Política de Investimento a SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de Investimento. 2014 a 2018. SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA"

Transcrição

1 Política de Investimento 2014 a 2018 SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP 13/2013 em 21/11/2013 Aprovada pelo Conselho Deliberativo CDE 12/2013 em 18/12/2013

2 Índice 1Introdução...3 2Governança Corporativa...3 3Diretrizes Gerais...3 4Plano de Gestão Administrativa Identificação do Plano de Gestão...4 5Alocação de recursos e os limites por segmento de aplicação...5 6Limites...6 7Derivativos...6 8Apreçamento de ativos financeiros...6 9Benchmarks por segmento e metas de rentabilidade/atuarial Gestão de Risco Observação dos Princípios Sustentáveis /13

3 1 Introdução Visando atingir e preservar o equilíbrio atuarial, a segurança e a solvência do Plano de Gestão Administrativa (PGA), foi elaborada esta Política de Investimento (PI), que estabelece os princípios e diretrizes a serem seguidos na gestão dos investimentos dos recursos correspondentes às respectivas reservas técnicas, fundos e provisões, que estão sob a administração desta Entidade. Este documento foi elaborado com base na Resolução nº 3.792, de 24 de setembro de 2009, do Conselho Monetário Nacional (CMN), que "dispõe sobre as diretrizes de aplicação dos recursos garantidores dos planos administrados pelas Entidades Fechadas de Previdência Complementar - EFPC" e nas alterações contidas na Resolução CMN nº 4.275, de 31 de outubro de A Entidade deve promover adequações nesta Política de Investimento sempre que ocorrerem alterações na legislação aplicável às EFPC. Se necessário, promoverá a realização de plano de ajustes, estabelecendo critérios e prazos para a sua execução de modo a preservar os interesses do Plano. A elaboração desta Política de Investimento foi conduzida pela Diretoria Executiva, referendada pelo Comitê de Aplicações (CAP) e aprovada pelo Conselho Deliberativo (CDE) em 18/12/ Governança Corporativa A adoção das melhores práticas de Governança Corporativa garante que os envolvidos no processo decisório da Entidade cumpram seus códigos de ética pré-acordados a fim de minimizar conflitos de interesse ou quebra dos deveres. Assim, com as responsabilidades bem definidas compete à Diretoria Executiva elaborar a Política de Investimento e submetê-la para aprovação do Conselho Deliberativo, principal agente nas definições das políticas e das estratégias gerais da Entidade. Cabe ainda ao Conselho Fiscal, o efetivo controle da gestão da entidade, de acordo com o Art. 19º, da Resolução CGPC nº 13, de 1º de outubro de 2004, que deve emitir relatório de controle interno em periodicidade semestral sobre a aderência da gestão de recursos às normas em vigor e a esta Política de Investimento. Esta estrutura garante a adoção das melhores práticas de governança corporativa, evidenciando a segregação de funções adotada inclusive pelos órgãos estatutários. A adoção de Comitê de Investimento é considerada uma boa prática de mercado, sendo outra instância de decisão ou assessoramento aos Conselhos. O SERPROS, através do Regimento Interno instituiu seu Comitê de Aplicações, composto por pessoas tecnicamente qualificadas que subsidiam com informações o processo de análise e tomada de decisão da Diretoria Executiva. Ainda, podem participar especialistas externos para auxiliar em decisões mais complexas. 3 Diretrizes Gerais As diretrizes aqui estabelecidas são complementares, isto é, coexistem com aquelas estabelecidas pela legislação aplicável, sendo os administradores e gestores incumbidos da responsabilidade de observá-las concomitantemente, ainda que não estejam transcritas neste documento. 3/13

4 Os princípios, metodologias e parâmetros estabelecidos nesta PI buscam garantir, ao longo do tempo, a segurança, liquidez e rentabilidade adequadas e suficientes ao equilíbrio entre ativos e passivos do plano, bem como procuram evitar a exposição excessiva a riscos para os quais os prêmios pagos pelo mercado não sejam atraentes ou adequados aos objetivos do Plano. Esta Política de Investimento entrará em vigor em 01 de janeiro de O horizonte de planejamento utilizado na sua elaboração compreende o período de 60 meses que se estende de janeiro de 2014 a dezembro de 2018, conforme especifica a Resolução CGPC nº 7, de 4 de dezembro de Esta política está de acordo com a Resolução CMN nº 3.792, de 24 de setembro de 2009, mais especificamente em seu Capítulo 5 Da Política de Investimento que dispõe sobre parâmetros mínimos como alocação de recursos e limites, utilização de instrumentos derivativos, taxa mínima atuarial ou índices de referência do plano, as metas de rentabilidade, metodologias adotadas para o apreçamento dos ativos financeiros e gerenciamento de riscos, não se limitando a estes, além dos princípios de responsabilidade socioambiental adotados. Havendo mudanças na legislação que de alguma forma tornem estas diretrizes inadequadas, durante a vigência deste instrumento, esta PI e os seus procedimentos serão alterados gradativamente, de forma a evitar perdas de rentabilidade ou exposição desnecessária a riscos. Caso seja necessário, deve ser elaborado um plano de adequação com critérios e prazos para a sua execução, sempre com o objetivo de preservar os interesses do Plano. Se nesse plano de adequação o prazo de enquadramento estabelecido pelas disposições transitórias da nova legislação for excedido, a Entidade deverá realizar consulta formal ao órgão regulador e fiscalizador de acordo com a Instrução Normativa da PREVIC nº 4, de 6 de julho de 2010 que disciplina o encaminhamento de consultas à Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC. 4 Plano de Gestão Administrativa 4.1 Identificação do Plano de Gestão Esta Política de Investimento apresenta as diretrizes para a aplicação dos recursos garantidores do Plano de Gestão Administrativa, administrado pelo SERPROS cujas principais características são: Tipo de Plano: Plano de Gestão Administrativa (PGA); CNPB: ; Meta Atuarial para 2014: INPC + 4,75% a.a. Exercício Taxa máxima real de juros ,75% a.a ,50% a.a ,25% a.a ,00% a.a ,75% a.a ,50% a.a. 4/13

5 Administrador Responsável pelo Plano de Benefícios (ARPB): Diretor de Benefícios do SERPROS; Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado (AETQ): Diretor de Investimentos do SERPROS. 5 Alocação de recursos e os limites por segmento de aplicação A Supervisão Baseada em Riscos apresentada pela PREVIC verifica a exposição a riscos e os controles sobre eles exercidos, atua de forma prudencial sobre as origens dos riscos e induz uma gestão proativa das entidades. A análise e avaliação das adversidades e das oportunidades, observadas em cenários futuros, contribuem para a formação de uma visão ampla do sistema de previdência complementar fechado e do ambiente em que este se insere, visando assim à estabilidade e solidez do sistema. A modalidade do plano, seu grau de maturação, suas especificidades e as características de suas obrigações, bem como o cenário macroeconômico, determinam as seguintes diretrizes dos investimentos: as metas de resultado do plano e dos segmentos de aplicação; a alocação dos recursos e os limites inferiores e superiores de aplicação em cada segmento. 5.1 Expectativas de Retorno A expectativa de retorno dos investimentos passa pela definição de um cenário econômico que deve levar em consideração as possíveis variações que os principais indicadores podem sofrer, mensuradas através de um modelo estocástico que observa a volatilidade histórica apresentada por eles para estimar as possíveis variações, dada uma expectativa de retorno. A correlação entre os ativos que já se encontram na carteira e os que são passiveis de aplicação também é uma variável importante para esta definição. O resultado desta análise se encontra no quadro abaixo, que demonstra a expectativa de retorno da Entidade em relação a cada segmento de aplicação, bem como os compara com o que foi observado nos últimos períodos. RENTABILIDADES SEGMENTO Estimativa * 2014 Renda Fixa 15,25 6,22 6,33 * Acumulada até novembro. 5.2 Limites por segmento A tabela a seguir apresenta a alocação-objetivo e o limite de aplicação no segmento definido pela Resolução CMN nº 3.792/2009 e legislações posteriores. Essa alocação foi definida com base em estudo de macro-alocação de ativos, elaborado com o intuito de determinar a alocação estratégica a ser perseguida ao longo do exercício desta Política de Investimento que melhor reflita as necessidades do passivo. Esta definição está em linha com os itens 54 e 55 do Guia de Melhores Práticas para Investimentos Previc. 5/13

6 SEGMENTO LIMITE LEGAL ALOCAÇÃO OBJETIVO INFERIOR LIMITES SUPERIOR Renda Fixa 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% A alocação objetivo foi definida considerando o cenário macroeconômico e as expectativas de mercado vigentes quando da elaboração desta Política de Investimento, conforme descrito no item anterior. Conforme disposto na Resolução CMN nº 3.792/2009, não serão realizadas operações com participantes, empréstimos e/ou financiamentos, com recursos provenientes do Plano de Gestão Administrativa PGA. 6 Limites O SERPROS aplicará os limites de alocação dos recursos para o PGA conforme disposições previstas na Resolução CMN nº 3.792/2009 e regulamentações posteriores. 7 Derivativos Não serão realizadas operações com derivativos no PGA. 8 Apreçamento de ativos financeiros Os títulos e valores mobiliários integrantes das carteiras e fundos de investimentos, exclusivos ou não, nos quais o plano aplica recursos, podem ser marcados a valor de mercado ou contabilizados até o vencimento pela taxa do papel (marcação na curva), de acordo com os critérios recomendados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e pela Associação Brasileira de Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA). A metodologia para apreçamento deve observar as possíveis classificações dos ativos adotados pela EFPC (para negociação ou mantidos até o vencimento), observado adicionalmente o disposto na Resolução CGPC nº 04, de 30 de janeiro de 2002, e respectivas alterações. O método e as fontes de referência adotados para apreçamento dos ativos pela Entidade são os mesmos estabelecidos por seus Agentes Custodiantes. Os títulos e valores mobiliários classificados no segmento de renda fixa devem, preferencialmente, ser negociados por meio de plataformas eletrônicas administradas por sistemas autorizados a funcionar pelo Bacen ou pela CVM, nas suas respectivas áreas de competência, observados os critérios estabelecidos pelo Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC), visando assim, maior transparência. De acordo com o manual de boas práticas da Previc A verificação do equilíbrio econômico e 6/13

7 financeiro dos planos de benefícios depende da precificação dos ativos, ou seja, é preciso que a entidade busque, diretamente ou por meio de seus prestadores de serviços, modelos adequados de apreçamento. A forma de avaliação deve seguir as melhores práticas do mercado financeiro na busca do preço justo, considerando-se ainda a modalidade do plano. 9 Benchmarks por segmento e metas de rentabilidade/atuarial A Resolução CMN nº 3.792/2009 exige que as entidades fechadas de previdência complementar definam índices de referência (benchmarks) e metas de rentabilidade para cada segmento de aplicação. SEGMENTO BENCHMARK META DE RENTABILIDADE PLANO INPC + 4,75% INPC + 4,75% Renda Fixa INPC + 5,75% INPC + 5,03% 10 Gestão de Risco Em linha com o que estabelece o Capítulo III, Dos Controles Internos e de Avaliação de Risco, da Resolução CMN nº 3.792/2009, este tópico estabelece quais serão os critérios, parâmetros e limites de gestão de risco dos investimentos. Os procedimentos descritos a seguir buscam estabelecer regras que permitam identificar, avaliar, controlar e monitorar os diversos riscos aos quais os recursos do plano estão expostos, entre eles os riscos de mercado, crédito, liquidez, exposição em derivativos, operacional, legal e sistêmico. O gestor que eventualmente extrapolar algum dos limites de risco estabelecidos nesta Política de Investimento deve comunicar à Entidade, que deve tomar a medida mais adequada diante do cenário e das condições de mercado da ocasião. O SERPROS solicitará ao gestor o reenquadramento imediato das operações. Os limites de risco estabelecidos nesta Política de Investimento também podem ser monitorados pela própria Entidade, com eventual auxílio de consultoria externa, uma vez que a mesma responde pelos seus investimentos perante órgãos fiscalizadores. Esse tópico disciplina, ainda, o controle de riscos referente ao monitoramento dos limites de alocação estabelecidos pela Resolução CMN nº 3.792/2009 e por esta Política de Investimento. Em se tratando da terceirização dos recursos garantidores do Plano, caberá aos administradores/gestores externos zelar pelo controle e monitoramento de todos os riscos mencionados anteriormente, com observância aos ditames da Resolução CMN nº 3.792/ Risco de Mercado Segundo o Art. 13 da Resolução CMN nº 3.792/2009, as entidades devem acompanhar e gerenciar o risco e o retorno esperados dos investimentos diretos e indiretos com uso de modelo que limite as perdas máximas toleradas para os investimentos. 7/13

8 Em atendimento ao que estabelece a legislação, o acompanhamento do risco de mercado será feito através do Value-at-Risk (VaR) que estima, com base nos dados históricos de volatilidade e correlação dos ativos presentes na carteira analisada, a perda esperada, por consultoria especializada aprovada pelo SERPROS. Cabe apontar que os modelos de controle apresentados nos tópicos a seguir foram definidos com diligência, mas estão sujeitos a imprecisões típicas de modelos estatísticos frente a situações anormais de mercado VaR O controle de risco de mercado será feito por meio do Value-at-Risk (VaR), com o objetivo da Entidade controlar a volatilidade dos retornos dos investimentos. O VaR será calculado segundo os seguintes parâmetros: Modelo: não-paramétrico. Intervalo de Confiança: 95%. Horizonte: 21 dias úteis. O controle de riscos deve ser feito de acordo com os seguintes limites: SEGMENTO LIMITE HORIZONTE DE TEMPO Renda Fixa 2,6% 21 d.u Análise de Stress A avaliação dos investimentos em análises de stress passa pela definição de cenários de stress, que podem considerar mudanças bruscas em variáveis importantes para o apreçamento dos ativos, como taxas de juros e preços de determinados ativos, conforme mercado. Embora as projeções considerem as variações históricas dos indicadores, os cenários de stress não precisam apresentar relação com o passado, uma vez que buscam simular futuras variações adversas. Para o monitoramento do valor de stress da carteira, serão utilizados os seguintes parâmetros: Cenário: BM&F. Periodicidade: mensal. O modelo adotado para as análises de stress é realizado por meio do cálculo do valor a mercado da carteira, considerando o cenário atípico de mercado e a estimativa de perda que isso pode gerar. Cabe registrar que essas análises não são parametrizadas por limites, uma vez que a metodologia considerada pode apresentar variações que não implicam, necessariamente, em possibilidade de perda. O acompanhamento terá como finalidade avaliar o comportamento da carteira em cenários adversos para que os administradores possam, dessa forma, balancear melhor as exposições. 8/13

9 10.2 Risco de Crédito O risco de crédito dos investimentos do plano será avaliado com base em estudos e análises produzidos pela própria Entidade ou contratados junto a prestadores de serviço. Além disso, a Entidade utilizará para essa avaliação uma metodologia de equivalência de ratings (Escala SERPROS). O estudo determina uma escala única de classificação de crédito para cada emissão. Os ativos serão enquadrados em duas categorias: Baixo Risco de Investimento; Médio/Alto Risco de Investimento. Para checagem do enquadramento, os títulos privados devem, a princípio, ser separados de acordo com suas características. Posteriormente, é preciso verificar se o papel possui nota, de acordo com a escala SERPROS, igual ou superior a classificação mínima. Os títulos emitidos por instituições não financeiras podem ser analisados pelo rating de emissão ou do emissor. No caso de apresentarem notas distintas entre estas duas classificações, será considerado, para fins de enquadramento, o pior rating. Os investimentos que possuírem rating igual ou superior às notas indicadas na tabela serão enquadrados na categoria Baixo Risco de Investimento, desde que observadas as seguintes condições: Os títulos que não possuem rating pelas agências elegíveis (ou que tenham classificação inferior às que constam na tabela) devem ser enquadrados na categoria Médio/Alto Risco de Crédito; O enquadramento dos títulos será feito com base no rating vigente na data da verificação da aderência das aplicações à Política de Investimento. Posteriormente, é preciso verificar se o papel possui rating por uma das agências elegíveis e se a nota é, de acordo com a escala da agência, igual ou superior à classificação mínima apresentada na tabela a seguir. 9/13

10 Escala de Compatibilização de Ratings entre Agências Escala SERPROS Moody's S&P Fitch SR Rating LF Rating Austin AAA Aaa AAA AAA AA+ Aa1 AA+ AA+ AAA AAA AAA AA Aa2 AA AA AA+ AA+ AA+ AA- Aa3 AA- AA- AA AA AA A+ A1 A+ A+ AA- AA- AA- A A2 A A A+ A+ A+ A- A3 A- A- A A A BBB+ Baa1 BBB+ BBB+ A- A- A- BBB Baa2 BBB BBB BBB+ BBB+ BBB+ BBB- Baa3 BBB- BBB- BBB BBB BBB BB+ Ba1 BB+ BB+ BBB- BBB- BBB- BB Ba2 BB BB BB+ BB+ BB+ BB- Ba3 BB- BB- BB BB BB+ B+ B1 B+ B+ BB- BB- BB- B B2 B B B+ B+ B+ B- B3 B- B- B B B CCC+ Caa1 CCC+ CCC+ B- B- B- CCC Caa2 CCC CCC CCC CCC CCC CCC- Caa3 CCC- CCC- CC CC CC CC Ca CC CC C C C Ratings Admitidos pela Tabela SERPROS: Risco de Crédito Bancário: => BBB+ Risco de Crédito Não Bancário: => A- Os investimentos que possuírem rating SERPROS igual ou superior às notas A- e BBB+ (em destaque na tabela), serão enquadrados na categoria baixo risco de investimento, desde que observadas as seguintes condições: No caso de emissões de instituições financeiras, para fins de enquadramento, a avaliação deve considerar o rating do emissor; nos demais casos consideram-se o rating da emissão; No caso específico de DPGE (Depósitos a Prazo com Garantia Especial), esses títulos serão considerados na categoria baixo risco de investimento, desde que o investimento observe o limite da garantia do Fundo Garantidor de Crédito - FGC; Para os investimentos já realizados que não estiverem enquadrados na escala SERPROS, devem ser enquadrados na categoria médio/alto risco de investimento; Caso duas ou mais agências elegíveis classifiquem o mesmo papel, será considerado, para fins de enquadramento na Escala SERPROS, o menor rating; Ao longo da vigência desta Política de Investimento poderão ser consideradas as novas agências de crédito em funcionamento no país, que não se encontram listadas na tabela anterior (Escala SERPROS). Seu enquadramento se dará da mesma forma que as demais, considerando a abrangência de atuação (local ou internacional). 10/13

11 Exposição a Crédito O controle da exposição a crédito privado é feito através do percentual de recursos alocados em títulos privados, considerada a categoria de risco dos papéis. O controle do risco de crédito deve ser feito em relação aos recursos garantidores, de acordo com os seguintes limites: CATEGORIA DE RISCO LIMITE Total de Crédito Privado 80% Médio/Alto Risco de Crédito 15% O limite para títulos classificados na categoria Médio / Alto Risco de Investimento visa a comportar eventuais rebaixamentos de ratings de papéis já integrantes da carteira consolidada de investimentos, papéis que já se enquadram nesta categoria e eventuais ativos presentes em fundos de investimentos condominiais (mandato não-discricionário). Nesse sentido, o limite acima previsto não deve ser entendido, em nenhuma hipótese, como aval para aquisição de títulos que se enquadrem na categoria Médio / Alto Risco de Investimento por parte dos gestores exclusivos das carteiras e fundos Risco de Liquidez O risco de liquidez pode ser dividido em duas classes: possibilidade de indisponibilidade de recursos para pagamento de obrigações (Passivo); possibilidade de redução da demanda de mercado (Ativo). Os itens a seguir detalham as características destes riscos e a forma como eles serão geridos. É importante registrar que os instrumentos de controle apresentados são baseados em modelos estatísticos, que por definição estão sujeitos a desvios decorrentes de aproximações, ruídos de informações ou de condições anormais de mercado Indisponibilidade de recursos para pagamento de obrigações (Passivo) O risco de liquidez está relacionado ao casamento dos fluxos de ativos e passivos, de forma que os recursos não estejam disponíveis na data do pagamento dos benefícios e demais obrigações do plano. A medida que os prazos de vencimentos das obrigações se aproximam, a alocação dos recursos deve privilegiar ativos mais líquidos. Além disso, o planejamento garante que as alienações dos ativos ocorram no prazo certo e no preço justo. O controle desse risco no SERPROS é feito através do ALM Estocástico. A metodologia utilizada no modelo de ALM consiste na projeção da carteira de ativos e do fluxo de caixa previdenciário do Plano. Na simulação são consideradas premissas de reinvestimento para a liquidez Redução de demanda de mercado (Ativo) A segunda classe de risco de liquidez pode ser entendida como a possibilidade de redução ou inexistência de demanda pelos títulos e valores mobiliários integrantes da carteira. A gestão deste risco será feita com base no Percentual da carteira que pode ser negociada em condições adversas. 11/13

12 O controle do risco de liquidez de demanda de mercado será feito por meio do controle do percentual da carteira que, em condições adversas (20% do volume médio de negócios), pode ser negociada em um determinado horizonte de tempo. Esses valores deverão obedecer aos seguintes limites mínimos: HORIZONTE PERCENTUAL DA CARTEIRA 1 (um) dia útil 5,00% 21 (vinte e um) dias úteis 7,50% 21 (vinte e um) dias úteis 10,00% 10.4 Risco Operacional O Risco Operacional é a possibilidade de perdas decorrentes da inadequação na especificação ou na condução de processos, sistemas ou projetos de entidade, bem como de eventos externos que causem prejuízos nas suas atividades normais ou danos a seus ativos físicos. A gestão destes riscos é realizada de forma preventiva pela adoção de normas, políticas e instruções normativas e de forma corretiva através da identificação de eventos e do valor de exposição dos riscos, resultando na melhoria constante dos processos da Entidade alinhada aos artigos 1º e 13º da Resolução CGPC nº 13, de 01 de agosto de Risco de Terceirização Na administração dos recursos financeiros há a possibilidade da terceirização total ou parcial dos investimentos da Entidade. Esse tipo de operação delega determinadas responsabilidades a gestores externos, porém não isenta a Entidade de responder legalmente perante os órgãos fiscalizadores. Mesmo que a Entidade possua um modelo de gestão interna, o risco de terceirização está presente pelo fato do processo operacional da gestão depender de terceiros em determinadas etapas. Na execução das ordens de compra e venda é necessária a utilização de uma corretora de títulos e valores mobiliários e na precificação e guarda dos ativos é necessário um agente custodiante. Deste modo é importante a fundação também possuir um processo formalizado para escolha e acompanhamento destes prestadores de serviço Risco Legal O risco legal está relacionado a autuações, processos ou mesmo a eventuais perdas financeiras decorrentes da não execução de contratos e/ou do não cumprimento de normas legais. O controle dos riscos dessa natureza, que incidem sobre atividades e investimentos que envolvam a elaboração de contratos específicos, será feito por meio: Da realização periódica de relatórios que permitam verificar a aderência dos investimentos às diretrizes da legislação em vigor e à Política de Investimento; Da revisão periódica dos regulamentos dos fundos, exclusivos ou não; Da utilização de pareceres jurídicos para contratos com terceiros. 12/13

13 10.9 Risco Sistêmico O risco sistêmico se caracteriza pela possibilidade de que o sistema financeiro seja contaminado por eventos pontuais, como a falência de um banco ou de uma empresa. Por concepção é um risco que não se controla, o que não significa que deve ser relevado. Para tentar reduzir a suscetibilidade dos investimentos a esse risco, a alocação dos recursos deve levar em consideração os aspectos referentes à diversificação de setores e emissores, bem como a diversificação de gestores externos de investimento. Como medida de avaliação dos investimentos são realizadas análises de stress que passam necessariamente pela definição de cenários de stress, que podem considerar mudanças bruscas em variáveis importantes para o apreçamento dos ativos, como taxas de juros e preços de determinados ativos. As análises de stress são realizadas por meio do cálculo do valor a mercado da carteira, considerado o cenário atípico de mercado, e a estimativa de perda que isso pode gerar à Entidade. 11 Observação dos Princípios Sustentáveis O SERPROS observa em seus processos de gestão de investimentos formas de respeito socioambiental que sejam relevantes para a sociedade e estuda adotar parâmetros e critérios de investimento responsável para serem incluídos no processo decisório de investimento. Em 2013 o SERPROS foi contemplado com o Selo de Pró-Equidade de Gênero e Raça. O Selo é uma marca de gestão eficiente concedida às empresas que desenvolvem novas concepções de gestão de pessoas e cultura organizacional para alcançarem a equidade entre homens e mulheres no mundo do trabalho, eliminando todas as formas de discriminação, evidenciando publicamente o compromisso da Entidade com a equidade de gênero e étnico-racial na promoção da cidadania e a difusão de práticas exemplares no mundo do trabalho para a efetivação da equidade. 13/13

Política de Investimentos 2014 a 2018 Plano Administrativo

Política de Investimentos 2014 a 2018 Plano Administrativo Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2014 a 2018 Plano Administrativo 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev índice 1. Introdução...3

Leia mais

Política de Investimento a Plano Duprev BD

Política de Investimento a Plano Duprev BD Política de Investimento 2017 a 2021 Plano Duprev BD Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 3 3 GOVERNANÇA CORPORATIVA... 3 4 DIRETRIZES GERAIS... 4 5 ALOCAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos 2013 a 2017 Gerdau Previdência Plano de Aposentadoria (BD) ÍNDICE 1. OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 3 2. PLANO DE BENEFÍCIOS... 3 3. DIRETRIZES DE APLICAÇÃO... 4 3.1.

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento 2017 Planos Assistenciais Sumário 1 INTRODUÇÃO...3 2 PLANOS ASSISTENCIAIS...3 3 ATIVOS ELEGÍVEIS...4 4 ALOCAÇÃO DE RECURSOS E OS LIMITES POR SEGMENTO DE APLICAÇÃO...4 5 POLÍTICA

Leia mais

https://portalspc.previdencia.gov.br/daiea/emitirprotocolo.do?method=emitirprotocolo

https://portalspc.previdencia.gov.br/daiea/emitirprotocolo.do?method=emitirprotocolo .: Sicadi :. https://portalspc.previdencia.gov.br/daiea/emitirprotocolo.do?method=emitirprotocolo Página 1 de 1 17/07/2015 A Instituição Previdência Social Previdência Complementar Previdência do Servidor

Leia mais

Política de Investimentos a 2018

Política de Investimentos a 2018 Política de Investimentos 2014 a 2018 DUPREV Plano BD Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 3 Diretrizes Gerais... 4 4 Plano de Benefícios... 4 5 A Carteira Atual... 5 6 Alocação

Leia mais

Política de Investimentos 2014 a 2018 Plano Bd

Política de Investimentos 2014 a 2018 Plano Bd Política de Investimentos 2014 a 2018 Plano Bd 1 2 Regulamento do Plano Duprev BD Índice 1. Introdução...3 2. Governança Corporativa...3 3. Diretrizes Gerais...4 4. Plano de Benefícios...5 5. Alocação

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DO PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Nº 1 DA FEMCO PGA/COSIPREV

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DO PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Nº 1 DA FEMCO PGA/COSIPREV POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DO PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Nº 1 DA FEMCO PGA/COSIPREV 2012 A presente Política de Investimentos do Plano de Gestão Administrativa

Leia mais

Política de Investimentos 2008/2012

Política de Investimentos 2008/2012 Política de Investimentos 28/212 Http:\\www.cbsprev.com.br Central de Atendimento: 8-268181 INFORMATIVO N.º 159 7-1-28 VOLTA REDONDA/RJ Plano de 35% da Média Salarial 1. EFPC : Caixa Beneficente dos Empregados

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS 2017 ÍNDICE 2 GESTÃO DOS RECURSOS INVESTIMENTOS 2017 pág. 04 2.1. Diretrizes para Aplicação dos Recursos _pág.4 1 OBJETIVOS 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6. Gestão e Controle de Processos _pág.4

Leia mais

CIFRÃO. Fundação de Previdência da Casa da Moeda do Brasil. Política de Investimentos Plano de Benefício Definido Cifrão - PBDC

CIFRÃO. Fundação de Previdência da Casa da Moeda do Brasil. Política de Investimentos Plano de Benefício Definido Cifrão - PBDC CIFRÃO Fundação de Previdência da Casa da Moeda do Brasil Política de Investimentos 2017-2021 Plano de Benefício Definido Cifrão - PBDC Esta Política de Investimentos tem por finalidade estabelecer os

Leia mais

Relatório de Taxas Indicativas

Relatório de Taxas Indicativas DESTAQUES Emissor Ativo Indexador Mínimo 361 dias 721 dias 900 dias 1080 dias 1800 dias 2555 dias Fibra CDB CDI 30.000,00 114,00% 116,00% Fibra CDB Pré 30.000,00 13,75% 13,85% 13,80% Pan CDB Liq. CDI 30.000,00

Leia mais

Política de Investimentos 2016 a 2020

Política de Investimentos 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Gerdau Previdência Plano Modalidade Contribuição Definida Índice 1. S DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 3 2. PLANO DE BENEFÍCIOS... 3 3. PERFIS DE INVESTIMENTO... 4

Leia mais

MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO. Outubro/2010

MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO. Outubro/2010 MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO Outubro/2010 Pilla corretora de Valores Mobiliários e Câmbio LTDA ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 POLÍTICAS DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ.. 4 2.1 Critérios

Leia mais

Política de Investimentos a 2018

Política de Investimentos a 2018 Política de Investimentos 2014 a 2018 DUPREV Plano CD Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 3 Diretrizes Gerais... 4 4 Plano de Benefícios... 4 5 A Carteira Atual... 6 6 Alocação

Leia mais

Política de Investimentos PGA a 2016

Política de Investimentos PGA a 2016 Política de Investimentos PGA 2012 a 2016 Fundação Saelpa de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (APROVADO PELO CONSELHO DELIBERATIVO EM DEZEMBRO DE 2011) Índice 1. Introdução... 3 2. Plano

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO

POLÍTICA DE INVESTIMENTO POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO BD 2017 a 2021 Previbayer Sociedade de Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO BD ÍNDICE Introdução.... 3 Governança Corporativa.... 3 Comitê de Investimentos....

Leia mais

Política de Investimentos PGA

Política de Investimentos PGA Política de Investimentos PGA Aprovada na 135ª Reunião Extraordinária do Conselho Deliberativo em 23/12/2015 VIGÊNCIA: 01/01/2016 a 31/12/2016 (Horizonte: 2016 a 2020) SUMÁRIO 1. O PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento Plano de Gestão Administrativa (PGA) 2017 a 2021 Aprovado pelo Conselho Deliberativo Ata nº 78 de 20/12/2016 Sumário 1. Introdução... 3 2. Informações cadastrais... 4 3. Investimentos...

Leia mais

Política de Investimentos a 2017

Política de Investimentos a 2017 Política de Investimentos 2013 a 2017 Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão - CAPOF Plano Misto Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa...

Leia mais

Política de Investimentos a CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Benefício Definido (BD)

Política de Investimentos a CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Benefício Definido (BD) Política de Investimentos 2011 a 2015 CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Benefício Definido (BD) Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de benefícios... 3 3. Alocação de recursos e os limites

Leia mais

SF2 Investimentos. Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez

SF2 Investimentos. Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez SF2 Investimentos Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Dezembro 2015 1. OBJETIVOS Estabelecer e formalizar as diretrizes dos processos utilizados para o gerenciamento de liquidez de fundos de investimento

Leia mais

Política de Investimentos Previ-Ericsson

Política de Investimentos Previ-Ericsson Previ-Ericsson Sociedade de Previdência Privada Política de Investimentos 2012-2016 Plano de Aposentadoria Suplementar Plano de Aposentadoria Básico Plano de Gestão Administrativa (PGA) Índice 1. Objetivos

Leia mais

GRADUAL MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO (Administrado pela Gradual C.C.T.V.M. S/A)

GRADUAL MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO (Administrado pela Gradual C.C.T.V.M. S/A) (Administrado pela Gradual C.C.T.V.M. S/A) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Valores em R$ mil, exceto o valor unitário das cotas) 1.

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO )

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO ) FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 MODAL LION FUNDO DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO CREDITO PRIVADO CNPJ n.º 06.893.041/0001-30 ( FUNDO ) Emissão: 24/06/2016 Periodicidade mínima de divulgação

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento FABASA Plano de Benefício Definido 2017 a 2021 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. SOBRE A ENTIDADE... 3 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA... 4 4. DIRETRIZES GERAIS... 5 5. PLANO DE BENEFÍCIOS...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2014 a 2018

POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2014 a 2018 POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2014 a 2018 SOCIEDADE IBGEANA DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SIAS Plano de Gestão Administrativa PGA Vigência: 28.03.2014 Esta Política de Investimentos tem por finalidade estabelecer

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento FABASA Plano de Gestão Administrativa 2017 a 2021 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. SOBRE A ENTIDADE... 2 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA... 3 4. DIRETRIZES GERAIS... 4 5. PLANO DE GESTÃO

Leia mais

Alocação Atual x Limite Legal

Alocação Atual x Limite Legal Relatório de Avaliação da Política de Investimento Relatório Semestral 2º semestre de 2010 Relatório de Avaliação da Política de Investimento 2º semestre de 2010 O presente relatório tem por objetivo avaliar

Leia mais

Política de Investimentos 2016 Sob Intervenção

Política de Investimentos 2016 Sob Intervenção Política de Investimentos 2016 Sob Intervenção Plano BD Sumário 1. Introdução... 3 2. Plano de benefícios... 3 3. Alocação de recursos e os limites por segmento de aplicação... 4 3.1. Títulos e Valores

Leia mais

Relatório de Taxas ATIVOS %CDI. CDBs (SEM LIQUIDEZ) CDBs (COM LIQUIDEZ) LCIs. LCAs. LCs 01/02/2016

Relatório de Taxas ATIVOS %CDI. CDBs (SEM LIQUIDEZ) CDBs (COM LIQUIDEZ) LCIs. LCAs. LCs 01/02/2016 ATIVOS %CDI ABC R$ 50.000 101,50% 102,00% 103,50% Banco Votorantim R$ 200.000 101,00% 101,90% BMG R$ 10.000 116,00% BMG R$ 50.000 102,00% 105,00% 107,00% 112,00% Bonsucesso R$ 30.000 104,00% 109,00% BR

Leia mais

Formulário de Informações Complementares

Formulário de Informações Complementares Formulário de Informações Complementares BTG PACTUAL ABSOLUTO FIQ FIA 09.120.774/0001-20 Outubro 2015 A PRESENTE INSTITUIÇÃO ADERIU AO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA OS FUNDOS DE INVESTIMENTO.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO: PREV-RENDA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO: PREV-RENDA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO: PREV-RENDA Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 15-12-2014 Vigência: 01/01/2015 a 31/12/2019 1. Introdução A Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do BANPARÁ

Leia mais

MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO. Brainvest Consultoria Financeira LTDA

MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO. Brainvest Consultoria Financeira LTDA MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO Brainvest Consultoria Financeira LTDA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. POLÍTICAS DO GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ 3 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 6 4. RESPONSABILIDADE

Leia mais

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%)

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%) Carteira: CARTEIRA MODELO - AGRESSIVA Patrimônio: R$300.000,00 Índice de comparação: Extrato Carteira CDI Data Início: 30/08/2013 (melhor data) Data Referência: 28/09/2016 SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR

Leia mais

2014 RJ Gestão de riscos como geração de valor e defesa contra crises

2014 RJ Gestão de riscos como geração de valor e defesa contra crises 2014 RJ Gestão de riscos como geração de valor e defesa contra crises Visão do Financiador e Investidor Institucional Renê Sanda Membro do Conselho de Administração da CPFL e do FGC Comunidade de Conselheiros

Leia mais

Previcoke Sociedade de Previdência Privada

Previcoke Sociedade de Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Previcoke Sociedade de Previdência Privada PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA 2012 Política de Investimentos PGA 2012 2 ÍNDICE 1 Introdução... 3 2 Objetivos e Características do Plano

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Planos BD e CV I

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Planos BD e CV I POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Planos BD e CV I 2017 SUMÁRIO DAS POLÍTICAS DE INVESTIMENTO DOS PLANOS SUMÁRIO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO BD MACRO ALOCAÇÃO DOS RECURSOS Baseado

Leia mais

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades:

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades: POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS A BAF Investimentos Ltda. ("BAF") tem como filosofia ser conservadora em sua atuação, visando à gestão eficiente dos riscos intrínsecos as suas atividades. Nesse sentido, os

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2013 PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS DO PLANO DE BENEFÍCIOS CD... 3 2.1 Empresas

Leia mais

101,00% 101,90% 116,00% BMG R$ ,00% 105,00% 107,00% 112,00% Bonsucesso R$

101,00% 101,90% 116,00% BMG R$ ,00% 105,00% 107,00% 112,00% Bonsucesso R$ Relatório de Taxas ATIVOS %CDI Mínimo 90 dias 120 dias 181 dias 361 dias 540 dias 721 dias 900 dias 1080 dias ABC R$ 50.000 101,50% 102,00% 103,50% Banco Votorantim R$ 200.000 101,00% 101,90% BMG R$ 10.000

Leia mais

índice INTRODUÇÃO 1. DIRETRIZES GERAIS 2. O PLANO DE BENEFÍCIOS 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA 4. CENÁRIO MACROECONÔMICO

índice INTRODUÇÃO 1. DIRETRIZES GERAIS 2. O PLANO DE BENEFÍCIOS 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA 4. CENÁRIO MACROECONÔMICO índice INTRODUÇÃO 1. DIRETRIZES GERAIS 2. O PLANO DE BENEFÍCIOS 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA 4. CENÁRIO MACROECONÔMICO 5. ÍNDICE DE REFERÊNCIA E METAS DE RENTABILIDADE POR SEGMENTO 6. MACROALOCAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%)

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%) Carteira: CARTEIRA MODELO - MODERADA Patrimônio: R$300.000,00 Índice de comparação: Extrato Carteira CDI Data Início: 31/10/2013 (melhor data) Data Referência: 11/11/2016 SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento OABPREV PR: PLANO PBPA 2017 a 2021 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. GOVERNANÇA CORPORATIVA... 2 3. DIRETRIZES GERAIS... 3 4. PLANO DE BENEFÍCIOS... 4 5. ALOCAÇÃO DE RECURSOS E LIMITES

Leia mais

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%)

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%) Carteira: CARTEIRA MODELO - CONSERVADORA Patrimônio: R$300.000,00 Índice de comparação: Extrato Carteira CDI Data Início: 30/08/2013 (melhor data) Data Referência: 29/09/2016 SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO

POLÍTICA DE INVESTIMENTO CargillPrev Sociedade de Previdência Complementar POLÍTICA DE INVESTIMENTO Vigência: 5 anos Revisão 2013 ÍNDICE 1 Objetivos da Política de Investimento 1 2 Governança e Procedimentos Internos de Controle

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. Agosto / versão 3

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. Agosto / versão 3 MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Agosto / 2015 - versão 3 SUMÁRIO I) INTRODUÇÃO... 2 II) DIRETRIZES... 2 III) DEFINIÇÕES... 3 A. CRITÉRIOS PARA LIQUIDEZ DOS ATIVOS... 3 B. CRITÉRIOS PARA CONTROLE

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

Linha do Tempo Previdenciária Secretaria do Ministério da Fazenda

Linha do Tempo Previdenciária Secretaria do Ministério da Fazenda Contextualizando Linha do Tempo Previdenciária 2016 Secretaria do Ministério da Fazenda Taxa de juros Rentabilidade dos Fundos de Pensão entre 1995 e 2012, em dezoito anos, apenas cinco apresentaram rentabilidades

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez de Fundos de Investimento da Sparta Administradora de Recursos Ltda.

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez de Fundos de Investimento da Sparta Administradora de Recursos Ltda. Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez de Fundos de Investimento da Sparta Administradora de Recursos Ltda. Atualizado em 12/02/2015 Capítulo I Finalidade e Abrangência Art. 1º O presente Manual

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2012

POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2012 POLÍTICA DE INVESTIMENTO 2012 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Vigência: 01.01.2012 a 31.12.2012 Aprovada na 86ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo realizada em 25 de novembro de 2011 A Fundação

Leia mais

KRONOS ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS

KRONOS ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS KRONOS ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS Abril/2016 INTRODUÇÃO A Kronos Asset Management Ltda. ( Gestora ou Kronos Asset ), na qualidade

Leia mais

Política de Investimentos a 2017

Política de Investimentos a 2017 Política de Investimentos 2013 a 2017 Fundação Compesa de Previdência e Assistência COMPESAPREV Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Meta de Retorno do PGA... 4 3 Alocação de recursos e os limites

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo de Investimento em Ações Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

1. Objetivos POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Como fazemos a vida mais linda, também podemos fazer o futuro mais certo!

1. Objetivos POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Como fazemos a vida mais linda, também podemos fazer o futuro mais certo! 1. Objetivos POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 Como fazemos a vida mais linda, também podemos fazer o futuro mais certo! 1. Objetivos SUMÁRIO 1. Objetivos 3 1.1 Boticário Prev - Sociedade de Previdência Privada

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 FUNDO INVESTIMENTO MULTIMERCADO ZONA DA MATA CRÉDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO )

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 FUNDO INVESTIMENTO MULTIMERCADO ZONA DA MATA CRÉDITO PRIVADO CNPJ n.º / ( FUNDO ) FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ICVM 555 FUNDO INVESTIMENTO MULTIMERCADO ZONA DA MATA CRÉDITO PRIVADO CNPJ n.º 17.902.626/0001-96 ( FUNDO ) Emissão: 24/06/2016 Periodicidade mínima de divulgação

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2016 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2016, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Letra de Crédito Imobiliário

Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário 180 22/jul/17 1.000,00 93,00% do CDI 120,0% Letra de Crédito do Agronegócio 116 19/mai/17 1.000,00 89,00% do CDI 114,8% 492 30/mai/18 1.000,00 95,00% do CDI 115,2% BANCO ORIGINAL

Leia mais

ALTERAÇÕES PROPOSTAS REGULAMENTO DO PLANO B

ALTERAÇÕES PROPOSTAS REGULAMENTO DO PLANO B ALTERAÇÕES PROPOSTAS REGULAMENTO DO PLANO B Novembro de 2015 Agenda 1. Principal Alteração: Adoção de premissas aderentes (art. 29, 2º). 1.1. Exemplo Didático da Regra Vigente; 1.2. Entendimento da Previc

Leia mais

Letra de Crédito Imobiliário

Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário PRAZO (DIAS) VENCIMENTO APLICAÇÃO MÍNIMA TAXA EQUIVALÊNCIA CDI 540 17/ago/18 10.000,00 94,00% do CDI 113,9% Letra de Crédito do Agronegócio BANCO ORIGINAL Baa1.br Moody's PRAZO

Leia mais

Política de Investimentos 2017 a 2021

Política de Investimentos 2017 a 2021 Política de Investimentos 2017 a 2021 Plano de Gestão Administrativa - PGA Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 22 /11/2016 2 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Governança Corporativa... 3 3. Diretrizes Gerais...

Leia mais

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 1ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA

Leia mais

Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo de Investimento em Ações da Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos 2017 a 2021 Plano de Aposentadoria POLÍTICA VIGENTE A PARTIR DE 01/01/2017 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 3 Diretrizes Gerais... 4 4 Princípios de Alocação

Leia mais

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 1 de 7 Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 2 de 7 ÍNDICE 1) Introdução...3 2) Responsabilidade da Área...3 3) Monitoramento

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT Índice A) OBJETIVOS 3 B) APROVAÇÃO 3 C) ABRANGÊNCIA 3 D) DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. DEFINIÇÕES 3 2. ESTRUTURA DE CONTROLE E DIRETRIZES

Leia mais

Política de Investimentos a 2021 RECKITT PREV. Plano de Benefícios Plano de Gestão Administrativa

Política de Investimentos a 2021 RECKITT PREV. Plano de Benefícios Plano de Gestão Administrativa Política de Investimentos 2017 a 2021 RECKITT PREV Plano de Benefícios Plano de Gestão Administrativa 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1.1. Reckitt Benckiser Sociedade Previdenciária A Reckitt

Leia mais

XP Investimentos CCTVM SA

XP Investimentos CCTVM SA Política de Exercício de Direito de voto XP Investimentos CCTVM SA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO E COMPANHIAS EMISSORAS DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

HG Allocation Strategy II Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores

HG Allocation Strategy II Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores HG Allocation Strategy II Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO AZ LEGAN ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS LTDA. Revisado em 16/11/2015 I) PRINCÍPIOS GERAIS As regras aqui adotadas seguem as normas legais estabelecidas e refletem os melhores esforços

Leia mais

POLÍTICA DO EXERCICIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS

POLÍTICA DO EXERCICIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS POLÍTICA DO EXERCICIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 - A BB - Gestão de Recursos DTVM S.A. (BB DTVM), na qualidade de gestor de Fundos de Investimento ( Fundos ) e Fundos de

Leia mais

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157 Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157 1- Denominação do Fundo: O Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157,

Leia mais

TERMO DE ANÁLISE DE CREDENCIAMENTO (modelo mínimo conforme PORTARIA MPS n 519, de 24 de agosto de 2011)

TERMO DE ANÁLISE DE CREDENCIAMENTO (modelo mínimo conforme PORTARIA MPS n 519, de 24 de agosto de 2011) TERMO DE ANÁLISE DE CREDENCIAMENTO (modelo mínimo conforme PORTARIA MPS n 519, de 24 de agosto de 2011) Nos termos da Portaria MPS nº 519, de 2011, na redação dada pela Portaria nº MPS 440, de 2013, para

Leia mais

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos.

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos. De quais ferramentas dispõe o Banco Central para fazer política monetária? a) Emissão de moeda, compra e venda de títulos públicos, controle de câmbio. b) Compra e venda de títulos públicos, controle de

Leia mais

A área de finanças é recheada de termos que precisam ser conhecidos por aqueles que desejam se aventurar no ramo dos investimentos.

A área de finanças é recheada de termos que precisam ser conhecidos por aqueles que desejam se aventurar no ramo dos investimentos. Zig Zag dos Investimentos 1 A área de finanças é recheada de termos que precisam ser conhecidos por aqueles que desejam se aventurar no ramo dos investimentos. Este artigo tem como objetivo apresentar

Leia mais

Política de Investimentos 2017 a 2021

Política de Investimentos 2017 a 2021 Política de Investimentos 2017 a 2021 Plano PAP ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. POLÍTICA DE TERCEIRIZAÇÃO DE GESTÃO E CUSTÓDIA 4 3. PLANO DE BENEFÍCIOS 5 4. ÍNDICES DE REFERÊNCIA 5 5. ALOCAÇÃO DE RECURSOS E

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA. Versão: Junho/2016 CAPÍTULO I Definição e Finalidade 1.1 A presente Política

Leia mais

Política de Investimento a 2019

Política de Investimento a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 FACEB - Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Plano de Benefícios BD Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Sobre a FACEB... 4 3 Identificação do Plano de Benefícios...

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Administradores e Cotistas BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S/A) (1)

Leia mais

Política de Investimentos 2014 a 2018

Política de Investimentos 2014 a 2018 Política de Investimentos 2014 a 2018 Plano PAP II ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 Empresas Patrocinadoras 4 2. POLÍTICA DE TERCEIRIZAÇÃO DE GESTÃO E CUSTÓDIA 5 i. Seleção de Gestores 5 3. PLANO DE BENEFÍCIOS 6

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES CVM 558 SETEMBRO / 2016

GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES CVM 558 SETEMBRO / 2016 GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES CVM 558 SETEMBRO / 2016 GOVERNANÇA CORPORATIVA Definição do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC Sistema pelo qual as empresas...são dirigidas e incentivadas

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS Samba Investimentos CNPJ/MF nº: 22.006.806/0001-20 Página1 CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL JULHO 2015 CAPITÂNIA SECURITIES II FII CPTS11B

RELATÓRIO MENSAL JULHO 2015 CAPITÂNIA SECURITIES II FII CPTS11B 1 Aug-14 Sep-14 Oct-14 Nov-14 Dec-14 Jan-15 Feb-15 Mar-15 Apr-15 May-15 Jun-15 Jul-15 RELATÓRIO MENSAL JULHO 2015 Fundo Capitânia Securities II Fundo de Investimento Imobiliário - FII Código de Negociação

Leia mais

Apresentação. Presentation de novembro de H07 9 de novembro de 2007

Apresentação. Presentation de novembro de H07 9 de novembro de 2007 Apresentação Apresentação dos dos Resultados Resultados do do 3T07 3T07 Presentation de novembro de 2007 1H07 9 de novembro de 2007 1 As Demonstrações Financeiras são de caráter pro-forma, abrangendo demonstrações

Leia mais

Copyright Citibank Setembro/2013 1

Copyright Citibank Setembro/2013 1 Manual de Regras e Procedimentos de verificação do cumprimento da obrigação de Validar as Condições de Cessão e verificação das obrigações de Cobrança dos créditos Inadimplidos nos termos da Instrução

Leia mais

Relação Mínima Patrimônio Líquido / Cotas Seniores P.L. Cotas Seniores R$

Relação Mínima Patrimônio Líquido / Cotas Seniores P.L. Cotas Seniores R$ Rio de Janeiro (RJ), 11 de agosto de 2016. À Comissão de Valores Mobiliários CVM Gerência de Registros III Ref.: Relatório Trimestral período encerrado em 30 de junho de 2016. Prezados Senhores, Em conformidade

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÍNDICE 1. GERENCIAMENTO DE RISCO 3 2. DEFINIÇÃO DE RISCO DE MERCADO 3 3. ANÁLISE DE RISCO DE MERCADO 3 4. ESTRUTURA PARA O GERENCIAMENTO DOS RISCOS 4 5. ESTRUTURA

Leia mais

Política de Exercício do Direito de Voto em Assembléias Gerais

Política de Exercício do Direito de Voto em Assembléias Gerais Política de Exercício do Direito de Voto em Assembléias Gerais POLÍTICA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS 1. Objetivo A presente Política tem por objetivo estabelecer os princípios gerais,

Leia mais

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ /

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ / DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 31/12/2012 E 2011 EM R$ Mil A T I V O 31/12/2012 31/12/2011 ATIVO CIRCULANTE 12.353 2.888 DISPONIBILIDADE 2.718

Leia mais

GERU SECURITIZADORA DE CRÉDITOS FINANCEIROS S.A. 3ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2016

GERU SECURITIZADORA DE CRÉDITOS FINANCEIROS S.A. 3ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2016 GERU SECURITIZADORA DE CRÉDITOS FINANCEIROS S.A. 3ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2016 Rio de Janeiro, 28 de Abril de 2017. Prezados Senhores Debenturistas, Na

Leia mais

93,60% Renda Variável ,09. 5,02% Investimento Imobiliário ,56. 0,00% Empréstimos e Financiamentos 0,00

93,60% Renda Variável ,09. 5,02% Investimento Imobiliário ,56. 0,00% Empréstimos e Financiamentos 0,00 Resumo do DI - VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREV COMPLEMENTAR Demonstrativo de Investimentos - DI Ano de 2015 (Posição dos Investimentos: 31/12/2015) Com objetivo de atender a legislação vigente, informamos

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE 1. Sistema Financeiro Nacional SFN 1.1. Definição e estrutura 1.2. Papel, função e classificação

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL JANEIRO 2017 CAPITÂNIA SECURITIES II FII CPTS11B

RELATÓRIO MENSAL JANEIRO 2017 CAPITÂNIA SECURITIES II FII CPTS11B 1 Aug-14 Sep-14 Oct-14 Nov-14 Dec-14 Jan-15 Feb-15 Mar-15 Apr-15 May-15 Jun-15 Jul-15 Aug-15 Sep-15 Oct-15 Nov-15 Dec-15 Jan-16 Feb-16 Mar-16 Apr-16 May-16 Jun-16 Jul-16 Aug-16 Sep-16 Oct-16 Nov-16 Dec-16

Leia mais

ITAÚ PRÊMIO RENDA FIXA 90 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ /

ITAÚ PRÊMIO RENDA FIXA 90 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ / ITAÚ PRÊMIO RENDA FIXA 90 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 03.184.103/0001-47 MENSAGEM DO ADMINISTRADOR Prezado Cotista, Este FUNDO, constituído sob a forma de condomínio aberto,

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017 Resumo Descreve os componentes do SCI Sistema de Controles Internos da Riviera Investimentos e estabelece as responsabilidades e procedimentos para a sua gestão. Sumário 1. Objetivo...2 2. Público-alvo...2

Leia mais

Plano de Previdência Complementar - PPC Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Plano de Previdência Complementar - PPC Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 1.050.000 Plano de Previdência Complementar - PPC Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Período: Janeiro/2009 - Fevereiro/2016 1.000.000 950.000 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000

Leia mais

Previcoke Sociedade de Previdência Privada

Previcoke Sociedade de Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Previcoke Sociedade de Previdência Privada PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA 2012 Política de Investimentos Plano CD 2012 2 ÍNDICE 1 Introdução... 3 2 Objetivos e Características

Leia mais

Plano de Benefícios Enersul

Plano de Benefícios Enersul Plano de Benefícios Enersul ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -204 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -204 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -204 Demonstração do ativo líquido - Plano

Leia mais