Apresentação Institucional. Volkswagen do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação Institucional. Volkswagen do Brasil"

Transcrição

1 Apresentação Institucional Volkswagen do Brasil

2 Volkswagen Resíduos CRQ 24 setembro ) A Volkswagen 2) Unidade Anchieta 3) Programa Think Blue. Factory 4) Resíduos Mapeamento Melhores práticas Principais ganhos 5) Desafios

3 Grupo Volkswagen

4 Base 2014 Grupo Volkswagen 12 marcas fascinantes e 118 unidades de produção em todo mundo Vendas 10,1 milhões de veículos Principais mercados Presença China Alemanha Brasil Empregados 153 países 592 mil

5 Base 2014 Volkswagen do Brasil Empregados 20 mil Produção 596 mil veículos Vendas 576 mil veículos Exportação 92 mil veículos

6 Fábricas Fábrica Anchieta Fábrica São José dos Pinhais 18 de novembro de 1959 Área total de 1,6 milhão m 2 Produtos: Novo Gol, Saveiro, Saveiro Cross e Jetta 18 de janeiro de 1999 Área total de 1,2 milhão m 2 Produtos: Fox, CrossFox, SpaceFox Fábrica Taubaté Fábrica São Carlos 14 de janeiro de 1976 Área total de 3,8 milhões m 2 Produtos: up!, Novo Gol e Novo Voyage 12 de outubro de 1996 Área total de 730 mil m 2 Produtos: motores 1.0l e 1.6l

7 Fábrica Anchieta

8 Fábrica Anchieta Primeira fábrica da Volkswagen fora da Alemanha Empregados Área total m 2 Produtos Novo Gol, Saveiro, Saveiro Cross e Jetta

9 Volkswagen Resíduos CRQ 24 setembro ) A Volkswagen 2) Unidade Anchieta 3) Programa Think Blue. Factory 4) Resíduos Mapeamento Melhores práticas Principais ganhos 5) Desafios

10 Think Blue Sustentabilidade como princípio de gestão Think Blue. Mentalidade Ideia prática que visa inspirar o ser humano É um combustível para o pensamento sustentável Benefícios Atitude Gera benefício ao meio ambiente às pessoas É uma realidade que direciona as atitudes da marca

11 Think Blue Atitudes Ambientalmente Corretas em Todo Negócio Produto Marca Produção Região Um Produto. Um Rótulo. Uma Posição. Todos os Mercados. Um Programa. Todas as Plantas. Um Objetivo. Todos Juntos.

12 Think Blue Think Blue. Factory Estrutura holística de trabalho Método de medição padronizado Tecnologia Implantação Sistemática Rede de conhecimento Colaboradores

13 Think Blue Think Blue. Factory Objetivos 25% de redução por unidade produzida até 2018 base 2010 Energia Água Resíduo CO 2 Solvente VOC Pintura CO 2 de energia elétrica e térmica Resíduo produtivo destinado para aterro e incineração Água comprada de concessionária e poços Energia térmica e elétrica

14 Think Blue Troca de Conhecimento entre os Experts das Plantas Catálogo de Medidas Estamparia Armação Pintura Montagem Final Construção e infraestrutura Componentes mecânicos

15 Plant VWB jan feb mar apr may jun jul ago sep oct nov dez Anchieta jan feb mar apr may jun jul aug sep oct nov dez Taubaté jan feb mar apr may jun jul aug sep oct nov dez Curitiba Energy (kwh/job) Water (m3/job) Waste (kg/job) Previsão PR62 Target 2014 Delta PR62 - Target Delta 2014 Real target % Target ,7% 878 3,60 3,08 3,01 3,37 3,17 3,11 3,15 0,04-0,02 5,4% 2,70 Previsão PR62 Target 2014 Delta PR62 - Target Delta 2014 Real target % Target 2018 Plant VWB Previsão PR62 Target 2014 Delta PR62 - Target Delta 2014 Real - target % Target 8,78 9,43 8,67 8,99 8,69 9,43 7,69-1,74-1,00 0,22% 6, ,20 4,07 3,26 6,94 9,36 7, ,90 3,01 3,25 11,65 7,74 7, ,10 3,31 3,24 7,86 11,76 7, ,05 2,65 3,23 9,87 8,27 7, ,16 3,03 3,22 8,92 7,36 7, #DIV/0! ,36 #DIV/0! 3,21 11,10 #DIV/0! 7, #DIV/0! ,29 #DIV/0! 3,20 9,96 #DIV/0! 7, #DIV/0! ,03 #DIV/0! 3,19 8,28 #DIV/0! 7, #DIV/0! ,43 #DIV/0! 3,18 7,64 #DIV/0! 7, #DIV/0! ,42 #DIV/0! 3,17 7,62 #DIV/0! 7, #DIV/0! ,88 #DIV/0! 3,16 10,04 #DIV/0! 7, #DIV/0! ,11 #DIV/0! 3,15 9,41 #DIV/0! 7, ,9% 961 4,12 3,31 3,43 3,77 3,26 3,59 3,60 0,01 0,34-4,8% 3,09 Anchieta 10,32 8,74 9,27 7,44 6,66 7,44 9,03 1,59 2,36-28,14% 7, ,04 4,62 3,72 5,18 5,81 9, ,57 2,73 3,71 11,96 5,41 9, ,58 4,00 3,70 8,14 13,99 9, ,69 2,41 3,69 8,91 5,93 9, ,90 3,32 3,68 8,03 5,82 9, #DIV/0! ,75 #DIV/0! 3,67 10,88 #DIV/0! 9, #DIV/0! ,89 #DIV/0! 3,65 8,43 #DIV/0! 9, #DIV/0! ,26 #DIV/0! 3,64 6,38 #DIV/0! 9, #DIV/0! ,60 #DIV/0! 3,63 4,39 #DIV/0! 9, #DIV/0! ,57 #DIV/0! 3,62 4,78 #DIV/0! 9, #DIV/0! ,12 #DIV/0! 3,61 6,62 #DIV/0! 9, #DIV/0! ,54 #DIV/0! 3,60 5,96 #DIV/0! 9, ,7% 628 3,78 3,21 3,11 3,50 3,11 2,67 3,31 0,64 0,20-0,3% 2,84 Taubaté 10,14 13,96 11,64 14,61 13,80 14,61 8,87-5,74-4,93 18,64% 7, ,14 4,14 3,42 12,52 17,28 9, ,26 3,23 3,41 14,37 13,59 9, ,98 3,17 3,40 10,65 14,32 9, ,87 2,73 3,39 15,90 13,48 9, ,98 2,47 3,38 15,01 11,14 9, #DIV/0! 746 3,47 #DIV/0! 3,37 15,52 #DIV/0! 9, #DIV/0! 744 3,58 #DIV/0! 3,36 16,07 #DIV/0! 9, #DIV/0! 741 3,40 #DIV/0! 3,35 12,71 #DIV/0! 8, #DIV/0! 739 4,35 #DIV/0! 3,34 16,76 #DIV/0! 8, #DIV/0! 737 3,79 #DIV/0! 3,33 14,30 #DIV/0! 8, #DIV/0! 735 4,25 #DIV/0! 3,32 18,59 #DIV/0! 8, #DIV/0! 733 3,44 #DIV/0! 3,31 14,32 #DIV/0! 8, ,6% 961 2,23 1,99 1,76 1,95 2,51 2,20 1,95-0,25-0,56 43,0% 1,67 Curitiba 3,25 2,99 2,97 2,60 2,19 2,60 2,85 0,25 0,66-26,32% 2, Volkswagen do Brasil Think Blue Documentos para Gerenciamento e Controle Caminho de migração 1 2 Controle de medidas 3 Desenvolvimento das ações Dados On-Demand Relatório de projeto 4 Folha de Ação 5 Planilhas de controle 6

16 Think Blue Revisão e Melhoria dos Caminhos de Migração Planejamento (plan) Implantação (do) Ações (act) Revisão e análise (check)

17 Think Blue Melhoria Contínua do Think Blue. Factory. até 2018 Planning (plan) Implementing (do) Planning (plan) Implementing (do) Planning (plan) Acting (act) Implementing (do) Reviewing (check) Acting (act) Reviewing (check) 2018 Acting (act) Reviewing (check)

18 Think Blue Base de uma Cultura de Sustentabilidade Ambiental Administração Sustentável Suporte, metas e políticas Idéias, ações e entusiasmo Sustentável Colaboradores

19 Think Blue Ações Sustentáveis Comunicação, Conscientização e Benchmarking Treinamentos e Workshops Caminho da Sustentabilidade Divulgação Constante

20 Think Blue Ações Sustentáveis Gerenciamento e Controle de Energia Monitoramento contínuo On-line Plano Contingência Detecção de vazamento de ar comprimido Termografia Ação Preventiva

21 Think Blue Energia Ações Sustentáveis Desligamento de iluminação em postos automáticos Iluminação Natural Redução de pressão de ar comprimido Redução de pressão de água Desligamento de equipamentos ociosos

22 PCH Pequena Central Hidrelétrica Aumento da utilização de energia renovável para 93,55% Localização Rio Sapucaí Potência 120 milhões KWh/ ano Capacidade Consumo Suprir uma cidade de 50 mil habitantes Corresponde a 18% do consumo da Volkswagen

23 Água Volkswagen do Brasil Think Blue Ações Sustentáveis Reuso de água condensada dos compressores de ar Reuso de água dos testes do sistema de incêndio nas torres de resfriamento Captação de água de chuva para uso nas torres de resfriamento

24 Think Blue Ações Sustentáveis: São Carlos Usinagem MQL Usinagem Convencional: ~4 l/hora de Emulsão oleosa Usinagem MQL: < 50 ml/hora de Emulsão oleosa

25 Think Blue Resíduos Ações aplicadas em todas as plantas Destinação correta Reduzir geração Embalagens retornáveis Novos parceiros para reciclagem Reduzir geração VWB 95% reciclagem Reutilizar e Reciclar Compostagem Triagem de resíduos

26 Volkswagen Resíduos CRQ 24 setembro ) A Volkswagen 2) Unidade Anchieta 3) Programa Think Blue. Factory 4) Resíduos Mapeamento Melhores práticas Principais ganhos 5) Desafios

27 Fábrica Anchieta 1. Estamparia Mapeamento dos Principais Geradores de Resíduos Borra oleosa + óleo 2. Armação Colas, panos 3. Pintura Borra, pano, solvente 4. Montagem Cola 5. Logística Madeira, obsoleto 5. Outros Laboratório Qualidade ETEI

28 Fábrica Anchieta 1. Estamparia Mapeamento dos Principais Geradores de Resíduos Borra oleosa + óleo 2. Armação Colas, panos 3. Pintura Borra, pano, solvente 4. Montagem Cola 5. Logística Madeira, obsoleto 5. Outros Laboratório Qualidade ETEI ) Mapeamento dos geradores; 2) Definição de Responsabilidade; 3) Organização das áreas 4) Sistemática de trabalho instrução 5) Redefinição de locais de destinação 6) Busca pelo melhor preço (com segurança!) 2

29 Fábrica Anchieta Principais Ações Fase I Conscientização Alteração de coletores internos

30 Fábrica Anchieta Principais Ações Fase II Alteração de Embalagens Novas Alternativas d3083cba6fe73d62a783d7f_xl.jpg fier/news/page/news/?dir=asc&order=creat ed_time&p=6

31 Fundação Volkswagen Há 35 anos, semeando por um futuro melhor Pilares de Atuação Educação e Desenvolvimento Social Presença Nacional 407 municípios Educadores formados Alunos Beneficiados 1,4 milhões

32 Evolução da Gestão dos Resíduos Resultados - resíduos comuns (julho) Recicláveis Aterro comum Recicláveis: Papel, plástico e madeira

33 Volkswagen Resíduos CRQ 24 setembro ) A Volkswagen 2) Unidade Anchieta 3) Programa Think Blue. Factory 4) Resíduos Mapeamento Melhores práticas Principais ganhos 5) Desafios

34 Desafios

35 Obrigado! Wagner de Miranda Pedroso

Think Blue. Factory.

Think Blue. Factory. Prêmio AEA 2014 - Projetos de Meio Ambiente Think Blue. Factory. Responsáveis pelo Projeto Celso Luis Placeres Volkswagen do Brasil Indústria de Veículos Automotores LTDA RESUMO Através do programa Think

Leia mais

Eficiência Energética Volkswagen do Brasil Eng. Celso Placeres Diretor de Engenharia de Manufatura

Eficiência Energética Volkswagen do Brasil Eng. Celso Placeres Diretor de Engenharia de Manufatura Eficiência Energética Volkswagen do Brasil Eng. Celso Placeres Diretor de Engenharia de Manufatura Grupo Volkswagen Grupo Volkswagen 12 marcas e 106 unidades de produção em todo mundo Vendas 9,7 milhões

Leia mais

Volkswagen do Brasil Ltda INFRAESTRUTURA MEIO AMBIENTE

Volkswagen do Brasil Ltda INFRAESTRUTURA MEIO AMBIENTE VOLKSWAGEN DO BRASIL E A PLANTA ANCHIETA SEIS FÁBRICAS NO BRASIL: Anchieta (São Bernardo), São Carlos, Taubaté, Curitiba, Vinhedo e Resende Fábrica Anchieta ( São Bernardo do Campo ) Das fábricas do Grupo

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA WEG - Brasil - ISO 50001 - Melhorar o desempenho energético de forma sistematizada e continuada

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA WEG - Brasil - ISO 50001 - Melhorar o desempenho energético de forma sistematizada e continuada PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA WEG - Brasil - ISO 50001 - Melhorar o desempenho energético de forma sistematizada e continuada História 16 de setembro de 1961 Werner Ricardo Voigt, Eggon João da Silva

Leia mais

Fábricas com eficientes sistemas de energia

Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas de hoje... A globalização e a concorrência entre as empresas estão causando revoluções no desenvolvimento de produtos, reduzindo cada vez mais o

Leia mais

Compromisso com o Mundo Sustentável

Compromisso com o Mundo Sustentável Compromisso com o Mundo Sustentável Está em nossa Visão Ser um empresa global e sustentável até 2012. Para nossa empresa ser sustentável, é fundamental a busca de resultados financeiros e o comprometimento

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

Agenda Elétrica Sustentável 2020

Agenda Elétrica Sustentável 2020 Congresso Eficiência Energética Casa Alemã A Casa Ecoeficiente São Paulo, 14 de Abril de 2010 Agenda Elétrica Sustentável 2020 Estudo de Cenários para um Setor Elétrico Brasileiro Eficiente, Seguro e Competitivo

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins PROTEGER Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP Karin Regina de Casas Castro Marins OBJETIVO Implantar um SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) no transporte público

Leia mais

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen Análise de projetos utilizando o software RETScreen Apresentação Grupo SAGE Serviço de Apoio à Gestão Empresarial Fundação: Maio de 1997 Sede: Rio de Janeiro Filiais: Brasília e Quito/Equador Mercado:

Leia mais

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Prof. Alan Schmitt 1 Estágios de LIMPEZA Limpeza pode ser entendida como inspeção, para encontrar e eliminar problemas que possam se apresentar Limpeza Geral Limpar tudo Varrer

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Eficiência Energética no parque fabril WEG

Eficiência Energética no parque fabril WEG Eficiência Energética no parque fabril WEG Motores Tintas Unidades de Negócio Automação Energia Transmissão & Distribuição NEGÓCIO WEG A Solução Global com máquinas elétricas e automação para a indústria

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO SISTEMA DE SELEÇÃO USINICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA ISO 14000

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Estudo sobre a Comunicação na Crise Hídrica no Brasil 2015

Estudo sobre a Comunicação na Crise Hídrica no Brasil 2015 Estudo sobre a Comunicação na Crise Hídrica no Brasil 2015 2015 ABERJE Estudo sobre a Comunicação na Crise Hídrica no Brasil 2015 Concepção e planejamento: Prof. Dr. Paulo Nassar Coordenação: Carlos A.

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé)

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Objetivo do Projeto: Promover o correto gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos nas Cidades de pequeno e médio porte. ( população

Leia mais

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini GESTÃO AMBIENTAL EM SUBESTAÇÕES AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL COM VISTAS A PRESERVAR A IMAGEM DA CIA E GARANTIR A SUSTENTABILIDADE DE SEUS NEGÓCIOS José Mario Dionizio

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

9 entidades + de 100 empresas fabricantes ASSOCIADAS DISTRIBUIDORES E COOPERATIVAS SEGMENTOS DO AGRONEGÓCIO PRODUTORES RURAIS FABRICANTES

9 entidades + de 100 empresas fabricantes ASSOCIADAS DISTRIBUIDORES E COOPERATIVAS SEGMENTOS DO AGRONEGÓCIO PRODUTORES RURAIS FABRICANTES SISTEMA CAMPO LIMPO L O G I S T I C A BRASIL POSSUI 1,7 MILHÕES DE KM DE RODOVIAS 12% PAVIMENTADAS (90% PISTAS SIMPLES) 62% APRESENTAM ALGUM TIPO DE PROBLEMA RESPONDE POR 61% DE TODO TRAFEGO DE MERCADORIAS

Leia mais

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Este sistema garante tratamento e destino adequado aos resíduos gerados na cidade, de modo que eles não

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Conscientização: Banners com informações direcionadas para as diversas áreas. Máquina injetora antes da instalação da manta térmica Máquina injetora após

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas

Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas Prof. Dr. Alcides Lopes Leão alcidesleao@fca.unesp.br UNESP Campus de Botucatu RESIDUALL - Laboratório de Resíduos Sólidos e Compósitos Palestrante

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

REUTILIZAÇÃO 100% Engenheiro Químico Celso Luís Quaglia Giampá

REUTILIZAÇÃO 100% Engenheiro Químico Celso Luís Quaglia Giampá REUTILIZAÇÃO 100% Engenheiro Químico Celso Luís Quaglia Giampá PROJETO FÊNIX IMPLANTANDO SOLUÇÃO GERENCIAMENTO DOS RSU EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONTINUADA NA POPULAÇÃO COLETA SELETIVA PARA RESÍDUOS SECOS E ÚMIDOS

Leia mais

Automotive Logistics José Ricardo Chiarello - Volkswagen do Brasil

Automotive Logistics José Ricardo Chiarello - Volkswagen do Brasil Automotive Logistics José Ricardo Chiarello - Volkswagen do Brasil Agenda 1 O Grupo Volkswagen e a Volkswagen do Brasil em números 2 O Custo Brasil 3 Globalização x Custo Brasil Impactos na Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro. Fernando de Castro Presidente

Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro. Fernando de Castro Presidente Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro Fernando de Castro Presidente Quem Somos Grupo de empresários preocupados em: o Contribuir com políticas de desenvolvimento para o Brasil o Participação do

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná (Guaraná Antarctica) Maior

Leia mais

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO!

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! É crescente a preocupação brasileira com as questões ambientais, principalmente quando constatamos que os níveis de poluição e de produção de

Leia mais

Banco de Boas Práticas

Banco de Boas Práticas Banco de Boas Práticas Nome do Projeto São Vicente Sustentável Objetivos - Identificar e minimizar os impactos de cada loja, focando no consumo e desperdício de água e energia; - Minimizar e realizar a

Leia mais

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Viabilidade, Projeto e Execução Análise de Investimento em Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis São Paulo, 19 de agosto de 2008 Luiz Henrique Ceotto Tishman

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

Avaliação do Impacto sobre o Meio Ambiente. Abrangência. Frequência ou Probab. Incidência. Serviços Internos. 2 Regional. Baixa. Local. Baixa.

Avaliação do Impacto sobre o Meio Ambiente. Abrangência. Frequência ou Probab. Incidência. Serviços Internos. 2 Regional. Baixa. Local. Baixa. fl. de 5 Endereço Aprovado Data Rev. UNIOP-SP Av. Paulista, 0 São Paulo SP 9º, 5º, 7º e 8º andares JMn (SESMS) 0/08/4 C Atividade Aspecto Ambiental Impacto Todas Emissão Atmosférica (Incêndio) Geração

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASCAVEL SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR.

MUNICÍPIO DE CASCAVEL SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR. MUNICÍPIO DE CASCAVEL SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR. KEILA KOCHEM ENG.ª AMBIENTAL DIVISÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

O Meio Ambiente e a Indústria da Construção. Andre Aranha Campos Coordenador do COMASP Conselheiro do SindusCon-SP

O Meio Ambiente e a Indústria da Construção. Andre Aranha Campos Coordenador do COMASP Conselheiro do SindusCon-SP O Meio Ambiente e a Indústria da Construção Andre Aranha Campos Coordenador do COMASP Conselheiro do SindusCon-SP SEMINÁRIO TÉCNICO SEGURANÇA E SAÚDE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 03 de fevereiro de 2012

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Ações para Sustentabilidade. Márcio Alvarenga Miranda

Ações para Sustentabilidade. Márcio Alvarenga Miranda Ações para Sustentabilidade Márcio Alvarenga Miranda Junho / 2015 Institucional 143 anos de atuação sem interrupção de atividades; primeira companhia aberta de capital privado do país; terceira maior indústria

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013 Resultados 4T12 Fevereiro, 2013 Principais destaques de 2012 Operacional Geração de energia 27% superior à garantia física e 3% acima da registrada em 2011 - Exposição ao mercado spot de 4,4% de setembro

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA jscolforo@ufla.br Câmpus da UFLA em 2015 Discentes graduação:11.607 Discentes pós-graduação: 2.184 Técnicos: 563 Docentes: 603

Leia mais

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 VII Recicle CEMPRE Ricardo Rolim Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná

Leia mais

Soluções em Gestão Ambiental

Soluções em Gestão Ambiental Soluções em Gestão Ambiental QUEM SOMOS A Silcon Ambiental Empresa de engenharia ambiental, especializada em serviços e soluções para o gerenciamento, tratamento e destinação final de resíduos e na produção

Leia mais

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A.

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Apresentação Thiago Flores dos Santos Gerente da Assessoria de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental EMENTA 1 2 3 Motivação

Leia mais

André Luis Saraiva. andresaraiva@prac.com.br (11) 3511.3889 WWW.PRAC.COM.BR

André Luis Saraiva. andresaraiva@prac.com.br (11) 3511.3889 WWW.PRAC.COM.BR André Luis Saraiva andresaraiva@prac.com.br (11) 3511.3889 WWW.PRAC.COM.BR Seja bem vindo!! O PRAC - Programa de Responsabilidade Ambiental Compartilhada foi idealizado em 2000, em virtude da publicação

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Contribuição do Projeto Melhoria do processo de eficiência energética através da substituição do processo de pintura automotiva para o desenvolvimento sustentável Introdução:

Leia mais

IX FÓRUM NACIONAL DE LOGÍSTICA & SEMINÁRIO INTERNACIONAL Rio de Janeiro, 18 a 20 de agosto 2003 PALESTRANTES:

IX FÓRUM NACIONAL DE LOGÍSTICA & SEMINÁRIO INTERNACIONAL Rio de Janeiro, 18 a 20 de agosto 2003 PALESTRANTES: IX FÓRUM NACIONAL DE LOGÍSTICA & SEMINÁRIO INTERNACIONAL Rio de Janeiro, 18 a 20 de agosto 2003 PALESTRANTES: Richard Schues Diretor, VW Transport Fabio Luis Fontes Coordenador do Projeto, VW Transport

Leia mais

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Contexto e Desafios Criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Em ago.2010 o Presidente Lula sancionou a Lei 12.305 que estabelece

Leia mais

BRASIL - 170 MILHÕES DE HABITANTES. - Taxa média de crescimento nos últimos 10 anos: 1,5 %

BRASIL - 170 MILHÕES DE HABITANTES. - Taxa média de crescimento nos últimos 10 anos: 1,5 % REALIZAÇÃO GLOBAL BRASIL - 170 MILHÕES DE HABITANTES - Taxa média de crescimento nos últimos 10 anos: 1,5 % - Previsão de crescimento da população: 2,5 milhões habitantes/ano ESTADO DE SÃO PAULO -35,1

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

SOLUÇÕES PARA A GESTÃO DE RCD NOS MUNICÍPIOS E A PARTICIPAÇÃO DAS CONSTRUTORAS. Urbanista Tarcísio de Paula Pinto I&T Gestão de Resíduos

SOLUÇÕES PARA A GESTÃO DE RCD NOS MUNICÍPIOS E A PARTICIPAÇÃO DAS CONSTRUTORAS. Urbanista Tarcísio de Paula Pinto I&T Gestão de Resíduos SOLUÇÕES PARA A GESTÃO DE RCD NOS MUNICÍPIOS E A PARTICIPAÇÃO DAS CONSTRUTORAS Urbanista Tarcísio de Paula Pinto I&T Gestão de Resíduos RCD NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS PLANOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS Plano

Leia mais

PLANO DE GESTÃO E DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE AÇÃO 2015 OBJETIVOS AÇÕES RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA INDICADORES META 2015 RECURSOS

PLANO DE GESTÃO E DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE AÇÃO 2015 OBJETIVOS AÇÕES RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA INDICADORES META 2015 RECURSOS MACROÁREA: ENERGIA Prover maior eficiência às Instalações elétricas gerais Prover maior eficiência na organização da manutenção Estimular boas práticas sustentáveis sobre energia elétrica Prover maior

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo

Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo Metodologia de Criação e Revisão do Manuais de Procedimentos de Trabalho na AES Eletropaulo Alexandre Amaral dos Santos - AES Eletropaulo Gerência de Engenharia da Distribuição E-mail: alexandre.amaral@aes.com

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001

ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001 ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001 Responda as questões abaixo relacionadas a Sistema de Gestão Ambiental (SGA). Nas questões indique Evidências, Critérios e Não Conformidades das questões enunciadas. Utilize como

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Projeto: Redução do Consumo de Água Captada do Rio Canoas Organização: Klabin Página: 1/1 PÁGINA 1: Inform ações cadastrais: P1: Título do projeto am biental

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS

INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS Fundada em 1970, a 3RHO Interruptores Automotivos tem como principal objetivo, atender o mercado de reposição (Aftermarket), oferecendo aos seus clientes produtos com

Leia mais

MANUAL DE INDICADORES DE DESEMPENHO AMBIENTAL (indústria gráfica)

MANUAL DE INDICADORES DE DESEMPENHO AMBIENTAL (indústria gráfica) MANUAL DE INDICADORES DE DESEMPENHO AMBIENTAL (indústria gráfica) Apresentação: Este manual foi elaborado por um grupo de especialistas, membros da Comissão de Estudo de Questões Ambientais e Segurança

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

VOLKSWAGEN Transport of South America. CNT i Moniloc. Agosto 2005

VOLKSWAGEN Transport of South America. CNT i Moniloc. Agosto 2005 VOLKSWAGEN Transport of South America CNT i Moniloc Agosto 2005 Agenda Cenário Volkswagen Transport Desafio : Milkrun Brasil Solução : CNT Intelligence Resultados Experiência do Processo Cenário Volkswagen

Leia mais