CIBERCORPOS. A BUSCA POR OUTROS HOMENS EM SALAS DE BATE-PAPO Felipe Moura de Andrade 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIBERCORPOS. A BUSCA POR OUTROS HOMENS EM SALAS DE BATE-PAPO Felipe Moura de Andrade 1"

Transcrição

1 Resumo: CIBERCORPOS A BUSCA POR OUTROS HOMENS EM SALAS DE BATE-PAPO Felipe Moura de Andrade 1 O presente artigo tratada incursão que fiz ao longo de seis meses por salas de batepapode Vitória no portal UOL, nos anos de 2009 e 2010, em pesquisa de ciberetinografia, dessa forma partilho com os leitores as impressões, diálogos, categorizações e análises, dos discursos encontrados nestas salas. Objetivo com este texto discutir tanto aspectos próprios da sociabilidade homossexual no ciberespaço, quanto alguns desafios de pesquisa, para tanto faço uma rápida apresentação da metodologia de ciberetinografia; em seguida apresento a experiência de campo e os diálogos; parto para uma análise das estratégias de comunicação dos meus interlocutores e encerro discutindo o lugar dos chats como espaço de socialização para homens que desejam outros homens. Este esta discussão mostra-se relevante tanto por seu aspecto teórico e metodológico ao trazer para o centro do debate a cibercultura e o ciberespaço e as estratégias para pesquisa-los, bem como dados de campo sobre a sociabilidade homossexual nestes contextos. Estas experiências são relevantes, na medida em que a homoerotismo masculino ainda é fortemente estigmatizado e que o anonimato, sigilo e segurança de suas identidades off-line constituem ainda um eixo central das interações entre estes homens. Palavras-chave: Ciberespaço, homoerotismo, ciberetinografia. Este trabalho que apresentamos trata-se de um relato etnográfico da incursão que fizemos ao longo de seis meses por salas de bate-papo de Vitória no portal UOL, nos anos de 2009 e 2010, em pesquisa de ciberetinografia, dessa forma partilhamos com os leitores as impressões, diálogos, categorizações e análises, dos discursos encontrados nestas salas. Objetivamos com este texto discutir alguns desafios de pesquisa e para tanto faço uma rápida apresentação da metodologia de ciberetinografia; em seguida apresentamos o tratamento teórico e metodológicos que demosaos dados de campo e por fim partimos para uma análise das estratégias de comunicação dos nossos interlocutores nas salas de bate papo. Este esta discussão mostra-se relevante tanto por seus aspectos teóricos e metodológicos ao trazer para o centro do debate a cibercultura e o ciberespaço e as estratégias para pesquisa-los, bem como dados de campo sobre a sociabilidade homossexual nestes 1 Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Espírito Santo.

2 contextos. Estas experiências são relevantes, na medida em que ohomoerotismomasculino ainda é fortemente estigmatizado e que o anonimato, sigilo e segurança das identidades off-line dos indivíduos que tem desejos homoeróticos constituem ainda um eixo central para as interações entre homens. Considerações metodológicas Para realização desta pesquisa tomamos como recurso metodológico à etnografia, típico instrumento de investigação antropológica, nosso objeto de pesquisa é o que se convencionou chamar de pós-tradicional,e neste sentido, parece necessário localizar a antropologia como prática investigativa recente, ainda que a origem e consolidação da disciplina reportem à fase de expansão do colonialismo europeu na Ásia e África. Posteriormente, em contextos pós-coloniaisa disciplina se viu desafiada a reinterpretar se, inaugurando assim a chamada antropologia das sociedades complexas, que significa a passagem do outro distante para o outro próximo, do outro ontológico para o outro epistemológico e metodológico. Com o desenvolvimento de novas tecnologias da informação e as mudanças comunicacionais e o surgimento dos espaços virtuais, um novo campo se coloca às antropologias pós-tradicionais, os ambientes virtuais, como nos aponta Lewgoy: (...) prática etnográfica tradicional não foi originalmente interpelada pelo mundo virtual, mas pela anterior discussão sobre a legitimidade do objeto sociedades complexas para a Antropologia. (Lewgoy, 2009:189) Trata-se, portanto, de uma nova ênfase da disciplina na passagem da antropologia tradicional para a pós-tradicional. Sobre esta ruptura epistemológica e metodológica, mais uma vez aponta Lewgoy: A novidade epistemológica do virtual, para a Antropologia, foi de tal monta que o sentido do mundo real ganha novas adjetivações em conformidade com uma evolução tecnológica em que o virtual seria o cume. O real off-line torna-se presencial, o que certamente atinge a antropologia por meio de questionamento do estatuto de etnografias pós-tradicionais realizadas sobre ambientes virtuais. (Lewgoy, 2009:194)

3 A atenção às interações virtuais levou muitos antropólogos a se colocarem a questão da veracidade do mundo virtual. Muitos atribuíam aos espaços sociais criados pelas plataformas e redes virtuais algo de simulacro do real, o que hoje é francamente contestado podendo se supor nesta recusa do virtual como real o desconhecimento e preconceito em relação ao novo. Com o reconhecimento desta dimensão da vida social nas sociedades complexas, passam a ganhar relevância a chamada etnografia virtual como abordagem metodológica para a coleta e produção de dados sobre o mundo online. Amaral (2010) faz um interessante levantamento de como diversos pesquisadores têm relacionado ciberespaço e etnografia, apontando, por exemplo: Para Hine (2000, 2005), responsável pela popularização do termo, na etnografia virtual a construção do campo se dá a partir da reflexividade e da subjetividade (Hine, 2009). Segundo a autora, a etnografia virtual se dá no e através do online e nunca está desvinculada do off-line, acontecendo por meio da imersão e engajamento intermitente do pesquisador com o próprio meio. (Amaral, 2010:125) A etnografia do ciberespaço está indissociada da fenomenologia como inquietação filosófica que se concentra na captura dos sentidos atribuídos aos pesquisados em sua existência no mundo, de modo que a pesquisa se volta para compreender as relações intersubjetivas das quais passa a participar também o pesquisador, no caso, mediadas por tecnologias de comunicação. Se para o antropólogo convencional é a co-presença (o trabalho de campo ) que lhe permitia o acesso das mais variadas formas de percepção do grupo - audição, tato, visão, olfato e paladar - para o etnógrafo virtual são as pluralidades de estratégias e meios tecnológicos que potencializam sua percepção dos interlocutores de pesquisa. Portanto, os multimétodos e as múltiplas plataformas e padrões tecnológicos lhe dão uma compreensão mais próxima do interlocutor, o que não se opõe as estratégias de campo em sua acepção off-line, mas somam-se a elas como metodologias alternativas em alguns casos ou combinadasem outras. Considerações teóricas Para seguirmos em nossa empreitada é fundamental fazer uma rápida discussão sobre os conceitos de ciberespaço e cibercultura, o primeiro refere-se à estrutura tecnológica que permite a existência de uma grande rede mundial de informação, o segundo refere-se à cultura emergente marcada pelo avanço gradativo das relações sociais cotidianas

4 mediadas pelo uso desta estrutura tecnológica. Sobre a constituição do ciberespaço, diz Pierre Lévy: O ciberespaço (que também chamarei de "rede") é o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos computadores. O termo especifica não apenas a infra-estrutura material da comunicação digital, mas também o universo oceânico de informações que ela abriga, assim como os seres humanos que navegam e alimentam esse universo. (Lévy, 1999:17) Como se pode perceber trata-se de uma estrutura tecnológica que combina uma base material de computadores interconectados em redes, na verdade, redes de redes bem como o conteúdo e as informações que circulam por elas. O processo de formação desta estrutura tecnológica e a constituição de sua alma ou oceano de informações, como chamado por Levy (1999), é produto de décadas de pesquisa aplicada em que diferentes padrões tecnológicos foram sendo sobrepostos, formando camadas cada vez mais complexas de sistemas interligados. Os conceitos de ciberespaço e cibercultura, estão interligados. As realidades tecnológicas em forma de redes ao valorizar a horizontalidade, a articulação e a descentralização também impactam as práticas sociais no ciberespaço, cujos frequentadores são socializados em interações fragmentadas, multiplamente articuladas e não-lineares. Podemos perceber esta imbricação na fala de Lévy, (...) o crescimento do ciberespaço resulta de um movimento internacional de jovens ávidos para experimentar, coletivamente, formas de comunicação diferentes daquelas que as mídias clássicas nos propõem. Em segundo lugar, que estamos vivendo a abertura de um novo espaço de comunicação, e cabe apenas a nós explorar as potencialidades mais positivas deste espaço nos planos econômico, político, cultural e humano. (Lévy, 1999:11) Falamos de um fenômeno cultural inédito e da experimentação de práticas sociais radicalmente distintas daquelas das gerações anteriores a inaugurar uma abertura da comunicação em nível planetário. Trata-se da cibercultura, não somente como conjunto de técnicas, mas de práticas, atitudes, modos de pensamento e valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço.

5 A emergência da cibercultura é fruto e ao mesmo tempo produtora de transformações nas relações sociais que alteraram a forma das ciências sociais abordarem a problemática do sujeito, rompendo com o princípio da unidade racional e transparente que transmitia um significado homogêneo para o campo total da conduta do indivíduo, sendo a fonte de suas ações (Laclau, 1986:3). Esta concepção nos informa das múltiplas determinações das ações dos indivíduos, em que a subjetividade não é idêntica a um conteúdo essencial e estável, mas às múltiplas posições de sujeito, geradoras de uma identidade pessoal mutante e indefinida, em persistente dinâmica de autoformação. Este processo pode ser entendido como a diferença produzindo novas diferenças, différance Hall (2009). O sujeito sempre inacabado combina suas múltiplas posições, criando identificações quer à classe ou camada social, grupo étnico, racial, gênero, práticas e desejos sexuais, nacionalidade, gostos e preferências, contextos, dentre outros. O sujeito que perde sua unidade e fixidez relaciona-se de outro modo com a experiência. Nas concepções de sujeito da primeira modernidade, este é anterior à experiência e é ele quem lhe confere sentido e ordenamento. Na concepção pósmoderna, o sujeito se forma nas experiências, nas quais ganha diferentes sentidos. Ao invés de encarar o sujeito como uma fonte que forneceria um significado ao mundo, vemos cada posição de sujeito ocupando locais diferentes no interior de uma estrutura. A esta estrutura ou conjunto de posições diferenciais, damos o nome de discurso. (Laclau, 1986:3) A mudança na forma como se concebe a relação entre sujeito e experiência alteram também a relação entre sujeito e conhecimento, bem como o status deste último de universalidade e imparcialidade. Se na primeira modernidade Giddens ou Beck (1997) a razão é concebida como universal e imparcial e a experiência constitui-se como uma forma enganosa de se conhecer, nesta nova modernidade ou pós-modernidade, a experiência não reflete de maneira transparente uma realidade pré-determinada, mas é uma construção cultural. (Brah, 1994:360). A experiência constitui-se como uma forma legitima de se conhecer o mundo, e o conhecimento não é exterior ao homem, mas fruto da interação com o ambiente e demais sujeitos, inviabilizando proposições

6 universalistas e imparciais. Tanto a experiência como o sujeito, deixam de ser entidades dadas e estanques e tornam-se processuais, contingentes e parciais: Pensar a experiência e a formação do sujeito como processos é reformular a questão da agência. O eu e o nós que agem não desaparecem, mas o que desaparece é a noção de que essas categorias são entidades unificadas, fixas e já existentes, e não modalidades de múltipla localidade, continuamente marcadas por práticas culturais e políticas cotidianas. (Brah, 1994:361) Harvey (1989) diz que o mais espantoso na pós-modernidade é sua aceitação do efêmero, fragmentário, descontinuo e caótico. No campo político e cultural, decorrente destas características tomadas como pós-modernas, tem-se a emergência de novas demandas e suas expressões. Este conjunto de mudanças alteram as bases das classificações e categorizações sociais modernas. É neste contexto mais amplo de mudanças tecnológicas e das posições de sujeito assumida pelos indivíduos e destes com a experiência que se localizam as interações em redes e plataformas sociais online. A interação entre homens em sala de bate papo obedece esta mudança social, e desta forma pode-se observar processos de usos diversos e sempre necessidade de buscar padrões sociais e coerência para as posições de sujeitos que os indivíduos podem mobilizar para suas interações. Para construir uma mediação entre as teorias de grande alcance apresentadas a cima e nossa experiência de camposobre o deslocamento no ciberespaço, proponho tomar por empréstimo quatro categorias utilizadas por Magnani em sua análise da apropriação que jovens em São Paulo fazem do espaço urbano, trata-se detrajeto, circuito, mancha e pedaço. Fazemos uso destas categorias pela robusteza conceitual que carregam ao articularem de maneira clara, eficaz e sem generalizações que por vezes perdem de foco os sentidos atribuídos pelos sujeitos a suas ações, bem como a possibilidade de trazer todas essas vantagens para discussão de relações sociais no ciberespaço. Desta forma percebemos que em nossa pesquisa a categoria trajetoaplica-se a existência de fluxos e contra-fluxosrecorrentes, na antropologia urbana, pela cidade, aqui pelo ciberespaço, fluxos estes que ao percorremas múltiplas redes sociais e plataformas de interação social conformamdentro manchas no ciberespaço, que são nada mais que os

7 contornos de milhares de interações se deslocando por espaços abertos e contíguos como chat, MSN de pegação, MSN social, Orkut, Facebook ou outros domínios do ciberespaço, na medida em que o sujeito de desloca de um hiperlink para o outro. A noção de circuito nos descreve os caminhos diversos que podem ser feitos em busca de uma interação orientada, ou seja, se o objetivo é discutir política o circuito é um, se o desejo é fazer amizade é outro e se por fim como é o caso aqui, se quer estabelecer interações entre homens com desejos por outros homens o circuito é outro. A categoria de pedaço aplica-se aquele espaço intermediário entre o privado e o público caracterizado como mais íntimo e autêntico Magnani(2007), em que se constroem relações com propósito mais denso. É necessário ressaltar que a percepção de privado e público no uso do ciberespaço, acaba se constituindo em uma ciberestratégia, ou seja, na gestão que o sujeito faz de seu próprio self, perfil ou identidade ao interagir em distintas plataformas de web. Pedaço em nossa análise é aquele continuo de links e plataformasnos quaisse constituemlugares de intimidade para o sujeitos em interaçãono ciberespaço, podem ser desde redes públicas e abertas, até espaços fechados ou anônimos, o que o caracteriza e a percepção do interlocutor de que ali é um espaço caro a sua identidade e práticas. Para complementar o esquema teórico que tomamos emprestado de Magnani (2007) propomos três outras categoria, nick, point e avatar, as são típicas dos usuários de ciberespaço e fazemos uso no sentido mais simples que poderíamos atribui-las. Por nick compreendemos o apelido auto-atribuído pelos usuários de redes sociais ou plataformas de interação social, esta tenta sintetizar a identidade pessoal, autoimagem ou informação que se pretende comunicar. Compreendemos como point os lugares específicos de encontro entre os indivíduos no ciberespaço, ou seja, os chat, Orkut, MSN, fóruns, Facebook e tantos outros a se multiplicar na era dos aplicativos para celulares. Por avatar temos compreendido a narrativa que o sujeito constrói de si, mobilizando a informação inicial contida no nick, mas também imagens, sons, performances e histórias que o possibilita construir uma identidade para interação. Todas estas categorias se configuram para nós como estruturas flexíveis que se configuram de forma contextuais, bem como cada uma delas trata de distintos níveis e desafios de análise. Podemos perceber, por exemplo, que as manchas tratam do rastro que múltiplas interações deixam no ciberespaço, tratam de metadados quantitativos,

8 neste caso a analise de IP pode ser uma interessante ferramenta de pesquisa. Circuitocircunscreve para nós os caminhos que a totalidade de nossos interlocutores de pesquisa escolhem para alcançar os desejos e objetivos que estabelecem para sua interações. Podemos descrevê-lo fazendo mapas de como na interação com interlocutores deslocamos por múltiplas plataformas e redes sociais pela web. Trajeto tem uma pretensão de analise individualizada de como uma interação em particular foi se configurando no tempo de deslocando pelo ciberespaço. Pedaço trata propriamente da constituição da empatia e do acesso à intimidade no processo de deslocamento pelo ciberespaço, com esta categoria tentamos descrever por relato ou por acesso, o conjunto de valores e de práticas compreendidas e apresentadas como mais pessoais. Point trata concretamente dos locais escolhidos para interagir, seja para iniciar ou para mudar a qualidade destas interações, existem aos montes e cada indivíduo os mobiliza na forma que acha mais adequado para suas interações. O nick é o cartão de visita e apresenta os indivíduos que se propõe a interagir, ele nos informa a intenção inicial dos indivíduos, o que não implica em compromisso que os impeça de produzir mudanças na proposta, ou menos excluí-las e propor outras. O avatar é uma narrativa e só o compreendemos na interação e no acompanhamento dos diálogos, o pesquisador precisa construir o seu ou seus e na medida em que interage participa da construção do avatar de seus interlocutores, desta forma se analisa uma construção, não um processo dado e acabado. Pelo avatar acessamos os discursos que nos permitem compreender as posições de sujeitos e as identidades que emergem na interação em ambiente online. De maneira esquemática e simples nós pesquisadores escolhemos um point inicial, neste caso a sala de bate papo, construímos algunsnicks para interação, a saber, Rapaz p/ coisa séria, Discreto 23, Discreto 21cm e por fim Moreno 23, o que avaliamos posteriormente ter trazido alguns benefícios e malefícios para nossa pesquisa, o principal ponto positivo foi dispor de múltiplos pontos de partidas que atraíram para interação indivíduos com propósitos diferentes, já o maior ponto negativo foi não ter condições de analisar o impacto de cada um destes nicks nas interações com nossos interlocutores. Após ter mobilizado nossos nickscomeçamos as interações e em cada uma delas construímosavatares distintos, o que produziu trajetos particulares, nem todos alcançaram o que chamamos aqui de pedaço, mas no conjunto constituíram um circuito, que compôs a mancha das relações de socialização por redes e plataformas sociais daquele período, dimensão que não compõe nossa análise.

9 O que relatamos do campo Nosso trabalho aqui é propor um modelo compreensivo para as interações que observamos, com base nos dados que dispomos e de nosso esquema teórico. Como já vimos à cima, lidamos contemporaneamente com uma nova concepção e prática de sujeito, em que este ocupa múltiplas posições sem que estas sejam necessariamente coerentes entre si, tendo em vista que o ciberespaço possibilita múltiplas interações simultâneas sem que estas tenham conexão mais com as outras. As diversas identificações que os indivíduos assumem a partir de suas múltiplas posições de sujeito são possíveis pelo uso de ciberestratégia de gestão de recursos identitários, em nosso campo vimos que tal estratégia seguia uma lógica, que acreditamos ser distinta em outros processos interacionais. A ciberestratégia pode ser em linhas gerais pelos seguintes processos: alguns indivíduos com desejo homoerótico tomavam o chat como um point de interação, e ao entrarem nas salas de bate papo do UOL para interagirem eram compelidos pela estrutura do espaço a criar um nick para aquela interação e que este tinha de sintetizar a proposta da interação, já que a grande maioria dos que interagiam pretendiam transitar para outros espaços de web. Este por sinal é um dado fundamental, o chat raramente constituía-se em um fim em si mesmo, mas sempre em um meio para outras relações, fossem ela online ou offline. Ao enunciar o nick o individuo era compelido a construir uma narrativa sobre si e mobilizar recursos para comprová-la, como o uso de fotos, vídeos e sons. Compreendemos estes processos como a criação do avatar, este é uma identidade de estrutura precária para interação entre indivíduos na web,que permitira todo o deslocamento ao longo da web A partir da analise dos resultados de campo obtidos das interações que estabelecemos através dos quatro avatares construídos para interação, chegamos a construção de dezoito enquadramentosque nos permitem analisar e agrupar as informações que os nicks. Como apontamos anteriormente o nick cumpre o papel de trazer a tona informação inicial necessária para o começo da interação, no quadro abaixo apresentamos os enquadramentos, o tipo de informação que trazem e alguns, exemplos de categorias.

10 Quadro I: Enquadramentos das informações contidas nas categorias para elaboração de Nicks. Enquadramentos O que nos informa Exemplos de categorias nativas Estado conjugal Trazem à tona identidades Ksal, Casado, Noivo, institucionais. Noivinho, Divorciado, etc. Interesse Apresentam o interesse em um tipo bem delimitado de interação com os outros avatares quer interagir. Sexo, Namoro,Afim, Algo sério,papo-legal,quero dá, Dá a bunda, Comer Cu, Mamar, Quer Sarado, etc. Grupo etário Indicam a vinculação ou interesse por grupo etário. Novinho, Teen, Coroa, Rapaz, Boy, etc. Localidade Informam sua posição espacial. Vix, VV, JC, JP, PC,ES Disponibilidade Informam sua disponibilidade para interação, seja ela on-line ou offline. Sozinho, Afim, Agora, Disponível, Real, Sexo agora, na cam, etc. Identidade de Gênero Informam sobre a identidade de gênero, o quenão significa proporse Homem, Macho, Machão, etc. coerente com as normas sociais. Pode ser uma plasticidade erótica. Nome Utilizam o nome próprio ou apelido relacionado. Felipe, Bruninho, Fábio, Edu, etc. Atributos Informa sobre algo que se acredita possuir e que extrapole o ambiente online. Tesudo, Safado, Gato, Gatinho, Lindo, Bonito, Tarado. Papel sexual Informam sobre papeis sexuais Passivo, Ativo, Pas, Atv, socialmente construídos e Ativasso, Total flex, Flex, conhecidos. Versátil, Passivão, Submisso, Dominador, etc. Invisibilidade de identidade Deseja produzir o apagamento de identidade sexual homossexual. Discreto, Discretaço, Sigilo, Sigiloso, Curioso,

11 etc. Característica Informa sobre a importância de Cm, Dotado, Sarado, física características físicas para a Malhado, Alto, Gordo, interação. Gordinho, Urso, Saradinho, Picudo. Profissão/status Pode atender a diversas Dr., Médico, Universitário, necessidades discursivas, desde Engenheiro, Policial, demarcaçãode status social, quanto à erotização do corpo a partir de Militar, Bombeiro, Professor, Enfermeiro. identidades profissionais e status social. Racialização Informam sobre atributos ou Moreno, Negão, preferências associadas a cor ou raça. Traz consigo para o discurso Morenaço, Nego, Loirinho, Loiro, Loiro olhos verdes. da interação várias posições de gênero e sexualidade. Estado de humor Informam sobre o estado de humor para interação. Variam muito em Triste, Feliz, De boa, De bob, De Bobeira, etc. seu propósito de comunicação. Identidade Sexual Informam a uma identidade sexual socialmente delimitada. As mais Gay, Bi, Bissexual, Hetero, etc. comuns são hetero e bi, frequentemente usadas para provocar um apagamento em uma eventual identificação como gay. Habilidade Indicam serem capazes de em uma interação produzir algo, alcançar Sedutor, Conquistador, Arrombador, Comedor de alguma coisa ou provocar cu, Chupador, etc. determinadas sensações ou reações em quem com eles interagirem. Identidade regional Informam identidades regionais. Capixaba, carioca, mineiro, mineirinho, baiano. Condição no Informa sua condição para a Pelado cam, pelado, etc.

12 instante interação. Em nossa pesquisa observamos que existia o uso regular de vocabulário e que este era utilizado para mobilizar e produzir informações para a interação, dessa forma acreditamos tratar-se de categoria nativa que estruturação narrativas possibilitando aos interlocutores construírem-se no ciberespaço. As categorias são construtoras de interações imediatas, sendo eficazes para se traduzir e construir para uns e não para outros. Isso reforça a compreensão do chat como uma mancha de interações sociais, em que não necessariamente compartilhar o mesmo ambiente signifique compartilhar os mesmos significados ou valores. Como apresentado em grupo a cima tratamos agora de apresentar e discutir algumas das categorias nativas:ksal, remonta a identidade institucional do casamento, com interesses eróticos em uma interação sexual não convencional por parte de um casal; Homem, refere-se a identidade de gênero masculina; Boy, informa sobre a identidade de gênero masculina a partir da condição de juventude, algumas vezes de menor idade legal ; Rapaz, trata também a identidade masculina e a juventude, comigo nunca foi usada por pessoas em condição de menor idade legal ; Carente, remonta um discurso sobre si em busca do outro como possibilidade de realização sexual ou afetiva; Passivo, atualiza o papel sexual do sujeito penetrado, mas por vezes tem uma conotação de inferiorização, pois abdicaria em definitivo da verdadeira masculinidade expressa na condição de penetrador ; Discreto, categoria com diversos usos, afirmando desde uma masculidade viril de um gay assumido, chegando a masculinidade de um sujeito que tendo desejos homoeróticos, mas não se percebe como gay. Seu núcleo central é a opacidade em algum nível da identificação como homossexual; Ativo, descreve o sujeito penetrador, frequentemente descrito como mais homem que o sujeito penetrado ; Dote, referi-se ao tamanho do falo, com a clara concepção de quanto maior o falo melhor o desempenho sexual; Cm, categoria que precisa o tamanho do pênis; Sarado, refere-se a um sujeito que tenha o corpo tendencialmente próximo aos padrões sociais de corpo belo; Sério, refere-se aquele que deseja se apresentar como alternativa aos discursos eróticos dominante na sala de bate-papo; Moreno, refere-se a um corpo construído a partir da noção de cor, categoria pouco precisa; Nego, Negro e Negão, referem-se a uma racialização do corpo para produção de um discurso erótico de

13 hipersexual; Macho e Machão, referem-se a uma afirmação ostensiva de uma masculinidade viril; Cam, refere-se a tecnologia de visualização da imagem via web cam; BI, categoria que afirma um duplo interesse sexual, homo e heterossexual, serve algumas vezes para suavizar uma identificação como homossexual ou mesmo para produzir se erótico na medida que lhe confere um up na masculinidade em relação aos gay ; Gay, categoria de identidade, de baixo proveito interativo, associado a uma masculinidade menor, usa-se com maior legitimidade após a construção de uma proximidade entre os interlocutores, faz referencia direta ao ambiente off-line; Kzado, refere-se ao estado conjugal de quem se propõe a interação, é fundamentalmente um recurso erótico, pois funciona como uma afirmação de masculinidade institucionalmente reconhecida; Reservado, é um recurso que o provedor UOL oferece para tornar sigilosa uma conversa, mas é usada como categoria nativa na medida em que determina um tipo de diálogo, o reservado; Só e Sozinho, podem indicar duas coisas distintas, o estado conjugal de solteiro ou mesmo o fato de se estar solitário em algum lugar e por isso disponível a interação via web cam ou off-line; Afim, significa estar disposto a algo, seja sexo, conversa ou namoro; Gato, refere-se a pessoa bela; Gostoso, refere-se a pessoa que tem um corpo desejável sexualmente; Corroa, refere-se a faixa etária, algumas vezes visto corpo maduro outras como corpo velho; Teen e Novin, referem-se a faixa etária, sempre ao corpo novo e a condição de menor idade legal ; Programa, refere-se aos profissionais do sexo ou aos serviços oferecidos por eles; Gordin, refere-se ao corpo gordo, é a produção de um discurso erótico; Urso, na subcultura gay é pensado como corpo gordo e peludo, mas no chat usa-se ora na forma clássica da subcultura gay, ora apenas como corpo com pelos; Liso, refere-se ao corpo sem pelos; Hetero, refere-se ao sujeito que só mantêm relações heterossexuais, ou a quem mantêm relações sexuais preferencial com mulher, se pensa como heterossexual, mas mantêm relações homossexuais; Ht, refere-se a pessoa com identidade hetero, mas diferencia-se da categoria Hetero, por ser uma gíria usada por pessoas que assumem uma identidade gay; Curioso, refere-se aquele que se construindo como heterossexual, flexibiliza sua auto-identificação afim de viver experiências homossexuais; Real, refere-se a possibilidade de um encontro sexual off-line; Agora, refere-se a possibilidade de encontro sexual off-line naquele instante; Tesão, refere-se ao desejo sexual latente; MSN, refere-se a ferramenta de interação on-line oferecida pelo Windows; MSN de pegação, refere-se a conta criada para acessar o MSN disponibilizado para os contatos

14 feitos via chat e com interesse de manter algum contato, mas distante das relações tidas como pessoais; MSN social, refere-se ao MSN oferecido para as pessoas que se conhece em interações off-line ou aquelas que se conhece on-line e alcançou a condição de transito para alguma dimensão de pessoalidade; Foto, refere-se ao uso da foto como recurso de corporificação e conhecimento do outro; tc, significa conversar, escrever, dialogar; Ativo liberal, significação a flexibilização do papel sexual do ativo penetrador, quando o ativo enquanto identidade flexibiliza e incorpora papeis atribuídos ao passivo, exceto a penetração; e por fim, Pegação, que significa ficar com alguém em ambiente off-line. Tanto o quadro presentado a cima como a longa lista de categorias utilizadas pelos nossos interlocutores de pesquisa visam apontar que o processo de socialização do ciberespaço é ao mesmo tempo o de construção de um corpo neste ambiente, e este processo só é possível, mobilizando um conjunto de artefatos discursivos na busca da tradução e transmutação do corpo off-line para um online. Considerações Finais Nossa análise tem quatro níveis, uma trata de nosso arcabouço teórico mais geral pelo qual descrevemos alguns processos sociais importantes para emergência do ciberespaço e do tipo de sujeito que interage neste ambiente. O segundo nível refere-se as categorias que mobilizamos para explicar a lógica da interação no nosso campo de pesquisa, que são mancha, circuito, trajeto, pedaço, point, nick e avatar, que ajudam na compreensão da lógica das interações e de como estas se constituem em estruturas móveis que permitem e facilitam a interação e a compreensão pelo interlocutores, das perspectivas da interação. O terceiro nível é o dos enquadramentos que propusemos no quadro apresentado a cima, por ele demonstramos que os sujeitos são afetados por um conjunto amplo de marcações sociais que os permitem se construir no ciberespaço, analisamos nesta dimensão os nicks, mas mesma percepção é possível de se estender por outros elementos da interação. O quarto nível de nossa análise foi propor uma interpretação de muitas das categorias utilizadas pelos nossos interlocutores e estas guardam em si a capacidade de hibridizar experiências online e off-line, na medida em que traduzem para o ciberespaço o corpo, as emoções e desejos dos interlocutores. Referências

15 AMARAL, Adriana. Etnografia e pesquisa em cibercultura: limites e insuficiências metodológicas. Revistausp, n 86, 2010 Disponível em: BECK, U. GIDDENS, A. LASH S. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. In: Introdução: O que significa modernização reflexiva? São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. São Paulo: Ed. Cadernos Pagu, HALL, Stuart.. Estudos culturais. In:. Da Diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, HARVEY, David. Condição Pós-moderna. São Paulo: Ed. Loyola, LACLAU, Ernesto. Os novo movimentos sociais e a pluralidade do social. São Paulo, Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 2, vol. 1, LÉVY, Pierre. Cibercultura; Tradução de Carlos Irineu da Costa São Paulo: Ed. 34, LEWGOY, Bernardo. A invenção da (Ciber) Cultura: Virtualização, aura e práticas etnográficas pós-tradicionais no ciberespaço. Revista de Ciências Sociais Civitas. v. 9, n. 2, Disponível: MAGNANI. José, G.C. e SOUZA. Bruna, M. Org. Jovens da metrópole: etnografias de circuitos de lazer, encontro e sociabilidade. 1. ed. São Paulo: Ed. Terceiro Nome, 2007.

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos INTENCIONALIDADE E IDENTIDADE NOS NICKNAMES Juliano Rodrigues Pereira (UEMS) julianoroper@hotmail.com Maiara Cano Romero (UEMS) Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@uol.com.br 1. Da invenção

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações

A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações Lucia M. M. Giraffa giraffa@pucrs.br ARGOS - Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação à Distância da PUCRS

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

AS PESSOAS QUE FAZEM PARTE DA MINHA VIDA

AS PESSOAS QUE FAZEM PARTE DA MINHA VIDA AS PESSOAS QUE FAZEM PARTE DA MINHA VIDA Claudia cacau Furia César 1 Inicialmente estudamos a família ao longo da historia e da nossa própria historia. Neste momento vamos introduzir uma ampliação do conceito

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE Bruna Mayara de Lima Cibotto 1 ; Patrícia Marques Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3 ; Veridiana de Vasconcelos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA Introdução Com o objetivo de que as universidades se tornem instituições-guia para a construção de cenários sociais

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 Laís Tolentino Muniz CAMPOS 2 Fernanda Gabriela Gadelha Romero 3 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB RESUMO

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

IDENTIDADE(S) E GLOBALIZAÇÃO MODERNA

IDENTIDADE(S) E GLOBALIZAÇÃO MODERNA IDENTIDADE(S) E GLOBALIZAÇÃO MODERNA Adriana Pereira de Sousa Mestranda em Sociologia PPGS/UFPB anairda30@ig.com.br Resumo: Este trabalho é resultado das reflexões obtidas a partir das leituras bibliográficas

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA Elenice KOZIEL (UEM) [1] Márcio Roberto do PRADO (UEM) [2] Introdução É perceptível que os sujeitos da pós-modernidade estão conectados, dedicando

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (PROVA 3) 1º Ano / Ensino Médio

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (PROVA 3) 1º Ano / Ensino Médio Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 06, assinalando a única alternativa correta. Texto 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

GT 5 Sexualidades e Afetividades Juvenis: Subjetividades em Movimento SEXUALIDADE PARA GAROT@S

GT 5 Sexualidades e Afetividades Juvenis: Subjetividades em Movimento SEXUALIDADE PARA GAROT@S GT 5 Sexualidades e Afetividades Juvenis: Subjetividades em Movimento SEXUALIDADE PARA GAROT@S Autora: Francielle Alves Vargas Graduanda em Letras FALE/UFMG Co-autoras: Aline Gonçalves Ferreira Graduanda

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED)

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado

Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado Leandro Avelino de SOUSA¹; Samuel Pereira DIAS²; Wanda Luzia CHAVES³; ¹ Estudante de Ciências Biológicas. Instituto Federal Minas

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

CULTURA MIDIÁTICA E ADOLESCÊNCIA: O CORPO NA REVISTA CAPRICHO

CULTURA MIDIÁTICA E ADOLESCÊNCIA: O CORPO NA REVISTA CAPRICHO CULTURA MIDIÁTICA E ADOLESCÊNCIA: O CORPO NA REVISTA CAPRICHO Flávia Mantovani Orientadora: Profª. Drª. Márcia Elisa Teté Ramos RESUMO O presente trabalho tem por objetivo apresentar, em linhas gerais,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

IMIGRANTES E NATIVOS DIGITAIS: UM DILEMA OU DESAFIO NA EDUCAÇÃO?

IMIGRANTES E NATIVOS DIGITAIS: UM DILEMA OU DESAFIO NA EDUCAÇÃO? IMIGRANTES E NATIVOS DIGITAIS: UM DILEMA OU DESAFIO NA EDUCAÇÃO? Resumo SANTOS, Marisilvia dos PUCPR marisilviaeu@hotmail.com SCARABOTTO, Suelen do Carmo dos Anjos PUCPR suu.anjos@gmail.com MATOS, Elizete

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet no Estado do Rio de Janeiro? REALIZAÇÃO:

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Carlos Alberto Messeder Pereira 1 A primeira ideia que deve ficar clara para que possamos entender a natureza da comunicação em rede e sua dinâmica

Leia mais

DA SALA DE AULA PRESENCIAL PARA O ESPAÇO VIRTUAL: O AMBIENTE ROODA E A CONSTITUIÇÃO DE SUJEITOS ALUNOS

DA SALA DE AULA PRESENCIAL PARA O ESPAÇO VIRTUAL: O AMBIENTE ROODA E A CONSTITUIÇÃO DE SUJEITOS ALUNOS DALPIAZ, Alexandra da Silva Santos UFRGS alexandradalpiaz@gmail.com Eixo: EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS, / n.09 Agência Financiadora: Sem Financiamento Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas.

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas. TROCAS NA INTERNET COM ESPAÇOSTEMPOS CURRICULARES CALDAS, Alessandra da Costa Barbosa Nunes UERJ ANDRADE, Nivea Maria da Silva UERJ CORDEIRO, Rosangela Lannes Couto UERJ GT-12: Currículo Agência Financiadora:

Leia mais

Públicos em redes: mobilização local para a I Conferência Nacional de Comunicação

Públicos em redes: mobilização local para a I Conferência Nacional de Comunicação Públicos em redes: mobilização local para a I Conferência Nacional de Comunicação Sâmia BECHELANE Cordeiro de Melo 1 - Universidade Federal de Minas Gerais Resumo Em 16 de abril de 2009, o Governo Federal

Leia mais

Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2

Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2 Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2 Resumo: Com a ascensão das novas tecnologias muitos campos de saber estão aos poucos

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE LINHA DE PESQUISA: JOGOS ELETRÔNICOS E APRENDIZAGEM GRUPO DE PESQUISA: COMUNIDADES VIRTUAIS

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

HABILIDADES DE LEITURA

HABILIDADES DE LEITURA HABILIDADES DE LEITURA QUESTÃO 1 Os PCNs Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa prescrevem como se deve organizar o ensino de Língua Portuguesa. Assinale a alternativa cuja afirmação está

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

CYBERFORMAÇÃO COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA: A FORMAÇÃO DOCENTE PARA O TRABALHO-COM-TECNOLOGIAS- DIGITAIS

CYBERFORMAÇÃO COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA: A FORMAÇÃO DOCENTE PARA O TRABALHO-COM-TECNOLOGIAS- DIGITAIS CYBERFORMAÇÃO COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA: A FORMAÇÃO DOCENTE PARA O TRABALHO-COM-TECNOLOGIAS- DIGITAIS Prof. Dr. Maurício Rosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Essa pesquisa em andamento

Leia mais

Ainda existe preconceito, mas as ferramentas do século 21 estão disponíveis também para os cristãos buscarem relacionamentos.

Ainda existe preconceito, mas as ferramentas do século 21 estão disponíveis também para os cristãos buscarem relacionamentos. Ainda existe preconceito, mas as ferramentas do século 21 estão disponíveis também para os cristãos buscarem relacionamentos. Se você pensava que o namoro entre dois cristãos poderia acontecer somente

Leia mais

Rastreamento da notícia: a produção jornalística no Jornal De Fato 1

Rastreamento da notícia: a produção jornalística no Jornal De Fato 1 Rastreamento da notícia: a produção jornalística no Jornal De Fato 1 André Luís da SILVA 2 Tamara de Sousa SENA 3 Marcília Luzia Gomes da Costa MENDES 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró,

Leia mais

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar).

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Projeto Blogs! Paraná Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Introdução Enquanto a tecnologia avança vertiginosamente, o problema da exclusão digital persiste

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET

CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET Simone Barros mestre em educação, simonegbarros@gmail.com Departamento de Design - Universidade Federal de Pernambuco André

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O espaço escolar e as diferenças étnico culturais Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O presente resumo questiona o preconceito étnico racial numa escola estadual a partir do olhar de uma coordenadora

Leia mais

Prefácio. Eliane Schlemmer

Prefácio. Eliane Schlemmer Prefácio Eliane Schlemmer SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SCHLEMMER, E. Prefácio. In: PORTO, C., and SANTOS, E., orgs. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar [online]. Campina

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA

IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA 1 Julinete Vieira Castelo Branco (UFPI) GT 11 História, Memória e Educação IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA Este estudo pretende despertar algumas reflexões, acerca da discussão atual sobre as formas de

Leia mais

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE SILVA,HENRIQUE CÉSAR DA 1 Universidade Católica de Brasília Palavras chave: Imagens; Realismo crítico; Iconicidade. INTRODUÇÃO Imagens

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE 1 INTRODUÇÃO

O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE 1 INTRODUÇÃO O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE Lílian Lima de Siqueira MELO Especialista em Gestão e Tecnologia da Informação

Leia mais

AG8 Informática. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net. Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites.

AG8 Informática. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net. Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites. Esta apostila foi retirada do www.comocriarsites.net Como Criar Sites HTML - notícia importante! www.comocriarsites.net Venha conhecer o novo Como Criar Sites HTML, agora é um mega portal para webmasters,

Leia mais

Revisitando o método etnográfico: contribuições para a narrativa antropológica

Revisitando o método etnográfico: contribuições para a narrativa antropológica Revisitando o método etnográfico: contribuições para a narrativa antropológica Giselle Carino Lage Apresento, a seguir, alguns dos significados atribuídos ao conceito de etnografia buscando pensar nos

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino As Redes Sociais Virtuais são grupos ou espaços específicos na Internet, que permitem partilhar dados e informações, sendo estas de caráter geral

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Texto: Cinco pontos sobre redes sociais na Internet. Análise:

Texto: Cinco pontos sobre redes sociais na Internet. Análise: Texto: Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero Análise: Introdução: Ao longo da história do homem contemporâneo tivemos diversos avanços nas chamadas tecnologias de comunicação,

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

Eduardo Giugliani Alunos Pós-graduação Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC 2006

Eduardo Giugliani Alunos Pós-graduação Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC 2006 SEMINÁRIO 02 28.junho.2006 Autor Pierre Lévy Ed. 34, 1996 (7ª Reimpressão, 2005) APRESENTAÇÃO Renata Jorge Vieira Eduardo Giugliani Alunos Pós-graduação Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão

Leia mais

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE SEXUALIDAD Y GEOPOLÍTICA OBSERVATORIO DE SEXUALIDAD Y POLÍTICA RIO DE JANEIRO, BRASIL - AGOSTO/2009.

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE SEXUALIDAD Y GEOPOLÍTICA OBSERVATORIO DE SEXUALIDAD Y POLÍTICA RIO DE JANEIRO, BRASIL - AGOSTO/2009. DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE SEXUALIDAD Y GEOPOLÍTICA OBSERVATORIO DE SEXUALIDAD Y POLÍTICA RIO DE JANEIRO, BRASIL - AGOSTO/2009. O Mercado Virtual do Sexo por Bruno Zilli (CLAM/UERJ) SESIÓN 3: SEXUALIDAD

Leia mais