UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS NILLO GABRIEL ALVES DE ARAUJO APLICAÇÃO DE GRÁFICOS DE CONTROLE PARA MONITORAMENTO ESTATÍSTICO DA TURBIDEZ DA ÁGUA POTÁVEL JOINVILLE SC 2010

2 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS NILLO GABRIEL ALVES DE ARAUJO APLICAÇÃO DE GRÁFICOS DE CONTROLE PARA MONITORAMENTO ESTATÍSTICO DA TURBIDEZ DA ÁGUA POTÁVEL Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina como requisito parcial para obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Orientador: Msc. Leandro Zvirtes Coorientadora: Dra. Elisa Henning JOINVILLE SC 2010

3 2 NILLO GABRIEL ALVES DE ARAUJO APLICAÇÃO DE GRÁFICOS DE CONTROLE PARA MONITORAMENTO ESTATÍSTICO DA TURBIDEZ DA ÁGUA POTÁVEL Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Msc. Leandro Zvirtes Membro: Msc. Elisa Henning Membro: Dr. Custódio Cunha Alves Joinville - SC, 25 de Outubro de 2010.

4 3 A minha família e amigos que me apoiaram, me educaram, em todos os momentos da minha vida.

5 4 AGRADECIMENTOS Aos meu pais, Célio Alves de Araujo Júnior e Marileide Carmona Alves de Araujo, por todas as oportunidades que eles me proporcionaram, pela dedicação, pelo carinho. As minhas irmãs, Ninna Mari Alves de Araujo e Níddia Mari Alves de Araujo, pelo apoio, por acreditarem no meu potencial, pelo carinho e dedicação. Aos meus avós, Manoel Carmona e Maria Inês Spinelli Carmona, Célio Alves de Araujo e Benedicta Josepha de Araujo. A Todos meus tios, tias e primos que estão presente diariamente na minha vida. A todos meus amigos, em especial a Bruna Fistarol, Fábio Nunes Zanella, Fernando Silveira Oliveira, Nelson Pereira Junior e Priscila Amaral Wernke, que me acompanharam durante esses 4 anos e meio de faculdade, pela lealdade e pelo companheirismo. A todos os colegas de trabalho do Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas, professores e bolsistas, a Elisa Henning e Custodio da Cunha Alves companheiros de pesquisa. A um mestre em especial, Leandro Zvirtes, que foi muito mais que um colega de trabalho, muito mais que um professor, foi um amigo, que me ensinou coisas muito além do que vemos em livros, artigos, dissertações, teses. A Universidade do Estado de Santa Catarina que me recepcionou muito bem, e me equipou com todas as armas e ferramentas intelectuais, para ir ao encontro do sucesso. E por último, mas não menos importante, a Deus, por ter me proporcionado saúde, uma família que me ama e acredita em mim, professores que me ensinam e amigos que zelam por mim.

6 5 NILLO GABRIEL ALVES DE ARAUJO APLICAÇÃO DE GRÁFICOS DE CONTROLE PARA MONITORAMENTO ESTATÍSTICO DA TURBIDEZ DA ÁGUA POTÁVEL RESUMO O mercado atual exige que as empresas forneçam produtos e serviços de qualidade. Para isso elas vêm buscando técnicas capazes de permitir um controle e gerenciamento da qualidade de seus serviços. Esta pesquisa surgiu da necessidade de controlar algumas variáveis que garantem a qualidade da água distribuída na cidade de Joinville. Os parâmetros devem atender a legislação vigente, que estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano. O trabalho tem por objetivo principal apresentar uma proposta de monitoramento do processo de turbidez da água, com auxilio de ferramentas de Controle Estatístico de Processos (CEP). Para o monitoramento deste processo aplicou-se os gráficos de controle do tipo Shewhart, Soma Acumulada (CUSUM) e de Média Móvel Exponencialmente Ponderada (EWMA). A pesquisa está dividida em três fases que incluem: a verificação das suposições de normalidade e autocorrelação das amostras, a remoção da autocorrelação entre as amostras aplicando gráficos de controle aos resíduos gerados por um modelo ARIMA e finalmente o monitoramento estatístico com os resíduos deste modelo. Ao término dessas fases é possível verificar igualmente para os três tipos de gráficos que sem o tratamento da autocorrelação, a ocorrência muitos alarmes falsos. Os resultados obtidos com a aplicação destes gráficos de controle para o monitoramento deste processo foram similares. No entanto, é importante ressaltar que nos gráficos CUSUM e EWMA é possível verificar uma tendência de aumento ou redução do nível da turbidez. Os três gráficos de controle e o modelo ARIMA para os dados deste processo foram desenvolvidos em ambiente do software livre GNU R. Com este trabalho conclui-se que o monitoramento da turbidez é essencial por gerar benefícios à companhia, uma vez que passa considerar os limites de controle calculados estatisticamente, além dos limites atualmente especificados. A partir do controle estatístico passa-se a avaliar a estabilidade do processo. Além disso, com os resultados obtidos a Águas de Joinville poderá estabelecer ações preventivas ou corretivas capazes de melhorar o processo de tratamento da água. PALAVRAS-CHAVE: Controle Estatístico de Processo, CUSUM, EWMA, Dados Autocorrelacionados, Turbidez Shewhart,

7 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1:O modelo dos 5 GAPS Figura 2:Vazão do Rio Nilo Figura 3 Distribuição Normal Q-QPlot Figura 4: Fluxograma com os passos que foram utilizados para a aplicação do controle estatístico nos dados de turbidez Figura 5:Q-QPlot Dados Originais Figura 6: Gráfico ACF e PACF Dados Originais Figura 7:Gráfico de Shewhart para Observações Individuais Figura 8: Gráfico CUSUM Figura 9: Gráfico EWMA Figura 10: Gráfico Q-QPlot Resíduos Figura 11: Funções ACF e PACF Resíduos Figura 12:Gráfico de Shewhart para Observações Individuais Resíduos Figura 13: Gráfico CUSUM Resíduos Figura 14: Gráfico EWMA Resíduos Figura 15: Gráfico de Shewhart para Observações Individuais Monitoramento Figura 16: Gráfico CUSUM Monitoramento Figura 17: Gráfico EWMA Monitoramento... 43

8 7 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Turbidez da Água Tabela 2: Erros Médios Tabela 3: Resíduos... 36

9 8 LISTA DE ABREVIATURAS ACF Função de Autocorrelação ARIMA Autoregressivos Integrados de Médias Móveis ARL - Average Run Length AIC - Akaike Information Criteria CEP Controle Estatístico de Processos CUSUM Cumulative Sum (Soma Acumulada) ETA Estação de Tratamento de Água EWMA Exponentially Weighted Moving Average (Média Móvel Exponencialmente Ponderada) MAE Erro Médio Absoluto MAPE Erro Percentual Médio MASE Erro Médio de Escala Absoluta ME Erro Médio MPE Erro Percentual Médio NBR Norma Brasileira de Regulamentação PACF Função de Autocorrelação Parcial RMSE Erro Médio Quadrado QCC Quality Control Charts (Gráficos de Controle da Qualidade)

10 9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Fundamentação Teórica QUALIDADE QUALIDADE NO SETOR DE SERVIÇOS Qualidade no Setor de Serviço Público Controle Estatístico de ProcessoS GRÁFICOS de Controle CUSUM e EWMA CUSUM (Gráfico de Soma Acumulada) EWMA (Gráfico de Média Móvel Exponencialmente Ponderada) Suposições DE AUTOCORRELAÇÃO E NORMALIDADE Autocorrelação Normalidade Metodologia Estudo de caso Apresentação da empresa Estrutura da empresa Controle da Turbidez Amostras Verificação das suposições ARIMA Gráfico de Shewhart Aplicado nos Residuos Gráfico CUSUM Aplicado nos Resíduos Aplicação do Gráfico EWMA nos Resíduos Resultados Monitoramento Estatístico de Processo Considerações Finais REFERÊNCIAS... 48

11 10 1. INTRODUÇÃO Atualmente convivemos com a preocupação de crescermos com sustentabilidade, buscando atingir nossos objetivos sem prejudicar a natureza. Portanto, devemos estar preparados para utilizar os recursos disponíveis sem agredir o ambiente em que vivemos. Este trabalho mostra como aplicar conhecimento da estatística e da engenharia de produção no meio ambiente. Através de dados cedidos pela companhia Águas de Joinville, busca quantificar o nível de turbidez da água, em uma das estações de tratamento localizada em Joinville - ETA-Cubatão, o trabalho analisa através de gráficos de controle estatístico CUSUM, soma acumulada (cumulative sum), EWMA, média móvel exponencialmente ponderada (exponentially weighted moving average) e de Shewhart para observações individuais, monitorando assim a respectiva variável. Turbidez é o estado em que a água se encontra, causado pela presença de partículas em suspensão, ou seja, sólidos suspensos, finamente divididos ou em estado coloidal, e de organismos microscópicos. (NBR9896/1993) Por se tratar da qualidade da água consumida pela população, há a necessidade de uma resposta rápida quando há um desvio, por menor que seja, para que a água não seja distribuída em más condições. Neste caso, a utilização de gráficos CUSUM e EWMA são ideais, pois esses oferecem maior sensibilidade a pequenos e moderados desvios na média de um processo que passam despercebidos pelo gráfico do tipo Shewhart. Esta pesquisa utiliza os conceitos de controle estatístico de processo (CEP), para a análise estatística dos níveis de turbidez na água potável distribuída em Joinville e propõe uma forma de realizar através destes gráficos o monitoramento dessa variável. De acordo com a portaria nº 518, de 25 de março de dois mil e quatro, que estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano, ficou estabelecido no artigo doze parágrafo um que o limite máximo de turbidez para qualquer amostra pontual deve ser de cinco Unidades de Turbidez (UT), assegurado, simultaneamente, o atendimento ao valor máximo permitido em qualquer ponto da rede no sistema de distribuição. No parágrafo três, da mesma portaria, é mencionado que o atendimento ao percentual de aceitação do limite de turbidez deve ser verificado, mensalmente, com base em amostras no mínimo diárias. (http://www.saude.ba.gov.br/divisa/arquivos/legislacao/portaria_ms_ pdf - visitado dia 10/08/2010 as 16:05)

12 11 O objetivo geral do presente estudo é direcionado para atender os requisitos da portaria nº 518 e aos requisitos dos clientes. A meta é apresentar uma proposta para o monitoramento da turbidez da água potável distribuída em Joinville, utilizando corretamente os métodos de gráficos de controle estatístico. Os objetivos específicos do mesmo são: Demonstrar a importância da verificação das suposições de autocorrelação e independência das amostras. Realizar o monitoramento do nível de turbidez da água através do Controle Estatístico de Processo; Comparar a sensibilidade existente entre os gráficos de controle do tipo Shewhart, CUSUM e EWMA na detecção de pequenas mudanças na turbidez da água; Analisar estatisticamente os gráficos e verificar se realmente estão dentro das especificações imposta pela norma; Utilizar adequadamente gráficos de controle estatísticos considerados mais sensíveis a pequenos e médios desvios; Atender a norma nº 518, de vinte e cinco de março de dois mil e quatro, que estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano; Para melhor atender a comunidade usuária de serviços de abastecimento de água vemse investindo, mesmo que timidamente na modernização dos métodos de gestão para com isso melhor atender as necessidades urbanas locais, estabelecendo, sempre que possível, parcerias com o setor privado e universidades. O monitoramento estatístico da turbidez da água potável proposto neste trabalho justifica-se pela preocupação atual com saneamento básico. Neste investimento estima-se que para cada real investido possa ser economizado quatro reais na área de medicina curativa, ou seja, ao detectarmos qualquer tipo de problema na água estaremos prevenindo doenças como infecções na pele e nos olhos como o tracoma e o tifo.

13 12 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 QUALIDADE Foi no período pós segunda guerra, no Japão, em que o controle da qualidade total começou a ser difundido. Os anos se passaram a qualidade foi definida de várias formas, de acordo com Juran 1992 qualidade é adequação ao uso, já Crosby 1992 diz que é conformidade com os requisitos, segundo Deming 1990 qualidade é a satisfação das necessidades do cliente em primeiro lugar, todas as definições estão corretas já que todas essas têm como objetivo, atender as vontades do cliente. Hoje qualidade assumiu um enfoque que David Garvin fixou há muitos anos atrás uma visão transcendental, ou seja, a qualidade não está apenas no processo produtivo, no método de trabalho, no produto em si ou no serviço prestado; vai além de tudo isso, atualmente exemplos como respeito ao meio ambiente e a responsabilidade social são requisitos de qualidade para todos os clientes. (CARVALHO,2005). Na atualidade, qualidade é um diferencial para a competitividade no mercado. Segundo Campos(1999) ser competitivo é possuir maior produtividade que seus concorrentes e a sobrevivência de sua empresa decorre da competitividade, essa decorre da produtividade e a produtividade é conseqüência da qualidade de seus produtos ou serviços. A qualidade possui uma grande influência sobre a satisfação ou insatisfação do cliente, produtos e serviços de boa qualidade trazem alta satisfação do consumidor e, ainda, aumentam a probabilidade do cliente retornar (SLACK, 2002), logo a manutenção de níveis aceitáveis de satisfação do consumidor, com a qualidade de seus produtos e serviços, hoje, é de suma importância para o crescimento, a saúde e a viabilidade econômica da empresa. 2.2 QUALIDADE NO SETOR DE SERVIÇOS A participação do setor de serviços na economia vem aumentando nas ultimas décadas, a contribuição do terceiro setor no PIB mundial é crescente, além disso observa-se que o número de empregos gerados no setor de serviços cresce a taxas maiores do que os demais setores da economia. (CARVALHO,2005) De acordo com a NBR ISO9004-2, serviço é um resultado gerado por atividades na interface entre fornecedor e cliente e por atividades internas do fornecedor para atender às necessidades do consumidor.

14 13 Hoje é possível afirmar que não só o terceiro setor está focado na qualidade do serviço, o primeiro e o segundo setor, vêm agregando um diferencial no seu produto por meio de serviços, se aproximando assim mais dos clientes, reconhecendo as verdadeiras necessidades e descobrindo qual é o real valor do seu produto aos olhos do consumidor, influenciando a formação das expectativas do cliente. Os fatores que influenciam a expectativa do cliente são: a comunicação boca a boca, acontece quando uma pessoa fica satisfeita com o serviço realizado e conta para amigos e parentes sobre esta experiência, necessidades pessoais, quando um consumidor procura um prestador de serviço espera que a necessidade seja satisfeita, experiência anterior, a expectativa do cliente é influenciada por suas experiências passadas, exemplo, se você foi bem tratado em um restaurante você estabelece um padrão de atendimento que usará inconscientemente como referência para o mesmo restaurante e para outros também, comunicação externa, neste caso é a divulgação em rádios, televisão ou em qualquer outro instrumento de comunicação. A qualidade do serviço pode ser medida de acordo com uma formula bem simples, Qualidade do serviço é igual ao Serviço Prestado, menos, o Serviço Esperado, na avaliação da qualidade de serviço deve-se levar em consideração se a necessidade inicialmente imposta pelo cliente foi atendida.(carvalho,2005) Existe um modelo de avaliação da qualidade em serviço que são os 5 GAPS, este modelo é dividido em duas partes uma inclui os fenômenos relacionados ao cliente e a outra fenômeno relacionados ao prestador de serviço, este modelo apresenta cinco discrepâncias que são os chamados GAPS da qualidade, esses são resultado das inconsistências no processo da gestão da qualidade. (GRONROOS, 1995, apud CARVALHO,2005) Os cinco gaps são: GAP1 - Falha na comparação da expectativa dos clientes sobre os serviços e na percepção dos gestores sobre as expectativas dos clientes. GAP 2 - Falha na comparação entre as especificações da qualidade do serviço e as percepções dos gestores sobre as expectativas do cliente. GAP 3 Falha na comparação entre o serviço prestado e as especificações de qualidade dos serviços. GAP 4 Falha na comparação entre o serviço prestado e a comunicação com clientes. GAP 5 - Falha na comparação entre o serviço percebido e a expectativa do serviço.

15 14 A figura a seguir demonstra o modelo dos 5 GAPS.(adaptado de Parasuraman,1990 apud CARVALHO,2005) Figura 1: O modelo dos 5 GAPS. Fonte: Parasuraman,1990 apud CARVALHO, QUALIDADE NO SETOR DE SERVIÇO PÚBLICO Algumas experiências de gestão da qualidade no setor público, realizadas nos Estados Unidos mostraram que: aparentemente, as ferramentas e a gestão da qualidade total podem ser aplicadas com poucas restrições em repartições públicas. A implantação de programas da qualidade no setor público é mais complexa que aplicar em empresas, a necessidade de resultados de curto prazo, a postura de confronto entre

16 15 governos e oposições são fatores que atuam contra a qualidade. Assim a enorme falta de controle do governo faz com que a qualidade total sobreviva de forma restrita e localizada, porém, alguns resultados mostraram que a gestão da qualidade em serviços públicos é viável. (MAIN, 1994 apud PALADINI,2009) As conclusões mostradas acima não entram em confronto com a realidade brasileira, apesar de essa realidade possuir algumas características que requerem uma análise mais detalhada e devem ser consideradas antes de definir um modelo de Gestão da Qualidade para o setor, exemplos dessas características são: o tradicional descaso com a coisa pública, a falta de qualificação do pessoal, os baixos salários, além da estabilidade do servidor público, essa prática é nociva, um entrave à gestão da qualidade. (PALDINI, 2009) Já Santos (2007) em sua dissertação afirma que a qualidade deve ser objetivo de todos os envolvidos com a produção e comercialização de um bem ou serviço, bem como a preocupação com a satisfação do cliente, que por sua vez é referenciado pelo cumprimento das normas técnicas indicadas pelo produto ou serviço. Atualmente podemos encontrar diversas aplicações dos métodos de controle estatístico de processo bem sucedidas no setor industrial. Por outro lado, os princípios desse método, não afirmam que a aplicação do mesmo no setor de serviços seja inviável, conseqüentemente, há muitas aplicações de gráficos de controle estatístico em ambientes não industriais. A aplicação do CEP no terceiro setor requer, as vezes, mais criatividade do que a normalmente exigida para aplicações industriais típicas. Isso pode ser explicado pelo fato da maior parte das operações não industriais não terem um sistema de medida que permita ao analista definir qualidade com facilidade. (MONTGOMERY, 2004) 2.4 CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS Qualidade sempre foi parte integrante de quase todos os produtos e serviços, mas a conscientização de sua importância e a introdução de métodos de controle e melhoria da qualidade têm tido um desenvolvimento evolutivo. Os métodos estatísticos e sua aplicação na melhoria da qualidade têm uma longa história e começa formalmente em 1924 com Walter A. Shewhart, na Bell Telephone Laboratories onde foi desenvolvido o conceito estatístico de gráfico de controle. Durante a segunda guerra mundial houve uma grande expansão do uso e aceitação de controle estatístico

17 16 da qualidade, essa experiência de guerra tornou claro que as técnicas, eram necessárias para controlar e melhorar a qualidade do produto. As décadas de cinqüenta e sessenta testemunharam a emergência da engenharia da confiabilidade, o lançamento de vários livros textos em controle da qualidade e a nova visão de que a qualidade é o caminho para se gerenciar uma organização. A partir de 1980 o uso de métodos estatísticos para melhoria da qualidade no mundo só aumentou, as grandes perdas de negócios e mercados, o aumento da concorrência estrangeira colaboraram para o aumento do uso desses métodos, pois além de um diferencial de competividade esses métodos se tornaram uma obrigação para a sobrevivência da empresa. (MONTGOMERY, 2004) Atualmente podemos utilizar o CEP não apenas para processo de manufatura. É comum encontrarmos essa ferramenta sendo utilizada na administração, em clínicas químicas, no controle epidemiológico, na detecção de fraudes, nos cuidados com a saúde, na segurança, na gestão de pessoas, nas estações de tratamento de água e monitoramento de resíduos. Além desses é utilizado também em esportes, como atletismo, natação entre outras modalidades, na biologia, no meio ambiente, no estudo da genética, nas finanças e na aplicação da lei. (MORAIS & PACHECO, 2006) Falando diretamente sobre CEP em uma linha de produção, temos a sensação de que todas as unidades produzidas são iguais, mas olhando cuidadosamente percebemos que elas não são tão iguais. Todo processo, por mais bem projetado e por mais bem controlado que seja, possui uma variabilidade natural inerente a todo e qualquer processo e é impossível de ser eliminado, são pequenas perturbações, causas aleatórias, contra as quais pouco ou nada se pode fazer, é uma variabilidade inevitável no qual precisamos conviver. (COSTA, 2004) Segundo Samohyl (2009), a qualidade de produto é assegurada quanto menor for a variabilidade nas características dos produtos e nos procedimentos, com a aplicação de ferramentas do controle estatístico de processo podemos melhorar os processos da fábrica continuamente no sentido de reduzir custos e elaborar produtos com alto nível de qualidade. Quando um gerente de produção mede e analisa as características de uma linha de produção ele tem em mente a melhoria do processo (Samohyl, 2009), pois de acordo com James Harrington 1993 o que não se mede não se controla, o que não se controla não se gerencia, se não gerencia não melhora, então, se não medir não haverá melhorias no produto, serviço ou processo. Por outro lado o CEP não trabalha sozinho, ele não irá saber onde se deve concentrar os esforços para melhorar o processo, pois é um método passivo, ele gera os dados e avisa

18 17 quando terá que agir sobre o processo. Assim trabalhando em conjunto com as pessoas o CEP pode ser uma ferramenta muito valiosa e poderá ajudar a identificar problemas, e reduzir custos da não qualidade. A utilização de gráficos de controle no CEP é de extrema importância, os gráficos são elementos visuais para o monitoramento dos produtos e processos, são através deles que rapidamente podemos identificar alterações desproporcionais, causas especiais, alertando sobre a necessidade de agir no processo. (SAMOHYL, 2009) Segundo Samohyl (2009) são três os tipos de causas, causa especial, causa estrutural e causa comum. Uma causa especial é um evento que ocorre ocasionalmente, em períodos irregulares, essas causas devem ser eliminadas ou reduzidas, os exemplos de causas especiais estão citados a seguir: Trovoada e relâmpago; Vento de uma janela deixada aberta; Funcionário intoxicado; Treinamento inadequado. A causa estrutural, assim como as causas especiais também podem ser eliminadas ou reduzidas, a diferença entre ela é que a causa estrutural ocorre periodicamente ou em função de outra variável relacionada com a causa identificada. A causa comum é relativamente pequena e ocorre em grande número afetando a variabilidade do processo. Apesar de ocorrer em grande quantidade esta variação é inerente ao processo e são praticamente inevitáveis, embora possam ser reduzidas. Exemplos de causas comuns: Vibração do maquinário Ruído Temperatura Umidade ambiente O estudo da variabilidade natural do processo é fundamental para a determinação de seus limites de controle, que é definido pelo processo e controlado pela empresa, esses limites devem ser menores que os limites de especificação e tem como objetivo estabelecer controles internos com menor tolerância, já os limites de especificação são definidos pelo mercado ou órgão regulador. (RODRIGUES, 2010) Segundo Alves (2003), o fator mais importante no controle de um processo é compreender o estado do mesmo com exatidão, interpretando o gráfico de controle e tomando

19 18 imediatamente ações apropriadas assim que houver um alerta de causa especial ou estrutural. De acordo com sua pesquisa, a implantação do controle estatístico de processo e a conseqüente redução da variabilidade geram uma redução nos custos de fabricação e uma elevação na produtividade, em conseqüência disso, há um aumento da capacidade de produção com pouco ou nenhum investimento adicional em equipamentos ou força de trabalho. Os objetivos dos gráficos de controle são monitorar o desempenho de um processo ao longo do tempo e identificar a presença de causas atribuíveis que pode afetar a qualidade da produção. Este dispositivo está entre os mais importantes e amplamente utilizados nas empresas. (MORAIS & PACHECO, 2006). Os gráficos de controle podem ser classificadas como gráficos de controle por variáveis e gráficos de controle por atributos. O mais utilizado hoje é o gráfico para variáveis (SAMOHYL, 2009). Esta carta geralmente é utilizada quando há um interesse na evolução de uma característica quantitativa continua. Ela monitora o valor médio com a carta, o desvio padrão com a carta S e a amplitude, carta R, entre as amostras, essas podem ser dividida em subgrupos ou utilizada como uma observação individual, sempre focando no objetivo de diminuir a variabilidade do processo. (SANTOS, 2007) O tamanho do subgrupo deve ser formado de acordo com a necessidade da empresa, quanto maior a amostragem maior a sensibilidade de produzir alarmes corretos, é fácil encontramos tamanhos de amostras igual a 4 e igual a 9, porém quanto mais amostras, maior será os gastos em tempo e recurso e maior a probabilidade de erro nas mensurações. Neste trabalho o tamanho do subgrupo é igual a um, esse tamanho de amostra é utilizado regularmente na indústria alimentar e química, para esse caso, com n=1, é usado gráficos de observações individuais. (SAMOHYL,2009) Os gráficos de controle para atributos são utilizados quando há um atributo do produto, este atributo pode ser, por exemplo, produto defeituoso ou não-defeituoso, os gráficos utilizados para o controle de atributos são: Carta P, que mede a fração entre produtos defeituosos e o total de itens produzidos, carta NP, muito similar a carta P, no entanto controla o numero de defeituosos dentro de um subgrupo, carta C, monitora o numero de defeito encontrado em um produto, ou seja, o tamanho da amostra é igual a um e a carta U, derivada da carta C, controla o número médio de defeitos nos produtos dentro de um subgrupo. (SANTOS, 20007) O desempenho de um gráfico de controle é comumente avaliado através de parâmetros relacionados com a distribuição do tempo necessário para o gráfico emitir um sinal verdadeiro

20 19 ou falso. Um dos parâmetros é o número médio de amostras coletadas até emissão de um sinal (ARL-Average Run Length). Em uma carta de controle o indica o número médio de amostras coletadas até a emissão de um sinal durante o período sob controle, enquanto o, representa o número médio de amostras coletadas até a emissão de um sinal que indique uma situação de fora de controle (ALVES & SAMOHYL, 2005). Os gráficos de controle tradicionais de Shewhart não possuem habilidade suficiente para detectar pequenas mudanças no processo, se reduzirmos a extensão do limites de controle para menos de 3σ o número de alarmes falsos pode aumentar perdendo a credibilidade do monitoramento. Montgomery (2004) sugere que para gráficos de controle para medidas individuais sejam utilizados gráficos mais robustos, como por exemplo, CUSUM e EWMA. (ALVES, 2003) 2.5 GRÁFICOS DE CONTROLE CUSUM E EWMA O gráfico de controle de Soma Acumulada (CUSUM) foi proposto primeiramente por Page, em 1954, já o de Média Móvel Exponencialmente Ponderada (EWMA) foi desenvolvido pela primeira vez no ano de 1959 por Roberts. Atualmente os dois estão sendo difundidos e estudados por muitos outros pesquisadores. (MONTGOMERY,2004). Estes gráficos são um aprimoramento do gráfico de Shewhart, e são usados para detectarem mais rapidamente as alterações nos processos e errar menos quando os processo são realmente estáveis. (SAMOHYL,2009) Morais&Pacheco (2006) argumentam que os gráficos de Shewhart utilizam uma única informação, essa dada pelo último valor observado. Enfatizam também, que ignorar qualquer outra informação que possa estar contida anteriormente é uma séria limitação encontrada nesse tipo de gráfico tornando-os não eficazes na detecção de pequenas e médias mudanças no processo. Montgomery (2004) salienta que o gráfico de Shewhart para médias é muito eficaz se o tamanho da mudança é de 1,5σ a 2σ ou mais, para pequenas alterações, ele não é eficaz, ou seja, os gráficos CUSUM e EWMA são uma alternativa quando seu processo está estável, com pequenas mudanças. Esses dois tipos de gráficos auxiliam na tomada de decisão, pois baseiam-se nos resultados apresentados por um certo número de amostras, e não em observações isoladas de amostras, ou seja, a análise deste gráfico é em função do resultado atual e dos resultados anteriores. (ALVES, 2003)

21 20 Alves (2003) afirma também que esses tipos gráficos de controle são muito eficazes para amostras seqüenciais de tamanho n=1, ou seja, são indicadas para onde o monitoramento dos processos são feitos mediante a observações individuais. Os procedimentos destes gráficos proporcionam um controle mais rigoroso, o que permite ao analista dar mais ênfase em mantê-lo mais centrados em seu valor nominal, e análogo a outros gráficos de controle, ao alerta de que um processo esteja fora de controle, uma ação deverá ser tomada para não serem produzidos itens não-conformes. (Lucas, 1986 apud Alves, 2003) 2.6 CUSUM (GRÁFICO DE SOMA ACUMULADA) Como já citado acima, o gráfico de soma acumulada utiliza diversas amostras para decidir sobre o processo conforme as observações são feitas, os desvios da média em relação ao valor alvo são acumulados, gerando : (COSTA, 2004) (1) onde é a média da j-ésima amostra de tamanho n 1 e é o valor alvo, no caso deste trabalho o valor alvo, deve estar de acordo com as normas estabelecidas pelo país ou por alguma outra norma específica, de acordo com a portaria vigente do Ministério da Saúde, o valor máximo permitido na saída da Estação de Tratamento de Água é de 1 UT e para rede de distribuição é de 5 UT. A média permanecerá ajustada no alvo enquanto os desvios positivos ( > ) forem compensados pelos negativos ( ) oscilando de forma aleatória em torno do zero, mas se houver uma alteração desta média, aumentando ou diminuindo, o crescerá ou diminuirá indefinidamente. (COSTA, 2004) Segundo Montgomery (2004) existe duas formas de representar os CUSUMs, o CUSUM tabular ou algorítmico, e a forma máscara V do CUSUM. Dessas duas representações, a tabular é preferível, e será explanada a seguir. O CUSUM tabular funciona acumulando desvios de que estão acima e abaixo do alvo, com uma estatística e que são chamadas de CUSUMs unilaterais superior e inferior e são calculadas da seguinte forma:

22 21 (2) (3) Onde = =0 e K é chamado de valor referência, e é escolhido entre o valor-alvo e o valor da média fora de controle que estamos interessados em detectar rapidamente. Desta forma, se a mudança é expressa em unidades de desvio padrão como, então K é a metade da magnitude da mudança. (4) Se o ou ultrapassar o intervalo de decisão H, o processo será considerado fora de controle. (MONTGOMERY, 2004) Pra um melhor desempenho do gráfico de soma acumulada o autor recomenda que seja utilizado um valor de K igual a 0,5 vezes o valor do desvio padrão (σ) e o H como quatro ou cinco vezes o valor do desvio padrão (σ). Isto se justifica, pois se utilizarmos esses respectivos valores, o CUSUM apresentará boas propriedades do ARL contra uma mudança de cerca de 1σ na média do processo. 2.7 EWMA (GRÁFICO DE MÉDIA MÓVEL EXPONENCIALMENTE PONDERADA) Crowder (1989) relatou que o EWMA pode ser distinguido ser usado com dois objetivos, um deles é para parte de previsão e o outro é para o monitoramento do processo O desempenho do gráfico de Média Móvel Exponencialmente Ponderada (EWMA) é muito parecido com o CUSUM e também é bastante utilizado para observações individuais, uma das principais diferenças entre eles é que o primeiro é mais fácil de estabelecer e operar. (MONTGOMERY,2004) Outra diferença apontada pelo mesmo autor é que EWMA da peso maior pra informações mais atualizadas e peso menor para informações mais antigas. O gráfico de média móvel exponencialmente ponderada é definido como: (5)

23 22 Onde é o valor observado mais recentemente, λ é o parâmetro que pondera a combinação e encontra-se entre 0 e 1 e o valor inicial é o alvo do processo, de modo que: (6) Por ser um gráfico que utiliza uma média ponderada de todas as amostras passadas e correntes, o mesmo é insensível à hipótese de normalidade, tornando-se uma carta ideal para ser usada com observações individuais. Supondo que as observações são variáveis aleatórias independentes com variância, então a variância de é (7) Podemos concluir então que o gráfico de controle EWMA pode ser construído pela plotagem de versus o numero de amostras i (ou tempo). Da mesma forma, como no CUSUM, para aumentarmos a eficiência do gráfico EWMA é possível escolhermos os parâmetros L e λ, onde L é a largura dos limites de controle, dessa forma podemos aproximar o desempenho do ARL do EWMA, com o ARL do CUSUM. Para o cálculo do limites de controle é usada a seguinte equação: (8) (9) Linha central= (10) Em geral, valores de λ no intervalo funcionam muito bem na prática, quanto menor for o λ mais fácil será para detectar pequenas mudanças no processo, usualmente é utilizado λ=0,05, λ=0,1 ou λ=0,20. Para o parâmetro L é freqüente ser usado igual a três (os limites três - sigmas usuais). (MONTGOMERY, 2004)

24 SUPOSIÇÕES DE AUTOCORRELAÇÃO E NORMALIDADE Pra ser possível a utilização de qualquer tipo de gráfico de controle duas suposições devem ser validadas, partindo-se da situação do processo para o CEP. A primeira suposição é a da independência das amostras, ou seja, as amostras não devem apresentar nenhum tipo de correlação. A segunda é a de que os dados de processo seguem uma distribuição normal com média μ e desvio padrão σ. (MONTGOMERY, 2004). Essas suposições são demonstradas nas seções seguintes, e Autocorrelação Para utilizar um gráfico de controle é necessário que as observações de interesse sejam independentes e normalmente distribuídas. (COSTA, 2004; MONTGOMERY, 2004; SAMOHYL, 2009) Na visão de Montgomery (2004) a suposição mais importante aos gráficos de controle é a independência das observações, pois mesmo que a suposição de normalidade seja violada em grau moderado esses gráficos ainda funcionam bem, ao contrario de quando o fundamento de independência das amostras é quebrado. Quando os valores da característica da qualidade possuem algum grau autocorrelação, mesmo que pequeno, a probabilidade de uma observação cair fora do limites de controle, mesmo com o processo sob controle, aumenta e compromete a credibilidade desta ferramenta, pela ocorrência elevada de alarmes falsos. Atualmente as empresas dificilmente verificam estas suposições antes de implantar o CEP, elas utilizam os gráficos de controle estatístico muitas vezes de forma errônea, não aproveitando os benefícios que essa ferramenta pode trazer. Vale ressaltar que em medições cujas observações são feitas em um curto espaço de tempo e com elevado grau de automação, as chances desses valores serem autocorrelacionados multiplica-se, ratificando a importância da análise da distribuição das amostras e sua independência. O coeficiente de correlação é uma ferramenta simples, mas muito importante para estimar o grau de relacionamento linear entre variáveis normalmente distribuídas, o coeficiente de autocorrelação tem uma forma muito parecida, mas é para uma única variável em defasagem, um exemplo de autocorrelação, em períodos de inflação desregulada a taxa de um mês é correlacionado taxa do mês seguinte, Encontra-se esse tipo correlação em muitas

25 24 características de fabricação como desgaste de bitola em um período de tempo, a temperatura de bateladas, entre outras. (SAMOHYL, 2009) Podemos medir a autocorrelação ao longo de uma série de observações orientadas no tempo, que se chama serie temporal e será estudada a seguir, pela seguinte função autocorrelação: (MONTGOMERY, 2004) (11) Onde é a observação separada por k períodos de tempo e a variância constante é dada por. Em geral, estimamos os valores de com a função de autocorrelação demonstrada abaixo: (MONTGOMERY, 2004) (12) Onde é a observação ou a media dos subgrupos no tempo t, é a média das amostras e k= 0,1,2,3,4... A figura 2 mostra a autocorrelação dos valores da vazão do Rio Nilo em um período de tempo onde as linhas tracejadas no gráfico significam são os limites de dois desvios padrão para o parâmetro autocorrelação para a defasagem (lag) k. Se formos analisarmos a figura 2 podemos ver que a defasagem 1 é aproximadamente 0,5, Um valor é como este é muito elevado e certamente causaria serias distorções no desempenho do gráfico de controle.

26 ACF Series Nile Lag Figura 2:Vazão do Rio Nilo Fonte: Software R Montgomery (2004) destaca também que para contornar o problema da autocorrelação podemos utilizar uma amostragem menos freqüente, mas isso pode causar um aumento no tempo para detectar uma variação real do processo. Existe também, outros dois princípios básicos para lidar com autocorrelação e têm sido estudado e aplicado no CEP. Na primeira abordagem são usados os dados originais, mas devem-se ajustar os limites de controle para absorver a autocorrelação, é o chamado alargamento dos limites. A segunda defende uma abordagem de plotagem dos resíduos do modelo de serie temporal no gráfico de controle padrão. Esse modelo será usado neste trabalho. (Reynolds e Stoumbos, 2000) Box & Jenkins (1976) afirmam que a serie temporal é uma realização particular de um processo estocástico gerado pela passagem sucessiva de um processo ruído branco em uma sequência de dois filtros lineares, um estável e outro instável. Quando se tem uma série nãoestacionária é necessário torná-la, para isto, uma das formas é utilizar o método da diferenciação discreta. (RUSSO; CAMARGO; PRIESNITZ, 2007) Um modelo de série temporal pode ser escrito da seguinte forma: (13)

27 26 Onde e (-1< <1) são constantes desconhecidas e é distribuída normalmente e independentemente com média zero de desvio padrão σ, este modelo é chamado de modelo auto-regressivo de primeira ordem. (MONTGOMERY, 2004) Se adotarmos como uma estimativa de obtida através da análise de dados amostrais extraídos do processo, e que seja o valor ajustado de podemos afirmar que: (14) Podemos concluir que os resíduos são aproximadamente normais e independentes com média zero e variância constante, assim, podemos então, aplicar os gráficos de controle convencionais à seqüência de resíduos. (MONTGOMERY, 2004) 2.8.2Normalidade Segundo Montgomery (2004), Costa (2004) e Samohyl (2009) a distribuição normal é, a mais importante distribuição, tanto na teoria quanto na prática da estatística. Se x é uma variável aleatória normal, então a distribuição de probabilidade de x é definida assim: (15) Onde é a media do processo, é a variância e maior que zero e x esta compreendido entre -. Podemos utilizar varias formas de verificar a distribuição dos dados, uma opção é a utilização de métodos gráficos como o histograma e o gráfico de probabilidade normal (Q- QPlot). O histograma é recomendado para um grande numero de observações, assim verificamos se sua forma segue uma curva em forma de sino, sugerindo um modelo normal. Quando a quantidade de observações for pequena o histograma pode apresentar uma forma muito diferente da real distribuição do processo que gerou os dados, por isso o gráfico de controle de probabilidade normal é o mais indicado para verificar a suposição de um modelo normal para os dados. (BARBETTA, REIS, BORNIA, 2004)

28 27 Figura 3 Distribuição Normal Q-QPlot Fonte: (BARBETTA, REIS, BORNIA, 2004) Acima podemos ver exemplo de gráficos Q-Q plot, com diferentes distribuições, ratificando sua eficiência para verificação de normalidade dos dados. A forma analítica é outra forma de verificar a distribuição das observações, neste trabalho será usado o teste de Shapiro-Wilk além do gráfico de probabilidade.

29 28 3. METODOLOGIA De acordo com Silva & Menezes (2001), pesquisa é a busca por respostas para perguntas propostas e, existem varias formas de classificar uma pesquisa. Segundo Gil (2002) uma pesquisa inicia-se na definição do problema, para ser examinado, analisado e avaliado para depois encontrar soluções. Quanto ao objetivo, este trabalho pode ser considerado uma pesquisa do tipo exploratória, pois busca familiaridade com o problema com o objetivo de torná-lo explicito ou a construção de hipóteses. Será utilizado o método de pesquisa-ação onde será proposto uma solução para o monitoramento da variável turbidez, na água distribuída na cidade de Joinville. Esse método pode ser definido, de acordo com Thiollent (2005), como um tipo de pesquisa com base empírica que é realizada em associação com uma ação ou uma proposta de ação, com objetivo de solucionar um problema coletivo. A pesquisa-ação tem características situacionais, já que busca diagnosticar um problema específico numa situação específica, com vista a alcançar algum resultado prático. (GIL, 2002) Sato (1997), afirma que a pesquisa-ação está sendo amplamente difundida e utilizada nos grandes projetos realizados em diversos países europeus onde professores e alunos são estimulados a desenvolver atividades em educação ambiental nas escolas. (CERATI; LAZARINI, 2009) Este trabalho compara o desempenho de três tipos de gráfico de controle, Shewhart, CUSUM e EWMA, para dados individuais. Para a plotagem destes gráficos e a análise estatística dos dados é utilizado o software GNU R ( R Core Development Team, 2010) com auxilio dos pacotes QCC- Quality Control Charts (Scrucca,2004) e Forecast (Hyndmann, 2010) e ao final da pesquisa será proposta a melhor carta de controle para realizar o monitoramento da turbidez da água na estação de tratamento buscando solução do problema. Na Figura 4 é demonstrado um fluxograma com os passos que foram utilizados para a aplicação do controle estatístico nos dados de turbidez:

30 Figura 4: Fluxograma com os passos que foram utilizados para a aplicação do controle estatístico nos dados de turbidez 29

CAP4: Controle Estatístico do Processo (CEP)

CAP4: Controle Estatístico do Processo (CEP) CAP4: Controle Estatístico do Processo (CEP) O principal objetivo do CEP é detectar rapidamente a ocorrência de causas evitáveis que produzam defeitos nas unidades produzidas pelo processo, de modo que

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Email: fernandoest@ig.com.br

Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Email: fernandoest@ig.com.br Introdução e Conceitos Fundamentais Definiçõesda qualidadee da melhoriada qualidade. Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Email: fernandoest@ig.com.br Breve evolução histórica

Leia mais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Robert Wayne Samohyl (UFSC) samohyl@yahoo.com Resumo: A importância do controle estatístico

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Prof. Msc. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Msc. Fernando Oliveira Boechat Prof. Msc. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat 1 Controle de Processos: Objetivos Gerar as informações necessárias ao desenvolvimento dos novos produtos; Fornecer os subsídios necessários

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br Ferramentas da Qualidade Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br ABORDAGENS DA QUALIDADE ABORDAGENS DA QUALIDADE Desde que a Qualidade se tornou um atributo do processo produtivo, ela vem sendo

Leia mais

CAP6: Gráfico de Controle para Atributos

CAP6: Gráfico de Controle para Atributos CAP6: Gráfico de Controle para Atributos Base Estatística Quando um item é produzido, o mesmo pode apresentar um ou mais defeitos, sendo este classificado como não conforme, independente da quantidade

Leia mais

Variabilidade do processo

Variabilidade do processo Variabilidade do processo Em todo processo é natural encontrar certa quantidade de variabilidade. Processo sob controle estatístico: variabilidade natural por causas aleatórias Processo fora de controle:

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução Considerações iniciais Qualidade: Grau de perfeição, de precisão, de conformidade a um certo padrão. É conceito multidimensional, isto é, o cliente avalia a qualidade

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Gráficos de Controle para Processos Autocorrelacionados

Gráficos de Controle para Processos Autocorrelacionados Roteiro da apresentação 1 Controle de Qualidade Lupércio França Bessegato 2 3 4 5 Especialização em Estatística 6 7 8 Gráfico de Controle de Shewhart Hipóteses do gráfico de controle convencional: Normalidade

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

7Testes de hipótese. Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno. H 0 : 2,5 peças / hora

7Testes de hipótese. Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno. H 0 : 2,5 peças / hora 7Testes de hipótese Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno COMENTÁRIOS INICIAIS Uma hipótese estatística é uma afirmativa a respeito de um parâmetro de uma distribuição de probabilidade. Por exemplo,

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe 1 FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe ITIL V2 Service Support Aracaju, Setembro de 2009 EDUARDO DA PAIXÃO RODRIGUES LUCIELMO DE AQUINO SANTOS 2 ITIL V2 Service Support Trabalho de graduação

Leia mais

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Carta do Leitor Por: David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Engenheiro de produção pela Escola Politécnica da USP e especialista em PNL pela SBPNL. Gerente da área de Lean

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

ANÁLISE DA INSPEÇÃO DA LARGURA DOS TECIDOS DE POLIPROPILENO DA INDÚSTRIA TÊXTIL OESTE LTDA

ANÁLISE DA INSPEÇÃO DA LARGURA DOS TECIDOS DE POLIPROPILENO DA INDÚSTRIA TÊXTIL OESTE LTDA ANÁLISE DA INSPEÇÃO DA LARGURA DOS TECIDOS DE POLIPROPILENO DA INDÚSTRIA TÊXTIL OESTE LTDA ORIENTADORA: Dra. Maria Emília Camargo - UNISC - kamargo@zaz.com.br CO-ORIENTADORA: Dra. Suzana Leitão Russo -

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

http://www.de.ufpb.br/~luiz/

http://www.de.ufpb.br/~luiz/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequências

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos R9.1) Diâmetro de esferas de rolamento Os dados a seguir correspondem ao diâmetro, em mm, de 30 esferas de rolamento produzidas por uma máquina. 137 154 159 155 167 159

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno;

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno; IRAIR VALESAN (PMP) OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Apresentar o caderno; Exemplo de projetos bem sucedidos http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulomineiro/noticia/2015/02/produtores-ruraisaprendem-como-recuperar-nascentes-de-riosem-mg.html

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos 2010 Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos Nota Técnica 02 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 NOTA TÉCNICA 02 1 - Introdução Esta nota técnica, desenvolvida pela Equipe da, tem por

Leia mais

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de Processo (CEP) Verificar estabilidade processo Coleção de ferramentas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA Edson Kurokawa (*) Engenheiro Civil pela UFG e Mestre em Engenharia de Produção pela UFSC. Trabalha

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Certificação ISO Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Avanços em Medicina Laboratorial UNICAMP 2012 Introdução à Qualidade Não existem laboratórios

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ)

Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ) Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ) Este exemplo tem como base atividades descritas em um email distribuído na lista da E-Plan (planejamento@yahoogrupos.com.br) com o título Curva Física

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA.

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. Por: Prof. MSc Cláudio Marcelo Rodrigues Cordeiro 1 INTRODUÇÃO Considerando que a atividade de auditoria não se propõe a verificar a totalidade

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Histórico. Controle Estatístico de Processo

Histórico. Controle Estatístico de Processo Histórico O CEP se destacou como ferramenta poderosa após ter sido intensamente utilizada pelo Japão após a Segunda Guerra Mundial. Após a recuperação deste país, através da obtenção de processos produtivos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE. Docente: Dr. José Carlos Marques

CUSTOS DA QUALIDADE. Docente: Dr. José Carlos Marques CUSTOS DA QUALIDADE Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade Nº. 2089206 Maria da Luz Abreu Nº. 2405797 Teodoto Silva Nº. 2094306 Vitalina Cunha Nº. 2010607 Funchal 30 de Abril de 2008

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

Uma proposta de utilização das Cartas de Controle para o CEP

Uma proposta de utilização das Cartas de Controle para o CEP Uma proposta de utilização das Cartas de Controle para o CEP Morgana Wasyluk (FAHOR) mw000797@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) polacinskiedio@fahor.com.br Resumo A qualidade é uma das características

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Indicadores de desempenho de processos de negócio

Indicadores de desempenho de processos de negócio Indicadores de desempenho de processos de negócio 14:30, a sala de reunião de uma empresa. De um lado da mesa estão o gerente de um produto, um usuário-chave representante do cliente, do outro se encontram

Leia mais

As cartas de controle podem ser usadas para monitorar ou avaliar um processo. Existem basicamente dois tipos de cartas de controle:

As cartas de controle podem ser usadas para monitorar ou avaliar um processo. Existem basicamente dois tipos de cartas de controle: Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Cartas de controle As cartas de controle podem ser usadas para monitorar ou avaliar um processo. Existem basicamente dois tipos de cartas de controle: Para dados do

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

5 Conclusões e Recomendações

5 Conclusões e Recomendações 5 Conclusões e Recomendações 5.1 Conclusões O objetivo deste estudo foi utilizar a base de dados de clientes de uma empresa para desenvolver um modelo de regressão logística que determine o risco de cancelamento

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Igo Romero Costa de Souza 1, Icaro Ramires Costa de Souza 1, Mailson Sousa Couto 1 1 Instituto Federal da Bahia (IFBA) - Campus

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais