Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3"

Transcrição

1 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes centros no Brasil e no mundo. Os objetivos gerais são apresentar a percepção da população sobre: a Qualidade de Vida na cidade, avaliação dos serviços públicos e confiança nas instituições. Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto 20/12/2013

2 FASE PÁGINA 2/ 3 2 EDIÇÃO 5 INÍCIO: ATUAL: 2013 PESQUISA DE QUALIDADE DE VIDA 2013 PESQUISA DE QUALIDADE DE VIDA /12/ Objetivos específicos da Pesquisa: Nesta edição 1 Objetivos específicos da pesquisa 2 Mensagem do presidente 3 Introdução 4 Caracterização da amostra 5 Conceito de Qualidade de Vida 6 Principais Resultados da 2ª fase Os objetivos específicos da Pesquisa de Qualidade de Vida são: Avaliar a qualidade dos serviços prestados com recolhimento do lixo domiciliar; limpeza de ruas e avenidas; controle de enchentes; abastecimento de água; estabilidade da rede elétrica; segurança pública; serviços de saúde pública; iluminação pública; transporte coletivo; educação pública. Avaliar a aplicação dos recursos públicos no município, assim como a expectativa da população quanto à melhoria da cidade em termos infraestruturais. Avaliar a confiança da população com relação às instituições de Ribeirão Preto. Os aspectos relacionados às diferenças estatísticas são destacados em relação ao gênero, faixa etária, escolaridade e nível de renda. Sabemos que as pesquisas são muito importantes para o planejamento das empresas José Carlos Carvalho, Presidente ACIRP. 2. Mensagem do presidente: Sabemos que as pesquisas são muito importantes para o planejamento das Empresas e esta, trata especialmente de um tema que envolve a vida dos cidadãos, por isso, nós, da ACIRP, desenvolvemos e executamos todos os anos esta Análise de Qualidade de Vida. Através destes dados, os órgãos públicos podem ter acesso à percepção dos cidadãos e suas expectativas, além dessa função, esta pesquisa atende também aos empresários de Ribeirão Preto que podem planejar e projetar ações para o futuro de sua empresa e bem-estar de seus consumidores. Assim, a ACIRP está sempre presente no desenvolvimento de Ribeirão Preto. José Carlos Carvalho Presidente Acirp

3 Fundamental Médio Superior PESQUISA DE QUALIDADE DE VIDA 2013 PÁGINA 3 3. Introdução: Num mundo moderno, entender como os habitantes de um determinado lugar vivem suas carências e seus pontos fortes e suas satisfações ou insatisfações com o meio que o cerca é fundamental para que se possam programar ações transformadoras. Qualidade de Vida se manteve estável em 2013 em relação ao resultado de 2012 com 7,64 pontos. 8 7,8 7,6 7,4 7,2 7 7,37 7,56 7,92 Nesse sentido, a pesquisa de qualidade de vida no seu quinto ano de divulgação em Ribeirão Preto procura encontrar parâmetros que se consolidem como informações consistentes para toda a sociedade e que auxiliem tanto a iniciativa pública, quanto a privada como todas as instituições de forma geral a procurarem trabalhar seus hábitos e atitudes na construção de uma sociedade mais justa. Essa pesquisa faz parte de um conjunto de indicadores divulgados periodicamente pela ACIRP - Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto, em parceria com a FUNDACE - Fundação para a pesquisa e desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia, e tem como objetivo medir o nível de percepção da população com a qualidade de vida na cidade. 4. Caracterização da Amostra: Na presente pesquisa, foram efetuados 391 (trezentos e noventa e um) questionários com a população de Ribeirão Preto. O nível de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 4,9pp para mais ou para menos. 8,5 8 7,5 7 6,5 6 6,92 até 2 SM 7,73 7,78 de 2 a 5 SM 8,21 de 5 a mais de 10 SM 10 SM Qualidade de Vida apresenta relação direta com nível de escolaridade e nível de renda. A presente amostra apresenta um perfil compatível com a verdadeira caracterização da população em relação ao gênero e em relação às faixas etárias, aspectos primordiais para que haja um resultado satisfatório no contexto de pesquisa por amostragem. Os resultados estão subdivididos em três fases distintas e abordam de forma confiável a opinião da população sobre questões fundamentais para o desenvolvimento econômico da cidade no longo prazo. 5. Conceito de Qualidade de Vida: A qualidade de vida de um grupo pode ser mensurada por diversos ângulos e por percepções relativas ao indivíduo e/ou por toda a sociedade. Nesse contexto, podem-se dividir tais sentimentos e percepções a nível individual e a nível coletivo. No primeiro caso, identificam-se situações tais como estar bem empregado, ter uma situação financeira confortável, ter mais diversão e lazer e ter mais tempo livre de grande importância para o indivíduo. No segundo caso, a qualidade de vida está ligada a questões de natureza infraestrutural, especialmente aquelas que determinam serviços públicos de qualidade e acesso a bens e serviços que proporcionem aumento do bem estar. Como vivemos numa economia capitalista e individualista, é natural que o processo de concentração de renda e poder gere situações de desconforto e injustiça social, o que deve ser minimizado por uma sociedade engajada na causa de reduzir tais distorções.

4 PÁGINA 4 PESQUISA DE QUALIDADE DE VIDA Principais Resultados da 2ª fase: Em relação à avaliação dos serviços públicos na cidade de Ribeirão Preto em 2013, houve poucas mudanças em termos de grandeza das notas atribuídas aos serviços. A tabela 1 trás o ranking por ordem decrescente, segundo a avaliação da população da cidade: FIGURA 1. Avaliação dos serviços prestados pelas instituições na Pesquisa Qualidade de Vida/2013 em Ribeirão Preto: 7,92 7,34 1º) Estabilidade da Rede Elétrica 2º) Abastecimento de Água. 7,04 3º) Iluminação Pública. 6,95 4º) Recolhimento do Lixo Domiciliar 6,75 5º) Controle de Enchentes Dentre dez itens infraestruturais analisados pela população, saúde pública teve a menor nota média com 4,84 pontos. 6,06 5,77 4,84 10º) Saúde Pública 9º) 5,56 Transporte Coletivo 5,63 8º) Segurança Pública 7º) Limpeza de Ruas e Avenidas 6º) Educação Pública A importância do entendimento da percepção da população na análise dos itens listados na figura 1 é a de desnudar as deficiências existentes na nossa sociedade e demonstrar que há muito que fazer para qualificar a prestação de serviços no que se refere a demandas coletivas. Em especial no que se refere à necessidade de melhorias nos serviços de saúde e educação pública Essa análise tem como objetivo mostrar a evolução de algumas variáveis que são importantes para entender o porquê da estagnação na qualidade de serviços públicos essenciais para a população nos últimos anos. Enquanto nos últimos anos tivemos uma evolução crescente e ascendente do número de habitantes em Ribeirão Preto, o mesmo não aconteceu com o crescimento do número de funcionários contratados no setor de saúde, especialmente na quantidade de médicos, enfermeiros e cirurgião dentista conforme podemos ver na tabela 1:

5 PESQUISA DE QUALIDADE DE VIDA 2013 PÁGINA 5 Tabela 1 Evolução da população ribeirão-pretana e da quantidade de profissionais no setor de saúde. Ribeirão Preto Pop RP Totais Funcionários Totais Médicos Totais Enfermeiros Total Cirurgião Dentista e ACD * Fonte: SEADE / Secretaria Municipal de Saúde de Ribeirão Preto, dez/2013. Dados de 2013 referem-se à média dos dois primeiros quadrimestres. Tais números demonstram que houve redução do efetivo de funcionários nesse importante setor da sociedade. Em 2009 tínhamos um funcionário para cada 150,8 habitantes. Essa mesma relação passou a ser de um funcionário para cada grupo de 186,2 pessoas em Em relação aos médicos, enfermeiros e cirurgiões dentistas e ACD, a relação passou de um médico para cada grupo de 907,8 pessoas em 2009 para um médico para cada grupo de 1.042,8 pessoas em 2013; um enfermeiro para grupo de 2.248,9 pessoas em 2009 para um enfermeiro para cada grupo de 2.422,5 pessoas em 2013; e um cirurgião dentista e ACD para cada grupo de 1.890,8 pessoas em 2009 para um cirurgião e ACD para cada grupo de 2.012,3 pessoas em No setor de Saúde, a medida em que a população cresce, aumenta a necessidade de contratar profissionais especializados. Ocorre que sabemos que muitas pessoas tem plano de saúde e, do total da população, muitas pessoas não acessam os serviços de saúde pública. Portanto, para termos uma noção mais exata da necessidade de se investir em saúde na medida em que a população cresce, da tabela 1, vamos excluir a parte da população que tem plano de saúde, conforme podemos verificar na tabela 2: Tabela 2 Evolução da população ribeirão-pretana e da quantidade de profissionais no setor de saúde. Ribeirão Preto Pop RP (1) Pop PS (2) Pop Liq (1-2) Médicos Enfermeiros * Fonte: SEADE / Secretaria Municipal de Saúde de Ribeirão Preto, dez/2013. Dados de 2013 referem-se à média dos dois primeiros quadrimestres. Os dados da tabela 2 mostram que em 2009 existiam um médico a cada grupo de 536 pessoas que não tem plano de assistência médica. Em 2013, essa relação passou a ser de um médico para cada grupo de 575,6 pessoas. Em relação aos enfermeiros, em 2009 era um enfermeiro para cada grupo de 1.327,8 pessoas, relação essa que passou a ser em 2013 de um enfermeiro para cada grupo de 1.337,2 pessoas. Se considerarmos a existência de uma população flutuante no entorno da cidade e que parte dessas pessoas acessam os serviços de saúde pública na cidade de Ribeirão Preto, o problema se torna mais grave. Na avaliação dos serviços de saúde, a estagnação da nota dos usuários nos últimos anos justifica-se devido à queda do número de profissionais qualificados disponíveis para atendimento.

6 PÁGINA 6 PESQUISA DE QUALIDADE DE VIDA 2013 Portanto, quando analisamos a nota da saúde pública dentre os dez itens de serviços qualificados pela população, entendemos que há a necessidade de alocação de recursos em profissionais que atendam as necessidades do povo para que haja melhoria na avaliação das próximas pesquisas de Qualidade de Vida. Em relação a educação pública, há necessidade de qualificação dos serviços prestados, segundo avaliação da população. Em relação a eficiência econômica do setor, se considerarmos a quantidade de alunos que são atendidos no ensino infantil, fundamental e médio na administração municipal, temos um gasto médio por aluno em 2011 e 2012 conforme tabela 3: Tabela 3 Evolução do gasto médio com alunos na rede pública municipal nos anos de 2011 e 2012 na cidade de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto Infantil* (R$) Fundamental (R$) Médio (R$) ,46 6,553, , , , ,32 Fonte: SIOPE Sistema de Informações sobre orçamentos públicos em Educação, dez/2013 FNDE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Ministério da Educação. *Custo proporcional a Pré-Escola. Esse valor médio de gasto em relação à quantidade de alunos que são atendidos faz com que haja despesa total crescente, de acordo com a obrigação constitucional de se investir um percentual mínimo na educação e na medida em que quantidade de alunos atendidos cresce, refletindo o aumento da necessidade da população carente. De A tabela 4 mostra a evolução da quantidade de alunos atendidos e o total da despesa por fase de ensino: Tabela 4 Evolução do número de alunos atendidos e do gasto total com alunos na rede pública municipal nos anos de 2011 e 2012 na cidade de Ribeirão Preto Ribeirão Preto Alunos Despesas (R$ mi) Alunos Despesas (R$ mi) Infantil Pré-Esc , ,59 Fundamental , ,80 Médio 163 0, ,76 Fonte: SIOPE Sistema de Informações sobre orçamentos públicos em Educação, dez/2013 FNDE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Ministério da Educação / Secretaria Municipal de Educação, dez/2013. Em Ribeirão Preto, o gasto médio com aluno da rede pública municipal aumentou em 16,4%, 16,6% e 19,3% nos ensino Infantil (Pré- Escola), Fundamental e Médio de 2011 para Porém, se fosse possível atender todas essas crianças e adolescentes através de escolas privadas, considerando que a iniciativa privada atua no setor visando o lucro, teríamos um valor de receita possível de ser alcançada pelas escolas particulares, que significaria aumento do lucro da rede privada e nos daria uma noção de eficiência do setor público em relação às despesas médias que são gastas em cada nível de ensino. Portanto, o que demonstraremos a partir de agora através de metodologia desenvolvida pelo Professor Doutor Valmor Slomski da FEA-USP é que nem sempre há eficiência econômica na aplicação dos recursos pela administração pública e que, guardadas as devidas limitações da análise, há necessidade de melhorias na gestão dos recursos aplicados na educação pública municipal. A partir das pesquisas de preços do IPC-ACIRP-FIPE (Índice de Preços ao Consumidor) desenvolvidas pela Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto temos acesso aos valores médios aplicados no mercado em relação ao valor das mensalidades das escolas particulares.

7 PESQUISA DE QUALIDADE DE VIDA 2013 PÁGINA 7 Esses valores nos dão um parâmetro importante do que seria um valor médio de mensalidade que estaria acessível à população carente, caso essa tivesse condições de investir na educação dos seus filhos. Portanto, para os anos de 2011 e 2012, aplicamos a média da mensalidade privada ao total de alunos matriculados no ensino público municipal e temos um valor de receita econômica que confrontado com o valor total de despesas na educação publica nos dá um parâmetro de eficiência do ensino nos seus diversos níveis. A tabela 5 nos mostra tais montantes para os anos de 2011 e 2012: Tabela 5 Análise de Rentabilidade do gasto com alunos na rede pública municipal no setor de Educação nos anos de 2011 e 2012 na cidade de Ribeirão Preto Ribeirão Preto Infantil 2011 Infantil 2012 Fundamental 2011 Fundamental 2012 Médio 2011 Médio 2012 Custo Aluno (R$ mi) 3,59 4,17 6,55 7,64 4,80 5,72 Quantidade Aluno Mensalidade 377,00 423,47 558,30 608,14 875,34 921,04 Receita Econômica (R$ mi) 41,30 53,07 137,80 150,65 1,71 1,46 (-) Custos (R$ mi) 32,74 43,59 134,79 157,80 0,78 0,76 Resultado Econômico (R$ mi) +8,56 +9,48 +3,01-7,14 +0,93 +0,70 Fonte: SIOPE Sistema de Informações sobre orçamentos públicos em Educação, dez/2013 FNDE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Ministério da Educação / Secretaria Municipal de Educação, dez/2013. Essa análise é uma aproximação (Proxy) da metodologia criada pelo Professor Doutor Valmor Slomswi FEA/USP. Como não temos os custos fixos e variáveis das despesas com alunos, à estimativa foi feita em cima do total da despesa média com alunos, o que pode constituir-se em algum grau de arbitrariedade em relação à formação dos itens de custo na despesa total. Porém, essa análise trás um parâmetro de rentabilidade da atividade, caso os alunos fossem atendidos pela iniciativa privada, o que funciona como um indicador de eficiência. Analisando os resultados obtidos, verifica-se que economicamente falando, somente no ensino infantil teríamos uma elevação do resultado liquido de 2011 para 2012 de R$8,56 milhões para R$9,48 milhões. Porém, mesmo nessa base de comparação, a rentabilidade seria menor, passando de 20,7% em 2011 para 17,86% em Para o ensino fundamental, tivemos o pior resultado passando de R$3,01 milhões em 2011 para R$7,14 milhões em Isso significa que a rentabilidade saiu de 2,18% em 2011 para -4,74% em Portanto, com essa estrutura de custos do ensino fundamental, a iniciativa privada teria prejuízo no investimento nesse nível de ensino em Para o ensino médio, o resultado seria de R$0,93 milhões em 2011 e de R$0,70 milhões em 2012, com a rentabilidade passando de 54,39% em 2011 para 47,95% em As despesas com a área de educação nos ensinos infantil, fundamental e médio na rede pública municipal evoluíram mais do que o reajuste das mensalidades das escolas particulares, comparando os anos de 2011 com Fred Guimarães Economista ACIRP CORECON/SP nº (016) Ramal 8023

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2014 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 2ª Fase ACIRP

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 2ª Fase ACIRP Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 2ª Fase ACIRP Núcleo de Economia Qualidade de Vida Ribeirão Preto December 17, 2015 Resultados em 2015: A 2ª fase da Pesquisa de Qualidade de Vida, organizada pela ACIRP

Leia mais

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP

Pesquisa de Qualidade de Vida 2015 ACIRP Pesquisa de Qualidade de Vida ACIRP Núcleo de Economia Qualidade de Vida Ribeirão Preto November 19, Resultados em : A Pesquisa de Qualidade de Vida da Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto

Leia mais

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 1 BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 Antônio Eugênio Cunha* O brasileiro vai investir 13,5% a mais com educação em 2012 relativo ao ano anterior. Este é o levantamento divulgado

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS MARÇO DE 2014 JOB0402 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Avaliar a atual administração do município de Acopiara. Acopiara

Leia mais

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Avaliação do Serviço o de abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Pesquisa realizada entre 24 e 28 de Abril de 2010 Informações Metodológicas Tipo de pesquisa: Survey, utiliza-se de questionário

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço Gerenciamento de Custos Profª Karina Gomes Lourenço A EXPANSÃO DOS GASTOS NA SAÚDE (Nível Macroeconômico) Aumento da Demanda Incorporação de direitos universais de cobertura Mudanças na estrutura etária

Leia mais

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À Felisoni & Associados E AO PROVAR - Programa de Administração de Varejo da Fundação Instituto de Administração, instituição conveniada com a FEA/USP - é proibida a reprodução

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO GESTÃO PÚBLICA FERRAMENTAS DE GESTÃO PLANO DIRETOR INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO PERÍODO 20 ANOS INDICADORES MACRO ECONÔMICOS ESTUDOS DE CRESCIMENTO POPULACIONAL RENDA E EMPREGO EXPANSÃO URBANA

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO MARÇO DE 2012 JOB2178 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Entender como a população brasileira percebe questões relacionadas

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2014 Objetivo Metodologia Perfil da Empresa de Consultoria Características das Empresas Áreas de Atuação Honorários Perspectivas e Percepção de Mercado

Leia mais

Pesquisa de Orçamento Doméstico

Pesquisa de Orçamento Doméstico Fonte: Sistema Fecomércio MG EE A Pesquisa de Orçamento Doméstico de Belo Horizonte é um balizador do comportamento das famílias, relativo aos seus compromissos correntes e financeiros. A falta de planejamento,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

As perspectivas do mercado para os hospitais

As perspectivas do mercado para os hospitais As perspectivas do mercado para os hospitais Yussif Ali Mere Jr Presidente da Federação e do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP e SINDHOSP) 1. CONTEXTO 2.

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

METODOLOGIA & PERFIL

METODOLOGIA & PERFIL Maio2010 JOB 100283 METODOLOGIA & PERFIL Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral Levantar um conjunto de informações

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Centro de Iniciação ao Esporte Gestão de Equipamento Esportivo

Centro de Iniciação ao Esporte Gestão de Equipamento Esportivo Centro de Iniciação ao Esporte Gestão de Equipamento Esportivo SNEAR/ME DEZ/14 Objetivo: orientar os entes selecionados a desenvolver o Plano de Gestão. IMPORTÂNCIA PLANO DE GESTÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

Leia mais

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR

PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO: UM ESTUDO DE CASO DA MÜNCHEN FEST PONTA GROSSA - PR 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PESQUISA DE DEMANDA E PLANEJAMENTO:

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS E TRIBUTAÇÃO MARÇO/2011

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS E TRIBUTAÇÃO MARÇO/2011 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS E TRIBUTAÇÃO MARÇO/2011 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade Diretoria Executiva

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS Equipe Técnica o o o o Prefeito Municipal Luiz Goularte Alves Secretaria Municipal

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 01 janeiro de 2014 www.cni.org.br Intenção de investimentos para 2014 é a menor desde 2010 Investimentos em 2013

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota Acompanhamento do Carno Informação da Saú Suplementar 1. Informações Gerais Em 2009, após um semestre quase estagnação, o número planos saú cresceu 4,9%. Essa é uma taxa muito expressiva consirando

Leia mais

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3 3 Indicadores de Resultados da gestão comercial Série Indicadores Essenciais Volume 3 Gestão Comercial de Alta Performance Clique abaixo e saiba como podemos colaborar com o desenvolvimento de sua equipe.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Atualizado por Danusa em Nov/2007 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Para organizar um serviço local de atenção à saúde é necessário que o administrador, coordenador, gerente

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Pessoas com deficiência em Uberlândia

Pessoas com deficiência em Uberlândia Pessoas com deficiência em Uberlândia Na década de 1980, questões relativas às pessoas com deficiência começaram a ser contempladas nas políticas públicas. De lá para cá, houve avanços. Existe uma legislação

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A ILHABELA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A ILHABELA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A ILHABELA SETEMBRO DE 2008 JOB796 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Levantar junto à população da área em estudo opiniões relacionadas à Ilhabela. Ilhabela

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 15 Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 1. Competências de Estados e Municípios e os investimentos em educação no País O sistema educacional

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 Realização: Elaboração: Premissas A Percepção do Cliente Qualidade do e das instalações, Acesso Relacionamento com o Setor (expectativas) Apoio do SindusCon-SP Objetivos Explicitar

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF GOIÂNIA - GO JULHO/2014 SUMÁRIO Série histórica do ICF... 3 Resultado do ICF... 4 Situação do emprego... 5 Perspectiva profissional... 6 Situação de renda... 7 Acesso

Leia mais

MUNICÍPIO - UBATUBA PLANO PLURIANUAL 2014-2017 ANEXO I - Planejamento Orçamentário - PPA: Fontes de Financiamento dos Programas Governamentais

MUNICÍPIO - UBATUBA PLANO PLURIANUAL 2014-2017 ANEXO I - Planejamento Orçamentário - PPA: Fontes de Financiamento dos Programas Governamentais MUNICÍPIO - UBATUBA PLANO PLURIANUAL 2014-2017 ANEXO I - Planejamento Orçamentário - PPA: Fontes de Financiamento dos Programas Governamentais Valores em R$ mil % S/ 2014 2015 2016 2017 TOTAL TOTAL DIRETA

Leia mais

Avaliação da Lucratividade da Rede de Unidades Lotéricas - 2009

Avaliação da Lucratividade da Rede de Unidades Lotéricas - 2009 Avaliação da Lucratividade da Rede de Unidades Lotéricas - 2009 Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Caixa Econômica Federal Novembro/2010 Objetivos da avaliação de lucratividade das Unidades

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito CARIACICA-ES ABRIL DE 2011 FACULDADE ESPÍRITO SANTENSE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Pesquisa direcionada a alunos egressos dos cursos

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 3 Março de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Piora na situação financeira é

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

Metodologia e Amostra

Metodologia e Amostra Metodologia e Amostra 1. Estimativa de Investidores Pessoas Físicas 1.000 entrevistas telefônicas com população brasileira de 18 anos ou mais das classes ABC Margem de erro amostral máxima estimada para

Leia mais

3a. Pesquisa Anual Comunicação por Atitude nas Maiores Empresas do Brasil. realização:

3a. Pesquisa Anual Comunicação por Atitude nas Maiores Empresas do Brasil. realização: www.significa.com.br 3a. Pesquisa Anual Comunicação por Atitude nas Maiores Empresas do Brasil 2006 realização: Método e amostra Pesquisa quantitativa Entrevistas telefônicas Questionário estruturado Período

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ZENITH FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 04.787.

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ZENITH FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 04.787. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ZENITH FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Informações referentes à Julho de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais:

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais: Sumário 1 A pirâmide social brasileira: uma mudança à vista?...4 Renda familiar e renda disponível: as classes DE chegam ao ponto de equilíbrio...10 3 As aspirações e os desejos de consumo do brasileiro...18

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS 1 A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS A importância dos cuidados com as crianças na primeira infância tem sido cada vez mais destacada

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Pesquisa de opinião pública nacional P01*. Gostaria de saber se em sua cidade, os prédios públicos estão adaptados à suas necessidades como pessoa

Leia mais

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Objetivo da Pesquisa Coletar informações para diagnosticar a demanda dos jovens das Comunidades Real Parque e Jardim Panorama, quanto

Leia mais

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil. Pesquisa de opinião pública nacional Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Pesquisa de opinião pública nacional Metodologia A população considerada é a população de pessoas com deficiência, com 16 anos, cadastradas no Instituto

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL-FHA. Apresentação

MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL-FHA. Apresentação Av. São Paulo 3996 Vila Rosário Ibirité MG CEP:32400-000 Telefone: (31) 3521-9540- Fax: (31) 3521-9534 www.fundacaohantipoff.mg.gov.br MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS DIAS E ANOS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS DURANTE A VIDA DO BRASILEIRO

ESTUDO SOBRE OS DIAS E ANOS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS DURANTE A VIDA DO BRASILEIRO ESTUDO SOBRE OS DIAS E ANOS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS DURANTE A VIDA DO BRASILEIRO GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL VIGGIANO EM 2008 BRASILEIRO NASCE CONDENADO

Leia mais

MÉTODO DE FLUXOS DE CAIXA LIVRES DO PASSADO Uma nova ferramenta para calcular o valor da sua empresa

MÉTODO DE FLUXOS DE CAIXA LIVRES DO PASSADO Uma nova ferramenta para calcular o valor da sua empresa MÉTODO DE FLUXOS DE CAIXA LIVRES DO PASSADO Uma nova ferramenta para calcular o valor da sua empresa O que é o Fluxo de Caixa Livre (FCL)? Qual as semelhanças e diferenças entre o FCL e o FCD (Fluxo de

Leia mais

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios?

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? O que prevê a legislação e qual tem sido a participação estadual, municipal e privada na oferta de educação básica no RJ? Nicholas Davies, prof.

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

TRF 3 e JF COM SIGNIFICATIVO SALDO

TRF 3 e JF COM SIGNIFICATIVO SALDO TRF 3 e JF COM SIGNIFICATIVO SALDO ORÇAMENTO SEM DESPESAS DE PESSOAL 1 Em 04 de agosto de 2013, do orçamento deste ano, havia saldos significativos em vários Projetos/Atividades 2, tanto do TRF da 3ª.

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Aula Escrita Gestão de Custos

Aula Escrita Gestão de Custos Aula Escrita Gestão de Custos Uma das maiores dificuldades da precificação baseada em custo é o próprio cálculo do custo propriamente dito. A contabilidade possui basicamente dois modelos: absorção e variável.

Leia mais

(Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) Estado: Pacífico. (6) Pessoa para contato (caso seja diferente da indicada no item (5)).

(Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) Estado: Pacífico. (6) Pessoa para contato (caso seja diferente da indicada no item (5)). ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) 1. Requerente (1) Organização: Associação ABC de Amparo à Criança

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal Nº 20080701 Julho -

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade. Diretoria Executiva - DIREX

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade. Diretoria Executiva - DIREX Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente em Exercício: Robson Braga de Andrade Diretoria Executiva - DIREX Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor de Operações: Rafael

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS 10 QUESTÕES

CONHECIMENTOS GERAIS 10 QUESTÕES CONHECIMENTOS GERAIS 10 QUESTÕES 01. São palavras oxítonas: a) Repórter e Tórax b) Júri e Táxis c) Túnel e Hífen d) Manacá e Marajás 02. Marque a frase com erro de concordância nominal: a) Ele próprio

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E DE MARKETING

GESTÃO FINANCEIRA E DE MARKETING GESTÃO FINANCEIRA E DE MARKETING Superando Desafios em Ambiente Hipercompetitivo Marino Menossi Junior GESTÃO EDUCACIONAL GESTÃO EDUCACIONAL DESAFIOS DO SEGMENTO EDUCACIONAL 1o. INOVAÇÃO E REPOSICIONAMENTO

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Indicadores de Percepção da Cidade de São Paulo JANEIRO DE 2009

Indicadores de Percepção da Cidade de São Paulo JANEIRO DE 2009 Indicadores de Percepção da Cidade de São Paulo JANEIRO DE 2009 1 Recortes por região e renda familiar 2 Pertencimento à cidade de São Paulo Numa escala de 1 a, em que 1 significa que para você a cidade

Leia mais