LEI DE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE PNUMA E A AUTONOMIA DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI DE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE PNUMA E A AUTONOMIA DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO"

Transcrição

1 1 LEI DE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE PNUMA E A AUTONOMIA DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO ENVIRONMENTAL NATIONAL POLICY STATUTE (ENPS) AND THE AUTHONOMY OF THE BRAZILIAN ENVIRONMENTAL LAW João Leonardo Mele * Cristiane Derani ** Fernanda Sola *** Alcione Adame **** RESUMO A legislação brasileira, durante muitos anos, buscou regulamentar a gestão dos recursos naturais com a visão voltada ao interesse econômico e ao desenvolvimento. Em 1981, a Lei de Política Nacional do Meio Ambiente foi editada, alterando profundamente esse quadro. Com o seu caráter eminentemente de proteção e o escopo de trazer grandes diretrizes de gestão, modificou e solidificou o Direito Ambiental brasileiro, como um ramo específico do Direito. Se de um lado as legislações das décadas de 1930 e 1960 tinham o caráter desenvolvimentista decorrente de momentos de mudanças políticas históricas peculiares do Brasil, de outro, a PNMA vem permeada de aspectos relevantes decorrentes da Carta de Estocolmo de 1972, dentre os quais se destaca a dignidade humana, o desenvolvimento econômico e social aliado as questões ambientais. Fica também assegurada a soberania dos povos na gestão de seus recursos,que na PNMA se expressa sob a titulação da Segurança Nacional. A PNMA materializa no Brasil a abordagem surgida no cenário internacional do meio ambiente, como um bem de valor intrínseco que ultrapassa a tutela meramente * Mestrando do Programa de Mestrado da Universidade Católica de Santos, pesquisador do Projeto de Pesquisa Direito, Recursos Naturais e Conflitos Ambientais: o Tratado de Cooperação Amazônica, CNPq. ** Professora Livre Docente do Mestrado em Direito da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e da Universidade Católica de Santos (UNISANTOS), Pesquisadora do Projeto de Pesquisa Direito, Recursos Naturais e Conflitos Ambientais: o Tratado de Cooperação Amazônica, CNPq. *** Mestranda do Programa de Mestrado da Universidade Católica de Santos, pesquisadora do Projeto de Pesquisa Direito, Recursos Naturais e Conflitos Ambientais: o Tratado de Cooperação Amazônica, CNPq. **** Mestranda do Programa de Mestrado da Universidade Católica de Santos.

2 2 econômica. Sua estrutura como norma de política, fundamenta a atuação do Poder Público e da sociedade através do estabelecimento de parâmetros, até então inexistentes. Ao estabelecer e estruturar o Sistema Nacional do Meio Ambiente, distribuindo competência aos demais entes federativos do Estado em um período que o texto constitucional não apresentava tal previsão, não só inovou como envolveu o Poder Público nas várias esferas e a sociedade na gestão ambiental, que se consolidaria mais adiante no texto constitucional. O Conselho Nacional do Meio Ambiente, por sua vez mostrou-se um poderoso instrumento normativo, que também consolidou e legitimou por no sistema por seu caráter democrático de gestão, com a formação paritária entre administração pública e segmentos civis da sociedade. A Lei com seu avançado caráter protecionistas e com os instrumentos de gestão nela estabelecidos, inspirou outros diplomas legais, com ênfase a Constituição Federal, particularmente no que concerne a gestão compartilhada, estudo prévio de impacto ambiental, licenciamento, criação de espaços territorialmente protegidos, responsabilização civil, penal e administrativa da pessoa física e jurídica, entre outros. Também inspirada na PNMA encontrar-se-ão preceitos, na Lei de Crimes Ambientais e na Lei da Ação Civil Pública. Em que pese esse gigantesco avanço alguns instrumentos como cadastro de atividades potencialmente poluidoras não se efetivaram na forma como previsto pelo legislador, porém, a existência da previsão legal se caracteriza como uma garantia de implementação futura. Pretende-se demonstrar que o Direito Ambiental brasileiro, a partir da edição da PNMA, estabelece uma sistematização da abordagem ambiental, bem como, confere uma nova roupagem as leis que lhe antecederam. Aliando a identificação de fontes e métodos científicos próprios, se consolida como um ramo autônomo do Direito. PALAVRAS-CHAVE: LEI DE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - AUTONOMIA DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO ABSTRACT The Brazilian legislation, through several years, has regulated the natural resources management regarding economic interests and the development. In 1981 the Environmental National Policy Statute (ENPS) was laid down and this view was deeply

3 3 changed. Its protective and broad managemental guidelines have modified and cemented the Brazilian Environmental Law as a juridical branch. On one hand, the statutes from the 1930s to the 1960s hold the developmentist features, which is a consequence of the particular moments of the Brazilian policies historical transformation. On the other hand, the ENP is permeated by aspects resulting from the Stockholm Charter of 1972, including the human dignity, the social and economic development related to environmental issues. It is also granted the sovereignty of peoples over the management of their resources, expressed in the ENP under the denomination of National Security. The ENP embodies in the Brazilian law the approach developed in the international environmental scenario, as a good that holds a intrinsic value, which falls out of the reach of the merely economic protection. Its structure as a norm of policy underpins the action of the state and the society through the establishment of parameters, which does not exist formerly. Through the establishment and structuring of the National Environmental System, distributing competences among the federate states, before the Constitution poses it, not only renewed but also enrolled the state, included the three federative instances, and the society in the environmental management. This structure was consolidated later by the constitutional order. The Environmental National Council showed itself a powerful normative toll, also consolidating and legitimating the system due to its democratic style of management, considering the evenness of the participation of the public administration and representatives of civil society. The Statute has brought na advanced protectionist character and managerial devices, which inspired other normative texts, specially the Federal Constitution, particularly concerning the shared management, the previous study of environmental impact, the territorially protected areas, the regulation of torts, and the criminal and administrative liability of juridical persons. The rules of the Environmental Crimes Statute and the Public Civil Claims Statute were inspired by the ENPS as well. In disregard of this gigantic advance, some tools, like the potentially polluting activities registry, have not been created as the legislator provided for. Nevertheless, the mere fact of a statutory prevision should be a guaranty for future implementation.

4 4 The aim of this article is to demonstrate that the Brazilian Environmental Law, since the ENPS, establishes a sistematic environmental approach, as well as attributes new features to the preceding statutes. Bringing together sources and their own methodological resources, the Environmental Law gained its autonomy. KEYWORD: ENVIRONMENTAL NATIONAL POLICY STATUTE - AUTHONOMY OF THE BRASILIAN ENVIRONMENTAL LAW Introdução O Direito Ambiental se consolida, cada vez mais, no cenário internacional e nacional. Isso decorre da necessidade humana de viver em um ambiente sadio e compatível à sua vida com qualidade, sendo os bens ambientais fundamentais para atendimento dessa necessidade. De outro lado, também está solidificado o entendimento de que os bens ambientais são finitos e que a sua gestão, atendendo às atuais e futuras gerações, necessita de todos os instrumentos disponíveis, dentre os quais se inclui o Direito. A legislação brasileira, durante muitos anos, buscou regulamentar a gestão dos recursos naturais com a visão voltada ao interesse econômico e ao desenvolvimento. Em 1981, a Lei de Política Nacional do Meio Ambiente - PNMA foi editada, alterando profundamente esse quadro. Com o seu caráter eminentemente de proteção e o escopo de trazer grandes diretrizes de gestão, modificou e solidificou o Direito Ambiental brasileiro, como um ramo específico do Direito. O presente trabalho tem por objetivo apresentar as profundas e positivas mudanças, que a PNMA implementou e continua implementar no arranjo jurídico ambiental, seus objetivos, instrumentos e princípios normativos que se consolidaram e inspiraram outras legislações, dentre as quais se destaca a Constituição Federal. 1. Breve histórico da legislação ambiental brasileira e da origem da Lei de Política Nacional de Meio Ambiente PNMA

5 5 Desde seu descobrimento, o Brasil teve, em seus recursos naturais, objeto de atenção, e a partir deles se desenvolveu a economia, com exploração de madeira, ouro, pedras preciosas, animais silvestres, e outros. A retirada desses produtos e o estabelecimento das cidades provocaram lesões ambientais em florestas, corpos d água, mangues e outras frágeis regiões de costa, considerando que a ocupação ocorreu no sentido Leste x Oeste a partir do litoral, fronteiriço ao oceano Atlântico. Durante séculos, essa estrutura de desenvolvimento foi mantida e muito pouco se realizou em prol da proteção de recursos ambientais de fauna e flora. As esparsas legislações tinham seu foco voltado à importância econômica dos bens naturais, como se verificou nas Ordenações do Reino e na própria legislação imperial, que relacionou em lei, madeiras nobres, buscando regrar a sua utilização. O início do Século XX foi marcado pela Primeira Guerra Mundial e o Brasil também passou por momentos internos de ajustes políticos, que culminaram, em 1932, com a Revolução Constitucionalista, a partir do Estado de São Paulo. O movimento foi sufocado rapidamente, porém, dois anos após, efeitos foram produzidos, sendo promulgada uma nova Constituição. Ainda em 1934, foram editadas importantes legislações relativas ao meio ambiente natural, quais sejam, o Código de Caça e Pesca, o Código Florestal, o Código de Águas e a Lei de Proteção dos Animais. Citadas legislações foram inovadoras e, pela primeira vez, criaram importantes institutos como: restrições ao exercício da pesca; consideração dos animais e vegetais aquáticos como sendo de domínio público; proibições para exercício da caça; responsabilidade civil pelo dano de caça ou pesca; estabelecimento de responsabilidade penal para atos contra a fauna silvestre e ictiológica; criação de espaços territorialmente protegidos por situação geográfica (florestas protetoras) e por ato do Poder Público (florestas remanescentes); responsabilidade civil, penal e reparação do dano nos atos praticados contra a flora; tutela do Estado sobre os animais; e ação civil contra o autor de maus tratos a animais, entre outras.

6 6 Em que pese tais instrumentos, referidas legislações entraram em vigor e seu caráter foi mais regulatório de utilização dos recursos naturais do que propriamente da sua proteção, até mesmo porque, nenhuma motivação especial produzia mudança de comportamento da sociedade brasileira da época, fortemente voltada para o extrativismo. Poucos anos depois, com o advento da Segunda Guerra Mundial, uma grande pressão sobre a vegetação nativa ocorreu, pela necessidade desse tipo de material como fonte energética. O pós-guerra continuou provocando demanda de utilização dos recursos naturais para reconstrução das cidades destruídas e o Brasil não ficou imune a essa febre desenvolvimentista, que evidentemente penalizou sobremaneira recursos e ambientes. A década de 1960, por sua vez, teve a edição do novo Código Florestal, do Código de Pesca e da Lei de Proteção à Fauna, que, seguindo o a mesma linha das previsões dos Códigos da década de 1930, se caracterizaram como legislações que enfatizavam regular a exploração de recursos, ficando a proteção voltada por uma espécie de via indireta, às formas de responsabilização a quem descumprisse preceitos de utilização. A que se considerar também que, a partir de 1964, ocorreram grandes mudanças políticas no Brasil. Essas mudanças se direcionavam a alavancar um desenvolvimento acelerado e uma ocupação estratégica do território. Ocorreu, nessa expansão, a penalização de recursos naturais, por aberturas de estrada, realização de grandes obras de infra-estrutura e outras atividades que foram implantadas sem a necessária avaliação dos impactos ao meio ambiente, até mesmo porque não havia nessa época previsão legal para esse tipo de situação. Nesse período, a Constituição Federal vigente de 1967 previa a exclusividade de legislar sobre recursos naturais apenas para a União. Encontrava-se essa previsão legal no artigo 8º (competências da União), inciso XVII (legislar), alínea h (jazidas, minas e ouros recursos minerais, metalurgia, florestas, caça e pesca). Com a Emenda Constitucional de 1969, essa previsão foi mantida nos mesmos termos, permanecendo centralizada a administração dos recursos naturais. Torna-se oportuno lembrar, ainda, que nesse período, não apenas no Brasil, mas em todo mundo, a proteção do meio ambiente era tratada de outra forma. Medidas efetivas eram tímidas, diante da gravidade da questão e dos estudos que já

7 7 demonstravam a necessidade de uma mudança de comportamentos imediata no modelo de desenvolvimento, na velocidade e forma de consumo. Em 1972, a Conferência da ONU, realizada em Estocolmo na Suécia, conhecida como a Conferência Sobre Meio Ambiente Humano, trouxe o homem para o centro da questão ambiental e estabeleceu princípios que deram início a grandes mudanças, dentre as quais, as de criação e alteração de legislações. Esse fato é relevante para o presente trabalho, pois a Lei de PNMA é influenciada por esses princípios, que não têm alcance apenas sobre o meio ambiente natural e artificial, mas também, sobre a soberania dos povos e, em particular, sobre a dignidade humana. Não se pode atribuir a origem da Lei de PNMA apenas por decorrência da Carta de Estocolmo de 1972, já que outros fatores contribuíram com a sua edição, dentre o quais, a pressão internacional decorrente de agressões ambientais de muita relevância, não só ao ambiente, mas também às pessoas, a exemplo dos casos da operação do pólo industrial de Cubatão, onde até o nascimento de crianças sem cérebro foram registrados, como conseqüência dos níveis de poluição local. A Lei de Política Nacional do Meio Ambiente estabeleceu um marco divisor que, como será visto adiante, modificou o arranjo jurídico brasileiro no que concerne ao meio ambiente, não só pelas grandes diretrizes que estabeleceu, mas principalmente, por oferecer as condições para estruturar o Direito Ambiental como um ramo autônomo do Direito. 2. Lei nº 6.938, de Estrutura, Objetivos, Instrumentos e Inovações de Política Ambiental Editada em 1981, a Política Nacional de Meio Ambiente balizou a nova situação brasileira na gestão do meio ambiente. Ao criar uma política para a questão reconheceu que o assunto, até então, recebia tratamento compartimentado por tipo de recurso (fauna, flora, etc) e, sem o caráter específico de proteção. A legislação vigente privilegiava essa compartimentação, e a administração dos recursos ambientais era levada a efeito por órgãos distintos, a exemplo do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal - IBDF, responsável pela gestão de florestas e

8 8 fauna, enquanto a Superintendência do Desenvolvimento da Pesca - SUDEPE, ficava a responsável pela gestão da pesca interior e marítima. Dessa forma, dificilmente era possível avaliar influências e interações do ambiente de maneira integrada, contrariando a realidade que os sistemas ambientais são conexos e interdependentes. Não havia, por exemplo, como proceder a análise dos efeitos sobre a fauna ictiológica (administração SUDEPE), no caso do desmatamento de uma vegetação ciliar, ou de um manguezal (administração IBDF). Ao se disponibilizar uma legislação de gestão do meio ambiente como um todo, há migração da ótica de administração de recurso, para a ótica de administração de sistema. Nesse aspecto, torna-se o oportuno citar a própria definição de meio ambiente prevista no artigo 3 da PNMA, que assim descreve: meio ambiente, conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. A amplitude e, conseqüentemente, o alcance da definição, não deve perder de vista, que uma das formas de vida referenciada é a vida humana e que ela tem um papel próprio e fundamental como vetor de utilização e de proteção. Outro fator de relevância da PNMA é o de que a lei foi concebida com caráter protecionista e, portanto, buscando alcançar e responsabilizar os autores de delitos contra o meio ambiente, que até então, usando dos mais variados subterfúgios, conseguiam se furtar a responder pelos atos praticados. Em decorrência, as definições de degradação da qualidade ambiental, poluição e poluidor, constantes do artigo 3º da PNMA circunscreveram, de maneira precisa, as ações irregulares que podem ocorrer contra o meio ambiente e os agentes por elas responsáveis. Ao longo do tempo, demonstrou-se o acerto do legislador para individualizar a responsabilização civil, administrativa e penal do degradador ambiental. O fechamento do artigo 3º da PNMA veio com a definição de recursos ambientais e ao relacionar a atmosfera, fauna, flora, solo e o subsolo e outros recursos, consolidou ao que se direcionava a tutela dos bens, que passavam a ser objeto da proteção. A Lei n 6.938, de 31 de agosto de 1981, que estabeleceu a Política Nacional de Meio Ambiente inovou ao prever em seu artigo 2, que a Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade

9 9 ambiental, visando assegurar no país, condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana. O desenvolvimento socioeconômico, a segurança nacional e a proteção da dignidade da vida humana, inseridos em uma legislação específica de meio ambiente merece receber comentários, pois esses aspectos não só demonstravam avanço para época, mas evoluíram em sua abrangência e significado como pode se verificar. Não é demais relembrar que em 1981 estava-se sobre a égide Constitucional da década de 1960 e em um regime político de exceção. Nessa situação a segurança nacional ganhava um papel muito particular enfatizando a soberania nacional e a integridade territorial. A ameaça a ordem, ao estado de direito e ao próprio regime, também se viam permeados pelo contexto internacional da Guerra Fria, onde as ideologias provocavam conflitos internos e externos. Se em um primeiro momento esses fatores podem ter incluído os interesses da segurança nacional na PNMA, mais adiante essa inclusão demonstrou ser preciosa para correlacionar a segurança nacional à ótica contemporânea de segurança humana dos cidadãos, de exercício da soberania mediante políticas públicas de proteção coletiva e principalmente da necessidade de ofertar condições para o exercício da cidadania. No que se refere ao desenvolvimento socioeconômico e sua influência na questão ambiental, é oportuno citar que nos princípios estabelecidos na Carta de Estocolmo de 1972, um deles já fazia especial referência a essa questão assim descrito: Princípio 8. O desenvolvimento econômico e social é indispensável para assegurar ao homem um ambiente de vida e trabalho favorável e para criar na terra condições necessárias de melhoria de qualidade de vida. 1 Essa questão evoluiu e mais adiante no relatório Brundtland, de 1986 foi estabelecido o conceito de desenvolvimento sustentável, que associado a anterior previsão da PNMA a potencializou. No que concerne a proteção da dignidade da vida humana, historicamente está ela incluída em preceitos internacionais a exemplo da Declaração Universal dos Direitos do Homem, de É, entretanto, na Declaração de Estocolmo, de 1972, que se expressa a vida digna em princípios ambientais, como pode se verificar: 1 Conferência de Estocolmo. Site consultado: < > Acesso em 25/02/06.

10 10 Princípio 1. O homem tem o direito fundamental à liberdade, à igualdade e ao desfrute de condições de vida adequadas em um meio ambiente de qualidade tal que lhe permita levar uma vida digna e gozar de bem estar, tendo a solene obrigação de proteger e melhorar o meio ambiente para as gerações presentes e futuras. A este respeito, as políticas que promovem ou perpetuam o apartheid, a segregação racial, a discriminação, a opressão colonial e outras formas de opressão e dominação estrangeiras são condenadas e devem ser eliminadas. 2 A vida com dignidade é algo historicamente perseguido, para permitir ao indivíduo desfrutar da liberdade, da integridade física e psíquica, da sua intimidade e de suas características próprias como ser humano. O entendimento que o componente meio ambiente é fator para se alcançar essa dignidade, redundando em uma adequada qualidade de vida, pode ser considerada como um passo gigantesco na relação humana e nesta com nesta com seu meio. A PNMA é influenciada pelos preceitos internacionais e apresenta o grande mérito, de incluir pela primeira vez em uma legislação de meio ambiente brasileira o componente dignidade humana. O Direito Ambiental apresenta princípios doutrinários. A PNMA também relaciona, em seu artigo 2º, princípios. Entretanto, estes são de caráter normatizador e dos quais partiram novas posturas e entendimentos, cabendo referência aos seguintes aspectos: - consideração do meio ambiente como patrimônio público e de uso coletivo; - o uso racional do solo, subsolo, água e ar, com planejamento e fiscalização do uso dos recursos; - a proteção de ecossistemas, o controle e zoneamento de atividades; - o estudo e pesquisa de novas tecnologias voltadas à proteção; - recuperação e proteção de áreas, ou ameaçadas de degradação; e, finalmente, - educação ambiental 2 Conferência de Estocolmo. Site consultado: < > Acesso em 25/02/06.

11 11 No que concerne aos objetivos da PNMA, elencados no artigo 4º, e muito assemelhados aos princípios estabelecidos no artigo 2º, já comentados, destaca-se particularmente o inciso VII, quando prevê a imposição de recuperar o indenizar os danos ambientais pelo poluidor, bem como a contribuição da utilização dos recursos ambientais com finalidade econômica. Presentes, dessa forma, os princípios doutrinários do poluidor pagador e do usuário pagador. Dois institutos de relevância, criados na Lei nº 6.938/1981, foram o Sistema Nacional do Meio Ambiente SISNAMA e o Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA, que, pela suas especificidades, serão objeto de capítulo próprio, no presente trabalho. A Lei passou a prever, em seu artigo 9º, os instrumentos da política nacional, sendo que alguns deles se efetivaram e se consolidaram na legislação ambiental nacional, enquanto outros, ainda não atingiram de forma plena os objetivos do legislador. Entre os instrumentos consolidados relaciona-se: - estabelecimento de padrões de qualidade ambiental; - a avaliação de impactos ambientais; - o licenciamento; e - a criação de espaços territorialmente protegidos. Dos instrumentos que necessitam evoluir, a fim de atender aos objetivos a que se propõem, pode-se relacionar: - o Cadastro Técnico Federal, de atividades e defesa ambiental; - o Cadastro Técnico Federal, de atividades poluidoras; - instrumentos econômicos, como a concessão florestal, a servidão ambiental e o seguro ambiental, entre outras. O Estudo Prévio de Impacto Ambiental - EPIA, previsto no artigo 10 da PNMA, por sua vez, se transformou, ao longo dos anos, em uma das mais importantes ferramentas de prevenção e de proteção ambiental. Em que pese ter, nos últimos vinte e cinco anos, sofrido ajustes, para não ser utilizado em desacordo com seus objetivos, o estudo de impacto ambiental em nenhum instante perdeu a sua validade e a sua importância. A abordagem técnica do EPIA, a produção de informações sobre a atividade a ser desenvolvida e, mais adiante, a participação popular, deram, no mínimo, a

12 12 possibilidade de mitigação dos impactos e a transparência do processo, que podem ser consideradas conquistas ambientais e democráticas. A aplicação de sanções administrativas, previstas no artigo 14 da PNMA, de grande valor financeiro e indexadas a um referencial econômico (Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional - ORTN, à época), em um período de alta inflação, foi um duro golpe aos infratores contumazes, que se beneficiavam da desvalorização da moeda, no que se refere à punição monetária. Essa sistemática inaugurada na PNMA, se solidificou na responsabilização administrativa das questões de meio ambiente, sendo seguidas pelos demais entes federativos, desde então. A Lei, em uma imediata reação positiva, potencializou as normatizações anteriores, nos seus aspectos preventivos, repressivos, oferecendo melhores condições para fiscalizar e proteger o meio ambiente. Ainda no artigo 14, a responsabilidade objetiva, descrita no parágrafo 1º, reforçou a indenização e a reparação do dano, independente de culpa. Trouxe o Ministério Público para dentro da questão ambiental, como legítimo na propositura da ação de responsabilidade civil e criminal, por danos causados ao meio ambiente. A PNMA, abriu as portas para a nova gestão de meio ambiente no Brasil e sua modernidade, já para a época, inspirou as legislações ambientais a ela supervinientes,a exemplo da : - Lei da Ação Civil Publica de 1985; - Constituição Federal de 1988, particularmente no capítulo do meio ambiente; - Constituições Estaduais de 1989; - Lei de Crimes Ambientais de 1998; - Lei de Política Nacional de Educação Ambiental de Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação de 2000, entre outras. Procurou se demonstrar neste capítulo, o grau de importância da PNMA para o Direito Ambiental brasileiro, pelos institutos e sistemas dela criados ou derivados, modificando a estrutura legal de proteção e gestão do meio ambiente e dos recursos naturais.

13 13 3. Ecologia, Economia, Direito e PNMA Nas últimas décadas, a ecologia emergiu das suas raízes nas ciências biológicas para se tornar uma nova disciplina integrada que liga as ciências naturais e sociais. Ao estudo de como os organismos interagem entre si e com o seu ambiente, os ecologistas alargaram a sua escala de estudo e o seu interesse incluindo níveis mais altos de organização, como o sistema ecológico ou ecossistema, a paisagem, a região e a biosfera. 3 A melhor maneira de delimitar a ecologia moderna talvez seja considerá-la em termos do conceito dos níveis de organização. A interação com o ambiente físico (energia e matéria) a cada nível produz sistemas funcionais característicos. Por sistema quer significar-se componentes com interação e interdependência regulares formando um todo unificado 4 Inicialmente esclarecemos que adotaremos a acepção de ecologia como um estudo dos sistemas biológicos de interdependência atuando o sistema econômico como um intermediário do meio ambiente com ele mesmo. Considerando a atividade econômica do homem em retirar da biosfera elementos que posteriormente retornarão a ela sob diversas formas dejetos ou como bens obsoletos. A clássica matriz de insumo produto, vem sofrendo adaptações para incorporar a geração de poluentes no processo de transformação e a sua eventual eliminação total ou parcial 5. Nessas condições, o sistema econômico passa a se inserir numa cadeia de reações e de processos originadas no sistema ecológico, ao qual acaba por retornar, implicando a impossibilidade do primeiro deles vir a ser visto como um sistema totalmente aberto, como era tradicionalmente considerado. Um sistema aberto é aquele onde se torna irrelevante o conhecimento da origem e do destino dos materiais e energia nele utilizados e dele extraídos. Numa economia de sistema fechado, o enfoque básico da atividade humana é totalmente diverso, o PIB (produto interno bruto) passa a ser relativisado com a restrição de manter o estoque de satisfação em equilíbrio, isso não quer dizer que o PIB deve deixar de crescer, mas devera ser feito num ritmo consistente com o crescimento 3 ODUM, Eugene Pleasants, Fundamentos de ecologia, tradução António Manuel de Azevedo Gomes. 7. ed. Lisboa : Fundação Calouste Gulbenkian, ODUM, op. cit 5 NUSDEO, Fabio. Curso de Economia. São Paulo: RT, p

14 14 populacional e com a gradual extensão dos benefícios às camadas dele alijadas. Esta visão levaria a um controle populacional estrito, seguindo um modelo Malthusiano 6. Diante da previsão do relatório do Clube de Roma e das movimentações dos anos 60, a ONU- Organização das Nações Unidas realizou, em junho de 1972, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, congregando mais de 110 países, entre eles, o Brasil, da qual resultou a Declaração de Estocolmo, peça fundamental para o estabelecimento dos princípios do Direito Ambiental. Os reflexos na legislação interna foram sendo sentidos, culminando em 1981 numa mudança estrutural no conteúdo normativo na abordagem do meio ambiente com a edição da lei n , a qual dispôs sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins, mecanismos de formulação e aplicação e dá outras providências. Pode-se afirmar que a ordem jurídica ambiental, como uma organização básica dotada de unidade interna formal, tal como viria a ser tratada na Constituição Federal de 1988 (o sistema jurídico estrutura um movimento que já ocorre na sociedade 7 ), já encontra sua essência organizadora e seu potencial implementador na Lei de Política Nacional do Meio Ambiente PNMA. A necessária materialização dos princípios ambientais surgidos no cenário internacional é ao mesmo tempo origem e produto 8 da abordagem ambiental de per si e não meramente econômica. A norma incorpora a tarefa de procurar reter no tempo o que o cotidiano não é ou não foi capaz de perpetuar. Nela estão presentes valores e idéias que remetem a uma nostalgia coletiva por uma sociedade ideal 9. É nesse mesmo sentido que a PNMA cristaliza anseios e valores para a concreção da dignidade da vida humana na medida em que tutela o meio ambiente como um bem de valor intrínseco, o qual, mesmo ausente das relações de mercado, é reconhecido juridicamente a partir da instituição normativa, isso pode ser verificado nos artigos 2 o, 4 o e 5 o. 6 Malthus partiu da observação de Benjamin Franklin de que, nas colônias norte americanas em que os recursos eram abundantes, a população tendia a duplicar de 25 em 25 anos...ele postulou então uma tendência universal da população- excepto quando confrontada com a oferta limitada de alimentos- para crescer exponencialmente, ou através de uma progressão geométrica... argumentou que, dado que a terra é fixa, enquanto os recursos de trabalho aumentam, os alimentos tendem a crescer numa progressão aritmética...concluindo que é como se o globo estivesse a reduzir-se para metade e novamente e novamente para a metade- até finalmente se ter reduzido tanto que a oferta de alimentos se situa abaixo do nível de vida necessário. SAMUELSON, Paul A. e NORDHAUS,William D. Economia. 16º edição. Tradução de Elsa Nobre Fontainha. Lisboa: McGraw-Hill, GRAU, Eros. O direito posto e o direito pressuposto. São Paulo: Malheiros, o alvo do sistema jurídico é a ordem social in DERANI, Cristiane. Direito Ambiental Econômico. São Paulo: Max Limonad, p DERANI, op cit. P.38.

15 15 A autonomia do Direito Ambiental se verifica nas suas relações ordenadas por princípios que lhe são próprios e que, por muitas vezes, não compartilha com outros ramos da ciência jurídica. Isso quer dizer que o Direito Ambiental baseia-se em fontes que primordialmente lhe são exclusivas, mesmo que guarde certa interdependência com outros diplomas. Nesse sentido a PNMA inaugura e nos fornece o suporte epistemológico para se tratar o Direito Ambiental como um ramo autônomo 10. Como todo ramo normativo que surge, o direito ambiental responde a um conflito interno da sociedade a partir de uma perspectiva que lhe é própria: qualidade de vida transgeneracional. A PNMA, atendendo a esses anseios, estrutura uma norma política na medida em que reconhece a necessidade da concreção futura de valores que representa o fundamento último da atuação ética do Estado e da sociedade 11, fins a serem obtidos, parâmetros das ações, programas, enfim, instrumentos e caminhos e prescreve condutas. A norma política deve prever a competência, isto é, a autorização e o seu respectivo dever. Esta atribui a esferas de poder ou órgãos governamentais o poder para realizar atos e alcançar objetivos, sendo sua execução um dever que pode ser cobrado por aqueles a quem os benefícios da realização da norma se destinam. Uma norma política dispõe sobre objetivos, finalidades, instrumentos, valores. Podemos chamá-la de lei-quadro sendo que a partir dela decorrem ações positivas práticas e normativas prescritivas de condutas (imposições, permissões, proibições, autorizações). 12 A sistematização do seu estudo, bem como a nova abordagem de leis anteriores sobre a matéria, a submissão dos conflitos à Justiça, bem como a identificação das fontes e método científico próprio, resultaram na determinação da autonomia completa do Direito Ambiental 13, a partir da PNMA. 10 Importante contrapor a crítica de Michel Vivant de que seria meramente acadêmica a discussão sobre a autonomia de determinado ramo do Direito, uma vez que o Direito, é primordialmente existencialista, pois sua existência precede sua essência, ou seja, os fenômenos fáticos passaram a ser objeto do direito antes do surgimento do Direito como ramo. In consultado em 19/10/ cf com DERANI, Cristiane. Política pública e a norma política. Mímeo. 12 cf com DERANI, Cristiane. Política pública e a norma política. Mímeo. 13 O direito ambiental, é reformador, uma vez que regula a relação social como um todo; o agenciamento equilibrado das inter-relações da humanidade e sua forma de manutenção da vida dentro de processos ecológico e economicamente otimizados.

16 16 4.SISNAMA e CONAMA como Instrumentos de Gestão e Regulamentação A necessidade de se criar instrumentos de gestão e regulamentação do meio ambiente teve sua gênese, para muitos, como já vimos, com a conferência de estocolmo (1972), que inseriu no contexto mundial a questão ambiental e a necessidade de se criar meios de proteção e preservação do meio ambiente. A edição da Lei n /81 PNMA trouxe em seu bojo a arquitetura do Sistema Nacional de Meio Ambiente SISNAMA (art. 6.º), designando um capítulo específico para explicar seu funcionamento. Segundo definição de José Affonso da Silva 14, o SISNAMA, é um conjunto articulado de órgãos, entidades, regras e práticas da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios, dos Municípios e de fundações instituídas pelo Poder Público, responsável pela proteção e melhoria da qualidade ambiental. Assim sendo, o SISNAMA, é um sistema mecanicamente interligado, mas independente com competências específicas e próprias, todavia, sem personalidade jurídica nem qualquer outra identificação. Por sistema entende-se um conjunto de órgãos que compõe um todo, e nesse todo é necessário que se tenha uma articulação entre os diversos órgãos, para que cada um, dentro de suas especificidades possa integrar-se e fazer com que esse todo, funcione de maneira harmônica e produtiva. Ao explicar sistema Derani 15 identifica duas características lógicas, sendo ordem e unidade, e faz uma ligação entre eles até chegar ao todo sistêmico. O SISNAMA é composto de órgãos e instituições de diversos níveis do Poder Público encarregados da proteção do meio ambiente. É uma estrutura político 14 SILVA, José Affonso da. Direito Ambiental Constitucional. p Um sistema possui duas características básicas: ordem e unidade. Entende-se por ordem um conteúdo racional desenvolvido num processo de conseqüência lógica. A unidade de um sistema é a sua formação coesa, onde seus elementos são suficientes para formatar um todo. É uma ordem e unidade de sentido. Com a identificação de sentido na interior do sistema, pode-se extrair, de maneira mais eficiente, o conteúdo dos elementos que compõem o sistema. O operador do sistema torna-se, assim, capacitado para uma orientação seletiva, intencionada, dos elementos que compõe o todo sistêmico, trabalhando a diversidade de construção do possível. (C.f. Cristiane Derani, Estrutura do Sistema Nacional de Unidade de Conservação, in Direito Ambiental das áreas protegidas p. 234).

17 17 administrativa oficial governamental, ainda que aberta à participação de instituições não governamentais, através dos canais competentes. No que se refere à sua organização, o SISNAMA apresenta a seguinte estrutura 16 :Órgão Superior; Órgão Consultivo e Deliberativo (CONAMA); Órgão Central; Órgão Executor (IBAMA); Órgãos Setoriais; Órgãos Seccionais; Órgãos Locais. A atuação do SISNAMA efetivar-se-á mediante articulação coordenada dos órgãos e entidades que o constituem, observado o acesso da opinião pública às informações relativas às agressões ao meio ambiente e às ações de proteção ambiental, na forma estabelecida pelo CONAMA, cabendo aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios a regionalização das medidas emanadas do SISNAMA, elaborando normas e padrões supletivos e complementares (art. 14, do Decreto n.º /90). O resultado deste esforço conjugado aponta para bases onde a atuação conjunta do Estado e do Município na administração do meio ambiente brasileiro, tendo a preocupações com o todo, tem o condão de uma visão ampla das questões ambientais, dando assim primazia para a formação da consciência ambiental dos cidadãos e, sobretudo, na ação dos administradores dos recursos naturais e da qualidade ambiental. Sendo, assim, torna-se desejável que Estados e Municípios estabeleçam, respectivamente, Sistemas Estaduais de Meio Ambiente (SISEMAS) e Sistemas Municipais de Meio Ambiente (SISMUMAS), pois a proximidade com o problema leva a uma melhor solução, e assim, o SISNAMA tem uma visão geral sobre as questões ambientais e o trabalho regionalizado desses órgãos daria maior ênfase às questões locais, tendo assim, mais chances de discutir qual a melhor solução para que sejam resolvidos a contento. Esses órgãos desempenhariam suas funções sem ferir a competência um dos outros, pois a Constituição Federal 17 estabelece que a proteção do Meio Ambiente seja de competência comum ou concorrente da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, pois todos podem igualmente dentro do âmbito de seu poder administrativo 16 As atribuições e composição de cada órgão está prevista nos incisos I a VI do artigo 6.º da Lei 6.938/ Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; VI proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas; VII preservar as florestas, a fauna e a flora;

18 18 criar mecanismos de defesa e preservação do meio ambiente, pois não há hierarquia, mas há uma distribuição de espaços e de atuação. Quanto à competência legislativa, é função da União estabelecer normas gerais e do Estado 18 e Municípios 19 normas complementares, sendo que na esfera administrativa cabe aos três poderes tomarem medidas para a proteção ambiental. Assim, de maneira conjunta poderiam tomar decisões onde o meio ambiente fosse preservado e de maneira sustentável mantido, já que é esse o objetivo da Lei da Política Nacional do Meio Ambiente. Conforme já ressaltado o SISNAMA é um sistema, e como tal, é composto de órgãos, dentre os quais dar-se-á enfoque ao Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA. O CONAMA é um órgão consultivo e deliberativo do SISNAMA, e foi instituído pelo artigo 6., inciso II da Lei 6.938/81 20, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente com finalidade de assessorar, estudar e propor ao Conselho de Governo diretrizes e políticas governamentais para o meio ambiente e os recursos naturais e deliberar, no âmbito de sua competência, sobre normas e padrões compatíveis com o meio ambiente ecologicamente equilibrado e essencial para a sadia qualidade de vida. O artigo 8.º da Lei 6.938/81 estabelece a competência legal do CONAMA, ou seja, estabelece os sujeitos que irão exercer as funções determinadas na lei. Além das competências definidas nessa Lei, o Decreto n.º /90, com nova redação dada pelo Decreto n.º 3.942/2001, em seu artigo 7.º regulamentou essas competências. 18 Art. 6.º, 1.º Lei 6.938/81: Os Estados, na esfera de suas competências e nas áreas de sua jurisdição, elaborarão normas supletivas e complementares e padrões relacionados com o meio ambiente, observados os que forem estabelecidos pelo CONAMA. 19 Art. 6.º, 2.º Lei 6.938/81: Os Municípios, observadas as normas e os padrões federais e estaduais, também poderão elaborar as normas mencionadas no parágrafo anterior. 20 Art. 6. (...) II órgão consultivo e deliberativo: o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), com a finalidade de assessorar, estudar e propor ao Conselho de Governo, diretrizes de políticas governamentais para o meio ambiente e os recursos naturais e deliberar, no âmbito de sua competência, sobre normas e padrões compatíveis com o meio ambiente ecologicamente equilibrado e essencial à sadia qualidade de vida; (Redação dada pela Lei n.º 8.028, de 1990).

19 19 Não raras vezes, a questão da competência do CONAMA para legislar sobre meio ambiente, foi objeto de discussão com as Casas Legislativas, que se manifestaram no sentido das restrições, no enunciado de normas, que estariam mais adequadas de serem baixadas por meio de Leis, e não por Resoluções do CONAMA. Como é o caso da controvertida resolução CONAMA 237/97, que distribui a competência entre as esferas do Estado Brasileiro para realizar o licenciamento ambiental. Uma outra divergência que paira sobre o tema relacionado à competência do CONAMA é quanto à revogação do artigo 8. da Lei n.º 6.938/81, pelo artigo 25 dos Atos das Disposições Constitucionais Transitórias ADCT 21. Diante desse artigo encontramos uma divergência doutrinária, pois alguns autores entendem que esse dispositivo, revogou o artigo 8. de Lei 6.938/81 e outros, ao contrário, afirmam que o artigo 8. de Lei 6.938/81 foi recepcionado integralmente pela Constituição. Maria Luiza Werneck dos Santos, respaldada de outros autores como Luiz Roberto Barroso e Diogo de Figueiredo Moreira Neto, entende que o artigo 25 da ADCT revogou a competência atribuída ao CONAMA pelo artigo 8.º ad Lei n.º 6.938/81. A competência que a Lei 6.938/81 delegou ao CONAMA não consubstancia, a toda evidência, uma competência normativa destinada a inovar na ordem jurídica, seja impondo obrigações, seja instituindo direitos ou estipulando sanções. Ademais, ainda que se pudesse entender nesses termos tal competência normativa, o art 25 da ADCT da Carta Federal, como já assinalado, a revogou expressamente. Não pode, portanto, o CONAMA editar norma que implique intervenção na liberdade ou propriedade do cidadão, porque essa matéria está reservada a 21 O artigo 25 da ADCT estabelece que: ficam revogados, a partir de cento e oitenta dias da promulgação da Constituição, sujeito este prazo à prorrogação por lei, todos os dispositivos legais que atribuam ou deleguem a órgão do Poder Executivo competência assinalada pela Constituição ao Congresso Nacional, especialmente no que tange a: I - ação normativa, II - alocação ou transferência de recurso de qualquer espécie.

20 20 lei, em razão do princípio da legalidade, consagrado no art 5 do Estatuto Fundamental. 22 explica: Já Paulo Affonso Leme Machado, entende de maneira diferente e A competência do CONAMA não foi atingida pelo disposto no art 25 da ADCT (...). È necessário verificar as competências assinaladas pela Constituição ao Congresso Nacional e as competências do CONAMA prevista no art. 8. da Lei 6.938/81, pois somente foram abrangidos os órgãos do Poder Executivo que estivessem exercendo funções que a Constituição reservou para o Congresso Nacional. As atribuições do Congresso Nacional estão inseridas no Titulo IV, Cap. I Do Poder Legislativo, Seção II, arts. 48 e 49. Constata-se que nenhuma das atribuições do Congresso Nacional são exercidas pelo CONAMA. Alias, a matéria que tem clara conotação ambiental iniciativas do poder Executivo referente a atividades nucleares (art 49, XIV, da CF) é atribuição do CNEN Conselho Nacional de Energia Nuclear. Portando, (...) entendo que o art 25 da ADCT não revogou as resoluções do CONAMA. 23 Diante do exposto, verifica-se a existência de conflito em se tratando da constitucionalidade e legalidade das competências atribuídas ao CONAMA muito embora entende-se que essa competência continua preservada pela Constituição, uma vez que o artigo 8.º da Lei 6.938/81 foi recepcionado por ela, ainda mais porque necessário se torna que as atribuições do CONAMA sejam exercidas em sua inteireza, uma vez que o objeto de preservação é o meio ambiente e a qualidade de vida. A Lei n.º 8.028/90 revogou o dispositivo do art. 7. da Lei n. 6938/81 que definia a composição do CONAMA, que passou a ser determinada pelos artigos 4.º e 5.º do Decreto n.º /90, com nova redação dada pelo Decreto n.º 3.942/ SANTOS, Maria Luiza Werneck dos. Considerações sobre os Limites da Competência Normativa do Conama. p MACHADO. Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. p. 147/148

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

Municipalização das atividades de licenciamento ambiental: Estrutura administrativa municipal

Municipalização das atividades de licenciamento ambiental: Estrutura administrativa municipal Municipalização das atividades de licenciamento ambiental: Estrutura administrativa municipal Cristiane Casini Coordenadora Jurídica Ambiental da Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente - Fujama Introdução

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei:

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei: Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Faço saber

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA 14/05/2010 Niro Afonso Pieper Diretor Geral - SEMA 1 O Sistema Integrado de Gestão Ambiental no Rio Grande do Sul Concepção e Histórico Requisitos para a Habilitação Princípio da Melhoria Contínua Enfoque

Leia mais

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Já alterada pela Lei nº 7804 de 18 de julho de 1989. O Presidente da Republica. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Com a edição da Lei nº 6.938/81 o país passou a ter formalmente uma Política Nacional do Meio Ambiente, uma espécie de marco legal para todas as políticas públicas de

Leia mais

Organismos de Regulação, Controle e Fiscalização Ambiental no Brasil. Profª MSc. Maria Bernadete Miranda

Organismos de Regulação, Controle e Fiscalização Ambiental no Brasil. Profª MSc. Maria Bernadete Miranda Organismos de Regulação, Controle e Fiscalização Ambiental no Brasil Apresentação e objetivos A presente aula tem por objetivo apresentar os organismos de regulação, controle e fiscalização ambiental no

Leia mais

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Contextualizando... Adaptação do produtor rural sem condições novos critérios de uso da terra impostos aleatoriamente sem alicerces

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo: O texto que se segue parte de uma rápida passagem

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

Introdução. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA

Introdução. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA O mar humildemente coloca-se abaixo do nível dos rios para receber, eternamente,

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI FEDERAL N 6.938, de 02 de setembro de 1981 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil Módulo 3 Gestão ambiental no Brasil 1. Introdução No encontro Rio +10, o Brasil, saiu fortalecido globalmente, assumindo definitivamente um papel de liderança regional dentro da ONU. No plano nacional,

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA Promover a Defesa do Meio Ambiente Aperfeiçoar e estruturar a atuação do

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre)

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre) Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972 (tradução livre) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, reunida em Estocolmo de 5 a 16 de junho

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

NO ESTADO DO AMAZONAS

NO ESTADO DO AMAZONAS NO ESTADO DO AMAZONAS Competências Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM PREVISÃO LEGAL AO MEIO AMBIENTE ECOLOGICAMENTE EQUILIBRADO Constituição Federal, art. 225 Todos têm direito ao meio

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Sequencia Tendências Conceitos de Política Ambiental Instrumentos Caso Brasileiro Implementação Caso Gestor

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA ESTUDO POLUIÇÃO SONORA José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO DEZEMBRO/2005 Câmara

Leia mais

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues O QUE É GESTÃO AMBIENTAL? "O controle apropriado do meio ambiente

Leia mais

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 8 13/3/2012 16:26 Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do

Leia mais

Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011

Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE Docência assistida: Prof.º Fábio Remy de Assunção Rios

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL Política Nacional do Meio Ambiente Direito Ambiental Constitucional Direito Ambiental Constitucional

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. RESPONSABILDADE CIVIL DO DANO AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO Evolução da sociedade: séc. XX (novas tecnologias x modelo de vida); Inércia do Estado: auto-tutela;

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional MARÇO/2012 Verônica Maria Miranda Brasileiro

Leia mais

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso

Leia mais

ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Giuliano Marcon* Departamento de Saúde Ambiental, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

PATRIMÔNIO AMBIENTAL

PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO AMBIENTAL PATRIMÔNIO Conjunto de direitos e obrigações de uma pessoa PATRIMÔNIO Bem ou conjunto de bens culturais ou naturais valor reconhecido para determinada localidade, região, país, ou

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE Ministério Público do Estado de Minas Gerais Fechamento de barragens Aspectos institucionais; Fechamento de mina X fechamento de barragem. Teoria da responsabilidade

Leia mais

a) Órgãos Superiores Conselho de governo, servindo para assessorar ao Presidente da República sobre assuntos que tratam do Meio Ambiente.

a) Órgãos Superiores Conselho de governo, servindo para assessorar ao Presidente da República sobre assuntos que tratam do Meio Ambiente. OAB MODULAR I - REPETIÇÃO Disciplina: Direito Ambiental Prof. : Juliana Lettière Data: 12/08/2009 Aula nº 01 TEMAS TRATADOS EM AULA ESPÉCIES DE MEIO AMBIENTE São quatro: - Meio ambiente natural/físico,

Leia mais

1. Objetivo geral da política nacional do meio ambiente

1. Objetivo geral da política nacional do meio ambiente Romeu Thomé e Leonardo de Medeiros Garcia entes da federação é justificada pela sobreposição de interesses acerca do tema. Cabe, portanto, à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios implementar

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e Regulamento mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Aspectos gerais da política nacional do meio ambiente comentários sobre a Lei nº 6.938/81 Talden Queiroz Farias* Sumário: 1 Introdução. 2 Política Nacional do Meio Ambiente. 3 Objetivo

Leia mais

REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008

REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008 Resolução Conjunta IBAMA / SEMA / IAP nº 45, de 25 de setembro de 2007. (Publicada no DOE em 13.10.2007) Define critérios para avaliação das áreas úmidas e seus entornos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente LEI Nº 4366 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM-ES. A Câmara Municipal de Cachoeiro de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO (Estocolmo/junho/72) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e Considerando a necessidade

Leia mais

Capítulo I. I. Introdução

Capítulo I. I. Introdução Capítulo I Princípios Fundamentais do Direito Ambiental I. Introdução 1. Princípios específicos de proteção ambiental O direito ambiental, ciência dotada de autonomia científica, apesar de apresentar caráter

Leia mais

CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ

CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA DE DIREITO ARTIGO: CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ Revisão:

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.901/99) Dá nova redação ao caput do artigo 32 da Lei nº 9.605, de

Leia mais

Presidente do Conselho Estadual de Meio Ambiente - COEMA

Presidente do Conselho Estadual de Meio Ambiente - COEMA Ilustríssimo Senhor JOSÉ ALBERTO DA SILVA COLARES SECRETÁRIO DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE Presidente do Conselho Estadual de Meio Ambiente - COEMA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, por meio dos signatários,

Leia mais

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR).

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR). PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 6 o, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 22 e

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 21/10/2008

PARECER HOMOLOGADO (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 21/10/2008 PARECER HOMOLOGADO (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 21/10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Mantenedora/Interessado: Secretarias Municipais

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UniDF PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ACADÊMICA PRGA CENTRO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL CTE DIREITO AMBIENTAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UniDF PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ACADÊMICA PRGA CENTRO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL CTE DIREITO AMBIENTAL 1 CENTRO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL DIREITO AMBIENTAL Autoria: Ana Maria Benavides Kotlinski Desenho Instrucional: Fábia Pimentel Brasília DF 2007 2 CENTRO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL OLIVEIRA, Edivandro Araújo de. 1 Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT RESUMO O presente trabalho tem

Leia mais

DANO AMBIENTAL AUTOR: RILDO BARROS FERREIRA RESUMO

DANO AMBIENTAL AUTOR: RILDO BARROS FERREIRA RESUMO DANO AMBIENTAL AUTOR: RILDO BARROS FERREIRA RESUMO A proteção ao meio ambiente passou a ser uma preocupação nos últimos tempos. Atualmente a defesa do meio ambiente tem como escopo a conservação dos recursos

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Ciências Rurais CCR Departamento de Engenharia Rural - DER. CAR - Cadastro Ambiental Rural

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Ciências Rurais CCR Departamento de Engenharia Rural - DER. CAR - Cadastro Ambiental Rural Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Ciências Rurais CCR Departamento de Engenharia Rural - DER CAR - Cadastro Ambiental Rural SANTA MARIA - RS 2014 UNIDADE 1 INTRODUÇÃO 1.1 - Introdução

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais