Número 84 Agosto de O emprego no setor do comércio e a crise internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Número 84 Agosto de 2009. O emprego no setor do comércio e a crise internacional"

Transcrição

1 Número 84 Agosto de 2009 O emprego no setor do comércio e a crise internacional

2 O emprego no setor do comércio e a crise internacional Desde agosto de 2007, o mundo vem se deparando com uma crise financeira (iniciada no mercado de hipotecas norte-americano) de proporções históricas. Em setembro de 2008, as primeiras grandes consequências começaram a surgir, com a quebra de um dos maiores bancos dos EUA, o Lehman Brothers 1. Assim, a crise se alastrou rapidamente pelos países, ganhou dimensões para além do setor financeiro e atingiu as áreas econômica, política e social. Redução do nível de atividade econômica, fechamento de postos de trabalho, aumento do desemprego são apenas alguns dos resultados dessa crise. No Brasil, houve redução no Produto Interno Bruto (PIB) e postos de trabalho foram eliminados, principalmente na indústria. Contudo, as consequências da crise têm se manifestado de forma diferenciada, conforme as características de cada região geográfica ou de cada setor de atividade econômica. Esta Nota Técnica analisa o comportamento do emprego no comércio no princípio deste ano e o relaciona com o desempenho nas vendas e receitas, para indicar os efeitos da crise no comércio. Normalmente, nos três primeiros meses do ano, observa-se redução do número de postos de trabalho no comércio, principalmente com eliminação dos empregos temporários. A alta rotatividade é característica do setor, sendo inferior apenas ao comportamento verificado na Construção Civil e no setor agropecuário. Também se observa que uma parcela expressiva trabalha sem carteira de trabalho assinada, além de realizar longas jornadas semanais 2. Desempenho do setor Nos três primeiros trimestres de 2008, o desempenho do comércio varejista foi bastante positivo, como mostram os dados da Pesquisa Mensal do Comércio, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tanto no que se refere ao volume de vendas, quanto em relação à receita nominal (Gráfico 1). O aumento da renda dos trabalhadores pela geração de emprego e pelos resultados favoráveis da negociação coletiva; a elevação do salário mínimo; a ampliação das linhas de crédito e a maior facilidade de acesso contribuíram favoravelmente para uma maior dinâmica do mercado interno e, consequentemente, um melhor desempenho do setor. 1 para maiores detalhes ver Nota Técnica 78, de outubro de Conforme o Boletim do Comércio nº 1 divulgado pelo DIEESE em setembro de O emprego no setor do comércio e a crise internacional

3 GRÁFICO 1 Evolução das variações mensais do volume de vendas e receita nominal de vendas do comércio varejista Brasil janeiro de 2007 a março de ,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00-1,00-2,00 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 Volume de vendas Receita nominal de vendas Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio Elaboração: DIEESE Rede Comerciários Obs.: índices com ajuste sazonal. No entanto, a dinâmica do comércio se alterou no último trimestre de 2008, com diminuição do ritmo de crescimento das vendas e das receitas. Nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2008, o volume de vendas (com ajuste sazonal) variou -1,0%; -1,1% e -0,5%, respectivamente e a receita nominal de vendas (com ajuste sazonal) variou -0,5%, - 1,0% e -1,0% respectivamente (Gráfico 1). O crescimento do volume de vendas, que nos três primeiros trimestres de 2008 girou em torno dos 10%, recuou para 6% no último trimestre (Gráfico 2). No entanto, é importante ressaltar que apesar da redução no resultado do último trimestre de 2008, o volume de vendas continuou positivo mesmo com o agravamento da crise. O emprego no setor do comércio e a crise internacional 3

4 GRÁFICO 2 Variações trimestrais (1) do volume de vendas e receita nominal de vendas do comércio varejista Brasil 2008 e 2009 (2) Volume de Vendas Receita Nominal de Vendas 18 16,4 16, , ,8 12,2 (em %) ,3 10,1 9,8 6 6,0 4 3, trim/ ºtrim/ trim/ ºtrim/ trim/ 2009 Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio Elaboração: DIEESE Rede Comerciários Obs.: índices sem ajuste sazonal. Notas: (1) base: igual período do ano anterior (2) última informação disponível Comportamento das vendas nos diferentes segmentos Dentre os segmentos do comércio, aquele que mais sofreu impacto nas vendas foi o de Veículos, motos, partes e peças, com um recuo de 10,8% no último trimestre de 2008 (Gráfico 3), devido à maior restrição ao crédito e à redução dos prazos de financiamento. No terceiro trimestre do ano passado, antes de a crise chegar ao Brasil, o segmento de veículos cresceu 18% em relação ao mesmo período de Além do setor de Veículos, os segmentos de Tecidos, vestuário e calçados (-5,5%) e de Material de Construção (-1,9%) também tiveram variação negativa no último trimestre do ano passado comparados com o último trimestre de Com o objetivo de estimular o mercado interno, em dezembro de 2008, o governo anunciou a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de automóveis. O mercado reagiu bem. No primeiro trimestre de 2009, as vendas voltaram a crescer, variando positivamente em 6,0% e somente os segmentos de Material de Construção (-9,9%) e Tecidos, Vestuário e Calçados (-6,6%) apresentaram queda no volume de vendas. Com a O emprego no setor do comércio e a crise internacional 4

5 recente redução do IPI para itens básicos de material de construção deve ser garantido um impulso adicional para o setor, que só poderá ser confirmado nos próximos meses. Já o item vestuário ocupa uma posição desfavorável numa lista de itens ordenados por essencialidade para o consumidor brasileiro o quê, num momento de crise, pode ter contribuído para esse resultado negativo. GRÁFICO 3 Evolução do índice trimestral de volume de vendas (1) no Comércio Varejista por segmento Brasil 2008 e 2009 (2) (em %) 50,0 40,0 38,6 30,0 29,2 28,3 32,3 32,9 20,0 10,0 5,2 8,4 8,4 13,3 17,3 13,2 11,5 21,4 10,9 11,3 10,4 19,6 12,3 3,4 3,2 11,4 15,7 23,2 11,4 13,4 17,9 13,5 4,8 4,5 7,3 17,8 18,0 9,3 12,1 7,5 5,4 5,2 7,7 14,2 12,0 6,4 3,1 4,0 3,7 12,2 15,0 12,3 1,3 6,5 6,0 0,0-5,5-6,6-10,8-9,9-1,9-10,0-20,0 1 trim/ ºtrim/ trim/ ºtrim/ trim/ 2009 Combustíveis e Lubrificantes Hipermercados e supermercados Móveis e eletrodomésticos Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação Outros artigos de uso pessoal e doméstico Materiais de Contrução Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo Tecidos, vestuário e calçados Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos Livros, jornais, revistas e papelaria Veículos, motos, partes e peças Fonte: IBGE - Pesquisa Mensal de Comércio Elaboração: DIEESE Rede Comerciários Obs.: índices sem o ajuste sazonal. Nota: (1) base: igual período do ano anterior (2) última informação disponível Os demais segmentos não foram afetados de forma significativa com a crise, e seguiram variando positivamente. O segmento de Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, por exemplo, obteve um excelente resultado em Durante todo o decorrer do ano, os percentuais variaram em torno de 30%. No início de 2009, mesmo com a crise, a variação foi 15,0% acima do primeiro trimestre de O mercado interno foi o principal responsável pela retomada da economia brasileira. A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de 2009 (-0,8%) demonstrou que a queda da atividade econômica no país foi amortecida pelo consumo das famílias, que teve crescimento de 0,7% em relação ao quarto trimestre de 2008, quando tinha recuado O emprego no setor do comércio e a crise internacional 5

6 1,8%. Já em relação ao mesmo período do ano anterior, o consumo das famílias aumentou 1,3%. Apesar de uma diminuição do ritmo de crescimento do comércio varejista no último trimestre de 2008 e primeiro de 2009, o setor segue com índices confortáveis de desempenho. Enquanto muitas empresas estão cortando investimentos para 2009, o setor supermercadista, por exemplo, manteve os altos investimentos previstos para o ano. A massa de rendimentos dos ocupados - importante indicador para o desempenho do comércio, pois sinaliza a capacidade de consumo da sociedade cresceu em 2008 e teve pequena redução entre janeiro e março de 2009 principalmente pela diminuição do nível de ocupação, segundo os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) 3. Em abril, a massa de rendimentos permaneceu relativamente estável. Estes indicadores fornecem um quadro que permite analisar o movimento do emprego no setor. Diferentemente do que ocorreu na indústria, o efeito da crise no desempenho econômico do setor foi menos intenso. O emprego no setor do comércio Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged/MTE) indicam o movimento do emprego formal, por meio das admissões e de demissões com a geração ou fechamento de postos de trabalho. Entre dezembro de 2008 e março de 2009, o setor demitiu uma grande quantidade de empregados, num movimento atípico para dezembro e contrário ao crescimento verificado no último ano. Nesse período, foram fechados postos de trabalho (Gráfico 4). Em janeiro de 2009 o fechamento de postos chegou a O fenômeno em si é típico para este mês do ano, período em que há mais desligamentos do que admissões, principalmente entre os empregados contratados temporariamente para atender a maior demanda registrada no final do ano. No entanto, os desligamentos de janeiro de 2009 foram muito superiores aos observados em igual mês dos dois anos anteriores, quando somados, atingiriam ocupações a menos, ou seja, nem a metade do total de demitidos em janeiro de Pesquisa realizada pelo DIEESE, Seade, MTE/FAT e convênios regionais, para o conjunto das regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo e no Distrito Federal. O emprego no setor do comércio e a crise internacional 6

7 GRÁFICO 4 Evolução do saldo da movimentação do emprego no comércio Brasil janeiro de 2007 a abril de jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fonte: MTE. Caged Elaboração: DIEESE Rede Comerciários Nota: foram utilizados os subsetores do IGBE: comércio varejista e comércio atacadista. Em abril de 2009, o setor começa a reagir e volta a contratar, com a geração de novas vagas. No entanto, o resultado é substantivamente inferior ao verificado em abril de 2007 e 2008, quando foram criados e postos de trabalho, respectivamente, e insuficiente para alterar o resultado negativo do ano. O que chama atenção é que, em alguns segmentos com excelentes resultados como o Supermercadista e de Informática e comunicação o número de demissões foi bem maior do que de contratações. Ambas as atividades econômicas acumulam um saldo negativo entre admitidos e desligados nos quatro primeiros meses de 2009, sendo de na Supermercadista e de na de Comércio de equipamentos de informática e de comunicação. Em igual período de 2007 e 2008, o cenário era o inverso, com a geração de ocupações. No caso do setor de supermercados, foram criados respectivamente e 131 novos postos de trabalho, enquanto no setor de equipamentos de informática e de comunicação, a geração de emprego foi de e respectivamente (Gráficos 5 e 6). O emprego no setor do comércio e a crise internacional 7

8 GRÁFICO 5 Evolução do saldo da movimentação do emprego no setor supermercadista Brasil janeiro de 2007 a abril de jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fonte: MTE. Caged Elaboração: DIEESE Obs.: Foram utilizadas as CNAEs: Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios - hipermercados e supermercados e Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios - minimercados, mercearias e armazéns. GRÁFICO 6 Evolução do saldo da movimentação do emprego no comércio de equipamentos de informática e de comunicação - Brasil janeiro de 2007 a abril de jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fonte: MTE. Caged Elaboração: DIEESE Obs.: Foram utilizadas os Grupos CNAEs: Comércio atacadista de equipamentos e produtos de tecnologias de informação e comunicação e Comércio varejista de equipamentos de informática e comunicação, equipamentos e artigos. O emprego no setor do comércio e a crise internacional 8

9 Os dados da PED para cinco regiões metropolitanas Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo - e mais o Distrito Federal confirmam este quadro, pois mostram que, entre janeiro e abril, o nível de ocupação no setor diminuiu mais de 6% e que o movimento de redução neste ano foi mais intenso do que o observado em igual período de GRÁFICO 7 Evolução do nível de ocupação no comércio Regiões metropolitanas e Distrito Federal dezembro de 2007 a abril de 2009 (base dez/07=100) Fonte: DIEESE, Seade, MTE/FAT e Convênios regionais.ped - Pesquisa de Emprego e Desemprego Elaboração: DIEESE Obs.: Média das regiões Considerações finais sobre o ajuste no setor A redução do volume de receitas de vendas justificaria a redução no nível de emprego em 85 mil vagas como observado entre dezembro de 2008 e março deste ano? Segmentos que vêm apresentando incremento em suas vendas necessitam ajustar o emprego da forma como foi verificado no setor supermercadista e no de comércio de equipamentos de informática e de comunicação? Mais do que simplesmente ajustar o nível de emprego frente aos efeitos da crise no Brasil, o setor parece aproveitar o momento para ajustar as suas operações através da demissão dos empregados, reduzindo custos e aumentando os lucros. Esta parece ser uma prática observada não apenas no Comércio, mas em todos os setores da economia. Há indicação de que a grande movimentação da força de trabalho verificada pelos registros das demissões e admissões segundo o Caged é reveladora do caráter altamente flexível da contratação no mercado de trabalho brasileiro que apresenta, O emprego no setor do comércio e a crise internacional 9

10 anualmente, elevado número de admissões e de demissões. Os dados expressam a flexibilidade contratual do mercado de trabalho, tanto em período de crescimento econômico negativo, quanto no momento de relativo crescimento econômico. Além do que, no momento da decisão de demitir já não existe qualquer custo adicional para a empresa, tornando a demissão um elemento de estratégia de mercado facilitando a realização dos ajustes da mão de obra, seja em função da sazonalidade do processo produtivo, seja do ciclo econômico 4. 4 Conforme pode ser observado na Nota Técnica nº 80 Mercado de trabalho formal brasileiro nos anos recentes O emprego no setor do comércio e a crise internacional 10

11 Rua Ministro Godói, 310 CEP São Paulo, SP Telefone (11) / fax (11) Direção Executiva Tadeu Morais de Sousa Presidente STI Metalúrgicas, Mecânicas e de Materiais Elétricos de São Paulo e Mogi das Cruzes Alberto Soares da Silva Vice-presidente STI de Energia Elétrica de Campinas João Vicente Silva Cayres Secretário Sindicato dos. Metalúrgicos do ABC Antonio Sabóia B. Junior Diretor SEE Bancários de São Paulo, Osasco e Região Antonio de Sousa Diretor STI Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Osasco e Região Paulo de Tarso G. B. Costa Diretor Sindicato dos Eletricitários da Bahia José Carlos de Souza Diretor STI de Energia Elétrica de São Paulo Carlos Donizeti França de Oliveira Diretor Femaco FE em Serviços de Asseio e Conservação Ambiental Urbana e Áreas Verdes do Estado de São Paulo Mara Luzia Feltes Diretora SEE Assessoramentos, Perícias, Informações, Pesquisas e Fundações Estaduais do Rio Grande do Sul Zenaide Honório Diretora Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo (Apeoesp) Pedro Celso Rosa Diretor STI Metalúrgicas, de Máquinas, Mecânicas, de Material Elétrico de Veículos e Peças Automotivas de Curitiba Josinaldo José de Barros Diretor STI Metalúrgicas, Mecânicas e de Materiais Elétricos de Guarulhos, Arujá, Mairiporã e Santa Isabel Antonio Eustáquio Ribeiro Diretor SEE Bancários de Brasília CNTT/CUT Direção técnica Clemente Ganz Lúcio diretor técnico Ademir Figueiredo coordenador de estudos e desenvolvimento José Silvestre Prado de Oliveira coordenador de relações sindicais Francisco J.C. de Oliveira coordenador de pesquisas Nelson de Chueri Karam coordenador de educação Claudia Fragozo dos Santos coordenadora administrativa e financeira Equipe técnica Catia Uehara Daniela Sandi Denis Oshima Roberto Diego Romano Fabiana Carla da Silva Campelo José Silvestre Prado de Oliveira Patrícia Lino Costa Iara Heger (revisão)

Número 66 Abril de 2008. Argumentos para a discussão da redução da jornada de trabalho no Brasil sem redução do salário

Número 66 Abril de 2008. Argumentos para a discussão da redução da jornada de trabalho no Brasil sem redução do salário Número 66 Abril de 2008 Argumentos para a discussão da redução da jornada de trabalho no Brasil sem redução do salário 1 Argumentos para a discussão da redução da jornada de trabalho no Brasil sem redução

Leia mais

Pesquisas de Orçamentos Familiares POF:

Pesquisas de Orçamentos Familiares POF: Número 107 Fevereiro de 2012 Pesquisas de Orçamentos Familiares POF: A necessária atualização e as mudanças de pesos em um índice de preços Pesquisas de Orçamentos Familiares - POF: a necessária atualização

Leia mais

Política de Valorização do Salário Mínimo:

Política de Valorização do Salário Mínimo: Nota Técnica Número 143 janeiro 2015 Política de Valorização do Salário Mínimo: Salário Mínimo de 2015 fixado em R$ 788,00 Salário Mínimo de 2015 será de R$ 788,00 A partir de 1º de janeiro de 2015, o

Leia mais

Supermercados em 2012

Supermercados em 2012 Junho de 2013 número 5 Supermercados em 2012 Uma análise dos principais indicadores Com o objetivo de subsidiar os dirigentes sindicais para as negociações salariais, a Rede Comerciários do DIEESE - Departamento

Leia mais

Comércio em 2013 Um balanço dos principais indicadores

Comércio em 2013 Um balanço dos principais indicadores Junho de 2014 número 6 Comércio em 2013 Um balanço dos principais indicadores Com o objetivo de subsidiar os dirigentes sindicais para as negociações salariais, a Rede Comerciários do DIEESE (Departamento

Leia mais

DESEMPENHO DOS BANCOS 1º SEMESTRE DE 2012

DESEMPENHO DOS BANCOS 1º SEMESTRE DE 2012 Set/2012 DESEMPENHO DOS BANCOS 1º SEMESTRE DE 2012 Provisionamento excessivo e fechamento de postos de trabalho são destaques nos balanços dos seis maiores bancos no 1º semestre de 2012 A s demonstrações

Leia mais

Número 131 - novembro de 2013. Imposto de Renda Pessoa Física: Propostas para uma Tributação Mais Justa

Número 131 - novembro de 2013. Imposto de Renda Pessoa Física: Propostas para uma Tributação Mais Justa Número 131 - novembro de 2013 Imposto de Renda Pessoa Física: Propostas para uma Tributação Mais Justa 1 Imposto de Renda Pessoa Física: Propostas Para Uma Tributação Mais Justa É sabido que a política

Leia mais

TABELA 1 Destaques dos seis maiores bancos Brasil - 2013

TABELA 1 Destaques dos seis maiores bancos Brasil - 2013 DESEMPENHO DOS BANCOS EM 2013 Resultados diferenciados e fechamento de postos de trabalho caracterizaram o desempenho do setor bancário em 2013 Em 2013, os seis maiores bancos do país 1 apresentaram resultados

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física: Propostas para uma Tributação Mais Justa

Imposto de Renda Pessoa Física: Propostas para uma Tributação Mais Justa Fevereiro de 2015 Número 144 Imposto de Renda Pessoa Física: Propostas para uma Tributação Mais Justa (Atualização da NT 131, de novembro de 2013) 1 Imposto de Renda Pessoa Física: Propostas Para Uma Tributação

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Um balanço do Comércio em 2014 a partir dos principais indicadores

Um balanço do Comércio em 2014 a partir dos principais indicadores Abril de 2015 número 7 Um balanço do Comércio em 2014 a partir dos principais indicadores Com o objetivo de subsidiar os dirigentes sindicais para as negociações salariais, a Rede Comerciários do DIEESE

Leia mais

Nota Técnica Número 03 fevereiro 2013

Nota Técnica Número 03 fevereiro 2013 SINDIFERN Nota Técnica Número 03 fevereiro 2013 Arrecadação de ICMS no Estado do Rio Grande do Norte: uma análise da evolução em anos recentes Introdução O presente estudo dedica-se a informação e análise

Leia mais

Número 57 Novembro de 2007 REDUZIR A JORNADA DE TRABALHO É GERAR EMPREGOS DE QUALIDADE

Número 57 Novembro de 2007 REDUZIR A JORNADA DE TRABALHO É GERAR EMPREGOS DE QUALIDADE Número 57 Novembro de 2007 REDUZIR A JORNADA DE TRABALHO É GERAR EMPREGOS DE QUALIDADE Reduzir a jornada de trabalho é gerar empregos de qualidade O atual nível de desemprego e, sobretudo, seu caráter

Leia mais

Política de Valorização do Salário Mínimo: Valor para 2014 será de R$ 724,00

Política de Valorização do Salário Mínimo: Valor para 2014 será de R$ 724,00 Nota Técnica Número 132 dezembro 2013 Política de Valorização do Salário Mínimo: Valor para 2014 será de Salário Mínimo de 2014 será de A partir de 1º de janeiro de 2014, o valor do Salário Mínimo passa

Leia mais

Ano V Nº 19 Maio de 2011

Ano V Nº 19 Maio de 2011 V Nº 19 Maio de 2011 Estudo comparativo do valor e do reajuste do vale refeição pago aos Servidores do TJMG com o salário mínimo, a cesta básica e o IPCA-IBGE SIND SERV da Justiça de Segunda Instância

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Número 130 - novembro de 2013. Fator Previdenciário: por que mudar?

Número 130 - novembro de 2013. Fator Previdenciário: por que mudar? Número 130 - novembro de 2013 Fator Previdenciário: por que mudar? FATOR PREVIDENCIÁRIO: POR QUE MUDAR? 1 Como surgiu o Fator Previdenciário? A Reforma Previdenciária de 1998, por meio da Emenda Constitucional

Leia mais

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado COMENTÁRIOS Em maio, o Comércio Varejista do País apresentou variações em relação ao mês anterior ajustadas sazonalmente, de 0,5% para o volume de vendas e de 1,0% para a receita nominal. Quanto à média

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem

Leia mais

PROJETO DE APOIO À IMPLANTAÇÃO DA ESCOLA E DO BACHARELADO DE CIÊNCIAS DO TRABALHO

PROJETO DE APOIO À IMPLANTAÇÃO DA ESCOLA E DO BACHARELADO DE CIÊNCIAS DO TRABALHO PROJETO DE APOIO À IMPLANTAÇÃO DA ESCOLA E DO BACHARELADO DE CIÊNCIAS DO TRABALHO Etapa/Fase nº 3 Produto 1 Eixo 1 Sítio da Escola reformulado Relatório de execução Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº. 077/2010

Leia mais

Notas sobre o Salário Mínimo e imposto de renda. Número 17 março 2006 NOTA TÉCNICA

Notas sobre o Salário Mínimo e imposto de renda. Número 17 março 2006 NOTA TÉCNICA Notas sobre o Salário Mínimo e imposto de renda Número 17 março 2006 NOTA TÉCNICA Notas sobre o salário mínimo e imposto de renda Impactos dos reajustes E m 2005, as Centrais Sindicais 1 deram continuidade

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

Corte de postos de trabalho nos bancos privados continua no 1º semestre de 2014

Corte de postos de trabalho nos bancos privados continua no 1º semestre de 2014 Número 6 Setembro/2014 1º semestre de 2014 Corte de postos de trabalho nos bancos privados continua no 1º semestre de 2014 Rede Bancários 2 DESEMPENHO DOS BANCOS DESEMPENHO DOS BANCOS 1º semestre de 2014

Leia mais

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO PÁGINA 1 Página 1 SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO I N F O R M A T I V O B I M E S T R A L

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2015 O Comércio em Números é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

APOIO: AGRADECIMENTOS:

APOIO: AGRADECIMENTOS: RELATÓRIO ANUAL - 2013 APOIO: AGRADECIMENTOS: BOLETIM DO COMÉRCIO Relatório Anual - 2013 Pág. 2 RELATÓRIO ANUAL - 2013 Prezados Comerciantes, Esse boletim é uma edição especial sobre o comportamento do

Leia mais

Número 85 Setembro de 2009. As razões para a jornada de trabalho ser de 40 horas

Número 85 Setembro de 2009. As razões para a jornada de trabalho ser de 40 horas Número 85 Setembro de 2009 As razões para a jornada de trabalho ser de 40 horas As razões para a jornada de trabalho ser de 40 horas Há 14 anos, a Proposta de Emenda à Constituição PEC 231/95 tramita no

Leia mais

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 24 setembro de 2006 A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos No Brasil, as profundas transformações pelas quais

Leia mais

Nota Técnica Número 87 Abril de 2010. Redução da Jornada de Trabalho: Uma Luta do Passado, Presente e Futuro

Nota Técnica Número 87 Abril de 2010. Redução da Jornada de Trabalho: Uma Luta do Passado, Presente e Futuro Nota Técnica Número 87 Abril de 2010 Redução da Jornada de Trabalho: Uma Luta do Passado, Presente e Futuro Redução da Jornada de Trabalho: Uma Luta do Passado, Presente e Futuro Como é sabido, a Campanha

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº43 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Agosto de 2014 Com crescimento em julho, setor acumula 1,48% no ano Em julho, as vendas

Leia mais

Fraco crescimento do crédito, corte de postos de trabalho e elevação nos resultados de tesouraria são os destaques de 2014 nos maiores bancos do país

Fraco crescimento do crédito, corte de postos de trabalho e elevação nos resultados de tesouraria são os destaques de 2014 nos maiores bancos do país 2014 Fraco crescimento do crédito, corte de postos de trabalho e elevação nos resultados de tesouraria são os destaques de 2014 nos maiores bancos do país Rede Bancários 2 DESEMPENHO DOS BANCOS DESEMPENHO

Leia mais

Nota Técnica Número 86 Janeiro de 2010 (revisada e atualizada) Política de Valorização do Salário Mínimo:

Nota Técnica Número 86 Janeiro de 2010 (revisada e atualizada) Política de Valorização do Salário Mínimo: Nota Técnica Número 86 Janeiro de 2010 (revisada e atualizada) Política de Valorização do Salário Mínimo: Considerações sobre o valor a vigorar a partir de 1º de janeiro de 2010 A Campanha de Valorização

Leia mais

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Mercado de Trabalho Formal do Recife

Mercado de Trabalho Formal do Recife Boletim Informativo Agosto 2011 Mercado de Trabalho Formal do Recife Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Em julho, foram gerados 140 mil postos de trabalho formais no Brasil Com

Leia mais

Número 31 - Agosto 2006 Nota Técnica. Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras

Número 31 - Agosto 2006 Nota Técnica. Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras Número 31 - Agosto 2006 Nota Técnica Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras Redução da jornada normal de trabalho versus horas extras Introdução Em 2001, as Centrais Sindicais brasileiras

Leia mais

Nº 50 Março de 2010. Terceirização e morte no trabalho: um olhar sobre o setor elétrico brasileiro

Nº 50 Março de 2010. Terceirização e morte no trabalho: um olhar sobre o setor elétrico brasileiro Nº 50 Março de 2010 Terceirização e morte no trabalho: um olhar sobre o setor elétrico brasileiro Terceirização e morte no trabalho: um olhar sobre o setor elétrico brasileiro Introdução Odebate sobre

Leia mais

Mercado de Trabalho Formal do Recife

Mercado de Trabalho Formal do Recife Boletim Informativo Novembro 2011 Mercado de Trabalho Formal do Recife Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Em outubro, foram gerados 126 mil postos de trabalho formais no Brasil

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Resultados- Junho OUTUBRO 2011

Resultados- Junho OUTUBRO 2011 Resultados- Junho 2011 - OUTUBRO 2011 Crescimento do volume e receita nominal das vendas; evolução da massa de rendimentos dos ocupados; volume de crédito e inadimplência; dados sobre emprego formal, como

Leia mais

Relatório de Execução e Acompanhamento das PED's Regionais - Desempenho do campo III - (Relatório 4 de 4)

Relatório de Execução e Acompanhamento das PED's Regionais - Desempenho do campo III - (Relatório 4 de 4) Relatório Trimestral de execução de campo, processamento e análise de dados nas pesquisas integrantes do Sistema PED Relatório de Execução e Acompanhamento das PED's Regionais - Desempenho do campo III

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

Março de 2016 Número 155. Inflação: comportamento dos preços administrados na vida das famílias paulistanas

Março de 2016 Número 155. Inflação: comportamento dos preços administrados na vida das famílias paulistanas Março de 2016 Número 155 Inflação: comportamento dos preços administrados na vida das famílias paulistanas Inflação: comportamento dos preços administrados na vida das famílias paulistanas Em 2015, a taxa

Leia mais

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego para junho de 2010 confirmam a recuperação do emprego

Leia mais

Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. NÚMERO 13 Fev/2006

Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. NÚMERO 13 Fev/2006 Fundo de Garantia por Tempo de Serviço NÚMERO 13 Fev/2006 Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) O regime de trabalho vigente entre os anos 40 e 60 garantia estabilidade do trabalhador no emprego

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Número 25 Junho 2006 NOTA TÉCNICA INCENTIVO À FORMALIZAÇÃO DO EMPREGO DOMÉSTICO

Número 25 Junho 2006 NOTA TÉCNICA INCENTIVO À FORMALIZAÇÃO DO EMPREGO DOMÉSTICO Número 25 Junho 2006 NOTA TÉCNICA INCENTIVO À FORMALIZAÇÃO DO EMPREGO DOMÉSTICO Incentivo à formalização do emprego doméstico No Brasil, no ano de 2004, 6,5 milhões de pessoas trabalhavam com empregados

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DAS ATIVIDADES DE CAMPO: JANEIRO A MARÇO 2007

RELATÓRIO TRIMESTRAL DAS ATIVIDADES DE CAMPO: JANEIRO A MARÇO 2007 RELATÓRIO TRIMESTRAL DAS ATIVIDADES DE CAMPO: JANEIRO A MARÇO 2007 Objetivo A: Supervisionar a Execução das PEDs nas Regiões Metropolitanas Convênio MTE/SPPE/CODEFAT Nº 098/2005 e Primeiro Termo Aditivo

Leia mais

Número 48 Agosto de 2007. A turbulência financeira mundial e a conjuntura dos próximos meses

Número 48 Agosto de 2007. A turbulência financeira mundial e a conjuntura dos próximos meses Número 48 Agosto de 2007 A turbulência financeira mundial e a conjuntura dos próximos meses A turbulência financeira mundial e a conjuntura dos próximos meses Desde o começo de agosto, uma nova crise agita

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

Subseção Comerciários de São Paulo. Desempenho do comércio de material de construção no município de São Paulo

Subseção Comerciários de São Paulo. Desempenho do comércio de material de construção no município de São Paulo Subseção Comerciários de São Paulo Desempenho do comércio de material de construção no município de São Paulo Setembro de 2011 Desempenho do comércio de material de construção no município de São Paulo

Leia mais

Venda de tecidos tem destaque em setembro

Venda de tecidos tem destaque em setembro Venda de tecidos tem destaque em setembro setembro / 2009 Temos avaliado, mês a mês, um ritmo favorável nas vendas e no faturamento do comércio que, em alguns segmentos, assume patamares pré-crise. Neste

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

Nº 77 agosto de 2015 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2015

Nº 77 agosto de 2015 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2015 Nº 77 agosto de 2015 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2015 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2015 No primeiro semestre de 2015, a maior

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Balanço dos Pisos Salariais dos Servidores da Administração Direta do Estado de São Paulo

Balanço dos Pisos Salariais dos Servidores da Administração Direta do Estado de São Paulo Abril de 2015 Rede Servidores Balanço dos Pisos Salariais dos Servidores da Administração Direta do Estado de São Paulo Introdução Este trabalho analisa a evolução real dos pisos salariais dos servidores

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio Nº 46 - Julho/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em abril de 2015, queda de 3,9% em relação ao mesmo

Leia mais

O setor metalúrgico de junho a setembro de 2015

O setor metalúrgico de junho a setembro de 2015 Número 02 novembro de 2015 O setor metalúrgico de junho a setembro de 2015 A economia brasileira encontra-se em dificuldade, com a maioria dos indicadores apresentando trajetória de queda, principalmente

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 08/2012 1 16/08/2012

Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 08/2012 1 16/08/2012 Informação e Análise do Mercado de Trabalho Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 08/2012 1 16/08/2012 EM SANTA CATARINA SÃO CRIADAS 3.227 VAGAS DE EMPREGO EM JULHO Com isso se interrompe a trajetória

Leia mais

Fórmula 85/95: O que muda nas aposentadorias. Nota Técnica Número 146 - julho 2015

Fórmula 85/95: O que muda nas aposentadorias. Nota Técnica Número 146 - julho 2015 Fórmula 85/95: O que muda nas aposentadorias Nota Técnica Número 146 - julho 2015 Fórmula 85/95: o que muda nas aposentadorias 1. O que é Previdência Social no Brasil? A Previdência Social é um direito,

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Nota Técnica Número 94 Janeiro de 2011. Inflação e juros: é necessário mudar o rumo do debate

Nota Técnica Número 94 Janeiro de 2011. Inflação e juros: é necessário mudar o rumo do debate Nota Técnica Número 94 Janeiro de 2011 Inflação e juros: é necessário mudar o rumo do debate Inflação e juros: é necessário mudar o rumo do debate De tempos em tempos, o debate sobre inflação toma vulto

Leia mais

Nº 72 Julho de 2014. Balanço dos Pisos Salariais Negociados em 2013

Nº 72 Julho de 2014. Balanço dos Pisos Salariais Negociados em 2013 Nº 72 Julho de 2014 Balanço dos Pisos Salariais Negociados em 2013 Balanço dos pisos salariais negociados em 2013 Pelo nono ano consecutivo, o DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos

Leia mais

Abril/2014 - BRASIL. Análise do emprego. Brasil Abril/2014

Abril/2014 - BRASIL. Análise do emprego. Brasil Abril/2014 Abril/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Abril/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Número 140 - Setembro de 2014. O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro: Resultados da RAIS 2013

Número 140 - Setembro de 2014. O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro: Resultados da RAIS 2013 Número 140 - Setembro de 2014 O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro: Resultados da RAIS 2013 Introdução Esta Nota Técnica tem como objetivo apresentar os principais resultados da Relação Anual de Informações

Leia mais

PROJETO DE APOIO À IMPLANTAÇÃO DA ESCOLA E DO BACHARELADO DE CIÊNCIAS DO TRABALHO

PROJETO DE APOIO À IMPLANTAÇÃO DA ESCOLA E DO BACHARELADO DE CIÊNCIAS DO TRABALHO PROJETO DE APOIO À IMPLANTAÇÃO DA ESCOLA E DO BACHARELADO DE CIÊNCIAS DO TRABALHO Meta nº 1 - Etapa/Fase nº 15 Produto 2 Eixo 1 Primeira Versão do Sistema de Gestão da Escola Disponível para a Comunidade

Leia mais

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Dezembro/98 N o 20 DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA O comércio é a ponta da cadeia produtiva e é o primeiro

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro Tema: Emprego

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro Tema: Emprego Boletim de Conjuntura Econômica Outubro Tema: Emprego Brasil Atinge mais de 2 milhões de Emprego em 2010 Setor de Serviços lidera com 35% dos empregos Gerados no período Em setembro foram gerados 246.875

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 277 266 DEZEMBRO DE 2007 Taxa de desemprego total diminui para 13,5% Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

Leia mais

Site Sistema PED. Projeto Sistema PED 2012

Site Sistema PED. Projeto Sistema PED 2012 CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO PED E DESENHO DE NOVOS INDICADORES E LEVANTAMENTOS Site Sistema PED Projeto Sistema PED 2012 Meta C: Aprimorar sistema de divulgação e disponibilização das informações

Leia mais

Relatório Trimestral de Supervisão das Bases de Dados Desempenho das Atividades: Janeiro a Março de 2007

Relatório Trimestral de Supervisão das Bases de Dados Desempenho das Atividades: Janeiro a Março de 2007 Relatório Trimestral de Supervisão das Bases de Dados Desempenho das Atividades: Janeiro a Março de 2007 Convênio MTE/SPPE/CODEFAT 098/2005 Primeiro Termo Aditivo RELATÓRIO TRIMESTRAL DE SUPERVISÃO DAS

Leia mais

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº 08 APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER As informações da Pesquisa

Leia mais

Governo do Estado do Pará. Simão Robison Oliveira Jatene Governador

Governo do Estado do Pará. Simão Robison Oliveira Jatene Governador JANEIRO/2013 1 Governo do Estado do Pará Simão Robison Oliveira Jatene Governador Helenilson Cunha Pontes Vice-Governador do Estado do Pará / Secretário Especial de Estado de Gestão Seges Instituto do

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Relatório IPCA e INPC - IBGE

Relatório IPCA e INPC - IBGE O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE elabora sistematicamente índices de preços ao consumidor por meio do Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC, com o objetivo de

Leia mais

Nível de atividade. 1.1 Comércio

Nível de atividade. 1.1 Comércio Nível de atividade 1 Tabela 1.1 Índice de volume de vendas Variação percentual Discriminação Jan Fev Mar No mês 1/ Comércio varejista 0,3-0,4-1,0-0,4 Combustíveis e lubrificantes -0,9-4,9 2,7-0,1 Hiper,

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Associação Brasileira de Supermercados Nº48 tou ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 27 de Janeiro de 2014 Vendas dos supermercados crescem 2,24% em 2014 Em dezembro, as

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS O Ministério do Trabalho e Emprego divulgou o saldo de empregos dos principais setores da economia, através

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados julho/15 21 de agosto de 2015 Secretaria de Política Econômica CRIAÇÃO LÍQUIDA DE POSTOS DE TRABALHO (variação mensal absoluta do emprego*) Critério

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

Força de greves pode diminuir com evolução de canais de serviços on-line

Força de greves pode diminuir com evolução de canais de serviços on-line Boletim 853/2015 Ano VII 15/10/2015 Força de greves pode diminuir com evolução de canais de serviços on-line O impacto das novas plataformas deve ser maior no médio e longo prazo, principalmente com a

Leia mais

CONTRATO Nº 068/2009 RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - MARÇO DE 2011 -

CONTRATO Nº 068/2009 RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - MARÇO DE 2011 - PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

Nº 69 agosto de 2013 Balanço das negociações dos reajustes salariais do primeiro semestre de 2013

Nº 69 agosto de 2013 Balanço das negociações dos reajustes salariais do primeiro semestre de 2013 Nº 69 agosto de 2013 Balanço das negociações dos reajustes salariais do primeiro semestre de 2013 Balanço das negociações dos reajustes salariais do primeiro semestre de 2013 No primeiro semestre de 2013,

Leia mais

RELATÓRIO SETORIAL SINDUSCOM/SL Março/2012

RELATÓRIO SETORIAL SINDUSCOM/SL Março/2012 RELATÓRIO SETORIAL SINDUSCOM/SL Março/212 1. Movimentação do Emprego Análise da movimentação do emprego conforme Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) dos setores de Madeira e Mobiliário:

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais