Origens da escassez de água potável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Origens da escassez de água potável"

Transcrição

1

2 Sérgio Ricardo Matos Almeida Origens da escassez de água potável problemas e soluções Baiano Campus Valença Instituto Federal Baiano Valença 2014

3 O autor: Sérgio Ricardo Matos Almeida é Engenheiro Agrônomo (UFBA, 1983), Especialista em Gestão e Manejo Ambiental em Sistemas Agrícolas (UFLA, 2009), Mestre em Ciências Agrárias (UFRB, 2012), Facilitador em Pedagogia da Rima e, desde fevereiro de 2013, Professor de Agroecologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano IF Baiano Campus Valença. Fones: (75) / / Capa: Helen de Jesús de Almeida Alves Diagramação: Marcos Boaventura FICHA CATALOGRÁFICA Almeida, Sérgio Ricardo Matos. A447a Origens da escassez de água potável: problemas e soluções / Sérgio Ricardo Matos Almeida. Valença : IF Baiano, Campus Valença, p. Bibliografia. ISBN: Agroecologia - Água. 2. Água Escassez. I. Título. CDU 631:

4 Origens da escassez de água potável Dá-me de beber. Jesus (João, IV -7) 3

5 Sérgio Ricardo Matos Almeida 4

6 Origens da escassez de água potável 5

7 Sérgio Ricardo Matos Almeida 6

8 Origens da escassez de água potável Dedicamos este trabalho à Professora Ana Primavesi, cujas lições ensinam a harmonizar, pela Agricultura, Natureza e humanidade. Dedicamos também aos agricultores e agricultoras, cuja maneira de tratar a terra pode melhorar o mundo e gerar fartura de beleza, alimentos e água. 7

9 Sérgio Ricardo Matos Almeida A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos. A água é a seiva do nosso planeta. Ela é condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura (...) O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Da Declaração Universal dos Direitos da Água (Organização das Nações Unidas, Paris, 22 de março de 1992) 8

10 Origens da escassez de água potável Apresentação A Água é a seiva do nosso planeta, afirma a Declaração Universal dos Direitos da Água. Ela é a base da vida, e de sua qualidade e fartura dependem nossa qualidade de vida. Em meio às discussões, cada vez mais presentes, acerca das questões hídricas, uma pergunta paira no ar: Se a água é um recurso natural renovável, por que ela pode tornar-se escassa? A resposta se encontra nesta publicação, a qual nos faz recordar que o fundamento do ecologismo é Pensar globalmente e Agir localmente. O presente trabalho, que mostra a relação causal entre compactação do solo e escassez de água potável, é leitura obrigatória a agricultores, estudantes, profissionais e ambientalistas, pois constitui informação básica e essencial que todo cidadão e cidadã deve dispor, a fim de conscientizar-se sobre o papel de cada um na solução do problema. É com imensa satisfação que o IF Baiano Campus Valença divulga esse trabalho, como contribuição à popularização, socialização e democratização do conhecimento que transforma realidades, missão essencial do ensino, da pesquisa e da extensão. Valença, Bahia, 21 de outubro de 2014 Francisco Harley de Oliveira Mendonça Diretor Geral IF Baiano Campus Valença 9

11 Sérgio Ricardo Matos Almeida 10

12 Origens da escassez de água potável Água: ciência e poesia Água limpa é precioso Bem da humanidade, Sem ela não podemos Viver com qualidade. Água doce e transparente, Presente da Natureza, Estudando o seu Ciclo Ganhamos esta certeza. Seu percurso tem sofrido Frequente interrupção. O homem tem desmatado E maltratado o chão. Afirma Ana Primavesi Em seu saber fecundo: A compactação do solo é O maior problema do mundo; Pois provoca o vicioso Ciclo inexorável: Erosão, enchente e seca, Escassez de água potável. Frente a tema tão vibrante Estudemo-lo com atenção, De modo a compreendermos Nosso dever, nessa missão. Sérgio Ricardo Matos Almeida 11

13 Sérgio Ricardo Matos Almeida 12

14 Origens da escassez de água potável Desafio do Milênio A escassez de água potável no mundo constitui uma das maiores questões ambientais, com implicações econômicas, sociais e políticas a serem equacionadas no Terceiro Milênio. Estima-se que um terço da população mundial sofre com algum tipo de escassez de água (BBC Brasil.com, 2009). Da água depende a vida no Planeta Terra, e da água potável depende a saúde, o bem estar e a prosperidade da humanidade. Segundo a FAO, de 2 mil a 5 mil litros de água é a quantidade necessária para produzir alimento para o consumo diário de uma única pessoa. E o diretor da Agência Nacional das Águas, afirma: Países que têm pouca água importam alimentos e, dessa maneira, também importam água e isso traz impactos para quem produz os alimentos (TERRA MAGAZINE, 2009). Para o Instituto Socioambiental, O problema atual e futuro de escassez de água na maioria dos países, está mais ligado à qualidade do que à quantidade de água disponível. A água existe, porém encontra-se cada vez mais comprometida em função do mau uso e da gestão inadequada deste recurso. No pensar da CETESB (2009), A escassez de água no mundo é agravada em virtude da desigualdade social e da falta de manejo e usos sustentáveis dos recursos naturais. Dessa forma, é comum apontarem-se como causas da escassez de água potável o crescimento das demandas, o mau uso ou desperdício, a degradação da qualidade da água pela poluição, a destruição de matas ciliares e as mudanças climáticas. Entretanto, existe outra causa mais ampla, mais dramática e menos difundida dessa escassez, que urge ser propalada: a compactação dos solos. Agronomicamente, fala-se hoje em 'Conservação do solo e da água', especialmente com referência ao combate à erosão (CEPLAC, 2009). 13

15 Sérgio Ricardo Matos Almeida Já Platão, há cerca de anos, faz a seguinte observação: Destruíram as matas da Ática. Antes, a terra conservava a água que brotava em fontes cristalinas durante o ano todo, hoje as águas levam a terra e não há mais fontes neste país (Primavesi, 1972). O insigne pensador, nesse relato tão impressionante quanto atual, fruto de sua genial capacidade de observação, estabelece uma relação causal entre o desmatamento, a erosão do solo e o desaparecimento (secamento) das fontes. Assim, faz-se necessário que as razões da escassez de água potável sejam devidamente compreendidas e amplamente divulgadas, de modo a permitir que cada cidadão tome consciência de seu papel na minimização e na solução do problema. Sabe-se que de toda a água doce consumida nas atividades humanas, cerca de 8% é pelo uso doméstico, 21% pelas indústrias e 71% pela agricultura e pecuária (Primavesi, 1972). Estes dados indicam claramente que a solução para o problema da escassez de água potável, precisa começar no campo. Pretende-se, neste trabalho, contribuir para a conscientização sobre a relação de causalidade existente entre compactação dos solos e escassez de água potável no mundo, assim como os meios para se restabelecer o ciclo natural da água, interrompido pela impermeabilidade do solo; compreensão essa explícita em textos de Ana Primavesi, mas ainda muito pouco difundida nos meios técnicos. 14

16 Origens da escassez de água potável O Ciclo da Água Sabe-se que o Planeta Terra é formado por muita água. Aproximadamente 97% estão nos oceanos e nos mares, é água salgada; cerca de 2% estão nas geleiras e em torno de 1% está circulante e passível de uso, nos lençóis subterrâneos, nos lagos, nos rios e na atmosfera (CPRM, 2009). À primeira vista pode parecer insuficiente o percentual de água doce disponível; entretanto, não se pode esquecer ou desconsiderar que essa água é circulante e está inserida em um ciclo natural, o ciclo hidrológico: A água que se evapora, de lagos, mares, oceanos e da vegetação, forma nuvens e é levada pelo vento; a seguir cai em forma de chuva e quando encontra o solo poroso e com cobertura vegetal, infiltra-se na terra, penetrando profunda e verticalmente, até encontrar a rocha, formando o lençol freático; daí movimenta-se horizontalmente e, em função da topografia do terreno, ressurge à superfície na forma de uma fonte, olho d'água ou nascente, formando um regato, que adiante se transforma em riacho, depois em rio e, finalmente, chega ao mar. No mar, novamente ocorre a evaporação, e o processo cíclico se reinicia. Quando se estuda o ciclo hidrológico, uma pergunta fundamental se faz presente: se a água é um recurso natural renovável, por que ela pode tornar-se escassa? A água circula no planeta em um sistema, à semelhança do sangue que irriga e nutre o corpo humano, ambos numa quantidade estável e numa proporção adequada ao funcionamento do sistema. Assim sendo, a água só pode tornar-se escassa se o seu ciclo estiver sendo, em algum ponto, interrompido. Para que o ciclo hidrológico funcione de modo pleno, é necessário que toda a água que cai em forma de chuva infiltre-se na terra. Porém, quando a chuva encontra a terra desnuda ou impermeável, 15

17 Sérgio Ricardo Matos Almeida compactada, ela não penetra, mas escorre superficialmente, arrastando partículas do solo e buscando as calhas dos riachos e dos rios, provocando, assim, a erosão hídrica e as enchentes. Dessa forma, toda a técnica agronômica para o manejo e conservação do solo e da água deve objetivar, essencialmente, a completa infiltração de toda a água da chuva que incidir naquele solo. 16

18 Origens da escassez de água potável A questão do escoamento superficial No entanto, é comum encontrar-se em publicações técnicas a descrição do ciclo hidrológico considerando que parte da água pluvial infiltra na terra e parte escorre superficialmente, como se esse escoamento superficial fosse desejável ou natural. Prova disso são o texto e figura 1 seguintes, obtidos no site da CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, Agência da Secretaria do Meio Ambiente, do Governo do Estado de São Paulo: O ciclo da água, também denominado ciclo hidrológico, é responsável pela renovação da água no planeta. O ciclo da água inicia-se com a energia solar, incidente no planeta Terra, que é responsável pela evaporação das águas dos rios, reservatórios e mares, bem como pela transpiração das plantas. As forças da natureza são responsáveis pelo ciclo da água. A água é fator decisivo para que a vida surgisse e se desenvolvesse na Terra. O vapor d'água forma as nuvens, cuja movimentação sofre influência do movimento de rotação da Terra e das correntes atmosféricas. A condensação do vapor d'água forma as chuvas. Quando a água das chuvas atinge a terra, ocorrem dois fenômenos: um deles consiste no seu escoamento superficial em direção dos canais de menor declividade, alimentando os rios e o outro, a infiltração no solo, alimentando os lençóis subterrâneos. A água dos rios tem como destino final os mares e, assim, fechando o ciclo das águas. A movimentação da água na natureza é mostrada na figura a seguir. 17

19 Sérgio Ricardo Matos Almeida Figura 1. O Ciclo da Água, segundo a CETESB Observa-se que o texto e a figura atribuem ao escoamento superficial e à infiltração no solo igual valor, afirmando que quando a água atinge a terra ocorrem os dois fenômenos, sendo que um é responsável pela alimentação dos rios, e o outro, responsável pela alimentação dos lençóis subterrâneos. Outro texto e figura, estes obtidos no site da CPRM - Serviço Geológico do Brasil, confirmam a observação: O ciclo da água Ao contrário dos recursos minerais, que não são renováveis, a água permanece constante na natureza, apenas mudando de estado físico, num ciclo chamado ciclo hidrológico ou ciclo das águas. Sob a ação do calor do Sol, a água da superfície (dos rios, oceanos, lagos, banhados e, em menor quantidade, da vegetação) evapora e vai para a atmosfera. 18

20 Origens da escassez de água potável Este vapor sobe, vai se acumulando e, quando encontra zonas frias, se condensa, formando gotas de água que se juntam a outras gotas e formam as nuvens. Quando essas nuvens ficam muito pesadas por causa da quantidade de água nelas contida, a água volta à superfície terrestre na forma de chuva. Uma parte da água das chuvas penetra no solo, e outra parte corre para os rios, mares, lagos, oceanos etc., fechando o ciclo. Assim, o volume total da água permanece o mesmo, mas, com o aquecimento global, a quantidade de água na forma de vapor tende a ser cada vez maior. Figura 2. O Ciclo da Água, segundo a CPRM Aqui também o texto e a figura 2 atribuem ao escoamento superficial e à infiltração no solo igual importância no ciclo da água, como se a enxurrada (escorrimento superficial) fizesse parte do processo natural. 19

21 Sérgio Ricardo Matos Almeida Ora, isto é um grande equívoco, uma vez que a Natureza programou os leitos dos rios para serem abastecidos pelos seus afluentes (riachos e rios menores), os quais são alimentados por suas respectivas nascentes; e não pelo escoamento superficial, o qual é resultante da impermeabilidade do solo e causa frequente da erosão, das enchentes e do assoreamento. Para que a água torne-se novamente límpida e transparente (potável) é necessário, é fundamental, é até mesmo vital, que ela infiltre-se na terra e passe pelo maravilhoso filtro físico-químicobiológico do solo; e, penetrando profundamente, alimente os lençóis subterrâneos de modo que possa ressurgir à superfície na forma de fontes e nascentes cristalinas, que irão alimentar os rios. Água de escorrimento superficial, que chega de enxurrada na calha dos rios, não é potável, pois é água barrenta, misturada a partículas de terra (areia, silte, argila, matéria orgânica) e contaminada por microorganismos e substâncias químicas e orgânicas diversas que se encontravam no solo compactado arrastado pela erosão. A respeito das causas da compactação do solo, da erosão, das enchentes e das secas, Primavesi faz a seguinte afirmação: Mas, as chuvas fortes, as trombas d'água, em regiões cultivadas, batendo no solo, mantido limpo por herbicidas ou capinas mecânicas, encrostam sua superfície, levam a argila dos grumos despedaçados para dentro do solo onde formam lajes duras e, finalmente, não podendo mais penetrar, causam a erosão. A água sulca os campos, levando a terra, os adubos, o húmus e as plantas para os rios que se turvam, enchem, inundam, levando pontes, casas, lavouras... Mas não penetrou mais no solo abastecendo os níveis subterrâneos de água. Secam as fontes, as cacimbas, os poços e não há mais água ou quase nada nos rios, porque a água foi embora durante a chuva (Primavesi, 1997:30). 20

22 Origens da escassez de água potável Percebe-se que é a impermeabilidade do solo, e a dificuldade da água penetrar nele, a causa principal da erosão, das enchentes e das secas; fenômenos aparentemente tão distintos, mas profundamente interligados por uma causa comum: a compactação. 21

23 Sérgio Ricardo Matos Almeida 22

24 Origens da escassez de água potável Erosão e escassez de água Portanto, devido aos erros no trato do solo, o ciclo natural da água vem sendo frequentemente interrompido (na medida em que a água da chuva não infiltra na terra), ocasionando o surgimento do maior inimigo da agricultura, do meio ambiente e da prosperidade de uma nação a erosão dos solos. A respeito do combate às causas da erosão, afirma Primavesi: Não é ecológico combater somente a erosão. Tem de se evitar sua causa que é o escorrimento da água pluvial. Escorre porque a superfície do solo não é agregada, não apresentando poros onde a água possa entrar, expondo sua superfície limpa à chuva. Mesmo aguaceiros com 80 ou mais milímetros de chuva por hora não erodem, se a superfície do solo for protegida por alguma matéria orgânica ou por plantas vivas e se os agregados do solo forem estáveis à água, garantindo os poros para ela entrar. O combate à erosão não se faz somente por curvas de nível e microbacias, mas especialmente por matéria orgânica que anima a vida do solo criando poros. O combate mecânico é muito oneroso e pouco seguro enquanto a prevenção ecológica é segura e barata (Primavesi, 1997:140). Assim, o escoamento superficial constitui o grande problema a ser solucionado, o que só se consegue através do adequado manejo do solo, que inclui cobertura vegetal e presença de matéria orgânica. Daí a grandiosidade da tarefa do agricultor, seja ele responsável por 1, 10, 100 ou hectares. Seu dever e missão é evitar a compactação do solo, para que toda a água pluvial infiltre na terra. 23

25 Sérgio Ricardo Matos Almeida Com baixa atividade biológica (por falta de matéria orgânica) e sem cobertura vegetal (exposto ao sol, vento e impacto da chuva), o solo compacta-se se tornando impermeável à água pluvial, o que gera erosão e enchentes. Posteriormente vem a seca, uma vez que após as chuvas (que não infiltraram na terra e não realimentaram o lençol freático), secam-se as fontes e nascentes e, por conseguinte, os riachos e os rios. Os leitos dos rios são invadidos por água barrenta, ficando assoreados; e depois secam, pois suas nascentes desapareceram. A falta de água torna-se crescente, o ambiente se desertifica, as disputas pelo líquido precioso se acirram, e o ser humano parece não perceber a sua responsabilidade nesse contexto. Mas a programação da natureza é outra. Ela tudo faz para proteger e garantir a vida do solo, de quem depende o ciclo natural da água e, portanto, o equilíbrio do planeta. Sobre este fato, esclarece Primavesi: A natureza cuida do solo e protege-o com três camadas: arbórea, vegetação baixa e a camada de folhas mortas no chão, para evitar que a chuva bata na superfície, destruindo os poros por onde tem de entrar ar e água. Protege-o contra o sol, para que a vida não se desidrate e morra, porque não tem proteção contra a seca. (...) Dos microrganismos dependem erosão e enchentes, porque são responsáveis pela infiltração da água no solo. Deles depende a falta de água potável, cada vez mais pronunciada em nosso mundo. De sua ausência depende a desertificação (Primavesi, 1997:102). Sem solo protegido e sem matéria orgânica (sem vida microbiana ativa) a erosão e a desertificação se instalam, e o abastecimento de água potável fica ameaçado. 24

26 Origens da escassez de água potável Fundamental é corrigir causas, não combater sintomas. Compreende-se o quanto a vida depende da água, mas a maioria desconhece que essa água depende de uma vida edáfica equilibrada. Por isso, sentencia Primavesi: O p ro b l e m a d a á g u a p o t á v e l e s t á n a impermeabilidade dos solos. Há de torná-los novamente porosos na sua superfície para deixar a água infiltrar-se, abastecendo os níveis freáticos, subterrâneos. Para isso não se precisa de obras herculanas, nem da conservação da mata nas áreas de captação de fontes. Tudo o que se precisa é fornecer matéria orgânica ao solo e manter sua superfície coberta. O resto as bactérias farão (Primavesi, 1997: 34). A solução para o problema da escassez de água potável é apontada nessa magistral síntese de Primavesi: A cobertura do solo faz milagres (...) Conservar solo e água é excepcionalmente simples. Não exige obras faraônicas, mas somente restabelecer o ciclo da água que foi interrompido. (...) exige somente um pouco de matéria orgânica e um solo protegido do impacto das chuvas. Aí o fantasma da sede é banido do nosso Globo! (Primavesi, 1997: 35). 25

27 Sérgio Ricardo Matos Almeida 26

28 Origens da escassez de água potável Considerações finais Tomando-se por base textos de Ana Primavesi, fica evidente a relação de causalidade entre compactação do solo e escassez de água potável. A partir da compreensão das razões da crescente escassez de água potável no mundo, torna-se urgente e vital a ampla divulgação dessas causas, de modo a permitir que cada cidadão assuma seu papel na solução do problema. A veneranda cientista considera que o maior problema do mundo é a compactação dos solos, pois provoca erosão, enchentes e falta de água potável. Sendo a água um recurso natural renovável, esta só pode tornarse escassa se seu ciclo natural estiver sendo interrompido, o que de fato vem ocorrendo em função da impermeabilidade dos solos, consequência de erros no manejo. Sem cobertura vegetal e sem matéria orgânica, o solo compacta-se, tornando-se impermeável à água pluvial, fato que gera o escorrimento superficial e daí resultando erosão e enchentes, assoreamento, secas e desencadeamento do processo de desertificação. Toda técnica agronômica para o manejo e conservação do solo e da água deve objetivar, essencialmente, a completa infiltração da água da chuva no solo, de modo a realimentar o lençol freático, e restabelecer o ciclo natural da água. 27

29 Sérgio Ricardo Matos Almeida 28

30 Origens da escassez de água potável Síntese pedagógica A água está inserida Num ciclo maravilhoso, Que se não for interrompido Cumpre destino ditoso. Mas em solo mantido limpo Por herbicida ou capina, As chuvas fortes batem Modificando sua sina: Encrostam a superfície, Levam a argila pura Dos grumos despedaçados, Formando laje dura. Não infiltrando na terra A água causa erosão, Sulca campos, turva rios, E provoca inundação. Sem abastecer os níveis De água subterrâneos Secam fontes e riachos, Grande mal contemporâneo. A compactação do solo É a causa intrínseca Desse trio inseparável: Erosão, enchente e seca. 29

31 Sérgio Ricardo Matos Almeida O escorrimento da água Se combate no dia a dia Não apenas com curva de nível, Terraço e microbacia, Mas com matéria orgânica Que anima a vida do solo, Formando os agregados E os vitais macroporos. Mesmo chuvas torrenciais, Em superfície protegida, Não erodem e o Ciclo Da água semeia vida. A Natureza cuida bem Do solo e sua proteção Com árvores, plantas baixas E camada de folhas no chão. Evita, assim, que a chuva Bata direto na terra E destrua os agregados Com os valores que encerra. A impermeabilidade E morte do solo é a razão Da falta de água potável E da desertificação. Mas revitalizá-lo Está ao nosso alcance: Cuidando bem da terra Num gradioso romance. 30

32 Origens da escassez de água potável Bibliografia ALMEIDA, S. R. M. Conscientização sobre a relação causal entre compactação do solo e escassez de água potável. Lavras, p. Monografia (Especialização Latu Sensu em Gestão e Manejo Ambiental em Sistemas Agrícolas) Universidade Federal de Lavras, Departamento de Ciência do Solo. ALMEIDA, S. R. M. Agroecologia, o romance da Agronomia. Prefácio de Ana Primavesi. Cruz das Almas: Edição do autor, p. BBC BRASIL.com. Mapa mostra escassez de água pelo mundo. Disponível em: portuguese/reporterb> Acesso em 03 de julho de CEPLAC. Conservação do Solo e da Água. Disponível em: Acesso em 05 de julho de C E T E S B. C i c l o d a s á g u a s. D i s p o n í v e l e m : Acesso em 28 de junho de CETESB. O problema da escassez de água no mundo. Disponível em: gesta_escassez.asp> Acesso em 29 de junho de CPRM. Coisas que você deve saber sobre a Água. Disponível em: htm?infoid=1084&sid=129> Acesso em 03 de julho de

33 Sérgio Ricardo Matos Almeida INSTITUTO SÓCIOAMBIENTAL. Água boa para todos. Disponível em: historicodaobra.html> Acesso em 29 de junho de PRIMAVESI, A. Agroecologia: ecosfera, tecnosfera e agricultura. São Paulo: Nobel, p. PRIMAVESI, A. Biologia do solo. Conferência. Rio de Janeiro, p. PRIMAVESI, A. Preservação do Meio Ambiente. Conferência. Rio de Janeiro, p. TERRA MAGAZINE. Água, uma crise também global. Disponível em: interna/agua> Acesso em 03 de julho de

34

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

Água & Polinização. Qual a importância dessa relação para a vida na Terra?

Água & Polinização. Qual a importância dessa relação para a vida na Terra? Água & Polinização Qual a importância dessa relação para a vida na Terra? Essa série de cartilhas, voltadas para estudantes do ensino fundamental, que tratam da importância do serviço de polinização e

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO ÁGUA USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO Embora a água seja a substância mais abundante do nosso planeta, especialistas e autoridades internacionais alertam para um possível colapso das reservas de água doce,

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA ROCHA, Elza dos Santos S. da (UNEMAT) elzassr@yahoo.com.br SANTOS, Leandra Ines Seganfredo (UNEMAT) leandraines@hotmail.com Sabemos que a água é indispensável

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

23-03 - 2015. Prof. Hiroshi P. Yoshizane SEMANA DA ÁGUA

23-03 - 2015. Prof. Hiroshi P. Yoshizane SEMANA DA ÁGUA 23-03 - 2015 Prof. Hiroshi P. Yoshizane SEMANA DA ÁGUA SEMANA DA ÁGUA Professor Hiroshi Paulo Yoshizane Conscientização da importância da água! SEMANA DA ÁGUA Conscientização da importância da água! S

Leia mais

O movimento da água entre os continentes, oceanos e a atmosfera é chamado de ciclo hidrológico.

O movimento da água entre os continentes, oceanos e a atmosfera é chamado de ciclo hidrológico. CICLO HIDROLÓGICO 1. O QUE É O CICLO HIDROLÓGICO O movimento da água entre os continentes, oceanos e a atmosfera é chamado de ciclo hidrológico. Na atmosfera, o vapor da água em forma de nuvens pode ser

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI FLOCA DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: SERGIO VIDAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI FLOCA DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: SERGIO VIDAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI FLOCA DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: SERGIO VIDAL Bolsistas: Ilnara Juvêncio Josilene de Brito Você

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Você já sabe que o vento é o ar em movimento. Mas o que será que faz o ar se movimentar?

Você já sabe que o vento é o ar em movimento. Mas o que será que faz o ar se movimentar? PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 3º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Leia VENTO VENTANDO! Você já sabe que o

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico

As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 02 As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico Prof. Milton Matta O CICLO HIDROLÓGICO A água na hidrosfera se encontra em seus três estados físicos básicos: sólido,

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Prova bimestral CIÊNCIAS. 3 o Bimestre 4 o ano

Prova bimestral CIÊNCIAS. 3 o Bimestre 4 o ano Material elaborado pelo Ético Sistema Ensino Ensino Fundamental Publicado em 2011 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano CIÊNCIAS Data: / / Nível: Escola: Nome: A água é o elemento mais abundante na Terra

Leia mais

O que é a DESERTIFICAÇÃO?

O que é a DESERTIFICAÇÃO? Maria José Roxo Pedro Cortesão Casimiro Tiago Miguel Sousa O que é a DESERTIFICAÇÃO? Projecto DesertLinks Framework 5 União Europeia Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 6º 4º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

HIDROLOGIA. Capítulo 1. Antônio Marciano da Silva Carlos Rogério de Mello CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CICLO HIDROLÓGICO.

HIDROLOGIA. Capítulo 1. Antônio Marciano da Silva Carlos Rogério de Mello CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CICLO HIDROLÓGICO. HIDROLOGIA Antônio Marciano da Silva Carlos Rogério de Mello Capítulo 1 CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CICLO HIDROLÓGICO. 1.1 - Conceituação Hidrologia é uma ciência aplicada que estuda a água na natureza,

Leia mais

RECURSOS NATURAIS CONSERVAR X PRESERVAR RECURSOS NATURAIS 09/08/2012

RECURSOS NATURAIS CONSERVAR X PRESERVAR RECURSOS NATURAIS 09/08/2012 RECURSOS NATURAIS Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Uma das funções primordiais do meio-ambiente é o fornecimento de recursos para as atividades desempenhadas pelo homem ao longo de sua vida na sociedade.

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar EROSÃO A erosão é um processo de deslocamento de terra ou de rochas de uma superfície. A erosão pode ocorrer por ação de fenômenos da natureza ou do ser humano. Causas naturais No que se refere às ações

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes A água é o constituinte mais característico da terra, é o ingrediente essencial da vida, a água é talvez o recurso mais precioso que a terra fornece

Leia mais

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação...

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação... PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Mudanças de estado

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente.

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. Poluição do Solo 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. 2) Objetivo Específico Conscientizar os alunos da importância

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS

REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS 1) A partir das informações dadas, enumere as informações, em ordem sequencial, de acordo com as etapas do método científico: ( ) Conclusões ( ) Possíveis respostas

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

A água. Alexandra Daniela

A água. Alexandra Daniela A água Novembro de 2007 Alexandra Daniela Luciana 12 1 Essa água poluída pode matar peixes e outros animais que a bebem e provocar doenças nas pessoas. Também faz com que as reservas de água potável (que

Leia mais

GRUPO: MOBILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL (Prefeitura de Contagem - Agenda 21- Contagem - Governo de Minas I.E.F. e COPASA)

GRUPO: MOBILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL (Prefeitura de Contagem - Agenda 21- Contagem - Governo de Minas I.E.F. e COPASA) GRUPO: MOBILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL (Prefeitura de Contagem - Agenda 21- Contagem - Governo de Minas I.E.F. e COPASA) PORTFÓLIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ESCOLA ( COM CORPO DOCENTE E CRIANÇAS

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA 2 Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. 3 Habilidades: Refletir sobre a importância da água para o Planeta Terra, para a vida e o

Leia mais

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes.

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. HIDROGRAFIA CONCEITOS Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. Rede hidrográfica: Conjunto de rios. A HIDROSFERA É a

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO 7. INFILTRAÇÃO 7 - INFILTRAÇÃO 7.1 - Conceituação Geral Uma gota de chuva pode ser interceptada pela vegetação ou cair diretamente sobre o solo. A quantidade de água interceptada somente pode ser avaliada

Leia mais

Projeto Água Nossa de Cada Dia

Projeto Água Nossa de Cada Dia Projeto Água Nossa de Cada Dia http://pixabay.com/pt/gota-%c3%a1gua-macro-628142/ Público alvo: O projeto é destinado a todos os alunos da escola, devendo ser estendido também aos pais e comunidade escolar.

Leia mais

META Apresentar a matéria em movimento, os grandes ciclos biogeoquímicos e o ciclo da água e seus principais elementos perturbadores.

META Apresentar a matéria em movimento, os grandes ciclos biogeoquímicos e o ciclo da água e seus principais elementos perturbadores. OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: MOVIMENTOS DA MATÉRIA META Apresentar a matéria em movimento, os grandes ciclos biogeoquímicos e o ciclo da água e seus principais elementos perturbadores. OBJETIVOS Ao fi nal

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios?

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios? CICLO DA ÁGUA 1. (ENEM-1998) O sol participa do ciclo da água, pois além de aquecer a superfície da Terra dando origem aos ventos, provoca a evaporação da água dos rios, lagos e mares. O vapor da água,

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 1 Água para todos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar a quantidade de água potável disponível em nosso planeta 2 Identificar os diferentes estados da água 3 Conhecer o ciclo

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

O QUE É O CICLO DA ÁGUA?

O QUE É O CICLO DA ÁGUA? O QUE É O CICLO DA ÁGUA? Orientações didáticas para o professor 1º PASSO PROMOVENDO A SENSIBILIZAÇÃO A fim de que o trabalho ocorra de forma significativa e envolvente, é importante que neste primeiro

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Projeto do Vereador Paulo Salamuni. Idealização Professor Luiz Campestrini

Projeto do Vereador Paulo Salamuni. Idealização Professor Luiz Campestrini Programa de Reaproveitamento de Águas Projeto do Vereador Paulo Salamuni Idealização Professor Luiz Campestrini 1. Texto Base Programa de Reaproveitamento de Águas * Paulo Salamuni A previsão referente

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

CIÊNCIAS. Questões de 01 a 09

CIÊNCIAS. Questões de 01 a 09 1 CIÊNCIAS Questões de 01 a 09 Em 1968, o astronauta William Anders, a bordo da nave Apollo 8, em órbita da Lua, fez uma foto que destaca o planeta Terra suspenso no espaço de cor azul. Essa cor representa

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Aluno (a): Professor:

Aluno (a): Professor: 3º BIM P1 LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS 6º ANO Aluno (a): Professor: Turma: Turno: Data: / / Unidade: ( ) Asa Norte ( ) Águas Lindas ( )Ceilândia ( ) Gama ( )Guará ( ) Pistão Norte ( ) Recanto das Emas

Leia mais

Profª: Sabrine V. Welzel

Profª: Sabrine V. Welzel Geografia 6 Ano Águas Continentais e Oceânicas 1 - Observe a imagem a seguir e explique com suas palavras sobre o que se trata: 2 Complete os espaços em branco com palavras abaixo destacadas: Solos subterrâneas

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Examen Libre. Asignatura: 78.05 - Portugués. Texto. Vai valer mais que petróleo

Examen Libre. Asignatura: 78.05 - Portugués. Texto. Vai valer mais que petróleo Examen Libre Asignatura: 78.05 - Portugués Texto Vai valer mais que petróleo 5 10 15 No século XX forjou-se a idéia de que um dos indicadores mais seguros de riqueza de uma nação era o tamanho das reservas

Leia mais

SOLO. Fragmentos de rochas. Matéria orgânica. Decomposição. Intemperismo. Água. fixação de raízes fonte de elementos químicos

SOLO. Fragmentos de rochas. Matéria orgânica. Decomposição. Intemperismo. Água. fixação de raízes fonte de elementos químicos SOLO Fragmentos de rochas Matéria orgânica em + decomposição = SOLO Atividade vulcânica Intemperismo Decomposição Elementos minerais Água Matéria orgânica Ar Importância ambiental fixação de raízes fonte

Leia mais

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO I Unidade 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO UNIDADE I: A VIDA EM NOSSO PLANETA Introdução A ciência se faz com observação da natureza, perguntas e busca de respostas. Você já observou como o Planeta Terra

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos:

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos: A UU L AL A Cerrado e caatinga Compare estas duas fotos: cerrado caatinga Observando as duas figuras, a característica que mais nos chama a atenção é que os dois ambientes parecem muito secos. Nesta aula,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

A Matemática e o consumo de água: Interdisciplinando conteúdos Luciana de Freitas Baptista Oliveira 1 Thamiriz Martins Teixeira 2

A Matemática e o consumo de água: Interdisciplinando conteúdos Luciana de Freitas Baptista Oliveira 1 Thamiriz Martins Teixeira 2 A Matemática e o consumo de água: Interdisciplinando conteúdos Luciana de Freitas Baptista Oliveira 1 Thamiriz Martins Teixeira 2 Resumo: O artigo é oriundo de Projeto investigativo feito com alunos do

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

Guia do Professor Distribuição de água no planeta

Guia do Professor Distribuição de água no planeta Guia do Professor Distribuição de água no planeta Introdução Sempre se ouviu falar que o nosso planeta deveria se chamar Planeta Água e não Planeta Terra. Esta idéia deriva da visualização da Terra do

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

Sessão de Enceramento do Atelier As Mudanças Climáticas e as Vulnerabilidades de Cabo Verde como Pequeno Estado Insular: O Presente e o Futuro,

Sessão de Enceramento do Atelier As Mudanças Climáticas e as Vulnerabilidades de Cabo Verde como Pequeno Estado Insular: O Presente e o Futuro, Sessão de Enceramento do Atelier As Mudanças Climáticas e as Vulnerabilidades de Cabo Verde como Pequeno Estado Insular: O Presente e o Futuro, São Vicente, 3 de Julho de 2014 Senhor Primeiro Ministro,

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

1. Título do Projeto: Fiscal da Água. 2. Municípío: Itabirito MG

1. Título do Projeto: Fiscal da Água. 2. Municípío: Itabirito MG 1. Título do Projeto: Fiscal da Água 2. Municípío: Itabirito MG 3. Responsável pela elaboração e execução do projeto: - Responsável pela elaboração: Samanta Peixoto - Responsáveis pela execução: SAAE (Samanta

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

APRESENTAÇÃO...06 A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA...07 RIO FELIZ...08 RIO TRISTE...09 MATA CILIAR...10 DESTRUÍNDO A NATUREZA: DESMATAMENTO...11 A FAUNA...

APRESENTAÇÃO...06 A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA...07 RIO FELIZ...08 RIO TRISTE...09 MATA CILIAR...10 DESTRUÍNDO A NATUREZA: DESMATAMENTO...11 A FAUNA... Mei Ambiente em ALERTA! Mei Ambiente em ALERTA! ÍNDICE APRESENTAÇÃO...06 A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA...07 RIO FELIZ...08 RIO TRISTE...09 MATA CILIAR...10 DESTRUÍNDO A NATUREZA: DESMATAMENTO...11 A FAUNA...13

Leia mais

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro Tópico: A água Objetivos: i) identificação dos diferentes tipos de uso dos recursos hídricos e seu impacto ambiental, econômico e social ii) Ciclo

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais