RetratodoBRASIL O PACTO DO SANEAMENTO CIDADES 1 CIDADES: O PAC EM RECIFE: os pobres, afinal, serão beneficiados?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RetratodoBRASIL O PACTO DO SANEAMENTO CIDADES 1 CIDADES: O PAC EM RECIFE: os pobres, afinal, serão beneficiados?"

Transcrição

1 O PAC EM RECIFE: os pobres, afinal, serão beneficiados? O RETRATO PAC EM DO BRASIL RECIFE: no 5 os pobres, afinal, serão beneficiados? CIDADES 1 RetratodoBRASIL n O 5 - R$ 6,00 CIDADES: O PACTO DO SANEAMENTO O governo Lula põe no papel, apressadamente, um plano de obras mais de 900, por enquanto para os serviços de água e esgoto no País

2 2 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5

3 RETRATO DO BRASIL no 5 A MARGEM DO CIDADES 3 MANGUE IBURA CAMPO DO JIQUIÁ RIO TEJIPIÓ Aeroporto Internacional de Guararapes CANAL MAURICÉIA IMBIRIBEIRA LAGOA ARAÇÁ ILHA DO ZECA PERNAMBUCO Recife Av. Mal. Mascarenhas de Moraes ILHA DE DEUS Comunidade de Ilha de Deus RIO PINA Região Metropolitana do Recife Shopping Center Recife PARQUE DOS MANGUEZAIS Aeroclube do Encanta Moça BACIA DO PINA Praia de Boa Viagem Av. Eng. Domingos Ferreira Brasília Teimosa Recife fica no estuário de vários rios: ao norte, o Beberibe; ao centro, o Capibaribe; ao sul, o Teijipió, o Pina, o Jordão. A cidade é baixa, plana. Todo dia, com as marés, o oceano sobe continente a dentro, torna verdes as águas sujas dos rios, cobre margens entulhadas de detritos cor de piche, forma grandes alagados, os manguezais. O maior dos mangues de Recife fica ao sul da cidade. É formado pelos Teijipió, Jordão, Pina e pelo mar. O turista não o vê, embora ele fique perto do aeroporto de Guararapes e da praia de Boa Viagem, a mais famosa da capital pernambucana. As ruas ao redor do mangue dão para a praia ou para as grandes avenidas que levam ao centro, para o Recife Antigo, a cidade colonial. Não chegam ao mangue: terminam geralmente em becos, formados por paredões de casebres também de costas para a água e para a vegetação. Os manguezais são ecossistemas de preservação permanente, por serem berçário, criadouro e abrigo de inúmeras espécies. O mangue da zona sul de Recife, por exemplo, é protegido formalmente por lei e confiado à guarda da Marinha do Brasil. Nas suas vizinhanças, no entanto, apenas uma Visita a um dos grandes projetos de saneamento ambiental do País, incluído no Programa de Aceleração do Crescimento do governo Lula, em área invadida pelos pobres no Recife estreita faixa tem um sistema de coleta e tratamento de esgotos. É o paredão de prédios à beira da praia, situado numa formação geológica levemente mais alta que se prolonga até o Recife Antigo. Toda a área restante, mais para o interior, despeja seus esgotos em fossas, nas galerias reservadas para as águas pluviais, quando não diretamente nos rios ou no mangue. Isso, de certa forma, explica porque o belo e importante mangue é desprezado e escondido: ele é, principalmente, um coletor de esgotos de vasta região. Os planos para mudar Atualmente, um projeto para mudar radicalmente essa situação está sendo tocado, o qual participa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Basicamente, são duas intervenções: a Via Mangue, uma avenida marginal que serviria para conter o movimento de invasão e aterramento do manguezal; e um sistema sanitário para a área atualmente não atendida, uma espécie de triângulo formado de um lado pelo Teijipió e a margem sul da Bacia do Pina, de outro, pela linha de frente do aeroporto de Guararapes e, por último, pela faixa de prédios de Boa Viagem, já saneada. A população dessa área é estimada em mais de 250 mil pessoas. Em tese, o saneamento básico beneficiaria especialmente os mais pobres eles são forçados a conviver com os esgotos. Para visitar a área, o repórter e Natanael Ramalho, gerente de projetos da Compesa, a empresa de saneamento do governo de Pernambuco, utilizam um carro da companhia. O veículo passa pelo canteiro de obras da Camargo Corrêa, a empreiteira que está concluindo neste fim de ano a primeira fase do Via Mangue um túnel na saída dos viadutos estendidos sobre a bacia do Pina, uma das entradas de Boa Viagem para quem vem do centro da cidade. Passa também por uma espécie de porta oficial do mangue, de onde sai a estrada que vai à Rádio da Marinha, no meio do manguezal. Propriedade da União, Marinha do Brasil, diz a placa ao lado da porteira fechada. Um soldado informa que a área é de acesso restrito e é necessária autorização para entrar. Cerca de meio quilômetro adiante, o carro entra numa rua que dá numa linha de

4 4 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5 casas pobres. Mateus, de oito anos, levanos por um beco estreito entre os casebres até a margem do mangue. Mateus tem seis irmãos. O pai é pedreiro; a mãe, agente de saúde. Ele mostra quais são os canos de água e os do esgoto. Estes dão diretamente para o Pina, margem de cá do mangue. Do lado de lá, o mangue é bonito: uma mata de árvores de pequena altura, de verde forte e escuro. O Pina, aqui, é uma cloaca: sobre um fundo de águas negras, os canos de esgoto se projetam dos casebres e despejam sua carga sobre o rio. Aqui é o Pantanal 1, diz Mateus. Mais para lá, é o Pantanal 2, diz ele, apontando para o norte. Na frente do beco, Adriano toma conta de um pequeno negócio onde se vende água e há uma máquina de videogames. Ele diz que ali chega água da Compesa: Um dia sim, 10 dias não, completa com ironia. Chega também a conta: Dezesseis reais, ele diz. Mas não pago. Dona Antônia tem um barraco ali há 12 anos. Ela está preocupada com a Via Mangue. Uma amiga, mais jovem, que está a seu lado, acha que os moradores podem se unir e resistir à destruição das casas que a via promoverá. Aponta para a construção de dois pisos onde mora e de onde não quer sair. Dona Antônia acha que pouco vai adiantar. Já viu uma desapropriação. A certa altura, chegam os tratores e a polícia e o povo é retirado à força, ela diz. Numa das casas ao lado do negócio de Adriano, encontra-se um registro que parece mostrar que, de fato, as casas estão cadastradas, provavelmente para o pior: Prefeitura do Recife, número 01-A, Cadastro. Loc: Ilha do Destino, Pantanal. E a data:

5 RETRATO DO BRASIL no 5 CIDADES 5 RECIFE ZONA SUL A cidade vista de cima da Lagoa do Araçá. No horizonte, o paredão de prédios de Boa Viagem. Mais para interior, o grande manguezal que hoje serve praticamente como destino final dos esgotos, sem tratamento, de uma área com mais de 250 mil habitantes. Nos detalhes abaixo: a Marinha do Brasil é a guardiã oficial da área; e uma vista do rio Pina e do mangue, a partir de um beco que dá para os fundos da invasão Pantanal 1 Fotos: Roberto Pereira Ilha do Destino é outro pedaço da margem do mangue, logo adiante. Parece ter sido a origem do conjunto de invasões próximas. José Coutinho tem casa e uma espécie de armazém ali. Diz que sua mãe ajudou a construir o aterramento do mangue que uniu a ilha a Boa Viagem e que isso ocorreu em 1953, quando ela se mudou para a ilha para ficar perto do emprego, como doméstica numa casa rica perto da praia. Coutinho explica o sistema de saneamento das casas e casebres da ilha. Os próprios moradores compraram os canos necessários e ligaram suas latrinas à galeria de águas pluviais construída pela prefeitura sobre o aterro. Sabem que é proibido jogar esgoto nas galerias de águas pluviais. Porém, funciona. Aliás, nem sempre funciona. Um rapaz leva o repórter até o Beco dos Sete Pecados, uma das ruelas da ilha onde o esgotamento pifou. Deveria se chamar Beco da Merda, diz uma moça. Ivoneide, uma senhora de 50 anos, mostra seu casebre nos fundos de uma das vielas. A moradia deve ter pouco mais de dez metros quadrados de área. Num dos cantos, parcialmente protegido por uma meia parede, sem porta, está instalado um vaso sanitário. Uma televisão está ligada. Há duas camas estreitas. Numa, o marido dorme. Um rapaz em seus 30 anos está numa cadeira. É meu cunhado. É meio lesado, ela completa em voz baixa. Ivoneide tem cinco filhos e 11 netos. Vende espetinhos de carne. Prepara-os em casa, e o marido os leva para vender num carrinho de churrasco que instala em pontos da cidade. Acha que só Jesus pode ter compaixão da vida que leva. Às vezes, toda

6 6 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5 a família está na casa. E o banheiro não funciona. É preciso levar as fezes até a viela principal e tentar empurrá-las por uma entrada do cano central de coleta que fica geralmente aberta. Maria de Fátima, 47 anos, vive sozinha, tem quatro filhos. Não tem emprego fixo e faz trabalhos avulsos para as outras mulheres que, como ela, moram no beco. Quando o repórter volta com o fotógrafo, uma semana depois, ela tinha passado das onze da manhã às seis da tarde do dia anterior tentando desentupir o cano do esgoto central do beco. Sem sucesso. Maria Betânia, igualmente moradora dali, explica que também falta água com freqüência. Ela nos leva até a fonte. Na saída do beco, ao lado da casa do pai, que está na ilha há 38 anos, construiu uma caixa ladrilhada subterrânea coberta em torno do cano de água da Compesa, no qual instalou uma torneira. Como chega pouca água, sob baixa pressão, só se pode empurrá-la para o beco por meio de uma mangueira com ajuda de uma bomba-d água, que se toma emprestada. No momento, não há bomba, diz ela. E mostra uma amiga com uma trouxa de roupa. Ela vai lavar na Xuxa, Betânia diz. Xuxa é a última das invasões nessa margem do mangue. Fica na confluência dos rios Pina, Jordão e do canal do Setúbal, que outrora também deve ter sido um rio, correndo por trás de Boa Viagem. Eronildes Pereira, 45 anos, leva repórter e fotógrafo para ver as invasões do alto do prédio de dez andares, onde trabalha como faxineiro. De lá se vê que a Ilha do Destino pode ser, de fato, o centro antigo das invasões: é um aglomerado de casas de alvenaria relativamente organizado. Pereira morava com o pai e 18 irmãos na ilha. Dois morreram. Três estão no Recife. Treze foram para São Paulo e ele não sabe onde estão. Quinze anos atrás, quando quis casar, ajudou a carregar barro para aterrar outro trecho do Pina, o da invasão onde fez uma casa, a Deus nos Acuda, que fica depois da Paraíso e antes da Xuxa. O esgoto de sua casa funcionava bem até recentemente. Novos moradores em um novo aterro, mais perto do rio, criaram um problema: agora, freqüentemente, o esgoto empaca e volta, ele conta. Da Ilha do Destino, o carro da Compesa leva o repórter e Ramalho para o local onde está prevista a construção da primeira ETE, estação de tratamento de esgoto, para despoluir a área. Ela fica entre a estação de trem Antônio Falcão e a margem próxima do rio Jordão. Nos mapas do projeto do esgotamento sanitário que é de dez anos atrás, mas foi usado pela Compesa e pela prefeitura de Recife para garantir verbas do PAC agora trata-se de área despovoada. No Guia Quatro Rodas - Ruas de Recife 2008, ali também não há ninguém. Na imagem do local no Google Earth, que, estima Ramalho, deve ser de três anos atrás, é uma área verde. A ocupação mais recente No entanto, hoje no local está a Ocupação Irmã Dorothy Stang, batizada com o nome da missionária americana morta na Amazônia em Ali vivem atualmente entre 600 e 800 famílias, segundo estimativas da prefeitura e dos ocupantes. Severina Celestina, uma das moradoras, não pensa em sair. Quer que a prefeitura faça o serviço de coleta de lixo passar em torno da ocupação e mande limpar a beira da maré, onde o mato campeia e hoje está uma imensa sujeira, porque os moradores da Irmã Dorothy Stang não têm água nem esgoto e usam a margem do mangue para seus despejos. Ramalho e o repórter continuam agora em direção à área onde será construída a segunda estação de tratamento de esgoto do projeto. Ela fica em outra mata de mangue, no bairro de Imbiribeira, perto da entrada do canal de Mauriciéia no Teijipió. O carro segue pela invasão do Dancing Days, à margem da mata e do canal, a qual parece antiga e consolidada, como a Ilha do Destino. Depois, embrenha-se por uma estrada de terra precária, através da mata, com alguns descampados em volta. Ramalho mostra o local da ETE. Está livre, com apenas um campo de futebol. Um carrinho despeja lixo na área. Mais adiante, surge uma nova invasão. Aqui é Salina, diz uma moça. À frente é a rua da

7 RETRATO DO BRASIL no 5 CIDADES 7 Fotos: Roberto Pereira VIVENTES DO MANGUEZAL Morte, explica. Ramalho diz que a área serve para desova de cadáveres. O carro se apressa. Chega à invasão de Sítio Grande. Pára numa esquina de cruzamento de ruas de terra diante de um empório, cujo balcão de atendimento é protegido por uma grade. É fim de dia e Roberto, 43 anos, está tomando uma cerveja no balcão. Ele leva o repórter para ver sua casa e negócio, bem perto. Não tem banheiro. Acumula as fezes em embrulhos que põe em sacos de lixo, levados pela coleta da prefeitura que passa no local. A vigilância sanitária fechou um de seus últimos negócios. Mostra o balcão em que vendia carne de boi e de bode. A dona da venda, dona Irene, mostra também sua casa, por trás do empório. É ampla, limpa. Tem água, bomba, caixa-d água de reserva. Separa o esgotamento da latrina, o qual joga numa fossa, da água de lavar louça e de banho, que joga em outra fossa. No quintal tem acerola, pinha, um papagaio. Ela reclama: na estação das chuvas e na maré alta, as fossas transbordam. E não há como fazê-las mais Maria de Fátima, mais de meio dia para desentupir o Beco dos Sete Pecados, sem sucesso; Coutinho, cuja mãe ajudou a fazer o aterro que ligou a Ilha do Destino à faixa de Boa Viagem, em 1953 (na pág. anterior); Severina, da ocupação Irmã Dorothy, que não quer sair e pede limpeza; e Eronildes, que carregou o barro que construiu a Deus nos Acuda profundas sem gastar muito dinheiro: o lençol de água é muito próximo da superfície. A reportagem nos mangues termina com a visita a um prédio à margem da Lagoa do Araçá, que é alimentada por um canal vindo do Teijipió. O sol está se pondo e pessoas correm pela calçada à margem da lagoa protegida por uma estreita mata. O prédio tem dois blocos, 48 apartamentos, uma grande caixa-d água no alto. Ramalho pergunta pela fossa. O servente mostra a grande área no pátio entre os blocos, onde a fossa está enterrada. Descobre que há também um filtro de pedras, subterrâneo. Depois desse tratamento preliminar, a água do esgoto, um pouco mais limpa, é despejada na lagoa. Nesta área, diz Ramalho, fazendo uma espécie de resumo da visita, vivem os que estão praticamente dentro do esgoto e os que tem sua situação parcialmente resolvida. A questão é fazer o saneamento integrado e resolver o problema como um todo. E a Compesa é uma empresa. Precisa cobrar por seus serviços. Os velhos planos João Bosco Almeida, presidente da Compesa e secretário de Recursos Hídricos do governo de Pernambuco, é um veterano do saneamento brasileiro. Participou da elaboração do plano de modernização do setor em 1996, quando José Serra, atual governador de São Paulo, era ministro do Planejamento. Foi feito, então, um grande diagnóstico, em dez volumes, e um plano de amplos investimentos e privatização da área. Na época, ele era secretário de Recursos Hídricos do estado, pasta nova criada por Miguel Arraes. No novo governo, de Eduardo Campos, neto do legendário governador, Bosco é o responsável por um plano de 7,5 bilhões de reais que pretende universalizar os serviços de água no estado até 2014 e os de esgotamento

8 8 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5 sanitário até Hoje, 90% das cidades têm serviço de fornecimento de água, mas o precioso líquido só chega, a 75% delas, em sistema de rodízio. A Região Metropolitana do Recife, por exemplo, é servida de água dia sim, dia não. E somente 30% da população são servidos por rede de esgotos. O plano de 1996 deu em nada, comenta Bosco. Os financiamentos públicos para o saneamento são essenciais. O plano de privatizações das estatais era um enorme equívoco. No caso da Compesa, em 1999, no governo seguinte ao de Arraes, de Jarbas Vasconcelos, o estado fez um acordo com a Caixa Econômica Federal (CEF) preparando a companhia para a privatização. Vendeu parte do controle acionário para o banco e comprometeu-se a investir o dinheiro no saneamento. O acordo previa que quando a Compesa fosse privatizada o governo estadual recompraria da CEF as ações da empresa. A essa altura, no entanto, o País tinha mergulhado na crise financeira que o levara a internar-se no Fundo Monetário Internacional (FMI) com o acordo de fins de Nos termos do típico ajuste liberal comandado pelo FMI, as estatais brasileiras do setor de saneamento foram proibidas de fazer investimentos, considerados dívida pública pelo Fundo. A Compesa continuou nas mãos do estado. A expectativa de atrair grandes investimentos, especialmente estrangeiros, para comprar as estatais, desfez-se com a crise. Além disso, a Compesa se tornou inadimplente na CEF, o grande financiador do setor de saneamento: não pôde pagar a dívida, que seria quitada com o dinheiro da privatização. Só em setembro deste ano a companhia assinou acordo com o banco para equacionar o acerto de Agora, a companhia está novamente apta a contrair empréstimos do sistema financeiro nacional. Mas, por mais de oito anos, praticamente não investiu. Pelo acordo com a CEF, a Compesa vai lançar ações na Bolsa de Valores de São Paulo para vender cerca de 30% de seu capital de controle a investidores privados. Com esse dinheiro, pagará a dívida. Ao contrário do plano de 1999, no entanto, o controle da empresa permanecerá com o estado de Pernambuco. A grande crítica de Bosco ao atual esforço do governo para acelerar os investimentos na área é o corte da parte do PAC em que estavam previstos 600 milhões de reais para fortalecer as estatais de saneamento (a Compesa receberia cerca de 65 milhões). O setor é praticamente o único do País que escapou à ofensiva desestatizante dos anos 1990 e é peça essencial nos novos investimentos, diz Bosco. A companhia fatura atualmente 650 milhões de reais por ano e pode chegar a um bilhão brevemente, diz ele. Mas ainda enfrenta grandes problemas. Da água que trata, a Compesa recebe menos de 40%; o resto se perde ou não é pago. Outro exemplo das dificuldades: somente 50% das estações de tratamento de água da companhia estão completamente enquadradas dentro das normas de qualidade obrigatórias. De um modo geral, Bosco está animado com o PAC, pois a Compesa tem, em princípio, 62 projetos aprovados. Eram projetos que a companhia os tinha estocado e que não pôde tocar por conta da inadimplência e dos critérios então existentes. O Ministério das Cidades fez tudo para aceitar esses projetos, mesmo desatualizados. A companhia está trabalhando em regime de mutirão para atualizar os custos desses projetos. Temos o prazo até 30 de novembro para a atualização. E vamos conseguir, ele diz. Para isso, reforçou o quadro permanente da companhia com mais 40 engenheiros e 50 técnicos e contratou um escritório de engenharia privado auxiliar, com mais 20 engenheiros, além de escritórios para projetos específicos. Uma grande sacada Bosco reconhece que o projeto para a área de Boa Viagem e Imbiribeira, que o repórter visitou, é antigo. Mas não acha que isso seja um grande problema. Seu superintendente de planejamento e projeto, Sérgio Tavares, também pensa assim. O horizonte do projeto original, que se baseia em dados do fim dos anos 1990, era de 30 anos, diz ele. As duas estações de tratamento de esgoto e as 18 elevatórias do projeto foram calculadas para uma situação de saturação na ocupação da área. Isso significa, por exemplo, que o prédio que o repórter visitou em campo, à margem da Lagoa do Araçá, e que não consta do mapa da área que a Compesa tem, concluído em 2001, está contemplado no que se refere à capacidade de atendimento prevista no projeto. A idéia básica do projeto original é de 1995, da época de Arraes no governo do Estado e de Jarbas Vasconcelos na prefeitura, diz Sérgio. O plano partiu de uma grande sacada. Nos planos anteriores, da época Fotos: Roberto Pereira Natanael: no mapa do Google, é uma área quase verde; no campo, o local da ETE 1 está ocupado por uma invasão. Sérgio: mesmo com quase dez anos, o projeto é bom; partiu da idéia de que o pobre deve pegar os grandes problemas e resolvê-lo por partes dos governos militares, imaginava-se o saneamento da cidade por meio de grandes obras, em grandes unidades centralizadoras. O projeto atual tem outro enfoque; foi imaginado para uma região pobre, de obras menores, para ser feito por partes. O plano de 1995 dividiu Recife em cerca de 100 unidades de coleta de esgoto. O que se espera fazer na área de Boa Viagem e Imbiribeira no projeto do PAC, explica ele, envolve oito dessas unidades de coleta. A prefeitura quer incluir também nesse mesmo mutirão de saneamento tanto a Via Mangue como mais algumas unidades de coleta de esgoto que se situam no início dessa avenida. Por ocasião da visita de Retrato do Brasil, o financiamento dessa parte tanto da via como das unidades de saneamento adicionais ainda não estava incluído no programa do governo federal. Para o conjunto do plano atual de saneamento da área, incluindo a verba para a construção da avenida a parte mais cara, o investimento total previsto pode ser estimado em cerca de 300 milhões de reais. >>

9 RETRATO DO BRASIL no 5 CIDADES 9 O LIVRO A Editora Manifesto apresenta a atualização de uma obra consagrada. Agora, em um só volume com mais de 800 páginas, Retrato do BRASIL aborda os principais temas de nossa história, com foco no período São centenas de textos, imagens, gráficos e tabelas que tratam desde a inserção do País no processo de globalização à luta pela posse da terra, passando pelas mudanças ocorridas na política, na cultura, no comportamento, na educação e na saúde. E MAIS: 48 personalidades da vida nacional, intelectuais, líderes políticos e cientistas avaliam os últimos 20 anos e projetam suas perspectivas para o País. Um sumário completo, dois índices, um temático e outro por palavraschave, facilitam a consulta a essa valiosa fonte de informações que você tem à sua disposição. RESERVE JÁ O SEU EXEMPLAR PELO SITE OU PELOS TELEFONES [11] E [31]

10 10 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5 >> Não parece difícil que o governo federal, o de Pernambuco e o de Recife consigam achar o dinheiro para as obras. Encontrar uma solução para os problemas sociais que estão ligados a elas parece ser mais difícil. Tome-se, por exemplo, o caso da ocupação da área da ETE 1. A invasão tem três anos. Começou, estima Fernando Porciúncula, diretor de empreendimentos do Sanear, o serviço da prefeitura de Recife que cuida do saneamento da cidade, quando a administração municipal expediu decreto de desapropriação da área. É um terreno muito valorizado, diz Porciúncula: a prefeitura está pagando por ele 12 milhões de reais. José Luiz Fernandes, assessor da presidência da Empresa de Urbanização de Recife, responsável na prefeitura pelas obras do PAC na região, diz ao repórter de RB, no canteiro de obras da Camargo Corrêa, que a construção da ETE pode ser resolvida por uma das duas formas: ou pela remoção dos invasores da área reservada ou pela mudança de local da estação. Para mudar a estação, é preciso achar terreno próximo e conseguir nova licença ambiental, o que não é rápido e será caro, pelas contas de Porciúncula. Remover os invasores também não será fácil, porque não são apenas os da ocupação Dorothy Stang. Recife são 200 quilômetros quadrados de áreas Divulgação totalmente invadidas, diz Porciúncula. Bosco sabe que esse é um grande problema. Pelo seu faturamento do último mês de setembro, a Compesa tem 1,8 milhão de ligações de água e esgoto. Destas, cerca de 1,7 milhão são de residências. Dessas residências, 250 mil pagam apenas a tarifa social, para os consumidores muito pobres. Grande parte da população muito pobre, no entanto, não paga sequer a tarifa social. Nos cálculos da empresa, quando se fala em perdas, no fundo se está falando em algumas outras centenas de milhares de moradias de pessoas muito pobres que usam água da Compesa sem pagar, além das 250 mil que pagam a tarifa social. Água custa caro Bosco faz as contas: a tarifa social é R$ 7,90 para a água e mais R$ 7,90 para o esgoto. Ou seja, os muito pobres teriam de pagar R$ 15,80 por água e esgoto. É impraticável, essa população não tem renda para isso, diz. Esse problema já se manifesta no litoral turístico do estado, na região de Porto de Galinhas, onde há cidades muito pobres formadas por cortadores de cana. Em quatro delas, já há água e esgoto para todos, mas muitos não querem que a Compesa os ligue na rede porque não podem pagar. Quando se compara os R$ 3,00 reais, custo da tarifa básica de eletricidade para a população de baixa renda, com os R$ 15,80 do saneamento básico, vê-se a enorme diferença., conclui Bosco. O que fazer? A Compesa já pratica uma tarifa diferenciada, que permite o chamado subsídio cruzado: quem consome muito paga bem mais, com isso, os pobres pagam menos. Quem consome por mês menos de dez metros cúbicos de água dez mil litros paga ou a tarifa social, se está cadastrado nos programas de ajuda do governo, basicamente, ou R$ 20 por mês, se não está cadastrado. À medida que o consumo sobe, sobe o preço do metro cúbico. Por exemplo: para consumo entre 10 e 20 metros cúbicos por mês, a conta é de R$ 2,30 por metro cúbico. Para mais de 90 metros cúbicos por mês, paga-se R$ 8,56, quase quatro vezes mais por metro cúbico. Como se vê pelas contas de Bosco, isso não é suficiente para reduzir os preços de modo que os mais pobres possam pagar. Água custa caro, ele diz. Não basta o governo federal fazer investimento como os do PAC, para o saneamento de uma região pobre como a nossa, a fundo perdido. Parte da população não tem como pagar sequer os custos operacionais da companhia, suas despesas para manter os serviços funcionando, seus gastos com energia elétrica, com materiais de tratamento da água, com funcionários. A solução tradicional para as várias dezenas de milhares de pessoas que vivem nas piores condições de saneamento ambiental às margens do mangue é conhecida. Os serviços públicos ali passam a custar muito mais do que suas rendas e como, além disso, elas não têm os títulos de posse das áreas onde moram, acabam expulsas dali. Uma solução diferente exigiria a organização e a mobilização desses moradores e não está à vista nos planos atuais, que estão sendo tocados apressadamente. O repórter espera que a Via Mangue e a rede de saneamento básico da região sejam construídos e sirvam para dar à área do sul de Recife uma nova qualidade que, entre os moradores desse novo ambiente, esteja a gente humilde e acolhedora que visitou. Quem sabe até em casas com varandas voltadas para o magnífico verde escuro de seus manguezais. Ligações clandestinas de água em adutora da Compesa, em Recife

11 RETRATO DO BRASIL no 5 O PACTO DO CIDADES 11 Nas páginas seguintes Os males e as metas As doenças da falta de saneamento são conhecidas. Os objetivos a serem atingidos pelo PAC no setor são até modestos p.12 Um programa de obras O PAC atropelou os esforços da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Ele não é um plano nacional para o setor p.16 A escolha de Dilma A SNSA achava que o setor estava anêmico e deveria se recuperar aos poucos. Dilma lhe ofereceu uma feijoada p.18 Um plano para o lixo A SNSA fez dezenas de reuniões com representantes de 246 municípios. O plano saiu, mas, no máximo, será reciclado p.20 A Petrobras da água As estatais de saneamento não precisam de ajuda, mas de um modelo como o da Sabesp, nossa futura multinacional. É isso? p.21 A união dos pequenos Uma lei nova favorece os municípios em oposição à idéia de multinacionais da água todo-poderosas p.25 Ninguém segura mais este país? O presidente Lula não é o primeiro a achar que, finalmente, não vai mais faltar dinheiro para um plano de obras p.27 SANEAMENTO Ricardo Stuckert / PR IMAGEM DA CAPA: Esgoto a céu aberto no Conjunto Habitacional Nova Sepetiba, zona oeste, RJ (27/3/2001) Antônio Gaudério / Folha Imagem Novembro de 2007 Expediente Redação Mino Carta [ supervisão editorial ] Raimundo Rodrigues Pereira [ coordenador ] Armando Sartori [ editor ] Lia Imanishi Rafael Hernandes Sônia Mesquita Tânia Caliari Verônica Bercht [ redação ] Ana Castro Pedro Ivo Sartori [ edição de arte ] OK Lingüística - Silvio Lourenço Marco Bortolazzo [ revisão ] Vendas Paulo Barbosa [ gerente ] Joaquim Barroncas [ representante em Brasília ] Administração Neuza Gontijo Maria Aparecida Carvalho Gabriel Carneiro Retrato do BRASIL é uma publicação mensal da Editora Manifesto S.A. Editora Manifesto S.A. Roberto Davis [ presidente ] Marcos Montenegro [diretor administrativo e financeiro] Escritório de administração Rua do Ouro, o andar Belo Horizonte MG CEP Telfax Escritório comercial e redação Rua Fidalga, conj. 42 São Paulo SP CEP Telfax Representação comercial em Brasília SCN Quadra 01 - Bloco F Edifício American Office Tower - sala Brasília DF CEP Tel Impressão e acabamento Grecco & Mello - Rua Chave, 614 Barueri SP Telfax O governo Lula põe no papel, apressadamente, um plano de obras mais de 900, por enquanto para os serviços de água e esgoto no País No último dia de julho, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi a Cuiabá (MT) para anunciar mais de meio bilhão de reais em verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) de seu governo para obras de saneamento na capital matogrossense e em outros municípios do estado. Somente para Cuiabá, foram prometidos perto de 300 milhões. O prefeito da cidade, Wilson Santos, do PSDB, o qual presenteou Lula com uma viola de cocho (imagem acima), instrumento típico do estado, ficou tão entusiasmado que se saiu com uma tirada ao estilo presidencial. Disse que, ao investir pesadamente em saneamento, Lula rompeu com um paradigma prevalecente ao longo de 500 anos de história deste país : o de que é incorreto politicamente fazer investimentos em saneamento. Dias depois, o Ministério Público Federal jogou um pouco de água no entusiasmo do prefeito. O procurador da República Thiago de Andrade enviou à Justiça Federal ação em que pede a suspensão do envio dos recursos anunciados para a prefeitura. Ele alega, com base nas queixas de uma construtora, que os editais das duas principais licitações envolvendo as obras têm irregularidades graves e quer que eles sejam refeitos. Até o fim de novembro, o pedido de Andrade não havia sido examinado pela Justiça. Se for aceita, a ação do procurador pode atrasar as obras do PAC em Cuiabá. O mesmo pode acontecer com mais obras. Há muito dinheiro envolvido. No PAC do saneamento, fala-se em 40 bilhões de reais; no total do Programa, em 500 bilhões. É razoável supor que questões envolvendo disputas entre empresas nas licitações ocorram em maior escala. Um indício que aponta nessa direção: em setembro, o ministro Benjamin Zymler, do Tribunal de Contas da União (TCU), após analisar 231 obras públicas realizadas no País, encontrou sinais de irregularidades, consideradas graves em mais de um terço delas, das quais 29 constantes do PAC. Zymler recomendou a paralisação dos projetos com problemas. As dificuldades que o PAC pode enfrentar não são apenas as relacionadas com eventuais problemas nos processos de contratação e com atrasos que isso pode acarretar nas obras. Há outras, de importância tão grande ou maior, que serão vistas ao longo deste texto. O primeiro aspecto a se destacar, no entanto, é o de que não há

12 12 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5 como negar que, desde a década de 1970, quando o País era governado pelos militares, não se vê afluxo de recursos para o saneamento da ordem prometida pelo governo Lula. Já existe uma lista com mais de 900 projetos pré-selecionados em todo o País para receber o dinheiro do PAC do saneamento. Essa primeira seleção trata de obras a serem executadas nas regiões metropolitanas e em municípios com mais de 150 mil habitantes. Não fazem parte dela as obras do chamado PAC2, já em curso, que selecionará projetos para as cidades de tamanho médio, nem as de responsabilidade da Funasa (Fundação Nacional de Saúde), que trata das obras de saneamento nos municípios com menos de 50 mil habitantes. É importante mencionar: o programa acolheu tanto os projetos que já estavam em andamento quanto os que estavam na prateleira à espera de dinheiro para serem tocados. Nem todas as obras, portanto, foram geradas pelo PAC. O GRANDE SALTO DO PAC Os projetos pré-aprovados já chegam a mais de R$ 10 bilhões, valor muito superior aos do passado Evolução dos financiamentos para os projetos de saneamento contratados com recursos do FGTS FONTE: : Institucionalização e desafios da política nacional de saneamento (Abelardo de Oliveira Filho, 2006). 2007: elaborado a partir de dados divulgados pelo Ministério das Cidades Com o PAC, muito mais dinheiro Uma forma de medir o PAC do saneamento é comparar os investimentos previstos agora com os de períodos anteriores. De modo geral, os investimentos vêm de três fontes: do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), formado por recursos recolhidos dos salários de trabalhadores e de contrapartidas das empresas, e destinados particularmente ao saneamento; do Orçamento Geral da União (OGU); e de contrapartidas dos estados, municípios e das empresas prestadoras de serviços de saneamento, quer as sob controle estatal, quer as privadas. A comparação melhor, porque os dados obedecem a um mesmo critério nas diversas épocas, é com o dinheiro do FGTS. Os recursos são repassados na forma de financiamento, isto é, os tomadores assumem uma dívida com a Caixa Econômica Federal (CEF) ou com outro agente financeiro do FGTS. É diferente quando o dinheiro sai do OGU. Nesse caso, não existe dívida, e o beneficiado não precisa devolver o que lhe foi repassado. O PAC do saneamento deve financiar 12 bilhões de reais para o setor público com dinheiro do FGTS e também do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o equivalente a três bilhões por ano entre 2007 e Nos projetos pré-selecionados neste ano, foram comprometidos mais de dez bilhões do FGTS, quantia que supera largamente os valores anuais dos financiamentos do fundo para o setor desde pelo menos Para se ter uma idéia, nesse período, o ano melhor aquinhoado, o de 2004, ficou bem atrás, com 2,1 bilhões de recursos do fundo. Além de serem muitos, é preciso destacar também que, entre os projetos pré-selecionados, há vários de grande relevância. Na reportagem de abertura desta edição já mostramos um deles, que está sendo tocado em Recife, na área próxima da conhecida praia de Boa Viagem. Ainda em Pernambuco, pode ser mencionado também o de Pirapama, de abastecimento de água. Trata-se de uma adutora e uma estação de tratamento para fornecer água à região metropolitana de Recife, onde hoje o abastecimento somente dá conta de metade da demanda. Com o Pirapama, isso OS MALES E AS METAS 1 deve ser resolvido. É um projeto antigo, do governo do presidente Fernando Collor de Mello. Os contratos de financiamento para a adutora e a estação já foram assinados e a obra está sendo licitada para começar a ser construída talvez ainda neste ano. No Sudeste, há dois destaques importantes. Um é o projeto de esgotamento sanitário da região metropolitana da Baixada Santista, em São Paulo, a ser realizado pela Sabesp, a companhia estadual de saneamento. O outro é o de ampliação da estação de tratamento de água do Guandu, no Rio de Janeiro, considerada a maior do mundo. A estação abastece a região metropolitana do Rio e a melhoria a ser feita será realizada pela Cedae, a empresa estatal local. As duas obras têm os maiores valores individuais de investimento entre todas as pré-selecionadas. São 777 milhões de reais no caso do projeto paulista e 460 milhões no do fluminense. Entre esses dois exemplos, há uma diferença importante. O da Baixada Santista vai receber do PAC apenas 17% do seu valor total, pois o restante é de responsabilidade da Sabesp. A empresa já está com as obras em andamento, utilizando recursos próprios e outros tomados de agências financeiras internacionais. O projeto do Rio, porém, vai ser financiado com dinheiro do PAC em 95% de seu valor. Por que investir pesadamente em saneamento é tão importante para o Brasil? As dramáticas situações descritas na reportagem realizada em Recife dão uma idéia acerca disso. Mas é importante entender o problema em seu conjunto e conhecer quais resultados o governo Lula espera alcançar com o PAC. As doenças da falta de saneamento são conhecidas. Os objetivos a serem atingidos pelo PAC no setor são até modestos Aárea metropolitana do Recife, com uma das mais baixas taxas de esgotamento sanitário do País, é considerada uma das poucas em que a filariose não foi erradicada. A filariose é uma doença do sistema linfático provocada pelo verme wachereria bancrofti, transmitido pelo pernilongo culex quinquefasciatus. Manifesta-se, por exemplo, por um inchaço descomunal do escroto, das pernas. Embora mate pouco, relativamente, é uma demonstração dos horrores da falta de saneamento. Doenças do saneamento, mais corriqueiras, matam muito mais.

13 RETRATO DO BRASIL no 5 CIDADES 13 Em 2000, uma reportagem especial da Folha de S.Paulo sobre a falta de saneamento se abria com a seguinte manchete: Falta de saneamento mata mais que crime. O texto dizia: Doenças associadas à falta de saneamento básico mataram no Brasil, em 1998, mais do que todos os homicídios daquele ano na região metropolitana de São Paulo, onde se concentra a maioria das mortes violentas no País. As doenças do saneamento, com a diarréia à frente, mataram pessoas. Num balanço sobre a situação do saneamento no País, o livro Retrato do Brasil (Editora Manifesto, 2006) concluía que como conseqüência direta das más condições de saneamento no País, persistia entre a população brasileira, sobretudo a de baixa renda, a ocorrência de doenças veiculadas pela água, como dengue, malária, hepatite A, febre tifóide, febre amarela e leptospirose, além de verminoses e moléstias da pele facilitadas pela falta de esgoto. Hoje, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2006, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a situação é a seguinte: 83% dos domicílios estão conectados à rede de água e 49% à de coleta de esgoto. A meta preliminar do governo federal com o PAC do saneamento é ampliar, até 2010, o número de domicílios com água para 86% e a coleta de esgotos para 55% das habitações. ÁGUA NO SERTÃO A adutora Luiz Gonzaga leva água para a lendária Exu. E, com a transposição do São Francisco, espera-se acabar com a seca do Semi-Árido O GOVERNO DE PERNAMBUCO inaugurou na segunda quinzena de novembro a adutora Luiz Gonzaga (na imagem, o governador Eduardo Campos durante a cerimônia). Ela leva água do rio São Francisco para os quatro municípios do pé da Serra do Araripe, entre os quais a lendária Exu, onde nasceu o Rei do Baião. A Compesa, a companhia estadual de saneamento, diz que a obra garante o abastecimento regular de Exu e outras três cidades da área pelos próximos 20 anos. Até então, os municípios tinham água um dia sim e 12 dias não. No estado, há mais duas adutoras que carregam água do São Francisco para o sertão. E outras duas em planejamento, para abastecer os moradores do Aluisio Moreira Semi-Árido. No entanto, a grande esperança de acabar com a seca do sertão está nos canais de transposição do São Francisco, o Ramal Norte e o Ramal Leste. Seu objetivo não é apenas alimentar pessoas e animais. É revitalizar bacias hidrográficas fora da do São Francisco. Pelos dois, devem passar, nos períodos secos do rio, 26 metros cúbicos de água por segundo, praticamente o equivalente ao atual consumo do estado. Quando estiver vertendo água por cima da barragem de Sobradinho, na divisa Bahia-Pernambuco, ou seja, quando o rio estiver cheio, os canais poderão carregar até 126 metros cúbicos de água por segundo. O PAC acelerou a construção dos dois ramais. As obras de saída do São Francisco já estão sendo tocadas pela engenharia do Exército. Com os canais, será possível ampliar o sistema de adução no estado. Pobres e sem saneamento É uma melhoria nada espetacular. Os números, no entanto, precisam ser vistos de uma perspectiva mais ampla e os da água separadamente dos de esgotos. Entre 1984 e 2006, o número de casas com abastecimento de água aumentou 134% (de 19,4 milhões para 45,4 milhões) e o das com coleta de esgoto, 206% (de 8,7 milhões para 26,5 milhões). Em números absolutos, as casas sem fornecimento de água pela rede geral são hoje 9,1 milhões, 1,2 milhão a menos do que as que estavam nessa situação em Porém, a quantidade das que não têm esgoto coletado pela rede aumentou e muito. De 21 milhões para 28,1 milhões. No passado, as políticas de saneamento privilegiaram o fornecimento de água em detrimento da coleta de esgoto. Também não evitaram que as desigualdades regionais e sociais se refletissem no saneamento. Na PNAD do ano passado, vê-se que, entre os habitantes das áreas urbanas, 93% se servem de água tratada, enquanto entre os que vivem no campo esse índice é de apenas 27%. Na coleta de esgoto, a diferença é bem maior: 54% de coleta nas cidades contra 4% de coleta nas áreas rurais. O Norte tem apenas 69% da população atendida pela rede de água; as outras regiões, perto de 90% ou mais. A região Sudeste tem 81% de sua população urbana ligada à rede de esgoto; as demais não chegam nem perto dos 50%, sendo que o Norte tem apenas 5,9%. Quanto à renda, os contrastes são tão ou mais dramáticos. Dos 34 milhões que em todo o País vivem em lares que não estão ligados à rede geral de água, dois terços moram na zona rural e nada menos que 70% têm renda mensal domiciliar de até três salários mínimos. Já dos mais de 100 milhões que vivem em casas sem acesso à rede coletora de esgoto, sete em cada dez estão nas áreas urbanas e 61% entre os mais pobres. Saneamento básico é mais do que água e esgoto. Na Lei do Saneamento, aprovada em janeiro deste ano, a qual estabelece as diretrizes nacionais e uma política federal para o setor, foram incluídos no conceito, antes restrito à água e ao esgoto, o lixo e a drenagem urbana. No caso dos resíduos sólidos, como o lixo é chamado tecnicamente, embora a Pesquisa Nacional de Saneamento, realizada em 2000 pelo IBGE, informe que a coleta era realizada em praticamente todos os municípios, mais de 16 milhões de pessoas não contavam com esse serviço. Num levantamento por amostragem do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), do Ministério das Cidades, realizado em 2005, com 192 municí->>

14 14 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5 AS METAS DO PAC O programa de Lula quer elevar um pouco o acesso à rede de água e fazer a coleta de esgoto chegar a 55% dos brasileiros Domicilios atendidos pelas redes de água e de Evolução coleta de do esgoto, no de domicilios em % [ ] atendidos pelos serviços de abastecimentode água e de coleta de esgotos, em % [ ] FONTE: PNAD 2006 e estimativa do PAC saneamento Abastecimento de água Coleta de esgoto >> pios, 60% disseram que realizam coleta seletiva. Nessa área, os maiores problemas parecem ser os da destinação do lixo. A pesquisa do IBGE informa que 60% dos detritos são depositados em lixões, 17% em aterros controlados, 16% em aterros sanitários e 7% são reciclados. A questão é especialmente aguda nos grandes aglomerados urbanos, como as regiões metropolitanas, onde o espaço para dispor os resíduos sólidos é cada vez mais raro. É o caso de Gramacho, um aterro que serve a região metropolitana do Rio de Janeiro e que causa graves preocupações ambientais, como se poderá ver em capítulo posterior. As informações sobre drenagem urbana são mais precárias. Segundo o IBGE, quase 1,2 mil municípios não contam com esse serviço, aproximadamente o mesmo número de cidades que informaram terem sido afetadas por enchentes entre 1999 e 2 REFLEXOS DA DESIGUALDADE Os mais pobres formam a grande maioria dos que não têm acesso às redes de abastecimento de água e de coleta de esgoto FONTE: PNAD 2006, IBGE UM PROGRAMA DE OBRAS O PAC atropelou os esforços da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Ele não é um plano nacional para o setor Falando a uma audiência atenta em julho deste ano, na abertura da Assembléia da Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae), que congrega cerca de 1,5 mil municípios com serviços autônomos de saneamento, o então Total De 1 a 3 SM (renda domiciliar) População sem acesso às redes de água e de coleta de esgoto, em milhões [2006] Sem abastecimento de água Sem coleta de esgoto Já um relatório do Ministério das Cidades de 2003 informa que 104 municípios sofrem de forma recorrente acidentes mórbidos e/ou declaram estado de calamidade pública após fortes chuvas. O mesmo estudo diz que entre 1993 e 2000 ocorreram 1,5 mil mortes por causa desse tipo de incidente. O PAC deu pouca importância à drenagem e praticamente nenhuma aos resíduos sólidos. Os números dos projetos pré-selecionados demonstram que cerca de dois terços dos investimentos foram destinados à coleta de esgoto e ao abastecimento de água. A participação da drenagem urbana é bem menor, de 7,5%. E a dos resíduos sólidos, quase inexistente (0,15%). A fraca presença desses componentes do saneamento nos recursos do PAC está ligada, em grande parte, a como se desenvolveu a história do programa, tema do nosso próximo capítulo. presidente da entidade, Silvano da Costa, disse para a platéia lotada que o saneamento vivia um momento alvissareiro. De fato, Costa parece não exagerar na avaliação. Desde 2003, a passos lentos, o saneamento lutava para sair de duas décadas de 3 falta de dinheiro e de orientação legal. Com o governo Lula, houve naquele ano o reordenamento institucional do setor no nível federal e a criação do Ministério das Cidades. Também em 2003, recursos do FGTS foram disponibilizados após quase uma década de contenção. Em 2005, a aprovação da Lei dos Consórcios, de cuja importância se tratará no penúltimo capítulo desta história, proporcionou novas possibilidades de relacionamento entre os serviços públicos. E em cinco de janeiro deste ano, após mais de uma década de luta, o País passou a contar com uma lei que estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico, a O setor encontrase, portanto, numa situação muito propícia para retomar seu desenvolvimento: há regras, interlocutores e dinheiro. O anúncio do PAC coroou o momento. Os avanços não ocorreram sem idas e vindas. No início do primeiro mandato do presidente Lula, os recursos do FGTS emprestados às empresas de saneamento continuaram sendo considerados dívida pública pelos critérios do acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), que o novo governo não apenas manteve, como o fortaleceu. Sob a orientação da política econômica do então ministro da Fazenda, os empréstimos para o saneamento continuaram contingenciados. Nesse período, estabeleceu-se uma aliança entre os então ministros das Cidades, Olívio Dutra, e da Casa Civil, José Dirceu, principalmente contra a formação do superávit para pagar a dívida pública à custa da limitação dos investimentos no setor. A equipe que assumiu a direção da Secretaria Nacional de Saneamento [Ambiental, subordinada ao Ministério das Cidades] tinha legitimidade junto ao setor. Ela era formada por técnicos experientes que haviam presidido associações de profissionais e entidades prestadoras de serviços de saneamento e que vinham militando junto aos movimentos progressistas há mais de 20 anos, diz Costa a Retrato do Brasil. Esses técnicos haviam participado também da elaboração do programa do governo de Lula, para o qual levaram as principais bandeiras do movimento progressista do saneamento: instituir uma política nacional para o saneamento ambiental, descontingenciar os recursos do FGTS para os serviços públicos de saneamento e impedir a privatização do setor. Segundo Costa, es-

15 RETRATO DO BRASIL no 5 CIDADES 15 Lula anuncia o PAC aos governadores em janeiro: programa de obras, não plano ses são os pilares básicos sobre os quais se apóiam as metas de atingir a universalização e eqüidade dos serviços, com participação e controle social e melhoria da gestão. No primeiro ano, a Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental (SNSA) instituiu o Programa Saneamento para Todos, que financia projetos para saneamento com recursos do FGTS e do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Os recursos do FGTS são o principal alicerce financeiro do saneamento e, normalmente, é por meio deles que políticas públicas podem ser executadas em nível federal. Isso porque a maior parte dos recursos provenientes do Orçamento Geral da União, a outra fonte de recursos federais, é alocada por emendas parlamentares no processo de preparação do orçamento, restando pouca margem para o Executivo destinar o dinheiro de acordo com uma política coerente e integrada. Em 2003, a equipe do Ministério das Cidades conseguiu contratar 1,6 bilhão de reais de recursos do FGTS para obras de saneamento a partir de brechas na legislação, as chamadas excepcionalidades nas regras do FMI e do Conselho Monetário Nacional (CMN) para o contingenciamento do crédito ao setor público. Foi um investimento expressivo: nos quatro anos anteriores tinham sido apenas 273 milhões de reais. No fim de 2003, sob pressão do Ministério das Cidades, foi acertado com o FMI que todo superávit excedente apurado entre janeiro e setembro daquele ano, o qual atingiu 2,9 bilhões de reais, seria utilizado em obras de saneamento no ano seguinte. O resultado foi que as contratações com os recursos do FGTS chegaram a 2,1 bilhões de reais em Em 2005, no entanto, as restrições retornaram. O CMN impediu o uso dos recursos do FGTS durante quase todo o ano, liberando-os somente no fim do período, quando já não havia mais tempo para as contratações. Por isso, elas ficaram em pífios 53,8 milhões de reais. O objetivo da SNSA era disponibilizar recursos para o saneamento de forma contínua e planejada. O pior para o setor não é ter poucos recursos, é num ano ter e no outro não ter nada, explica Sérgio Gonçalves, diretor da Secretaria. Isso mostra que o governo federal, para ter uma política pública de saneamento, não pode ficar ao bel prazer do Conselho Monetário Nacional, diz ele a RB. O esforço da equipe do Ministério das Cidades somente rendeu frutos no ano seguinte. Com o limite aberto no fim de 2005, nós contratamos em 2006 quase três bilhões de reais, diz Gonçalves. O período que vai do fim de 2005 e avança por 2006 também é considerado bastante positivo. No fim de 2005, o governo federal celebrou o pagamento da última parcela do acordo com o FMI e finalizou o acordo, livrando-se da tutela exercida pela instituição internacional. Em março de 2006, Guido Mantega, tido como de formação desenvolvimentista, assumiu o Ministério do Planejamento. O atropelo do PAC E, mesmo o escândalo do mensalão, que teve repercussões profundas na formação do governo Lula, se resultou, por um lado, na saída do aliado José Dirceu da Casa Civil, acabou levando também à retirada do inimigo : Antônio Palocci, do Ministério da Fazenda. Com a perspectiva de uma nova orientação econômica, a SNSA, finalmente, obteve a promessa da liberação de 12 bilhões de reais dos recursos do FGTS para os quatro anos seguintes, em parcelas anuais de três bilhões. Era a possibilidade de executar uma política pública, com investimentos planejados e criteriosos. De certo modo, no entanto, o plano da SNSA é atropelado pelo PAC. A grande falha no setor de saneamento era o fato de que grandes divergências existentes no Congresso quanto a uma política nacional de saneamento tinham levado à indefinição do Plano Nacional de Saneamento, que seria uma espécie de coroamento final dos diversos movimentos de melhoria da legislação do setor e de definição de um plano de obras. O PAC do saneamento também não é esse plano. PAC não é plano, em geral, é um Programa de Aceleração do Crescimento. O PAC do saneamento é, portanto, um programa de obras de saneamento em todo País sem um plano de saneamento nacional. Nas palavras do presidente Lula, ditas em agosto numa reunião no Palácio do Planalto com 12 governadores, prefeitos e representantes dos movimentos populares: O jogo está jogado, os protocolos foram assinados, o dinheiro está disponível. Agora, depende dos prefeitos, da agilidade de vocês de fazeram a licitação da forma mais transparente possível, contratarem as obras e, pelo amor de Deus, comecem a me convidar no ano que vem para visitar as obras em andamento. Como se verá no próximo capítulo, além disso, o programa de obras foi tocado apressadamente. Ricardo Stuckert / PR

16 16 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5

17 RETRATO DO BRASIL no 5 CIDADES 17

18 18 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5 A ESCOLHA DE DILMA A SNSA achava que o setor estava anêmico e deveria se recuperar aos poucos. Dilma lhe ofereceu uma feijoada Em dezembro de 2006, quando as obras de saneamento e habitação de responsabilidade do Ministério das Cidades foram incorporadas ao PAC, a Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental se viu diante da seguinte questão: quais eram as prioridades? A questão tinha de ser resolvida rapidamente, pois o PAC seria anunciado oficialmente no mês seguinte. Em janeiro, o presidente Lula anunciou o PAC. Para o setor de saneamento eram 40 bilhões de reais em quatro anos. Nesse período, 12 bilhões seriam alocados a fundo perdido por meio do Orçamento da União. Vinte bilhões viriam de empréstimos do Agência Brasil sistema financeiro público, especialmente da Caixa Econômica Federal, que opera o FGTS, e do BNDES, que administra o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). E os oito bilhões restantes viriam de contrapartidas de estados, municípios e prestadores de serviços. Dos 12 bilhões de reais do OGU, quatro bilhões iriam especialmente para saneamento de favelas e áreas degradadas das áreas metropolitanas; outros quatro bilhões, para as cidades menores de 50 mil habitantes, cujos serviços de saneamento são auxiliados pelo Ministério da Saúde, por meio da Funasa; e outros quatro bilhões para cidades de tamanho maior. Eram reservados também 600 milhões de reais para drenagem, 600 milhões para reestruturar e melhorar a gestão das companhias estaduais e também de alguns serviços municipais e outros 200 milhões para resíduos sólidos. Para os 20 bilhões de financiamentos, as obras de esgoto nas grandes cidades e regiões metropolitanas eram a prioridade maior. A SNSA concentrou seus esforços na análise dos projetos que deveriam receber esses empréstimos. O prazo dificultava o planejamento. Uma dificuldade adicional era o fato de a União não ter a titularidade dos serviços de saneamento e só poder planejar a execução de obras a partir de informações dos estados e municípios, que definem as prioridades. Porém, a Secretaria agiu rapidamente e definiu a linha de atuação e os valores a serem investidos. Analisou projetos antigos, que esperavam aprovação, e fez uma consulta aos estados e municípios para levantar suas propostas e prioridades. Em março, já havia uma leva de projetos aguardando financiamento. No plano da SNSA, assim definido, previa-se um desembolso paulatino dos recursos, à medida que as obras pudessem ser bem definidas e o setor fosse fortalecido. O que estava por trás dessa prudência era a busca de qualidade e consistência para um programa viável. Para isso, a SNSA priorizou também a preparação do plano de fortalecimento das estatais, no qual seriam aplicados 600 milhões de reais. Em abril, no entanto, começaram os desentendimentos entre a direção da SNSA e a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Ela não aceitou o plano gradual e resolveu acelerar o processo de definição das obras. A Secretaria achava que o setor vinha de um período de anemia e deveria ir acelerando aos poucos. Dilma agiu como alguém que, na tentativa de recuperar uma pessoa vítima de inanição, resolvesse alimentá-la, de saída, com uma feijoada. Para escolher os projetos, a solução da ministra foi a realização de reuniões amplas, com a participação de prefeitos das capitais e de municípios das regiões metropolitanas e representantes dos estados. Nessas reuniões, a equipe do governo fe- Dilma Roussef: a ministra não aceitou o plano gradual da SNSA e resolveu acelerar

19 RETRATO DO BRASIL no 5 CIDADES 19 deral apresentava as previsões de investimento e solicitava às autoridades e representantes que expusessem as suas prioridades em saneamento. Para serem elegíveis, os projetos deviam ser de obras consideradas estruturantes e atender a regiões metropolitanas, áreas identificadas como as de maior déficit dos serviços, e a áreas pobres. Numa segunda rodada de reuniões, quando os técnicos dos municípios apresentavam as propostas de obras, a equipe do governo federal tentava qualificá-las e verificar se atendiam às determinações do PAC. O governo estabeleceu como critério que os recursos do OGU seriam aplicados nas cidades mais pobres e, prioritariamente, em obras de saneamento integrado em favelas. E também diminuiu a exigência de contrapartida para esse tipo de financiamento. Para os prefeitos, governadores e companhias estaduais, isso foi bem-vindo. A mesa de negociações reuniu o Ministério das Cidades, os ministérios do grupo executivo que coordena o PAC, técnicos do Ministério da Fazenda, da Secretaria do Tesouro, da CEF e do BNDES, consultados ali mesmo para ver se o município, o estado ou a companhia estadual pleiteante podiam receber os empréstimos. Definição rápida, sem muita cerimônia. Os projetos já saíam das reuniões pactuados com o valor, o agente financiador e o percentual de contrapartida definidos. Depois, para que o dinheiro fosse definitivamente repassado, restavam acertar detalhes importantes, principalmente no caso de os recursos saírem do FGTS. As escolhas comandadas por Dilma chegaram a 21,6 bilhões, mais da metade dos 40 bilhões previstos até Entre os problemas enfrentados nesse processo, além daqueles característicos das negociações envolvendo recursos públicos, surgiram outros. Muitos dos candidatos aos recursos do PAC não tinham uma carteira de projetos. Essa situação era considerada normal pelos técnicos do setor. Não se faz projetos se não há dinheiro, explica Afrânio de Paula, diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo. Apesar da pressa, grande parte das obras pactuadas ainda não foi contratada pelo governo federal por falta dos documentos necessários e, principalmente, por falta dos projetos básicos. Além disso, a demanda Montenegro, demitido da SNSA: a metodologia de Dilma desnorteou o setor gerada pelo próprio PAC, que concentrou grande parte dos recursos previstos até 2010, superaqueceu um mercado despreparado para atendê-la. Os estados e municípios estão com dificuldades para contratar profissionais especializados e até mesmo empresas de consultoria para elaborar seus projetos, como reconhece Afrânio. Estamos vivendo um processo de criação de uma nova rotina de trabalho. Nestes vários anos sem investimentos, nos habituamos a trabalhar com recursos muito limitados, pequenos projetos, a resolver as demandas de rotina. Com a disponibilidade de recursos, esse quadro mudou. Outro problema, diz ele, é a falta de profissionais. O mercado paralisado não gerou profissionais de engenharia, administração de projetos e outros na área de saneamento. A MUDANÇA DE MÉTODO Os investimentos dos projetos pré-aprovados alcançam mais da metade dos 40 bilhões de reais previstos para 4 anos VALORES ENVOLVIDOS NO PAC DO SANEAMENTO, POR MODALIDADE, EM R$ BILHÕES INVESTI- FINANCIA- ORÇAMEN- CONTRA- OUTRAS MENTO MENTO TO GERAL PARTIDA FONTES TOTAL DA UNIÃO Esgotamento sanitário Abastecimento de água Manejo de águas pluviais Saneamento integrado Desenvolvimento institucional Manejo de resíduos sólidos Estudos e projetos Total 8,978 5,400 1,666 4,879 0,647 0,032 0,001 21,604 4,775 3,296 1,149 0,869 0,552 0,025 0,001 10,667 2,429 1,261 0,266 3,108 0,000 0,000 0,000 7,064 1,775 0,713 0,252 0,902 0,094 0,007 0,000 3,744 0,000 0,013 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,013 FONTE: elaborado a partir de dados do Ministério das Cidades 4 A resistência a Dilma Em meio a esse processo atribulado, o governo federal cortou programas que os técnicos consideram importantes. Um deles era o de apoio à gestão e revitalização de companhias estaduais e serviços municipais. Ele atendia os anseios da Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais (Aesbe) e da Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae) para fortalecer os prestadores dos serviços de forma a ajustá-los ao novo ritmo de investimentos proporcionado pelo PAC e auxiliá-los a garantir o cumprimento da Lei do Saneamento. Na distribuição final de recursos, dos 600 milhões de reais inicialmente previstos, coube apenas 20 milhões do OGU para esse fim. Dilma também cortou o projeto da área de resíduos sólidos. Dos 200 milhões de reais previstos para serem investidos num programa para o setor, só sobraram 50 milhões em recursos do OGU. Houve alteração também nos planos para os municípios com população entre 50 mil e 150 mil habitantes, que serão contemplados na segunda etapa do PAC. O valor destinado a eles foi reduzido a 1,55 bilhão de reais. Inicialmente, a previsão era investir em 300 municípios, mas a ameaça de pulverizar os recursos levou a uma reavaliação e, agora, apenas 106 municípios serão beneficiados. A orientação imprimida ao processo pela ministra da Casa Civil enfrentou resistência. Um dos principais críticos de aspectos dessa orientação foi o então diretor de Desenvolvimento e Cooperação Técnica, Marcos Montenegro, uma das mais destacadas figuras da Frente Nacional de Saneamento. Ele foi demitido. O resultado disso [a metodologia imposta por Dilma] é que o setor está desorientado, diz Montenegro, diretor da Editora Manifesto, que edita RB. Não dá para dar um pulo tão grande. O problema não é falta de dinheiro, mas pressa demais. Isso acaba atropelando um projeto, e uma política pública acaba virando um programa de obras. Daniela Toviansky / Cia de Foto/ Valor / FolhaImagem

20 20 CIDADES RETRATO DO BRASIL n O 5 UM PLANO PARA O LIXO A SNSA fez dezenas de reuniões com representantes de 246 municípios. O plano saiu, mas, no máximo, será reciclado Afalta de recursos do PAC do saneamento para um plano de tratamento dos resíduos sólidos nas grandes regiões metropolitanas não é um problema pequeno. Um exemplo é Gramacho, o maior aterro de lixo da América Latina e um dos locais apontados como problemáticos em estudo da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. O diagnóstico diz que o aterro, localizado em Duque de Caxias, município ao norte da cidade do Rio de Janeiro, é uma ameaça ao ambiente. E, por isso, deve ser fechado. Gramacho tem 1,3 milhão de metros quadrados e recebe diariamente 8,5 mil toneladas de resíduos. Os detritos vêm, além de Duque de Caxias, de Mesquita, Nilópolis, Niterói, São João do Meriti e da capital fluminense. A área faz limite com o Jardim Gramacho, bairro da periferia da cidade, com as instalações da Refinaria Duque de Caxias e com o mangue formado pelo encontro das águas do rio Sarapuí e do mar. O aterro vive um dilema. Se for fechado, os catadores, que selecionam material reciclável em meio às montanhas de lixo, serão prejudicados. São centenas de homens e mulheres, jovens, idosos e adolescentes, muitos dos quais organizados em associações ou cooperativas, como a ACAMJG (Associação dos Catadores do Aterro de Jardim Gramacho) e a Coopergramacho (Cooperativa de Catadores do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho), e que dependem do aterro. Eles trabalham nas dezenas de galpões erguidos nas cercanias do lugar. Ali, selecionam o material a ser reciclado. Alguns moram nos pequenos barracos que pululam ao redor. A paraibana Maria da Silva, de 40 anos, e o marido, um confeiteiro, são donos de três dos vários estabelecimentos comerciais, botecos e mercearias que se instalaram nas cercanias. É de onde tiramos nosso sustento, meu, do meu marido e das minhas filhas, diz, referindo-se às adolescentes Lydia e Lidiane. Maria vive no Rio há mais de 13 anos, a maior parte desse tempo nas redondezas do aterro. Ela é contra a desativação. Não pode fechar. Muita gente vai ficar sem trabalhar, diz. O catador Marcelo da Conceição, 22 anos, pensa da mesma forma. Ele trabalha Alessandro Costa / Ag. O Dia há cerca de três anos recolhendo plásticos finos no meio das montanhas de lixo. É empregado de um dos donos de galpão. Marcelo explica como é o dia-a-dia dele e de seus colegas. O trabalho é simples, diz. Qualquer um pode trabalhar, é só chegar e trabalhar. Os catadores entram na área do aterro, vasculham as montanhas de restos e separam o que consideram ser importante. Depois, colocam esse material em caminhões. A seguir, já nos galpões, fazem a separação mais fina. Marcelo não tem dúvida sobre os efeitos da interdição de Gramacho. Se fechar, vai acabar com o trabalho de muita gente. Tem gente que vem de todo lado trabalhar aqui. O pessoal até aluga barraco. Trabalha a semana inteira e só volta para casa no fim de semana. Ameaça à Baía de Guanabara O aterro, no entanto, está passando a ser uma ameaça. Gramacho é um aterro controlado, um local para a disposição dos resíduos que segue alguns itens de segurança ambiental. Geralmente, os aterros controlados nascem como lixões, áreas abertas e sem qualquer controle do material depositado, consideradas extremamente perigosas. Depois, eles recebem melhorias, como o isolamento da área e estruturas que permitam algum tipo de tratamento para evitar que o material depositado ofereça danos ou riscos à saúde pública. Em Gramacho, por exemplo, o lixo é acomodado em camadas e coberto com material inerte. E o chorume, líquido produzido durante a decomposição dos detritos, é em parte tratado, cerca de um terço. O restante é aspergido sobre o próprio lixo para acelerar a decomposição dos detritos. Além disso, o entorno do aterro foi impermeabilizado com argila orgânica para evitar que o chorume vaze e contamine o mangue. Essas características o aproximam dos aterros sanitários, instalações planejadas para receber lixo com um nível de segurança ambiental superior. O diagnóstico sobre resíduos sólidos da SNSA, no entanto, afirma que Gramacho contamina as águas da Baía de Guanabara e apresenta sérios riscos de estabilidade. Um dos temores é o de que as montanhas de lixo do aterro cedam sobre Gramacho: o maior aterro da América Latina é uma ameaça ambiental e deve fechar

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde!

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde! Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE Saneamento é saúde! Ordem na casa! Proteger o meio ambiente é dever de todos. E começar pelo saneamento pode ser uma boa alternativa Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 42 anos de existência

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

MARCHA DOS PREFEITOS 2011

MARCHA DOS PREFEITOS 2011 MARCHA DOS PREFEITOS 2011 Miriam Belchior Ministra, Orçamento e Gestão Brasília, 12 de maiode 2011 IMPORTÂNCIA DO PAC Planejamento dos investimentos necessários ao crescimento econômico permanente do país

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO. Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional

9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO. Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional 9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional Belo Horizonte, 03 de Setembro de 2007 Penápolis, 26 de março

Leia mais

Número: 00215.000838/2011-49 Unidade Examinada: Prefeitura Municipal de São José do Egito-PE

Número: 00215.000838/2011-49 Unidade Examinada: Prefeitura Municipal de São José do Egito-PE Número: 00215.000838/2011-49 Unidade Examinada: Prefeitura Municipal de São José do Egito-PE Relatório de Demandas Externas n 00215.000838/2011-49 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires A construção da saúde pelo saneamento dos municípios Eng Civil Henrique Pires 2011 O Homem e a água uma longa história Os primeiros poços, chafarizes, barragens e aquedutos foram construídos no Egito,

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

Janot promete criar nova procuradoria anticorrupção

Janot promete criar nova procuradoria anticorrupção DEBATE Janot promete criar nova procuradoria anticorrupção DE BRASÍLIA - No último debate em busca do aval dos procuradores para permanecer por mais dois anos na chefia do Ministério Público, o procurador-geral

Leia mais

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos Nas cidades brasileiras, 35 milhões de usam fossa séptica para escoar dejetos Presentes em 21,4% dos lares brasileiros, tais instalações são consideradas inadequadas no meio urbano, pois podem contaminar

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 17.06 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 DESTAK FGTS amplia teto da renda para imóvel com juro menor Famílias

Leia mais

Representante nacional e internacional das entidades empresariais da Indústria da Construção e do Mercado Imobiliário

Representante nacional e internacional das entidades empresariais da Indústria da Construção e do Mercado Imobiliário Paulo Safady Simão Presidente da CBIC SME - Belo Horizonte - BH 10/06/2011 Representante nacional e internacional das entidades empresariais da Indústria da Construção e do Mercado Imobiliário SINDICATOS,

Leia mais

Importância do Saneamento Básico no Brasil: o papel da sociedade civil organizada

Importância do Saneamento Básico no Brasil: o papel da sociedade civil organizada Importância do Saneamento Básico no Brasil: o papel da sociedade civil organizada Como surgiu o Movimento Trata Brasil Da união das indústrias Amanco, Braskem, Solvay Indulpa e Tigre, foi criado em julho

Leia mais

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Realização Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Henry Cherkezian Rio, 18 de maio de 2011 A questão Habitacional Aspectos a serem abordados Breve Diagnóstico Um exemplo da

Leia mais

Recife, Estado de Pernambuco, Brasil

Recife, Estado de Pernambuco, Brasil 1 Recife, Estado de Pernambuco, Brasil Saneamento e Participação Social Recife é uma cidade litorânea, rodeada por rios e manguezais. A falta de um planejamento urbano efetivo resultou em impactos ao meio

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

Planhab, PAC e minha casa, minha vida: uma breve análise das atuais políticas nacionais de habitação.

Planhab, PAC e minha casa, minha vida: uma breve análise das atuais políticas nacionais de habitação. Planhab, PAC e minha casa, minha vida: uma breve análise das atuais políticas nacionais de habitação. Iuri Jakimczyk Carvalho Aluno de Graduação em Geografia Universidade Federal Fluminense Niterói icarvalho@id.uff.br

Leia mais

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo SANEAMENTO RURAL Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo FOTO: Edmar Chaperman/Funasa O campo brasileiro é marcado por profundas desigualdades sociais e econômicas, que incidem diretamente

Leia mais

Sossego, na Paraíba, é um retrato do que há de pior no setor de saneamento. Seus habitantes estão entre os 30 milhões de brasileiros sem-torneira

Sossego, na Paraíba, é um retrato do que há de pior no setor de saneamento. Seus habitantes estão entre os 30 milhões de brasileiros sem-torneira vidas secas Sossego, na Paraíba, é um retrato do que há de pior no setor de saneamento. Seus habitantes estão entre os 30 milhões de brasileiros sem-torneira eduardo salgado (texto) e Cristiano mariz (fotos),

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

GRUPO 3 MUNICÍPIOS ABAIXO DE 50 MIL

GRUPO 3 MUNICÍPIOS ABAIXO DE 50 MIL NOVA SELEÇÃO PAC 2 SANEAMENTO GRUPO 3 MUNICÍPIOS ABAIXO DE 50 MIL HAB Reunião com Representantes dos Governos Estaduais e CESBs Brasília, 15 de junho de 2011 IMPORTÂNCIA DO PAC Planejamento dos investimentos

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

ATENÇÃO. Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

ATENÇÃO. Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO Água Esgoto

SANEAMENTO BÁSICO Água Esgoto SANEAMENTO BÁSICO Água Esgoto Direitos e Deveres do Usuário Publicado e distribuído pela: Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro - RJ 2014 MENSAGEM

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI 427 SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI Daiane dos Santos Esquevani¹, Camila Augusta Florindo¹, Mayara Pissutti Albano² Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2007-2010 INFRA-ESTRUTURA SOCIAL E URBANA SANEAMENTO PANORAMA DO SANEAMENTO

Leia mais

Medida Provisória nº 691/2015

Medida Provisória nº 691/2015 Medida Provisória nº 691/2015 Brasília, Setembro/2015 AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO GESTÃO DE IMÓVEIS DA UNIÃO APERFEIÇOAMENTO DO MARCO LEGAL- MP 691/2015 Alienação de terrenos em áreas urbanas consolidadas

Leia mais

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 Na data em que Porto Alegre comemora seus 241 anos de fundação, o Observatório da Cidade apresenta o Porto Alegre em Análise 2013. Trata-se de um espaço que tem como desafio

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS PRIORIDADE INSTITUCIONAL 4 EIXOS DE ATUAÇÃO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

Leia mais

PLANENGE PROJETOS E CONSTRUÇÕES LTDA. CNPJ. 10.702.157/0001-12 Av. Gustavo Guedes, 1793, Capim Macio Natal/RN. CEP: 59.078-380 Tel.

PLANENGE PROJETOS E CONSTRUÇÕES LTDA. CNPJ. 10.702.157/0001-12 Av. Gustavo Guedes, 1793, Capim Macio Natal/RN. CEP: 59.078-380 Tel. ATA DA TERCEIRA AUDIÊNCIA PÚBLICA DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO (PMSB) E DO PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMGIRS) DO MUNICÍPIO DE SERRA NEGRA DO NORTE/RN. Às Quartoze horas

Leia mais

SANEAMENTO EM SANTA CATARINA

SANEAMENTO EM SANTA CATARINA SANEAMENTO EM SANTA CATARINA X INVESTIMENTO PAC Florianópolis, maio de 2008 EQUIPE TÉCNICA ABES-SC Eng Pablo Rodrigues Cunha Eng Paulo José Aragão Eng Rafael Meira Salvador Endereço e Contato: ABES-SC

Leia mais

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO SEMINÁRIO INTERNACIONAL PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO - PPPs e CONCESSÕES OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO Rio de Janeiro, 16 de Abril de 2012 Johnny Ferreira dos Santos Diretor de Água

Leia mais

IGS. Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela

IGS. Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela IGS Relatório de Descrição de Prática de Gestão Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela Setembro/2012 A OPORTUNIDADE Oportunidade de melhoria solucionada pela prática implementada Em 1995

Leia mais

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local.

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local. Relatoria da Oficina de Praia Grande 12 de junho de 2012 A Oficina Desafios para o Desenvolvimento Sustentável de Praia Grande, realizada no dia 12 de julho de 2012, na Associação Comercial de Praia Grande,

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer?

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? PREFEITO GILBERTO KASSAB SECRETARIA DAS SUBPREFEITURAS 11.500 funcionários zelando pela cidade 31 subprefeituras ATUAÇÃO: Uso e ocupação do solo Obras

Leia mais

Gerenciamento do Saneamento Municipal em um só órgão água, esgoto, drenagem pluvial e resíduos sólidos (limpeza pública).

Gerenciamento do Saneamento Municipal em um só órgão água, esgoto, drenagem pluvial e resíduos sólidos (limpeza pública). Gerenciamento do Saneamento Municipal em um só órgão água, esgoto, drenagem pluvial e resíduos sólidos (limpeza pública). Janimayri Forastieri de Almeida (1) Assessora de Meio Ambiente do SAAE São Lourenço.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES 1. Quanto será a contrapartida mínima dos municípios? R: A contrapartida de OGU será zero. 2. Haverá liberação de

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

3º Encontro Internacional de Saneamento Básico FIESP Saneamento Básico: Recuperar o tempo Perdido

3º Encontro Internacional de Saneamento Básico FIESP Saneamento Básico: Recuperar o tempo Perdido 3º Encontro Internacional de Saneamento Básico FIESP Saneamento Básico: Recuperar o tempo Perdido Saneamento Básico e Qualidade de Vida Engº Gustavo Zarif Frayha Especialista em Infraestrutura Sênior Chefe

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Distrito Federal Água e Esgoto Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Com a proclamação da República, em 1889, a Inspetoria Geral de Obras Públicas passou a se chamar Inspeção Geral das Obras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

VARELLA, João. As cidades do futuro. Isto é Dinheiro. São Paulo, 15 de fevereiro de 2014.

VARELLA, João. As cidades do futuro. Isto é Dinheiro. São Paulo, 15 de fevereiro de 2014. As cidades do futuro VARELLA, João. As cidades do futuro. Isto é Dinheiro. São Paulo, 15 de fevereiro de 2014. O mundo passa por um processo de urbanização nunca visto na história. Metade da população

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL Município de Dois Irmãos Município de Dois Irmãos RS- RS Agosto, 2012 Agosto, 2012 Oficina Jogos Cooperativos: Bairro São João 02/06/2012 02/06/201 REFLEXÃO ABRANGÊNCIA RESÍDUOS

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR Thatiane Rodrigues Mota 1 ; Dyoni Matias

Leia mais

Empresas não cumprem metas de limpeza de rua em São Paulo

Empresas não cumprem metas de limpeza de rua em São Paulo Clipping 14/12 1 Empresas não cumprem metas de limpeza de rua em São Paulo EVANDROS PINELLI DE SÃO PAULO Contratadas para manter a cidade limpa e evitar o agravamento das enchentes em São Paulo com bocas

Leia mais

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018.

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. 1. Considerações iniciais. O Sistema CONFEA/CREA. O Sistema CONFEA/CREA é constituído por um Conselho

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Antonio Rocha Magalhães CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ex-membro da CJP de Brasilia. A Campanha da Fraternidade Ecumênica, de 2016, elegeu

Leia mais

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP 1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP Painel III Investimentos em infraestrutura de saneamento básico O papel do setor privado Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Thatiane Rodrigues Mota 1 Dyoni Matias de Oliveira 2 ; Paulo Inada 3 Desenvolvimento

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO MARÇO DE 2012 JOB2178 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Entender como a população brasileira percebe questões relacionadas

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Comitê Gestor do PAC

Comitê Gestor do PAC RORAIMA Apresentação Esta publicação apresenta informações regionalizadas do 4º balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), referente a abril de 2008. Traz, também, dados sobre outros importantes

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

Início da implementação do programa Brasil Sem Miséria pelas prefeituras.

Início da implementação do programa Brasil Sem Miséria pelas prefeituras. Ao longo do mês Início da implementação do programa Brasil Sem Miséria pelas prefeituras. Merece destaque também a ação da Polícia Federal e Força Nacional nos Estados e Municípios onde ocorreram mortes

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Vamos mudar nossas cidades?

Vamos mudar nossas cidades? Vamos mudar nossas cidades? Conheça o Estatuto da Cidade 1 O Estatuto quer garantir a cidade para todos 3 O Plano Diretor põe o Estatuto da Cidade em prática...6 As etapas do Plano Diretor 8 O Estatuto

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA HUMBERTO COSTA Secretário das Cidades Governo de Pernambuco 17 de setembro Recife / PE Prevenção da violência x ESPAÇO URBANO AS ESTATÍSTICAS

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras...

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... Quem é responsável por enfrentar esta situação? Prefeitura? Entidades de defesa do ambiente?? Governo? Meios de comunicação? Cientistas? Organizações

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO E SAÚDE. Desenvolvimento é sinônimo de poluição?

SANEAMENTO BÁSICO E SAÚDE. Desenvolvimento é sinônimo de poluição? Ensino Fundamental 2 Nome N o 5 a série Ciências Profª Cristiane Data / / SANEAMENTO BÁSICO E SAÚDE Saneamento básico é o conjunto das condições urbanas essenciais para a preservação da saúde pública.

Leia mais

VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00

VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00 VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 59.550 litros de leite de Jan/2007 a Mar/2009 - Custo: R$ 75 mil, beneficiando 150 famílias

Leia mais

Os investimentos necessários para seguirmos crescendo : Setor Imobiliário Seminário FEBRABAN / BNDES de Economia 2010

Os investimentos necessários para seguirmos crescendo : Setor Imobiliário Seminário FEBRABAN / BNDES de Economia 2010 Os investimentos necessários para seguirmos crescendo : Setor Imobiliário Seminário FEBRABAN / BNDES de Economia 2010 Setor Imobiliário Brasileiro Questão atual e projeções para o futuro: Défict Habitacional

Leia mais

Por muito tempo o Brasil viveu uma falsa dicotomia entre desenvolvimento econômico e políticas de inclusão.

Por muito tempo o Brasil viveu uma falsa dicotomia entre desenvolvimento econômico e políticas de inclusão. 1 Discurso da Ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tereza Campello na Cerimônia de Anúncio de medida complementando renda a todos os beneficiários do Bolsa Família, em 19 de fevereiro de

Leia mais

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Alexandre Ferreira Jefferson dos Santos Mariana Oliveira Samuel Rodrigues Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Introdução

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

ANÁLISE SÓCIO-ESPACIAL DO BAIRRO MIRANTE DO BUQUIRINHA, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP. Mariane Barbosa de Paula¹, Sandra Maria Fonseca da Costa¹

ANÁLISE SÓCIO-ESPACIAL DO BAIRRO MIRANTE DO BUQUIRINHA, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP. Mariane Barbosa de Paula¹, Sandra Maria Fonseca da Costa¹ ANÁLISE SÓCIO-ESPACIAL DO BAIRRO MIRANTE DO BUQUIRINHA, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP Mariane Barbosa de Paula¹, Sandra Maria Fonseca da Costa¹ ¹Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Educação e Artes,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO NA ZONA RURAL: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIOS DA REGIÃO AMAZÔNICA

DIAGNÓSTICO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO NA ZONA RURAL: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIOS DA REGIÃO AMAZÔNICA DIAGNÓSTICO DE SISTEMAS DE SANEAMENTO NA ZONA RURAL: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIOS DA REGIÃO AMAZÔNICA Ricardo Silveira Bernardes (1) Engenheiro Civil. Mestre em Hidráulica e Saneamento. PhD pela Wageningen

Leia mais

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO Magda Maria Marinho Almeida - Química Industrial- UFC/CE- Mestre em Tecnologia de Alimentos- UFC/CE. Divisão de Análises e Pesquisa

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

24/04/2007. Presidência da República Secretaria de Comunicação Social Discurso do Presidente da República

24/04/2007. Presidência da República Secretaria de Comunicação Social Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura dos atos normativos do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Palácio do Planalto, 24 de abril de 2007 Excelentíssimo senador Renan Calheiros,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Movimento Movimento Nacional de Proteção à de Proteção à Vida Vida MMA / PNEA MMA / IBAMA /Est. RJ / Prefeituras RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Agosto/2000 a Agosto/2001 APRESENTAÇÃO O Projeto de Educação

Leia mais