ÁGUA E SAÚDE PÚBLICA. Estratégia de Desenvolvimento do Sector de Aguas de Moçambique.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁGUA E SAÚDE PÚBLICA. Estratégia de Desenvolvimento do Sector de Aguas de Moçambique."

Transcrição

1 Públicas e Habitação 1 CONGRESSO DE ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA ÁGUA E SAÚDE PÚBLICA Estratégia de Desenvolvimento do Sector de Aguas de Moçambique. DNA 18 OUTUBRO 2012 Maputo, October Outubro de

2 Públicas e Habitação CONTEÚDO DA APRESENTAÇÃO 1. Objectivos Estratégicos do Sector 2. Acções prioritárias 3. Estratégias e instrumentos orientadores 4. Desafios. Maputo, Outubro de

3 Públicas e Habitação OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Abastecimento de Água Rural Abastecimento de Água Urbana Saneamento Rural Saneamento Urbano Gestão de Recursos Hídricos Aumentar a provisão e acesso a água potável nas zonas rurais e vilas para 69% da população, servindo a 13,5 Milhões de pessoas no ano Aumentar a provisão e acesso a água potável nas zonas urbanas e vilas para 70% da população, servindo a 4.0 Milhões de pessoas no ano Aumentar a provisão de serviços de saneamento para 48% da população, nas zonas rurais servindo a 8 Milhões de pessoas em Aumentar a provisão de serviços de saneamento para 80%, nas zonas urbanas servindo a 7 Milhões de pessoas em Assegurar a gestão integrada e sustentável dos recursos hídricos desenvolvendo e mantendo as infraestruturas hidráulicas que garantam a disponibilidade de água para responder as demandas de água para satisfação das necessidades básicas da população, ao desenvolvimento socio-económico e a mitigação dos impactos negativos das cheias e secas. Maputo, Outubro de

4 Públicas e Habitação INSTRUMENTOS DE ORIENTAÇÃO NO SETOR DE ÁGUAS 1991 LEI DE ÁGUAS 2000/2005 PROGRAMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO SECTOR DE ÁGUAS (Consolidação das Reformas na Água Urbana) 1995/2007 NOVA POLÍTICA DE ÁGUAS 2007 ESTRATÉGIA NACIONAL DE GESTAO DE RECURSOS HÍDRICOS 2000/2015 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÉNIO (ODM) 2006/2015 PLANO ESTRATÉGICO DO SUB - SECTOR DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO RURAL 2010/2015 PROGRAMA NACIONAL DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO RURAL (PRONASAR) 2011 ESTRATÉGIA NACIONAL DE ÁGUA E SANEAMENTO URBANO Maputo, Outubro de

5 Públicas e Habitação ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO SECTOR DE ÁGUAS Conselho Nacional de Água Conselho de Ministros CRA (Entidade Reguladora) Ministério das Obras Públicas e Habitação Governos Provinciais Administração Regional de Águas Direção Nacional de Águas FIPAG AIAS Direções Provinciais de Obras Públicas e Habitação Unidade Gestora e Executora de Aquisições Departamentos de Água e Saneamento Depto de Estudos Estratégicos Depto de Recursos Hídricos Depto de Água e Saneamento Depto de Obras Hidráulicas Depto dos Rios Internacionais Depto de Planificação Depto de Administração e Finanças Repartição de Recursos Humanos Maputo, Outubro de

6 Públicas e Habitação EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES DE COBERTURA COM VISTA AO ALCANCE DOS OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÉNIO Cobertura em Abastecimento de Água e Saneamento e Higiene (ODM) % % % AA Rural (*) 30 56,6 70 AA Urbana AA Total 31 60,7 70 S&H Rural 16 41,6 50 S&H Urbano S&H Total (*) Índices baseados em 500 habitantes por fonte. A partir de Janeiro de 2013 o Índice de cobertura passará a 300 habitantes por fonte. Maputo, Outubro de

7 Públicas e Habitação ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO RURAL OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÉNIO HARMONIZAÇÃO E ALINHAMENTO DE ESTRATÉGIAS Fundo Comum Contribuição dos parceiros e Governo Todos os outros Programas / Projectos Financiados por parceiros fora do Fundo Comum Maputo, Outubro de

8 Públicas e Habitação ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO RURAL PROJECTOS SUPERIORES A 10 MILHÕES DE USD Visão Mundial UNICEF Iniciativa 1 Milhão MCA JICA EQUIPAMENTOS DE FUROS BID JICA SUSTENTABILIDADE BAD Maputo, Outubro de

9 Públicas e Habitação ABASTECIMENTO DE ÁGUA RURAL Fontes Dispersas + PEC Sistemas de Abastecimento de Água Rural (Gestor Selecionado) Comunidades das províncias de Maputo, Gaza e Zambézia Qualidade da Água Maputo, Outubro de

10 Públicas e Habitação SANEAMENTO RURAL Saneamento Total Liderado pela Comunidade (SANTOLIC) Infraestruturas de Saneamento Rural (Saneamento Seguro) Comunidades Premiadas em Manica Conceito de aldeias LIFECAS (livres de fecalismo a céu aberto) IMPACTO Diminuição das doenças diarreicas Aumento do número de matrículas especialmente entre as meninas Diminuição de fontes contaminadas Maputo, Outubro de

11 Públicas e Habitação ABASTECIMENTO DE ÁGUA URBANA Fundo de Investimento e Património do Abastecimento de Água (FIPAG) Administração de Infraestruturas de Água e Saneamento (AIAS) 20 Grandes Cidades 130 Pequenas Cidades e Vilas Depósito QUELIMANE ERREGO CHIMOIO MAPUTO/ETA Captação 1 CHOMBA MAPUTO/adutora Maputo, Outubro de 2012 MOAMBA 11

12 Públicas e Habitação SANEAMENTO URBANO Saneamento - BEIRA ETAR - BEIRA Drenagem - QUELIMANE Maputo, Outubro de

13 RECURSOS HÍDRICOS: CONTEXTO NACIONAL 104 bacias hidrográficas, das quais 13 são bacias A precipitação media anual é 980 mm ( mm) Distribuição espacial e temporal irregular 216 MMm 3 de escoamento anual (90% no Zambeze, Norte e Centro-Norte) Ciclicamente afectado por cheias, secas e ciclones

14 RECURSOS HÍDRICOS: CONTEXTO REGIONAL Partilha 9 das 15 bacias internacionais na SADC 116 MMm 3 gerados países de montante (>50%) Progressiva redução dos caudais de fronteira e qualidade de água Forte Dependência dos escoamentos provenientes dos países de montante.

15 MOÇAMBIQUE E OS RIOS INTERNACIONAIS Implicações da Localização Geogáfica do País Redução do fluxo de água na fronteira, devido ao aumento de usos à montante. Dependência em relação aos países de montante devido a baixa capacidade de armazenamento de água em território nacional. Inviabilização de projectos nacionais dependentes da disponibilidade de água. Susceptível de receber água de baixa qualidade e poluição. (actividade agrícola e industrial) Aumento da intrusão salina na foz dos rios devido a redução dos escoamentos (rios Zambeze, Limpopo, Maputo, Incomati e Pungwe) Vulnerabilidade a eventos extremos: Cheias e Secas.

16 GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COMPARTILHADOS: Acordos Internacionais Acordos para a cooperação na protecção, uso e utilização conjunta e sustentável dos recursos hídricos com base no Protocolo Regional. Acordo para o estabelecimento de Comissõess Conjuntas com os Paises Vizinhos. (Bilaterais ou por Bacias) Acordo de Criação do Comite Tecnico de Gestao das Barragens da Bacia do Zambeze (Moc, Zimbabwe e Zambia) Acordos para a implementacao de projectos conjuntos de gestao e desenvolvimento de recursos hidricos compartilhados

17 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: Dependência e Armazenamento Administracoes Regionais de Aguas (ARAs) Gerado em Mocambique Escomaneto Medio Anual (Mm3) Gerado a Montante Total do Escoamento Annual % Gerado em Mocambique Capacidade Nacional de Armazenamento (volume útil) Em Volume (Mm3) Em % South 3,800 17,000 20, , Centre 18,400 1,200 19, , Zambeze 18,000 88, , , Centro-Norte 35, , Norte 24,900 10,000 34, TOTAL 100, , ,500 46% 45, As Regiões Sul e a bacia de Zambeze dependem mais do escoamento gerado nos países vizinhos ( 80%)

18 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: Dependência e Armazenamento (Mm 3 ) Regiões Hídricas Sul Centro Zambéze Centro Norte Norte Gerado Fora do País Gerado em Moçambique Armazenamento

19 Gestão dos Recursos Hídricos Descentralização ARA-Centro (1998) ARA-Zambeze ( ) ADMINISTRAÇÕES REGIONAIS DE ÁGUAS (Personalidade Jurídica Autonomias administrativa, financeira e patrimonial) ARA-Sul (1993) ARA-Norte (2006) ARA-Centro Norte ( )

20

21 Comparação de Caudais Afluentes em Goba BPL e Efluente na BPL (m3/s) Ano: 2007/ Cacaudais (m3/s) Datas Telemetria Caudal A fluente E-10 Go ba(m3/s) Caudal A fluente B P L(m3/s) Caudal Efluente B P L(m3/s) Hidrometria Sep-08 Aug-08 Jul-08 Jun-08 May-08 Apr-08 Mar-08 Feb-08 Jan-08 Dec-07 Nov-07 Oct-07 Sep

22 Segurança da Barragem: Manutenção Operação e Manutenção de Barragens DNA

23 Cadastro, Licenciamento e Gestão dos Usos/Alocações

24 Impactos Ambientais Monitoramento da Qualidade de Água e Ambiente

25 Estratégia Nacional de Gestão de Recursos Hídricos Água para Uso Primário Água para o Desenvolvimento Água e Ambiente Agricultura Saneamento Rural Saneamento Urbano Abastecimento Água Rural Saneamento Rural Abastecimento Água Urbano Saneamento Urbano Energia Transporte (navegação) Pescas Turismo Caudais Ecológicos Poluição da Água Gestão Integrada de Recursos Hídricos 25

26 Estratégia Nacional de Gestão de Recursos Hídricos (Componentes Estratégicas) 1. Política e Lei de Águas 2. Capacitação Institucional e Desenvolvimento de Recursos Humanos Consciencialização Pública e Participação das Partes Interessadas Uso Sustentável e Equitativo dos Recursos Hídricos e Mitigacão Eficiente de Cheias e Secas 1 s t Q t r 2 n d Q t r 3 r d Q t r 4 t h Q t r 3. Dados, Informação e Conhecimentos sobre a Água 7. Rios Internacionais 6. Água e Ambiente 5. Economia, Investimentos e Finanças 4. Desenvolvimento dos Recursos Hídricos

27 ESTRATÉGIA NACIONAL DE GIRH: Acções Prioritárias Estratégia > 5 Anos - Curto 10 Anos - Médio >15 Anos - Longo Legais Institucionais Finanças/Economia Género Leis Políticas, Regulamentos Tipo Natureza Estatuto Recursos Humanos Gestão Integrada de Recursos Hídricos Base de Gestão : Bacia Hidrográfica 27

28 Pilares da Estratégia: Satisfação das necessidades básicas do consumo humano. Saneamento Seguro e Sustentável. Água usada eficientemente para o desenvolvimento económico. Água para a conservação do meio ambiente. Redução da vulnerabilidade a cheias e secas. Promoção da paz e integração regional e garantia de água para o desenvolvimento de Moçambique.

29 Acções Estratégicas à Curto Prazo (Infrastruturas Hidráulicas) Desenvolver Planos de Bacia. Reabilitar e construir pequenas barragens para assegurar a disponibilidade de água para o abastecimento de água rural e urbano (uso doméstico), irrigação, criação de gado e produção de energia hidroeléctrica, de entre outros usos. Dar prioridade à reabilitação e manutenção das barragens e diques existentes em resposta ao crescimento da demanda. Estabelecer e manter o cadastro das obras hidráulicas no País barragens e açudes, diques, sistemas de captação de água e irrigação.

30 Acções Estratégicas à Médio e Longo Prazos implementar, em paralelo com as grandes barragens, um programa de construção de barragens de pequena e média dimensão em todo o país; garantir uma operação e manutenção adequadas, bem como o monitoramento da segurança estrutural das obras; preparar planos de contingência para grandes barragens, considerando a possibilidade de colapsos das mesmas; preparar, aprovar e garantir a implementação dos regulamentos sobre a segurança de barragens; construir novas barragens de média e grande dimensão.

31 DESAFIOS Acesso Universal Continuar investimentos Melhorar a qualidade dos serviços Assegurar a sustentabilidade dos investimentos Adoptar mecanismos que atraiam cada vez mais o Sector Privado a investir no Sector Continuar com as Reformas institucionais e legal por forma a habilitar o Sector a responder aos desafios. Fevereiro de

32 OBRIGADA! 32

33 ANEXO Barragens Existentes e Planificadas

34 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: Armazenamento: Principais Barragens Nome Barragem Pequenos Libombos Rio Cidade / Vila Próxima Capacidade Actual (Mm 3 ) Umbeluzi Maputo 360 Corrumana Sábie Moamba 884 Macarretane (Barragem de Elevação) Limpopo Chokwé 4 Massingir Elefantes Chokwé Mavuzi Revué Chimoio 1,2 Muda- Nhaurire Muda Nhamatanda 60 Chicamba Revué Chimoio Objectivo Abastecimento Urbano Irrigação e Hidroeléctrica (1,7 MW) Irrigação e Hidroeléctrica (14,5 MW) Irrigação Irrigação e Hidroeléctrica (40 MW) Hidroeléctrica Irrigação e Abastecimento de Água Hidroeléctricae Abastecimento Urbano Situação Operacional Operacional, Requer comportas Operacional Operacional, reabilitação descargas de fundo Operacional Operacional Operacional

35 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: Armazenamento: Principais Barragens (Cont.) Nome Barragem Rio Cidade / Vila Próxima Capacidade Actual (Mm 3 ) Chimoio Mezingaze Chimoio 0,3 Objectivo Abastecimento Urbano Situação Fora de serviço Xitunga Chitamba Vanduzi 1 Irrigacao Operacional Cahora Bassa Zambeze Tete Nampula Monapo Nampula 4 Hidroeléctrica (2775 MW) e Irrigação Abastecimento Urbano Operacional Operacional Assoreada Messica Monapo Namialo 47 Irrigação Operacional Nacala Muecula Nacala 4,4 Cuamba (Mini Cahora) Lúrio Cuamba 3 Chipembe Montepuez Montepuez 24 Locume Lucheringo Lichinga 1,9 Abastecimento Urbano Hidroeléctrica e Abastec. de Água Irrigação Hidroeléctrica e Abast.de Água Em reabilitação Operacional Fora de serviço Operacional

36 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: BARRAGENS PLANIFICADAS CURTO PRAZO Nome Barragem Açude de Ressano Garcia Rio Cidade / Vila Próxima Capacidade Actual (Mm 3 ) Incomáti Ressano Garcia 0,20 Objectivo Abastecimento Urbano e Irrigação Nhacangara Nhacangara Bárue 200 Metuchira Metuchira Nhamatanda 10 Gorongosa Nhandare Gorongosa 0,03 Mphanda Nkuwa Zambeze Tete 840 Abastecimento Urbano e Irrigação Abastecimento de água e Irrigação Energia e Abastecimento de água Hidroeléctrica (1300Mw) e Abastecimento Urbano

37 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: BARRAGENS PLANIFICADAS S CURTO PRAZO (cont.) Nome Barragems Rio Cidade / Vila Próxima Capacidade Actual (Mm 3 ) Objectivo Sanhute Sanhute Nacala 29.4 Abastecimento Cidades Nacala-Velha- Porto Lúrio 2 Quedas Lúrio Chiúre e Namuno Produzir energia electrica (170MW) Mugeba Lua Alto Mulócuè Irrigação 35000ha, energia (100MW)

Barragens no Espaço da CPLP Experiências, Soluções e Desafios Maputo, 17-18 de Novembro, 2014

Barragens no Espaço da CPLP Experiências, Soluções e Desafios Maputo, 17-18 de Novembro, 2014 Barragens no Espaço da CPLP Experiências, Soluções e Desafios Maputo, 17-18 de Novembro, 2014 Pequenas Barragens em Moçambique: Motivação, Projecto e Manutenção Prof. Álvaro Carmo Vaz CONSULTEC 1 1 Tópicos

Leia mais

O PAPEL DOS FORNECEDORES PRIVADOS DE ÁGUA EM MOÇAMBIQUE

O PAPEL DOS FORNECEDORES PRIVADOS DE ÁGUA EM MOÇAMBIQUE O PAPEL DOS FORNECEDORES PRIVADOS DE ÁGUA EM MOÇAMBIQUE Suzana Saranga Loforte Gestora de Recursos Hídricos & Meio Ambiente Direcção Nacional de Águas Ministério das Obras Públicas e Habitação de Moçambique

Leia mais

República de Moçambique Ministério das Obras Públicas e Habitação. ABASTECIMENTO DE ÁGUA NAS PRINCIPAIS CIDADES Projectos e Cooperação

República de Moçambique Ministério das Obras Públicas e Habitação. ABASTECIMENTO DE ÁGUA NAS PRINCIPAIS CIDADES Projectos e Cooperação República de Moçambique Ministério das Obras Públicas e Habitação ABASTECIMENTO DE ÁGUA NAS PRINCIPAIS CIDADES Projectos e Cooperação Pedro Paulino Maio 2013 CONTEÚDO 1. CONTEXTO INSTITUCIONAL: Quadro

Leia mais

"Aproveitamento do potencial hidroeléctrico de média escala em Mocambique e desafios para o seu desenvolvimento"

Aproveitamento do potencial hidroeléctrico de média escala em Mocambique e desafios para o seu desenvolvimento Conferência Aquashere 2014 "Aproveitamento do potencial hidroeléctrico de média escala em Mocambique e desafios para o seu desenvolvimento" Indice Introdução Potencial de Geração Hidroeléctrica do País

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SETOR PORTUGUÊS DA ÁGUA. ÁguaGlobal

A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SETOR PORTUGUÊS DA ÁGUA. ÁguaGlobal ÁguaGlobal MOÇAMBIQUE CLUSTER DA ÁGUA ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO MOÇAMBIQUE DADOS GERAIS BREVE APRESENTAÇÃO DO ESTUDO DO SETOR DA ÁGUA EM MOÇAMBIQUE SETOR DA ÁGUA EM MOÇAMBIQUE Enquadramento Dados Estatísticos

Leia mais

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013 Instituto Nacional de Irrigação 31 de Maio de 2013 Estrutura da apresentação I. Reforma do subsector de irrigação em Moçambique II. O INIR - Instituto Nacional de Irrigação 1. Objectivos 2. Organização

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

POLÍTICA DE ÁGUAS (PROPOSTA)

POLÍTICA DE ÁGUAS (PROPOSTA) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO DIRECÇÃO NACIONAL DE ÁGUAS POLÍTICA DE ÁGUAS (PROPOSTA) Junho de 2006 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 VISÃO, PRINCIPAIS OBJECTIVOS E POLÍTICAS

Leia mais

Oportunidades no Sector de Infraestruturas em Moçambique

Oportunidades no Sector de Infraestruturas em Moçambique MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, HABITAÇÃO E RECURSOS HÍDRICOS Oportunidades no Sector de Infraestruturas em Moçambique FÓRUM PARA COOPERAÇÃO ECONÓMICA E COMERCIAL CHINA E CPLP MACAU, JUNHO DE 2015 Índice

Leia mais

POLÍTICA DE ÁGUAS Agosto de 2007

POLÍTICA DE ÁGUAS Agosto de 2007 POLÍTICA DE ÁGUAS Agosto de 2007 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Águas foi aprovada por uma resolução do Governo em Agosto de 1995. A Política de Águas surgiu na sequência da Lei de Águas de 1991. Em

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS

ESTRATÉGIA NACIONAL DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CONSELHO DE MINISTROS ESTRATÉGIA NACIONAL DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS Agosto de 2007 Aprovado na 22ª Sessão do Conselho de Ministros de 21 de Agosto de 2007 ÍNDICE 1 CAPITULO

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique A. de Sousa Fernando asousa@edm.co.mz 1 Principais Operadores do Sector Eléctrico Electricidade de Moçambique (EDM) Empresa Nacional de Electricidade,

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE ABRIL, 2015 Estrutura da Apresentação 2 I. Papel do CEPAGRI II. III. IV.

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Augusto de Sousa Fernando asousa@edm.co.mz 1 Electricidade de Moçambique (EDM) Empresa Nacional de Electricidade, responsável pela Produção, Transporte,

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 5ᵃ Edição ORÇAMENTO CIDADÃO 2016 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em

Leia mais

Moçambique 07-12-2010. Missão Empresarial Novembro 2010 PRESENÇA INTERNACIONAL

Moçambique 07-12-2010. Missão Empresarial Novembro 2010 PRESENÇA INTERNACIONAL PRESENÇA INTERNACIONAL Moçambique Portugal Espanha Benelux Suécia Dinamarca Noruega Finlândia Países Bálticos Polónia Hungria Bulgária Rússia Ucrânia Cazaquistão Turquia Irão Argentina Brasil México Estados

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Madalena Dray Consultora Socio-Ambiental Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO ECONÓMICO E SOCIAL PARA 2013

PROPOSTA DO PLANO ECONÓMICO E SOCIAL PARA 2013 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA DIRECÇÃO DE ESTUDOS E PLANIFICA ÇÃO PROPOSTA DO PLANO ECONÓMICO E SOCIAL PARA 2013 Nampula, 16 de Agosto de 2012 MINISTÉRIO DA ENERGIA 1 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

1.1. Antecedentes do Estudo

1.1. Antecedentes do Estudo CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1. Antecedentes do Estudo 1.1.1. Antecedentes do Estudo A estrutura básica do Programa de Cooperação Triangular para o Desenvolvimento Agrícola da Savana Tropical em Moçambique

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde Por: António Pedro B. BORGES Coordenador da Comissão de Reforma do Sector da Água e Saneamento MAHOT - Praia, Cabo Verde

Leia mais

MOÇAMBIQUE ACTUALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR Janeiro 2005

MOÇAMBIQUE ACTUALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR Janeiro 2005 MOÇAMBIQUE ACTUALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR Janeiro 2005 TIPO DE ALERTA: NORMAL VIGILÂNCIA AVISO EMERGÊNCIA CONTEÚDO Perspectiva sobre Riscos... 2 Precipitação e implicações... 2 Análise de Mercados...

Leia mais

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Encontro Ministerial «Desafios para Cooperação entre China e os Paises de Lingua Portuguesa no dominio das Infra-estruturas: Alternativas de Financiamento» Visão e Estrategia

Leia mais

Risco Hidrológico e grandes hidroélectricas na Africa Austral

Risco Hidrológico e grandes hidroélectricas na Africa Austral Risco Hidrológico e grandes hidroélectricas na Africa Austral Avaliando os riscos hidrológicos, incertezas e as suas consequências para os sistemas dependentes de energia hidroélectrica na Bacia do Rio

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

28 de Agosto de 2002. Destaques

28 de Agosto de 2002. Destaques Famine Early Warning Systems Network 28 de Agosto de 2002 Destaques Uma avaliação rápida de necessidades alimentares foi levada a cabo de 22 de Julho a 11 de Agosto de 2002 por equipas do PMA, FEWS NET,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL Relatório dos seminários de definição das prioridades do GEF 5 para Moçambique 1. INTRODUÇÃO Moçambique beneficiou- se dos fundos

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

José Saldanha Matos. Instituto Superior Técnico

José Saldanha Matos. Instituto Superior Técnico José Saldanha Matos Instituto Superior Técnico Água, saneamento e higiene para todos Água para a energia, energia para a água Água e alimento para pôr fim à pobreza Os múltiplos usos e funções dos serviços

Leia mais

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho Brasília 16 a 18 de março de 2015 CERSA Centro de Referência em Segurança da Água José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho CERSA Projecto de futuro ao serviço da saúde

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores SUMÁRIO EXECUTIVO O Plano Estratégico da Província de Inhambane para o período 2011-2020 (PEP II) é parte integrante do processo provincial de planificação do Governo, com a finalidade de promover o desenvolvimento

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

SÍNTESE DA SESSÃO 1- ABASTECIMENTO DE ÁGUA: APRESENTAÇÕES RESULTADOS DOS GRUPOS DE TRABALHO Água rural, Água urbana RESULTADOS DO GRUPO VIP

SÍNTESE DA SESSÃO 1- ABASTECIMENTO DE ÁGUA: APRESENTAÇÕES RESULTADOS DOS GRUPOS DE TRABALHO Água rural, Água urbana RESULTADOS DO GRUPO VIP 1 SÍNTESE DA SESSÃO 1- ABASTECIMENTO DE ÁGUA: APRESENTAÇÕES RESULTADOS DOS GRUPOS DE TRABALHO Água rural, Água urbana RESULTADOS DO GRUPO VIP 2 APRESENTAÇÕES Acesso universal aos serviços básicos do AA

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Síntese da Conferência

Síntese da Conferência Síntese da Conferência Sob o lema Saneamento para Todos, Responsabilidade de Todos realizou-se de 14 a 16 de Maio de 2014, a Conferência Nacional de Saneamento, no Centro de Conferências Joaquim Chissano,

Leia mais

28 de Janeiro de 2015 Quente-Quente No. 1020

28 de Janeiro de 2015 Quente-Quente No. 1020 28 de Janeiro de 2015 Quente-Quente No. 1020 Informação Semanal de Mercados Agrícolas no País, Região e Mundo Publicação do Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA) Ministério da Agricultura

Leia mais

Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique

Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique Apresentado pelo Director do Centro de Promoção da Agricultura Abdul Cesar Mussuale Turino, Fevereiro 2012 Estrutura de Apresentacao I. Informacao

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Fórum da Conectividade Rural

Fórum da Conectividade Rural FUNDO DO SERVIÇO DE ACESSO UNIVERSAL (FSAU) Fórum da Conectividade Rural O Fundo do Serviço de Acesso Universal e o seu papel na promoção de parcerias Público- Privadas para a conectividade rural Apresentado

Leia mais

DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO

DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO - A reforma em curso e as necessidades em investimentos imediatos

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

LEGISLAÇAÕ SOBRE RECURSOS HIDRICOS EM MOÇAMBIQUE

LEGISLAÇAÕ SOBRE RECURSOS HIDRICOS EM MOÇAMBIQUE Ministério das Obras Públicas e Habitação 1. A constituição da República 2. Fundamentação da Lei de Águas 3. Objectivos da Lei de Águas 4. Definição do Domínio Público Hídrico 5. Princípios da Lei de Águas

Leia mais

15 de Janeiro de 2014 Quente-Quente No. 967

15 de Janeiro de 2014 Quente-Quente No. 967 15 de Janeiro de 2014 Quente-Quente No. 967 Informação Semanal de Mercados Agrícolas no País, Região e Mundo Publicação do Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA) Ministério da Agricultura -

Leia mais

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente.

ÁGUA. O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente. ÁGUA O ciclo da água e as suas propriedades Disponibilidade Fontes de abastecimento Usos Problemas associados Uso eficiente 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008 1 Ciclo da Água 1º Ano Eng.ª Ambiente 2007/2008

Leia mais

18 de Junho de 2015 Quente-Quente No. 1040

18 de Junho de 2015 Quente-Quente No. 1040 18 de Junho de 2015 Quente-Quente No. 1040 Informação Semanal de Mercados Agrícolas no País, Região e Mundo Publicação do Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA) Ministério da Agricultura -

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 2015. (Versão Preliminar)

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 2015. (Versão Preliminar) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 2015 (Versão Preliminar) Maio de 2015 1 Orçamento Cidadão 2015 Visão: Assegurar a participação

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

PROJECTOS EM PIPELINE DO SECTOR DE ÁGUAS

PROJECTOS EM PIPELINE DO SECTOR DE ÁGUAS PROJECTOS EM PIPELINE DO SECTOR DE ÁGUAS Direcção Nacional de Águas (DNA), Maputo, 31 de Maio de 2013 1 CONTEÚDO 1. ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL 2. FONTES E MECANISMO DE FINANCIAMENTO DE PROJECTOS 3. PROCESSO

Leia mais

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA Programa de Cooperação Trilateral para o Desenvolvimento Agrário do Corredor de Nacala (ProSAVANA) Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Leia mais

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções?

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? A Acção Social Produtiva no Quadro da Regulamentação do Subsistema de Segurança Social Básica e da Estratégia Nacional e Segurança

Leia mais

INFORMAÇÃO ESPECIAL PARA CTGC CENOE/INGC/2000-10

INFORMAÇÃO ESPECIAL PARA CTGC CENOE/INGC/2000-10 República de Moçambique Ministério da Administração Estatal Instituto Nacional de Gestão de Calamidades Centro Nacional Operativo de Emergência INFORMAÇÃO ESPECIAL PARA CTGC CENOE/INGC/2000-10 Maputo,

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal A Evolução dos Serviços de Água em Portugal AcquaLifeExpo Lisboa, 22-25 de Março de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.:

Leia mais

A absorção financeira no sector da água, do saneamento e da higiene 1

A absorção financeira no sector da água, do saneamento e da higiene 1 A absorção financeira no sector da água, do saneamento e da higiene 1 Estudo de caso de Moçambique 1 A WaterAid encarregou a Development Finance International (DFI) para realizar uma análise da absorção

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

Workshop Internacionalização - Angola e Moçambique. Moçambique: Caracterização do Mercado e Oportunidades de Negócio

Workshop Internacionalização - Angola e Moçambique. Moçambique: Caracterização do Mercado e Oportunidades de Negócio Workshop Internacionalização - Angola e Moçambique Moçambique: Caracterização do Mercado e Oportunidades de Negócio 6 de Março de 2012 1 Agenda Dados Demográficos dados Sociais dados Políticos dados Económicos

Leia mais

Agua, Economia, Desenvolvimento

Agua, Economia, Desenvolvimento Agua, Economia, Desenvolvimento O Caso Moçambicano Stefano Farolfi IWEGA UEM www.iwega.org Plano da presentaçao Moçambique na regiao SADC: agua e desenvolvimento Janela sobre Moçambique Quais questoes

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina Apoio financeiro e técnico no setor água O CAF apoia os esforços que os países da região realizam para garantir que toda a população

Leia mais

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci Abril 2013 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 INSTRUMENTOS LEGAIS PARA A CRIAÇÃO DO CTHIDRO... 3 1.2 OBJETIVOS DO CT-HIDRO... 3 1.3

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

5 de Março de 2015 Quente-Quente No. 1025

5 de Março de 2015 Quente-Quente No. 1025 5 de Março de 2015 Quente-Quente No. 1025 Informação Semanal de Mercados Agrícolas no País, Região e Mundo Publicação do Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA) Ministério da Agricultura - Direcção

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA CONJUNTA PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PUNGOÉ

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA CONJUNTA PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PUNGOÉ Governo da República de Moçambique Governo da República do Zimbabwe Agência Sueca para o Desenvolvimento Internacional (Asdi) DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA CONJUNTA PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS

Leia mais

Informação Semanal de Mercados Agrícolas no País, Região e Mundo. Preço do Arroz Cai em Alguns Mercados

Informação Semanal de Mercados Agrícolas no País, Região e Mundo. Preço do Arroz Cai em Alguns Mercados 05 de Janeiro de 2006 Quente-Quente No. 548 Informação Semanal de Mercados Agrícolas no País, Região e Mundo Publicação do Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA) Ministério da Agricultura -

Leia mais

Gestão descentralizada dos sistemas de abastecimento de água: desafios de eficiência e sustentabilidade. Três estudos de caso

Gestão descentralizada dos sistemas de abastecimento de água: desafios de eficiência e sustentabilidade. Três estudos de caso 2 Gestão descentralizada dos sistemas de abastecimento de água: desafios de eficiência e sustentabilidade. Três estudos de caso André Uandela 1. Introdução No presente capítulo o autor pretende fazer uma

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CONSELHO DE MINISTROS PLANO DE CONTINGÊNCIA ÉPOCA CHUVOSA E DE CICLONES 2010-2011 APROVADO PELA 38ª SESSÃO DO CONSELHO DE MINISTROS DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 1. INTRODUÇÃO Moçambique

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

A Regulação, Barómetro do Desenvolvimento!

A Regulação, Barómetro do Desenvolvimento! 1 Nota Prévia A Regulação, Barómetro do Desenvolvimento! O abastecimento de água das principais cidades atingiu níveis elevados de autosustentabilidade e de cobertura, resultado de um esforço continuado

Leia mais

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 1 Estrutura de apresentação Objectivo do Plano Caracterização geral da comercialização agrícola Principais Intervenientes

Leia mais

Custos das Fontes Dispersas em Moçambique

Custos das Fontes Dispersas em Moçambique Folheto Informativo Moç. C 01 Custos das Fontes Dispersas em Moçambique Análise dos custos unitários dos contractos de 2009 Júlia Zita, Arjen Naafs WASHCost Dezembro, 2010 O objectivo deste documento da

Leia mais

OPORTUNIDADES DO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE OPORTUNIDADES DO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE 1 O CEPAGRI (1-3) 2 Criado através do Decreto nº 20/2006 de 29 de Junho como instituição subordinada ao Ministério da Agricultura Criado com objectivo de: Estimular

Leia mais

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL República de Moçambique MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Maputo, 06 de Outubro de 2006 1 PORQUE INSISTIR NO MEIO RURAL? Representa mais de 95% do território

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

O Pacto das Águas é uma ferramenta de:

O Pacto das Águas é uma ferramenta de: O Pacto das Águas é uma ferramenta de: Construção de visão estratégica e consensual sobre os recursos hídricos no Ceará Envolvimento dos diversos atores (públicos e privados) na elaboração de um Plano

Leia mais

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE ÁGUA, DIREITO DE TODAS AS PESSOAS Recursos hídricos recursos naturais essenciais bens de valor econômico limitado viabiliza

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS 032135.0407xx.MOZ.CON-01.Output9-5.v1 AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS 1. Introdução O relatório do "Intergovernmental Panel on Climate Change" (IPCC,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Id: 40267 (42 years)

Id: 40267 (42 years) Foto não disponível Id: 40267 (42 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 25/06/1973 País: Mozambique, Região: Niassa, Cidade: Lichinga Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO:

Leia mais