UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS NORMATIVA TEMPORÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ILUMINAÇÃO Servidor Técnico Administrativo em Educação: Gabriel Guedert Operador de Luz. Este documento tem o objetivo de normatizar o uso dos serviços e dos equipamentos de iluminação que a Universidade Federal de Santa Catarina UFSC disponibiliza para a comunidade acadêmica 1 do Departamento de Artes e Libras, do Centro de Comunicação e Expressão. Desde setembro de 2011 (dois mil e onze), a Universidade, disponibiliza para a comunidade acadêmica, novos profissionais técnicos da área de teatro. Esse novo quadro fez-se necessário para suprir as necessidades do curso de Artes Cênicas disponibilizado pela instituição. Assim, para garantir melhor qualidade na apresentação dos projetos de iluminação cênica e montagens luminotécnicas que são apresentadas e utilizadas em sala de aula, na forma de ensaio ou apresentações fechadas ou abertas para a comunidade em geral e para que os graduandos tenham contato com essa área de criação cênica, criou-se o LABORATÓRIO DE ILUMINAÇÃO, localizado no Anfiteatro do CFM (ou Bloco Redondo), na sala intitulada ILUCENO 2. Neste sentido, faz-se necessário regularizar o uso, tanto dos equipamentos, para garantir durabilidade e zelo pelo patrimônio adquirido pela UFSC, como da 1 Docentes e discentes do curso de Artes Cênicas e Cinema do Departamento de Artes e Libras DALi do Centro de Comunicação e expressão CCE da Universidade Federal de Santa Catarina UFSC. 2 Nome dado ao Laboratório de Iluminação e Cenotécnica da UFSC

2 mão de obra desempenhada pelo Servidor Técnico Administrativo Operador de Luz, Gabriel Guedert, garantindo boa qualidade do trabalho desenvolvido. Para utilização dos serviços, dos prazos, das montagens, da operação e dos equipamentos de Iluminação será necessário atentar-se às seguintes diretivas: DOS SERVIÇOS: Aqui se referem às atividades que o Operador de Luz deverá prestar à comunidade acadêmica: O operador de luz se responsabiliza pela montagem e desmontagem dos projetos, assim como a operação durante a cena, desde que haja no projeto o roteiro de operação. O projeto de iluminação deverá ser desenvolvido junto ao professor responsável pela atividade acadêmica à qual deverá estar vinculado. Um projeto de iluminação deverá conter: mapa de luz, relatório de canais e roteiro de operação. O projeto deverá ser encaminhado ao operador de luz, para que este possa avaliar as possibilidades e melhores formas de montagem e disposição dos equipamentos a serem utilizados. Para qualquer tipo de serviço será necessário preencher uma ficha de solicitação de serviços de iluminação 3, toda vez que for feito algum pedido de serviço. Esse documento será arquivado para o acompanhamento das atividades desenvolvidas pelo servidor. Em nenhuma hipótese o servidor excederá o horário das 22h:30 na prática de suas atividades na instituição. Salvo as exceções avaliadas e concordadas, com no mínimo 15 (quinze) dias de antecedência, pelas duas partes: solicitante e servidor. A criação artística é de responsabilidade exclusiva do responsável pelo projeto, não cabendo ao servidor agir como criador do projeto de luz. O servidor poderá prestar consultoria ao responsável pelo projeto com relação ao tipo de equipamento e melhor disposição do mesmo no mapa de luz. O servidor não se responsabilizará pela criação do mapa de luz podendo apenas auxiliar na confecção do mesmo indicando ao solicitante como deve proceder. 3 Ficha de Solicitação é um documento preenchido pelo acadêmico, acadêmico e professor ou professor, pedindo a execução de algum serviço ao Laboratório de Iluminação, representado pelo servidor técnico administrativo Operador de Luz.

3 O deslocamento dos equipamentos de iluminação, até o local de apresentação (quando este não for o bloco redondo do CFM) e vice-versa ficará a cargo do responsável pelo projeto. DOS PRAZOS: Aqui se referem às datas limite para a realização dos pedidos de serviços ao Operador de Luz: Os Projetos de Iluminação completos (possuindo mapa de luz, relatório de canais e roteiro de operação) deverão ser encaminhados com no mínimo 07 (sete) dias de antecedência da data prevista de encenação. Para que seja reservada a quantidade necessária de equipamento. Os Projetos que necessitem de consultoria ao operador de luz para que possam ser concluídos deverão ser entregues com no mínimo 15 (quinze) dias de antecedência. Para que haja tempo hábil para ambos, servidor e responsável, concluírem o projeto. Para o bom andamento dos serviços, não poderá ocorrer a solicitação concomitante de mais do que 1 (um) projeto de montagem de iluminação e 1 (um) projeto de operação para a mesma data. Se houver, o critério será o da ordem de chegada, no qual os projetos serão desenvolvidos na medida em que os anteriores se concluem. DAS MONTAGENS: Aqui se referem às condições para que se realizem as montagens de projetos de iluminação: Para o início da montagem do projeto de iluminação deve-se ter concluídos os seguintes pontos: Entrega com antecedência prevista do projeto de iluminação; Presença física do responsável pelo projeto; Reserva prévia da sala onde será montado o projeto no período vespertino; As montagens deverão seguir o que foi estipulado no projeto entregue ao operador de luz não podendo haver mudanças a menos que impossibilidades técnicas sejam detectadas pelas duas partes. O servidor deverá estipular a duração mínima da montagem, sendo responsabilidade do responsável pelo projeto a reserva da sala. O responsável pelo projeto deverá estar presente durante todo o período da montagem. Se, por algum motivo, este não puder estar presente deverá designar outrem para esta função. O servidor não se responsabilizará por quaisquer decisões artísticas e/ou estéticas tomadas pelo responsável do projeto. As montagens iniciarão a partir do horário acordado entre as partes (servidor e responsável). Desde que todos os critérios anteriormente levantados sejam cumpridos.

4 O servidor não se responsabilizará por atrasos derivados do não cumprimento dos critérios anteriormente levantados. DA OPERAÇÃO: Aqui se refere às condições para que ocorra a operação de luz de determinado projeto. Para que se realize a operação de luz pelo servidor, deverá haver no projeto o roteiro de operação, que deverá ser entregue de acordo com os prazos estipulados neste documento. O servidor não se responsabiliza por possíveis erros durante a operação derivados de incoerência entre projeto e execução. O servidor apenas poderá realizar este serviço em 1 (um) projeto por dia. Se houver, o critério será o da ordem de chegada. O responsável pelo projeto deverá estar presente durante todo o período de operação. Se, por algum motivo, este não puder estar presente deverá designar outrem para esta função. O servidor não se responsabilizará por quaisquer decisões artísticas e/ou estéticas tomadas pelo responsável do projeto. O servidor estará a disposição do responsável a partir do horário acordado entre as partes (servidor e responsável). Desde que todos os critérios anteriormente levantados sejam cumpridos. O servidor não se responsabilizará por atrasos derivados do não cumprimento dos critérios anteriormente levantados. DOS EQUIPAMENTOS: Aqui se referem às condições para uso e empréstimo à comunidade acadêmica dos equipamentos de iluminação cênica adquiridos por esta universidade. Os equipamentos de iluminação para a montagem dos projetos e mapas de luz serão disponibilizados pela instituição, desde que eles façam parte do acervo adquirido pela universidade. Caso contrário, é de responsabilidade do solicitante fornecer tal equipamento. No momento do término da montagem até o final da apresentação os equipamentos utilizados na mesma ficarão sob responsabilidade total do responsável pelo projeto, devendo este, zelar pela preservação do equipamento e ressarcir eventuais custos com reposição ou reparo de equipamentos danificados. O uso dos equipamentos deverá ser encerrado às 22h:00, para que os mesmos possam ser removidos da sala em questão e devidamente armazenados.

5 Para uso das mesas de iluminação digitais o requisitante deverá demonstrar conhecimento e capacitação para operação em equipamentos plataforma DMX. Para o empréstimo dos refletores de iluminação o requisitante deverá demonstrar conhecimento e capacitação para operação em equipamentos plataforma DMX. Se o solicitante não possuir capacitação para operação dos equipamentos solicitados, deverá ser acompanhado pelo servidor. Deverá o servidor emprestar o equipamento em boas condições de uso, caso contrário o empréstimo não será efetuado. No caso do servidor prever o uso ou estiver usando os materiais e/ ou equipamentos estes não poderão ser emprestados. Uma ficha de empréstimo 4 ou relação de materiais deverá ser preenchida, sem ela o material não será retirado do Laboratório de Iluminação ILUCENO. Só será aceito pedido de empréstimo pelo solicitante docente ou discente regularmente matriculado no curso de artes cênicas ou de cinema da UFSC. Mediante a apresentação de um documento de identidade. O uso dos mesmos é exclusivo para atividades dentro dos limites da UFSC e que façam parte de alguma atividade acadêmica vinculada ao curso de artes cênicas ou cinema. Em hipótese alguma os equipamentos serão emprestados para uso fora da instituição que não estejam vinculados a alguma atividade acadêmica do curso de artes cênicas ou cinema da UFSC. Cada solicitante poderá retirar no máximo 2 (dois) equipamentos. Como se trata de equipamentos de uso profissional e específico, o pedido deverá ser empenhado com 2 (dois) dias de antecedência do uso. Fica resolvido que o solicitante somente poderá fazer uso dos equipamentos na data prevista, devendo devolvê-los em boas condições de uso até o limite das 21h:30 do mesmo dia da utilização. Caso descumpra essa norma, fica o solicitante impedido de empenhar nova solicitação de empréstimo, por 2 (duas) semanas. Na reincidência do fato o solicitante ficará impedido de empenhar solicitações de empréstimo por 1 (um) mês. 4 Ficha que deve ser preenchida da mesma forma do que a de Solicitação de Atividades de Iluminação, mas com caráter de empréstimo de material, para uso fora da sala da Iluminação.

6 Na segunda reincidência do fato, o solicitante ficará impedido de empenhar solicitações de empréstimo por 1 (um) semestre. Porém, se ocorrer novamente, no semestre subsequente ao da liberação para empréstimo, 1 (um) novo atraso na devolução o solicitante ficará impedido por 1 (um) ano. A contar da data de devolução do material em atraso. Somente será emitida uma certidão negativa de débito ao discente se o mesmo não possuir nenhum débito em seu nome, bem como tiver devolvido todos os materiais emprestados. Qualquer atraso na devolução dos materiais que supere 3 (três) dias úteis, o solicitante ficará impedido de empenhar empréstimo pelo período de 1 (um) ano. A contar da data de devolução do material em atraso. Só poderá o solicitante empenhar novo empréstimo a partir da devolução do empréstimo anterior, ou após o término do prazo da sanção que incorrer. A partir do momento em que o solicitante fizer posse do material, o mesmo ficará sob sua responsabilidade, tendo este que arcar com os possíveis danos e reparos que possam vir a acorrer. Se o material for perdido, ficará o solicitante responsável por repor o equipamento. Para fins de controle, serão anotados na ficha de empréstimo, as sanções adotadas. Da mesma forma o solicitante é responsável por sua integridade física, não podendo ficar o servidor responsável por qualquer acidente que possa ocorrer pelo uso desse material solicitado. Os equipamentos que poderão ser emprestados deverão estar devidamente patrimoniados pela instituição UFSC. Caso contrário eles não serão emprestados. Os números de patrimônio serão anotados na data do empréstimo e conferidos no momento da devolução dos materiais. Os equipamentos são de uso exclusivo de projetos de ensino pesquisa e extensão. Sob nenhuma hipótese os mesmo serão emprestados para utilização externa e desvinculada a universidade. Se o solicitante utilizar os equipamentos comprovadamente para fins alheios a esta universidade ficará impedido de empenhar empréstimo pelo período de 1 (um) ano. Esses equipamentos são para utilização nas atividades de iluminação e afins, os mesmos não são objetos de cena. Portanto, não poderão compor nenhuma forma de cena teatral.

7 Serão destinados ao armazenamento e organização dos equipamentos no Laboratório de Iluminação ILUCENO os 30 minutos finais do período de aula, ou seja, 22h:00 as 22h:30. Com este documento, visa-se controlar, normatizar e especificar as práticas desenvolvidas no Laboratório de Iluminação. Tal documento é essencial para o bom funcionamento desse novo setor da Instituição UFSC. Sem este, as atividades poderão tornar-se evasivas, informais a ponto de prejudicar o desempenho dos trabalhos desenvolvidos. A formulação da presente normativa, também é necessária para que os trabalhos de iluminação sejam concluídos e conduzidos com rapidez, eficiência e fluência. Outro fator é a necessidade, que foi avaliada, de algo que contribuísse na utilização desse espaço e das atividades desempenhadas pelo servidor, para que tanto os acadêmicos quanto os professores, possam usufruir dessas novas atividades de forma harmoniosa e consciente das possibilidades do Laboratório de Iluminação. Assim, fica sob responsabilidade do solicitante arcar com as normas aqui descritas, e fazer uso das mesmas ao empenhar uma solicitação ao Laboratório de Iluminação da UFSC. Os casos omissos serão resolvidos pela coordenação de núcleos do departamento de artes e libras - DALi Profº. Ms. Luiz Fernando Pereira Presidente da Comissão de Infra-Estrutura e Meios. Gabriel Guedert Operador de Luz

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS NORMATIVA PROVISÓRIA PARA UTILIZAÇÃO DO ACERVO, MÁQUINAS DE COSTURA E DA SALA LABORATÓRIO DE FIGURINOS.

Leia mais

Resolução Congregação 01/2007

Resolução Congregação 01/2007 Resolução Congregação 01/2007 Dispõe sobre os procedimentos da Biblioteca da FEAD. O Presidente da Congregação, no uso de suas atribuições regimentais, e considerando: a) a necessidade de adequar normas

Leia mais

Norma Guarda volumes SIB UNP

Norma Guarda volumes SIB UNP Norma Guarda volumes SIB UNP Em 2010.2, o Sistema Integrado de Biblioteca SIB passou por reformulação na sua forma de acesso ao espaço físico visando agilizar a guarda de volumes. Abaixo segue critérios

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Bibliotecas da UCB possui um acervo com mais de 200.000 volumes possibilitando o acesso dos usuários aos livros, sistemas de consulta,

Leia mais

Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma

Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma UNIVERSIDADE CEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS UNICEUMA BIBLIOTECA PRESIDENTE JOSÉ SARNEY Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma 2014 Normatizar procedimentos padrão para a disponibilização

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda)

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) NÚCLEO DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação I INTRODUÇÃO: O Núcleo

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 CAPÍTULO III 5 DA INFRAESTRUTURA 5 Seção I 6 Das Dependências 6 Seção II 6 Do Hardware e Software 6 Seção III 7 Das Manutenções 7

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Cultivo e Biotecnologia de Algas LCBA, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA Art. 1º Este regulamento fixa normas e procedimentos para o serviço circulação das coleções pertencentes às bibliotecas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CAMPINEIRA DE ENSINO SUPERIOR E CULTURA - ACESC Instituto de Ensino Superior de Americana - IESA

ASSOCIAÇÃO CAMPINEIRA DE ENSINO SUPERIOR E CULTURA - ACESC Instituto de Ensino Superior de Americana - IESA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Capítulo I Disposições Preliminares Artigo 1º. - O presente regulamento estabelece normas de uso e funcionamento da Biblioteca do IESA - Instituto de Ensino Superior de Americana.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 003/2011 CONSU/UEAP

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 003/2011 CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 003/2011 CONSU/UEAP Normatiza os serviços disponibilizados pelas Bibliotecas da Universidade do Estado do Amapá-UEAP. A Presidente

Leia mais

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS REGULAMENTO BIBLIOTECA SÃO CARLOS/SP - 2013 FACULDADE DE SÃO CARLOS Mantida pela CESMAR Centro de Ensino Superior

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º Este regulamento tem como objetivo definir normas para prestação e utilização dos serviços

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CLARICE LISPECTOR

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CLARICE LISPECTOR REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CLARICE LISPECTOR CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1. A Biblioteca Clarice Lispector tem como finalidade proporcionar ao corpo docente, discente, pesquisadores e servidores do Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CIDADE LUZ FACILUZ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. CAPÍTULO I Dos usuários e das inscrições

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CIDADE LUZ FACILUZ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. CAPÍTULO I Dos usuários e das inscrições 1 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CIDADE LUZ FACILUZ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Este regulamento disciplina as normas que regem o funcionamento da biblioteca e as relações funcionais

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Autarquia Municipal ANEXO ÚNICO

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Autarquia Municipal ANEXO ÚNICO ANEXO ÚNICO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO AUTARQUIA MUNICIPAL 1. ACERVO DA BIBLIOTECA 1.1 A Biblioteca da Faculdade de Direito São Bernardo do Campo é dotada

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO SOBRAL-CE JANEIRO - 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Laboratório de

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1. USO DA BIBLIOTECA...3 2. ACERVO...3 3. ATENDIMENTO AO PÚBLICO...3 4. USUÁRIOS...3 5. INSCRIÇÃO...3 5.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA...4 6. SERVIÇOS...4 6.1

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO - BACHARELADO Autorizada pela Portaria MEC 2.626 de 25

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento estabelece normas de uso e funcionamento da biblioteca do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I Das disposições gerais Art. 1º. A Biblioteca, tem por objetivo oferecer suporte informacional à toda Instituição, podendo ser aberta à comunidade para consulta bibliográfica.

Leia mais

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Faculdade PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DO ACESSO E DO FUNCIONAMENTO

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 5 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

REGULAMENTO BIBLIOTECA ALCIDES VIEIRA CARNEIRO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO BIBLIOTECA ALCIDES VIEIRA CARNEIRO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais REGULAMENTO BIBLIOTECA ALCIDES VIEIRA CARNEIRO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR Dispõe sobre o Funcionamento da Biblioteca da Faculdade CNEC Ilha do Governador. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art.

Leia mais

Sistema Integrado de Bibliotecas. Sistema Integrado de Bibliotecas

Sistema Integrado de Bibliotecas. Sistema Integrado de Bibliotecas Sistema Integrado de Bibliotecas Sistema Integrado de Bibliotecas Responsável: Cassiana Souza Coordenadora do Sistema Integrado de Bibliotecas FAEL CRB - 9/1501 Projeto Gráfico e Capa: Bruna Maria Cantador

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ UBIRATÃ - PR 2013 REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA: DIRETRIZES GERAIS Art.1º- A Biblioteca apóia

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1 -DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 3 CAPÍTULO 2 - DA DESTINAÇÃO DOS LABORATÓRIOS... 3 CAPÍTULO 3 - DAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS... 5 CAPÍTULO 4 - UTILIZAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV.

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. O Conselho Superior - CONSU, aprovou em 30 de março de 2007, e eu, Prof. José Carlos Barbieri, Diretor da

Leia mais

BIBLIOTECA FACULDADE LA SALLE CAXIAS DO SUL: NORMAS DE UTILIZAÇÃO

BIBLIOTECA FACULDADE LA SALLE CAXIAS DO SUL: NORMAS DE UTILIZAÇÃO BIBLIOTECA FACULDADE LA SALLE CAXIAS DO SUL: NORMAS DE UTILIZAÇÃO CAXIAS DO SUL, 2015 SUMÁRIO 1 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA... 3 1.1 Horários... 3 1.2 Contatos... 3 1.3 Catálogo online... 3 1.4

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM Laboratório de Comunicação Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação 2005 2 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 03 II. OBJETIVOS... 03 III. CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS...

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE E ESCOLA TÉCNICA NOVO RUMO

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE E ESCOLA TÉCNICA NOVO RUMO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE E ESCOLA TÉCNICA NOVO RUMO SUMÁRIO TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 DA INSTITUIÇÃO BIBLIOTECA... 3 DA FINALIDADE DESTE REGULAMENTO... 3 PRINCÍPIOS DA BIBLIOTECA...

Leia mais

REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO São Paulo 2014 CONSULTA E EMPRÉSTIMO DO MATERIAL BIBLIOGRÁFICO DAS FINALIDADES Art. 1º -

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. A DIRETORA EM EXERCÍCIO DO CÂMPUS DE PARANAÍBA da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Publicada no Boletim de Serviço nº 12, de 7 dez. 2011, p. 7-11 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o funcionamento da Biblioteca Ministro Victor Nunes Leal do Supremo Tribunal

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO INSTITUCIONAL UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DA BIBLIOTECA KOSHITY NARAHASHI São Paulo 2010 SEÇÃO I DA COMPETENCIA Artigo 1º - À Biblioteca compete planejar, coordenar,

Leia mais

Regulamento da Biblioteca João Maria Stevanatto

Regulamento da Biblioteca João Maria Stevanatto Regulamento da Biblioteca João Maria Stevanatto Biblioteca Etec João Maria Stevanatto Regulamento Art.-1º USUÁRIOS BENEFICIADOS I - A biblioteca atende a todos os alunos matriculados, professores e funcionários.

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca da Estácio FAL CAPÍTULO I DO OBJETIVO

Regulamento Interno da Biblioteca da Estácio FAL CAPÍTULO I DO OBJETIVO Regulamento Interno da Biblioteca da Estácio FAL CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este regulamento tem como objetivo definir normas para prestação e utilização dos serviços da Biblioteca da FAL - Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PROF. DR. JOÃO FRANCISCO GONSALEZ

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PROF. DR. JOÃO FRANCISCO GONSALEZ REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PROF. DR. JOÃO FRANCISCO GONSALEZ Art. 1º - A Biblioteca Prof. Dr. João Francisco Gonsalez da Faculdade Catuaí é um órgão com administração própria, subordinada diretamente à

Leia mais

BIBLIOTECA MÈRE BLANCHOT REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA. Capítulo I - DISPOSIÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA MÈRE BLANCHOT REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA. Capítulo I - DISPOSIÇÕES GERAIS BIBLIOTECA MÈRE BLANCHOT REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA Capítulo I - DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Dos Clientes A Biblioteca Mère Blanchot presta serviços à comunidade acadêmica da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º DO OBJETIVO : Art 1º As Bibliotecas UNIABEU têm o objetivo geral de contribuir com o processo de ensino e pesquisa desta IES, sendo esta responsável, particularmente, por administrar o acervo da Instituição;

Leia mais

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS RESOLUÇÃO DA VRG Nº 03/2008 DISPÕE SOBRE O SERVIÇO DE ATENDIMENTO E FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA MARIO OSORIO MARQUES DA UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL -

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA REGIMENTO INTERNO DISCIPLINAR DA BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA DA FACULDADE DE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS POSSE-GO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS POSSE-GO Normas para uso dos Laboratórios de Informática vinculados a Coordenação do Curso de Informática e ao Departamento de Tecnologia da Informação do IF Goiano Câmpus Posse GO. POSSE GO 2015 Sumário TÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS Capítulo I Da Finalidade Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normalizar o serviço de circulação de obras da Biblioteca UAB de Águas Lindas,

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias

Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias Regulamento dos Laboratórios do Departamento de Ciências Agrárias Laboratório de Bromatologia e Nutrição Animal- ( LABNA ) Laboratório Multidisciplinar de Biologia- ( LAMUBI ) Laboratório de Análises Microbiológicas

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS: CENTRAL E INFANTIL

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS: CENTRAL E INFANTIL REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS: CENTRAL E INFANTIL DA NATUREZA Art. 1º - A Biblioteca do Colégio Catarinense, apresentando características inovadoras, alicerçada no conhecimento e na qualidade na prestação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantenedora Faculdade Cenecista de Sinop Facenop/FASIPE Mantida REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO SINOP / MATO GROSSO 2014

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR EDITAL Nº 04/2016 SENAV/SAC-PR A Secretaria de Navegação

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS

NORMAS DE ATENDIMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS 1. OBJETIVO As presentes NORMAS DE ATENDIMENTO regulam os procedimentos para utilização do espaço físico e acervo das Bibliotecas da Estácio. 2. DEFINIÇÕES Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas utilizado

Leia mais

DO PROJETO DE MONOGRAFIA. Art. 2º. A elaboração da monografia deverá ser precedida de elaboração e aprovação de projeto de monografia.

DO PROJETO DE MONOGRAFIA. Art. 2º. A elaboração da monografia deverá ser precedida de elaboração e aprovação de projeto de monografia. Art. 1º. Este regulamento é aplicável aos cursos que em seu projeto definiram a monografia como trabalho final, conforme previsto no Regimento Interno do Instituto Superior do Ministério Público ISMP.

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA Este regulamento normatiza as atividades relacionadas com o Projeto de Monografia e a Monografia Final da

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 - DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO... 3 3 - DAS INSCRIÇÕES... 3 4 - DO ACERVO... 3 5 - DO PRAZO DE EMPRÉSTIMO E QUANTIDADES DE VOLUMES... 4 6 - DA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 06/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Topografia e Geoprocessamento LABGEO, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de

Leia mais

RESOLUÇÃO 001/2013-CD. Aprovar o Regulamento da Biblioteca da Faculdade Intermunicipal do Noroeste do Paraná, conforme anexo.

RESOLUÇÃO 001/2013-CD. Aprovar o Regulamento da Biblioteca da Faculdade Intermunicipal do Noroeste do Paraná, conforme anexo. RESOLUÇÃO 001/2013-CD O Diretor da Faculdade Intermunicipal do Noroeste do Paraná FACINOR Professor Agenor de Oliveira Duarte, tendo em vista a decisão do Conselho Departamental desta Instituição de Ensino

Leia mais

DECRETO Nº 4.498, DE 26 DE SETEMBRO DE 2012.

DECRETO Nº 4.498, DE 26 DE SETEMBRO DE 2012. DECRETO Nº 4.498, DE 26 DE SETEMBRO DE 2012. Estabelece o Regulamento Interno da Biblioteca Pública Municipal Santos Dumont, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece as políticas da disciplina de Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS: Art. 1 - A Biblioteca da FACSETE Faculdade Sete Lagoas, tem como objetivo, a disseminação da informação através da aquisição, organização, e conservação

Leia mais

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte M A Museu Universitário de Arte Projeto Exposições 2010 Termos para inscrições de artistas, curadores e demais interessados em participar do calendário de exposições do ano de 2010/2011 do Museu Universitário

Leia mais

Políticas de utilização dos laboratórios de informática

Políticas de utilização dos laboratórios de informática FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ Missão: Formar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento do país, embasados na responsabilidade social e na ética, visando o bem estar e a qualidade

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

Regulamento da Biblioteca

Regulamento da Biblioteca Regulamento da Biblioteca SANTA CRUZ DO RIO PARDO SP 2015 I. Do regulamento e sua aplicação Art. 01. O presente Regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pela

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA RESOLUÇÃO N.º 04 O Diretor Geral das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba, no uso de suas atribuições regimentais, estabelece o regulamento da Biblioteca das FARESC. A

Leia mais

FESTIVAL FUNDAÇÃO DAS ARTES DE TEATRO ESTUDANTIL 2016

FESTIVAL FUNDAÇÃO DAS ARTES DE TEATRO ESTUDANTIL 2016 FESTIVAL FUNDAÇÃO DAS ARTES DE TEATRO ESTUDANTIL 2016 REGULAMENTO 1. INSTITUIÇÃO E OBJETO 1.1. A Fundação das Artes de São Caetano do Sul é uma instituição pública da Administração Indireta da Prefeitura

Leia mais

Capítulo 1 Dos termos

Capítulo 1 Dos termos Resolução n 03 do Conselho de Ensino Superior O Conselho de Ensino Superior da Faculdade Três de Maio SETREM reformula o Regulamento da Biblioteca José de Alencar e dá outras providências. Capítulo 1 Dos

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Artigo 5º O NPC pode realizar atividades para outras disciplinas do Curso, desde que previamente agendadas e autorizadas pela Coordenação do Curso.

Artigo 5º O NPC pode realizar atividades para outras disciplinas do Curso, desde que previamente agendadas e autorizadas pela Coordenação do Curso. Regulamento do NPC Artigo 1º O Núcleo de Produção de Comunicação (NPC) se constitui dos laboratórios de Rádio, TV, Fotografia, Informática para produção de Jornalismo Impresso e Digital, e duas Ilhas de

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue:

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue: ATO EJTRT Nº 03/2014 O DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais e regulamentares, CONSIDERANDO os objetivos da Escola Judicial do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA A Biblioteca da ESIC - Business & Marketing School tem por objetivo principal reunir informações necessárias ao aprimoramento profissional, educacional e pessoal, preparando-as

Leia mais

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca.

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo Regulamento da Biblioteca Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. Usuários da Biblioteca Alunos

Leia mais

Regulamento de utilização de espaços/equipamentos específicos para a prática artística. fora do período de aulas

Regulamento de utilização de espaços/equipamentos específicos para a prática artística. fora do período de aulas Regulamento de utilização de espaços/equipamentos específicos para a prática artística fora do período de aulas (Laboratório de Arte Digital, Laboratório de Fotografia, Estúdio de Fotografia e Ateliê/sala

Leia mais

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA As Bibliotecas da Universidade Braz Cubas são destinadas ao Corpo Docente, Discente e aos funcionários administrativos. As Bibliotecas utilizam o sistema Informatizado Pergamum, onde o aluno tem a comodidade

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97

Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Resolução CONSUN nº 042/2003. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Aprova o Regulamento do Laboratório de Rádio, integrante do conjunto de Laboratórios de Rádio e

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da UNINOVA destinam-se a portadores de diploma de nível superior,

Leia mais

EDITAL 008/2015 18º FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS DE BELO HORIZONTE

EDITAL 008/2015 18º FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS DE BELO HORIZONTE EDITAL 008/2015 18º FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS DE BELO HORIZONTE O Presidente da Fundação Clóvis Salgado, por meio da Gerência de Cinema, tornam público o presente edital do 18º Festival Internacional

Leia mais

Biblioteca UNIFESP Campus Diadema

Biblioteca UNIFESP Campus Diadema Endereço: Rua Manoel da Nóbrega, 1149, Centro Diadema, CEP: 09910-720 Tel.: 3319-3460 e-mail: biblioteca.diadema@unifesp.br Horário de funcionamento: De segunda a sexta: das 8:00 às 20:45hs Sábados: das

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIDORES DO QUADRO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO ORIENTAÇÕES GERAIS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIDORES DO QUADRO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO ORIENTAÇÕES GERAIS PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIDORES DO QUADRO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO ORIENTAÇÕES GERAIS A Universidade Federal do Amapá UNIFAP em cumprimento às diretrizes do Plano de Carreira dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIPAR - CPAIUP -

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIPAR - CPAIUP - REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIPAR - CPAIUP - REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIPAR - CPAIUP - CAPÍTULO I DA FINALIDADE

Leia mais

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO DIRETORIA DE GESTÃO E APOIO AO ENSINO REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS

Leia mais

XX JORNADA JURÍDICA ACADÊMICA DO CURSO DE DIREITO

XX JORNADA JURÍDICA ACADÊMICA DO CURSO DE DIREITO Estado, Direito Penal e Segurança Pública: perspectivas para o controle social São Luís/MA, 29 a 31 de outubro de 2013 Hotel Luzeiros. CAPITULO I - Das disposições gerais REGULAMENTO DA II MOSTRA CIENTÍFICA

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

REGULAMENTOS DA BIBLIOTECA

REGULAMENTOS DA BIBLIOTECA REGULAMENTOS DA BIBLIOTECA Na Biblioteca da Faculdade Herrero é possível encontrar materiais adquiridos, selecionados, tratados tecnicamente e fisicamente, armazenados e disponíveis para consulta e empréstimo,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DIRETORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DIRETORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA Edital para a Participação em Eventos/Assistência Estudantil Nº 003/2015 A REITORA DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA torna pública a abertura

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA. Seção I. Composição e função da Comissão de Informática

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA. Seção I. Composição e função da Comissão de Informática 1 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Dispõe sobre a utilização e gerenciamento dos laboratórios de informática do UNIVEM/FUNDAÇÃO. CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE INFORMÁTICA Seção I Composição e função

Leia mais

POLÍTICA DE USO DA BIBLIOTECA MATILDE CARVALHO

POLÍTICA DE USO DA BIBLIOTECA MATILDE CARVALHO POLÍTICA DE USO DA BIBLIOTECA MATILDE CARVALHO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A Biblioteca Matilde Carvalho - BMC tem por finalidade facilitar e estimular o estudo e a pesquisa bibliográfica científico-cultural

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA REGIMENTO INTERNO No. 01/2011 DO CEFID/UDESC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O presente regimento interno normatiza as atividades na Clínica Escola de Fisioterapia do Centro de Ciências da

Leia mais

PORTARIA DETRAN/RS Nº 456, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Biblioteca do DETRAN/RS e dá outras disposições. O DIRETOR-PRESIDENTE DO

PORTARIA DETRAN/RS Nº 456, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Biblioteca do DETRAN/RS e dá outras disposições. O DIRETOR-PRESIDENTE DO PORTARIA DETRAN/RS Nº 456, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Biblioteca do DETRAN/RS e dá outras disposições. O DIRETOR-PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado, conforme anexo, o Regulamento do Sistema de Bibliotecas da Universidade São Francisco USF.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado, conforme anexo, o Regulamento do Sistema de Bibliotecas da Universidade São Francisco USF. RESOLUÇÃO CONSUN 8/2015 ALTERA O REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN, no uso das atribuições que lhe confere o art. 14,

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOLOGIA MOLECULAR E IMUNOLOGIA APLICADO AOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOLOGIA MOLECULAR E IMUNOLOGIA APLICADO AOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº23/2014 DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE BIOLOGIA MOLECULAR E IMUNOLOGIA APLICADO AOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DA CNEC/IESA.

Leia mais

APÊNDICE B: REGULAMENTO SOBRE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - UNIR CACOAL. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

APÊNDICE B: REGULAMENTO SOBRE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - UNIR CACOAL. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS APÊNDICE B: REGULAMENTO SOBRE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - UNIR CACOAL. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este regulamento tem por objetivo estabelecer as

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais