A GESTÃO DOS INTANGÍVEIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DOS INTANGÍVEIS"

Transcrição

1 EDIÇÕES TEMÁTICAS 3 CAPITAL INTELECTUAL E INOVAÇÃO A GESTÃO DOS INTANGÍVEIS EXCELÊNCIA EM GESTÃO

2 CAPITAL INTELECTUAL E INOVAÇÃO A GESTÃO DOS INTANGÍVEIS EDIÇÕES TEMÁTICAS 1

3 São Paulo, 2007 COPYRIGHT 2007, Fundação Nacional da Qualidade Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial desta publicação sem o prévio consentimento, por escrito, da FNQ. Edições Temáticas Responsabilidade Antônio Tadeu Pagliuso Superintendente-Geral Sérgio Queiroz Bezerra Gerente-Técnico Coordenação-Geral Jorge Emanuel Reis Cajazeira Coordenador Comitê Temático Produção editorial C. Adriano Silva Revisão Fernando Pachi Projeto gráfico e edição de arte src design Realização Fundação Nacional da Qualidade Av. das Nações Unidas º andar cj São Paulo SP Brasil T F Tiragem exemplares Fundação Nacional da Qualidade Edições Temáticas: Capital Intelectual e Inovação - A gestão dos Intangíveis / Fundação Nacional da Qualidade - São Paulo : Fundação Nacional da Qualidade, (Edições Temáticas) Inclui bibliografia ISBN Fundação Nacional da Qualidade. 2. Critérios de Excelência. 3. Capital Intelectual. 4. Inovação. 5. Ativos Intagíveis. 6. Gestão. 7. Gestão da Qualidade Total. 8. Excelência empresarial. 9. Informação. 10. Conhecimento. CDD Edições Temáticas FNQ

4 CAPITAL INTELECTUAL E INOVAÇÃO A GESTÃO DOS INTANGÍVEIS Edições Temáticas FNQ 3

5 4

6 INDICE Sumário Introdução Razões da Escolha do Tema O modelo do PNQ e o Conhecimento O modelo do PNQ e a Inovação Metodologia Adotada Conceituação Gestão do Conhecimento Capital Intelectual Inovação Tipologia da Inovação Gestão da Inovação Mensuração de Intangíveis Estudos de Casos Promon Copel Serpro Siemens Sesi Suzano Anexos Pesquisa Capital Intelectual Referências Bibliográficas Edições Temáticas FNQ 5

7 6

8 PARTICIPANTES DO COMITÊ Coordenação-geral Belgo Juiz de Fora Copel Copesul Correios ELEB / Embraer Embratel Hospital do Câncer / Fundação António Prudente Furnas Centrais Elétricas Natura Cosméticos Petrobras Distribuidora Petrobras Promon Redecard Senai / DN Senai / PR Serasa Serpro Sesi / BA Siemens Suzano Papel e Celulose Volkswagem do Brasil WEG W.Quality Jorge Eamnuel Reis Cajazeira Marco Antônio Dalamura Roberto Carlos de Souza Luiz Otávio Amaral Possani Sônia Pereira Lunitz Regina Célia Santana Raquel Barros Gonzalez Leonardo de Natale Lígia Pinheiro da Silva Marcos da Silva Andrade Yara Rezende José Carlos Rodrigues Moreira Alexandre Korowajczuk Antônio Vellasco Regina Célia Camilli Alexandre Galter Bastos Ingrid Gesser Ricardo Machado de Azevedo e Souza Marlene Abib Tockus Élcio Trajano Júnior Viviane Cohen Patrícia Cordeiro Campos Aroldo Valente Barbosa Filipi Miguel Cassapo Sidney Greifenhagen Amanda Cosenza von dem Bach-Zelewski Deive Rodrigues Dárcio José Cavana Marcus Vinicius Passos Guimarães Waldemar Faria Edições Temáticas FNQ 7

9 Agradecimentos As empresas que liberaram seu capital humano para a longa jornada deste comitê, em especial, aquelas que gentilmente cederam suas instalações para as reuniões do grupo: Suzano Papel e Celulose, Promon, Fundação Getúlio Vargas - EAESP, Furnas Centrais Elétricas, Serasa, Petrobras, Hospital do Câncer de São Paulo, Redecard e Embratel. Agradecimentos aos palestrantes Moysés Simantob (FGV-EAESP), José Carlos Barbieri (FGV-EAESP), Daniel Domeneghetti (E-Consulting), Fanny Schwartz (Symentics), Ulrico Barini Filho (Santander Banespa) e Silvana Aguiar (FGV- EAESP). 8 Edições Temáticas FNQ

10 SUMÁRIO 1

11 10 Edições Temáticas FNQ

12 SUMÁRIO Quando se olha para o espectro das organizações, em relação à inovação, podemos verificar um bom número de empresas que são reconhecidas pela sua capacidade de inovar. Apenas para ficar em algumas, os pesquisadores James Collins e Jerry Porras no seu livro Feitas para Durar definiram empresas visionárias como instituições líderes - a nata - em seus setores e com um longo registro de inovações sobre o mundo à sua volta. É bastante provável que empresas como a Ford, que se confunde com a invenção do automóvel, a Walt Disney, com o seu mundo de sonhos e a 3M e a sua reputação de inventividade, constem em qualquer lista de empresas inovadoras que se promova sob qualquer critério. O que é menos óbvio é que a maioria das empresas estudadas por Collins e Porras têm algo mais do que serem reconhecidas como inovadoras, elas são empresas excelentes e ganhadoras do prêmio norteamericano de qualidade, o Baldrige, ou algum outro prêmio nacional da qualidade com reputação inconteste (3M, Boeing, Citicorp, GE, IBM, Marriott, Motorola e Sony). Assim, foi demonstrada a forte correlação entre a excelência organizacional e sua vocação de inovar, associando longevidade e criação a fatores como ideologia, metas audaciosas, capacitação gerencial e a busca de algo mais que lucros. A correlação entre inovação e excelência não é exclusividade do estudo Feitas para Durar, afinal, autores modernos afirmam que não inovar é morrer, ou as empresas que sobrevivem ou crescem são as que introduzem novidades tecnológicas e organizacionais ao longo do tempo. Mas, como sobreviver e crescer em um mundo globalizado no qual o comércio deixou de respeitar as fronteiras geográficas e a concorrência é, literalmente, mundial? Lidar com as incertezas apresentadas Edições Temáticas FNQ 11

13 pela competição internacional atual e prosperar são funções da profundidade, do escopo e da difusão do conhecimento organizacional. Os ativos convencionais - capital físico e financeiro - não desaparecerão, mas é inevitável que o conhecimento se transforme em ativo cada vez mais importante. Na verdade, diriam alguns teóricos, deve se transformar no ativo mais importante, o capital intelectual. Este trabalho trata dos temas inovação e capital intelectual sob uma perspectiva global. Discute-se, aqui, a influência da capacidade de inovar e gerir o conhecimento de forma sistemática nos modelos de excelência, ao mesmo tempo em que se buscam exemplos reais para ilustrar as mais recentes conclusões acadêmicas, formando-se um arcabouço com informações suficientes para subsidiar, com teoria e base empírica, as empresas que inspiram o seu modo de gerir seus negócios com base nos Critérios de Excelência da Fundação Nacional da Qualidade. 12 Edições Temáticas FNQ

14 INTRODUÇÃO 2 Edições Temáticas FNQ

15 14 Edições Temáticas FNQ

16 INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos, três grandes idéias transformaram profundamente o funcionamento das organizações: a gestão da qualidade total, atribuída ao trabalho dos doutores Edwards Deming e Joseph Juran, a reengenharia, concebida pelo acadêmico Thomas Davenport e popularizada por Michael Hammer, e, finalmente, a idéia do capital intelectual. Pelo menos é assim que pensa Thomas Stewart, a quem coube o mérito de redefinir as prioridades das empresas em todo o mundo, demonstrando que, hoje, os ativos mais importantes não são, em geral, bens tangíveis, equipamentos, capitais financeiros, mas os intangíveis, tais como as marcas, as patentes, o conhecimento dos trabalhadores e a memória institucional de uma empresa. Alguns discordam, mas muitos estudiosos acreditam que a difusão de certas inovações administrativas, entre elas a adoção de modelos da qualidade, pode ser explicada simplesmente pelo contágio. Wood Jr. e Caldas (2002) concluem que o ritmo da adoção do Total Quality Management (TQM) estava correlacionado com pressões do mercado ou por contágio. A partir de certo momento da evolução do movimento da qualidade, estar fora da corrente tornou-se muito desconfortável, podendo significar acesso dificultado a contratos de fornecimento e ter a imagem prejudicada. Com relação ao capital intelectual, Ralph Stacey, o economista inglês da teoria da complexidade concorda que o principal fator de produção nos tempos de hoje é o saber que temos. O problema, segundo ele, é que esse saber não é quantificável, mensurável e controlável. Por isso, todo o movimento da gestão do conhecimento - para passá-lo do nível implícito para o explícito, codificando-o, e para a medição do capital intelectual é baseado em algo impossível. O capital intelectual não tem nenhum sentido - deriva da idéia do saber como coisa de que se pode ser proprietário. Edições Temáticas FNQ 15

17 Considerando-se os eventuais exageros das duas abordagens, convém reconhecer o impacto da economia do conhecimento nas organizações deste começo de século. Vejamos os dados relativos ao emprego no Canadá que atribuem um aumento líquido de 560 mil empregos no setor de alto conhecimento contra 153 mil gerados pelo setor de baixo conhecimento entre 1984 e Ademais, como bem analisa Stewart (2001), o conhecimento da fórmula da Coca-Cola é o ativo intelectual que converte alguns poucos centavos de açúcar, água, dióxido de carvão e aromatizantes artificiais em algo que se paga uns dois reais, gerando bilhões em lucros. Exemplos também são obtidos entre as empresas que participaram do Comitê de Capital Intelectual e Inovação. Na Suzano Papel e Celulose, mais de 70% dos seus gerentes possuem curso de pós-graduação e a Volkswagem vincula os seus projetos estratégicos ao Programa de Educação Corporativa. Na Siemens - como explica Cassapo (2004) - uma rede global de inovação de mais de 410 mil colaboradores, representada em mais de 190 países, que faturou mais de 74 bilhões de euros em 2004, 70% do faturamento provém de produtos lançados há menos de três anos e entre 60% e 80% do valor agregado da empresa é diretamente vinculado ao seu capital intelectual. O número da Siemens é excepcionalmente bom. Sabe-se que inovadoras são aquelas empresas com mais de 30% de seu faturamento advindo de produtos ou serviços lançadas há menos de cinco anos. No Brasil existe um mito que somos um país de gente criativa e inovadora. Pode até ser, só que a maior demonstração de quanto um país é inovador é o número de patentes obtidas por suas empresas no Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos. Os dados não são nada favoráveis ao Brasil. Segundo a revista Exame (Edição 776, ano 36, nº 20), em 2001, o Brasil obteve 110 patentes, enquanto que no mesmo período a pequena ilha de Formosa (Taiwan) obteve e a Coréia do Sul, Simantob e Lippi (2003) corretamente associam geração de patentes e desenvolvimento citando o clássico exemplo da Coréia que, com investimentos maciços em pesquisa e educação, quadruplicaram o PIB entre 1980 e 1990, enquanto o Brasil cresceu 50%. Se no campo da inovação o Brasil não tem muito que comemorar, nas organizações dúvidas são lançadas quando analisamos o percentual de cientistas que trabalham em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) em empresas. Países líderes em tecnologia como o Japão e os 16 Edições Temáticas FNQ

18 Estados Unidos empregam entre 70 e 75% dos seus cientistas em institutos privados; na Coréia, o número é de 54% e no Brasil, 23%. Por outro lado, em seus relatos no nosso Comitê, empresas vencedoras do Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ), como a Siemens (PNQ 1998), a Bahia Sul Celulose S.A. (PNQ 2001) e a Weg (PNQ 1997) investem em pesquisa de maneira contínua. A Suzano Bahia Sul, por exemplo, tem cerca de 118 patentes e marcas e foi a responsável pela introdução do eucalipto no Brasil. A influência da inovação da empresa na indústria brasileira pode ser mais bem analisada com a análise dos dados da Bracelpa (2004), já que em 2003 demonstram que a produção nacional de celulose química ou semiquímica foi de toneladas, a celulose de eucalipto correspondeu a 82,44%. Na Weg, não é exagero afirmar, que a P&D é uma das responsáveis pelo crescimento da empresa. Setenta e um por cento do faturamento deve-se a produtos lançados nos últimos cinco anos, 250 trabalhos documentados formam um lastro inovador que subsidia exportações crescentes, representando em torno de 45% do faturamento total, em Inovação, conhecimento e capital intelectual, como podemos analisar são aspectos que uma gestão moderna não pode desconsiderar. São temas que vão além dos modismos e mimetismos e, de fato, integram o cardápio gerencial das organizações voltadas para a excelência. Em que extensão e profundidade estas vertentes da gestão moderna estão sendo praticadas nas organizações exemplares, e se os bons exemplos encontrados são reflexos dos critérios do PNQ é o principal objetivo deste trabalho. Edições Temáticas FNQ 17

19 18 Edições Temáticas FNQ

20 3 RAZÕES DA ESCOLHA DO TEMA Edições Temáticas FNQ

21 20 Edições Temáticas FNQ

22 RAZÕES DA ESCOLHA DO TEMA A possibilidade de obter, transmitir e processar informações cresceu demais em função da velocidade das comunicações, e, sobretudo, pelo desenvolvimento da internet. O enorme desenvolvimento das tecnologias de telecomunicações e informação criou uma série de relações complexas entre empresas e suas cadeias de suprimento. Estas inter-relações têm modificado radicalmente o modo de atuar das organizações. Alguns exemplos citados por Grayson e Hodges (2002) são impressionantes: (a) 6,4 bilhões de mensagens de texto foram enviadas em todo o mundo em e, em janeiro de 2001, o número foi de 10 bilhões. (b) O aumento fenomenal da velocidade de comunicação eletrônica pode ser demonstrado pela comparação do tempo que levaria em anos para transmitir todo o conteúdo da Biblioteca do Congresso Americano. Em 1950, 158 mil anos, em 1990, 113 anos; em 1997, 53 horas. (c) O comércio eletrônico mundial valia US$ 50 bilhões em Em 2004 chegou à casa dos US$ 6,7 trilhões. (d) No Reino Unido, cerca de 400 mil pessoas trabalham com call centers mais do que todos os empregados das indústrias de carvão, aço e automóveis. Com a derrubada do muro de Berlim, símbolo da abertura para os mercados das economias sob a Cortina de Ferro, mais três bilhões de pessoas passaram a viver em economias de mercado, incentivando a globalização de capital, o conhecimento e as idéias, cuja repercussão é sentida agora. Os agentes oficiais estimam em US$ 1,3 trilhão as trocas mensais do câmbio, o que significa um terço das exportações mundiais, o que demonstra a grandiosidade do processo de globalização que tornou empresas multinacionais tão poderosas quanto países. Edições Temáticas FNQ 21

23 Em 2000, a General Motors com suas vendas em torno de US$ 180 bilhões tinha uma economia maior que o PIB da Dinamarca, a Wal-Mart (US$ 166 bilhões) maior que Portugal (US$ 107 bilhões) que, por sua vez, equivalia a Shell (US$ 105 bilhões). Na verdade, das 100 maiores entidades do mundo 51 são empresas. (GRAYSON; HODGES, 2002) Figura 1 Valor das Entidades Econômicas País / Empresa Fonte: Gayson e Hodges (2002) EUA Japão Reino Unido México Austrália General Motors Dinamarca Wal-Mart Ford Motors Co. Daimler-Chrysler Polônia Indonésia Mitsui Mitsubishi GE Portugal Royal Dutch / Shell PIB / Vendas Neste mundo interligado, no qual as organizações se confundem com Estados, o papel das marcas é visto em certos setores como a chave do sucesso comercial. Pesquisa realizada em 2005 pela Interbrand 1 revela que 64% do valor da Coca-Cola (marca líder do ranking) no mercado de ações se encontra no intangível, como reputação, conhecimento e marca. De fato, pode-se atribuir ao valor das marcas uma percentagem do valor de empresas escolhidas no mercado de ações, como mostra a pesquisa realizada pela Interbrand. Observe-se que no caso do McDonald s, nada menos de 71% do seu valor está no campo dos intangíveis. 22 Edições Temáticas FNQ

24 Figura 2 O valor das marcas institucionais (junho de 2005) Empresa Valor marca milhões US Percentual do Valor de Mercado País de Origem Setor Coca-Cola Microsoft IBM GE Intel Nokia Disney McDonald s Toyota Marlboro Mercedes Citi % 22% 44% 12% 21% 34% 46% 71% 19% 15% 49% 8% USA USA USA USA USA Filândia USA USA Japão USA Alemanha USA bebidas software computadores diversos hardware telecomunicações entretenimento alimentos automóveis tabaco automóveis financeiro Fonte: Interbrand (2005) Na nova economia do mundo interligado, já não é mais adequado descrever uma empresa em termos físicos, muito embora a contabilidade ainda não tenha desenvolvido uma matemática para descrever e quantificar os ativos intangíveis. Por que a Natura obtém resultados tão impressionantes? Por exemplo, a alta do valor das ações da Natura em sua estréia na Bolsa de Valores foi de 5,6%. De maio a dezembro de 2004, as ações foram valorizadas em 120,7%. A resposta do mercado ao pagar um ágio sem similaridade no lançamento das suas ações na Bolsa de São Paulo reflete o reconhecimento do valor do capital humano da empresa, representado pelos colaboradores e sua alta capacidade em gerar inovação, e pelas cerca de 450 mil consultoras de venda que, através de um modelo de distribuição próprio, formam redes de relacionamento e levam os produtos da empresa até as mais distantes fronteiras do País. Quanto vale ter a sua marca confundida com a própria história do País para a Petrobras? Quanto vale ser o exemplo do Brasil que dá certo para a Embraer? Quanto vale para a Embratel ser o top of mind em ligação interurbana? Provavelmente essas perguntas ainda não possuem respostas, como já dissemos toda a contabilidade atual se baseia no princípio das partilhas dobradas, que significa cada débito corresponde a 1 Edições Temáticas FNQ 23

25 um crédito, passivo é igual ao ativo, e ainda não desenvolvemos uma matemática consistente com o mundo do conhecimento. Por isso, não foi surpresa para a Fundação Nacional da Qualidade, durante o levantamento do status quo do assunto Capital Intelectual, o resultado pouco aderente das 20 questões apresentadas na pesquisa feita com 35 organizações mantenedoras, vencedoras ou finalistas do PNQ. A pesquisa foi respondida na internet mediante uma convocação da Gerência Técnica e quem a respondesse estava automaticamente convidado para compor o Comitê de Capital Intelectual e Inovação. A pesquisa completa consta no anexo desta publicação, mas, em especial, atentamos para o fato que 2 : 79% da amostra eram grandes empresas (mais de 500 colaboradores e faturamento acima de R$ 50 milhões); 22% possuíam identificação lógica do capital intelectual; 6% conheciam o valor intangível da organização (valor de mercado sobre valor contábil); 15% possuíam indicadores ligados ao capital intelectual em linha com sua estratégia; 12% analisam que conhecimentos são necessários para gerar valor ao negócio; 22% reforçam, mediante investimentos, os ativos intelectuais da empresa; 34% buscam criar novos conhecimentos para transformá-los em vantagem competitiva sustentável; Tão baixo grau de adesão aos princípios da gestão do conhecimento e do capital intelectual levou a FNQ a uma segunda preocupação, vis-à-vis, a sua missão de disseminar os fundamentos da Excelência em Gestão para o aumento da competitividade das organizações e do Brasil. Dado a conexão entre a gestão do conhecimento e a inovação, como as empresas brasileiras alinhadas aos Critérios de Excelência da FNQ estão tratando o processo de inovar? Neste campo, algumas boas práticas já estavam no mercado entre as empresas do comitê, a Copesul com a sua inovação na arquitetura organizacional baseada em times semi-autônomos, a DaimlerChrysler com seu processo de P&D estruturado e capacitado para a inovação tecnológica, a associação com universidades da WEG, a Natura e sua espetacular capacidade em gerar inovação e agilidade em lançar novos produtos. 2 Considerando-se os níveis totalmente aderente e muito aderente. 24 Edições Temáticas FNQ

26 Mas, de fato, não tínhamos respostas alinhadas às práticas das empresas da FNQ para perguntas do tipo: Como a inovação é praticada nas empresas? Como o ambiente organizacional favorece a inovação? Qual a relação entre Inovação e Melhoria Contínua? Por estes motivos, em 14 de abril de 2004, a FNQ lançou o seu Comitê Temático com a seguinte formatação: Conceito Grupo de estudo com a finalidade de comparar as práticas de organizações bem-sucedidas, em torno de um tema de alto interesse na atualidade, visando à disseminação das informações e resultados alcançados. Participam do comitê: representantes de organizações filiadas à FNQ (membros), finalistas e premiadas do PNQ. Objetivos Genéricos dos Comitês Temáticos Disseminar práticas eficazes de gestão e casos de sucesso na aplicação dos Critérios de Excelência; Criar modelos básicos de implantação das práticas da gestão em temas de alto interesse; Dar oportunidade às organizações participantes do Comitê de uma ampla divulgação das suas competências; Possibilitar às organizações participantes do Comitê o aprimoramento das suas práticas da gestão; Promover uma maior participação de finalistas, premiadas e membros nas atividades da FNQ. Objetivos Específicos Entender o estágio em que se encontram as empresas membros da FNQ, finalistas e vencedoras do PNQ; Definir um modelo genérico de capital intelectual e inovação; Uniformizar os conceitos, termos e práticas; Atualizar e melhorar os critérios do PNQ; Promover o suporte metodológico para o lançamento do Relatório das Melhores Práticas da FNQ (das candidatas ao PNQ); Disseminar práticas eficazes de gestão. Edições Temáticas FNQ 25

27 3.1 O modelo do PNQ e o Conhecimento Nos anos 80, a supremacia da produção americana foi ameaça pela qualidade dos produtos japoneses. Para reagir a este fato um grupo de especialistas estudou uma série de organizações bem-sucedidas em busca de características comuns que as diferenciassem das demais. Da compilação dessas práticas surgiram os critérios de excelência do Prêmio Malcolm Baldrige, em Oliveira (1999) afirma que historicamente dentro do modelo de organizações existente até o início dos anos 90, no Brasil, a Petrobras destacava-se atuando como um braço do governo na definição de políticas econômicas. Assim, o governo, por meio desta empresa, iniciou um processo de implantação de qualidade com o objetivo de assegurar um maior retorno financeiro aos seus investimentos na estatal. A empresa era a principal compradora de produtos e serviços no mercado nacional, detendo um forte poder de compra perante os fornecedores. Nesse processo, a empresa lançou um amplo programa de qualificação de fornecedores, tendo como base os conhecimentos adquiridos por ocasião do início do programa nuclear brasileiro. Pela influência da Petrobras, o assunto qualidade começou a ser discutido no País. No meio da década de 80, o governo brasileiro, com o apoio do Banco Interamericano de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), fez um programa com o objetivo de capacitar instituições brasileiras para disseminar esses novos conceitos. Foram selecionadas três entidades para obter essa capacitação nos centros mais avançados. O Instituto Brasileiro da Qualidade Nuclear (IBQN) foi designado para absorver a tecnologia européia, principalmente a alemã, em função do programa nuclear. A Fundação Vanzolini, ligada à USP, foi designada para absorver a tecnologia norte-americana. A Fundação Christiano Otoni (FCO), ligada à Universidade Federal de Minas Gerais, foi designada para absorver a tecnologia japonesa. (OLIVEIRA, M. 1999). Para dar uma resposta aos empresários, que temiam o sucateamento da indústria em função da acelerada abertura do mercado, foi criado, durante o governo Collor, o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade (PBQP), que tinha como objetivo fomentar a utilização de técnicas de qualidade nas empresas visando aumentar a produtividade, reduzindo os custos e tornando-as competitivas em relação ao mercado internacional. Seguindo uma das metas do PBQP, em 1991, foi criada uma fundação privada, sem fins lucrativos, com o objetivo de promover o Prêmio 26 Edições Temáticas FNQ

28 Nacional da Qualidade (PNQ). Nos Estados Unidos, o pesquisador Jim Collins liderou dois estudos sobre organizações Excelentes, Feitas para Durar e Feitas para Vencer. O primeiro estudo explica como transformar uma empresa em uma organização excelente e com envergadura de ícone, já o segundo, analisa como uma organização se transforma de boa para excelente. O estudo Feitas para Durar levou, em conjunto com um outro estudo liderado pelo Peter Drucker, aos critérios de excelência do Malcon Baldrige National Quality Award (MBNQA), sendo este até hoje o prêmio nacional norte-americano. O Prêmio Nacional da Qualidade foi inicialmente baseado no Baldrige, entretanto, por meio de um processo de aprendizado sistemático, à medida em que novos valores de gestão de organizações excelentes são desenvolvidos e identificados, a FNQ atualiza os fundamentos da excelência. Na atualização de 2002, o Comitê Técnico de Critérios de Avaliação analisou os fundamentos do: MBNQA, European Quality Award (EQA), Prêmio Ibero-americano, Prêmio Mexicano, Prêmios Sulamericanos, estudos da American Society for Quality (ASQ), normas ISO 9000 e 14000, além das tendências da norma de responsabilidade social e bibliografia específica voltada para a gestão das organizações. Muito tem se falado sobre o conhecimento e em como fazer sua gestão, o que parece, num primeiro instante, algo difícil de administrar. Deve-se iniciar por entender o conceito que está por trás da palavra conhecimento, antes de tentar analisar sua relação com outros fatores relacionados ao trabalho. A literatura especializada apresenta inúmeras alternativas, tendo-se em vista que todos os autores que abordam o tema esforçam-se para apresentar uma definição adequada. O Dicionário Webster define conhecimento como os fatos, verdades ou princípios adquiridos a partir de estudo ou investigação; aprendizado prático de uma arte ou habilidade; a soma do que já é conhecido com o que ainda pode ser aprendido. Chama a atenção o fato de que nessa definição, o conhecimento existe mesmo que ainda não esteja aprendido pelo indivíduo. Da mesma forma o entende Probst et al. (2002, p. 29), para quem o conhecimento é o conjunto total incluindo cognição e habilidades que os indivíduos utilizam para resolver problemas. Ele inclui tanto a teoria quanto a prática, as regras do dia-a-dia e as instruções sobre como agir. Dificuldades maiores surgem quando tentamos buscar esclarecimento sobre a relação existente entre informação e conhecimento, conceitos que muitas pessoas ainda confundem, pensando ser a mesma Edições Temáticas FNQ 27

29 coisa. Podemos encontrar alguns autores, como Crawford (1994), que preferem deixar bem evidenciada a diferença que fazem entre os dois conceitos. Para ele, (...) informação é a matéria-prima para o conhecimento. Um conjunto de coordenadas da posição de um navio ou o mapa do oceano são informações. A habilidade para utilizar estas coordenadas e o mapa na definição de uma rota para o navio é o conhecimento. De maneira inovadora, já na versão de 2001 dos Critérios de Excelência da FNQ, entretanto, o conceito de capital intelectual foi introduzido como requisito. A vencedora do ano, a Bahia Sul Celulose, apresentou em seu relatório a seguinte descrição: A identificação e desenvolvimento do conhecimento, expresso e mensurado como capital intelectual (CI) parte do nosso modelo de gestão, quando do desenvolvimento compartilhado dos valores organizacionais, que servem de base para todos os processos de decisão na organização. Esta base cultural aproveita os recursos já existentes na empresa para que os nossos colaboradores encontrem e empreguem as melhores práticas e a partir deste ambiente desenvolvam soluções criativas que agreguem valor aos nossos produtos. Anualmente o assessor de Projetos Especiais, o gerente de Recursos Humanos, o gerente Comercial e de Exportação, o gerente de Controladoria, o coordenador de Tecnologia da DIRNA e o gerente da Tecnologia da Informação, em conjunto com a diretoria, durante o ciclo estratégico, desenvolvem o processo de identificação do CI, nas suas vertentes relativas a pessoas, metodologias, processos, patentes, projetos e criatividade de acordo com o modelo apresentado na figura 3 (na próxima página). Observa-se nesses critérios, inovadores na época, uma forte influência do conceito de capital intelectual associada à tecnologia e ao conhecimento técnico. Os aspectos ligados à marca, posição global, rede de relacionamento, poder de barganha e inteligência jurídica, por exemplo, todos integrantes dos acervos intangíveis de uma empresa, não estavam suficientemente cobertos nesse critério tampouco a mensuração dos ativos intangíveis era requerida. 28 Edições Temáticas FNQ

30 Figura 3 Modelo de Capital Intelectual da Bahia Sul de 2001 Gestão Conhecimento Tecnológico Capital Humano Gestão das Competencias Capital Intelectual Tecnologia da Informação Capital Humano Gestão da Criatividade e Inovação Fonte: FNQ Em 2005, o critério apresenta o seguinte modelo: Solicita-se como a organização identifica, mede, desenvolve, mantém, protege e compartilha o seu capital intelectual. Solicita-se, também, como é feito o controle e o aprendizado das práticas da gestão. a) Definição, execução e controle das práticas de gestão 1. Como é identificado o capital intelectual da organização? Apresentar os ativos que compõem o capital intelectual e descrever como eles são medidos. 2. Como é desenvolvido o capital intelectual de forma a aumentar o valor agregado dos produtos e a competitividade da organização? Destacar como o conhecimento é compartilhado na organização, as formas de incentivo ao pensamento criativoe inovador e os métodos para a identificação, desenvolvimento e incorporação de novas tecnologias. 3. Como é mantido e protegido o capital intelectual? Destacar os métodos utilizados para atração e retenção de especialistas, para armazenagem do conhecimento e tratamento dado aos direitos autorais e/ou patentes. Introduz ao conceito de ativos intangíveis, bem como solicita a mensuração. Introduz ao conceito de gestão do conhecimento e associa conhecimento e inovação. Enfatiza o conhecimento tecnológico e ao tratamento diferencial a técnicos e aos direitos de patente. Edições Temáticas FNQ 29

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade José Renato S. Santiago Júnior Para Pensar a Respeito... A Inovação tem se tornado um dos principais fatores de geração de riqueza e valor das organizações; Atualmente

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Na teoria e na vida, FDC

Na teoria e na vida, FDC C T E C E N T R O D E T E C N O L O G I A E M P R E S A R I A L C T E C o o p e r a ç ã o e n t r e e m p r e s a s d e g r a n d e p o r t e Na teoria e na vida, FDC AF - 05-006 - CTE02 R.indd 2 7/10/07

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo.

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. Nesta aula veremos o resumo de: O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. 1 VÍDEO 2 O INTRA-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q

Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q Instituição atualiza Fundamentos da Excelência e lança produtos que ajudam empresas a melhorar seus sistemas de gestão Ao longo dos 15 anos de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais