PLANO ESTRATÉGICO LISTA A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO ESTRATÉGICO LISTA A 2013-2016"

Transcrição

1 PLANO ESTRATÉGICO LISTA A NOVEMBRO 2013

2 "Never doubt that a small group of thoughtful, committed citizens can change the world. Indeed, it's the only thing that ever has." Margaret Mead 2

3 Conteúdos A Nossa Missão... 4 Uma Organização feita de Voluntários... 4 Quem Somos... 4 Direcão Nacional... 4 Conselho Fiscal... 7 Mesa da Assembleia Geral... 8 As Nossas Ideias... 8 Programas e Conteúdos Educacionais... 8 Village e Step Up... 9 Interchange... 9 Juniors... 9 Seminar... 9 IPP...10 Leaders...10 Staffs...10 Crescimento e Desenvolvimento...10 Divulgação...12 Gestão Financeira...12 O Sonho - Uma Casa...13 ANEXO A - PLANO OPERACIONAL

4 A Nossa Missão O objectivo máximo do CISV é educar e inspirar pessoas a criarem um mundo mais justo e pacífico. É através das actividades locais e internacionais que o CISV atinge o seu objectivo, promovendo a educação para a paz. Como Direção Nacional entendemos que a nossa missão se baseia em três pilares fundamentais: 1. Proporcionar e assegurar uma experiência com qualidade e segurança a todos os nossos participantes. 2. Ambicionar e desenvolver uma organização em constante crescimento, garantindo a sua qualidade e sustentabilidade. 3. Criar e implementar as bases para que o CISV exista e se fortaleça nas próximas gerações. Cada um de nós contribui activamente para a definição actual do CISV. No entanto o CISV existe com princípios, programas e uma personalidade bem definida. Uma Organização feita de Voluntários A nossa missão concretiza-se através dos nossos voluntários! É neste espírito de missão e voluntariado que está a força do CISV. Acreditamos no talento das pessoas que activamente dedicam o seu tempo e esforço à organização. Ser voluntário no CISV é descobrir o Mundo de forma privilegiada - viver em casa de um Americano, ir visitar um amigo Tailandês, receber um amigo Brasileiro e levá-lo a passear por Lisboa. Hoje em dia, ser voluntário no CISV é também uma mais-valia. Para além das amizades e novas experiências o CISV desenvolve capacidades cada vez mais valiosas no mundo profissional. Queremos promover uma participação activa dos voluntários na liderança do dia-a-dia do CISV e usar o JB como veículo de discussão de ideias e estratégias para os próximos anos. Quem Somos Somos uma equipa diversa feita de voluntários com diferentes idades, perspectivas, experiências, vocações e críticas. A nossa diversidade complementa-se como se pode ver nos textos seguintes. Temos em comum um grande e constante envolvimento com o CISV e uma visão positiva do presente e do futuro. Direcão Nacional João Cabral - Presidente O João entrou no CISV para fazer um Seminar Camp e nunca mais foi o mesmo! Desde então, aceitou diferentes desafios, crescendo e fazendo avançar a organização. Passou pela Comissão de Step Up (na altura Summercamp) e rapidamente encontrou o seu lugar e vocação na Comissão de Preparação. Foi nessa altura que lançou a task force de divulgação onde foram criados os primeiros passos para expor o CISV. 4

5 5 VOTA LISTA A Foi convidado, em 2008, para integrar a Direcção Nacional, onde ganhou uma visão completa do desafio: coordenação e motivação dos voluntários, relação com as famílias, administração da secretaria, suporte aos programas, gestão de risco, controlo financeiro e avaliações anuais. No CISV Internacional teve a oportunidade enriquecedora de ser Trustee e o privilégio de representar o CISV Portugal nas reuniões internacionais. Foi aí que alargou perspectivas e percebeu a dimensão e funcionamento da organização. Profissionalmente trabalha como especialísta de software na FreeBalance onde também explora a sua grande paixão: viajar pelo mundo. Hoje está cheio de motivação para levar este desafio para a frente e conta com uma grande equipa em quem confia plenamente. Para o João este é o momento de proporcionar a muitos as experiências que mudaram a sua vida! Francisco Pavão - Vice-Presidente O Francisco tem 23 anos e ouve falar do CISV desde que se lembra, mas só aos 17 anos é que resolveu sair da sua zona de conforto e participar pela primeira vez num programa, um Seminar. A partir dai ficou viciado no CISV, participou num Youth Meeting e ainda foi staff de um Step Up. Internamente foi NJR, Comissão de Seminar e Comissão de Preparação. Participou em 6 workshops internacionais e representou o CISV Portugal em 8 encontros internacionais. Estas experiências trouxeram-lhe uma nova e vasta prespectiva do funcionamento da organização. O Francisco está a acabar o Mestrado em Matemática Aplicada no IST e tenta interpretar todos os problemas do dia a dia como uma equação matemática. Adora fazer remo e fala um bocadinho de alemão. Aceitou participar nesta aventura porque acredita que pode ser uma mais valia para o CISV como Direcção Nacional tirando partido da sua experiência cisvica e profissional. Os melhores contributos que pode trazer são o conhecimento detalhado da filosofia do CISV, a dinamica do CISV internacional e uma vasta experiência e relação com os voluntários mais activos. A maneira emotiva como vive o dia a dia da organização torna-o competente e muito envolvido! Sara Las Cunha - Vogal Maior desejo: abraçar o mundo! Adora viajar e conhecer novas culturas. Desde que aterrou de paraquedas na 1ª Mini Aldeia em 2008, sentiu que o CISV era o caminho ideal para levar esta paixão além fronteiras. Na caderneta, conta já com os programas de IPP, Village, Step Up, IYM e vários encontros internacionais, mas foi depois de fazer parte da Comissão de Preparação que encontrou maneira de proporcionar aos novos voluntários experiências tão enriquecedoras quanto as que viveu. Agora, deparada com o desafio de integrar a futura Direcção Nacional, acredita que esta é a oportunidade perfeita para contribuir activamente com os seus conhecimentos adquiridos nos campos do CISV, na passagem por outras organizações e ao longo da sua formação em Comunicação Empresarial.

6 6 VOTA LISTA A É este gosto enorme pela vertente humana do projecto que a motiva e a faz ter a certeza de que, com o esforço e dedicação que também traz no bolso, esta equipa tem tudo o que precisa para continuar o excelente trabalho que o CISV Portugal tem desenvolvido nos últimos anos. Francisco Batista - Tesoureiro Francisco Batista, 26 anos, é voluntário no CISV desde 2010, tendo feito três Step Ups, dois como leader (Hungria e Portugal) e um como staff (Portugal). Participou também num EJBM. Trabalha como consultor e está a concluir o Mestrado em Matemática e Aplicações pelo IST, tendo concluído a licenciatura em Economia. É apaixonado pelo futsal e pelo convívio com amigos. O estilo de férias favorito passa pelos campos de férias (CISV e não só) em regime voluntário. Aceitou este desafio, pela responsabilidade que acarreta e pela importância no desenvolvimento da organização tanto internamente como fora de portas. A sua objectividade e pragmatismo são pontos favoráveis na tomada de decisões, o que aliado aos conhecimentos financeiros permitirá manter a sustentabilidade dos programas. Matilde Duarte Silva - Secretário A Matilde tem 24 anos e ficou rendida ao CISV em 2010 quando foi leader de um Village inesquecível em Itália. A partir daí não nos quis mais largar! Nem sempre foi fácil, mas conjugou um exigente curso de medicina dentária, uma enlouquecedoura família numerosa e uma intensa vida social com o CISV, foi staff de Step Up em Portugal e fez parte da Comissão de Preparação. O que a trouxe ao CISV foi a perspectiva de conhecer pessoas e culturas diferentes e, sobretudo, o à-vontade e a paixão em lidar com crianças. Para este novo papel na DN irá apostar em alguns trunfos que já lhe são reconhecidos, como a capacidade de organização, sentido de responsabilidade e uma facilidade em comunicar com pais e entidades externas, com a credibilidade e segurança que transmite. Francisca Carvalheira - Suplente A Francisca entrou no CISV com 11 anos. Sempre adorou as atividades nacionais, razão pela qual só começou a fazer campos internacionais como JC, aos 16 anos (ou talvez porque no antigamente não havia convites suficientes e ela nunca teve a sorte de ser sorteada!). Depois foi seminar, comissão de village, de ISY (Interchange, Summer Camp e Youth Meeting), NJR, staff de village... Enfim, andou por vários sítios até que descobriu o IPP, o programa onde podia andar a espalhar para fora o extraordinário que é o CISV. Foi staff dos dois IPP em Portugal e comissão durante alguns anos. Com 25 anos, já percebeu que nunca vai deixar de tentar fazer do Mundo um sítio melhor. Trabalha como consultora, mas isso não a impediu de participar num IPP. Acredita mais do que tudo que esta DN (da qual já tem muito orgulho) vai fazer a diferença, aliando as coisas positivas do passado a grandes motivações para o futuro. E acredita

7 que o futuro é continuarmos a espalhar pelo Mundo o que o CISV tem de melhor, através do Mosaic e do IPP. Conselho Fiscal João Sousa Rego - Presidente O João conheceu o CISV aos 12 anos através das fantásticas mini-aldeias. na velhinha EPAL! Desde cedo teve a oportunidade de participar nas atividades nacionais e internacionais e conhecer as mais variadas culturas que, num mundo cada vez mais global, é essencial para o entendimento dos dias de hoje. Participou nos programas e ainda teve a oportunidade de ser staff de um campo, uma experiencia inesquecível! Posteriormente coube-lhe colaborar na Direcção Nacional com o objectivo de reforçar e melhorar as nossas actividades com a convicção que este é seu contributo para o entendimento entre os diferentes povos. Acredita no trabalho em equipa e em voluntariado para desenvolver os nossos programas. Agora que foi convidado para integrar nos corpos sociais da associação através do conselho fiscal, propõe-se a contribuir para atingir os objetivos definidos pela Direção Nacional. Pronto para um novo desafio, numa organização que o viu crescer e o tornou num homem. Mariana Magalhães - 1º Vogal Entre 85 e 92 o CISV fez parte do dia a dia da Nanas: Summer Camp, JC, Seminar, meia dúzia de YM, comissão de IC. IBM, Leader, Staff, um milhar de mini aldeias, festas na sede e rally papers. Voltou em 2010 quando inscreveu as filhas, contente por reencontrar um CISV continua a proporcionar experiências únicas. Aceitou participar nesta lista por considerar essencial a estabilidade da Direção Nacional. Gostava que não se perdesse o trabalho que reconhece às últimas DNs: na organização de campos; na coordenação internacional; no trabalho de secretaria; nas burocracias diversas e no equilibrio financeiro do CISV. Gosta de pensar que como "ancião", parte de um conselho não executivo, possa ajudar a manter o rumo e dar apoio a alguns projectos de longo prazo. Secretamente deseja que voltem as festas 16+, mesmo sabendo que as filhas não a deixariam participar. Eugénio Castro Caldas - 2º Vogal O Eugénio fez parte da Direção nos últimos 6 anos e está muito entusiasmado com a possibilidade de ajudar o CISV como membro do Conselho Fiscal da Lista A. Entrou no CISV aos 11 anos para participar numa aldeia e desde ai tem feito todos os programas do CISV, como participante, leader e staff. A expêriencia "cisvica" que mais o marcou foi ser staff do IPP Moçambique, organizado pelo CISV Portugal em Manter o rumo traçado nos últimos 12 anos, com crescimento, boa gestão financeira e uma boa gestão organizacional é o caminho certo, e acredita que esta direção é a melhor equipa para o fazer. 7

8 Mesa da Assembleia Geral Luísa Castro Caldas - Presidente A Luísa Castro Caldas entrou no CISV no ano de Desde esse ano participou em todos os programas, como participante, leader ou staff, menos o IYM (ainda vai a tempo!). Fez parte de várias comissões ao longo dos anos e nos últimos 8 integrou a Direcção Nacional. O CISV tem sido uma parte integrante da sua vida e sem ele não teria tantos amigos e experiências espalhadas pelo mundo. É hoje a Chapter Development Regional Coordinator da Europa, Africa e Médio-Oriente e tem muito orgulho do papel determinante que o CISV Portugal exerce no CISV Internacional. O seu tamanho, organização e estratégia hoje é dos maiores motivos de orgulho que pode ter! É com grande prazer que integra uma lista de pessoas motivadas, com enorme interesse pelo CISV e com genica para continuar a fazer do CISV Portugal uma organização de referência no contexto das ONG do ramo educacional. Gonçalo Cassiano - 1º Secretário O Gonçalo... deu as boas vindas à Ana Sampaio no CISV e lembra-se da Luísa como criança... está por isso cheio de vontade de dividir com elas a responsabilidade da Mesa da Assembleia Geral e assim contribuir para a vida associativa desta Organização que tem sido transversal no seu percurso... Depois de grande actividade nos anos 85 a 93, com vários campos, cargos e funções, em Lisboa e no Porto, onde estudava, voltou "à carga" nos últimos anos, agora para o papel específico de ajudar a implementar o CISV de novo num novo país: a Croácia. A possibilidade da experiência CISV e do seu conteúdo educacional poderem ser alargadas a mais pessoas, no nosso e noutros países diz-lhe muito. E agora começam a ser os seus filhos a conhecer o mundo também pela perpectiva CISV, estando por isso muito atento à evolução do CISV em Portugal. Ana Sampaio - 2º Secretário A Ana entrou para o CISV no longínquo ano de 1986 e desde então ficou viciada... Tem participado em quase todos os programas do CISV mas espera ainda participar num IPP. Vive em Lisboa mas gosta de conhecer pessoas dos quatro cantos do mundo. O CISV desempenhou um papel importante na sua vida pois ajudou-a ser mais tolerante e aberta a conhecer outras culturas. Na sua opinião, o CISV é, acima de tudo, uma forma divertida de contactar o mundo. Depois de vários anos como membro da Direcção Nacional, continuou activa a nível internacional. O CISV está a evoluir e há sempre projectos interessantes! E acredita que esta equipa da Direcção Nacional está empenhada e determinada a fazer o CISV crescer. As Nossas Ideias Programas e Conteúdos Educacionais Todos os anos o CISV Internacional selecciona um dos 4 temas educacionais (Diversity, Human Rights, Sustainable Development e Conflict Resolution) para ser trabalhado transversalmente durante o ano e envia a cada NA um conjunto de directivas práticas que constituem o theme package. 8

9 9 VOTA LISTA A Sendo o CISV uma organização que promove a educação para a paz, acreditamos que a exploração do tema complementa a abordagem tradicional e acrescenta valor às nossas actividades. Uma vez que a cooperação com associações parceiras é um objectivo institucional importante, a exploração do tema pode ser feita atráves de projectos de Mosaic. Queremos dar um grande ênfase ao programa Mosaic nestes 3 anos! Para tal iremos criar um projecto de Mosaic anual para cada um dos quatro programas: Village, Interchange, Step Up e Seminar/IPP. Cada projecto será desenvolvido em actividades nas mini-aldeias e culminará numa actividade final realizada nos respectivos campos de Verão. Acreditamos que os NJR's, como representantes eleitos dos Juniors, são eles próprios transversais ao CISV, sendo natural estarem envolvidos na exploração do tema educacional e presentes nos projectos de Mosaic. Para tal propomos que os NJR's sejam os responsáveis por todo o contéudo educacional do CISV e que utilizem como ferramenta didáctica o theme package. Em termos práticos, propomos as seguintes medidas para cada programa: Village e Step Up Em cada mini aldeia ter uma actividade inserida no projecto Mosaic Criar e manter um Local Impact Day em cada campo, ou seja, ter um dia dedicado ao Mosaic que represente o culminar do projecto anual Cada campo organizado pelo CISV Portugal terá um blog gerido pelo staff Ir aos campos fazer as Mid-Camp Evaluations com os Leaders Interchange Em cada mini aldeia ter uma actividade inserida no projecto Mosaic Criar um Local Impact Day em cada Interchange, ou seja, ter um dia dedicado ao Mosaic que represente o culminar do projecto anual Incentivar a adesão de adultos ao Interchange, divulgando as vantagens deste programa: "A cidade é o teu campsite!" Continuar a garantir a qualidade do programa, através do modelo pré-definido de actividades Garantir a existência de um pai coordenador por delegação e apoiá-lo nas suas funções Alargar a área de actuação do Intechange a outras cidades, de modo a estimular a criação de novos chapters Juniors Criar novas oportunidades para Youth Meetings de 16/18 de forma a incluir os JC's que não foram seleccionados Incentivá-los a participar nos fins de semana de JB Encorajar todos os juniores a tomar ouwnership pelo Junior Branch, tendo a inicitiva de organizar actividades Seminar Formalizar o modelo de fim de semana de Seminar Integrar este modelo como actividade oficial no calendário anual Criar uma continuidade desde o Seminar até ao IPP, através de projectos de Mosaic Promover este programa junto de Escolas Secundárias

10 IPP Estreitar a ligação com o resto da organização e, em especial, com o Seminar Criar maior awareness do IPP dentro da comunicade CISVica Leaders Incentivar a diversidade de experiências cisvicas junto do grupo de adultos Criar um passaporte do CISV, com espaço para 5 carimbos: Village, IC, Step Up, IYM e Staff. Os leaders que preencherem os 5 espaços, terão direito a participar num RTF como prémio! Cetificar os Leaders providenciando um documento oficial do CISV Portugal assinado e carimbado, que possa ser usado no CV Contactar com os leaders no momento do seu regresso a Portugal a obter o feedback do campo Staffs Dar formação aos staffs sobre como gerir o orçamento e confiar no staff a gestão dos fundos do campo, dando margem financeira para projectos com qualidade Enviar um ou mais staffs de cada programa de verão para receber formação específica num Regional Training Forum Garatir o contacto permanente dos staffs com os NJR's na preparação do conteúdo educacional dos campos Fazer visitas aos campos, de maneira a acompanhar o trabalho dos staffs Crescimento e Desenvolvimento O desenvolvimento e crescimento é coordenado pelo CISV Internacional através do Global Hosting Plan. A cada país é pedido que entregue e reveja anualmente uma projecção a 5 anos de quantos programas internacionais quer receber e quantas delegações quer enviar. É com esta ferramenta que o CISV Portugal faz e cumpre planos a médio prazo e garante a qualidade dos seus programas, promovendo o crescimento. Acreditamos que uma parte fundamental da nossa missão é proporcionar mais e melhores experiências com conteúdo educacional. 350 Número de Participantes Enviados Desde 2012 que Lisboa é o maior chapter do mundo! Foi este crescimento que permitiu um enorme acréscimo de qualidade na organização. Com a dimensão foi possível aumentar os 10

11 recursos na Secretaria, criar comissões específicas para cada faixa etária e dar formação especializada em cada programa e posição. O CISV é um caminho. Entendemos que o CISV é um percurso e não um conjunto de experiências pontuais e que para tal devemos ter um programa educacional para todas as faixas etárias. Propomos potenciar os programas de Seminar e de IPP promovendo a integração das suas actividades no calendário oficial e disponibilizando recursos e materiais para a sua divulgação com o intuito de construir uma base mais sólida para as comissões desenvolverem o seu trabalho. Fortalencendo estes programas asseguramos a continuidade do percurso císvico. De modo a potenciar este crescimento, acreditamos que o programa de Interchange pode ser usado como veículo de criação de novos chapters. Propomos que em 2015 o CISV Portugal organize 7 programas internacionais (tal como está previsto no Global Hosting Plan): 2 Village, 2 Step Up, 2 Youth Meeting (Natal e Páscoa) e 1 Seminar: Organizar 2 Village e 2 Step Up no Verão fará aumentar o número de convites recebidos, o que nos permitirá enviar mais crianças e o dobro dos JC. Pretendemos apostar no Youth Meeting de Natal e Páscoa, que se têm assumido como alternativas viáveis para os participantes que não têm disponibilidade no Verão. Programas Internacionais em Portugal IPP IYM Seminars Step Up Village O Interchange é um programa chave na nossa lógica de continuidade. Este surge logo após a primeira experiência císvica quando as expectativas dos participantes estão ao máximo, e é um desafio mantê-los motivados para continuar o seu percurso no CISV. Pretendemos continuar a aumentar a atractividade do programa e a sua presença em Portugal. 11

12 Divulgação Por acreditarmos na nossa organização entendemos que é preciso dar a conhecer o CISV ao maior número de pessoas possível. Esta divulgação é necessária para sustentar o crescimento e institucionalizar a "marca" CISV. Queremos que o CISV venha à cabeça das pessoas sempre que pensam em oportunidades de voluntariado e campos de férias internacionais! Sendo esta uma prioridade estratégica incontornável já foi criada uma posição na sede para melhorar a comunicação e promover iniciativas de divulgação do nosso voluntariado. Pretendemos: Apostar na divulgação junto das universidades e associações de estudantes através da participação nos seus open days; Colocar o CISV em revistas, programas de televisão e de rádio Incluir o CISV nos sites que divulgam oportunidades de voluntariado Levar o CISV a feiras e eventos e adequar a comunicação à audiência em questão Realizar dois Grand Openings por ano (evento onde é explicado quais os diferentes programas e oportunidades que existem no CISV) Desenvolver materias oficiais de divulgação como flyers, apresentações power point, videos e expositores Institucionalizar o Peace One Day e dinamizá-lo como o evento cultural e musical aberto ao público Actualizar o site e o facebook com as actividades dinamizadas pelo CISV e notícias recentes Apostar no merchandising como veículo para a divulgação e tirar proveito dessa fonte de rendimento Gestão Financeira Uma boa gestão financeira é fundamental para a existência e sustentabilidade da organização. É essencial que a Direcção Nacional tenha uma percepção detalhada da execução orçamental ao longo do ano. Neste momento temos um conhecimento pormenorizado da situação financeira da organização. Sabemos quais são os custos e proveitos do CISV e analisamos a sustentabilidade financeira de cada programa. 12

13 Número de Participantes por Programa Villages Step Up Seminars Interchange JC's IYM IPP Como boa prática propomos que 5% do orçamento anual do CISV Portugal seja alocado ao reforço das poupanças. Acreditamos assim assegurar a organização em qualquer momento de dificuldade. O Sonho - Uma Casa Dado o aumento de restrições relativas aos campos de férias nos últimos anos, a situação de excedente financeiro no CISV Portugal e as perspectivas de crescimento para os próximos anos tendo em conta o desenvolvimento verificado, é nosso objectivo dar continuidade ao trabalho exercido pelas anteriores direcções e se possível dar por concluído este capítulo que nos últimos tempos esteve próximo de acontecer. Faz sentido a esta lista pelas vantagens comparativas e pela a acentuada redução de custos que possibilita, procurar a melhor solução a todos os CISVicos que nos permita crescer e construir um futuro que não nos faça estar tão permeáveis a riscos exteriores. No CISV ouve-se falar da casa desde os anos 90 (talvez até antes!) e sabemos que, para além de um projecto com sentido, é um sonho partilhado pela grande parte dos voluntários que têm dado o litro pela organização. Acreditamos que é este o momento de o concretizar e que as suas portas, janelas, paredes e tectos são o contributo físico do espírito cisvico que alimentou estes 42 anos de CISV Portugal. "Establishing lasting peace is the work of education; all politics can do is keep us out of war." Maria Montessori 13

14 ANEXO A - PLANO OPERACIONAL Chairperson João Cabral Date DEZEMBRO 2013 Membros da Direcção Membros Data de entrada prevista na DN Telemóvel Data de Nascimento João Cabral Dezembro Francisco Pavão Dezembro Sara las Cunha Dezembro Matilde Duarte Silva Dezembro Francisco Batista Dezembro Francisca Carvalheira Dezembro Ano de entrada no CISV Nota da Direcção: Para o próximo triénio esta direcção nacional vai apostar em três grandes objectivos: crescimento e desenvolvimento, programas e conteúdo educacional e divulgação. 14

15 Membro da Comissão ADMINISTRATIVAS Task 1: Contacto com contabilista Joao C./ Francisco B. Comentário Implementar relatórios trimestrais para o acompanhamento dos resultados financeiros do ano e decisão da direcção baseada nesses relatórios Task 2: Contacto com Camp-sites Francisco B. Estão a ser desenvolvidos esforços em conjunto com o grupo de staffs com o objectivo de realizar diferentes campos no Verão ao mesmo tempo e em diferentes espaços. Task 3: Secretaria João C. / Francisco P/ Matilde Gestão das colaboradoras da secretaria e suas funções. A Diana mantém funções de gestão financeira e programa de sócios, a Ana fica com todos os programas do CISV. Data de finalização da tarefa Task 4: Contacto com o Banco Diana Acompanhamento consequente Ongoing Task 5: Comunicações da secretaria Francisco Pavão / Ongoing João/ Matilde Task 6: Participação nas reuniões internacionais Trustee+1 Considerou-se relevante a participação de um membro da DN para além Abril do trustee no ETG de modo a permitir que todos os membros estejam aptos a responder internacionalmente a todas as questões referentes às suas tarefas. Task 7: Sorteio Todos + Secretaria Participação e verificação de todos os detalhes inerentes ao sorteio. Novembro Janeiro - Março Task 8: Plano estratégico e operacional Todos + Comissões O plano anual de actividades tem de ser realizado até Novembro do ano Dezembro anterior de modo a criarmos uma base sólido para o ano cisvico. Task 9: Relatório anual Todos O relatório anual é realizado e apresentado na Assembleia-geral aos Fevereiro sócios até 31 de Março em conjunto com o fecho das contas. Task 10: Realização de Orçamento Todos É realizado até Dezembro e apresentado aos sócios em Assembleia Dezembro geral. Task 11: Definição de preços para as actividades Todos Definição os preços do CISV Portugal. É elaborado um estudo financeiro Setembro nacionais e internacionais da organização e através da estratégia já definida são alterados, ou não os preços para o corrente ano. Task 12: Realização de reuniões de pais Todos Organização das reuniões de pais, quer para pais novos quer para delegações. Permite transmitir a filosofia do CISV e as regras da organização, criando assim uma relação de maior proximidade com os pais. On going Task 13: Selecção do fornecedor para as viagens internacionais Todos Pedido de orçamentos e selecção de fornecedor para a contratualização de todas as viagens internacionais do CISV. Temos estabilizado na Ongoing Ongoing Ongoing Fevereiro 15

16 empresa TAGUS devido aos preços praticados e ao contacto com apenas um comercial para toda a organização. Task 14: Apoio aos aeroportos de delegações de partida Tagus A empresa fornecedora dos bilhetes das viagens incluiu nos seus Junho/ Julho serviços o acompanhamento das delegações no aeroporto Task 15: Welcome JB Garantir a sua organização e fazer a apresentação aos pais Setembro Task 15: Planning Todos Organização do planning para o ano seguinte, ficando aqui definido as comissões e estratégia do ano. Outubro Task 16: Reuniões mensais de DN e reunião Expanded Todos + secretaria + Chairs das comissoes Marcação e participação em reuniões mensais de direcção nacional com colaboradores da secretaria.. Esta reunião é seguida de reunião com todos os chairs de todas as comissões. Reuniões para decisão dos diversos assuntos da associação. Estas reuniões são providas de actas que serão publicadas. On going Task 17: Comunicação com organizações parceiras Sara Manter contacto com organizações parceiras de modo a garantir a On going continuidade dos projectos de Mosaic anuais Task:18: Manutenção de s e mailing list Francisco P. On going COMUNICAÇÃO On going Task 1: Contacto com Comissão de Aldeias Matilde On going Task 2: Contacto com Comissão de IC Matilde On going Task 3: Contacto com Comissão de Step Up Francisco B. On going Task 4: Contacto com Comissão de Preparação João C. / Francisco On going P. Task 5: Contacto com Junior Branch Francisco P. On going Task 7: Contacto com Comissão de seminares Francisco B. On going Task 8: Contacto com Comissão de Mosaic Sara / Francisca C. On going Task 9 Contacto com Comissão de IPP Francisca C. Sara On going Task 10 Merchandising Secretaria O aumento da venda do merchandizing do CISV está todo direccionado On going financeiramente para o aumento da participação de workshops internacionais das comissões e staffs portugueses. Task 11 Site de CISV Portugal Francisco P/Sara Manter o site e os seus conteúdos e actualizar a informação sempre que necessário On going Task 12 Contactos de emergência e contactos com leaders nos campos João C. / Secretaria O aumento dos contactos com os leaders nos diversos campos internacionais permitiu um maior apoio através da antecipação de questões e problemas a existir. Acreditamos fortemente que o aumento da comunicação entre todos os actores traduz-se na melhoria da qualidade. Julho Agosto 16

Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional

Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional Plano Nacional da Comissão de Direcção Nacional Chairperson João Sousa Rego Date NOVEMBRO 2008 Membros da Comissão Membros Data de entrada na Comissão Telemóvel E-mail Data de Nascimento João Sousa Rego

Leia mais

Artigo 3º Princípio educacional do CISV

Artigo 3º Princípio educacional do CISV Regulamento interno para os Campos internacionais do CISV Portugal Preâmbulo As Aldeias Internacionais de Crianças em Portugal, adiante designada por CISV Portugal regese pelos estatutos e por um regulamento

Leia mais

VILLAGE NACIONAL 1. SEDIANDO O PROGRAMA: É recomendado iniciar na segunda quinzena dos meses de Janeiro e Julho.

VILLAGE NACIONAL 1. SEDIANDO O PROGRAMA: É recomendado iniciar na segunda quinzena dos meses de Janeiro e Julho. VILLAGE NACIONAL É um acampamento nacional, com estrutura similar a um Village Internacional com duração de 15 dias, que poderá ocorrer anualmente, nos meses de Janeiro e Julho. Objetivos Dar oportunidade

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

Empreender para Crescer

Empreender para Crescer Empreender para Crescer R. Miguel Coelho Chief EntusiastPersonalBrands Caros Pais e Encarregados de Educação, este ano lectivo, por iniciativa da Assoc. Pais do Colégio, vai iniciar-se em Novembro uma

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

Resumo: Relatório de Atividades 2013

Resumo: Relatório de Atividades 2013 Relatório de Atividades 2013 Resumo: No ano de 2013 foram várias as atividades levadas a cabo por Sol Sem Fronteiras (Solsef). Na área do Voluntariado, o Projeto Ponte rumou a Moçambique durante o mês

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira (POPRAM

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS 2003 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2003 A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, doravante denominada

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhores Ministros Senhores Embaixadores Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhora representante da Comissão

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES O QUE É O PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

PERGUNTAS FREQUENTES O QUE É O PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PERGUNTAS FREQUENTES O QUE É O PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Como surgiu o Programa de Voluntariado de Serralves? Desde a criação da Fundação, a inserção na Comunidade foi assumida como intrínseca à natureza

Leia mais

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar Sucesso Escolar CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS Geração Futura Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! www.geracaofutura.pt geracaofutura.formacao@gmail.com Telemóvel: 919 123 725 Skype: geracaofutura

Leia mais

Assembleia Geral. Conselho Fiscal

Assembleia Geral. Conselho Fiscal No passado dia 23 de Março de 2010 a Assembleia Geral da AproCS aprovou por unanimidade os seguintes pontos da ordem de trabalhos: 1. Actividades desenvolvidas em 2009; 2. Contas da Associação referentes

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 Objectivos Gerais: Continuar a lutar pela criação de Emprego Científico; o Organizar uma nova conferência sobre o Emprego Científico; Exigir a regulamentação do novo

Leia mais

Há cada vez mais empresas cidadãs

Há cada vez mais empresas cidadãs + Faça do VER a sua homepage ENTREVISTA Há cada vez mais empresas cidadãs As empresas que lideram no seu mercado são as que apresentam melhores práticas de governação. Foi com base neste pressuposto que

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

1º edição. 20 empresas 200 participantes

1º edição. 20 empresas 200 participantes 1º edição 20 empresas 200 participantes O primeiro programa de Liderança interempresas, a realizar em Luanda, que desafia cada participante a explorar o seu potencial enquanto gestor de pessoas. Há diversos

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 30 10 de fevereiro de 2012 661 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 6/2012 de 10 de fevereiro Primeira alteração à Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro, que cria o regime jurídico

Leia mais

NEUBI Plano de actividades. Índice. Pag.1.Introdução Pag.2 a 5.Actividades previstas Pag.6.Conclusão Pag.7.Créditos

NEUBI Plano de actividades. Índice. Pag.1.Introdução Pag.2 a 5.Actividades previstas Pag.6.Conclusão Pag.7.Créditos 1 Índice Pag.1.Introdução Pag.2 a 5.Actividades previstas Pag.6.Conclusão Pag.7.Créditos 2 Introdução O núcleo de Estudantes de Engenharia Electromecânica da Universidade da Beira Interior (NEUBI) é uma

Leia mais

Declaração de Princípios.

Declaração de Princípios. POR UMA NOVA ANTRAM MAIS FORTE E INTERVENTIVA Regular o Mercado Fortalecer as Empresas Modernizando e Qualificando o Sector Reforçar o apoio aos associados. Programa eleitoral da Lista A Candidata aos

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 Preparado para mais um Serralves em Festa? É já nos dias 2 e 3 de Junho que se realiza mais uma edição do Serralves

Leia mais

JUST SAYING UM GUIA PARA COMUNICAR O CISV. Este livreto foi criado para ajudar a explicar, com clareza e confiança, o que é o CISV.

JUST SAYING UM GUIA PARA COMUNICAR O CISV. Este livreto foi criado para ajudar a explicar, com clareza e confiança, o que é o CISV. JUST SAYING UM GUIA PARA COMUNICAR O CISV Este livreto foi criado para ajudar a explicar, com clareza e confiança, o que é o CISV. VersÃo em PortuguÊs PuBliCada Por CisV Brasil Convivência Internacional

Leia mais

JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Tem entre 30 e 45 anos? A sua experiência profissional é superior a 5 anos? Encontra-se numa situação de desemprego há pelo menos 6 meses? Está

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

JB BRASIL 04: ENCONTROS DO JB BRASIL E PROCEDIMENTOS DE HOSPEDAGEM. - Proporcionar um espaço para troca de experiências entre os JBs

JB BRASIL 04: ENCONTROS DO JB BRASIL E PROCEDIMENTOS DE HOSPEDAGEM. - Proporcionar um espaço para troca de experiências entre os JBs JB Brasil 04 v. 2014.1 Encontros do JB Brasil e Procedimentos de Hospedagem JB BRASIL 04: ENCONTROS DO JB BRASIL E PROCEDIMENTOS DE HOSPEDAGEM SEÇÃO 1: ENCONTROS DO JB BRASIL O JB Brasil reúne-se anualmente

Leia mais

Brochura GrowUpServices

Brochura GrowUpServices Brochura GrowUpServices 1. O QUE FAZEMOS 1. Quem Somos 03-12-2015 3 1. Quem Somos A GROWUPSERVICES é uma marca da GROWUPIDEAS e que actua na área da consultoria de negócios. Entre os seus sócios acumulam-se

Leia mais

GLOBAL MANAGEMENT CHALLENGE

GLOBAL MANAGEMENT CHALLENGE inscrições ABERTAS!!! Os simuladores como o Global Management Challenge são uma importante ferramenta para a aprendizagem não apenas da tomada de decisão, mas também do trabalho em equipa. Alberto de Castro

Leia mais

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO ECONOMISTA Janeiro, 2006 Rua Marquês de Pombal, Nº 17 7200-389 Reguengos de Monsaraz Telemóvel: +351 964 895 518 jose.calixto@netcabo.pt C URRICULUM VITAE JOSÉ

Leia mais

Cidadania O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO

Cidadania O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO 24 Capítulo 43 2 25 Estudos, Depois Formação da Outros Licenciatura e Trabalho Apoios 5 O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO 5 Capítulo Capítulo 5 57 O ASSOCIATIVISMO

Leia mais

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas,

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas, Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL Odivelas, 20 de Novembro 2010 Caros Colegas, Estando a terminar este ano de trabalho na Federação Concelhia de Odivelas, da qual eu fiz parte dos seus Órgãos Sociais neste

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto APRESENTAÇÃO AEFCUP Informações AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Rua do Campo Alegre, 1021 4150 180 Porto GPS: 41º 11'10.25'' N 8º41'25.32''W Tlf. AEFCUP

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DIREÇÃO DA APJF

PLANO DE ATIVIDADES DIREÇÃO DA APJF PLANO DE ATIVIDADES DIREÇÃO DA APJF 2015-2018 Plano de Atividades da Direção da Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos para o triénio 2015-2018 Lisboa, 7 de maio de 2015 Índice PREFÁCIO... 3 I.

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES. Espaço t 2013. A Felicidade está dentro de nós

PLANO DE ACTIVIDADES. Espaço t 2013. A Felicidade está dentro de nós PLANO DE ACTIVIDADES 2013 A Felicidade está dentro de nós 2 FICHA TÉCNICA TÍTULO: PLANO DE ACTIVIDADES 2013 AUTOR: ESPAÇO T ASSOCIAÇÃO PARA APOIO À INTEGRAÇÃO SOCIAL E COMUNITÁRIA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

Relatório de Actividades de 2004

Relatório de Actividades de 2004 Relatório de Actividades de 2004 1. Direcção A direcção da ABIC, como é da sua competência, durante o ano de 2004 coordenou e desenvolveu as seguintes actividades no sentido de cumprir o plano de actividades

Leia mais

O que é a Junior Achievement 4. O que é a Junior Achievement Portugal 4. Bem-vindo ao programa Braço Direito, Um dia no teu Futuro!

O que é a Junior Achievement 4. O que é a Junior Achievement Portugal 4. Bem-vindo ao programa Braço Direito, Um dia no teu Futuro! GUIA DO ALUNO O que é a Junior Achievement 4 O que é a Junior Achievement Portugal 4 Números totais da JAP desde 2005 4 Bem-vindo ao programa Braço Direito, Um dia no teu Futuro! 5 Que benefícios oferece

Leia mais

Marketing directo Março de 2015

Marketing directo Março de 2015 Marketing directo Março de 2015 INSTITUTIONAL STRAPLINE! Para quem O que comunicar Porquê comunicar Quando comunicar Estratégia Mensuração Direccionado Quantificação Meios diversos Marketing directo Interactividade

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

MIT Portugal Energy Club

MIT Portugal Energy Club MIT Portugal Energy Club 2012 Contactos: sponsorship@mitptec.pt www.mitptec.pt facebook.com/mit.portugal.energy.club MPP Energy Club. Introdução Antes de apresentarmos a nossa proposta, gostaríamos de

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2009 Agenda EM DESTAQUE Estágios e Suplemento ao Diploma- uma aposta no futuro! Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Manz

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

QUAL O NOSSO OBJECTIVO ESSENCIAL? O

QUAL O NOSSO OBJECTIVO ESSENCIAL? O QUEM SOMOS NÓS?! Somos Portugueses que, no passado, viveram no estrangeiro, como Emigrantes. Hoje, alguns de nós, ainda possuem familiares nessas condições... Ao longo dos anos sentimos grandes dificuldades,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual)

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém Código: 135513 NIFPC: 600075907 Escola Secundária Padre António Macedo Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) 2007/2014 Luísa Maria

Leia mais

ESTATUTOS. Empreendedoras Por Excelência

ESTATUTOS. Empreendedoras Por Excelência ESTATUTOS Empreendedoras Por Excelência Maputo, 5 de Maio de 2009 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, ÂMBITO DE ACÇÃO Artigo 1. A Associação FEMME Moçambique - Empreendedoras por Excelência é uma associação

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I Apresentação O BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VIANA DO CASTELO, continuou em 2014 a sua política interna para fazer mais, com menos, prestando um serviço público, contratualizado

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO

ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO Capítulo I Artigo 1º (Denominação, natureza e fins) Assembleia Movimento Cívico Não Partidário (abreviadamente designado "Assembleia"), é um movimento

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Encontro Internacional de Negócios Lisboa, 29 de Novembro de 2013 INTRODUÇÃO As PME portuguesas têm vindo a atravessar bastantes dificuldades

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

Business Model Canvas - 2nd Class

Business Model Canvas - 2nd Class Subscribe Share Past Issues Translate Use this area to offer a short preview of your email's content. View this email in your brow ser Business Model Canvas - 2nd Class O dia 26 de Fevereiro ficou marcado

Leia mais

DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO MERCADO DAS MULTILATERAIS FINANCEIRAS

DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO MERCADO DAS MULTILATERAIS FINANCEIRAS PROJECTO DE ACTA DA 1ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO MERCADO DAS MULTILATERAIS FINANCEIRAS Aos sete dias do mês de Abril de dois mil e dez, realizou-se nas instalações da AICEP Agência para

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ORDEM DE TRABALHOS

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ORDEM DE TRABALHOS CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA Ao abrigo do n.º 5 e do n.º 2 do artigo 17º, dos artigos 16º, 34º e da alínea a) do n.º 2 do artigo 23º dos Estatutos, convoco os senhores Associados para uma

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamentos

Plano de Actividades e Orçamentos Plano de Actividades e Orçamentos Mandato 2014/2015 Índice Board------------------------------------------------------------------------3 Mensagem da Board-----------------------------------------------------4

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

REGULAMENTO MARCAMUNDOS

REGULAMENTO MARCAMUNDOS REGULAMENTO MARCAMUNDOS Título I (MarcaMundos) Capítulo I (Definição) Art.1 1. O MarcaMundos (MM) é um projeto da Associação de Estudantes da NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas da Universidade

Leia mais

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Os Prémios RH são o reconhecimento público do mérito dos profissionais da Gestão de Recursos Humanos que se distinguem nas suas várias dimensões. É crescente o prestígio

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais