PESQUISA DE MERCADO SINDILEQ-MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA DE MERCADO - 2015 SINDILEQ-MG"

Transcrição

1 PESQUISA DE MERCADO SINDILEQ-MG

2 Conhecendo as empresas

3 100% 90% 80% 70% 60% 94% QUAIS OS PRINCIPAIS NEGÓCIOS DA EMPRESA? Locação Venda de Equipamentos/Peças 50% 40% 30% 20% 10% 0% 17% 17% Área de Atuação 11% 2% Prestação de Serviços (Exceto manutenção) Manutenção em Equipamentos de Terceiros Fabricação de Equipamentos para Revenda

4 35,0% O QUE A EMPRESA ALUGA? Acesso e Andaimes Máquinas Pesadas e Movimentação de Cargas 30,0% 30,2% 29,7% 28,3% Geradores e Compressores Outros 25,0% 24,5% 24,1% 22,6% Ferramentas Elétricas, Cortes e Furos 20,0% 15,0% 17,9% 17,5% 13,7% Retroescavadeira/Tratores/Máquinas da Linha Amarela Caminhões Máqs. e Equipamtos. Leves (não inclui ferramentas elétricas) Escoramentos e Fôrmas 10,0% 9,9% 6,6% Gruas e Guindastes Empilhadeiras 5,0% 5,2% 4,7% 3,8% Plataformas Elevadores 0,0% Produtos Equipamentos para Eventos (não inclui palcos)

5 80% 70% 75% EM QUE SEGMENTOS A EMPRESA ATUA? 60% 50% 52% Construção Pesada Construção Civil / Edificações 40% Industrias Mineração 30% 27% Prefeituras Siderurgia 20% Outros 10% 0% 7% Segmentos 2% 2% 6%

6 TEMPO DE ATUAÇÃO NO MERCADO 36% 14% 4% 4% Até 2 anos De 2 a 5 anos 25% 17% De 5 a 10 anos De 10 a 15 anos Mais de 15 anos Não soube / não quis responder

7 NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS 8% 8% 2% 37% Até 5 20% De 6 a 15 De 16 a 50 De 51 a % Acima de 100 Não soube / não quis responder

8 O TRANSPORTE DOS EQUIPAMENTOS LOCADOS É FEITO COM VEÍCULOS PRÓPRIOS? 29% 13% 58% Às vezes Sim Não

9 QUAL O REGIME TRIBUTÁRIO EM QUE A EMPRESA ESTÁ ENQUADRADA 11% 15% Simples 74% Lucro Presumido Lucro Real

10 50% 45% SE A EMPRESA UTILIZA-SE DE FINANCIAMENTO, QUAL A PRINCIPAL FINALIDADE? 44% Capital de Giro 40% 35% 30% 31% Expansão da estrutura física da empresa Aquisição de Bens de Locação 25% 20% 15% 18% Aquisição de outros ativos (veículos, p.ex.) Outros 10% 8% 8% Não utiliza 5% 0% 3% Finalidades 1% Não soube/quis responder

11 IDADE MÉDIA DA FROTA DE EQUIPAMENTOS 9% 21% 18% 11% Até 2 anos De 3 a 6 anos 41% De 7 a 10 anos Mais de 10 anos Não soube / não quis responder

12 Desempenho

13 50% 45% 45% QUAIS OS PRINCIPAIS DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS? Baixa demanda 40% 35% 30% 25% 34% 29% 24% Impostos Concorrência predatória Inadimplência / Estelionato 20% 15% 10% 5% 0% Desafios 13% 4% 4% Falta de mão de obra qualificada Furto ou Roubo Não soube / não quis responder

14 TAXA DE OCIOSIDADE ATUAL DOS EQUIPAMENTOS 28% 17% 17% Até 5% De 6% a 10% 16% 14% 8% De 11% a 30% De 31% a 50% Acima de 50% Não soube / não quis responder

15 TAXA DE OCIOSIDADE ATUAL (% CALCULADO SOBRE AS EMPRESAS QUE RESPONDERAM À PESQUISA) 23% 24% 22% 20% 11% Até 5% De 6% a 10% De 11% a 30% De 31% a 50% Acima de 50%

16 PREVISÃO DE INVESTIMENTOS PARA 2015 Até R$ ,00 56% 11% 29% De R$ ,00 até R$ ,00 De R$ ,00 até R$ ,00 De R$ ,00 até R$ ,00 Não pretendem investir 1% 1% 2% Não soube / não quis responder

17 PREVISÃO DE INVESTIMENTOS PARA 2015 (% CALCULADO SOBRE AS EMPRESAS QUE RESPONDERAM À PESQUISA) 77% Até R$ ,00 2% 2% 3% 16% De R$ ,00 até R$ ,00 De R$ ,00 até R$ ,00 De R$ ,00 até R$ ,00 Não pretendem investir

18 INTENÇÃO DA EMPRESA EM RELAÇÃO AO QUADRO DE FUNCIONÁRIOS PARA % 11% 16% 68% Pretende Contratar Pretende Demitir Pretende Manter o Quadro Atual Não soube / não quis responder

19 FATURAMENTO DA EMPRESA EM % 9% 16% Até R$ ,00 De R$ ,00 até R$ ,00 De R$ ,00 até R$ ,00 Acima de R$ ,00 Não soube / nãoquis responder 2% 1%

20 FATURAMENTO DA EMPRESA EM 2014 (% CALCULADO SOBRE AS EMPRESAS QUE RESPONDERAM À PESQUISA) 1,7% 6,8% Até R$ ,00 32,2% 59,3% De R$ ,00 até R$ ,00 De R$ ,00 até R$ ,00 Acima de R$ ,00

21 VARIAÇÃO DO FATURAMENTO EM 2014 / % 26% 7% 14% 6% Até 4% De 5% até 10% Acima de 10% Não cresceu Não soube / não quis responder

22 VARIAÇÃO DO FATURAMENTO EM 2014 / 2013 (% CALCULADO SOBRE AS EMPRESAS QUE RESPONDERAM À PESQUISA) 13% 11% 50% 26% Até 4% De 5% até 10% Acima de 10% Não cresceu

23 EXPECTATIVA DO FATURAMENTO DE 2015 / % 24% Crescimento 40% Estagnação 28% Redução Não soube / não quis responder

24 COMO A EMPRESA COMPARA O ANO DE 2015 COM O DE 2014 ATÉ O MOMENTO? 5% 9% 15% Melhor Igual Pior 71% Não soube / não quis responder

25 QUAL FOI A INADIMPLÊNCIA NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015? Até 5% 34% 32% De 6% a 10% De 11% a 20% 4% 14% 8% 8% De 21% a 50% Acima de 50% Não soube / não quis responder

26 QUAL FOI A INADIMPLÊNCIA NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015? (% CALCULADO SOBRA AS EMPRESAS QUE RESPONDERAM À PESQUISA) 13% 13% 46% 6% 22% Até 5% De 6% a 10% De 11% a 20% De 21% a 50% Acima de 50%

27 Relacionamento com as instituições de classe

28 VOCÊ CONHECE O SINTRAL-MG? 43% 57% Não Sim

29 VOCÊ CONHECE OU CONSULTA A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO? Conheço e consulto 49% 45% Conheço e não consulto Não conheço 6%

30 7% 6% 5% 4% 3% 3% 2% Pesquisa de Mercado % 50% 40% 54% QUE TIPO DE SERVIÇO VOCÊ ESPERA QUE O SINDILEQ-MG PRESTE À SUA EMPRESA? Não soube / não quis responder Outros Assessoria Jurídica Divulgação da Empresa 30% 20% 10% 16% Capacitação / Treinamento / Cursos Notícias referentes ao setor Cadastro de Inadimplentes / Alerta de Roubo Consultoria 0% Assistência Médica / Plano de Saúde

31 Projeções

32 NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015: % 8% 2% 37% Até 5 20% De 6 a 15 De 16 a 50 25% De 51 a 100 Acima de 100 Não soube / não quis responder

33 FATURAMENTO ESTIMADO DO SETOR EM 2014 (MG): R$ ,00 (RESSALVE-SE QUE A BASE DE DADOS PARA A PROJEÇÃO FOI PEQUENA DEVIDO AO GRANDE NÚMERO DE EMPRESAS QUE NÃO FORNECEU AS INFORMAÇÕES) 1,7% 6,8% Até R$ ,00 32,2% 59,3% De R$ ,00 até R$ ,00 De R$ ,00 até R$ ,00 Acima de R$ ,00

34

35 Conclusões

36 Setor composto, em sua maioria, por Micro e Pequenas Empresas: (74% enquadradas no Simples / 37% com até 5 funcionários) Parcela significativa do numero de empresas é muito nova: (21% com até 5 anos / apenas 46% acima de 10 anos) Empresas estão pessimistas em relação ao momento atual da economia (40% estimam redução no faturamento / 71% c/ expectativa de piora geral em relação a 2014) Falta de perspectiva de melhoria nos preços praticados uma vez que 45% das empresas apresentam Taxa de Ociosidade maior que 30% Considerando que 18% da frota de equipamentos tem até 2 anos de idade e que 44% das empresas informam utilizar financiamento para aquisição de bens de locação, é provável que grande número de empresas esteja endividada, condição que, se confirmada, as fragiliza num mercado recessivo.

37 Resumindo: Com o grande aumento de demanda ocorrido, principalmente a partir de 2005, várias empresas surgiram e as existentes investiram em aumento de estoque. A consequência destes fatos é que hoje, com o mercado estagnado, temos: Oferta maior que a demanda, ocasionando redução de preços Queda na lucratividade e no faturamento, provocando redução nos investimentos e no quadro de funcionários Risco real de fechamento de empresas

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Projeção do Fluxo de Caixa Caso Prático

Projeção do Fluxo de Caixa Caso Prático Projeção do Fluxo de Caixa Caso Prático! Caso Prático envolvendo o Calculo da Depreciação, Investimentos, Capital de Giro e Financiamentos. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015 Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito Banco Central do Brasil Fevereiro de 215 Indicadores de Condições de Crédito Objetivos: Verificar o sentimento dos últimos meses sobre o mercado de crédito e

Leia mais

Apresentação d t ã de Resultados 3T07

Apresentação d t ã de Resultados 3T07 A t ã d Apresentação de Resultados 3T07 Agenda Eventos Recentes Destaques Estratégicos Destaques Financeiros Resultados Financeiros Guidance 2007 Guidance 2008 2 RESULTADOS 3T07 Os resultados referentes

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice Coletiva de Imprensa - ABECIP Índice 1. Ambiente Macroeconômico 2. Mercado Imobiliário 3. Financiamento Imobiliário - SBPE 4. Inadimplência 5. Ativos Financeiros 6. Poupança SBPE 7. Expectativas 2013 2

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração SOBRATEMA Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com o Investimento Departamento da Indústria da Construção DECONCIC da FIESP 1 MISSÃO,

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS Apresentação Criada em 2002 e autorizada a funcionar pelo Banco Central em 2003, entrou em operação em 2004. É uma sociedade anônima de economia mista vinculada à. Atualmente conta com um patrimônio líquido

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

A ESTRUTURA DE CAPITAL NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS

A ESTRUTURA DE CAPITAL NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS A ESTRUTURA DE CAPITAL NA ANÁLISE DE NOVOS! O que é estrutura de capital alvo?! Estrutura de capital atual x estrutura de capital alvo.! Qual estrutura de capital devemos levar em consideração na análise

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

WWW.MEUOCULOSDEMADEIRA.COM.BR

WWW.MEUOCULOSDEMADEIRA.COM.BR SIGNATURE STORE WWW.MEUOCULOSDEMADEIRA.COM.BR Sucesso é quando criamos algo de que podemos ter orgulho. Richard Branson - Fundador do grupo Virgin 2 A História da MOM Há muitos anos venho trabalhando com

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

* Margem de Contribuição

* Margem de Contribuição Mesa Redonda Tratores e Máquinas Agrícolas Roberval Sebastião da Silva - Unimassey Dimensão do Resultado: * Vendas: - Participação de mercado = conhecer tamanho do mercado - Vendas perdidas = por que não

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

FCO EMPRESARIAL FUNDO CONSTITUCIONAL PARA FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE

FCO EMPRESARIAL FUNDO CONSTITUCIONAL PARA FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE Desmitificar o FCO EMPRESARIAL FUNDO CONSTITUCIONAL PARA FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE 2015 Números e Perspectivas do FCO Objetivo: Contribuir para o desenvolvimento econômico e social da Região Centro-

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Você está prestes a assumir a administração de uma empresa simulada. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as suas habilidades gerenciais.

Você está prestes a assumir a administração de uma empresa simulada. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as suas habilidades gerenciais. Você está prestes a assumir a administração de uma empresa simulada. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as suas habilidades gerenciais. O que é? Simulação Gerencial - Simulação Empresarial Jogo

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos para Construção 2013-2018 PATROCINADORES

Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos para Construção 2013-2018 PATROCINADORES Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos para Construção 2013-2018 PATROCINADORES 1 Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos para Construção 2013-2018 Conteúdo Brasil no contexto

Leia mais

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade Bem-Vindos! APRESENTAÇÃO Ana Afonso organizadora profissional em São Paulo atua desde 2006 realizando serviços de organização de espaços, gestão de residências, treinamento de funcionários domésticos,

Leia mais

Cresce confiança dos empresários do comércio catarinense em março. Síntese dos resultados

Cresce confiança dos empresários do comércio catarinense em março. Síntese dos resultados Cresce confiança dos empresários do comércio catarinense em março Após a queda verificada em fevereiro, ocasionada por motivos sazonais, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) catarinense

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Por Carlos Alexandre Sá Neste trabalho vamos analisar um elemento importante do Fluxo das Atividades Operacionais: a necessidade de capital de

Leia mais

Business Round Up BUSINESS ROUND UP

Business Round Up BUSINESS ROUND UP BUSINESS ROUND UP 1 Objetivo da Pesquisa QUAIS AS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS DOS PRINCIPAIS SETORES DA ECONOMIA DO BRASIL? Metodologia Pesquisa Quantitativa 400 entrevistas Com empresas associadas

Leia mais

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/12/1958 - Distância da capital: 128 km - Área: 130 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Borborema Potiguar - População: 4.217 (IBGE/2007)

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO 1. ORIGEM DOS RECURSOS: BANCO FINANCIADOR: Banco do Nordeste do Brasil S/A LINHA DE CRÉDITO: Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste FNE PROGRAMA:

Leia mais

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura.

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura. Table of Contents Sobre o material Geo Studio Apresentação Mercado de Rastreadores Mercado de Rastreadores Equipamentos Estrutura Estrutrua Localização Pessoal Mercadoria Produtividade da Empresa Automação

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Linhas de financiamento BB para o Turismo Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Atualizada em 03/08/2009 Crédito / Financiamentos de Investimentos / Proger Turismo Investimento Características

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 3º trimestre/2015 Julho de 2015 Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br

Leia mais

PROJETO ENGENHARIA NA PRÁTICA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO GRUPO ORGUEL PORTFOLIO DE PALESTRAS

PROJETO ENGENHARIA NA PRÁTICA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO GRUPO ORGUEL PORTFOLIO DE PALESTRAS PROJETO ENGENHARIA NA PRÁTICA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO GRUPO ORGUEL PORTFOLIO DE PALESTRAS PROJETO ENGENHARIA NA PRÁTICA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO GRUPO ORGUEL PORTFOLIO DE PALESTRAS PRESIDENTE Sérgio

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Tabela 1 PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS PDG

Tabela 1 PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS PDG Tabela 1 PROGRAMA DE DISPÊNDIOS GLOBAIS PDG Discriminação das Origens de Recursos - DICOR 110000 - RECEITAS 111000 - SUBSÍDIO DO TESOURO 112000 - OPERACIONAL 112100 - Venda de Bens e Serviços 112900 -

Leia mais

Teleconferência. Resultados do 2 o Trimestre de 2007

Teleconferência. Resultados do 2 o Trimestre de 2007 Teleconferência Resultados do 2 o Trimestre de 2007 Aviso Legal Este documento contém declarações futuras, que podem ser identificadas por palavras como espera, pretende, planeja, acredita, procura, estima

Leia mais

Terceirização no Tribunal de Justiça de Minas Gerais SS JUSTIÇA MG

Terceirização no Tribunal de Justiça de Minas Gerais SS JUSTIÇA MG Terceirização no Tribunal de Justiça de Minas Gerais SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Setembro de 2013 1 Introdução A terceirização é um problema enfrentado em todos os setores produtivos do país e está em

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO. Mercado de locadoras. Equipamentos leves para construção. Resp.: Vanderlei Florenzano

PESQUISA DE MERCADO. Mercado de locadoras. Equipamentos leves para construção. Resp.: Vanderlei Florenzano PESQUISA DE MERCADO Mercado de locadoras Equipamentos leves para construção Resp.: Vanderlei Florenzano AMBIENTE MERCADOLÓGICO Ambiente Mercadológico do mercado de locadoras de equipamentos para construção

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba 1 OBJETIVO 1.1 Realizar, em 2013, apoio financeiro para viabilizar a execução de serviços em inovação e tecnologia

Leia mais

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009 BOLETIM MENSAL 1º Trimestre 2009 Sistema Financeiro 4 - Crédito do Sistema Financeiro 5 - Carteiras de Financiamento (CDC) e Leasing Aquisição de Veículos 6 - Saldo e Recursos Liberados Financiamento CDC

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges A Sondagem Industrial (SI) e o Índice de Confiança (ICEI) são elaborados pela unidade de Política Econômica da Confederação Nacional das s (CNI) em conjunto com as Federações das s dos 23 estados brasileiros

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA OBJETIVOS FDA Prover recursos para garantir riscos de crédito e viabilizar o acesso de micro e pequenas empresas a linhas de financiamento. ME COMPETITIVA Apoiar financeiramente

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015 No ano de 2015, Sondagem mostra que a indústria de Campinas paralisa investimentos; estagnação da lucratividade, leve redução da produção e aumento de custos podem explicar a resistência para investir

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

Pesquisa do ManpowerGroup revela declínio nas expectativas de contratações no Brasil

Pesquisa do ManpowerGroup revela declínio nas expectativas de contratações no Brasil EMBARGOED UNTIL TUESDAY JUNE 09, 2015 AT 00.01 EST Pesquisa do ManpowerGroup revela declínio nas expectativas de contratações no Brasil A expectativa de contratação no Brasil chega a -3% para o próximo

Leia mais

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009.

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Presidência 1 Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Novas Políticas Operacionais BNDES Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Preparação do Banco para as novas Políticas Operacionais Aumento da eficiência e agilização dos procedimentos do banco, através

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Natal, 03 de Outubro de 2015 Área Básica de Atuação Missão Atuar na promoção do desenvolvimento regional sustentável como banco público competitivo e rentável.

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

A seguir, é apresentado um panorama sintético dos resultados financeiros desses bancos.

A seguir, é apresentado um panorama sintético dos resultados financeiros desses bancos. Mesmo em meio à turbulência vivida pela economia brasileira e que está levando o país a uma recessão desde a crise mundial de 2009, existe um setor que não deixou de crescer este ano: o bancário. Enquanto

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento 1 Paulo Sérgio Sodré Departamento de Credenciamento e Financiamento Máquinas áqu as e equipamentos equ pa e tos 2 BNDES Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira,

Leia mais

Microcrédito Produtivo Orientado Grandes números no mundo

Microcrédito Produtivo Orientado Grandes números no mundo Microcrédito Produtivo Orientado Grandes números no mundo Leste Europeu e Ásia Central Carteira Bruta (US$) 3,6 bilhões Ticket Médio (US$) 1.570,4 Quant. de Tomadores 2,3 milhões Leste Asiático e Pacífico

Leia mais

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing. RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I

Leia mais

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros.

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros. NEGÓCIO Crédito e Serviços Financeiros. MISSÃO Garantir acesso ao crédito, fomentando negócios, empreendedorismo e competitividade, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN - Treinar e capacitar os profissionais que cobram e atendem inadimplentes nas escolas; - Cadastrar os inadimplentes

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 QUEM SOMOS NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÉUMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CONTROLADA PELO ESTADO DE SÃO PAULO E ATUA COMO BANCO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO Teleconferência e Webcast de Resultados Sexta-feira, 5 de novembro de 2010 Horário: 12:00 p.m. (Brasil) 10:00 a.m. (US EDT) Telefone: +55 (11) 4688.6361 Código:

Leia mais