A página online do MST como instrumento de contrainformação no debate da reforma agrária 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A página online do MST como instrumento de contrainformação no debate da reforma agrária 1"

Transcrição

1 GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação A página online do MST como instrumento de contrainformação no debate da reforma agrária 1 Solange I. Engelmann* Resumo: Este artigo apresenta sucintamente uma proposta de estudo sobre a página nacional de internet do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), criada em Na abordagem propõe-se identificar as potencialidades do portal de comunicação na luta do MST e o debate da reforma agrária no Brasil. Apresentamos um breve histórico sobre os aspectos centrais do novo processo de trabalho, o surgimento da revolução informacional e da internet, como um veículo de comunicação para a expressão de alguns segmentos sociais, como os movimentos sociais populares, bem como a formação do MST no Brasil. E realizamos uma análise sobre o portal online do MST, com o propósito de compreender a importância desse novo aparato de comunicação na divulgação da luta pela terra e construção de referência no debate da reforma agrária brasileira. Palavras-chave: Trabalho; Estado; Movimento Sem Terra; Reforma agrária; Internet. INTRODUÇÃO Num contexto histórico de luta da classe 2 trabalhadora pela conquista dos direitos civis, políticos e sociais e da cidadania no capitalismo, várias são as formas que a maioria social (trabalhadores, classes populares, etc.) encontra para se organizar: partidos políticos, 1 Trabalho a ser apresentado no GT 2 - Estado, ideologias e meios de comunicação, durante o V Simpósio Internacional Lutas Sociais na América Latina:, de 10 a 13 de setembro de 2013, em Londrina-PR. * Mestranda em Ciências Sociais, pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). 2 O conceito de luta de classes se encontra fundamentado na concepção de Marx e Engels (1990). Segundo os autores, historicamente todas as sociedades se dividem em duas classes (escravismo, feudalismo, despotismo asiático e capitalismo): proprietários dos meios de produção (não-trabalhador) e trabalhador direto (não proprietário). Portanto, a divisão entre burgueses e proletários (trabalhador assalariado) diz respeito unicamente à sociedade capitalista. GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 123

2 sindicatos, organizações não governamentais (ONGs) autônomas e aliadas à luta dos trabalhadores e segmentos populares, além dos movimentos sociais populares, entre outras formas de organização. Um desses movimentos populares é o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Brasil um dos maiores movimentos sociais da América Latina. 3 A partir do desenvolvimento da tecnologia eletrônica na década de 1990, surge, no Brasil um novo meio de comunicação. Para alguns segmentos sociais da classe trabalhadora - que anteriormente não dispunham de espaço nas grandes empresas de comunicação de massa - a internet se torna um veículo de comunicação importante na ampliação do diálogo com parte da sociedade e a base social dessas organizações. Porém, isso somente se torna possível quando esses segmentos sociais, que lutam por direitos sociais básicos, como a terra, adquirem o acesso à internet, para a manutenção de um portal online e a produção de conteúdo para publicação nesse espaço. No processo histórico de luta pela terra, reforma agrária e direitos civis, políticos e, sobretudo, sociais, atualmente no país, o MST mantém uma página nacional de internet na rede. O portal foi criado em 1997, com o objetivo de ampliar a divulgação das lutas do MST e alianças com outras organizações da classe trabalhadora, urbana e rural. A partir disso, a página online (www.mst.org.br) deste movimento tem passado por um processo de qualificação na tentativa de torná-la um espaço importante de interação e diálogo entre a classe trabalhadora e a base do MST. Considera atualmente como uma das principais invenções da sociedade capitalista na contemporaneidade a internet foi criada nos Estados Unidos na década de 1960, a fim de servir de ferramenta de comunicação militar alternativa no âmbito da guerra. Para Lojkine (1995), o surgimento dessas novas tecnologias da informação, considerada por ele como uma revolução informacional gerou grandes transformações na área da informática e da comunicação atual. Possibilitando com isso, o questionamento da divisão social do trabalho, entre aqueles que detêm o monopólio do pensamento e os excluídos. Frente ao advento das novas tecnologias vários segmentos sociais da classe trabalhadora, antes marginalizados pelos grandes meios de comunicação ou estigmatizados como uma ameaça à ordem burguesa, podem expressar suas demandas e reivindicações 3 Chomsky (2003) deixou clara sua opinião acerca do MST em discurso proferido no Fórum Social Mundial de 2003: Ontem, tive o privilégio de ver alguns dos trabalhos inspiradores a fim de atingir os objetivos postos no encontro internacional da Via Campesina na comunidade do MST [...] que eu acredito ser um dos maiores e mais empolgante movimento popular do mundo [...]. GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 124

3 sociais na rede mundial de computadores. Contudo, faz-se necessária a real compreensão de que essa tecnologia, fruto da revolução informacional, nos termos de Lojkine (1995), não está isenta da lógica mercantil do capitalismo, tendo como fim último a garantia da acumulação e centralização do capital. Desse modo, seu uso e reprodução não estão livres das contradições capitalistas. A partir da discussão inicial, nesse artigo nosso objeto de estudo é a construção da página nacional de internet do MST enquanto instrumento de luta pela terra e reforma agrária no Brasil. Procuramos compreender como o portal se apresenta como um instrumento de contrainformação política-ideológica no combate a elementos dominantes das frações monopolistas do setor informacional midiático e do grande capital no Brasil, principalmente do agronegócio. Para tanto, inicialmente realizamos uma breve discussão sobre os aspectos centrais do novo processo de trabalho, o surgimento da revolução informacional e a internet. Em seguida, apresentamos um histórico sobre as principais características da formação do MST no Brasil. E finalmente, desenvolvemos uma análise sobre o portal online do MST e sua atuação na apresentação da luta pela terra e da reforma agrária, travada atualmente pelo MST. 1. O processo de trabalho e as novas tecnologias da comunicação O novo processo de trabalho e a luta de classes Para melhor compreender esse cenário comunicacional em relação à sociedade capitalista, partimos do debate, no campo marxista, sobre o avanço da divisão do trabalho e seu processo de desenvolvimento no âmbito da luta de classes. Ao discutir o processo de trabalho e de valorização, em O Capital, Karl Marx (1996) aponta que o trabalho é um processo em que o homem modifica a natureza e a si mesmo para o desenvolvimento da vida. Na visão do autor, o processo de trabalho é uma atividade orientada para a produção de valores-de-uso e assim se apropriar da natureza a fim de satisfazer as necessidades humanas. Conforme Marx (1996), no sistema capitalista o processo de trabalho é apropriado pelo capitalista que detêm os meios de produção e domina a força de trabalho do operário. Logo que entra na fábrica o trabalhador tem sua força de trabalho apropriada pelo GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 125

4 proprietário capitalista. Com isso, o seu trabalho e o produto do mesmo pertencem então ao patrão, alienando desse modo o trabalho do trabalhador, em que o primeiro se transforma em mercadoria. Em seu capítulo VI, inédito de O Capital, Marx classifica o trabalho vivo como sendo a força de trabalho manifesta ativamente dentro do processo de produção. Com isto, o domínio do capitalista sobre o operário é, por conseguinte, o da coisa sobre o homem, o do trabalho morto sobre o trabalho vivo, do produto sobre o produtor [...] (MARX, 1978, p. 20). Nessa perspectiva, o capitalista faz uso do trabalho morto, presente na tecnologia, bem como do trabalho vivo aumentando diretamente a exploração do trabalhador no processo de trabalho, com vistas à acumulação do capital e o desenvolvimento do capitalismo. Na sociedade burguesa o trabalho vivo é um meio de aumentar o trabalho acumulado. Para isso, os meios de produção se utilizam dos operários que atuam unicamente como absorventes da maior quantidade possível de trabalho vivo (MARX, 1978, p. 19). O resultado desse processo é a auto-valorização do capital e a exploração da mais-valia, que se tornam artifícios indispensáveis do sistema capitalista para assegurar a acumulação de capital e a geração de lucro. Vemos surgir frente ao cenário posto uma estrutura social e de Estado determinadas pela atuação real e pela produção material dos indivíduos. Sendo que estas condições materiais são determinadas pelo processo de produção e exploração de cada sociedade. Com a divisão do trabalho na sociedade capitalista o produto adquire poder superior ao trabalhador. E a partir da contradição entre interesse particular e coletivo, o Estado assume uma forma destacada acima da sociedade, descolado dos interesses reais desta, tornando-se o guardião da classe dos proprietários dos meios de produção sobre o trabalhador direto, sendo o representante dessa classe social, ou seja, passa a servir aos interesses da classe dominante. (ENGELS, 1979) Segundo Antunes (2002), com as mudanças no mundo do trabalho o trabalhador não transforma mais somente objetos materiais, mas supervisiona o processo produtivo em máquinas computadorizadas programando e concertando robôs caso necessário. Se a crise é do trabalho abstrato não haveria novidade nenhuma, pois ela se traduz na redução do trabalho vivo e na ampliação do trabalho morto, apontado por Marx como uma tendência do capitalismo. A redução no número de trabalhadores e a ampliação da carga horária de trabalho geram forte impacto social. Desse modo, a partir de fenômenos como o toyotismo GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 126

5 o universo do mundo do trabalho passa por um processo de ampliação da heterogeneização, fragmentação e complexificação da classe-que-vive-do-trabalho. Alguns pensadores consideram essa tendência como o fim da centralidade do trabalho, mas para o autor, isto não é possível, uma vez que, a apropriação do trabalho pela classe dominante é o pilar de sustentação da atual sociedade capitalista. É dela que os proprietários dos meios de produção extraem a mais-valia e garantem o lucro Os meios de comunicação de massa e a revolução informacional Frente ao contexto do aumento da divisão e flexibilização do mundo do trabalho, um dos principais avanços tecnológicos capitalistas na área da comunicação nos últimos tempos tem sido a origem da internet. A rede mundial de computadores foi idealizada nos EUA, nos anos 1960, como ferramenta de comunicação militar alternativa no âmbito da guerra. A partir da sua criação a rede virtual vem se consolidado como um meio de comunicação capaz de integrar milhares de internautas em todo o mundo, e possibilitando ao mesmo tempo, novos espaços de interação e expressão para vários grupos sociais, antes marginalizados e/ou impossibilitados de se comunicar com grande parte da sociedade, pois, de forma geral, não dispõe de espaços de expressão nos meios de comunicação de massa 4 (MONTEIRO, 2001). Esse processo ocorre com o desenvolvimento das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), abordado por Lojkine (1995), em A revolução informacional, no qual apresenta o advento de uma grande revolução na área da informática e da comunicação. Para ele, a revolução informacional é uma revolução tecnológica de conjunto, resultado da revolução industrial ocorrida na sociedade contemporânea. Sendo que, diante do processo revolucionário em que se insere o computador não pode ser considerado puramente uma tecnologia intelectual ou um simples elemento de representação, mas um instrumento de transformação do mundo, material e humano. Se apresentando também como uma condição material essencial para a elevação da produtividade do trabalho em todas as esferas de atividade. (LOJKINE, 1995, p ). De acordo com o pensamento marxista, a força produtiva se constitui na transformação da natureza pelo homem. No entanto, a mesma contrapõe-se à concepção 4 Conforme Chauí (2006), a expressão comunicação de massa surge para designar os instrumentos tecnológicos capazes de transmitir a mesma informação para um grande contingente de pessoas de forma simultânea. GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 127

6 neutra e passiva da tecnologia como simples extensão de uma relação social; força que se refere a uma ação produtiva, ação de transformação da natureza material. (LOJKINE, 1995). Diante disso, os meios informáticos criam uma nova era na história da humanidade que ameaça a própria divisão de classes. Noutros termos, possibilita o questionamento da divisão social entre aqueles que detêm o monopólio do pensamento e os excluídos. Desse modo, o instrumento informático possibilita a conexão com novas técnicas de telecomunicações, melhorando a circulação de informações antes monopolizadas por uma pequena elite de intelectuais, e negada à maioria da classe operária. Todavia, mesmo diante de uma série de desafios e contradições, a revolução informacional melhora a circulação de informações antes restrita a um pequeno grupo privilegiado, aproximando produtores e consumidores. Porém, o avanço e a transposição dos limites das novas tecnologias da informação dependem da conscientização de assalariados e cidadãos, além de organizações sociais e políticas, de que as decisões estratégicas na sociedade devem ser definidas por todos, e não apenas por uma elite dominante. (LOJKINE, 1995). No entanto, a revolução informacional cria, assim, novas possibilidades de interação e comunicação aos cidadãos, mesmo que a internet ainda seja utilizada por uma pequena parcela de trabalhadores (pois na periferia do capitalismo a maioria não tem acesso aos meios eletrônicos dado, sobretudo, seus altos custos e os baixos salários pagos à classe trabalhadora). Até o final do século XX, a divulgação pública de informações não estava à disposição do cidadão comum, uma vez que a comunicação por intermédio dos grandes meios de comunicação demandava um grande volume de investimentos em recursos financeiros; e o controle na distribuição das informações limitava-se às camadas da classe média, sobretudo as classes dominantes. Tendo em conta o cenário em que as Novas Tecnologias da Comunicação estão inseridas, devemos ser cautelosos com a forma que adquire (e adquiriu) essa tecnologia específica, no atual estágio do capitalismo, a saber, uma suposta democratização da informação defendida pelos grandes portais comerciais 5, pela indústria de microcomputadores e pelos fornecedores de serviço de internet, entre outros. Se a internet surge do processo que Lojkine (1995) chama de revolução informacional, produto da última fase do capitalismo - cujo eufemismo é a globalização - ela não está isenta da 5 Como Google, Yahoo, MSN, entre outras redes; as quais estão interligadas aos setores monopolistas de agências internacionais de informações como Reuters, EFE, BBC, etc., também articulados aos trustes da televisão e jornais estadunidenses (CNN, Fox, New York Times, Washington Post, etc.). GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 128

7 lógica de funcionamento do capital, ao passo em que, se transforma em mercadoria, inserida igualmente na lógica de acumulação do capital com suas tendências à concentração e centralização, de modo desigual e vertical (entre países capitalistas centrais e países da periferia do capitalismo, etc.). Contudo, percebe-se que a lógica de funcionamento da tecnologia informacional e de seu uso e reprodução (dominada pela lógica do capital) não estão isentas de contradições. A principal delas pode ser detectada no próprio processo de produção capitalista do trabalho: este assume um caráter socializado ou coletivizado, de interdependência dos trabalhadores no processo de produção de mercadorias; e ao mesmo tempo expressa a apropriação privada do produto social pelos proprietários dos meios de produção (minoria social) ou do capital. Vista de outro ângulo, tal contradição demonstra à alienação do processo de trabalho: o trabalhador direto, além de perder a direção do processo de trabalho, perde também o produto do seu trabalho, tornando-se mero apêndice ou instrumento da máquina, ao realizar tarefas parcelizadas, que determinam assim o isolamento do trabalhador. Impõe-se com isso a separação entre trabalho manual e intelectual, entre execução e concepção do trabalho. Tal separação e apropriação do saber dos trabalhadores manuais e não-manuais pelo capital adotam formas complexas, nas fases taylorista, fordista, toyotista e também na acumulação flexível, aprofundando assim o fosso entre execução e concepção do trabalho. No caso da revolução informacional, a alienação do trabalho mantém expressões complexas de separação entre execução e concepção. (LOJKINE, 1995). Desse modo, ao dominar a linguagem da web e passar a navegar pelo ciberespaço, 6 vários segmentos sociais de trabalhadores, obtém um novo espaço para apresentar suas demandas e ações, comunicar-se e interagir com outros setores sociais. Ainda que tenha surgido em conseqüência da transformação da última etapa da revolução industrial (revolução informacional), afirmando-se como um instrumento tecnológico importante a serviço do capital, dada as contradições das forças produtivas capitalistas, a internet pode contribuir para a organização coletiva e expressão de vários segmentos sociais populares antes marginalizados pelos grandes meios de comunicação de massa, como o MST, por exemplo. 6 Área virtual de troca de informações que integra em rede computadores do mundo todo, operado pelos usuários. GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 129

8 Conforme demonstra Saes, no processo de trabalho na grande indústria moderna detecta-se a expressão objetiva de duas tendências contraditórias: a oposição entre dependência (socialização ou trabalho coletivizado) e a independência (parcelização das tarefas, individualização ou isolamento do trabalhador direto). Todavia, tal contradição determina a formação no trabalhador, de duas tendências em luta permanente: a tendência ao isolamento e a tendência à ação coletiva. Porém, essa tendência do trabalhador ao isolamento só tem condições de vigorar se outra esfera, diferente da esfera da produção, neutralizar a tendência oposta. Esse efeito neutralizador provém da esfera do estado. (SAES, 1998, p. 29, grifo do autor). Desse modo, historicamente o Estado burguês viabiliza as condições ideológicas necessárias para as relações de produção capitalistas, ao desempenhar uma dupla função: a individualização dos agentes da produção e neutralização, do produtor direto, da tendência à ação coletiva. O Estado burguês impõe, assim, um coletivo alternativo, o Povo-Nação, que cria uma aparente unidade nacional, em que os agentes da produção, produtores diretos e proprietários, são considerados como iguais por habitar um mesmo território. Essa unificação formal ou aparente dos membros de classes sociais antagônicas em Povo-Nação possui a função de neutralizar a tendência dos trabalhadores à ação coletiva, incentivando o isolamento dos indivíduos e impedido a formação de uma classe social que desenvolva lutas contra as condições de trabalho vigentes no capitalismo. (SAES, 1998). Detectando o papel geral do Estado (apontado por Saes no duplo papel do Estado burguês) e do seu papel particular em relação às novas tecnologias de informação (internet), podemos obter certa luz sobre como combater a forma de uso dessa tecnologia e a difusão da informação, no combate contrainformativo ou contra-hegemônico em relação ao debate da reforma agrária, junto à classe trabalhadora brasileira. 2. A formação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra MST Criado oficialmente em janeiro de 1984, na cidade de Cascavel-Paraná, o MST é um movimento social popular com atuação nacional, que possui como bandeira de luta a democratização da terra e a reforma agrária. Composto por trabalhadores sem-terra que realizam ocupações de latifúndios, ocupações de beiras de estradas e de prédios públicos, GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 130

9 atos públicos e marchas, a fim de pressionar os governos na implantação de um programa de reforma agrária. (MORISSAWA, 2001). A partir da sua fundação, este movimento social se organiza em torno de três objetivos principais: Lutar pela terra; Lutar por Reforma Agrária; [e] por uma sociedade mais justa e fraterna. Esses objetivos são definidos nos Congressos, Encontros Nacionais e no Programa de reforma agrária do MST para orientação da ação política da organização (MST, 2009b). Observa-se que o MST atua como um movimento social popular que questiona a concentração da terra no Brasil e defende a mudança da estrutura social, ou seja, combate a desigualdade social do sistema capitalista, propondo como alternativa a transição para um modelo de sociedade com igualdade de direitos e justiça social. Ao se posicionar contra a atual organização social, lutando pela democratização da terra e a reforma agrária, o MST contribuiu de forma decisiva na década de 1990 para a inserção da reforma agrária na pauta do governo federal. Além de trazer à tona as desigualdades sociais, demonstrando a existência do conflito de classes, entre a classe burguesa e a classe operária 7 (incluído aqui as classes populares urbanas e rurais) e entre os latifundiários e a grande maioria social pobre do campo. Frente à conjuntura da ditadura militar, a história do MST se inicia no final da década de 1970, período em que a agricultura brasileira passa por um processo de modernização, como resultado da industrialização, provocando a expulsão em massa de assalariados rurais, arrendatários e posseiros, principalmente no Sul do país. Segundo Fernandes e Stédile, essas condições produzem elementos fundamentais para a criação do MST no Brasil, já que esses trabalhadores passaram a lutar contra a colonização e a migração para as cidades, procurando maneiras de não abandonar a área rural e continuar vivendo nos Estados de origem, trabalhando como agricultores: [O camponês] quer permanecer no campo e, sobretudo, na região onde vive. Contudo, devido o aumento na expulsão de terras e sem solução para os problemas, esses camponeses começam a se organizar para buscar outras formas de luta e tentar resistir (FERNANDES e STÉDILE, 1999, p. 17). Nesse contexto, no dia 7 de outubro de 1979, aproximadamente 110 famílias ocupam a gleba Macali, em Ronda Alta, no Rio Grande do Sul. No ano seguinte, em 1980, cerca de 600 famílias de trabalhadores sem-terra montaram acampamento na Encruzilhada 7 Conforme o conceito de luta de classes apresentado em Marx e Engels (1989, 1990). GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 131

10 Natalino (RS). Esse processo inicial teve o apoio da Comissão Pastoral da Terra (CPT), que realizou um importante trabalho de conscientização com os agricultores. Atualmente o Movimento Sem Terra se encontra organizado em 24 estados brasileiros e possuí 29 anos de história, tendo conquistado o assentamento de cerca de 350 mil famílias sem-terra, beneficiadas com lotes de terra, créditos agrícolas e infra-estrutura mínima para produzir e sobreviver no campo, abandonando assim a condição de sem-terra e tornando-se pequenos agricultores. E ainda conta com mais de 90 mil famílias acampadas, á espera de um lote de terra. (MST, 2009a). Dado o modelo de organização na luta pela terra, por reforma agrária e os direitos sociais e políticos, o Movimento Sem Terra vem se configurando, historicamente, como um movimento de massas de caráter popular, sindical e político. O elemento fundamental para a continuidade e fortalecimento desse movimento social, no contexto histórico do Brasil, conforme Fernandes e Stédile (1999), só foi possível devido à vinculação da luta pela terra e por reforma agrária ao caráter de luta de classes. Percebendo assim a necessidade da luta pela desconcentração fundiária avançar para além do caráter coorporativo e aliar-se à luta de classes. 3. A página do MST como instrumento de contrainformação no debate da reforma agrária A compreensão política do MST acerca da importância da comunicação nasce no momento de fundação da própria entidade enquanto organização nacional, já que os meios de comunicação populares e alternativos representaram uma ferramenta importante para chegar ao povo pobre do campo e ampliar a luta desse movimento social ao território nacional. A criação do Setor de Comunicação e dos seus veículos de maior expressão, como o Jornal Sem Terra (JST), foram determinantes nas estratégias organizativas e em grandes mobilizações populares de diferentes estados, além do debate com a classe trabalhadora urbana. Verifica-se, desse modo, que desde o início da sua organização os sem-terra percebem a necessidade de criar um sistema de comunicação para a consolidação nacional do movimento e o conhecimento de suas reivindicações junto à classe trabalhadora. Ao longo da sua história, além do jornal impresso o MST também cria outros veículos de GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 132

11 comunicação populares e alternativos como: rádios comunitárias, revista, boletins, página online, etc. Nesse contexto, na década de 1990 surge o Setor de Comunicação do MST, com a função de orientar as discussões e a concepção de comunicação desses trabalhadores, no âmbito da relação interna e no diálogo com a classe trabalhadora. Dentro do MST este setor é responsável pela organização e o funcionamento dos instrumentos de comunicação, criados pelos sem-terra (GUINDANI e ENGELMANN, 2011). Em 1997 o MST cria uma página nacional na rede mundial de computadores, na qual passa a divulgar notícias, artigos, imagens, vídeos, fotos, etc. E em 2003, o portal passa a ter uma atualização regular. No portal do MST são publicadas notícias, reportagens e artigos, vídeos, imagens, etc., sobre o cotidiano de luta dos sem-terra, bem como informes de mobilizações e discussões sobre a reforma agrária. Sendo, de forma geral, um espaço para a divulgação de informações relevantes sobre a luta dos sem-terra e a pauta da reforma agrária. Nele também é possível acessar o conteúdo do JST, baixar publicações nacionais e locais do MST, cadastrar-se no MST Informa, um e-news de boletins informativos. Outros links dão acesso aos dados sobre o funcionamento do MST, poesias, sugestão de livros, textos e documentos. Há, inclusive, um espaço com vídeos curtos sobre atividades e depoimentos de personalidades em apoio à luta dos sem-terra, denominado Eu apoio o MST!. A página ainda hospeda a Videoteca Virtual Gregório Bezerra, onde se encontram armazenados filmes e vídeos sobre a trajetória do MST, a luta pela terra e a questão agrária no Brasil. Há ainda um link para a loja virtual da Reforma Agrária, onde se encontram produtos à venda. (MST, 2010). A página do MST na internet surge durante a expansão dessa nova tecnologia no Brasil e após o terceiro Congresso do MST, em 1995, período em que os sem-terra emergem como sujeito coletivo político nacional e necessitam do apoio da classe trabalhadora, principalmente urbana, para pressionar o governo na implantação da reforma agrária no país. Com isso, as estratégias e práticas comunicativas do MST se vinculam às linhas políticas definidas por esta organização popular, sendo modificadas na medida em que surgem mudanças nos rumos políticos. O portal se torna mais um instrumento de comunicação popular para auxiliar no diálogo com uma parte da sociedade (classe trabalhadora urbana), ao mesmo tempo, em que procura fugir do filtro editorial das empresas de comunicação e se contrapor à abordagem deturpada da grande mídia, que historicamente tem apresentado discurso contrário às lutas do MST e da classe trabalhadora no Brasil. GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 133

12 Entretanto, uma das principais potencialidades da página online do MST é que as informações, imagens e vídeos podem ser postados pelos próprios sem-terra, a partir de uma organização interna e posicionamento político desse movimento, estando isento de filtros externos, a exemplo do que ocorria antes da criação do portal ou como pode ser verificado ainda quando as ações do MST são divulgadas pela mídia em geral (jornais, revistas, grandes portais online, TVs, rádios, etc.). Segundo S. M. (2011) 8, a divulgação de informações sobre o cotidiano das famílias sem-terra na página online do MST também é fundamental para fortalecer a unidade interna e a circulação de informações na organização. Assim, a publicação de acontecimentos que ocorrem nos estados pode produzir um efeito agregador, por exemplo, em situação de criminalização ou violência contra os sem-terra, por parte de grupos armados e pistoleiros agenciados por fazendeiros, pelos próprios latifundiários, polícia, entre outros. Vale lembrar, contudo, que isso somente é possível nos locais em que a base social (famílias acampadas e assentadas) tem acesso à internet. De forma geral, o acesso à internet na base do MST ainda é bastante limitado, principalmente por falta de estrutura e políticas públicas para o meio rural. Esse acesso vem crescendo entre os mais jovens, mas é quase ausente, principalmente no caso dos adultos e das pessoas de mais idade (B. C., 2011) 9. Devido às características da internet (velocidade e instantaneidade), desde a criação da página online o objetivo do MST foi tornar o espaço uma referência acerca da sua luta pela terra e do debate da reforma agrária, procurando ampliar o diálogo sobre essa temática junto à classe trabalhadora urbana. Hoje a nossa página vem se constituindo cada vez mais, como uma página para discutir a questão agrária no Brasil. [...] Se alguém quiser saber informações, notícias e dados, sobre a questão agrária no Brasil, da perspectiva dos trabalhadores a referência é a página do MST (S. I., 2011) 10. A importância desse instrumento se concentra justamente na sua especificidade, adquirindo a condição de porta-voz oficial do MST na sociedade brasileira, no diálogo com a classe trabalhadora, 8 Entrevista de militante do MST do Rio Grande do Sul. Quando concedeu entrevista integrava a coordenação nacional do Setor de Comunicação do MST. Para manter a privacidade dos entrevistados, estes serão identificados com a primeira letra do sobrenome e do primeiro nome, se as letras se repetirem serão acrescentados números. 9 Entrevista de militante do Setor de Comunicação do MST e jornalista do estado de Pernambuco. 10 Entrevista de militante do Setor de Comunicação do MST e jornalista responsável pela página online do MST, de São Paulo. GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 134

13 com a própria base social e os grandes meios de comunicação de massa, em relação à pauta da reforma agrária. Tendo em conta o contexto exposto até o momento, observa-se que mesmo com todas as dificuldades de acesso da população mais pobre - que vive principalmente no campo - de forma geral, dada a sua agilidade de publicação em tempo real, a internet amplia a repercussão das pautas e reivindicações do MST, junto à classe trabalhadora urbana e a sua própria base social. Além de apresentar informações mais próximas da realidade desses grupos sociais e se contrapor à visão hegemônica dos grandes meios de comunicação. Nesse contexto, a internet contribui para conceder voz às organizações sociais da classe trabalhadora, anteriormente marginalizadas junto à sociedade brasileira, dada sua invisibilidade na grande mídia. Porém, a postura de contraposição à ideologia dominante desempenhada por meio do portal, somente adquire importância em relação à reforma agrária, ao se constituir em referência para outros movimentos sociais, sindicais, estudantis, enfim, para a própria classe trabalhadora. Por outro lado, é preciso reconhecer que esse é um instrumento de alcance limitado no embate contrainformativo, ao discurso dominante dos grandes meios de comunicação de massa, já que não há como compará-lo ao alcance da massificação dos grandes conglomerados de comunicação no Brasil. Sendo, portanto, insuficiente se não estiver associado a outras formas de comunicação e organizações de massa, no enfrentamento dos desafios da reforma agrária e das transformações sociais. Conclusão O MST se caracteriza atualmente como um sujeito coletivo na sociedade brasileira, que a partir de ações de luta reivindicatória pressiona o governo federal para a resolução da problemática da concentração fundiária e das desigualdades sociais existentes. Inserindo a pauta da reforma agrária na agenda do governo e vinculando a luta pela terra à luta de classes. Entretanto, a partir desse processo contraditório das forças produtivas capitalistas, percebe-se que, se usada criticamente pelos trabalhadores, a internet pode contribuir para a organização coletiva e a expressão de vários segmentos sociais populares, diminuindo GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 135

14 assim o isolamento e fortalecendo formas de comunicação populares e de contrainformação 11 política e ideológica desses grupos, diante dos setores sociais dominantes, e colaborando até mesmo na luta por mudanças sociais, na construção de uma sociedade livre do domínio do capital. Diante da perspectiva de Lênin (1978) e Saes, consideramos que os movimentos populares devem fazer uso dessa nova tecnologia para fortalecer a tendência à ação coletiva e lutar contra a exploração do trabalho capitalista. Trabalhar pela organização política autônoma dos diversos setores do campo popular a fim de atenuar a tendência ao isolamento dos produtores diretos, bem como fortalecer formas de comunicação contrahegemônicas com o intuito de contribuir com a construção de uma sociedade sem a lógica da extração da mais-valia e do domínio do capital. Contudo, mesmo diante das limitações da internet, tende-se a considerar que o portal online do MST vem se consolidando como um elemento de contrainformação ideológica e política, no que se refere ao debate de projeto de reforma agrária e contraposição ao modelo do agronegócio e domínio do capital na agricultura brasileira. Se tornando assim, um espaço de referência para a classe trabalhadora nessa discussão. Referências bibliográficas ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 8ª ed., Campinas: Editora Unicamp, CHAUÍ, M. Simulacro e Poder: uma análise da mídia. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, CHOMSKY, N. Confronting the Empire, Noam Chomsky. World Social Fórum. Porto Alegre, Brazil, Disponível em: <http://www.scoop.co.nz/stories/hl0302/s00032.htm>. Acesso: 17 Ago ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. 5ª ed., Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, FERNANDES, B. M.; STÉDILE, J. P Brava Gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, GUINDANI, J.F; ENGELMANN, S. I. A comunicação popular e alternativa do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra: história e contexto de uma luta contrahegemônica (MST). Revista Brasileira de História da Mídia, v. 1, n. 1, out/ O termo contrainformação apresentado possui um sentido amplo, voltado à luta política e ideológica dos vários segmentos sociais populares contra a dominação geral da classe dominante. GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 136

15 mar/2012. Disponível em: <http://www.unicentro.br/rbhm/ed01/ed01artigos.asp>. Acesso: 28 mai LENIN, V. I. Que fazer? As questões palpitantes de nosso movimento. São Paulo: Hucitec, LOJKINE, J. A Revolução Informacional. São Paulo: Cortez Editora, MARX, K. Capítulo VI: inédito de O Capital. Tradução: Eduardo Sucupira Filho. 1ª ed., São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas Ltda., O Capital. São Paulo: Editora Nova Cultural, v. I, MARX, K. & ENGELS F. A ideologia Alemã. São Paulo: Hucitec, Manifesto do Partido Comunista. Petrópolis: Vozes, MONTEIRO, L. A internet como meio de comunicação: Possibilidades e limitações. In: XXIV CONGRESSO BRASILEIRO DA COMUNICAÇÃO, 2001, Campo Grande. Anais... Campo Grande: INTERCOM, 2001, p Disponível em: <http://www.portalrp.com.br/bibliotecavirtual/comunicacaovirtual/0158.pdf>. Acesso: 01 Ago MORISSAWA, M. A história da luta pela terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Manual de redação para os veículos do MST. documento interno, Nossa História. 2009a. Disponível em: <http://www.mst.org.br/node/7702>. Acesso: 08 abr Nossos Objetivos. 2009b. Disponível em: <http://www.mst.org.br/node/7703>. Acesso: 11 abr SAES, D. O conceito de Estado burguês. In: SAES, Décio. Estado e democracia: ensaios teóricos. 2ª ed., Campinas: Gráfica do IFCH/UNICAMP, Entrevistas B. C. Entrevista, 07 de outubro de 2011, São Paulo. Entrevista concedida a autora. S. I. Entrevista, 19 de novembro de 2011, São Paulo. Entrevista concedida a autora. S. M. Entrevista, 20 de setembro de 2011, São Paulo. Entrevista concedida a autora. GT 2. Estado, ideologias e meios de comunicação 137

O USO DA INTERNET COMO INSTRUMENTO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL: A PÁGINA ONLINE DO MST (2007-2010) 1

O USO DA INTERNET COMO INSTRUMENTO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL: A PÁGINA ONLINE DO MST (2007-2010) 1 O USO DA INTERNET COMO INSTRUMENTO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL: A PÁGINA ONLINE DO MST (2007-2010) 1 ENGELMANN, Solange I. (mestranda) 2 Universidade Federal de Uberlândia Resumo: Esse trabalho é resultante

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

A questão agrária no Brasil: a política agrária do governo Lula e a relação com o MST

A questão agrária no Brasil: a política agrária do governo Lula e a relação com o MST A questão agrária no Brasil: a política agrária do governo Lula e a relação com o MST Solange I. Engelmann 1 Aldo Duran Gil 2 Resumo Este artigo apresenta um esboço de análise sobre a política agrária

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA?

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? Carmen Gomes Macedo 1 Ednéia Alves de Oliveira 2 Resumo Este projeto objetiva

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Queremos expor algumas reflexões e A LUTA PELA REFORMA AGRÁRIA: OS DESAFIOS DE TODA SOCIEDADE. João Pedro Stedile

Queremos expor algumas reflexões e A LUTA PELA REFORMA AGRÁRIA: OS DESAFIOS DE TODA SOCIEDADE. João Pedro Stedile Junho 1997 Revista Adusp A LUTA PELA REFORMA AGRÁRIA: OS DESAFIOS DE TODA SOCIEDADE João Pedro Stedile Fotos: Flávio Craveiro Queremos expor algumas reflexões e idéias de como vemos o problema agrário

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS. A Questão Agrária no Brasil no Século XXI

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS. A Questão Agrária no Brasil no Século XXI 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS A Questão Agrária no Brasil no Século XXI Marcos Cassin 1 Mírian Helena Goldschmidt 2 GT3 Marxismo e ciências humanas Introdução O que é a Questão Agrária? O

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES

CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES Secretaria Nacional de Formação Política do Partido Comunista Brasileiro Introdução CURSO DE INICIAÇÃO PARTIDÁRIA CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES A definição de classe social fornecida por Lênin deixa

Leia mais

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Sérgio Kapron A Economia Popular Solidária, e todo universo ainda não muito preciso que ela envolva, tem ocupado um espaço crescente entre militantes

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live.

CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live. CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live.com Resumo Este trabalho faz parte das reflexões iniciais uma pesquisa

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

Movimentos Sociais: questões de gênero e educação na Experiência do MST

Movimentos Sociais: questões de gênero e educação na Experiência do MST Movimentos Sociais: questões de gênero e educação na Experiência do MST Djacira Maria de Oliveira Araujo 1 As relações de gênero decorrem de mudanças nas relações pessoais e embora as mudanças nas relações

Leia mais

Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil

Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil Sheila Maria Doula Ana Louise de Carvalho Fiuza Wander Torres Costa Alexandra Santos Programa de Pós-graduação e Extensão Rural UFV/Brasil

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX Maria Catarina Ananias de Araujo Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Email: mariacatarinaan@gmail.com Prof.Dr. Valmir Pereira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Leia mais

As invenções democráticas do MST e a roda-viva do capital

As invenções democráticas do MST e a roda-viva do capital Anais do IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina ISSN: 2177-9503 Imperialismo, nacionalismo e militarismo no Século XXI 14 a 17 de setembro de 2010, Londrina, UEL GT 1. Lutas camponesas e indígenas

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Mapa Mental Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Dois Focos Temáticos Sistema Capitalista História Contradições Desafios para a classe

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Missão da FLD Apoiar e acompanhar programas e projetos de grupos organizados da sociedade civil que fortaleçam o protagonismo das pessoas e suas comunidades,

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL: A MANUTENÇÃO DA

POLÍTICA SOCIAL: A MANUTENÇÃO DA POLÍTICA SOCIAL: A MANUTENÇÃO DA DESIGUALDADE Ednéia Maria Machado * Resumo: A política social tem sua origem no modo capitalista de produção da vida social, não como uma política do capital e, sim, como

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»SOCIOLOGIA«21. Max Weber percebe a sociedade através do conceito de ação social, a qual se materializa através da interação entre os homens em prol de uma dominação social. Que

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI GUTEMBERG_GEOGRAFO@HOTMAIL.COM DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO A formação geo histórica da Pedagogia da Alternância

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Juversino Júnior Lisandro Braga "Em lugar da mercadoria aparecer como resultado de relações sociais enquanto relações de produção, ela aparece como um bem que

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

O que falta é uma nova lei para garantir a liberdade de expressão do nosso povo. A lei que regulamenta o serviço de radiodifusão completou 50 anos!

O que falta é uma nova lei para garantir a liberdade de expressão do nosso povo. A lei que regulamenta o serviço de radiodifusão completou 50 anos! Para construir um país mais democrático e desenvolvido, precisamos avançar na garantia ao direito à comunicação para todos e todas. O que isso significa? Significa ampliar a liberdade de expressão para

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR Ana Paula Pereira¹, Anselmo Cesário², Cinthia M. Liminides Silva³, Daiana Regina de Lima 3, Demes Nunes da Mota 4, Karina

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

Ong s, democracia participativa e visibilidade na mídia

Ong s, democracia participativa e visibilidade na mídia Ong s, democracia participativa e visibilidade na mídia Sandra Raquew dos Santos Azevêdo Índice 1 Ong s como sujeitos da democracia participativa 1 2 Relações de gênero na mídia: em pauta os direitos das

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES André B. Pasti AGB-Campinas pasti@cotuca.unicamp.br INTRODUÇÃO No atual período da globalização

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia.

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. 9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. Entrevista concedida a João Pedro StediJe, no México, para o jornal Em Tempo. Julho de 1978. Rui Mauro Marini, sociólogo e economista brasileiro,

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL É muito comum ler em notas de jornais, revistas, internet sobre as classes sociais, geralmente são classificadas da seguinte maneira: classe A, B, C, D, E. No mês de julho de 2008,

Leia mais

Trabalho Sindical. Elementos categoriais

Trabalho Sindical. Elementos categoriais Trabalho Sindical Elementos categoriais O papel da Direção Executiva Trabalho sindical como trabalho ideológico Ação sobre o outro-de-classe visando mobilizar para a luta sindical) GIOVANNI ALVES - UNESP

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «21. Assinale a alternativa que caracteriza a acumulação primitiva, segundo o pensamento de Karl Marx. a) O processo de separação

Leia mais

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 A relevância e credibilidade dos resultados da pesquisa UPP: O que pensam os policiais foram, sem dúvida, pontos de partida

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Relatório de atividades desenvolvidas - FSM 2005 Marcelo Daniliauskas Atividades desenvolvidas antes

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES RESOLUÇÕES A Direção Nacional da CUT, reunida em Brasília no dia 05 de março de 2015, após avaliar a gravidade conjuntura nacional por ocasião da abertura do 12º CONCUT, aprovou como resolução o chamamento

Leia mais

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL Resumo Aparecida Marta Barbosa Costa Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Marta_liz@hotmail.com Antônio Marcos Pontes

Leia mais

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo I - Introdução Consideram-se como Norte os países ricos ou industrializados: o primeiro Mundo ou países capitalistas desenvolvidos, em primeiro lugar e também os países mais industrializados do antigo

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

SOBRE A ORIGEM DA OPRESSÃO DA MULHER

SOBRE A ORIGEM DA OPRESSÃO DA MULHER A condição da mulher na sociedade de classes: o machismo a serviço do capital Danielle Sampaio Albuquerque Niágara Vieira Soares Cunha O presente artigo tem como objetivo por em evidência a constituição

Leia mais

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO VINICIUS SANTOS FERNANDES 1 Atualmente, a universidade brasileira tem sido

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais