Eduardo Batarda, Reserva, 1988 Fundo de pintura do MFAP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eduardo Batarda, Reserva, 1988 Fundo de pintura do MFAP"

Transcrição

1 Eduardo Batarda, Reserva, 1988 Fundo de pintura do MFAP PLANO DE ACTIVIDADES/2011

2 VIISÃO RIIGOR MIISSÃO FIIABIILIIDADE QUALIIDADE PROACTIIVIIDADE PLANO DE ACTIVIDADES/2011

3 Secretaria-Geral do Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção de Serviços de Inovação e Qualidade Rua da Alfândega n.º Lisboa Tel.: Fax: PLANO DE ACTIVIDADES /2011

4 INDICE I INTRODUÇÃO MISSÃO, VISÃO E ATRIBUIÇÕES. 5 II PRIORIDADES ESTRATÉGICAS E PLANEAMENTO DA SUA OPERACIONALIZAÇÃO. 8 QUAR da SGMFAP. 10 III INICIATIVAS E PROJECTOS 11 IV RECURSOS HUMANOS E FINANCEIROS 21 V ANEXOS: ANEXO A Aplicação do BSC ao planeamento estratégico e operacional ANEXO B Actividade Corrente prevista ANEXO C Formação Profissional PLANO DE ACTIVIDADES /2011

5 I INTRODUÇÃO MISSÃO, VISÃO E ATRIBUIÇÕES Plano de Actividades/2011 5

6 INTRODUÇÃO I INTRODUÇÃO A missão da Secretaria-Geral do Ministério das Finanças e da Administração Pública é determinada pelo número 1 do Artigo 2º do Decreto Regulamentar n.º 20/2007, de 29 de Março, nos termos do qual compete à SGMFAP «assegurar o apoio técnico e administrativo aos gabinetes dos membros do Governo integrados no MFAP e aos demais órgãos e serviços nele integrados, nos domínios da gestão de recursos internos, do apoio técnicojurídico e contencioso, da documentação e informação e da comunicação e relações públicas». Esta missão é corporizada pelo conjunto de atribuições 1 cometidas à Secretaria-Geral que consubstanciam, não só a sua natureza, características e papel específico no seio do MFAP, mas também as inequívocas responsabilidades da organização perante os seus stakeholders e múltiplos destinatários, interlocutores, ou utilizadores. São asseguradas actividades diversificadas, maioritariamente com carácter re/corrente, tipicamente de suporte, sustentadas por tarefas de custeio, em prol deste vasto conjunto de clientes, sendo de assinalar o volume, variedade e, em certos casos, a não despicienda complexidade das matérias tratadas, bem como a não subestimável exigência de alguns assuntos e processos de trabalho. Por determinações jurídico-administrativas ou para cumprimento tempestivo de orientações da tutela é imperativo e crucial assegurar respostas céleres e adequadas a situações e solicitações do mais diverso teor, o que exige uma estrutura organizacional interna flexível e ajustada a esta tipologia de procura, caracterizada por uma razoável imprevisibilidade. Assim, a referida estrutura traduz-se em 6 Direcções de Serviços, 4 Divisões e 6 Secções, sendo de destacar a área de Gestão de Recursos que, pela abrangência das suas funções e competências, garante a operacionalização da principal vocação e da missão primordial da Secretaria-Geral, agregando consequentemente a maior percentagem do total da força de trabalho da SGMFAP (46% dos postos de trabalho previstos para 2011). A actividade prosseguida, à luz de alguns dos valores de referência do serviço público, ambiciona antecipar e consolidar a visão traduzida na frase: Firmar a identidade da SGMFAP no quadro do Ministério das Finanças e da Administração Pública, afirmando-a como Organismo de referência pela qualidade, fiabilidade, eficácia e eficiência dos serviços prestados. 1 Conforme número 2 do Artigo 2º do Decreto Regulamentar n.º 20/2007, de 29 de Março que aprova a Orgânica da SGMFAP Plano de Actividades/2011 6

7 INTRODUÇÃO Enquadrado pelos normativos legais aplicáveis, anexa-se ao presente documento o planeamento da designada actividade corrente para 2011, bem como o plano de frequência de acções de formação profissional. O contexto actual vivido no país repercute-se na sociedade, nos cidadãos e em todas as organizações, privadas ou públicas. As fortes condicionantes macroeconómicas e financeiras restringem necessariamente a concretização de algumas iniciativas e poderão afectar projectos menos prioritários da Secretaria-Geral, inicialmente previstos para No quadro das orientações da política governativa, procurou equacionar-se um contributo de valor para o MFAP, subjacente à preparação do planeamento para 2011, centrando-o na priorização de todas as iniciativas conducentes a uma gestão eficiente dos recursos e meios disponíveis, sem descurar os padrões de qualidade na prestação de serviços que se tem vindo a procurar alcançar. As propostas e decisões tomadas foram incluídas quer no QUAR, quer no presente documento. Partindo da convicção de que a trajectória anteriormente prosseguida adopção da metodologia do BSC para sustentar o planeamento continuava a revelar-se uma mais-valia para a SGMFAP, pela sua flexibilidade e adequação, optou-se pela sua consolidação e aperfeiçoamento em O Sistema Informático de Monitorização de Desempenho global da SGMFAP permitirá acompanhar o desenvolvimento de projectos e iniciativas, avaliar o comportamento e os progressos sectoriais dos objectivos operacionais e monitorizar periodicamente os principais indicadores de desempenho organizacional, de acordo com o que se estipula no SIADAP 2, materializando a exigência de transparência, responsabilidade e fiabilidade na gestão do desempenho. 2 Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública, Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro Plano de Actividades/2011 7

8 II PRIORIDADES ESTRATÉGICAS E PLANEAMENTO DA SUA OPERACIONALIZAÇÃO Plano de Actividades/2011 8

9 PRIORIDADES ESTRATÉGICAS E SUA OPERACIONALIZAÇÃO Após decisão da Senhora Secretária-Geral sobre a definição dos objectivos estratégicos plurianuais para o período 2011/2013, decorrentes da carta de missão, foram necessariamente efectuadas as opções conducentes à sua operacionalização. Esta encontra-se explicitada no documento em ANEXO A Aplicação do BSC ao planeamento estratégico e operacional -, concretamente nos mapas estratégicos para a Secretaria-Geral, que incluem as perspectivas Cliente/Financeira/Processos e Recursos. Foram ainda definidos e constam igualmente do ANEXO A: os contributos ponderados dos objectivos operacionais das Unidades Orgânicas para cada objectivo estratégico e operacional da SGMFAP e para a concretização da estratégia global; os ScoreCards sectoriais das Unidades Orgânicas, que procuraram traduzir alinhamentos coerentes com a estratégia institucional; os indicadores e metas associados aos objectivos operacionais das Direcções de Serviços e Divisões. Este trabalho envolveu todos os níveis de decisão e exigiu a colaboração de todos os dirigentes, pois havia ainda que elaborar a proposta do Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) da Secretaria-Geral para 2011, a remeter ao GPEARI para validação e futura aprovação por parte do Senhor Ministro de Estado e das Finanças, nos termos do SIADAP. Transcreve-se parcelarmente a proposta do QUAR da SGMFAP para 2011, cuja versão integral, uma vez validada e aprovada, será disponibilizada na página da Internet da Secretaria-Geral, em em cumprimento do disposto no nº 2 e no nº 5 do Artigo 10º da Lei Nº 66-B/2007, de 28/12. Plano de Actividades/2011 9

10 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO (QUAR 2011) Plano de Actividades/

11 III INICIATIVAS E PROJECTOS Plano de Actividades/

12 INICIATIVAS E PROJECTOS 2011 PROJECTOS SÚMULA Observa-se a manutenção da aposta no desenvolvimento de projectos e iniciativas de melhoria por parte das subunidades orgânicas internas, registando-se a apresentação de 22 projectos a desenvolver em 2011, face aos 20 programados para À semelhança do ano anterior, a participação nas intervenções no âmbito dos protocolos de cooperação PICATFin com a República de Cabo-Verde, com a República da Guiné-Bissau e com a República de Timor-Leste representa 50% do total dos projectos previstos para No entanto, dada, nomeadamente, a actual situação conjuntural, que determina prioridades e exige contenção no uso de recursos públicos, verifica-se um certo grau de incerteza e imprevisibilidade associado ao desenvolvimento das acções de cooperação planeadas, assinalado por alguns dos departamentos envolvidos. Salienta-se o nível de esforço necessário e previsível dos recursos humanos internos envolvidos, tanto mais significativo quanto se constata, em relação ao ano anterior e, apenas no conjunto das Direcções de Serviços que apresentam projectos, não só a redução de11 postos de trabalho previstos para 2011, como também o acréscimo de afectação das equipas a estas iniciativas, especialmente os da Direcção de Serviços de Arquivos e Documentação (DSAD) 10% em 2011/8,4 em e os da Direcção de Serviços de Gestão de Recursos (DSGR) 3% em 2011/1,8 em São de mencionar algumas parcerias e colaboração com o Instituto de Informática e com outros organismos do MFAP, bem como com a Secretaria-Geral do Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento. Seguidamente, apresenta-se uma síntese dos aspectos mais relevantes do conjunto de projectos planeados, registando-se: os seus objectivos, indicadores e metas; o prazo de operacionalização previsto; os recursos financeiros e humanos afectos a cada projecto. Plano de Actividades/

13 INICIATIVAS E PROJECTOS 2011 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE INOVAÇÃO E QUALIDADE DESIGNAÇÃO OBJECTIVOS INDICADORES METAS PROJECTO 1/DSIQ 3 Sistema de Gestão Documental e Workflow Janeiro - Dezembro 2011 Implementar/Formar os utilizadores nas novas funcionalidades do Sistema de Gestão Documental (continuação) % de utilizadores a utilizar a nova versão do Sistema de Gestão Documental 50% PROJECTO 2/DSIQ Webização dos Sistemas Aplicacionais Janeiro - Dezembro 2011 integração do scorecard no Sharepoint 2010 elaboração de relatórios mais simples e sofisticados com as componentes do Microsoft Business Intelligence formação nas componentes de Microsoft Business Intelligence Integração do Plano de Actividades (gestão de actividade corrente) Índice de reconhecimento da ferramenta de Monitorização na SGMFAP 3,7 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE RECURSOS DESIGNAÇÃO OBJECTIVOS INDICADORES METAS COOPERAÇÃO PICATFIN GUINÉ-BISSAU 4 PROJECTO 1/DSGR-DGAP Projecto 3.3 Recursos Humanos Janeiro - Junho 2011 PROJECTO 2/DSGR-DGAP 5 Projectos 1.3 e 1.4 Centro de Formação Janeiro - Junho 2011 PROJECTO 4/DSGR-DPI 6 Recursos patrimoniais Março - Dezembro 2011 Capacitar os funcionários da SGMF da Guiné-Bissau com conhecimentos que lhes permitam aplicar o documento orientador na área de recursos humanos, bem como a sua actualização. Apresentação de proposta de modelo de gestão do Centro de Formação e formação sobre a implementação do modelo de gestão adoptado. Apoio na área de recursos patrimoniais: capacitar os trabalhadores da SGMF da GB com conhecimentos que lhes permitam aplicar o documento orientador da actividade de recursos patrimoniais Data de Conclusão Data de Conclusão Data Calendário 1º semestre de º semestre de 2011 Concluído até 31 de Dezembro 3 Na sequência do corte orçamental existente em 2010, verificou-se a necessidade de efectuar o upgrade (mudança para uma nova versão) da solução de Gestão Documental em uso na SGMFAP, em vez de efectuar a sua substituição como estava previsto. 4 Programa Indicativo de Cooperação Portugal Guiné-Bissau para o quadriénio , no âmbito do Projecto PICATFin. 5 Aguarda-se resposta dos Técnicos do Ministério das Finanças da Guiné-Bissau relativamente à disponibilização do espaço físico para a implementação do Centro de Formação. 6 A execução do projecto depende da notificação do GPEARI Plano de Actividades/

14 INICIATIVAS E PROJECTOS 2011 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE RECURSOS (cont.) DESIGNAÇÃO OBJECTIVOS INDICADORES METAS COOPERAÇÃO PICATFIN CABO VERDE 7 PROJECTO 3/DSGR-DGAP Projecto 1.3 b) Recursos Humanos Janeiro - Junho 2011 PROJECTO 5/DSGR-DPI 8 Gestão Patrimonial Março - Dezembro 2011 Capacitar os funcionários da SGMF de Cabo Verde com conhecimentos que lhes permitam aplicar o Manual na área de recursos humanos, bem como a sua actualização. Elaboração de manuais e instruções/procedimentos regulamentadores e formação na área de Gestão Patrimonial (Acompanhamento da Elaboração do Cadastro de Bens Móveis; Formação em Gestão de Manutenção; Formação sobre Gestão da Frota de veículos) Data de Conclusão Data Calendário 1º semestre de 2011 Concluído até 31 de Dezembro COOPERAÇÃO PICATFIN TIMOR-LESTE PROJECTO 6/DSGR- DPI 9 Recursos patrimoniais Março - Dezembro 2011 Apoio na área de recursos patrimoniais (Apoio Jurídico na Regulamentação das áreas do Inventário dos Bens Móveis e Gestão Técnica das Viaturas do Estado --- Levantamento de diagnóstico para elaboração de projectos de diplomas legais relativos às áreas do inventário dos Bens Móveis e Gestão Técnica das Viaturas do Estado) Data Calendário Concluído até 31 de Dezembro PROJECTO 7/DSGR- DPI Unidade de Gestão Patrimonial Janeiro - Março 2011 Assegurar, no domínio de actuação da SGMFAP-UGP, o cumprimento do Programa de Gestão de Património Imobiliário do Estado (PGPI) Data Calendário Concluído até 31 de Dezembro PROJECTO 8/DSGR- DPI Segurança e Reabilitação do Edifício-sede do MFAP Concepção, construção e remodelação de instalações. Data Calendário Concluído até 12 de Dezembro Março - Dezembro Programa Indicativo de Cooperação Portugal Cabo Verde para o quadriénio , no âmbito do Projecto PICATFin. 8 Dependente da notificação do GPEARI para avançar com as acções. 9 Dependente da notificação do GPEARI para avançar com o projecto. Plano de Actividades/

15 INICIATIVAS E PROJECTOS 2011 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO JURÍDICO E CONTENCIOSO DESIGNAÇÃO OBJECTIVOS INDICADORES METAS COOPERAÇÃO PICATFIN TIMOR-LESTE PROJECTO 1/DSAJC Apoio Jurídico e Contencioso Projecto trienal ( ) Janeiro Dezembro 2012 Prestar Apoio Jurídico e Contencioso Nº de formandos capacitados Nº de solicitações satisfeitas 90% dos pedidos DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUIVOS E DOCUMENTAÇÃO DESIGNAÇÃO OBJECTIVOS INDICADORES METAS PROJECTO 1/DSAD Tratamento documental de acervos bibliográficos de organismos extintos do MFAP entregues à SGMFAP Janeiro - Dezembro 2011 Avaliar, tratar e disponibilizar no Catálogo Central os acervos bibliográficos provenientes de organismos extintos do MFAP entregues à Secretaria-Geral Nº de metros lineares de documentação avaliada, tratada e disponibilizada, face ao actualmente existente no depósito. Tratar bibliograficamente até % dos metros ocupados da Documentação constituída por monografias e publicações periódicas existente no Depósito, 390 metros lineares em PROJECTO 2/DSAD Disponibilizar na Biblioteca Digital Europeia os conteúdos digitais da Biblioteca Digital do MFAP Janeiro - Dezembro 2011 Contribuir através da Europeana local para o alargamento da rede europeia de repositórios digitais e alargar o universo de potenciais utilizadores de conteúdos nas áreas de especialização do MFAP. Nº de objectos digitais existentes na biblioteca digital do MFAP enviados para disponibilização na Europeana Preparar os 31 objectos digitais existentes na Biblioteca Digital do MFAP em Dezembro de 2010 para serem disponibilizados na Biblioteca digital europeia - Europeana até PROJECTO 3/DSAD 10 Catálogo Central Parceria com o Instituto de Informática e outros organismos do MFAP Janeiro - Dezembro 2011 Integração numa única base de dados bibliográfica de toda a informação existente nas bibliotecas e/ou Centros de documentação dos organismos do MFAP, de forma a racionalizar recursos financeiros, patrimoniais e humanos Nº de Organismos participantes no Catálogo Central em 2011 Integração no Catálogo Central de 50% dos potenciais organismos aderentes 10 O desenvolvimento deste Projecto está dependente da parceria com o Instituto de Informática e dos organismos do MFAP aderentes ao Projecto. Plano de Actividades/

16 INICIATIVAS E PROJECTOS 2011 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUIVOS E DOCUMENTAÇÃO (Cont.) DESIGNAÇÃO DESIGNAÇÃO DESIGNAÇÃO DESIGNAÇÃO COOPERAÇÃO PICATFIN GUINÉ-BISSAU 11 PROJECTO 4/DSAD Implementação de um Centro de Documentação na SGMFAP Janeiro - Dezembro 2011 PROJECTO 5/DSAD Implementação de um Arquivo Corrente no MFAP Janeiro - Dezembro 2011 Implementar um Centro de Documentação na SGMFAP, de forma a permitir uma eficiente e eficaz recuperação da informação Implementar um Arquivo Corrente na SGMFAP, de forma a permitir uma rápida e eficiente recuperação da documentação de arquivo. Nº de documentos tratados e disponíveis para consulta na base de dados bibliográfica ou num sistema manual. 1 Plano de classificação 1 Projecto de Avaliação de documentos Regulamento de arquivo Em 2012 ter implementado um Centro de Documentação Em Dezembro de 2012 ter implementado um sistema de gestão documental manual ou informatizado PROJECTO 6/DSAD Exposição Comemorativa do Centenário da República Lei de separação da Igreja do Estado Dar a conhecer documentação histórica do ACMF relativa ao tema Lei de separação da Igreja do Estado Cumprimento de cada uma das etapas propostas 12 Inaugurar e manter a exposição de Abril a Agosto de 2011 Janeiro - Agosto 2011 PROJECTO 7/DSAD Tratamento do acervo documental da Comissão Euro Projecto Bianual ( ), em colaboração com a Secretaria-Geral do Ministério da Economia e Inovação Janeiro - Dezembro 2011 Reunir, tratar e disponibilizar a informação contida no fundo documental da Comissão Euro à guarda da SGMFAP e da SGMEI N.º de registo em base de dados Nº de documentos transferidos de suporte Descrição, transferência de suporte e disponibilização na Internet da documentação pertencente ao Fundo da Comissão Euro até Estes Projectos têm sofrido alterações de calendarização devido a razões exógenas à Secretaria-Geral nomeadamente: 1. Inexistência, no Ministério das Finanças da GB, de um espaço físico adequado, quer para a instalação e organização do Centro de Documentação, quer para instalar e organizar o arquivo corrente e o histórico (processos individuais dos funcionários do período colonial); 2 Reduções orçamentais atribuídas aos Projectos PICATFIN para As acções referentes a estes Projectos só terão início efectivo em 2011 pelo que o período de realização inicialmente previsto ( ) foi objecto de recalendarização. 12 Contactos com a Comissão do Centenário da República; Selecção da documentação a expor e elaboração de textos; Elaboração do caderno de encargos, adjudicação a empresa de montagem da exposição; Acompanhamento da montagem da exposição; Realização da exposição. Plano de Actividades/

17 INICIATIVAS E PROJECTOS 2011 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUIVOS E DOCUMENTAÇÃO (Cont.) DESIGNAÇÃO OBJECTIVOS INDICADORES METAS PROJECTO 8/DSAD Tratamento Documental do Arquivo Intermédio da SGMFAP Projecto bianual Janeiro - Dezembro 2011 COOPERAÇÃO PICATFIN TIMOR-LESTE 13 COOPERAÇÃO PICATFIN CABO VERDE PROJECTO 9/DSAD Implementação de um Arquivo Corrente e de um Centro de Documentação na Direcção-Geral dos Serviços Corporativos Julho - Dezembro 2011 Projecto 10/DSAD 14 Implementação de um Centro de Documentação no MFAP Janeiro - Junho 2011 Inventariação, descrição, avaliação da documentação e aplicação dos prazos consignados na tabela de avaliação. Tratamento ao nível do processo das Séries documentais Processos individuais e de vencimentos dos Funcionários da Secretaria-Geral, Gabinetes Governamentais e das Estruturas de Missão. Implementar um Arquivo Corrente e um Centro de Documentação na Direcção-Geral dos Serviços Corporativos, de forma a permitir uma rápida e eficiente recuperação da documentação de arquivo e biblioteca Implementar um Centro de Documentação nos Serviços de Administração do MFAP, de forma a permitir uma gestão integrada da documentação existente e a possibilitar uma rápida e eficiente recuperação da informação através de uma base de dados bibliográfica Nº de metros lineares de documentação tratada. Questionário de satisfação / avaliação da formação desenvolvida Nº total de documentos seleccionados para disponibilização na base de dados bibliográfica Nº de documentos tratados e disponíveis para consulta na base de dados bibliográfica DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÂO E RELAÇÕES PÚBLICAS Em 31 de Dezembro de 2011 estarem avaliados e tratados 200 m lineares de documentação Em Dezembro de 2011 ter concluído a 1ª etapa do Programa. Em 2011 ter em funcionamento um Centro de Documentação com a Documentação tratada num sistema integrado de informação. (aquisição, catalogação, cotação, indexação e armazenamento) DESIGNAÇÃO OBJECTIVOS INDICADORES METAS PROJECTO 1/DSIRP Restauro do património cultural móvel a cargo da SGMFAP Janeiro - Abril 2011 Restauro do património histórico e cultural que se encontra a cargo da SG Nº de obras restauradas Qualidade das intervenções Proteger a qualidade e valor das peças pertencentes ou mantidas em depósito no MFAP 13 O Projecto encontra-se programado mas ainda não foi assinado pelos Ministros das Finanças dos dois países. 14 A realização do Workshop fontes de Informação na Intranet, que encerrará este projecto, está dependente das disponibilidades financeiras do projecto PICATFin CV e do interesse manifestado pelo Ministério das Finanças de Cabo Verde. Plano de Actividades/

18 INICIATIVAS E PROJECTOS 2011 PREVISÃO DE AFECTAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS E FINANCEIROS A PROJECTOS Unidades Orgânicas DSIQ Recursos Humanos 1 Director Serviços 1 Especialista de Inform 1 Director Serviços 1 Especialista de Inform 1 Técnico Inform 2 Técnicos Superiores Afectação % a Projectos *20 Projectos PROJECTO 1/DSIQ Sistema de Gestão Documental e Workflow PROJECTO 2/DSIQ Webização dos Sistemas Aplicacionais Recursos Financeiros (NB) Financiamento Nacional PIDDAC PIDDAC 2011 Financiamento Comunitário 2 Técnicos Superiores 2*10 PROJECTO 1/DSGR-DGAP Projecto 3.3 Recursos Humanos PICATFin Cooperação PICATFin - Guiné-Bissau 1 Técnico Superior 20 PROJECTO 2/DSGR-DGAP Projectos 1.3 e 1.4 Centro de Formação PICATFin Cooperação PICATFin - Guiné-Bissau 1 Técnico Superior 5 PROJECTO 3/DSGR-DGAP Projecto 1.3 b) Recursos Humanos PICATFin Cooperação PICATFin Cabo Verde DSGR 1 Chefe de Divisão 3 PROJECTO 4/DSGR-DPI Recursos patrimoniais Cooperação PICATFin - Guiné-Bissau PICATFin 1 Chefe de Divisão 1 Técnico Superior 1 Coordenador Técnico 5 1,5 1,5 PROJECTO 5/DSGR-DPI Gestão Patrimonial Cooperação PICATFin Cabo Verde PICATFin 1 Chefe de Divisão 5 PROJECTO 6/DSGR-DPI Recursos patrimoniais PICATFin Cooperação PICATFin Timor-Leste 1 Chefe de Divisão 1 Técnico Superior PROJECTO 7/DSGR-DPI Unidade de Gestão Patrimonial OF 1 Chefe de Divisão 2 Técnicos Superiores 1 Coordenador Técnico 1 Assistente Técnico 1 Assistente Operacional PROJECTO 8/DSGR-DPI Segurança e Reabilitação do Edifíciosede do MFAP PIDDAC 2011 DSAJC 1 Director Serviços 1 Técnico Superior A definir PROJECTO 1/DSAJC Apoio Jurídico e Contencioso Cooperação PICATFin Timor-Leste PICATFin 1 Director Serviços 2 Técnicos Superiores PROJECTO 1/DSAD Tratamento documental de acervos bibliográficos de organismos extintos do MFAP entregues à SGMFAP OF DSAD 1 Director Serviços 1 Técnico Superior 5 5 PROJECTO 2/DSAD Disponibilizar na Biblioteca Digital Europeia os conteúdos digitais da Biblioteca Digital do MFAP OF 1 Director Serviços 2 Técnicos Superiores PROJECTO 3/DSAD Catálogo Central OF Plano de Actividades/

19 INICIATIVAS E PROJECTOS 2011 PREVISÃO DE AFECTAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS E FINANCEIROS A PROJECTOS Unidades Orgânicas Recursos Humanos Afectação % a Projectos Projectos Recursos Financeiros (NB) Financiamento Nacional Financiamento Nacional 1 Director Serviços 2 Técnicos Superiores 5 2*5 PROJECTO 4/DSAD Implementação de um Centro de Documentação no Ministério das Finanças e da Administração Pública da República da Guiné-Bissau PICATFin Cooperação PICATFin - Guiné-Bissau 1 Director Serviços 2 Técnicos Superiores 5 2*5 PROJECTO 5/DSAD Implementação de um Arquivo Corrente no Ministério das Finanças e da Administração Pública da República da Guiné-Bissau PICATFin Cooperação PICATFin - Guiné-Bissau 1 Director Serviços 4 Técnicos Superiores *2,5-3 PROJECTO 6/DSAD Exposição Comemorativa do Centenário da República Lei de separação da Igreja do Estado OF DSAD 1 Director Serviços 4 Técnicos Superiores *2,5-3 PROJECTO 7/DSAD Tratamento do acervo documental da Comissão Euro Projecto Bianual ( ), em colaboração com a Secretaria-Geral do Ministério da Economia e Inovação OF Fundação Gulbenkian 1 Director Serviços 2 Técnicos Superiores 5 2*20 PROJECTO 8/DSAD Tratamento Documental do Arquivo Intermédio da SGMFAP Projecto bianual PIDDAC Director Serviços 2 Técnicos Superiores PROJECTO 9/DSAD Implementação de um Arquivo Corrente e de um Centro de Documentação na Direcção-Geral dos Serviços Corporativos da República de Timor-Leste PICATFin Cooperação PICATFin Timor-Leste 1 Director Serviços 5 Projecto 10/DSAD Implementação de um Centro de Documentação no Ministério das Finanças e da Administração Pública da República de Cabo Verde Cooperação PICATFin Cabo Verde PICATFin DSIRP 1 Director Serviços 5 PROJECTO1/DSIRP Restauro do património histórico e cultural móvel a cargo da SGMFAP PIDDAC 2011 Plano de Actividades/

20 INICIATIVAS E PROJECTOS 2011 PESO DA AFECTAÇÃO DE RH DAS DIRECÇÕES DE SERVIÇOS (DS) A PROJECTOS 15 Unidade Orgânica Recursos Humanos Postos de trabalho planeados para 2011 Dirigentes Trabalhadores Intermédios Afectação % de RH a projectos da Unidade Orgânica PESO DA AFECTAÇÃO DE RH À ACTIVIDADE CORRENTE Afectação % de RH à actividade corrente da Unidade Orgânica DSIQ 9 1 (AP*100/AT) = 18% 82% DSGR 58 4 (AP*100/AT) =3,04% 96,96% DSAJC 12 1 A definir 100% DSAD 18 2 (AP*100/AT) = 10,05% 89,95% DSIRP 18 1 (AP*100/AT) =0,26% 99,74% UMC % Total SGMFAP (DS) (AP*100/AT) = 4,45% (AT-AP) *100/AT =95,55% AP Soma Afectação a Projectos AT Afectação Total (nos cálculos foi considerado o somatório da afectação à actividade corrente e aos projectos 100% para cada um dos trabalhadores e dirigentes intermédios -, de acordo com os postos de trabalho planeados para 2011) Afectação à Act Corrente Afectação a Projectos SGMFAP UMC DSIRP DSAD DSAJC DSGR DSIQ 4,45% 0% 0,26% 10,05% 0% 3,04% 18% 95,55% 100% 99,74% 89,95% 100% 96,96% 82% Peso relativo da afectação a Projectos por UO 0% Peso relativo da Afectação à Act Corrente por UO 10% 32% 1% 17% 18% 14% 17% 57% 0% 16% 18% DSIQ DSGR DSAJC DSAD DSIRP UMC DSIQ DSGR DSAJC DSAD DSIRP UMC 15 Não se encontram contabilizados 3 cargos de Direcção Superior de 1º e de 2º graus Secretária-Geral e Adjuntos e 8 trabalhadores adstritos aos respectivos Gabinetes destes dirigentes. Plano de Actividades/

21 IV RECURSOS HUMANOS E FINANCEIROS Plano de Actividades/

22 RECURSOS HUMANOS Plano de Actividades/

23 RECURSOS HUMANOS Plano de Actividades/

24 RECURSOS HUMANOS Plano de Actividades/

25 RECURSOS HUMANOS Plano de Actividades/

26 RECURSOS HUMANOS Plano de Actividades/

27 RECURSOS HUMANOS Plano de Actividades/

28 RECURSOS HUMANOS Plano de Actividades/

29 RECURSOS HUMANOS Plano de Actividades/

30 RECURSOS HUMANOS POSTOS DE TRABALHO PARA 2011 MAPA-SÍNTESE Grupo de Pessoal Informática a) Área Funcional Carreira e/ou POSTOS DE Categoria TRABALHO Biblioteca e Arquivo 5 Jurídica e Contencioso Técnica Superior 8 Generalista 34 Subtotal 47 Especialista de Informática a) 2 Informática Técnico de Informática a) 5 Subtotal 7 Biblioteca e Arquivo 5 Relações Pública Assistente Técnico 3 Generalista 43 Coordenação Coordenador Técnico 6 Assistente Operacional Subtotal Subtotal 40 TOTAL 151 b) a) Carreira que ainda não foi objecto de revisão b) Neste total estão incluídos 24 trabalhadores em exercício de funções nos Gabinetes Ministeriais do MFAP (1 técnico de informática, 5 assistentes técnicos e 18 assistentes operacionais) Postos de trabalho planeados para 2011 Distribuição percentual dos trabalhadores por carreiras e/ou categorias 35,00 30,00 31,13 33,77 26,49 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 1,32 3,31 3,97 0,00 Técnica Superior Especialista de Informática Técnico de Informática Coordenador Técnico Assistente Técnico Assistente Operacional Plano de Actividades/

31 RECURSOS HUMANOS Na grelha que se segue, pode observar-se a distribuição da afectação de Recursos Humanos por Unidade Orgânica, de acordo com o número de postos de trabalho planeados para 2011, especificando-se também o número de trabalhadores da Secretaria-Geral afectos aos Gabinetes Ministeriais do MFAP: SIGLA E DESIGNAÇÃO DA UNIDADE N.º POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS ORGÂNICA PARA DESENVOLVIMENTO DAS ACTIVIDADES Trabalhadores da SG em exercício de 24 funções nos Gabinetes Ministeriais GSG e SGA 8 (Gabinete da SG e Adjuntos) DSIQ (Direcção de Serviços de Inovação e 9 Qualidade) DSGR (Direcção de Serviços de Gestão de 58 Recursos) DSAJC (Direcção de Serviços de Apoio Jurídico 12 e Contencioso) DSAD (Direcção de Serviços de Arquivos e 18 Documentação) DSIRP (Direcção de Serviços de Informação e 18 Relações Públicas) UMC 4 (Unidade Ministerial de Compras) TOTAL 151 N.B. O total de postos de trabalho não inclui 3 cargos de direcção superior e 10 de direcção intermédia previstos nos diplomas orgânicos da SGMFAP. O quadro abaixo apresenta a percentagem de afectação dos trabalhadores por Unidade Orgânica interna, de acordo com os postos de trabalho planeados para 2011, verificando-se uma significativa concentração de recursos nas áreas responsáveis pelo maior número de atribuições, com especial destaque para a área de Gestão de Recursos (DSGR). Não se encontram incluídos os dirigentes superiores e intermédios de 1º e de 2º graus, nem os trabalhadores em funções nos Gabinetes Governamentais do MFAP. 14% 3% 6% 7% Direcção DSIQ 14% DSGR 10% 46% DSAJC DSAD DSIRP UMC Plano de Actividades/

32 RECURSOS FINANCEIROS PROJECTO DE ORÇAMENTO DE FUNCIONAMENTO Plano de Actividades/

33 RECURSOS FINANCEIROS PROJECTO DE ORÇAMENTO DE FUNCIONAMENTO Plano de Actividades/

34 RECURSOS FINANCEIROS PROJECTO DE ORÇAMENTO DE FUNCIONAMENTO Plano de Actividades/

autor: Júlio Pomar PLANO DE ATIVIDADES/2012 do Ministério das Finanças Rua da Alfândega n.º 5 1100-016 Lisboa

autor: Júlio Pomar PLANO DE ATIVIDADES/2012 do Ministério das Finanças Rua da Alfândega n.º 5 1100-016 Lisboa autor: Júlio Pomar Título da obra Kuarup I PLANO DE ATIVIDADES/2012 Secretaria-Geral do Ministério das Finanças Rua da Alfândega n.º 5 1100-016 Lisboa Tel.: 21 884 66 95 Fax: 21 884 66 555 Relacoes.Publicas@sgmf.pt

Leia mais

Balanced Scorecard. Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual

Balanced Scorecard. Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual Balanced Scorecard Ano: 2012 Período: Dezembro Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual Contribuir para o aumento da eficiência e eficácia da despesa pública 78,37% 121,27% 122,26% Criar as condições

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

2015 Plano de Atividades

2015 Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades INDICE 1. Introdução missão, visão e atribuições. 3 2. Prioridades estratégicas e planeamento da sua operacionalização 9 3. Iniciativas e projetos... 11 4. Recursos humanos e financeiros.

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2008

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2008 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2008 Abril 2009 DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2008 Abril 2009 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Praça do Comércio 1149-019 Lisboa Homepage: http://www.sg.mj.pt

Leia mais

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011

Planeamento e gestão de recursos. Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 Planeamento e gestão de recursos Jornadas dos assistentes técnicos da saúde Porto 28.05.2011 1 Componentes da Reforma da 2004 Administração Pública ADE LQIP EPD SIADAP 2007 PRACE SIADAP Revisão Estatuto

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2009

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2009 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2009 Abril 2010 DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2009 Abril 2010 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Praça do Comércio 1149-019 Lisboa Homepage: http://www.sg.mj.pt

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL Claustro central do edifício sede do Ministério das Finanças Foto de Luís Grancho, SGMF ANEO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL O Plano de Frequência de ações de formação 2013, adiante incluído, integra o Plano de

Leia mais

A SECRETARIA-GERAL DO ME

A SECRETARIA-GERAL DO ME Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas NOVOS DESAFIOS PARA AS COMPRAS PÚBLICAS A DO ME Mª Ermelinda Carrachás 26 de novembro de 2014 MINISTÉRIO DA ECONOMIA O Ministério da Economia

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SIADAP) (Versão consolidada) 4

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SIADAP) (Versão consolidada) 4 SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SIADAP) Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, alterada pelas Leis n.º s 64-A/2008, de 31 de dezembro 1, 55-A/2010, de 31

Leia mais

SIADAP Lei n.º 66-B/07. Gestão Por Objectivos (GPO)

SIADAP Lei n.º 66-B/07. Gestão Por Objectivos (GPO) SIADAP Lei n.º 66-B/07 Gestão Por Objectivos (GPO) Novas e Melhores Políticas Públicas para novas necessidades. ONTEM AP: Vertical hierarquizada, inflexível A logica da oferta: serviço compartimentalizado

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 EDITOR INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios 4 e Santa Cruz Aeroporto de Lisboa

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

Comissão Técnica do. Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado. Relatório Final V MICRO-ESTRUTURAS

Comissão Técnica do. Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado. Relatório Final V MICRO-ESTRUTURAS Comissão Técnica do Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado Relatório Final V MICRO-ESTRUTURAS 14 MCTES Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Julho/2006) V/14 Micro-Estruturas

Leia mais

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (157) A r t ig o 18 Reuniões do Colectivo de Direcção O Colectivo de Direcção reúne-se ordinariamente uma vez por semana e extraordinariamente quando convocado pelo Ar t ig o

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho

Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções. Documento de trabalho Workshop Para onde vai o seu dinheiro Boas Práticas para o Orçamento da Saúde Antecipar questões em vez de criticar soluções Documento de trabalho Para pedir às pessoas que colaborem activamente na sustentabilidade

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Capital Humano e Desenvolvimento Sustentável Potencial Humano Populações com saúde, educação e bem estar Desenvolvimento Capital Humano Capital Social Democracia

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2009

Avaliação do Desempenho 2009 Relatório Anual Instituto do Desporto de Portugal I.P. Avaliação do 2009 Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do na Administração Pública (SIADAP) Novembro 2010 I Introdução No âmbito da aplicação do

Leia mais

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 1 ÍNDICE 1. A Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO PARLAMENTAR ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DE PORTUGAL E A ASSEMBLEIA NACIONAL DE CABO-VERDE 2015 2017

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO PARLAMENTAR ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DE PORTUGAL E A ASSEMBLEIA NACIONAL DE CABO-VERDE 2015 2017 PROGRAMA DE COOPERAÇÃO PARLAMENTAR ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DE PORTUGAL E A ASSEMBLEIA NACIONAL DE CABO-VERDE 2015 2017 I ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA No âmbito do Protocolo de Cooperação Parlamentar

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

Portaria n.º 376/2007 de 30 de Março

Portaria n.º 376/2007 de 30 de Março Portaria n.º 376/2007 de 30 de Março O Decreto-Lei n.º 96/2007, de 29 de Março, definiu a missão e atribuições do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, I. P., abreviadamente

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Objectivos e Metodologia Sistema Integrado de Gestão Análise

Leia mais

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS APLICAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS -1- AGENDA Quem somos Modelo de Gestão Gestão por Objectivos - BSC Conclusões e Resultados -2- AGENDA Quem somos -3- O QUE FAZEMOS

Leia mais

Lei n.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro Estabelece o sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública

Lei n.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro Estabelece o sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública Lei n.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro Estabelece o sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010 Plano de Actividades Ano Económico 2010 I - Nota Introdutória Ao Conselho de Administração da Assembleia Legislativa, incumbe, entre outras atribuições, exercer a gestão orçamental e financeira da Assembleia,

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior FCT (última actualização 2009/03/09) Missão: A missão da FCT visa o desenvolvimento, financiamento e avaliação

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado

Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado PREMAC Relatório de Execução 15.09.2011 Hélder Rosalino Propósitos gerais: O Governo assumiu, no seu Programa, a urgência de reduzir os custos

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2009

MAPA DE PESSOAL 2009 MAPA DE PESSOAL 2009 Atribuições / Competências/Actividades Administração Competência para coordenar e viabilizar toda a actividade normal e funcional da LIPOR; Executar e velar pelo cumprimento das deliberações

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação do Instituto Português do Sangue,

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL O Plano de Atividades do Conselho Económico e Social para o ano de 2015 foi preparado para cumprimento do que se encontra determinado pela Lei

Leia mais

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA

Leia mais

Assunto: Sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP)

Assunto: Sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP) Ofício Circular 13/GDG/08 Assunto: Sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP) A Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, veio rever e aperfeiçoar o anterior sistema

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS DA DIRECÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE JUSTIÇA EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS DA DIRECÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE JUSTIÇA EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS DA DIRECÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE JUSTIÇA EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção aprovou uma

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

Sistema Central de Encargos Plurianuais

Sistema Central de Encargos Plurianuais Sistema de Informação de Gestão Orçamental Sistema Central de Encargos Plurianuais Manual de Utilizador DSOD/DEQS Histórico de Alterações Versão Data Descrição Autor Data da Aprovação 1.0 2011/04/14 Versão

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE 1.1. Missão 1.2. Público-Alvo 1.3. Linhas de actuação estratégica 1.4. Modalidade de Formação 1.5. Formas de Organização

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE GESTÃO DE RECURSOS 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE MARIA JOSÉ QUINTÃO 1 Índice... 3 1. Enquadramento... 3 2. Alinhamento Estratégico

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público Acordo colectivo de trabalho n.º 12/2011 Acordo

Leia mais

Arquivo Contemporâneo. do Ministério das Finanças. Regulamento

Arquivo Contemporâneo. do Ministério das Finanças. Regulamento Arquivo Contemporâneo do Ministério das Finanças Regulamento Novembro 2011 Capítulo I Disposições Gerais Pelo presente regulamento são estabelecidos os princípios e normas aplicáveis ao Arquivo Contemporâneo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março O presente diploma, procedendo à revisão das carreiras de informática, procura perspectivar a função informática à luz da actual realidade informática, quer do ponto

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Diploma Ministerial 7/2013

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Diploma Ministerial 7/2013 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Diploma Ministerial 7/2013 O Programa do V Governo Constitucional para a Legislatura 2012-2017, apresentado ao Parlamento Nacional em Setembro de 2012, atribui ao sector

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO http://www.tterra.pt/publicacoes/guia_agenda_21.html 1. ENQUADRAMENTO A Agenda 21 Local mais não é do que um Sistema de Sustentabilidade Local (SSL) constituindo

Leia mais

Implementação do Balanced Scorecard

Implementação do Balanced Scorecard Implementação do Balanced Scorecard Lisboa 18.setembro.2014 Rui Mendes (Vice-Presidente da CCDR Alentejo) Razões prévias da implementação BSC Hoje a administração pública p tem uma gestão orientada por

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 --------------------------------------------------------------------------------

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- ALTERAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL DO PARLAMENTO NACIONAL O

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA DA GUINÉ BISSAU E A ASSEMBLEIA NACIONAL DA

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA DA GUINÉ BISSAU E A ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA

Leia mais

autor: Júlio Pomar Título da obra Kuarup I ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Atividades/2012 1

autor: Júlio Pomar Título da obra Kuarup I ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Atividades/2012 1 autor: Júlio Pomar Título da obra Kuarup I ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 Plano de frequência de ações de formação 2012 Designação da Ação Entidade Formadora/ Organizadora Data prevista Duração da ação

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

GESTÃO DE ARQUIVOS E DEPÓSITOS. Regulamento

GESTÃO DE ARQUIVOS E DEPÓSITOS. Regulamento GESTÃO DE ARQUIVOS E DEPÓSITOS Regulamento 1. Enquadramento A necessidade de arquivos e depósitos no Pavilhão de Civil é partilhada pelas várias unidades funcionais instaladas. Em particular, este documento

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONSULTORIA SOBRE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HUMANOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA TERMOS DE REFERÊNCIA FEVEREIRO de 2014 INDICE 1.TITULO... 3 2. CONTEXTO.3

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio a 30 de Junho de 2009: ( 11.790.198) Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa e Benfica 1500-313 Lisboa Matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro Bases da contabilidade pública A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objecto

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais