FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS. Dayane C. Sandi Cristiano Ferreira Lucas Marchetti

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS. Dayane C. Sandi Cristiano Ferreira Lucas Marchetti"

Transcrição

1 FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Dayane C. Sandi Cristiano Ferreira Lucas Marchetti IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EMPRESARIAL PARA ONG (Organização não Governamental) SÃO PAULO 2013

2 Dayane C. Sandi Cristiano Ferreira Lucas Marchetti IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EMPRESARIAL PARA ONG (Organização não Governamental) PESQUISA E DISSERTAÇÃO PROJETO INTEGRADO 2º SEMESTRE FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS PROFESSOR MARCELO H. SANTOS SÃO PAULO 2013

3 Sumário 1. INTRODUÇÃO Problemática Objetivo Metodologia Pesquisas de Campo Consultas aos Sistemas Estudos Teóricos Contribuições para a Academia SOBRE ONGS (ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS) SOBRE A ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS (APAE) O QUE É A APAE? ESTRUTURAS DA APAE SOBRE ERP ( SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL ) A IMPORTANCIA DO ERP VANTAGENS DO ERP: DESVANTAGENS DO ERP: CUSTOS DA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP SOBRE A ENTREVISTA DA ONG Desenvolvimento do Sistema FUNCIONAMENTOS DO SOFTWARE PARA GESTÃO DE PESSOAS FUNCIONAMENTOS DO SOFTWARE PARA GESTÃO FINANCEIRA INSERÇÃO E INCLUSÃO DE DADOS NO SETOR FINANCEIRO FUNCIONAMENTOS DO SOFTWARE PARA GESTÃO ORÇAMENTARIA Referências bibliográficas... 21

4 Resumo Entendemos que a necessidade de trazer a informatização a departamentos escassos desse recurso é algo mais do que necessário, não só falando da questão social, mas é também um extenso campo de estudo para especialistas em tecnologia. Coletando esses dados vimos que é um grande desafio trazer todas essas informações ainda desorganizadas para dentro de um sistema como o ERP, que é preciso ter uma extensa pesquisa para embasamento teórico quanto a funcionalidade do sistema e também quanto as questões sociais das entidades. Podemos identificar nessa fase a velocidade da troca de informação que ocorrerá durante a elaboração do projeto, ou seja, já temos a ciência de será preciso retornar vários comandos ao começo para recriá-los ou configurá-los novamente conforme a necessidade do sistema, em questão as informações que nele deverão ser inclusos para garantir a utilidade de seu funcionamento. A questão tecnologia tem uma exigência grande em conhecimentos técnicos de Banco de Dados, afinal o ERP é um integralizador de distintos bancos de dados que nos solicitará sempre a manutenção, em busca das transformações para se adequarem aos novos dados. Em busca de saciar esse conhecimento para chegar ao objetivo final, a fundamentação teórica nos dará toda a base na questão de traçar uma rota para esse aprendizado. Dessa maneira buscaremos a entrega do projeto feito com qualidade e embasamento seguro para a análise da veracidade das informações nele contidas.

5 1. INTRODUÇÃO Para iniciarmos a elaboração do projeto, avançamos para uma pesquisa inicial através de uma visão institucional. E analisando as opções percebemos a carência existente nas instituições filantrópicas, governamentais ou não, de uma informatização que ajude a mesma a organizar-se. Entendemos que se trata, além de um trabalho do qual o cliente tem a necessidade imediata de uma solução para organização, é também um campo amplo de informações e espaços disponíveis para serem organizados através da tecnologia da informação. Durante os estudos de disponibilidade de sistemas para integrar diversas informações de departamentos distintos, chegamos ao consenso de que o ERP, (Enterprise Resource Planning), é o sistema adequado para a iniciação deste projeto de informatização, e concluímos que o seu objetivo é informatizar uma instituição, governamental ou não, voltada ao atendimento de menores carentes, especificamente os que se encontram sob tutela do Estado para adoção. Nas últimas décadas, muito tem se falado dos sistemas integrados do tipo ERP ou simplesmente ERP, definido como um integrador de dados e processos de uma organização em um único sistema. O objetivo do ERP não é somente unir as informações, mas também às estabelecer e organizar; possibilitando dessa forma a automatização e armazenamento de todos esses dados, tornando fácil a manutenção das mesmas para todos os diversos níveis funcionais. O ERP é a evolução de um antigo sistema criado em meados dos anos 60, o MRP, (Material Requirement Planing), que é era um sistema voltado ao atendimento de um setor específico dentro de uma organização, como por exemplo, Departamento Pessoal ou Recursos Humanos. Ele não tinha uma funcionalidade integralizadora, como hoje o ERP aplica dentro das organizações. Não existem registros exatos da criação do ERP, mas pesquisas apontam que ocorreu durante meados de 1979, quando a empresa alemã SAP, 5

6 (Systeme Anwendunge, und Produkt in Datenverarbeuitung), desenvolveu a primeira versão de um software ERP, o R/2. A chegada desse novo sistema corporativo de informações ao Brasil ocorreu nos anos noventa, quando empresas estrangeiras, que já trabalhavam com esse método super eficaz, aportaram no Brasil com suas filiais. Desde sua chegada o ERP nas organizações é de suma importância, uma vez que o mesmo monitora todo o processo empresarial desde o inicio até a sua conclusão, acompanhando e disponibilizando detalhes de cada fase desse. É um sistema que permite monitoramento em tempo real de dados de departamentos integrados de uma empresa ou instituição, essa é a definição por nós encontrada que melhor se encaixa a esse software. Retirado de Wikipédia, a enciclopédia livre. Acessado Sab, 28 de Setembro de Problemática Para individualizarmos a questão da problemática do projeto, buscamos em nossas pesquisas iniciais, analisar a precária situação da organização de informações nas Instituições Filantrópicas. Decidimos, portanto, entrar com esse projeto, a fim de quebrar o paradigma dos papéis estocados em arquivos e trazermos a informatização á áreas escassas desses de recursos tecnológicos. As Instituições sofrem com a falta de recursos e dessa maneira podemos entrar com acesso oferecendo ajuda e tendo o conhecimento acadêmico colocado em prática, através de um trabalho social, em busca de melhorias e qualidade de informação. Uma vez que as instituições não governamentais dispõem de pouca verba, muitas vezes utilizam diversos programas diferentes para gerir seus setores, nem sempre interligados, gerando certas dificuldades e perda de informações, assim como muitas informações desnecessárias e múltiplas, tornando suas rotinas mais complicadas e trabalhosas. Durante o trabalho visamos encontrar uma forma de interligar os setores da instituição facilitando sua gestão com a utilização de um sistema ERP formulado de acordo com as necessidades da ONG para agilizar na comunicação dos setores. 6

7 1.2 Objetivo Suprir as necessidades de informação integrada da Instituição é o objetivo final do sistema a ser elaborado neste projeto. O ERP é um sistema de suporte de informações nas questões de acompanhamento de dados, ele traz tudo o quanto for solicitado sobre cada setor específico, conforme essas informações são disponibilizadas pelo Centro de Processamento de Dados responsável pela manutenção do sistema local. Ocorre que esse monitoramento impede perdas significativas dentro da Instituição, pois podemos controlar de maneira melhor cada parte do processo, não da adoção diretamente, mas de todos os outros que envolvem os indivíduos atuantes dela. Por se tratar de uma Instituição de receita limitada, como a maioria das filantrópicas, identificamos recursos disponíveis para o desenvolvimento no ERP que podem impedir danos que vem a ocorrer durante um determinado processo da Instituição. É possível encontrar setores que com deficiência de profissionais ou recursos, e também aperfeiçoar os processos de todos os setores através de uma consulta direta. Por exemplo, no caso de uma tomada de decisões dentro do setor financeiro, mantedor dessa Instituição, o qual poderá afetar diretamente ela, são emitidos relatórios e controles de valores que auxiliarão os gestores nesse tipo de processo. O ERP trará a Instituição segurança e praticidade no gerenciamento dos dados, por isso destacamos que é o projeto viável a ser desenvolvido para estabelecer uma organização dentro do quadro das informações solicitadas e enviadas a ele para armazenamento. Voltamos todos os detalhes iniciais desse projeto, apresentados aqui, á esse objetivo final, aperfeiçoar o manuseio de informações dentro de todos os setores dessa Instituição Filantrópica, a fim de educar os profissionais da área, á trabalhar com processos diretos da tecnologia e fazer com que eles usem o monitoramento em tempo real para o bom andamento da administração. 1.3 Metodologia 7

8 A pesquisa será efetuada em diferentes âmbitos como: livros e internet a respeito de sistemas ERP, serão feitas pesquisas diretamente em ONGs, para buscar as deficiências e assim tentar desenvolver um sistema que supra de forma satisfatória e com um bom custo beneficio. Podendo ser utilizada dissertações a respeito do tema para complementar o trabalho. A construção do sistema se deve á essa oferta de dados os quais precisam ser organizados, e para chegarmos a esses dados desenvolvemos um método de pesquisa que segue nos tópicos á seguir Pesquisas de Campo Iniciamos uma pesquisa de campo através de um contato com diversas Instituições do segmento de assistência social ao menor carente, ou em condições de tutela. Esse contato é para analisarmos como está o acesso a elas e as informações disponíveis. A pesquisa será feita através de análise de processo de todos os departamentos, verificando quais são as suas funções, rotina de processos e qual o objetivo final de cada um deles. Verificaremos com a gestão das Instituições quais são as dificuldades encontradas nos processos, assim como a disponibilidade de recursos para poder organizar as informações. É importante verificar qual é a procedência desses recursos; do governo ou se são em sua maioria mantidas por doações, de maneira a darmos ênfase a principal mantenedora e assim alinhar o sistema conforme a prioridade de trabalho Consultas aos Sistemas Verificaremos sistemas disponíveis que agem na organização da mesma forma que o nosso projeto tem o intuito de agir. É possível, dessa forma, construir uma visão de como é feito, manuseado e administrado pelos seus gerenciadores Estudos Teóricos Entraremos com estudo teórico do sistema ERP, através da bibliografia disponível existente, tanto livros, quanto artigos, monografias e também os 8

9 arquivos disponíveis na rede de internet, que estão livres para consulta. Também buscaremos pesquisas teóricas sobre a administração dessas entidades no Brasil e no Mundo, assim como a maneira de cada departamento trabalhar em específico e os recursos disponíveis para manter esse tipo de instituição no Brasil. 1.4 Contribuições para a Academia Com o desenvolvimento deste trabalho iremos aperfeiçoar e adquirir mais conhecimento na área, possibilitando assim um maior crescimento profissional, ao mesmo tempo em que poderemos colaborar de alguma forma com o crescimento e desenvolvimento da instituição podendo proporcionar alguma melhora se utilizando dos conhecimentos adquiridos durante o curso e colocando os em prática no decorrer do trabalho. 2. SOBRE ONGS (ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS) Segundo constatado em pesquisas efetuadas em diversos meios chegamos à conclusão de que as Organizações não governamentais (ONGs) fazem parte do chamado Terceiro setor e é um grupo social organizado sem fins lucrativos, caracterizado por ações de solidariedade particulares ou públicas, não tendo como principal objetivo a geração de lucros e, que havendo geração de lucros, os mesmos sejam destinados para o fim a que se dedica a organização, não devendo o lucro ser repassado aos proprietários ou diretores da organização. ONGs são constituídas pela sociedade civil com o objetivo de solucionar alguns problemas da sociedade, podendo ser ele econômico, ambiental, social, e etc, ou também como forma de reivindicação de direitos e melhorias ou a fiscalização do poder público. As organizações no geral são utilizadas como um meio de suprimir as deficiências do Estado com relação à assistência e resolução dos problemas 9

10 na área a qual ela se destina, podendo também trabalhar junto com o Estado na resolução desses problemas, elas possuem funções importantes na sociedade apesar de muitos acreditarem que com a intervenção de ONGs o governo acaba deixando de dar atenção necessária às suas responsabilidades para com a sociedade. As ONGs têm a capacidade de despertar o civismo e a cooperação social uma vez que grande parte de sua mão-de-obra são voluntários e seus recursos são obtidos através de doações de empresas privadas, população em geral e financiamentos do governo. Se tornando uma forte ferramenta de mobilização social. As organizações acabam contribuindo para a manutenção da democracia uma vez que possibilita a manifestação dos interesses das minorias. As organizações não governamentais começaram a ganhar força após o período da Ditadura Militar ( ). Quando aconteceu o processo de redemocratização política. Vale lembrar que nem toda associação sem fins lucrativos da sociedade civil é uma Ong. O estudo realizado pelo IBGE com apoio da ABONG, GIFE, IPEA e Cempre1 intitulado As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil 2002 é usado como critério para classificação das ONGs o fato de serem organizações institucionalizadas, privadas, não distribuidoras de lucro, auto administradas, e voluntárias. Sendo assim, ficaram excluídas as organizações que não tenham alguma das características citadas, utilizando como forma de exemplo, partidos políticos, fundações hospitalares, e etc.. Retirado de 2.1 SOBRE A ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS (APAE) Beatrice Bemis, vinda dos Estados Unidos, onde era membro do corpo diplomático norte-americano e mãe de uma portadora de Síndrome de Down. Não conformada com a inexistência de Associações de Pais e Amigos no brasil. Decidiu unir-se a um grupo de pais, amigos, professores e médicos de 10

11 excepcionais, que incitados por ela resolveram então fundar a primeira Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais Apae do Brasil no Rio de Janeiro. A primeira reunião de Conselho Deliberativo ocorreu em março de O Movimento se expandiu por todos os Estados. Hoje, passados 53 anos desde sua fundação, já existem mais de duas mil Apaes, espalhadas pelo Brasil. Este crescimento se deu graças à atuação da Federação Nacional e das Federações. Estas, através de congressos, encontros, palestras etc, sensibilizam a sociedade em geral, viabilizando os mecanismos que garantam os direitos da cidadania da pessoa com deficiência. A Apae, é constituída e integrada por pais e amigos de alunos portadores de necessidades especiais, e conta com a colaboração da sociedade em geral, enfim, de todos que acreditam e lutam pela causa da pessoa com deficiência. A entidade defronta-se com as mais diversas dificuldades, essencialmente no que diz respeito a pessoal e a questão financeira. 2.2 O QUE É A APAE? É uma ONG que presta serviços nas áreas de saúde, educação e assistência social. Com a intenção de contribuir para a inclusão social de pessoas com deficiência intelectual e autismo além de prestar apoio aos seus familiares. 2.3 ESTRUTURAS DA APAE Existem 4 níveis de estrutura: A APAE do Município: onde os pais e amigos que a compõem atuam, no Município em que a entidade se localiza, para garantir que a pessoa portadora de deficiência tenha seus direitos assegurados. FEDERAÇÃO NACIONAL DAS APAE s: a nível Brasileiro, as APAE s estão organizadas em torno da Federação Nacional das APAE's, que é responsável pelo direcionamento dos trabalhos do movimento no contexto nacional. FEDERAÇÃO DAS APAE s NO ESTADO: as APAE s se organizam em Federações em seus Estados que será responsável pelo trabalho de realização dos direitos do portador de deficiência no âmbito estadual. 11

12 DELEGACIA REGIONAL: todas as microrregiões do Brasil se organizam em Delegacias Regionais. Os presidentes, diretores, professores, pais e alunos devem ter programação de reuniões, cursos, encontros, festivais, olimpíadas, nas suas regiões. Tornando mais fácil conseguir grande participação. O Delegado Regional é eleito pelas APAE s da microrregião. 3. SOBRE ERP ( SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL ) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial (SIGE ou SIG), em inglês Enterprise Resource Planning (ERP), são sistemas que interligam todos os dados de uma empresa, a fim de armazena-los em um só sistema. Esse sistema pode interligar diversos setores, como Administração, Gestão Pessoal, Orçamentaria, Financeiro, RH, Compras, Vendas, entre outros. Os sistemas ERP englobam todos os passos da operação realizadas na empresa, desde as compras, provisões, prevenções, planejamento, manufatura, formação de preços, contas a pagar e receber, gastos, processos contábeis, controle de estoque, administração de contratos, venda de serviços ou serviços prestados e todos os níveis de comércio, passando pela gestão eficaz dos relacionamentos com clientes e fornecedores, pós-venda, análise de resultados e muitos outros fatores personalizados, altamente adaptáveis a qualquer empresa, em qualquer ramo de negócios. A empresa de consultoria Deloitte Consulting(1998), definiu ERP como sendo um pacote de software de negócios que permite a uma companhia automatizar e integrar a maioria de seus processos de negócio, compartilhar práticas e dados comuns através de toda a empresa e produzir e acessar informações em tempo real." Retirado de 12

13 3.1 A IMPORTANCIA DO ERP Uma vez que a empresa adquire um sistema ERP, a mesma garante maior confiabilidade dos seus dados, pois passarão a ser monitorado em tempo real, além da diminuição do retrabalho, o sistema é simples, prático, ágil e eficaz. O sistema faz com que todos os setores possam interagir assim as informações da empresa caminham de forma mais rápida. Ao se desfazer de todo o processo de produção, que seria manual, antes do uso do ERP, a empresa tem mais recursos e tempo para se planejar, diminui gastos desnecessários e repensa de forma inteligente na tomada de decisão em relação à produção. A tomada de decisões também adquire uma nova dinâmica. Caso a empresa deseja fazer alguma mudança em algum produto ou serviço, com o ERP, todos os setores serão informados e se preparam de forma integrada para tal mudança. E tudo realizado em muito menos tempo do que seria possível sem a presença do sistema VANTAGENS DO ERP: Excluir o uso de obras manuais. Melhorar o andamento das informações e da qualidade dentro da organização (eficiência). Agilizar o processo para tomada de decisão. Reduzir o tempo de resposta ao mercado. Diminuir as incertezas tornando as atividades mais eficazes. Metodos Práticos (codificadas no ERP) para processos internos da empresa. Diminuir o tempo dos processos gerenciais DESVANTAGENS DO ERP: Se o Sitema for muito complexo a empresa se torna dependente do fornecedor do pacote. 13

14 Aquisição de melhores práticas aumenta o grau de imitação e padronização entre as empresas do mesmo ramo. Aumento da carga de trabalho dos servidores da empresa e extrema dependência dos mesmos. 3.2 CUSTOS DA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP O custo para implantar um sistema ERP dependerá do número de licenças, de módulos que serão adquiridos, da dificuldade das operações da empresa, da quantidade de horas do desenvolvimento do sistema e da quantidade de horas de treinamento dos usuários no sistema se caso necessário. 3.3 MÉTODOS DE IMPLANTAÇÃO Essa etapa coloca em desenvolvimento os módulos do sistema de uma empresa. Envolvendo o parâmetro do sistema, uma eventual customização, o treinamento dos usuários e a disponibilização de suporte. A implantação de um ERP vai depender do porte e estrutura da empresa, da quantidade de processos que deverão ser modificados e dos recursos disponíveis. Um modelo de implantação básica de um sistema pode ser dividido em planejamento, solução, construção e testes, somente depois dessas etapas os softwares poderão ser usados. Laudon e Laudon (2001) definem Implementação tem como objetivo único colocar o novo processo em funcionamento e em uso. Tem como uma das partes do seu processo a implantação, está última tem objetivo a disponibilização de uma rotina de trabalho ou de um processo para o usuário final. A implementação vai alem da implantação e para se obter êxito é necessário o convencimento junto aos usuários de que utilizar o novo processo e/ou rotina lhes trarão benefícios, ou seja, terão vantagens com sua utilização. Para alcançar este objetivo, pessoas responsáveis por implementação, passam aos usuários, após a implantação, treinamentos, manuais, palestras, etc, tudo para garantir que o processo seja utilizado. 14

15 Retirado de 4. SOBRE A ENTREVISTA DA ONG No dia 19 de outubro de 2013 foi entrevistada a Diretora Sonia Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais, com perguntas objetivas a fim de encontrar as principais dificuldades no gerenciamento dos serviços rotineiros da Instituição. Abaixo a entrevista: Questão 1: O que é a APAE e Em que consiste seu Trabalho? Sonia: A Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) trabalha com a habilitação e reintegração de crianças, jovens e adolescentes portadores de necessidades especiais, como Síndrome de Down, paralisia cerebral, atraso no desenvolvimento psicomotor e neuropsicomotor, seqüelas de meningite, rubéola, entre outros. A associação é uma entidade filantrópica, sem fins lucrativos, que possui uma equipe composta por professores, monitores, entre outros profissionais. Questão 2: Quantos funcionários trabalham na instituição? Sonia: Trabalham 19 profissionais. Questão 3: Quais cursos são oferecidos? Sonia: Inclusão da Pessoa com deficiência Intelectual. Questão 4: Quantos setores têm na instituição? Sonia: Consiste em cinco setores, Financeiro, Recursos Humanos, Administrativo, Contábil. Questão 5: Quais destes setores acima, se tornariam mais práticos se fossem interligados e por quê? Sonia: Seriam todos, por ter um melhor controle, sem precisar gerenciar só uma parte dos setores. 15

16 Questão 6: Existe alguma restrição quanto ao acesso aos setores? Sonia: Temos,seriam apenas os diretores e coordenadores dos setores que poderiam ter apenas acesso ao todo setores. Questão 7: Qual a frequência da atualização dos dados? Sonia: As atualizações são feitas pelo menos uma vez por mês. Questão 8: Como é realizado o controle de faltas dos Funcionários e dos Alunos? Sonia: Controle dos funcionários é feito a partir de um Livro de Ponto. Controle dos alunos é feito a partir de um diário, o alunos abaixo de 75% de presença, tem uma chance de perder a vaga na instituição, pela procura da vaga. Questão 9: Quais dados são necessários para efetuar uma matrícula? Sonia: Os dados são: nome, data de nascimento, nome da mãe, nome do pai, endereço, bairro, cidade, telefone de contato, telefone de recado, grau de escolaridade, exames que consta a deficiência e qual nível. Questão 10: Existe alguma restrição quanto ao acesso das informações da instituição? Sonia: Sim, para não haver possibilidades de se perderem dados existem três pessoas, que possui acesso, seria mais fácil de identificar, assim criando um login e senha. Questão 11: Existe algum programa que faça o controle de dados da escola? Sonia: Não, os dados são guardados em fichas e no programa Word e Excel. Questão 12: Possui algum equipamento para o uso do programa? Sonia: Sim, existem cinco computadores para instalação do programa. Questão 13: Possui algum conhecimento em informática? 16

17 Sonia: Temos dois Profissionais com conhecimento avançado e três funcionários com conhecimento básico. Questão 14: Caso haja a necessidade de equipamentos, a instituição terá condições de adquiri-los? Sonia: Sim, a instituição disponibiliza a verba. Questão 15: Existe alguma preferência entre um programa mais Dinâmico ou Visual? Sonia: Que tenha a combinação das duas possibilidades. Mediante as informações obtidas através desta pesquisa, constatou-se que os recursos não são eficazes, e alguns problemas foram identificados, como: fácil acesso de funcionário aos dados da instituição, o arquivamento de fichas são inadequados, pois pode haver perda de dados e requer tempo, não tem o devido controle de falta de alunos e funcionários da instituição. Para sanar as dificuldades encontradas, está sendo proposto um software que realizasse o gerenciamento do setor, irá torna-lo mais prático e eficiente, redução de perda de dados, diminuição do tempo nas busca das informações, controle eficaz de faltas, proporcionando mais segurança dos dados e informações com mais eficiência. 5. Desenvolvimento do Sistema Nesse capitulo daremos uma breve explicação de como pretendemos que o sistema seja desenvolvido, explicando sobre seu funcionamento em cada área e a ligação entre elas. Lembrando que por ser apenas um esqueleto durante o decorrer do curso podem e irão ocorrer mudanças no projeto de desenvolvimento de acordo com necessidade. O sistema será desenvolvido em uma plataforma simples e de fácil entendimento, visando não haver a necessidade de treinamento de pessoal para o seu manuseio, pretendemos fazer a gestão de um ou mais setores, dividindo-os em categorias com um sistema instalado em pelo menos uma maquina de cada setor possibilitando o acesso. Com o login sendo controlado 17

18 com a criação de contas de acesso pessoal para cada usuário, limitando e controlando o acesso, garantindo assim, uma maior segurança dos dados. Veja exemplificação: Setor A Administ ração Gestão de Orçamentari Financeira pessoas a Gestão de pessoas Na imagem acima falamos do setor administrativo da ONG e dividimos em sub- setores ou áreas, que no caso são controlados pela parte administrativa, porem não necessariamente pelos mesmos funcionários, uma vez que, cada subsetor tem sua forma de organização, cadastro, manutenção e etc. Contando com a hipótese de que eles não estejam interligados. Com a implantação do sistema, desenvolveríamos um software onde seriam criados logins e senhas para os funcionários, voluntários e demais pessoal conforme necessidade, possibilitando na hora da liberação do login determinar suas limitações de acesso, dando liberdade de controle de acordo com a necessidade de cada funcionário de utilizar as informações contidas em determinada seção. As telas do sistema se abririam em janelas diferentes e individuais, para agilizar caso haja necessidade do usuário ter acesso simultâneo a mais áreas que são administradas pelo software. 5.1 FUNCIONAMENTOS DO SOFTWARE PARA GESTÃO DE PESSOAS Uma vez que a gestão de pessoas cuida diretamente do controle de pessoal, se faz necessário um software que agilize o processo de cadastro, exclusão, busca de pessoal cadastrado, para facilitar e agilizar o processo do setor. 18

19 Pensando nisso, seria criada uma tela de cadastro para a seção de gestão de pessoas, onde ficariam registrados os dados dos funcionários, voluntários, e etc. Criaríamos um sistema de busca para facilitar o acesso aos dados das pessoas cadastradas caso haja a necessidade de fazer alterações ou até mesmo exclusões, seria desenvolvido para essa seção a opção de modificação de dados cadastrados, inserção de novos dados, exclusão e adição de usuarios, ainda na parte de cadastro, pensamos em incluir um sistema pratico que tenha um auto completar juntamente com o banco de dados dos correios para quando forem efetuar o cadastro de endereço só necessitarem de colocar o cep e automaticamente o endereço seria preenchido agilizando o processo de cadastro. Ao final do cadastro, havendo a necessidade de liberar acesso ao software na tela de criação de logins, bastaria ser inserido o código identificador que é gerado no cadastro, para que o sistema criasse o usuário e senha, ficando a critério do responsável pelo setor escolher a opção de limitações de acordo com o nível de necessidade do usuário. Esse login poderia ser criado a qualquer momento, não ficando limitado somente ao ato do cadastro, facilitando, caso haja alguma necessidade de inserir pessoal no decorrer do tempo. 5.2 FUNCIONAMENTOS DO SOFTWARE PARA GESTÃO FINANCEIRA Na parte financeira o sistema vai contar com calculadora, opção de cadastro de contas a pagar, contas pagas, gastos mensais e anuais podendo ser especificados em forma de tabela, com a possibilidade de criação de gráficos mensais, anuais, para elaboração de relatórios e prestação de contas. Incluiríamos também, um controle de doações, para facilitar a distribuição para os setores que necessitarem de orçamento, ficando esses setores cadastrados no sistema, com suas respectivas necessidades, facilitando na divisão orçamentaria. 19

20 5.2.1 INSERÇÃO E INCLUSÃO DE DADOS NO SETOR FINANCEIRO O sistema contaria com a facilidade de inserção e exclusão a qualquer momento dos seguintes itens: Necessidades orçamentaria de cada setor. Distribuição de orçamento mensal, trimestral ou anual. Ficando esses dois primeiros sob responsabilidade do setor orçamentário, uma vez, que o setor financeiro só teria acesso ao valor total necessário para orçamentos de cada área da instituição. Quanto a área financeira seriam os seguintes itens: Contas pagas. Contas a pagar. Distribuição financeira para orçamento. Dados para geração de notas, comprovantes e tudo quanto for pertinente ao setor financeiro. Controle de dinheiro em caixa. Saída e entrada de dinheiro. Setores com necessidades a serem supridas. Gerando assim, um controle maior sobre o que acontece em todo o setor financeiro. 5.3 FUNCIONAMENTOS DO SOFTWARE PARA GESTÃO ORÇAMENTARIA A parte orçamentaria cuida da distribuição do orçamento liberado para manutenção, inclusão, aquisição e etc. Com isso, na area de gestão orçamentaria o sistema vai contar com a possibilidade de cadastrar todas as áreas da instituição, seus setores, suas necessidades, sejam elas com material, pessoal ou etc. Facilitando a distribuição de forma correta do orçamento disponível em caixa. No sistema o usuário terá acesso ao cadastro dos seguintes itens: 20

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados.

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. MRP l SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. Material Requirement Planning Planejamento de requisição de materiais. Tecnológica e Organizacional décadas de 60 e 70

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

As etapas de automação

As etapas de automação As etapas de automação NEGREIROS, Leandro Ribeiro. Sistemas eletrônicos de gerenciamento de documentos arquivísticos: um questionário para escolha, aplicação e avaliação. Dissertação (mestrado em Ciência

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais Sistemas ERP Prof. Breno Barros Telles do Carmo Conceitos Iniciais Sistema de Informação adquirido em forma de pacotes comerciais de software que permite a integração de dados de sistemas de informação

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO UNIVERSITÁRIO DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES SISTEMA 1ª EDIÇÃO SETEMBRO/2013

Leia mais

Manual Controle de Estoque

Manual Controle de Estoque 2014 Manual Controle de Estoque ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Manual de Utilização... 3 1 - Cadastro... 3 1.1 Cadastro de Fornecedores... 4 1.2 Grupo de Materiais... 6 1.3 Unidades

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Sistemas de Informação na Produção

Sistemas de Informação na Produção Sistemas de Informação na Produção ERP. Principais ERPs do mercado. Mitos sobre ERPs. Aula 6 - Questões para Refletir 2/26 Enterprise Resource Planning - ERP Sistemas de gerência que integram todos os

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos

Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos 1 IDENTIFICAÇÃO Abrangência do Projeto: ( ) Estadual ( ) Regional (x) Intermunicipal (no mínimo três municípios): Piraquara, Pinhais e Quatro Barras 1.1 Dados

Leia mais

Volpe Enterprise Resource Planning

Volpe Enterprise Resource Planning Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado, reproduzido, traduzido ou reduzido a qualquer mídia eletrônica ou máquina de leitura, sem a expressa

Leia mais

Manual Operacional Versão 2.2

Manual Operacional Versão 2.2 1 Manual Operacional Versão 2.2 2 SUMÁRIO 1) Assistente de configuração 4 2) Módulo Geral 9 2.1) Administradora 9 2.2) Empresa 9 2.3) Grupo de Empresa 12 2.4) Responsável 13 2.5) CEP 13 2.6) Configurações

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE

GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE ÍNDICE Conceito... 3 Quais os itens Considerados para a Apuração... 3 Formas de Cálculo de Lucratividade... 3 Parâmetro do Sistema... 4 Time Sheet... 4 Que Percentual

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Almox Express Especificação de Requisitos

Almox Express Especificação de Requisitos 1. Introdução Almox Express Especificação de Requisitos Este documento descreve um sistema de gerenciamento de almoxarifado, denominado de Almox Express, a ser desenvolvido por um grupo de estudo. Nele

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS Rosiane da Silva Biscaia Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades

Leia mais

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor H6Projetos Documento de Requisitos Versão 1.3 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2013 1.0 Preenchimento do Capítulo 2 Requisitos Funcionais Evilson Montenegro 26/09/2013 1.1 Preenchimento

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO SInAE Sistema Integrado de Administração Escolar Fevereiro - 2006 Sumário INTRODUÇÃO... 2 APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS... 3 Módulo Acadêmico... 3 Módulo de Cofigurações da Escola...

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 10.629, de 25 de setembro de 2013 EMENTA:Cria no âmbito do Município de Itabuna, o Programa VIV-À-RTE, vinculado administrativamente à Fundação Marimbeta- Sítios de Integração da Criança

Leia mais

Manual Gerencial. Sumário DRE - O QUE É. Customizado. atalho no menu do ERP. Geral de Rotinas Comuns em Cadastros do manual para download

Manual Gerencial. Sumário DRE - O QUE É. Customizado. atalho no menu do ERP. Geral de Rotinas Comuns em Cadastros do manual para download MANUAL GERENCIAL Sumário DRE - O QUE É 3... 4 Abrindo o aplicativo... 6 Menu Customizado... 7 C olocando atalho no menu do ERP... 16 Cadastro de Demonstrativo... 22 Filtros de pesquisa... 25 Menu Geral

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

NeXT ERP Sistema de gestão empresarial A solução integrada e eficiente para sua empresa

NeXT ERP Sistema de gestão empresarial A solução integrada e eficiente para sua empresa Gerencie facilmente seu negócio com o NeXT ERP O que é o NeXT Software? - Um avançado software integrado capaz de automatizar e integrar os processos de negócio de sua empresa - Possibilita que as informações

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Instituto de Educação Tecnológica Pós Graduação Gestão de Tecnologia da Informação Turma 24 16 de Outubro de 2014 Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Felipe Rogério Neves

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SELMA MARIA DA SILVA (IFG) profasms@hotmail.com Sandrerley Ramos Pires (UFG)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL O Projeto Sistema Integrado de Gestão Governamental se constitui no desenvolvimento de uma solução sistêmica própria, a ser construída

Leia mais

Cases de sucesso RG2 CONSULTORIA DE SISTEMAS LTDA:

Cases de sucesso RG2 CONSULTORIA DE SISTEMAS LTDA: Cases de sucesso RG2 CONSULTORIA DE SISTEMAS LTDA: Entenda como a utilização do MAKER tornou ainda mais eficiente e prática o desenvolvimento de sistemas comercializados pela RG2, sempre entendendo e atendendo

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Evandro sistemas comerciais e web.

Evandro sistemas comerciais e web. Evandro sistemas comerciais e web. Sistema de Gerenciamento Comercial. Contatos: Site: www.evandropf.ubbi.com.br e-mail: acraseado@yahoo.com.br msn: evanf@bol.com.br Tel. (19)9212-7827 O Sistema Este sistema

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Projeto. Padronização e informatização do processo de cadastro, seleção e acompanhamento de estagiários de DME

Projeto. Padronização e informatização do processo de cadastro, seleção e acompanhamento de estagiários de DME 1 Projeto Padronização e informatização do processo de cadastro, seleção e acompanhamento de estagiários de DME Introdução O Departamento de Merenda Escolar (DME) da Secretaria Municipal de Gestão (SMG)

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv. Disponibilização de Programas. Manual do Usuário Versão 2

Portal dos Convênios - Siconv. Disponibilização de Programas. Manual do Usuário Versão 2 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Disponibilização de Programas

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Ceará. ProjeTRE: sistema de informações para gestão de projetos

Tribunal Regional Eleitoral do Ceará. ProjeTRE: sistema de informações para gestão de projetos Tribunal Regional Eleitoral do Ceará ProjeTRE: sistema de informações para gestão de projetos Tema: Gestão Estratégica Luthiano Sande Lima Vasconcelos Escritório Corporativo de Projetos luthiano@tre-ce.gov.br

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

Parametrização Básica WMS

Parametrização Básica WMS Parametrização Básica WMS Sumário Definindo Parâmetros Gerais... 4 Parâmetros... 5 Conferência... 6 Integração... 7 Pick / Pack... 8 Tarefa... 10 Etiqueta... 11 Produção... 12 Integração do Produto...

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Curva ABC Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Utilização no sistema TCar-Win... 3 Configuração da curva ABC... 4 Configuração

Leia mais