UM ESTUDO SOBRE O MAPEAMENTO ENTRE AS CLASSES DO ERP5 E A LINGUAGEM CIMOSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM ESTUDO SOBRE O MAPEAMENTO ENTRE AS CLASSES DO ERP5 E A LINGUAGEM CIMOSA"

Transcrição

1 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 UM ESTUDO SOBRE O MAPEAMENTO ENTRE AS CLASSES DO ERP5 E A LINGUAGEM CIMOSA Angela Teresa Rochetti (UNESP) Renato de Campos (UNESP) Roberto Giamei Galera (UNESP) Resumo Para o aumento da capacidade gerencial e competitiva das empresas um dos principais aliados são os chamados Sistemas Integrados de Gestão ou Enterprise Resource Planning (ERP). Porém, para as pequenas e médias empresas este tipo de sistema pode ser inviável devido ao seu alto custo que envolve consultoria, parametrização e implantação. Devido a isto os ERPs livres de código aberto têm ganhado uma aceitação cada vez maior, oferecendo vantagens como diminuição dos custos e o acesso ao código, tal como o sistema ERP5. Mas para usufruir destas vantagens são necessários métodos adequados para o levantamento de requisitos de negócios, e ferramentas de modelagem e de desenvolvimento apropriados. O objetivo principal deste artigo é comparar e mapear os construtores da linguagem de modelagem de empresa de CIMOSA (Computer Integrated Manufacturing Open System Architecture) com as classes do ERP5, visando facilitar a passagem do modelo de requisitos de negócios de empresas para o modelo de desenvolvimento ou de customização deste sistema. Abstract To increase the management capacity and improve businesses one of the main allies are the Enterprise Resource Planning (ERP). But for small and medium enterprises this type of system can be impracticable because of its high cost which involves consulting, customization and deployment. Because of this the free open source ERP has gained an increasing acceptance, offering advantages such as lower costs and access to the code, as the system ERP5. But to enjoy these benefits are necessary methods for the business requirements definition, and appropriates modeling and development tools. The main objective of this article is to compare and map the enterprise modeling language of

2 CIMOSA (Computer Integrated Manufacturing System Open Architecture) to the classes of ERP5, to facilitate the passage of the model of the business requirements for the development or customization model of the system. Palavras-chaves: ERP5, CIMOSA, MODELAGEM DE EMPRESA, BUSINESS MODELING IV CNEG 2

3 1. INTRODUÇÃO No atual contexto econômico mundial, altamente competitivo e globalizado é importante entender uma empresa como um sistema aberto que interage com o ambiente externo e frente a isso novas habilidades gerenciais são exigidas. Muitas empresas têm alterado suas estratégias organizacionais a fim de se tornarem capazes de atuar nesse ambiente. Mesmo para uma empresa que vende e produz um item numa remota cidade do interior, sua gerência tem que ser tão eficiente quanto a mais eficiente empresa de seu setor (HEBERKORN, 2003) Para o aumento da capacidade gerencial e competitiva, a empresa deve ter uma visão global e integrada e para isso é necessário que a mesma seja representada por um modelo, o qual servirá como referência para os seus elementos quer sejam pessoas ou sistemas, fornecendo apoio para uma avaliação apurada dos recursos no processo de negócios. Entre outros fatores a complexidade dos produtos e serviços oferecidos requer um adequado gerenciamento dos processos de negócio envolvidos e para que processos de negócio sejam integrados ou controlados por computador, é necessário que estes sejam formalizados, assim como os objetos utilizados, manuseados ou processados por eles. Além dos processos, o mesmo deve acontecer com as informações utilizadas ou geradas, os recursos requeridos, e também as responsabilidades e autoridades necessárias para o seu controle (VERNADAT, 1996). A correta identificação e modelagem dos processos de negócio, além de descrever a estrutura e comportamento da empresa e auxiliar na integração dos processos, é a base para adoção e implantação de novos sistemas de informação, os quais permitem tratar e transmitir as informações necessárias entre o sistema físico e o sistema de gestão da empresa. Com relação aos sistemas de informação os sistemas integrados de gestão (ERP) existem em diferentes níveis e valores, sendo que no caso das pequenas e médias empresas a sua adoção pode ser inviável devido ao seu alto custo que envolve consultoria, parametrização e implantação. Devido a isto os ERPs livres de código aberto têm ganhado uma aceitação cada vez maior, oferecendo vantagens como diminuição dos custos e o acesso ao código. Segundo Carvalho e Campos (2007), para os sistemas de ERP de código aberto, a falta de métodos adequados e de ferramentas de modelagem e desenvolvimento podem inviabilizar IV CNEG 3

4 as vantagens oferecidas pela disponibilidade do código, como no caso do ERP5, um ERP de código aberto. A arquitetura do ERP5 incorpora desde sua concepção conceitos avançados como banco de dados orientados a objetos e sistema de gestão de conteúdo, sincronização de dados entre diferentes instalações, tendo ainda um método claro de modelagem de processos e conseqüentemente de geração de código fonte (SMETS-SOLANES; CARVALHO, 2003) Com relação a modelagem de processos a arquitetura CIMOSA(CIM Open System Architecture) é considerada uma das mais completas metodologias para a modelagem de empresas. Conceitualmente CIMOSA fornece um conjunto pré-definido de classes genéricas de objetos de empresas representados através de gabaritos que é a base de sua linguagem. Estes gabaritos são modelos padronizados de descrições para cada construtor do modelo da empresa. É grande a necessidade de um linguagem mais adequada para a modelagem de processos, que facilite a análise dos requisitos e a conseqüente transformação de um modelo de requisitos de empresa no software, mais especificamente o software ERP5. Frente a essa necessidade, este artigo pretende comparar e mapear os construtores de linguagem CIMOSA e as classes do ERP5 visando sistematizar a passagem do modelo de requisitos de uma empresa, supondo utilizar a linguagem CIMOSA, para o desenvolvimento e customização do ERP5. Neste artigo será abordado nas próximas seções: os sistemas ERPs, o desenvolvimento de sistemas, o sistema ERP5, a linguagem de modelagem CIMOSA, comparação de CIMOSA e as classes do ERP5 e finalmente as considerações finais para este trabalho. 2. METODOLOGIA Com relação a natureza trata-se de uma pesquisa aplicada, pois o objetivo deste trabalho será gerar conhecimentos para a solução dos problemas relacionados com a implantação de ERPs. Quanto a forma de abordagem do problema trata-se de uma pesquisa qualitativa pois a fonte de coleta de dados será o próprio sistema de gestão empresarial ERP5, no qual o processo e o seu significado são os focos principais de abordagem. IV CNEG 4

5 Do ponto de vista dos objetivos essa pesquisa é exploratória por proporcionar a familiaridade com o problema, que é a utilização da modelagem do negócio para a devida implantação do ERP5, o qual será operado na prática. Com relação aos procedimentos técnicos a pesquisa é predominantemente bibliográfica e de aspectos experimental para a avaliação das variáveis e do objeto de estudo da proposta. 3. SISTEMAS ERP Conhecidos como Sistemas Integrados de Gestão ou Enterprise Resource Planning, têm sido amplamente utilizados por organizações de todos os porte, mas principalmente pelas empresas de médio a grande porte. Segundo Davenport (1998) apud Gonçalves et al. (2004) a implantação destes sistemas é bastante complexa e dispendiosa e nem sempre atende as expectativas do cliente. A comercialização dos ERPs normalmente é feita na forma de pacotes de software, isto é, em módulos para que a implantação possa ser feita de acordo com as necessidades dos clientes. O investimento no processo de implantação de cada módulo é sempre elevado e o resultado nem sempre é o esperado (GONÇALVES et al., 2004). Normalmente os ERPs trazem embutidos em suas rotinas o que são chamadas pelos desenvolvedores de sistemas de melhores práticas, que geralmente forçam as empresas que adotam um ERP incorporar essas práticas do sistema em seu negócio. Para Davenport (1998), isso significa colocar a empresa no sistema empresarial podendo acarretar que processos característicos da organização, sejam trocados por processos genéricos de um ERP e com isso diminuindo a vantagem competitiva relacionada às características intrínsecas da organização. As customizações são admitidas nos pacotes ERPs, mas segundo Hong (2002) apud Gonçalves et al. (2004), são desencorajadas pelos desenvolvedores temendo a degradação da performance e integridade do sistema, além de elevar o custo de sua implantação. 4. DESENVOLVIMENTO E ADAPTAÇÃO DE SISTEMAS Segundo Sommerville (2003) existem muitos processos de software diferentes, mas as atividades comuns entre eles são: IV CNEG 5

6 Especificação de software também conhecida como engenharia de requisitos, na qual se levantam as funcionalidades e restrições em sua operação; Projeto e especificação de software é o processo de conversão de uma especificação de sistema em um sistema executável; Validação do Software garantir que o software faz o que o cliente deseja; Evolução do Software o software precisa evoluir para atender às necessidades mutáveis dos clientes. Em se tratando de ERPs surge a necessidade do correto levantamento dos requisitos a fim de identificar os processos de negócio da organização antes da implantação, cujo objetivo é avaliar se os processos devem ser modificados, modernizados ou mantidos (MENDES; ESCRIVÃO, 2002). Nesse contexto entra a modelagem dos processos de negócios, na qual o modelo deve representar a realidade expressa em uma linguagem ou formalismo (AZEVEDO; CAMPOS, 2002). Muitas são as técnicas, formalismos ou linguagens utilizadas para a modelagem de processos, uma das candidatas pode ser a adoção do Processo Unificado (UP- Unified Process), por ser uma metodologia estabelecida especificamente para o desenvolvimento de software. Jacobson et al. (1999) apresentam as origens do UP desde o processo Objectory (com primeira versão em 1987) passando pelas contribuições do Processo Rational Objectory (em 1997) até o Processo Unificado da Rational RUP (KRUCHTEN, 2003 apud CAMPOS, 2006). O propósito do UP, como qualquer outro processo de desenvolvimento de sistemas, é determinar um conjunto de atividades necessárias para transformar requisitos em sistemas de software. As suas fases são: Levantamento de Requisitos, Análise e Projeto, Implementação, Teste, e Implantação, além de estar diretamente ligado com a Linguagem de Modelagem Unificada (UML), a qual não é uma linguagem de computador nem um processo, mas sim uma linguagem de comunicação que servirá para comunicar a representação de um software em diversos estágios (MEDEIROS, 2004). Na próxima seção será abordado sobre o ERP5 e suas características mais importantes. IV CNEG 6

7 5. ERP5 O projeto do sistema ERP5 segue a linha de sistemas livres de código aberto, também conhecido como open source. Este projeto está sendo desenvolvido por um grupo de empresas e instituições de ensino e pesquisa da França e do Brasil entre outros. O ERP5 foi criado para ser um framework de desenvolvimento bem flexível para aplicações empresariais e promete ser uma solução de alta tecnologia para as pequenas e médias empresas sem resultar a altos custos de mudanças e manutenção (SMETS-SOLANES, 2003). Trata-se de um sistema avançado que oferece solução para empresas baseado no open source da plataforma Zope (http://www.zope.org), escrito na linguagem Python (http://www.python.org). Dentre os componentes chave do Zope usados no ERP5, existe ainda o banco de dados do objeto (ODB), o sistema de workflow (DCWorkflow): o Content Management Framework (CMF) que é uma infra-estrutura para adicionar ou remover contextos e o Zope Page Templates (ZPT) baseada no XML. De acordo com Carvalho e Monnerat (2007) o sistema possui características importantes como: Multi: o sistema é multi-usuário, multi-organização, multi-linguagem, multi-moeda, multi-custo e multi-cenário; Meta: oferece vários níveis de detalhes para um mesmo processo de gestão; Distribuído: utiliza mecanismos de sincronização avançados que permitem a distribuição e compartilhamento de dados sem a necessidade de conexão permanente com a rede; Baseado em objetos: o emprego de um conjunto de objetos permite modelar e implementar sistemas complexos de suporte a decisão; Livre: toda a informação gerada, tecnologias e metodologias desenvolvidas, são livremente disponibilizadas pelo site do projeto. O modelo incorpora desde a sua concepção um banco de dados orientados a objetos, sistema de gestão de conteúdo e sincronização de dados entre diferentes instalações, tendo ainda um método claro de modelagem de processos e geração de código fonte. Segundo Carvalho e Monnerat (2007), o ERP5 é um modelo abstrato o suficiente para envolver todos os componentes básicos de negócios devido aos cinco conceitos abstratos os quais serão a base do processo empresarial, conforme ilustra figura 1. IV CNEG 7

8 Resource: descreve o recurso utilizado para realizar o processo empresarial, tais como características individuais, produtos, máquinas, etc. Node: entidade empresarial que recebe e envia os resource. Pode estar relacionado com uma entidade física (tais como instalações industriais) ou abstrata (como uma conta bancária). Metanodes são nodes que contém outros nodes, como empresas. Path: descreve como o node acessa o resource de outro node. Também pode ser o processo de troca que define como um cliente obtém um produto de um fornecedor. Movement: descreve a movimentação dos resources entre os nodes de um determinado momento e por um período de tempo. Por exemplo, uma alteração do estoque de matéria prima de uma fábrica. Os movements são a realizações dos paths. Item: uma instância do resource. Por exemplo, um Driver de CD é um resource do computador, enquanto o CD driver part number 23E982, é um item dele. Figura 1- Principais Classes do ERP5. Fonte: (CARVALHO; MONNERAT, 2007). O ERP5 pode associar qualquer coisa a uma de suas categorias, por exemplo uma categoria de recursos (tais como serviços, matéria-prima, habilidade ou dinheiro) ou uma categoria de organizações (tais como um grupo de empresas, um grupo de pessoas ou uma cadeia de varejo) (SMETS-SOLANES; CARVALHO, 2003). O sistema é capaz de proporcionar a customização administrando benefícios computacionais. A noção de variação permite que um único descritor recurso represente milhões de variações de um determinado produto sem criar milhões de registros em um banco de dados e sem ter que criar um número de produto para cada alteração de um mesmo produto. O ERP5 possui um Framework, constituído de um conjunto de pastas sob forma de objetos e seus atributos, onde cada uma detém documentações auto-suficientes e eventuais IV CNEG 8

9 subpastas, podendo ser exportado e importado de uma pasta. Consequentemente, cada documento representa um objeto raiz em uma pasta com todos os seus sub-objetos bem como todos os objetos os quais podem relacioná-lo. A figura 2 mostra o framework do ERP5. Figura 2 - Framework do ERP5. Fonte: (SMETS-SOLANES; CARVALHO, 2003) É importante entender que o ERP5 é um programa centrado em documentos document-driven, e por isso usa o Zope e seus Content Management Framework (CMF) que originalmente foi desenvolvido como uma ferramenta de desenvolvimento da web que fornece opções para gerenciar os documentos desta. Com o tempo, percebeu-se que poderia ser usado como um incremento para qualquer tipo de aplicativo baseado na web. Conforme visto até aqui a implementação de ERP5 está baseado no modelo abstrato, mas do ponto de vista interface com o usuário um sistema real ERP5 é um banco de dados de documentos que contém uma coleção de pastas com as instruções do modelo empresarial (SMETS-SOLANES, 2008). Para um melhor entendimento do modelo, ainda de acordo com o mesmo autor, a seguir são apresentadas as descrições de pastas de forma a explicitar o modelo de administração de conteúdo do ERP5: Person : Esta pasta centraliza informações sobre pessoas, e é implementada como uma extensão da pasta member do Framework de administração de conteúdo do Zope. Assim, pode conter arquivos pessoais, documentos, etc, se relacionando ou mesmo envolvendo as classes Node, Amount, Delivery. IV CNEG 9

10 Organization :Esta pasta centraliza informações sobre organizações. Não obstante, criar uma organização exige definir sua posição na classificação global do ERP5. Isto é requerido porque sempre são nomeadas pessoas para uma organização, e a tarefa exige apontar uma folha da classificação global. Esta pasta pode ligar-se a um perfil empresarial (opcional) e a um perfil de cliente (opcional), sendo assim, esta pasta obtém o relacionamento com as classes Metanode, Amount e Delivery. Orders: Centraliza todas as informações sobre pedidos, sendo que os mesmos são representados como objetos de entrega que são como uma coleção de objetos de movement. Uma vez que um pedido é criado e aceito, uma cópia deste é gerada como um objeto de Delivery para criar objetos de Movements no Workflow de simulação. Orders possui associações com própria classe Orders, Movement, Delivery. Resource: Em Resource centraliza todas as informações sobre a descrição dos recursos e metarecursos envolvidos em um processo de negocio. Um metarecurso pode ser, por exemplo: tempo de montagem, dinheiro, matéria prima, etc. Resource simplesmente são descrições de um produto ou de um serviço. Objetos de perfil padrão que incluem preço base, variação de preço, preço por quantidade, condições fiscais, etc. Esta pasta envolve associação com as classes Order, Movement, Delivery. Machine: Centraliza as informações sobre máquinas, como setup, e outros parâmetros. Esta pasta se relaciona com a classe Node. Item: Itens representam os objetos do mundo real que são transportados e transformados. Todas as informações de remessa podem ser itens elementares ou Containers. Esta pasta centraliza informações de localização dos itens e tem relacionamentos com Item e Containers. Invoice: Uma fatura é implementada de uma maneira bem parecida com um pedido que pode ser entregue. Esta pasta centraliza todas as informações sobre faturas. Possui referências de objetos de entrega que representam remessas de bens e pagamentos. Esta pasta possui como principal relacionamento a classe Delivery. Activities : Esta pasta centraliza todas as informações sobre a produção e consumo de recursos. Atividades são implementadas como objetos de Delivery, uma coleção de objetos de Movements e Delivery. IV CNEG 10

11 Design: Todos os modelos de produtos que podem ser fabricados estão centralizados nesta pasta. Projetos são implementados como um conjunto de objetos de Transformation coletados em um único documento. Transaction: Transaction centraliza todas as informações de contabilidade. Pertence ao workflow de simulação e que movem formulários de recursos de dinheiro de uma conta para outra, trabalhando assim todo tipo de movimentação como conta bancária, despesas e custos. Tem como principal relacionamento o Delivery. Build Order: É responsável por centralizar os documentos de planejamento da produção. Build Orders são considerados casos especiais de Orders. Seu relacionamento principal é o Delivery. Parternships: Parternship centraliza informações contratuais e organizacionais. Uma coleção de relações entre objetos de Path e objetos de Profile que definem condições comerciais para aquela parceria. Account: Nesta pasta existe a organização das hierarquias de contas. São implementadas contas como Node e objetos Metanode. Contas múltiplas permitem fazer contabilidade de várias organizações. Esta pasta tem como associação principal o Node e o Metanode. Delivery: Movimentos de objetos de Delivery pertencem ao workflow de simulação. Esta pasta organiza a informação sobre entregas de bens e serviços, interiormente ou para clientes. Simulations: Toda a informação de simulação é armazenada nesta pasta, a mesma contém objetos de Movements. Movimentos são implementados como pastas que contém causalidade, as quais contêm movimentos, etc. Isto posto, considera-se a permissão de representar o processo da geração de movimento baseado em regras. Se relaciona com as classes Movement, Application e Tracking. Rule: A pasta Rule centraliza definições de regras de negócios e as suas prioridades para transferência de informações, bem como a necessidade de organização da mesma. Categories: Define uma classificação global de todos os documentos. A pasta Category permite definir a coleção de categorias independentes. Pertencer a uma categoria é definido pelo ajuste de uma lista de palavras-chave dentro de um assunto, sendo que esta pasta tem como relacionamentos principais as classes Metanode e Node. IV CNEG 11

12 Report: Permite definir relatórios em uma coleção de objetos. Relatórios são definidos pelo fornecimento de uma lista de categorias como país, consumidor, organização. Os relatórios permitem exibir uma seleção de objetos através de uma lista ou uma lista hierárquica e fornecer valores estatísticos para seleção. Na próxima seção será abordado sobre a arquitetura CIMOSA e suas características mais importantes. 6. CIMOSA Uma empresa é descrita por um conjunto de modelos interrelacionados. Cada modelo possui sua própria finalidade e cobre uma parte ou um subconjunto da empresa, ou representa um aspecto da empresa sob uma dada perspectiva (VERNADAT, 1996). Computer Integrated Manufacturing Open System Architecture (CIMOSA) é uma arquitetura para o projeto e integração de empresas que fornece, entre outros conceitos e componentes, uma linguagem e um processo de modelagem que define atividades para a modelagem dos aspectos de uma empresa (CIMOSA Association, 1996). Em um nível macro, CIMOSA vê toda a empresa como uma coleção de domínios (DM1, DM2 e DM3), definindo áreas funcionais responsáveis por objetivos da empresa. Um domínio é constituído de uma coleção de processos centrais (chamados processos de domínios - PD1, PD2 e PD3) e interage com outros domínios (RD12, RD13 e RD14) pela troca de requisições (eventos) e objetos (referenciados por suas vistas). Cada processo de domínio é uma cadeia completa de atividades da empresa (AEi), disparado por eventos, e produzindo um resultado final bem definido. IV CNEG 12

13 Figura 3 - Visão Macro de modelagem CIMOSA. Fonte: (Adaptado de Kosanke, 1995) No próximo nível de análise, cada processo de domínio de um domínio a ser analisado é definido em termos de suas atividades de empresa, que são passos de processamento dentro de um processo transformando objetos e requerendo recursos para sua execução. Atividades podem ser agrupadas dentro de um processo de domínio em subprocessos, chamados processos de negócios (PNi) e são ligadas por um conjunto de relações causais ou de precedência chamadas regras de comportamento (RCi) formando uma rede de atividades. Atividades de Empresa possuem entradas e saídas que descrevem os objetos de empresa transformados pela atividade, os objetos de controle das atividades e os recursos necessários para a atividade na forma de vistas de objetos. Cada atividade de empresa também pode ser decomposta e detalhada em passos de processamento elementares, chamados operações funcionais(of), a qual requisitos de agentes ou entidades funcionais(ef) necessários para sua execução, devem ser expressos, conforme figura 4. IV CNEG 13

14 Figura 4 Decomposição de Atividades de Empresas. Fonte: (Adaptado de Kosanke, 1995) E finalmente, quando as estruturas funcionais, de informação, e de recursos estiverem especificadas, a estrutura de organização necessária para garantir coordenação própria e distribuição de responsabilidades, pode ser definida em termos de unidades de organização, células de organização, níveis de decisão, autoridades e responsabilidades. Para o suporte a esta visão de modelagem CIMOSA oferece uma linguagem de modelagem cujos construtores são consistentes e não redundantes e que cobrem os vários aspectos da empresa como vistas de função, de informação, de recursos e de organização. (CIMOSA Association, 1996), conforme figura 5. Figura 5 - Elementos de Construtuores CIMOSA. Fonte: (Adaptado de Kosanke, 1995) Comparada com outras metodologias de modelagem, as principais vantagens de CIMOSA segundo Vernadat (1996) são: IV CNEG 14

15 Cobrir adequadamente os aspectos funcionais e comportamentais de sistemas de empresas; Suportar a descrição da especificação de projeto e implementação do sistema de acordo com os requisitos de usuários (processo de derivação); Restringir o conjunto de blocos de construções possíveis, forçando vendedores fornecer componentes padrões; Estar em linha com os padrões internacionais em desenvolvimento; Único método de modelagem o qual satisfaz os princípios de separação de domínios de uma empresa, generalidade, reusabilidade, decomposição funcional, separação de funcionalidade e comportamento, separação de processos e recursos, e conformidade todos juntos. Conforme Vernadat (1996) e (Association CIMOSA, 1996) serão descritas a seguir os aspectos de modelagem Funcionais, de Informação, de Recursos e de Organização MODELAGEM DE ASPECTOS FUNCIONAIS O objetivo de um método de modelagem funcional é descrever a funcionalidade da empresa e o comportamento no nível de detalhe necessário pelo usuário de negócios. A maioria dos métodos de modelagem funcional é baseada na decomposição funcional, isto é, funções do sistema modelado são decompostas em subfunções, as quais resultarão em atividades ou processos e que podem então ser conectadas através de relações de precedência para modelar os processos de negócios da empresa. Para suportar esse aspecto CIMOSA define seus construtores em termos de um modelo formal. A razão para isso é que o modelo de processo de uma empresa deve ser processável por computador para apoiar a análise (qualitativa e quantitativa), simulação, e representação do modelo de empresa. Os construtores são também definidos por meio de gabaritos de descrição. Uma vez que o modelo está completo, ele deve ser auto-explicativo e fornecer uma documentação completa e precisa das operações da empresa. Os seguintes construtores são usados para modelagem funcional em vários níveis de modelagem de CIMOSA: domínio, relacionamento de domínio, evento, processo de domínio, processo de negócio, atividade de empresa, e operação funcional. IV CNEG 15

16 O domínio pode ser considerado como um módulo gerenciável que pode interagir com outros domínios caracterizando o relacionamento de domínio. Um domínio compreende um conjunto de processos centrais, que são os processos de domínio. Os eventos representam qualquer acontecimento (solicitado ou não) requisitando algum processamento. A decomposição de um domínio em subfunções resulta em processos intermediários chamados de processo de negócio, que decomposto em subfunções são as atividade de empresa, cujo comportamento é definido por uma operação funcional, isto é, um script ou algoritmo que represente uma função que não pode mais ser decomposta MODELAGEM DE ASPECTOS DE INFORMAÇÃO O propósito da modelagem de informação é fornecer uma representação do sistema de informação de uma empresa em vários níveis de modelagem. Um sistema de informação é feito de dados e informações usadas, armazenadas e processadas para as necessidades de usuários e aplicativos da empresa. Seu propósito é gerenciar os dados e informações da empresa para suporte às atividades do sistema físico e de decisão da empresa. CIMOSA define dois principais construtores para a modelagem de informação: objeto de empresa e vista de objetos. Objetos de empresa representam entidades do mundo real da empresa, possuindo uma identidade e existência própria, caracterizados por seu ciclo de vida e descritos por um conjunto de propriedades intrínsecas. Vistas de objetos de informação referem-se a entidades de informação, que representam dados de objetos do mundo real (natureza de informação). Esta distinção diferencia o fluxo de informação e o fluxo de material em um modelo. No modelo, as vistas de objetos são constituídas de elementos de informação extraídos de objetos da empresa ou atributos derivados, como uma imagem ou aparência do estado de um ou mais objetos em uma dado instante como documentos, formulários, telas de computador, arquivos de dados, etc MODELAGEM DE ASPECTOS DE RECURSOS De forma geral, um recurso é qualquer coisa que é requerida para executar algo, uma entidade humana ou técnica, que contribui para a realização da funcionalidade de atividades de processos de negócio. Processos de negócios define o que deve ser feito e como deve ser feito, já os recursos são agentes ou atores que fazem o trabalho. IV CNEG 16

17 Nesta vista, os construtores CIMOSA são: entidade funcional, recurso, capabilidade e conjunto de capabilidade. Entidade funcional é aquela capaz de enviar requisições e executar operações funcionais, uma entidade funcional engloba todos os recursos ativos que executam operações funcionais de uma atividade, dentro ou fora da empresa como mandar, receber, processar mensagens (requisições ou dados), ou ainda armazenar informações. Recursos quando não são entidades funcionais, são chamados de componentes, isto é, recursos passivos (objetos que não proporcionam funcionalidades por si só). Eles precisam ser usados ou manipulados por entidades funcionais tornando-se parte de uma entidade funcional agregada. Os recursos por sua vez fornecem as capabilidades ou conjunto de capabiliades, isto é, são elementos que podem referir-se à funcionalidade de uma atividade de empresa e são definidos por um nome, um valor e possivelmente uma unidade MODELAGEM DE ASPECTOS DE ORGANIZAÇÃO A estrutura organizacional, apesar de imaterial, é a espinha dorsal da empresa. Ela estrutura a empresa em uma hierarquia de unidades de decisão. Cada unidade pertence a um nível organizacional, possui um horizonte de planejamento, possui responsabilidades e autoridades sobre as unidades organizacionais de nível mais baixo, e se reporta a uma unidade de nível superior. Cada nó na hierarquia define restrições e objetivos para seus nós de mais baixo nível. Uma unidade de organização pode representar um centro de decisão consistindo de uma ou mais pessoas, um centro de trabalho, uma seção, até um departamento inteiro. Os aspectos de organização de uma empresa são, então, relativos a união entre pessoas (competências) e tarefas (processos), caracterizada pelo seu comportamento e dinâmica, necessitando portanto, ser flexível. A vista de organização CIMOSA fornece os construtores: unidade de organização, célula de organização e elemento de organização. O construtor Unidade de organização é um elemento da organização, definido por sua lista de capabilidades, responsabilidades e autoridades dentro de uma estrutura de organização, associados e descritos por uma função de tomada de decisão ou solução de problemas. Cada unidade de organização pertence a apenas uma célula de organização, que é uma agregação de unidades de organização definindo uma área organizacional da estrutura de organização. A seguir serão feitas comparações dos construtores de linguagem CIMOSA e as classes do ERP5 visando adequar o levantamento de requisitos e facilitar a passagem deste modelo para o modelo de desenvolvimento do ERP5. IV CNEG 17

18 7. COMPARAÇÃO Nesta seção será apresentada uma comparação entre os construtores da linguagem CIMOSA e os conceitos abstratos do ERP5, especificamente o seu Framework. A proposta dessa comparação contempla identificar aspectos da linguagem CIMOSA que possuem algum grau de correspondência. As correspondências encontradas serão classificadas em Fraca, Média e Forte. A fim de facilitar a comparação é apresentado abaixo um quadro com os construtores CIMOSA e as respectivas classes do ERP5 que possuem alguma correspondência. Os construtores que não tiverem correspondência com o ERP5 ficam em branco. CIMOSA Vista de Função Domínio Relacionamento de Domínio Atividade de Empresa Operação Funcional Processo de Domínio Processo de Negócio Evento Vista de Informação Objeto de Empresa Vista de Objeto Vista de Recursos Capabilidade Conjunto de Capabilidades Recurso Entidade Funcional Vista de Organização Unidade de Organização Célula de Organização Elemento de organização Classes do ERP5 Activities Movement Conjunto de Activities Conjunto de Activities Considera-se qualquer objeto do Framework do ERP5 Considera-se qualquer pasta ou classe criada sobre os objetos do Framework do ERP5 Capacity Conjunto de Capacity Pearson / Machine Conjunto de Pearson / Machine Node/Organization Metanode/ Organization IV CNEG 18

19 7.1. COMPARANDO VISTA DE FUNÇÃO Comparando a vista de função CIMOSA, pode-se relacionar os construtores Atividade de Empresa, Operação Funcional, Processo de Domínio e Processo de Negócio, com as classes do ERP5 Activities, Movements, Conjunto de Activities, conforme ilustra o quadro 1. CIMOSA Atividade de Empresa Um conjunto de ações elementares executados para realizar alguma tarefa dentro de uma empresa, requerendo tempo e recursos para sua execução, e transformado um estado de entrada em um estado de saída. Operação Funcional Operações funcionais são unidades, ou átomos, de funcionalidade, usadas no comportamento da atividade. Processo de Domínio É uma seqüência de atividades de uma empresa com condições iniciais bem definidas e fornecendo um resultado final definido. Processo de Negócio Processos de negócios são subprocessos similares a processos de domínio. ERP5 Activities (Forte) Uma pasta que centraliza todas as informações sobre a produção e consumo de recursos. Movements (Média) Movimentos são onde recursos de planejamento atual acontece, podem incluir submovimentos gerados pelas regras de negócios e podem ser associados a outros movimentos através de causalidades. Conjunto de Activities (Forte) Uma pasta que centraliza todas as informações sobre conjunto de activities. Conjunto de Activities (Forte) Uma pasta que centraliza todas as informações sobre conjunto de activities. Quadro 1 Vista de Função CIMOSA e classes ERP COMPARANDO VISTA DE INFORMAÇÃO Comparando a vista de informação CIMOSA, pode-se relacionar os construtores Vista de Objeto e Objeto de Empresa com qualquer uma das classes do ERP5, conforme ilustra o quadro 2. CIMOSA Objeto de Empresa Objetos de empresa representam entidades do mundo real da empresa, possuindo uma identidade e existência própria. Eles são caracterizados por seu ciclo de vida e são descritos por um conjunto de propriedades intrínsecas. Vista de Objeto Vista de objetos é uma imagem ou aparência do estado de um ou mais objetos de empresa em um dado instante. ERP5 Classes Objetos do Framework (Média) Considera-se objetos de empresa as pastas ou classes originais do Framework do ERP5. Objetos derivados do Framework (Média) Considera-se aqui vista de objeto qualquer pasta ou classe criada sobre os objetos do Framework do ERP5. Quadro 2 Vista de Informação CIMOSA e classes ERP5 IV CNEG 19

20 7.3. COMPARANDO VISTA DE RECURSOS Comparando a vista de recursos CIMOSA, pode-se relacionar os construtores Capabilidade, Conjunto de Capabilidades, Recurso e Entidade Funcional, com as classes do ERP5 Capacity, Person ou Machine, conforme ilustra o quadro 3. CIMOSA Capabilidade Refere-se à funcionalidade de uma atividade de empresa ou de um recurso. Conjunto de Capabilidades São conjunto de elementos de capabilidade. Recurso São classificados em entidades funcionais e componentes, que são recursos passivos (objetos que não proporcionam funcionalidades por si só). Eles precisam ser usados ou manipulados por entidades funcionais tornandose parte de uma entidade funcional agregada. Entidade Funcional São todos recursos ativos capazes de executar operações funcionais de uma atividade e fazer algum papel no curso do processo. ERP5 Capacity (Fraca) Uma quantia máxima ou mínima de recurso que uma interconexão pode produzir em um dado período de tempo. Conjunto de Capacity (Fraca) Pasta que centraliza uma quantia máxima ou mínima de recurso que uma interconexão pode produzir em um dado período de tempo. Pearson ou Machine (Forte) Pearson centraliza informações sobre pessoas, pode conter arquivos pessoais, documentos, etc. Machine pasta centraliza as informações sobre máquinas. Conjunto de Pearson ou Machine (Forte) Conjunto de informações sobre pessoas e/ou máquinas, etc. Quadro 3 Vista de Recursos CIMOSA e classes ERP COMPARANDO VISTA DE ORGANIZAÇÃO Comparando a vista de organização CIMOSA, pode-se relacionar os construtores Unidade de Organização, Célula de Organização, com as classes do ERP5 Node e Metanode, conforme ilustra o quadro 4. CIMOSA ERP5 Unidade de Organização Uma unidade de organização é um grupo de um ou mais entidades funcionais responsável por tomar decisões e cada unidade de organização pertence a uma célula de organização. Célula de Organização É uma agregação de unidades de organização e/ou (outras) células de organização definindo uma área organizacional da estrutura de organização. Quadro 4 Vista de Organização CIMOSA e classes ERP5 Node/ Organization (Média) São relativos a entidades físicas e podem receber e enviar recursos. Metanode/ Organization (Média) São um conjunto de nodes. IV CNEG 20

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE BAURU ANGELA TERESA ROCHETTI

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE BAURU ANGELA TERESA ROCHETTI UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE BAURU ANGELA TERESA ROCHETTI PROPOSTA DE UMA ESTRUTURA CONCEITUAL DE MODELAGEM DE EMPRESAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DO ERP5 BASEADA

Leia mais

GERAM como arquitetura de referência para um ERP livre de código aberto

GERAM como arquitetura de referência para um ERP livre de código aberto GERAM como arquitetura de referência para um ERP livre de código aberto Carlos Magno Ferreira da Silva (UENF) cmagnofs27@yahoo.com.br Renato de Campos (FEB/UNESP) rcampos@feb.unesp.br Rogério Atem de Carvalho

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO ERP LIVRE NO BRASIL, MODELOS DE REFERÊNCIA E ARQUITETURAS DE MODELAGEM DE EMPRESAS

O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO ERP LIVRE NO BRASIL, MODELOS DE REFERÊNCIA E ARQUITETURAS DE MODELAGEM DE EMPRESAS ISSN 1984-9354 O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO ERP LIVRE NO BRASIL, MODELOS DE REFERÊNCIA E ARQUITETURAS DE MODELAGEM DE EMPRESAS Ailton da Silva Ferreira (UFF) Denise Cristina de Oliveira (UCAM) Patricia

Leia mais

MODELAGEM E ARQUITETURAS DE UM PROJETO DO ERP5

MODELAGEM E ARQUITETURAS DE UM PROJETO DO ERP5 MODELAGEM E ARQUITETURAS DE UM PROJETO DO ERP5 Ailton da Silva Ferreira (UENF) Mestre em Engenharia de Produção (UENF) Pós-Graduado em Tecnologia de Petróleo (UNESA) ailton@unef.br Renato Campos (UENF)

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

ANÁLISE DA ADEQUAÇÃO DE UM ERP LIVRE A UMA EMPRESA BRASILEIRA

ANÁLISE DA ADEQUAÇÃO DE UM ERP LIVRE A UMA EMPRESA BRASILEIRA ANÁLIE DA ADEQUAÇÃO DE UM ERP LIVRE A UMA EMPREA BRAILEIRA Rafaela Mantovani Fontana (UFPR) rafaelafontana@onda.com.br Luis Claudio Moreira de Lima (UFPR) llcclaudio@yahoo.com.br Fabio Pacheco Machado

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Definição de requisitos de software baseada numa arquitetura de modelagem de negócios

Definição de requisitos de software baseada numa arquitetura de modelagem de negócios Definição de requisitos de software baseada numa arquitetura de modelagem de negócios DELMIR PEIXOTO DE AZEVEDO JUNIOR Universidade Petrobras RENATO DE CAMPOS UNESP Resumo Não é uma tarefa fácil definir

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão DCC / ICEx / UFMG Definição de Padrões Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Um padrão é uma descrição do problema e a essência da sua solução Documenta boas soluções para problemas recorrentes

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes.

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio Arquitetura de Software Silvia Regina Vergilio Atividades de Projeto Projeto Geral ou Preliminar: fase que traduz a especificação do sistema em termos da arquitetura de dados e de módulos. Descreve a organização

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos SOFTWARE PROCESSES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Introduzir modelos de processo de software Descrever uma variedade de modelos de processo

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

ESTUDO DE CONCEITOS E TÉCNICAS DE MODELAGEM DE EMPRESAS: PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA DE REFERÊNCIA PARA O ERP5. CARLOS MAGNO FERREIRA DA SILVA

ESTUDO DE CONCEITOS E TÉCNICAS DE MODELAGEM DE EMPRESAS: PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA DE REFERÊNCIA PARA O ERP5. CARLOS MAGNO FERREIRA DA SILVA ESTUDO DE CONCEITOS E TÉCNICAS DE MODELAGEM DE EMPRESAS: PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA DE REFERÊNCIA PARA O ERP5. CARLOS MAGNO FERREIRA DA SILVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE UENF CAMPOS DOS

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROJETO DE UM AMBIENTE PARA SIMULAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA O PROJETO DE UM AMBIENTE PARA SIMULAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO DIRETRIZES PARA O PROJETO DE UM AMBIENTE PARA SIMULAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO Gustavo Lopes Olivares Universidade Estadual do Norte Fluminense LEPROD/CCT/UENF Av. Alberto Lamego, 2000, Horto, Campos dos

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Por Edilberto Souza Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Agenda Introdução a alguns conceitos de ERP; Noções sobre o mercado de ERP; Arquitetura do Microsiga Protheus; Visão geral do ambiente

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Análise e Projeto de Sistemas de Informação. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Análise e Projeto de Sistemas de Informação Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro Sistemas de Informação Ciclo de Desenvolvimento de SI Projeto Análise Estruturada Análise Orientada a Objetos Como

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais