Atualização realizada em: 31 de julho de A Nova Lei das S/A

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atualização realizada em: 31 de julho de 2008. A Nova Lei das S/A"

Transcrição

1 Atualização realizada em: 31 de julho de 2008

2 Maria Clara Cavalcante Bugarim Presidente do CFC Presidente do CFC Satisfação Medidas para contribuir Desenvolvimento Profissional Contábil Educadora

3 Ajuste das Empresas Capacitação adequada CFC CRC Informações indispensáveis Modificações Lei /07

4 Brasil Convergência Exigências e inovações Atualização Profissional Contábil Fazer contábil Desenvolvimento Novo perfil Padrão Internacional

5 Importância Urgência Programa Educação Profissional Continuada Circunstância Especial Largo Alcance Todos os recursos à disposição Projeto de Capacitação via Internet

6 Parceria Transmissão de conhecimento Perfil do Profissional Contábil do Futuro Novos Projetos Exigências do Mercado de trabalho Alinhar o contablista

7 Oportunidade Enriquecer o currículo Mostrar competência Agregar valor Credenciar-se ao Mercado de Trabalho

8 Apresentação da Palestra: Prof. Iran Sejam bem-vindos Momento especial para os contadores

9 Mudanças

10 postura CLASSE CONTÁBIL Novas Oportunidades Ações apropriadas

11 Mudanças

12 Mudanças Lei /07 Alterações na Lei das S/A Amplamente discutidas Fortalecer integralmente a classe contábil

13 Atualizações Nova Lei das S/A DIVULGAÇÃO Ambiente Dinâmico DÚVIDAS & OPINIÕES Classe Contábil

14 Apresentação da Palestra: Prof. Iran Classe Contábil FIPECAFI CFC

15 Palestras presenciais 13 estados diferentes 2500 contadores

16 CFC FIPECAFI Livre e de acesso ilimitado Palestra Virtual Profissionais de Contabilidade Toda a sociedade

17

18

19 e a Internacionalização da Contabilidade Prof. Eliseu Martins Prof. Ariovaldo dos Santos

20 Lei nº /07 - Introdução

21

22 algumas regras impediam a adoção das normas internacionais Eliminação de Algumas Regras necessidade Brasil inserido nas normas internacionais de contabilidade Lei nº /07 esclarecer A lei não nos leva completamente a essas normas. Normas Internacionais de Contabilidade IASB no texto legal Segregação Contabilidade Fisco

23 SUSEP Cias. Abertas ABRASCA Usuários >> Analistas APIMEC CPC BOVESPA BACEN Mercado de Ações IBRACON Receita Federal Auditores FIPECAFI Academia CFC Profissionais CVM

24 responsável pela emissão de normas CPC Criado dentro do CFC Pronunciamentos Técnicos Órgão Autônomo Orientações Interpretações convergentes às normas internacionais

25 CPC Deliberações Instruções após aprovação por órgãos reguladores brasileiros

26 Principais Mudanças Posturas já está escrito nas normas contábeis brasileiras Lei nº /07 mudanças Escrituração das Demonstrações não tem sido obedecido Pensar a Contabilidade grandes mudanças

27 Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade (Deliberação CVM nº 29/86) Princípios Fundamentais de Contabilidade (Resolução CFC nº 750/93) Outros documentos Primazia da essência sobre a forma característica marcante das normas internacionais

28 documento que não retrata a realidade econômica registro contábil da realidade econômica não reconhecer apenas o que estiver formalmente escrito

29 Exemplo: no papel Venda Aluguel Compromisso de recompra 1. Vende 2. Aluga na essência Operação de empréstimo despesas financeiras dinheiro recebido é contrapartida do passivo Imobilizado continua no Balanço ATIVO 3. Recompra (valor negociado + juros de mercado no período) não na forma não são despesas de aluguel dinheiro recebido não é receita Uso Controle Riscos e benefícios fluirão para a empresa

30 Se acontecer isso, faça aquilo. as normas não devem ser carregadas de detalhes baseadas em: princípios orientações objetivos Se ocorrer isso, faça aquilo outro.

31 Cada profissional, cada administração de empresa e cada auditor terão que, conhecendo a essência econômica do que está ocorrendo, interpretar o processo de normatização, exercer julgamento, assumir responsabilidade para produzir balanços que tenham como grande objetivo ser transmissores aos usuários das condições econômicas reais da empresa e da mutação do seu Patrimônio Líquido.

32 Profissão do contador Liberal Respeitada Praticante do Subjetivismo Responsável Objetividade Bons Julgamentos

33 A criação do LALUC Lei nº /07

34 Criação do LALUC Livro de Apuração do Lucro Contábil LALUR Livro de Apuração do Lucro Real

35 o que é o LALUR

36 Livro utilizado para apurar os impostos que a empresa tem a partir da contabilidade. regras e princípios ajustes adições exclusões Impostos devidos contabilidade

37 LALUR Decreto-Lei nº 1.598/77 Compatibilizar Regras Contábeis X Regras Fiscais

38 A criação do LALUC para os contadores, o LALUR era uma redenção a contabilidade não seria mais feita obedecendo regras fiscais mas sim com o que a contabilidade tinha de melhor

39 LALUR Flexibilidade menor do que a esperada Imposições fiscais fizeram com que a contabilidade fosse adaptada à legislação fiscal. utilidade diferente da prevista e esperada

40 Contabilidade Societária... e produzirá as demonstrações que serão publicadas para efeito de cálculo de dividendos, obtenção de crédito e assim por diante. LALUR LALUC Contabilidade Fiscal A contabilidade societária será obtida a partir dos ajustes feitos ao LALUC... de acordo com as regras fiscais

41 A criação do LALUC HOJE >>> Utilização do LALUC a contabilidade é feita de acordo com as regras fiscais

42 Imóveis, no Brasil, são depreciados com prazo de vida útil de 25 anos depreciação de 4% a.a. Uma empresa poderá entender que o imóvel tenha vida útil de 50 anos - depreciação de 2% a.a. Com a introdução do LALUC, a contabilização da despesa fiscal será de 4% a.a A empresa fará ajustes que serão auditados para que a Receita Federal tenha a garantia de que estão de acordo com as melhores práticas contábeis Contabilidade Societária Depreciação Base para cálculo dos dividendos Entregue para bancos Publicação, entre outros

43 Contabilizar a despesa de depreciação e os juros produzidos Registrar o ativo e o respectivo passivo Hoje é contabilizado como despesa Leasing Financeiro Lei n /07: Leasing financeiro será contabilizado como ativo e passivo Essência sobre a forma Estornar a despesa de aluguel da contabilidade fiscal A contabilização da despesa de aluguel poderá continuar de acordo com a legislação fiscal O valor poderá ser dedutível para efeito fiscal

44 Nova Estrutura do Balanço Patrimonial ATIVO Ativo circulante Ativo não circulante Realizável a longo prazo Permanente Investimento Imobilizado Intangível Diferido Total do Ativo BALANÇO PATRIMONIAL Será eliminado Não existe nas normas internacionais PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Passivo circulante Passivo não circulante Exigível a longo prazo Também será eliminado Resultado de exercícios futuros Patrimônio Líquido Capital Reserva de Capital Reserva de Lucros Ajuste de Avaliação Patrimonial Total do Passivo + Patrimônio Líquido Reserva de reavaliação seráeliminada

45 Nova Estrutura do Balanço Patrimonial reservas de lucros Todo resultado positivo das sociedades por ações deve ser destinado. pago em dividendos Patrimônio Líquido

46 Lucros Acumulados não pode ter saldo positivo no Balanço. saldo zero

47 saldos negativos Prejuízos Acumulados

48 continua existindo mesma utilização Eliminação restrita ao Balanço Patrimonial Lucros Acumulados Distribuição de Resultados dividendos juros sobre capital próprio contrapartidas Reservas Estatutárias Resultado do Exercício Reservas Legais Reservas de Lucros a Realizar

49 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 2008 >> não pode ser feita reavaliação Saldos Existentes: - revertidos - realizados RESERVA DE SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS Desaparecerá RESERVA DE PRÊMIO NA EMISSÃO DE DEBÊNTURES Desaparecerá Os prêmios terão que ser contabilizados como passivo e distribuídos ao longo da vida das debêntures como redutores das despesas financeiras

50 Novidades da Lei n /07 DFC DVA DOAR obrigatoriedade de apresentação Novidades

51 Apresentação na forma do IASB também adotada pelo FASB Demonstração dos Fluxos de Caixa Método Direto ou Método Indireto

52 O que representa essa demonstração? Como deverá ser subdividida?

53 Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração dos Fluxos de Caixa Representa a movimentação financeira da empresa Detalha as variações de caixa e equivalentes de caixa entre o saldo inicial e o saldo final EQUIVALENTES DE CAIXA são aplicações financeiras realizáveis num prazo curtíssimo, feitas através de fundos de liquidez imediata ou em títulos que garantam uma remuneração imediata, visando a manutenção dos valores inicialmente aplicados

54 Operacional Operações que passaram pelo Resultado do Exercício DFC é subdividida em três atividades Operações realizadas com Ativo de Longo Prazo De Investimentos Valores de empréstimos e financiamentos e capital de acionistas De Financiamento

55 Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC cada uma das atividades deve ser apresentada pelo seu valor líquido Não pode ser confundido com a possibilidade de compensar valores dentro de uma mesma atividade Atividade Operacional Atividade de Investimento Atividade de Financiamento

56 Uma empresa faz uma operação de crédito Exemplo No mesmo período, faz um pagamento de outra operação de crédito Contratação de Empréstimos Pagamento de Empréstimos Reflexo líquido dos fluxos financeiros provocados pela Atividade de Financiamento

57 Compra e venda de imobilizados O valor líquido será a diferença entre esses dois valores Atividade de Investimento Apresentadas separadamente O valor da compra e o valor da venda

58 Demonstração dos Fluxos de Caixa Elaboração da DFC Método Direto Método Indireto Todas as operações de entradas e saídas aparecem pelos seus valores totais Parte-se do Lucro Líquido e chega-se ao resultado que está refletido no caixa Os valores totais não são identificados

59 Brasil e Exterior Forte predileção pelo Método Indireto Mais útil Mais informativo Preferência dos analistas

60 Demonstração do Valor Adicionado obrigatoriedade de apresentação da DVA pelas companhias abertas NOVIDADE

61 Não é muito conhecida no exterior Começou a ser elaborada na década de 60 nos países da Europa O Brasil importou essa demonstração As demonstrações apresentadas nos últimos anos por muitas Cias. Abertas e empresas de energia elétrica já contém a DVA Os auditores já incluem em seus pareceres a análise da DVA DVA Criação de um parágrafo adicional no Parecer de Auditoria, onde se faz menção explícita à DVA

62 Nossos exames foram conduzidos com o objetivo de emitir parecer sobre as demonstrações contábeis básicas tomadas em conjunto. As demonstrações individuais e consolidadas do fluxo de caixa e do valor adicionado contidas, respectivamente, nos Anexos I e II, são apresentadas para propiciar informações suplementares sobre a Companhia e controladas, e não são requeridas como parte integrante das demonstrações contábeis básicas, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. As demonstrações dos fluxos de caixa e do valor adicionado foram submetidas aos mesmos procedimentos de auditoria descritos no parágrafo 2 e, em nossa opinião, estão adequadamente apresentadas, em todos os aspectos relevantes, em relação às demonstrações contábeis básicas dos exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de 2006, tomadas em conjunto. DVA Parecer dos auditores Independentes - Deloitte Touche Tohmatsu COPEL (Acesso ao site: em 25/07/08)

63 Demonstração do Valor Adicionado o que representa a DVA

64 grande contribuição dos contadores Contadores a partir das vendas DVA Cálculo do PIB Economistas a partir da produção Mostra a riqueza criada pela empresa e como ela é distribuída diferente visão dos economistas

65 Empresa faturamento R$ insumos de terceiros R$ Criação de riqueza R$ Exemplo Participação efetiva da empresa na criação do PIB

66 Criação de Riqueza e sua distribuição entre os agentes econômicos DVA

67 Empregados Governo Salários Encargos Impostos Contribuições Distribuição da riqueza Aluguéis Juros Financiadores de Capital Externo Resultados não Distribuídos Dividendos Juros sobre Capital Próprio Financiadores Internos

68 Demonstração do Valor Adicionado já é elaborada por muitas empresas no Brasil DVA baseada em modelos desenvolvidos FIPECAFI CFC

69 O Comitê de Pronunciamentos Contábeis utiliza esses modelos para elaborar o modelo que deverá ser utilizado pelas empresas no Brasil

70 Demonstração de Valor Adicionado Assuntos recentes e pouco estudados no Brasil Demonstração dos Fluxos de Caixa

71 Investimentos Temporários Lei nº /07 Artigo 183 Fair Value (Valor Justo) introdução do conceito para alguns tipos de Investimentos Temporários

72 Investimentos Temporários VALOR DE MERCADO VALOR ATUALIZADO VALOR NOMINAL registrados pelo seu valor de mercado ou equivalente valor original, mais juros, correção monetária e cambial... provisão para perdas ajuste a valor presente

73 Investimentos Temporários... negociação autorizada pela gestão da empresa Investimentos Temporários Destinados à Negociação Imediata estiverem já destinados a serem negociados

74 Regime de Competência Negociação Imediata Ajuste Valor de Mercado Contrapartida Resultado do Exercício investimento em ouro como ativo financeiro

75 ... é uma intenção Aplicações Financeiras Futura Venda a venda ainda não está autorizada

76 Para se colocar em prática as duas avaliações... Negociação Imediata Futura Venda Ajuste Valor de Mercado Valor de Mercado Contrapartida Resultado do Exercício Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL) Intenção... são necessárias algumas normatizações

77 ... apenas com base no custo dos valores desembolsados Instrumentos Financeiros Derivativos não poderão ser registrados...

78 ... precisam ser emitidas no exercício social em andamento... Regulamentações do BACEN e da SUSEP Negociação Imediata Futura Venda Derivativos Ajuste Valor de Mercado Valor de Mercado Valor de Mercado Contrapartida Resultado do Exercício Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL) Resultado do Exercício normas mais específicas de contabilização de derivativos... Bancos e Seguradoras já fazem esse tipo de contabilização

79 capacidade financeira de mantê-los Investimentos Financeiros empresa tem o objetivo de ficar com eles até o vencimento não estão destinados à negociação imediata não há intenção de destiná-los à venda no futuro

80 Negociação Imediata Futura Venda Derivativos Investimentos Financeiros Ajuste Valor de Mercado Valor de Mercado Valor de Mercado Valor Original + juros, atualizações monetária e cambial... Contrapartida Resultado do Exercício Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL) Resultado do Exercício Resultado do Exercício

81 Contas a Receber Carteiras de Crédito Mercantil Duplicatas a Receber

82 Negociação Imediata Futura Venda Derivativos Investimentos Financeiros Crédito Mercantil Ajuste Valor de Mercado Valor de Mercado Valor de Mercado Valor Original + juros, atualizações monetária e cambial... Valor Original - PCLD trazidos a valor presente Contrapartida Resultado do Exercício Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL) Resultado do Exercício Resultado do Exercício Resultado do Exercício

83 Investimentos Permanentes Lei nº /07

84 Modificações em relação aos investimentos avaliados por Equivalência Patrimonial

85 não foram modificados os conceitos COLIGADAS CONTROLADAS Participação de 10% do capital Sem discriminação se o capital ou a participação é em ações ordinárias ou preferenciais Há poder de deliberação nas assembléias.

86 Modificação restrita à questão da relevância O conceito de Relevância não mais existirá

87 CONTROLADAS COLIGADAS devem ser avaliadas por Equivalência Patrimonial sem obedecer o conceito da Relevância

88 Participação de 20% no capital votante representa influência significativa... é a influência na administração. O importante no processo de avaliação por Equivalência Patrimonial... Se a influência for significativa, o investimento deve ser feito pelo método de Equivalência Patrimonial. INFLUÊNCIA SIGNIFICATIVA é quando se observa representação na diretoria, participação de projetos de definição de políticas, inclusive de distribuição de dividendos, transações relevantes entre investidora e investida, intercâmbio de pessoal e fornecimento de informações técnicas essenciais.

89 Investimentos Permanentes Deverão ser avaliados por Equivalência Patrimonial investimentos que sejam controlados por uma mesma pessoa jurídica

90 Empresa A Controlador Comum 4% Empresa B Não se caracteriza como coligada Mas, se as duas empresas têm um controlador comum,... são controladas por uma mesma empresa são controladas por uma mesma pessoa física são controladas por um conjunto de pessoas físicas...os investimentos deverão ser avaliados por Equivalência Patrimonial.

91 Mudança é bastante forte em relação ao que se fazia anteriormente Passaremos a avaliar por equivalência não só as empresas coligadas e controladas Mas também as empresas que têm um controle comum

92 As variações de câmbio que afetam esses investimentos eram reconhecidas no Resultado de Equivalência Patrimonial Investimentos no Exterior Quando avaliados por Equivalência Patrimonial sofrerão modificações

93 aprovação de um procedimento do CPC Variações Cambiais não deverão ser classificadas Resultado de Equivalência Patrimonial Lei nº /07 Deliberação CVM nº 534/08 Variações Cambiais deverão ser classificadas Ajustes Patrimônio Líquido conta Ajustes de Avaliação Patrimonial grande diferença em relação ao procedimento anterior

94 Investimentos Permanentes Até 2007, para as companhias abertas, ainda existia a obrigatoriedade de avaliação por Equivalência Patrimonial... Participações de 10% do capital votante, de forma direta ou indireta.... para os investimentos realizados em empresas equiparadas. Instrução nº 247 da CVM Aguardar uma decisão da CVM Não se sabe se a CVM manterá esse conceito de coligação ou se o abandonará.

95 Investimentos Permanentes Investimentos Permanentes Avaliação de ações Situações consideradas estranhas

96 Ativo Permanente Pretende manter as ações por tempo indefinido Disponível para Negociação Imediata Intenção de se desfazer do investimento num momento imediato Disponível para Venda Futura Intenção de venda em um período futuro Valor do Custo Custo ou mercado, dos dois o menor Valor de Mercado Ajustes reconhecidos no Resultado - Determinada empresa compra 2% das ações de uma grande empresa no país, suponhamos a Petrobrás - Dependendo do registro contábil, o investidor mostrará qual a intenção de manutenção desse investimento

97 Ativo Permanente Pretende manter as ações por tempo indefinido Disponível para Negociação Imediata Intenção de se desfazer do investimento num momento imediato Disponível para Venda Futura Intenção de venda em um período futuro Valor do Custo Custo ou mercado, dos dois o menor Valor de Mercado Ajustes reconhecidos no Resultado Valor de Mercado Ajustes de Avaliação Patrimonial só fará parte do Resultado quando o investimento estiver disponível para negociação imediata

98 Pelas normas internacionais, todos esses investimentos devem ser avaliados pelo valor de mercado Há diferença entre o que nós faremos e o que se fará no mercado exterior

99 Ativo Imobilizado Marcas Patentes A partir da Lei nº /07, serão classificadas no Ativo Intangível Concessões Direitos autorais e não autorais

100 Lei Ativo Imobilizado Direitos que têm por objeto bens corpóreos destinados à manutenção da atividade da companhia

101 Bens corpóreos Softwares e benfeitorias em propriedade de terceiros deveriam ser classificados como Ativo Intangível Softwares e benfeitorias em propriedade de terceiros continuam dentro do Ativo Imobilizado

102 Ativo Imobilizado devem ser incluídos nesse grupo aqueles bens que sejam decorrentes de operações que transfiram à companhia seus benefícios, riscos e controle. alteração importante na definição de imobilizado

103 No passado A partir da Lei n /07 Quando se fazia um Arrendamento Mercantil... Leasing Financeiro...não se registrava qualquer ativo e qualquer passivo A T I V O Obrigação de classificação no Ativo Imobilizado aqueles bens que não sejam de sua propriedade jurídica Uso Benefícios Riscos Controle

104 Ativo Imobilizado - Depreciação As depreciações relativas ao Ativo Imobilizado também sofrerão modificações A Lei nº /07 estabelece que as depreciações devem respeitar a vida útil econômica dos bens VIDA ÚTIL ECONÔMICA é o período de tempo definido ou estimado tecnicamente, durante o qual se espera obter fluxos de benefícios futuros de um ativo

105 Utilização de tabelas fornecidas pela legislação do imposto de renda No Brasil Não é uma depreciação econômica, mas uma depreciação fiscal

106 Bem taxa de depreciação, pela legislação fiscal, de 10% A depreciação é feita pelo valor nominal total Depreciação Fiscal Depreciação é feita em 10 anos, sem considerar mais nada Valor residual igual a zero Mesmo que a sua vida útil seja diferente, 5 anos ou de 15 anos

107 Ativo Imobilizado - Depreciação sejam o reflexo adequado do desgaste ou da perda de valor econômico que os bens estejam sofrendo Depreciações Espera-se que ativos que tenham uma vida útil de 30 ou 40 anos para a empresa não sejam depreciados em 5 ou 10 anos apenas porque a Receita Federal autoriza a serem consideradas pelas empresas a partir de não sejam feitos simplesmente porque a legislação fiscal autoriza

108 Não espere receita do que deve ser feito Não espere metodologias Não espere regras Muita aprendizagem Muito treinamento afetará muito a vida dos contadores

109 Aprender os novos procedimentos de forma conjunta É o que se espera dos atuais e futuros contadores É o que se espera das futuras demonstrações As demonstrações representarão adequadamente o resultado de qualquer atividade

110 Ativo Imobilizado Teste de Recuperabilidade Lei n /07 Artigo 183 Avaliação dos elementos do ativo Considera que a companhia, periodicamente, deverá avaliar o grau de recuperabilidade de seus ativos

111 Um ativo que esteja reconhecido no balanço deverá ser reduzido que não possa ser recuperável pelo seu valor que não possa ter fluxos de caixas futuros que recuperem esse valor que não tenham indicações que dêem a ele uma garantia de recuperabilidade

112 Teste de Recuperabilildade Teste de Impairment critérios de recuperação definidos em norma específica do CPC

113 Reavaliação outra alteração Ativo Imobilizado refere-se às reavaliações

114 No Brasil, começou com a Lei n 6.404/76 Representava um avanço Previsto em lei Processo de Reavaliação

115 Ter os ativos avaliados pelos seus valores de mercado Reavaliação Posição patrimonial melhor representada

116 resultados afetados por depreciações Ponto de vista econômico evolução valor histórico ou corrigido depreciação não seria feita... mas sim a... valores de mercado

117 apresentação patrimonial adequada apropriação dos resultados relativos aos desgastes de seus ativos

118 Reavaliação As regras internacionais também prevêem essa atualização para os ativos No Brasil, a partir da Lei n /07, não se seguirá as normas internacionais

119 Por que esse tipo de procedimento? Má utilização do mecanismo de reavaliação

120 Muitos exemplos de empresas que avaliaram seus ativos de forma incorreta para transformar o patrimônio líquido negativo em positivo... fizeram reavaliação para poder diminuir os dividendos a serem distribuídos... fizeram reavaliação para conseguir uma concordata, ou favorecimento jurídico, ou participação em concorrência pública

121 Reavaliação Quais são as alterações introduzidas pela Lei n /07? Proibição do mecanismo de reavaliação

122 Estorno das contas que representaram o registro das reavaliações Baixa valor da reavaliação do ativo conta de Reserva de Reavaliação provisão de IR da respectiva reavaliação O que fazer com os saldos de reavaliações que foram realizadas até 2007? Mesmo mecanismo que era usado anteriormente A Reserva de Reavaliação era realizada na baixa dos ativos por venda ou pela depreciação Os saldos podem ser mantidos e amortizados a partir da realização dos ativos

123 Reavaliação Teste da Recuperabilidade dos Ativos caso diferente

124 Suponha um ativo que tivesse sido reavaliado E a empresa optou por manter o ativo no balanço A partir de 2008 é obrigatória a realização do teste de recuperabilidade Se o teste determinar que o valor recuperável do ativo é menor do que o valor que foi registrado após uma reavaliação, a baixa desse ativo deverá ser feita contra a Reserva de Reavaliação que fora feita no passado

125 Reavaliação Curiosidade Banco de dados da FIPECAFI 380 empresas tinham, em 2006, saldos na conta de Reserva de Reavaliação O total do estorno das reservas ultrapassaria R$ 40 bilhões

126 Ativo Imobilizado Como avaliar ativos objetos de um contrato de arrendamento mercantil? Como trazer para dentro do balanço bens que são de propriedade de terceiros?

127 Valor de transação da aquisição do ativo poderia ser estabelecido como o valor básico para o registro no Ativo No contrato de arrendamento, tem-se o valor e a quantidade de prestações Alternativas

128 Exemplo 40 prestações a um valor x Ajustar a valor presente das 40 prestações Trazer para o ativo o valor presente da operação que está sendo realizada Forma de trazer para dentro do balanço os ativos originados de uma operação de arrendamento O passivo também deverá ser registrado

129 Exemplo Leasing a empresa teria apenas no resultado a despesa no valor da prestação nada reconhecerá no seu balanço. Arrendamento Mercantil Financeiro Equipamento >> R$ 100 mil Taxa >> 1,5% a.m. Prazo >> 60 meses Prestação Mensal >> R$ 2.539,34 Valor residual imaterial (opção) Regras anteriores RESULTADO DO EXERCÍCIO Despesa de Arrendamento Mercantil R$ 2.539,34 (durante os 60 meses)

130 Exemplo Leasing Lei nº /07 Utilização por um prazo substancial dentro da vida útil econômica A empresa arrendatária será a única detentora de todos os benefícios Cabe à empresa arrendatária todo o ônus e todo o risco O equipamento será registrado como Ativo Imobilizado Regras atuais (momento inicial) ATIVO Imobilizado sob Arrendamento Mercantil PASSIVO Dívida de Arrendamento Mercantil a pagar O equipamento não será registrado como arrendamento mercantil financeiro Equipamento >> R$ 100 mil Taxa >> 1,5% a.m. Prazo >> 60 meses Prestação Mensal >> R$ 2.539,34 Valor residual imaterial (opção) Regras anteriores RESULTADO DO EXERCÍCIO Despesa de Arrendamento Mercantil R$ 2.539,34 (durante os 60 meses)

131 Exemplo Leasing CÁLCULO DA DEPRECIAÇÃO MENSAL = 900 DESPESA FINANCEIRA (1º MÊS) 1,5% x = Vida útil estimada >> 100 meses Valor de venda >> R$ (no final da vida útil) Equipamento >> R$ 100 mil Taxa >> 1,5% a.m. Prazo >> 60 meses Prestação Mensal >> R$ 2.539,34 Valor residual imaterial (opção) Em cada um dos meses subseqüentes, a depreciação continuará sendo de R$ Contabilizações ATIVO Imobilizado sob Arrendamento Mercantil (-) Depreciação Acumulada (900) PASSIVO Dívida de Arrendamento Mercantil a pagar RESULTADO DO EXERCÍCIO Despesa Financeira Despesa de Depreciação 900 1º mês ,34 juros...mas as despesas de juros decrescerão, já que o saldo devedor diminuirá. amortização da dívida

132 Exemplo Leasing Com essa ativação, o custo fica distribuído de uma maneira muito mais lógica, muito mais econômica... Regime de Competência após o último dos 60 pagamentos Regras atuais ATIVO Imobilizado sob Arrendamento Mercantil (-) Depreciação Acumulada (54.000) PASSIVO Dívida de Arrendamento Mercantil a pagar 0 Regras anteriores ATIVO Imobilizado 0 = ~ RESULTADO DO EXERCÍCIO Despesa de Arrendamento Mercantil R$ 2.539,34 (durante os 60 meses)...do que na metodologia em que não se ativam os respectivos ativos, objeto de contrato de Arrendamento Mercantil

133 para o cálculo de tributos, deve-se fazer a substituição das despesas de depreciação e financeiras pelo valor da contraprestação do arrendamento mercantil financeiro e nada mudará no cálculo de imposto de renda e contribuição social a normatização contábil não prejudicará as empresas normatização fiscal mais explícita será emitida ainda este ano para fins contábeis, elas terão que fazer os registros como demonstrado para fins tributários, continuarão dentro das normas anteriores, se quiserem

134 Conselho Federal de Contabilidade Resolução n 921/2001 Determinava a aplicação dessa forma de contabilização para algumas situações em que os bens, objeto de arrendamento mercantil financeiro, fossem específicos para a entidade Imóveis e equipamentos feitos especificamente para as condições de uma determinada sociedade Não estava sendo atendida problemas tributários posição do CFC >> evoluir a norma contábil >> não provocar prejuízos tributários

135 mais representativo mais válido Balanço Patrimonial sem prejuízos tributários

136 Ativo Intangível O grupo de Ativos Intangíveis é formado por componentes de outros grupos

137 Ativo Intangível Lei n 6.404/76 Imobilizado Marcas Patentes Direito de concessão Direito de exploração Direito de franquia Direitos autorais Lei n /07 Ativo Intangível Marcas Patentes Direito de concessão Direito de exploração Direito de franquia Direitos autorais Imobilizado será formado basicamente por ativos tangíveis ou corpóreos

138 Situação Especial Software estão agregados aos Ativos Imobilizados permanecem no Ativo Imobilizado Equipamentos Máquinas Elevadores

139 Benfeitorias em propriedade de terceiros Bens Corpóreos Ativo Imobilizado

140 Ativos que são classificados hoje no Diferido vão para o Intangível: Desenvolvimento de novos produtos Desenvolvimento de fórmulas novas a) Tecnicamente são líquidas e certas b) Financeiramente são viáveis c) A empresa tem recursos próprios ou assegurados de terceiros para completar o projeto Ativo Intangível Se não tiverem qualquer uma destas condições, terão que ser registrados diretamente como despesa

141 Não integram o Ativo Diferido e nem os Ativos Intangíveis Gastos com pesquisas de produtos novos Gastos com pesquisas de mercado despesa

142 Ativo Intangível - Ágio Fundo de Comércio Ágio por Expectativa de Rentabilidade Futura Goodwill Elemento especial do Ativo Intangível

143 No Brasil Valor da Compra Ágio É obrigatório que o total do ágio seja dividido em duas partes Valor Contábil

144 No Brasil Ágio por Expectativa de Rentabilidade Futura Ágio pago em uma compra acima do valor de mercado Valor da Compra Diferença entre Valor Contábil e Valor de Mercado Quanto se paga acima do valor contábil até o valor justo de mercado dos ativos e passivos adquiridos Valor Contábil

145 Valor da Compra Ágio por diferença de valor de mercado e valor contábil Ágio Valor Contábil Expectativa Futura - EXEMPLO 1 - ÁGIO No Brasil Um imóvel Valor de Mercado =

146 ATIVO Ativo circulante Ativo não circulante Realizável a longo prazo BALANÇO PATRIMONIAL INDIVIDUAL Permanente Investimentos Investimento na empresa A Ágio Imobilizado Intangível Diferido Total do Ativo PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Passivo circulante Passivo não circulante Exigível a longo prazo Resultados de exercícios futuros Patrimônio líquido Capital Reservas Reservas de Capital Reservas de Lucros Ajustes de Avaliação Patrimonial Total do passivo mais PL

147 ATIVO Ativo circulante Ativo não circulante BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO Realizável a longo prazo Permanente Investimentos Imobilizado Intangível Diferido Total do Ativo esse ágio será acrescido aos bens que lhe deram origem, neste exemplo, Imobilizado PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Passivo circulante Passivo não circulante Exigível a longo prazo Resultados de exercícios futuros Patrimônio líquido Capital Reservas Reservas de Capital Reservas de Lucros Ajustes de Avaliação Patrimonial Total do passivo mais PL

148 RESUMINDO Tipo de Ágio Balanço Individual Balanço Consolidado Diferença entre Valor Contábil e Valor de Mercado Investimentos Agregado ao valor dos bens consolidados

149 Ativo Intangível - Ágio Ágio por Expectativa de Rentabilidade Futura Valor da Compra Diferença entre Valor Contábil e Valor de Mercado Valor Contábil EXEMPLO 2 - ÁGIO Um imóvel Valor de Mercado =

150 Ágio por Expectativa de Rentabilidade Futura Ativo Intangível Capacidade produtiva Nome Fidelidade Reputação Inovação em tecnologia Localização Treinamento Clientela Valor da Compra Diferença entre Valor Contábil e Valor de Mercado Valor Contábil conjunto de fatores intangíveis que são criadores de uma capacidade anormal de geração de lucros faz com que um comprador esteja disposto a pagar por ele

151 BALANÇO PATRIMONIAL (INDIVIDUAL E CONSOLIDADO) ATIVO Ativo circulante Ativo não circulante Realizável a longo prazo Permanente Investimentos Imobilizado Intangível Ágio por Expectativa de Rentabilidade Futura Diferido Total do Ativo PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Passivo circulante Passivo não circulante Exigível a longo prazo Resultados de exercícios futuros Patrimônio líquido Capital Reservas Reservas de Capital Reservas de Lucros Ajustes de Avaliação Patrimonial Total do passivo mais PL

152 A partir de 2009 O Ágio por Expectativa de Rentabilidade Futura não será mais amortizado para fins fiscais Regulamentações para que continue sendo dedutível, enquanto a legislação tributária permitir para fins contábeis Os ágios ficarão no Ativo Permanente (Intangíveis) e serão submetidos ao Teste de Recuperabilidade Verificar se o valor de mercado: permanece cresce >> o valor contábil permanece começa a declinar >> reconhecimento de perdas

153 Conselho Federal de Contabilidade CVM Pronunciamento Técnico CPC nº 01 Banco Central SUSEP

154 Ágio por Expectativa de Rentabilidade Futura Valor da Compra Diferença entre Valor Contábil e Valor de Mercado Valor Contábil

155 RESUMINDO Tipo de Ágio Balanço Individual Balanço Consolidado Diferença entre Valor Contábil e Valor de Mercado Investimentos Agregado ao valor dos bens consolidados Expectativa de Rentabilidade Futura Intangível Intangível

156 Ativo Diferido Mas com uso muito restrito O ativo diferido vai desaparecer A lei ainda permite

157 Art As contas serão classificadas do seguinte modo: V no diferido: as despesas pré-operacionais e os gastos de reestruturação que contribuirão, efetivamente, para o aumento do resultado de mais de um exercício social e que não configurem tão-somente uma redução de custos ou acréscimo na eficiência operacional; (Redação dada pela Lei nº , de 2007) Conceito mais restrito

158 Despesa ou Ativo Intangível Gastos com Pesquisa não há mais Gastos com Desenvolvimento Despesa do Exercício

159 Ativo Diferido desaparecerá

160 Algumas das despesas hoje classificadas como pré-operacionais no Diferido Imobilizado Despesa do Exercício Gastos com treinamento de pessoas que irão colocar um equipamento em funcionamento Fazem parte do processo de colocação do Imobilizado em funcionamento Incorporados ao custo do imobilizado Treinamento de pessoal administrativo Treinamento de pessoal de vendas Burocracia da organização da empresa

161 O diferido ainda tem uma certa sobrevida

162 Teste de Recuperabilidade Investimentos Societários >> provisão para perdas Lei n /07 Artigo 183 Estoques >> custo ou mercado, dos dois o menor Teste de Recuperabilidade Imobilizado Intangível Diferido Teste de Impairment já deveríamos estar praticando em todos os ativos a normatização já existia para alguns ativos para outros grupos, a Lei era omissa Contas a Receber >> provisão para crédito de liquidação duvidosa

163 Pelo menos na data do Balanço, a empresa pare, teste e verifique se os valores contábeis são genuinamente recuperáveis O QUE SIGNIFICA TESTE DE RECUPERABILIDADE?

164 Teste de Recuperabilidade Imobilizado Intangível Diferido RECUPERÁVEIS venda para terceiros Fluxos de Caixa Futuros

165 Teste de Recuperabilidade Teste de Recuperabilidade Imobilizado Intangível Diferido Registro Contábil menor caixa que ele produziria se fosse vendido caixa que ele ajudará a produzir no futuro ou o ativo tem valor econômico, tem capacidade de recuperação do que existe de saldo nele aplicado ou é obrigatório que se reconheça a diferença como perda análise periódica

166 Teste de Recuperabilidade Teste de Recuperabilidade Imobilizado Intangível Diferido Ajustes Diminuir o valor do Ativo se os testes mostrarem que o ativo vale mais do que o saldo contábil, os saldos permanecerão como estão, sem sofrer acréscimos

167 Conselho Federal de Contabilidade CVM conhecer com detalhes Pronunciamento Técnico CPC nº 01 Banco Central SUSEP

168 É necessário que se faça a revisão em cada balanço das vidas úteis econômicas dos ativos que estejam sendo utilizados para cálculo das depreciações, amortizações e exaustões.

169 A Lei agora passou a exigir expressamente que depreciação, amortização e exaustão sejam registradas com base na sua vida útil econômica e que essa vida útil seja reanalisada em cada balanço.

170 Ajustes de Avaliação Patrimonial Nova conta do Patrimônio Líquido Ajustes de Avaliação Patrimonial

171 Variações de preços de mercado dos instrumentos financeiros destinados a venda futura As variações cambiais de investimentos no exterior devem ser reconhecidas nesse item do Patrimônio Líquido aparecimento e utilização da conta Ajustes de Avaliação Patrimonial Diferenças de ativos e passivos avaliados a valor de mercado nas reorganizações societárias Nos casos de cisões, incorporações e fusões, os ativos e passivos deverão ser avaliados a valor de mercado

172 Ajustes de Avaliação Patrimonial A conta Ajustes de Avaliação Patrimonial será transferida para o resultado à medida que os valores registrados nos ativos ou passivos forem sendo realizados

173 Instrumentos Financeiros Destinados à Venda Futura quando transferidos para venda imediata ou negociados transferência para o resultado Exemplo Investimentos no Exterior variação cambial registrada permanecerá até a realização do investimento na baixa do investimento, realizam-se as variações cambiais

174 Ajuste de Avaliação Patrimonial importante destacar não representa uma conta de reserva não impacta os limites que as reservas têm em relação ao capital... não passou pelo resultado é uma conta do Patrimônio Líquido, mas não é uma reserva

175 Ajustes de Avaliação Patrimonial A conta Ajustes de Avaliação Patrimonial deverá ou não ser considerada no cálculo dos Juros sobre o Capital Próprio?

176 A esse respeito, certamente a Receita Federal deverá se manifestar,... Juros sobre Capital Próprio Calculados com base no valor do Patrimônio Líquido Exclui-se a conta de Reserva de Reavaliação, desde que não tenha sido tributada no momento do seu registro... pois essa conta aparecerá em muitas empresas com valores significativos.

177 Subvenções para Investimento Subvenções para Investimentos Lei n 6.404/76 Lei n /07 Normas Internacionais Contabilizadas no Patrimônio Líquido contas próprias de Reserva de Capital Não sofriam tributação Transitem pelo Resultado Reserva de Incentivos Fiscais

178 RESULTADO DO EXERCÍCIO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Reservas Reservas de Capital Reservas de Lucros Ajustes de Avaliação Patrimonial Receita de Subvenção para Investimento Lucro Líquido do Exercício Lucros Acumulados Dividendos para não haver perda de benefício fiscal Reserva de Incentivos Fiscais segregação desses valores para não serem distribuídos como lucro aos sócios

179 Subvenções para Investimentos apropriação das Subvenções para Investimentos ao resultado reconhecimento como Reserva de Capital

180 todos os requisitos foram cumpridos não há condição remanescente valor recebido de maneira incondicional imposto recebido contabilizado diretamente como receita no Resultado empresa recebe a devolução de um imposto vinculado a um projeto de investimento Subvenção para Investimento

181 pode haver situações em que a empresa recebe subvenções de maneira condicional empresa recebe de uma prefeitura um terreno compromisso construir nele uma fábrica operar no município certo número de anos subvenção recebida (terreno) deverá ser reconhecida pelo seu valor justo de mercado contrapartida não é Resultado É uma conta de Passivo Até que todas as condições necessárias para não haver mais o risco de se perder o terreno sejam satisfeitas Então, o passivo deixará de existir e será transferido como receita

182 Subvenções para Investimentos Se a empresa estiver com condições de ter nesta subvenção um valor não sujeito à tributação, mas permite a manutenção das condições tributárias privilegiadas. O legislador está provocando mudanças significativas na maneira de contabilizar, transferirá de Lucros Acumulados para Reserva de Incentivos Fiscais o respectivo valor transitado pelo Resultado.

183 Subvenções para Investimentos Há circunstâncias que farão com que o reconhecimento da subvenção para investimento seja feito ao resultado paulatinamente para se contrapor aos custos decorrentes da própria subvenção subvenção pelo recebimento de máquinas e equipamentos contrapartida conta de Passivo transferida para o resultado ao tempo das depreciações do ativo EXEMPLO

184 Os incentivos fiscais de imposto de renda FINAM FINOR Deverão ser reconhecidos no resultado, no momento dos efetivos recebimentos dos respectivos certificados ou quando realmente não existirem mais dúvidas de que os direitos adquiridos não serão perdidos

185 Ajuste a Valor Presente valores registrados no Realizável a Longo Prazo e no Exigível a Longo Prazo devem ser trazidos a valor presente implícitos ajuste a valor presente explícitos juros Venda de Imóvel Parcelas >> 5 Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >>?

186 t 0 t 1 Valor Presente t 2 t 3 t 4 t 5 P 1 P 2 P 3 P 4 P 5 VP < P 1 + P2 + P3 + P4 + P5 Venda de Imóvel Parcelas >> 5 Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >>? Taxa de Juros? Contas a Receber RLP DIMINUI REDUZ RECEITA Resultado

187 t 0 t 1 Valor Presente t 2 t 3 t 4 t 5 P 1 P 2 P 3 P 4 P 5 Taxa de Juros? SOMA NOMINAL VP < P 1 + P2 + P3 + P4 + P5 Venda de Imóvel Parcelas >> 5 Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >>? NÃO REPRESENTA O VALOR ECONÔMICO INCLUI REMUNERAÇÃO PELO PRAZO com o tempo RECEITAS FINANCEIRAS

188 t 0 t 1 Valor Presente t 2 t 3 t 4 t 5 P 1 P 2 P 3 P 4 P 5 Taxa de Juros? Ajustes a Valor Presente ATIVO RLP PASSIVO ELP Venda de Imóvel Parcelas >> 5 Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >>? CONTAS RETIFICADORAS

189 Imposto de Renda Diferido Tanto faz no ativo quanto no passivo de longo prazo Nunca será ajustado a valor presente EXCEÇÃO As Normas Internacionais vedam a aplicação desta prática para esse tipo específico de ativo ou passivo de longo prazo

190 A grande dificuldade de se trazer valores dessa natureza a valor presente é a escolha da taxa não existe de maneira explícita

191 Pronunciamento CPC nº 01 Impairment Normatização específica sobre essa matéria está sendo preparada e será emitida em breve. riscos de perda de valor de ativos há uma discussão nos itens 53 a 55 sobre como se definem as taxas a serem utilizadas para efetuar tais descontos qual taxa? deliberar evidenciar notas explicativas utilizar a metodologia obrigatório para itens de longo prazo e para itens de curto prazo, se o ajustamento a valor presente trouxer alguma diferença significativa

192 Ajuste a Valor Presente Exemplo Ajuste a Valor Presente

193 t 0 t 1 Valor Presente t 2 t 3 t 4 t $ moedas de datas diferentes Compra de Imóvel a Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Regras anteriores Contrapartida no Disponível Ativo Imobilizado Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo

194 Valor Presente t 0 t 1 t 2 t 3 t 4 t preço a prazo preço a vista ônus do financiamento melhor representação econômica Compra de Imóvel a Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Regras anteriores Ativo Imobilizado Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo

195 Ajuste a Valor Presente Exemplo Valor Presente t 0 t 1 t 2 t 3 t 4 t 5? Qual é o valor presente das prestações futuras de R$ ? Compra de Imóvel a Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >> 20% a.a. Regras anteriores Ativo Imobilizado Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo

196 Valor Presente t 0 t 1 t 2 t 3 t 4 t 5 R$ VP 0 = CFn n= 1 ( 1+ i ) n n Compra de Imóvel a Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >> 20% a.a. Regras anteriores Ativo Imobilizado Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo

197 VP t 0 t 1 t 2 t 3 t 4 t 5 R$ Compra de Imóvel à Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >> 20% a.a. Regras atuais Passivo Circulante

198 VP VP t 0 t 1 t 2 t 3 t 4 t 5 R$ R$ = R$ Compra de Imóvel à Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >> 20% a.a. Regras atuais Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo

199 VP VP t 0 t 1 t 2 t 3 t 4 t 5 R$ R$ = R$ R$ = R$ Compra de Imóvel à Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >> 20% a.a. Regras atuais Ativo Imobilizado Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo

200 Ajuste a Valor Presente Exemplo O que precisará ser feito é a apropriação, em cada um dos períodos subseqüentes, da parcela dos juros que tiverem sido descontadas

201 regime de competência ATIVO Ativo circulante BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Passivo circulante R$ Contas a pagar R$ (-) Juros a apropriar R$ Ativo não circulante Permanente Imobilizado R$ Total do Ativo R$ Passivo não circulante R$ Exigível a longo prazo Contas a pagar R$ (-) Juros a apropriar R$ Patrimônio Líquido Total do Passivo + PL R$ durante os primeiros 12 meses irá sendo transformado em despesas financeiras

202 ATIVO Ativo circulante BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Passivo circulante R$ Contas a pagar R$ (-) Juros a apropriar R$ Ativo não circulante Permanente Imobilizado R$ Total do Ativo R$ Passivo não circulante R$ Exigível a longo prazo Contas a pagar R$ (-) Juros a apropriar R$ Patrimônio Líquido Total do Passivo + PL R$ serão distribuídos como encargos financeiros nos anos de respectiva competência

203 Ajuste a Valor Presente Exemplo e a diferença entre as depreciações durante o prazo do financiamento = despesa financeira até o final da vida útil do bem Compra de Imóvel à Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >> 20% a.a. e a depreciação do ativo Regras anteriores atuais Ativo Imobilizado (-) Depreciação Acumulada ( ) Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo Despesa Exigível a Financeira Longo Prazo (RESULTADO) Regras anteriores Ativo Imobilizado (-) Depreciação Acumulada ( ) Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo

204 Ajuste a Valor Presente Exemplo pode ser permitido que a depreciação do ativo imobilizado seja feita com base no valor nominal da aquisição Compra de Imóvel à Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >> 20% a.a. Regras anteriores atuais Ativo Imobilizado (-) Depreciação Acumulada ( ) Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo Despesa Exigível a Financeira Longo Prazo (RESULTADO) Regras anteriores Ativo Imobilizado (-) Depreciação Acumulada ( ) Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo

205 Ajuste a Valor Presente Exemplo Despesa de Juros >>>> Não Dedutível ATIVO Ativo circulante BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Passivo circulante R$ Contas a pagar R$ (-) Juros a apropriar R$ Ativo não circulante Imobilizado R$ Imóveis R$ (-) Juros a apropriar R$ Total do Ativo R$ Passivo não circulante R$ Exigível a longo prazo Contas a pagar R$ (-) Juros a apropriar R$ Patrimônio Líquido Total do Passivo + PL R$ Despesa de Depreciação (sobre R$ ) >>>> Dedutível

206 Ajuste a Valor Presente Exemplo Valor Presente t 0 t 1 t 2 t 3 t 4 t R$ Regras atuais Receita de Venda de Imóvel Baixa do Custo do Imóvel ( ) Lucro na Venda do Imóvel Venda de Imóvel à Vista R$ Valor 5 parcelas de R$ Prazo >> 5 anos Taxa de Juros >> 20% a.a. Regras anteriores Receita de Venda de Imóvel Baixa do Custo do Imóvel ( ) Lucro na Venda do Imóvel

207 Ajuste a Valor Presente Exemplo ATIVO Ativo circulante Caixa R$ Contas a Receber R$ (-) Juros a apropriar R$ Ativo não circulante Realizável a longo prazo Contas a Receber R$ (-) Juros a apropriar R$ BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO Passivo circulante Passivo não circulante Total do Ativo Patrimônio Líquido Total do Passivo + PL Juros a Apropriar >>> Receita Financeira

208 Encargos Financeiros e Prêmios na Obtenção de Empréstimos Revogou a possibilidade da empresa, ao emitir uma debênture, contabilizar o eventual prêmio recebido diretamente como Reserva de Capital. Conseqüentemente, esse valor terá que ser apropriado como uma redução da despesa financeira na captação dessa debênture. CASO RARO mudanças da Lei n /07 Prêmio na Emissão de Debêntures

209 importante e que afetará muitas as empresas EXEMPLO apropriação dos encargos financeiros e despesas de captação

210 DESPESAS INCREMENTAIS são aquelas que se a empresa não procurasse tomar o dinheiro emprestado, não teria que com elas arcar Despesas Financeiras = Pagamento de Juros + Despesas Incrementais Normas Internacionais de Contabilidade

211 Exemplo - Encargos Financeiros e Prêmios na Obtenção de Empréstimos t 0 t 1 t (5.000) (90.000) Obtenção de Empréstimo (03 / t 0) Valor >> R$ Outras Despesas >> R$ Gastos Diversos >> R$ Taxa de Juros >> 20% a.a. (aparente) Nº de Parcelas >> 1 Prazo >> 2 anos Valor da Parcela >> R$ (VF) R$

212 Exemplo - Encargos Financeiros e Prêmios na Obtenção de Empréstimos Ano x x + 1 x + 2 Total Juros Passivo x x + 1 x (5.000) (90.000) Obtenção de Empréstimo (03 / x) Valor >> R$ Outras Despesas >> R$ Gastos Diversos >> R$ Taxa de Juros >> 20% a.a. (aparente) Nº de Parcelas >> 1 Prazo >> 2 anos Valor da Parcela >> R$ (VF) Regras anteriores Em 03 / x Despesas Diversas (Resultado) Ao longo do tempo (2 anos) Despesas de Juros

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. Prof. Ariovaldo dos Santos

O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. Prof. Ariovaldo dos Santos O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 Prof. Ariovaldo dos Santos Prof. Ariovaldo dos Santos 1 Prof. Ariovaldo dos Santos 1 As principais mudanças são de postura:

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

Mudanças de natureza contábil e alguns ajustes relativos à tributação

Mudanças de natureza contábil e alguns ajustes relativos à tributação A Nova Lei das S/A Lei nº 11.638/07 Introdução Mudanças de natureza contábil e alguns ajustes relativos à tributação Dependência de normatização: CVM, BACEN, SUSEP, CFC e outros LEI nº 11.638 versus Medida

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVA LEI DAS S/A - LEI 11.638/07

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVA LEI DAS S/A - LEI 11.638/07 PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVA LEI DAS S/A - LEI 11.638/07 1 Ativo 1.1 Classificação 1.1.1 Como passam a ser classificados os ativos? Os Ativos agora passam a ser classificados em Ativos Circulantes e Ativos

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

A NOVA LEI CONTÁBIL DO BRASIL

A NOVA LEI CONTÁBIL DO BRASIL A NOVA LEI CONTÁBIL DO BRASIL SR AUDITORES E CONSULTORES S/S LTDA João Alfredo de Souza Ramos-CRC-ES 2289 srauditores@terra.com.br / 27-4009-4666 1 OBJETIVOS: - Alinhar a contabilidade às Normas Internacionais

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008)

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008) CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES (2012, 2011, 2009 e 2008) A apostila contém provas de Contabilidade Geral de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE

CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE Profs. Eliseu Martins e Ariovaldo dos Santos Apresentação e atualização: Pretextato Mello Contador (Modéstia à parte) 1 - Introdução Mudança de natureza

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

Teste de recuperabilidade Impairment test

Teste de recuperabilidade Impairment test 1 Teste de recuperabilidade Impairment test A informação tem sido considerada o principal insumo para a obtenção de um conhecimento maior acerca das decisões que devem ser tomadas no âmbito das organizações.

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem 1 * Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem Em função das Necessidades de: - convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ATIVO IMOBILIZADO Considerações Gerais Sumário 1. Conceito 2. Classificação Contábil Das Contas do Ativo Imobilizado 3. Imobilizado em Operação 3.1 - Terrenos 3.2 - Edificações 3.3 - Instalações 3.4 -

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras.

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: Apresenta-se uma breve análise sobre as vinte etapas para

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ?

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ? III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14 O que foi alterado na apuração do IRPJ? Alberto Pinto DL 1598/77 LEI 12.973/14 Alterações Art 6º - Lucro real é o

Leia mais

Antes das alterações no livro propriamente, vejamos alguns temas de caráter geral, que exigem esclarecimentos adicionais.

Antes das alterações no livro propriamente, vejamos alguns temas de caráter geral, que exigem esclarecimentos adicionais. Este texto por finalidade atualizar o livro Contabilidade ESAF Provas Comentadas 6ª edição (Ricardo J. Ferreira, Editora Ferreira), em razão da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Antes das alterações

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS Fernanda de Fátima Teixeira Arantes, 1 José César de Faria 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2

Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 INVESTIMENTOS PERMANENTES Avaliados pelo método de equivalência patrimonial MEP Procedimentos

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014.

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para registro dos Ajustes de Avaliação Patrimonial, objeto da Resolução CFC

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26 Sumário 1 Introdução... 1 2 Definição do grupo patrimonial... 1 2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26... 1 2.2 Lei das S/A... 4 3 Plano de Contas Proposto contas patrimoniais para

Leia mais

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo 2 de Dezembro de 2013 1 Evolução Histórica Introdução no Brasil de regras contábeis compatíveis com os padrões internacionais de contabilidade IFRS Essência

Leia mais

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT TributAção Novembro de 2013 Edição Extraordinária MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT Passados quase cinco anos da convergência das regras contábeis brasileiras ao padrão internacional contábil

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais