Desafios para o Controle da Água Potável: do Manancial ao Consumidor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desafios para o Controle da Água Potável: do Manancial ao Consumidor"

Transcrição

1 Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Desafios para o Controle da Água Potável: do Manancial ao Consumidor Antônio Domingues Benetti IPH - UFRGS 1. Introdução Epidemias de cólera e febre tifóide eram comuns nas principais cidades do mundo Londres, Paris, Berlim, Nova York até início dos anos : Louis Pasteur mostra que microorganismos não nascem por geração espontânea. 1880: Karl Eberth isola Salmonella typhosa, bactéria responsável pela febre tifóide. 1883: Robert Koch isola Vibrio cholera, bactéria responsável pelo cólera. Médico inglês John Snow, em 1854, foi o primeiro a comprovar a relação entre água contaminada e doenças infecciosas, durante epidemia de cólera em Londres, Prof. Antônio D. com Benetti mortos. 3 Prof. Antônio D. Benetti 4 As primeiras técnicas de tratamento de água foram: Filtração lenta: inicialmente tinha o objetivo de clarificar águas turvas, mas observou-se que é capaz de remover microrganismos patogênicos: Ex: 1892, epidemia de cólera em Hamburgo e Altona, Alemanha Desinfecção com cloro: 1908, Chicago e Jersey City 1945: 85% da água estava sendo clorada nos EUA Controle da transmissão de doenças por microrganismos patogênicos continua a ser objetivo principal do tratamento de água para consumo humano : Introdução de Compostos Químicos Sintéticos no Ambiente de uso diário Prof. Antônio D. Benetti 5 Patogênicos: resposta rápida horas Contaminantes químicos: efeitos de médio (1 5 anos) e longo prazo (> 10 anos) Prof. Antônio D. Benetti 6 1

2 Entre 15 avanços científicos, leitores da Revista Britânica de Medicina elegeram Distribuição de Água Potável e Coleta de Esgotos Sanitários como aquele de maior impacto na melhoria da Saúde Pública. Seguiram-se: descoberta de antibióticos, anestesia, introdução de vacinas e descoberta da estrutura do DNA. Banheiro em Dhaka, Bangladesh Prof. Antônio D. Benetti 7 Prof. Antônio D. Benetti 8 Principais Aspectos de Saúde Relacionadas a Água para Consumo Humano 1 - Doenças Infecciosas 1 Doenças Infecciosas 2 - Câncer 3 Compostos Perturbadores Endócrinos e de Fertilidade 4 Toxicidade de Compostos Orgânicos e Inorgânicos Vírus: 0,01 0,1 µm Bactérias: 0,5 1,0 µm Protozoários: µm Helmintos: > 100 µm Prof. Antônio D. Benetti 9 Prof. Antônio D. Benetti 10 Tipo Organismos patogênicos associados a água Organismos 1 Doenças Infecciosas Acinetobacter, Aeromonas, Bacillus, Burkholderia pseudomallei, Campylobacter, Escherichia coli Vírus: 0,01 0,1 µm pathogenic stains, Helicobacter pylori, Klebsiella, Bactérias Legionella, Mycobacterium, Pseudomonas aeruginosa, Bactérias: 0,5 1,0 µm Salmonella, Shigella, Staphylococcus aureus, Tsukamurella, Vibrio, Yersinia Protozoários: µm Adenoviruses, Astroviruses, Caliciviruses, Enteroviruses, Virus Helmintos: > 100 µm Hepatitis A e E, Rotaviruses and orthoreoviruses Acanthamoeba, Balantidium coli, Cryptosporidium, ciclospora cayetanensis, Entamoeba histolytica, Giardia Protozoários intestinalis, Isospora belli, Microsporidia, Naegleria fowleri, Toxoplasma gondii Dracunculus medinensis, Fasciola hepatica, Ascaris Helmintos lumbricoides, Enterobius vermiculari, Taenia saginata, Taenia solium, Trichuris trichiura Anabaena spp, Anabaenopsis millenii, Aphanizomenon spp, Cilindropermum spp., Lyngbya spp., Microcystis spp., Cianobactérias Nodularia spp., Nostoc spp., Oscillatoria spp., Planktothrix Prof. Antônio spp., D. Raphidiopsis Benetti curvata, Umezakia natans11 Doenças Infecciosas Cryptosporidium parvum foi responsável por eclosão de epidemia na cidade de Milwaukee, Wisconsin, EUA, mil pessoas doentes Prof. Antônio D. Benetti 12 2

3 Cianobactérias Comuns em ambientes eutrofizados N e P Esgotos Drenagem Águas Drenagem domésticos urbana residuárias agrícola industriais Cianobactérias podem produzir: 1 Toxinas: Neurotoxinas; Hepatoxinas; Dermatoxinas 2- Compostos que causam gosto e odor na água: Geosmina e 2-Metilisoborneol (2-MIB) Eutrofização Florações de Algas e Cianobactérias Metabólitos: 2-MIB e Geosmina Gosto e Odor na Água Terra e Mofo Prof. Antônio D. Benetti 13 Microcystis spp. Cylindrospermum spp. 14 Floração de cianobactérias tóxicas no lago Tai, China, 2008 Interrupção no abastecimento de água de 4 milhões de pessoas Lago Guaíba durante episódio de floração de cianobactérias Prof. Antônio D. Benetti 15 Prof. Antônio D. Benetti Câncer Organização Mundial da Saúde Associação Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) Grupo Carcinogenicidade 1 Carcinogênico em humanos 2A Provável carcinogênico em humanos 2B Possível carcinogênico em humanos 3 Não classificado como carcinogênico 4 Provável não carcinogênico para humanos Prof. Antônio D. Benetti 17 Câncer Exemplos: Grupo 1: Arsênico, Asbestos, Cromo, Benzeno, Dioxina Grupo 2A: Acrilamida, Tetracloroetileno, Bifenilas Policloradas (PCBs), Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos (PAHs) Grupo 2B: Diclorometano, Heptacloro, Toxafeno Estabelecimento de concentrações máximas permissíveis na água baseado em análise de risco de aquisição de câncer. Prof. Antônio D. Benetti 18 3

4 3- Compostos Perturbadores Endócrinos e de Fertilidade Compostos de origem natural e sintético que interferem com o sistema endócrino de animais e humanos. Causam mudanças sexuais e má formação em peixes e outros organismos aquáticos. Com relação a humanos, encontra-se em investigação. 3- Compostos Perturbadores Endócrinos e de Fertilidade Comissão Européia Categoria substâncias com clara evidência de serem Perturbadores Endócrinos Ex: 4-nonilfenol, estradiol, etinilestradiol Categoria substâncias potenciais Prof. Antônio D. Benetti 19 Prof. Antônio D. Benetti Compostos Perturbadores Endócrinos e de Fertilidade 3- Compostos Perturbadores Endócrinos e de Fertilidade Prof. Antônio D. Benetti 21 Prof. Antônio D. Benetti 22 Monitoramento de nonilfenol em mananciais da RMBH e RMSP Prof. Antônio D. Benetti 23 Prof. Antônio D. Benetti 24 4

5 4 Toxicidade de Compostos Orgânicos e Inorgânicos Inorgânicos: Naturais ou Antropogênicos Arsênico Metais Pesados: Cromo, Chumbo, Cádmio, Mercúrio Nitrato, Nitrito Fluoreto Prof. Antônio D. Benetti 25 Prof. Antônio D. Benetti 26 4 Toxicidade de Compostos Orgânicos e Inorgânicos Agrotóxicos Orgânicos: Pesticidas e herbicidas: 2,4-D, Paration Derivados do petróleo: gasolina, diesel Solventes orgânicos clorados: Tetracloroetileno (TCE) Toxinas de cianobactérias: microcistinas, saxitoxina Animais Confinados Efluentes Industriais Prof. Antônio D. Benetti Contaminação por Fluoreto Contaminação com Mercúrio Arsênico na água Contaminação por Arsênico Prof. Antônio D. Benetti 29 Toxicidade do Arsênico Prof. Antônio D. Benetti 30 5

6 Contaminação com Derivados de Petróleo - BTEX Qualidade da Água para Consumo Humano Visão Integrada 1 Proteção da Bacia Hidrográfica 2 - Tratamento da Água 3 - Sistema de Distribuição de Água 4 - Instalações prediais Prof. Antônio D. Benetti 31 Prof. Antônio D. Benetti 32 Proteção da Bacia Hidrográfica Bacia Hidrográfica Qualidade da água reflete Características naturais: Geologia, Clima, Vegetação Uso do solo: Florestas, Agropecuária, Indústrias, Cidades Técnicas de controle: Tratamento das fontes pontuais de poluição Usos de boas práticas nas fontes difusas (von Sperling, 2005) Prof. Antônio D. Benetti Bacia Hidrográfica Favela em São Paulo Urbanização no deserto, Nevada, EUA Ocupação Irregular de Solo Urbano, Reservatório Guarapiranga, SP Poluição Difusa por Fósforo Prof. Antônio D. Benetti 35 Prof. Antônio D. Benetti 36 6

7 Bacia Hidrográfica Controle da Poluição Pontual - ETE Controle da Poluição Difusa Boas Práticas de Manejo Prof. Antônio D. Benetti 37 Ordem Aglomerações urbanas População (milhões) Tokyo (Japão) 26,6 35,7 36,4 2 New York Newwark (USA) 15,9 19,0 20,6 3 Ciudad de México (México) 10,7 19,0 21,0 4 Mumbai (Índia) 7,1 19,0 26,4 5 São Paulo (Brasil) 9,6 18,8 21,4 6 Delhi (Índia) 4,4 15,9 22,5 7 Shangai (China) 7,3 15,0 19,4 8 Calcutta (Índia) 7,9 14,8 20,6 9 Dhaka (Bangladesh) 2,2 13,5 22,0 10 Buenos Aires (Argentina) 8,7 12,8 13,8 11 Los Angeles-Long Beach (USA) 8,9 12,5 13,7 12 Karachi (Paquistão) 4,0 12,1 19,1 13 Cairo (Egito) 6,4 11,9 15,6 14 Rio de Janeiro (Brasil) 7,6 11,7 13,4 15 Osaka-Kobe (Japão) 9,8 11,3 11,4 16 Beijing (China) 6,0 11,1 14,5 17 Manila (Filipinas) 5,0 11,1 14,8 18 Moscow (Rússia) 7,6 10,5 10,5 19 Istanbul (Turquia) 3,6 10,1 12,1 Cidades com Prof. mais Antônio de 10 D. milhões Benetti de Habitantes 38 Bacia Hidrográfica Manancial de água protegido Cidade de New York Manancial de água não protegido Cidade de Porto Alegre 39 Prof. Antônio D. Benetti 40 Manancial com nível de proteção ideal A realidade Prof. Antônio D. Benetti 41 Prof. Antônio D. Benetti 42 7

8 (Escassez) Embarcação trazendo água emergencial para Barcelona (Di Bernardo e Dantas, 2005) Reservatório de suprimento de água de Barcelona Prof. Antônio D. Benetti 43 Prof. Antônio D. Benetti 44 Reações entre compostos adicionados a água e compostos presentes na água bruta Sais de Alumínio são adicionados para remoção de colóides da água. Controle adequado para manter residuais de Al na água potável baixos Acidente 1988 Estação de da Cidade de Cornwell, Inglaterra Bomba dosadora acionou solução concentrada de Sulfato de Alumínio Concentração de Alumínio milhares de vezes superior ao limite seguro chegou as torneiras dos consumidores. Irritações aparelho digestivo, alergias, úlceras, garganta Prof. Antônio D. Benetti 45 Prof. Antônio D. Benetti 46 Floculantes a base de Acrilamida são algumas vezes usado no tratamento de água. Acrilamida é uma neurotoxina e causa danos a função reprodutiva. Ratos: tumores de variados tipos IARC Grupo 2A Provável carcinogênico em humanos Guia da OMS: < 0,5 µg/l Morte de peixes por asfixia, Rio dos Sinos, RS, 2006 Prof. Antônio D. Benetti 47 Prof. Antônio D. Benetti 48 8

9 Cor, Gosto e Odor H 2 S, Fe +2, Mn +2 Formados em ambientes anóxicos, típicos de hipolímnio de reservatórios Reações entre Desinfetantes e Compostos Presentes na Água de Abastecimento Sub-produtos da Desinfecção 1 Cloro: Trihalometanos (THM) - Clorofórmio, Bromofórmio,... Ácidos Haloacéticos (HAA) Monocloroacetato,... 2 Ozônio: Bromato, formaldeído, acetaldeído,... 2 bact.anaer. 2 Matéria orgânica + SO4 S + H2O + CO2 + S 2 + H HS + HS + H H2S Fe +2 e Mn +2 são oxidados a Fe +3 e Mn +4 : precipitam da água Gás Prof. com Antônio odor D. de Benetti ovo podre 49 3 Dióxido de Cloro: Íons clorito e clorato 4 Cloroaminação: Cloreto cianogênico Prof. Antônio D. Benetti 50 Sistema de Distribuição de Água Potável Sistema de Distribuição de Água Potável Corrosão Formação de biofilmes Deterioração de revestimentos internos Efeitos de reservação Permeabilidade das canalizações a difusão de contaminantes externos Matéria Orgânica Dissolvida formação de biofilmes nas canalizações Reator no qual ocorrem processos físicos, químicos e biológicos (Duguet et al., 1995) Prof. Antônio D. Benetti 51 Prof. Antônio D. Benetti 52 Sistema de Distribuição de Água Potável Sistema de Distribuição de Água Potável Corrosão de canalização Biofilme formado em canalização de ferro galvanizado Manganês precipitado em rede de distribuição de água potável Prof. Antônio D. Benetti 53 Prof. Antônio D. Benetti 54 9

10 Instalações Prediais de Água Potável Corrosão de metais e ligas Chumbo, cobre, ferro galvanizado, zinco Microorganismos Legionella pneumophila Doença do Legionário, broncopneumonia; canalizações e reservatórios de água quente Fibras em canalizações de Asbestos Reservatórios desprotegidos sujeitos a contaminação Reservatório de Água Contaminado Prof. Antônio D. Benetti 55 Prof. Antônio D. Benetti 56 Segurança na Qualidade da Água Potável Conceito de Múltiplas Barreiras 1 Proteção da Fonte de Abastecimento de Água 2 Processos de 3 Desinfecção da Água última barreira contra patogênicos 4 Sistema de Distribuição de Água manutenção adequada para evitar a degradação da água potável 5 Monitoramento e Segurança proteção contra atos intencionais de degradação da qualidade da água 6 Educação preservação de mananciais; manutenção das instalações prediais; valor da água potável O meio mais efetivo de garantir a segurança da água é através da avaliação compreensiva de todos os riscos capazes de causar degradação da qualidade da água potável. Esta avaliação deve englobar todas as etapas do suprimento de água, desde a bacia hidrográfica até o consumidor. Uma vez identificados os riscos, devem ser planejados meios de minimizá-los e caso ocorram, neutralizá-los. Este enfoque é denominado de Plano de Segurança da Água Prof. Antônio D. Benetti 57 Prof. Antônio D. Benetti 58 Muito Obrigado! Water Safety Plan Prof. Antônio D. Benetti 59 Prof. Antônio D. Benetti 60 10

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

http:// www.insa.pt _ consumo de água de nascentes naturais Um problema de saúde pública. _DSA Departamento de Saúde Ambiental 2010 _Nascentes Naturais 01 _Introdução A convicção, ainda hoje frequente

Leia mais

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados

Matriz I Acreditação Flexível Intermédia - Lista de Ensaios Acreditados 1 Águas de consumo e Determinação de ph Potenciometria PTL/0036 (2009-04-24) 0 2 Determinação de Condutividade Conductimetria PTL/0037 (2009-04-24) 0 3 Determinação de Alcalinidade Volumetria com deteção

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

Importância das águas subterrâneas: fontes de contaminação, qualidade e saúde humana

Importância das águas subterrâneas: fontes de contaminação, qualidade e saúde humana INSTITUTO GEOLÓGICO Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Instituto Geologico Importância das águas subterrâneas: fontes de contaminação, qualidade e saúde humana Claudia Varnier claudia.varnier@igeologico.sp.gov.br

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

POLUIÇÃO HÍDRICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE - CAP. -11.1

POLUIÇÃO HÍDRICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE - CAP. -11.1 POLUIÇÃO HÍDRICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE - CAP. -11.1 CONCEITO POLUIÇÃO HÍDRICA é qualquer alteração nas características físicas, químicas e/ou biológicas das águas, que possa constituir prejuízo à saúde,

Leia mais

A Gestão de Risco como Novo Conceito de Controlo de Qualidade da Água para Consumo Humano

A Gestão de Risco como Novo Conceito de Controlo de Qualidade da Água para Consumo Humano 35ª Assembleia Nacional Belo Horizonte, 24-29 Julho 2005 A Gestão de Risco como Novo Conceito de Controlo de Qualidade da Água para Consumo Humano José Manuel Pereira Vieira UNIVERSIDADE DO MINHO SUMÁRIO

Leia mais

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Água tratada Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100 ml Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação Segurança da Água para Consumo Humano Como Moldar o Futuro da Água para as partes Interessadas 07 Maio de 2015 Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível ambiente natural, bem como induzir condições em um determinado curso ou corpo de água, direta

Leia mais

Compostos que afetam as qualidades organolépticas da água Composto Padrão Efeitos maléficos

Compostos que afetam as qualidades organolépticas da água Composto Padrão Efeitos maléficos ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO E OS CONTROLES EXIGIDOS O trabalho técnico apresentado a seguir foi escrito pelo diretor do sindicato Walter Huber e seu colega Maurício Tápia. Walter é Engenheiro de Operações

Leia mais

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies?

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Compostos que liberam cloro em contato com a água são os desinfetantes mais comuns. Cloro Gás Hipoclorito de sódio Hipoclorito de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS DE DESINFECÇÃO DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DESTINADAS AO CONSUMO HUMANO Rogério Alves Barbosa Abril de 2004. 1 Objetivo Visando

Leia mais

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos;

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; MICRORGANISMOS E MEIO AMBIENTE Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; 1 Os microrganismos vivem em comunidades,

Leia mais

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos;

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos; Universidade Federal de São Del Rei - Campus Sete Lagoas Engenharia Agronômica Impactos de xenobióticos e metais pesados na microbiota do solo Heider Lopes Rayssa Simão Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável;

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Microbiologia Clínica

Microbiologia Clínica Microbiologia Clínica A descoberta dos microrganismos Lentes 200 a 300 X As primeiras observações: Leeuwenhoek (em 1677) 1 Leeuwenhoek: microrganismos ("animálculos ) Pasteur (1822-1895) 2 A geração espontânea

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Inspeção Sanitária em Abastecimento de Água

Inspeção Sanitária em Abastecimento de Água Ministério da Saúde Inspeção Sanitária em Abastecimento de Água Brasília-DF Inspeção Sanitária em Abastecimento de Água 2006 Ministério da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial

Leia mais

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana AGRICULTURA URBANA Principais ameaças à prática da Agricultura urbana 19 de Junho de 2012 AGRICULTURA URBANA A actividade agrícola urbana está sujeita a várias fontes de poluição que podem afectar a qualidade

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

ALGAS E SEUS IMPACTOS EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO: ESTUDO DE CASO SISTEMA GUARAPIRANGA

ALGAS E SEUS IMPACTOS EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO: ESTUDO DE CASO SISTEMA GUARAPIRANGA ALGAS E SEUS IMPACTOS EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO: ESTUDO DE CASO SISTEMA GUARAPIRANGA DANIEL BROOKE DANIEL RIBEIRO LUANA RODRIGUES MICHELLE CAMPOS RICARDO MENDES Universidade

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 2º trimestre de 2011 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional QUALIDADE DAS ÁGUAS Box 1 O conselho nacional do meio ambiente, CONAMA, baixou a Resolução n 20, de 5 de junho de 1986, que classifica as águas doces, salobras e salinas do Brasil, Tabela 1, estabelecendo

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças

ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças Profa. Eliane Carneiro Gomes Disciplina

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

A oferta de água. professor

A oferta de água. professor A oferta de água professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

Os 10 lugares mais poluídos do planeta

Os 10 lugares mais poluídos do planeta Os 10 lugares mais poluídos do planeta O ranking da ONG ambiental Blacksmith Institute tem 300 cidades, mas o Top 10 é mesmo de assustar. Conheça o mapa da morte: SUMGAYIT, Azerbaijão População potencialmente

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

da contaminação da água

da contaminação da água Riscos à saúde humana decorrentes da contaminação da água Agnes Soares da Silva BIREME/PAHO/WHO São Paulo, 17 de SETEMBRO de 2009. Origem e determinantes gerais da contaminação Efluentes de grandes áreas

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água

Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água IV Diálogos de Saneamento Plano de Segurança da Água Painel: Os Municípios e os Planos de Segurança da Água Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água Dieter Wartchow dieterw@iph.ufrgs.br

Leia mais

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914)

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) MS 518 MS 2914 TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido CISA Cooperação Internacional do Semi-Árido Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 7 de Maio de 2009 Aspetos sanitários da qualidade da água Qual é a diferença dessas

Leia mais

mhtml:file://d:\documents%20and%20settings\jbrandao.insa\ambiente%20de%20...

mhtml:file://d:\documents%20and%20settings\jbrandao.insa\ambiente%20de%20... Página Web 1 de 7 Código 2.1 - ANÁLISE QUÍMICA 2.1.1 Análises por parâmetros Análises de Águas Designação Preço (Euros) Preparação e tratamento da amostra: 60001 - Filtração 5,00 60002 - Destilação 9,00

Leia mais

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS Soluções Tecnoecológicas com ozônio APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS A BrasilOzônio Localizada no CIETEC/USP Mais de 5 anos de pesquisa; Parcerias com especialistas e grandes centros tecnológicos do país como

Leia mais

VII-004 - USO DE PARASITAS COMO INDICADORES SANITÁRIOS PARA ANÁLISE DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REUSO

VII-004 - USO DE PARASITAS COMO INDICADORES SANITÁRIOS PARA ANÁLISE DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REUSO VII-004 - USO DE PARASITAS COMO INDICADORES SANITÁRIOS PARA ANÁLISE DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REUSO Silvana Audrá Cutolo (1) Bióloga Sanitarista. Mestre em Saúde Pública do Departamento de Saúde Ambiental

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Significado dos parâmetros incluídos na vertente analítica do Programa de Vigilância Sanitária da Água para Consumo Humano

Significado dos parâmetros incluídos na vertente analítica do Programa de Vigilância Sanitária da Água para Consumo Humano Significado dos parâmetros incluídos na vertente analítica do Programa de Vigilância Sanitária da Água para Consumo Humano Tabela 1 Parâmetros, respectivo valor paramétrico (de acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

Abastecimento e Tratamento de água

Abastecimento e Tratamento de água PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE Abastecimento e Tratamento de água Prof. Dr. Eduardo Luiz de Oliveira 1 Abastecimento e Tratamento de água. ƒ ƒ ƒ A água é o melhor solvente que se conhece. Nela encontramos um

Leia mais

Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS

Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS Tema Gestão na implantação da Identificação e Contagem de Cianobactérias na URCQA/PE 18 a 22 de março de 2013 Belo Horizonte BH Disponibilidade hídrica no Brasil 12% da água

Leia mais

Qualidade da água, vírus e mudanças climáticas globais

Qualidade da água, vírus e mudanças climáticas globais Mudanças Climáticas Globais e seus Impactos nos Recursos Hídricos do Brasil, São Carlos 23-25/02/2010 Qualidade da água, vírus e mudanças climáticas globais Fernando Spilki Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL e SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL e SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL e SAÚDE PÚBLICA ÁGUA e SAÚDE: ABORDAGENS DE UMA ÚNICA SAÚDE Responsável: Maria das Graças Cabral Pereira e André Kipnis Número de créditos e carga horária:

Leia mais

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL Prof. Camila Costa de Amorim INTRODUÇÃO Atividades humanas Utilização dos recursos naturais Consumo de Energia Geração de Efluentes Líquidos Geração de Poluentes Atmosféricos Geração

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

Aspectos relevantes na escolha. água para o CME. V Congresso Pan-Americano de Esterilização. e Controle de Infecção Hospitalar

Aspectos relevantes na escolha. água para o CME. V Congresso Pan-Americano de Esterilização. e Controle de Infecção Hospitalar V Congresso Pan-Americano de Esterilização VI Simpósio i Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar Aspectos relevantes na escolha do sistema de purificação de água para o CME SOBECC

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA PARA EDIFICAÇÕES E INDÚSTRIAS

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA PARA EDIFICAÇÕES E INDÚSTRIAS PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA PARA EDIFICAÇÕES E INDÚSTRIAS Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Universidade Federal de Pelotas Dept de Veterinária Preventiva Faculdade de Veterinária Disciplina de Saneamento Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Prof.

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Água, importância e tratamento

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Água, importância e tratamento Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

PROJETO: Caracterização de Lodo de Estações de Tratamento de Esgotos Municipais RELATÓRIO TÉCNICO

PROJETO: Caracterização de Lodo de Estações de Tratamento de Esgotos Municipais RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO: Caracterização de Lodo de Estações de Tratamento de Esgotos Municipais Contrato FEHIDRO nº 287/2005 CORHI 57 RELATÓRIO TÉCNICO CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA, PARASITOLÓGICA E ECOTOXICOLÓGICA

Leia mais

24/8/2013 ALIMENTOS ORGÂNICOS ALIMENTOS ORGÂNICOS

24/8/2013 ALIMENTOS ORGÂNICOS ALIMENTOS ORGÂNICOS TRANSGÊNICOS Os alimentos transgênicos são geneticamente modificados com o objetivo de melhorar a qualidade e aumentar a produção e a resistência às pragas. Pontos positivos - Aumento da produção - Maior

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

Água e Qualidade de Vida

Água e Qualidade de Vida Água e Qualidade de Vida Introdução Recurso natural de valor econômico, estratégico e social, essencial à existência e bem estar do homem e à manutenção dos ecossistemas do planeta, a água é um bem comum

Leia mais

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA Americana conta com duas unidades de captação e recalque que retiram do Rio Piracicaba cerca de 1000l/s de água e encaminham para o processo de tratamento no bairro Cordenonsi,

Leia mais

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL Luciana Vaz do Nascimento Marcos von Sperling (*) (*) Departamento de Engenharia Sanitária

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

UD 02: Tratamento de água

UD 02: Tratamento de água U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a EEL PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I UD 02: Tratamento de água Prof. Lucrécio Fábio Prof. Lucrécio Fábio

Leia mais

A EUTROFIZAÇÃO DAS NOSSAS ÁGUAS. Profa. Magnólia Fernandes Florêncio Araújo Ivaneide Alves Soares da Costa

A EUTROFIZAÇÃO DAS NOSSAS ÁGUAS. Profa. Magnólia Fernandes Florêncio Araújo Ivaneide Alves Soares da Costa A EUTROFIZAÇÃO DAS NOSSAS ÁGUAS Profa. Magnólia Fernandes Florêncio Araújo Ivaneide Alves Soares da Costa Revendo alguns conceitos básicos fundamentais... Nos ecossistemas, ocorrem interações alimentares

Leia mais

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos Rosa Helena Luchese, PhD Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: rhluche@ufrrj.br CONTAMINANTES DOS

Leia mais

Aplicação da técnica de PCR na pesquisa de bactérias patogénicas em biofilmes de condutas e reservatórios de água do sistema de distribuição da EPAL

Aplicação da técnica de PCR na pesquisa de bactérias patogénicas em biofilmes de condutas e reservatórios de água do sistema de distribuição da EPAL Aplicação da técnica de PCR na pesquisa de bactérias patogénicas em biofilmes de condutas e reservatórios de água do sistema de distribuição da EPAL Andreia Lúcia Campos dos Santos Ferreira Miguel Dissertação

Leia mais

RECURSOS OFERECIDOS POR FONTE 50% Ribeirão Pureza Ribeirão Pai João Córrego das Três Fontes Outros

RECURSOS OFERECIDOS POR FONTE 50% Ribeirão Pureza Ribeirão Pai João Córrego das Três Fontes Outros A água distribuída pelo SAAE de Itabira vem: Mananciais de superfície: Ribeirão da Pureza (ETA - Pureza) 55 % da cidade; Ribeirão Pai João (ETA Gatos) 25 % da cidade; Córrego das Três fontes (ETA Pará)

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Instituto Federal do Piauí Disciplina: Microbiologia dos alimentos Prof. Regiane Gonçalves. Gabriella Magalhães Gislayne Bianca Teresa Raquel Brito

Instituto Federal do Piauí Disciplina: Microbiologia dos alimentos Prof. Regiane Gonçalves. Gabriella Magalhães Gislayne Bianca Teresa Raquel Brito Instituto Federal do Piauí Disciplina: Microbiologia dos alimentos Prof. Regiane Gonçalves Gabriella Magalhães Gislayne Bianca Teresa Raquel Brito BIORREMEDIAÇÃO Aspectos gerais e aplicação O que é Biorremediação?

Leia mais

Tratamento e consumo de água

Tratamento e consumo de água Tratamento e consumo de água Disponibilidade e tratamento de água através da história. Problemas de contaminação por substâncias químicas A cada ano, no dia 22 de março, celebra-se o Dia Mundial da Água.

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto

Departamento de Água e Esgoto RELATÓRIO DE QUALIDADE DA ÁGUA ANO DE REFERÊNCIA: 2.006 DECRETO FEDERAL Nº 5.440 DE 04 DE MAIO DE 2.005 Em cumprimento ao disposto no Decreto Federal nº 5.440/05 que estabelece os procedimentos para a

Leia mais

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água)

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 1º período de 2013 LEMBRETES Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF Dicas para

Leia mais

Experiência na Implementação de Medidas de Controle em Ambientes de Trabalho de Marmorarias. Érica Lui Reinhardt

Experiência na Implementação de Medidas de Controle em Ambientes de Trabalho de Marmorarias. Érica Lui Reinhardt Experiência na Implementação de Medidas de Controle em Ambientes de Trabalho de Marmorarias Érica Lui Reinhardt Pesquisas da Fundacentro Exposição ocupacional àsílica e silicoseentre os trabalhadores de

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Divulgação de informações ao consumidor sobre qualidade de água para consumo humano

Divulgação de informações ao consumidor sobre qualidade de água para consumo humano Divulgação de informações ao consumidor sobre qualidade de água para consumo humano Diretoria de Operações Gerência Téc. de Garantia de Qualidade de Água (GTGQA) SAAE JACAREÍ Abril 2015 Divulgação de informações

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Cartilha informativa

Cartilha informativa Cartilha informativa CONSTRUINDO A CIDADANIA A necessidade de estabelecer a relação entre cidadania e meio ambiente está expressa no direito do indivíduo ter um meio ambiente saudável e no dever que cada

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

Preserve a água e a vida

Preserve a água e a vida Preserve a água e a vida Informações básicas sobre a preservação dos recursos hídricos A consciência de toda sociedade sobre a importância da conservação dos recursos hídricos é fator imprescindível em

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES www.comambio.com.br Bióloga Resp.: HANY SAHLE - CRBIO 43312/01-D COMAM BIORREMEDIAÇÃO EMPRESA - COMAM Industria, Comercio e Serviços

Leia mais

BIOINDICADORES AMBIENTAIS

BIOINDICADORES AMBIENTAIS Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOINDICADORES AMBIENTAIS Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 30 2. Carga horária

Leia mais

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Juliano de Oliveira Nunes 1,2 Leonardo Galetto 1,2 Resumo O tratamento de água, é de

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

UFES/CT/DEA Prof. Jair Casagrande. Sistemas de Abastecimento de Água

UFES/CT/DEA Prof. Jair Casagrande. Sistemas de Abastecimento de Água UFES/CT/DEA Prof. Jair Casagrande Sistemas de Abastecimento de Água ÁGUA: ASPECTOS QUALITATIVOS E MARCOS REGULATÓRIOS E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO Adaptado de: UNIR - Universidade Federal de Rondônia Departamento

Leia mais

ISSN 1808-9992 Maio, 2007. Qualidade da Água para Consumo Humano

ISSN 1808-9992 Maio, 2007. Qualidade da Água para Consumo Humano on line ISSN 1808-9992 Maio, 2007 196 Qualidade da Água para Consumo Humano ISSN 1808-9992 Maio, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Semi-Árido Ministério da Agricultura, pecuária

Leia mais

CESAN TRATAMENTO DE ESGOTO

CESAN TRATAMENTO DE ESGOTO www.cesan.com.br 1 CESAN TRATAMENTO DE ESGOTO 2 Lei 11.445 de 2007 Art. 1 o Esta Lei estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico e para a política federal de saneamento básico. 3 O QUE

Leia mais

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO,

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO, JohnsonDiversey SAFE BIO C 520 Remediador para Estação de Tratamento de Efluentes em geral e com a Presença de Contaminantes Tóxicos. Indicado para indústrias em geral. Descrição: Benefícios: Este produto

Leia mais

Utilização de piscinas Riscos e medidas de controlo

Utilização de piscinas Riscos e medidas de controlo Utilização de piscinas Riscos e medidas de controlo Vítor Martins Divisão de Saúde Ambiental e Ocupacional Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde Direção-Geral da Saúde Caparica,

Leia mais