Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST"

Transcrição

1 SUMÁRIO Histórico das Alterações Condições Gerais Condições de Admissão e Visão Geral do Processo Abertura de Processo do Selo de Processo Técnico Certificação Processo Técnico Análise de concessão do Selo Processo Técnico Análises Periódicas de Manutenção Uso do Selo de Alterações de Escopo Processo Administrativo, Penalidades e Multas Revisões e Alterações deste documento Pág. 1

2 Histórico das Alterações Nº Revisão Data de alteração Emissão inicial do documento. Sumário das Alterações Pág. 2

3 1 Condições Gerais 1.1 Este Regulamento tem por objetivo estabelecer normas e condições para obtenção e utilização do direito ao uso do Selo de e respectivo Certificado, privativo dos associados da ABRAVEST. 1.2 A autorização para o uso do Selo de provém da adesão espontânea das associadas da ABRAVEST que manifestarem a disposição de adotar as regras estabelecidas neste regulamento, e destina-se a atestar a conformidade dos produtos das associadas às normas de referência utilizadas pela ABRAVEST. 1.3 Todos os dados gerados a partir do Selo de são de propriedade da ABRAVEST, não podendo ser utilizados sem autorização por escrito da ABRAVEST. O Selo deve ser usado estritamente dentro do escopo descrito neste regulamento. 1.4 O Selo de compreende um Certificado de Conformidade (impresso, assinado pela Gerenciadora e pela ABRAVEST) e um Selo (meio digital, em formato de imagem em alta resolução). O Selo destina-se à aplicação nas etiquetas dos produtos, conforme item 7 deste regulamento. O Certificado destina-se à aplicação em materiais institucionais, conforme descrito no item 7 deste regulamento. 1.5 O Selo de atesta que a associada certificada está de acordo com as especificações definidas na Norma de Referência. 1.6 A ABRAVEST manterá em seu site a lista atualizada das associadas certificadas e respectivas linhas ou famílias de produtos. 1.7 A Gerenciadora manterá sigilo e confidencialidade, independentemente do resultado, para as associadas em processo de obtenção ou Manutenção do Selo de Qualidade ABRAVEST. 1.8 A ABRAVEST não assume responsabilidade sobre eventuais exigências legais aplicadas por clientes da associada detentora do Selo de ou terceiros. 1.9 A associada que adere ao Selo de se compromete a seguir as regras do regulamento técnico e da norma de referência A associada que adere ao Selo de tem consciência de que todos os documentos de referência do Selo poderão ser revisados e alterados a qualquer momento, e que as eventuais alterações que afetarem a associada terão prazo de implantação definido caso a caso pela Comissão de Certificação ABRAVEST A ABRAVEST, Gerenciadora e Laboratório não poderão ser responsabilizados pelo associado pela atuação conforme os termos deste regulamento, por motivos de relação indireta ao regulamento, como por exemplo, mas não se limitando, a: qualquer tipo de representação, expectativa do associado com terceiros em relação à Certificação ou sua suspensão ou retirada de certificado; perdas de negócio do associado em decorrência dessa condição, incluindo perdas, danos e lucros cessantes; indenizações que a associada venha a pagar a terceiros, geradas por fato do produto ou associada certificada. Enfim, são inimputáveis à ABRAVEST, Gerenciadora e Laboratório qualquer responsabilidade que não decorra de sua comprovada culpa, assim definida nos termos da lei relativamente às respectivas obrigações contratuais Na remota hipótese de a ABRAVEST, a Gerenciadora e o Laboratório virem a sofrer Pág. 3

4 qualquer ação proposta por clientes finais e/ou consumidores lesados em decorrência da má-atuação da associada, a associada deverá integrar o processo via denunciação da lide ou chamamento ao processo (artigo 70, II, do Código de Processo Civil) e envidará todos os esforços para defender a ABRAVEST, a Gerenciadora e o Laboratório nessa causa, arcando a associada com todos os custos dela decorrentes, abrangendo toda e qualquer verba ou indenização, custas e despesas judiciais e honorários advocatícios que a ABRAVEST, a Gerenciadora e o Laboratório tenham eventualmente que pagar. Em não o fazendo fica assegurado que a ABRAVEST, a Gerenciadora e o Laboratório terão direito de regresso contra a associada em virtude de eventuais valores que venham a desembolsar por fato ou falhas do produto comercializado pela associada proveniente de sua má conduta. 2 Condições de Admissão e Visão Geral do Processo 2.1 O interessado no Selo de deve comprovar que possui, em perfeita ordem, os documentos e práticas exigidas pela Norma de Referência. 2.2 O interessado assegura, seja diretamente, seja por intermédio de auditores, o acesso às suas instalações, produtos, documentos, informações sobre pontos de venda do produto, informações sobre clientes da empresa associada e registros pertinentes para as verificações que se fizerem necessárias ao fiel cumprimento deste regulamento e da norma de referência. 2.3 É condição para que o interessado possa aderir ao Selo que esteja em situação de adimplência junto à ABRAVEST. 2.4 A associada que tenha utilizado o Selo de sem autorização só poderá apresentar novo pedido de adesão após prazo definido pela ABRAVEST, caso a caso. Os casos de uso não autorizado do Selo de serão submetidos ao Departamento Jurídico da ABRAVEST. 2.5 As partes envolvidas no processo de certificação são as seguintes: - Associada: associada à ABRAVEST. - ABRAVEST: Associação Brasileira do Vestuário. A Secretaria Executiva da ABRAVEST é a instância formal para relacionamento oficial com a Gerenciadora e Laboratório, e responsável pelas seguintes atribuições: Atendimento e assessoria às associadas em processo de adesão que não desejam manter o sigilo de seu interesse no Selo; Assessoria técnica às associadas em qualquer fase do processo de certificação, desde que estas abdiquem de seu direito de sigilo; Comunicação formal às associadas de assuntos relativos à Certificação, tais como, envio de certificados, emissão de cartas de advertência ou avisos, liberação ao uso do Selo de ; Encaminhamento de cartas emitidas pela Gerenciadora, como certificação, Manutenção, etc.; Esclarecimento de dúvidas relativas à forma de aplicação das logomarcas do Selo. - Comissão de Certificação ABRAVEST, do qual fazem parte membros indicados pela Pág. 4

5 própria ABRAVEST. A Comissão é responsável pelas seguintes atribuições: Aprovação dos documentos do Selo (Regulamento e Norma de Referência); Deliberação das certificações e renovações com base nos resultados do processe de Certificação apresentados de forma compilada e sigilosa pela Gerenciadora; Instância formal para solução de pendências e apelações das associadas em processo de certificação ou Manutenção do Selo. - Gerenciadora Instituto Totum: organismo de certificação credenciado pela ABRAVEST para realização das atividades de gerenciamento do Programa, mantendo sigilo sobre a identidade das associadas na fase de certificação para garantia de isenção da ABRAVEST no processo. Cabe ao Instituto Totum: Atendimento às associadas em processo de certificação e já certificadas no Selo de ; Esclarecimento de dúvidas referentes aos procedimentos operacionais do Selo de ; Realização da abertura dos processos de Certificação, Manutenção e seu acompanhamento, junto às associadas que aderiram ao Selo de Qualidade ABRAVEST ; Comunicação à Comissão de Certificação ABRAVEST sobre os resultados da conformidade para deliberação final. - Laboratório: IBV - Instituto Brasileiro do Vestuário: organismo responsável pela análise técnica dos produtos da empresa em relação aos requisitos da Norma de Referência. Cabe ao IBV: Contatar as empresas que demonstraram interesse no Selo; Instruir a empresa a respeito do envio de amostras significativas de seus produtos para fins de teste; Realizar os testes conforme Norma de Referência e geração de laudos conclusivos a respeito da conformidade dos produtos da empresa; Participação como apoio técnico especializado nas reuniões da Comissão de Certificação. Pág. 5

6 3 Abertura de Processo do Selo de 3.1 Ao solicitar a adesão ao Selo, a associada deverá preencher o Termo de Adesão fornecido pela ABRAVEST ou Gerenciadora, indicando a linha de produtos ou família de produtos em que deseja a Certificação. Os critérios de atendimento para cada tipo de produto constam da norma de referência, disponível para acesso público no site da ABRAVEST 3.2 A Gerenciadora enviará modelo de contrato de adesão e recolherá o aceite formal da associada. 3.3 O contrato de adesão prevê o pagamento de taxas de Certificação à ABRAVEST. No momento da adesão, a empresa pagará o valor único calculado por meio da seguinte fórmula: (quantidade mensal de produtos a serem selados) x (R$ 0,05). 3.4 Findo o processo e obtida a Certificação, a empresa pagará a quantia mensal calculada pela seguinte fórmula: (quantidade mensal de produtos selados) x R$ 0, Para as cláusulas 3.3 e 3.4, será considerada como verdadeira a informação declarada pela própria empresa, porém a empresa concorda em, caso seja solicitada, fornecer informações que comprovem os números declarados e franquear acesso aos auditores da Gerenciadora para verificações necessárias. 3.6 Uma vez assinado o contrato, a Gerenciadora abrirá formalmente o processo de certificação para concessão do Selo de. 3.7 A Gerenciadora enviará à associada o questionário preliminar referente à família de produtos e requisitos de infra-estrutura, e poderá esclarecer qualquer dúvida que a associada tenha sobre o processo. 3.8 De posse do questionário preliminar preenchido e caso esteja completo, a Gerenciadora fará uma análise crítica dos documentos e poderá esclarecer dúvidas junto à associada. Caso seja detectada alguma não-conformidade, caberá à Gerenciadora informar a empresa e fazer as atividades de acompanhamento. Somente será aberto o processo de Certificação na parte técnica após finalizada a avaliação dos requisitos de infraestrutura. 3.9 Quando houver não-conformidade em relação aos requisitos da norma de referência ou histórico anterior que justifique, a Gerenciadora, em conjunto com a Comissão de Certificação ABRAVEST, poderá estabelecer exigências adicionais antes da concessão do Selo de, acionando procedimento específico. 4 Processo Técnico Certificação 4.1 Uma vez aberto o processo, a Gerenciadora passará todas as informações da empresa para o Laboratório. Caso a empresa desejar e caso a empresa esteja disposta a bancar as despesas de traslados e hospedagem ao profissional do IBV, caberá ao IBV visitar as instalações da empresa para explicar as regras de qualificação. 4.2 Caberá ao Laboratório visitar a empresa (se praticável) e recolher as amostras referentes à família de produtos que a empresa deseja Certificar, conforme regras de amostragem da Norma de Referência. Pág. 6

7 4.3 A análise do Laboratório será com base em resultados de análises apresentados pela empresa e com base em testes realizados em suas instalações. 4.4 Caso os resultados dos testes não se enquadrem completamente nas especificações da norma de referência, uma lista de não-conformidades será apresentada à associada através de um relatório de testes. 4.5 No caso de não-conformidades consideradas graves pelo Laboratório (problemas detectados que impedem a concessão do Selo com base nos requisitos da norma de referência), a associada terá um prazo de 90 dias para a tomada de ações corretivas e apresentação das evidências de correção ao Laboratório. 4.6 Em caso de discordâncias entre o parecer do Laboratório e a associada, esta poderá enviar uma carta expondo os motivos da discordância no prazo máximo de 15 dias corridos, contados a partir do recebimento formal da informação de não atendimento ao Selo. A Gerenciadora levará o caso de forma codificada à Comissão de Certificação ABRAVEST para decisão. 4.7 Caso o prazo estipulado para correção das não-conformidades não seja cumprido pela associada, o processo de certificação será finalizado e a Gerenciadora encaminhará a recomendação de não concessão do Selo à Comissão de Certificação ABRAVEST, de forma codificada, para que seja feita a deliberação final. Caso a deliberação confirme a não concessão do Selo, a associada será comunicada da decisão e poderá solicitar a qualquer momento a nova abertura do processo de adesão, arcando com o trabalho e novos custos decorrentes. 4.8 Caso a associada envie as evidências de correção das não-conformidades dentro do prazo, ou caso os resultados dos testes tenham se enquadrado completamente em relação às especificações da norma de referência, caberá ao Laboratório emitir parecer conclusivo a respeito dos laudos. Adicionalmente, caberá ao Laboratório definir um plano de verificações para manutenção da Certificação. A Gerenciadora, ao receber parecer conclusivo e plano de verificações, deverá prosseguir com o processo de concessão do Selo de. 4.9 A Gerenciadora apresentará os relatórios e demais documentos de auditoria de forma codificada, contendo um parecer sobre o processo: recomendação ou não de concessão do Selo de. O parecer da Gerenciadora constitui uma recomendação técnica, baseada nas evidências dos testes de responsabilidade do Laboratório. A responsabilidade pela deliberação final do Selo de Qualidade ABRAVEST é da Comissão de Certificação ABRAVEST. 5 Processo Técnico Análise de concessão do Selo 5.1 A Comissão de Certificação ABRAVEST fará a análise cega dos processos finalizados de certificação e daqueles que possuam algum tipo de discordância ou características que a Gerenciadora considere importantes para decisão em relação à concessão do Selo. 5.2 Na Comissão de Certificação ABRAVEST, a deliberação será feita por maioria de votos. Caso algum membro tenha algum tipo de conflito de interesse, este deve se abster da votação. 5.3 A análise dos processos pela Comissão de Certificação ABRAVEST poderá ser realizada de forma virtual, por . Em caso de necessidade de esclarecimentos mais Pág. 7

8 detalhados ou sempre que solicitado pela Comissão, poderá ser realizada uma reunião ou uma conferência telefônica para esclarecimento das dúvidas. 5.4 O resultado da avaliação da Comissão de Certificação ABRAVEST será um aviso da deliberação à associada. 5.5 Em caso de aprovação da concessão, caberá à ABRAVEST enviar o Selo de Qualidade ABRAVEST à associada, uma vez que os dados deixam de ser codificados. O certificado e o Selo serão entregues à associada, com validade limitada e condicionada às avaliações periódicas de Manutenção do Selo de e à adimplência com a ABRAVEST. 5.6 O Certificado conterá as seguintes informações: - dados da associada - dados da Gerenciadora e Laboratório - dados da ABRAVEST - endereços dentro do escopo de certificação - linha de produto ou família de produtos certificada - data de validade do certificado - nº do certificado - data de emissão do certificado - versão da norma de referência utilizada 5.7 Em caso de associadas reprovadas, a informação será fornecida à associada pela Gerenciadora, a fim de se manter o sigilo. Essas associadas deverão reiniciar o processo de Certificação desde o início, conforme item 4 deste regulamento. 5.8 A Gerenciadora e a ABRAVEST manterão banco de dados completos das associadas que detêm o Selo de, e todas as decisões tomadas em relação às certificações serão registradas em atas da ABRAVEST. 6 Processo Técnico Análises Periódicas de Manutenção 6.1 Imediatamente após a concessão da Certificação, a Gerenciadora deverá coordenar a realização de novos testes dos produtos já Certificados, com o objetivo de manter a certificação. Os testes de manutenção têm como objetivo verificar se as condições que deram origem à certificação inicial continuam presentes e verificar as alterações introduzidas na associada e seus produtos que afetem o atendimento à norma de referência. 6.2 A qualquer momento, a Gerenciadora poderá solicitar da associada certificada: - informação a respeito dos pontos de venda dos produtos certificados - informação referente aos tecidos adquiridos (quantidades) - envio de produtos certificados para análises de manutenção - outras informações, a critério da Gerenciadora ou Comissão de Certificação. 6.3 Caso uma associada, já certificada em determinada linha de produtos, desejar ampliar seu escopo de Certificação para outras linhas, o procedimento para cada nova linha de produtos ou família de produtos será o mesmo da Certificação inicial. Pág. 8

9 6.4 Os resultados das análises de conformidade emitidos pelo Laboratório deverão ser enviados para a Gerenciadora. Esta deverá emitir um relatório informando se a associada continua se enquadrando às especificações da norma de referência, sem necessidade de aprovação da Comissão de Certificação, no caso de manutenção da Conformidade. 6.5 Caso os testes de manutenção se tornem inviáveis, por motivo causado exclusivamente pela associada, o fato será levado pela Gerenciadora à Comissão de Certificação ABRAVEST, para as medidas e penalidades cabíveis, previstas neste regulamento. 6.6 Caso a ABRAVEST ou Gerenciadora receba reclamações ou denúncias relativas à qualidade dos produtos já certificados ou uso inadequado do Selo, caberá à Gerenciadora coletar as informações pertinentes e submeter à análise pela Comissão de Certificação ABRAVEST. 7 Uso do Selo de 7.1 O uso do Selo de será autorizado ao associado sob as condições deste regulamento, devendo ser usado de forma impressa ou aposta à etiqueta de seus produtos. O Selo também poderá ser impresso nas embalagens dos produtos que são certificados, mediante aprovação prévia da ABRAVEST. 7.2 O Certificado emitido pela ABRAVEST poderá ser impresso nos materiais de promoção da associada, embalagens, displays, paredes, documentos comerciais, notas fiscais, homepage, sempre sujeitos à aprovação da ABRAVEST, para evitar divulgação de informação incorreta ao mercado. 7.3 O uso do Selo de é obrigatório para empresas que obtiveram a Certificação em suas linhas de produto. Logo após a Certificação, a ABRAVEST aceitará algum tipo de carência em função da existência de estoques de difícil identificação do Selo. 7.4 O Selo de não pode ser utilizado como comprovação de qualidade da empresa como um todo, dado que é um selo de comprovação de qualidade do produto. 7.5 A logomarca que caracteriza o Selo de não pode, em hipótese alguma, ser utilizada como marca de produto ou empregada na razão social ou nome fantasia da associada certificada. 7.6 A logomarca que caracteriza o Selo de não deve ser alterada graficamente sem a concordância, por escrito, da ABRAVEST. Somente as dimensões podem ser alteradas, mantendo a proporção, desde que a logomarca seja mantida legível. 7.7 O Selo de só poderá ser utilizado pela associada que tenha Certificado dentro do prazo de validade, sempre dentro do escopo avaliado e a partir da data definida no Certificado. 7.8 A associada certificada não deve confundir o usuário final em relação à sua Certificação. Em publicações de responsabilidade da associada, esta deve sempre identificar a linha de produtos que possui a Certificação. 7.9 O uso do Selo de é restrito às associadas autorizadas, e o direito Pág. 9

10 de uso deste não deve ser transferido para terceiros, substitutos ou outros, nem ser objeto de cessão ou aquisição A autorização de uso do Selo de não poderá ser transferida ou concedida a terceiros, salvo continuação de uso por sucessão Suspensa ou cancelada a autorização de uso do Selo de, a associada se obriga a cessar, imediatamente, toda e qualquer publicidade ou divulgação que tenha relação com o Selo, retirando todas as citações e identificações no prazo de 30 dias. 8 Alterações de Escopo 8.1 No caso de alteração no escopo de Certificação da associada que implique a alteração dos dados do Certificado e produtos, torna-se obrigatória a comunicação das alterações à Gerenciadora, de forma imediata. A Gerenciadora analisará criticamente o conteúdo da alteração e decidirá pela alteração do Certificado mediante novos testes, pedido de documentos ou outra ação convalidada pela Comissão de Certificação ABRAVEST. 8.2 Todas as alterações serão comunicadas pela Gerenciadora à Comissão de Certificação ABRAVEST. 9 Processo Administrativo, Penalidades e Multas 9.1 Serão consideradas infrações à autorização para uso do Selo de : a) Não atendimento à norma de referência e regulamento; b) Uso do Selo de de forma não autorizada; c) Veiculação de publicidade em desacordo com os critérios estabelecidos no regulamento; d) Prestação de falsas informações ou sua ausência (omissão). 9.2 As decisões relativas às penalidades e infrações ao Selo de são tomadas pela Comissão de Certificação ABRAVEST, e as medidas punitivas podem ser: advertência simples, advertência com pedido de ajustamento de conduta, suspensão da certificação, cancelamento da certificação. 9.3 Caso a associada tenha algum tipo de discordância quanto à natureza da decisão/penalidade, poderá acionar a Comissão de Certificação ABRAVEST. O prazo para interposição de recurso em relação à decisão da Comissão de Certificação ABRAVEST é de 15 dias, a partir da comunicação da penalidade. 9.4 A Comissão de Certificação ABRAVEST é soberana para tomada de decisões no processo de certificação e manutenção das associadas. 9.5 Para efeito deste regulamento, as infrações capituladas no item 9.1 acima são consideradas a partir da data da concessão do Selo de. 9.6 A Gerenciadora (por mandato da Comissão de Certificação ABRAVEST ou da ABRAVEST) poderá divulgar as sanções, indicando suas razões ou causas. 9.7 Na hipótese de ser suspenso ou cancelado o uso do Selo de, a Gerenciadora efetuará todas as verificações e medidas necessárias para assegurar a não Pág. 10

11 continuidade indevida de sua utilização. A associada terá o prazo de máximo de 30 dias para retirar de circulação (mesmo dentro de suas instalações) todos os materiais e informações que ostentem o Selo de, ficando sujeita a penalidades previstas, no caso de não cumprimento. 9.8 Encerrado o Processo Administrativo, não cabendo mais recurso, e aplicada pena de suspensão ou a de cancelamento do Selo de, a associada se obriga a cessar a sua utilização imediatamente, após tomar conhecimento daquela decisão, se obrigando a Associada a remeter à ABRAVEST o respectivo certificado no prazo máximo de 30 dias. 9.9 O uso indevido do Selo de, cuja utilização esteja suspensa, acarretará o agravamento de penalidades A Comissão de Certificação ABRAVEST poderá instaurar Processo Administrativo para verificação da ocorrência de infrações ao Selo de, a qualquer tempo, mediante constatação de irregularidades, denúncias, ou solicitação de qualquer de seus membros É assegurado à associada certificada no Selo de o direito de defesa junto à Comissão de Certificação ABRAVEST, nos processos que forem instaurados relativos às infrações previstas em Regulamento A aplicação de sanções pela ABRAVEST ou pela Comissão de Certificação ABRAVEST será precedida de notificação à parte interessada, que poderá apresentar a sua defesa, no prazo de 15 dias, contados da data do recebimento da notificação Decorrido o prazo referido no item anterior, se não houver manifestação da parte, esta perderá o direito à defesa, presumindo-se como aceito o resultado das avaliações iniciais A defesa deverá ser apresentada por escrito à ABRAVEST ou à Comissão de Certificação ABRAVEST através de seus representantes legais ou procuradores. 10 Revisões e Alterações deste documento 10.1 Qualquer proposta de alteração significativa deste regulamento ou da norma de referência será elaborada pela Gerenciadora ou Laboratório e aprovada pela Comissão de Certificação ABRAVEST. Mudanças na forma ou conteúdo que não alterem de modo significativo o Programa podem ser feitas diretamente pela Gerenciadora, validadas pela Secretaria da ABRAVEST e aprovadas ad referendum pela Comissão de Certificação ABRAVEST O presente regulamento é o instrumento principal da autorização para o uso do Selo de, constituindo-se em documento de adesão, como comprovação de sua anuência a todos os seus dispositivos Os casos omissos deste regulamento serão resolvidos no âmbito da Comissão de Certificação ABRAVEST. Pág. 11

Regulamento técnico do Selo de Certificação de Boas Práticas em Teletrabalho

Regulamento técnico do Selo de Certificação de Boas Práticas em Teletrabalho Sumário Histórico das Alterações... 2 1 Condições Gerais... 3 2 Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 5 3 Abertura de Processo do Selo de... 7 4 Processo Técnico Auto avaliação Inicial (Certificação)...

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE AUTO- REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO PROBARE (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE AUTO- REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO PROBARE (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE AUTO- REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO PROBARE (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação Brasileira

Leia mais

Regulamento Técnico do Programa Cafés Sustentáveis do Brasil

Regulamento Técnico do Programa Cafés Sustentáveis do Brasil Controle de alterações Revisão Data Descrição 00 24/10/06 Emissão inicial 01 29/11/06 Revisão geral Item 3.4 inclusão da sistemática de avaliação amarelo médio 02 14/02/07 Item 5.9 alteração dos meses

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas e condições

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO O presente Regulamento institui a normatização adotada pelo Conselho

Leia mais

Regulamento Técnico do Programa do Selo de Pureza ABCB

Regulamento Técnico do Programa do Selo de Pureza ABCB ÍNDICE 0. Condições Gerais... 2 1. Da admissão ao Programa do Selo de Pureza ABCB... 4 2. Abertura de procedimento para adesão ao Programa do Selo de Pureza ABCB... 5 3. Procedimento Técnico: avaliação

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE AGENTES DE CRÉDITO ANEPS

CONTRATO DE ADESÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE AGENTES DE CRÉDITO ANEPS 1 Apresentação ANEPS Fundada em 17 de agosto de 2001, a Associação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços (ANEPS) tem pautado sua atuação pela defesa do desenvolvimento e da organização do segmento,

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

Histórico das Revisões

Histórico das Revisões PSQM-DO-007 05 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/15 Histórico das Revisões Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica/Aprovação Data 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade Executivo

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CERTIFICAÇÃO NO SELO DE QUALIDADE ABESE

PASSO A PASSO PARA CERTIFICAÇÃO NO SELO DE QUALIDADE ABESE PASSO A PASSO PARA CERTIFICAÇÃO NO SELO DE QUALIDADE ABESE O Selo ABESE possui duas categorias: Selo Adesão e Selo Pleno. Para conferir detalhes sobre cada categoria, favor consultar a Norma Técnica do

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS MANUAL DO CANDIDATO

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS MANUAL DO CANDIDATO CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS MANUAL DO CANDIDATO O presente Manual integra o conjunto de orientações voltadas

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE ESTRUTURA DESTE DOCUMENTO: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Nº da Revisão Histórico das Alterações 0 Emissão inicial aprovada.

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 058/2012 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE O Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES LOCADOR: Obra24horas Soluções Web para Engenharia Ltda., com sede na Rua Formosa, 75 1º andar

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP, nos termos do Convênio

Leia mais

REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO

REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO ACORDO DE PARCERIA ENTRE A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO I INTRODUÇÃO Art. 1º. A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA), organizada pela UNIFAL MG, é um

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

TERMO DE ADESÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERMEDIAÇÃO

TERMO DE ADESÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERMEDIAÇÃO TERMO DE ADESÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERMEDIAÇÃO São partes deste Instrumento, VAIVOLTA.COM SERVIÇOS DE INTERNET SA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 15.529.518/0001-94, com sede na Rua Frei Caneca,

Leia mais

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015 MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015 1 1. A Certificação por Prova é destinada a profissionais de Previdência Complementar Fechada que atuem na área de Contabilidade. IMPEDIMENTOS 2. O candidato

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CERTIFICAÇÃO NO SELO DE QUALIDADE ABESE

PASSO A PASSO PARA CERTIFICAÇÃO NO SELO DE QUALIDADE ABESE PASSO A PASSO PARA CERTIFICAÇÃO NO SELO DE QUALIDADE ABESE O Selo ABESE possui duas categorias: Selo Adesão e Selo Pleno. Para conferir detalhes sobre cada categoria, favor consultar a Norma Técnica do

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 ATA DO REGISTRO DE PREÇOS CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DO RAMO DE PRESTAÇÃO DE

Leia mais

PROGRAMA DE FIDELIDADE CLUBE COLOMBO REGULAMENTO

PROGRAMA DE FIDELIDADE CLUBE COLOMBO REGULAMENTO Versão 1 (1128/02/2012) PROGRAMA DE FIDELIDADE CLUBE COLOMBO REGULAMENTO I DEFINIÇÕES 1.1. O Programa de Fidelidade do Colombo Park Shopping, doravante denominado simplesmente Programa de Fidelidade CLUBE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

Índice: 1. Finalidade... 02. 2. Objetivos... 02. 3. Requisitos de Admissão... 02. 4. Estrutura do PQEC... 04. 5. Certificação do PQEC...

Índice: 1. Finalidade... 02. 2. Objetivos... 02. 3. Requisitos de Admissão... 02. 4. Estrutura do PQEC... 04. 5. Certificação do PQEC... Índice: 1. Finalidade... 02 2. Objetivos... 02 3. Requisitos de Admissão... 02 4. Estrutura do PQEC... 04 5. Certificação do PQEC... 05 6. Direção do PQEC... 06 7. Procedimentos e Prazos... 07 8. Conselho

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS FORNECEDOR: WORKSOFT INFORMÁTICA LTDA., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº. 08.707.221/0001-06, com sede

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS URBAMAIS PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 10.571.175/0001-02, com sede na Av. Raja Gabaglia, nº 2720,

Leia mais

PROGRAMA PERMANENTE DE CONTROLE DA PUREZA DO CAFÉ REGULAMENTO

PROGRAMA PERMANENTE DE CONTROLE DA PUREZA DO CAFÉ REGULAMENTO PROGRAMA PERMANENTE DE CONTROLE DA PUREZA DO CAFÉ REGULAMENTO Nome da Empresa: 1. OBJETIVO 1.1. Este Regulamento/Acordo de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas e condições para obtenção

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO - CGTEE Nº 002/2014 OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO CGTEE Nº 002/2014 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO A CONSTRUTORA Massai, empresa inscrita no CNPJ/MF sob o nº 01.295.921/0001-91, com sede na Av. Monteiro da Franca, Nº 1092, CEP 58038-20 - bairro Manaíra, em JOÃO PESSOA /PB, realizará

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR DESCRITIVO E RESPONSABILIDADES OBJETO DO REGULAMENTO Art. 1º - O Certificado de Conformidade Algodão Brasileiro Responsável (ABR) e o respectivo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES)

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) Da caracterização, dos fins e dos objetivos Art. 1º. Este Regimento regulamenta a estrutura,

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. PARTES CONVÊNIO PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INTERNET BANKING O presente Convênio disciplina o uso do Sistema INTERNET BANKING ( INTERNET BANKING ) disponível na home page (www.br.bk.mufg.jp) de propriedade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1. Este Código de Ética foi concebido pelo Conselho de Administração da Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil (BLL) e é parte integrante do conceito operacional

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA GESTORES E CONSELHEIROS 2012

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA GESTORES E CONSELHEIROS 2012 MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA GESTORES E CONSELHEIROS 2012 1 MODALIDADES E PROGRAMA 1. A certificação está dividida em duas categorias, correspondendo cada qual à uma determinada ênfase no conjunto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA EDITAL PROGRAD Nº 79 DE 15 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA EDITAL PROGRAD Nº 79 DE 15 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL PROGRAD Nº 79 DE 15 DE SETEMBRO DE 2014 CONSIDERANDO as normas estabelecidas pela Resolução COSUEN 013/2014, de 23 de julho de 2014, a Pró-Reitoria de Graduação, no uso de suas atribuições, torna

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO

ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO Termo de Constituição de Consórcio 1 As Partes: A empresa (Nome da Empresa)..., com sede na cidade de..., (Endereço)..., com CNPJ n o..., Inscrição Estadual...,

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros.

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros. REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE A UNOESTE, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro de 2008, na Resolução do CFMV

Leia mais

REGULAMENTO DO CADASTRO NACIONAL DE EMPRESAS COMPROMETIDAS COM A ÉTICA E A INTEGRIDADE - CADASTRO PRÓ-ÉTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO CADASTRO NACIONAL DE EMPRESAS COMPROMETIDAS COM A ÉTICA E A INTEGRIDADE - CADASTRO PRÓ-ÉTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO CADASTRO NACIONAL DE EMPRESAS COMPROMETIDAS COM A ÉTICA E A INTEGRIDADE - CADASTRO PRÓ-ÉTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Cadastro Nacional de Empresas Comprometidas

Leia mais

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação.

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação. Normas de regulamentação para a certificação de atualização profissional de título de especialista e certificado de área de atuação Em decorrência do convênio celebrado entre a Associação Médica Brasileira

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 O Diretor do Departamento de Polícia Federal, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo ítem III, do Artigo 30 do Regimento

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT Pág. Nº 1/8 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Siglas 4 Marcas e certificados da ABNT Certificadora 5 Requisitos Gerais 6 Requisitos específicos para sistemas certificados

Leia mais

Fundação Parque Tecnológico Itaipu FPTI Brasil Área de Ciência, Tecnologia e Inovação

Fundação Parque Tecnológico Itaipu FPTI Brasil Área de Ciência, Tecnologia e Inovação Processo FPTI-BR nº. 0049/2010 Edital FPTI-BR nº. 012/2010 Apoio à Participação em Eventos Técnico-Científicos A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, FPTI-BR, por meio de sua Área de Ciência, Tecnologia

Leia mais

CONDIÇÕES DA HOSPEDAGEM

CONDIÇÕES DA HOSPEDAGEM CONDIÇÕES DA HOSPEDAGEM OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA 1.1. As presentes condições tem por objeto a Hospedagem, sem exclusividade, dos Conteúdos de propriedade do CONTRATANTE na revenda NETPCHOST compartilhados

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 O candidato deve: PROFESSOR PLENO A Preparar Plano de Ensino e Pesquisa; B - Curriculum Vitae do docente anexando

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE CAPÍTULO 1 DAS FINALIDADES DE REGIMENTO INTERNO DA CEUA Art. 1 A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da Fundação Universidade Federal de

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL

REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL REGULAMENTO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL 1. Condição Geral: A Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, daqui por diante designada FUNDAÇÃO, poderá conceder Bolsas de Estudos a alunos regularmente matriculados

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

Certificação Profissional de Análise e Aprovação de Crédito - CERT.FBB-200

Certificação Profissional de Análise e Aprovação de Crédito - CERT.FBB-200 MANUAL DE CANDIDATURA da Abril de 2012 Versão 2.0 A Federação Brasileira de Bancos FEBRABAN vem, neste Manual de Candidatura, divulgar as regras e informações necessárias para a realização dos exames pertinentes

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO:

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: Considerando: - A Lei nº 12.232/10 estabelece no seu art. 4º que, para participar de licitações públicas, as agências

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Doc.961-RC-003 Página: 1/8 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 24/04/2014 A Empresa abaixo identificada declara

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº. 01/2008 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Tarcísio

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

Programa Bolsa-Sênior

Programa Bolsa-Sênior CHAMADA PÚBLICA 09/2015 Programa Bolsa-Sênior A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná divulga a presente Chamada Pública e convida as instituições de ensino

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES. 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas.

ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES. 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas. ÍNDICE GERAL - OBJETIVO 2 - DIANTE DOS CONSUMIDORES 2.1 Práticas Proibidas. 2.2 Explicação e Demonstração. 2.3 Respostas e Perguntas. 2.4 Promessas Verbais. 3 Diante do Plano de Marketing 4 - Conselhos

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º. Compete à Comissão de Prerrogativas a efetivação prática do disposto no inciso III do artigo 2º do Estatuto

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

REQUISITOS PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS

REQUISITOS PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS ADESÃO À OFERTA DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO, ENSINO DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO, ENSINO DE SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO E ENSINO DE CIÊNCIAS NOS ANOS FINAIS DO ENSINO

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE TIRADENTES CEUA/UNIT. Regimento Interno

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE TIRADENTES CEUA/UNIT. Regimento Interno COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE TIRADENTES CEUA/UNIT Regimento Interno I DA DEFINIÇÃO, NATUREZA E FINALIDADE: Art. 1º. A comissão de Ética no Uso de Animais da Universidade Tiradentes

Leia mais