Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS"

Transcrição

1 Avaliação Da Força E Hipertrofia Muscular Em Praticantes De Musculação Suplementados Com Creatina Após A Fase De Saturação Do Suplemento Siomara F. M. de Araújo, Ana Paula Perillo; Raphael M. Cunha. Universidade Estadual de Goiás, Goiânia Goiás, Brasil, Palavras-chave: Força, Hipertrofia, Creatina. 1. INTRODUÇÃO: A creatina ou ácido acético metilguanidina, uma amina nitrogenada, é um constituinte encontrado nos alimentos de origem animal como carnes e peixes, encontrando-se principalmente nos tecidos musculares (WILLIANS et al, 2000). Tem sido indicada por inúmeros profissionais, nutricionistas e professores de Educação Física, além de utilizada por praticantes de atividade física, com o objetivo de acelerar o processo de hipertrofia e aumento de força (DOMINGUES E MARINS, 2007). Na busca pelo corpo perfeito o homem vem utilizando artifícios com o uso da creatina auxiliada pela prática do exercício de força, já que, segundo Fry (2004), o treinamento de força é amplamente utilizado em várias atividades com o objetivo de rendimento desportivo, saúde, reabilitação ou simplesmente prazer. A suplementação nutricional auxiliada por exercício de força, previamente elaborados por profissionais qualificados, vem sendo utilizado como estratégia, principalmente por praticantes de musculação, para alcançar uma hipertrofia muscular mais rápida, como também, o aumento significativo da força (SOUZA JUNIOR et al, 2007). Diversos estudos têm sido realizados com o intuito de descobrir se a suplementação de creatina apresenta resultados positivos sobre a performance dos praticantes de musculação, e muitos tem apresentados resultados satisfatórios 1

2 (GREENHAFF et al, 1994; GREENHAFF et al, 1997; VANDERBERGUE et al, 1997; HARRIS, 1992). Resultados positivos da associação suplementação de creatina e do exercício de força foram encontrados no estudo realizado por Souza Junior et al (2007), em que 18 universitários do sexo masculino com experiência nos exercício de força, divididos em dois grupos (A= suplementação com creatina; B= placebo) foram submetidos a oito semanas de exercícios resistidos. Este estudo tinha como objetivo analisar as alterações sofridas pela suplementação de creatina nas variáveis antropométricas e na resultante de força máxima dinâmica. Os resultados demonstraram que ambos os grupos sofreram alterações significativas para resultante de força máxima dinâmica, contudo tendo maiores valores para o grupo suplementado com creatina. Contudo, há pesquisas que mostram que a suplementação com creatina, associada à prática do exercício de força, não possibilita aumento na força nem na hipertrofia muscular de indivíduos que fazem seu uso. Tal evidência é percebida na pesquisa realizada por Alves et al (2008), o estudo foi realizado com uma amostra de 8 voluntários do sexo masculino, experiente no treinamento de força, divididos em dois grupos com o mesmo número de indivíduos, grupo 1 = 20g/dia de creatina; grupo 2 = 20g/dia de maltodextrina, os voluntários realizaram o treinamento de hipertrofia durante 2 semanas. Os autores observaram com os resultados obtidos que não houve diferença significativa, para a variável força e para o aumento de massa magra, entre os grupos, sendo assim, os resultados não trazem nenhuma evidencia de que a suplementação com creatina seja eficiente para o aumento da hipertrofia e da força muscular. Este estudo tem como objetivo avaliar a força e hipertrofia muscular em praticantes de musculação com o auxilio da suplementação de creatina após a fase de saturação desse suplemento. 2. METODOLOGIA Trata-se de um estudo experimental, randomizado, duplo-cego placebo, desenvolvido em uma academia de ginástica da cidade de Goiânia. O protocolo do 2

3 estudo foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Humana e Animal do Hospital Geral de Goiânia. A amostra foi baseada em número semelhante ao encontrado na literatura relacionada ao tema, sendo 20 indivíduos. Adotados como critérios de inclusão: Ser do sexo masculino; ter entre 20 e 30 anos; assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE); estar em treinamento de força (musculação) a pelo menos 6 meses ininterruptos; Não participar de nenhuma outra atividade física sistematizada. Como critérios de exclusão: apresentar limitações físicas ou mentais que impedissem a execução dos exercícios de força propostos; estar em uso de qualquer outro tipo de ergogênico, seja suplementar ou farmacológico a pelo menos 6 meses; ter Índice de Massa Corporal (IMC) superior a 29,9kg/m 2. Todos os indivíduos, após a assinatura do TCLE, foram submetidos a avaliação do estado geral de saúde, anamnese e avaliação física, a fim de delinear o perfil físico dos participantes e identificação dos critérios de inclusão e exclusão do estudo. Após, os indivíduos foram submetidos ao teste de 10 repetições máximas (RM) para definição da carga a ser utilizada para treinamento de força, nos seguintes aparelhos: Supino na máquina, puxada frontal com pegada supinada e Leg Press. Em seguida, os indivíduos receberam os suplementos em metodologia duplo-cego-placebo, onde 10 indivíduos receberam creatina (Grupo Experimental GE) e 10 receberam Maltodextrina (Grupo Controle GC), onde iniciaram a suplementação e o treinamento de força proposto. A suplementação foi realizada de acordo com o protocolo proposto por Hultman et al.(1996), que sugere uma dose inicial de 20g de creatina distribuídas em 04 doses por dia, por um período de 07 dias, o protocolo sugere ainda a utilização de doses de manutenção após este periodo, o que não foi utilizado nesta pesquisa. O suplemento foi pesado em uma balança bioprecisa, colocado em saches de única utilização por dose, visando a utilização correta da quantidade estipulada de suplementos pelos indivíduos da pesquisa nos diversos momentos e dias, e entregues de forma randomizada aos indivíduos. O GE utilizou 20 g de creatina monoidratada em pó por via oral, e o GC utilizou 20 g de maltodextrina (placebo) em pó por via oral, ambos em sucos de 3

4 frutas divididos em quatro doses diárias: no desjejum, almoço, lanche e jantar por sete dias. Durante um período de 14 dias, a partir do primeiro dia de intervenção suplementar, ambos os grupos (GE e GC) executaram o mesmo protocolo de treinamento de força de 3 exercícios para cada grupo muscular, onde foi realizado 3 séries de 10 repetições máximas de cada exercício proposto: supino reto, puxada frontal supinada e leg press, com descanso de 1,5 minutos de uma série para outra ou de um exercício para o outro. Após o término deste período, todos foram submetidos aos mesmos testes iniciais (Avaliação Física e Teste de 10 RM), e foi revelado qual suplemento foi entregue a cada individuo e a qual grupo estes pertenciam (GE ou GC). A avaliação do IMC foi realizada a partir da identificação da estatura, utilizando estadiômetro graduado em centímetros e precisão de 1 mm; e da massa corporal, a partir de uma balança digital de marca Plena. A avaliação do percentual (%) Gordura Corporal foi realizado por meio de um adipômetro científico de marca Cescorf, seguindo o protocolo de Pollock & Wilmore (1993) com sete dobras.as circunferências foram mensuradas a partir de uma fita métrica de marca Sanny, bilateralmente no corpo nas seguintes regiões: coxa proximal, coxa meso-femural, braço extendido relaxado, braço forçado (contraído) em 90 graus, e tórax, tendo como ponto maior perímetro. Foi utilizado para análise estatística o programa Statistical Package for the Social Sciences SPSS 18. O teste T-student para amostras pareadas foi utilizado para comparar os dados intragrupo, momento pré com o momento pós término dos 14 dias. Este mesmo teste foi utilizado para comparar os dados intergrupos, comparando as medias em cada momento entre os grupos (GE X GC). Os resultados foram apresentados em média e desvio padrão e definida significância estatística para valor de p<0, Resultados: As características dos indivíduos participantes da pesquisa idade, peso, estatura e IMC estão descritas na tabela 1. 4

5 Tabela 1. Características dos participantes. GRUPOS IDADE (anos) PESO (Kg) ESTATURA (cm) IMC (kg.m -2 ) GE 22,2±3,77 71,5±6,8 175,0±0,04 23,47±1,98 GC 22,1±3,07 72±6,0 176,0±0,05 23,12±1,19 Na tabela 2 estão evidenciados os resultados obtidos na avaliação de massa corporal total (MCT), somatório de dobras cutâneas ( DC) e o percentual de gordura (%G). Analisando os resultados nesta tabela percebe-se que houve um ganho considerável de MCT e perda de %G, com nível de significância de p<0,01. Tabela 2. Resultados da Massa Corporal Total (MCT); Somatorio de Dobras Cutaneas (DC) e Percentual de Gordura (%G). MEDIDAS GRUPOS PRÉ PÓS P MCT (Kg) G.E G.C 71,5±6,8 72±6,0 72,8±7,3 71,3±6,0 0, , 0044 DC (mm) G.E G.C 69,7±1,21 69,8±7,5 71,1±1,2 69,9±0,65 0, , 1845 % G.C G.E G.C 12,6±3,7 13,8±3,5 10,9±3,8 12,7±3,5 0, , 0001 A perda de gordura corporal foi significante para ambos os grupos, experimental e controle, apresentando nível de significância p< 0,01 no somatório de dobras cutâneas e percentual de gordura. O grupo controle apresentou uma pequena alteração na variável composição corporal, mas sem nível de significância. Para a análise da perimetria corporal foram verificados valores significantes nas variáveis: Braço D. tenso; Tórax, Tórax expandido; Coxa Proximal e Coxa Distal, do grupo experimental, suplementados com creatina, com nível de significância de p<0,01, no grupo controle também houve alterações, contudo não obtendo valores significativos. Tabela 3. Perimetria Corporal. VARIÁVEIS GRUPO PRÉ (média) GRUPO PÓS (média) GANHO (cm) 5

6 Braço tenso G.E 34,5 G.E 36,4 G.C 33,95 G.C 34,64 Tórax G.E 97,3 G.E 100 G.C 98,45 G.C 99,5 Tórax expandido G.E 99,9 G.E 103,05 G.C 101,1 G.C 102,25 1,9 0,69 2,7 1,05 3,15 1,15 Coxa proximal G.E 58,6 G.C 57,99 G.E 59,85 G.C 57,35 1,25-0,64 Coxa distal G.E 46 G.E 48,2 2,2 G.C 45,65 G.C 46,25 0,6 A análise da força muscular pode ser observada na tabela 4, os resultados foram obtidos a partir do teste de carga realizado antes e depois da suplementação e o do treinamento resistido. Foi observado ganho em todas as variáveis analisadas, Supino reto; Puxada frontal supinada e Leg press, porém valores significativos podem ser observados apenas nas variáveis Supino reto e Leg press no grupo experimental quando comparados ao grupo controle. Tabela 4. Análise da força muscular. VARIÁVEIS FORÇA GRUPO PRÉ (média) Supino Reto G.E 43,2 G.C 38,2 Puxada Frontal G.E 49,5 Supinada G.C 46,6 Leg Press G.E 142,3 G.C 111,7 GRUPO PÓS (média) G.E 52,2 G.C 43,1 G.E 56,3 G.C 52,8 G.E 164 G.C 128,5 GANHO (Kg) 9 4,9 6,8 6,2 21,7 16,8 Em concordância com o descrito acima, a metodologia do presente estudo consistiu em aumentar a força e a massa magra de praticantes de musculação quando estes foram submetidos à fase de saturação do suplemento juntamente com a intervenção de quatorze dias de treinamento de força. 6

7 4. DISCUSSÃO: A musculação pode provocar alterações neuromusculares como aumento da força, potência muscular, resistência de força, dentre outras. Segundo Flek, Kramer e Volek (2000) e ACSM (2002) essas melhoras no condicionamento físico estão diretamente relacionadas com os ajustes fisiológicos e funcionais impostos pelo treinamento resistido. Tais efeitos podem tornasse ainda mais rápidos através da suplementação com creatina como aliada para ganhos tanto de força quanto de hipertrofia muscular (SOUZA JUNIOR, 2007). Ambos os grupos, G.E e G.C, obtiveram ganhos que são comprovados estatisticamente conforme os resultados obtidos, sendo que no Grupo Controle somente os valores de perimetria do quadril e coxa distal não alcançaram valores significantes. Contudo, a partir da análise dos efeitos do treinamento e suplemento utilizado, foi possível observar que o grupo experimental, que fez uso de creatina, apresentou aumentos expressivamente maiores para massa corporal e força, além disso, também apresentou alterações significativas no perfil de gordura corporal quando comparado ao grupo controle, que fez uso de maltodextrina. Os efeitos da suplementação de creatina sobre a massa corporal vêm sendo muito discutida em diversos estudos, alguns mencionam que a ingestão de creatina em curto prazo, fase de saturação do suplemento de 05 a 07 dias de suplementação, com altas doses (20-25g/dia) (FELDMAN, 1999; JACOB et al, 2000), é acompanhada de aumento de massa corporal total (MCT), principalmente em indivíduos do sexo masculino, cujo ganho chega a ser entre 0,07 a 2,0 kg de peso após a suplementação. Resultados semelhantes, também, foram encontrados na referida pesquisa ocorrendo ganho significativo de massa corporal total com p < 0,01. Como no estudo de Ferreira (2008), além do ganho de MCT houve diminuição dos valores de porcentual de gordura (%G) o que pode evidenciar um aumento de massa corporal magra. 7

8 O ganho de peso pode estar associado a duas hipóteses, a primeira consiste em retenção hídrica decorrente do alto poder osmótico da creatina, e a segunda seria um aumento da taxa de síntese de proteínas contráteis e diminuição da degradação proteíca (MAUGHAN, 1999). Apesar do efeito da suplementação aguda de creatina ser predominantemente relacionada à retenção hídrica, quando em longo prazo, o aumento da hidratação celular pode ser um sinal anabólico. Além do efeito agudo da creatina sobre a retenção hídrica, ela por si só, pode estimular a síntese de proteínas miofiblilar em culturas de músculos cardíacos e esqueléticos isolados (VOLEK et al, 1997). Em estudo realizado por Donatto et al (2007) mostrou que a suplementação de creatina (20g/dia durante 5 dias) não obteve efeitos significativos na composição corporal e na execução de uma repetição máxima (1RM), no exercício supino, em praticantes de musculação, contudo em uma pesquisa realizada com 22 mulheres, utilizando o mesmo protocolo de suplementação, dividas em dois grupos (experimental e placebo), observou-se ganho significativo do desempenho muscular, porém, também, não apresentava resultados significantes em termos de volume muscular e composição corporal (KAMBIS E PIZZEDAZ, 2003). No entanto, em uma revisão bibliográfica realizada em cinqüenta estudos que utilizaram a suplementação aguda de creatina, descreve que destes trinta e três pesquisas demonstraram aumento de massa muscular e os dezoito restantes tiveram ganho de massa magra, contudo sem ser significativo (FONTANA apud FERREIRA, 2008). A utilização da dosagem de 20g/dia divididas em 04 doses diárias de 0,5g por sete dias caracterizando a fase de saturação do suplemento junto ao treinamento de duas semanas de musculação proporcionaram ganho significativo de força e massa magra, sugerindo assim uma resposta aguda nos parâmetros avaliados. O ganho de força foi observado no grupo suplementado com creatina quando comparado com grupo placebo, ocorrendo maior expressão do aumento de força nos exercícios supino reto e leg press. Resultados semelhantes foram 8

9 encontrados no estudo de Souza Junior et al (2007), contudo no protocolo de suplementação foi utilizado 30g de creatina monoidratada dividida em 5 porções/dia durante uma semana, além disso nessa pesquisa foi utilizado a suplementação de 5g/dia durante 4 semanas, referente a fase de suplementação. Na referida pesquisa, ocorreu ganho de massa corporal no grupo experimental suplementado com creatina, o que certifica que o ganho de massa magra é devido à diminuição do %G.C. o grupo controle suplementado com maltodextrina obteve ganho de massa corporal embora não tenha sido tão expressivo em relação ao grupo experimental ocorrendo também à diminuição no %G.C. A partir disso, observa-se que os resultados obtidos nesta pesquisa estão em conformidade com os estudos encontrados na literatura consultada (WILLIANS; KREIDES; BRANCH, 2000), ou seja, um programa de duas semanas de treinamento de musculação em associação a suplementação de creatina aumentam a composição corporal e força. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A partir da análise dos resultados percebe-se que a utilização de creatina em uma semana possibilita aumento na composição corporal. Os valores encontrados através da perimetria indicam que houve ganho de massa magra e diminuição no %G.C. em ambos os grupos, contudo em algumas variáveis (quadril e coxa distal) do grupo controle o ganho não foi estatisticamente significante. A suplementação de creatina como um método de aperfeiçoar o desempenho esportivo, deve ser tomada com ponderação, de acordo com a necessidade e indicação de cada indivíduo. Foi observado que não ocorreu nenhum efeito maléfico relacionado à saúde dos indivíduos com a suplementação de uma semana, no período estudado dando indicações da segurança da utilização deste suplemento nos moldes do protocolo utilizado e adaptado. Os resultados apresentados e analisados no presente estudo evidenciam os prováveis efeitos ergogênicos da utilização da creatina como suplemento alimentar, contudo mais pesquisas devem ser realizadas com este 9

10 suplemento na fase de saturação com protocolos semelhantes para confirmarem tais efeitos. REFERÊNCIAS: ALVES, R. C. et al. Resposta da suplementação de creatina em praticantes de exercícios resistidos. Educação Física em Revista. V. 2, n. 1, Disponível em: revista.ucb.br; ISSN: FRY, A. C. The role of resistance exercise intensity on muscle fibre adaptations. Sports Med 2004; 34(10): SOUZA JÚNIOR, T. P. DUBAS, J. P. PEREIRA, B. OLIVEIRA, P. R. Suplementação de creatina e treinamento de força: alterações na resultante de força máxima dinâmica e variáveis antropométricas em universitários submetidos a oito semanas de treinamento de força (hipertrofia). Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 13, n. 5, BENZI, G. M. STERNIERI, E. GECI, A. Creatina e prestazione sportive. Revista di cultura sportiva, [SL] anno XVII, N. 41/42, P. 1-12, DOMINGUES, S. F. MARINS, J. C. B. Utilização de recursos ergogênicos e suplementos alimentares por praticantes de musculação em Belo Horizonte- MG. Revista Fitness Performance. V. 06, n. 04, ISSN: GREENHAFF, PL. The nutritional biochemistry of creatine. The Journal of Nutritional Biochemistry. V. 8, n GREENHAFF PL, BODIN K, SODERLUND K, HULTMAN E. Effect of oral creatine supplementation on skeletal muscle phosphocreatine resynthesis. American Journal of Physiology. 1994; 29: E VANDENBERGUE K, GORIS M, VAN HECKE P, VAN LEEMPUTTE M, VAN GERVEN L, HESPEL P. Long-term creatine intake is beneficial to muscle performance during resistance training. J Appl hysiol. 1997; 83: HARRIS, R. C. SODERLUND, K. HULTMAN, E. Elevation of creatine in resting and exercised muscle of normal subjects by creatine supplementation. Clin Sci (Lond) Sep;83(3): HULTMAN, E. SODERLUND, K. TIMMONS, J. A. CEDERBLAD, G. GREENHAFF, P. L. Muscle creatine loading in men. Journal of Applied Physiology. Bethesda, v.81, n.1, p , FLECK, S. J. VOLEK, J. S. KRAEMER, W. J. Efeito da suplementação de creatina em sprints no pedalar e na performance de sprints repetitivos no pedalar. Revista Brasileira de Ciência e movimento. Brasilia. V. 8, n

11 AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. The physiological and health effects of oral creatine supplementation. Medicine and Science in Sports and Exercice. Madison. V. 32, n. 3, FELDMAN, E. B. Creatine: a dietary supplement and ergogenic aid. Nutr Rev (2): JACOBS, I. Dietary creatine monohydrate supplementation. Can J Appl Physiol 1999; 24: MAUGHAN R. J, GLEESON M. GREENHAFF P. L. Bioquímica do exercício e do treinamento. São Paulo: Manole, VOLEK J. S., KRAEMER W. J., BUSH J A. Creatine supplementation enhances muscular performance during high-intensity resistance exercise. J Am Diet Assoc. 1997; 97: DONATTO, F. PRESTES, J. SILVA, F. G. Efeito da suplementação aguada de creatina sobre os parâmetros de força e composição corporal de praticantes de musculação. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. V. 1, n FERREIRA, A. P. P. Efeitos da suplementação de creatina associada ao exercício resistido na função renal, hepática e na composição corporal. Brasília, Tese (Mestrado), Universidade de Brasília UNB. WILLIANS, M. H. KREIDER, R. BRANCH, J. D. Creatina. São Paulo. Manole, KAMBIS, K. W. PIZZEDAS, S. K. Suplementação de creatina a curto prazo melhora a contração do quadríceps máximo em mulheres.int J Clin Nutr Exerc Sport. v. 13 n. 1. p.87-96, WILLIAMS, M. H. BRANCH, D. Creatine supplementation and exercise performance: na update. Journal of the American College of Nutrition. v. 17, n. 3. p ,

Suplementação de creatina e treinamento de força: alterações antropométricas e na resultante força máxima

Suplementação de creatina e treinamento de força: alterações antropométricas e na resultante força máxima Artigo Original Suplementação de creatina e treinamento de força: alterações antropométricas e na resultante força máxima Creatine supplementation and strength training: anthropometry and maximum force

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

MALATO DE DICREATINA (2CM)

MALATO DE DICREATINA (2CM) MALATO DE DICREATINA (2CM) Fórmula Molecular: C 12 H 24 N 6 O 9 Peso molecular: 396,35 g/mol Descrição: É um sal de creatina altamente bio assimilável e biodisponível ao conter um precursor do ciclo de

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI ATUALIZAÇÃO DE CARGAS EM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA DE MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Pablo Rebouças Marcelino 1 Filipe Antonio de Barros Sousa 1 Anielle Chaves de Araujo 1 Alexandre Sérgio Silva 2

Leia mais

am PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

am PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1 am PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Brasília - DF 2010 Brasília - DF 2010 NÍVEL DE HIPERTROFIA MUSCULAR EM INDIVIDUOS DO SEXO MASCULINO PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO Andrey Portela 1, Arnaldo Guilherme Borgo 2 1 UNIGUAÇU; 2 Licenciado em Educação Física e Esportes.

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA Bruno Guilherme Morais Pagan 1 ; Luzia Jaeger Hintze 2 ; Alexandre dos

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais 2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais Musculação na academia De acordo com Chiesa (2002), a musculação, classicamente

Leia mais

INSTITUIÇÃO: FACULDADE MUNICIPAL PROFESSOR FRANCO MONTORO DE MOGI GUAÇU

INSTITUIÇÃO: FACULDADE MUNICIPAL PROFESSOR FRANCO MONTORO DE MOGI GUAÇU TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA CREATINA POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE MUNICIPAL PROFESSOR FRANCO MONTORO DE MOGI

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO

SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO CARLOS VINÍCIUS DA SILVA BARBOSA, CAIO VICTOR COUTINHO DE OLIVEIRA, ALEXANDRE SÉRGIO SILVA, JANAINA CÂNDIDA RODRIGUES

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO RESUMO Mari Uyeda Larissa Fabiane da Silva Toledo Este trabalho apresenta como objetivo demonstrar o comportamento

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA

RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA Marcos José Andrade Lima Universidade Federal da Paraíba Faculdade Integrada de Patos marcosandrade.saude@hotmail.com Introdução O aparelho excretor tem a função

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Minerais e Vitaminas como Fontes Ergogênicas. Magnésio, Zinco, Cálcio e Vitaminas B1 e B6.

Minerais e Vitaminas como Fontes Ergogênicas. Magnésio, Zinco, Cálcio e Vitaminas B1 e B6. Minerais e Vitaminas como Fontes Ergogênicas Magnésio, Zinco, Cálcio e Vitaminas B1 e B6. Minerais e Vitaminas como Fontes Ergogênicas Magnésio, Zinco, Cálcio, Vitaminas B1 e B6. Historicamente o homem

Leia mais

Exigências motoras. 2 Coordenativas. 1 Condicionantes. Mobilidade Agilidade Velocidade. Resistência Força

Exigências motoras. 2 Coordenativas. 1 Condicionantes. Mobilidade Agilidade Velocidade. Resistência Força Exigências motoras 1 Condicionantes Resistência Força 2 Coordenativas Mobilidade Agilidade Velocidade 1 Resistência!" #!" #!" #!" # Endurance Força! % " #$% " & ' () " '(*' ) $!" # $#% # $#% 2 #%&' ( '

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA Título: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA-QUEDISTA Categoria/Assunto: ASSUNTO PROFISSIONAL DE INTERESSE MILITAR Autor: CAPITÃO DE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física BRUNA COSTA MARTINS EFICIÊNCIA DA PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS ATRAVÉS

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

PREVALÊNCIA DE USO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES EM ACADEMIAS NAS CIDADES DE BARBALHA, CRATO E JUAZEIRO DO NORTE-CE

PREVALÊNCIA DE USO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES EM ACADEMIAS NAS CIDADES DE BARBALHA, CRATO E JUAZEIRO DO NORTE-CE PREVALÊNCIA DE USO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES EM ACADEMIAS NAS CIDADES DE BARBALHA, CRATO E JUAZEIRO DO NORTE-CE Victor Pinheiro Gomes e Albuquerque 25, Ravenna Gleica Machado Lopes 1, Suellem Coriolano

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

B-PROTEIN. Proteína Isolada da Carne Hidrolisada

B-PROTEIN. Proteína Isolada da Carne Hidrolisada Informações Técnicas B-PROTEIN Proteína Isolada da Carne Hidrolisada INTRODUÇÃO A proteína da carne é reconhecidamente uma das melhores fontes de proteínas existente no mundo. Apresenta um papel fundamental

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO DE INSTRUTORES QUE ATUAM EM ACADEMIAS WILSON CÉSAR DE ABREU 1, ALESSANDRA BOUERI LAZARINI 2, CARLA MICHELLE FERREIRA DE ABREU 3 RESUMO: O presente

Leia mais

Efeito do exercício resistido associado à suplementação de creatina ou glutamina na potência anaeróbia

Efeito do exercício resistido associado à suplementação de creatina ou glutamina na potência anaeróbia Efeito do exercício resistido associado à suplementação de creatina ou glutamina na potência anaeróbia Effects of resistive exercise associated with creatine or glutamine supplementation in anaerobic power

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Thiago Onofre Freire

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Thiago Onofre Freire NUTRIÇÃO ESPORTIVA Thiago Onofre Freire Nutrição Esportiva Prevenção de doenças Desempenho Atlético Estética Nutrição Esportiva Desempenho / Performance / Estética 1941 História História 1943 / Recomended

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES):

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES DESAFIO VITA VERÃO PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES TREINO A - Agachamento livre COMPLETO: 8 a 10 repetições (3x) - Leg 45: 8 a 10 repetições (3x) - Cadeira extensora: 8 a 10 repetições

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR Daniele Aparecida Capelato 1 ; Bruno Guilherme Morais Pagan 2 ;

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação

Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não... Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação

Leia mais

Perfil dos consumidores de suplementos alimentares praticantes de musculação em academias nas cidades de Curitiba e Pinhais

Perfil dos consumidores de suplementos alimentares praticantes de musculação em academias nas cidades de Curitiba e Pinhais LEANDRO CLARO DOS SANTOS Perfil dos consumidores de suplementos alimentares praticantes de musculação em academias nas cidades de Curitiba e Pinhais Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação UFSC Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina Elaborado por: Nutricionistas clínicas Revisado por: Nutricionistas clínicas Aprovado por: Gisele

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA Kátia Baluz Transplantes realizados no CEMO/INCA Fonte: Ministério da Saúde - INCA. TRANSPLANTE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física Marcos Abibi Tavares da Cunha Petrous André Monteiro Cesário RESPOSTAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

Mais da metade dos adultos norte-americanos estão acima do peso (61%) necessidade de uma terapia adicional para combater a obesidade

Mais da metade dos adultos norte-americanos estão acima do peso (61%) necessidade de uma terapia adicional para combater a obesidade Fitoterapia para Nutricionistas Citrus aurantium como um termogênico na redução de peso: uma visão geral. 1 Citrus aurantium: A obesidade é um problema de saúde ao redor do mundo. Mais da metade dos adultos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade.

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación Física, La Plata, 2013. Avaliação

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DAS CRIANÇAS DE 07 A 10 ANOS DE IDADE QUE FREQUENTAM O PROJETO, APRIMORAMENTO DAS AÇÕES MOTORAS ATRAVÉS DA GINÁSTICA ARTÍSTICA NO MEPROVI PEQUENINOS. França, Bruna S.* Silva, Janaina

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1 Revista Hórus, volume 6, número 1 (Jan-Mar), 2012. 48 EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia

Leia mais

SUPLEMENTO ALIMENTAR COMO RECURSO ERGOGENICO POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS Evelini Veras de Jesus 1 Maria das Dores Borges da Silva 2

SUPLEMENTO ALIMENTAR COMO RECURSO ERGOGENICO POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS Evelini Veras de Jesus 1 Maria das Dores Borges da Silva 2 SUPLEMENTO ALIMENTAR COMO RECURSO ERGOGENICO POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS Evelini Veras de Jesus 1 Maria das Dores Borges da Silva 2 1 Pós-Graduada em Treinamento Físico-Desportivo 2 Professora

Leia mais

TÍTULO: MAGNITUDES DE FORÇA PRODUZIDA POR SURFISTAS AMADORES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: MAGNITUDES DE FORÇA PRODUZIDA POR SURFISTAS AMADORES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: MAGNITUDES DE FORÇA PRODUZIDA POR SURFISTAS AMADORES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS AUTOR(ES):

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Efeitos da ingestão de creatina na composição corporal e na performance do exercício supino

Efeitos da ingestão de creatina na composição corporal e na performance do exercício supino doi:10.3900/fpj.2.5.270.p EISSN 1676-5133 Efeitos da ingestão de creatina na composição corporal e na performance do exercício supino Artigo Original Adriano da Costa Dias Mestrando em Ciência da Motricidade

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

A importância da anamn m ese s......

A importância da anamn m ese s...... Importância da Anamnese Dobras Cutâneas BIOTIPOS COMPOSIÇÃO CORPORAL PERIMETRIA A importância da anamnese... Conceito A anamnese (do grego anamnesis significa recordação) consiste na história clínica do

Leia mais

Efeito da suplementação da creatina sobre o desempenho atlético: um estudo de revisão com base em dados do PubMed

Efeito da suplementação da creatina sobre o desempenho atlético: um estudo de revisão com base em dados do PubMed Efeito da suplementação da creatina sobre o desempenho atlético: um estudo de revisão com base em dados do PubMed Discente do Programa de Pós-graduação em Treinamento Desportivo e Fisiologia do Exercício,

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso REVISÃO DE LITERATURA: PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E GANHO DE FORÇA MUSCULAR Autor: Murilo de

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Mesomorfo, Ectomorfo ou Endomorfo? Qual o seu tipo físico?

Mesomorfo, Ectomorfo ou Endomorfo? Qual o seu tipo físico? Mesomorfo, Ectomorfo ou Endomorfo? Qual o seu tipo físico? Você provavelmente já notou que seu corpo não é o mesmo que o de seus amigos ou colegas de trabalho. Algumas pessoas tendem a ser mais magras

Leia mais

Beta-alanina. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil

Beta-alanina. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil Beta-alanina Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: C3H7NO2 / NH 2 CH 2 CH 2 COOH Peso Molecular: 89.09 g/mol CAS: 107-95-9 Sinonímia: β-ala; AI3-18470; beta-aminopropionic acid; 3-Aminopropanoic acid;

Leia mais

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Estudos sugerem que a elevação do consumo protéico possa favorecer o aumento de força e volume musculares. Motriz Jul-Dez 2001, Vol. 7, n.2, pp.

Estudos sugerem que a elevação do consumo protéico possa favorecer o aumento de força e volume musculares. Motriz Jul-Dez 2001, Vol. 7, n.2, pp. Caseína Aumento do anabolismo muscular, com balanço protéico positivo (1) Estudos realizados nas últimas décadas têm indicado que as necessidades protéicas e/ou de aminoácidos podem estar aumentadas em

Leia mais

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga.

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. ANÁLISE DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS E MOTIVOS DA DESISTÊNCIA EM PRATICANTES

Leia mais

TREINAMENTO COM PESOS: EFEITOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES JOVENS

TREINAMENTO COM PESOS: EFEITOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES JOVENS TREINAMENTO COM PESOS: EFEITOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES JOVENS WEIGHT TRAINING: EFFECTS ON THE BODY STRUCTURE OF YOUNG FEMALES Adauto João Pulcinelli * Paulo Gentil ** RESUMO Diante dos diversos

Leia mais

EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO DE CREATINA NA HIPERTROFIA MUSCULAR EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO DE CREATINA NA HIPERTROFIA MUSCULAR EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Artigo apresentado no IV Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2012-2 EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO DE CREATINA NA HIPERTROFIA MUSCULAR EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Wellington Fernando da Silva 1

Leia mais

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal?

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal? Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Nader Alves dos Santos Ano Letivo - 2015 4º BIMESTRE Colégio da Polícia Militar de Goiás -NAS Aluno (a): Nº Faça o que se pede. MODALIDADES EM ALTA CONTEÚDO SIMULADO

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ESPORTIVA APLICADA À SÁÚDE, ESTÉTICA E DESEMPENHO FÍSICO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ESPORTIVA APLICADA À SÁÚDE, ESTÉTICA E DESEMPENHO FÍSICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO ESPORTIVA APLICADA À SÁÚDE, ESTÉTICA E DESEMPENHO FÍSICO 1. CURSO: Pós-graduação em Nutrição Esportiva aplicada à saúde, estética e desempenho físico. 1.1 Área de Conhecimento:

Leia mais

Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos

Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos Euripedes Barsanulfo Gonçalves Gomide 1 Agnelo de Almeida Martins 2 Thiago Chiarato 2 Resumo: O treinamento de força tornou-se

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN Resumo: A obesidade é reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, sabe-se que na população com SD

Leia mais

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL FRANKLIN GONÇALVES PEREIRA Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR

ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR 2 ELIANE SEGUNDA 1 ; 2 LORENE S. YASSIN ANZUATEGUI ; 3 ANTONIO CARLOS FRASSON. Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais, Ponta Grossa,

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 %MASSA GORDA SAUDÁVEL Homens 20 anos %MGsaudável = 10% (a partir dos 20 anos acresce-se 1% por cada 3 anos de idade, até ao limite de 25% ou até 50 anos de idade). Ou usando

Leia mais

Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075

Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075 Suplementos na Atividade Esportiva Maria Helena Weber CRN 2075 Exercício Físico x Atividade Física Atividade Física: é qualquer movimento do corpo, produzido pelo músculo esquelético que resulta em um

Leia mais

Perfil somatotipológico e respostas hipertróficas do braço, após 12 semanas de treinamento tradicional de musculação

Perfil somatotipológico e respostas hipertróficas do braço, após 12 semanas de treinamento tradicional de musculação Perfil somatotipológico e respostas hipertróficas do braço, após 12 semanas de treinamento tradicional de musculação Perfil somatotipológico y respuestas hipertróficas del brazo luego de 12 semanas de

Leia mais

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Nut. Cláudia Dornelles Schneider Prof. Adj. Depto. de Nutrição Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Porto Alegre, RS, Brasil Janeiro de 2013 Nutrição Esportiva últimas 2 décadas

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

ALIMENTAÇÃO DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO ALIMENTAÇÃO DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Academia de Saúde e Lazer - Universidade Fernando Pessoa Núcleo de Estágio Curricular em Ciências da Nutrição Durante o exercício físico prolongado é importante manter

Leia mais

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Perimetria Medida da circunferência de determinados segmentos corporais, podendo ser realizados estando o corpo relaxado ou contraído. 2. Fita Métrica Equipamentos

Leia mais

A suplementação de creatina é eficaz? Bruno Gualano. Creatina: Universidade de São Paulo 20/10/2014. QUADRO 2 Grau de recomendação. E = Nunca usar.

A suplementação de creatina é eficaz? Bruno Gualano. Creatina: Universidade de São Paulo 20/10/2014. QUADRO 2 Grau de recomendação. E = Nunca usar. Suplementação de creatina Apenas para atletas? Bruno Gualano Universidade de São Paulo A suplementação de creatina é eficaz? Creatina: QUADRO 2 Grau de recomendação E = Nunca usar. Não recomendada por

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro

Perder Gordura e Preservar o Músculo. Michelle Castro Perder Gordura e Preservar o Músculo Michelle Castro 25 de Novembro de 2012 Principais Tópicos 1. Processos catabólicos associados a dietas hipocalóricas. 2. Contextualização/compreensão do porquê da existências

Leia mais

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE?

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? Amaral, Mayra Ternes¹; Noronha, Alessandra Ferreira de² ¹Pós Graduanda em Fisioterapia Dermatofuncional Centro de Estudos Avançados e Formação Integrada (CEAFI - Pós graduação);

Leia mais

O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). RESUMO

O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). RESUMO O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). Adriana Cristina Barriviera Prada 1 Eduardo Salerno 2 Rafael Andre de Araujo 3 Francisco José Andriotti Prada

Leia mais