Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC"

Transcrição

1 Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Grupo de Radiodifusão Março de 2006 Universidade de Brasília Departamento de Engenharia Elétrica

2

3 Prefácio A Anatel tem autorizado, desde setembro de 2005, a transmissão experimental de sinais digitais dos serviços de radiodifusão sonora terrestre, com base no disposto na Norma Técnica NTC n o 22 Serviço Especial para Fins Científicos ou Experimentais. A finalidade das transmissões é a realização de testes com os sistemas de radiodifusão sonora digital aprovados pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) recomendações ITU-R BS e ITU-R BS Governo brasileiro, Anatel e associações de radiodifusores têm manifestado maior interesse pelos sistemas que são compatíveis com uma das atuais estruturas de canalização utilizadas nas faixas de freqüência já destinadas ao serviço de radiodifusão sonora em amplitude modulada (faixas de onda média, onda tropical e onda curta) e em freqüência modulada (faixa de 87,4 a 108 MHz). Dos sistemas existentes atualmente, dois são desse tipo: o sistema IBOC (In-Band /On-Channel) também conhecido pelo nome HD Radio e o sistema DRM (Digital Radio Mondiale). O primeiro foi desenvolvido pela empresa americana ibiquity Digital Corporation e possui dois (sub -) sistemas: o AM IBOC e o FM IBOC, que são compatíveis com a canalização utilizada na faixa de ondas médias e de 87,4 a 108 MHz, respectivamente. O sistema DRM foi desenvolvido por um consórcio sediado na Europa e é compatível com a canalização utilizada nas faixas de onda média, onda tropical e onda curta; o consórcio está desenvolvendo um segundo sistema para ser usado na faixa de 87,4 a 108 MHz. A escolha de um sistema para ser adotado no Brasil requer, naturalmente, uma avaliação dos sistemas existentes, incluindo uma avaliação do desempenho desses sistemas e, no caso dos sistemas IBOC e DRM, uma avaliação da sua real compatibilidade com a atual canalização. Esse documento contém uma proposta de critérios e procedimentos para a avaliação do sistema AM IBOC. O documento está dividido em quatro capítulos. O primeiro capítulo é uma breve introdução que apresenta o contexto da proposta. O Capítulo 2 apresenta algumas características do sistema IBOC que são importantes para o entendimento dos critérios de avaliação e dos procedimentos de teste. O Capítulo 3 descreve os critérios de avaliação ou os aspectos a serem avaliados, que são divididos em duas classes: avaliação do desempenho do serviço digital e avaliação da compatibilidade. O Capítulo 4 propõe alguns procedimentos de teste para obtenção de resultados que permitam fazer as duas avaliações anteriormente citadas. Os critérios e procedimentos propostos são semelhantes a alguns daqueles utilizados nos testes realizados nos E.U.A. pelo NRSC (National Radio Systems Committee). Assim, com base nos resultados desses testes realizados nos E.U.A., são apresentados, no Capítulo 3, alguns comportamentos esperados do sistema AM IBOC e situações em que esse sistema pode não apresentar desempenho satisfatório ou problemas de compatibilidade com os sinais analógicos AM existentes. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília i

4 Esse documento é resultado de um projeto de estudo e de pesquisa desenvolvido no Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília e que teve o apoio da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e da União Internacional de Telecomunicações (UIT) Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília ii

5 Sumário Lista de Figuras...iv Lista de Tabelas...v 1 INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA AM IBOC HÍBRIDO CARACTERÍSTICAS ESPECTRAIS DO SINAL AM IBOC HÍBRIDO MODALIDADE DE SERVIÇO DO AM IBOC HÍBRIDO COMUTAÇÃO ENTRE RECEPÇÃO DIGITAL E ANALÓGICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO SERVIÇO DIGITAL Qualidade objetiva do sinal recebido Provável impacto das interferências na área de cobertura AVALIAÇÃO DA COMPATIBILIDADE Compatibilidade com a canalização AM em onda média Impacto na recepção do sinal analógico AM hospedeiro Impacto na recepção de sinais analógicos AM não-hospedeiros PROCEDIMENTOS DE TESTE CARACTERIZAÇÃO DA ESTAÇÃO TRANSMISSORA Potência e espectro do sinal analógico AM Potência e espectro do sinal híbrido Medições sobre o sinal IBOC no ar AVALIAÇÃO DA ROBUSTEZ E DA ÁREA DE COBERTURA DO SINAL DIGITAL Avaliação da área coberta pela onda de superfície Avaliação da área coberta pela onda ionosférica TESTES DE COMPATIBILIDADE COM OS SINAIS ANALÓGICOS Receptores analógicos de teste Impacto na recepção do sinal analógico AM hospedeiro Impacto na recepção de sinais AM localizados no 1 o canal adjacente Impacto na recepção de sinais AM localizados no 2 o canal adjacente Avaliação noturna...31 REFERÊNCIAS...32 Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília iii

6 Lista de Figuras Figura Espectro do sinal AM IBOC híbrido (adaptado de [1])....2 Figura Limites para as emissões espectrais de uma estação AM IBOC híbrida, (Adaptado de [2])...3 Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC localizado no 1 o canal adjacente...9 Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC localizado no 2 o canal adjacente...10 Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC localizado no 3 o canal adjacente...11 Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC em um sinal analógico AM, quando ambos usam o mesmo canal (co-canal) Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC em um sinal analógico AM, quando a separação espectral entre as suas portadoras AM é de 10 khz (1 o adjacente)...16 Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC em um sinal analógico AM, quando a separação espectral entre as suas portadoras AM é de 20 khz (2 o adjacente)...17 Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC em um sinal analógico AM, quando a separação espectral entre as suas portadoras AM é de 30 khz (3 o adjacente)...19 Figura Ilustração das rotas radiais para avaliação da área de cobertura do sinal AM IBOC digital...24 Figura Gráficos da qualidade objetiva e do nível de sinal para uma radial hipotética (DM = recepção digital com qualidade máxima, DR = recepção digital com qualidade reduzida, e AN = recepção analógica; Qualidade objetiva = (1 BLER) 100%)...26 Figura 4.3 Ilustração do percurso recomendado para a avaliação de impacto relativo a 1 o ou 2 o canal adjacente...29 Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília iv

7 Lista de Tabelas Tabela Nível de potência das subportadoras OFDM de um sinal AM IBOC híbrido [1], [2]...2 Tabela Limites para as emissões espectrais de uma estação AM IBOC híbrida [2]...3 Tabela Caracterização dos canais lógicos do modo de serviço MA1 [1]...4 Tabela 4.1 Formulário com informações técnicas da estação transmissora Tabela 4.2 Parâmetros para medição do espectro do sinal analógico AM...21 Tabela 4.3 Parâmetros para medição do espectro do sinal IBOC híbrido...22 Tabela 4.4 Parâmetros para medição do espectro do sinal IBOC no ar...22 Tabela 4.5 Parâmetros para as medições de espectro na avaliação do impacto do sinal IBOC digital na recepção de sinal analógico AM localizado no 1 o canal adjacente Tabela 4.6 Parâmetros para as medições de espectro na avaliação do impacto do sinal IBOC digital na recepção do sinal analógico AM hospedeiro...27 Tabela 4.7 Parâmetros para as medições de espectro na avaliação do impacto do sinal IBOC digital na recepção do sinal analógico AM hospedeiro...28 Tabela 4.8 Parâmetros para as medições de espectro na avaliação do impacto do sinal IBOC digital na recepção de sinal analógico AM localizado no 1 o canal adjacente Tabela 4.9 Parâmetros para as medições de espectro na avaliação do impacto do sinal IBOC digital na recepção de sinal analógico AM localizado no 1 o canal adjacente Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília v

8 1 INTRODUÇÃO A Anatel tem autorizado, desde setembro de 2005, a transmissão experimental de sinais digitais dos serviços de radiodifusão sonora, com base no disposto na Norma Técnica NTC n o 22 Serviço Especial para Fins Científicos ou Experimentais. A finalidade das transmissões é a realização de testes com os sistemas de radiodifusão sonora digital aprovados pela União Internacional de Telecomunicações (UIT), por meio das recomendações ITU-R BS e ITU-R BS O propósito deste documento é especificar e detalhar os procedimentos de testes de campo a serem executados com o sistema AM IBOC. Esse sistema permite que uma emissora AM, que opere em onda média (OM), transmita o sinal digital juntamente com o seu sinal AM (analógico), em bandas laterais em ambos os lados do sinal AM e na banda ocupada pelo sinal AM. Essa modalidade de transmissão simultânea é denominada simulcast, em inglês. Para esse tipo de sistema é necessário que se realize dois tipos de avaliação:! avaliação do desempenho do serviço digital digital especialmente, a robustez do sinal digital, a sua área de cobertura e a qualidade do áudio digital;! avaliação da compatibilidade do sinal AM IBOC híbrido com a canalização AM em OM e com os sinais analógicos AM existentes isto é, avaliação da interferência mútua entre o sinal digital e os sinais analógicos AM existentes, incluindo aquele que hospeda o sinal digital. Não são especificados todos os detalhes para cada procedimento de teste, pois se assume que os testes serão executados por engenheiros e técnicos que têm experiência em realizar os procedimentos básicos da maioria das medições pretendidas. 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA AM IBOC HÍBRIDO 2.1 CARACTERÍSTICAS ESPECTRAIS DO SINAL AM IBOC HÍBRIDO O sistema AM IBOC híbrido transmite o sinal digital juntamente com o sinal analógico AM existente (sinal hospedeiro). O sinal digital é transmitido em bandas laterais primárias e secundárias em ambos os lados do sinal analógico AM hospedeiro, bem como em bandas laterais terciárias coincidentes com a banda ocupada pelo sinal analógico AM hospedeiro, como mostrado na Figura 2.1 [1]. O sistema AM IBOC híbrido oferece um único modo de transmissão. O espectro do sinal digital, mostrado na Figura 2.1, ocupa uma faixa de freqüência com largura total de aproximadamente 29,5 khz. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 1

9 O valor máximo da densidade espectral de potência de cada subportadora OFDM dentro de cada banda lateral digital é dado na Tabela 2.1 [2]. As medidas de densidade espectral de potência dos sinais analógico e digital devem ser feitas tomando a média da potência sobre um intervalo de tempo de 30 segundos, com uma largura de banda de medição de 300 Hz [2]. A referência 0 dbc é definida como a potência total da portadora analógica AM não-modulada. Figura Espectro do sinal AM IBOC híbrido (adaptado de [1]). Banda lateral Primária Secundária Terciária R+eferência PIDS Tabela Nível de potência das subportadoras OFDM de um sinal AM IBOC híbrido [1], [2]. Subportadoras OFDM -57 a a a a 52-2 a a , , 53 Tipo de modulação DEP máxima (dbc/subportadora) DEP máxima (dbc/300-hz) Potência média em cada banda lateral & (dbc) 64-QAM ,8-16,02 16-QAM QPSK -43 (nível baixo) ou -37 (nível alto) variável $ (nível baixo) ou -44 (nível alto) -40,8 (nível baixo) ou -34,8 (nível alto) variável $ (nível baixo) ou -41,8 (nível alto) -29,02 (nível baixo) ou -23,02 (nível alto) -30,02 (nível alto) BPSK , QAM -43 (nível baixo) ou -37 (nível alto) -40,8 (nível baixo) ou -34,8 (nível alto) -40 (nível baixo) ou -34 (nível alto) -15,2 (nível baixo) Total -14,7 (nível alto) $ Cada subportadora na banda lateral terciária pode ter um nível diferente, como mostrado na Figura 2.1, sendo o maior nível igual a -44 dbc/suportadora e o menor -50 dbc/subportadora. & Essa é a potência média na banda lateral superior ou inferior, para obter a potência média nas duas bandas laterais somar 3 db ao valor mostrado. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 2

10 O nível nominal das subportadoras OFDM contidas nas bandas laterais secundária e terciárias e do PIDS (Primary IBOC Data Service Logical Channel) é um de dois valores selecionáveis: baixo ou alto veja Tabela 2.1. O nível alto é selecionado quando se deseja aumentar a área de cobertura digital, enquanto que o nível baixo é para diminuir a interferência sobre o sinal analógico AM hospedeiro. Com os valores nominais da Tabela 2.1, a potência média contida no sinal digital é de aproximadamente -11,7 dbc, se o nível alto é selecionado, ou -12,2 dbc, se o nível baixo é selecionado. Ou seja, a potência média contida no sinal digital é, no primeiro caso, aproximadamente 6,8% da potência total da portadora analógica AM não-modulada e, no segundo caso, 6%. Ruído e sinais espúrios gerados por qualquer fonte, incluindo ruído de fase e produtos de intermodulação, devem estar conformados aos limites mostrados na Figura 2.2 e Tabela 2.2 [2] dbc/300-hz Freqüência relativa, khz Limites atuais para as emissões de uma emissora analógica AM Limites para as emissões AM IBOC híbridas Densidade espectral de potência nominal do sinal AM IBOC digital Densidade espectral de potência nominal do sinal analógico AM Figura Limites para as emissões espectrais de uma estação AM IBOC híbrida, (Adaptado de [2]) Tabela Limites para as emissões espectrais de uma estação AM IBOC híbrida [2]. Afastamento entre a freqüência da emissão e a da portadora AM 5 a 10 khz -34,3 10 a 15 khz -26,8 15 a 15,2 khz -28 Nível em relação ao nível da portadora AM (dbc/300-hz) 15,2 a 15,8 khz -39 ( afastamento em khz - 15,2) 43,3 15,8 a 25 khz a 30,5 khz -65 ( afastamento em khz - 25) 1,273 30,5 a 75 khz -72 ( afastamento em khz -30,5) 0,292 >75 khz -85 Os limites definidos na tabela acima refletem critérios aceitáveis de desempenho. Em certas circunstâncias, pode ser necessário reduzir o nível das emissões abaixo dos limites especificados acima para diminuir a interferência mútua entre estações de rádio. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 3

11 2.2 MODALIDADE DE SERVIÇO DO AM IBOC HÍBRIDO O sistema AM IBOC híbrido oferece um único modo de serviço, denominado MA1, com o qual é conseguida uma taxa de transmissão de aproximadamente 36 kbps [1] 1. A camada de transmissão do sistema AM IBOC híbrido provê três canais lógicos para os protocolos das camadas mais altas: P1, P3 e PIDS (Primary IBOC Data Service). Os canais P1 e P3 são para a transmissão de áudio e dados, enquanto que o canal PIDS se destina ao transporte de informações de controle e identificação da estação de rádio. A Tabela 2.3 mostra a taxa de transporte, a latência e a robustez relativa de cada um dos três canais. A robustez relativa é um valor entre 1 e 10, sendo que 1 indica o nível de robustez mais alto e 10 o mais baixo. O canal lógico P1 é transportado pelas portadoras OFDM localizadas nas bandas laterais primárias do espectro do sinal digital veja Figura 2.1, enquanto que o canal P3 é transportado pelas portadoras OFM localizadas nas bandas laterais secundárias e terciárias. As bandas laterais (primárias ou secundárias ou terciárias) superior e inferior contêm cópias redundantes da mesma informação. Devido a essa redundância em freqüência, o sinal digital do sistema AM IBOC híbrido pode suportar uma interferência forte localizada no canal adjacente superior ou inferior [3]. Além da redundância em freqüência, o canal lógico P1 contém redundância temporal. Tabela Caracterização dos canais lógicos do modo de serviço MA1 [1]. Canal lógico Taxa de transporte aproximada (kbps) Latência (s) Robustez relativa P1 20 5,944 5 P3 16 1,486 6 ou 8 PIDS 0,4 0,186 3 ou 7 O áudio digital que é transmitido pelo sistema AM IBOC pode, dependendo do modo de codificação selecionado, ser codificado em um ou dois fluxos (streams) de bits: um fluxo de bit principal (core) e um fluxo secundário ou de melhoramento (enhanced) [4]. O fluxo principal transporta um áudio monofônico e é independentemente decodificável. O fluxo de melhoramento transporta bits que combinados com os bits do fluxo principal produzem um áudio estereofônico. Esse fluxo de bits não é 1 Originalmente havia um segundo modo de serviço, denominado MA2, com o qual se podia conseguir uma taxa de transmissão maior, aproximadamente 57 kbps, mas com menor robustez que a propiciada pelo modo MA1 [3]. Contudo, esse modo não consta do padrão aprovado pelo National Radio Systems Committee (NRSC). Para a transmissão só digital, também está previsto um único modo de serviço, denominado MA3, que oferecerá uma taxa de transmissão de aproximadamente 40 kbps e ocupará uma faixa de freqüência com largura nominal de 20 khz [1]. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 4

12 independentemente decodificável. A taxa de bits do fluxo principal é de aproximadamente 20 kbps e ele é transmitido pelo canal lógico P1. Quanto ao fluxo de melhoramento, sua taxa de bits máxima é de aproximadamente 16 kbps e ele é transmitido pelo canal lógico P3, que é menos robusto que o canal lógico P1 veja Tabela 2.3. Parte da capacidade de transporte do canal P3, ou até mesmo toda a sua capacidade (16 kbps), pode ser destinada a outras aplicações. 2.3 COMUTAÇÃO ENTRE RECEPÇÃO DIGITAL E ANALÓGICA Como foi descrito anteriormente, o codificador de áudio do sistema AM IBOC gera dois fluxos de bits: um principal (core) e um secundário ou de melhoramento (enhanced). Quando todas as bandas laterais (primária, secundária e terciária) são recebidas adequadamente, um receptor AM IBOC decodifica os dois fluxos de bits e provê ao ouvinte áudio digital com a melhor qualidade possível áudio estereofônico com qualidade equivalente àquela propiciada atualmente pela radiodifusão FM. Contudo, se as condições de recepção se degradam de tal forma que o canal lógico P3 (transmitido nas bandas laterais secundárias e terciárias) é recebido com muitos erros mas o canal lógico P1 (transmitido nas bandas laterais primárias) é ainda recebido satisfatoriamente, devido a sua maior robustez, o receptor AM IBOC decodificará somente o fluxo de bits principal. Nesse caso, o ouvinte terá um áudio digital de qualidade inferior um áudio monofônico. Se as condições da recepção não possibilitam a recepção satisfatória nem mesmo do canal lógico P1, então o receptor AM IBOC comuta para a recepção do sinal analógico AM e, conseqüentemente, o ouvinte passa a escutar um áudio monofônico com a qualidade e as degradações típicas de uma recepção analógica AM. Caso as condições da recepção melhorem, o receptor AM IBOC comuta de volta para a recepção digital automaticamente. Esse processo de comutação é denominado blending, em inglês. No sistema AM IBOC, cada bloco de bits de áudio codificado é acompanhado por um código CRC (cyclic redundancy check). O receptor AM IBOC verifica, por meio desse código, a integridade de cada bloco de bits de áudio entregue ao decodificador de áudio. Com base nessa verificação é definida a taxa de erro de bloco (block error rate BLER): a razão entre o número de blocos de bits de áudio recebidos com pelo menos um bit errado e o número de blocos recibos, expressa em percentagem. Se a BLER ultrapassa um valor pré-estabelecido, o receptor faz a comutação (ou blending) da recepção digital para a recepção analógica. O padrão IBOC NRSC-5 não especifica o receptor IBOC e nem mesmo o valor da BLER para o qual um receptor IBOC deve comutar da recepção digital para a analógica. No relatório de avaliação do sistema AM IBOC [5] submetido ao National Radio Systems Committee (NRSC), em abril de 2002, é sugerido que, nos testes de campo realizados, a comutação da recepção digital para a recepção Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 5

13 analógica ocorreu quando a BLER atingiu o valor de aproximadamente 10%. Os testes foram realizados com quatro emissoras. No período diurno, a comutação de digital (core) para analógico ocorreu normalmente quando o nível do sinal reduziu para em torno de 1 mv/m (60 dbµv/m). No período noturno, a comutação ocorreu com o nível do sinal entre 2 e 10 mv/m ( 66 e 80 dbµv/m). 3 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO O sistema de radiodifusão digital AM IBOC opera na mesma faixa de freqüência destinada à radiodifusão analógica AM. Além disso, em uma primeira etapa o sistema AM IBOC opera geralmente com transmissão híbrida (ou simulcast). Para avaliar um sistema desse tipo, as seguintes avaliações devem ser realizadas:! avaliação do desempenho do serviço digital especialmente, a robustez do sinal digital, a sua área de cobertura e a qualidade do áudio digital;! avaliação da compatibilidade do sinal AM IBOC híbrido com a canalização AM em OM e com os sinais analógicos AM existentes isto é, avaliação da interferência mútua entre o sinal digital e os sinais analógicos AM existentes, incluindo aquele que hospeda o sinal digital.! avaliação do custo de implantação e uso do sistema custos das licenças de uso, dos equipamentos transmissores e dos receptores. Esse documento se restringe às duas primeiras avaliações. 3.1 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO SERVIÇO DIGITAL A avaliação do desempenho do serviço digital compreende a avaliação dos seguintes quesitos:! Robustez do sinal digital. A robustez de um sinal de rádio é caracterizada pela sua capacidade para suportar a interferência de outros sinais de rádio (especialmente sinais localizados no mesmo canal e no primeiro e segundo canais adjacentes, inferiores e superiores) e para suportar os efeitos deteriorantes do canal. Na radiodifusão em onda média por meio de onda de superfície, as principais causas de deterioração da recepção são as interferências de outras emissoras, os ruídos atmosféricos, ruídos causados pelo homem e a atenuação causada por estruturas tais como pontes, viadutos e túneis. Quando a recepção é por meio de onda ionosférica, os efeitos do multipercurso podem também causar degradação significativa.! Área de cobertura do sinal digital. A área de cobertura de uma emissora de rádio é a área, em torno da antena transmissora, na qual o sinal dessa emissora pode ser recebido com uma Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 6

14 qualidade mínima especificada. A sua extensão depende da potência de transmissão, da robustez do sinal transmitido, do nível das interferências e do nível de outras deteriorações sofridas pelo sinal radiado.! Qualidade do áudio digital transmitido. A qualidade do áudio transmitido é caracterizada basicamente pela sua largura espectral (ou largura de banda) e pelo número de canais. Na radiodifusão digital em onda média, a largura da banda de transmissão é muito pequena, por isso o sinal de áudio precisa ser codificado a taxas de bits muito baixas, geralmente menores do que 40 kbps e, às vezes, em torno ou menores do que 20 kbps. Isso obriga que se reduza a largura espectral do áudio codificado e pode não ser possível a transmissão de áudio estereofônico. Os sinais digitais são geralmente mais robustos do que os sinais analógicos. No caso do sistema AM IBOC, ele foi projetado para propiciar uma transmissão digital muito mais robusta do que a transmissão analógica AM. Na transmissão AM IBOC híbrida, a potência média contida no sinal digital é apenas 6%, aproximadamente, da potência media do sinal analógico AM. Apesar disso, é esperado que a área de cobertura do sinal IBOC digital seja praticamente a mesma área de cobertura do sinal analógico AM Qualidade objetiva do sinal recebido A área de cobertura de uma emissora de rádio é a área, em torno da antena transmissora, na qual o sinal dessa emissora pode ser recebido com uma qualidade mínima especificada. Em princípio, essa qualidade mínima deveria ser especificada por meio de uma medida subjetiva de qualidade para o áudio recebido. Contudo, medidas desse tipo são muito difíceis de serem realizadas, por isso procurase estabelecer relações entre tais medidas e uma medida objetiva de qualidade, que seja mais fácil de ser realizada. Para radiodifusão analógica, a medida objetiva usada é a razão sinal-ruído medida na entrada do receptor. Para radiodifusão digital, uma medida mais apropriada é algum tipo de taxa de erro dos dados recebidos. No sistema IBOC, a BLER pode ser usada como uma medida objetiva da qualidade da recepção. Infelizmente, conforme já foi dito, no padrão IBOC NRSC-5 não é especificado o valor máximo da BLER que permite ao receptor reproduzir o sinal de áudio com qualidade máxima, ou seja, reproduzir o sinal de áudio usando o fluxo de bits principal (core) e o fluxo de bits de melhoramento, ou o valor máximo que permite a reprodução com qualidade reduzida, quando apenas o fluxo de bits principal é usado. Esse segundo valor seria o valor acima do qual o receptor comutaria da recepção digital para a analógica. No relatório de avaliação do sistema AM IBOC [5] submetido ao National Radio Systems Committee (NRSC), em abril de 2002, é sugerido que, nos testes de campo realizados, a Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 7

15 comutação da recepção digital para a recepção analógica ocorreu quando a BLER atingiu o valor de aproximadamente 10%. Contudo, o codificador de áudio usado nos testes relatados em [5] não é o mesmo que está sendo utilizado atualmente e, portanto, os valores máximos permitidos para a BLER provavelmente se modificaram também. Caso não seja possível registrar o valor da BLER em cada ponto de recepção avaliado, devese registrar pelo menos o estado da recepção, isto é, registrar se no ponto em questão está sendo possível a recepção digital com qualidade máxima, a recepção digital com qualidade reduzida ou a recepção analógica apenas Provável impacto das interferências na área de cobertura Um dos fatores que limita a área de cobertura do sinal de uma emissora de rádio é a interferência de sinais de outras emissoras. Portanto, é preciso avaliar a robustez do sinal AM IBOC digital em relação aos efeitos de quatro tipos de sinal interferente; são eles: " sinal interferente co-canal, ou seja, localizado no mesmo canal utilizado pelo sinal desejado; " sinal interferente localizado no 1 o canal adjacente àquele utilizado pelo sinal desejado; " sinal interferente localizado no 2 o canal adjacente àquele utilizado pelo sinal desejado; " sinal interferente localizado no 3 o canal adjacente àquele utilizado pelo sinal desejado. A localização dos sinais, nesse caso, corresponde à localização da portadora do sinal analógico AM e considera a separação de 10 khz entre portadoras de canais consecutivos, estabelecida no Regulamento Técnico para Emissoras de Radiodifusão Sonora em Onda Média [6]. A seguir é feita uma análise do provável impacto causado por cada um desses tipos de sinal interferente na recepção do sinal AM IBOC digital. Interferência co-canal Testes de laboratório, realizados nos E.U.A., mostraram que um sinal AM IBOC digital pode suportar a interferência de um outro sinal AM IBOC co-canal se a razão entre os níveis dos sinais desejado e interferente (razão D/I) for maior do que +15 db [5]. No Brasil, os sinais analógicos AM das emissoras em operação devem satisfazer uma a relação de proteção co-canal de 26 db, durante o período noturno, e de 40 db, durante o período diurno [6]. Portanto, não é esperada a ocorrência de interferência co-canal com nível suficiente para afetar a recepção do sinal AM IBOC digital dentro da área de cobertura atual de uma emissora que passe a transmitir aquele sinal. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 8

16 Interferência localizada no 1 o canal adjacente Quando um sinal AM IBOC híbrido sofre a interferência de outro sinal localizado no 1 o canal adjacente (inferior ou superior), essa interferência não compromete a recepção de todas as bandas laterais do sinal IBOC digital veja ilustração na Figura 3.1. Se o sinal interferente é um sinal AM analógico, apenas as bandas laterais superiores (ou inferiores) do sinal IBOC digital desejado serão afetadas. Quando o sinal interferente é um sinal AM IBOC híbrido, as bandas laterais terciárias do sinal IBOC digital desejado são também afetadas, mas uma das bandas primárias e uma das bandas secundárias não são afetadas significativamente, pois o espectro do sinal interferente não sobrepõe a elas. Como as bandas laterais superior e inferior contêm cópias redundantes da mesma informação, é possível ter uma recepção satisfatória do sinal IBOC digital mesmo quando a razão D/I é baixa. Em testes de laboratório, realizados nos E.U.A., a comutação da recepção digital com qualidade reduzida (core) para a recepção analógica ocorreu, nesse caso, para D/I da ordem de 15dB [5]. Com D/I de 10dB, foi possível a recepção digital com qualidade máxima (enhanced). No Brasil, um sinal AM interferente localizado no 1 o canal adjacente (inferior ou superior) deve ter, dentro do contorno protegido da emissora AM desejada, um nível pelo menos 6 abaixo do nível do sinal AM desejado, ou seja, a razão D/I mínima é de +6 db [6]. Portanto, dentro da área de cobertura atual de uma emissora AM, não é esperado problemas de recepção do sinal AM IBOC digital por causa de sinais interferentes localizados no 1 o canal adjacente, desde que esses sinais interferentes estejam localizados apenas no 1 o canal adjacente inferior ou apenas no superior, mas não em ambos. Sinal analógico AM Sinal IBOC digital Sinal desejado Sinal interferente (1 o canal adjacente) Freqüência Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC localizado no 1 o canal adjacente. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 9

17 Contudo, caso uma emissora desejada tenha sinais interferentes tanto no 1 o canal adjacente inferior quanto no superior, então pode acontecer da recepção digital não ser possível em pontos dentro do contorno protegido dessa emissora, quando ela passar a transmitir o sinal AM IBOC híbrido [5]. A ocorrência desse fato depende, naturalmente, da razão D/I. Durante o dia, com as ondas de superfície, é muito pouco provável que esses casos ocorram. À noite, contudo, devido às interferências por onda ionosférica, a probabilidade de ocorrer tal fato é maior. Interferência localizada no 2 o canal adjacente A Figura 3.2 mostra uma ilustração da interferência potencial causada em um sinal AM IBOC híbrido por um outro sinal AM IBOC híbrido localizado no 2 o canal adjacente. Nesse caso, as bandas laterais digitais inferiores (ou superiores) primária e secundária do sinal interferente coincidem com as bandas laterais digitais superiores (ou inferiores) primária e secundária do sinal desejado. Em testes de laboratório, realizados nos E.U.A., com um sinal AM IBOC sendo interferido por um único sinal AM IBOC localizado no 2 o canal adjacente, se conseguiu recepção digital com máxima qualidade com razão D/I de aproximadamente 22 db e recepção digital com qualidade reduzida, com razão D/I de aproximadamente 31 db [5]. No Brasil, para sinais de emissoras que operam em canais separados de 20 khz é estabelecida uma relação de proteção de 29,5 db [6]. Isto é, no contorno protegido das emissoras AM pode haver sinal interferente localizado no 2 o canal adjacente com nível tal que resulte em uma razão D/I de 29,5 db. Portanto, não é esperado que um sinal AM IBOC interferente localizado no 2 o canal adjacente de um sinal AM IBOC desejado cause diminuição da área de cobertura digital desse último. Pelo menos recepção digital com qualidade reduzida deve ser conseguida em toda área de cobertura. Sinal desejado Sinal interferente (2 o canal adjacente) Freqüência Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC localizado no 2 o canal adjacente. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 10

18 Contudo, se existirem dois sinais interferentes, um localizado no 2 o canal adjacente inferior e o outro no 2 o canal adjacente superior, a área de cobertura do sinal AM IBOC digital desejado pode ser muito menor do que a área de cobertura original do sinal analógico AM. Isso porque, nesse caso, tanto as bandas laterais digitais inferiores quanto as superiores do sinal AM IBOC poderão sofrer forte interferência. Em testes de laboratório [5], foi possível a recepção digital com qualidade máxima na presença de dupla interferência quando para uma delas a razão D/I foi de 0 db e para a outra +25 db. Recepção digital com qualidade reduzida foi possível com razões D/I de 0 db e + 3 db. Interferência localizada no 3 o canal adjacente Caso exista um sinal AM IBOC interferente no 3 o canal adjacente (inferior ou superior) àquele ocupado pelo sinal AM IBOC desejado, haverá uma banda de guarda de 500 Hz entre as bandas laterais digitais primárias desses sinais, como mostra a Figura 3.3. Em testes de laboratório [5] realizados para avaliar a robustez do sistema AM IBOC com relação a esse tipo de interferência, a recepção comutou de digital com máxima qualidade (enhanced) para digital com qualidade reduzida (core) quando a razão D/I foi diminuída para valores menores do que -37 db. A comutação para recepção analógica não ocorreu mesmo com uma razão D/I de -44 db, o valor mínimo que a infraestrutura de teste permitia simular. Sinal desejado Banda de guarda de 500 Hz entre os sinais Sinal interferente (3 o canal adjacente) Freqüência Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC localizado no 3 o canal adjacente. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 11

19 No Brasil, emissoras que operam em canais separados de 30 khz não podem ter superposição de seus contornos de 25 mv/m [6]. Por outro lado, no contorno protegido de uma emissora da classe A, localizada na zona de ruído 1, a intensidade do campo é de 0,5 mv/m [6]. Portanto, do contorno de 25 mv/m até o contorno protegido desse tipo de emissora, a intensidade do campo diminui aproximadamente 34 db. Conseqüentemente, se uma emissora da classe A, localizada na zona de ruído 1, tiver o seu contorno de 25 mv/m muito próximo do contorno de 25 mv/m de uma outra emissora, a razão D/I no contorno protegido da primeira emissora será muito menor do que -34 db. Conclui-se, portanto, que nessas condições essas emissoras causarão interferência uma à outra com intensidade suficiente para reduzir a área de cobertura de seus sinais AM IBOC digitais. A intensidade do campo no contorno protegido das emissoras das classes B e C é maior do que 0,5 mv/m [6]. Ainda assim, duas emissoras que operam em canais separados de 30 khz e que têm seus contornos de 25 mv/m muito próximos provavelmente causarão interferência uma à outra com intensidade suficiente para reduzir a área de cobertura de seus sinais AM IBOC digitais, independente das suas classes. Interferências críticas Nas discussões precedentes foram identificadas algumas situações em que uma emissora AM IBOC pode sofrer a interferência de outras emissoras AM IBOC ou AM analógicas em níveis tais que a recepção do sinal AM IBOC digital não será possível em parte da área de cobertura original da emissora. O impedimento da recepção digital poderá ocorrer principalmente quando houver dupla interferência com as seguintes combinações de localização: " 1 o canal adjacente inferior e 1 o canal adjacente superior; " 1 o canal adjacente inferior (ou superior) e 2 o canal adjacente superior (ou inferior); " 2 o canal adjacente inferior e 2 o canal adjacente superior; " 1 o canal adjacente inferior (ou superior) e 3 o canal adjacente superior (ou inferior); " 2 o canal adjacente inferior (ou superior) e 3 o canal adjacente superior (ou inferior); " 3 o canal adjacente inferior e 3 o canal adjacente superior. À noite, devido às interferências por onda ionosférica, é naturalmente maior a probabilidade das interferências em uma das combinações acima listadas e com intensidade suficiente par impedir a recepção do sinal AM IBOC digital. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 12

20 3.2 AVALIAÇÃO DA COMPATIBILIDADE A avaliação da compatibilidade do sinal AM IBOC híbrido com a canalização AM em OM e com os sinais analógicos AM existentes compreende a avaliação dos seguintes itens:! impacto interferente do sinal AM IBOC digital no sinal analógico AM hospedeiro;! impacto interferente do sinal AM IBOC digital em sinais analógicos AM localizados no mesmo canal (co-canal) ou em canais adjacentes ao canal do sinal analógico AM hospedeiro do sinal AM IBOC digital;! impacto interferente entre sinais AM IBOC híbridos. Esse último item já foi objeto de discussão na seção anterior. Essa seção discute, pois, apenas os dói primeiros itens Compatibilidade com a canalização AM em onda média O sistema AM IBOC híbrido foi projetado de modo que o sinal por ele gerado fosse compatível com a canalização adotada nos E.U.A. para a radiodifusão sonora AM em onda média. O Brasil adota a mesma canalização usada nos E.U.A., logo o sistema AM IBOC híbrido é, em princípio, compatível com canalização AM em onda média adotada no Brasil. A Figura 2.2 mostra os limites para as emissões espectrais de uma estação AM IBOC híbrida, de acordo com o padrão NRSC aprovado em abril de 2005 [2]. O espectro do sinal híbrido fica completamente abaixo dos limites atuais para as emissões de uma emissora analógica AM, estabelecidos pela Anatel [6] (ou pela FCC, nos E.U.A.). Por isso, há quem defenda que o sistema AM IBOC híbrido transmite o sinal analógico AM (existente) e o sinal digital (adicionado) em um único canal AM. Se essa assunção for aceita, o radiodifusor que já dispõe de uma emissora AM não precisa conseguir a outorga de um novo canal para a transmissão do sinal AM IBOC digital: ele pode usar o canal que já dispõe. A assunção acima mencionada pode, contudo, ser questionada com base no impacto interferente que os sinais AM IBOC híbridos podem causar uns aos outros veja Subseção 3.1.2, reduzindo a área de cobertura do sinal AM IBOC digital. Uma emissão AM IBOC híbrida pode também interferir na recepção de uma emissora analógica AM existente a ponto de reduzir sua área de cobertura, como será discutido a seguir. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 13

21 3.2.2 Impacto na recepção do sinal analógico AM hospedeiro A adição do sinal AM IBOC digital a um sinal analógico AM existente causa uma redução na qualidade objetiva (razão sinal ruído) e subjetiva do sinal de áudio fornecido por um receptor analógico. Como se pode ver na Figura 2.1, dentro da banda passante de um receptor analógico AM encontramse as seguintes portadoras do sinal digital: as portadoras de referência (em 181,7 Hz acima e abaixo da portadora AM) e as portadoras OFDM das bandas terciárias, que se estendem de 363,4 Hz a 4.723,8 Hz acima e abaixo da portadora AM. As bandas laterais secundárias e primárias do sinal digital também afetam a qualidade da recepção analógica, embora geralmente estejam fora da banda passante dos receptores analógicos AM. O nível da degradação causada por essas bandas laterais ao áudio analógico é dependente da seletividade do receptor analógico AM usado. Nos testes de laboratório e de campo realizados nos E.U.A., e relatados em [5], com todos os rádios testados, com exceção de um rádio automotivo, houve degradação do áudio analógico devido à presença do sinal IBOC digital. Os rádios automotivos têm geralmente banda passante mais estreita e, por isso, são menos sensíveis ao sinal digital do que os receptores portáteis e hi-fi. Nos testes de laboratório, verificou-se que a adição do sinal IBOC digital causou uma redução de até 9 db na razão sinal-ruído do áudio obtido na saída dos receptores analógicos. Esses mesmos testes e testes de campo indicaram que subjetivamente a qualidade do áudio mudou de boa para razoável, na recepção com rádios automotivos ou hi-fi, e de boa para razoável-a-pobre, na recepção com um rádio portátil Impacto na recepção de sinais analógicos AM não-hospedeiros Com relação a sinais analógicos AM não hospedeiros, existem quatro tipos de compatibilidade que precisam ser avaliados: co-canal, 1 o canal adjacente, 2 o canal adjacente e 3 o canal adjacente. Impacto na recepção de sinais AM localizados em co-conais A adição do sinal IBOC digital ao sinal analógico AM de uma emissora não deverá causar interferência adicional significativa na recepção do sinal analógico AM de outras emissoras que utilizam o mesmo canal da emissora interferente. Isso se deve a dois fatos: " a potência do sinal digital interferente é muito menor (da ordem de 6,5%) do que a potência do sinal analógico AM interferente (hospedeiro do sinal digital), que por sua vez deve ter um nível muito menor do que o nível do sinal interferido, dentro do contorno protegido desse último no Brasil, é estabelecida uma relação de proteção de 26 db, para o período noturno, e de 40 db, para o período diurno; Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 14

22 " as bandas laterais primárias e secundárias do sinal digital interferente, que contêm a quase totalidade da potência desse sinal, não coincidem espectralmente com o sinal analógico AM interferido (ou desejado) veja ilustração mostrada na Figura 3.4. Sinal AM desejado f D - 5 f D f D +5 Sinal IBOC interferente f I - 10 f I Freqüência, khz f I +10 Sinal analógico AM Sinal IBOC digital Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC em um sinal analógico AM, quando ambos usam o mesmo canal (co-canal). Impacto na recepção de sinais AM localizados no 1 o canal adjacente A Figura 3.5 ilustra o caso em que uma emissora AM (emissora desejada) está sofrendo a interferência de um sinal AM IBOC híbrido cuja portadora AM está separa de 10 khz da portadora AM do sinal desejado. É importante notar que o sinal analógico AM interferente é, para o sinal analógico AM desejado, uma interferência em canal adjacente, contudo parte do sinal IBOC digital representa uma interferência co-canal. Portanto, a recepção do sinal analógico AM desejado será deteriorada devido à presença do sinal IBOC digital interferente, independente de quão estreita possa ser a banda passante do receptor analógico AM. O nível da interferência digital é primariamente dependente da razão D/I. No Brasil, uma emissora AM é protegida de interferência localizada em seu 1 o canal adjacente por uma razão D/I no seu contorno protegido de no mínimo +6 db [6]. Por outro lado, essa mesma emissora é protegida de interferência co-canal por uma razão D/I no seu contorno protegido de no mínimo +26 db, durante o período noturno, e +40 db, durante o período diurno. Suponha a seguinte situação: o nível do sinal analógico AM de uma emissora desejada é, no seu contorno protegido, aproximadamente 6 db maior do que o nível do sinal analógico AM de uma emissora interferente localizada no 1 o canal adjacente. Nessa situação, em relação às bandas laterais do sinal IBOC digital interferente que coincidem com o sinal analógico AM desejado, a razão D/I será Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 15

23 de aproximadamente +21,5 db esse valor é obtido usando os dados da Tabela 2.1 [7]. Essa razão D/I é razoavelmente menor do que os +26 db exigidos atualmente para o período noturno e muito menor do que os +40 db, para o período diurno. Portanto, nessa situação, é provável que a presença do sinal IBOC digital interferente cause uma significativa piora na qualidade da recepção do sinal analógico AM desejado, em parte da sua área de cobertura. É importante mencionar ainda que a qualidade subjetiva do áudio entregue por um receptor analógico AM é mais afetada por um sinal digital interferente do que por um sinal analógico AM interferente [8]. Os resultados dos testes realizados nos E.U. A. [5] revelaram alguns fatos importantes: 1. A razão D/I mínima de +6 db estabelecida para proteger a área de cobertura de uma emissora AM em relação a um sinal analógico AM interferente localizado no 1 o canal adjacente não é suficiente para propiciar uma proteção adequada. Nos testes realizados sem a presença do sinal IBOC digital, mesmo em pontos onde a razão D/I era de +10 db, os rádios testados não foram capazes de entregar áudio com qualidade satisfatória. Em pontos onde a razão D/I era de +15 db, os rádios automotivos testados propiciaram áudio com qualidade boa-para-satisfatória, enquanto que os rádios hi-fi e portátil propiciaram qualidade satisfatória-para-pobre e pobre, respectivamente. 2. Em pontos onde a razão D/I é de +10 db, os receptores analógicos não são capazes de entregar áudio com qualidade satisfatória, independentemente se o sinal interferente é um sinal AM IBOC híbrido ou se apenas um sinal analógico AM. Sinal AM desejado f D - 5 f D f D +5 Sinal IBOC interferente f I - 10 f I Freqüência, khz f I +10 Sinal analógico AM Sinal IBOC digital Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC em um sinal analógico AM, quando a separação espectral entre as suas portadoras AM é de 10 khz (1 o adjacente). Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 16

24 3. Em pontos onde a razão D/I é de +15 db, quando foi iniciada a transmissão do sinal IBOC digital, a qualidade do áudio mudou de boa-para-satisfatória para satisfatória e de satisfatória-parapobre para pobre quando os rádios usados foram automotivos e hi-fi, respectivamente. Com os rádios portáteis, a qualidade do áudio permaneceu inalterada em pobre. Impacto na recepção de sinais AM localizados no 2 o canal adjacente A Figura 3.6 ilustra o caso em que uma emissora AM (emissora desejada) está sofrendo a interferência de um sinal AM IBOC híbrido cuja portadora AM está separa de 20 khz da portadora AM do sinal desejado. Nesse caso, parte do sinal IBOC digital constitui uma interferência localizada no 1 o canal adjacente, embora o sinal analógico AM interferente esteja no 2 o canal adjacente. Portanto, a deterioração causada pelo sinal IBOC digital interferente à qualidade da recepção do sinal analógico AM desejado será dependente da seletividade do receptor analógico usado e, naturalmente, da razão D/I no ponto de recepção. As normas atuais da Anatel permitem uma razão de D/I de 29,5 db no contorno protegido de uma emissora AM, quando o sinal interferente (analógico AM) está localizado no 2 o canal adjacente ao da emissora desejada [6]. Por outro lado, para um sinal analógico AM interferente localizado no 1 o canal adjacente, é especificada uma razão D/I mínima de +6 db [6]. Sinal AM desejado f D - 5 f D f D +5 Sinal IBOC interferente f I - 20 f I - 10 Freqüência, khz f I f I +10 Sinal analógico AM Sinal IBOC digital Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC em um sinal analógico AM, quando a separação espectral entre as suas portadoras AM é de 20 khz (2 o adjacente). Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 17

25 Assim, se o nível do sinal analógico AM de uma emissora desejada for, no seu contorno protegido, 29,5 db menor do que o nível do sinal analógico AM de uma emissora interferente localizada no seu 2 o canal adjacente, as bandas laterais do sinal IBOC digital localizadas no 1 o canal adjacente constituirão um sinal interferente para o qual a razão D/I será de aproximadamente 14 db esse valor é obtido usando os dados da Tabela 2.1 [7]. Essa razão D/I é muito menor do que os +6 db exigidos atualmente pelas normas da Anatel. Conseqüentemente, nessa situação, é esperado que a qualidade da recepção do sinal analógico AM desejado seja, em parte da sua área de cobertura, significativamente afetada pela presença do sinal IBOC digital interferente. Os testes realizados nos E.U. A. [5] propiciaram os seguintes resultados: 1. Em laboratório e com razão D/I de 0 db, a qualidade do sinal de áudio na saída dos receptores analógicos variou de 3,2 a 3,7 ( boa-para-satisfatória ), na escala ACR-MOS, quando não havia o sinal IBOC digital, mas apenas o sinal analógico AM interferente no 2 o canal adjacente. Com a adição do sinal IBOC digital, a qualidade variou entre 1,5 ( pobre-para-ruim ) e 3,4 ( boa-para-razoável ). Um receptor automotivo foi praticamente insensível à presença do sinal IBOC digital, enquanto que o receptor portátil foi mais afetado. 2. Em laboratório, mesmo com uma razão D/I de +15 db, a adição do sinal IBOC digital causou degradação significativa na qualidade do áudio entregue pelos receptores analógicos, com exceção de um receptor automotivo. Nessas condições, a razão D/I é de aproximadamente 0 db, se for considerado apenas o sinal IBOC digital localizado no 1 o canal adjacente. 3. Em testes de campo, a qualidade subjetiva do áudio entregue por todos os receptores analógicos testados se manteve praticamente inalterada quando a razão D/I foi de 9 a 10 db. Impacto na recepção de sinais AM localizados no 3 o canal adjacente A Figura 3.7 ilustra o caso em que uma emissora AM (emissora desejada) está sofrendo a interferência de um sinal AM IBOC híbrido cuja portadora AM está separa de 30 khz da portadora AM do sinal desejado. Nesse caso, existe uma banda de guarda com largura de 10 khz entre o sinal analógico AM desejado e o sinal IBOC interferente. Testes realizados em laboratório [5] indicaram que essa banda de guarda é suficiente para que a adição do sinal IBOC digital ao sinal analógico AM localizado no 3 o canal adjacente ao da emissora desejada não cause qualquer impacto na recepção do sinal analógico AM da emissora desejada. Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 18

26 Sinal AM desejado f D - 5 f D f D +5 Sinal IBOC interferente f I - 30 f I - 20 f I - 10 Freqüência, khz f I f I +10 Sinal analógico AM Sinal IBOC digital Figura Ilustração da interferência potencial causada por um sinal AM IBOC em um sinal analógico AM, quando a separação espectral entre as suas portadoras AM é de 30 khz (3 o adjacente). Grupo de Radiodifusão Universidade de Brasília 19

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC APÊNDICE B Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC Junho de 2007 Sumário Lista de Figuras...ii Lista de Tabelas... iii 1 INTRODUÇÃO...1 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA FM IBOC HÍBRIDO...1

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast)

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Yapir Marotta Gerente Geral

Leia mais

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Audiência Pública Agência Nacional de Telecomunicações Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços

Leia mais

PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA. JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP

PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA. JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP - O RÁDIO DIGITAL NÃO RESOLVE O PROBLEMA DA ONDA MÉDIA. - O AUMENTO DO RUÍDO ELÉTRICO URBANO MUNDIAL - - A PRESERVAÇÃO DO CONTEÚDO

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

TECNOLOGIA DE DIGITALIZAÇÃO DO SISTEMA RADIOFÔNICO BRASILEIRO

TECNOLOGIA DE DIGITALIZAÇÃO DO SISTEMA RADIOFÔNICO BRASILEIRO Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília DF, 17 de setembro de 2013 Rádio: O serviço de radiodifusão sonora em ondas médias é realizado entre 525 khz

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO 4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO Este bloco de ensaios visa a avaliar as características dos sistemas de TV Digital ATSC, DVB-T e ISDB-T para recepção dos sinais. 4.1 Limiar da relação portadora

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS Física 11º Ano COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS MARÍLIA PERES TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO Produziu p pela p primeira vez ondas eletromagnéticas em laboratório (1887) utilizando um circuito para produzir

Leia mais

Serviço Radiodifusão

Serviço Radiodifusão Parte normativa Serviço Radiodifusão a) Interfaces aplicações SAP-SAB PORTUGAL Especificações Interfaces Radio Aplicações SAP/SAB - Câmaras sem fios [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição

Leia mais

A TV Digital no Brasil

A TV Digital no Brasil Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa A TV Digital no Brasil 30 de março de 2007 Ara Apkar Minassian Superintendente SET- São Paulo/SP 30 de março e

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Regulamento de Convivência SBTVD x 4G LTE Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 737ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 09/04/2014 Atribuição e Destinação Condições

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Transmissão de Dados 1.

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 20 de outubro de 2009 O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Prof.

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

SEMINÁRIO RÁDIO DIGITAL - MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. Auditório dos Correios em Brasília, DF. 1º DE SETEMBRO DE 2011. COMITE TÉCNICO AESP PÁGINA 1

SEMINÁRIO RÁDIO DIGITAL - MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. Auditório dos Correios em Brasília, DF. 1º DE SETEMBRO DE 2011. COMITE TÉCNICO AESP PÁGINA 1 COMITE TÉCNICO AESP PÁGINA 1 SEMINÁRIO RÁDIO DIGITAL - MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES 1º DE SETEMBRO DE 2011. Local: Auditório dos Correios em Brasília, DF. Neste seminário promovido pelo Ministério das Comunicações,

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU / CURSO: TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL DISCIPLINA: TRANSMISSÕES DE ÁUDIO / PROFESSOR: JOHAN VAN HAANDEL AULA: SUPORTE DIGITAL E RADIODIFUSÃO DIGITAL AULA II (PÁGINA 1) RADIODIFUSÃO DIGITAL Tecnologia que utiliza sinais digitais para transmitir informação através de ondas eletromagnéticas através da modulação

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite Decisão ECC (09)02 Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite aprovada em 26 de junho de 2009 alterada em 02 de novembro de 2012

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Campinas, 4 de outubro de 2011

Campinas, 4 de outubro de 2011 Anexo à Resolução Nº 506 Relatório de Ensaio Número: CertLab WIF 4454 11 01 Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 4 de outubro de 2011. Este Relatório de ensaio só

Leia mais

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária Audiência Pública PLS nº 483/2008 Agência Nacional de Telecomunicações Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa Serviço de Televisão Comunitária Senado Federal Comissão de

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

QUESTIONAMENTOS DEPUTADO SANDRO ALEX AO CONSÓRCIO DRM

QUESTIONAMENTOS DEPUTADO SANDRO ALEX AO CONSÓRCIO DRM 1 QUESTIONAMENTOS DEPUTADO SANDRO ALEX AO CONSÓRCIO DRM 1. As transmissões analógica e digital são realizadas de forma simultânea? Em caso de perda do sinal digital, o sinal analógico entra automaticamente?

Leia mais

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão Fonte: Rodrigo Semente A Distorção, em Sistemas de Comunicação, pode ser entendida como uma ação que tem como objetivo modificar as componentes

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

Rádio Digital na Faixa de Onda Média e as Peculiaridades da Cobertura por Onda de Superfície

Rádio Digital na Faixa de Onda Média e as Peculiaridades da Cobertura por Onda de Superfície JOSÉ MARCIO RODRIGUES VIANA Rádio Digital na Faixa de Onda Média e as Peculiaridades da Cobertura por Onda de Superfície CADERNOS CCOM VOLUME VI CENTRO DE POLÍTICAS, DIREITO, ECONOMIA E TECNOLOGIAS DAS

Leia mais

RÁDIO DIGITAL. Fábio Luis Mendes ESTUDO

RÁDIO DIGITAL. Fábio Luis Mendes ESTUDO ESTUDO RÁDIO DIGITAL Fábio Luis Mendes Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO NOVEMBRO/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 O pode ser definido como todo e qualquer tipo de interfência externa que exercida sobre um

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Fundamentos de Sistemas Multimídia Padrões de Rádio Digital Agosto/2006 Jailton Neves Padrões de Rádio Digital Agenda - IBOC In

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

Guia para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC

Guia para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC Guia para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC 2009 Sumário Lista de Figuras...ii Lista de Tabelas... iii 1. INTRODUÇÃO...1 2. PROCEDIMENTOS DE TESTE...3 2.1 INFORMAÇÕES DA ESTAÇÃO TRANSMISSORA...3

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda 1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda Pulsos quadrados não são práticos. São difíceis de serem gerados e requerem grande largura de banda. Além disso, em razão da largura de banda limitada do

Leia mais

(*) Republicado por ter saído com incorreção do original no item 10 Disposições Gerais e Transitórias.

(*) Republicado por ter saído com incorreção do original no item 10 Disposições Gerais e Transitórias. (*) Republicado por ter saído com incorreção do original no item 10 Disposições Gerais e Transitórias. ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 67, DE 12 DE NOVEMBRO DE 1998 REGULAMENTO TÉCNICO PARA EMISSORAS DE RADIODIFUSÃO

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375 Redes de computadores N Laboratório 01 Luiza Eitelvein 181375 Exercícios 1) a) Teorema de Shannon : MCs = B log₂(1+s/n) 40 db = 10 log(s/n) 4 = log(s/n) S/N = 10⁴ MCs = 3100 log₂(1+10000) = 3100 ( (log

Leia mais

Sistemas de Radiodifusão Sonora Digital Terrestre

Sistemas de Radiodifusão Sonora Digital Terrestre Sistemas de Radiodifusão Sonora Digital Terrestre Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA. PORTARIA n O 889, de 12 de novembro de 1990. Publicada no D.O.U. em 14 de novembro de 1990.

MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA. PORTARIA n O 889, de 12 de novembro de 1990. Publicada no D.O.U. em 14 de novembro de 1990. MINISTÉRIO DA INFRA-ESTRUTURA PORTARIA n O 889, de 12 de novembro de 1990. Publicada no D.O.U. em 14 de novembro de 1990. e, O MINISTRO DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA, no uso de suas atribuições Considerando

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO EXEMPLO MP LTDA. TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE Largura

Leia mais

Campinas, 18 de outubro de 2010

Campinas, 18 de outubro de 2010 Resolução Nº 56 Seção IX Relatório de Teste Número: CertLab-WIF-63--Rev Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 8 de outubro de Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE/INMETRO

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

MIGRAÇÃO OM & FM - ATUALIZAÇÃO Faixa Estendida - 76/82/88 MHz

MIGRAÇÃO OM & FM - ATUALIZAÇÃO Faixa Estendida - 76/82/88 MHz MIGRAÇÃO OM & FM - ATUALIZAÇÃO Faixa Estendida - 76/82/88 MHz 84,7 MHz SET SUL 12 DE MAIO DE 2015 CURITIBA PR EDUARDO CAPPIA 2015 AGENDA 1 - LEGISLAÇÃO DECRETO 8.139 DE 07 NOV 2013 PORTARIA MC 127 12 MARÇO

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 valderez@adthec.com.br 25.08.2011 Uma analise dos modelos de propagação em função do tipo de recepção, através da predição de cobertura, modelos de

Leia mais

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp 7-8-2013 Agenda Atribuições e missão da SET Grupos SET de Trabalho Testes e estudos no Japão Proposta de consulta

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T

NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T ANEXO 5 NOVAS APLICAÇÕES DO ISDB-T Uma das vantagens mais marcantes do ISDB-T é a sua flexibilidade para acomodar uma grande variedade de aplicações. Aproveitando esta característica única do ISDB-T, vários

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Evolução Sistemas analógicos Sistemas híbridos Sistemas digitais Estúdio analógico Transmissor analógico Receptor analógico Estúdio digital Transmissor analógico Receptor analógico Estúdio digital Transmissor

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz.

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. NORMA Nº 15/96 CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. 1-OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer a canalização e as condições

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Contribuição: Disponível no SACP a íntegra da contribuição.

Contribuição: Disponível no SACP a íntegra da contribuição. Salesópolis/SP 214/B1 VIP Rádio e Televisão Ltda. Contribuição não procedente: Contribuição: Disponível no SACP a íntegra da contribuição. 1. CONFORME O REGULAMENTO TÉCNICO ATUAL, PARA CLASSE A1, QUE É

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Espectro de Radiofreqüências TV Digital

Espectro de Radiofreqüências TV Digital QUESTÕES REGULATÓRIAS Espectro de Radiofreqüências TV Câmara dos Deputados Seminário Internacional TV - obstáculos e desafios para uma nova comunicação Brasília - 16/05/2006 Regulamentação Pertinente LGT

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

3.1. Principais características e implementações na Camada Física

3.1. Principais características e implementações na Camada Física 3 Padrão 802.11n Com o intuito de desenvolver um padrão que atendesse a crescente demanda por maior vazão, em julho de 2003 foi formado o grupo de trabalho para desenvolver o padrão 802.11n. O objetivo

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DIGITAIS PARA O SERVIÇO FIXO EM APLICAÇÕES PONTO- MULTIPONTO NAS FAIXAS DE FREQUÊNCIAS

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Medições de campo dos sistemas de Rádio Digital

Medições de campo dos sistemas de Rádio Digital Dr. Rodolfo Saboia Lima de Souza Chefe de Divisão da Ditel - INMETRO Medições de campo dos Medições de campo dos sistemas de Rádio Digital 1. Objetivo dos testes 2. Campanha de testes 3. Dados coletados

Leia mais