Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp."

Transcrição

1 Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) December 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Nov Nov / Nov Jan-Nov Out / Oct Nov / Nov (1) /D /B C/A A B (1) C D Produção / Production ,5 9,3 7,5 Fibra Curta / Hardwood ,4 10,1 7,6 Fibra Longa / Softwood ,7 7,0 9,7 Pastas de Alto Rendimento / High Yield Pulp ,3 0,0-1,0 Vendas Domésticas / Domestic Sales ,8-2,1-0,7 Fibra Curta / Hardwood ,4-2,4-0,1 Fibra Longa / Softwood ,0-20,0-21,7 Pastas de Alto Rendimento / High Yield Pulp ,3 10,0 3,4 xportações / xport (2) ,5-7,0 11,5 Fibra Curta / Hardwood ,5-6,9 11,5 Fibra Longa / Softwood ,1 Pastas de Alto Rendimento / High Yield Pulp Importações / Import (2) ,5-10,3-3,6 Fibra Curta / Hardwood ,0 Fibra Longa / Softwood ,5-10,3-3,6 Pastas de Alto Rendimento / High Yield Pulp Consumo Aparente / Apparent Consumption ,2 31,8 1,1 Papel / Paper Jan-Nov Nov / Nov Jan-Nov Out / Oct Nov / Nov (1) /D /B C/A A B (1) C D Produção / Production ,8 1,2 1,7 mbalagem / Packaging & Wrapping ,5 2,9 2,7 Imprimir e screver / Printing & Writing ,7-2,3-0,7 Imprensa / Newsprint ,2-10,0-1,7 Fins Sanitários / Tissue ,1 3,3 5,3 Papelcartão / Cardboard ,6 0,0-2,6 Outros / Other ,0 0,0 3,2 Vendas Domésticas / Domestic Sales ,9 1,0 2,6 mbalagem / Packaging & Wrapping ,8 2,7 2,5 Imprimir e screver / Printing & Writing ,3-1,9 0,3 Imprensa / Newsprint ,2-18,2-4,1 Fins Sanitários / Tissue ,1 3,3 6,0 Papelcartão / Cardboard ,3 4,3 4,7 Outros / Other ,0 2,9 3,7 xportações / xport (2) ,9 8,6-1,8 mbalagem / Packaging & Wrapping ,8 27,9 20,0 Imprimir e screver / Printing & Writing ,1 12,5-5,1 Imprensa / Newsprint Fins Sanitários / Tissue ,0 0,0 25,0 Papelcartão / Cardboard ,0-18,8-19,6 Outros / Other ,0-33,3-25,9 Importações / Import (2) ,0-21,6-8,4 mbalagem / Packaging & Wrapping ,3-33,3 3,3 Imprimir e screver / Printing & Writing ,7-33,3-14,0 Imprensa / Newsprint ,0-6,7-18,9 Fins Sanitários / Tissue ,0 0,0 10,0 Papelcartão / Cardboard ,0 0,0 12,2 Outros / Other ,9-16,7 17,9 Consumo Aparente / Apparent Consumption ,8-3,2 0,9 (1) stimado / stimated (2) Fonte / Source: SCX/MDIC Página 1

2 Balança Comercial do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Trade Balance Var. % xportações / xport , ,2 Celulose / Pulp , ,7 Papel / Paper , ,1 Importações / Import , ,0 Celulose / Pulp , ,3 Papel / Paper , ,9 Saldo / Balance , ,9 Celulose / Pulp , ,7 Papel / Paper , ,6 Participação do Setor de Celulose e Papel na Balança Comercial Brasileira Sector s Share in the Brazilian Trade Balance Brasil / Brazil Papel e Celulose / Pulp and Paper Participação % / Share % xportações / xport , ,2 2,70 2,94 Importações / Import , ,0 0,88 0,78 Saldo / Balance ,9 - - xportações Brasileiras de Celulose por Destino Brazilian Pulp xport by Destination xportações Brasileiras de Papel por Destino Brazilian Paper xport by Destination Destino / Destination América Latina / Latin America ,1 uropa / urope ,7 América do Norte / North America ,3 África / Africa Ásia/Oceania / Asia/Oceania ,9 China / China ,7 / ,7 Destino / Destination América Latina / Latin America ,2 uropa / urope ,2 América do Norte / North America ,9 África / Africa ,4 Ásia/Oceania / Asia/Oceania ,8 China / China ,1 / ,1 Página 2

3 volução da Produção Brasileira de Celulose Brazilian Pulp Production volution Mil Toneladas / Thousands of Tons Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan e volução da Produção Brasileira de Papel Brazilian Paper Production volution Mil Toneladas / Thousands of Tons Nov Dez 700 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Página 3

4 ão da Produção volução Brasileira da Produção de Celulose Brasileira de Celulose Brazilian Pulp Production Brazilian volution Pulp Production volution volução da Produção volução Brasileira da Produção de Papel Brasileira de P Brazilian Paper Production Brazilian volution Paper Production volution ão do Consumo volução Nacional do Consumo de Aparas Nacional de Aparas Brazilian Recycled Paper Consumption Brazilian Recycled Paper Consumption Balança Comercial Balança do Setor Comercial de Celulose do Setor e Papel de Celulose Pulp and Paper Sector Trade Pulp Balance and Paper Sector Trade Balance US$ Milhões / US$ Millions US$ Milhões / US$ Millions Fonte/Source: SCX Fon Página 4

5 Celulose / Pulp Var. % Produção / Production ,4 Fibra Curta / Hardwood ,0 Fibra Longa / Softwood ,1 Pastas de Alto Rendimento / High Yield Pulp ,2 Vendas Domésticas / Domestic Sales ,0 Fibra Curta / Hardwood ,4 Fibra Longa / Softwood ,3 Pastas de Alto Rendimento / High Yield Pulp ,6 xportações / xport ,4 Fibra Curta / Hardwood ,4 Fibra Longa / Softwood ,5 Pastas de Alto Rendimento / High Yield Pulp Importações / Import ,8 Fibra Curta / Hardwood ,0 Fibra Longa / Softwood ,1 Pastas de Alto Rendimento / High Yield Pulp Papel / Paper Resultados do Setor em 2011 e 2012 Sector s Results in 2011 and 2012 toneladas / 1,000 tons Var. % Produção / Production ,0 mbalagem / Packaging & Wrapping ,8 Imprimir e screver / Printing & Writing ,7 Imprensa/ Newsprint ,6 Fins Sanitários / Tissue ,2 Papelcartão / Cardboard ,8 Outros / Other ,8 Vendas Domésticas / Domestic Sales ,0 mbalagem / Packaging & Wrapping ,9 Imprimir e screver / Printing & Writing ,7 Imprensa/ Newsprint ,1 Fins Sanitários / Tissue ,1 Papelcartão / Cardboard ,7 Outros / Other ,0 xportações / xport ,6 mbalagem / Packaging & Wrapping ,8 Imprimir e screver / Printing & Writing ,9 Imprensa/ Newsprint ,0 Fins Sanitários / Tissue ,5 Papelcartão / Cardboard ,1 Outros / Other ,1 Importações / Import ,1 mbalagem / Packaging & Wrapping ,0 Imprimir e screver / Printing & Writing ,4 Imprensa/ Newsprint ,7 Fins Sanitários / Tissue ,2 Papelcartão / Cardboard ,8 Outros / Other ,8 xpediente: Conjuntura Bracelpa (RM 10) é uma publicação da Associação Brasileira de Celulose e Papel Conjuntura (Bracelpa), destinada às empresas associadas, imprensa, assinantes e órgãos internacionais. A reprodução dos dados do boletim é permitida desde que citada a fonte. Produção: Áreas de statística e de Comunicação Corporativa da Bracelpa. Jornalista responsável: Silvia Maiolino MTb /SP. Design gráfico e diagramação: TCI Art. ditorial: Conjuntura Bracelpa is a publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) intended for associated companies, the press, subscribers and international entities. The reproduction of this report is permitted provided that the source is mentioned. Production: Bracelpa s Statistics and Corporate Communications Areas. ditor-in-chief: Silvia Maiolino - MTb: /SP. Graphic Design: TCI Art. Bracelpa Rua Olimpíadas, 66 9º andar, Vila Olímpia, CP , São Paulo SP. Fone: (+5511) Fax: (+5511) Assinaturas/Subscriptions: 100% da produção de celulose e papel no Brasil vem de florestas plantadas, que são recursos renováveis 100% of Brazilian pulp and paper production originates from planted forests, renewable resources.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) December 2012 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Nov

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Apr (1) C.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Apr (1) C. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) May 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Abr

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Aug (1) C.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Aug (1) C. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) September 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Ago

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons 2013* 2014 Var. % (1) E/D E/B C/A A.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons 2013* 2014 Var. % (1) E/D E/B C/A A. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) March 2014 Celulose / Pulp Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons 2013*

Leia mais

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) February 2014 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Dez

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença*

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* *Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os autores

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 60% exportação 85% Eucalipto 85% Fibra Curta Eucalipto 40% mercado interno CELULOSE CELULOSE 12% Fibra Longa

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Apresentação Institucional. Maio 2012

Apresentação Institucional. Maio 2012 Apresentação Institucional Maio 2012 1 Disclaimer As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento da

Leia mais

Papel e Celulose. Conjuntura externa favorece exportações de celulose. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 02 de junho de 2015

Papel e Celulose. Conjuntura externa favorece exportações de celulose. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 02 de junho de 2015 Conjuntura externa favorece exportações de celulose No 1T15 a produção brasileira de celulose atingiu 5.426 mil toneladas, 4,3% superior ao apresentado no mesmo período do ano anterior. Já as exportações

Leia mais

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 A Indústria de Papel no Brasil BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 1 Produção mundial de papel por região - 2001- Em % A produção mundial está distribuída uniformemente em 3 áreas

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011 2 3 4 5 6 7 8 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 22 Aula Data Evento 7/0 a 22/0 Período para solicitação de provas de 2ª chamada 23 24 25 26 27 28 29 26/jan Entrada de novos alunos + AVA (OFERTA JANEIRO 20) 30 3 3/0

Leia mais

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Papelcartão Papelcartão, ou simplesmente cartão, é o papel fabricado em múltiplas camadas, com gramaturas superiores a 150 g/m

Leia mais

O consumo mundial de papel e papelcartão (P&PC) deve atingir em 2007 cerca de 380 milhões de toneladas. Consumo Global de P&PC CONSUMO GLOBAL DE P&PC

O consumo mundial de papel e papelcartão (P&PC) deve atingir em 2007 cerca de 380 milhões de toneladas. Consumo Global de P&PC CONSUMO GLOBAL DE P&PC 32 o Fórum Anave Tendências do Mercado de Papel Suzano - Apresentação Institucional Antonio Maciel Neto Outubro de 2007 Reunião com Magistral mar/07 0 O mercado de papel hoje O consumo mundial de papel

Leia mais

Reunião MDIC. 07 de maio de 2013

Reunião MDIC. 07 de maio de 2013 Reunião MDIC 07 de maio de 2013 1 Características Indústria brasileira de papel nasceu recicladora. A reciclagem permite a existência de 60 empresas de porte médio e pequeno espalhadas pelo país, próximas

Leia mais

Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado

Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado Maximo Pacheco Presidente International Paper do Brasil 34º ANAVE São Paulo, 29 de Setembro de 2009 A indústria de papel de I&E do Brasil

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

Apresentação Institucional. Junho 2011

Apresentação Institucional. Junho 2011 1 Apresentação Institucional Junho 2011 Disclaimer As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento da

Leia mais

200 180 Indice (abr/2004=100) 160 140 120 100 80 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 Faturamento

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

Metals & Mining and Pulp & Paper Credit Suisse Conference

Metals & Mining and Pulp & Paper Credit Suisse Conference Metals & Mining and Pulp & Paper Credit Suisse Conference Aviso Geral Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas

Leia mais

33º Forum de Análise do Mercado de Celulose, Papel e Indústria Gráfica

33º Forum de Análise do Mercado de Celulose, Papel e Indústria Gráfica 33º Forum de Análise do Mercado de Celulose, Papel e Indústria Gráfica Crise Econômica Mundial Quais os impactos no setor de papel e celulose O Efeito do Câmbio no Mercado Doméstico de Papelcartão Túlio

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Apresentação Institucional 2T09

Apresentação Institucional 2T09 Apresentação Institucional 2T09 Agosto 2009 Declaração em relação às considerações seguintes As declarações contidas nessa apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras

Leia mais

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego para junho de 2010 confirmam a recuperação do emprego

Leia mais

Série 108 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15

Série 108 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15 31-jan-15 a - Saldo atual dos CRI Seniors (37.502.102,11) c - Saldo devedor total da carteira, encargos e valores a processar 37.502.133,30 f - Excedente / (Falta) 1.034,16 28-fev-15 a - Saldo atual dos

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil De acordo com a Estatística Bancária por Município (ESTBAN), divulgada pelo Banco Central, o saldo das operações de crédito, em agosto desse ano, chegou a R$ 2,320 trilhões no país, um crescimento de 10,9%

Leia mais

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD PRESENTATION APIMEC BRASÍLIA ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD 1 1 Brasília, February, 5th 2015 Ellen Regina Steter WORLD

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO A SETEMBRO DE 2013 1

BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO A SETEMBRO DE 2013 1 Informe 15/213 Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais e de Revestimento no Período Janeiro a Setembro de 213 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS

Leia mais

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Conjuntura Economia Americana Crescimento e Mercado de trabalho PIB EUA (%) 11 Desemprego EUA 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,6 3,9 2,8 2,8 3,2 1,4

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2014 - SUZANO PAPEL E CELULOSE SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2014 - SUZANO PAPEL E CELULOSE SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

A reciclagem de papel no Brasil 2014

A reciclagem de papel no Brasil 2014 1 A reciclagem de papel no Brasil 2014 II Encontro Nacional dos Aparistas de Papel São Paulo, 22 outubro 2015 Associação Nacional dos Aparistas de Papel 2 Aparas definidas na Norma Refile de papelão ondulado

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 1 BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Celulose de Mercado Ao longo de 1999 e parte do ano 2000 os preços da celulose foram crescentes, num cenário de demanda aquecida

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

O crescimento do consumo de papel

O crescimento do consumo de papel O crescimento do consumo de papel Maximo Pacheco Presidente Executivo International Paper Brasil 33º Fórum Anave, 18/11/08 São Paulo O papel como tecnologia Inovação em comunicação mais duradoura e de

Leia mais

* respectivamente administrador e gerente do departamento de indústria de Papel e celulose da área de insumos básicos do bndes.

* respectivamente administrador e gerente do departamento de indústria de Papel e celulose da área de insumos básicos do bndes. andré Carvalho Foster Vidal andré Barros da Hora* * respectivamente administrador e gerente do departamento de indústria de Papel e celulose da área de insumos básicos do bndes. Papel e Celulose 335 RESUMO

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Relatório Estatístico Janeiro/Maio 2015

Relatório Estatístico Janeiro/Maio 2015 Janeiro/Maio 2015 Análise do Mercado Cloro 1- Indicadores Acumulado 2- Indicadores Mensal 3- Capacidade Instalada / Empresas 4- Consumo Setorial da Produção Nacional Soda em escamas 9- Indicadores Acumulado

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Janeiro 2014 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

O COMÉRCIO ATACADISTA DE APARAS DE PAPEL. MDIC dezembro de 2013

O COMÉRCIO ATACADISTA DE APARAS DE PAPEL. MDIC dezembro de 2013 O COMÉRCIO ATACADISTA DE APARAS DE PAPEL. MDIC dezembro de 2013 Consumo e geração de aparas Podemos dizer que toda a adequação entre oferta e demanda por aparas de papel é feita pelas empresas do comércio

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

APIMEC SP. 19 Agosto de 2008

APIMEC SP. 19 Agosto de 2008 APIMEC SP 19 Agosto de 2008 Disclaimer Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas a riscos conhecidos e desconhecidos

Leia mais

Título da Palestra: O que fazer para garantir a melhor comercialização da minha soja? Palestrante: Seneri Kernbeis Paludo

Título da Palestra: O que fazer para garantir a melhor comercialização da minha soja? Palestrante: Seneri Kernbeis Paludo Título da Palestra: O que fazer para garantir a melhor comercialização da minha soja? Palestrante: Seneri Kernbeis Paludo Instituto t Mt Mato grossense de Economia Agropecuária Quem somos Um instituto

Leia mais

CAPACIDADE. Mercado Interno. Mercados Interno e Externo. Mercado Interno. 2,5 milhões t Madeira. 243 mil ha. 700 mil t Cartões. 145 mil t.

CAPACIDADE. Mercado Interno. Mercados Interno e Externo. Mercado Interno. 2,5 milhões t Madeira. 243 mil ha. 700 mil t Cartões. 145 mil t. DISCLAIMER As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento da Klabin SA são apenas projeções e, como

Leia mais

Missão do IAB Brasil. Desenvolver o Mercado de Comunicação Digital Interativa no Brasil

Missão do IAB Brasil. Desenvolver o Mercado de Comunicação Digital Interativa no Brasil Missão do IAB Brasil Desenvolver o Mercado de Comunicação Digital Interativa no Brasil Q1-2012 Display + search INTERNET JÁ É O SEGUNDO MEIO EM FATURAMENTO DO PAÍS 11,98% A internet já a4nge 11,98% de

Leia mais

DESEMPENHO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CELULOSE 1 PERFORMANCE OF THE BRAZILIAN WOOD PULP EXPORT

DESEMPENHO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CELULOSE 1 PERFORMANCE OF THE BRAZILIAN WOOD PULP EXPORT 1017 DESEMPENHO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CELULOSE 1 Sebastião Renato Valverde 2, Naisy Silva Soares 3 e Márcio Lopes da Silva 2 RESUMO Este estudo objetivou de analisar o desempenho das exportações

Leia mais

O Mercado Mundial de Alumínio e os Entraves à Produção Nacional

O Mercado Mundial de Alumínio e os Entraves à Produção Nacional O Mercado Mundial de Alumínio e os Entraves à Produção Nacional Título da apresentação Janeiro de 2008 1. Global Balanço Oferta/Demanda Alumínio; Balanço Oferta/Demanda Alumina; Competitividade 2. Oferta/

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - SUZANO PAPEL E CELULOSE SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - SUZANO PAPEL E CELULOSE SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

OPERAÇÕES DE FRETE/2011

OPERAÇÕES DE FRETE/2011 JAN (lta) 213.840 213.840 48.693,90 213.840 213.840 48.693,90 FEV 48.300 48.300 4.859,10 91.839 91.839 8.767,52 722.756 722.756 45.937,39 MAR 862.895 862.895 59.564,01 142.600 142.600 12.482,77 290.232

Leia mais

Indústria do Turismo. Aumento da renda do brasileiro alavancou mercado de passagens aéreas nos últimos anos

Indústria do Turismo. Aumento da renda do brasileiro alavancou mercado de passagens aéreas nos últimos anos Indústria do Turismo Aumento da renda do brasileiro alavancou mercado de passagens aéreas nos últimos anos Abril 2011 Aumento da renda do brasileiro alavancou mercado de passagens aéreas nos últimos anos

Leia mais

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL Associação Nacional dos Fabricantes de Papel e Celulose BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social A Questão Florestal e o Desenvolvimento A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

Leia mais

INVESTIMENTOS PRIVADOS E O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO. Madeira 2014

INVESTIMENTOS PRIVADOS E O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO. Madeira 2014 INVESTIMENTOS PRIVADOS E O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Madeira 2014 1 Agenda Por que se Investe em Reflorestamento? O Exemplo Norte-Americano Perspectivas para o Brasil 2 Agenda Por que se Investe em Reflorestamento?

Leia mais

CARTA DE GESTÃO. Carta de Gestão 1º Semestre 2014. 1º Semestre de 2014

CARTA DE GESTÃO. Carta de Gestão 1º Semestre 2014. 1º Semestre de 2014 CARTA DE GESTÃO Carta de Gestão 1º Semestre 2014 1º Semestre de 2014 Nesta carta de gestão, iremos comentar a performance dos fundos da Oceana no primeiro semestre de 2014 e, em seguida, apresentar o case

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

Manhã Técnica. Mercados Florestais

Manhã Técnica. Mercados Florestais Manhã Técnica Mercados Florestais APFC Associação de Produtores Florestais de Coruche 27. 03. 2015 2 Enquadramento Tx Câmbio EURO/USD 3 Tendência de diminuição desde o 2.ª T 2014 que favorece as nossas

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior Welber Barral Junho 2012 Brasil: Acordos Internacionais Multilateral Agreements World Trade Organization Agreements. Regional and Bilateral Agreements MERCOSUR

Leia mais

C A L E N D Á R I O D E E V E N T O S C O R P O R A T I V O S (Atualizado em 16 de janeiro de 2.009)

C A L E N D Á R I O D E E V E N T O S C O R P O R A T I V O S (Atualizado em 16 de janeiro de 2.009) C A L E N D Á R I O D E E V E N T O S C O R P O R A T I V O S (Atualizado em 16 de janeiro de 2.009) Denominação Social CREMER S.A. Endereço da Sede Rua Iguaçu nº 291/363 Itoupava Seca 89.030-030 Blumenau

Leia mais

Relatório da Pesquisa Conjuntural

Relatório da Pesquisa Conjuntural -12,3% -13, -13,5% -13,1% -12,7% -12,4% -12,7% -7,9% -9,3% -6,9% -2,7% -0,2% I Resultado Nacional Os dados divulgados no Relatório da Pesquisa Conjuntural, elaborados com base nas informações das empresas

Leia mais

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros 21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo Alexandre Mendonça da Barros 20 de Outubro de 2014 Índice As transformações da economia agrícola

Leia mais

00000000000002 FOZPREVIDÊNCIA - FUNDO PREVIDÊNCIARIO

00000000000002 FOZPREVIDÊNCIA - FUNDO PREVIDÊNCIARIO Pagina 1 de 5 Extrato Diário da no Período de 01/01/2012 Até 31/08/2012 s TODAS 02/01/2012 121029070000 Contribuições de Servidor Ativo para o Regime Próprio de Previdência 284.612,00 05/01/2012 10/01/2012

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil consolida um mercado de consumo de massa e promove o surgimento de uma nova

Leia mais

Revendo Procedimentos. Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov.

Revendo Procedimentos. Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov. Revendo Procedimentos e Evitando Sonegação Melanie Aparecida Luiz Vieira Gerente da Unidade de Arrecadação e Cobrança E-mail: melanie@joinville.sc.gov.br Fone: (47) 3431-3148 3148 / 3431-31553155 Agradecimentos

Leia mais

Instituto de desenvolvimento educacional de Angola IDEIA SECRETARIA ACADÊMICA

Instituto de desenvolvimento educacional de Angola IDEIA SECRETARIA ACADÊMICA Instituto de desenvolvimento educacional de Angola IDEIA SECRETARIA ACADÊMICA Curso de Especialização MBA Gestão Estratégica em Tecnologia da Informação ANO MÊS CRONOGRAMA Dia Data Disciplina ch seg 07/09/15

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Aviso Geral Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas a riscos conhecidos e desconhecidos

Leia mais

Econergy International PLC. Projetos de MDL

Econergy International PLC. Projetos de MDL Econergy International PLC. Projetos de MDL São Paulo, 18 de agosto de 2006 Econergy Escritórios rios Ireland Boulder (CO) Washington D.C. Monterrey São Paulo Buenos Aires Nossa Missão é Agregar Valor

Leia mais

Apresentação dos Resultados do 1T07

Apresentação dos Resultados do 1T07 Apresentação dos Resultados do 1T07 As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a

Leia mais

October 2015. Court Washburn Chief Investment Officer. 99 High Street, 26th Floor Boston, MA 02110 (617) 747-1584 cwashburn@hnrg.com. www.hnrg.

October 2015. Court Washburn Chief Investment Officer. 99 High Street, 26th Floor Boston, MA 02110 (617) 747-1584 cwashburn@hnrg.com. www.hnrg. Click to edit Master titlein Timberland Institutional Investment October 2015 Court Washburn Chief Investment Officer 99 High Street, 26th Floor Boston, MA 02110 (617) 747-1584 cwashburn@hnrg.com www.hnrg.com

Leia mais

ASSINATURAS DE PUBLICAÇÕES

ASSINATURAS DE PUBLICAÇÕES TCA CONTRATADA OBJETO 32.091/026/14 EDITORA NDJ ASSINATURAS DE PUBLICAÇÕES 14 assinaturas do Boletim de Direito Municipal; 14 assinaturas do Boletim de Direito Administrativo e 15 assinaturas do Boletim

Leia mais

Primeiro semestre registra retração no IED

Primeiro semestre registra retração no IED JUNHO DE 2015 Primeiro semestre registra retração no IED São Paulo, 29 de julho de 2015 No primeiro semestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil registraram um total de

Leia mais

Relatório Mensal Junho 2007

Relatório Mensal Junho 2007 Relatório Mensal Junho 2007 Rio de Janeiro, 10 de julho de 2007. AO BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES Rio de Janeiro RJ A/C: GESTOR DO CONTRATO Ref.: Manutenção e operação da rede

Leia mais

1992: Aquisição pela Ligna 1997: Expansão Uberaba 1998: Aquisição de floresta 51.000ha

1992: Aquisição pela Ligna 1997: Expansão Uberaba 1998: Aquisição de floresta 51.000ha !"!"#$ # 1 % &'() 1970: Início das atividades em Taquari (RS) 1975: Início das atividades em Uberaba (MG) 1992: Aquisição pela Ligna 1997: Expansão Uberaba 1998: Aquisição de floresta 51.000ha 2004: Expansão

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

-CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO - CRIMES CONTRA OS COSTUMES - LEIS DAS CONTRAVENÇÕES PENAIS - CRIMES DE ENTORPECENTES - LEI PORTE DE ARMAS

-CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO - CRIMES CONTRA OS COSTUMES - LEIS DAS CONTRAVENÇÕES PENAIS - CRIMES DE ENTORPECENTES - LEI PORTE DE ARMAS BALANÇO DAS OCORRÊNCIAS POLICIAIS COM REGISTRO NO SISP - RMB E ESTADO DO PARÁ - BALANÇO DAS OCORRÊNCIAS POLICIAIS COM REGISTRO NO SISP VERIFICADAS NA RMB E EM TODO O ESTADO DO PARÁ EM 2011 (JAN-DEZ) -CRIMES

Leia mais

A Cadeia Produtiva do Leite no Contexto Nacional e Internacional

A Cadeia Produtiva do Leite no Contexto Nacional e Internacional SEBRAE-RO / SEAGRI / CONDALRON DIAGNÓSTICO DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE DE RONDÔNIA A Cadeia Produtiva do Leite no Contexto Nacional e Internacional Lorildo STOCK Porto Velho - RO 18.08.2015 Crise internacional,

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL Expectativas de Mercado BACEN (15/05/2015) Pág. 2 maio de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % MARÇO ABRIL DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

GovConta Caixa https://govconta.caixa.gov.br/sigov/extrato/conta_individual/imprimir.do?nomeform=... Página 1 de 1 28/02/2014 :: Extrato das Contas Individuais Origem do Extrato: GOVCONTA CAIXA GovConta

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA IDENTIFICAÇÃO DO PESQUISADOR Nome do pesquisador responsável MODELO DE PROJETO DE PESQUISA Instituição Titulação Departamento CPF Endereço Telefone Fax E-Mail EQUIPE COLABORADORA Nome Departamento Titulação

Leia mais