Uma análise dos efeitos da educação generificada na escolha pela profissão entre as diferentes áreas da TI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma análise dos efeitos da educação generificada na escolha pela profissão entre as diferentes áreas da TI"

Transcrição

1 Uma análise dos efeitos da educação generificada na escolha pela profissão entre as diferentes áreas da TI Resumo Este artigo visa elencar os fatores culturais e biológicos influentes nessa escolha entre as diferentes profissões da área de Tecnologia da Informação (TI) e entender como foram sendo construídos historicamente, a fim de que seja possível justificar a semelhança entre as opções feitas por pessoas de mesmo gênero. Depois da revisão bibliográfica, da citação dos fatores culturais e biológicos levantados, a pesquisa qualitativa e quantitativa realizada com alunos do 1º. e 5º. módulos do curso Técnico em Informática de uma escola técnica da região sul do Brasil, a qual se utilizou de questionário e entrevista, será analisada e uma possível conclusão será abordada. Glaucia Luciana Keidann Timmermann Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul Fabiana Lasta Beck Pires Instituto Federal Farroupilha Palavras chave: Educação Generificada; Profissão; Tecnologia da Informação. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.1

2 1. Entendendo a Pesquisa A presente pesquisa visa elencar fatores influentes e relevantes na escolha por determinadas profissões dentro da área da Tecnologia da Informação segundo o gênero, trazendo uma fundamentação teórica que aborda a historicidade do tema em estudo. O interesse pela pesquisa se deu há algum tempo, desde o ingresso da autora num curso Técnico da área de TI, área esta em que concluiu sua graduação e trabalha atualmente. A curiosidade acentuou se quando foi em busca das primeiras experiências de trabalho na área na cidade onde reside, percebendo que a maioria das vagas requisitavam pessoas do sexo masculino, principalmente as vagas relacionadas ao trabalho com hardware. Com o passar do tempo também foi percebendo que os salários divergiam e que tudo isso variava conforme a localidade em que era requisitada a mão de obra. Muitas foram as concepções construídas, porém nenhuma delas com base em pesquisas. Diante desse fato, surgiu a ideia desta pesquisa, que busca acima de tudo demonstrar que mulheres não são menos capazes do que os homens em profissões que exijam raciocínio lógico e matemático, boato este espalhado ao longo da história e que acaba influenciando na escolha pela profissão direta ou indiretamente. Para demonstrar que esses fatores ainda são relevantes, será submetida uma pesquisa qualitativa e quantitativa, realizada mediante questionário e entrevista em que a amostra se resume em alunos do primeiro e último módulo do Curso Técnico em Informática desta escola técnica. Todos possuem idade entre 14 e 22 anos e estão ingressando na vida profissional. 2. Revisão Bibliográfica A revisão bibliográfica a seguir traz informações elencadas por autores que se preocupam com o papel da mulher na sociedade, diante de sua já conhecida discriminação, a qual se propagou pelos continentes ao longo do tempo. O levantamento bibliográfico se detém, prioritariamente, a fatores das sociedades ocidentais e tem como objetivo fundamentar o motivo da pesquisa e embasar sua análise por parte tanto do X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.2

3 autor deste artigo, como dos leitores do mesmo e a quem haja interesse de prosseguir em pesquisas na área. 2.1 Educação generificada e alguns de seus efeitos Valerie Walkerdine (2007) preocupa se com questões da educação generificada, mais precisamente seus efeitos. Assim como a preocupação que instigou esta pesquisa, Walkerdine, em sua produção Ciência, Razão e a Mente Feminina, buscou demonstrar que a incapacidade das mulheres não passava de uma construção social estruturada no decorrer da história. No século XVII, Aristóteles afirmava que o cérebro masculino era maior do que o das mulheres e por isso dominavam a razão. A maioria dos textos filosóficos estudados na escola é de filósofos do sexo masculino, como mostra Tiburi (2002, p. 7) em seu livro Mulheres e a Filosofia. As mulheres eram educadas para serem gentis, sensíveis, pura emoção. Todos esses fatos analisados num longo período histórico por mentes inconformadas remetem a conclusão que o fator mais influente na escolha das profissões pelas mulheres não está ligado às suas características biológicas, mas principalmente ao contexto histórico e social. A educação generificada segundo Valerie Walkerdine (2007) é aquela que faz distinções na forma e importância de ensinar o aluno, sendo que normalmente essa distinção é o resultado da classificação do professor, baseada principalmente na classe, gênero e raça: De outro lado, aqueles que ensinam potenciais programadores de computador, matemáticos e físicos, enfatizam o proposicional. Entretanto, essa distinção não possui simplesmente um valor teórico. Desde a implantação do ensino obrigatório tem ocorrido um debate sobre o tipo de Matemática que deveria ser ensinada a diferentes alunos. As diferenças são, naturalmente, específicas à classe, gênero e raça, e argumentos naturalizados são facilmente introduzidos para mostrar que alguns alunos são simplesmente mais naturalmente ajustáveis à esfera doméstica do que à intelectual (WALKERDINE, 2007, p ). X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.3

4 Outros autores, como XAVIER FILHA (2000), definem a educação generificada como a educação imbuída, impregnada, das relações de gênero. Uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Computação (MORAES, s/d), que leva em consideração os dados de 2001 a , revela que as mulheres representam 14% dos estudantes das faculdades de tecnologia no Brasil. O senso comum parece dizer que há algo de errado com as meninas e a tecnologia, principalmente nas matérias da área da tecnologia da informação relacionadas diretamente com a razão. Não é apenas na área de tecnologia que as mulheres encontraram e encontram barreiras, mas sim em qualquer e quase toda área de saberes duramente científicos: Quando se busca caracterizar a Ciência, há algo que aparece muito naturalmente e quase não necessita de muitos esforços para ser evidenciado: o quanto a ciência é masculina (CHASSOT, 2003, p. 23). No presente artigo, serão consideradas duas variáveis influentes no processo da escolha pela profissão, mesmo sabendo que existem outras. Essa seletividade se deve ao fato de que nas bibliografias são as mais comentadas e polêmicas no tocante a questões de gênero, sendo elas os fatores culturais e fatores biológicos, que serão abordados nas seções a seguir. Antes de evidenciar esses fatos é importante entender a construção de algumas concepções sobre a mulher e sua capacidade para exercer determinadas profissões. Tais concepções são carregadas explícita ou implicitamente de uma misoginia 2. Chassot (2003) acredita que a inculcação continuada de uma ciência masculina se tenha fortalecido a partir da nossa ancestralidade judaico cristã, além dos vínculos religiosos: Para cada uma dessas três raízes, se trazem tentativas de leituras: na grega, os mitos e as concepções biológicas de fecundação de Aristóteles; na judaica, a cosmogonia, particularmente a criação de Adão e Eva; e na cristã, aditadas às explicações emanadas do judaísmo, a radicalidade das interpretações como aquelas trazidas por teólogos iminentes como 1 Não foram encontradas pesquisas mais recentes com estes dados, nem mesmo a atualização da pesquisa em questão. 2 O termo misoginia se refere a antipatia, aversão mórbida às mulheres, conforme o dicionário online Michaelis (MICHAELIS, 1998). X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.4

5 Santo Agostinho, Santo Isidoro e Santo Tomás de Aquino, entre outros. (CHASSOT, 2003, p.46) Para que seja possível entender a atual situação da mulher, que se mostra oculta, discreta, mas que é sim desigual é necessário analisar esse contexto histórico social de constituição dos povos do ocidente. Chassot (2003) e Tiburi (2002) trazem os principais fatos históricos de cada uma das três principais raízes que ajudaram a construir a situação atual, que atribui a cada gênero papéis e obrigações distintas, em que um gênero se sobressai ao outro, originando uma espécie de hegemonia implícita entre os sexos. As concepções a respeito da superioridade masculina chegaram a tal ponto que se pensava que existisse alma no sêmen masculino, o qual ao não encontrar o corpo da mulher como um receptáculo para incubar a criança, acabava tornando se apenas um material seco e sem vida. Para Chassot (2003), o problema da misoginia herdada da ancestralidade judaica tem suas origens quando os judeus tomam como Deus criador, um ser masculino. Não seria uma deusa, mas um deus capaz de criar o mundo. Depois Eva torna se a responsável pela perda do paraíso, que por sua vez gera como castigo para os homens o fato de terem que trabalhar e ganhar o pão com o suor de seu rosto e as mulheres darem a luz com dores de parto. Para completar, em Gênesis capítulo 3 e versículos 36, a esposa fica condenada a ser dominada pelo seu esposo: A paixão vai te arrastar para teu marido e ele te dominará. Toda a discriminação judaica é confirmada também em Green (1994, p. 258), quando conta que o homem judeu começa suas orações diárias agradecendo por não ser mulher. Além disso, devem se dedicar aos trabalhos domésticos ou de dentro oikós para que os homens possam se dedicar aos estudos ou atividades de fora pólis. Quanto à ancestralidade cristã, os comentários panorâmicos a seguir, são concepções de Chassot (2003, p ), os quais visam fundamentar na influência da filosofia cristã, o quanto a ciência é masculina. Para o autor, o fundamentalismo religioso é que torna os ensinamentos cristãos um problema e não o cristianismo em si. Posturas X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.5

6 como as mencionadas a seguir, mesmo sendo minimizadas, trazem para os tempos mais recentes a mulher como sujeito incapaz. Um belo exemplo deste fato foi a conquista do voto feminino, que no Brasil ocorreu apenas em Giorgio (1994, p. 2004) afirma que além do direito ao voto ter sido conquistado tardiamente, durante todo século XIX e até boa parte do século XX, a leitura era vedada às mulheres, permitindo se ler pouco e ler bem Chassot (2003, p. 71). Uta Ranke Heinemann (1996, p. 140) diz que a história do cristianismo é quase a história de como as mulheres foram silenciadas e privadas de seus direitos. Conta se que o preconceito contra as mulheres fora tão monstruoso, que no século IX, aconteceu um episódio chocante: uma mulher travestida de homem para ser aceita no clero Joana I Anglais, sucessora do papa Leão IV, que denominava se João VIII ou João, o Inglês durante uma procissão em Roma, deu a luz prematuramente a um filho. Tal fato obrigou o clero a destituí la pós mortem do trono de São Pedro, pela barbárie cometida. Esses e outros comentários elencados por Chassot (2003) ajudam a reconstruir o trajeto que explica os atuais resquícios de discriminação contra o sexo feminino. 3. Algumas interpretações sobre a cultura, identidade e sua imbricação com o gênero Inicialmente é importante definir a cultura conforme a visão de estudiosos, a fim de ser possível relacionar acontecimentos histórico culturais que, de forma discreta ou não, foram construindo critérios seletivos para as profissões e a vida profissional conforme o gênero. Essa definição poderá ser construída pelo leitor partindo das concepções de Stuart Hall, um teórico cultural jamaicano, um filósofo e antropólogo e um doutor em sociologia e direito que são apresentadas a seguir. Para ele, informação e formação identitária, a história e a condição social estão intimamente relacionadas ao processo de formação cultural, o qual determinou algumas identidades com características semelhantes. Hall (2005) em seu livro Identidade Cultural na Pós Modernidade, volta seus escritos para o sujeito ocidental, pós moderno, aquele que se modifica continuamente, resultado X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.6

7 de movimentos importantes da cultura ocidental, como: a reforma e o protestantismo, o humanismo renascentista, revoluções científicas e o iluminismo, sendo que este último definiu o homem racional e científico, em que a mulher jamais teria parte em qualquer produção racional, pois era considerada sujeito emotivo, objeto frágil de beleza e procriação (CHASSOT, 2003). Assim o perfil masculino associava se à produção, a formações e conhecimento. Descartes (1637) definiu a existência humana na ação de pensar e pensar estava reservado aos homens (CHASSOT, 2003) e assim a identidade passou a ser escolhida, delineada a partir da formação, do estudo, da área de interesse. Talvez por isso, ao se apresentar, o sujeito até hoje mencione sua profissão, depois de seu nome. Hall (2005) continua explicando que as teorias sociais foram se modificando e o sujeito cartesiano foi sendo descentrado de sua concepção. Freud, que definiu o inconsciente, Lacan com a teoria do espelho, Michel Foucault, explicando o poder disciplinar, o movimento feminista reivindicando direitos e deveres para o sexo frágil alteraram a sociedade, modificaram leis, concepções e instigaram a reflexão humana e aqui, quando se fala em humana, substitua se pelo contexto histórico por de homens. Apenas ao sexo masculino era outorgado o direito de produzir ciência. Neste momento surge outro fator influente na identidade: o pensar, os processos únicos que cada sujeito, com suas histórias, meio social e educação produzem, reproduzem e alteram. Juntamente com o pensar, surge o poder de persuasão daqueles que concebem novas formas de pensar e as organizam, as disseminam. Ser forem bem aceitas por um grupo, terão poder social influente, ganharão espaço, podendo alterar identidades. Foi dessa forma que o preconceito cultural contra as mulheres foi construído, disseminado e ainda impera até hoje, porém com menos força. Já Néstor Garcia Canclini entende a cultura como uma variável que caracteriza o macroambiente da sociedade. Não menciona claramente a imbricação da cultura com gênero, mas esta pode ser percebida já nas entrelinhas da introdução e capítulo I de sua obra A Identidade Cultural na Pós Modernidade. Para ele o mundo vive uma X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.7

8 interculturalidade em que os diferentes grupos se relacionam e efetuam trocas entre si e, nesses grupos que ele menciona, se encontram os gêneros. Para descrever a interculturalidade é necessário observar como cada grupo se apropria dos materiais que os rodeia. Não se trata apenas de passar da diferença às fusões, processo este que é chamado por Canclini de produção de sentidos. Na seção anterior, em que se relata um pouco sobre a ancestralidade grega, judaica e cristã ao longo da história dessas sociedades, é possível entender como essa produção de sentidos foi acontecendo ao longo do tempo, estabelecendo o multiculturalismo, em que as diferenças dos que compartilham o mesmo gênero são exaltadas e suas misérias são escancaradas. Dentro do contexto cultural, que abarca o conjunto de processos sociais de significação, a discriminação de um gênero em relação a outro é, na verdade, uma opção de cada indivíduo, que escolhe reproduzir hábitos e processos de significação, como a misoginia, por exemplo. Canclini define essa escolha como camisa que o indivíduo decide vestir, diferente de sua pele, que é nativa, biológica. Por isso, para ele, considerar uma mulher menos capacitada que um homem não é um fator biológico e sim, unicamente cultural, que se constitui numa imbricação complexa entre o social e o cultural, chamada de visão sociossemiótica. As diferentes visões sociossemióticas produzem o cultural que pode ser considerado como uma zona de conflito, pois é o espaço onde as diferenças se chocam, se fundem e se transformam e produzem a cultura. Por isso, a diferença e a condução da mesma para produção de novas ideias e novas culturas é uma poderosa arma, que pode causar a desestruturação de uma base social já consolidada, como a base que sustenta as conquistas e perdas sociais das mulheres ao longo da história. Boaventura de Sousa Santos mesmo falando de cultura, em seu texto Para uma Pedagogia de Conflito propõe alternativas que são resultados do inconformismo para combater modelos burgueses de educação que se disseminam a partir da cultura. Para reverter esse quadro, ele acredita ser possível buscar soluções no passado ou no futuro. Crê ainda que se os vencidos olharem para o passado, verão que esperaram demais do X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.8

9 futuro, do progresso, que apenas os outorgou o mero direito a condições sub humanas de vida. Talvez por isso e para quebrar essa corrente histórica e de certa forma conformista, seja melhor basear se no passado. Essa afirmativa ajuda a descobrir a origem misógina de preconceitos quanto a algumas profissões e sua ocupação por pessoas do sexo feminino. Mesmo Boaventura voltando seus estudos para a pedagogia, muitos são os paralelos que podem ser estabelecidos com a questão de gênero. Boaventura entende a necessidade de quebrar esse círculo, desestabilizar a trivialização do sofrimento a partir de um projeto educativo emancipatório, que somente pode ser concebido mediante o passado como opção e conflito. Seria uma espécie de educação para o inconformismo, um projeto de aprendizagem de conhecimentos conflitantes. Se muitas mulheres tivessem sido educadas para resistir a condições de preconceito, para questionar imposições, as diferenças entre gêneros talvez estivessem mais amenas e até não existissem mais. Boaventura vê como possibilidade de descentralização do modelo eurocêntrico o campo pedagógico, que deve criar imagens desestabilizadoras dos relacionamentos entre culturas, que sejam reproduzidas a partir das culturas dominadas e porque não de gêneros dominados e que sejam discutidas, pensadas, analisadas. Grupos de conflitos são uma forma de chegar a novas concepções. Uma ideia sugerida pelo autor é da hermenêutica diatópica, em que uma cultura observa a outra, a fim de perceber a incompletude recíproca das culturas. A partir destas três visões, é possível construir uma ideia do universo que a cultura contém e, ao mesmo tempo, como ela ajuda a construir o próprio universo dentro do qual se encontram as questões de gênero e toda sua implicação social. A única forma de descontruir ideais preconceituosos que se solidificaram a partir do tempo, é analisando os fatores culturais históricos e, baseados nesses, buscar ideais justos e igualitários. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.9

10 4. Fatores Culturais relacionados ao gênero e sua influência na decisão pela profissão Para falar de gênero partir se á dos países ocidentais e do sexo feminino. Se hoje é possível concluir que muitas das profissões eram exclusivamente machistas (MENEZES, 2002, P ) e que a ciência, a filosofia e todas as altas especulações foram consideradas estranhas às mulheres (TIBURI, 2002, p. 17), é porque outros estudiosos já haviam concluído que o sexo frágil foi vedado, por muito tempo, de saberes ligados à razão. Para que fique mais claro esse veto histórico e de certa forma ainda atual é necessário resgatar a história e fatores culturais. Mary Wolltestonecraft (TIBURI, 2002, p. 7) foi uma das inglesas pioneiras no questionamento do sexismo 3 doutrina sucintamente velada por uma superioridade dos homens em relação às mulheres (TIBURI, 2002, p. 7). Seu questionamento se inicia no final do século XVIII, quando critica Rousseau, defensor dos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade, mas que curiosamente defende em uma de suas obras 4, a educação com distinções, na qual à mulher era dada a sensibilidade, o cuidado, a emoção e o homem à razão. Para Mary, o problema não estava em questões biológicas, assim como há muitos séculos Aristóteles havia erroneamente concluído: a falha estava no que e como se ensinava, nos conteúdos que eram distribuídos conforme o gênero. Chassot (2003, p. 24) já discutia em seu livro que as mulheres sofriam discriminações no mundo do trabalho no Brasil, pois ganhavam 2/3 do salário dos homens, que detinham 70% dos rendimentos do país. Além disso, as mulheres ocupavam apenas 10% das cadeiras do legislativo. Para Chassot (2003) esse fato era exclusivamente cultural: O quanto isso é cultural, podemos ver quando meninos recebem armas para brincar e meninas recebem bonecas [...]. Nós nos construímos, ou fomos construídos assim (CHASSOT, 2003, p. 24). 3 O sexismo é também definido no dicionário online Michaelis (MICHAELIS, 1998) como conjunto de estereótipos quanto à aparência, atos, habilidades, emoções e papel apropriado na sociedade, de acordo com o sexo. Apesar de também estereotipar o homem, mais frequentemente reflete preconceitos contra o sexo feminino. Ex: a mulher vista apenas como mãe, vítima indefesa ou sedutora, e o homem, como machão, poderoso e conquistador. 4 ROSSEAU, Jean Jaques. Emile e Sophie ou Os Solitários. São Paulo: Hedra. 1ª. edição p. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.10

11 Nos dias de hoje a situação não é muito diferente. Em pesquisa realizada por Selena Garcia Greca (CZENUSLIAK, 2012), é possível perceber a predominância de mulheres em alguns cursos e de homens em outros. A pedagoga Inge Renate Frose Sur, coordenadora pedagógica das Faculdades Facinter e Fatec, relata que os homens dominam as áreas de Logística, Tecnologia da Informação, Ciência da Computação e Análise de Sistemas. Enquanto isso, as mulheres são a maioria em Turismo e Secretariado, apresentando como motivos dessa escolha generificada dentre as profissões: Preconceito: Se uma mulher tiver que trabalhar à noite, ela é considerada pela sociedade como uma mulher que não leva a sério marido e família e se o homem tomar conta dos filhos tem sua masculinidade posta em questão (CZENUSLIAK, 2012). Influência do contexto social: Meninas escolhem a profissão pensando, também, na qualidade de vida e num equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Se decidirem dedicar se aos estudos e ter filhos mais tarde, mesmo assumindo os riscos, sofrem cobrança por parte da família e dos amigos (CZENUSLIAK, 2012). Expectativa da sociedade: Segundo a psicóloga Daniele Foster (CZENUSLIAK, 2012), ouvimos que os homens são mais racionais e lógicos como já falado neste artigo. Tal fato se deve ao contexto histórico social e ao fato de que as mulheres são mais emotivas e intuitivas, o que também influencia na escolha pelo curso e, consequentemente, na escolha pela profissão. Antes mesmo de pensar na escolha pela profissão, um adolescente já sabe que determinadas áreas são mais propensas a mulheres ou a homens, pois estão submergidos numa cultura que não é neutra e dita silenciosamente os gêneros profissionais. É só pensar nas indústrias da algumas cidades interioranas dos estados do sul do país: hoje, ainda a grande maioria de trabalhadores de indústrias voltadas ao segmento agrícola do setor da produção são homens. A pesquisa que será apresentada no subtítulo 6 visa conhecer a influência cultural dominante na escolha pela profissão conforme o gênero. No século XIX, mulheres estudantes de matemática publicavam seus trabalhos sob pseudônimos masculinos a fim de conseguirem créditos acadêmicos e que seus trabalhos fossem aceitos pela sociedade, que era totalmente machista. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.11

12 No Brasil, na década de 40, o futebol foi proibido para as mulheres, decreto este do Estado Novo. A explicação para tal fato era totalmente discriminatória, afirmando que o futebol era: exacerbador do espírito combativo e da agressividade, qualidade incompatíveis com o temperamento e o caráter feminino e também pelos perigos que pudesse causar a futura maternidade (CHASSOT, 2003, p. 28). Fato mais intrigante, ainda, é revelado por Chassot (2003, p. 28), que traz o relato da professora Yeda Pinheiro Dick, docente da UFRGS, que sofreu protestos quando seu nome foi proposto à Congregação da Escola de Engenharia para ser professora, fato este ocorrido no ano de Os motivos para tal tentativa de veto estavam diretamente relacionados ao sexismo: que se uma mulher ingressasse no quadro de professores, o ensino viraria de pernas para o ar. Hoje, segundo a pesquisa da psicóloga Selena Garcia Greca, especialista em Orientação Vocacional e Profissional (CZENUSLIAK, 2012), para cada 63 mulheres que se matriculam em cursos de Pedagogia existe um homem matriculado. Esse dado mostra que, para modificar o pensamento generificado e preconceituoso no tocante à profissão, o tempo e as inquietações sociais são as melhores ferramentas que, por sua vez, ajudam a constituir a história e transformam a cultura. 5. A pesquisa: processo de levantamento de dados Para Rapkiewicz (1998, p. 171), da mesma forma como as mulheres são consideradas incompetentes nas áreas científicas, assim também o são na área tecnológica, que é coisa de homem. Esses fatores acentuam a ideia de que as mulheres, em geral, são incompetentes para a ciência e a tecnologia. O que a grande maioria das pessoas não sabe é que os primeiros computadores foram operados por mulheres que "computavam 5 ". Essas pioneiras eram formadas em matemática e ciências, com doutorado em matemática. Mas como a maioria das contribuições das mulheres para a informática foi na área de software 5 O termo computar significa realização de cálculos para os cientistas (LUBAR, 1998). X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.12

13 [...] elas permanecem invisíveis na forma como a história da informática é contada. Talvez porque esta história seja contada na maioria das vezes com base na evolução do hardware e suas diferentes gerações (RAPKIEWICZ, 1998). Diante de todos esses fatores se julgou pertinente tal pesquisa, a qual se deu por meio de questionário e entrevista, com duas turmas de alunos de um curso técnico numa escola da região sul do país, sendo uma turma do primeiro módulo e a outra, do quinto. A pesquisa será, portanto, qualitativa e quantitativa, pois ao mesmo tempo em que se preocupa em quantificar os resultados, se preocupa também mediante as entrevistas com aspectos da realidade que não podem ser quantificados, centrando se na compreensão e explicação dos relatos. Para que fosse possível verificar quais das áreas da tecnologia da informação que os alunos desejavam seguir, foi desenvolvido um trabalho em que pesquisaram sobre doze profissões da área da TI mais comuns na região. Os alunos deveriam pesquisar dados como: funções realizadas, ambiente de trabalho, conhecimentos necessários, ofertas de vagas, dentre outras características de cada função. Para que o salário não influenciasse, teriam que considerar que todas as profissões teriam a mesma remuneração, pensando apenas em amar o que se faz. Na relação entregue aos alunos, havia as profissões que se utilizam mais da lógica, matemática e raciocínio e as que mais se utilizam das inter relações, sendo elas: Programador(a), Analista de Sistemas, Web Designer, Instrutor(a)/Professor(a) de TI, Administrador de Banco de Dados, Secretária, Gerente de TI, Consultor de Informática, Administrador de Redes, Analista de Suporte Técnico, Analista de Segurança e Analista de Negócios. Inicialmente, o questionário foi submetido à turma do módulo 1, com quinze alunos, em que alguns alunos do sexo masculino optaram por áreas mais voltadas a estética, como designer: X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.13

14 Figura 1 Resultado Pesquisa 1º. Módulo CTI Fonte: Pires; Timmermann; Depois se percebeu que seria necessário submetê lo a uma turma que já tivesse convivido mais no universo da informática. A pesquisa foi então submetida ao 5º e último módulo com nove alunos. Os resultados foram distintos se usado mesmo critério de análise da turma anterior pois homens escolheram as funções mais racionais e as mulheres, funções que trabalham sobretudo com inter relações: Figura 2 Resultado Pesquisa 5º. Módulo CTI Fonte: Pires; Timmermann; X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.14

15 6. Análise conclusiva a partir da pesquisa realizada Num primeiro momento de análise, após ler os questionários, a concepção foi confusa. A princípio a pesquisa seria realizada apenas com os alunos do primeiro módulo, mas a resposta foi inesperada e não confirmouou o levantamento teórico e as observações das inter relações nas salas de aula do curso. Supunha se, conforme o modelo cultural desta cidade, que nenhum menino fosse optar pela área de web design, o que não ocorreu porque comparada com as demais que foram elencadas, no contexto local, é uma das que menos se utiliza de lógica, razão e é oposta ao hardware, parte física dos computadores, na maioria das vezes preferidas pelo sexo masculino. Quatro meninos optaram pela área (figura 1). Nenhuma menina optou por profissões como secretária ou instrutor (a) / professor (a) de TI. Quando os alunos do 1º módulo foram entrevistados, percebeu se que mesmo tendo sido mostradas as tarefas diárias dos profissionais de TI de cada área, a maioria priorizou fazer o que gosta. Verbos como gosto, quero, interessar e até mesmo criar foram mencionados durante toda a conversa. Como estão ingressando na área, os alunos possuem muitas expectativas e principalmente as meninas querem impressionar. Esse verbo foi mencionado várias vezes por elas durante as entrevistas, assim como o termo chamar atenção. Nesse momento começaram a se confirmar os dados da revisão bibliográfica e das observações feitas. Percebeu se a preocupação exacerbada das meninas em impressionar pais e familiares mediante suas notas, suas ações e de seu espaço como profissionais, de sua constituição como cidadãs, até mesmo como forma de compensar a aposta feita pela família. Os resultados podem ser visualizados no gráfico abaixo: X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.15

16 Homens; Web Designer; 4 Mulheres; Web Designer; 4 Homens; Gerente de TI; 2 Homens; Programador; 2 Homens Mulheres Homens; Analista de Segurança; 1 Homens; Administrador de Homens; Analista Redes; 1 Sup. Técnico; 1 Figura 3 Gráfico de escolhas entre as diferentes profissões da TI conforme o gênero (CTI Módulo 1) Fonte: Pires; Timmermann; Imbricações culturais ou fator biológico? O resultado da pesquisa para os alunos concluintes do curso que já haviam cursado os componentes referente à lógica e a programação de computadores foi mais próximo às conclusões e fatos da revisão bibliográfica, porém, revelando no mínimo duas novas formas de propagação do mito da incapacidade lógica e racional feminina. As meninas do 5º. módulo optaram por profissões que se utilizam mais do interrelacionamento, comunicação e afeto, como a instrutor (a) / professor (a) de TI, secretário (a) e analista de sistemas este último é um misto de relacionamento com o cliente e raciocínio lógico. Apenas uma mulher escolheu a programação. Palavras como ajudar, ensinar, contato com o cliente foram mencionadas com frequência em suas falas e a preocupação com impressionar já não foi tão acentuada. Algumas meninas mencionaram o fato de terem concebido sua escolha em conversas e relatos de amigas que já exerceram determinada profissão e gostaram, como por exemplo, secretária. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.16

17 Os meninos utilizam termos como interesse, facilidade, identificar e desempenho, primando pela excelência e precisão do lado profissional e pela auto realização. Nenhum dos meninos do 5º. módulo optou por profissões que se utilizassem mais do inter relacionamento do que a lógica, o que pode ser visto no gráfico abaixo: Figura 4 Gráfico de escolhas entre as diferentes profissões da TI conforme o gênero (CTI Módulo 5) Fonte: Pires; Timmermann; Em muitos momentos ficou claro que as escolhas estavam atreladas a aspectos culturais e não biológicos, percebendo se depois de análises e reflexões sobre os resultados, que os fatores culturais agem hoje de forma muito discreta. Essa forma de atuação se dá muito mais por intermédio da maneira como as disciplinas relacionadas à lógica e a razão são ensinadas e pelo incentivo para que as mulheres tomem gosto por tais áreas, do que pela proibição e descrédito em sua capacidade nata de trabalharem com áreas exatas, pois até mesmo os modelos de ensino transmitidos por professoras, são masculinos. Essa conclusão está embasada em MENEZES (2002, p. 18 apud POULAIN DE LA BARRE) em sua obra Igualdade dos dois sexos (1673), afirma que as desigualdades sociais entre homens e mulheres não são frutos de uma natureza desigual, mas de uma visão cultural e politicamente criada de que as mulheres seriam inferiores aos homens. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.17

18 Sulamita Garcia também chega a conclusões semelhantes a estas em seus estudos. Ela constatou em seu projeto na Tailândia 6 que fato das meninas não gostarem de computadores se deve ao incentivo ou porque não existem modelos femininos para serem seguidos em sala de aula. Ela conclui que Algumas pessoas acreditam que mulheres têm uma predisposição genética para não gostarem de computador. Isso é reforçado pelas mães, secretárias, namoradas que repetem, com orgulho, que não entendem nada e odeiam computadores (GARCIA, 2004, p. 1). Menezes (2002, p. 14) também afirma que Na Academia da razão, representada pelos saberes construídos nas universidades, as mulheres parecem ter seus lugares reservados, suas cadeiras marcadas como ouvintes de determinados cursos, conforme manda sua própria natureza. Quando Menezes faz esta afirmação, entende que as relações sociais modelaram a mulher como incapaz de raciocinar. A forma de incitar sua cognição e produção de ideias, conceitos e montar sequências lógicas de pensamento não foi pensada pelo modelo educacional patriarcal. Historicamente a mulher estaria destinada à academia do corpo, da beleza e sensualidade, motivo este que pode explicar o comportamento e a forma de se vestir de muitas meninas, as quais encontram em suas silhuetas jovens a liberdade para o caminho do sucesso e do protagonismo que não encontram em muitas escolas, empresas e instituições. Desta forma, preocupadas com a estética, em atender a olhares masculinos, a não ultrapassar seus limites impostos pelo sociocultural, acabam reservando se a algumas profissões dentro da área da TI histórica e culturalmente generificadas femininas, como por exemplo, secretárias, analistas de suporte e professoras, como comprovado com a pesquisa. As meninas do 1º. módulo deste curso técnico em informática que ainda não haviam sido submetidas ao formato social desta cidade permitiam se fazer escolhas livres, optando por profissões que estariam culturalmente reservadas ao gênero masculino, enquanto que as meninas do último módulo, deixavam transparecer em suas 6 Sulamita Garcia (2004) trabalha num projeto criado pelo governo da Tailândia que ensina informática nas escolas federais. Nessas aulas, os alunos aprendem, além de editoração de textos, lógica de programação, noções de hardware e programação. O resultado desse projeto é que a participação feminina na área de informática no país é maior que a masculina. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.18

19 falas a pressão do social conversas com amigas, com familiares que as influenciavam e acabavam tornando se o motivos de suas escolhas. Essa opressão cultural é um envenenamento lento e discreto da consciência feminina: uma forma de proibir, de fazer a cabeça silenciando o grito dos oprimidos sem uso da força ou de armas, apenas estratégias. A sociedade ainda generifica profissões, mas de uma mais branda e discreta, porém os seus efeitos continuam sendo os mesmos. Referências ALMEIDA, João Ferreira de. Trad. A Bíblia Sagrada (revista e atualizada no Brasil) 2 ed. São Paulo. Sociedade Bíblica Brasileira, p , 1455, 1449, Alves, R. (1995). Estórias de quem gosta de ensinar. São Paulo: Editora Ars Poetica. Disponível em &script=sci_arttext. Acesso em <10MAI2013>. ARISTÓTELES. A Política. Rio de Janeiro. Ediouro, s/data. ARISTÓTELES. Metafísica. Madrid: Espasa Calpe, CARVALHO, Maria da Penha Felício dos Santos de. As observações kantianas sobre o belo sexo. In: TIBURI, Márcia; Menezes, Magali de; EGGERT, Edla. As Mulheres e a Filosofia. Editora Unisinos p CHASSOT, Attico Inacio. A Ciência é masculina? É sim, Senhora. Editora Unisinos, 2ª. edição p. CZENUSLIAK, Adriana. Gênero influencia na escolha da profissão. 20 de fevereiro de Sítio Gazeta do Povo. Disponível em <http://www.gazetadopovo.com.br/vidauniversidade/conteudo.phtml?id= &tit=genero influencia a escolha da profissao>. Acesso em 20ABR2013. DESCARTES, R. (1637). Discurso do Método. Lisboa: Sá da Costa, 1973, IV Parte. FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Vol I. 12 ed. Rio de Janeiro: Graal, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.19

20 GARCIA, Sulamita. As mulheres no software livre. Com Ciência. SBPC/Labjor, Disponível em <http://www.comciencia.br/200406/reportagens/19.shtml>. Acesso em <17JUN2013>. GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, HALL, Stuart. A identidade cultural. Na pós modernidade. A identidade cultura na pósmodernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, LUBAR, Steve. Men/ Woman/Production/Consumption. In: HOROWITZ, Roger e MOHUN, Arwen. (orgs.) His and Hers: gender, consumption, and technology. Charlottesville, University Press of Virginia, SCHWARTZ, Juliana; Casagrande, Lindamir S.; Leszczynski, Sonia A. C.; Carvalho, Marilia G. de. Mulheres na Informática: quais foram as pioneiras? Disponível em < &script=sci_arttext>. Acesso em <16JUN2013>. LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na Sala de Aula. In: História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997: CANCLINI, Nestor G. Diferentes, desiguais e desconectados. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, GIORGIO, Michela de. O modelo católico. P In. DUBY, George & PERROT, Michele. História das Mulheres o Ocidente. Vol. 4: O século XIX, Porto: Afrontamento, ISBN GREEN, Nancy L. A formação da mulher judia. p In. DUBY, George & PERROT, Michele. História das Mulheres o Ocidente. Vol. 4: O século XIX, Porto: Afrontamento, ISBN MCLAREN, Peter. A vida nas escolas: uma introdução a pedagogia crítica nos fundamentos da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, P MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução. São Paulo: Atlas, MASSI, Marina. Vida de Mulheres: cotidiano e imaginário. Rio de Janeiro: Imago, MICHAELIS, Henriete. Silva, Adalberto Prado e, Weisflog, Walter. Michaelis. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa Online. Editora: Melhoramentos. Baseado na edição impressa de Disponível em < Acesso em <16JUN2013>. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.20

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Simone de Sousa Barbosa e Silva

Simone de Sousa Barbosa e Silva PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR PAAE (SEE/MG): POLÍTICA PÚBLICA EDUCACIONAL ATINENTE AOS DIREITOS SOCIAIS E ESTRATIFICAÇÃO DO WELLFARE STATE, A SERVIÇO DA LUTA POR JUSTIÇA SOCIAL, OU MERA

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS Nilson Sousa Cirqueira 1 - UESB José Valdir Jesus de Santana 2 - UESB Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora: Não

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA Tatiana da Silva Silveira - IFSUL Angela Dillmann Nunes Bicca - IFSUL Resumo: Neste texto, desenvolvido sob a perspectiva dos Estudos Culturais de inspiração

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Rozieli Bovolini Silveira 1 Diane Santos de Almeida 2 Carina de Souza Avinio 3 Resumo: A educação inclusiva e processo de educação de pessoas

Leia mais

O CURSINHO PRÉ-VESTIBULAR DA UFPB-LN CCAE: TRANSMITINDO CONHECIMENTO E PROMOVENDO AÇÃO SOCIAL

O CURSINHO PRÉ-VESTIBULAR DA UFPB-LN CCAE: TRANSMITINDO CONHECIMENTO E PROMOVENDO AÇÃO SOCIAL O CURSINHO PRÉ-VESTIBULAR DA UFPB-LN CCAE: TRANSMITINDO CONHECIMENTO E PROMOVENDO AÇÃO SOCIAL COSTA 1, Maria Manuela COSTA 2, Marinely OLIVEIRA 3, Maria Carulina ROQUE 4, Bárbara BARCELLOS 5, Lusival Antonio

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR SEXISMO EM MEIO ESCOLAR Seminário Évora Sexismo Avaliação negativa e atos discriminatórios baseados no sexo, no género ou na orientação sexual Historicamente marcado por relações de poder dos homens sobre

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Neiva Furlin Resumo O objetivo deste artigo é apresentar alguns resultados da pesquisa de mestrado em andamento, que se insere dentro

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Ana Valéria Machado Mendonça¹ Grasiela de Sousa Pereira² Dyego Ramos Henrique Raelma Paz Silva Maria

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

Formação, desafios e perspectivas do professor de música

Formação, desafios e perspectivas do professor de música Formação, desafios e perspectivas do professor de música João Alderlei Leite da Silva email: joaoderlei17@hotmail.com Lucas Roberto Guedes email: lucasrobertoguedes@gmail.com Verônica Agnelli Chiarelli

Leia mais

Edital para o Processo Seletivo ISITEC 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS

Edital para o Processo Seletivo ISITEC 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS Edital para o Processo Seletivo ISITEC 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS O presente documento estabelece normas, dispõe sobre as disciplinas e respectivos programas para o Processo Seletivo de 2016/1 do Instituto

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO PATRULHENSE PROJETO DE

Leia mais

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica Introdução Métodos Introdução Metodologia científica é a forma como se conduz uma pesquisa,

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA.

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA. EDITAL Nº 00/204 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA Módulo I Educação a Distância e Ambiente Virtual de Aprendizagem História e

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 1: resumo expandido de comunicação científica A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA: UMA ANALISE

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO NO SÉCULO XXI. Palavras-Chave: discriminação - preconceito - consciência - reflexão - ação

DISCRIMINAÇÃO NO SÉCULO XXI. Palavras-Chave: discriminação - preconceito - consciência - reflexão - ação DISCRIMINAÇÃO NO SÉCULO XXI Fabiana Inês Bertani Professora de Ensino Fundamental Ronise Lucia Gottardi Aimi Professora de Ensino Fundamental Resumo Este artigo contempla parte das reflexões realizadas

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE?

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - POLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL PROFESSORA MORGANA BOZZA ALUNAS DA TURMA 71 DA ESCOLA

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais