FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA FALS JÉSSICA MACARIO DE OLIVEIRA SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA FALS JÉSSICA MACARIO DE OLIVEIRA SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS"

Transcrição

1 FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA FALS JÉSSICA MACARIO DE OLIVEIRA SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS ESTUDO DE CASO: SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDAS PRAIA GRANDE 2010

2 JÉSSICA MACARIO DE OLIVEIRA SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS ESTUDO DE CASO: SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDAS Trabalho de conclusão de curso, Faculdade do Litoral Sul Paulista, sob orientação do Prof. Paulo R. T. Cândido. PRAIA GRANDE 2010

3 JÉSSICA MACARIO DE OLIVEIRA SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS ESTUDO DE CASO: SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDAS Trabalho de conclusão de curso, Faculdade do Litoral Sul Paulista, sob orientação do Prof. Paulo R. T. Cândido. AVALIAÇÃO: NOTA: ( ) Praia Grande, 24 de abril de 2010.

4 RESUMO Nos dias de hoje é impossível que uma empresa, mesmo sendo de pequeno porte, mantenha seus processos organizados de maneira simples e objetiva onde as informações sejam encontradas de forma ágil sem um sistema informatizado. Os sistemas informatizados vêm para ajudar as empresas a melhorar todos os processos desde um simples cadastro de clientes às tomadas de decisões importantes para o crescimento da empresa O sistema informatizado por sua vez lidará com inúmeras informações que terão que ser armazenadas, porém o papel tem problemas ao nível da persistência (tempo e tipo de visualização) e da recuperação (validação e verificação), ou seja, dura pouco. Por este motivo torna-se mais fácil e seguro encontrar a informação numa base de dados, para que sua empresa garanta um controle efetivo sobre todo o seu negócio, tem obrigatoriamente de recorrer a sistemas de gestão de bases de dados. PALAVRAS CHAVES: system, data, database, SGBD.

5 ABSTRACT Nowadays it is impossible for a company, even though small size, keep its processes organized in a simple and objective where the information is found in a flexible system without a computerized. Computerised systems have come to help companies improve all processes from a single client record to making decisions important to the company's growth. The computerized system in turn will deal with numerous things that have to be stored, but the paper has problems in the persistence (time and display type) and recovery (validation and checking), or short-lived. Therefore it becomes easier and find information in a secure database for your company ensure effective control over your entire business hás required to use systems management databases. KEYWORDS TOOL: stamps, financial, business, improvement, assist.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO SGBD FUNÇÕES PRINCIPAIS DE UM SGBD LINGUAGEM SQL DML LINGUAGEM DE MANIPULAÇÃO DE DADOS DDL LINGUAGEM DE DEFINIÇÃO DE DADOS DCL LINGUAGEM DE CONTROLE DE DADOS DTL LINGUAGEM DE TRANSAÇÃO DE DADOS DQL LINGUAGEM DE CONSULTA DE DADOS DICIONÁRIO DE DADOS BANCO DE DADOS DEFINIÇÃO BANCO DE DADOS RELACIONAL AS 12 REGRAS DE UM BANCO DE DADOS RELACIONAL VANTAGENS DE UM BOM PROJETO DE BANCO DE DADOS MODELO RELACIONAL PRINCIPAIS COMPONENTES Tabelas Registros Colunas Chave O QUE É O MODELO DE ENTIDADE E RELACIONAMENTO (MER) MYSQL DEFINIÇÃO HISTÓRIA DO MYSQL NOME E MASCOTE CARACTERÍSTICAS DO MYSQL CARACTERÍSTICAS DO SERVIDOR MYSQL APLICATIVOS UTILIZADOS PARA A MANUTENÇÃO DA BASE DE DADOS MYSQL ENTERPRISE SERVER MYSQL ENTERPRISE MONITOR MYSQL QUERY ANALYZER MYSQL CLUSTER ESTUDO DE CASO REQUISITOS DO CLIENTE CARACTERISTICAS DO SISTEMA MODELO DA BASE DE DADOS IMAGENS DO SISTEMA CONSIDERAÇÕES FINAIS... 34

7 ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - MYSQL ENTREPRISE MONITOR FIGURA 2 - MYSQL ENTERPRISE EVENTS FIGURA 3 - MYSQL QUERY ANALIZER FIGURA 4 - MODELO DA BASE DE DADOS DO SISTEMA FIGURA 5 - LOGIN DO SISTEMA FIGURA 6 - CONSULTA DE CLIENTES FIGURA 7 - LISTAGEM DE CLIENTES FIGURA 8 - CONSULTA DE VENDAS FIGURA 9 - CADASTRO DE CLIENTES FIGURA 10 - RELATÓRIO DE VENDAS FIGURA 11 - LISTAGEM DE ORDENS DE SERVIÇO... 33

8 1 INTRODUÇÃO Este trabalho visa mostrar a importância de um Sistema Gerenciador de banco de dados para uma empresa que deseja crescer no mercado e acompanhar o desenvolvimento tecnológico. Para este fim existem vários tipos de SGBD que são escolhidos de acordo com a necessidade do cliente. Os sistemas gerenciadores de banco de dados vieram com o intuito de suprir a necessidade de armazenamento e disponibilidade de informações de modo rápido e seguro, fornecendo assim para as empresas um controle maior de suas informações, desde que estas estejam bem estruturadas numa base de dados. Para um melhor entendimento do assunto abordado, foi escolhido um único tipo de SGBD o MySQL. Serão apresentados conceitos técnicos, características, ferramentas utilizadas para manutenção e implementação da base de dados. Será exemplificada a utilização do MYSQL através de um estudo de caso, que abordará a realidade de uma empresa de comercialização de carimbos que viu a necessidade de expandir seu negócio e para isso decidiu investir em um sistema WEB de um e-commerce e um sistema de gerenciamento interno.

9 2 JUSTIFICATIVA O avanço tecnológico não cessa por isto os administradores empresas, cada vez mais, estão vendo a necessidade de adaptar-se a este crescimento. E a primeira medida a ser tomada para este fim e a eliminação de processos em papel e a adesão a sistemas informatizados que ajudam nas tarefas rotineiras e proporcionam uma maior produtividade no ambiente de trabalho. Portanto, mesmo em pequenas empresas observa-se a necessidade de informatização nos processos, para que esta consiga se firmar no mercado e eliminar concorrentes. Sendo assim com a implantação de sistemas informatizados vem à necessidade de controle dos dados manipulados por esses sistemas e para que este controle seja feito de forma satisfatória é necessária a utilização de um SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados).

10 3 OBJETIVO Definir os conceitos relacionados a um SGBD, linguagem SQL, modelos relacionais para demonstrar os benefícios gerados pelo uso do mesmo para armazenamento, recuperação e controle de dados de qualquer empresa, independentemente de seu porte ou mercado de atuação. Apresentar aplicações que auxiliam na manutenção de um SGBD MYSQL, para que os adiministrador tenham uma visão melhor em questões de performance e identificação de diversos problemas. Demonstrar a importância de uma modelagem de dados bem definida para suprir a necessidade de integridade dos dados e melhorar a performance na recuperação dos dados, pois as empresas além de segurança exigem rapidez na recuperação das informações. Demostrar a necessidade das organizações atuais pela informação informatizada, as vantagens da eliminação da utilização dos processos em papel tais como: divergencia de informações, burocratização excessiva, lentidaão nos processos, perda de informações importantes, entre outras.

11 4 SGBD Um Sistema Gerencidador de Base de Dados (SGBD) é o conjunto de programas de computador (softwares) responsáveis pelo gerenciamento de uma base de dados, ou seja, consiste em uma coleção de dados inter-relacionados e uma coleção de programas para prover o acesso a esses dados. O objetivo principal de um SGBD é prover um ambiente que seja adequado e eficiente para uso na recuperação e armazenamento de informações. O SGBD implica a criação e manutenção de bases de dados, elimina a necessidade de especificação de definição de dados, age como interface entre os programas de aplicação e os ficheiros de dados físicos e separa as visões lógica e de concepção dos dados. O SGBD pode ser dividido em três componentes principais: Linguagem de definição de dados (especifica conteúdos, estrutura a base de dados e define os elementos de dados); Linguagem de manipulação de dados (para poder alterar os dados na base); Dicionário de dados Exemplos de SGBD: SQL Server, PostGre SQL, Oracle, MySql, DB FUNÇÕES PRINCIPAIS DE UM SGBD Interação com o sistema de arquivos do sistema operacional. Cumprimento da integridade. Cumprimento da segurança. Cópias de segurança ( backup ) e recuperação. Controle de concorrência. Otimização e execução dos comandos DML. Dicionário de Dados. Desempenho

12 5 LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). A linguagem SQL é um grande padrão de banco de dados. Isto decorre da sua simplicidade e facilidade de uso. Ela se diferencia de outras linguagens de consulta a banco de dados no sentido em que uma consulta SQL especifica a forma do resultado e não o caminho para chegar a ele. Ela é uma linguagem declarativa em oposição a outras linguagens procedurais. Isto reduz o ciclo de aprendizado daqueles que se iniciam na linguagem. Pode ser dividida em três partes: Linguagem de definição de dados (DDL); Linguagem de manipulação de dados (DML); Linguagem de controle de dados (DCL) ; 5.1 DML LINGUAGEM DE MANIPULAÇÃO DE DADOS A DML é um subconjunto da linguagem usada para inserir, atualizar e apagar dados. INSERT é usada para inserir um registro (formalmente uma tupla) a uma tabela existente. UPDATE para mudar os valores de dados em uma ou mais linhas da tabela existente. DELETE permite remover linhas existentes de uma tabela. 5.2 DDL LINGUAGEM DE DEFINIÇÃO DE DADOS Uma DDL permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos associados. A maioria dos bancos de dados de SQL comerciais tem extensões proprietárias no DDL. Os comandos básicos da DDL são poucos CREATE cria um objeto (uma Tabela, por exemplo) dentro da base de dados. DROP apaga um objeto do banco de dados.

13 Outros comandos DDL: ALTER TABLE CREATE INDEX ALTER INDEX DROP INDEX CREATE VIEW DROP VIEW 5.3 DCL LINGUAGEM DE CONTROLE DE DADOS DCL controla os aspectos de autorização de dados e licenças de usuários para controlar quem tem acesso para ver ou manipular dados dentro do banco de dados. Duas palavras-chaves da DCL: GRANT - autoriza ao usuário executar ou setar operações. REVOKE - remove ou restringe a capacidade de um usuário de executar operações. Outros comandos DCL: ALTER PASSWORD CREATE SYNONYM 5.4 DTL LINGUAGEM DE TRANSAÇÃO DE DADOS BEGIN WORK (ou START TRANSACTION, dependendo do dialeto SQL) pode ser usado para marcar o começo de uma transação de banco de dados que pode ser completada ou não. COMMIT envia todos os dados das mudanças permanentemente. ROLLBACK faz com que as mudanças nos dados existentes desde o último COMMIT ou ROLLBACK sejam descartadas. 5.5 DQL LINGUAGEM DE CONSULTA DE DADOS Embora tenha apenas um comando, a DQL é a parte da SQL mais utilizada. O comando SELECT permite ao usuário especificar uma consulta ("query") como uma descrição do resultado desejado. Esse comando é composto de várias

14 cláusulas e opções, possibilitando elaborar consultas das mais simples às mais elaboradas. 6 DICIONÁRIO DE DADOS É um documento que contem a explicação de todos os objetos da base de dados. Este documento permite que os analistas obtenham informações sobre todos os objetos do modelo de forma textual, contendo explicações por vezes difíceis de incluir no diagrama. Dentro do contexto de SGBD, um dicionário de dados é um grupo de tabelas, habilitadas apenas para leitura ou consulta, ou seja, é uma base de dados, propriamente dita, que entre outras coisas, mantém as seguintes informações: Definição precisa sobre elementos de dados Perfis de usuários, papéis e privilégios Descrição de objetos Integridade de restrições Stored procedures e Jobs Estrutura geral da base de dados Informação de verificação Alocações de espaço Um dos benefícios de um dicionário de dados bem preparado é a consistência entre itens de dados através de diferentes tabelas. Por exemplo, diversas tabelas podem conter números de telefones; utilizando uma definição de um dicionário de dados bem feito, o formato do campo 'número de telefone' definido com "(999) " deverá ser obedecido em todas as tabelas que utilizarem esta informação. Quando uma organização constrói um dicionário de dados de dimensão empresarial, o intuito deve ser o de padronizar precisamente definições semânticas a serem adotadas na empresa toda, portanto, ele deve incluir tanto definições semânticas como de representação para elementos de dados.

15 Os dicionários de dados são mais precisos que glossários porque costumam ter uma ou mais representações de como o dado é estruturado e podem envolver ontologias completas quando lógicas distintas sejam aplicadas a definições desses elementos de dados. 7 BANCO DE DADOS 7.1 DEFINIÇÃO Banco de dados, também chamado de base de dados, é um conjunto de registros, que são significativos para organização, dispostos em estrutura regular que possibilita a reorganização dos mesmos e produção de informação. Um banco de dados é usualmente mantido e acessado por meio de um software conhecido como Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD), portanto é errado dizer que um banco de dados é a mesma coisa que um SGBD. Normalmente um SGBD adota um modelo de dados, de forma pura, reduzida ou estendida. 7.2 BANCO DE DADOS RELACIONAL Um Banco de Dados Relacional é um conceito abstrato que define maneiras de armazenar, manipular e recuperar dados estruturados unicamente na forma de tabelas, construindo um banco de dados. Os Bancos de Dados Relacionais foram desenvolvidos para prover acesso facilitado aos dados, possibilitando que os usuários utilizassem uma grande variedade de abordagens no tratamento das informações. Pois, enquanto em um banco de dados hierárquico os usuários precisam definir as questões de negócios de maneira específica, iniciando pela raiz do mesmo, nos Bancos de Dados Relacionais os usuários podem fazer perguntas relacionadas aos negócios através de vários pontos. Bancos de dados Relacionais são baseados no modelo relacional que é um modelo de dados, onde todos os dados estão guardados em tabelas (ou, matematicamente falando, relações).

16 7.3 AS 12 REGRAS DE UM BANCO DE DADOS RELACIONAL Formuladas por Edgar Frank Codd, em 1985, matemático britânico desenvolvedor do modelo de banco de dados, definem o que um banco de dados necessidade para ser considerado relacional: 1 Regra Fundamental: Um SGBD relacional deve gerenciar seus dados usando apenas suas capacidades relacionais. 2 Regra da informação: Toda informação deve ser representada de uma única forma, como dados em uma tabela 3 Regra da garantia de acesso: Todo dado (valor atômico) pode ser acessado logicamente (e unicamente) usando o nome da tabela, o valor da chave primária da linha e o nome da coluna. 4 Tratamento sistemático de valores nulos: Os valores nulos (diferente do zero, da string vazia, da string de caracteres em brancos e outros valores não nulos) existem para representar dados não existentes de forma sistemática e independente do tipo de dado. 5 Catálogo dinâmico on-line baseado no modelo relacional: A descrição do banco de dados é representada no nível lógico como dados ordinários (isso é, em tabelas), permitindo que usuários autorizados apliquem as mesmas formas de manipular dados aplicados aos dados comuns ao consultá-las. 6 Regra da sub-linguagem compreensiva: Um sistema relacional pode suportar várias linguagens e formas de uso, porém deve possuir ao menos uma linguagem com sintaxe bem definida e expressa por cadeia de caracteres e com habilidade de apoiar a definição de dados, a definição de visões, a manipulação de dados, as restrições de integridade, a autorização e a fronteira de transações. 7 Regra da atualização de visões: Toda visão que for teoricamente atualizável será também atualizável pelo sistema. 8 Inserção, atualização e eliminação de alto nível: A capacidade de manipular a relação base ou relações derivadas como um operador único não se aplica apenas a recuperação de dados, mas também a inserção, alteração e eliminação de dados. 9 Independência dos dados físicos:

17 a. Programas de aplicação ou atividades de terminal permanecem logicamente inalteradas quaisquer que sejam as modificações na representação de armazenagem ou métodos de acesso internos. b. Independência lógica de dados c. Programas de aplicação ou atividades de terminal permanecem logicamente inalteradas quaisquer que sejam as mudanças de informação que permitam teoricamente a não alteração das tabelas base. 10 Independência de integridade: As relações de integridade específicas de um banco de dados relacional devem ser definidas em uma sub-linguagem de dados e armazenadas no catálogo (e não em programas). 11 Independência de distribuição: A linguagem de manipulação de dados deve possibilitar que as aplicações permaneçam inalteradas estejam os dados centralizados ou distribuídos fisicamente. 12 Regra da Não-subversão: Se o sistema relacional possui uma linguagem de baixo nível (um registro por vez), não deve ser possível subverter ou ignorar as regras de integridade e restrições definidas no alto nível (muitos registros por vez). 7.4 VANTAGENS DE UM BOM PROJETO DE BANCO DE DADOS Reflete a estrutura real do problema Pode representar todos os dados esperados ao longo do tempo Evita armazenamento redundante de itens de dados Fornece acesso eficiente aos dados Suporta a manutenção da integridade dos dados ao longo do tempo 8 MODELO RELACIONAL Em um banco de dados relacional é muito importante a etapa da modelagem de dados, pois esta etapa definirá aspectos importantes da estrutura que afetará o desempenho de sua base de dados futuramente. Por exemplo, é na etapa da modelagem de dados que eliminamos as redundâncias das informações por separalas corretamente em tabelas, evitando assim que nossa base tenha um tamanho maior do que o necessário, ou que durante um select o mysql consuma mais recursos que o necessário.

18 A modelagem de dados deve se adequar com a necessidade do cliente e para que se possa realizar a mesma deve-se conhecer os requisitos do cliente. Apresentarei aspectos técnicos quanto asos elementos da modelagem e depois será apresentado um estudo de caso com um exemplo de modelagem dos dados. 8.1 PRINCIPAIS COMPONENTES Tabelas Também chamada de relações ou entidades, as tabelas podem ser descritas como armazem de dados. Uma tabela, nada mais é do que uma simples estrutura de linhas e colunas, onde cada linha contém um mesmo conjunto de colunas. Em um banco de dados podem existir uma ou centenas de tabelas, sendo que o limite pode ser imposto tanto pela ferramenta de software utilizada, quanto pelos recursos de hardware disponíveis no equipamento. As tabelas associam-se entre si através de regras de relacionamentos, estas regras consistem em associar um ou vários atributo de uma tabela com um ou vários atributos de outra tabela Registros Cada linha formada por uma lista ordenada de colunas representa um registro, ou tupla. Os registros não precisam conter informações em todas as colunas, podendo assumir valores nulos quando assim se fizer necessário Colunas As colunas de uma tabela são também chamadas de Atributos. Ao conjunto de valores que um atributo pode assumir chama-se domínio. Por exemplo: em um campo do tipo numérico, serão somente armazenados números Chave As tabelas relacionam-se umas as outras através de chaves. Uma chave é um conjunto de um ou mais atributos que determinam a unicidade de cada registro.

19 Por exemplo, se um banco de dados tem como chaves Código do Produto e ID Sistema, sempre que acontecer uma inserção de dados o sistema de gerenciamento de banco de dados irá fazer uma consulta para identificar se o registro já não se encontra gravado na tabela. Neste caso, um novo registro não será criado, resultando esta operação apenas da alteração do registro existente. Temos dois tipos de chaves: Chave primária: (PK - Primary Key) é a chave que identifica cada registro dando-lhe unicidade. A chave primária nunca se repetirá. Chave Estrangeira: (FK - Foreign Key) é a chave formada através de um relacionamento com a chave primária de outra tabela. Define um relacionamento entre as tabelas e pode ocorrer repetidas vezes. Caso a chave primária seja composta na origem, a chave estrangeira também o será. 9 O QUE É O MODELO DE ENTIDADE E RELACIONAMENTO (MER) O modelo de entidades e relacionamentos é um modelo abstrato cuja finalidade é descrever, de maneira conceitual, os dados a serem utilizados em um sistema de informações ou que pertencem a um domínio. Um relacionamento do Modelo de Entidades e Relacionamentos é uma associação entre entidades distintas. As ligações são feitas ligando-se um campo de uma tabela X com um campo de uma tabela Y, por meio da inclusão do campo chave da tabela Y como um campo (conhecido como chave estrangeira) da tabela X. Por meio das chaves estrangeiras, é possível implementar restrições nos SGBDR. 9.1 PRINCIPAIS TIPOS DE RELACIONAMENTO Um para um (1 para 1) - indica que as tabelas têm relação unívoca entre si, ou seja, na qual um elemento da primeira tabela conduz a um, e somente a um, elemento da segunda tabela. Neste tipo você escolhe onde ficara a chave estrangeira. Um para muitos (1 para N) - a chave primária da tabela que tem o lado 1 vai para a tabela do lado N, ou seja um elemento da primeira tabela porderá

20 conduzir a vários elemntos da segunda. No lado N ela é chamada de chave estrangeira; Muitos para muitos (N para N) - quando tabelas têm entre si relação n..n, é necessário criar uma nova tabela com as chaves primárias das tabelas envolvidas, ficando assim uma chave composta, ou seja, formada por diversos campos-chave de outras tabelas. A relação então se reduz para uma relação 1..n, sendo que o lado n ficará com a nova tabela criada. 10 MYSQL 10.1 DEFINIÇÃO O MySQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD), que utiliza a linguagem SQL como interface. É atualmente um dos bancos de dados mais populares, com mais de 10 milhões de instalações pelo mundo. Este sucesso deve-se em grande medida à fácil integração com o PHP incluído, quase que obrigatoriamente, nos pacotes de hospedagem de sites da Internet oferecidos atualmente HISTÓRIA DO MYSQL O MySQL foi criado na Suécia por dois suecos e um finlandês: David Axmark, Allan Larsson e Michael "Monty" Widenius, que têm trabalhado juntos desde a década de Hoje seu desenvolvimento e manutenção empregam aproximadamente 400 profissionais no mundo inteiro, e mais de mil contribuem testando o software, integrando-o a outros produtos, e escrevendo a respeito dele. No dia 16 de Janeiro de 2008, a MySQL AB, desenvolvedora do MySQL foi adquirida pela Sun Microsystems, por US$ 1 bilhão, um preço jamais visto no setor de licenças livres. No dia 20 de Abril de 2009 a Oracle compra a Sun Microsystems e todos o seu produtos, incluindo o MySQL. A Comissão Europeia ainda não aprovou a aquisição NOME E MASCOTE A derivação do nome MySQL não é bem definida. Nosso diretório base e um grande número de nossas bibliotecas e ferramentas sempre tiveram o prefixo ``my''

21 por pelo menos 10 anos. A filha de Monty também ganhou o nome My. Qual das duas originou o nome do MySQL continua sendo um mistério, mesmo para nós. O nome do golfinho do MySQL (nosso logo) é Sakila. Sakila foi escolhido pelos fundadores da MySQL AB de uma enorme lista de nomes sugeridos pelos usuários em nosso concurso "Name the Dolphin". O nome vencedor foi enviado por Ambrose Twebaze, um desenvolvedor de programas open source de Swaziland, Africa. De acordo com Ambrose, o nome Sakila tem as suas raízes em SiSwati, a língua local de Swaziland. Sakila é também o nome de uma cidade em Arusha, Tanzania, próxima ao país de orígem de Ambrose, Uganda CARACTERÍSTICAS DO MYSQL Portabilidade (suporta praticamente qualquer plataforma atual); Compatibilidade (existem drivers ODBC, JDBC e.net e módulos de interface para diversas linguagens de programação, como Delphi, Java, C/C++, Visual basicpython, Perl, PHP, ASP e Ruby) Excelente desempenho e estabilidade; Pouco exigente quanto a recursos de hardware; Facilidade de uso; É um Software Livre com base na GPL; Contempla a utilização de vários Storage Engines como MyISAM, InnoDB, Falcon, BDB, Archive, Federated, CSV, Solid Suporta controle transacional; Suporta Triggers; Suporta Cursors (Non-Scrollable e Non-Updatable); Suporta Stored Procedures e Functions; Replicação facilmente configurável; Interfaces gráficas de fácil utilização cedidos pela MySQL Inc CARACTERÍSTICAS DO SERVIDOR MYSQL O Servidor MySQL é escrito em múltiplas camadas com módulos independentes. Alguns dos novos módulos estão listados abaixo com indicações de quão bem-testado foi cada um deles.

22 Replicação: Grandes grupos de servidores usando replicação estão em uso, com bom resultados. O trabalho no aprimoramento dos recursos de replicação continua no MySQL 4.x. Tabelas InnoDB: O mecanismo de armazenamento transacional InnoDB foi declarado estável na árvore do MySQL 3.23, a partir da versão InnoDB tem sido usado em sistema de produção grandes e com carga pesada. Tabelas BDB: O código do Berkeley DB é muito estável, mas ainda estamos melhorando a interface do mecanismo de armazenamento transacional do BDB no Servidor MySQL, assim levará algum tempo até que ele esteja tão bem testado quanto os outro tipos de tabela. Pesquisas Full-text: Pesquisa full-text funcionam mas ainda não são largamente usadas. Melhoramentos importantes forma implementados no MySQL 4.0. MyODBC 3.51: Em grande uso na produção. Alguns problemas apresentados parecem ser relacionados a aplicação e independente do driver ODBC ou do servidor de banco de dados. Recuperação automática de tabelas MyISAM: Este status se aplica apenas ao novo código que confere no mecanismo de armazenamento MyISAM que verifica, na inicialização, se a tabela foi fechada corretamente e executa uma conferência/reparo automático da tabela em caso negativo. Bulk-insert: Novo recurso nas tabelas MyISAM no MySQL 4.0 para inserções mais rápidas de vários registros. Locking: Esse módulo é muito dependente do sistema. Em alguns sistemas existem certos problemas por utilizar o locking padrão do SO (fcntl(). Nestes casos, você deve executar o mysqld com o parâmetro --skip-external-locking. São conhecidos alguns problemas ocorridos em alguns sistemas Linux e no SunOS quando utiliza-se sistemas de arquivos montados em NFS.

23 11 APLICATIVOS UTILIZADOS PARA A MANUTENÇÃO DA BASE DE DADOS 11.1 MYSQL ENTERPRISE SERVER 5.1 MySQL Enterprise Server é o mais confiável, segura e up-to-date versão do MySQL para o custo-eficácia, fornecendo E-commerce, Online Transaction Processing (OLTP) e aplicações multi-terabyte Data Warehousing. É uma operação totalmente integrada de segurança, banco de dados compatível com ACID cometer completo, rollback, recuperação de falhas e capacidades de nível de linha de bloqueio. MySQL fornece a facilidade de uso, escalabilidade e desempenho que fez a MySQL banco de dados mundial de código aberto mais popular MYSQL ENTERPRISE MONITOR A MySQL Enterprise Monitor monitora os servidores MySQL e alerta para problemas potenciais antes que eles afetem seu sistema. É como ter um "DBA Virtual Assistant" ao seu lado para recomendar as melhores práticas para eliminar as vulnerabilidades de segurança, melhorar a replicação de dados, otimizar o desempenho, identifica problemas no consumo de recursos, entre outras funções.

24 Figura 1 - Mysql Entreprise Monitor Figura 2 - Mysql Enterprise Events

25 11.3 MYSQL QUERY ANALYZER O MySQL Query Analyzer é um aplicativo de monitoramento de desempenho de consulta e localizar com precisão o código SQL que está causando uma desaceleração. As consultas são apresentadas em uma visão agregada em todos os servidores MySQL que você pode filtrar para problemas específicos de consulta e analisar o código mais caro. O MySQL Query Analyzer, possibilita que você possa melhorar o código SQL durante o desenvolvimento ativo, e continuamente monitorar e ajustar as consultas em produção. Figura 3 - Mysql Query Analizer 11.4 MYSQL CLUSTER É uma tecnologia de banco de dados que mantém os dados em memória, e que tem como base não compartilhar recursos entre processos, objetivando uma solução de alta disponibilidade utilizando hardware de baixo custo. Possui um shared-nothing arquitetura distribuída com nenhum ponto único de falha para assegurar alta disponibilidade e desempenho, permitindo-lhe atender a seus mais exigentes requisitos das aplicações de missão crítica.

26 MySQL Cluster elimina a necessidade de armazenamento compartilhado caro, pois combina processamento paralelo e redundância de dados. 12 ESTUDO DE CASO 12.1 REQUISITOS DO CLIENTE REQUISITOS FUNCIONAIS O sistema deverá conter um controle de clientes. O sistema deverá conter um controle de fornecedores. O sistema deverá conter um controle de estoque. PRIORIDADE SOLUÇÃO PROSPOSTA Alta Será desenvolvido um módulo onde o administrador do sistema poderá: cadastrar, editar, excluir e pesquisar informações referentes aos clientes. Haverá relatórios no sistema referente às informações cadastrais e financeiras dos clientes. Alta Será desenvolvido um módulo onde o administrador do sistema poderá: cadastrar, editar, excluir e pesquisar informações referentes aos fornecedores. Haverá relatórios no sistema referentes às informações cadastrais dos fornecedores e um comparativo entre os preços dos fornecedores. Alta Será desenvolvido um módulo onde o administrador do sistema poderá: cadastrar, editar, excluir e pesquisar informações referentes aos produtos em estoque. O sistema alertará o administrador quando determinado item estiver acabando.

27 O Sistema deverá controlar os débitos e créditos O sistema deverá conter um controle de vendas. O sistema deverá realizar emissão e envio de boletos. O sistema deverá conter um controle de acessos e permissões de usuário (sistema de gerenciamento). O sistema deverá conter um controle de pedidos. Alta O sistema deverá conter uma listagem dos clientes que possuem débitos. E o sistema enviar alertas de para o cliente que está em débito de acordo com período estipulado pelo administrador. Alta Será desenvolvido tanto na parte administrativa, quanto no e- commerce um módulo onde o administrador poderá cadastrar e calcular as vendas. Haverá relatórios no sistema indicando os produtos mais vendidos. Quando for efetuada a venda de um produto o sistema deverá atualizar automaticamente a quantidade do produto no estoque. Alta Será desenvolvido um módulo onde o administrador fará a emissão de boletos e poderá imprimi-los. O sistema enviará os mesmos mensalmente de forma automatizada para os s dos clientes. Alta Será desenvolvido um módulo para cadastro de usuários no sistema, onde estes terão seus acessos diferenciados de acordo com seu nível de permissão. Alta Será desenvolvido um módulo onde o administrador do sistema poderá: cadastrar, editar, excluir e pesquisar informações referentes aos pedidos

BANCO DE DADOS II. AULA MySQL.

BANCO DE DADOS II. AULA MySQL. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA MySQL. DISCIPLINA: Banco de Dados II PROF.: ROMULO VANZIN Data: 27/06/2014 Banco

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS.

DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. DISCIPLINAS DO CURSO INFORMÁTICA ÊNFASE GESTÃO DE NEGÓCIOS. PROFESSOR: DOUGLAS DUARTE DISCIPLINA: LPBD 5º SEMESTRE AULA 02 MYSQL O MySQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD), que utiliza

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Everson Santos Araujo everson@por.com.br Conceitos Dado - Um fato que pode ser armazenado Banco de dados (BD) - Coleção de dados interrelacionados Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS Unidade 1 - Introdução Dados; Banco de Dados; Base de Dados; Projeto de Banco de Dados.

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE MYSQL

APOSTILA BÁSICA DE MYSQL APOSTILA BÁSICA DE MYSQL História O MySQL foi criado na Suécia por dois suecos e um finlandês: David Axmark, Allan Larsson e Michael "Monty" Widenius, que têm trabalhado juntos desde a década de 1980.

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

A & F Consultoria em Sistemas e Treinamentos 2014 af.tecnoserv@gmail.com. A linguagem SQL. Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia

A & F Consultoria em Sistemas e Treinamentos 2014 af.tecnoserv@gmail.com. A linguagem SQL. Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia A linguagem SQL Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia 1 Structure Query Language O SQL foi desenvolvido originalmente no início dos anos 70 nos laboratórios da IBM em San Jose, dentro do projeto System

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA FALS JEAN CARLOS RAMOS LOPES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO

FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA FALS JEAN CARLOS RAMOS LOPES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA FALS JEAN CARLOS RAMOS LOPES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PRAIA GRANDE 2010 1 JEAN CARLOS RAMOS LOPES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE VENDA LINGUAGEM

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

SGBD ITB 1.INTRODUÇÃO 1.INTRODUÇÃO. 1.1. Conceito SGBD: Sistema gerenciador de banco de dados. 1.2. Constituição SGBD

SGBD ITB 1.INTRODUÇÃO 1.INTRODUÇÃO. 1.1. Conceito SGBD: Sistema gerenciador de banco de dados. 1.2. Constituição SGBD ITB SGBD Aurélio Candido Jr 1 1.INTRODUÇÃO 1.1. Conceito SGBD: Sistema gerenciador de banco de dados Um SGBD é uma coleção de programas que permitem ao usuário definir, construir e manipular Bases de Dados

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

BANCO DE DADOS WEB AULA 4. linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com BANCO DE DADOS WEB AULA 4 linguagem SQL: subconjuntos DCL, DDL e DML professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O que é SQL? Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL,

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 17 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade V: Introdução à Linguagem SQL Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 13. Introdução à Linguagem SQL Introdução

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação

Gestão de Tecnologia da Informação Gestão de Tecnologia da Informação Banco de Dados Prof. Gilberto B. Oliveira Tópicos Projeto de Banco de Dados (Button-Up) Modelagem conceitual Modelagem lógica Exemplo: Implementação do modelo Escola

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 1 Introdução Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 13/11/2009 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Passos para a instalação do SQL Server O MS SQL Server Conceitos relacionais Bancos de dados

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec SQL Curso Prático Celso Henrique Poderoso de Oliveira Novatec 1 Introdução Desde o início da utilização dos computadores, sabemos que um sistema é feito para aceitar entrada de dados, realizar processamentos

Leia mais

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis.

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis. UNISA Universidade de Santo Amaro http://www.unisa.br Material de Estudo Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server http://www.unisa-sis.info Junho/2010 Objetivo do Workshop Compartilhar e apresentar

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS SANTA MARIA. PostgreSQL ou MySQL. Quando utilizar um desses SGBDs.

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS SANTA MARIA. PostgreSQL ou MySQL. Quando utilizar um desses SGBDs. UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS SANTA MARIA PostgreSQL ou MySQL Quando utilizar um desses SGBDs por Anderson Davi da Cunha Naidon, Daniel Flores Bastos, Gleizer Bierhalz

Leia mais

Banco de Dados. Profª. Ana Leda

Banco de Dados. Profª. Ana Leda Banco de Dados Profª. Ana Leda Introdução 1 DADO PROCESSAMENTO INFORMAÇÃO 2 Dados x Informação DADO = REPRESENTAÇÃO DE UM FATO, OBJETO, EVENTO, PESSOA, ETC. ENTIDADE = FATO, OBJETO, EVENTO, PESSOA, ETC,

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Transações Seguras em Bancos de Dados (MySQL)

Transações Seguras em Bancos de Dados (MySQL) Transações Seguras em Bancos de Dados (MySQL) Índice Entendendo os storage engines do MySQL 5 1 As ferramentas 1 Mais algumas coisas que você deve saber 1 Com a mão na massa 2 Mais ferramentas Usando o

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados.

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O objetivo do capítulo é enfatizar o gerenciamento dos recursos de dados de organizações que utilizam computadores. O

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais