Para definir a qualidade da água, vários termos são utilizados:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para definir a qualidade da água, vários termos são utilizados:"

Transcrição

1 Página 1 de 24 A importância da água na vida humana A fixação do homem em uma determinada região está intimamente ligada a disponibilidade quantitativa e qualitativa de três elementos fundamentais para sua sobrevivência: o alimento, o ar e a água. Foi esta necessidade que nele fixou a tendência natural de se estabelecer próximo aos cursos d' água, pois dos três elementos vitais é a água que não se encontra distribuída uniformemente, como o ar, e que não pode ser fabricada, como os alimentos. A água constitui, portanto, um elemento essencial à vida animal e vegetal. Seu papel no desenvolvimento da civilização é reconhecido desde a antigüidade. O homem tem necessidade de água de qualidade adequada e em quantidade suficiente, não somente para proteção de sua saúde, como também para seu desenvolvimento econômico. Para definir a qualidade da água, vários termos são utilizados: Água potável: é a própria para consumo humano; Água poluída: é a que apresenta alterações nas suas características físicas, químicas e bacteriológicas; Água desinfetada: é a que por técnica apropriada foi tornada isenta de organismos patogênicos; Água esterilizada: é a que por técnica apropriada foi tornada isenta de organismos vivos; Água suspeita: é a que pode estar poluída; Água turva: é a que possui partículas em suspensão; Água ácida: é a que possui teor acentuado de gás carbônico e ácidos, apresenta ph baixo; Água alcalina: é a que possui quantidade elevada de bicarbonatos, carbonatos ou hidróxidos e apresenta ph elevado; Água mineral: é a água subterrânea contendo quantidade acentuada de substâncias em solução que lhe dão valor terapêutico, tais como: sais de ferro e sais neutros de magnésio, potássio e sódio; Água termal: é a mineral que atinge a superfície com temperatura elevada; Água radiativa: é a água mineral ou termal possuidora de radiatividade; Água salgada: água dos oceanos e mares com elevado teor de cloreto de sódio; Água salobra: água que possui dureza. Costuma-se dar essa denominação também para as águas que contêm teor alto de cloreto de sódio (sal de cozinha).

2 Página 2 de 24 Qualidade da Água A água não é encontrada pura na natureza. Ao cair em forma de chuva, já carreia impurezas do próprio ar. Ao atingir o solo seu grande poder de dissolver e carrear substâncias altera ainda mais suas qualidades. Dentre os materiais dissolvidos, encontram-se as mais variadas substâncias como, por exemplo, substâncias com cálcio e magnésio que tornam a água dura; substâncias com ferro que dão cor e sabor diferentes à mesma e substâncias resultantes das atividades humanas, tais como produtos industriais, que a tornam imprópria ao consumo. Por sua vez, a água pode carrear substâncias em suspensão, tais como partículas finas dos terrenos por onde passa e que dão turbidez à mesma; pode também carrear substâncias vivas, como algas, que modificam seu sabor, ou ainda, quando passa sobre terrenos sujeitos à atividade humana pode levar em suspensão microorganismos patogênicos. Padrões de Aceitação para o Consumo Humano A água própria para o consumo humano, ou água potável, deve obedecer a certos requisitos de ordem: Física: ser de aspecto agradável, não possuir sabor e odor objetáveis, não ter cor e turbidez acima dos limites estabelecidos nos padrões de potabilidade Química: não conter substâncias nocivas ou tóxicas acima dos limites de tolerância para o homem Biológica: não conter microorganismos patogênicos: Radioativa: não ultrapassar o valor de referência previsto na Portaria 518 do Ministério da Saúde, de ; PH: deverá ficar situado no intervalo de 6,0 a 9,5. Cloro residual: concentração mínima de cloro residual livre em qualquer ponto da rede de distribuição deverá ser de 0,2mg/l. As exigências humanas quanto à qualidade da água crescem com o progresso humano e o da técnica. Justamente para evitar os perigos decorrentes da má qualidade da água, são estabelecidos padrões de potabilidade. Estes apresentam os Valores Máximos Permissíveis (VMP) com que elementos nocivos ou características desagradáveis podem estar presentes na água, sem que esta se torne inconveniente para o consumo humano. Características Físicas A água deve ter aspecto agradável. A medida é pessoal; Deve ter sabor agradável ou ausência de sabor objetável. A medida do sabor é pessoal. Não deve ter odores desagradáveis ou não ter odor objetável; A medida do odor é também pessoal; A cor é determinada pela presença de substâncias dissolvidas na água e não afeta sua transparência; A turbidez é devida a matéria em suspensão na água (argila, silte, matéria orgânica, etc.) e altera sua transparência. Características Químicas

3 Página 3 de 24 São fixados limites de concentração por motivos de ordens sanitária e econômica. Substâncias relacionadas com aspectos econômicos: Substâncias causadoras de dureza, como os cloretos, sulfatos e bicarbonatos de cálcio e magnésio. As águas mais duras consomem mais sabão e, além disso, são inconvenientes para a indústria, pois se grudam nas caldeiras e podem causar danos e explosões. Substâncias relacionadas com o ph da água: A água de baixo ph, isto é, ácida, é corrosiva. Águas de ph elevado, isto é, alcalinas, são incrustativas. Substâncias indicadoras de poluição por matéria orgânica: Compostos nitrogenados: Nitrogênio amoniacal, nitritos e nitratos. Os compostos de nitrogênio provêm de matéria orgânica e sua presença indica poluição. Oxigênio consumido: A água possui normalmente oxigênio dissolvido em quantidade variável conforme a temperatura e a pressão. A matéria orgânica em decomposição exige oxigênio para sua estabilização; conseqüentemente, uma vez lançada na água, consome o oxigênio nela dissolvido. Assim, quanto maior for o consumo de oxigênio, mais próxima e maior terá sido a poluição Cloretos: Os cloretos existem normalmente nos dejetos animais. Características Bacteriológicas A água é normalmente habitada por vários tipos de microorganismos de vida livre, que dela extraem os elementos indispensáveis à sua subsistência. Ocasionalmente, são aí introduzidos organismos parasitários e/ou patogênicos que, utilizando a água como veículo, podem causar doenças, constituindo, portanto, um perigo sanitário potencial. Entre os principais tipos de organismos patogênicos que podem encontrar-se na água, estão as bactérias, vírus, protozoários e helmintos. Devido à grande dificuldade para identificação dos vários organismos patogênicos encontrados na água, dá-se preferência, para isso, a métodos que permitam a identificação de bactérias do "grupo coliforme" que, por serem habitantes normais do intestino humano, existem, obrigatoriamente, em águas poluídas por matéria fecal. As bactérias coliformes são normalmente eliminadas com a matéria fecal, à razão de 50 a 400 bilhões de organismos por pessoa por dia. Dado o grande número de coliformes existentes na matéria fecal (até 300 milhões por grama de fezes), os testes de avaliação qualitativa desses organismos na água têm uma precisão ou sensibilidade muito maior do que a de qualquer outro teste. Observação: "No Brasil os padrões de potabilidade da água para o consumo humano são estabelecidos pelo Ministério da Saúde", atualmente encontra-se em vigor a portaria MS-518/04.

4 Página 4 de 24 Ciclo da Água As fases da Água. A água pode ser encontrada na natureza em três fases: sólida, líquida e gasosa. A água pode mudar de uma fase para outra, ou seja, da fase sólida para fase líquida, da líquida para a gasosa, da gasosa para a líquida e líquida para a sólida. A essas mudanças damos o nome de mudanças de estados físicos da água. São elas: fusão, vaporização, condensação, solidificação e sublimação. Fusão- É a passagem da água do estado sólido para o estado líquido. Solidificação- É a passagem da água do estado líquido para o estado sólido. Vaporização- É a passagem da água do estado líquido para o estado gasoso. Condensação- É a passagem da água do estado gasoso para o estado líquido.

5 Página 5 de 24 Sublimação- É a passagem direta da água do estado gasoso para o estado sólido, sem passar pelo estado líquido. Mudanças de estados físicos da água. O ciclo da Água. A contínua circulação da água na natureza constitui o chamado ciclo da água, que se relaciona ao conjunto das mudanças de lugar e de estado físico da água ao longo do tempo. Considerando-se todo o planeta, descrevemos resumidamente as etapas desse ciclo: 1. Sob a ação dos ventos e dos raios solares, a água dos rios, lagos e oceanos evapora. O vapor de água sobe e, ao encontrar as camadas mais frias da atmosfera, condensa-se e forma nuvens. As nuvens são compostas de uma grande quantidade de gotículas de água; 2. A água presente nas nuvens precipita-se sobre a superfície na forma de chuva, neve ou granizo (chuva de pedras); 3. Parte da água que cai no solo torna a evaporar. Outra parte escorre pela superfície, atingindo rios e mares. Uma certa quantidade de água se infiltra na terra e forma os lençóis de água subterrâneos. Estes, por sua vez, acabam abastecendo rios, mares, lagos e fontes, fechando assim o ciclo. Os seres vivos também participam do ciclo da água, pois os vegetais e os animais absorvem continuamente água do ambiente e a devolvem ao meio de diversas maneiras. Os vegetais a devolvem pela transpiração; os animais, também pela transpiração. Curiosidades sobre a água Se toda água da Terra - doce, salgada e congelada - fosse dividida entre seus habitantes, cada pessoa teria direito a 8 piscinas olímpicas cheias. Mas, se dividirmos somente a água potável entre as mesmas pessoas, cada uma teria direito a apenas 5 litros de água. A quantidade de água no mundo é praticamente a mesma há milhares e milhares de anos. Mas o número de pessoas que vivem na Terra aumenta a cada dia. Mais gente para a mesma quantidade de água.

6 Página 6 de 24 Se nada for feito em relação à água, especialistas prevêem que haverá conflitos entre países por disputa de água em um futuro não muito distante. O Brasil tem 13,7% de toda água doce do planeta, sendo que 80% desse total está na Bacia Amazônica. De toda água utilizada no mundo, 10% vai para o consumo humano, 20% é para uso industrial e 70% é usado na agricultura. Se toda água do mundo coubesse numa garrafa de 1 litro, apenas meia gotinha estaria disponível para beber. o A Terra possui 1,4 bilhão de quilômetros cúbicos de água (só para você entender melhor, 1 quilômetro cúbico tem um milhão de litros de água). o Desse total, 97,5% é água salgada. Sobram 2,5% de água doce, tanto líquida como congelada. o Tire daí a água congelada do planeta e sobram apenas 0,26% de água líquida na forma de rios, lagos e lençóis subterrâneos. o Para não secarmos os recursos deveríamos somente usar a água que é renovada pelas chuvas, que são míseros 0,002% de toda água do planeta. A poluição representa alterações na qualidade da água, porém sem prejuízo à saúde. A contaminação representa alterações da qualidade da água, podendo apresentar sérios riscos à saúde. Portanto, "água poluída não significa necessariamente água contaminada, mas água contaminada é certamente água poluída." Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 80% dos casos de doenças no mundo resultam da ingestão de água contaminada, com mais de 25 tipos diferentes de enfermidades. Alternativas A água disponível no território brasileiro é suficiente para as necessidades do País, apesar da degradação. Seria necessário, então, mais consciência por parte da população no uso da água e, por parte do governo, um maior cuidado com a questão do saneamento e abastecimento. Por exemplo, 90% das atividades modernas poderiam ser realizadas com água de reuso. Além de diminuir a pressão sobre a demanda, o custo dessa água é pelo menos 50% menor do que o preço da água fornecida pelas companhias de saneamento, porque não precisa passar por tratamento. Apesar de não ser própria para consumo humano, poderia ser usada, entre outras atividades, nas indústrias, na lavagem de áreas públicas e nas descargas sanitárias de condomínios. Além disso, as novas construções casas, prédios, complexos industriais poderiam incorporar sistemas de aproveitamento da água da chuva, para os usos gerais que não o consumo humano. Após a Rio-92, especialistas observaram que as diretrizes e propostas para a preservação da água não avançaram muito e redigiram a Carta das águas doces no Brasil. Entre os tópicos abordados, ressaltam a importância de reverter o quadro de poluição, planejar o uso de forma sustentável com base na Agenda 21 e investir na

7 Página 7 de 24 capacitação técnica em recursos hídricos, saneamento e meio ambiente, além de viabilizar tecnologias apropriadas para as particularidades de cada região. Um litro de óleo contamina cerca de 1 milhão de litros de água (o equivalente ao consumo de uma pessoa no período de 14 anos) Há anos, a população mundial correspondia a 3% da população atual, enquanto a disponibilidade de água permanece a mesma.

8 Página 8 de 24 Diversos tipos de águas ÁGUA: Composto químico com duas partes de hidrogênio e uma de oxigênio encontrado nos estados: sólido (gelo, neve), líquido (nuvens, mares, lagos, rios), e gasoso (vapor d água). Componente líquido essencial para o desenvolvimento e sustentação da vida, possui um grande poder de dissolução de muitas sustâncias químicas; por essa razão é considerada Solvente Universal. ÁGUA ABSORVIDA: Água retirada do solo por forças físico-químicas. ÁGUA CAPILAR: água retirada por capilaridade, acima do lençol freático, ao redor das partículas do solo e nos interstícios entre elas, normalmente a uma tensão maio que 60 cm de altura de coluna d água. ÁGUA CONTINETAL: Corpo e fluxo de água situados no interior das massas continentais. ÁGUA COSTEIRA: Água das zonas litorâneas da plataforma continental, cujas propriedades físicas e químicas são influenciadas mais diretamente pela terra adjacente. O grau de influência varia conforme fatores oceanográficos, meteorológicos e hidrográficos. ÁGUA DE ESCORRIMENTO: Parte da água da chuva que escorre pelos troncos, após ter passado pelas copas das árvores. ÁGUA DE GOTEJAMENTO: Parte da água da chuva que goteja para o solo, após contato com as copas das plantas. ÁGUA DISPONÍVEL: Porção de água presente no solo em condições de ser absorvida pelas raízes das plantas. Medida pelo teor de água entre a capacidade de campo e o ponto de murchamento permanente. ÁGUA DOCE: Corpo ou fluxo de água que contenha resíduo mineral menor do que 0,1%, com proporções variáveis de carbonatos, bicarbonatos e sulfatos. ÁGUA DO MAR: Água que contém aproximadamente 35g de sais por kg de líquido, com predominância de cloreto de sódio. ÁGUA DO SOLO: Água retirada na camada do solo próxima à superfície que pode passa à atmosfera por evapotranspiração, e onde se fazem sentir influências diurnas ou sazonais, mais ou menos diretas. ÁGUA DO SUBSOLO: Água que se encontra debaixo da superfície do solo ocupando os espaços vazios existentes em rochas porosas ou alteradas e horizontes inferiores do solo. ÁGUA EPICONTINENTAL: Águas superficiais do interior dos continentes. Ex.: rios, lagos, represas, charcos, lagoas, pequenos tanques, incluindo corpos de água

9 Página 9 de 24 temporários. ÁGUA HIGROSCÓPICA: Vapor d água absorvido às partículas do solo. Medido pela perda de peso de uma amostra de solo aquecida entre 105 e 110ºC, por 24 Horas. ÁGUA INTERSTICIAL: 1. Água retirada nos interstícios de uma rocha sedimentar; 2. Água de percolação e/ou do lençol freático retirada nos interstícios de alguns terrenos sedimentares. ÁGUA METEÓRICA: Água proveniente de precipitações pluviais. ÁGUA OCEÂNICA: Água do mar que apresenta as características físicas, químicas e biológicas da água do alto mar, onde a influência da terra é reduzida ao seu mínimo. ÁGUA POTÁVEL: Água que sem necessidade de tratamento adicional é inócua do ponto de vista fisiológico e organolético e apta ao consumo humano. ÁGUA PRECIPITÁVEL: Quantidade de água expressa em altura ou volume, que seria obtida se todo o vapor d água, contido em uma coluna específica de atmosfera de secção reta unitária, fosse condensada e precipitada. ÁGUA RESIDUÁRIA: Qualquer despejo ou resíduo aquoso com potencialidade de causar poluição hídrica; água oriunda de uma fonte poluidora. ÁGUA SALGADA: Solução complexa, de composição variável e geralmente de alta condutividade determinada pelo equilíbrio entre taxa de adição e perda de solução, evaporação e adição de água doce. Encontrada nos oceanos, mares, lagos ditos salgados (lagos tectônicos em climas áridos ou semi-áridos, lagos de "playa", depressões semi-áridas endorréicas, com grandes lagos salinos). ÁGUA SALOBRA: 1. Água de salinidade intermediária resultante da mistura de água salgada e de água doce (estuários, lagunas). 2. Água com sais dissolvidos geralmente cloretos com salinidade entre 5 e 15%. ÁGUA SUBTERRÂNEA: Água armazenada no subsolo, ou que está se infiltrando através do solo e/ou das suas camadas subjacentes; é a água livre em uma zona de saturação. Fonte de água de poços e mananciais. ÁGUA TRATADA: Água submetida a um processo de tratamento, com objetivo de torná-la adequada a um uso específico. Eutrofização Esse fenômeno consiste no enriquecimento do meio aquático por nutrientes, ocasionando o excessivo crescimento de plantas aquáticas em níveis que podem

10 Página 10 de 24 interferir nos usos desejáveis da água. Os principais nutrientes responsáveis pelo processo são: fósforo, nitrogênio e sílica, mas diferentes outros fatores podem ter papel controlador no processo, como por exemplo: luz e temperatura. A eutrofização pode ser de causas naturais (chuvas e águas superficiais que erodem e lavam a superfície terrestre), sendo nesse caso lenta e desenvolvida ao longo de décadas ou séculos. Mas pode ser decorrente de atividades humanas (efluentes domésticos, efluentes industriais, atividades agrícolas), passando a ser chamada de eutrofização cultural, que é um processo rápido e de maior intensidade. Mantida dentro de certos limites a eutrofização é benéfica, pois pode aumentar a produtividade dos lagos. Em níveis excessivos torna-se prejudicial, por quebrar o equilíbrio natural das cadeias tróficas, o que traz alterações nos ciclos químicos dos corpos d água. Uma das principais conseqüências do processo está relacionada com as concentrações de oxigênio dissolvido. O equilíbrio ecológico é muito sensível aos teores desse gás na água, e a excessiva proliferação de algas pode alterar significativamente o se balanço, provocando em certas situações o seu esgotamento total. Entre outras conseqüências indesejáveis, podem-se citar: * Interferência nos usos recreacionais devido ao acúmulo de algas na superfície das águas causado aspecto e odor desagradáveis; * Sedimentação da biomassa de algas que pode exaurir o oxigênio dissolvido das camadas profundas; * Entupimento dos filtros de estações de tratamento por algas filamentosas; * Desenvolvimentos de algas tóxicas que podem ser letais para o gado e mesmo para o homem se forem ingeridas quantidades significativas. Mananciais para Abastecimento de Água É toda fonte de água utilizada para abastecimento doméstico, comercial, industrial e outros fins. De maneira geral, quanto à origem, os mananciais são classificados em: Manancial Superficial É toda parte de um manancial que escoa na superfície terrestre, compreendendo os córregos, ribeirões, rios, lagos e reservatórios artificiais. As chuvas, logo que atingem o solo, podem se armazenar nos lagos e represas, ou alimentar os cursos d'água de uma bacia hidrográfica, se transformando em escoamento superficial. Outra parcela se infiltra no solo. A bacia hidrográfica é uma área da superfície terrestre, drenada por um determinado curso d'água e limitada perifericamente pelo divisor de águas. O termo bacia hidrográfica não está limitado pela extensão da área. Tanto pode ser a bacia hidrográfica do Rio Amazonas, como a bacia

11 Página 11 de 24 hidrográfica do Córrego do Zé Mané, com poucos kilômetros de área total. Manancial Subterrâneo É a parte do manancial que se encontra totalmente abaixo da superfície terrestre, compreendendo os lençóis freático e profundo, tendo sua captação feita através de poços rasos ou profundos, galerias de infiltração ou pelo aproveitamento das nascentes. Águas Meteóricas Compreende a água existente na natureza na forma de chuva, neve ou granizo. Partes de um sistema de abastecimento de água Um sistema de abastecimento de água compreende obras e equipamentos capazes de captar, condicionar convenientemente, transportar, tratar, acumular e distribuir a água, que se encontra nos principais mananciais, aos consumidores (população). São as seguintes as fases de um sistema: Captação - Tomada d'água, obras, equipamentos e canalizações destinadas a retirar água da fonte de suprimento. Adução - Obras, equipamentos e canalizações para transporte de água bruta ou de água tratada. Tratamento - Obras, equipamentos e canalizações para purificação da água. Acumulação ou reservatórios - obras equipamentos e canalizações para reservar água a fim de distribuir para os centros de consumo. Distribuição - obras, equipamentos e canalizações destinadas a distribuir a água aos centros de consumo. Fases do tratamento de água: BREVE DESCRIÇÃO DAS ETAPAS DO TRATAMENTO CAPTAÇÃO: retirada da água do manancial. GRADEAMENTO: passagem da água captada por grades, visando a remoção de material grosseiro, semelhante ao lixo.desarenação: passagem da água pelo desarenador (caixa que retém a areia pelo processo de Sedimentação). FLOCULAÇÃO: etapa na qual a água é agitada lentamente para a formação dos flocos. DECANTAÇÃO: etapa na qual os flocos afundam separando-se da água. FILTRAÇÃO: etapa que retêm os flocos que não afundaram no decantador. DESINFECÇÃO, CORREÇÃO DE PH, ADIÇÃO DE FLÚOR: eliminação de microorganismo causadores de doença, equilíbrio do ph tornando o ph da água neutro e prevenção da cárie dentária, no reservatório de contato. DISTRIBUIÇÃO: após o tratamento, a água é distribuída para toda a população, através das redes. FUNÇÃO DOS PRODUTOS QUÍMICOS UTILIZADOS NO PROCESSO DE TRATAMENTO SULFATO DE ALUMÍNIO: Substância que agrega as partículas de sujeira que

12 Página 12 de 24 estão na água. CAL: Produto que corrige o ph da água. CLORO: Substância que mata as bactérias e microorganismos presentes na água. FLÚOR: Substância que auxilia na redução das cáries dentárias. Desinfecção Desinfectar uma água significa eliminar os microorganismos patogênicos presentes na mesma. Tecnicamente, aplica-se a simples desinfecção como meio de tratamento para águas que apresentam boas características físicas e químicas, a fim de garantir seu aspecto bacteriológico. É o caso das águas de vertentes ou nascentes, águas de fontes ou de poços protegidos. Na prática, a simples desinfecção, sem outro tratamento, é aplicada muito freqüentemente. Em épocas de surtos de doenças a água de abastecimento público deve ter a dosagem de desinfectante aumentada. Em casos de emergências deve-se garantir, por todos os meios, a água de bebida, sendo que a desinfecção, em alguns casos, é mais prática que a fervura. A desinfecção da água pode ser efetuada através de diversos meios físicos ou químicos: Ebulição: para obter-se uma água perfeitamente desinfetada, esta deve ser fervida por um minuto. Raios ultra-violetas: a eficácia da desinfecção usando-se esta técnica, está intimamente ligada à qualidade da água que será tratada. Para tanto, deve ser usada somente em casos muito particulares. Além disso, deverá ser considerado que este tratamento não tem efeito residual e, por outro lado não gera nenhum sub-produto. Processos químicos: os reagentes químicos mais comuns são, o cloro e seus derivados e o ozônio junto com o bióxido de cloro. De todos eles, o cloro em forma de cloro gasoso, de hipoclorito de sódio (água de Javel) ou de hipoclorito de cálcio (em pó e pastilha), é o biocida mais empregado e o mais antigo. Cloro: Além desta aplicação, o cloro é também usado no tratamento de águas para: Eliminar odores e sabores; Diminuir a intensidade da cor; Auxiliar no combate à proliferação de algas; Colaborar na eliminação de matérias orgânicas; O cloro é o desinfectante mais empregado e é considerado bom, porque realmente age sobre os microorganismos patogênicos presentes na água; Não é nocivo ao homem na dosagem requerida para desinfecção; É econômico; Não altera outras qualidades da água, depois de aplicado; É de aplicação relativamente fácil; Deixa um residual ativo na água, isto é, sua ação continua depois de aplicado; É tolerado pela grande maioria da população. O cloro é aplicado na água por meio de dosadores, que são aparelhos que regulam a quantidade do produto a ser ministrado, dando-lhe vazão constante. Pode ser aplicado sob a forma gasosa. Nesse caso, usam-se dosadores de diversos tipos. O acondicionamento do cloro gasoso é feito em cilindros de aço, com várias capacidades de armazenamento. Pode ainda ser aplicado sob a forma líquida, proveniente de diversos produtos que libertam cloro quando dissolvidos na água. Os aparelhos usados nesse caso são os hipocloradores e as bombas dosadoras. Os produtos de cloro mais empregados, suas vantagens e desvantagens estão indicados na tabela abaixo.

13 Página 13 de 24 Compostos e Produtos de Cloro para Desinfecção de Água Hipoclorito de Sódio NaOCl 10-15% Solução aquosa, alcalina, de cor amarelada, límpida e de odor característico. Recipientes opacos de materiais compatíveis com o produto. Volumes variados. 1 (um) mês. Decompõe-se pela luz e calor, deve ser estocado em locais frios e ao abrigo da luz. Hipoclorito de Sódio. Hipoclorito de Cálcio Ca(OCl)2 Superior a 65% Coloração branca, pode ser em pó ou granulado. Recipientes plásticos ou tambores metálicos com revestimento. 6 meses Hipoclorito de Cálcio Cloro Cl2 100% Gás liquefeito sob pressão de coloração verde amarelado, e de odor irritante. Cilindros verticais de aço de 68 kg e horizontais de 940 kg. Cloro Gasoso. Cal Clorada CaOCl 35-37% Pó branco. Embalagens de 1 a 50 quilogramas. Sacos de polipropileno. Manter em local seco e ao abrigo da luz Pouco estável. Perda de 10% no teor de cloro ativo a cada mês. Cloreto de Cal. Água Sanitária Solução aquosa a base de hipoclorito de sódio ou de cálcio 2-2,5% durante o prazo de validade. Solução de coloração amarelada. Embalagem de 1 litro, plástico opaco. Verificar no rótulo do produto. Água sanitária ou Água de Lavadeira. Observação: Todos os produtos citados acima devem ser manuseados com equipamentos de proteção individual (EPI's) No passado, a utilização do cloro baseava-se na idéia da existência de uma relação entre as doenças de origem hídrica e o mau cheiro da água (cheiro "séptico"). Embora tenha precedido à descoberta das bactérias responsáveis pela contaminação da água, a remoção de cheiro pelo cloro mostrou-se muito eficaz. Esta descoberta contribuiu para manter a crença de que o cheiro era gerador de doenças. Foi por esta razão que, as primeiras normas faziam referência às características físicas da água: "a água deve ser límpida e isenta de cheiro, sabor e cor. Somente a partir de 1880, é que a origem microbiológica das doenças de transmissão hídrica foi descoberta e explicada a ação bactericida do cloro.a generalização da cloração das águas na Europa fez desaparecer, em um grande número de países, as epidemias de febre tifóide e de cólera. Na América Latina, esta ainda é uma meta a ser alcançada já que, sua cobertura de desinfecção somente chega aos 60%%. A desinfecção pelo cloro é a maior garantia de uma água microbiologicamente segura. A concentração de cloro e o tempo de contato água-cloro são os principais elementos que determinam a boa desinfecção. A qualidade da água a ser tratada merece atenção para determinar-se à correta concentração e tempo de contato. Os sub-produtos da desinfecção A adição de cloro, às águas ricas em matéria orgânica, dá lugar a reações químicas específicas. Em particular, a amônia, o ferro, o manganês e os sulfetos, reagem com o cloro. Desde 1974, que reações secundárias mais complexas têm sido identificadas, em particular com alguns tipos de matéria orgânica naturalmente presentes nas águas. Como resultado destas reações secundárias, formam-se determinadas moléculas químicas designadas por "organoclorados". Ensaios laboratoriais revelaram que algumas destas substâncias são cancerígenas para os animais. No entanto, à luz destes conhecimentos, certos países adaptaram suas normas levando em consideração os riscos a longo prazo associados aos sub-produtos da desinfecção. Em certos casos, isto levou à substituição do cloro por outros desinfetantes químicos como o dióxido do cloro ou o ozono. Recentemente, outros trabalhos evidenciaram que também estes produtos levam à formação de moléculas que apresentam riscos a longo prazo. No entanto,

14 Página 14 de 24 todos os conhecimentos disponíveis atualmente, relativos às reações secundárias provocadas pelos reagentes usados na desinfecção da água é o tratamento prioritário em qualquer caso. Neste sentido deve-se adotar os seguintes objetivos:" Privilegiar a utilização de recursos naturalmente protegidos, em detrimento de águas subterrâneas vulneráveis ou de qualidade duvidosa ou de águas superficiais cuja qualidade exija, eventualmente, a aplicação de tratamentos complexos. Assegurar o melhor pré-tratamento possível da água com vistas a eliminar a máxima quantidade de matéria orgânica. Manter ou introduzir tratamentos de desinfecção sempre que necessário. A DETECÇÃO DE SUB-PRODUTOS DA CLORAGEM NÃO DEVE, EM NENHUMA CIRCUNSTÂNCIA, LEVAR À REDUÇÃO OU, O QUE SERIA AINDA PIOR, À INTERRUPÇÃO DESTE TRATAMENTO Aspectos técnicos. A água potável pode obter-se, quer diretamente, a partir de uma origem de água subterrânea de elevada qualidade e bem protegida, quer por utilização de uma água não potável, posteriormente submetida a uma série de tratamentos apropriados que reduzam a concentração dos poluentes a um nível que não apresente riscos para a saúde. Cada etapa do tratamento representa um obstáculo à transmissão de infecções. Os tratamentos que precedem a desinfecção final deveriam já ser capazes de produzir uma água de boa qualidade microbiológica, constituindo a desinfecção final a última barreira de segurança. A desinfecção pode constituir o único processo de tratamento quando se trate de águas subterrâneas límpidas e bem filtradas pelo solo. Comportamento do cloro na água. Quando o cloro é adicionado à água, diferentes reações químicas vão, sucessivamente, sendo produzidas. Convém, então, que estes mecanismos sejam perfeitamente conhecidos e compreendidos antes de implementar um processo de desinfecção: FASE AB: O Cloro introduzido na água é imediatamente consumido pela matéria orgânica. A quantidade residual medida será, portanto, nula. Enquanto estes compostos não forem completamente destruídos não ocorrerá qualquer desinfecção. FASE BB': A partir do ponto B, o cloro combina-se com os derivados de nitrogênio (amônia, nitratos, nitritos). Uma quantidade de cloro residual pode, então, ser medida. Esta concentração não corresponde a do cloro realmente ativo, mas à das cloraminas que, como o cloro, reage com os produtos utilizados nos aparelhos de medida. As cloraminas são produtos orgânicos complexos, muitas vezes de cheiro forte e com fraco poder desinfetante. FASE B'C: Quando se adiciona mais cloro, observa-se que a quantidade de cloro residual medido pelos aparelhos clássicos de medição diminui. Na realidade, o cloro introduzido serviu para destruir os compostos formados durante a fase BB. A água não apresenta cheiro forte, mas, continua contaminada. A partir do ponto C, o cloro adicionado está, por fim, disponível para desempenhar o seu papel de desinfetante.concluindo, os primeiros miligramas de cloro aplicados não garantem a desinfecção. Com efeito, antes que o cloro possa ser realmente eficaz, uma quantidade variável de desinfetante deve ser injetada de forma a que, todas as reações químicas secundárias tenham lugar: esta quantidade é designada por carência de cloro. A desinfecção deve realizar-se em águas de boa qualidade química (em que a carência de cloro é baixa) para que seja possível limitar ao máximo as reações secundárias geradoras de sub-produtos. Além disso, a presença de partículas de pequenas dimensões em suspensão na água protege os microorganismos da ação desinfetante do cloro. Por exemplo, pode ser necessário, algumas vezes, aplicar 5 ou 10 mg de cloro por litro de água para obter, no final do tratamento, 0,5 mg/l de cloro ativo, uma vez que a parte restante do desinfetante será consumida pelas impurezas e produtos dissolvidos. COMO CONSEGUIR UMA DESINFECÇÃO EFICAZA. Desinfecção final tem maior eficácia quando a água é submetida previamente a um tratamento para remoção da turvação e, em particular, de todas as substâncias capazes de reagir e "consumir"

15 Página 15 de 24 cloro. Se estes pré-tratamentos não são, ou não podem ser, implementados ou, ainda, se falharem a qualquer momento, uma supercloração permitirá obter uma desinfecção correta da água, mas, como resultado, serão formados sub-produtos da desinfecção. A quantidade de cloro que deve ser adicionada à água para assegurar a sua desinfecção depende: "Da temperatura da água; "Do tempo de contato (tempo que decorre entre a injeção de cloro e a utilização da água); Do teor residual de desinfetante pretendido na rede de distribuição. Desde um ponto de vista geral, a desinfecção será eficaz quando se cumpram os parâmetros descritos no seguinte quadro: Parâmetros técnicos com influência na eficácia da desinfecção. Turvação < 0,5 UNT ph < 8,0. Tempo de contato > 30 minutos. Cloro residual livre > 0,5 mg/lé essencial que o tratamento que precede a desinfecção final produza uma água cuja turvação não exceda, em média, 1 UNT e que nenhuma amostra simples exceda 5 UNT. Este requisito é vital, pois alguns dos parasitas tradicionais (Giárdia) não são destruídos pela desinfecção. A eliminação só pode conseguir-se através de uma filtração eficaz, quer naturalmente, quer inserida numa cadeia de tratamento. A acidez ou alcalinidade da água influencia a desinfecção pelo cloro. Uma água alcalina (ph > 8) só pode ser desinfetada de forma eficaz por supercloração. O efeito desinfetante do cloro não é imediato. De fato, deve ser assegurado um tempo de contato mínimo de 30 minutos, entre a água e o desinfetante, antes do consumo da água. A supervisão e a manutenção das instalações. Os equipamentos, e em especial o funcionamento dos aparelhos de desinfecção, devem ser objeto de uma atenção permanente: Inspeção, se possível, diária da planta de tratamento; Medição do cloro residual várias vezes ao dia, durante o tratamento e na rede; Registro das intervenções ou incidentes ocorridos durante a operação da rede. As inspeções se multiplicarão no caso de circunstâncias especiais: contaminação da fonte de água, chuvas intensas, inundações etc. Esta supervisão deve ser realizada por pessoal qualificado e treinado para efetuar medições e controles no terreno. CONTEÚDO DO CLORO RESIDUALÉ muito importante que exista cloro livre em todos os pontos da rede de distribuição de água: em acréscimo à ação bactericida da água tratada desta forma, o fato de ser encontrado cloro na água, demonstra que não houve introdução de matéria orgânica nem de micróbios que tenham consumido o cloro durante o tratamento.ao contrário, a ausência anormal do desinfetante na rede deve levar os responsáveis à aplicação imediata de medidas de emergência. A quantidade de cloro residual é, por conseguinte, um sinal de alarme eficaz, imediato e barato, que permite monitorar a evolução da qualidade microbiológica na rede. A melhor maneira de assegurar-se de que sempre exista uma quantidade satisfatória de cloro residual, é fazer com que, a quantidade de desinfetante introduzida dependa da concentração medida na rede. Em algumas redes de grandes extensões, pode ser difícil manter a quantidade adequada de cloro residual em todos os pontos. Nestes casos, pode ser necessário fracionar a dosagem do cloro em diferentes pontos da rede. SANEAMENTO BÁSICO CONCEITOS É o controle de todos os fatores do meio físico do homem que podem prejudicar a sua saúde. OMS: É o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem efeito deletério sobre seu bem estar físico, mental ou social.

16 Página 16 de 24 SAÚDE: É o estado de completo bem estar físico, mental e social e não simplesmente a ausência de enfermidades. SAÚDE PÚBLICA: Ciência de promover, recuperar e proteger a saúde da população. IMPORTÂNCIA DO SANEAMENTO BÁSICO Indispensável para a manutenção da saúde humana. A implantação dos sistemas públicos de abastecimento de água, esgotamento sanitário e destino adequado do lixo traz uma rápida e sensível melhoria na saúde e condições de vida de uma população. Como exemplo, podemos citar: Controle e prevenção de doenças; Promoção de hábitos higiênicos; Desenvolvimento de esportes; Melhoria da limpeza pública; Manutenção de praças e jardins; Combate a incêndios; Combate aos vetores. ÁGUA Recurso natural, indispensável à vida. (cerca de 70% do corpo humano é constituído de água). No globo terrestre apenas 1% da água está disponível para consumo humano, os 99% restantes estão sob forma de geleiras (2%), oceanos e mares (97%). A água é importante sob o ponto de vista de: Quantidade; Qualidade; Impurezas da água: Origem física: relacionadas com a cor, turbidez, sabor, odor e temperatura. Origem química: presença de sais, cloretos, fluoretos, metais pesados e outros compostos químicos.

17 Página 17 de 24 Origem biológica: presença de microorganismos como bactérias, vírus, protozoários e vermes causadores de doenças no homem. POLUIÇÃO DA ÁGUA Água de poços e nascentes: Cuidados com relação à proximidade de poços e nascentes com fossas e cursos de água contaminados. desequilíbrios ecológicos: Consumo bioquímico de oxigênio; Contaminação por produtos químicos; Aspecto da água: Turvo; Límpido. Autodepuração: É o processo de transformação dos esgotos e resíduos orgânicos que são lançados nos cursos de água resultando na formação de pequenas quantidades de sais minerais dissolvidos na água. Podemos dizer que é um processo natural de depuração que depende do volume da carga poluidora, do espaço de tempo e da extensão do rio, fazendo com que as águas voltem às suas características naturais. ESGOTO É a água que contém dejetos produzidos pelo homem. Também chamado de água servida. O esgoto vem das pias e banheiros das residências, restaurantes, escritórios e fábricas. A maior parte dos esgotos contém produtos químicos nocivos e bactérias causadoras de doenças. Esgotos - rios, córregos, ribeirões, oceanos. Ideal - tratamento antes de ser lançado na água Não tratado tem odor e aparência desagradáveis e mata peixes, plantas aquáticas, etc. Contaminação: Química; Biológica.

