Qualidade da água para consumo humano ofertada na cidade de Limoeiro do Norte, Ceará

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade da água para consumo humano ofertada na cidade de Limoeiro do Norte, Ceará"

Transcrição

1 Quli águ pr consumo umno ort n ci Limoiro o Nort, Crá Emnul Nto Alvs Olivir, Dygo Cost Sntos, Jobis Nobr Mrtins Digo Isis Dis Mrqus Uni Acêmic Engnri Agrícol Univrsi Frl Cmpin Grn, Cmpin Grn, PB, Brsil Dprtmnto Ciêncis Básics Sociis o Cntro Ciêncis Humns, Sociis Agráris Univrsi Frl Príb, Bnnirs, PB, Brsil Rsumo - A águ é um bm prcioso vlor instimávl qu sprt crscnt procupção populção com rlção su quli. Objtivou-s com o stuo vlir quli ísico-químic microbiológic águ stin o consumo umno n ci Limoiro o Nort, CE. As mostrs águ orm colts irtmnt tornir qutro rsiêncis no município m stuo, sno qu s colts orm tus m is, por um príoo 1 is. Os prâmtros microbiológicos vlios orm coliorms totis trmotolrnts os ísico-químicos orm ph, clortos, lclini cloro rsiul livr. Obsrvou-s qu, urnt o príoo rlizção s colts, tos s mostrs prsntrm-s m coro com os prâmtros ísico-químicos microbiológicos nlisos, sguno rcomnçõs Portri n 18/04. Toos os prâmtros ísico-químicos vlios prsntrm ito signiictivo 1% probbili, plo tst F. Sugri-s rlizção novos tsts microbiológicos ísico-químicos pr tstr quli águ ornci os morors ci Limoiro o Nort, CE. Plvrs-cv: bstcimnto águ, control quli, potbili Wtr qulity or umn consumption in t city o Limoiro o Nort, Crá Abstrct Wtr is n ssntil sst, n mjor public concrns xist rgring its qulity. T objctiv o t prsnt stuy ws to vlut t pysiocmicl n microbiologicl qulity o wtr intn or umn consumption in t city o Limoiro o Nort, Crá. Wtr smpls wr collct irctly rom t tp o our oms in t city, vry iv ys ovr prio o 1 ys. T microbiologicl prmtrs vlut wr prsnc o totl n cl coliorms, n t pysicocmicl prmtrs wr ph, clori, lklinity n r rsiul clorin. It ws obsrv tt, uring t smpling prio, ll smpls wr in grmnt or t pysiocmicl n microbiologicl prmtrs nlyz, in ccornc wit rcommntions o Orinnc No. 18/04. T pysiocmicl prmtrs vlut sttisticlly signiicnt ct t 1% probbility, ccoring to t F tst. T implmnttion o urtr microbiologicl n pysiocmicl tsting is suggst to crtiy t qulity o wtr suppli to rsints o t city o Limoiro o Nort, Crá. Kywors: wtr supply, qulity control, potbility Introução A águ, inispnsávl à vi é consir um bm prcioso vlor instimávl nos is oj qu pssou por um procsso tribuição vlor o longo o tmpo. Em príoos ntriors o cpitlismo, r vist tão somnt como um áiv ivin pr os povos qu utilizvm m sus cultivos, ou como um grç os uss pr civilizçõs qu bitvm locis scssz íric (Vnncio & Kurtz, 009). Sbr controlr quli s águs stins o consumo umno é, oj, o lvo s procupçõs s utoris snitáris m too o muno, tmbém os rsponsávis pl su ministrção. Após o sorço no nívl proução, é ncssário ssgurr-s quli águ, pr tl, prõs mbintis vm sr impostos su ixção constitui um lmnto polític prvnção qu vis iminuir os riscos snitários ligos à águ (Abru t l., 000). D coro com Crmo t l. (008), o trmo vigilânci prssupõ vlição rqunt continu spctos ivrsos, objtivno intiicção riscos potnciis à sú umn, com vists possibilitr orms intrvnção ou control, ssumino, ssim, crátr rotiniro prvntivo. Quno plic à quli águ pr consumo umno, o crátr prvntivo torn-s um sio pr os proissionis vigilânci, já qu quli águ é inâmic no tmpo no spço, sno o monitormnto rlizo o msmo tmpo m qu águ é cpt, istribuí consumi. N Portri n o Ministério Sú/ANVISA, são stblcios mis 0 prõs potbili pr substâncis químics qu rprsntm riscos à sú umn, como cloro rsiul livr, lém 0 prõs citção águ pr consumo umno, ntr os quis clorto, urz oor. O grn númro nsios ísico-químicos stblcios iicult qu sjm rlizos n su totli plos lbortórios oiciis privos pr Tcnol. & Ciên. Agropc., João Psso, v.6, n., p.1-, jun. 01 1

2 vlir quli s mostrs águ stins o consumo umno vio o tmpo qu mnri su xcução à cpci técnic rcursos umnos (Brsil, 004; Tvrs t l., 009). N rri lgislção, águ é consir potávl, sob o ponto vist microbiológico, quno stá coro com sguint conormi: usênci coliorms totis trmotolrnts m 0 ml mostr águ pr consumo (Brsil, 004; Siquir t l., 0). Um s miors procupçõs os consumiors com águ consir potávl é contminção por microorgnismos ptogênicos. Crtos orgnismos, incluino ivrss bctéris, vírus prsits, são bm concios contminnts águ. A crscnt inciênci incçõs rlcions com ingstão águ tornou-s um procupção ominnt pr s ntis gstors sistms bstcimnto. A águ qu circul ns rs istribuição stá long constituir um prouto puro stávl, um vz qu nsi os micro-orgnismos prsnts umnt com o tmpo rsiênci istânci ntr stção trtmnto o usuário (Cvs, 004). A mn crscnt águ o longo o tmpo ncssi um control mis icint su quli impulsionou crição gêncis órgãos rgulors, bm como o snvolvimnto psquiss pr ssssorr s tivis control mnjo (Anr t l., 00). Divrsos trblos já orm snvolvios com o objtivo vlir quli ísico-químic microbiológic águs pr consumo umno no Brsil: Rmos t l. (008) psquisrm quli microbiológic águ consumi pl populção o Distrito o Sn, Mcé, Rio Jniro; Tvrs t l. (009) psquisrm quli ísico-químic microbiológic águ bics loclizs nos municípios Sntos São Vicnt, Esto São Pulo; Cicti t l. (0) sturm inicors ísico-químicos bctriológicos quli águ pr consumo umno niml m ár orizicol irrig, sto o Prná; Scorsv t l. (0) vlirm ísicoquimicmnt quli águ poços mins stin o consumo umno, São Pulo; Siquir t l. (0) vlirm microbiologicmnt águ consumo mprg m unis limntção n ci Rci, Prnmbuco. Um vz qu águ stin o consumo umno v tnr crtos rquisitos quli stblcios pl Portri n , objtivou-s com o stuo vlir quli ísico-químic microbiológic águ stin o consumo umno n ci Limoiro o Nort, CE, ignosticno s o sistm bstcimnto istribuição águ stá sno cpz tnr s norms lgis, sguno nális os prâmtros vlios. Mtril Métoos O stuo oi snvolvio n ci Limoiro o Nort ( 09'S 38 06'O), locliz n Rgião o Vl o Jgurib, no Esto o Crá, istnt 0 km cpitl Fortlz, prsntno como vis csso s roovis BR-116 CE-377. Form colts qutro mostrs águ irtmnt tornir qutro rsiêncis ci Limoiro o Nort, CE, totlizno m 16 mostrs. As colts orm rlizs m intrvlos is, por um príoo 1 is. As mostrs orm conicions m mblgns polipropilno pr náliss ísico-químics viro pr s microbiológics, mbs com cpci 00 ml. As mostrs orm trnsports m cixs isotérmics contno glo ncmins, imitmnt, os lbortórios Bromtologi Microbiologi Alimntos o Curso Tcnologi Alimntos Fcul Tcnologi CENTEC Cmpus Limoiro o Nort, CE, pr rlizção s náliss. Pr colt s mostrs stin às náliss ísicoquímics os rscos utilizos orm lvos bunntmnt com msm águ sr colt pr colt s mostrs stins às náliss microbiológics, os rcipints orm lvos, scos, m sgui, icionos 0,1 ml tiossulto sóio % pr c 0 ml águ sr colt, com inli impir ção o cloro rsiul, com postrior strilizção os viros m utoclv 11 C por 1 minutos. Ants colt tuou-s iginizção tornir com plicção álcool 70%. As náliss ísico-químics rlizs orm bss ns trminçõs ph, clortos (mg/l), lclini (mg/l) cloro rsiul livr (mg/l) sguno mtoologis o Instituto Aolo Lutz (Brsil, 00). Nos nsios microbiológicos orm trminos: coliorms totis trmotolrnts pl técnic o substrto inio (Colilrt), coro com mtoologi prconiz m APHA (00). O linmnto xprimntl oi o blocos intirmnt csulizos com zssis trtmntos três rptiçõs. Os os orm submtios à nális vriânci comprção méis oi it plo tst Tuky % probbili. Ns náliss utilizou-s o sotwr Assistt. Os os s náliss ísico-químics microbiológics tmbém orm compros com os vlors stblcios pl lgislção brsilir vignt com os vlors rrncios n litrtur. Rsultos Discussão N Tbl 1 prsntm-s os rsultos s náliss microbiológics s 16 mostrs águ pr consumo umno, provnints ci Limoiro o Nort, CE. Vriic-s qu tos s mostrs vlis prsntrm-s ntro os prõs stblcios pr coliorms totis trmotolrnts ixos pl Portri n.18/04 (BRASIL, 004), consttno-s usênci m 0 ml águ pr mbos os microrgnismos stuos. Tcnol. & Ciên. Agropc., João Psso, v.6, n., p.1-, jun. 01

3 D coro com Von Sprling (1996), s bctéris o grupo coliorms são inicors contminção cl, ou sj, inicm s um águ oi contmin por zs, m corrênci, s prsnt um potncili pr trnsmitir onçs. D coro com os rsultos, constt-s qu águ consumo ci Limoiro o Nort, urnt o príoo o stuo, stv microbiologicmnt sgur, sm potncili trnsmitir onçs à ppulção. Rittr & Tono (009) tmbém vriicrm rsultos stistórios, o ponto vist microbiológico, o nlisrm águs pr consumo umno m Porto Algr, RS. Cicti t l. (0), o nlisrm águ consumi m rgião orizicol no Prná, vriicrm qu, mnir grl, stv contmin tnto com coliorms totis como trmotolrnts. Tvrs t l. (009), psquisno quli águ bics loclizs nos Municípios Sntos São Vicnt, SP, vriicrm prsnç coliorms trmotolrnts m 41,9% s mostrs Cbrini & Gllo (001), o invstigrm águs minris nturis nvss n ci Pircicb, SP, ncontrrm us mostrs positivs pr coliorms totis. Tbl 1. Vlors méios s náliss microbiológics mostrs águ pr consumo umno colts n ci Limoiro o Nort, CE. Amostrs Tmpo (is) Rsiênci Rsiênci 0 1 Rsiênci Rsiênci Coliorms totis (NMP/0 ml) Coliorms trmotolrnts (NMP/0 ml) Vriicm-s n Tbl os rsultos s náliss ísicoquímics s 16 mostrs águ pr consumo umno, provnints ci Limoiro o Nort, CE. Obsrv-s qu toos os prâmtros nlisos (ph, clortos, lclini cloro rsiul livr) prsntrm ito signiictivo m nívl 1% probbili, plo tst F, urnt too príoo mostrgm. Os vlors ph ncontrm-s ntro os prõs stblcios pl lgislção brsilir vignt (Brsil, Tbl. Vlors méios s náliss ph, clortos, lclini cloro rsiul livr mostrs águ pr consumo umno colts n ci Limoiro o Nort, CE. Amostrs Tmpo (is) Rsiênci Rsiênci 0 1 Rsiênci Rsiênci Mi grl DMS CV(%) Tst F ph 6,7 b 6,77 6,08 6,67 6,8 6,3 6,0 6,30 6,8 6,83 6,30 6,3 6,6 6,77 6,11 6,47 b 6,49 0,1 0,78 63,0** Clortos (mg/l) c 14,60 ijl 90,80 1,0 jl 90,37 149, ,17 i 9,37 147,00 g 98,60 8,7 l 89,40 b 147,7 93,3 114,3 ij 91,0 1,96 1,81 0,4 4.96,9** Alclini (mg/l) i 4,70 b 37,83 g 3,47 b 37,80 9,77 34,7 34,33 36,60 Cloro rsiul livr (mg/l) 1,77 1,7 Méis sguis msm ltr, ns coluns, não irm signiictivmnt ntr si, plo tst Tuky % probbili. DMS = Dsvio méio signiictivo; CV = Coicint vrição. ** Signiictivo 1% probbili, plo tst F. 004) qu stblc vlor mínimo 6,0 máximo 9,. Os rsultos ph vrirm 6,08 6,83, com vlor méio 6,49. As ltrçõs ph pom tr origm nturl (issolução rocs, otossínts) ou ntropogênic (spjos omésticos inustriis). Em águs bstcimnto, bixos vlors ph pom contribuir pr su corrosivi grssivi, nqunto vlors lvos umntm possibili incrustçõs (Brsil, 006). Cmpos t l. (003) vriicrm ph méio 6,96 m águs tornirs ligs à r public 7,3 m águs rsrvtórios omicilirs loclizs n ci Arrqur, Esto São Pulo. Já Tvrs t l. (009) vriicrm vlors vrino ntr,3 7,0 o sturm quli ísico-químic águ bics loclizs nos municípios Sntos São Vicnt, tmbém no sto São Pulo. Constt-s qu os vlors clortos ncontrms ntro os prõs spciicos pl portri n.18/004 qu stblc rsulto máximo clorto 0 mg/l (Brsil, 004), como vrição 89,40 149,83 mg/l. Vlors cim s spciicçõs pom ltrr s crctrístics orgnoléptics águ, principlmnt os rlcionos o sbor. Silv t l. (009) rportrm vlors clortos vrino mg/l o sturm águs origm subtrrân m us comunis Ctolé o Roc-PB. 36,3 38,73 30,37 3,7 i 4,90 34,77 33,17 3,47 g 33,4 1,8 1,6 301,88 ** 3,01 1,80,03 1,63 b 1,80,17 0,6 4,01 1,18** Tcnol. & Ciên. Agropc., João Psso, v.6, n., p.1-, jun. 01 3

4 Consirno qu o vlor máximo prmissívl pr lclini totl m águs pr consumo umno rcomn pl Orgnizção Munil Sú (OMS, 1999), qu é 400 mg/l, tos s mostrs pr toos os príoos stuos possuírm vlors lclini ntro os limits, pr um vrição 4,70 38,73 mg/l (vlor méio 33,4 mg/l). A lclini um mostr águ é vi principlmnt à prsnç bicrbontos, crbontos iróxios. D coro com Brsil (006), lclini inic qunti íons n águ qu rgm pr nutrlizr os íons irogênio. Constitui, portnto, um mição cpci águ nutrlizr os ácios, srvino ssim pr xprssr cpci tmponmnto águ, isto é, su conição rsistir munçs o ph. Frnc t l. (006), nlisno quli águ os poços mnnciis supriciis m Juziro o Nort, Crá, m ois príoos o no (sco cuvoso), consttrm qu tos s mostrs águ prsntrm vlors lclini totl citávis pr consumo umno. Já Mns t l. (008) o stur s crctrístics ísico-químics águs tmbém m ois príoos o no n ci Congo, Príb, vriicrm qu lclini totl s mostrs vriou 43,0 48, mg/l, com méi 193,06 mg/l no príoo cuvoso 9 mg/l 8, mg/l, com méi 9,43 mg/l pr o príoo sco. Qunto às nliss cloro rsiul livr, vriic-s vlors comprnios ntr 1,63 3,01 mg/l, com méi,17 mg/l. Vriic-s qu o tor cloro rsiul oi suprior 0, mg/l m tos s mostrs colts pr toos os príoos, stno coro com o spciico pl lgislção vignt (Brsil, 004). Tvrs t l. (009) rportrm rsultos stistórios pr cloro rsiul o nlisrm águs bics s cis Sntos São Vicnt, sto São Pulo, já Cmpos t l. (003) o sturm águ consumo umno istribuí n ci Arrqur no sto São Pulo vriicrm tor méio cloro 0,3 mg/l m águ tornirs ligs irtmnt à r bstcimnto. Os tors cloro rsiul mntios no sistm istribuição são tmbém, m si, inicors quli águ sgurnç snitári o sistm istribuição, um vz qu os vlors usulmnt xigios são os consiros suicints pr intivção bctrin, no ntnto, o cloro rsiul por si só po umntr corrosão por mio rção com íons rro consqunt prcipitção iróxio rro, pssívl sr um importnt nutrint pr o crscimnto microbino (Brsil, 006). N Figur 1, stão prsnts s porcntgns rução umnto os prâmtros ísico-químicos vlios por rsiênci, consirno-s o tmpo inicil (0 is) o tmpo inl (1 is). Porcntgm (%) , -37,93 3,04-1, -4, -38,3,94 Figur 1. Porcntgm umnto ou rução os prâmtros ísico-químicos nlisos o longo 1 is mostrgm ,76-39,18 1,0 -,6 -,7-38 4,4 Rsiênci 1 Rsiênci Rsiênci 3 Rsiênci 4 ph Clortos (mg/l) Alclini (mg/l) Cloro (mg/l) Com rlção o ph, obsrv-s qu rsiênci 1 oi únic qu prsntou umnto (1,%) o inl o príoo monitormnto, ms não signiictivo. Já s mis rsiêncis prsntrm rução nos vlors ph o inl o príoo colt, corrsponno 4,6; 0,76,7%, pr s rsiêncis 1, 3, rspctivmnt. Consttou-s comportmnto crscnt nos vlors clortos o inl o monitormnto quli águ ci Limoiro o Nort, CE, com ruçõs qus 40% nss prâmtro. No tocnt trminção lclini, vriic-s umnto ns rsiêncis 1, 4, corrsponno 3,01;,94 4,4%, rspctivmnt, rução n rsiênci 3 (,6%), o compr-s os tors lclini inicis inis. Obsrv-s qu o inl o príoo colt s águs, qu pns mostr provnint rsiênci 3 prsntou umnto (1%) no tor cloro rsiul livr. As mis mostrs águ colts ns rsiêncis 1, 4 prsntrm rução 1,; 40 %, rspctivmnt. Conclusõs 1. A águ istribuí pr consumo umno n ci Limoiro o Nort, CE, tn toos os rquisitos microbiológicos ísico-químicos nlisos nst stuo spciicos pl lgislção brsilir vignt.. Toos os prâmtros ísico-químicos nlisos prsntrm ito signiictivo m nívl 1% probbili pr too príoo mostrgm. 3. Sugr-s prioici n rlizção novos tsts microbiológicos ísico-químicos pr tstr quli águ ornci os morors Limoiro o Nort, CE. Rrêncis ABREU, L.M.; GRANEMANN, S.R.; Ivn GARTNER, I.; BERNARDES, R.S. Escol um progrm control quli águ pr consumo umno: plicção o - 4 Tcnol. & Ciên. Agropc., João Psso, v.6, n., p.1-, jun. 01

5 métoo AHP. Rvist Brsilir Engnri Agrícol Ambintl, v.4, n., p.7-6, 000. ANDRADE, E.M.; PALÁCIO, H.A.Q.; CRISÓSTOMO, L.A.; SOUZA, I.H.; TEIXEIRA, A.S. Ínic quli águ, um propost pr o vl o rio Trussu, Crá. Rvist Ciênci Agronômic, v.36, n., p.13-14, 00. Amricn Public Hlt Assocition (APHA). Stnr t mtos or xmintion o wtr n wstwtr. 1, Bltimor: Unit Book Prss, 00. BRASIL. Ministério Sú. Portri nº 18 mrço 004. Estblc os procimntos rsponsbilis rltivs o control vigilânci quli águ pr consumo umno su prão potbili ão outrs provincis. Diário Oicil [] Rpublic Frtiv o Brsil. Brsíli, DF, p.66-9, 6 Mr. 004, Sção 1. BRASIL. Instituto Aolo Lutz (São Pulo - Brsil). Métoos ísico-químicos pr nális limntos: norms nlítics o Instituto Aolo Lutz. 4ª. Brsíli (DF): ANVISA; 00. 0p. BRASIL. Ministério Sú. Scrtri Vigilânci m Sú. Vigilânci control quli águ pr consumo umno. Brsíli: Ministério Sú, p. (Séri B. Txtos Básicos Sú) CABRINI, K.T.; GALLO, C.R. Avlição quli microbiológic águs minris nvss. Higin Alimntr, v.1, n.90/91, p.83-9, 001. CAMPOS, J.A.D.B.; FARACHE FILHO A.; FARIA, J.B. Quli águ rmzn m rsrvtórios omicilirs: prâmtros ísico-químicos microbiológicos. Rvist Alimntos Nutrição, v.14, n.1, p.63-7, 003. CARMO, R.F.; BEVILACQUA, P.D.; BASTOS, R.K.X. Vigilânci quli águ pr consumo umno: borgm qulittiv intiicção prigos. Engnri Snitári Ambintl, v.13, n.4, p.46-34, 008. CHAVES, L.C.D. Estuo cinétic ormção bioilms m suprícis m contcto com águ potávl Dissrtção (Mstro m Tcnologi o Ambint) Univrsi o Mino, Brg, 004. CHICATI, M.L.; NANNI, M.R.; CEZAR, E. Inicors ísico-químicos bctriológicos quli águ pr consumo umno niml m ár orizicol irrig. Agropcuári Técnic, v.31, n., p.16-33, 0. FRANCA, R.M.; FRISCHKORN, H.; SANTOS, M.R.P.; MENDONÇA, L.A.R.; BESERRA, M.C. Contminção poços tubulrs m Juziro o Nort-CE. Rvist Engnri Snitári Ambintl, v.11, n.1, p.9-, 006. MENDES, J.S.; CHAVES, L.H.G.; CHAVES, I.B. Quli águ pr consumo umno m comunis ruris o município Congo, PB. Rvist Ciênci Agronômic, v.39, n., p , 008. Orgniztion Munil l Slu (OMS). Guis pr l cli l águ potbl... v.1, Gnbr: OMS, RAMOS, G.D.M.; MACHADO JUNIOR, H.F.; SILVA, V.L.; CASTELAN, F.G.; GUERRA, A.F.; FERNANDES, M.M.; GASPAR, A. Quli microbiológic águ consumi pl populção o Distrito o Sn, Mcé, Rio Jniro. Rvist o Instituto Aolo Lutz, v.67, n., p.0-, 008. RITTER, A.C.; TONDO, E.C. Avlição microbiológic águ minrl nturl tmps plástics utilizs m um inústri grn Porto Algr/RS. Rvist Alimntos Nutrição, v.0, n., p.03-08, 009. SCORSAFAVA, M.A.; SOUZA, A.; STOFER, M.; NUNES, C.A.; MILANEZ, T.V. Avlição ísico-químic quli águ poços mins stin o consumo umno. Rvist o Instituto Aolo Lutz, v.69, n., p.9-3, 0. SILVA, M.J.S.; MELO, D.R.M.; FERNANDES, D.; NUNES JÚNIOR, E.S.; SILVA, R.A. Avlição ísico-químic microbiológic águ subtrrân m us comunis Ctolé o Roc-PB. Rvist Vr, v.4, n.4, p.11-11, 009. SIQUEIRA, L.P.; SHINOHARA, N.K.S.; LIMA, R.M.T.; PAIVA, J.E.; LIMA FILHO, J.L.; CARVALHO, I.T. Avlição microbiológic águ consumo mprg m unis limntção. Ciênci & Sú coltiv, v.1, n.1, p.63-66, 0. TAVARES, D.S.; ALONSO, A.C.B.; MELLO, A.R.P.; SOUSA, C.V.; GONZALEZ, E.; PASSOS, E.C.; PIMENTEL, F.C.; SILVA, M.L.P.; TAVARES, M.; BARSOTTI, R.C.F. Quli águ bics loclizs nos municípios Sntos São Vicnt, Esto São Pulo, Brsil. Rvist o Instituto Aolo Lutz, v.68, n., p.37-44, 009. VENANCIO, D.L.; KURTZ, F.C. Evolução lgislção sobr o Mio Ambint o procsso vlorção conômic águ no Brsil. Rvist Ambiênci, v., n.1, p.1-171, 009. VON SPERLING, M. Introução à quli s águs o trtmnto sgotos... Blo Horizont: DESA/ UFMG, p. Tcnol. & Ciên. Agropc., João Psso, v.6, n., p.1-, jun. 01

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 stmro 01 outuro 2010 ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA ÁGUA CONSUMIDA PELA POPULAÇÃO DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO VERMELHO-MG GABRIELA LÚCIA PINHEIRO 1, CELSO RICARDO CARVALHO 2 ; LÍVIA BOTELHO

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados.

Grafos. Luís Antunes. Grafos dirigidos. Grafos não dirigidos. Definição: Um grafo em que os ramos não são direccionados. Luís Antuns Grfos Grfo: G=(V,E): onjunto vértis/nós V um onjunto rmos/ros E VxV. Rprsntção visul: Grfos não irigios Dfinição: Um grfo m qu os rmos não são irionos. Grfos irigios Dfinição: Um grfo m qu

Leia mais

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa MODELOS ESPACIALMENTE EXPLÍCITOS DE ANÁLISE DE DINÂMICAS LOCAIS: O CASO DA VEGETAÇÃO NATURAL POTENCIAL NO APOIO AO PLANEAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Frncsco Gutrrs1, Eusébo Rs1, Crlos Nto1 José Crlos

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

7 Exumação de grampos

7 Exumação de grampos 7 Exumção d grmpos Form rlizds qutro xumçõs d grmpos: dus n Fgunds Vrl m um solo rsidul jovm (FV-02 FV-03) dus no Musu 1 ( ), m um roch ltrd. O procsso d xumção consist num tividd lnt cuiddos. Primiro,

Leia mais

MECANISMOS DE REAÇÕES

MECANISMOS DE REAÇÕES /4/7 MECSMS DE REÇÕES rof. Hrly. Mrins Filho Rçõs lmnrs Rçõs qu concm m pns um p são rçõs lmnrs. molculri rção lmnr é o númro moléculs qu rgm. Rção lmnr unimolculr: C molécul m um proili inrínsc s compor

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física rsão rliminr mrço 4 Nots ul Físic. EORI CINÉIC DOS GSES... UM NO MNEIR DE ER OS GSES... O NÚMERO DE OGDRO... GSES IDEIS... rblho com tmrtur constnt... CÁLCULO CINÉICO D PRESSÃO... ENERGI CINÉIC DE RNSLÇÃO...

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO bril/2017 número 93 ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicdor de Con nç O ICIC-PR ( de Con nç d Indústri de Construção - Prná) ciu -5,2 pontos neste mês de bril. Este índice está n áre de

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO mrço/2017 número 92 ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicdor de Con nç O ICIC-PR ( de Con nç d Indústri de Construção - Prná) subiu +4,3 pontos neste mês de mrço. Este índice está n áre

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MORTÁGUA Geometria Ficha de Trabalho Nº 02 10º Ano AGUPAMENO DE EOLA DE MOÁGUA Gomti Fih lho Nº 0 0º Ano Osv igu o lo... Ini so istm: ois plnos ppniuls us ts plls um t post um plno um t snt o plno FIH us ts não omplns. s oons os vétis... Qul posição ltiv

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS UTILIZANDO UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIO Anré Luís Polini Frits Esol Téni Frl Cmpos UNED Mé RJ mil: polini@unf.r v.5, n.3, p. 272-283, z. 1998 Hlr Goms

Leia mais

Soluções E-Procurement

Soluções E-Procurement Soluçõs -Procurm Móulos Vgs Aprsção Dspss Tomé A. Gl Jro/2003 Sumáro: Soluçõs - Procurm 2 Soluçõs - Procurm m xrp 3 Prcps Vgs 4 Solução 5 Móulo vgs 7 Móulo Rlóros Aprsção spss 8 Cls 9 Cocos Ús 10 www.scrgl.com

Leia mais

Redes Sem Fio. Luiz Carlos Pessoa Albini

Redes Sem Fio. Luiz Carlos Pessoa Albini Rs Sm Fio Luiz Crlos Psso Albini Rotiro - ª Prt Introução Ons Ráio Ons Eltromgnétics Espctro Eltromgnético Moos Propgção Espctro Frqüênci Lrgur Bn Acsso Múltiplo 802. - WiFi 802.5 - Blutooth - rro no livro

Leia mais

A DERIVADA DE UM INTEGRAL

A DERIVADA DE UM INTEGRAL A DERIVADA DE UM INTEGRAL HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. O cálculo o valor a rivaa um ingral ocorr com cra frquência na via profissional físicos, químicos, ngnhiros, conomisas ou biólogos. É frqun, conuo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões V300 Séris Exclnt control caminhõs pqus furgõs A obtr Exclnt smpnho Alta confiabili Manutnção fácil Montagm frontal ou tto Construção pacta séri ofrc ofrc xclnt xclnt AAAséri séri ofrc xclnt A séri ofrc

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

PORTARI A ORIGEM DESTINO PERÍODO MOTIVO DA VIAGEM Nº DIÁRIAS. DE 24 a 25/06/2014 DE 02 A 06/06/2014 DE 15 A 16/05/2014 24 A CORREGEDORIA Nº 56/2014.

PORTARI A ORIGEM DESTINO PERÍODO MOTIVO DA VIAGEM Nº DIÁRIAS. DE 24 a 25/06/2014 DE 02 A 06/06/2014 DE 15 A 16/05/2014 24 A CORREGEDORIA Nº 56/2014. ADRIANO DUA VIIRA APOIO SPCIALIZADO- SPC. NGNHARIA CIVIL 278/2014 FORTALZA JUAZIRO D 24 a 25/06/2014 FISCALIZAR O CONTRATADO CMB NGNHARIA LTDA., RALIZANDO O ACOMPANHAM DA OBRA A PRPARAÇÃO DA 7ª MDICÃO,

Leia mais

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período Rsolução da Prova d Física Tórica Turma C2 d Engnharia Civil Príodo 2005. Problma : Qustõs Dados do problma: m = 500 kg ; v i = 4; 0 m=s ;! a = 5! g d = 2 m. Trabalho ralizado por uma força constant: W

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Nova Linha T-holder com Grampo Combinado para Pastilhas de Cerâmica

Nova Linha T-holder com Grampo Combinado para Pastilhas de Cerâmica Stmro 2014 www.tgut.om.r 1/13 Nov Lin T-olr om Grmpo Comino pr Pstils Crâmi Stmro 2014 www.tgut.om.r 2/13 Nov Lin T-olr om Grmpo Comino pr Pstils Crâmi A TguT stá rpginno lin T-olr pr pstils râmi. O tul

Leia mais

Confira a oferta de bolsas de estudos do Prouni para cursos a distância no Distrito Federal

Confira a oferta de bolsas de estudos do Prouni para cursos a distância no Distrito Federal Confir ofrt d bolss d studos do Prouni pr cursos distânci no Distrito Fdrl Administrção Cntro Univrsitário Clrtino Cuclr Curso Gru Turno Mnslidd Administrção (89302) Bchrld o Distânci 435 1 Cntro Univrsitário

Leia mais

log5 log 5 x log 2x log x 2

log5 log 5 x log 2x log x 2 mta unção rítmic. Indiqu o vlor d:.. 6.. 7 49...5..6. 5 ln.7. 9.4. ln.8..9. 46.. 4 4 6 6 8 8. Dtrmin o vlor d... 4 8.. 8.. 8.4. 5.5..9. 5.6. 9.7.,8.8... 6 5 8 4 5..... Rsolv cd um ds quçõs:.... 5.. ln

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 2007/2008

RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 2007/2008 RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 7/8 º Tst, 3-Nov-7 Durção: H3 DEEC AC-Tl Prof. Crlos Frnns Prof. António Top Problm Suponh qu um nvio fst-s cost nqunto mntém um comunicção vi ráio m 5 MHz, polrizção vrticl, com um

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA E COMPUTAÇÃO EIC0011 MATEMÁTICA DISCRETA 1. Tm 40 livros irnts qu vi gurr m 4 ixs ors irnts, olono 10 livros m ix.. Qunts possiilis tm istriuir os livros pls ixs irnts? Justiiqu.. Suponh gor qu tinh 60 livros. Qunts possiilis pr os olor ns 4

Leia mais

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO LEIA COM ATENÇÃO: O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10 IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 d 01 10 PALESTRANTE: Domingos Poubl d Cstro Rio d Jniro, 28 d gosto

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Toxicidade de extratos de Piper nigrum, piperina e piperamidas para o diplópodo Orthoporus fuscipes em condições de laboratório

Toxicidade de extratos de Piper nigrum, piperina e piperamidas para o diplópodo Orthoporus fuscipes em condições de laboratório vist Brsilir Toxicologi 2, n. (8) 33-38 EVISTA BASILEIA DE TXICLGIA BAZILIA JUAL F TXICLGY Toxici xtrtos Pipr nigrum, pipri piprmis o diplópodo rthoporus fuscips m condiçõs lbortório Júli Andr omão, Lilin

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

DENSIDADE DE SOLO E DE PARTÍCULAS DE SOLO DE ÁREA DEGRADADA APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO

DENSIDADE DE SOLO E DE PARTÍCULAS DE SOLO DE ÁREA DEGRADADA APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO DENSIDADE DE SOLO E DE PARTÍCULAS DE SOLO DE ÁREA DEGRADADA APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO Ricro Bzrr Hoffmnn (1) ; Dyn Vlntin Brumtti (2) ; Pulo Hnriqu Pvni (3) ; Alln Abru Cvlcnti (4) ; Rphl Brgnç Alvs

Leia mais

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares Sisms d quçõs Linrs Equção Linr Tod qução do ipo:.. n n Ond:,,., n são os ofiins;,,, n são s inógnis; é o rmo indpndn. E.: d - Equção Linr homogên qundo o rmo indpndn é nulo ( ) - Um qução linr não prsn

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

Resumo Executivo. Análise da Cobertura

Resumo Executivo. Análise da Cobertura x f R T V z E s s FQ Z KL o H R ut K qw A O V B U r G M o z Rsumo Excutivo Anális d Cobrtur d Imprns sobr Mulhr Trblho Estudo coordndo pl ANDI Comunicção Diritos plo Instituto Ptríci Glvão no âmbito do

Leia mais

EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA

EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA I Jornd Cintíic VI FIPA do CEFET Bmbuí Bmbuí/MG - 2008 EFEITOS DO COMPRIMENTO DO CONDUTO DE ADMISSÃO NA PERFORMANCE DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA José RICARDO SODRÉ; Rodrigo CAETANO COSTA; Rodrigo HERMAN

Leia mais

SUMÁRIO TEMPERADO - 10MM BOX FRISADO...16

SUMÁRIO TEMPERADO - 10MM BOX FRISADO...16 SUMÁRIO TEMPERADO - 08MM... 8 TEMPERADO - 10MM... 11 STANDART - 08MM... 13 STANDART - 10MM... 14 BOX LISO...15 BOX FRISADO...16 GRADIL... 18 FACHADA CORTINA... 22 FACHADA OMEGA... 23 FACHADA PELE DE VIDRO

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente:

TOTAL PONTOS Nome: Data: / Hora: h m às h m Resolva os problemas e assinale a alternativa correspondente: TEMPO TOTAL APLICADO: h m www.tltroni.om.r TOTAL PONTOS TURMA Nom: Dt: / Hor: h m às h m Toos os iritos rsrvos. Proii rproução totl ou pril sts págins sm utorizção CTA Eltrôni Rsolv os prolms ssinl ltrntiv

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

Série V300. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões Séri V300 Exclnt control para caminhõs pqunos furgõs A solução para obtr Exclnt smpnho Alta confiabilida Fácil manutnção Montagm frontal ou no tto Construção compacta AEssa sérilinha V-300 ofrc uma xclnt

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SUBSTRATOS NA EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLANTAS DE FEIJÃO DE PORCO (Canavalia ensiformes L.) Nilton de Brito Cavalcanti 1

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SUBSTRATOS NA EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLANTAS DE FEIJÃO DE PORCO (Canavalia ensiformes L.) Nilton de Brito Cavalcanti 1 You r fr: to copy, istriut n trnsmit th work; to pt th work. You must ttriut th work in th mnnr spcifi y th uthor or licnsor INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SUBSTRATOS NA EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLANTAS DE

Leia mais

INFORMATIVO 02 / 2009 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO

INFORMATIVO 02 / 2009 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO 2inf08 HMF (23.01.29) INFORMATIVO 02 / 29 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO Em 22.12.28 foi publicd Li Complmntr 128. El ltrou

Leia mais

Germinação de Sementes

Germinação de Sementes Grminção Smnts Monootilôns Euiotilôns rminção pí rminção hipó Smnts nospémis Smnts não nospémis rof. Mrlo F. omplli Dr. m Fisioloi Vtl Fisioloi Vtl BO248 turm L1 hsolus vulris L. Z mys L. Grminção smnt:

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

Anexo IV Estrutura societária. Estrutura societária vigente

Anexo IV Estrutura societária. Estrutura societária vigente tdt ntrg o Anxo: (Pr uso o BNA) Bno Nionl Angol Prtiipçõs Anxo IV Estrutur soitári Estrutur soitári vignt D orm rir o umprimnto os rquisitos lgis stlios n Li s Instituiçõs Finnirs, nos trmos o Aviso nº

Leia mais

Caracterização do processo de rigor mortis em músculos de cordeiros e carneiros da raça Santa Inês e maciez da carne *

Caracterização do processo de rigor mortis em músculos de cordeiros e carneiros da raça Santa Inês e maciez da carne * Act Scinti Vtrinri. 32(1): 25-31, 2004. ORIGINAL ARTICLE Pub. 576 ISSN 1679-9216 Crctrizção do procsso d rigor mortis m músculos d cordiros crniros d rç Snt Inês mciz d crn * Chrctriztion of rigor mortis

Leia mais

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR LCE2 Físic do mbint grícol CPÍTULO 6: UMIDDE DO R 6.1 PRESSÃO PRCIL E LEI DE DLTON O r é um mistur d gss, como foi visto m uls ntriors, o r s comport como um gás idl. Lmbrndo do concito d um gás idl (sus

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M -FUL IPIRNG OS XTRÍOS M /06/0 ::8 Turma LMN 0 Semestre 0 FUNMNTOS MNIOS TÉRMIOS ONULTÓRIOS-60H T 0. FUNMNTOS MN TRM ONULTóRIOS FUNMNTOS MN TRM ONULTóRIOS FUNMNTOS MN TRM ONULTóRIOS T 0.

Leia mais

A Função Densidade de Probabilidade

A Função Densidade de Probabilidade Prof. Lorí Vili, Dr. vili@mt.ufrgs.r http://www.mt.ufrgs.r/~vili/ Sj X um vriávl ltóri com conjunto d vlors X(S). S o conjunto d vlors for infinito não numrávl ntão vriávl é dit contínu. A Função Dnsidd

Leia mais

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00%

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% Anxo V 1) Srá purd rlção conform bixo: = Folh d Slários incluídos ncrgos (m 12 mss) Rcit Brut (m 12 mss) 2) Ns hipótss m qu corrspond os intrvlos cntsimis d Tbl V-A, ond < signific mnor qu, > signific

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS

SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS SUAVIZAÇÃO DA FRONTEIRA DEA: O CASO BCC N-DIMENSIONAL COM MULTIPLICIDADE SIMULTÂNEA DOS INPUTS E DOS OUTPUTS Flávi Bini Ni Mstro Ennhri Proução Univrsi Frl Fluminns Ru Psso Pátri, 5, São Dominos, CEP:

Leia mais

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000 º Tst d CONTROLO DE SISTEMS (TP E PRO) Licciatura m Eg.ª Mcâica Prof. Rsposávl: Pdro Maul Goçalvs Lourti d bril d 00 º Smstr Duração: hora miutos. Tst com cosulta. Rsolução. Cosidr o sistma rprstado a

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M FULS INTGRS IPIRNG OS XTRÍOS M /06/0 6:8:8 Turma SN Semestre 0 SNVOLVIMNTO W-0H SNVOLVIMNTO W SNVOLVIMNTO W SNVOLVIMNTO W SNVOLVIMNTO W SNVOLVIMNTO W SISTMS POIO TOM ISO SISTMS POIO TOM

Leia mais

ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54

ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54 2013 ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54 PS. 75 PS. 74 PS. 76 ES. 78 ES. 79 ES. 40 ES. 41 ES. 44 ES. 42 ES. 43

Leia mais

u t = L t N t L t Aplicação dos conceitos: Exemplo: Interpretando Rendimento Per Capita: Y = Pop {z} PIB per capita Y {z} Produtividade Trabalho

u t = L t N t L t Aplicação dos conceitos: Exemplo: Interpretando Rendimento Per Capita: Y = Pop {z} PIB per capita Y {z} Produtividade Trabalho 1 Aul 14 Ofrt Agrgd, Inflção Dsmprgo Populção, Tx d Prticipção, Populção Activ ( t ), Tx d Emprgo, Populção Emprgd (N t ), Tx d Dsmprgo (u t ) Populção Dsmprgd ( t N t ). Tx d Dsmprgo (u t ): u t t N t

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INISÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - FACULDADE DE ENFERAGE PROGRAA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: EPIDEIOLOGIA E BIOESAÍSICA GRADE: RESOLUÇÃO CEPEC Nº 831/07

Leia mais

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore

Fontes Bibliográficas. Estruturas de Dados Aula 15: Árvores. Introdução. Definição Recursiva de Árvore Fonts Biliográis Estruturs Dos Aul 15: Árvors 24/05/2009 Livros: Introução Estruturs Dos (Cls, Crquir Rngl): Cpítulo 13; Projto Algoritmos (Nivio Zivini): Cpítulo 5; Estruturs Dos sus Algoritmos (Szwritr,

Leia mais

Escrito por Andre Ter, 24 de Fevereiro de :01 - Última atualização Qui, 26 de Fevereiro de :33

Escrito por Andre Ter, 24 de Fevereiro de :01 - Última atualização Qui, 26 de Fevereiro de :33 Os jardins Flornça Toscana: o Boboli Tr, 24 Fvriro 2015 14:01 - Última atualização Qui, 26 Fvriro 2015 13:33 A Toscana possui xtrrdinário númro vil (lgants c campo xtnsa ára vr) jardins históricos. Ds

Leia mais

ÍNDICE PREFÁCIO 9 O GREGO 9 FONÉTICA 11 MORFOLOGIA 23 PARTE PARTE CAPÍTULO I 25 ARTIGO CAPÍTULO II 26 SUBSTANTIVOS. QUADRO GERAL DAS DESINÊNCIAS

ÍNDICE PREFÁCIO 9 O GREGO 9 FONÉTICA 11 MORFOLOGIA 23 PARTE PARTE CAPÍTULO I 25 ARTIGO CAPÍTULO II 26 SUBSTANTIVOS. QUADRO GERAL DAS DESINÊNCIAS ÍNI 1 PRT 2 PRT PRÁIO 9 O GRGO 9 ONÉTI 11 LTO GRGO PRONÚNI TRIIONL... 12 SONS LÍNGU GRG... 13 ONSONTS QU POM INLIZR PLVRS... 13 MOIIÇÕS ONÉTIS... 14 1. SÍLS... 15 2. ONTRÇÃO... 16 3. RS... 16 4. LISÃO...

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A 12. o Ano de Escolaridade Prova 635/Versões 1 e 2

Prova Escrita de Matemática A 12. o Ano de Escolaridade Prova 635/Versões 1 e 2 Eam Nacional d 0 (. a fas) Prova Escrita d Matmática. o no d Escolaridad Prova 3/Vrsõs GRUPO I Itns Vrsão Vrsão. (C) (). () (C) 3. () (C). (D) (). (C) (). () () 7. () (D) 8. (C) (D) Justificaçõs:. P( )

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

PROJETO CONFECÇÃO DE SACOLAS E CAIXAS ARTESANAIS. Rua Hibiscos nº 86 Bairro Regina Belo Horizonte MG (031)33853893 85214283 valeriamelo@pop.com.

PROJETO CONFECÇÃO DE SACOLAS E CAIXAS ARTESANAIS. Rua Hibiscos nº 86 Bairro Regina Belo Horizonte MG (031)33853893 85214283 valeriamelo@pop.com. PROJETO CONFECÇÃO DE SACOLAS E CAIAS ARTESANAIS Valéria Ribiro Salgado Mlo E.E.Dr. Amaro Nvs Barrto Rua Hibiscos nº 86 Bairro Rgina Blo Horizont MG (031)33853893 85214283 valriamlo@pop.com.br A E.E. Dr.

Leia mais

Letra Letra Algarismo Algarismo Algarismo Letra Letra. Possibilidades

Letra Letra Algarismo Algarismo Algarismo Letra Letra. Possibilidades REOLUÇÃO A AVALIAÇÃO UNIDADE III - COLÉGIO ANCHIETA-BA PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA ELABORAÇÃO PEQUIA: PROF. ADRIANO CARIBÉ WALTER PORTO. - - UNEP-Adptd) Está prvisto qu, prtir d º d jniro d 7, ntrrá

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais