Lagos e Reservatórios Qualidade da Água: O Impacto da Eutrofização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lagos e Reservatórios Qualidade da Água: O Impacto da Eutrofização"

Transcrição

1 Lagos e Reservatórios Quaidade da Água: O Impacto da Eutrofização Voume 3 Capa: fotos, figuras e tabeas inseridas neste voume

2 Sumário Prefácio... 3 Pefácio à Edição em Português... 4 Por que a eutrofização é um probema tão sério de pouição?...5 Qua é o estado atua de eutrofização?...9 De onde vêm os nutrientes e como ees provocam a eutrofização Gerenciamento da quaidade da água e eutrofização em aguns agos do mundo Educação ambienta e percepção poítica Aspectos sociais, cuturais e econômicos da eutrofização O Futuro...22 Eutrofização em reservatório do Brasi: o estudo de caso da represa Caros Boteho (Lobo/Broa)...26

3 Prefácio É um prazer apresentar o Voume 3 da série Panejamento e Gerenciamento de Lagos e Reservatórios. O presente voume, denominado Quaidade da água: o impacto da eutrofização, oferece uma visão gera do probema do enriquecimento de águas superficiais devido a compostos orgânicos que se originam de atividades agrícoas e urbanas bem como de efuentes industriais. A eutrofização é um processo que, uma vez iniciado, é difíci de controar, a menos que uma ação imediata seja impementada. A eutrofização eva em seus estágios finais à redução de oxigênio na água, à iberação e à acumuação de substâncias tóxicas na água e nos sedimentos pouindo o ambiente aquático, o que pode evar à morte dos organismos aquáticos, dos ecossistemas e de seres humanos que inadvertidamente bebam ou fiquem expostos à água pouída. Uma vez iniciada a eutrofização, é muito difíci controá-a ou revertê-a, e isto também exige muitos investimentos financeiros. Embora existam muitos agos eutróficos no paneta, a maioria ainda não está eutrófica. Mas esta situação está mudando rapidamente. Águas eutróficas em agos e represas produzem inúmeras perdas de biodiversidade, redução da quaidade da água e baixa disponibiidade. Aém disso, tais agos e reservatórios representam risco significativo à saúde de seres humanos e de animais. Isto se deve primariamente ao crescimento exposivo de agas microscópicas, as quais, uma vez mortas e em processo de decomposição, iberam uma das mais poderosas casses de toxinas conhecidas peo homem: cianotoxinas. Os danos às hidroeétricas e às atividades recreativas estão bem registrados como impactos negativos originados desses processos que causam grandes perdas econômicas. Para controar o processo de eutrofização é preciso compreender as causas e os estágios de desenvovimento. Simiarmente, é necessário avaiar cuidadosamente as souções tecnoógicas que serão apicadas ao processo de mitigação e remediação da eutrofização. Em gera, os sistemas convencionais de tratamento de águas residuárias são suficientes para o controe da eutrofização, embora a manutenção seja cara. Métodos aternativos para o controe e a mitigação da eutrofização incuem o uso de áreas aagadas naturais bem como agumas construídas, uma vez que esses métodos se baseiam na capacidade de autodepuração da natureza e são usuamente muito mais baratos de manter e operar. A eutrofização, sob muitos aspectos, pode ser considerada um refexo, em nossos agos, reservatórios e rios, do modo pouco cuidadoso com o qua a sociedade está tratando seus resíduos íquidos, bem como apicação de práticas utrapassadas de uso do soo. Portanto, a sociedade como um todo precisa ser escarecida em termos de saúde, finanças, meio ambiente e recreação, bem como sobre os custos reacionados com sua soução. Esperase que, por intermédio desta pubicação, os cidadãos, juntamente com as autoridades, indústrias, agricutores e outros membros da sociedade, possam compreender os princípios desse processo, seus efeitos e sua soução, de ta forma que uma ação pró-ativa e cooperativa possa ser desenvovida a fim de prevenir ou reduzir significativamente o risco de águas superficiais se tornarem pouídas peo processo de eutrofização. Esperamos que você aprecie este voume. Steve Has Diretor Internationa Environmenta Technoogy Centre Kei Yamazaki Diretor Gera Internationa Lake Environment Committee Foundation 3

4 Prefácio à Edição em Português O processo de eutrofização, hoje um probema mundia, atinge agos, represas, rios e águas costeiras de todo o paneta. Como foi saientado no Prefácio da edição em ingês, uma vez instaada, a reversão da deterioração é difíci e extremamente dispendiosa. Os danos à saúde humana e o aumento exagerado dos custos do tratamento da água são agumas das conseqüências econômicas mais severas e probemáticas da eutrofização. Este voume é uma contribuição à compreensão pea sociedade do probema da eutrofização, suas causas, conseqüências e custos. Oferece também agumas informações sintéticas sobre os mecanismos e técnicas de recuperação, e sobre as abordagens em uso para mehorar a educação sanitária e ambienta da popuação, causa primária de eutrofização por fontes não pontuais. No voume em português, acrescentou-se um exempo bem caro do processo de eutrofização em andamento na represa Caros Boteho (Lobo/Broa) e dos panos para gerenciamento integrado e recuperação desse ecossistema. Para prevenir e resover os probemas de eutrofização é necessário que a sociedade conheça ampamente os probemas. Também deve-se fazer um esforço para impantar poiticas púbicas adequadas que promovam souções efetivas e permanentes, com criatividade e baixos custos. Takako Matsumura-Tundisi Diretora Científica Instituto Internaciona de Ecoogia, São Caros José Gaizia Tundisi Presidente Instituto Internaciona de Ecoogia, São Caros 4

5 Por que a eutrofização é um probema tão sério de pouição? Eutrofização é um dos probemas ambientais de águas continentais mais difundidos; trata-se de enriquecimento artificia com dois tipos de nutrientes de pantas, o fósforo e o nitrogênio. Uma importante conseqüência do enriquecimento de ago e reservatório é o aumento do crescimento de pantas futuantes microscópicas e agas e a formação de densa forragem de grandes pantas aquáticas futuantes, como aguapés (Eichhornia) e aface-d água (Pistia) (Fotos 1 e 2). O crescimento é uma conseqüência do processo de fotossíntese, por intermédio do qua as pantas produzem matéria orgânica e biomassa utiizando os nutrientes (nitrogênio, fósforo e outros) do soo e da água. Nesse processo, a uz atua como fonte de energia e o dióxido de carbono dissovido na água, como fonte de carbono. Como resutado do processo fotossintético, oxigênio também é produzido. Quando as pantas morrem, estas se decompõem em razão das atividades dos fungos e das bactérias; no processo, oxigênio é consumido e nutrientes são iberados juntamente com dióxido de carbono e energia. Em muitos agos e reservatórios do mundo, as pantas que crescem na superfície durante a primavera e verão morrem no outono e se sedimentam no fundo, onde se decompõem. Durante a primavera e o verão, os agos e reservatórios são freqüentemente supersaturados de oxigênio devido à presença de pantas. O oxigênio em excesso é iberado para a atmosfera, não permanecendo disponíve por muito tempo para decompor a matéria orgânica. Isto causa depeção de oxigênio ou anoxia nas camadas mais profundas dos agos, particuarmente no outono. A depeção de oxigênio é, portanto, causada pea mudança no tempo e no espaço entre fotossíntese e decomposição. Em regiões tropicais, os mesmos processos ocorrem, mas em termos de sazonaidade não são tão represen- Foto 1 Forescimento de aga de um ago. Foto 2 Supercrescimento de pantas aquáticas futuantes. 5

6 tativos quanto em regiões temperadas, porque a duração da temperatura e do período de caridade é muito simiar durante o ano todo. Em certos períodos, os agos podem formar uma termocina aguns metros abaixo da superfície (Figura 1). Na termocina, a temperatura diminui em muitos graus em poucos metros e divide o ago em duas zonas: uma mais quente na região superior (epiímnio) e uma mais fria na região inferior ( hipoímnio). Lagos de regiões temperadas têm cerca de 10 metros ou mais de profundidade e tipicamente formam a termocina durante o verão, portanto, ees estratificam. Lagos rasos tropicais também podem se estratificar, mas a estratificação pode ser quebrada por ventos fortes. Uma termocina impede que a porção superior e a porção inferior do ago se misturem. O resutado é uma mudança na concentração vertica de oxigênio, como mostrado na Figura 1, em que a concentração é ata na porção superior ou epiímnio e muito baixa na porção inferior ou hipoímnio (a baixa concentração de oxigênio pode degradar a quaidade da água a jusante do ago ou do reservatório, particuarmente a jusante de reservatórios com tempos de retenção muito pequenos como mencionado no Voume 1, página 15). A depeção de oxigênio freqüentemente ocasiona competa desoxigenação ou anoxia nas regiões mais profundas do ago ou dos reservatórios, uma vez que o oxigênio se dissove muito fracamente na água. Em agos rasos e onde a produção primária é ata, a desoxigenação do sedimento e da água também ocorre freqüentemente (sedimento escuro, Foto 3). Foto 3 Sedimento escuro do fundo de um ago. Temperatura e oxigênio Superfície Baixo Ato EPILÍMNIO HIPOLÍMNIO Profundidade Fundo Figura 1 Termocina e a reação entre temperatura/oxigênio e profundidade em agos de regiões temperadas. 6

7 Essas condições matam peixes e invertebrados (Foto 4). Aém disso, a amônia e o gás sufídrico que se originam da atividade bacteriana podem ser iberados dos sedimentos sob condições de anoxia, e suas concentrações podem eevar-se a níveis que afetam adversamente pantas e animais, uma vez que conseguem atuar como gases venenosos (também sistemas de transmissão de eetricidade em hidroeétricas podem ser afetados peo poder corrosivo do gás sufídrico). Fósforo e amônia também podem ser iberados na água, enriquecendo-a com nutrientes. de coro, infeizmente isto eva à formação de compostos que podem induzir ou produzir câncer uma séria ameaça à segurança de estoques de água potáve. Fotos 5 e 6 Vista macro e microscópica de Microcystis aeruginosa. Foto 4 Mortaidade de peixe em razão da fata de oxigênio num ago da Indonésia. Aguns tipos particuares de agas que crescem em agos e reservatórios muito enriquecidos com nutrientes (agas verde-azuis ou cianobactérias, Fotos 5 e 6, e também dinofageados que podem produzir marés vermehas, Fotos 7 e 8) iberam na água toxinas atamente poderosas que são venenosas mesmo em concentrações muito baixas. Agumas dessas toxinas produzem efeitos negativos no fígado de animais em concentrações mínimas, mas podem ocasionar a morte de gado, outros animais e mesmo seres humanos quando ingeridas em água potáve contaminada em atas concentrações. Embora uma das maneiras de tratar e desinfetar águas de superfície onde essas agas crescem (e também para prevenir atas concentrações de matéria orgânica) seja por meio Atas concentrações de nitrogênio sob a forma de nitrato na água também podem causar probemas de saúde púbica. Essas concentrações eevadas podem inibir a capacidade das crianças de incorporar oxigênio em seu sangue e, como resutado, ocorre uma condição denominada de síndrome dos bebês azuis ou metahemogobinemia. Para que isso ocorra, os níveis de nitrato devem estar acima de 10 mg/l em água potáve. Essas condições representam risco à vida humana (Fotos 5 e 6). Um dos principais probemas resutantes do forescimento de agas ou outras pantas aquáticas (crescimento desproporciona, Foto 9) é a redução na transparência da água, a qua compromete o vaor recreativo de agos, principamente para natação e navegação. Aguapés e afaces-d água podem cobrir grandes áreas próximas à praia e podem desgarrar-se para Fotos 7 e 8 Vista macro e microscópica de maré vermeha de um fageado Urogena americana. 7

8 águas abertas, muitas vezes ocupando toda a superfície do ago ou da represa. Esses bocos de macrófitas futuantes impedem a penetração de uz e produzem grandes quantidades de matéria orgânica morta que podem evar a baixas concentrações de oxigênio e à emissão de gases como metano e gás sufídrico, devido à decomposição das pantas. Massas dessas pantas futuantes podem restringir o acesso à pesca ou à recreação e boquear canais de irrigação e navegação. Aterações na abundância e significativa redução na diversidade de espécies (biodiversidade) dos organismos aquáticos em um ago ou reservatório poderão ser causadas por eutrofização (Figura 2). Isto é resutado das mudanças na quaidade da água e do aimento, juntamente com o decréscimo da concentração de oxigênio que freqüentemente atera a composição da fauna de peixes das espécies mais importantes para menos importantes, tanto em termos aimentar como comerciamente. Apesar disso, a produção de certas espécies de peixes tende a aumentar à medida que a eutrofização se aceera, uma vez que há mais aimento disponíve. Entretanto, a diminuição na concentração de oxigênio dissovido na água e as atas concentrações de amônia sob condições hipereutróficas podem resutar no decréscimo do estoque de peixes e reduzir consideravemente o rendimento. Número de espécies Corofia a µg/ Figura 2 Reação entre número de espécies e voume de corofia a. Tabea 1 Efeitos da eutrofização. Foto 9 Águas eutrofizadas (à esquerda na figura) do reservatório de Barra Bonita, São Pauo, Brasi. Na Tabea 1 os efeitos generaizados da eutrofização nos ecossistemas aquáticos são apresentados. Anoxia (ausência de oxigênio dissovido), que causa a morte de peixes e de invertebrados e também resuta na iberação de gases tóxicos com odores desagradáveis. Forescimento de agas e crescimento incontroáve de outras pantas aquáticas. Produção de substâncias tóxicas por agumas espécies de cianofíceas. Atas concentrações de matéria orgânica, as quais, se tratadas com coro, podem criar compostos carcinogênicos. Deterioração do vaor recreativo de um ago ou de um reservatório devido à diminuição da transparência da água. Acesso restrito à pesca e a atividades recreativas devido ao acúmuo de pantas aquáticas. Menor número de espécies e diversidade de pantas e animais (biodiversidade). Aterações na composição de espécies daqueas mais importantes para as menos importantes (em termos econômicos e vaor protéico). Depeção de oxigênio, particuarmente nas camadas mais profundas, durante o outono em agos e reservatórios de regiões temperadas. Diminuição da produção de peixes causada por depeção significativa de oxigênio na couna de água e nas camadas mais profundas de agos e reservatórios. 8

9 Qua é o estado atua de eutrofização? Comentários básicos sobre a pouição do ago A demanda de água da superfície, para muitos propósitos, está aumentando gobamente, principamente devido ao crescimento da popuação e à irrigação, particuarmente em regiões áridas e semi-áridas. A eutrofização freqüentemente se torna perceptíve ao púbico à medida que as popuações aumentam em densidade. O impacto tota dos seres humanos sobre a natureza é provavemente cerca de oito vezes maior atuamente do que há anos devido ao crescimento da popuação, à produção industria e agrícoa e ao desenvovimento tecnoógico (usamos mais produtos químicos, a densidade do tráfego tem aumentado etc.) O Comitê Internaciona de Ambientes Lacustres (Internationa Lake Environment Committee ILEC), em cooperação com o Programa das Nações Unidas (United Nations Environment Programme UNEP), desenvove um projeto denominado Survey of the State of the Word Lakes (Avaiação do Estado dos Lagos do Mundo). O objetivo foi coetar e compiar dados ambientais de vários agos importantes do mundo. Bancos de dados detahados de 217 agos do mundo inteiro foram agrupados como resutado desse projeto. Por intermédio do projeto foi possíve identificar seis principais probemas ambientais, todos com significativo impacto sobre a quaidade da água, sendo a eutrofização um dees (Tabea 2). Por outro ado, todos os seis probemas ambientais estão inter-reacionados e de certa forma compõem os probemas. Todos são causados peos mesmos três fatores básicos (Figura 3). Tabea 2 Principais probemas ambientais presentes em agos em todo o mundo. Redução do níve da água devido ao uso excessivo da água dos agos, resutando em pronunciada deterioração da quaidade da água e em mudanças drásticas nos ecossistemas. Rápida sedimentação dos agos e dos reservatórios causada pea aceerada erosão do soo resutante do uso extensivo ou inadequado de terras para agricutura e pastagens e forestas dentro de suas áreas de drenagem. Acidificação dos agos causada por chuvas ácidas, resutando na extinção de peixes e na degradação de ecossistemas. Contaminação da água, sedimento e organismos por substâncias químicas tóxicas originadas da agricutura (pesticidas) e dos resíduos industriais. Eutrofização pea entrada de compostos de nitrogênio e/ou fósforo das descargas industriais, agrícoas, domésticas, drenagens urbanas e superfícies pavimentadas etc., que resuta em forte forescimento de fitopâncton, deterioração da quaidade da água e decréscimo da biodiversidade. Em casos extremos, há coapso competo dos ecossistemas aquáticos. 9

10 Efeito direto Efeito indireto Urbanização Uso excessivo da água Acidificação Eutrofização Crescimento popuaciona Sobreuso do soo Sedimentação Níve da água Industriaização Aumento de emissões Subst. tóxicas Biodiversidade Figura 3 Urbanização, crescimento popuaciona e industriaização estão entre os fatores básicos que causam probemas ambientais em agos e reservatórios. Exempos Todos os 217 agos incuídos na avaiação do ILEC apresentaram aumento no níve de eutrofização nos útimos 50 anos. Em aguns agos em países industriaizados, o tratamento de águas residuárias para remover nitrogênio e/ ou fósforo tem evitado a degradação da quaidade da água. Em 2000, as entradas de nutrientes em 66 agos do mundo foram reduzidas. Mesmo assim, muitos ainda estão mais eutrofizados (a concentração de nutrientes é mais ata) atuamente do que anos atrás. Isso é observado no ago Biwa do Japão (Foto 10), ago Constance na fronteira entre Aemanha, Suíça e Áustria (Foto 11), ago Baaton na Hungria (Foto 12), ago Maeran na Suécia ( Foto 13), os Grandes Foto 10 Vista gera do ago Biwa, Japão. Lagos da América do Norte (Fotos 25 e 26) e em diversos agos do norte da Europa. Foto 11 Vista gera do ago Constance, Aemanha, Suíça e Áustria. Em agos e reservatórios eutrofizados onde medidas têm sido tomadas para mehorar a quaidade da água por intermédio da redução ou remoção de nitrogênio e/ou fósforo, sem efeito, isto se deve ampamente à grande quantidade de nutrientes armazenados nos sedimentos, sendo constantemente iberados na água. Isto mostra a necessidade de evitar a carga de nutrientes nos corpos de água o mais cedo possíve por intermédio de práticas apropriadas de gerenciamento e de panejamento. Ainda, tem sido freqüente a dificudade de reduzir a entrada de nutrientes de fontes difusas como água de drenagem e erosão de soos utiizados 10

11 na agricutura ou de despejo; ees não podem ser coetados para o tratamento, ao contrário das fontes pontuais de pouição de despejos industriais ou municipais. Fontes pontuais de pouição podem ser tratadas por tecnoogia de fim de inha, isto é, tecnoogia ambienta. Foto 14 Vista gera do ago Washington, EUA. Foto 12 Vista gera do ago Baaton, Hungria. Foto 13 Vista gera do ago Maeran, Suécia. Quase todos os agos ainda apresentam aumento de eutrofização, incuindo a maioria dos agos dos países em desenvovimento, onde inexiste o combate à pouição por não haver condições para isto. O ago Dianchi (Foto 15), próximo a Kunming, na China, e o ago Taihu, próximo a Wuxi, na China, sofreram extrema eutrofização ou são hipereutrofizados. Nesses agos, vastas áreas são cobertas por densos forescimentos de agas, como pintura verde, e a reprodução de peixes tem sido totamente impedida por fata de oxigênio para sua respiração, principamente no outono. Quase todas as pantas aquáticas nativas e muitas espécies de peixes têm sido eiminadas. Mouscos morrem pea fata de oxigênio na água de fundo, aém disso, devido à má quaidade da água, é muito difíci o abastecimento de água para uso doméstico que atenda aos padrões egais. Os mehores exempos de sucesso no tratamento da eutrofização são aquees em que a diversão das águas residuárias foi usada em área com pequena agricutura, desviando-a do ago. O ago Washington é um exempo (Foto 14). A Figura 4 mostra o decínio das concentrações de fósforo nesse ago após a diversão que foi competada em É importante compreender que, em aguns casos, a diversão não resove tão bem o probema quanto sua remoção para juzante. Toneadas de fósforo no ago Ano Figura 4 A diversão de esgotos prova ser efetiva na redução do fósforo de corpos de água doce. 11

12 Mesmo os maiores agos sofrem o probema da eutrofização. No ago Victoria, na África, por exempo, ocorre uma densa cobertura de aguapés em extensa área de superfície. O probema tem sido de aguma forma minimizado por métodos bioógicos um besouro que se aimenta de aguapé foi introduzido (Foto 16, besouro). Regiões do ago próximas a Kisumu, em Kampaa, apresentam depeção de oxigênio e reduzida transparência. Peixes como Hapopchromis (Foto 17), espécie conhecida ocamente como furu, vêm desaparecendo, e a pesca tota tem diminuído, com resutados amentáveis, uma vez que os peixes constituem a maior fonte de proteína para as popuações costeiras do ago (Foto 18). Mesmo o ago Baika (Foto 19), o maior corpo de água doce do mundo, com profundidade de 1,7 km, mostra sinais de eutrofização: diminuição da transparência e aumento da concentração de nutrientes e de agas. A soução para a eutrofização nos países em desenvovimento é urgente, uma vez que o controe do probema torna-se cada vez mais difíci e custoso a cada ano que passa, devido ao aumento do acúmuo de nutrientes nos sedimentos. Foto 17 Peixe Hapochromis, ou furu, do ago Vitória. Foto 18 Peixe pescado no ago Vitória. Fotos 15 e 16 Crescimento excessivo de aguapé no ago Dianchi, China, e o besouro N. eichhornaiae utiizado no ago Vitória para controar o crescimento da panta. Foto 19 Vista gera do ago Baika, Rússia. 12

13 De onde vêm os nutrientes e como ees provocam a eutrofização De onde vêm os nutrientes Quais são as fontes de nutrientes que causam a eutrofização de agos, represas e rios? Há muitas fontes. Todas as atividades na bacia hidrográfica de um ago ou represa se refetem direta ou indiretamente na quaidade da água desses ecossistemas. Um ago ou reservatório, entretanto, pode ser naturamente eutrófico quando situado em área férti com soos naturamente enriquecidos de nutrientes. Em muitos agos, rios e represas, a água de esgoto é a principa fonte, uma vez que esgotos não tratados ou aquees tratados somente por métodos mecânicos convencionais ainda contêm nitrogênio (25-40 mg/itro) e fósforo (6-10 mg/ itro). Nitrogênio e fósforo podem ser removidos por tecnoogia bem conhecida fósforo pea adição de substâncias químicas que precipitam fosfato por intermédio de reações químicas e nitrogênio usuamente por métodos bioógicos, por meio da atividade de microorganismos. A remoção de nitrogênio é mais dispendiosa e, também, mais difíci tecnicamente do que a do fósforo. A água de drenagem de terras cutivadas também contém fósforo e nitrogênio. Usuamente, há muito mais nitrogênio porque o fósforo está imobiizado nos componentes do soo. O uso intensivo de fertiizantes resuta em concentrações significativas de nutrientes, particuarmente nitrogênio, em drenagem agrícoa. Se os soos erodidos atingirem o ago, tanto o fósforo como o nitrogênio do soo contribuirão para a eutrofização. A erosão é freqüentemente causada por desmatamento, que também resuta de panejamento e gerenciamento não adequados dos recursos naturais. As áreas aagadas têm sido utiizadas com freqüência para resover o probema da pouição difusa a partir da agricutura, que causa eutrofização (Foto 20). Em áreas aagadas, nitrato é convertido em nitrogênio ivre, que é iberado para o ar. Isto não é danoso, uma vez que o nitrogênio ocupa 70% da atmosfera. Fósforo é absorvido peos soos das áreas aagadas e, como o nitrogênio, é fixado peas pantas. Tanto o fósforo como o nitrogênio podem ser removidos peas áreas aagadas. Aém disso é necessário controar o uso de fertiizantes em agricutura, uma vez que a maioria dees pode terminar na área de drenagem, se a pouição difusa dos Foto 20 Vista gera de área aagada. 13

14 nutrientes não for suficientemente reduzida para mehorar a quaidade da água. A água da chuva contém fósforo e nitrogênio provenientes da pouição atmosférica. Como o nitrogênio move-se mais na atmosfera do que o fósforo, esse eemento está aproximadamente 20 vezes mais concentrado que o fósforo. O nitrogênio pode ser reduzido na água da chuva por controes muito intensivos da pouição do ar em toda uma região. Pode-se afirmar com segurança que as principais fontes de pouição da atmosfera são as indústrias e os escapamentos de automóveis sem os fitros apropriados. Quando os agos são utiizados para aqüicutura, o excesso de aimento para os peixes poui a água, uma vez que nem todo o aimento é consumido (Foto 21). O nitrogênio e o fósforo em excesso presentes no aimento são dissovidos na água ou permanecem em suspensão. O uso de agos para aqüicutura, portanto, necessita de cuidadoso panejamento ambienta e práticas de gerenciamento adequadas com treinamento de gerentes e proprietários. O sedimento de um ago sua camada odosa no fundo contém concentrações reativamente atas de fósforo e nitrogênio. Estes eementos podem ser iberados para a água, Foto 21 Vista aérea de tanques de cutivo de peixes na aguna de Bay, Fiipinas. particuarmente em baixas concentrações de oxigênio. Os nutrientes dos sedimentos provêm da decomposição de agas e de matéria orgânica morta. Os nutrientes iberados a partir dos sedimentos são referidos como a carga interna dos agos. A Figura 5 mostra esquematicamente as fontes de nutrientes: externas à carga de esgotos não tratados, águas de drenagem agrícoa, Erosão peo vento Erosão pea água Precipitação ALIMENTO PARA PEIXES Figura 5 Principais fontes de nutrientes nos agos. 14

15 Tabea 3 Cassificação dos agos de acordo com a intensidade do processo de eutrofização (vaores médios expressos em µg/l). Parâmetro Oigotrófico Mesotrófico Eutrófico Hipereutrófico Fósforo tota 8,0 26,7 84,4 >200 Nitrogênio tota ato Corofia a 1,7 4,7 14,3 >100, faixa > Corof. a, conc. max. 4,2 16,1 42,6 > 500 Nota dos tradutores: Estes dados foram obtidos em agos temperados, onde o processo de eutrofização foi intensamente estudado. Para agos tropicais há vaores preparados por Saas & Martino (1991). erosão e chuvas e também internas às atividades do ago, como, por exempo, aqüicutura e iberação de sedimentos. É possíve, mas muito dispendioso, remover a camada superior de sedimento rica em nutrientes dos agos. A cobertura dos sedimentos com argia para isoá-os e, portanto, reduzir a carga interna foi tentada. Mesmo quando os nutrientes são removidos em arga escaa dos esgotos domésticos, da drenagem agrícoa e urbana e da água da chuva, ainda assim eva muito tempo até ocorrer queda na concentração de nutrientes da porção superior do sedimento, peo fato de ees ainda estarem presentes na água. A redução inicia ou a eiminação das fontes de nutrientes é, portanto, crucia. Lagos, represas e rios podem ser cassificados, de acordo com a extensão de sua eutrofização (ou enriquecimento de nutrientes), em quatro casses principais: oigotróficos, mesotróficos, eutróficos e hipereutróficos (Tabea 3). Esta cassificação resuta de uma anáise extensa da eutrofização em países da Organização para a Cooperação e o Desenvovimento Econômico (OECD) na década de 1970 e início da década de Baseia-se nas concentrações de fósforo, nitrogênio e corofia a (o pigmento responsáve pea fotossíntese das agas). A corofia a indica grosseiramente a concentração de biomassa de pantas aquáticas (em média 1% da biomassa de agas é corofia a). Fatores que imitam a eutrofização A Tabea 4 mostra a composição média das pantas de água doce (peso úmido e não peso seco): as pantas requerem todos esses eementos nas porcentagens indicadas. Em gera, nitrogênio e fósforo (respectivamente, 0,7% e 0,9%) são freqüentemente os dois eementos iniciamente utiizados quando a panta reaiza a fotossíntese. Esses dois nutrientes são menos abundantes na água que os outros eementos, concernente à composição das pantas. É necessário cerca de oito vezes mais nitrogênio do que fósforo. Portanto, o fósforo imita a eutrofização se o nitrogênio é oito vezes mais abundante que ee, enquanto o nitrogênio imita a eutrofização se sua concentração for oito vezes menor que a do fósforo na água. Esgotos não tratados e esgotos tratados por métodos bioógicos contêm, em média, cerca de 32 mg/l de nitrogênio e 8 mg/l de fósforo. Em um ago com forte carga de esgotos não tratados, a eutrofização é imitada por nitrogênio, uma vez que a concentração de nitrogênio no esgoto é somente quatro vezes maior do que a de fósforo. Esses agos e represas freqüentemente apresentam forescimentos extensos de cianobactérias, que são visuaizadas como uma espuma esverdeada na superfície (Foto 22). Agumas espécies de cianobactérias usam o nitrogênio diretamente do ar e conseguem crescer, apesar da imitação de nitrogênio dissovido na água. Lagos e represas que 15

16 recebem tributários naturais e águas de drenagem de agricutura têm entretanto, atas concentrações de nitrogênio e são imitados em fósforo. A questão centra na eutrofização é determinar qua nutriente pode ser reduzido para se tornar imitante e não qua nutriente é o imitante. Como o fósforo é removido mais facimente de esgoto doméstico do que o nitrogênio, em muitos casos (mas não em todos há exceções), a mehor estratégia ambienta para o gerenciamento de agos e represas é remover tanto quanto possíve o fósforo do esgoto e das águas residuárias. Tabea 4 Composição média das pantas aquáticas (em reação ao peso úmido). Eemento Conteúdo na panta Oxigênio 80,5 Hidrogênio 9,7 Carbono 6,5 Síica 1,3 Nitrogênio 0,7 Cácio 0,4 Potássio 0,3 Fósforo 0,09 Magnésio 0,07 Enxofre 0,06 Coro 0,06 Sódio 0,04 Ferro 0,02 Boro 0,001 Manganês 0,0007 Zinco 0,0003 Cobre 0,0001 Moibdênio 0,00005 Cobato 0, Vaores expressos em porcentagens Foto 22 Crescimento de cianobactérias na margem de um ago. 16

17 Gerenciamento da quaidade da água e eutrofização em aguns agos do mundo Lago Biwa Aeutrofização do ago Biwa (Foto 23) começou em 1960, ao ado do crescimento econômico do Japão pós-guerra. A concentração de biomassa de pantas nos anos 1980 foi cerca de dez vezes maior do que nos anos Treze mihões de pessoas dependem do suprimento de água do ago Biwa e dos sistemas do rio Yodo. Desde 1969, odores desagradáveis em águas de torneira do ago Biwa têm aborrecido os usuários durante o verão. A biomassa de pâncton registrou picos no fina da década de 1970, quando forescimentos de agas vermehas também apareceram como maré vermeha de água doce. Isso tem ocorrido quase anuamente desde então. Forescimentos de agas azuis têm aparecido desde 1983, um sina de eutrofização mais avançada. Tendências na degradação da quaidade da água do ago Biwa têm mais ou menos se estabiizado, devido ao esforço cooperativo dos moradores e da administração oca de Shiga. Tratamento avançado de esgotos domésticos foi introduzido. O uso de detergentes à base de poi- fosfatos foi banido. E áreas aagadas foram construídas a fim de fazer frente à água de drenagem da agricutura. Como resutado dessas medidas, a degradação da quaidade da água foi interrompida, porém nenhum sina de posterior mehora tem aparecido. Um combate mais extensivo da pouição difusa provavemente é necessário antes que a quaidade da água apresente mehora significativa. Foto 23 Lago Biwa, o maior ago do Japão no período de verão, mostrando o supercrescimento de pantas aquáticas. 17

18 Lago Fure, Dinamarca, exempo típico de gerenciamento da água na Europa Setentriona Como em muitos outros agos europeus, a eutrofização do ago Fure começou nos anos O ago Fure (Foto 24) está ocaizado somente km de Copenhagen, em área atrativa com diversos agos e forestas. A popuação perto do ago Fure cresceu nas décadas após a Segunda Guerra Mundia, com aumento do impacto sobre a área natura, incuindo os agos. No começo do sécuo XX, a transparência da água do ago atingia vários metros, enquanto nos útimos anos da década de 1960 era de 1,2 m, durante a primavera e os forescimentos de verão. No começo da década de 1970 optou-se por expandir o tratamento dos esgotos domésticos de cerca de habitantes incuindo a remoção de nutriente (98% de remoção do fósforo). Os esgotos de outros habitantes foram desviados para o mar. Com essas medidas, a carga de fósforo foi reduzida de 33 para 2,5 toneadas por ano. A carga de fósforo remanescente vem das águas de precipitação, do esgoto tratado e da fonte difusa. Como resutado desses esforços, a transparência quase dobrou a partir dos útimos anos da década de Entretanto, o tempo de residência da água do ago é de 20 anos, o que expica por que mehoras mais expressivas não têm sido observadas. Passou um pouco mais de 20 anos desde que as medidas foram iniciadas, e de dois a quatro tempos de residência são geramente necessários para observar efeito competo das ações tomadas. Enquanto a carga externa de fósforo (principamente esgoto doméstico) foi reduzida a 2,5 ton./ano, a carga interna, isto é, a carga do sedimento, é ainda de cerca de 12 ton./ano. Conseqüentemente, outros métodos têm sido considerados para restaurar o ago (ver a ista de métodos na Tabea 5). Entretanto, a ongo prazo, é ainda benéfico reduzir a carga externa de fósforo para menos de 1 ton./ano. Isso pode ser feito peo tratamento das enchentes causadas peas chuvas e peo aumento da eficiência da remoção de fósforo no tratamento de esgotos domésticos a 99% ou mais. No ago Fure, a pouição difusa não é tão importante, pois o ago é mais ou menos circundado por áreas aagadas e peas forestas. O tratamento extensivo de esgotos domésticos envovendo a remoção de nutrientes tem sido introduzido em muitos agos da Europa Setentriona, porém, como o ago Fure mostra, um ongo período será necessário antes que o efeito competo desse tratamento possa ser observado. Em adição, posterior redução de nutrientes é necessária para que adequada redução na eutrofização possa ser esperada. Na maioria dos casos, a pouição não pontua, difusa, terá de ser reduzida consideravemente caramente um objetivo muito mais difíci do que diminuir a fonte de pouição pontua. Foto 24 Vista gera do ago Fure, Dinamarca. 18

19 Os Grandes Lagos da América do Norte Aproximadamente 30% da popuação do Canadá e 20% da popuação dos Estados Unidos vivem na bacia de drenagem dos Grandes Lagos, que ocupa uma área de km 2. Os Grandes Lagos compreendem: ago Superior, ago Michigan, ago Ontário, ago Erie e ago Huron. Vinte e quatro mihões de pessoas dependem desses agos para água de consumo. O crescimento industria nas décadas de 1940 e 1950 resutou em pouição por óeo e aceerada eutrofização na década de Nos útimos anos da década de 1960, a quaidade da água deteriorou-se em níveis críticos. Massas de forescimento de agas foram freqüentes e severa depeção de oxigênio ocorreu mesmo na parte centra da água de fundo do ago Erie (Foto 25). Mortaidade massiva de peixes ocorreu no ago Michigan e no ago Ontário. Em resposta a essa situação, padrões específicos de efuentes foram estabeecidos no começo dos anos A remoção de fósforo foi introduzida no tratamento das estações de esgoto e o conteúdo de fósforo nos detergentes foi reduzido de 30-40% para 5%. No começo dos anos 1980, a carga de fósforo aproximou-se dos níveis estabeecidos há 10 anos. No ago Erie e no ago Ontário (Foto 26), o fósforo foi reduzido para um quinto, mas as reduções totais na parte superior dos Grandes Lagos foram de cerca de 50%. Essas reduções tiveram também refexo nas concentrações de fósforo e de fitopâncton na região aberta dos agos Erie e Ontário. Essas reduções foram apenas de cerca de um terço dos vaores de pico de Novamente, reduções de fontes não pontuais de fósforo e de nitrogênio, de mesma extensão, para os esgotos municipais não foram possíveis. Entretanto, medidas de combate à eutrofização dos Grandes Lagos estão entre os mais bemsucedidos estudos de caso de gerenciamento de agos, porque a pouição de fonte pontua foi a principa fonte de descarga de nutrientes nos agos. Fotos 25 e 26 Vista gera do ago Erie e do ago Ontário, Canadá e EUA. 19

20 Educação ambienta e percepção poítica Lição aprendida As histórias de pouco ou parcia sucesso no combate à eutrofização têm o forte suporte de cidadãos e usuários combinado com medidas egisativas efetivas e programas de gerenciamento. Os mehores resutados foram obtidos quando medidas de controe começaram cedo e por ongo tempo antes que uma hipereutrofização ocorresse. Geramente, probemas que envovem fontes pontuais foram resovidos com reativa faciidade, enquanto aquees que envovem fontes difusas não pontuais foram mais difíceis de ser soucionados. Embora as autoridades de recursos hídricos possam construir estações de tratamento de esgotos com adequada remoção de nutrientes, uma constante percepção acerca da quaidade da água pode ser mantida peo engajamento púbico. É preciso embrar também que a redução fina de nutrientes de um ago requer redução efetiva de fontes difusas, e esta deve envover toda a comunidade. Para o sucesso peno, os cidadão devem ser parceiros na estratégia de gerenciamento ambienta. O uso de menos detergentes e de detergentes sem ou com pouco poifosfatos (Foto 27) pode reduzir consideravemente a carga de fósforo. Uma campanha Lavanderia pode ficar barata reaizada na Poônia visou a toda a popuação poonesa e foi muito bem-sucedida. Foto 27 Fósforo e sabão em pó ivre de fósforo no Japão. A carga de fósforo em muitas cidades e vias caiu mais de 20%. Os resutados da campanha foram gerenciados para encorajar os usuários a continuarem os esforços. A campanha também aumentou a percepção ambienta gera do púbico, em particuar no que se refere aos efeitos diretos de detergentes de avanderias sobre a eutrofização. A redução de pouição não pontua em áreas com agricutura extensiva requer a construção de áreas aagadas, como um sistema tampão entre os campos e os rios e agos. Isto, entretanto, não é suficiente, mas pode ser apoiado por uma campanha maciça incentivando os fazendeiros a usarem menos fertiizantes (nota: os útimos 10-20% de fertiizantes apicados quase não têm efeito na coheita agrícoa, mas podem contribuir significativamente para as concentrações de nutrientes de águas de drenagem). Uma campanha na Dinamarca no começo dos anos 1990 resutou em aguma redução de pouição difusa, provavemente porque os fazendeiros cacuaram que ees poupariam dinheiro se reduzissem os fertiizantes. A redução, entretanto, não foi suficiente e um imposto verde sobre fertiizantes tem sido considerado. Este ainda não foi impantado. 20

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

Como se faz o tratamento da água?

Como se faz o tratamento da água? VÃO ME DECANTAR? VÃO ME FILTRAR? VÃO ME DESINFETAR? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se faz o tratamento da água? COMO VÃO ME LIMPAR? A UUL AL A O cico da água na natureza Estação de tratamento

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

Nesta aula, vamos identificar a Revolução

Nesta aula, vamos identificar a Revolução A energia vita: os recursos naturais são inesgotáveis? A UU L AL A Nesta aua, vamos identificar a Revoução Industria como responsáve pea grande mudança na utiização dos recursos naturais. Vamos avaiar

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

O que aquele caminhão está transportando?

O que aquele caminhão está transportando? A UU L AL A O que aquee caminhão está transportando? Transporte de produtos químicos. Sinaização dos caminhões que transportam produtos químicos: rótuos de risco e paine de segurança. Tabea Periódica Número

Leia mais

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a Nordeste: o domínio agrário-mercanti A UU L AL A Nesta aua, veremos por que o Nordeste é a região que apresenta maiores desiguadades sociais, com um marcante níve de pobreza e um ato níve de destruição

Leia mais

Como limpar derramamentos de

Como limpar derramamentos de Como impar derramamentos de petróeo? A UU L AL A Transformação do nitrogênio em fertiizantes Limpeza de derramamentos de petróeo Soubiização do oxigênio na água Interação entre moécuas de água Pontes de

Leia mais

A terra limpa a água?

A terra limpa a água? A UUL AL A A terra impa a água? Souções Misturas Mistura: - homogênea - heterogênea Fenômeno natura Conceito de experiência O que você vai aprender Mistura Dissover Fitrar Seria bom já saber O jornaeiro

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa?

O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa? AUUL AL A Efeito estufa parte da energia radiada, vota ao espaço energia radiada Efeito estufa Buraco

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10 JUNHO DE 2010 Lenta negociação de fertiizantes para a safra 2010/11 As negociações de fertiizantes para o cutivo da safra de verão 2010/11 parecem ainda não ter encontrado o momento de decoagem em diversas

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

Há 26 anos, faça sol ou faça chuva,

Há 26 anos, faça sol ou faça chuva, Os soos A UU L AL A Dois mestres da arte de reforestar Há 2 anos, faça so ou faça chuva, o mineiro Luiz Roberto de Castro Carvaho, de 51 anos, não passa um só dia sem pantar peo menos uma árvore em sua

Leia mais

Como se combate um incêndio?

Como se combate um incêndio? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se combate um incêndio? A UUL AL A Como usar um extintor de incêndio Para que serve cada tipo de extintor O que é extintor de pó químico Decomposição do bicarbonato

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

12 Por que o oxigênio do ar não acaba?

12 Por que o oxigênio do ar não acaba? A UA UL LA Por que o oxigênio do ar não acaba? O que você vai aprender Substância simpes Substância composta Cico do carbono na natureza Como as pantas transformam gás carbônico em oxigênio Decomposição

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Política do grupo para HIV/AIDS

Política do grupo para HIV/AIDS Poítica do grupo para HIV/AIDS A Ango American pc reconhece a tragédia humana causada pea epidemia de HIV/AIDS, particuarmente na África sub-saariana. Estamos preocupados com a gravidade e as impicações

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

Preparando a organização para o mundo digital

Preparando a organização para o mundo digital Ideas Preparando a organização para o mundo digita Por que você pode estar fazendo as perguntas erradas O mundo digita está em todas as partes e vem, aparentemente, ameaçando as maneiras mais tradicionais

Leia mais

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [416] Com o intuito de definir uma base de referência para avaliação futura da evolução da situação do sistema de saneamento no município, recomenda-se

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso 153 ISSN 1679-0472 Abri, 2009 Dourados, MS Foto: Niton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso Aceu Richetti Gessi Ceccon 1 2 Ao panejar

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Impactos potenciais das alterações do Código Florestal

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

A EUTROFIZAÇÃO DAS NOSSAS ÁGUAS. Profa. Magnólia Fernandes Florêncio Araújo Ivaneide Alves Soares da Costa

A EUTROFIZAÇÃO DAS NOSSAS ÁGUAS. Profa. Magnólia Fernandes Florêncio Araújo Ivaneide Alves Soares da Costa A EUTROFIZAÇÃO DAS NOSSAS ÁGUAS Profa. Magnólia Fernandes Florêncio Araújo Ivaneide Alves Soares da Costa Revendo alguns conceitos básicos fundamentais... Nos ecossistemas, ocorrem interações alimentares

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc.

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc. DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS Epídio O. B. Nara 1 *, Leirson Eckert 2, Jaqueine de Moraes 3 1 SPI - Sistemas de Processos

Leia mais

Regulating Services. Benefits obtained from regulation of ecosystem processes

Regulating Services. Benefits obtained from regulation of ecosystem processes Provisioning Services Products obtained from ecosystems Food Fresh water Fuel wood Fiber Biochemical's Genetic resources Regulating Services Benefits obtained from regulation of ecosystem processes Climate

Leia mais

Cartilha da Política Nacional de Resíduos Sólidos. ara crianças

Cartilha da Política Nacional de Resíduos Sólidos. ara crianças Cartiha da Poítica Naciona de Resíduos Sóidos ara crianças 1 Presidente da ABES-SP Aceu Guérios Bittencourt Presidente do SELUR Ariovado Caodagio Coordenação Roseane Maria Garcia Lopes de Souza Equipe

Leia mais

Resolução 10. Resolução básica

Resolução 10. Resolução básica QUÍMICA FUVEST 2005 2 a FASE QUÍMICA 1 Paíndromo Diz-se da frase ou paavra que, ou se eia da esquerda para a direita, ou da direita para a esquerda, tem o mesmo sentido Auréio Novo Dicionário da Língua

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

REDE COOPERATIVA DE PESQUISAS TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS POR PROCESSO ANAERÓBIO E DISPOSIÇÃO CONTROLADA NO SOLO INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES PUC-PR, UFMG, UFPb, UFRGS, UFRN, UNICAMP, USP AUTORES Adrianus

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

Vamos reciclar plásticos?

Vamos reciclar plásticos? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Vamos recicar pásticos? O que você vai aprender Poietienos: tipos e obtenção Diferentes tipos de pástico Usos de pásticos Recicagem de pásticos Vantagens dos pásticos

Leia mais

Dá para separar o sal da água do mar?

Dá para separar o sal da água do mar? A UA UL LA Dá para separar o sa da água do mar? O que você vai aprender Métodos de separação de um sóido de um íquido: - Decantação - Peneiração - Fitração Dissoução Soução Souto Sovente Seria bom já saber

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Fundamental. Ciências

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Ensino Fundamental. Ciências EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ensino Fundamenta Ciências 2012 Governador do Estado de Pernambuco EDUARDO HENRIQUE ACCIOLY CAMPOS Secretário de Educação do Estado ANDERSON STEVENS LEÔNIDAS GOMES Secretária

Leia mais

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark Pataforma de Souções da Lexmark Souções de software para a Pataforma de Souções da Lexmark A Pataforma de Souções da Lexmark é uma estrutura de apicações criada por programadores da Lexmark que proporciona

Leia mais

Simplificando o trabalho

Simplificando o trabalho A U A UL LA Simpificando o trabaho A simpificação do trabaho constitui outro meio que favorece diretamente a produtividade. Essa simpificação se reaciona com a mehoria de um método de trabaho, seja ee

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES Erb Ferreira Lins Manoe José dos Santos Sena Mauro Guerreiro Veoso José Américo Braga Dutra Universidade Federa do Pará, Centro Tecnoógico,

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado MARE

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES

ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES Pauo H. Parra Sívio R. I. Pires Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção UNIMEP, Via Santa Bárbara Iracemápois, km 1,

Leia mais

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS Ceber Damião Rocco (DEP/UFSCar) cdrocco@dep.ufscar.br Reinado

Leia mais

Tecnologia de válvulas e soluções especiais para transmissões em máquinas móbil

Tecnologia de válvulas e soluções especiais para transmissões em máquinas móbil Tecnoogia de vávuas e souções especiais para transmissões em máquinas móbi Seu parceiro profissiona para souções específicas à apicação em transmissões na área móbi Souções de vávuas inovadoras e adaptadas

Leia mais

Lexmark Print Management

Lexmark Print Management Lexmark Print Management Optimize a impressão em rede e crie uma vantagem informativa com uma soução de gestão de documentos que pode ser impementada no oca ou através da nuvem. Funcionaidade Print Reease

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Tecnoogia Educaciona

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293 CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA INFORMAÇÕES: www.viaveha.es.gov.br Te: 3149-7293 Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação Habite-se A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria

Leia mais

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace.

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace. 1.7 Tensão superficia, espahamento de íquidos, ânguo de contato e equação de Lapace. 1.7.1 Tensão superficia As interfaces 6 entre íquidos e gases (superfícies) e entre diferentes íquidos são regiões de

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

Incentivos e financiamiento

Incentivos e financiamiento Incentivos e financiamiento Regime Fisca Vigente O sistema fisca espanho é moderno e competitivo. A carga fisca existente na Espanha (medido com a porcentagem dos impostos e os encargos sociais em reação

Leia mais

O que o gás natural tem a ver com saquinho plástico?

O que o gás natural tem a ver com saquinho plástico? O que o gás natura tem a ver com saquinho pástico? A UU L AL A soo cascaho Frações do petróeo: eves, médias e pesadas idrocarbonetos Ponto de ebuição reacionado com o tamanho das moécuas dos hidrocarbonetos

Leia mais

Causas e mitigação de impactos ecológicos

Causas e mitigação de impactos ecológicos Texto Base: Aula 28 Causas e mitigação de impactos ecológicos Autor: Ana Lúcia Brandimarte A espécie humana está sujeita à ação de fatores limitantes como qualquer outra espécie, mas o que a diferencia

Leia mais

Coaching, treinamentos e palestras

Coaching, treinamentos e palestras Coaching, treinamentos e paestras Somos Couto Nós acreditamos que o potencia humano é o fator determinante do sucesso nas organizações e na sociedade. Dessa forma, nossa missão e visão nos inspiram em

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

Análise de Correspondência entre Clínicas Médicas e Indicadores Hospitalares: O Caso do Hospital Universitário de Santa Maria

Análise de Correspondência entre Clínicas Médicas e Indicadores Hospitalares: O Caso do Hospital Universitário de Santa Maria Anáise de Correspondência entre Cínicas Médicas e Indicadores Hospitaares: O Caso do Hospita Universitário de Santa Maria Fábio Mariano Bayer (UFSM) fabiobayer@mai.ufsm.br Adriano Mendonça Souza (UFSM)

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

HUMANIDADE E AMBIENTE. Profª Janaina Q. B. Matsuo

HUMANIDADE E AMBIENTE. Profª Janaina Q. B. Matsuo HUMANIDADE E AMBIENTE Profª Janaina Q. B. Matsuo POLUIÇÃO AMBIENTAL POLUIÇÃO: É a presença concentrada de poluentes (substâncias ou agentes físicos no ambiente), em geral produzidos pelas atividades humanas.

Leia mais

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA 27 ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO

Leia mais

No posto de gasolina

No posto de gasolina A UU L AL A No posto de gasoina Gaspar estava votando para casa, após passar um dia muito agradáve na praia, apesar da dor de ouvido. Ee parou num posto de gasoina para abastecer e verificar as condições

Leia mais

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE DIRETORIA DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Centra de Apoio e Acompanhamento

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

Material de referência sobre as Cúpulas da ONU

Material de referência sobre as Cúpulas da ONU Materia de referência sobre as Cúpuas da ONU Perspectiva gera eaborada peo Centro Coaborador da Organização Mundia da Saúde da Agência de Saúde Púbica do Canadá sobre poíticas reativas a doenças crônicas

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos Marcação, codificação e souções de sistemas Produtos químicos Conhecemos os desafios únicos que você enfrenta em suas inhas de produção A codificação na fabricação de produtos químicos pode ser um desafio

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO

A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO A SPTrans apresenta: CRONOLOGIA DO TRANSPORTE COLETIVO EM SÃO PAULO 1865 2006 A história dos transportes coetivos em São Pauo tem registro a partir de 1865. Naquea época eram poucos os bairros e a concentração

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

Como se obtém gasolina de petróleo?

Como se obtém gasolina de petróleo? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Como se obtém gasoina de petróeo? Formação do petróeo Produtos derivados do petróeo Separação dos produtos do petróeo: destiação fracionada O que você vai

Leia mais

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 Resíduos Sóidos Panos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa Comitê de Articuação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 I- Considerações GERAIS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305 (02AGO2010)

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Administração das Reservas Internacionais

Administração das Reservas Internacionais Administração das Reservas Internacionais Banco Centra do Brasi Depin Depin 2 Objetivos das Reservas em Moeda Estrangeira Dar apoio à poítica monetária e cambia; Dar confiança ao mercado com reação à capacidade

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Controles Tracer TM. Controladores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 BAS-PRC006-PT. Janeiro de 2002

Controles Tracer TM. Controladores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 BAS-PRC006-PT. Janeiro de 2002 Controes Tracer TM Controadores de Zona Tracer ZN511 e ZN521 Janeiro de 2002 BAS-PRC006-PT Introdução Os controadores de zona Tracer ZN511 e ZN521 oferecem controe digita para vários tipos de equipamentos

Leia mais