A ESTRUTURA CONVERSACIONAL NAS INTERAÇÕES MEDIADAS POR COMPUTADOR: O CASO MSN MESSENGER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ESTRUTURA CONVERSACIONAL NAS INTERAÇÕES MEDIADAS POR COMPUTADOR: O CASO MSN MESSENGER"

Transcrição

1 A ESTRUTURA CONVERSACIONAL NAS INTERAÇÕES MEDIADAS POR COMPUTADOR: O CASO MSN MESSENGER Artarxerxes Tiago Tácito Modesto Universidade de São Paulo Resumo: Este trabalho pretende identificar, descrever e analisar algumas das estratégias interacionais que ocorrem na conversação digital na Internet através do MSN. Toma-se como base teórica a Análise da Conversação, numa tentativa de definir o gênero digital e as estratégias conversacionais do texto falado por escrito na Internet. O corpus utilizado é formado por três conversações eletrônicas ocorridas entre usuários do programa MSN Messanger, da Microsoft. Palavras chave: conversação digital, comunicação mediada por computador (CMC), MSN, interação Abstract: This work aims to identify, to describe and to analyze some of the interactional strategies that takes place on the digital conversation in the Internet using MSN. The theoretical basement is the perspective of the Conversation Analysis, trying to define the digital gender and the conversational strategies of the text said in writing in the Internet. The corpus used in this work is based on 3 electronic conversations carried through MSN Messenger from Microsoft. Keywords: digital conversation, computer mediated communication (CMC), MSN, interaction 1. Considerações Iniciais Não restam dúvidas de que a Internet constitui nos dias de hoje o maior sistema de comunicação que o homem já desenvolveu depois do evento da interação verbal. Pode ser definida, grosso modo, como um conjunto de redes de computadores interligadas, com usuários que compartilham serviços de informação e comunicação de forma global. Com a entrada definitiva da Internet conectando pessoas no mundo inteiro, as condições de produção e divulgação de conhecimento, bem como as formas de comunicação conheceram novas dimensões. A conversação digital apresenta uma estreita relação entre fala e escrita, através do texto falado por escrito, em que estratégias conversacionais próprias da fala são utilizadas no momento de interação eletrônica, porém, através da utilização de recursos próprios ao meio utilizado (HILGERT:2000). Utilizando conversações ocorridas através do programa MSN, buscamos aqui estabelecer convergências e divergências entre a conversação face-a-face e a conversação digital, ou, em outras palavras, como o processo se transfere do plano físico para o virtualreal, traçando assim um caminho inicial para uma futura pesquisa mais aprofundada. Levamos em consideração para análise principalmente as noções de tópico discursivo, turno conversacional, marcadores conversacionais e os processos de polidez e preservação de faces.

2 2. Perspectiva Teórica Todo e qualquer evento comunicacional envolve, por natureza, uma interação, entendida aqui como um envolvimento mútuo entre interactantes que exercem uns sobre os outros uma rede influências mútuas (ORECCHIONI,2006:08), através de trocas simbólicas, verbais e não verbais. Na interação verbal, os interactantes tendem a ajustar, coordenar e harmonizar permanentemente seus comportamentos pragmáticos. Segundo ORECCHIONI, não basta simplesmente que os interlocutores falem alternadamente, mas que se falem, engajando-se numa troca pragmática, dando claros sinais desse engajamento através de procedimentos de validações interlocutórias (cumprimentos, rituais confirmativos, procedimentos fáticos, reguladores, entre outros). Assim, podemos falar em diferentes tipos de interações verbais: conversações familiares, as conversas de todos os gêneros, as entrevistas, os debates, as transações comerciais, as trocas didáticas, os encontros científicos, as reuniões de trabalho, entre outras. Nessa perspectiva, temos a conversação face-a-face como um tipo particular entre as interações verbais. Segundo ORECCHIONI, na interação face-a-face, o discurso é inteiramente co-produzido, é o produto de um trabalho colaborativo incessante (p.11). Entre as condições essenciais para que a conversação ocorra, podemos destacar: o envolvimento numa interação centrada, a execução numa identidade temporal, a participação de pelo menos dois interactantes e ao menos uma troca de turno. Devemos ressaltar, porém, com base em MARCUSCHI (2005:15), que a interação face a face não é condição necessária para que haja uma conversação, como no caso das conversações telefônicas. Diante de todos esses aspectos, podemos colocar a interação verbal via MSN como uma conversação, pois: a) ocorrem em tempo real/sincrônico Assim como no caso das conversações telefônicas, as conversações digitais ocorrem em sincronia, a despeito dos problemas técnicos que ocasionalmente possam ocorrem: queda de conexão, falha do software, etc. b) há a participação de ao menos dois interlocutores O software MSN em suas versões mais recentes possibilita a interação de vários participantes na conversação, mas na maioria das vezes é utilizado por apenas dois usuários. c) há troca / alternância de turno Como veremos adiante, ocorre constantemente troca de turnos, assim como na conversação face-a-face e telefônica. d) o envolvimento se dá numa interação centrada Geralmente os interlocutores estão voltados para a interação, interagindo regularmente durante as trocas. Eventualmente, porém, devido às especificidades do meio, pode-se realizar outras tarefas enquanto se

3 conversa através do MSN (pesquisar na Internet, ler notícias, conversar com outros interlocutores, etc). Segundo ORECCHIONI (2006:15), o objetivo da análise conversacional é, precisamente, explicitar essas regras que sustentam o funcionamento das trocas comunicativas de todos os gêneros.... Convém lembrar, que, apesar de se tratar de uma conversação, o suporte usado para a interação verbal é a escrita. Assim como HILGERT(2000:17), não colocaremos escrita e fala numa perspectiva dicotômica, pois tomaremos o texto falado por escrito como resultado de um uso, através de um tipo específico de prática social de produção textual. Concordamos com a posição do autor quando diz que a comunicação na internet...se afina muito mais com o texto falado prototípico (conversação espontânea, conversação telefônica) do que com o correspondente escrito. Diante das limitações da escrita, porém, não vão se manifestar algumas características próprias da interação face-a-face, difíceis ou impossíveis de serem representadas pela escrita. Ainda assim convém lembrar que muitas vezes o usuário/interlocutor dispõe de recursos gráficos (símbolos e emoticons) que tendem a suprir essa carência da expressividade física (olhar, gestos, etc), conforme veremos mais adiante. Uma última característica deste tipo de interação é que, não raro, os interlocutores se conhecem pessoalmente, seja no âmbito pessoal ou profissional, o que torna a conversação mais simétrica. 3. O aspecto técnico: os comunicadores instantâneos. Os Comunicadores instantâneos são aplicações que permitem o envio e recebimento de mensagens de texto em tempo real. Através destes programas o usuário é informado quando algum de seus amigos, cadastrado em sua lista de contatos, está conectado à rede. A partir daí, eles podem manter conversações através de mensagens de texto ou até som e imagem. Normalmente, estes programas incorporam diversos outros recursos, como envio de figuras ou imagens animadas, conversação em áudio - utilizando as caixas de som e microfone do sistema, além de vídeo conferência. Inicialmente possibilitavam a conversação entre dois interlocutores apenas, mas hoje suporta diversos interlocutores ao mesmo tempo. O primeiro programa deste tipo largamente utilizado em escala global foi o ICQ, que inovou e revolucionou o conceito de mensagens online. O MSN Messenger (atualmente numa versão chamada Windows Live Messenger) é um desses comunicadores. Podemos dizer que é um dos preferidos pelos brasileiros, pois, é um dos programas mais baixados em sites populares de downloads no Brasil, como o

4 Neste trabalho, utilizamos os recursos do MSN em sua última versão, o Windows Live Messenger, que pode ter sua aparência visualizada abaixo: Tela inicial onde são visualizados todos os contatos online (que ficam em destaque) e os offline (que ficam apagados). Com um clique sobre o contato, abre-se a janela abaixo. Quadro de diálogo Quadro de imagens Quadro de digitação Barra de ferramentas de interação 4. O corpus sob análise e o contexto social O corpus utilizado neste trabalho constitui-se de três conversações digitais ocorridas no ambiente MSN do tipo dual (dois interactantes). Os interactantes são brasileiros, paulistas, moradores da Baixada Santista, com idade entre 17 e 27 anos, usuários assíduos do software, sendo 3 homens e uma mulher, todos estudantes universitários. As conversações têm cerca de 30 minutos de duração cada. 5. Análise dos dados 5.1 O tópico discursivo Em sentido geral, entendemos tópico como o assunto sobre o qual a interação está centrada. De acordo com FÁVERO(2003:38), ele é antes de tudo uma questão de conteúdo, estando na dependência de um processo colaborativo que envolve os participantes do ato interacional. Durante o evento conversacional, os interlocutores procuram estabelecer um tópico discursivo, procurando garantir a atenção do ouvinte. Desta forma, o ouvinte pode colaborar para a manutenção do tópico em seu turno de fala. Nos diálogos analisados, percebemos claramente esse processo de colaboração, em que um interactante responde à pergunta feita pelo outro, de forma a tentar centrar o assunto a ser utilizado como tópico conversacional, conforme podemos perceber no exemplo abaixo, em que o tópico discursivo é Atividades de férias : Exemplo 1

5 fazendo oq nas ferias? descansando rsrs e vc? descançando e fazendo meu trabalho de iniciação lendo um pouco sobre direito tbm ahhh q lgl ta certo Uma das características mais marcantes do tópico discursivo é a centração, que é o falar-se acerca de alguma coisa, implicando a utilização de referentes explícitos ou inferíveis (p.40). Segundo a autora, a centração norteia o tópico de tal forma que, quando se tem uma nova centração, tem-se um novo tópico. A seqüência deste diálogo entre Marco Antonio e Jen Jen (feminino) nos mostra essa centração sobre um referente não explícito, porém inferível aos dois interlocutores: Exemplo 2 vc faz parte do como é o nome mesmo GEDI neh aham faço sim vc ta indo nas ferias p\ facu? fui...mas não por causa do gedi fui pra pegar uns livros hum (...) pegar livros então ta estudando nas ferias/ (...) aham to sim Aqui podemos perceber uma sutil digressão em relação tópico central, que desencadeou no subtópico Grupo de Estudos, sigla usada por Marco Antonio e inferível por parte da colega, que alega fazer parte do grupo, mas justifica que não foi à faculdade por esse motivo, mas sim para pegar livros. O interlocutor, procurando fixar definitivamente o tópico discursivo, volta ao assunto das atividades das férias - a leitura dos livros, através do marcador então, retomando o fluxo temático, o que foi prontamente respondido pela colega. 5.2 Turno conversacional GALEMBECK (1993) conceitua turno como...qualquer intervenção dos interlocutores (participantes do diálogo), de qualquer extensão. Regra geral, a conversação digital obedece basicamente a um sistema de turnos do tipo Pergunta-Resposta, podendo haver também outros tipos de pares conversacionais, porém menos freqüentes, como o tipo convite-aceitação/recusa, no exemplo 3 abaixo:

6 Exemplo 3 Alexandre **Vulgo Xandão** diz: vc quer ir no shopping hj? (...) ah to um pouco cançadp e tenho q ler sobre exclusao de ilicitude Na conversação digital, os papéis de falante/digitador e ouvinte/leitor apresentam uma dinâmica diversa daquela que ocorre geralmente na conversação face-a-face. O turno existe, mas não no sentido tradicionalmente encontrado. Há turnos nucleares e inseridos, assim como na conversação face a face. A regra fala um de cada vez, por sua vez, nem sempre se aplica. Esta pode ocorrer com freqüência, mas há casos em que o interlocutor projeta diversos enunciados do tipo questionamento, assertivas, entre outros, e o leitor/interlocutor vai respondendo na seqüência em que aparecem, não havendo um controle sobre o turno de um ou de outro interlocutor. O trecho abaixo nos mostra uma seqüência de turnos centrais e inseridos, além do fenômeno da projeção de diversos turnos seguidos: Exemplo 4 mas vc vai fazer oq lê quem vai c vc o tiago tbm vai? Alexandre **Vulgo Xandão** diz: catar umas minas Alexandre **Vulgo Xandão** diz: eu e o tiago Alexandre **Vulgo Xandão** diz: lógico hummmm Alexandre **Vulgo Xandão** diz: Assim a gente num demora... rs rs rs certo rs Com base nessas reflexões, podemos sugerir que não há uma estratégia de gestão de turno clara nas conversações digitais simétricas: os interactantes são falantes/ouvintes ou escritores/leitores a todo o instante: lêem as mensagens enquanto escrevem as respostas e elaboram seus turnos enquanto seus interlocutores, por sua vez, também fazem o mesmo. Entendemos que os turnos conversacionais são acionados através da tecla enter ou pelo botão Enviar após a digitação do texto, fazendo com que, não raras vezes, os dois interactantes estejam com a palavra, e projetem turnos simultaneamente. Finalmente, com relação à extensão dos turnos, notamos que estes são extremamente curtos, sendo muito incomum encontrar algum que vá além de uma linha. HILGERT(2003) diz que o contexto de produção (não presença física no mesmo espaço) dos interlocutores não favorece turnos mais longos, o que levaria, segundo o autor, à redução do grau de dialogicidade.

7 5.3 Marcadores conversacionais Segundo URBANO (1993), os marcadores conversacionais são articuladores que ajudam a dar coesão e coerência ao texto falado, dentro do contexto conversacional. Fazem parte da função interacional na conversação. Existem os marcadores lingüísticos e os não -lingüísticos. Dentre os lingüísticos, há os verbais (lexicalizados, como sabe?, eu acho que, tá, ok, etc, e não-lexicalizados, como ahn, eh, etc.) e os prosódicos (pausas, alongamentos, hesitações, etc). Os não lingüísticos remetem aos gestos, olhares, risos, entre outros. É muito comum o uso dos marcadores conversacionais no texto conversacional digital. Os marcadores verbais lexicalizados são representados como na conversação face-a-face (só que através da escrita), enquanto que os prosódicos e não lingüísticos são representados por vários elementos gráficos, como reticências, onomatopéias ou os emoticons (expressões iconográficas que representam emoções humanas ligadas ao humor. Exemplo:. ) Exemplo 5 e ai blz XX Marcão, Marcão XX ae... ae... ae... viu meu ??? X vi sim... a prof tá viajando... X =/ X mas ela falou que continua a ajudar a gente? sim X uffa ta no exterior vida boa essa em... chega só na segunda semana de agosto disse p\ mim q conversará comigo dia 7 depois da aula e me desejou boas ferias q significa: haha MARCO to de ferias tbm nao me incomoda não faça nada srsrsrsrsr é Neste trecho, podemos perceber o uso de diversos marcadores: a) reticências indicam pausas; parece ter amplo uso para hesitações, finalizações e progressão de tópico, indicando que um turno será seguido de outro, que o completará.

8 b) onomatopéias (ae... ae... ae..., uffa, haha, em) na interação face-a-face, é comum as palavras serem acompanhadas de pequenos gestos ou de tom de voz mais intimista, representado na interação virtual pela expressão lexical do falante com o uso de onomatopéia, através da imitação do som e variação da voz. Na interação digital, essas imitações se lexicalizam na digitação de diversas maneiras, conforme vimos acima. c) emoticons verificamos que os emoticons são largamente utilizados na conversação digital. O significado do símbolo =/ do exemplo 5 pode ser resgatado através do contexto, e quer dizer um oh, que tristeza um tanto quanto irônico. Apresentamos abaixo um quadro com os emoticons encontrados em nosso corpus. :) Sorriso, feliz =( Triste =D Sorriso enorme = Indeciso, incerto -_- Tedioso ou não gostei :0) meigo, palhaço d) a marcação das interrogativas em um turno isolado marcador gestual, geralmente não lingüístico, aqui representado pelo símbolo???. e) abreviações São muito comuns na conversação digital, e podem ser notadas facilmente em qualquer conversação pela Internet. Geralmente são representadas pelas consoantes das palavras, como tbm, vc, q, rs, kd, entre outros. 5.4 A Polidez lingüística e a preservação de faces Concordando com ORECCHIONI (2006:77), a noção de polidez é aqui entendida em sentido amplo, recobrindo todos os aspectos do discurso que são regidos por regras, cuja função é preservar o caráter harmonioso da relação interpessoal. É composta de procedimentos lingüístico-sociais que visam a promover uma relação de cooperação e cortesia no processo conversacional. Convém salientar que, quanto maior a aproximação entre os interlocutores no ato comunicacional, menores são as articulações de polidez, devido à simetria existente entre eles no plano físico. No contexto digital do MSN, esses fenômenos também se manifestam, uma vez que os interactantes em grande parte já se conhecem pessoalmente. O modelo mais conhecido para o fenômeno da polidez é de BROWN&LEVINSON (1978), segundo os quais todo indivíduo possui duas faces: a negativa ( liberdade de ação do indivíduo, os territórios do eu ; em sua dimensão corporal, espacial ou temporal, bens ou

9 saberes secretos de cada um) e a positiva (ao conjunto de imagens que os interlocutores constroem de si e que tentam impor na interação). A conversação se articula, portanto, na produção de atos ameaçadores à face e, por outro lado, por uma procura em manter ou preservar as faces. Para isso, são utilizados processos de polidez, sendo seu objetivo principal evitar atos de ameaça e atenuar sua realização. Exemplo 6 acho q sou mais ambicioso rsrsrsrsrsrsr XXXXXXX diz: huaeuhauehua vc é O Marco (...) rsrsrsr é verdade sou o MARCO tá... menos -.- menos (...) tudo bem menos vou ficar baxinho q nem vc D'urso Jr X - - rsrsrsrsrs vc já viu oc urriculum da derani? X não No exemplo 6, Marco conversa com o interlocutor identificado por XXXXXX!, que é seu amigo de faculdade, conhecido como D Urso. Em um momento da conversa, Marco diz que se considera ambicioso, e, após os risos, XXXXXXX! tece um elogio, afirmando que ele é O Marco. Logo, sem modéstia, Marco passa a se auto enaltecer, o que leva XXXXXXX! a dizer menos e utilizar um emoticon, expressando insatisfação com a falta de modéstia do colega. Nesse momento, Marco passa a ameaçar a face positiva do colega, dizendo que se ficar menos, vai ficar baixinho igual ao colega. O interlocutor, então, prefere se resignar e responde apenas um emoticon estendido, simbolizando um não gostei. Logo, Marco muda de tópico conversacional, através do desvio para outro assunto, e o processo de ameaça à face do amigo parece ter sido neutralizado durante o desenvolvimento final da conversa. 6. Considerações Finais Após essas análises iniciais sobre as conversações mediadas por computador através do MSN, podemos sugerir algumas hipóteses, para que, posteriormente, sejam testadas com um maior número de dados. Em primeiro lugar, podemos dizer, concordando com

10 HILGERT(2003), que a conversação no MSN aproxima-se mais da conversação face-a-face do que da escrita propriamente dita, devido ao tipo de linguagem, a forma, e as estratégias interacionais adotadas. Quanto ao tópico discursivo, pudemos verificar que este se estabelece durante a conversação e há um esforço mútuo entre os interactantes no sentido de mantê-lo. Quanto aos turnos conversacionais, sugerimos que sejam acionados pela tecla enter, não havendo um sistema de gerenciamento de turnos estabelecido: os interlocutores perguntam, afirmam e respondem a medida em que aparecem as falas de seus interlocutores. Tal procedimento pode, inclusive, acontecer simultaneamente. Quanto aos marcadores conversacionais, verificamos que estes se manifestam como na interação face-a-face, porém, devido à especificidade do meio digital, são representados por diversos recursos gráficos disponíveis. Por fim, a polidez e o sistema de preservação de faces também se mostraram aplicáveis, uma vez que há o contato simétrico entre os interlocutores, que muitas vezes ameaçam as faces e tentam procedimentos de preservação os mais diversos. Ressaltamos que esta pesquisa não tem caráter definitivo, sendo antes sugestões de posteriores análises mais aprofundadas, com um maior número de dados a serem verificados. Os resultados obtidos nos oferecem, porém, uma visão significativa da conversação digital, uma vez que mostrou ser forte a ligação entre a conversação face-a-face e a conversação digital. Bibliografia BRAIT, Beth. (1993). O processo interacional. In: PRETI, Dino (org.). Análise de textos orais. São Paulo:FFLCH/USP. p.193. BROWN, Penélope & LEVINSON, Stephen C.(1978) Politeness:some universals in language use. Cambridge, Cambridge Univerisity Press. GALEMBECK, Paulo de Tarso. (1993). O turno conversacional. In: PRETI, Dino (org.). Análise de textos orais. São Paulo:FFLCH/USP. p.55 GOFFMAN, Erving. (1967). Interaction Ritual: essays on face-to-face behavior. Nova York: Garden City. HILGERT, José Gaston.(2000). A construção do texto falado por escrito: a conversação na Internet. In: PRETI, Dino (org.). Fala e escrita em questão. São Paulo:Humanitas. pp MARCUSCHI, Luis Antonio.(2005) Análise da Conversação. São Paulo: Ática. 5ª ed.

11 ORECCHIONI, Catherine Kerbrat. (2006). Análise da conversação. Princípios e Métodos.São Paulo:Parábola Editorial. URBANO, Hudinilson.(1993). Marcadores conversacionais. In: PRETI, Dino (org.). Análise de textos orais. São Paulo: FFLCH/USP. p.81

Análise da conversação em uma entrevista: interação entre falantes

Análise da conversação em uma entrevista: interação entre falantes Análise da conversação em uma entrevista: interação entre falantes Inti Queiroz 1 Juliana Zanelato 2 Katiene Oliveira 3 Resumo Neste ensaio buscaremos desenvolver um estudo de análise da conversação e

Leia mais

INTERAÇÕES DISCURSIVAS EM UM FÓRUM ON-LINE

INTERAÇÕES DISCURSIVAS EM UM FÓRUM ON-LINE INTERAÇÕES DISCURSIVAS EM UM FÓRUM ON-LINE Belo Horizonte 05/2009 Categoria: Métodos e Tecnologias Zulmira Medeiros Faculdade de Educação - Universidade Federal de Minas Gerais zulmiram@ufmg.br Silvania

Leia mais

O uso de marcadores conversacionais e a compreensão textual no programa MSN Messenger: um estudo etnográfico com duas adolescentes

O uso de marcadores conversacionais e a compreensão textual no programa MSN Messenger: um estudo etnográfico com duas adolescentes O uso de marcadores conversacionais e a compreensão textual no programa MSN Messenger: um estudo etnográfico com duas adolescentes Janaina Fernanda Dias da Silva 1 (UFPE) Sandra Patrícia Ataíde Ferreira

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Marta Oliveira Barros¹ ORIENTADORA: Dra. Daniela Gomes de Araújo Nóbrega² INTRODUÇÃO

Leia mais

Estudo da relação poder/submissão em sala de aula a partir da análise da interação conversacional entre professor e alunos

Estudo da relação poder/submissão em sala de aula a partir da análise da interação conversacional entre professor e alunos Estudo da relação poder/submissão em sala de aula a partir da análise da interação conversacional entre professor e alunos Giovanna Wrubel Brants Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas - Faculdade

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A PRESERVAÇÃO E AMEAÇA À FACE E AS ESTRATÉGIAS DE POLIDEZ EM ENTREVISTAS DA MÍDIA IMPRESSA Natalia Muniz Marchezi (UFES) natalia_marchezi@hotmail.com PARA INTRODUZIR A entrevista é um gênero que, para

Leia mais

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet (RECUERO, Raquel. Porto Alegre, RS: Editora Sulina, 2012) Vinicius Paiva Cândido dos SANTOS 1 Diante de uma

Leia mais

ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1

ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1 ORALIDADE NA POESIA DE MANUEL BANDEIRA: NOVAS POSSIBILIDADES NO ENSINO DA LITERATURA 1 Gil Roberto Costa Negreiros (PUC-SP, UNIVERSITAS) 2 Nesta comunicação, temos como objetivo analisar as correções,

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Plataforma NetAula. Ambiente Aluno. Prof. Alexandre Moroni

Plataforma NetAula. Ambiente Aluno. Prof. Alexandre Moroni Plataforma NetAula Ambiente Aluno Prof. Alexandre Moroni Acessando o site do CEULJI http://www.ulbrajp.edu.br/site/ Acessando o Autoatendimento Entrar com Login e Senha - ENTER Acessando NETAULA Plataforma

Leia mais

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET Ao mesmo tempo em que hoje se tornou mais fácil falar a longa distância, pela multiplicidade de opções e operadoras de telefonia, também surgem as

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PROTEÇÃO DE FACE: UMA ANÁLISE DE ENTREVISTAS DO PROGRAMA CQC

ESTRATÉGIAS DE PROTEÇÃO DE FACE: UMA ANÁLISE DE ENTREVISTAS DO PROGRAMA CQC ESTRATÉGIAS DE PROTEÇÃO DE FACE: UMA ANÁLISE DE ENTREVISTAS DO PROGRAMA CQC Maria da Penha Pereira Lins (UFES) penhalins@terra.com.br Natalia Muniz Marchezi (UFES) natalia_marchezi@hotmail.com 1. Para

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: RELAÇÃO ENTRE FALA E ESCRITA

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: RELAÇÃO ENTRE FALA E ESCRITA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: RELAÇÃO ENTRE FALA E ESCRITA Janaína Antunes Nunes 1 Rodrigo Divino E. da Silva 2 Orientação: Prof. Ms. Artarxerxes T.T. Modesto RESUMO: Este artigo pretende analisar nas histórias

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

PROCESSOS DE MONITORAMENTO DO FALANTE COMO RECURSOS DE ENVOLVIMENTO INTERPESSOAL Paulo de Tarso Galembeck (UEL) ptgal@uel.br

PROCESSOS DE MONITORAMENTO DO FALANTE COMO RECURSOS DE ENVOLVIMENTO INTERPESSOAL Paulo de Tarso Galembeck (UEL) ptgal@uel.br PROCESSOS DE MONITORAMENTO DO FALANTE COMO RECURSOS DE ENVOLVIMENTO INTERPESSOAL Paulo de Tarso Galembeck (UEL) ptgal@uel.br PRELIMINARES Este trabalho tem por objetivo apresentar os diversos procedimentos

Leia mais

Trabalho Final de PPeL

Trabalho Final de PPeL Trabalho Final de PPeL FOTO-REALISMO PÓS 60 CONTRATO DE APRENDIZAGEM JOSÉ MOTA PAULA PINHEIRO PROFESSORAS ALDA PEREIRA E LINA MORGADO 1-5 p i n h e i r o e m o t a. m p e l. j u l h o 2 0 0 6. u n i v.

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

FORMAS DE TRATAMENTO EM PÁGINAS PESSOAIS DE SANTISTAS NA REDE ORKUT (PRONOUNS OF ADDRESS IN PERSONAL SANTISTAS WEBPAGES IN THE ORKUT NET)

FORMAS DE TRATAMENTO EM PÁGINAS PESSOAIS DE SANTISTAS NA REDE ORKUT (PRONOUNS OF ADDRESS IN PERSONAL SANTISTAS WEBPAGES IN THE ORKUT NET) FORMAS DE TRATAMENTO EM PÁGINAS PESSOAIS DE SANTISTAS NA REDE ORKUT (PRONOUNS OF ADDRESS IN PERSONAL SANTISTAS WEBPAGES IN THE ORKUT NET) Artarxerxes Tiago Tácito MODESTO (Universidade de São Paulo) ABSTRACT:

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 549

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 549 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 549 O PLANEJAMENTO E O REPLANEJAMENTO DOS TURNOS NAS INTERAÇÕES FACE A FACE Evandro Santos Reis (USP) evandroreih@usp.br 1. Introdução Em uma interação

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

ÍNDICE BLUELAB A UTILIZAÇÃO DO BLUELAB PELO PROFESSOR RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06

ÍNDICE BLUELAB A UTILIZAÇÃO DO BLUELAB PELO PROFESSOR RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06 ÍNDICE BLUELAB RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06 ELEMENTOS DA TELA INICIAL DO BLUELAB PROFESSOR guia Meu Espaço de Trabalho...07 A INTERFACE DO BLUELAB...07 INICIANDO

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

CONTO E RECONTO DE UMA NARRATIVA DE CHARLES PERRAULT

CONTO E RECONTO DE UMA NARRATIVA DE CHARLES PERRAULT CONTO E RECONTO DE UMA NARRATIVA DE CHARLES PERRAULT José Ricardo Carvalho da Silva 1 (UFS) Manoela Barreto Borges 2 (UFS) INTRODUÇÃO O trabalho que se segue tem o intuito de compreender o funcionamento

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: A REALIDADE NO PAPEL

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: A REALIDADE NO PAPEL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: A REALIDADE NO PAPEL Regiane Soares da Silva Sthefani Cristina Aporta de Oliveira Orientador: Prof. Ms. Artarxerxes Modesto 1. Introdução RESUMO:O objetivo do trabalho é analisar

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

SPARK - Comunicador Instantâneo MANUAL DO USUÁRIO

SPARK - Comunicador Instantâneo MANUAL DO USUÁRIO SPARK - Comunicador Instantâneo MANUAL DO USUÁRIO BOA VISTA/RR NOVEMBRO DE 2011 Este manual tem por finalidade esclarecer o funcionamento do SPARK ao servidor interessado em usar este comunicador instantâneo.

Leia mais

SEQÜÊNCIAS INSERIDAS: FLUÊNCIA E DISFLUÊNCIA EM UMA CONVERSAÇÃO ESPONTÂNEA

SEQÜÊNCIAS INSERIDAS: FLUÊNCIA E DISFLUÊNCIA EM UMA CONVERSAÇÃO ESPONTÂNEA ESSENFELDER, Renato; RODRIGUES, Valter Pinheiro. Seqüências inseridas: fluência e disfluência em uma conversação espontânea. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Ano 3, n. 4, 2005. [www.revelhp.cjb.net]

Leia mais

Fala e escrita - suas especificidades

Fala e escrita - suas especificidades 1 Fala e escrita - suas especificidades Fga. Dra. Ana Paula M. Goyano Mac-Kay CEFAC Na linguagem, as modalidades oral e escrita se completam, guardando cada uma suas propriedades. O fato de possuírem formas

Leia mais

Instalação Cliente Notes 6.5

Instalação Cliente Notes 6.5 Instalação Cliente Notes 6.5 1/1 Instalação Cliente Notes 6.5 LCC.008.2005 Versão 1.0 Versão Autor ou Responsável Data 1.0 Fabiana J. Santos 18/11/2005 RESUMO Este documento apresenta um roteiro de instalação

Leia mais

FORMAS DE PARTICIPAÇÃO NO DISCURSO ACADÊMICO

FORMAS DE PARTICIPAÇÃO NO DISCURSO ACADÊMICO FORMAS DE PARTICIPAÇÃO NO DISCURSO ACADÊMICO Luiz Antonio da SILVA 1 RESUMO Na situação de ensino/aprendizagem, o discurso do professor caracteriza-se por determinados atos de fala, como informar, explicar,

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Rupturas e anacolutos: marcas do planejamento oral na poesia drummondiana

Rupturas e anacolutos: marcas do planejamento oral na poesia drummondiana Rupturas e anacolutos: marcas do planejamento oral na poesia drummondiana Gil Roberto Costa Negreiros 1 1 Programa de Pós-Graduação em Língua Portuguesa Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO ENSINO DA LÍNGUA ESCRITA ATRAVÉS DA ORALIDADE

HISTÓRIA EM QUADRINHO ENSINO DA LÍNGUA ESCRITA ATRAVÉS DA ORALIDADE HISTÓRIA EM QUADRINHO ENSINO DA LÍNGUA ESCRITA ATRAVÉS DA ORALIDADE Patrícia Louise Basta Kouwen ( FALS-SP) Orientador: Prof. Ms. Artarxerxes T.T. Modesto RESUMO: Esse estudo buscará uma reflexão acerca

Leia mais

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes - EJEF Programa de Educação a Distância do TJMG EAD-EJEF Programa EAD-EJEF Manual do Estudante Versão

Leia mais

CORTESIA E INTERRUPÇÃO NO DISCURSO ACADÊMICO

CORTESIA E INTERRUPÇÃO NO DISCURSO ACADÊMICO 2614 CORTESIA E INTERRUPÇÃO NO DISCURSO ACADÊMICO Luiz Antônio da Silva - USP Considerações Iniciais Para Goffman (1970), cortesia é uma instituição cultural que tende a estabelecer e manter boas relações

Leia mais

Internet. História da Internet

Internet. História da Internet Internet A rede mundial de computadores é um grande fenômeno e está ampliando os horizontes de profissionais e empresas. O acesso é feito a qualquer hora e de qualquer lugar: do escritório, em casa, na

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

Tutorial MSN Messenger

Tutorial MSN Messenger Tutorial MSN Messenger Este tutorial irá ensiná-lo(a) a usar o programa MSN Messenger, utilizado para conversação Online. Dependendo da sua conexão a página pode demorar um pouco até ser carregada totalmente.

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

o assalto ao turno constitui, em geral, uma violagao do

o assalto ao turno constitui, em geral, uma violagao do A conversagao e uma atividade, basicamente, interaciona1. Quando dois inter10cutores mantem urn dia10go, ha uma n~ gociagao permanente; enquanto urn esta na condigao de ouvinte, o outro permanece como

Leia mais

microsoft chat http://www.uarte.mct.pt sobre o programa... obter e instalar o programa... ... pag.. 4 e 5 iniciar o programa...

microsoft chat http://www.uarte.mct.pt sobre o programa... obter e instalar o programa... ... pag.. 4 e 5 iniciar o programa... microsoft chat 1 http://www.uarte.mct. sobre o programa...... pag.. 2 obter e instalar o programa...... pag.. 3 iniciar o programa...... pag.. 4 e 5 mensagem padrão do servidor de IRC - registar uma alcunha/nick

Leia mais

02/08 A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO: CONTEÚDOS CURRICULARES E PROCEDIMENTOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM

02/08 A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO: CONTEÚDOS CURRICULARES E PROCEDIMENTOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM 02/08 A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO: CONTEÚDOS CURRICULARES E PROCEDIMENTOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM Célia M. M. Barbosa da Silva (Universidade Potiguar UnP) João Gomes da Silva Neto (Universidade

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA: A PEDAGOGIA DA FRAGMENTAÇÃO

REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA: A PEDAGOGIA DA FRAGMENTAÇÃO REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA: A PEDAGOGIA DA FRAGMENTAÇÃO RESUMO: Daniele Soares de Lima 1 O perfil do professor de língua portuguesa encontra-se dentro de uma situação

Leia mais

Messenger. Novell. Início Rápido 2.0 LOCALIZANDO A DOCUMENTAÇÃO DO NOVELL MESSENGER. \server\docs\readmeen.txt

Messenger. Novell. Início Rápido 2.0 LOCALIZANDO A DOCUMENTAÇÃO DO NOVELL MESSENGER. \server\docs\readmeen.txt Novell Messenger 2.0 www.novell.com Início Rápido O Novell Messenger é um produto corporativo de mensagens instantâneas compatível com várias plataformas e baseado no Novell edirectory TM. Seu sistema

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

CHATS EDUCACIONAIS: FUNCIONALIDADE EM DEBATE

CHATS EDUCACIONAIS: FUNCIONALIDADE EM DEBATE CHATS EDUCACIONAIS: FUNCIONALIDADE EM DEBATE Jackelinne Maria de A. Aragão (UFPB/IFPB/GPLEI) jackelinnearagao@yahoo.com.br Com o avanço das tecnologias, necessário se faz um maior conhecimento no que tange

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

LÍNGUA FALADA E LÍNGUA ESCRITA: UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

LÍNGUA FALADA E LÍNGUA ESCRITA: UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA LÍNGUA FALADA E LÍNGUA ESCRITA: UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Fernanda Couto Guimarães Casagrande RESUMO Podemos perceber que há nas aulas de Língua Portuguesa um maior incentivo

Leia mais

Revista Tecnologias na Educação Ano 6 - número 10 Julho 2014 -http://tecnologiasnaeducacao.pro.br/

Revista Tecnologias na Educação Ano 6 - número 10 Julho 2014 -http://tecnologiasnaeducacao.pro.br/ A ANÁLISE DA CONVERSAÇÃO EM UM BLOG DE ENFERMAGEM Suiane Costa Ferreira 1 Maria Olívia de Matos Oliveira 2 RESUMO As tecnologias digitais podem auxiliar o ensino na área de enfermagem a transpor o modelo

Leia mais

mvbuilder - Manual do Usuário

mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder Editor de mapas para o meavox Parte integrante da Suite meavox de comunicação alternativa. Manual do Usuário do mvbuilder Autor: Gustavo Furtado Versão deste documento:

Leia mais

Análise das estratégias de trabalho da face de brasileiros e alemães: Uma abordagem interacionista

Análise das estratégias de trabalho da face de brasileiros e alemães: Uma abordagem interacionista Análise das estratégias de trabalho da face de brasileiros e alemães: Uma abordagem interacionista Carolina de Viterbo Lage RESUMO: Este trabalho expõe os resultados da análise das estratégias de trabalho

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO EDOutlet (Online e Offline):

MANUAL DE OPERAÇÃO EDOutlet (Online e Offline): MANUAL DE OPERAÇÃO EDOutlet (Online e Offline): Sumário 1 - EDOutletOffline (sem internet):... 1 2 EDOutlet (com internet)... 7 2.1 DIGITANDO AS REFERÊNCIAS:... 9 2.2 IMPORTAÇÃO DE PEDIDOS:... 11 3 ENVIANDO

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Relacionamento professor-aluno Professor:

Leia mais

1. Instalei o DutotecCAD normalmente no meu computador mas o ícone de inicialização do DutotecCAD não aparece.

1. Instalei o DutotecCAD normalmente no meu computador mas o ícone de inicialização do DutotecCAD não aparece. 1. Instalei o DutotecCAD normalmente no meu computador mas o ícone de inicialização do DutotecCAD não aparece. Para acessar o programa através do comando na barra de prompt, basta digitar dutoteccad e

Leia mais

Saiba como tirar partido de. Ana Leitão

Saiba como tirar partido de. Ana Leitão Saiba como tirar partido de Ana Leitão O que pode correr mal numa apresentação? Descubra o que mais o assusta, conheça as suas fragilidades para as superar. Prévios Definição de metas/objectivos Selecção

Leia mais

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010).

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). PITANGA, Carolina Vasconcelos. Resenha do livro Comportamentos em lugares públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). RBSE Revista Brasileira

Leia mais

Professional. Guia do Usuário

Professional. Guia do Usuário Professional Guia do Usuário Conteúdo Introdução a SYNCING.NET... 3 Bem-vindo a SYNCING.NET... 3 Utilizando SYNCING.NET... 3 Como funciona SYNCING.NET?... 3 Requisitos Técnicos... 5 Instalação... 6 Registro...

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

SALA DE AULA VIRTUAL DE MATEMÁTICA

SALA DE AULA VIRTUAL DE MATEMÁTICA SALA DE AULA VIRTUAL DE MATEMÁTICA GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Jorge Luis Palacios Felix URI jlpfelix@urisan.tche.br Resumo: O presente trabalho traz uma motivação da maneira

Leia mais

Brasil. Recursos do Eye 312S

Brasil. Recursos do Eye 312S Índice Recursos do Eye 312S 1 Instalar o aparelho 2-3 Usando o Aplicativo Instant Messenger 3-4 CrazyTalk CamSuite PRO 5-15 CrazyTalk CamSuite PRO com Aplicativo IM 16-21 Resolução de problemas da web

Leia mais

Num diálogo tudo é informação: elementos prosódicos (tom da voz, entonação, pausas da fala), elementos gestuais e as palavras.

Num diálogo tudo é informação: elementos prosódicos (tom da voz, entonação, pausas da fala), elementos gestuais e as palavras. As redes sociais são as estruturas dos agrupamentos humanos, constituídas pelas interações, que constroem os grupos sociais. Tecnologias proporcionam espaços conversacionais, ou seja, espaços onde a interação

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos MANIFESTAÇÃO DE DIGRESSÕES NO EVENTO COMUNICATIVO AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA Juliely Veiga Gomes (UFV) julielyveiga@gmail.com Wânia Terezinha Ladeira (UFV) wania.ladeira@ufv.br RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

A organização seqüencial da conversa

A organização seqüencial da conversa A organização seqüencial da conversa Líllian Márcia Ferreira Divan* Vivian Faria Weiss* RESUMO: este artigo discute a noção de organização seqüencial da conversa, tendo como base os princípios da Análise

Leia mais

Usando o Outlook MP Geral

Usando o Outlook MP Geral Usando o Outlook MP Geral Este guia descreve o uso do Outlook MP. Este guia é baseado no uso do Outlook MP em um PC executando o Windows 7. O Outlook MP pode ser usado em qualquer tipo de computador e

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico.

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Para o funcionamento adequado do Sistema de gestão IDEAGRI em rede LOCAL, são premissas fundamentais:

Para o funcionamento adequado do Sistema de gestão IDEAGRI em rede LOCAL, são premissas fundamentais: Para o funcionamento adequado do Sistema de gestão IDEAGRI em rede LOCAL, são premissas fundamentais: Que a rede esteja pronta, instalada, configurada, funcionando e atenda aos seguintes requisitos: o

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais