DIAGNÓSTICO DO ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA NO ASSENTAMENTO NOVO HORIZONTE II SANTA MARGARIDA DO SUL, RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO DO ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA NO ASSENTAMENTO NOVO HORIZONTE II SANTA MARGARIDA DO SUL, RS"

Transcrição

1 Relatório de Estágio DIAGNÓSTICO DO ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA NO ASSENTAMENTO NOVO HORIZONTE II SANTA MARGARIDA DO SUL, RS Acadêmica Mariane Pires Cabreira CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL São Gabriel RS, Brasil Dezembro, 2011.

2 MARIANE PIRES CABREIRA DIAGNÓSTICO DO ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA NO ASSENTAMENTO NOVO HORIZONTE II SANTA MARGARIDA DO SUL, RS Relatório de Estágio Obrigatório apresentado ao Curso de Engenharia Florestal, da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), RS, como requisito parcial para obtenção do grau de Engenheira Florestal Orientador: André Carlos Cruz Copetti São Gabriel 2011

3 MARIANE PIRES CABREIRA DIAGNÓSTICO DO ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA NO ASSENTAMENTO NOVO HORIZONTE II SANTA MARGARIDA DO SUL, RS Relatório de Estágio Obrigatório apresentado ao Curso de Engenharia Florestal, da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), RS, como requisito parcial para obtenção do grau de Engenheira Florestal Orientador: André Carlos Cruz Copetti Relatório de Estágio Obrigatório defendido e aprovado em: 21 de dezembro de Banca examinadora: Profº. Ms André Carlos Cruz Copetti Orientador - UNIPAMPA Profª. Drª. Ana Paula Fleig Saidelles UNIPAMPA Profª.Ms. Beatriz Stoll Moraes UNIPAMPA Eng. Agr. Paulo Eduardo Martins Fassina (Supervisor de estágio) Prefeitura Municipal de Santa Margarida do Sul

4 AGRADECIMENTOS Aos meus pais pelo amor, dedicação e apoio, ensinando-me a persistir nos meus objetivos e ajudando a alcançá-los. À minha família, pelo carinho, por acreditarem e torcerem por mim, me incentivando em todos os momentos em que precisei. À meu orientador, Professor André Carlos Cruz Copetti, pela amizade, pelos conhecimentos transmitidos, confiança, apoio, paciência e incentivo. À Prefeitura Municipal de Santa Margarida do Sul e ao Eng. Agrônomo Paulo Fassina pelo apoio, confiança, e pela oportunidade proporcionada. Muito obrigada.

5 RESUMO Falta de água e a infra-estrutura precária. É com essa realidade que a maioria das 85 famílias assentadas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), no Assentamento Novo Horizonte II, em Santa Margarida do Sul, convive diariamente. Boa parte dos assentados sofre com a falta de água. Em alguns lotes, não tem água sequer para beber, algumas famílias precisam caminhar até lotes vizinhos para garantir o recurso, e ainda assim é preciso economizar e controlar o consumo. Dessa forma, o objetivo do presente relatório é apresentar um diagnóstico do abastecimento e das fontes disponíveis para captação de água, em sete lotes do assentamento. Tanto a qualidade da água quanto a sua quantidade e regularidade de fornecimento são fatores determinantes para o acometimento de doenças no homem. Para se construir um sistema de abastecimento de água em uma cidade é necessário que se conheça as necessidades da população que será abastecida e também a taxa de crescimento populacional e industrial dessa cidade. A partir dessas informações é possível projetar um sistema de abastecimento de água tratada, que poderá servir àquela comunidade específica durante muitos anos. Palavras-chave: Fontes de água, sistemas de abastecimento de água, captação de água.

6 ABSTRACT Walter shortages and poor infrastructure. This reality is that most of the 85 families settled by the Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), the Novo Horizonte II Settlement in Santa Margarida do Sul live every day. Much of the settlers suffer from lack of water. In some lots do not even have water to drink, some families have to walk to neighboring parcels to ensure the recourse, and it is still necessary to control the consumption and saving. Thus, the purpose of this report is to present a diagnosis of supply and sources of water available for uptake in seven lots of the settlement. Both water quality and the quantity and regularity of supply are key factors to the onset of disease in man. To build a system of water supply in a city is necessary to know the needs of the population that will be supplied and also the rate of population and industrial growth of this city. From this information it is possible to design a system to supply treated water that could serve as specific to that community for many years. Key words: Water sources, Water supply systems, Water harvesting.

7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Ciclo hidrológico FIGURA 2 - Sistema convencional de tratamento de água FIGURA 3 - Desenho esquemático de uma rede ramificada tipo espinha de peixe FIGURA 4 - Desenho esquemático de uma rede ramificada tipo grelha FIGURA 5 - Desenho esquemático de uma rede malhada FIGURA 6 - Mapa do Assentamento Novo Horizonte II no município de Santa Margarida do Sul RS FIGURA 7 - Representação dos pontos visitados no assentamento Novo Horizonte II em Santa Margarida do Sul RS FIGURA 8 - Fonte no lote 57, de propriedade de Moisés Piedade FIGURA 9 - Fonte no lote 58, de propriedade de Nelson Felts FIGURA 10 - Fonte nos lotes 1 e 2, de propriedade de Adão Godoy e Senamir Godoy FIGURA 11 - Fonte no lote 56, de propriedade de Eni... 33

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Doenças relacionadas com a água... 18

9 ANEXOS Anexo 1 - Questionário aplicado nas propriedades visitadas...36

10 SUMÁRIO 1. ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO Água Subterrânea SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano como instrumento de proteção à saúde TRATAMENTO DA ÁGUA DE CAPTAÇÃO SUPERFICIAL REDES DE DISTRIBUIÇÃO Tipos de redes POLUIÇÃO DE MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Contaminação Assoreamento Eutrofização Acidificação Alterações hidrológicas ATIVIDADES DESENVOLVIDAS LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES ACERCA DA SITUAÇÃO ATUAL DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVALIAÇÃO A CAMPO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL RESULTADOS E DISCUSSÕES CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS... 36

11 10 1. Organização O município de Santa Margarida do Sul localiza-se na metade sul do Estado, denominado região da campanha, suas coordenadas geográficas são de aproximadamente 30º latitude sul e 59º de longitude oeste. Limita-se ao norte e ao oeste com São Gabriel, a leste com Vila Nova do Sul e, ao sul com São Gabriel e Lavras do Sul. A superfície territorial do município é de 958 km², distante 295 km de Porto Alegre, capital do RS. Sua população estimada é de habitantes, com densidade demográfica de 2,5 hab/km², segundo censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em Santa Margarida do Sul pertencia ao município de São Gabriel, como Distrito, do qual foi desmembrado pela Lei, nº /96, de abril de O Município surgiu a partir da ideia de um grupo de margaridenses que acreditava que a emancipação traria desenvolvimento. A economia do Município baseia-se principalmente na agropecuária. O setor primário de Santa Margarida do Sul possui várias alternativas, especialmente na agricultura. As principais culturas são a soja e o arroz, seguidos do trigo, cevada e painço. A citricultura e a vitivinicultura estão apresentando considerável desenvolvimento no Município. A Bacia leiteira é uma característica do Município. Também a criação de suínos e javalis para abate e um complexo industrial que trata do beneficiamento de cereais. O município de Santa Margarida do Sul, economicamente, apresenta dificuldades na oferta de empregos, sendo que filhos de pequenos agricultores deixam a zona rural, deslocando-se para as cidades em busca de melhores condições de vida. Isto devido à baixa renda familiar em pequenas propriedades de famílias numerosas. Para minimizar esta situação, o município vem se empenhando na organização e desenvolvimento da sociedade local objetivando melhores oportunidades de trabalhos para todos. A Prefeitura de Santa Margarida do Sul, unidade concedente do estágio, desenvolve diversos programas, projetos e trabalhos ambientais junto à comunidade, através da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente em parceria com instituições e órgãos ambientais da região. Entre os principais projetos estão: - Programa "Árvore é Vida" - utiliza recursos estaduais, tendo como parceiros a SEMA-DEFAP-RS (Secretária do Meio Ambiente Departamento de Florestas e Áreas

12 11 Protegidas do Rio Grande do Sul) e AMFRO (Associação dos Municípios da Fronteira Oeste), que consiste na distribuição de 123 mil mudas nativas para a recuperação de áreas degradadas, APP s e Reserva Legal, programa "Educação, conscientização ambiental e recuperação de áreas degradadas no assentamento rural e nas comunidades em Santa Margarida do Sul"; - Projeto Prevenção de Emergências Construindo Comunidades Mais Seguras: promovem a preservação/recuperação de nascentes como forma de melhorar a sustentabilidade da pequena propriedade, prevenção de emergências, visando também aconscientização das pessoas e servindo de modelo e incentivo para que outras comunidades preservem seus recursos hídricos; - Corredores Ecológicos - possibilitam a implantação de sistemas de corredores ecológicos, permitindo a interligação de remanescentes de vegetação nativa com as diferentes áreas de vegetação ciliar (ripária). Permitindo o aumento da diversidade e riqueza das espécies; aumento da variabilidade genética; estabilização de micro climas e diminuição das taxas de extinção. - Programa de Gestão Ambiental nas propriedades rurais: introduz a gestão ambiental na propriedade rural, demonstrando a importância da informação e capacitação para os profissionais da área e, também, a implantação de programas de educação ambiental direcionada aos produtores rurais. A adoção das melhores práticas de gestão ambiental nas propriedades rurais é fundamental para viabilizar sistemas produtivos mais sustentáveis.

13 12 2. Introdução Todos os seres vivos dependem da água para viver. No organismo humano representa cerca de 70% da massa corporal e atua com diversas funções, sendo uma delas a transpiração, que permite a manutenção da temperatura do corpo. A água pode representar até 90% da composição das plantas, e a falta desta durante os períodos de crescimento dos vegetais pode destruir lavouras e até os ecossistemas. O Planeta Terra é constituído de 70% de água, sendo que apenas 3% é doce e, 98% da água doce é subterrânea. Isso quer dizer que a maior parte da água disponível e própria para consumo, é mínima comparada com a quantidade de água existente na Terra. Para a vida moderna, nos centros urbanos, a água tornou-se indispensável para a limpeza das cidades, no combate a incêndios, na irrigação de jardins e também na construção civil. Não sabemos viver sem água, pois a utilizamos para a limpeza doméstica, para a higiene pessoal, para cozinhar nossa comida e principalmente para nossa hidratação. Apesar da grande quantidade de água consumida pelas atividades econômicas e domésticas nos países desenvolvidos, a água, assim como outros bens não é bem distribuída no mundo. Mais de um bilhão de pessoas, um sexto da população mundial, não tem acesso a água potável. Além disto, milhões de pessoas, 40% dos habitantes do Planeta não têm acesso a serviços de saneamento básico, o que provoca a morte de cerca de seis mil crianças por dia devido a doenças ligadas à água insalubre e a deficiência do saneamento básico. Falta de água e infraestrutura precária é a realidade que a maioria das 85 famílias assentadas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), no Assentamento Novo Horizonte II, em Santa Margarida do Sul, convive diariamente. O assentamento está localizado a cerca de cinco quilômetros da sede administrativa do município. Boa parte dos assentados sofre com a falta de água. Em alguns lotes, não tem água sequer para beber, algumas famílias precisam caminhar até lotes vizinhos para garantir o abastecimento, e ainda assim é preciso economizar e controlar o consumo. Dessa forma, o objetivo do presente relatório é apresentar um diagnóstico do abastecimento e das fontes disponíveis para captação de água, em sete lotes do assentamento Novo Horizonte II no município de Santa Margarida do Sul RS.

14 13 3. Revisão Bibliográfica A água é essencial para os humanos e para as outras formas de vida. Ela age como reguladora de temperatura, diluidora de residuos e transportadora de nutrientes por entre os vários organismos. Bebe-se água para ajudar na diluição e funcionamento normal dos órgãos para em seguida ser eliminada pela urina e por evaporação nos poros, mantém a temperatura corporal e eliminando resíduos solúveis, como sais e impurezas. Na indústria ela desempenha o mesmo papel de diluidora, transportadora e resfriadora nos vários processos de manufatura e transformações de insumos básicos em bens comerciais (WIKIPEDIA, 2010). Segundo a Declaração Universal dos Direitos da Água, o direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado no artigo 30 da Declaração Universal dos Direitos do Homem (MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE, 2000). É fato que as atividades humanas respaldadas em um estilo de vida e desenvolvimento, tem determinado alterações significativas no meio ambiente, influenciando a disponibilidade de uma série de recursos. A água, em alguns territórios, tem-se tornado um recurso escasso e com qualidade comprometida. Os crescentes desmatamentos, os processos de erosão/assoreamento dos mananciais superficiais, os lançamentos de efluentes e detritos industriais e domésticos nos recursos hídricos tem contribuído para tal situação. Nos países em desenvolvimento essa problemática e agravada em razão da baixa cobertura da população com serviços de abastecimento de agua com qualidade e quantidade (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) Mananciais de abastecimento Chama-se manancial qualquer local que tenha água e que esta possa ser retirada para uso. Exemplos: uma cacimba, um poço, um açude, um rio, etc. Segundo Feitosa e Filho (2011), podemos contar com os seguintes tipos de mananciais: a) de águas de chuva (cisternas);

15 14 b) de águas do subsolo ou subterrâneas (poços, cacimbas, fontes); c) de águas das superfícies (açudes, rios, lagoas). Na escolha de um manancial, devemos levar em conta a qualidade de sua água, a quantidade de água que ele dispõe e analisá-lo sob o seu aspecto econômico. A água do subsolo pode ser encontrada em fontes e poços. Na fonte, a água brota naturalmente do terreno. O poço aproveita a água obtida de uma abertura feita no terreno. As fontes, também chamadas de olhos d'água, podem ser de encosta (nas subidas dos altos ou nas serras) e de fundo de vale (nos baixios, nestes casos também chamadas de minas d'água) Água Subterrânea De acordo com Freitas (2011), em nosso planeta a água pode ser encontrada de diversas maneiras na natureza (rios, lagos, oceanos, calotas polares, atmosfera, e no subsolo) e em três estados físicos (líquido, gasoso e sólido), a maioria da água doce contida na natureza se encontra no subsolo. Os aquíferos, juntamente com os rios, fornecem água para o consumo humano e também para os animais (domésticos e silvestres). A água é usada pelo homem para realizar a higiene corporal, residencial, além de servir para cozinhar os alimentos, beber e realizar atividades industriais. No subsolo a água se encontra em duas camadas. A primeira camada recebe o nome de zona não-saturada, nela se encontra oxigênio e água entre as rochas e solos. A segunda recebe o nome de zona saturada. Nesse caso, as lacunas dispostas entre os elementos rochosos se encontram repletas de água. Sobre as águas subterrâneas existem dois tipos básicos de lençóis: freático e artesiano. O primeiro se encontra na zona não-saturada, próximo da superfície, fator que facilita a extração pelo homem e também a contaminação. Já as reservas de água dos lençóis artesianos se acumulam em camadas profundas do subsolo, fazendo com que sua extração seja mais difícil. O lençol artesiano está na zona saturada, por isso, para a realização de sua extração, é necessária a construção de poços artesianos, pois a água se encontra armazenada por debaixo das rochas, as quais devem ser atravessadas.

16 15 A maneira pela qual a água se movimenta no nosso planeta, as características de cada local e outros fenômenos podem ser explicados pelo ciclo da água, ou ciclo hidrológico (EDUCAR, 2011) representados na figura 1. FIGURA 1 - Ciclo hidrológico Fonte: Educar, O termo ciclo hidrológico designa as transformações nos estados físicos da água que ocorrem no ambiente. A representação (Fig.1) desses processos em um ciclo é adequada, porque não é possível determinar o início ou o final do processo. Cada etapa é seguida de outra, sem que necessariamente exista uma ordem obrigatória. O fato é que a água raramente permanece muito tempo no mesmo lugar. Na forma de gelo, nas regiões muito frias da terra, ou em depósitos subterrâneos muito profundos, ela permanece por mais tempo, porque as trocas com o ambiente ocorrem mais lentamente. Mas, na atmosfera estima-se que o tempo médio de permanência de uma molécula de água seja de apenas 10 dias. Isso significa que a água que sai do nosso corpo pela transpiração e se mistura no ar, demora cerca de dez dias para passar a fazer parte das águas de rios, lagos, mares ou até mesmo de outro organismo (DAVID, 2009).

17 16 A energia fornecida pelo sol é a principal causa para os deslocamentos da água na terra. A energia solar transforma a água dos rios e mares em vapor, que se junta com a água perdida pelas plantas e animais por meio da transpiração e com a água de diversas origens, misturando-se na atmosfera. À medida que o vapor d'água se condensa no ar, formam-se as nuvens. As nuvens são formadas por gotículas de água espalhadas na atmosfera, que ao se juntarem, caem na forma de chuva. Se a atmosfera esfriar muito, as gotículas podem formar neve ou granizo. Parte da água da chuva infiltra-se no solo e outra parte escoa para os rios e mares. E assim, todo o ciclo recomeça e se repete indefinidamente. Entretanto, sabe-se que não chove a mesma quantidade de água que evapora e nem mesmo chove no mesmo lugar do qual a água evaporou. A água escoa de um lugar para outro, sendo transportada por rios e mares e também pelo vento. Sendo assim, o volume de água disponível varia no mundo, fazendo com que ao mesmo tempo em que ocorrem tempestades em determinada região, em outras ocorra secas. A variação do volume de água de uma região para outra depende do clima, e este, também varia de acordo com diversas interferências, incluindo algumas ações humanas (DAVID, 2009). Segundo Aprile (2011), algumas características da água fazem dela uma substância única e essencial para a vida no Planeta, como: Capacidade térmica: a água é capaz de absorver rapidamente o calor de um corpo que esteja em contato com ela. Se colocarmos um copo de papel com água dentro sobre uma chama, observamos que o papel não pega fogo e a temperatura da água aumenta. Isso acontece porque a água absorve o calor do papel. A capacidade dos vegetais de absorver a radiação solar sem se queimar também demonstra a capacidade térmica da água. Os vegetais, que têm água em sua composição, absorvem a energia solar e realizam a fotossíntese. Outro exemplo é a transpiração tanto dos vegetais quanto dos animais, que serve para resfriar o corpo, pois à medida que a água evapora, absorve grande quantidade de calor. Calor específico: é uma grandeza definida como a quantidade de calor necessária para aumentar em 1 C a temperatura de um grama de água. Solvente universal: a água é capaz de dissolver substâncias como açúcar ou sal, entre muitas outras. Por isso a água é considerada um solvente universal. Transporte: por causa da capacidade de dissolver diversas substâncias, ela pode também transporta-las. Essa propriedade da água é vital para os seres vivos, pois o sangue, que contém

18 17 aproximadamente 60% de água, transporta gás oxigênio, gás carbônico, hormônios, vitaminas e nutrientes para diferentes partes do corpo. Tensão superficial: é a força capaz de manter as moléculas de água unidas em sua superfície, de tal maneira que, objetos leves, tais como folhas e certos insetos, não conseguem romper a camada superficial da água e flutuam sobre ela. Segundo David (2009), água potável é aquela que pode ser consumida sem risco para a saúde. Para ser considerada potável, a água deve obedecer a determinados requisitos de natureza física, química e biológica descritos a seguir. Dentre os requisitos físicos da água potável cita-se: ser incolor (não ter cor); ser inodora (não ter cheiro); ter sabor indefinível, mas que permite distingui-la de qualquer outro líquido; dar sensação de frio ao tato, quando em temperatura ambiente e inferior a do corpo. Com relação aos aspectos físicos considerados, são chamadas de poluição todas as alterações que podem ser percebidas em sua cor, cheiro, sabor e também em sua temperatura. Essas alterações podem ter diversas causas. Quando a água apresenta alguma alteração em sua limpeza, dizemos que apresenta turvação ou turbidez, que pode ser causada pela presença de argila, algas ou matéria orgânica. As alterações de cheiro, cor e até na temperatura podem ser causadas pela decomposição de matéria orgânica. Entretanto, quando a água se apresenta muito escura ou leitosa, pode conter restos industriais. Já os requisitos químicos são: conter sais dissolvidos com pequena quantidade de cálcio e magnésio; não deve conter nenhum sal tóxico, principalmente os de metais pesados; deve conter oxigênio dissolvido em quantidade adequada. As alterações químicas são mais difíceis de serem percebidas, pois podem não alterar os aspectos físicos característicos da água potável. O excesso ou a ausência de sais minerais que, normalmente a água potável deve conter, prejudica a qualidade da água. Assim como a presença de elementos estranhos e tóxicos como, por exemplo, o arsênio, o chumbo e o mercúrio. Com relação aos requisitos biológicos é possível citar: não pode conter organismos patogênicos, ou seja, causadores de doenças. A contaminação por organismos patogênicos nem sempre pode ser percebida apenas pelos aspectos físicos, mas qualquer alteração na aparência da água é um indicativo de que uma investigação mais cuidadosa precisa ser feita. Tanto a qualidade da água quanto a sua quantidade e regularidade de fornecimento são fatores determinantes para o acometimento de doenças no homem (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006).

19 18 A água pode veicular um elevado número de enfermidades e essa transmissão pode se dar por diferentes mecanismos. O mecanismo de transmissão de doenças mais comumente lembrado é diretamente relacionado à qualidade da água é o da ingestão, por meio do qual um individuo sadio ingere água que contenha componente nocivo a saúde, e a presença desse componente no organismo humano provoca o aparecimento de doença. Um segundo mecanismo refere-se à quantidade insuficiente de água, gerando hábitos higiênicos insatisfatórios e, consequentemente, doenças relacionadas a inadequada higiene dos utensílios de cozinha, do corpo, do ambiente domiciliar. Outro mecanismo compreende a situação da água no ambiente físico, proporcionando condições propicias a vida e a reprodução de vetores ou reservatórios de doenças. Um importante exemplo é o da água empoçada, contaminada por esgotos, como habitat para o molusco hospedeiro intermediário da esquistossomose. Outro exemplo desse mecanismo é o da água como habitat de larvas de mosquitos vetores de doenças, como o mosquito Aedes aegypt (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). Tabela 1 - Doenças relacionadas com a água Grupo de doenças Formas de transmissão Principais doenças Formas de prevenção Transmitidas pela via feco-oral (alimentos contaminados por fezes). Controladas pela limpeza com a água (associadas ao abastecimento insuficiente de água). Associadas à água (uma parte do ciclo da vida do agente infeccioso ocorre em um animal aquático). O organismo patogênico (agente causador de doença) é ingerido. A falta de água e a higiene pessoal insuficiente criam condições favoráveis para sua disseminação. O patogênico penetra pela pele ou é ingerido. 1. Diarréias e disenterias; como a cólera e a giardíase. 2. Febre tifóide e paratifóide. 3. Leptospirose. 4. Amebíase. 5. Hepatite infecciosa. 6.Ascaridíase (lombriga). Infecções na pele e nos olhos, como o tracoma e o tifo relacionado com piolhos, e a escabiose. Esquistossomose. 1. Proteger e tratar as águas de abastecimento e evitar uso de fontes contaminadas. 2. Fornecer água em quantidade adequada e promover a higiene pessoal,doméstica e dos alimentos. Fornecer água em quantidade adequada e promover a higiene pessoal e doméstica. 1. Evitar o contato de pessoa com águas infectadas 2. Proteger mananciais 3. Adotar medidas adequadas para a disposição de esgotos 4. Combater o hospedeiro Intermediário.

20 19 Continuação tabela 1... Transmitidas por vetores que se relacionam com a água. As doenças são propagadas por insetos que nascem na água ou picam perto dela. Fonte: Ministério da saúde - Secretária de Vigilância em Saúde, Malária 2. Febre amarela 3. Dengue 4. Filariose (elefantíase). 1. Combater os insetos transmissores 2. Eliminar condições que possam favorecer criadouros 3. Evitar o contato com criadouros 4. Utilizar meios de proteção Individual Sistema de abastecimento de água Os sistemas de abastecimento de água (SAA) são obras de engenharia que, além de objetivarem assegurar o conforto as populações e prover parte da infraestrutura das cidades, visam prioritariamente superar os riscos a saúde impostos pela água (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). Para se construir um sistema de abastecimento de água em uma cidade é necessário que se conheça as necessidades da população que será abastecida e também a taxa de crescimento populacional e industrial dessa cidade. A partir dessas informações é possível projetar um sistema de abastecimento de água tratada, que poderá servir àquela comunidade específica durante muitos anos (DAVID, 2009). Um sistema convencional de abastecimento de água é constituído das seguintes unidades: captação, adução, estação de tratamento, reservação, redes de distribuição e ligações domiciliares (DAVID, 2009) Vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano como instrumento de proteção à saúde. Tanto o controle da qualidade da água, exercido pela entidade responsável pela operação do SAA, quanto a sua vigilância, por meio dos órgãos de saúde pública, são instrumentos essenciais para a garantia da proteção a saúde dos consumidores. É falsa a compreensão de que bastam a concepção, o projeto, a implantação, a operação e a

21 20 manutenção adequados para que um SAA esteja livre de riscos a saúde humana. Obviamente, essas etapas são essenciais, mas não suficientes, para garantir a necessária proteção à saúde. Fatores diversos podem atingir um SAA, por mais sanitariamente eficientes que estes sejam. As mais imprevisíveis e variadas situações podem ocorrer em um SAA, impondo riscos a saúde (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) Tratamento da água de captação superficial David (2009) cita que o processo de tratamento da água leva em conta os requisitos físicos, químicos e biológicos e é feito em 8 etapas: coagulação, floculação, decantação, filtração, aeração, desinfecção, fluoretação e correção do ph (figura 2). Coagulação: ao chegar à estação de tratamento, a água bruta recebe duas substâncias: cal e sulfato de alumínio. Com a adição de CaO (cal), a água torna-se ligeiramente alcalina ou básica. Isto porque o óxido de cálcio ou CaO reage com a água produzindo o hidróxido de cálcio (Ca(OH) 2 ). Em seguida, com a adição do sulfato de alumínio, forma-se o hidróxido de alumínio (Al(OH) 3 ), que é insolúvel e tem um aspecto gelatinoso, formando uma espécie de coágulos na água. Floculação: a floculação é o que acontece depois da coagulação. Após a adição de cal e sulfato de alumínio (Al 2 (SO 4 ) 3 ), a água é misturada, permitindo que os coágulos de hidróxido de alumínio se espalhem e, assim, ao precipitar, carregue as partículas de sujeira em suspensão na água para o fundo do tanque de concreto. Decantação: os flocos formados pelo hidróxido de alumínio e as partículas de sujeira depositam-se no fundo por ação da gravidade. Assim, a água livre dos resíduos que fica por cima pode ser separada mecanicamente. Filtração: o processo de filtração serve para separar resíduos sólidos de um líquido. Nesse caso a água decantada passa por filtros formados por diversas camadas de areia e cascalho de diversos tamanhos. As impurezas que não foram sedimentadas durante os processos anteriores ficam retidas no filtro. Aeração: um dos requisitos para a potabilidade da água é que ela tenha certa quantidade de oxigênio dissolvido. Com objetivo de aerá-la, a água é aspergida no ar. A aeração, além de

22 21 conferir à água seu sabor característico, auxilia no processo de oxidação de substâncias orgânicas eventualmente presentes. Desinfecção: quando a água chega a esta etapa, ela já se encontra limpa. Do ponto de vista físico todos os requisitos já foram observados, mas a água poderá ainda conter microorganismos nocivos à saúde, por essa razão é feita a adição de hipoclorito de sódio (NaClO), e é isto que garante a qualidade da água nas redes de distribuição e nos reservatórios. Fluoretação: em algumas cidades brasileiras, além do tratamento de limpeza e desinfeção da água, ela é também fluoretada. A fluoretação consiste na aplicação de dosagens adequadas de iodeto de sódio ou potássio nas águas a serem distribuídas. A fluoretação previne e reduz a incidência de cárie dentária, especialmente no período de formação de dentes, que vai da gestação até a faixa de 14 anos de idade. Durante um período de 10 anos a aplicação do flúor provoca redução de 60% no índice de cáries dentárias. Correção do ph: a etapa final envolve novamente a adição de CaO (cal) afim de se obter ph adequado para a proteção das tubulações da rede de distribuição e das casas dos usuários. FIGURA 2 - Sistema convencional de tratamento de água Fonte: COPASA, 2011.

23 Redes de distribuição A rede de distribuição consiste na última etapa de um sistema de abastecimento de água, constituindo-se de um conjunto de condutos assentados nas vias públicas ou nos passeios, aos quais se conectam os ramais domiciliares. Dessa forma, a função da rede de distribuição e conduzir as águas tratadas aos pontos de consumo, mantendo suas características de acordo com o padrão de potabilidade (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) Tipos de redes Conforme a disposição dos condutos principais, pode ser definido basicamente dois tipos de redes: ramificadas e malhadas(ministério DA SAÚDE, 2006) Redes ramificadas Nesse tipo de rede, os condutos são dispostos a partir de um conduto principal central. Em uma primeira alternativa, essa ramificação da rede assemelha-se a uma espinha de peixe. Esse esquema e típico de cidades de menor porte que apresentam desenvolvimento particularmente linear. Na figura 3 apresenta-se um desenho esquemático desse tipo de rede ramificada (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). FIGURA 3 - Desenho esquemático de uma rede ramificada tipo espinha de peixe Fonte: Ministério da saúde - Secretária de Vigilância em Saúde, 2006.

24 23 Em uma segunda alternativa de traçado de redes ramificadas (figura 4), os condutos principais são paralelos e ligam-se em suas extremidades a outros condutos principais. Também neste caso os diâmetros das tubulações decrescem na direção do fluxo (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). FIGURA 4 - Desenho esquemático de uma rede ramificada tipo grelha Fonte: Ministério da saúde - Secretária de Vigilância em Saúde, As redes ramificadas apresentam como principais limitações ao seu emprego a paralisação da quase totalidade do abastecimento por ocasião de eventuais manutenções dos condutos principais e também pela significativa redução das concentrações de cloro residual nas extremidades da rede (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) Redes malhadas Nesse caso, os condutos formam circuitos ou anéis que tem a disposição de anéis ou malhas, disposição esta muito mais empregada do que a de redes ramificadas. Diferentemente destas últimas, nas redes malhadas, graças à forma de circuitos, a interrupção do escoamento em qualquer trecho não necessariamente paralisa setores a jusante, pois o escoamento pode ocorrer segundo sentidos distintos aos condutos principais. Em relação a qualidade da água distribuída, as redes malhadas minimizam a possibilidade de redução significativa da

25 24 concentração de cloro residual, em virtude da inexistência de pontas secas nas extremidades. A figura 5 apresenta um desenho esquemático desse tipo de rede de distribuição (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). FIGURA 5 - Desenho esquemático de uma rede malhada Fonte: Ministério da saúde - Secretária de Vigilância em Saúde, Mesmo nas grandes cidades, o traçado das redes de distribuição consiste em uma mescla dos dois tipos. Enquanto nas regiões centrais ou mais adensadas predominam as redes malhadas, nas áreas periféricas ou em expansão as redes ramificadas são conectadas as primeiras e extensivamente empregadas. As redes de distribuição devem dispor de registros e dispositivos de descarga instalados em pontos adequados a fim de lhes facilitar a manutenção (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006).

26 Poluição de mananciais de abastecimento de água A poluição das águas pode ser conceituada como a ocorrência de fenômenos (adição de substâncias ou de formas de energia e modificações no meio) que direta ou indiretamente alteram a natureza de um corpo d água e assim prejudicam os usos que dele são feitos. E importante destacar que o prejuízo se refere aqui não apenas ao ser humano, mas também a biota aquática, as atividades sociais e econômicas em geral, aos recursos naturais e aos acervos históricos, culturais e paisagísticos (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). De acordo com o Ministério da Saúde (2006), a poluição das águas pode ocorrer de três formas: introdução de substâncias artificiais e estranhas ao meio, como, por exemplo, o lançamento de agrotóxicos em rios ou a contaminação por organismos patogênicos; introdução de substâncias naturais e estranhas ao meio, como o aporte de sedimentos as águas de um lago, reduzindo seu volume útil; e alteração na proporção ou nas características dos elementos constituintes do próprio meio, como, por exemplo, a diminuição do teor de oxigênio dissolvido nas águas de um rio em decorrência da presença de matéria orgânica. A origem da poluição pode ser associada a duas causas primarias: o forte crescimento populacional e a expansão das atividades industriais. O intenso crescimento populacional observado nas últimas décadas tem conduzido ao incremento na geração de esgotos e a maior demanda de alimentos, o que por sua vez implica um crescente consumo de agrotóxicos e fertilizantes, agentes poluidores de grande magnitude. Essa explosão populacional ocorre fundamentalmente nos países mais pobres, que não dispõem de infraestrutura adequada de esgotamento sanitário e de controle de poluição, o que conduz ao estabelecimento de condições negativas para o uso dos ambientes aquáticos. A expansão das atividades industriais, também intimamente relacionada ao crescimento populacional, vem promovendo a transformação de matérias-primas em bens de consumo em escala cada vez maior, gerando, como consequência, grande quantidade de rejeitos, cujo destino final frequentemente é o ambiente aquático.

27 26 Os principais fenômenos causadores da poluição aquática são a contaminação, o assoreamento, a eutrofização, a acidificação e as alterações hidrológicas (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) Contaminação Consiste na introdução de substâncias que provocam alterações prejudiciais ao uso do ambiente aquático, caracterizando assim a ocorrência da poluição. Os agentes contaminantes de maior importância são a matéria orgânica, os organismos patogênicos, os compostos organossintéticos e os metais pesados (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) Assoreamento O assoreamento consiste no aporte de material mineral (areia, silte, argila) a um corpo d agua, diminuindo sua profundidade e seu volume útil e assim prejudicando diversos usos da água. A principal origem do assoreamento esta relacionada a movimentos de terra (abertura de loteamentos, construção de rodovias e exposição do solo, sem proteção, em áreas agrícolas) na bacia de drenagem do rio ou do lago. Quando ocorrem as chuvas, esse material é então carreado pelas águas do escoamento superficial até o corpo d agua mais próximo (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) Eutrofização De todos os fenômenos poluidores da água, a eutrofização é aquele que apresenta as mais complexas características, em função de sua base essencialmente biológica. O conceito de eutrofização relaciona-se com uma superfertilização do ambiente aquático, em decorrência

28 27 da presença de nutrientes. Etimologicamente o termo eutrófico significa muito alimentado ou alimentado em excesso. A eutrofização é, portanto, o fenômeno que transforma um corpo d agua em um ambiente bastante fertilizado ou bastante alimentado, o que implica um crescimento excessivo de plantas aquáticas. Em razão da presença de nutrientes em excesso, os organismos vegetais encontram condições favoráveis ao seu crescimento, o qual pode atingir proporções intensas, caracterizando-se, assim, o estabelecimento da eutrofização (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) Acidificação A acidificação de ambientes aquáticos consiste no forte abaixamento do ph do meio, trazendo prejuízos a biota aquática e a alguns usos da água. A redução de ph no corpo d agua pode ter origem na precipitação pluviométrica com baixos valores de ph, fenômeno este conhecido como chuva ácida. A chuva ácida, por sua vez, é decorrente da poluição atmosférica, principalmente em grandes centros urbanos, particularmente pelo lançamento de gases formados por compostos de enxofre e de nitrogênio. Esses gases, bastante frequentes em regiões industriais, complexam-se com o vapor d agua presente na atmosfera, o que leva a formação de ácidos, notadamente o ácido sulfúrico e o ácido nítrico (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) Alterações hidrológicas Caracterizado fundamentalmente pela retirada de água de rios, em geral para fins de irrigação, provocando prejuízos a utilização da água na região de jusante. Existem exemplos de rios que sofrem uma redução tão grande de vazão que chegam praticamente a secar durante a maior parte do ano. Essas alterações hidrológicas, além de afetar gravemente o aspecto da quantidade de água, também apresentam influências negativas sobrea qualidade, em decorrência do aumento das concentrações graças a diminuição da capacidade diluidora (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006).

29 28 4. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS O estágio foi realizado no período de 03/10/2011 à 30/11/2011, correspondendo a seis (06) horas diárias, perfazendo um total de trinta (30) horas semanais. O mesmo foi desenvolvido junto a Secretária da Agricultura e Meio Ambiente de Santa Margarida do Sul RS, onde foi realizado o acompanhamento dos trabalhos relacionados ao abastecimento de água no Assentamento Novo Horizonte II (figura 6) Levantamento de informações acerca da situação atual de abastecimento de água Primeiramente foram reunidos todos os dados sobre o assentamento Novo Horizonte II, principalmente os mapas disponíveis da área, para uma melhor identificação das moradias; rede de drenagem; rede de estradas; fontes de águas; pocilgas ou fontes de poluição; entre outras informações relevantes. De posse destas informações foram definidas as seis áreas que seriam visitadas para avaliação das fontes e aplicação de um questionário para a coleta de dados referentes ao abastecimento e a qualidade da água no assentamento. As áreas foram selecionadas devido à facilidade de acesso, e por possuir fontes dentro da propriedade Avaliação a campo do abastecimento de água Seguido da realização do levantamento e da obtenção de informações, realizou-se uma visita a campo para diagnosticar as formas de abastecimento de água no assentamento e fazer o apontamento da localização das fontes ilustradas nas figuras 6 e 7.

30 FIGURA 6 - Mapa do Assentamento Novo Horizonte II no município de Santa Margarida do Sul RS Fonte: Secretária da Agricultura e Meio Ambiente de Santa Margarida do Sul - RS,

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Água e Qualidade de Vida

Água e Qualidade de Vida Água e Qualidade de Vida Introdução Recurso natural de valor econômico, estratégico e social, essencial à existência e bem estar do homem e à manutenção dos ecossistemas do planeta, a água é um bem comum

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A sociedade define as atividades que os seres humanos devem fazer a partir do seu sexo. Aos homens são destinadas aquelas consideradas produtivas, ou seja, que servem para ganhar

Leia mais

Revisão de Ciências 3 Trimestre

Revisão de Ciências 3 Trimestre PARNAMIRIM - RN Revisão de Ciências 3 Trimestre Prof. José Roberto. Água e cidadania. Os diferentes usos da água Tudo em nossa vida depende da água, seja de forma direta, como na manutenção da vida: beber,

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição UFPI CT DRHGA DISCIPLINA: Saneamento II Carga horária: horas 6 créditos Horário: Seguas, quartas e sextas 6: 8: horas Local: Sala 55 Professores: Carlos Ernao da Silva email: carlosernao@gmail.com 88 Página:

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Apostila Tratamento de Água

Apostila Tratamento de Água Apostila Tratamento de Água Estação de Tratamento de Água em Caçaroca Vila Velha MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível ambiente natural, bem como induzir condições em um determinado curso ou corpo de água, direta

Leia mais

Água e Qualidade de Vida Profª Lígia Cristina Palácio

Água e Qualidade de Vida Profª Lígia Cristina Palácio Água e Qualidade de Vida Profª Lígia Cristina Palácio http://video.globo.com/videos/player/entretenimento/0,,gim713411-7822-wanessa+camargo+canta+planeta+agua,00.html Objetivos: Reconhecer o valor da água

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças

ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças Profa. Eliane Carneiro Gomes Disciplina

Leia mais

Tratamento de Água Meio Ambiente

Tratamento de Água Meio Ambiente Tratamento de Água Meio Ambiente Puc Campinas Engenharia de Computação César Kallas RA: 02099224 Introdução Conhecida como solvente universal, a água sempre retém algum resíduo dos materiais com os quais

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Figura 2. Evolução da População Urbana no Brasil. 1940 2000. Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 1940, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000. In.

Figura 2. Evolução da População Urbana no Brasil. 1940 2000. Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 1940, 1950, 1960, 1970, 1980, 1991, 2000. In. UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Uso e Ocupação do Solo

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA EM NOSSO PLANETA

A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA EM NOSSO PLANETA A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA EM NOSSO PLANETA Arquivo SEMMAM NASCENTE DO RIO DOS SINOS Foto Henrique Prieto Arquivo SEMMAM Distribuição Patrocínio Apoio: CONSÓRCIO PÚBLICO DE SANEAMENTO BÁSICO DA BACIA HIDROGRÁFICA

Leia mais

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação...

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação... PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Mudanças de estado

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco 5 A água no Planeta Terra A água tem uma enorme importância para

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Unidade 2 Água: substância vital

Unidade 2 Água: substância vital Sugestões de atividades Unidade 2 Água: substância vital 6 CIÊNCIAS Estados físicos da água 1. Como ocorre o processo de formação das nuvens? 2. A água pode ser encontrada nos diferentes estados físicos

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente.

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. Poluição do Solo 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. 2) Objetivo Específico Conscientizar os alunos da importância

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS ITABIRITO/MG AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS DE DESINFECÇÃO DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DESTINADAS AO CONSUMO HUMANO Rogério Alves Barbosa Abril de 2004. 1 Objetivo Visando

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Saneamento Básico COMPLEXO ARAUCÁRIA

Saneamento Básico COMPLEXO ARAUCÁRIA Saneamento Básico COMPLEXO ARAUCÁRIA Olá, caros Alunos, Na aula de hoje, vamos aprender mais sobre o Saneamento Básico, Um novo projeto desenvolvido aqui em nosso Município, chamado COMPLEXO ARAUCÁRIA

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA.

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

UD 02: Tratamento de água

UD 02: Tratamento de água U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a EEL PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I UD 02: Tratamento de água Prof. Lucrécio Fábio Prof. Lucrécio Fábio

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA COMO REFERNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ENSINO DE QUÍMICA

ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA COMO REFERNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ENSINO DE QUÍMICA ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA COMO REFERNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ENSINO DE QUÍMICA Maria S. B. DUARTE 1 Ana Maria G. D. MENDONÇA 2, Darling L. PEREIRA 3,, Aluska M. C. RAMOS 4 José J. MENDONÇA 5 1

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

Cartilha informativa

Cartilha informativa Cartilha informativa CONSTRUINDO A CIDADANIA A necessidade de estabelecer a relação entre cidadania e meio ambiente está expressa no direito do indivíduo ter um meio ambiente saudável e no dever que cada

Leia mais

Como os seres vivos modificam o ambiente?

Como os seres vivos modificam o ambiente? Como os seres vivos modificam o ambiente? O ar e a água possibilitam a integração dos seres vivos na dinâmica planetária. Por que a parede do copo com água fria fica molhada? Será? Toda matéria é constituída

Leia mais

Abastecimento de água

Abastecimento de água Abastecimento de água Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Tucuruí Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental 2014 Disciplina: Sistema de Saneamento Ambiental Professor: Davi Sales Alunos:

Leia mais

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA Americana conta com duas unidades de captação e recalque que retiram do Rio Piracicaba cerca de 1000l/s de água e encaminham para o processo de tratamento no bairro Cordenonsi,

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4 CICLO DO FÓSFORO O fósforo é um não-metal multivalente pertencente à série química do nitrogênio (grupo 15 ou 5 A) que se encontra na natureza combinado, formando fosfatos inorgânicos, inclusive nos seres

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA 2 Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. 3 Habilidades: Refletir sobre a importância da água para o Planeta Terra, para a vida e o

Leia mais

" ;,% / 22 <+ = " >;?,9# 2' = " >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G

 ;,% / 22 <+ =  >;?,9# 2' =  >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G !"# $%&' ()*) +,'#-.# /#0#'''1$'2! 0'%%#2'34/#5'# ''-/ %0 2#0%6/7 " 8 9$%$0#2/''-34/#:/ -'##-7 " ;,% / 22

Leia mais

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P.

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do Oeste PR Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Bellon, Cristiane C. Meinerz, Paulo S. R. Oliveira INTRODUÇÃO Nestes

Leia mais

REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS

REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS 1) A partir das informações dadas, enumere as informações, em ordem sequencial, de acordo com as etapas do método científico: ( ) Conclusões ( ) Possíveis respostas

Leia mais

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO CUIABÁ-MT 2010 2 PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E POLUIÇÃO Discentes: Enzo Fortunato, Mariana Bonjour, Thiago Schumann, Victória Machado e Vitória Abreu.

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail. A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.com (1) Faculdade de Castanhal FCAT, Castanhal PA, Brasil. RESUMO A

Leia mais

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO PROJETO FORMANDO MULTIPLICADORES No combate ao desperdício de água e preservação nos nossos rios e mananciais CRIAÇÃO E FINALIDADES A CAESA - Companhia de Água e Esgoto do

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR Thatiane Rodrigues Mota 1 ; Dyoni Matias

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes A água é o constituinte mais característico da terra, é o ingrediente essencial da vida, a água é talvez o recurso mais precioso que a terra fornece

Leia mais

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo SANEAMENTO RURAL Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo FOTO: Edmar Chaperman/Funasa O campo brasileiro é marcado por profundas desigualdades sociais e econômicas, que incidem diretamente

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo: Este trabalho tem como objetivo fazer algumas considerações sobre o projeto de saneamento rural Água

Leia mais

ABORDAGEM DO TRABALHO

ABORDAGEM DO TRABALHO SANEAMENTO BASÍCO Estação de Tratamento de Água - ETA Eng. Civil 9 Semestre Prof. Samudio Alunos: Félix Machado Vilela. RA: 1299127696 Floriano Oliveira de Araújo. RA: 1299127695 Thiago de Jesus Lara.

Leia mais

Saneamento Básico, Dignidade da Pessoa Humana e Realização dos Valores Fundamentais

Saneamento Básico, Dignidade da Pessoa Humana e Realização dos Valores Fundamentais 38 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Saneamento Básico, Dignidade da Pessoa Humana e Realização dos Valores Fundamentais João Batista Damasceno 1 RESUMO Nosso trabalho busca analisar as disposições

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ciências Nome: SANEAMENTO BÁSICO. Aparência de uma cidade limpa.

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ciências Nome: SANEAMENTO BÁSICO. Aparência de uma cidade limpa. 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ciências Nome: Leia este texto. SANEAMENTO BÁSICO Aparência de uma cidade limpa. Saneamento básico é o conjunto de cuidados que se tem com a água, o esgoto

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais