Índice 1. USO PREVISTO RESUMO E EXPLANAÇÃO DO TESTE PRINCÍPIOS DO TESTE REAGENTES AVISOS E PRECAUÇÕES...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice 1. USO PREVISTO... 2 2. RESUMO E EXPLANAÇÃO DO TESTE... 2 3. PRINCÍPIOS DO TESTE... 2 4. REAGENTES... 2 5. AVISOS E PRECAUÇÕES..."

Transcrição

1 PLATELIA DENGUE IgA CAPTURE Imunoensaio baseado na metodologia de imunocaptura para detecção qualitativa de IgA específico para dengue no soro ou plasma humano /05 Índice 1. USO PREVISTO RESUMO E EXPLANAÇÃO DO TESTE PRINCÍPIOS DO TESTE REAGENTES AVISOS E PRECAUÇÕES AMOSTRAS PROCEDIMENTO LIMITAÇÃO DO TESTE CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

2 1. USO PREVISTO O ensaio Platelia Dengue IgA Captura é um imunoensaio em microplacas baseado na metodologia de imunocaptura para detecção qualitativa de IgA específico para o vírus da dengue no soro ou plasma humano. O objetivo do teste é ajudar a diagnosticar pacientes com sintomas clínicos compatíveis com uma infecção aguda por dengue. O teste Platelia Dengue IgA Captura deve ser utilizado em conjunto com outros ensaios sorológicos para o diagnóstico da dengue. 2. RESUMO E EXPLANAÇÃO DO TESTE Em regiões tropicais e subtropicais, a dengue é a arbovirose mais importante, em termos de morbidade e mortalidade. O espectro clínico da infecção por dengue varia desde a forma assintomática ou uma febre indiferenciada amena até a Febre da Dengue (FD), Febre Hemorrágica da Dengue (FHD) ou mesmo a Síndrome de Choque da Dengue (SCD), potencialmente fatal. O diagnóstico eficiente e preciso da dengue tem importância vital para o tratamento clínico, ou seja, a detecção precoce dos casos graves, a confirmação dos casos e o diagnóstico diferencial de outras doenças infecciosas. Durante a etapa inicial da doença, o isolamento do vírus, a detecção do ácido nucleico ou do antígeno NS1 pode ser utilizada para diagnosticar a infecção. No final da fase aguda da infecção, a sorologia é o método mais favorável ao diagnóstico (1,2). Os anticorpos IgA anti-dengue podem ser detectados 3 a 6 dias após a primeira manifestação da doença (3), período durante o qual os vírus da dengue em circulação e o antígeno NS1 desaparecem do sangue. Recomenda-se o uso de Platelia Dengue IgA Captura em conjunto com os ensaios para detecção do antígeno NS1 da dengue. A combinação dos resultados dos ensaios Platelia Dengue NS1 Ag e Platelia Dengue IgA Captura aumenta a sensibilidade geral do diagnóstico da dengue e demonstra uma melhoria significativa na precisão em toda a fase aguda. Isso ocorre particularmente no caso de infecção secundária por dengue, que pode acarretar consequências mais graves (como a Febre Hemorrágica da Dengue ou a Síndrome do Choque da Dengue) que a forma primária da doença. 3. PRINCÍPIO DO TESTE Platelia Dengue IgA Captura é um ensaio por imunocaptura realizado em duas etapas. Na primeira etapa, os anticorpos IgA presentes no soro ou plasma são capturados por um anticorpo anti-iga humano aplicado sobre a microplaca. Após a primeira etapa de lavagem para remoção do excesso de amostra, adiciona-se o conjugado formado pelo antígeno NS1 e o anticorpo monoclonal anti-ns1, marcado com peroxidase. Na segunda etapa, um imunocomplexo anti-iga - IgA - NS1 Ag MAb anti- NS1/POD é formado e fixado na placa. Após uma segunda etapa de lavagem, o reagente cromogênico contendo substrato de peroxidase é adicionado e incubado à temperatura ambiente, o que permite revelar o imunocomplexo. A reação enzimática é interrompida pela adição de ácido sulfúrico 1N. A leitura da densidade ótica é feita por um espectrofotômetro a 450/620nm. 4. REAGENTES As quantidades de reagentes foram calculadas de forma a realizar 96 testes. Todos os reagentes destinam-se exclusivamente a diagnóstico in vitro, e devem ser armazenados entre 2-8 C. Descrição Identificação na etiqueta Descrição R1 Microplate Microplaca 12 tiras de 8 poços destacáveis revestidos com anticorpos anti- IgA humanos R2 Concentrated Washing Solution (20x) Solução de Lavagem Concentrada (20x) Tampão Tris salino (ph 7,4), 2% Tween 20 Conservante: Proclin 300 < 1,5% R3 Negative Control Controle negativo Soro humano negativo para IgA antidengue Tampão Tris salino (ph 8,0), 0,1% Tween 20 Conservante: Proclin 300 < 1,5% R4 Calibrator Calibrador Soro humano positivo para IgA antidengue Tampão Tris salino (ph 8,0), 0,1% Tween 20 Conservante: Proclin 300 < 1,5% Apresentação / preparação 1 microplaca 1 x 70 ml A ser diluído 1 x 2,5 ml 2 x 2,5 ml 2

3 R5 Positive Control Controle positivo Soro humano positivo para IgA antidengue Tampão Tris salino (ph 8,0), 0,1% Tween 20 Conservante: Proclin 300 < 1,5% R6 Conjugate Solution (10x) Conjugado (10x) Antígeno NS1 da dengue inativado combinado com anticorpo monoclonal anti-ns1 marcado com peroxidase. Albumina sérica bovina, 0,1% Tween 20 Conservante: Proclin 300 < 1,5% R7 Diluent Diluente Tampão Tris salino (ph 8,0), 0,1% Tween 20, albumina sérica bovina, soro humano. Conservante: Proclin 300 < 1,5 % 1 x 2,5 ml 1 x 2,6 ml A ser diluído 2 x 80 ml R9 Chromogen TMB Cromógeno TMB 3,3,5,5 tetrametilbenzidina (< 0,1%), H 2 O 2 (<1%) 1 x 28 ml R10 Stopping Solution Solução de parada Solução de ácido sulfúrico 1N 1 x 28 ml Seladores de placa 4 Requisitos de armazenamento e manuseio Este kit deve ser armazenado a +2-8 C. Os reagentes podem ser utilizados até a data de vencimento indicada na embalagem (exceto quando houver instruções específicas). Identificação Armazenamento R1 Com o invólucro fechado, 8 semanas a +2-8 C (com dessecante). Antes da diluição: até a data de expiração indicada na etiqueta a 2-8 C, se não houver R2 contaminação. Após a diluição: 2 semanas a +2-8 C R3, R4, R5, R7 Após a abertura, 8 semanas a +2-8 C, se não houver contaminação. R6 Após a abertura, 8 semanas a +2-8 C, se não houver contaminação. Após a diluição, 8 horas à temperatura ambiente ( C) ou até 7 dias a +2-8 C R9, R10 Após a abertura: até a data de expiração indicada na etiqueta a 2-8 C, se não houver contaminação. 5. AVISOS E PRECAUÇÕES Para efetuar diagnóstico in vitro. A ser usado por profissionais de saúde. Precauções de saúde e segurança: Este kit de teste só deve ser manuseado por pessoal qualificado, com treinamento em procedimentos laboratoriais e familiarizado com seus riscos potenciais. É recomendado o uso de vestuário de proteção adequado, luvas, óculos e máscara facial, e o correto manuseio do produto, de acordo com as Boas Práticas do Laboratório. Não utilizar a boca para pipetagem. Não comer, beber ou fumar ao manusear as amostras e o kit. O kit de teste contém componentes de sangue humano. Nenhum método de teste conhecido pode garantir a total ausência de agentes infecciosos. Portanto, todos os derivados de sangue humano, reagentes e amostras humanas devem ser manuseados considerando-se que podem transmitir doenças infecciosas, segundo as precauções universais recomendadas para patógenos transmitidos pelo sangue, definidas pelos regulamentos locais, regionais e nacionais. Derramamentos de produtos biológicos: Os derramamentos de materiais de origem humana devem ser tratados como potencialmente infecciosos. Os derramamentos que não contenham ácido devem ser imediatamente descontaminados, incluindo a área do derramamento, os materiais e as superfícies ou equipamentos contaminados, com um desinfetante químico apropriado para os riscos biológicos potenciais das amostras envolvidas (normalmente uma diluição 1:10 de alvejante doméstico, 70-80% etanol ou isopropanol, uma solução iodada, como 0,5% Wescodyne Plus, etc.), e secos com um pano. Os derramamentos que contenham ácidos devem ser apropriadamente absorvidos (com um pano) ou neutralizados, e a área deve ser lavada com água e seca com um pano. Pode ser necessário descartar os materiais utilizados para absorver o produto em recipientes para produtos com risco biológico. Em seguida, a área deve ser descontaminada com um dos desinfetantes químicos. NOTA: Não inserir soluções contendo alvejante na autoclave. Descartar todas as amostras e materiais usados no teste, como se contivessem um agente infeccioso. Os resíduos laboratoriais, químicos ou com risco biológico devem ser manuseados e descartados de acordo com todos os regulamentos locais, regionais e nacionais. Para conhecer os riscos e as precauções recomendadas em relação a alguns componentes químicos deste kit de teste, consulte os pictogramas mencionados nas etiquetas e as informações indicadas no final das instruções de utilização. A Folha de Dados de Segurança do Material está disponível em 3

4 Precauções relacionadas ao procedimento Preparação Antes de utilizar o produto, retire o produto da geladeira e aguarde por 30 minutos, para que os reagentes se estabilizem à temperatura ambiente. Não utilizar reagentes vencidos. Reconstituir ou diluir cuidadosamente os reagentes, evitando contaminação. Não misturar ou associar reagentes de lotes diferentes dentro de um ciclo de teste. Pode-se utilizar o Platelia Dengue IgA Captura ou o Platelia Dengue IgG Captura (ref ) Diluente (R7) sem interferir na qualidade dos resultados, desde que o mesmo lote seja utilizado dentro de um ciclo de testes. OBSERVAÇÃO: Para a Solução de Lavagem (R2, identificação da etiqueta: 20x em verde), Cromógeno (R9, identificação da etiqueta: TMB em turquesa) e a Solução de Parada (R10, identificação da etiqueta: 1N em vermelho), é possível usar outros lotes que não sejam os do kit, desde que esses reagentes sejam rigorosamente equivalentes, e desde que o mesmo lote seja usado dentro de um ciclo de testes. Processamento R1: após a abertura do invólucro, as tiras com micropoços se armazenadas a +2-8 C podem ser usadas por 8 semanas, desde que os invólucros sejam fechados novamente, com cuidado. Armazenar os reagentes nas condições recomendadas. Não congelar os reagentes. Não realizar o teste na presença de vapores reativos (ácidos, alcalinos, aldeídos) ou poeira que possam alterar a atividade enzimática do conjugado. Não alterar o procedimento do ensaio. Testar os Controles e o Calibrador em cada ciclo de teste. Utilizar utensílios cuidadosamente lavados e enxaguados com água deionizada ou, de preferência, materiais descartáveis. A lavagem da microplaca é uma etapa crítica do procedimento. Seguir o número recomendado de ciclos de lavagem e garantir que todos os poços sejam totalmente preenchidos e, em seguida, devidamente aspirados. Lavagens incompletas podem causar resultados imprecisos. Não deixar que a microplaca seque entre o final das lavagens e a distribuição do reagente. Nunca usar o mesmo recipiente para distribuir o conjugado e o cromógeno. A reação enzimática é muito sensível a metais ou íons de metal. Consequentemente, não deixe que nenhum elemento de metal entre em contato com as diversas soluções que contêm o conjugado ou cromógeno TMB. O cromógeno TMB (R9) deve ser incolor ou amarelo-claro. A coloração azul indica que o reagente não pode ser utilizado, e deve ser substituído. Não expor a solução cromogênica a luz intensa durante o armazenamento ou a incubação. Não deixar que a solução cromogênica entre em contato com agentes oxidantes. Não deixar que a solução de parada entre em contato com agentes oxidantes, metais ou íons de metal. Utilize uma pipeta nova para cada amostra, calibrador e controle. Verifique a precisão e o desempenho das pipetas e dos outros equipamentos. Remova cuidadosamente todo o líquido remanescente nos poços, invertendo e batendo firmemente a microplaca em papel absorvente, após cada lavagem. Certifique-se de cobrir a microplaca com selo adesivo para cada incubação a 37 C. 6. AMOSTRAS Os tipos de amostra recomendados são soro ou plasma (EDTA, heparina ou citrato). Observar as seguintes recomendações de manuseio, processamento e armazenamento das amostras de sangue: Coletar todas as amostras de sangue observando as precauções de rotina de coleta. No caso do soro, esperar que as amostras coagulem. Manter os tubos sempre tampados. Após a centrifugação, separar o soro ou plasma do coágulo ou das células vermelhas em um tubo de armazenamento bem tampado. As amostras de plasma ou soro podem ser armazenadas a +2-8 C, se o teste for realizado em até 7 dias. Se o teste não for realizado em até 7 dias, ou no caso de transporte, congelar as amostras à temperatura de -20 C ou inferior. Não congelar/descongelar as amostras de sangue mais de 3 vezes. As amostras anteriormente congeladas devem ser homogeneizadas (vortex) após o descongelamento e antes da execução do teste. Não aquecer as amostras 4

5 7. PROCEDIMENTO Materiais necessários Materiais fornecidos Consulte a seção 4, REAGENTES Materiais necessários mas não fornecidos Agitador Vortex Leitora de microplacas equipada com filtros de 450 nm e 620 nm (*). Incubadora de microplacas termostaticamente controlada a 37±2 C (*). Lavadora de microplacas automática, semi-automática ou manual (*). Água destilada ou deionizada. Luvas descartáveis Óculos descartáveis ou óculos de segurança. Papel adsorvente. Pipetas ou multipipetas automáticas ou semiautomáticas, ajustáveis ou predefinidas, para mensurar e dispensar 10 µl a 1000 µl, e 1 ml, 2 ml e 10 ml. Cilindros graduados de 1000 ml. Hipoclorito de sódio (alvejante) e bicarbonato de sódio. Recipiente para resíduos de risco biológico. Tubos descartáveis. (*) Consulte nosso departamento técnico para obter informações detalhadas sobre o equipamento recomendado. 7.2 Preparação dos reagentes R2: Solução de lavagem concentrada 20x a ser diluída com água deionizada (ex: 50 ml de R ml de água deionizada). R6: Solução de conjugado 10x a ser diluída com o reativo R7 (ex: 1 ml de R6 + 9 ml de R7). A solução de trabalho de conjugado deve ser reconstituída cerca de uma hora antes do uso (por exemplo, após a diluição das amostras). Todos os outros reagentes estão prontos para utilização. 7.3 Procedimento de ensaio Siga rigorosamente o procedimento de ensaio e as Boas Práticas Laboratoriais. Utilize todos os controles em cada ciclo para validar os resultados do ensaio, e para calculo do cut-off. 1. Estabeleça cuidadosamente o plano de identificação e distribuição para amostras de pacientes e controles. 2. Prepare a Solução de Lavagem diluída (R2) [Consulte a Seção 7.2]. 3. Retire a bandeja de transporte e as tiras (R1) da bolsa de proteção. 4. Todas as amostras, os controles e o calibrador devem ser misturados em vortex antes de serem utilizados. 5. Diluir todas as amostras de pacientes a 1:101 em Diluente (R7) (por exemplo, adicionando 10 μl de amostra a 1 ml de Diluente (R7)). Não diluir os controles e o calibrador. Misturar bem as amostras diluídas. 6. Seguir rigorosamente a sequência indicada abaixo, distribuir em cada poço 200 μl de Controle Negativo (R3), Calibrador (R4) em duplicidade, Controle Positivo (R5) e amostras diluídas A R3 S5 B R4 S6 C R4 S7 D R5 S8 E S1 S9 F S2 S10 G S3 S11 H S4 S12 7. Reconstituir a Solução de Conjugado (R6) [Consulte a Seção 7.2]. 8. Cobrir a microplaca com uma película ou tampa de microplaca. Incubar a microplaca imediatamente em um banho de água controlado por termostato ou em uma incubadora seca durante 1 hora ± 5 minutos a 37 C ± 1 C. 9. No fim do período de incubação, remover a película ou tampa de microplaca. Aspirar o conteúdo de todos os poços para um recipiente de resíduos de risco biológico (contendo hipoclorito de sódio). Inverter a microplaca e bater firmemente em papel absorvente para remover o líquido restante. Lavar a microplaca 4 vezes com 350 μl de Solução de Lavagem (R2), removendo cuidadosamente o líquido restante invertendo as microplacas e batendo levemente em papel absorvente após cada lavagem. 10. Distribuir imediatamente 200µl de solução de trabalho de conjugado (R6) em todos os poços. A solução deve ser agitada suavemente antes de ser utilizada. 11. Cobrir a microplaca com uma película ou tampa de microplaca. Incubar a microplaca imediatamente em um banho de água controlado por termostato ou em uma incubadora seca durante 1 hora ± 5 minutos a 37 C ± 1 C. 5

6 12. No fim do período de incubação, remover a película ou tampa de microplaca. Aspirar o conteúdo de todos os poços para um recipiente de resíduos de risco biológico (contendo hipoclorito de sódio). Inverter a microplaca e bater firmemente em papel adsorvente para remover o líquido restante. Lavar a microplaca 4 vezes com 350 μl de Solução de Lavagem (R2), removendo cuidadosamente o líquido restante invertendo as microplacas e batendo firmemente em papel absorvente após cada lavagem. 13. Distribua imediatamente, sem a presença de luz, 200 μl de Cromogênico TMB (R9) em cada poço. Deixe a reação se desenvolver no escuro durante 30 ± 5 minutos à temperatura ambiente ( C). Não utilizar selo adesivo de placa durante esta incubação. 14. Parar a reação enzimática acrescentando 100 μl de Solução de Parada (R10) em cada poço. Utilizar a mesma sequência e razão de distribuição utilizada para a solução de desenvolvimento. 15. Limpar cuidadosamente a parte inferior da placa. Ler a densidade ótica a 450/620 nm utilizando uma leitora de placa dentro do período de 30 minutos após a parada da reação. As tiras devem sempre ser mantidas afastadas da luz, antes da leitura. 16. Antes de comunicar os resultados, verifique a concordância entre a leitura e o plano de distribuição da placa e das amostras. 7.4 Controle de qualidade Incluir o calibrador e os controles para cada microplaca e para cada ciclo, e analisar os resultados obtidos. 7.5 Cálculo/interpretação dos resultados Cálculo do valor de Cut-Off O Valor de Cut-Off (COV) corresponde à média das densidades óticas (DO) dos dois poços do Calibrador (R4) Cálculo da razão da amostra Os resultados da amostra são expressos pela Razão, através da seguinte fórmula, onde a amostra DO é a densidade ótica (DO) obtida na amostra: 7.6 Interpretação dos resultados Razão da amostra = Amostra DO / COV Razão da amostra Resultado Interpretação Razão < 0,80 Negativo Nível indetectável de anticorpos IgA antidengue. O resultado negativo indica a ausência de infecção aguda por dengue. Devem ser realizados testes complementares com ensaios para diagnóstico de infecção aguda por dengue (por exemplo, ensaio Bio-Rad Platelia Dengue NS1 Ag) para diagnóstico final deste tipo de infecção. 0,80 Razão < 1,00 Indeterminado As amostras ambíguas devem ser retestadas com um método alternativo (por exemplo, o ensaio Bio-Rad Platelia Dengue NS1 Ag ou outro ensaio de diagnóstico de infecção aguda por dengue) para confirmar ou excluir esse tipo de infecção, ou o teste deve ser repetido em novas amostras. Razão 1,00 Positivo Presença de nível indetectável de anticorpos IgA antidengue. O resultado positivo indica uma infecção aguda por dengue. Devem ser realizados testes complementares com ensaios para diagnóstico de infecção aguda por dengue (por exemplo, ensaio Bio-Rad Platelia Dengue NS1 Ag) para confirmar a infecção. 7.7 Critérios de validação do teste: Para validação do ensaio, os seguintes critérios devem ser satisfeitos: R3 Razão R3 = OD R3 / CO 0,6 Critérios de validação R4 OD médio 0,07 OD R4(1) OD R4(2) /OD R4 médio < 0,4 R5 Razão R5 = OD R5 / CO 2,0 Se os critérios de validação acima não forem satisfeitos, o ciclo de teste deve ser repetido. 6

7 8. LIMITAÇÃO DO TESTE O uso de Platelia Dengue IgA Captura foi validado apenas em soro e plasma humanos. Um alto nível de antígeno NS1 na amostra pode interferir na reação do conjugado e mascarar a detecção do IgA. Recomenda-se o uso de Platelia Dengue IgA Captura em conjunto com um ensaio para detecção do antígeno NS1 (por exemplo, ensaio Bio-Rad Platelia Dengue NS1 Ag) O diagnóstico definitivo da infecção por dengue não deve ser feito apenas de acordo com o resultado do teste Platelia Dengue IgA Capture, mas deve incluir ainda os sintomas e sinais clínicos, bem como outros dados clínicos e biológicos. Pode ocorrer reação sorológica cruzada com outros flavivírus (por exemplo, febre amarela, West Nile, vírus da encefalite japonesa). Infecções com estes vírus devem ser excluídas antes da confirmação do diagnóstico de dengue. O uso de soros incluindo concentrações de gama-globulina mais de 20g/l acima da concentração normal pode causar resultados falso-negativos. 9. CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO 9.1 Estudo de precisão Quatro amostras incluindo uma amostra negativa fraca, negativa alta, positiva fraca e positiva moderada foram analisadas 32 vezes na mesma corrida para o teste de repetibilidade, e duas vezes por dia, durante 20 dias, para o estudo de reprodutibilidade. Para cada amostra, foram calculados a média, o desvio padrão e o coeficiente de variação (CV), usando-se as razões correspondentes Repetibilidade Amostra razão DP CV (%) neg fraco 0,15 0,04 26,8 neg forte 0,35 0,04 10,6 pos fraco 1,93 0,08 4,3 pos moderado 6,69 0,15 2, Reprodutibidade intermediária Amostra razão DP CV (%) neg fraco 0,18 0,04 23,1 neg forte 0,36 0,05 13,0 pos fraco 1,69 0,11 6,7 pos moderado 6,32 0,85 13,4 9.2 Desempenho clínico 531 amostras de soro clinicamente documentadas foram testadas com Platelia Dengue IgA Captura em em dois estudos retrospetivos. A coleta de soro incluiu 225 amostras de pacientes com dengue clinicamente confirmada, em 3 zonas geográficas: Guiana Francesa (n=143), Índia (n=31) e Cingapura (n=51). Para o teste de especificidade, a coleta era composta de 200 soros de doadores de sangue franceses, 50 soros de doadores saudáveis indianos, e 56 soros de pacientes com febre sugestiva de dengue para o qual o diagnóstico de Dengue foi excluído. A sensibilidade e a especificidade relativas foram calculadas em comparação ao estado clínico, excluindo-se os resultados indeterminados Especificidade Resultados População Total Negativo Positivo Indeterminado Especificidade IC 95% Dadores de sangue franceses * 0 99,0% 96,4% - 99,8% Dadores indianos saudáveis** ,9% 86,0% - 99,5% Pacientes febris (Guiana Francesa) ,0% 75,1% - 94,6% Todos ,4% 93,6% - 98,2% * 3 amostras foram inicialmente analisadas obtiveram resultado positivo com o teste, mas apenas 2 delas foram confirmadas por um segundo ciclo. ** não se pode descartar a hipótese de as pessoas terem uma infecção assintomática por dengue. Entre as 2 amostras positivas, 1 também foi considerada positiva com um ensaio comercial de Dengue IgM. 7

8 9.2.2 Sensibilidade A sensibilidade relativa de Platelia Dengue IgA Captura é indicada na tabela abaixo: População Amostra Sensibilidade de Platelia Dengue IgA Captura** IC 95% Taxa de resultados positivos de Platelia Dengue NS1* Sensibilidade de Platelia Dengue IgA Captura + Platelia Dengue NS1 IC 95% Singapura 51 61,2% 46,2% - 74,8% 96,1% 98,0% 89,1% - 99,9% Índia 31 93,3% 77,9% - 99,2% 25,8% 93,5% 78,6% - 99,2% Guiana ,0% 87,5% - 96,6% 55,3% 100,0% 97,4% - 100,0% Francesa Todos ,0% 80,8% - 90,3% 60,5% 98,7% 96,1% - 99,7% * Taxa de positivos = número de resultados positivos/número total de amostras analisadas com Platelia Dengue NS1 Ag. ** A sensibilidade relativa foi calculada em relação ao estado clínico (infecção por dengue confirmada); 3 resultados indeterminados foram excluídos do cálculo. 9.3 Especificidade analítica Estudo da reatividade cruzada Uma série de 54 amostras de pacientes com outras infecções, que não por dengue, foi testada com Platelia Dengue IgA Captura. O espécime que apresentou resultados positivos foi tudo testado por um teste IgM Dengue comercializado e foi encontrado negativo. Amostra Platelia Dengue IgA Capture Infecção Total Positivos Indeterminados Vírus do Nilo Ocidental Febre amarela Malária amostras de soro contendo anticorpos heterófilos HAMA (n=12), anticorpos antinucleares ANA (n=12) ou Fator Reumatoide (n=12) foram testadas com o ensaio Platelia Dengue IgA Captura e não apresentaram reações não específicas Estudo das interferências Diversos componentes sanguíneos foram usados para concentrar 3 grupos de amostras, incluindo um grupo de amostras negativo, um positivo fraco e um positivo forte, com as seguintes concentrações: hemoglobina (2g/l), bilirrubina conjugada (300mg/ml), bilirrubina não-conjugada (200mg/ml) gama-globulinas (60g/l), colesterol (5g/l), albumina sérica (60g/l), trioleína (30g/l) e proteína total (120g/l). Nenhum dos componentes testados apresentou impacto significativo sobre o resultado, exceto as gama-globulinas, que causaram uma redução significativa das razões, a concentrações 20g/l acima da concentração normal de gama-globulinas. 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. World Health Organization and the Special Programme for Research and Training in Tropical Diseases (TDR) ; Dengue guidelines for diagnosis, treatment, prevention and control: nova edição; Centers for Disease Control and Prevention ; Dengue Laboratory Guidance and Diagnostic Testing ; 3. Nawa M., Takasaki T., Ito M., Inoue S., Morita K., Kurane I Immunoglobulin An Antibody Responses in Dengue Patients: a Useful Marker for Serodiagnosis of Dengue Virus Infection. Clin. Diagn. Lab. Immunol. 12 (10):

9 9

10 10

11 Bio-Rad 3, boulevard Raymond Poincaré Marnes-la-Coquette - France Tel. : +33 (0) /05 Fax : +33 (0)

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

DENGUE IgG/IgM. Imuno-Rápido. WAMA Diagnóstica. CÓD. 626025-R: 25 determinações. 40 determinações

DENGUE IgG/IgM. Imuno-Rápido. WAMA Diagnóstica. CÓD. 626025-R: 25 determinações. 40 determinações MS 10310030096 Imuno-Rápido DENGUE IgG/IgM CÓD. 626010-R: 10 determinações CÓD. 626020-R: 20 determinações CÓD. 626025-R: 25 determinações CÓD. 626040-R: 40 determinações WAMA Diagnóstica Rua Aldo Germano

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

Syphilis Total Ab 1 placa - 96 72530 5 placas - 480 72531

Syphilis Total Ab 1 placa - 96 72530 5 placas - 480 72531 Syphilis Total Ab 1 placa - 96 72530 5 placas - 480 72531 KITS PARA DETEÇÃO QUALITATIVA DE ANTICORPOS DE TREPONEMA PALLIDUM EM SORO OU PLASMA HUMANOS, UTILIZANDO UMA TÉCNICA DE IMUNOENSAIO ENZIMÁTICO 883679-2014/11

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO Data: 01.12.98

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO Data: 01.12.98 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO Data: 01.12.98 1. Identificação do Produto / Reagente e da empresa Nome Comercial do Produto: Microalbumin Standard Series Número do Catálogo: MAL/STS-5X1 Fabricante:

Leia mais

ACCESS Immunoassay System. HIV combo QC4 & QC5. Para monitorização do desempenho do sistema de ensaio Access HIV combo. B71117A - [PT] - 2015/01

ACCESS Immunoassay System. HIV combo QC4 & QC5. Para monitorização do desempenho do sistema de ensaio Access HIV combo. B71117A - [PT] - 2015/01 ACCESS Immunoassay System HIV combo QC4 & QC5 B22822 Para monitorização do desempenho do sistema de ensaio Access HIV combo. - [PT] - 2015/01 Índice Access HIV combo QC4 & QC5 1 Utilização prevista...

Leia mais

109 FOOD IGG MEDITERRANEAN

109 FOOD IGG MEDITERRANEAN Pagina 1 of 14 1. Identificação do Produto / Reagente e da empresa Nome Comercial do Produto: - MICROPLACA Fabricante: Genesis Diagnostics Ltd. Henry Crabb Road, Littleport, Cambridgeshire, CB6 1SE UK.

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-006 DENGUE IGG E IGM 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-006 DENGUE IGG E IGM 22/10/2015 1/5 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A Dengue é uma arbovirose causada por um Flavivirus, pertencente à família Flaviviridae, e transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, apresentando quatro sorotipos

Leia mais

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c.

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 1/5 1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 2. APLICAÇÃO CLÍNICA Hemoglobina Glicada, também abreviada como Hb A1c, é

Leia mais

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS O ensaio de endotoxinas bacterianas (EEB) é um ensaio para detectar ou quantificar endotoxinas de bactérias gram negativas usando um lisado de amebócitos de caranguejo

Leia mais

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS REAÇÕES USANDO REAGENTES MARCADOS Conjugado: molécula constituída por duas substâncias ligadas covalentemente e que mantêm as propriedades funcionais de ambas Ex: globulina

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano. POP n.º: B07 Página 1 de 5 1. Sinonímia: CKMB, MB. Mnemônico: MB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro da atividade

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-010 BILIRRUBINA TOTAL 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-010 BILIRRUBINA TOTAL 22/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO A bilirrubina é o produto da quebra da hemoglobina. Depois de formada pelo sistema reticuloendotelial, ela circula no sangue sob a forma não-conjugada ligada à albumina (bilirrubina indireta).

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B35 Página 1 de 6 1. Sinonímia: FOLATO Mnemônico: FOL 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do Ácido Fólico

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO UT-X FE POWDER CÓDIGO FISPQ-1616 REVISÃO 0 EMISSÃO 14/08/2012 APROVAÇÃO 14/08/2012 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para Utilizar no Diagnóstico In Vitro PI-TT.610-PT-V5 Informação sobre o produto

Leia mais

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos Aula 11 Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos As amostras com resultados reagentes, na etapa de triagem, devem ser submetidas à etapa complementar. Nessa etapa,

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

[HIV-1/2 NEW] REF [34020]

[HIV-1/2 NEW] REF [34020] [HIV-1/2 NEW] REF [34020] Finalidade do teste O teste Access HIV-1/2 New utiliza uma técnica imunoenzimática quimioluminescente de partículas paramagnéticas para detecção de anticorpos dirigidos anti-hiv-1

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes)

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes) PT Instruções de utilização CYCLER CHECK Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores pronto a usar, pré-aliquotado REF 7104 (10 testes) REF 71044 (4 testes) Índice 1.

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro POPE: B04 Página 1 de 7 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador para eletroforese capilar automatizada. 1.2 Modelo: Capillarys Flex Piercing / SEBIA. 1.3 Número de série: Equipamento 5: SN

Leia mais

Quantikine IVD ELISA. Human Epo Protocolo do imunoensaio Quantikine IVD. Número de catálogo DEP00

Quantikine IVD ELISA. Human Epo Protocolo do imunoensaio Quantikine IVD. Número de catálogo DEP00 Quantikine IVD ELISA Human Epo Protocolo do imunoensaio Quantikine IVD Número de catálogo DEP00 Este suplemento contém o protocolo do ensaio e deve ser lido na íntegra antes da utilização deste produto.

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015 PT-LB-IM-1 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O vírus da imunodeficiência humana é o agente causador da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). A AIDS foi pela primeira vez descrita nos Estados

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano. POP n.º: B44 Página 1 de 6 1. Sinonímia:, HORMÔNIO LUTEINIZANTE. Mnemônico: 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do

Leia mais

Sífilis ELISA recombinante v.4.0

Sífilis ELISA recombinante v.4.0 C Sífilis ELISA recombinante v.4.0 Ensaio imunoenzimático (ELISA) para a detecção de anticorpos anti-treponema pallidum SIGNIFICADO CLÍNICO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum,

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii.

Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii. POP n.º: I 111 Página 1 de 8 1. Sinonímia Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii. 2. Aplicabilidade Bioquímicos do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a presença de gás sulfídrico, proveniente da degradação de proteínas do pescado. 2 Fundamentos O método fundamenta-se na decomposição de

Leia mais

ELISA PeliClass human IgG subclass kit REF M1551

ELISA PeliClass human IgG subclass kit REF M1551 Sanquin Reagents Plesmanlaan 5 0 CX Amsterdam The Netherlands Phone: +.0.5.599 Fax: +.0.5.570 Email: reagents@sanquin.nl Website: www.sanquinreagents.com M55/ November 007 ELISA PeliClass human IgG subclass

Leia mais

Dengue NS1 Antigen DxSelect (Português)

Dengue NS1 Antigen DxSelect (Português) Dengue NS1 Antigen DxSelect (Português) REF EL1510 Rev. B Ensaio de imunoadsorção ligado à enzima (ELISA - Enzyme-linked immunosorbent assay) para detecção de antígeno NS1 no soro humano. Uso diagnóstico

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

MÓDULO PRÁTICO. Curso de Actualização sobre Diagnóstico da Infecção HIV-SIDA 11 Nov 2010

MÓDULO PRÁTICO. Curso de Actualização sobre Diagnóstico da Infecção HIV-SIDA 11 Nov 2010 MÓDULO PRÁTICO 11 Nov 2010 MÓDULO PRÁTICO Quirina dos Santos-Costa Pharm D, PhD Student Assistant Lecturer Unidade dos Retrovírus e Infecções Associadas - Centro de Patogénese Molecular Faculdade de Farmácia,

Leia mais

7900003 24 Tests Circulating Tumor Cell Control Kit

7900003 24 Tests Circulating Tumor Cell Control Kit 7900003 24 Tests Circulating Tumor Cell Control Kit 1 UTILIZAÇÃO Para diagnóstico In Vitro O CELLSEARCH Circulating Tumor Cell Control Kit destina-se a ser utilizado como um controlo de ensaio para garantir

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Ensaio LIFECODES Quik-ID Class II

Ensaio LIFECODES Quik-ID Class II INSTRUÇÕES DE USO Ensaio LIFECODES Quik-ID Class II REF C2ID IVD SUMÁRIO UTILIZAÇÃO... 2 SUMÁRIO E EXPLICAÇÃO... 2 PRINCÍPIO... 2 REAGENTES... 2 PRECAUÇÕES... 3 ATENÇÃO... 3 COLHEITA DA AMOSTRA... 3 PROCEDIMENTO...

Leia mais

Isolamento Viral em Cultivo Celular. Adriana Candido Rodrigues

Isolamento Viral em Cultivo Celular. Adriana Candido Rodrigues Isolamento Viral em Cultivo Celular Adriana Candido Rodrigues Vírus: Parasitas intracelulares obrigatórios Célula viva para replicação Sistemas Celulares Animais de Laboratório Ovos Embrionados Cultura

Leia mais

QUANTA Lite Para utilização em diagnóstico In Vitro Complexidade CLIA: Elevada. C1q CIC ELISA 704620

QUANTA Lite Para utilização em diagnóstico In Vitro Complexidade CLIA: Elevada. C1q CIC ELISA 704620 QUANTA Lite Para utilização em diagnóstico In Vitro Complexidade CLIA: Elevada C1q CIC ELISA 704620 Aplicação Diagnóstica Este kit destina-se à quantificação dos imunocomplexos circulantes (CIC),in-vitro,

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013 1 INDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Desinfetante para uso geral. Nome comercial: Flash Clean Pop. Empresa: Quimifel Indústria e Comércio de Produtos de Limpeza Ltda. Autorização de

Leia mais

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit Instruções para o médico Para uso em diagnóstico in vitro. Exclusivamente para exportação dos EUA. Instruções 1. Pode ser útil pedir ao paciente que beba uma

Leia mais

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos.

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos. KIT DE EXTRAÇÃO MINI VAC AUTOMAÇÃO DE 96 AMOSTRAS Instruções de Uso 1. USO PRETENDIDO O BIOPUR Kit de Extração Mini VAC Automação 96 Amostras é a ferramenta ideal para extração automática rápida e confiável

Leia mais

Biologia Celular e Molecular

Biologia Celular e Molecular DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Biologia Celular e Molecular Detecção de proteínas por western-blotting 2007-2008 Na electroforese em gel de poliacrilamida

Leia mais

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo Material Necessário Seringa 5ml com agulha 25x7 Alcool 70% (iodado) Garrote Tubo vacuun EDTA ( tampa roxa ) microscópio lâminas para microscopia

Leia mais

Instruções de uso. Dengue Vírus IgM Capture DxSelect EL1500M. Somente para diagnóstico in vitro

Instruções de uso. Dengue Vírus IgM Capture DxSelect EL1500M. Somente para diagnóstico in vitro Instruções de uso Somente para diagnóstico in vitro Dengue Vírus IgM Capture DxSelect EL1500M 96 / 480 testes UTILIZAÇÃO O Dengue Vírus IgM CaptureDxSelect da Focus Diagnostics é um teste qualitativo para

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO Objetivo: Explicação das normas básicas de segurança no laboratório. Aula teórica com retroprojetor, transparências e demonstração de algumas

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5 Código do produto: CK611L Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CK611L Telefone de emergência: (19) 2103-6000 DESENGRAXANTE ALCALINO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE Protocolo experimental 1. REAGENTES Reagentes estequiométricos

Leia mais

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de fósforo de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O método se baseia na conversão do fósforo presente na amostra em ortofosfato.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum, que possui a capacidade de invadir as mucosas inatas ou a pele em áreas de abrasão. O contato sexual

Leia mais

Q LC 01. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q LC 01. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda. Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

Teste Rápido DPP HIV

Teste Rápido DPP HIV Orientações para utilização de Teste Rápido DPP HIV com amostra de fluido oral Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde 2014 Ministério da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. URINÁLISE CONSENSOS E CONTROVÉRSIAS Exame Físico - Químico Kaline Maria Nogueira de Lucena Fonseca Centro de Patologia Clínica Natal - RN Exame de

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009 Nome do Produto: CYDEX Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: CYDEX Nome da empresa: FARMABASE SAÚDE ANIMAL LTDA. Av. Emílio Marconato, 1000 Galpão A3 Chácara Primavera.

Leia mais

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS AEQ-FUNED 1. INTRODUÇÃO Ensaio de proficiência avalia o desempenho de um laboratório, comparando-o com os de mesma

Leia mais

Bula do QuantiFERON -TB Gold (QFT ) ELISA 2 x 96 (ref.ª 0594-0201)

Bula do QuantiFERON -TB Gold (QFT ) ELISA 2 x 96 (ref.ª 0594-0201) Bula do QuantiFERON -TB Gold (QFT ) ELISA 2 x 96 (ref.ª 0594-0201) 20 x 96 (ref.ª 0594-0501) As respostas de medição de teste de sangue total IFN-γ para os antigénios péptidos ESAT-6, CFP-10, e TB7.7(p4)

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ: 753.01/2016

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ: 753.01/2016 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ: 753.01/2016 FUNDO PREPARADOR DE PAREDES BASE ÁGUA PREMIUM CORIARTE Data 12/02/2016 Revisão: 002/2016 Página 1/6 1-IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO CONTROLE INTERNO PARA HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO Lote Validade HHI 242 (Hemato III) 15 de Outubro de 2008 Volume 2,0 ml Temperatura 2 a 8 C (não congelar) ANVISA/REBLAS ANALI-036 CNPJ 29.511.607/0001-18 Rua

Leia mais

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruções de Uso ImmunoComb CANINE EHRLICHIA Kit para a detecção de anticorpos IgG de Ehrlichia canis N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruction Cat. No: 63CEH511

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Pág 1/6 1 Identificação do produto e da empresa 1.1 Identificação do Produto Nome comercial: Topkon L Nº do Artigo: 6010XXX 1.2 Aplicação da substância / preparação: Química de Laboratório Diagnóstico

Leia mais

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo Página 1 de 6 Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo 1- Objetivo Verificar a confiabilidade de medição da concentração de Flúor pelo método ISE 2- Aplicação Aplicável aos equipamentos

Leia mais

Protocolos de Aplicação

Protocolos de Aplicação Protocolos de Aplicação IN VITRO Diagnóstica MEGA Rua Cromita 278 - Distrito Industrial - Itabira - MG Telefax: 31 3834-6400 e.mail: dsa@invitro.com.br ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO Cat: 10687 Volume: 100 ml

Leia mais

HIV 1+2. ELISA 3ª Generación. Ensaio imunoenzimático (ELISA) para detecção de anticorpos anti-hiv-1 e anti-hiv-2 em soro ou plasma

HIV 1+2. ELISA 3ª Generación. Ensaio imunoenzimático (ELISA) para detecção de anticorpos anti-hiv-1 e anti-hiv-2 em soro ou plasma HIV 1+2 ELISA 3ª Generación Ensaio imunoenzimático (ELISA) para detecção de anticorpos anti-hiv-1 e anti-hiv-2 em soro ou plasma SIGNIFICADO CLÍNICO Os vírus da imunodeficiência humana (HIV-1 e HIV-2)

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 21/10/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Referência

Leia mais