadas planificadas nos períodos de guerra. Circunstancialmente, coube a Keynes esboçar o planejamento de esforço de produção bélica da Inglaterra no período (FILELLINI, 1994, p.15); neste período acabará por vir a receber a colaboração de outro economista que teve papel primordial no desenvolvimento da contabilidade social: coube a Richard Stone a função de assessorá-lo, tarefa que resultou na elaboração de um sistema de registros contábeis estatísticos que objetivava o melhor entendimento e acompanhamento dos acontecimentos a administrar (FILELLINI, 1994, p.15). Desta interação se originariam as denominadas Contas Nacionais 6, que depois passaram a receber o nome de Contas Sociais. O Sistema de Contas Nacionais 7 de Stone: foi esboçado o início da década de 1940, embora só em 1947 seria publicado o relatório Definition and Measuremente of the National and Related Totais, que revela as bases metodológicas que vinham sendo aplicadas na Inglaterra (ROSSETTI, 1995, p.33). A evolução é contínua e em 1949: este relatório foi adequadamente esclarecido em Functions and Criteria of a System of Social Accounting [...] em sua última versão 6 Em 1984, Richard Stone ganharia o Prêmio Nobel de Economia, em reconhecimento à contribuição dada por seu trabalho ao conjunto do conhecimento econômico (FILELLINI, 1994, p. 15). 7 No pós-guerra, o desenvolvimento conceitual da Contabilidade Social foi marcado pelo aperfeiçoamento e padronização internacional dos Sistemas de Contas desenvolvidos no período imediatamente anterior. O sistema de Richard Stone exerceu importante papel, ao se transformar no modelo básico dos padrões que viriam a ser propostos e difundidos por organizações internacionais (ROSSETTI, 1995, p. 34). 15

17 [...] foi resumida em A Stardardised System of National Accounts, de 1952 (ROSSETTI, 1995, p.33). Para se ter noção da importância do trabalho de Richard Stone 8 para a gestão pública 9, há que se observar que ele serviu de base para uso geral entre os membros da recém-fundada ONU (Organização das Nações Unidas) no pós-guerra: Em 1952, as Nações Unidas, com o objetivo de padronizar a metodologia das Contas Públicas, publicou o United Nations System of Nacional Accounts. Este trabalho de divulgação baseou-se na experiência, adquirida nos pós-guerra, que pioneiramente implantaram os sistemas padronizados sugeridos, procurando atender não apenas às nações mais avançadas, onde são abundantementes e abrangentes os levantamentos estatísticos de dados econômicos, como também às economias pouco desenvolvidas, geralmente carentes de uma rede nacional de coleta e processamento de estatísticas econômicas. [...] O sistema pioneiro de Contas Nacionais da ONU [...] forneceu, uma estrutura coerente para os trabalhos de levantamento e apresentação dos principais fluxos relacionados à produção, consumo, acumulação, atividades econômicas do governo e transações econômicas com o exterior (ROSSETTI, 1995, p.35). A participação do Estado no desenvolvimento será a expressão dominante nas décadas seguintes, até que numa inversão passe a ser vista como empecilho: Tendo sido o grande promotor do desenvolvimento econômico e social ocorrido no mundo, nas décadas 1930/1960, o Estado, a partir da década de 70, foi identificado como o responsável pela redução das taxas de crescimento econômico, e guindado ao papel de vilão, passando a ser responsabilizado pela queda das taxas de crescimento, elevação dos níveis de desemprego e inflação. Era a retomada das idéias neoliberais de Estado mínimo, fundadas na constatação de um crescimento disfuncional do Estado e impulsionadas pelo fenômeno da globalização (PEREIRA, 2003, p. 21). 8 Em 1953 um grupo de especialistas da ONU, presidido por Richard Stone, elabora Um Sistema de Contas Nacionais e correspondentes quadros estatísticos, trabalho que se constituiu num marco geral metodológico e que serviu de orientação para a construção de Sistemas de Contas Nacionais em grande número de países (FIGUEIREDO, 1999, pp.13/14) 9 A Contabilidade Social é, basicamente, um metodologia para registrar e quantificar os agregados macroeconômicos de uma forma coerente e sistemática, [...] é uma técnica que tem por objetivo representar e quantificar a economia de um país. O esquema descritivo visa reproduzir os fenômenos essenciais do circuito econômico: produção, geração de renda, consumo, financiamento, acumulação e relações com o resto do mundo (MONTOURO, 1994, p. 15) 16

18 Com a denominada globalização, fenômeno de natureza histórica, mudanças políticas acabaram por determinar as novas tendências econômicas, conforme esclarece Demétrio Magnoli: Economia e política são aspectos inseparáveis de uma única realidade. Em 1989, a queda do Muro de Berlim assinalou o encerramento do ciclo da Guerra Fria, anunciando a reunificação alemã e implosão da União Soviética. Esses acontecimentos, simultâneos à completa integração da China nos fluxos internacionais de mercadorias e investimentos, dissolveram a fronteira invisível que separava as economias estatizadas da economia mundial capitalista. Eles também representaram a senha para a introdução de um novo conceito de discussão geográfica, geopolítica e histórica: a globalização. (MAGNOLI, 2006, p.07) Assim o que se pode dizer é que a globalização trouxe no seu bojo um ideário que irá sedimentar a reforma e a modernização do Estado. Não se trata de defender ou refutar tal acontecimento, mas simplesmente constatá-lo: A reforma e modernização do Estado entendidas aqui com um complexo processo de transição das estruturas políticas, econômicas e administrativas surgem como tema central da agenda política mundial. Esse processo teve sua origem quando o modelo de Estado estruturado pelos países desenvolvidos no pós-guerra entrou em crise no final da década de 70. Esse modelo de Estado que primava por estar presente em todas as faces da vida social contribuiu para modificar e desgastar significativamente suas relações com a sociedade civil e com suas instituições. A resposta para esse problema, em princípio foi a adoção de um modelo liberal conservador. As políticas propostas na década de 80, em decorrência da necessidade de reformar o Estado, restabelecer seu equilíbrio fiscal e equilibrar o balanço de pagamentos dos países em crise, foram orientadas com única preocupação: reduzir o tamanho do Estado e viabilizar o predomínio total do mercado. (PEREIRA, 2003, p.210) No caso da Brasil, no que tange a gestão pública, não foi diferente: seguiu as tendências mundiais impostas a partir dos anos 30, e em especial no pós-guerra, em princípio em torno das diretrizes organizacionais propostas pela ONU: No caso do Brasil a Fundação Getúlio Vargas assumiu inicialmente o encargo de realizar o levantamento da Renda Nacional do país. Posteriormente este sistema foi incorporado ao esforço maior do qual resultou o Sistema de Contas Nacionais do Brasil. Os números brasileiros cobrem o período posterior a 1947 e as Contas Nacionais do Brasil são, na verdade, adaptação do esquema básico indicado pela ONU. (FIGUEIREDO, 1999, p.14) 17

19 Atualmente 10 a responsabilidade da apuração das contas nacionais brasileiras em torno das quais se faz possível exercer a gestão pública brasileira passará a ficar a cargo de outra instituição: Até o ano de 1986, a contabilidade nacional do País esteve sob responsabilidade do Centro de Contas Nacionais do IBRE Instituto Brasileiro de Economia, órgão da Fundação Getúlio Vargas FGV, que a partir de simples compilações respectivas ao Balanço de Pagamentos, a fez evoluir até os níveis propostos pela ONU em suas recomendações de Em 1987, a responsabilidade da escrituração da contabilidade social passou para a Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE (órgão vinculado ao Ministério do Planejamento SEPLAN) que procedeu a uma reformulação das bases metodológicas de estimação dos principais agregados macroeconômicos. O objetivo era aproximá-las dos parâmetros de 1968 da ONU, para o que vem encontrando sérias barreiras operacionais (FILELLINI, 1994, p.16). No que se refere ao Brasil e à temática da gestão pública existem muitos pontos cruciais no que tange a sua evolução. Entretanto, cabe destacar alguns momentos que atuaram de modo marcante na situação presente, um deles é a Constituição de 1988: Devemos recordar que, antes da Constituição Federal de 1988, o Brasil não dispunha de normas constitucionais definidoras das grandes linhas de atuação do governo federal. As definições na área de planejamento governamental eram decididas de forma exclusiva e desvinculadas legalmente no âmbito do Poder Executivo. Desse período até a atualidade, o processo e a política orçamentária sofrerão enormes alterações. A Constituição Federal de 1988 mantendo a tradição de Constituições anteriores, também definiu, de maneira minuciosa, os instrumentos de planejamento e orçamento. Os constituintes optaram por um modelo significativamente centralizado, a partir da visão de que existia excessiva fragmentação orçamentária, com programações e despesas fora do orçamento, como, por exemplo, os recursos da Previdência Social. Dessa forma foi definido um processo integrado de alocação de recursos, que compreende as atividades de planejamento e orçamento, mediante a definição do Plano Plurianual (PPA), da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e da Lei Orçamentária Anual. (MATIAS, 2003, p.13) Os resultados da Constituição de 1988 podem ser observados sobre o aspecto do controle da gestão pública de modo geral. Além de aumentar o grau de transparência pública, aumentou a visibilidade da política fiscal: acabando com práticas contábeis confusas e que impediam um melhor acompanhamento das contas por parte do público-, tiveram o mérito de eliminar importantes focos de desperdício de recursos públicos, seja pelo fim de algumas brechas de financiamento do gasto (GIAMBIAGI & ALÉM, 10 As novas contas, tanto quanto as antigas, são encontradas sequencialmente nas edições do Anuário Estatístico do Brasil, publicadas pelo próprio IBGE. (FILELLINI, 1994, p.16) 18

20 2001, p.142), ou pelo menos criando meios de limitação, no fundo fazendo um paralelo: representaram a constituição de um painel de controle da situação, através da criação de botões que, devidamente apertados, poderiam gerar um melhora no resultado fiscal (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.142). Entretanto, se os esforços no sentido de apuração da gestão pública se faziam presentes, ao se tratar de uma Constituição Cidadão trouxeram no seu bojo uma série de acréscimos de direitos que implicaram uma substancial pressão sobre o Orçamento Público: a nova Constituição moderna na defesa dos direitos civis e inovadora em outros aspectos institucionais criou uma série de dificuldades para a gestão da política econômica (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.142), no sentido de pressionar o gasto público, tais como: A elevação das alíquotas das transferências de receita para estados e municípios; A sobrecarga imposta ao sistema previdenciário, com o aumento das suas despesas; o incremento da proporção dos recursos da União obrigatoriamente destinada a certas rubricas de gasto, tipicamente sociais (GIAMBIAGI & ALÉM, 2001, p.142). É interessante observar que tais alterações em parte ocorrem em conexão com as tendências neo-liberais cada vez mais predominantes, no que tange a gestão pública. Mas de modo contraditório, ao expandir direitos do cidadão que implicam uma direção contrária às ideias de estado mínimo, ou seja, o contexto presente para a futura aplicação da constituição será a primeira eleição direta para presidente após mais de duas décadas sem o exercício do voto direto. Assim o governo Collor assume em 1990, atrelado às seguintes diretrizes gerais: definição do tamanho do Estado; desregulamentação, elevação da capacidade financeira e administrativa do Estado de formular e implementar políticas públicas; realização de esforços visando a legitimidade política para implementar reformas (PEREIRA, 2003, p.210). Um conjunto de grandes alterações vai surgir dentro deste contexto, visando a enfrentar naquele momento o principal problema da economia brasileira: o processo inflacionário, que já vitimara vários planos econômicos desde meados dos anos 80. Era a vez do Plano Real, que tinha por característica a ortodoxia em contraposição à linha heterodoxa dos planos anteriores, com ampla intervenção no mercado tendo por principal medida dos congelamentos de preços até o bloqueio de ativos financeiros: Até 1994, era comum se ouvir que a inflação e o desequilíbrio fiscal refletiam a inconsistência entre a soma das demandas sociais dos diferentes setores da sociedade, devidamente expressas no orçamento, 19

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS DIAS E ANOS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS DURANTE A VIDA DO BRASILEIRO

ESTUDO SOBRE OS DIAS E ANOS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS DURANTE A VIDA DO BRASILEIRO ESTUDO SOBRE OS DIAS E ANOS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS DURANTE A VIDA DO BRASILEIRO GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL VIGGIANO EM 2008 BRASILEIRO NASCE CONDENADO

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

ESTUDO IBPT Dias Trabalhados para pagar Tributos

ESTUDO IBPT Dias Trabalhados para pagar Tributos 22 de maio de 2013 ESTUDO IBPT Dias Trabalhados para pagar Tributos GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL FERNANDO STEINBRUCH NO ANO DE 2013 O BRASILEIRO TRABALHARÁ

Leia mais

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA *José Antonio de França I CONTEXTUALIZAÇÃO O Sistema Tributário Brasileiro é um sistema complexo, composto por muitos impostos, taxas e contribuições de competência Federal, Estadual e Municipal. A tarefa

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015)

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015) Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro (2005-2015) 1 Súmario 02 03 05 10 anos de Impostômetro trabalhados para pagar tributos Evolução

Leia mais

DÉFICIT PÚBLICO E TAXA DE JUROS: SEUS PONTOS FORTES E FRACOS NA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA.

DÉFICIT PÚBLICO E TAXA DE JUROS: SEUS PONTOS FORTES E FRACOS NA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA. 229 DÉFICIT PÚBLICO E TAXA DE JUROS: SEUS PONTOS FORTES E FRACOS NA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA. Lucas Paduan Folchito Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel lucaspaduan@hotmail.com Resumo Este

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais -

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - 1. Conceituação a) condição de pessoa como requisito único para ser titular de direitos humanos. b) dignidade humana. 2. Histórico Declaração americana

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública Aula 8 Política Fiscal: déficit e dívida pública O Crescimento da Participação do Setor Público na Atividade Econômica Crescimento da renda per capita - gera um aumento da demanda de bens e serviços públicos

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Carga tributária sobe mais forte em 2014

Carga tributária sobe mais forte em 2014 Carga tributária sobe mais forte em 2014 Com fim de desonerações para carros e linha branca, peso dos tributos ante o PIB deve crescer até 0,5 ponto percentual Após arrecadação recorde da Receita Federal

Leia mais

R. Gen. Aristides Athayde Junior, 350. 80730-370. Bigorrilho. Curitiba. Paraná Telefone: 41 3053-3219. www.ibpt.com.br

R. Gen. Aristides Athayde Junior, 350. 80730-370. Bigorrilho. Curitiba. Paraná Telefone: 41 3053-3219. www.ibpt.com.br EVOLUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA E PREVISÃO PARA 2013 Com base na arrecadação até novembro de 2013 e com a divulgação do PIB do 3º. trimestre deste ano, o IBPT fez a sua previsão para a carga tributária

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS -

ESTUDO SOBRE OS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS - ESTUDO SOBRE OS PARA PAGAR TRIBUTOS - 2015 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL CRISTIANO LISBOA YAZBEK 05 de maio de 2015 NO ANO DE 2015 O BRASILEIRO TRABALHARÁ ATÉ

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais -

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Apresentação Direitos sociais e econômicos Desafios Dados Distribuição renda Exemplo mundo Situação Brasil Conceituação a) condição de pessoa como requisito

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

Módulo: Orçamento Público Elaboração, Controle e Monitoramento

Módulo: Orçamento Público Elaboração, Controle e Monitoramento Módulo: Orçamento Público Elaboração, Controle e Monitoramento Agosto de 2007 1. O que é orçamento? O orçamento é uma forma de planejar e executar despesas que tanto os indivíduos quanto as instituições

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS 13/10/2015 Natalina Ribeiro ORÇAMENTO PÚBLICO O Orçamento Público é um dos principais instrumentos de planejamento das políticas de governo. Histórico do

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Planejamento da Gestão Pública Planejar é essencial, é o ponto de partida para a administração eficiente e eficaz da máquina pública, pois

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

A Carga Tributária para a Indústria de Transformação

A Carga Tributária para a Indústria de Transformação nº 01 A A Indústria de Transformação brasileira deve encerrar 2014 com mais um resultado negativo para a produção, ratificando o quadro de baixa atividade fabril que caracterizou últimos quatro anos, período

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 11 Administração Pública (versão para informação e comentários)

Leia mais

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL!

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! O PROJETO ISONOMIA tem como objetivo extinguir os privilégios tributários das rendas provenientes do capital, incluindo todos os rendimentos obtidos

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Condição para Crescer Carlos Feu Alvim feu@ecen.com No número anterior vimos que aumentar a poupança interna é condição indispensável para voltar a crescer.

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

GABARITO ECONOMIA - PEN

GABARITO ECONOMIA - PEN GABARITO ECONOMIA - PEN CAPITULO 1 A ESSENCIA DO PROBLEMA ECONOMICO Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira as condições de vida em uma

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o cenário Contábil,

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA 1) Uma economia, operando a pleno emprego, sacrificou inicialmente

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais André M. Biancarelli IE-Unicamp Seminário O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro AKB; Centro do Novo Desenvolvimentismo, EESP-FGV São Paulo,

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Resultado nominal X Resultado operacional

Resultado nominal X Resultado operacional RESULTADO DAS CONTAS PÚBLICAS Superávit = Receitas > Despesas X Déficit = Receitas < Despesas Déficit = fluxo em determinado período Dívida= estoque acumulado ao longo do tempo Finanças Públicas Resultado

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

A CARGA TRIBUTÁRIA DE 2013 E O PACOTE DE ELEVAÇÃO DE TRIBUTOS: A PROFUNDA INJUSTIÇA FISCAL BRASILEIRA PERSISTE

A CARGA TRIBUTÁRIA DE 2013 E O PACOTE DE ELEVAÇÃO DE TRIBUTOS: A PROFUNDA INJUSTIÇA FISCAL BRASILEIRA PERSISTE A CARGA TRIBUTÁRIA DE 2013 E O PACOTE DE ELEVAÇÃO DE TRIBUTOS: A PROFUNDA INJUSTIÇA FISCAL BRASILEIRA PERSISTE Aldemario Araujo Castro Mestre em Direito Procurador da Fazenda Nacional Professor da Universidade

Leia mais