25 Gêneros Musicais: Vocais e Instrumentais - Conteúdo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "25 Gêneros Musicais: Vocais e Instrumentais - Conteúdo"

Transcrição

1 Introdução Gêneros Vocais Organum Moteto Madrigal Ópera Lied Gêneros Instrumentais Suíte Concerto Sonata Sinfonia 2

2 Introdução Como vimos na Unidade 09 Formas Simples: Unária e Binária, certas formas musicais se estabeleceram por seu equilíbrio e boa funcionalidade. Da mesma maneira, alguns gêneros musicais se estabeleceram porque cumpriam uma função social e artística de relevância, seja na liturgia da igreja ou em cerimônias da vida cotidiana, e assim garantiram sua continuidade. Os gêneros musicais codificam as práticas do passado e, ao mesmo tempo, produzem modelos para as repetições futuras. Podemos definir gênero musical como uma categoria que abrange obras que compartilham feições comuns. Existem gêneros de música puramente vocal, puramente instrumental e gêneros que misturam as vozes e instrumentos. Nessa unidade, dedicada aos gêneros, teremos textos explicativos sobre os principais gêneros musicais, acompanhados de exemplos significativos. No entanto, são as diversas audições das obras representativas de determinado gênero que podem dar uma compreensão e um entendimento mais profundo sobre o assunto. Assim, recomendamos que você escute diversas vezes,durante seu dia a dia, os exemplos musicais selecionados para essa unidade. 3

3 Gêneros Vocais O primeiro meio utilizado pelo ser humano para produzir sons foi a sua própria voz. Acredita-se que os primeiros instrumentos musicais tenham sido pedaços de árvores, objetos encontrados ou ossos de animais que eram percutidos ou soprados. Na maior parte dos povos conhecidos, os gêneros vocais desenvolveram-se antes dos gêneros puramente instrumentais. Na música ocidental, desde a Idade Média até o Renascimento, os gêneros vocais foram predominantes e os instrumentos eram empregados para reforçar ou substituir vozes. A música instrumental pura, com escrita idiomática para cada tipo de instrumento, sistematizou-se no Período Barroco, a partir do final do século XVI. Foi nesta época, no início do século XVII, que surgiram os primeiros grandes construtores de instrumentos de cordas, como, por exemplo, Guarnieri, Amati e Stradivari. 4

4 Organum A partir do canto gregoriano desenvolveu-se o organum, uma estrutura originária da polifonia européia, que consistia em acrescentar outra voz paralela, em intervalo de oitava, quinta ou quarta, à melodia principal do cantochão (que era tratado como cantus firmus). O advento do organum marca o inicio de um pensamento polifônico na história da música ocidental, porém as vozes ainda não tinham independência rítmica uma da outra. Logo depois, em torno do ano 1100, surgiram os tipos de organum florido, em que as melodias da voz de contraponto tornavam-se mais livres, inicialmente do ponto de vista melódico (chamado organum melismático) e, posteriormente, também no aspecto rítmico (chamado organum livre). Essas liberdades davam maior flexibilidade e mobilidade à interação das vozes. Em torno dos anos de surgiu uma seção do organum, que se chamava clausula. Tratase de um segmento a duas vozes na qual a voz que carregava o cantus firmus (chamada de tenor) era estruturada com base em padrões rítmicos formados por pequenas células de duas ou três notas que já apareciam nas vozes contrapontísticas. Assim, teve início uma escrita mais precisa do ritmo que originou a sistematização atual. No século XIII, a clausula torna-se, cada vez mais, uma composição independente do organum através da colocação de novos textos às melodias já existentes. Surge, assim, um dos mais importantes gêneros da polifonia vocal, entre os séculos XIII e XVI: o moteto (do francês mot, que significa palavra. Ouça um exemplo de organum de Notre Dame, do compositor francês, Perotin (c Paris, c. 1236). Ex. 1 Perotin Viderunt Omnes - Organum de Notre Dame 5

5 Moteto O moteto surgiu a partir do início do século XIII e perdurou com certo vigor até pelo menos o ano de Nos seus primórdios, o moteto utilizava apenas textos religiosos em latim em todas as vozes, o texto das vozes superiores comentava o texto da voz principal. Porém, gradualmente o moteto passou a incorporar textos em vernáculo (principalmente francês e italiano), simultaneamente ao texto em latim oriundo do organum. Estes textos em línguas seculares, geralmente tratavam de assuntos profanos. Isso favoreceu para que o gênero do moteto gradualmente se afastasse do ambiente religioso e começasse a ser cantado fora das igrejas, como uma espécie de canção polifônica profana. Foi um dos maiores compositores da Idade Média, Guillaume de Machaut ( ), que levou o moteto de volta ao ambiente religioso, através de sua Missa de Nossa Senhora (Messe de Notre Dame). Esta foi a primeira missa polifônica escrita por um único compositor. Posteriormente, motetos com textos religiosos predominaram e continuaram a ser compostos por grande compositores sacros, como Josquin des Prez ( ), Giovanni Palestrina ( ), Orlando de Lasso ( ) e Tomas de Victoria ( ), entre outros, até chegar à época de Johann Sebastian Bach ( ), que escreveu 6 motetos religiosos, com texto bíblico em alemão. Para a apreciação de exemplos deste gênero musical escute o Moteto Quam Pulchra Es (Quão Bela És) do compositor inglês John Dunstable ( ), que é um moteto profano com texto de amor em latim, e Sicut Cervus do compositor italiano Giovanni Palestrina ( ), com texto em latim referente ao Salmo 42 da bíblia. Ex. 2 John Dunstable Quam Pulchra Es Ex. 3 Palestrina Sicut Cervus 6

6 Madrigal Um gênero profano de grande importância, que surgiu da poesia de Petrarca em meados do século XIV, é o madrigal. O madrigal também é uma obra vocal, a cappella ou com instrumentos. Inicialmente, era composto a duas ou três vozes e no séc. XVI chegou a atingir seis vozes. Sua principal característica é o texto em língua secular européia, especialmente o italiano, de caráter profano, com temática principalmente amorosa. Há dois tipos de madrigal: o medieval, no século XIV, com melodias muito ricas e floridas; o renascentista, que tem seu apogeu na segunda metade do século XVI e início do séc. XVII, com cromatismos, uso de dissonâncias sem preparação e caráter dramático, como ocorre nas obras de madrigalistas como Gesualdo, Marenzio e Monteverdi. A principal diferença entre o moteto renascentista e o madrigal é que no moteto todas as vozes estão em latim, com temática religiosa. Já o madrigal é geralmente escrito em italiano e trata de temas profanos, como sátiras, crítica social, amor, etc. Alguns madrigais, chamados de madrigais espirituais, contêm textos religiosos em língua secular européia. Entre os principais compositores de madrigais, estão: Orlando de Lasso ( ), Giovanni Palestrina ( ), Andrea Gabrieli ( ), Luca Marenzio ( ), Carlo Gesualdo ( ) e Claudio Monteverdi ( ). Ex. 4 Gesualdo Io parto 7

7 Ópera A partir de 1600 começou, na Itália, o desenvolvimento de um gênero vocal de grande importância e que perdura até os dias atuais: a ópera. A ópera pode ser definida como uma espécie de música dramática, ou teatro musical, em que os personagens expressam o enredo através do canto. O tipo de canto com a voz empostada, na ópera, chama-se canto lírico. Este originou-se do bel canto, que apareceu em Nápoles em finais do séc. XVII e foi predominante no séc. XVIII. Em uma ópera existe o cenário, a indumentária e a atuação cênica dos cantores, um grupo de músicos, a orquestra, que acompanha os cantores, mas não aparece para o público, ficando em um fosso abaixo do cenário. Aparecem apenas os cantores, que cantam e recitam no palco. 8

8 Ópera (continuação) Uma ópera geralmente segue uma estrutura definida. Primeiro temos uma abertura instrumental, que apresenta os principais temas da ópera. Depois existem os atos da ópera, que podem variar de um a vários atos, que são como capítulos, sendo que cada um conta uma parte da história. Em cada ato, alternam-se recitativos e árias. O recitativo é um canto recitado, quase falado, onde uma grande quantidade de texto é dita em pouco tempo; é uma forma de acelerar o relato da história e contextualizar o enredo das árias. As árias são os momentos mais marcantes da ópera, nos quais os personagens expressam seu mundo interior e os cantores demonstram sua capacidade vocal. Entre os mais destacados compositores de ópera, estão: Claudio Monteverdi ( ), Alessandro Scarlatti ( ), Christoph W. Gluck ( ), Wolfgang A. Mozart ( ), Richard Wagner ( ), Gioachino Rossini ( ), Giuseppe Verdi ( ). Giacomo Puccini ( ) e Antonio Carlos Gomes ( ). Nos dias atuais, destacam-se compositores como Jocy de Oliveira (1936), Philip Glass (1937), John Adams (1947), Kaija Saariaho (1952) e Tan Dun (1956). Ex. 5 Mozart Ária da Ópera As Bodas de Fígaro Non Più Andrai, I Ato Partitura 9

9 Lied A partir de cerca de 1800, surgiu na Alemanha um gênero vocal típico da sensibilidade romântica, que logo se espalharia pela Europa e o mundo: o Lied romântico. O Lied é uma peça para um cantor solista com acompanhamento ao piano, com o texto aproveitado de um poema. O termo Lied significa canção, em alemão. Isso significa que a canção romântica surgiu na Alemanha na forma do Lied. O Lied é um gênero musical de expressão lírica, onde o compositor expressa musicalmente os recônditos da alma do poeta. As formas mais comuns de Lied são: canção estrófica (A A A ), canção binária (A B) e canção ternária (A B A). Os principais compositores de Lieder (plural de Lied) românticos foram Franz Schubert ( ), Robert Schumann ( ) e Johannes Brahms ( ). Eles compuseram longos ciclos de canções que conduzem narrativas semelhantes às da ópera, porém para serem apresentados como música de câmara. Entre os compositores de outros países que se dedicaram à canção, estão: Hector Berlioz ( ), Modest Mossorgsky ( ) e Gabriel Fauré ( ). Nos séc. XX e XXI, o ciclo de canções teve sua permanência com músicos como Claude Debussy ( ), Arnold Schoenberg ( ), Luigi Dallapiccola ( ), Elliott Carter (1908), Benjamin Britten ( ), Pierre Boulez (1925) e Philip Glass (1937), entre outros. No Brasil, a sensibilidade romântica do séc. XIX conduziu o desenvolvimento da modinha, que é um dos gêneros mais importantes da canção brasileira. Entre os principais compositores de modinhas, encontram-se: Domingos Caldas Barbosa ( ), José Maurício Nunes Garcia ( ), Antônio Carlos Gomes( ), Alberto Nepomuceno ( ), Heitor Villa- Lobos ( ), Radamés Gnattali ( ), Camargo Guarnieri ( ) e Francisco Buarque de Holanda (1944). Ex. 6 Schubert Der Lindenbaum 10

10 Gêneros Instrumentais Os principais gêneros instrumentais europeus começaram a se desenvolver plenamente a partir de As origens da música instrumental, no Ocidente, estão nas danças medievais e renascentistas, na transcrição de peças vocais para instrumentos polifônicos, como o cravo e o alaúde, e em séries de variações realizadas com base em baixos de canções conhecidas. Isso significa que a música instrumental ocidental tem sua origem na música vocal. Com o tempo, as transcrições de música vocal deram lugar a peças escritas originalmente para instrumentos, com base nas mesmas técnicas de contraponto utilizadas na música coral. As transcrições eram chamadas, inicialmente de ricercata ou ricercare (procurar, em italiano). Mais tarde, eram compostos ricercari (plural de ricercare) originais para instrumentos, o que deu origem à fantasia, que é uma espécie de ricercare no qual o músico emprega elementos idiomáticos da técnica instrumental. Assim, gradualmente, os gêneros instrumentais começaram e se estabelecer. Em 1511, Sebastian Virdung já classificava os instrumentos em: Instrumentos de cordas: violas, guitarras, alaúdes, etc. Instrumentos de sopro: flautas, oboés, trompas, etc. Instrumentos ressonantes: pandeiro, tambor, etc. Em 1600, já havia a organização dos instrumentos em diversas categorias, inclusive com orquestras estabelecidas de acordo com o tipo de instrumentos: violas (instrumentos de cordas de arco), flautas (instrumentos de sopro de madeira), trombones (instrumentos de sopro de metal), alaúdes, teclados, etc. 11

11 Suíte A Suíte, que é uma composição instrumental em vários movimentos, sendo que cada um deles estiliza um movimento de dança, foi um dos primeiros gêneros instrumentais a surgir, tendo perdurado com vigor até cerca de A origem da suíte remonta à Idade Média, ao costume de agrupar danças aos pares. Por volta de 1650 o compositor alemão Froberger ( ) estabeleceu uma seqüência de movimentos que se tornou padrão para a suíte: um prelúdio (facultativo), allemande (dança alemã), courante (dança francesa), sarabanda (dança espanhola), concluindo com uma giga (dança inglesa). Alguns compositores que escreveram suítes importantes são François Couperin ( ), George F. Haendel ( ) e J. S. Bach ( ). Suíte é um termo francês que significa sequência. A expressão original era suite de danses que significa sequência de danças. Em italiano, o termo para suíte é partita (partida). Após 1750 a suíte entrou em declínio sendo substituída por outros gêneros como a sonata e o concerto. No entanto, diversas suítes continuaram sendo escritas, não sendo necessariamente uma seqüência de danças, e sim uma seqüência de movimentos com uma temática específica, definida pela fantasia do compositor. Temos exemplos de suítes na música mais recente, tais como a suíte Bergamasque, para piano, de Debussy ( ) a suíte orquestral Os Planetas de Holst ( ), e as Bachianas Brasileiras de Villa-Lobos ( ), que são suítes para diversas formações instrumentais, que fundem elementos da música brasileira com feições da música de Bach. Ex. 7 Bach Suíte Francesa n.5 em Sol M Partitura 12

12 Concerto O gênero Concerto, também surgiu durante o período Barroco e perdura até os dias atuais. Em sua forma antiga o concerto tinha duas modalidades principais: no concerto grosso, há oposição entre um grupo de solistas (concertino) e a orquestra (ripieno). Já no concerto solo, um solista dialoga sozinho com a orquestra. Entre os compositores de concerto, no Barroco, estão: Arcangelo Corelli ( ), Antonio Vivaldi ( ), Johann Sebastian Bach ( ) e George Friederic Haendel ( ). Seus concertos podem ser organizados em três movimentos (rápido-lento-rápido), ou em quatro movimentos (lento-rápido-lento-rápido). Também existem concertos Barrocos com mais de quatro movimentos, como alguns concertos de Haendel, mas estes são exceções. A partir do Classicismo, especialmente através dos concertos de Mozart, o concerto solista conquista hegemonia e cada vez mais a figura do solista ganha maior importância no gênero. Os concertos começaram a se tornar mais difíceis para o solista e com maior duração. Nesta época surge a cadenza, um trecho em que o solista toca sozinho, sem acompanhamento, no final do primeiro movimento. Neste trecho, o solista demonstra plenamente suas capacidades técnicas e expressivas através da improvisação. Beethoven escreveu cinco concertos para piano, e um para violino; foi o primeiro compositor a escrever as cadenze (plural de cadenza) dos seus concertos. 13

13 Concerto (continuação) No Romantismo, o concerto se expande com as obras de Franz Liszt ( ) e Johannes Brahms ( ). Estes compositores dão ainda mais valor ao solista, ampliando o número de movimentos para quatro. Seus concertos eram escritos em forma cíclica, na qual os mesmos temas são elaborados e transformados ao longo de todos os movimentos. Durante o período Barroco existia maior diversidade de instrumentos solistas. A partir do Romantismo, a grande parte dos concertos foi escrita apenas para piano, violino e violoncelo, instrumentos considerados mais aptos à expressão romântica. A partir do século XX voltou a ser introduzida maior variedade de solistas no concerto, abrindo espaço para praticamente todos os instrumentos. No início do séc. XXI, o compositor chinês Tan Dun (1956) passou a incorporar, como solistas em seus concertos, instrumentos inusitados, feitos de pedra, papel ou água. Um exemplo é seu Concerto de Papel, escrito em 2003, para instrumentos de papel e orquestra. Em 2002, ele já tinha escrito um concerto multimídia: O Mapa, para violoncelo, vídeo e orquestra. Entre os compositores de concertos, no séc. XX e XXI, estão: Sergei Rachmaninoff ( ), Igor Stravinsky ( ), Maurice Ravel ( ), Béla Bartok ( ), Sergei Prokofiev ( ), Dimitri Shostakovitch ( ), Heitor Villa-Lobos ( ), Alberto Ginastera ( ), Gyorgy Ligeti ( ), Krzysztof Penderecki (1933) e Tan Dun (1956). Ex. 8 Concerto Grosso: Bach Concerto de Brandenburgo n. 6, I mov. Allegro Adagio Allegro Ex. 9 Concerto Solista: Beethoven Concerto n. 5, op. 73, para piano e orquestra, I mov. Parte I Parte II 14

14 Sonata O gênero Sonata foi outro destaque da música composta a partir de Sonata vem da palavra italiana suonare. Inicialmente, referia-se à música executada por instrumentos de cordas e sopros, em oposição a toccata, música para ser tocada em instrumento de teclas. No inicio, durante o período Barroco, existiam dois tipos de sonata: sonata da chiesa (de igreja), em quatro movimentos, e a sonata da camera, em três movimentos. Existia também a trio-sonata, peça para dois instrumentos solistas, com acompanhamento de baixo contínuo, e a sonata solo, para instrumento solo e acompanhamento de contínuo. Posteriormente, durante o Classicismo, surgiu a sonata tal como a definimos hoje: uma peça para instrumento solista, usualmente piano, ou ainda para instrumento melódico (violino, violoncelo, flauta, etc.) acompanhado por piano. A sonata clássica tinha três ou quatro movimentos, sendo que Haydn e Mozart foram os músicos que solidificaram este gênero. As sonatas continuaram a ser escritas durante todo o século XIX, destacando-se as 32 Sonatas para piano e as 10 sonatas para violino e piano de Beethoven, as sonatas para piano de Frédéric Chopin e Franz Listz, e as sonatas para violino e piano de Robert Schumann. Nos séc. XX e XXI, compuseram sonatas: Alban Berg ( ), Igor Stravinsky ( ), Sergei Prokofiev ( ), Camargo Guarnieri ( ), John Cage ( ), Alberto Ginastera ( ), Bruno Kiefer ( ) e Pierre Boulez (1925), entre outros. Ex. 9 Sonata: Mozart Sonata K. 310, para piano, em Lá m, I mov 15

15 Sinfonia A Sinfonia é outro gênero importante que se solidificou a partir do período Clássico (ca. 1750). As origens da Sinfonia clássica remontam à Escola de Mainnheim, aos compositores Johann Stamitz ( ) e Carl Philipp Emanuel Bach ( , filho de J. S. Bach). Foi principalmente através da obra de Joseph Haydn ( ), que escreveu 104 sinfonias, que este gênero se sistematizou. Suas sinfonias eram escritas em 4 movimentos: rápido-lento-moderado-rápido. Mozart escreveu 41 Sinfonias, seguindo a tradição de Haydn. Beethoven acrescentou novos instrumentos à orquestra, passou a empregar estruturas narrativas, como na Sinfonia Nº 3, Heróica, e na Sinfonia Nº 6, Pastoral. Na Sinfonia Nº 9, Coral, introduz-se um coro no último movimento, que canta a Ode à Alegria de Schiller. Esta sinfonia, que dura cerca de uma hora, levou o gênero a uma dimensão transcendental e causou grande escândalo na época. No século XIX, os românticos tomaram Beethoven como modelo para criar a sinfonia programática e o poema sinfônico. Entre os sinfonistas românticos, encontram-se: Franz Schubert ( ), Hector Berlioz (criador da sinfonia programática, ), Felix Mendelssohn ( ), Franz Liszt (criador do poema sinfônico, ), Johannes Brahms, Antonin Dvorák ( ) e Gustav Mahler ( ), sendo que este último levou o gênero sinfonia ao máximo de suas possibilidades, em termos da grandiosidade do efetivo sinfônico e duração, em sua Sinfonia dos Mil, que exige mil executantes. No século XX, a produção de sinfonias continuou, com: Dimitri Shostakovitch (escreveu 14 Sinfonias), Sergei Prokofiev, Igor Stravinsky, e mais recentemente Henryk Gorecki (1933), cujo CD de sua Sinfonia Nº 3 vendeu mais de um milhão de cópias, na década de Outros sinfonistas atuais são Philip Glass e Tan Dun. Este, em 2009, compôs a Sinfonia Internet (Heróica) para ser tocada on line por músicos de várias partes do mundo. Ex. 10 Sinfonia: Beethoven Sinfonia n. 5, I mov 16

RENASCIMENTO x BARROCO

RENASCIMENTO x BARROCO RENASCIMENTO x BARROCO Palestrina J.S. Bach PERÍODO - Fins do século XIV até o século XVI - Início do século XVII até meados do século XVIII (1600 a 1750, com a morte de J. S. Bach) ORIGEM DO NOME Trouxe

Leia mais

História da Música Ocidental

História da Música Ocidental História da Música Ocidental A Música na Idade Média e no Renascimento Música medieval é o nome dado à música típica do período da Idade Média. Essas práticas musicais aconteceram há quase 1500 anos atrás.

Leia mais

HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL

HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL A Música Barroca A palavra barroco vem da língua portuguesa e significa "pérola irregular". Foi adotada internacionalmente para caracterizar o estilo ornamentado e pomposo

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Portaria n.º 83/2004 de 21 de Outubro de 2004

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Portaria n.º 83/2004 de 21 de Outubro de 2004 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 83/2004 de 21 de Outubro de 2004 Ao abrigo do regime jurídico da educação extra-escolar, criado pelo Decreto Legislativo Regional 13/2002/A, de 12 de Abril, e regulamentado

Leia mais

COMPOSIÇÃO Duração Total (03h00:00)

COMPOSIÇÃO Duração Total (03h00:00) PROVA DE APTIDÃO MÚSICA COMPOSIÇÃO Duração Total (03h00:00) 1. ANÁLISE COMPARATIVA (01:00:00) Ouça atentamente os três trechos musicais a serem reproduzidos durante o exame 1.1 Esboce uma representação

Leia mais

A música surgiu com os sons

A música surgiu com os sons Dó A música surgiu com os sons da natureza, já que seus elementos formais - som e ritmo - fazem parte do Universo e, particularmente da estrutura humana O homem pré-histórico deve ter percebido os sons

Leia mais

Repertório exigido para inscrição no 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão

Repertório exigido para inscrição no 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão ANEXO REPERTÓRIO DE ADMISSÃO Repertório exigido para inscrição no 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão Violino Concerto nº 1, nº 2, nº 3, nº 4 ou nº 5: 1º movimento com cadência Sinfonia no.9, op.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROFESSOR II MÚSICA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROFESSOR II MÚSICA 17 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROFESSOR II MÚSICA QUESTÃO 21 As produções musicais assimilam intensa contribuição de diferentes povos. Assinale a afirmativa INCORRETA: a) O órgão é egípcio. b)

Leia mais

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Percepção Ditado Melódico 1: Reconhecimento de notas erradas na partitura (duração da questão 01min 30s). 1. Ouviremos a seguir um

Leia mais

REGÊNCIA CORAL E CANTO CORAL

REGÊNCIA CORAL E CANTO CORAL PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 REGÊNCIA CORAL E CANTO CORAL EDITAL N.º 1- UFPA de 13/01/2014 30 de março de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES LEIA COM MUITA ATENÇÃO

Leia mais

Prova de História da Música e Teoria Áreas de Execução e Composição (180 min.) Primeira parte (20 pontos)

Prova de História da Música e Teoria Áreas de Execução e Composição (180 min.) Primeira parte (20 pontos) GABARITO Prova de História da Música e Teoria Áreas de Execução e Composição (180 min.) Primeira parte (20 pontos) 1. Segundo Platão e Aristóteles, a música teria o poder de afetar a vontade, o caráter

Leia mais

FUVEST - Vestibular 2014 Prova de Aptidão em Música GABARITO da PROVA TEÓRICA

FUVEST - Vestibular 2014 Prova de Aptidão em Música GABARITO da PROVA TEÓRICA FUVEST - Vestibular 2014 Prova de Aptidão em Música GABARITO da PROVA TEÓRICA Provas: A B C 1 a 2. Percepção musical 1. Ditado melódico modal a uma voz. O ditado será repetido sete vezes, sempre precedido

Leia mais

PANORAMA GERAL. da Antiguidade ao Século XX

PANORAMA GERAL. da Antiguidade ao Século XX PANORAMA GERAL da Antiguidade ao Século XX ANTIGUIDADE Principais povos musicais: gregos, judeus, romanos, egípcios e bizantinos. Características da música da antiguidade: Monofônica ou heterofônica Associada

Leia mais

Os instrumentos musicais são classificados conforme o material de que são confeccionados e a forma como o som é produzido.

Os instrumentos musicais são classificados conforme o material de que são confeccionados e a forma como o som é produzido. Instrumentos Musicais O homem primitivo começou a construir instrumentos musicais para tentar imitar os sons da natureza. Os primeiros instrumentos de que se têm notícia são aqueles feitos de ossos de

Leia mais

FUVEST - VESTIBULAR 2012 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA

FUVEST - VESTIBULAR 2012 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA FUVEST - VESTIBULAR 2012 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA Curso: ( ) Licenciatura ( ) Canto ( ) Instrumento ( ) Regência ( ) Composição

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE MÚSICA

ESCOLA MUNICIPAL DE MÚSICA ESCOLA MUNICIPAL DE MÚSICA A Secretaria Municipal de Cultura, por intermédio do Departamento do Teatro Municipal, faz saber que estarão abertas inscrições para seleção de novos alunos que deverão cursar

Leia mais

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total.

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total. INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este Caderno de Questões. 1. Caderno de Questões Verifique se este Caderno de Questões contém a prova de Conhecimentos Específicos referente ao cargo

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 8.2 Conteúdo. Música

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 8.2 Conteúdo. Música Aula 8.2 Conteúdo Música 1 Habilidades: Conhecer a origem da Música, seus principais elementos formadores, e a sua importância na sociedade. 2 Música Origem: Pré-história (marcava o ritmo com as mãos e

Leia mais

CD 1: Baby Bach - Interpretado Pela Orquestra Caixinha Musical Baby Einstein. 1. Afinação E Fanfarra Baseados Em Um Tema Da Tocata Em Ré Maior

CD 1: Baby Bach - Interpretado Pela Orquestra Caixinha Musical Baby Einstein. 1. Afinação E Fanfarra Baseados Em Um Tema Da Tocata Em Ré Maior Coleção Clássicos Musicais: Baby Einstein CD 1: Baby Bach - Interpretado Pela Orquestra Caixinha Musical Baby Einstein 1. Afinação E Fanfarra Baseados Em Um Tema Da Tocata Em Ré Maior 2. Minueto Em Sol

Leia mais

ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA

ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA 1 GRUPO DE SOPROS A- Conteúdos programáticos das Provas de Aferição 1.

Leia mais

Título da peça: 2. FAURÉ. G. Uma canção, à escolha do candidato, entre as relacionadas no Edital de Programa de 2009. Título da peça: Título da peça:

Título da peça: 2. FAURÉ. G. Uma canção, à escolha do candidato, entre as relacionadas no Edital de Programa de 2009. Título da peça: Título da peça: CANTO 1. BACH, J.S. Uma ária ou canção, à escolha do candidato, entre as relacionadas no Edital de Programa de 2009. Título da peça: 2. FAURÉ. G. Uma canção, à escolha do candidato, entre as relacionadas

Leia mais

Edital 03/FOSPA/2015. 1. DAS INSCRIÇÕES: 1.1. Período de inscrição: de 22 de junho a 03 de julho, de segunda a sextafeira.

Edital 03/FOSPA/2015. 1. DAS INSCRIÇÕES: 1.1. Período de inscrição: de 22 de junho a 03 de julho, de segunda a sextafeira. Edital 03/FOSPA/2015 A Superintendência Artística da Fundação Orquestra Sinfônica de Porto Alegre - FOSPA, no uso de suas atribuições que lhe confere o Art. 4º e Incisos, do Decreto Nº 51.484, 15 de maio

Leia mais

História da Música Ocidental

História da Música Ocidental PERÍODO CLÁSSICO História da Música Ocidental A Música Clássica e o Romantismo Veneza de Canaletto O termo Clássico, em música, é empregado em dois sentidos diferentes. As pessoas, às vezes, usam a expressão

Leia mais

FUVEST - VESTIBULAR 2010 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA

FUVEST - VESTIBULAR 2010 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA FUVEST - VESTIBULAR 2010 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA Curso: ( ) Licenciatura ( ) Canto ( ) Instrumento ( ) Regência ( ) Composição

Leia mais

REPERTÓRIO EXIGIDO PARA A INSCRIÇÃO NO 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão

REPERTÓRIO EXIGIDO PARA A INSCRIÇÃO NO 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão ANEXO REPERTÓRIO EXIGIDO PARA A INSCRIÇÃO NO 46º Festival de Inverno de Campos do Jordão SEGMENTO 1-3 A 17 DE JULHO - Orquestra do Festival e Camerata do Festival Violino Concerto nº 1, nº 2, nº 3, nº

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Música e Espiritualidade. Palestrante: Flávio dos Santos. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Música e Espiritualidade. Palestrante: Flávio dos Santos. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Música e Espiritualidade Palestrante: Flávio dos Santos Rio de Janeiro 30/12/2005 Organizadores da palestra: Moderador:

Leia mais

exemplo musical correspondente

exemplo musical correspondente Nas questões de 1 a 9, responda de acordo com o comando de cada uma delas. A questão 1 exige resposta a ser construída pelo próprio candidato; as questões 2, 5, 6, 7, 8 e 9 são de associação ou complementação.

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

CURSO DE MÚSICA MANUAL DO CANDIDATO

CURSO DE MÚSICA MANUAL DO CANDIDATO CURSO DE MÚSICA MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO DE CERTIFICAÇÃO EM HABILIDADES ESPECÍFICAS UFU 2015-1 EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 02/2015 Composição da Certificação A Certificação de Habilidades Específicas

Leia mais

Orquestra Sinfônica de Santo André divulga Temporada 2011 Repertório mantém quatro séries de concertos

Orquestra Sinfônica de Santo André divulga Temporada 2011 Repertório mantém quatro séries de concertos Orquestra Sinfônica de Santo André divulga Temporada 2011 Repertório mantém quatro séries de concertos A Orquestra Sinfônica de Santo André (Ossa) já está com toda a Temporada 2011 definida para deleite

Leia mais

Orquestra Gulbenkian Paul McCreesh, Maestro Titular. Audições para Viola (1 º Solista A)

Orquestra Gulbenkian Paul McCreesh, Maestro Titular. Audições para Viola (1 º Solista A) Orquestra Gulbenkian Paul McCreesh, Maestro Titular Audições para Viola (1 º Solista A) 20 de Junho de 2015 REGULAMENTO 0. A ORQUESTRA GULBENKIAN Datando até 1962 quando a Fundação Calouste Gulbenkian

Leia mais

FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA

FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA FUVEST - VESTIBULAR 2011 PROVA DE APTIDÃO EM MÚSICA Curso: ( ) Licenciatura ( ) Canto ( ) Instrumento ( ) Regência ( ) Composição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PROCESSO SELETIVO SERIADO - 2007 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MÚSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MÚSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MÚSICA Teste de Habilidade Específica (THE) O Teste de Habilidade Específica (THE)

Leia mais

THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO

THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO O Theatro Municipal de São Paulo, faz saber que estarão abertas inscrições para seleção de novos alunos que poderão cursar a Escola de Música

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM MÚSICA OPÇÃO: PIANO / VIOLINO / VIOLA / VIOLÃO / VIOLONCELO

CURSO DE BACHARELADO EM MÚSICA OPÇÃO: PIANO / VIOLINO / VIOLA / VIOLÃO / VIOLONCELO CURSO DE BACHARELADO EM MÚSICA OPÇÃO: PIANO / VIOLINO / VIOLA / VIOLÃO / VIOLONCELO AUTORIZAÇÃO: Resolução nº 31/93 CONSUNI e Resolução nº 374/2005 CONSUNI RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 1495/2000

Leia mais

Música 2. PROGRAMA. Modalidades composição, regência e instrumento

Música 2. PROGRAMA. Modalidades composição, regência e instrumento Aptidão Música 1. INTRODUÇÃO O exame de aptidão em Música tem por objetivo avaliar a formação musical do candidato, bem como o seu potencial artístico. Em seu aspecto técnico, o exame avalia o conhecimento

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S CANTO PRÁTICA DE MÚSICA 2 a Etapa Peças a serem executadas: 1 - Cante uma ária de ópera do compositor Wolfgang Amadeus Mozart, originalmente

Leia mais

ESCOLA DE MÚSICA BACHARELADO E LICENCIATURA TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

ESCOLA DE MÚSICA BACHARELADO E LICENCIATURA TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA ESCOLA DE MÚSICA BACHARELADO E LICENCIATURA TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA PARTE I: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA (Para todos os candidatos ao Bacharelado em Música e Licenciatura em Música). Prova 1 Escrita 1.1.

Leia mais

ACORDEÃO. Admissão/aferição ao 2º grau/6º ano de escolaridade

ACORDEÃO. Admissão/aferição ao 2º grau/6º ano de escolaridade ACORDEÃO Admissão/aferição ao 2º grau/6º ano de escolaridade 1. Uma escala maior na extensão de uma oitava, de livre escolha; Respetivo arpejo sobre o acorde perfeito maior no estado fundamental. 2. Dois

Leia mais

Habilidades Específ icas. Música

Habilidades Específ icas. Música Habilidades Específ icas Música 1. INTRODUÇÃO As provas de Habilidades Específicas em Música do Vestibular 2012 têm por objetivo avaliar a formação musical do candidato, bem como o seu potencial artístico.

Leia mais

Dependendo da época e do lugar em que vive o compositor, da sua intenção com a música, dos instrumentos. Muitos tipos de música...

Dependendo da época e do lugar em que vive o compositor, da sua intenção com a música, dos instrumentos. Muitos tipos de música... Muitos tipos de música... B.B. King, guitarrista e cantor de blues. Dependendo da época e do lugar em que vive o compositor, da sua intenção com a música, dos instrumentos musicais que tem à disposição,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 35/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Música, Modalidade

Leia mais

FESTIVAL ARTES VERTENTES 2013 PROGRAMAÇÃO COMPLETA

FESTIVAL ARTES VERTENTES 2013 PROGRAMAÇÃO COMPLETA FESTIVAL ARTES VERTENTES 2013 PROGRAMAÇÃO COMPLETA 12.09 quinta feira 16:00 ARTES VISUAIS Assim Vivíamos, de Vladimir Lagrange 16:00 ARTES VISUAIS Abertura da exposição Assemblage de Toni de Castro 16:00

Leia mais

ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE

ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE 1- ORQUESTRA SINFÔNICA Cordas (Violino, Viola, Violoncelo e Contrabaixo) Violino Sinfonia nº 2 de Camargo Guarnieri:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES INSTITUTO VILLA-LOBOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES INSTITUTO VILLA-LOBOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO PROCESSO SELETIVO DISCENTE THE 2015 CANDIDATOS AOS CURSOS DE MÚSICA Testes de Habilidades Específicas (THE) INFORMATIVO PROVAS E PROGRAMAS Os Testes

Leia mais

ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE

ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE ANEXO 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS TESTES PRÁTICOS DIAS E HORÁRIOS BOLSA-PERFORMANCE 1- ORQUESTRA SINFÔNICA Cordas (Violino, Viola, Violoncelo e Contrabaixo) Data dos testes: 12/12/2014 às 15h30 Local:

Leia mais

J.S. Bach Concertos de Brandemburgo 01 a 06. J.S. Bach Cantatas 04, 05 e 06. J.S. Bach Cantatas 19 e 20. J.S. Bach Cantatas 21 e 22

J.S. Bach Concertos de Brandemburgo 01 a 06. J.S. Bach Cantatas 04, 05 e 06. J.S. Bach Cantatas 19 e 20. J.S. Bach Cantatas 21 e 22 Relação de Obras Editadas e/ou Digitalizadas no decorrer do projeto. Obs. As obras em destaque são as digitalizadas, e as demais as editadas e reutilizadas. Períodos Compositores Obras Idade Média Renascimento

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO UFRJ

CONCURSO PÚBLICO UFRJ Para CONTRABAIXO: a) Peça solo: Hans FRYBA Um movimento de livre escolha da Suíte in Alten Stil para contrabaixo solo; b) Concerto: Giovanni BOTTESINI Concerto n o 2 em si menor (1 o movimento com cadencia)

Leia mais

XVII CONCURSO OSPA PARA JOVENS SOLISTAS, REGENTES E COMPOSITORES REGULAMENTO

XVII CONCURSO OSPA PARA JOVENS SOLISTAS, REGENTES E COMPOSITORES REGULAMENTO XVII CONCURSO OSPA PARA JOVENS SOLISTAS, REGENTES E COMPOSITORES 1 DO OBJETIVO REGULAMENTO O XVII CONCURSO OSPA PARA JOVENS SOLISTAS, REGENTES E COMPOSITORES, promovido pela FOSPA - Fundação Orquestra

Leia mais

CURSO DE MÚSICA MANUAL DO CANDIDATO

CURSO DE MÚSICA MANUAL DO CANDIDATO CURSO DE MÚSICA MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO DE CERTIFICAÇÃO EM HABILIDADES ESPECÍFICAS UFU 2015-2 EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS 10/2015 Composição da Certificação A Certificação de Habilidades Específicas

Leia mais

PROGRAMA DAS PROVAS DE HABILIDADES ESPECÍFICAS ESCOLA DE MÚSICA CURSO: MÚSICA / BACHARELADO

PROGRAMA DAS PROVAS DE HABILIDADES ESPECÍFICAS ESCOLA DE MÚSICA CURSO: MÚSICA / BACHARELADO PROGRAMA DAS PROVAS DE HABILIDADES ESPECÍFICAS ESCOLA DE MÚSICA CURSO: MÚSICA / BACHARELADO - HABILITAÇÃO EM INSTRUMENTO - HABILITAÇÃO EM CANTO PROVA PRÁTICA DE INSTRUMENTO OU CANTO INFORMAÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO

ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO A Fundação Theatro Municipal de São Paulo faz saber que estarão abertas inscrições para o processo seletivo de novos alunos para os cursos regulares da Escola de Música de

Leia mais

Caderno de Prova 2 PR04. Artes Música. ( ) prova de questões Objetivas. Professor de

Caderno de Prova 2 PR04. Artes Música. ( ) prova de questões Objetivas. Professor de Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Edital n o 001/2009 Caderno de Prova 2 PR04 ( ) prova de questões Objetivas Professor de Artes Música Dia: 8 de novembro de 2009 Horário:

Leia mais

Edital nº 01 / 2013 AUDIÇÃO PARA A ORQUESTRA FILARMÔNICA DE GOIÁS. Anexo 2 FUNÇÕES E SALÁRIOS NA ORQUESTRA FILARMÔNICA DE GOIÁS

Edital nº 01 / 2013 AUDIÇÃO PARA A ORQUESTRA FILARMÔNICA DE GOIÁS. Anexo 2 FUNÇÕES E SALÁRIOS NA ORQUESTRA FILARMÔNICA DE GOIÁS Edital nº 01 / 2013 AUDIÇÃO PARA A ORQUESTRA FILARMÔNICA DE GOIÁS Anexo 2 FUNÇÕES E SALÁRIOS NA ORQUESTRA FILARMÔNICA DE GOIÁS Item Função Quantidade Salário a) Spalla 01 R$ 5.000,00 b) Solista 12 R$ 4.405,00

Leia mais

A) Características dos toques B) Posição de toque C) Considerações Gerais

A) Características dos toques B) Posição de toque C) Considerações Gerais UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE LETRAS E ARTES INSTITUTO VILLA-LOBOS DEPARTAMENTO DE PIANO E INSTRUMENTOS DE CORDA PROGRAMA DAS PROVAS DO CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS

Leia mais

JOHANN SEBASTIAN BACH

JOHANN SEBASTIAN BACH JOHANN SEBASTIAN BACH 1 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Johann Sebastian Bach nasceu em Eisenach no dia 21 de março de 1685 e faleceu em Leipzig no dia 28 de julho de 1750. Foi compositor, cantor, cravista,

Leia mais

ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO

ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO A Fundação Theatro Municipal de São Paulo faz saber que estarão abertas inscrições para o processo seletivo de novos alunos para os cursos regulares da Escola de Música de

Leia mais

Arte cartaz, banner e filipeta

Arte cartaz, banner e filipeta Arte cartaz, banner e filipeta Site da Prefeitura de Cordeiro Data: 08/10/10 Últimas Notícias Todas as Notícias O Barroco Europeu em Cordeiro Uma apresentação para marcar época A Orquestra Barroca da UNIRIO

Leia mais

CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO

CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE MÚSICA - BACHARELADO Coordenador do Curso: Prof. Rinaldo de Melo Fonseca IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação dos Cursos:

Leia mais

Manual de inscrições para bolsistas 45º Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão 2014

Manual de inscrições para bolsistas 45º Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão 2014 Manual de inscrições para bolsistas 45º Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão 2014 Realização Fundação OSESP A 45ª edição do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, cujo

Leia mais

ORQUESTRA JOVEM DA EXTREMADURA CONCURSO EXTRAORDINÁRIO 2014

ORQUESTRA JOVEM DA EXTREMADURA CONCURSO EXTRAORDINÁRIO 2014 Fundación Orquesta de Extremadura Orquesta Joven de Extremadura ORQUESTRA JOVEM DA EXTREMADURA CONCURSO EXTRAORDINÁRIO 2014 PROVAS DE ADMISSÃO PARA BOLSA A Orquestra Jovem da Extremadura (OJEX) organiza

Leia mais

Orquestra Sinfônica de Santo André

Orquestra Sinfônica de Santo André Processo Seletivo para preenchimento de vagas de músicos bolsistas* Estão abertas inscrições para audições de músicos bolsistas para integrar a Orquestra Sinfônica de Santo André para os seguintes instrumentos:

Leia mais

SINFÔNICA HELIÓPOLIS REALIZA PRIMEIRA TURNÊ INTERNACIONAL, COM CONCERTOS NA ALEMANHA, HOLANDA E INGLATERRA ENTRE 04 E 15 DE OUTUBRO

SINFÔNICA HELIÓPOLIS REALIZA PRIMEIRA TURNÊ INTERNACIONAL, COM CONCERTOS NA ALEMANHA, HOLANDA E INGLATERRA ENTRE 04 E 15 DE OUTUBRO SINFÔNICA HELIÓPOLIS REALIZA PRIMEIRA TURNÊ INTERNACIONAL, COM CONCERTOS NA ALEMANHA, HOLANDA E INGLATERRA ENTRE 04 E 15 DE OUTUBRO Convidados pela emissora alemã Deustche Welle e pelo Ministério da Cultura

Leia mais

Teoria Musical. O trecho musical abaixo foi extraído do Adagio da TRIO SONATA Op. 3 nº 2, de Arcangelo Corelli.

Teoria Musical. O trecho musical abaixo foi extraído do Adagio da TRIO SONATA Op. 3 nº 2, de Arcangelo Corelli. Teoria Musical O trecho musical abaixo foi extraído do Adagio da TRIO SONATA Op. 3 nº 2, de Arcangelo Corelli. 01. Com base no trecho musical acima, analise as proposições a seguir. 0-0) As notas Sol sustenido

Leia mais

M úsica com Hist ória

M úsica com Hist ória M úsica com Hist ória Sumário Nota prév ia 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Nota Prévia Introdução Pré-História Período Romano Presença Muçulmana Idade Média Cristã e Idade Moderna Barroco Clássico Romântico

Leia mais

Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior - Licenciatura Plena ou Bacharelado - Habilidades Artístico Culturais - Música

Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior - Licenciatura Plena ou Bacharelado - Habilidades Artístico Culturais - Música Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior - Licenciatura Plena ou Bacharelado - Habilidades Artístico Culturais - Música 31) Em sua primeira fase, a música religiosa era essencialmente vocal, não

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO N. o 203 3-9-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4595 mento. Pelo Ministro Adjunto, Fausto de Sousa Correia, Secretário de Estado da Administração Pública e da Modernização Administrativa. A Ministra da

Leia mais

Óperas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Óperas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda s Objetivos O objetivo da aula não é rediscutir a História da Música já por demais debatido, mas sim registrar o surgimento da Ópera, colocando-a em perspectiva. Através de uma visão atual, procura-se

Leia mais

A ESCRITA BARROCA E CLÁSSICA PARA TECLADO

A ESCRITA BARROCA E CLÁSSICA PARA TECLADO A ESCRITA BARROCA E CLÁSSICA PARA TECLADO Cândida Borges O texto a seguir apresenta uma comparação entre a escrita para teclado no período Barroco e a do período Clássico, focalizando compositores, gêneros,

Leia mais

Estrutura Curricular do curso Música - Bacharelado com Habilitação em Instrumento ou Canto

Estrutura Curricular do curso Música - Bacharelado com Habilitação em Instrumento ou Canto Estrutura Curricular do curso Música - Bacharelado com Habilitação em Instrumento ou Canto 1º período Canto Coral A 36 Canto I 54 Consciência Corporal em Performance Musical I 36 Contraponto I 36 Fisiologia

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens Ana Estevens, nº 120138001 Trabalho realizado na Unidade Curricular de Processos de Experimentação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 151/2006-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 151/2006-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 151/2006-CEPE/UNICENTRO Convalida o Curso de Composição Musical e Oficina Optativa de Música do Século XX. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho

Leia mais

Música no Museu ABRIL 2015

Música no Museu ABRIL 2015 Música no Museu ABRIL 2015 Musica no Museu em abril, dá seqüência às comemorações de seus 18 anos com grandes conquistas. Traz, também, três atrações internacionais, os pianistas Paolo Vergari da Itália

Leia mais

Ciclo de Concertos. Espaço Cultural Pyndorama. Caderno especial. com o histórico. das atividades

Ciclo de Concertos. Espaço Cultural Pyndorama. Caderno especial. com o histórico. das atividades Ciclo de Concertos Espaço Cultural Pyndorama Caderno especial com o histórico das atividades Edição 2008 1 O Ciclo de Concertos Musicais do Espaço Cultural Pyndorama é uma iniciativa da Cia. Antropofágica

Leia mais

IDADE MÉDIA: A MÚSICA NOS ESPAÇOS RELIGIOSOS DA MONODIA À POLIFONIA

IDADE MÉDIA: A MÚSICA NOS ESPAÇOS RELIGIOSOS DA MONODIA À POLIFONIA IDADE MÉDIA: A MÚSICA NOS ESPAÇOS RELIGIOSOS DA MONODIA À POLIFONIA Índice 1) As origens da polifonia... 2 Organum primitivo... 2 Organum livre... 3 Organum melismático... 4 2) A época de Notre-Dame...

Leia mais

Estão abertas as inscrições para o processo de seleção de FEVEREIRO de 2016 da Academia de Música da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo OSESP.

Estão abertas as inscrições para o processo de seleção de FEVEREIRO de 2016 da Academia de Música da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo OSESP. Estão abertas as inscrições para o processo de seleção de FEVEREIRO de 2016 da Academia de Música da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo OSESP. INSCRIÇÃO Alunos brasileiros e estrangeiros em situação

Leia mais

Música Profana. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Música Profana. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Música Profana Objetivos O objetivo da aula não é rediscutir a História da Música já por demais debatido, mas sim registrar o surgimento da música profana, não religiosa, colocando-a em perspectiva. Através

Leia mais

INSTITUTO GREGORIANO DE LISBOA CURSOS BÁSICO E SECUNDÁRIO DE MÚSICA PIANO OBJECTIVOS GERAIS

INSTITUTO GREGORIANO DE LISBOA CURSOS BÁSICO E SECUNDÁRIO DE MÚSICA PIANO OBJECTIVOS GERAIS CURSOS BÁSICO E SECUNDÁRIO DE MÚSICA PIANO OBJECTIVOS GERAIS CURSO BÁSICO Desenvolver competências técnicas e artísticas através do estudo de um repertório diversificado. Trabalhar a compreensão do texto

Leia mais

CURSO BÁSICO DE MÚSICA PROGRAMA DE CRAVO 1º GRAU

CURSO BÁSICO DE MÚSICA PROGRAMA DE CRAVO 1º GRAU 1º GRAU Desenvolver o tato, o sentido rítmico e melódico e a audição interior. Desenvolver a capacidade de coordenação motora para a aprendizagem da técnica do instrumento. Desenvolver a execução correta

Leia mais

Edital da Audição Seletiva para Músicos instrumentistas que irão compor a Orquestra Sinfônica da Universidade Federal Do Rio Grande do Norte - OSUFRN

Edital da Audição Seletiva para Músicos instrumentistas que irão compor a Orquestra Sinfônica da Universidade Federal Do Rio Grande do Norte - OSUFRN Edital da Audição Seletiva para Músicos instrumentistas que irão compor a Orquestra Sinfônica da Universidade Federal Do Rio Grande do Norte - OSUFRN As comissões artística e administrativa, na condição

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE PIANO MACKENZIE 145 ANOS

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE PIANO MACKENZIE 145 ANOS REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE PIANO MACKENZIE 145 ANOS 1. DOS OBJETIVOS 1.1. O CONCURSO NACIONAL DE PIANO MACKENZIE 145 ANOS, promovido pela Chancelaria da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Capelania

Leia mais

EDITAL N o 40/2010-DAA

EDITAL N o 40/2010-DAA EDITAL N o 40/2010-DAA CERTIDÃO Certifico que o presente Edital foi publicado no dia 23/9/2010 no endereço eletrônico www.daa.uem.br, na Secretaria da DAA e nas Secretarias Acadêmicas dos Câmpus Regionais

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MÚSICA SACRA E LITURGIA DA ARQUIDIOCESE DE CAMPINAS

CENTRO DE ESTUDOS DE MÚSICA SACRA E LITURGIA DA ARQUIDIOCESE DE CAMPINAS CENTRO DE ESTUDOS DE MÚSICA SACRA E LITURGIA DA ARQUIDIOCESE DE CAMPINAS INSCRIÇÕES PARA 2016 CAMPINAS / SP Apresentação, histórico e objetivo No ano de 2007, procurando atender à necessidade de formação

Leia mais

Orquestra Sinfônica de Santo André

Orquestra Sinfônica de Santo André Vagas para músicos bolsistas (sem vínculo empregatício) conforme a Lei 6381 de 08 de dezembro de 1987, Lei 6857 de 27 de novembro de 1991 e Lei complementar 6894 de 23 de março de 1992 da Prefeitura Municipal

Leia mais

Programação Musical MEC FM sábado, 29 de novembro de 2014

Programação Musical MEC FM sábado, 29 de novembro de 2014 Programação Musical MEC FM sábado, 29 de novembro de 2014 Seleção Musical: Servio Tulio e Thiago Regotto Programação Sujeita à Alteração A Rádio de Música Clássica do Brasil OBRA AUTOR INTERPRETE DURAÇÃO

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PROVAS DE HABILIDADES ESPECÍFICAS CURSOS DE MÚSICA, DANÇA E TEATRO VESTIBULAR 2015

ANEXO III CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PROVAS DE HABILIDADES ESPECÍFICAS CURSOS DE MÚSICA, DANÇA E TEATRO VESTIBULAR 2015 ANEXO III CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PROVAS DE HABILIDADES ESPECÍFICAS CURSOS DE MÚSICA, DANÇA E TEATRO VESTIBULAR 2015 O concurso Vestibular para os cursos de Dança, Música e Teatro compreendem, além das

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2009/2010 A Cappella música vocal sem acompanhamento de instrumentos musicais. Accelerando - Aumento gradual do andamento de uma parte

Leia mais

HISTÓRIA INSTRUMENTOS DOS POR

HISTÓRIA INSTRUMENTOS DOS POR HISTÓRIA DOS INSTRUMENTOS POR 1 HISTÓRIA DOS INSTRUMENTOS FLAUTA A flauta faz parte da família dos instrumentos de madeira, mesmo, ao longo dos anos, tendo sido feita de madeira ou metal. Sabemos que já

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA TESTE DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA TESTE DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS UNIDADE ACADÊMICA DE ARTE E MÍDIA TESTE DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Teste de Conhecimentos Específicos em Música (TCE) tem por objetivo

Leia mais

A Música na Antiguidade

A Música na Antiguidade A Música na Antiguidade Josemar Bessa A palavra música deriva de arte das musas em uma referência à mitologia grega, marca fundamental da cultura da antigüidade ocidental. No entanto muitos estudiosos

Leia mais

APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS

APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS I - INTRODUÇÃO Para começar precisamos entender dois conceitos principais. 1. SOM: Onda que vibra no ar, numa freqüência em que o ouvido capta essa vibração

Leia mais

História da Cultura e das Artes Ano letivo: 2012/2013 BARROCO: MÚSICA INSTRUMENTAL SONATA, SUITE, FUGA, CONCERTO

História da Cultura e das Artes Ano letivo: 2012/2013 BARROCO: MÚSICA INSTRUMENTAL SONATA, SUITE, FUGA, CONCERTO BARROCO: MÚSICA INSTRUMENTAL SONATA, SUITE, FUGA, CONCERTO Índice 1) Música instrumental no período barroco... 2 1.1 Sonata... 2 1.2 Suite... 3 1.3 Fuga... 4 1.4 Concerto... 5 1 1) Música instrumental

Leia mais

Temporada 2014 fevereiro

Temporada 2014 fevereiro Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo Temporada 2014 fevereiro Livreto Secult Temporada OFES 070214 COM CAPA FINAL.indd 1 7/2/2014 16:35:04 Livreto Secult Temporada OFES 070214 COM CAPA FINAL.indd

Leia mais

HISTÓRICO DA NOTAÇÃO MUSICAL (DA ANTIGUIDADE ATÉ OS DIAS ATUAIS)

HISTÓRICO DA NOTAÇÃO MUSICAL (DA ANTIGUIDADE ATÉ OS DIAS ATUAIS) HISTÓRICO DA NOTAÇÃO MUSICAL (DA ANTIGUIDADE ATÉ OS DIAS ATUAIS) Faremos a seguir, um pequeno histórico da notação musical desde os seus primeiros registros até os dias atuais, para que se compreenda a

Leia mais

Descobrir. Reconhecer. Divulgar. Valorizar. Perenizar. O conhecimento da música. A verdadeira música Brasileira.

Descobrir. Reconhecer. Divulgar. Valorizar. Perenizar. O conhecimento da música. A verdadeira música Brasileira. Descobrir. Reconhecer. Divulgar. Valorizar. Perenizar. O conhecimento da música. A verdadeira música Brasileira. Sinfonieta dos Devotos de Nossa Senhora dos Prazeres Direção do Maestro Marcelo Antunes

Leia mais

Edital 03/FOSPA/2015. Viola de Arco turno tarde 1 Violoncelo turno tarde 2 Contrabaixo Acústico tocado com Arco turno tarde

Edital 03/FOSPA/2015. Viola de Arco turno tarde 1 Violoncelo turno tarde 2 Contrabaixo Acústico tocado com Arco turno tarde Edital 03/FOSPA/2015 O PRESIDENTE DA - FOSPA, no uso de suas atribuições legais que lhe confere o art. 17, inciso VII, Decreto nº 51.370, de 10 de abril de 2014, TORNA PÚBLICO A ABERTURA DAS INSCRIÇÕES

Leia mais

DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX

DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX Resumo expandido - Conpeex 2011 1. NOME DOS AUTORES Luciano Ferreira PONTES¹; Glacy Antunes

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda.

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. 2 Habilidades: H12 Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho da produção dos artistas em seus meios culturais. 3 Música clássica- baseada no folclore Heitor

Leia mais

Ars Nova. Universidade Federal da Bahia Escola de Música. Introdução. Ars Nova

Ars Nova. Universidade Federal da Bahia Escola de Música. Introdução. Ars Nova Universidade Federal da Bahia Escola de Música Ars Nova Mus 170 História das Artes I Professora: Adálvia Componentes : Hugo L. Ribeiro João Liberato Márcio Villas-Boas Hamilton Almeida Almir Côrtes Introdução

Leia mais