CARACTERIZAÇÃO FÍSICA e QUÍMICA CONSTITUINTES DA ÁGUA MINERAIS INORGÂNICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO FÍSICA e QUÍMICA CONSTITUINTES DA ÁGUA MINERAIS INORGÂNICOS"

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO FÍSICA e QUÍMICA CONSTITUINTES DA ÁGUA - Minerais inorgânicos - Partículas - Substâncias orgânicas MINERAIS INORGÂNICOS Origens tipo rocha e terrenos REACÇÕES ABIÓTICAS alterado por metabolismo biológico processos de diluição por transporte hidrológico A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

2 REACÇÕES ABIÓTICAS interacção água e gases com a superfície dos minerais lixiviação dos solos e sedimentos Exemplos: - dissolução (calcite em cálcio e carbonato) (quartzo em sílica) - oxidação redução (ião férrico Fe 3+ em ião ferroso Fe 2+ ) - troca iónica (*) - complexação (*) Reacção da argila (-) com partículas existentes na água (+). Com o atravessamento da água em camadas argilosas, à água são retirados constituintes conforme o grau de saturação da argila. A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

3 METABOLISMO BIOLÓGICO adição ou remoção de componentes da água EXEMPLOS: libertação de anidrido carbónico, por metabolismo, em concentrações elevadas tais que altera o ph ( ), logo o equilíbrio existente e distribuição de espécies; fotossíntese em plantas aquáticas remove anidrido carbónico da água, eleva o ph, podendo então ser atingido o produto de solubilidade do carbonato de cálcio logo provocar precipitação; variações diversas da qualidade da água. A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

4 PROCESSO DE DILUIÇÃO POR TRANSPORTE HIDROLÓGICO evaporação precipitação infiltração no solo escoamento superficial actua ao nível da diluição na concentração iónica. * * * CARACTERIZAÇÃO (MINERAIS INORGÂNICOS) CONSTITUINTES PRINCIPAIS (CONCENTRAÇÃO ENTRE 1 E ppm) cálcio, magnésio, sódio, potássio, bicarbonato/carbonato, sulfatos, cloretos CONSTITUINTES EM CONCENTRAÇÃO ENTRE 0.01 E 10 ppm azoto, fósforo, ferro, manganésio, sílica, fluoretos MICROCONSTITUINTES (CONCENTRAÇÃO ~ 10-3 ppm ppb) mercúrio, chumbo, cobre, níquel, etc. A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

5 MINERAIS INORGÂNICOS Cálcio (Ca 2+ ) um dos principais constituintes da água superficial e subterrânea águas duras - 40 mg/l < Ca 2+ < 100 mg/l origem na desagregação rochas e troca iónica mineral necessário ao homem mas insuficiente cálcio + magnésio constituem a dureza água incidência em doenças cardiovasculares DUREZA ELEVADA formação de produtos insolúveis com o sabão problemas lavagem industrial precipitação cálcio película recobrimento no interior tubagem evita a corrosão quando controlada A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

6 Magnésio (Mg + ) solubilidade sais Mg > sais Ca concentração na natureza Mg < Ca água superficial 10 a 20 mg/l água subterrânea 30 a 40 mg/l elemento indispensável ao homem mas não suficiente na água Mg > 400 mg/l efeitos laxativos associado ao Ca, logo remoção cálcio remoção Mg A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

7 Sódio (Na + ) elemento predominante na crosta; o que existe na água resulta de desgaste e dissolução das rochas fundamentalmente embora também provenha de aerossóis marinhos e de sais adicionados à água para seu tratamento presente na água com ião livre Na + ~ 100 mg/l concentrações > em zonas áridas concentrações elevadas estão associadas a hipertensão e concentrações ~ 500 mg/l sabor desagradável à água A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

8 Potássio (K + ) concentração na água inferior ao Na +, embora mais frequente na natureza, devido à dificuldade de lixiviação dos seus compostos valor médio em água superficial ~ 2,3 mg/l, sendo mais elevado em zonas agrícolas dada a capacidade de assimilação das plantas e posterior libertação aquando do seu decaimento elemento necessário aos seres vivos em geral, mas em doses de 1-2 g para humanos. Na água as concentrações são baixas não há limite estabelecido em normas A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

9 Bicarbonato (HCO - 3) sistema carbonato/bicarbonato é o mais importante na química da água porque controla: : reacções ácido-base : capacidade neutralização da água equilíbrio ácido-base : complexação metais : formação de precipitados : metabolismo biológico as espécies que fazem parte deste sistema são CO 2, H 2 CO 3, HCO - 3, CO = 3, OH -, H +, Ca 2+, CaCO 3 reacções envolvidas 1. CO 2 + H 2 O H 2 CO 3 2. geração ião bicarbonato H 2 CO 3 H + + HCO geração ião carbonato HCO - 3 H + + CO = 3 A combinação destas equações permite determinar a distribuição relativa das diferentes espécies com o ph * Os iões carbonato e bicarbonato são responsáveis pela capacidade da solução de neutralizar ácidos - ALCALINIDADE valores típicos bicarbonatos água chuva 10 mg/l água superficial < 200 mg/l água subterrânea mg/l (*) (*) para concentrações Ca 2+ e mg 2+ baixas A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

10 Cloretos presentes na água como ião Cl - águas superficiais < 10 mg/l possibilidade de muito mais elevada em zonas com intrusão salina ou com evaporação > precipitação actividade química muito reduzida assim como bioquímica transporte devido a processos físicos teores > 250 mg/l sabor salgado (valor limite imposto em várias normas não tem efeitos negativos para a saúde, excepto quando associado ao Na + (sódio) corrosão em aço e alumínio > 50 mg/l tóxico para plantas A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

11 Enxofre disponível na água sob a forma de sulfatos e sulfuretos origem sulfatos em rochas como o gesso, escoamento em zonas de pirites e metabolismo bacteriano quando proveniente de precipitação pode atingir valor de 10 mg/l devido a actividade vulcânica e cinzas concentrações habituais de sulfatos 5 a 30 mg/l em águas oxigenadas origem sulfuretos na actividade vulcânica aquática, decomposição orgânica e actividade bacteriana níveis baixos em águas naturais ciclo enxofre reside fundamentalmente em actividade bacteriana, sem a qual é tudo lento efeito laxativo para concentrações superiores a 100 mg/l o valor limite imposto pelas normas é devido ao sabor provocado sulfatos são corrosivos para estruturas betão e tubagens de fibrocimento, embora seja muito lenta em concentrações < 350 mg/l. Torna-se rápida para concentrações > mg/l para irrigação são desejáveis níveis abaixo de 300 mg/l A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

12 Nitratos forma mais comum azoto nas águas naturais, normalmente ligado a actividade biológica concentrações em águas superficiais ~ 1 mg/l; mais elevada em águas subterrâneas valor limite de 45 mg/l metamoglobina infantil concentrações > 15 a 30 mg/l causam problemas indústria cerveja mau gosto e redução a nitrito durante a fermentação elevadas concentrações reduzem a permeabilidade terreno mas importante como fertilizante aceleração do fenómeno de eutrofização. A relação necessária é de 40 : 7 : 1 de C : N : P em peso; em águas naturais a relação natural é de 100 : 10 : 1 factor limitativo é o fósforo. Mas se existirem descargas efluentes domésticos em que P é elevado, então o azoto (N) passa a ser o factor crítico. Importante a existência de algas verdes - azuis que têm capacidade de reter N da atmosfera A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

13 Ferro (Fe) encontra-se em diferentes estados de oxidação. Os depósitos minerais incluem óxidos e hidróxidos. As formas sedimentares incluem sulfuretos, carbonatos e também óxidos Fe nas águas subterrâneas aparece em óxidos e sulfuretos Fe nas águas superficiais é pouco vulgar porque provem de silicatos que originam reacções muito lentas potencial oxidação-redução (REDOX) afecta a estabilidade de vários constituintes (ferro, carbono, oxigénio, azoto, enxofre e manganésio) tal como ph afecta a solubilidade potencial redox reflecte a actividade electrónica ph reflecte a actividade ião H + é definido em função de uma reacção redox dominante, uma vez que esta influencia as distribuições de espécies doutras reacções o ferro é descrito por um diagrama Eh - ph donde se tiram as seguintes conclusões: 1ª em condições redutoras Eh < 0 numa larga gama ph a solubilidade do ferro é baixa, tendendo os sulfuretos a precipitar 2ª em condições oxidantes Eh > 0 ph > 5, o hidróxido ferro tende a precipitar 3ª entre as duas situações anteriores, condições típicas duma água subterrânea (ph = 5 e 8 Eh 0,20 e -0,1 volts) o ião ferroso é solúvel concentrações típicas água superficial oxigenada (ph 5 e 8) - 0,05-0,2 mg/l água subterrânea 1 a 10 mg/l água baixo teor em oxigénio e bicarbonato > 50 mg/l (*) (*) neste caso, a simples bombagem provoca precipitação do hidróxido férrico cor acastanhada A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

14 nas águas superficiais a existência de ferro está associada a suspensões floculentas e partículas coloidais de hidróxido férrico que formam precipitação quando ligam com argila ou outros sólidos em suspensão também o ião ferroso e férrico forma complexos com moléculas orgânicas bactérias ferrosas utilizam o ião ferroso como fonte de energia e precipitam o hidróxido férrico. Comuns em poços, estações de tratamento e tubagens sempre que O2 esteja presente e concentração local do ferro solúvel > 0,2 mg/l competição pelo oxigénio dada a precipitação espontânea do hidróxido férrico entupimento devido à precipitação de ferro sobre colónias de bactérias limite para água potável por sabor e estético < 0,3 mg/l para fins industriais níveis recomendados < 0,1-0,2 mg/l A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

15 Manganésio existe sob a forma de óxidos e hidróxidos mas na água a ph baixo e neutro sob a forma de Mn 2+ em concentrações 0,1-1 mg/l ph mais baixo, concentrações mais elevadas associado ao ferro em geral em concentrações de 0,2-0,4 mg/l gosto desagradável e desenvolvimento de organismos em sistemas de distribuição necessário ao crescimento de plantas (activador enzimático) e funcionamento sistema nervoso para uso industrial limite máximo de 0,5 mg/l A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

16 Sílica presente em quase todas as rochas, solos e águas naturais na água existe numa forma hidratada, sendo as análises determinadas em SiO 2 valores entre 1-30 mg/l solubilidade complexa dependente da temperatura sílica é activo biologicamente sendo assimilado pelas diatomáceas precipita depois com as suas carcaças concentrações baixas em águas naturais utilização industrial é restrita apenas em caldeiras onde precipita dada a temperatura sendo depois difícil a sua remoção A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

17 Fluoretos ião livre (F - ) ouem complexo com Al, Be, Fe mais frequente na natureza do que qualquer outro do mesmo grupo mas dadas as suas ligações muito fortes na água a sua concentração é menor < 1 mg/l em rios mas superior em águas subterrâneas (~ 10 mg/l) prevenção contra a cárie numa dose correcta, pois mg é tóxico e 4-5 gr fatal níveis estabelecidos em normas dependem da temperatura (climas quentes > quantidade água) MICROCONSTITUINTES Embora em concentrações realmente baixas têm significado na qualidade da água em geral e influência na saúde humana A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

18 RADIONUCLÍDEOS CONSTITUIÇÃO Átomos que quando se decompõem, libertam energia (radioactividade) na forma de: a) radiação alfa, constituída por massa nucleíca de hélio fortemente carregada positivamente; b) radiação beta, constituída por electrões; c) radiação gama, constituída por energia electromagnética equivalente aos raios X.

19 ORIGEM A origem na Natureza está associada a constituintes geológicos ou radiação cósmica da atmosfera. Alternativamente, têm origem na actividade industrial: farmacêutica (radiofarmacos), armamento e produção de energia nuclear.

20 EFEITOS Cada tipo de radiação tem acções diferentes no corpo humano, sendo a radiação alfa a mais perigosa dadas a sua enorme velocidade ( km/s) e a carga mássica que a acompanha. A radiação beta tem efeito destrutivo mais baixo e a radiação gama, quando em pequenas concentrações, não é sequer perigosa. A radioactividade, genericamente, tem efeitos genéticos e somáticos, nestes incluída a carcinogénese.

21 INDICADORES QUALIDADE INORGÂNICA ÁGUA reflectem tendências específicas duma água indicador comportamento DUREZA, SÓLIDOS DISSOLVIDOS, CONDUTIVIDADE ELÉCTRICA, ACTIVIDADE IÃO H + (ph), ADSORÇÃO SÓDIO, CORROSIVIDADE DUREZA medida compósita do conteúdo em catiões polivalentes, em que Ca 2+ e Mg 2+ são os principais no homem é indicador de doenças cardio-vasculares na indústria indicador potencial precipitados de CaCO 3 (torres arrefecimento e caldeiras), sabões (indústria têxtil e lavagem industrial) e com compostos orgânicos (fotografia) classificação água macia água moderada/dura água dura 0-60 mg/l mg/l mg/l água muito dura > 180 mg/l de CaCO 3 A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

22 SÓLIDOS DISSOLVIDOS TOTAIS (SDT) medida total iões em soluções determinado por filtração da amostra, evaporação filtrado e pesagem resíduo valores variáveis com factores climatéricos, tipo terrenos da bacia, afluências, precipitação A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

23 CONDUTIVIDADE relacionado com SDT e indica a capacidade da solução para transmitir corrente eléctrica através da sua actividade iónica (µ ohm/cm) soluções diluídas as duas são comparáveis soluções concentradas não: a proximidade iões diminui a sua actividade e capacidade de transmitir corrente importância - capacidade corrosão (capacidade da dissolução) - influência na solubilidade de composto baixa solubilidade (CaCO 3 ) Geralmente SDT e condutividade corrosividade água. Por outro lado actividade de outros iões diminui favorecendo "emparceiramento" iões (forças intermoleculares mais fracas ligações intermoleculares químicas desactivando outras reacções) Resultado real solubilidade efectiva CAPACIDADE ADSORÇÃO SÓDIO + Na SAR = (meq/l) ( Ca + Mg + )/ 2 critério avaliação efeito negativo na água de irrigação quantidade elevada de Ca 2+ e neg 2+ no terreno tornam textura granular e permeável. Proporções elevadas de Na + diminui a permeabilidade A ÁGUA NAS RESERVAS HÍDRICAS NATURAIS

24 PARTÍCULAS Sólidos finamente divididos, > moléculas mas indistinguíveis à vista desarmada; origem: desgaste solos (argilas); actividade biológica (algas, bactérias, ); actividade industrial e agricultura tende a aumentar estas origens naturais devido às grandes áreas de cultura e resíduos industriais A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

25 importância: influenciam fortemente a qualidade da água dependendo das propriedades físicas, químicas e biológicas. Como? A sua dimensão reduzida área específica grande potencial adsorção elevado de substâncias tóxicas, por ex. metais pesados e hidrocarbonetos clorados sua ingestão pro-voca efeitos tóxicos crónicos ou agudos. A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

26 área específica grande forte dispersão luz incidente logo, visibilidade fraca na coluna de água importância também dos ciclos geoquímicos dada a capacidade de adsorção de espécies iónicas A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

27 AVALIAÇÃO CONTEÚDO PARTÍCULAS (INDICADORES) TURVAÇÃO CONTAGEM DE PARTÍCULAS A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

28 TURVAÇÃO Propriedade óptica de amostras que provoca a dispersão e adsorção da luz não permitindo a sua transmissão (15ª ed do Standard Methods, 1980) A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

29 CONTAGEM DE PARTÍCULAS Complementa a informação sobre a turvação. Os contadores têm sensores com gamas de dimensão, por exemplo, de 1-60 µ, 2,5-150 µ. A análise da contagem de partículas revela a distribuição da dimensão das partículas numa amostra A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

30 Qual a importância? A concepção e dimensão dos órgãos de tratamento de água e águas residuais depende das características das partículas: partículas finas (< 10 µ) sedimentação lenta e sua remoção aumento de dimensão e peso desinfecção efectiva remoção de partículas que envolvem e protegem germes patogénicos processos de membranas (por ex: osmose inversa) exigem remoção partículas evitar colmatação rápida ou mesmo degradação da membrana Ainda não existe como valor estabelecido e regulado por normas, mas o seu conhecimento é importante, ao longo duma sucessão de operações de tratamento para compreensão do processo. A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

31 Qual a importância: razões estéticas relacionadas com a matéria em suspensão e coloidal; saúde efeito específico dada a associação de microrganismos com material particulado com interferência na demanda de cloro efeito na desinfecção; > capacidade potencial de formação de organoclorados percursores estão associados a material particulado dependendo da sua origem, a turvação é uma das propriedades mais importantes da água, com limites impostos na generalidade das Normas, preponderante na escolha da origem de água e no esquema de tratamento a adoptar. Apresenta uma grande variabilidade para a mesma origem num determinado intervalo de tempo e de origem para origem. A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

32 SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS Origem: decomposição natural de animais e plantas poluição urbana, agrícola ou industrial reacção de halogéneos (cloro na maioria das vezes) com substâncias orgânicas durante o tratamento Concentrações: variam entre 0 em águas subterrâneas protegidas e mg/l em águas superficiais contaminadas. Determinação compósita até há pouco tempo, recentemente individualizada. A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

33 COMPOSIÇÃO: compostos naturais compostos sintéticos Compostos naturais reflectem a humificação de terrenos drenados, que tem origem nos processos de degradação de animais/plantas e transformação complexa até chegar a processos insolúveis (passando por ácidos húmicos e fúlvicos) Compostos sintéticos incluem grande variedade que, embora em concentrações pequenas, têm muita influência na saúde (pesticidas, contaminantes industriais, trihalometanos) para os quais existem valores limite impostos por NORMAS DE ÁGUA POTÁVEL A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

34 DETERMINAÇÃO: medidas específicas medidas não específicas As primeiras pouco utilizadas As segundas determinam o valor global: cor carbono orgânico total A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

35 COR Embora inicialmente apenas por razões estéticas, é recentemente utilizada como aferição da quantidade da matéria orgânica. A sua determinação é feita por comparação com padrões de concentração conhecida. ATENÇÃO: possibilidade de interferência por substâncias dissolvidas ou coloidais (FERRO) A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

36 CARBONO ORGÂNICO TOTAL Utiliza-se para determinação em matéria orgânica através da medição do carbono. Sempre que: COT representa matéria húmica Concentração percursores de trihalometanos elevada Concentração trihalometanos elevada Nestes casos pode dizer-se que o COT reflecte adequadamente o potencial de formação de trihalometanos. A Água nas Reservas Hídricas Naturais. Caracterização

37 CARACTERIZAÇÃO BIOLÓGICA GRUPOS BACTÉRIAS Organismos unicelulares, sem clorofila, com forma morfológica diversa, desde a esférica a mais, ou menos, alongada. Algumas patogénicas para o ser humano. VÍRUS Agentes infecciosos com dimensão entre 10 a 25 nm. São caracterizados por total dependência de células vivas, sem metabolismo próprio. Não são células, mas sim partículas compostas por um anel de proteína que envolve o ácido nucleíco. Sempre patogénicos para o ser humano.... /

38 /... PROTOZOÁRIOS Organismos unicelulares, sem cor, geralmente com mobilidade. Vários patogénicos para o ser humano. ALGAS Organismos unicelulares, geralmente plantas sem mobilidade, com dimensão de 5 a 100 µm. Nutrição por fotossíntese. Não são tipicamente patogénicos, mas algumas espécies produzem endo ou exotoxinas com efeitos prejudiciais ao ser humano a partir de determinadas concentrações.

39

40 INDICADORES DE ORGANISMOS Porquê a sua necessidade? 1ª - falta de capacidade da maioria dos laboratórios para isolar e identificar as espécies patogénicas de microrganismos; 2ª - dificuldades técnicas, dada o número reduzido de patogénicos na água, face a todos os outros microrganismos; 3ª - importância fundamental do controlo da eficiência do tratamento na remoção total dos microrganismos patogénicos.

41 Objectivos Provar a existência de contaminação de origem fecal proveniente de animais de sangue quente. Critérios de selecção 1ª - tem de estar sempre presente quando há contaminação e sempre ausente quando não existe contaminação; fecal; 2ª - deve existir em concentrações elevadas na matéria 3ª - deve ter um comportamento equivalente aos patogénicos, quer no habitat natural, como nos processos de tratamento; 4ª - deve ser de fácil isolamento, identificação e contagem; 5ª - a relação indicador/patogénicos deve ser elevada; 6ª - o indicador e os patogénicos devem ter a mesma origem.

42 Os principais (mais utilizados) Coliformes totais Inclui todas as bactérias aeróbicas, facultativas, que não formam esporos, com forma alongada que fermentam a lactose com formação de gás em 48 h a 35 ºC. Esta é mais uma definição operacional do que um grupo taxonómico e envolve uma enorme variedade de organismos, predominantemente, de origem intestinal (E.coli a mais numerosa presente nas fezes, e as espécies do género Enterobactérias, Klebsiella e Citrobactérias).

43 Coliformes fecais Os coliformes fecais são um sub-grupo dos coliformes totais e evidenciam mais fortemente a presença de contaminação fecal, embora não distingam entre contaminação de origem animal ou humana. A temperatura do método analítico, em laboratório, é de 43 a 44,5 ºC, superior à dos coliformes totais. Número de colónias Mede um largo espectro de bactérias incluindo não patogénicas, patogénicas e oportunistas. Devido à falta de especificidade, não dá indicações precisas de possibilidade de contaminação de origem hídrica mas apenas o grau de qualidade biológica (pobre ou rica).

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional QUALIDADE DAS ÁGUAS Box 1 O conselho nacional do meio ambiente, CONAMA, baixou a Resolução n 20, de 5 de junho de 1986, que classifica as águas doces, salobras e salinas do Brasil, Tabela 1, estabelecendo

Leia mais

Composição da água do mar

Composição da água do mar Composição da água do mar Vanessa Hatje Tópicos Composição da água do mar Princípio de Marcet Estado estacionário e tempo de residência Comportamento conservativo vs não-conservativo 1 Salinidade nos oceanos

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS 2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS FALANDO DOS SOLOS (8) No bloco anterior aludi à componente mineral do solo. Neste abordo a componente orgânica e as fracções líquida e gasosa que lhes estão associadas.

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões.

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões. Os solos Definição: O solo é um recurso renovável que facilmente se pode perder por mau uso ou gestão deficiente. O solo forma-se a partir da alterabilidade (meteorização química e/ou física) das rochas

Leia mais

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água;

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; Química de Águas Naturais todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; a água cobre 70% da superfície do planeta, apenas uma parte dessa quantidade (~2,8%) é água doce sendo que

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

O solo é um sistema aberto que sofre continua troca de matéria e energia com a atmosfera, hidrosfera e biosfera.

O solo é um sistema aberto que sofre continua troca de matéria e energia com a atmosfera, hidrosfera e biosfera. A poluição do solo é causada pelos lixos que as pessoas deixam no chão da sua casa, da sua rua, do jardim da sua cidade, do pinhal ou das matas quando fazem um piquenique da berma das estradas quando vão

Leia mais

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA 19 de Maio de 2000 TOMO II ÍNDICE Pág. 1 Introdução... 1 2 Caracterização de uma Água... 2 3 Legislação... 3 3.1 Disposições Gerais... 3 3.2 Águas Doces Superficiais

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 116 Química do Meio Ambiente Aula 1 Litosfera Parte 2 Prof. Julio C. J. Silva Juiz de For a, 2010 Solo O solo

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

I-072- FILTRAÇÃO DIRETA DESCENDENTE, SEGUIDA DE COLUNA DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO, NA REMOÇÃO DE FERRO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

I-072- FILTRAÇÃO DIRETA DESCENDENTE, SEGUIDA DE COLUNA DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO, NA REMOÇÃO DE FERRO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS I-072- FILTRAÇÃO DIRETA DESCENDENTE, SEGUIDA DE COLUNA DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO, NA REMOÇÃO DE FERRO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS D artagnam Gomes Nascimento Filho (1) Técnico em Saneamento pelo SENAI/PARANÁ(1989).

Leia mais

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO 215 17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO A remoção de calor indesejável na operação de um processo industrial algumas vezes é necessário. Entre os meios utilizados a água é tida como eficaz na absorção e no afastamento

Leia mais

Reacções de precipitação

Reacções de precipitação Precipitados Reacções de precipitação Introdução teórica O interesse das reacções de precipitação manifesta-se em diversos domínios, nomeadamente a nível geológico, biológico e industrial. Já ouviste falar

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

Explora. Ano Internacional de Cooperação pela Água

Explora. Ano Internacional de Cooperação pela Água 1 Físico-Química Explora Duarte Nuno Januário Eliana do Carmo Correia Carlos Brás Público-alvo Alunos de Físico-Química de 8.º ano, podendo ser aplicado a alunos de outros anos de escolaridade do ensino

Leia mais

Abastecimento e Tratamento de água

Abastecimento e Tratamento de água PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE Abastecimento e Tratamento de água Prof. Dr. Eduardo Luiz de Oliveira 1 Abastecimento e Tratamento de água. ƒ ƒ ƒ A água é o melhor solvente que se conhece. Nela encontramos um

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4 CICLO DO FÓSFORO O fósforo é um não-metal multivalente pertencente à série química do nitrogênio (grupo 15 ou 5 A) que se encontra na natureza combinado, formando fosfatos inorgânicos, inclusive nos seres

Leia mais

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata Coagulação e Floculação ST 502 ST 503 Docente: : Profº Peterson Bueno de Moraes Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata 1. Introdução A água

Leia mais

Helena Campos (Engenharia Química)

Helena Campos (Engenharia Química) Tipos de água Laboratorial e suas aplicações Helena Campos (Engenharia Química) 28 de Setembro de 2010 Principais contaminantes da água Particulas Suspensas: Sílica (SiO 2 ) Resíduos das tubagens Matéria

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

Final 8 de Maio de 2010

Final 8 de Maio de 2010 Final 8 de Maio de 2010 Prova Teórica Nome:.... Escola:....... Pergunta Total Átomo, elemento e núcleo Contar os átomos Massa, moles e concentrações Equações Químicas Classificação teórica Classificação

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS Prof. Dr. Roque Passos Piveli 1 AULA 15 - INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

PROGRAMAS DE QUÍMICA. 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO

PROGRAMAS DE QUÍMICA. 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO PROGRAMAS DE QUÍMICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Química - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM: 2.000 exemplares

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

Prova de Química e Biologia

Prova de Química e Biologia Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do IPVC dos Maiores de 23 Anos Prova de Química e Biologia Prova modelo Prova Específica de Química

Leia mais

SÍNTESES. Francisco Roque, nº9 11ºA

SÍNTESES. Francisco Roque, nº9 11ºA SÍNTESES Francisco Roque, nº9 11ºA OBJECTIVOS A- Produzir sinteticamente sulfato de magnésio (MgSO 4 ) através da reacção entre ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) e carbonato de magnésio (MgCO 3 ). B- Sintetizar

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Documento de sessão 2004 C5-0224/2003 2001/0212(COD) PT 14/05/2003 Posição comum tendo em vista a aprovação do Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo aos adubos

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO CUIABÁ-MT 2010 2 PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E POLUIÇÃO Discentes: Enzo Fortunato, Mariana Bonjour, Thiago Schumann, Victória Machado e Vitória Abreu.

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

UFES/CT/DEA Prof. Jair Casagrande. Sistemas de Abastecimento de Água

UFES/CT/DEA Prof. Jair Casagrande. Sistemas de Abastecimento de Água UFES/CT/DEA Prof. Jair Casagrande Sistemas de Abastecimento de Água ÁGUA: ASPECTOS QUALITATIVOS E MARCOS REGULATÓRIOS E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO Adaptado de: UNIR - Universidade Federal de Rondônia Departamento

Leia mais

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO:

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO: MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL Por Claude E. Boyd, Ph.D. Department of Fisheries and Allied Aquacultures Alburn University Alburn, Alabama 36849 USA Artigo publicado na Revista Advocate

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0252-1 Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L0252-1 Accreditation Annex nr. Rua António Gião, 2-5º 2829-53 CAPARICA Portugal Tel +35.22 948 20 Fax +35.22 948 202 Anexo Técnico de Acreditação Nº L0252- A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA TEMAS 1. Estrutura da matéria 1.1 Elementos, átomos e iões 1.2

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 2º trimestre de 2011 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros Os Ciclos Biogeoquímicos Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros (Odum, 1971). Ciclos Biogeoquímicos Bio Porque os organismos vivos interagem no processo de síntese orgânica e decomposição dos elementos.

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Apresentação Este manual foi criado para fornecer importantes informações sobre o tratamento de piscinas e todos os processos envolvidos. Um guia que traz conceitos

Leia mais

O alumínio na água de consumo humano

O alumínio na água de consumo humano Universidade da Beira Interior Departamento de Química O alumínio na água de consumo humano Catarina Isabel Terenas Pinto Cleto Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para obtenção do

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Oxidação + remoção por precipitação química

Oxidação + remoção por precipitação química ETA - ESQUEMA DE TRATAMENTO PARÂMETROS A ACTUAR OPERAÇÕES OU PROCESSOS UNITÁRIOS Ferro/manganésio Turvação Parâmetros microbiológicos Sólidos suspensos totais Equilíbrio calco-carbónico Oxidação da matéria

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

NOÇÕES SOBRE QUALIDADE DA ÁGUA

NOÇÕES SOBRE QUALIDADE DA ÁGUA NOÇÕES SOBRE QUALIDADE DA ÁGUA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA LISBOA, SETEMBRO DE 2001 PARÂMETROS DE CARACTERIZAÇÃO DE UMA MASSA DE ÁGUA 1. INTRODUÇÃO Quando substâncias ou impurezas, de origem orgânica ou inorgânica,

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

NÃO RISCOS IMEDIATOS ... Virus, bactérias, protozoários, Nitratos, nitritos, pesticidas, metais pesados e compostos indesejáveis

NÃO RISCOS IMEDIATOS ... Virus, bactérias, protozoários, Nitratos, nitritos, pesticidas, metais pesados e compostos indesejáveis NÃO Toda a água destinada ao consumo humano deve ser isenta de riscos para a saúde do consumidor RISCOS IMEDIATOS Por: - introdução de águas poluídas na rede de distribuição (sifonagem, redução de pressão,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

19 de Agosto Dia mundial de Combate a Poluição. André Montillo www.montillo.com.br

19 de Agosto Dia mundial de Combate a Poluição. André Montillo www.montillo.com.br 19 de Agosto Dia mundial de Combate a Poluição André Montillo www.montillo.com.br Ecossistema Definição: É o conjunto dos Seres Vivos (Fatores Bióticos) e Não Vivos (Fatores Abióticos) que Habitam um Determinado

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2.

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. CINZA É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. A cinza é constituída principalmente de: Grandes quantidades: K, Na, Ca e Mg; Pequenas

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA

A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA TABELA DE S ANÁLISE DE ÁGUAS DESTINADAS A CONSUMO HUMANO ANÁLISE FÍSICA-QUÍMICA SUMÁRIA ANÁLISES POR GRUPO DE ENSAIO Q1 Condutividade, oxidabilidade, turvação, cor, ph, alcalinidade, dureza total, nitratos,

Leia mais

UD 02: Tratamento de água

UD 02: Tratamento de água U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a EEL PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I UD 02: Tratamento de água Prof. Lucrécio Fábio Prof. Lucrécio Fábio

Leia mais

EQUILIBRIO da ÁGUA. TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS

EQUILIBRIO da ÁGUA. TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS EQUILIBRIO da ÁGUA NíVEIS de ph e alcalinidade ph mais sólido PRODUTO NO.: FORUSPLUS PH Produto: FORUSPLUS PH - ph Mais Sólido Categoria: Equílibrio da Água 15Kg COD: Q082 Descrição: Incrementador de ph

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS A análise de qualidade da água é baseada na comparação de suas características físicoquímicas com padrões estabelecidos para os diversos tipos de usos previstos, tais como

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Conceitos Principais Tipos de Tratamento Parâmetros de Controle e Monitoramentos Quantificação de Benefícios

Conceitos Principais Tipos de Tratamento Parâmetros de Controle e Monitoramentos Quantificação de Benefícios 1 TEMAS ABORDADOS Balanço de Massa Balanço Térmico Tratamento Químico Conceitos Principais Tipos de Tratamento Parâmetros de Controle e Monitoramentos Quantificação de Benefícios 2 OBJETIVOS DA CALDEIRA

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 8.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

Manual de qualidade da água para aquicultura

Manual de qualidade da água para aquicultura Manual de qualidade da água para aquicultura KT / KP ALFAKIT PRESERVE PRESERVE Alfakit Ltda Rua João Sampaio da Silva, 128 Capoeiras Florianópolis/SC 88090820 Fone (48) 30292300 vendas@alfakit.ind.br www.alfakit.ind.br

Leia mais

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar HIDROGEOLOGIA Água Subterrânea Conhecer para Proteger e Preservar 1 INDICE Distribuição da Água na Terra 3 Ciclo Hidrológico 4 Reservatórios de Água Subterrânea 6 Porosidade e Permeabilidade 9 Aquíferos

Leia mais

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA Ruben Bresaola Júnior (1) Engenheiro Civil formado pela Escola de Engenharia de São Carlos. Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Água

Introdução ao Tratamento de Água Introdução ao Tratamento de Água Introdução O abastecimento da água deve atender a critérios: quantidade e qualidade Requisitos: potabilidade (Portaria MS 2014/2011) Enquadramento dos corpos d água (Res.

Leia mais