=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE" name="description"> =)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE">

IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE E PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE CABINES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE E PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE CABINES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS"

Transcrição

1 ! "#$ " %'&)(*&)+,.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?<>=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE E PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE CABINES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS Ana Julia Dal Forno (UFSC) Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) Anna Claudia Ribeiro do Valle (UFSC) A lógica de programação puxada é normalmente operacionalizada com o sistema kanban. Esse sistema de programação foi inicialmente pensado por Taiichi Ohno, na década de 60, gerente de um setor da montadora Toyota no Japão, com base no sistemma de atendimento ao cliente e na reposição de estoques das prateleiras dos supermercados que, na época, estavam sendo implantados em substituição aos antigos armazéns. Dando continuidade à aplicação das ferramentas da manufatura enxuta, após a introdução do layout celular na Siac do Brasil, empresa que fabrica cabines de máquinas agrícolas, decidiu-se por implementar o kanban. Assim, este artigo relata como a aplicação de três tipos de kanban na empresa: kanban de fornecedores para o recebimento de matérias-primas, kanban de transporte entre os processos de recebimento e programação e kanban de produção da expedição para os demais processos. A produção passou a ser puxada e ocorreu a introdução de supermercados, visando diminuir os estoques. Palavras-chaves: Kanban de Transporte, Kanban de Produção, Kanban de Fornecedor, Manufatura Enxuta, Produção Puxada

2 1. Introdução O Sistema Toyota de Produção (STP), que surgiu logo após a Segunda Guerra Mundial, época em que a indústria japonesa estava passando por momentos de baixa produtividade, é hoje muito difundido e sua filosofia adotada por muitas empresas dos mais diversos ramos. Inspiradas no STP, as empresas tentam se tornar enxutas, eliminando os desperdícios para obter vantagens competitivas. Assim, o kanban, termo que significa cartão em japonês, é um sistema de programação da produção puxada para atender as necessidades dos clientes e facilitar o gerenciamento visual da fábrica. Este artigo relata a implementação do kanban na Siac do Brasil, empresa localizada em Guaranésia/MG que fabrica cabines de máquinas agrícolas. Foram aplicados kanbans em três casos: Kanban com os Fornecedores, Kanban de Transporte e Kanban de Produção. Os passos seguidos para atingir o objetivo foi primeiramente a escolha dos locais para aplicar o kanban, coleta e compilação dos dados, cálculo do número de cartões kanban, elaboração das etiquetas de identificação e organização do supermercado. Ao longo do trabalho, o procedimento metodológico será descrito de forma mais detalhada. 2. Produção Puxada x Produção Empurrada No sistema anterior da empresa estudada, era utilizado MRP juntamente com a produção empurrada, ou seja, elaborava-se um programa de produção completo, da compra da matériaprima à montagem do produto acabado e transmitia-se aos setores através da emissão de ordens de compra, fabricação e montagem. Tubino (2000) adiciona que no próximo período de programação, em função dos estoques remanescentes, programavam-se novas ordens para atender a um novo Plano Mestre de Produção (PMP). Na Figura 1 visualiza-se como era o fluxo na empresa antes da aplicação do kanban. Percebe-se existiam grandes quantidades de estoque em processo e a sobrecarga das tarefas realizadas pelo Planejamento e Controle da Produção (PCP) devido à programação empurrada. 2

3 Figura 1 Fluxo do processo antes da implementação do kanban Kanban e MRP podem coexistir? Segundo Gaither e Frazier (2004) sim, pelo menos num grau limitado. O MRP pode ser usado na manufatura enxuta para se obter explosões de peças e para pedir materiais e peças de fornecedores, mas há pouca influência do MRP dentro da manufatura. Os fornecedores usam os programas MRP como um plano global para a produção e para determinar a seqüência de pedidos de peças, mas a produção real se desenvolve seguindo o sistema kanban do cliente. Essas versões de sistemas de puxar reduzem muito o estoque em processo de peças entre centros de trabalho no chão de fábrica, mas o STP também tem como meta reduzir estoques de matérias-primas. No trabalho realizado, o MRP atuou conforme exposto por Slack, Chambers e Johnston (2002), isto é, o programa mestre de produção é explodido por meio do MRP para gerar programas de programação de fornecedores. As necessidades reais de materiais de fornecedores externos são sinalizadas pelo kanban para facilitar a entrega JIT. Também é utilizada a lógica da lista de materiais de produtos e serviços (BOM) e os registros de estoque da operação, o programa de produção é explodido e calculadas as necessidades líquidas, considerando-se o lead time necessário para obter peças em cada nível da montagem. A produção puxada é um sistema de produção em que cada etapa do processo só deve produzir um bem ou serviço quando um processo posterior ou cliente final, o solicite. Essa solicitação se dá através do consumo de um estoque controlado de peças, chamado de supermercado, localizado entre os processos. Um supermercado caracteriza-se como um estoque controlado que é dimensionado de tal modo que o processo cliente sempre encontre peças dos modelos e nas quantidades necessárias para cumprir seu programa de entregas ou para repor seu supermercado. O processo fornecedor precisa repor o supermercado antes que os níveis mínimos de peças definidos sejam atingidos. A principal vantagem da produção puxada é que a produção é baseada em uma demanda real e não numa previsão de vendas como ocorre nos sistemas empurrados (LEAN INSTITUTE, 2007). Através da Figura 2 percebe-se a mudança do fluxo com alteração da produção empurrada pela puxada, onde o PCP, ao receber o pedido do cliente, emite uma programação para a expedição e esta puxa da montagem a quantidade a ser produzida diariamente. 3

4 3. Sistema Kanban Figura 2 Fluxo do processo após a implementação do kanban: produção puxada O sistema kanban foi desenvolvido na década de 60 pelos engenheiros da Toyota Motors Cia, com o objetivo de tornar simples e rápidas as atividades de programação, controle e acompanhamento de sistemas de produção em lotes. Foi projetado para ser usado dentro do contexto mais amplo da filosofia Just in time e busca movimentar e fornecer os itens dentro da produção apenas nas quantidades necessárias e no momento necessário (MONDEN, 1984; OHNO, 1997). Para Shingo (1996), o kanban indica ordens de produção sobre o que produzir, quanto produzir, para onde levar os produtos e quando produzir. Dessa forma, esse sistema tornou possível uma resposta mais flexível a variações de demanda através da simplificação das instruções. Conforme Tubino (2000), no sistema kanban de puxar a produção, não se produz nada até que o cliente (interno ou externo) de seu processo solicite a produção de determinado item. Nesse caso, a programação da produção usa as informações do Plano Mestre para emitir ordens apenas para o último estágio do processo produtivo, normalmente a montagem final, assim como para dimensionar as quantidades de kanbans em estoque nesse processo, acionando diretamente o processo para que os kanbans dos itens consumidos sejam fabricados e repostos aos estoques. O kanban, agindo dessa maneira, simplifica muito as atividades de curto prazo desempenhadas pelo PCP nos processos repetitivos em lotes, delegando-as aos próprios funcionários do chão-de-fábrica, além de executar em sua sistemática de funcionamento as atividades de administração de estoques, seqüenciamento, emissão, liberação e acompanhamento e controle das ordens referentes a um programa de produção. A Figura 3 apresenta esta visão geral do PCP com o sistema kanban. P la n e ja m e n to E s tra té g ic o d a P ro d u ç ã o D e p a rta m e n to d e M a rk e tin g P re v is ã o d e V e n d a s P e d id o s e m C a rte ira K a n b a n s d e F o rn e c e d o re s P la n o d e P ro d u ç ã o P la n e ja m e n to M e s tre d a P ro d u ç ã o P la n o M e s tre d e P ro d u ç ã o P ro g ra m a ç ã o d a P ro d u ç ã o P ro g ra m a d e m o n ta g e m fin a l C á lc u lo d o n ú m e ro d e k a n b a n s E m is s ã o e L ib e ra ç ã o d e k a n b a n s K a n b a n s d e M o v im e n ta ç ã o K a n b a n s d e P ro d u ç ã o P ro g ra m a d e M o n ta g e m Avaliação de Desempenho Acompanhamento e Controle da Produção F o rn e c e d o re s K F a b ric a ç ã o K M o n ta g e m C lie n te s Figura 3 Visão geral das atividades do PCP com o sistema kanban 4

5 O sistema kanban tradicional emprega painéis ou quadros de sinalização, chamados de painéis porta-kanban, junto aos pontos de armazenagem espalhados pela produção, com a finalidade de sinalizar o fluxo de movimentação e consumo dos itens a partir da fixação dos cartões kanban nesses quadros. Esses painéis fazem parte do conceito mais amplo de gerenciamento visual da fábrica com a colocação de dispositivos de sinalizações (andons) por todo o processo produtivo. Esses pontos de armazenagem são chamados se supermercados de itens, em decorrência da origem histórica do kanban estar associada à adaptação japonesa do sistema de reposição de produtos existentes, na época da sua criação, nos supermercados americanos. Cada supermercado de itens espalhado pelo sistema produtivo da empresa possui um painel porta-kanban correspondente. Olhando para uma estação de trabalho ou célula isoladamente, a mesma estará atrelada a dois supermercados. Um deles é o supermercado de entrada, onde estão as matérias-primas e peças necessárias à execução de suas atividades produtivas, com seu respectivo painel porta-kanban de requisição e/ou de fornecedor. O outro é o supermercado de saída, onde estão os itens acabados executados por essa estação de trabalho, com seu repectivo painel porta-kanban de produção (TUBINO, 1999). 4. Tipos de kanbans 4.1 Kanban de Fornecedor Kanbans de fornecedor são usados para avisar ao fornecedor que é necessário enviar material ou componentes para um estágio da produção. Nesse sentido, ele é similar ao kanban de movimento, porém é normalmente utilizado com fornecedores externos (SLACK, CHAMBERS, JOHNSTON, 2002). Tubino (1999) adiciona que esse tipo executa as funções de uma ordem de compra convencional, ou seja, autoriza o fornecedor externo da empresa a fazer uma entrega de um lote de itens, especificado no cartão, diretamente ao seu usuário interno, desde que o mesmo tenha consumido o lote de itens correspondente ao cartão. O uso do sistema kanban com fornecedores, a partir do relacionamento de parceria proposto pela filosofia Just in Time, simplifica e racionaliza as atividades de reposição de estoques de curto prazo por parte dos fornecedores, pois os mesmos ficam previamente autorizados a reporem os itens consumidos por seus clientes internos, a partir da sinalização de um cartão kanban de fornecedor. A Figura 4 mostra as caixas utilizadas para o kanban de fornecedor na empresa desse estudo de caso. São três as caixas utilizadas no kanban de fornecedor; duas ficam na linha e uma cheia no fornecedor. Quando vazia, a caixa é mandada pro fornecedor e lá, trocada por uma cheia. Nesse caso as caixas vazias funcionam como se fossem dinheiro, dando a ordem de produção. Todas as caixas são identificadas com o nome do fornecedor, o código da peça e a quantidade a ser produzida. 5

6 Figura 4 Kanban de fornecedor na Siac do Brasil 4.2 Kanban de Transporte/Movimentação/Requisição Este tipo é utilizado para avisar o estágio anterior que o material pode ser retirado do estoque e transferido para uma destinação específica. Em suma, funciona como uma requisição de materiais, autorizando o fluxo entre a célula e ou centro de trabalho produtor e a célula ou centro de trabalho consumidor. Contém informações como número e descrição do componente específico, o lugar de onde ele deve ser retirado e a destinação para o qual ele deve ser enviado (TUBINO, 1999). Para definir os itens kanban da aplicação prática, realizou-se a coleta de dados. O primeiro passo foi computar todos os itens produzidos internamente (PI). Tendo em mãos todos os itens PI, foi feito um estudo para definir as embalagens e capacidades das mesmas para cada peça. Após, analisou-se o consumo médio semanal dos itens, utilizando como base o ano de 2006 (setembro a dezembro quando a produção estava estável) e explosão de materiais da cabine BHL. Para os itens dobrados, focalizando qual máquina dobradeira que cada item passa, foi estipulado um tempo de setup médio para cada um e então calculado o lote mínimo de cada peça, sabendo o tempo de preparação das mesmas. No Kanban de Transporte existem quatro cores de cartões, de acordo com o processo da preparação: - Amarelo: peças sem dobras; - Laranja: peças dobradas na máquina DO 001; - Azul: peças dobradas na máquina DO 002; - Vermelha: peças dobradas na máquina DO 004. As informações contidas em cada cartão são o código da peça, a linha de produção e a quantidade. 4.3 Kanban de Produção O kanban de produção é um sinal para um processo produtivo de que ele pode começar a produzir um item para que seja colocado em supermercado. A informação contida nesse tipo de kanban geralmente inclui número e descrição do próprio processo, materiais necessários para a produção do componente, além da destinação para a qual o componente(s) deve(m) ser enviado(s) depois de produzido(s) (TUBINO, 1999). O kanban de produção foi aplicado do setor de expedição para montagem e consequentemente até a solda. Para definir os itens que fariam parte do kanban e dimensioná-lo coletaram-se os seguintes dados: - a previsão da demanda de quatro semanas; - os tempos de ciclo dos processos por modelo de produto; - o tempo de setup de cada modelo - o tempo disponível para produzir 6

7 Na empresa, o sistema kanban de produção funciona da seguinte maneira: as cabines são transformadas em cartões. A quantidade de cartões é calculada a partir da previsão de demandas nas próximas semanas, considerando o giro de produção (faixa verde), lead time de reposição (faixa amarela) e estoque de segurança (faixa vermelha). Aplicou-se em três famílias de cabines: carregadeira (3 modelos), BHL (4 modelos) e motoniveladora (13 modelos). Através da produção mensal chegou-se na quantidade a ser produzida por dia. A Tabela 1 mostra o cálculo da quantidade de cartões kanban a ser colocadas no quadro para um modelo da cabine tipo motoniveladora. As entregas aos clientes são diárias (cinco vezes por semana) e essa cabine passa duas vezes pela pintura, então o estoque de segurança utilizado foi de um dia, o estoque de reação também um dia e há dois turnos de trabalho, cinco dias na semana. Um diferencial é em relação ao cartão que foi feito em escala, sendo que 40 cm equivalem a 60 minutos. Então, através do comprimento do cartão, colocado numa régua escalonada, é possível prever o tempo total de produção necessário e assim controlar se a produção está atingindo as metas de tempo. Conjuntamente, para um melhor entendimento, a Figura 5 demonstra as fórmulas utilizadas para o cálculo dos níveis vermelho, amarelo e verde. Produção Mês Produção Dia Cartões Segurança Cartões Reação Cartões Produção Medida cartão (cm) Tempo Produção (min) 121 6, ,3 80 Tabela 1 Exemplo do cálculo de cartões kanban para a cabine motoniveladora Cartão Vermelho = produção de cabines dia x estoque de segurança = 6,05 x 1 = 6 cartões Cartão Amarelo = produção de cabines dia x estoque de reação = 6,05 x 1 = 6 cartões Cartão Verde = produção de cabines semana N entregas ao cliente na semana = 30,25 5 = 6 cartões Figura 5 - Fórmulas de cálculo dos cartões de segurança, reação e produção. Na Figura 6 visualiza-se a etiqueta imantada utilizada na cabine que está no supermercado de cabines. Dessa forma a programação fica organizada de forma a saber com antecedência os tipos que serão fabricados, bem como o tempo de produção para cada modelo. 7

8 Figura 6 Supermercado de cabines com modelo de etiqueta no destaque Finalizando, Tubino (2000) comenta que qualquer que seja o tipo de kanban utilizado, o princípio é sempre o mesmo, isto é, o recebimento de um kanban dispara o movimento, a produção ou o fornecimento de uma unidade ou de um contenedor-padrão de unidades. Se dois kanbans são recebidos, isso dispara o transporte, a produção ou o fornecimento de duas unidades. Os kanbans são apenas meios pelos quais o transporte, a produção ou o fornecimento podem ser autorizados. Algumas empresas utilizam quadrados kanban, que significam espaços demarcados no chão-de-fábrica, desenhados para conter um ou mais contenedores ou peças de trabalho. A existência de um quadrado vazio dispara a produção no estágio que abastece o quadrado. Há dois procedimentos que podem governar o uso dos kanbans. Eles são conhecidos como sistema de cartão único e sistema de dois cartões. O primeiro é mais utilizado, pois é mais fácil de operar e utiliza somente o cartão de produção. Já no segundo tipo, adiciona-se o de movimentação. 5. Considerações finais A aplicação do kanban na Siac do Brasil gerou resultados visíveis na organização da fábrica e os funcionários mostraram-se motivados com as melhorias obtidas através dos conceitos da manufatura enxuta. Os estoques, que antes ocupavam espaços físicos importantes no chão-defábrica, foram reduzidos. A implementação do kanban de fornecedor gerou demandas reais equivalentes com as previstas, devido à relação de parceria com o fornecedor. O kanban de transporte diminuiu os desperdícios de transporte e movimentação e o kanban de produção proporcionou que o equilíbrio da manufatura, gerando conjuntos de cabines e não componentes isolados durante os turnos de trabalho. Dessa forma, os prazos de entrega ao cliente são atendidos conforme programado. O próximo passo é expandir o sistema kanban em outros setores da empresa, bem como realizar a troca rápida de ferramentas. 6. Referências GAITHER, Norman; FRAZIER, Greg. Administração da Produção e Operações. 8.ed. Trad. José Carlos Barbosa dos Santos. São Paulo: Pioneira/Thompson Learning, LEAN INSTITUTE BRASIL. Léxico Lean. Disponível em acessado em 25/04/2007. MONDEN, Yasuhiro. Sistema Toyota de Produção. IMAM: São Paulo, OHNO, Taiichi. O Sistema Toyota de Produção: além da produção em larga escala. Tradução Cristina Schumacher. Porto Alegre: Artes Médicas, SIAC DO BRASIL. Site da empresa: acessado em 16/04/2007. SHINGO, Shigeo. O Sistema Toyota de Produção: do ponto de vista da engenharia de produção. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da Produção. 2.ed. São Paulo: Atlas,

9 TUBINO, Dalvio Ferrari. Sistemas de produção: a produtividade no chão-de-fábrica. Porto Alegre: Bookman, TUBINO, Dalvio Ferrari. Manual de Planejamento e Controle da Produção. São Paulo: Atlas,

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

A APLICABILIDADE DO KANBAN E SUAS VANTAGENS ENQUANTO FERRAMENTA DE PRODUÇÃO NUMA INDÚSTRIA CALÇADISTA DA PARAÍBA

A APLICABILIDADE DO KANBAN E SUAS VANTAGENS ENQUANTO FERRAMENTA DE PRODUÇÃO NUMA INDÚSTRIA CALÇADISTA DA PARAÍBA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Atualizado em: 10/08/2010

Atualizado em: 10/08/2010 Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves Autorizada pela Portaria nº 3.895-MEC DOU 26.11.2004 PLANO DE DISCIPLINA 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina: Administração

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV

Unidade IV. Unidade IV Unidade IV Unidade IV 7 O PCP E A ADMINISTRAÇÃO DOS ESTOQUES O PCP é o setor responsável por definir quanto e quando comprar, bem como fabricar ou montar de cada item para a produção dos produtos acabados

Leia mais

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.5 Kanban 4.5 Kanban Já foi citado o caso de como o supermercado funcionou como benchmarking para muitas ideias japonesas. Outra dessas ideais inverteu o fluxo da produção: de empurrada passou a ser puxada.

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS DE MELHORIA DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALÚRGICA

DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS DE MELHORIA DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALÚRGICA DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS DE MELHORIA DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALÚRGICA DANIEL DARIN BRASILEIRO (UFC) DANIELDARIN@GMAIL.COM Sergio Jose Barbosa

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

O Planejamento e Controle da Produção em uma Montadora de Veículos Urbanos e Rodoviários

O Planejamento e Controle da Produção em uma Montadora de Veículos Urbanos e Rodoviários O Planejamento e Controle da Produção em uma Montadora de Veículos Urbanos e Rodoviários Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: O objetivo desse artigo é apresentar

Leia mais

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time)

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time) Sistemas de Empurrar Os componentes são fabricados em resposta a um programa, independentemente do próximo estágio poder absorver ou de fato necessitar peças naquele momento ada estágio envia os componentes

Leia mais

Como Operar um andon

Como Operar um andon Como Operar um andon Sergio Kamada* Este artigo irá explicar uma das várias maneiras de como a Toyota utiliza o Andon para controlar visualmente as várias paradas de uma linha de produção devido aos problemas

Leia mais

Aplicação do sistema kanban no transporte de materiais na construção civil

Aplicação do sistema kanban no transporte de materiais na construção civil Aplicação do sistema kanban no transporte de materiais na construção civil Madalena Osório Leite (IRB) viladosol@secrel.com.br Igor Barros Pinho (IRB) igorbpinho@zipmail.com.br Pedro Eduardo Pereira (M

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

3. Sistema Toyota de Produção, Just in Time e o Sistema Kanban

3. Sistema Toyota de Produção, Just in Time e o Sistema Kanban 30 3. Sistema Toyota de Produção, Just in Time e o Sistema Kanban Este capítulo fornece as bases para o desenvolvimento de um procedimento que possibilite avaliar a utilização do sistema Kanban nas indústrias.

Leia mais

Aplicação do JIT/MRP e célula de montagem flexível em empresa de autopeças para aumento da produtividade

Aplicação do JIT/MRP e célula de montagem flexível em empresa de autopeças para aumento da produtividade 1 Aplicação do JIT/MRP e célula de montagem flexível em empresa de autopeças para aumento da produtividade RESUMO A indústria de manufatura devido a exigências do mercado tem sentido a necessidade de aumentar

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Simulação Empresarial em Gestão da Produção

Simulação Empresarial em Gestão da Produção Simulação Empresarial em Gestão da Produção CAPÍTULO 5 O JOGO DE EMPRESAS GP-3 A dinâmica de trabalho do jogo GP-3 é apresentada nesse capítulo. Inicialmente são descritos os diferentes módulos de interface

Leia mais

A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO. Palavras-chave: Just in time. Produção. Aumento de produtividade

A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO. Palavras-chave: Just in time. Produção. Aumento de produtividade RESUMO A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO Valério Givisiez Vilete Santos FACE - Faculdade Casa do Estudante Aracruz ES e-mail: vgvsantos@gmail.com.br 04/09/2014 A não existência

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS Eduardo Bezerra dos Santos (CESUPA) eduardosnts13@gmail.com Pedro Henrique Bueno Meirelles

Leia mais

COMPREENDENDO O KANBAN: UM ENSINO INTERATIVO ILUSTRADO

COMPREENDENDO O KANBAN: UM ENSINO INTERATIVO ILUSTRADO COMPREENDENDO O KANBAN: UM ENSINO INTERATIVO ILUSTRADO Giancarlo de França Aguiar Professor - Engenharia da Computação - UnicenP/Centro Universitário Positivo giancarl@unicenp.edu.br Jurandir Peinado Professor

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Liliane Dolores Fagundes (UNIS) engenhariadeproducao@unis.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROPOSTA DE UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA DE MANUFATURA ENXUTA EM UM SETOR DE USINAGEM

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ANA PAULA DE SOUZA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ANA PAULA DE SOUZA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS ANA PAULA DE SOUZA PROPOSTA DE MELHORIA NO GERENCIAMENTO DE ROTINAS DOS PROCESSOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDDE FEDERL DE SNT CTRIN PROGRM DE PÓS-GRDUÇÃO EM ENGENHRI DE PRODUÇÃO MODELO PR O DIMENSIONMENTO D QUNTIDDE DE KNBNS, N RELÇÃO ENTRE CLIENTES E FORNECEDORES INTERNOS Dissertação de Mestrado Emanuel

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALMECÂNICA RESUMO

GESTÃO DE PROCESSOS: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALMECÂNICA RESUMO GESTÃO DE PROCESSOS: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALMECÂNICA RESUMO Elisabeth Carlsson Koehler 1 Franciele Lemos Paiva 2 João Antônio Almeida Berti 3 Tiago Gulewicz 4 João Antônio Cervi 5 Com alta

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

MRP x JIT/Lean? MRP x JIT? Prof. João C. E. Ferreira - UFSC

MRP x JIT/Lean? MRP x JIT? Prof. João C. E. Ferreira - UFSC MRP: Movido pelo MPS Lead-time fixo Elevado uso do computador, para calcular quantas peças, e em qual momento tais peças devem ser fabricadas. Peças são fabricadas em resposta a instruções centralizadas,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESTUDO DE CASO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA HÍBRIDO NA PRODUÇÃO DE FITAS ISOLANTES DE PVC EM

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Noções básicas de Administração da Produção. Noções básicas sobre a evolução do Pensamento Administrativo. Papel estratégico e objetivos da produção. Estratégia de produção. Projeto em gestão

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO Bruno Carara (UFRGS) bcarara@hotmail.com Felipe Muller Treter (UFRGS)

Leia mais

Planejamento da produção

Planejamento da produção Planejamento da produção Capítulo 3, parte B Sumário Capacidade de produção Elaboração do plano de produção Just-in-time Capacidade de produção O que é capacidade de produção? Capacidade de produção O

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

VICTOR MEIRELES GOMES MOURA

VICTOR MEIRELES GOMES MOURA VICTOR MEIRELES GOMES MOURA ANÁLISE DO ATENDIMENTO E ESTOQUES INFLUENCIADOS PELA MUDANÇA DO MÉTODO DE PLANEJAMENTO: USO DO MRP VERSUS UM SISTEMA PUXADO COM USO DO KANBAN JOINVILLE - SC 2006 UNIVERSIDADE

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL

GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL 28/11/2009 1 A BASE DA LEAN É O 5S SEIRI SEITON SEISOO SEIKETSU SHITSUKE ARRUMAÇÃO ORDENAÇÃO LIMPEZA ASSEIO AUTO DISCIPLINA No sistema de Lean é importante reconhecer (enxergar) de imediato os problemas

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia Logística/6º 07/05/2015 PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Hendy de Oliveira Analista de Suprimentos

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

CONHECENDO OS JOGOS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO

CONHECENDO OS JOGOS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO Simulação Empresarial em Gestão da Produção CAPÍTULO 2 CONHECENDO OS JOGOS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO O capítulo 2 é dedicado a apresentação dos três jogos de gestão da produção. Inicialmente é descrita a estrutura

Leia mais

FELIPE BETTINI ESTEVES A MENTALIDADE ENXUTA E A VIABILIDADE DO JUST-IN-TIME NAS EMPRESAS

FELIPE BETTINI ESTEVES A MENTALIDADE ENXUTA E A VIABILIDADE DO JUST-IN-TIME NAS EMPRESAS 0 FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FELIPE BETTINI ESTEVES A MENTALIDADE ENXUTA E A VIABILIDADE DO JUST-IN-TIME NAS EMPRESAS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

Análise da implantação do sistema Kanban no processo de injeção de plásticos

Análise da implantação do sistema Kanban no processo de injeção de plásticos 51 ISSN: 23170336 Análise da implantação do sistema Kanban no processo de injeção de plásticos SCHIMIDT, W. C. 1, LIPPERT, M. 1, PACHECO, D. A. J. 1*. 1 Resumo: Nos dias atuais é de extrema importância

Leia mais

Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos

Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos Priscila das Graças Felipe Santiago Engenheira de produção PUC Minas Andressa Silva

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS LUCILENE SCHMOELLER DE OLIVEIRA PROPOSTA DE APLICAÇÃO DO SISTEMA PUXADO EM UMA

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Clarissa Fullin Barco (UFSCar)cfbarco@hotmail.comFábio Barbin Villela (UFSCar)fbvillela@yahoo.com.br A inspiração para este estudo vem de uma

Leia mais

Metodologia para gerenciamento de ferramentas de corte baseada no Sistema Toyota de Produção

Metodologia para gerenciamento de ferramentas de corte baseada no Sistema Toyota de Produção Metodologia para gerenciamento de ferramentas de corte baseada no Sistema Toyota de Produção Nivaldo Pio Matoso (PUCPR) npm4@dcx.com Pablo Deivid Valle (PUCPR) pablo@rla01.pucpr.br Osiris Canciglieri Junior

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES Fernando Santos Carlomagno (G-UEM) Resumo Este trabalho trabalhar o tema uma abordagem custos na formação de estoques, nele através de pesquisa iremos relatar

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Uma análise de técnicas do Planejamento e Controle da Produção e da filosofia Lean

Uma análise de técnicas do Planejamento e Controle da Produção e da filosofia Lean UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Uma análise de técnicas do Planejamento e Controle da Produção e da filosofia Lean Trabalho de Conclusão

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Mapeamento do Fluxo de Valor

Mapeamento do Fluxo de Valor Mapeamento do Fluxo de Valor O que é Fluxo de Valor É um conjunto de ações as que agregam valor, bem como as que não agregam valor necessárias para viabilizar o produto: da concepção ao lançamento do produto

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

O papel de um Quadro de Nivelamento de Produção na produção puxada: um estudo de caso

O papel de um Quadro de Nivelamento de Produção na produção puxada: um estudo de caso O papel de um Quadro de Nivelamento de Produção na produção puxada: um estudo de caso Gustavo Guimarães Tardin Paulo Corrêa Lima Unicamp E-mail: ggtardin@supernet.com.br, plima@fem.unicamp.br Abstract

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA EMPRESA DE COMPRESSORES DE AR

IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA EMPRESA DE COMPRESSORES DE AR IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA EMPRESA DE COMPRESSORES DE AR Olga Maria Formigoni Carvalho Walter (UDESC) olga.carvalho@schulz.com.br Leandro Zvirtes (UDESC) zvirtes@joinville.udesc.br É de extrema

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO (TOYOTA WAY)

SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO (TOYOTA WAY) 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSOS DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA E MECANICA ADMINISTRAÇÃO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC 2007 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS CCT DEPARTAMENTO

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Cálculo de necessidades de materiais MRP

Cálculo de necessidades de materiais MRP Cálculo de necessidades de materiais MRP 77 MRP Conceitos, definições e Variáveis Plano Mestre de Produção MPS Estrutura do Produto EP Estoques Planejamento das necessidades de materiais MRP Emissão de

Leia mais

VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA

VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA Arielton Freire da Silva (UFRN) aryfreire@gmail.com Fabio

Leia mais

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA Gece Wallace Santos Reno (UFSCar) gece.reno@uol.com.br Carolina

Leia mais

Estudo de caso na implementação do Kanban em uma indústria de componentes plásticos rotomoldados

Estudo de caso na implementação do Kanban em uma indústria de componentes plásticos rotomoldados IX WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 15 e 16 de outubro de 2014 Estratégias Globais e Sistemas Produtivos Brasileiros ISSN: 2175-1897 Estudo de caso na implementação

Leia mais

RELEASE À IMPRENSA São Paulo, 29 de outubro de 2008 Inédito! Especialista internacional ensina no Brasil como implementar Logística Lean

RELEASE À IMPRENSA São Paulo, 29 de outubro de 2008 Inédito! Especialista internacional ensina no Brasil como implementar Logística Lean RELEASE À IMPRENSA São Paulo, 29 de outubro de 2008 Inédito! Especialista internacional ensina no Brasil como implementar Logística Lean Escritor norte-americano, consultor do primeiro instituto Lean do

Leia mais

25/05/2009. ERP - Evolução histórica. Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

25/05/2009. ERP - Evolução histórica. Sistemas Integrados de Gestão Empresarial 1. 1. Visão geral de sistemas integrados de gestão empresarial (ERP) 1.1. Conceito de ERP A sigla ERP significa Planejamento de Recursos Empresariais. Sistema modular que tem suas raízes no MRP (Planejamento

Leia mais

Simulação Computacional do Sistema de Coordenação de Ordens Kanban

Simulação Computacional do Sistema de Coordenação de Ordens Kanban Simulação Computacional do Sistema de Coordenação de Ordens Kanban Tiago dos Santos Almeida (UFG-CAC) tiago_dosalmeida@hotmail.com 1 Laís Araújo de Moura (UFG-CAC) - laisaraujo.moura@gmail.com 2 Aunério

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Produção Industrial 4ª Série Gerenciamento da Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Aula 06 PPCP ABERTURA

Aula 06 PPCP ABERTURA ABERTURA DISCIPLINA: PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PERÍODO LETIVO: 1 SEM/2015 SÉRIE: 6ª e 7ª Série PROFESSOR: Ivan Godoi Aula 06 DISCIPLINA CONTATO: ivan_godoi@aedu.com

Leia mais