18 Página 18 de 24 Sistemas coletores sanitários: Urbano; Rural. Fossa Séptica - é um tanque de concreto ou aço, enterrado e exclusivo de cada casa ou prédio. Quando enche, deve ser limpa através de bombeamento, ou então depositado seu conteúdo em locais afastados de núcleos habitacionais e dos mananciais de abastecimento, para evitar contaminação. O LIXO DOMÉSTICO São resíduos sólidos de origem: Doméstica; Industrial; Hospitalar; Aterro sanitário; Usina de reciclagem e compostagem. Classificação dos aterros: Lixões - céu aberto, não existindo qualquer tipo de cobertura, expondo a população a sérios riscos de saúde, com a disseminação de doenças e poluição do meio ambiente. Aterros comuns - menor risco porque periodicamente se faz cobertura com material inerte. Aterros sanitários - unidade de tratamento de lixo mais eficiente. Para sua implantação são considerados vários parâmetros ambientais: características do solo, profundidade do lençol freático, distância dos centros urbanos. Coleta: Introdução de processos de redução da quantidade de resíduos coletados: Projetos educacionais Coleta seletiva Reciclagem e reaproveitamento dos resíduos - a reciclagem deve ser feita na própria fonte geradora (plásticos, vidros, metais, papel, etc.)

19 Página 19 de 24 A HIGIENE É O MELHOR REMÉDIO Usar água fervida para beber, preparar alimentos, escovar os dentes e lavar a boca. A água para beber deve ser conservada em recipiente limpo e com tampa. Evitar o consumo de alimentos duvidosos quanto à higiene em seu preparo. Lavar as mãos com água e sabão antes de preparar os alimentos, antes de comer, depois de usar o banheiro. Lavar bem todos os alimentos antes do preparo e principalmente se forem consumidos crus. Guardar os alimentos em refrigeradores, armários ou outros locais de proteção para que não fiquem expostos a insetos e poeiras. Somente defecar em instalações sanitárias. Na impossibilidade, enterrar as fezes. As roupas de doentes devem ser lavadas separadamente e desinfetadas. Comer somente carne bem passada e sabidamente inspecionada. Manter limpa a casa e o terreno ao redor, evitando a presença de moscas e outros insetos, roedores, e animais perigosos. Conservar as mãos sempre limpas, as unhas aparadas e evitar colocar a mão na boca. Não deixar as crianças brincarem em terrenos baldios, com lixo ou em água poluída. Andar sempre com os pés calçados. Procurar periodicamente um médico ou posto de saúde. HISTÓRICO No antigo Egito, há aproximadamente anos já era utilizada uma espécie de creme dental, na verdade uma mistura feita com pedra triturada e vinagre. O sabão é conhecido há mais de 2600 anos. Habitantes da Fenícia, região que corresponde hoje a uma parte do Oriente Médio Tomavam banho com uma pasta feita com banha de cabra fervida com cinza de madeira. Menos da metade da população do Brasil usa sabonete. A média é de 24 sabonetes por ano. Em alguns países europeus, a média é apenas 4 sabonetes anualmente. O que é Saneamento Básico? É o controle de todos os fatores do Meio Físico do Homem que podem prejudicar a sua saúde.

20 Página 20 de 24 É a solução dos problemas relacionados estritamente com o abastecimento de água, disposição dos esgotos e do lixo das comunidades humanas. Segundo a OMS : "É o controle de todos os fatores do meio físico do Homem que exercem efeito deletério (prejudicial) sobre seu bem estar físico, mental ou social". SAÚDE: é o Estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não somente a ausência de doenças. SAÚDE PÚBLICA: Ciência de promover, recuperar e proteger a saúde da população. Importância do Saneamento Básico É indispensável para a manutenção da saúde humana. A implantação de sistemas públicos de abastecimento de água traz uma rápida e sensível melhoria na saúde e condições de vida de uma população. Como exemplos podemos citar: * Controle e prevenção de doenças; * Promoção de hábitos higiênicos (como asseio corporal, por exemplo); * Desenvolvimento de esportes, como a natação; * Melhoria da limpeza pública; * Manutenção de praças e jardins; * Combate a incêndios, etc.; * Combate aos vetores de doenças infecciosas. Além do tratamento de água também deverá se fazer presente o sistema de esgotamento sanitário, composto pelas redes coletoras de esgoto, estações de tratamento de esgoto, coleta regular de lixo, aterros sanitários ou usinas de lixo, etc. Segundo dados do JB de 05/03/93: - "Para se acabar com a epidemia de cólera, seria necessário investir US$15 bilhões em Saneamento básico nos próximos 10 anos"... A ÁGUA: A água como o ar é um recurso natural, presente em toda a biosfera (solo ar, seres vivos, etc.). Indispensável ã vida, pode se tornar prejudicial quando não tratada devidamente. Daí ser a qualidade da água tão importante quanto a sua quantidade. O homem inadvertidamente vem poluindo as águas, contribuindo para o surgimento de muitas alterações nos recursos hídricos, provocando a destruição total ou parcial da vida

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional QUALIDADE DAS ÁGUAS Box 1 O conselho nacional do meio ambiente, CONAMA, baixou a Resolução n 20, de 5 de junho de 1986, que classifica as águas doces, salobras e salinas do Brasil, Tabela 1, estabelecendo

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível ambiente natural, bem como induzir condições em um determinado curso ou corpo de água, direta

Leia mais

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente.

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. Poluição do Solo 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. 2) Objetivo Específico Conscientizar os alunos da importância

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

Apostila Tratamento de Água

Apostila Tratamento de Água Apostila Tratamento de Água Estação de Tratamento de Água em Caçaroca Vila Velha MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO

PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E A SUA POLUIÇÃO CUIABÁ-MT 2010 2 PLURAL CENTRO EDUCACIONAL ÁGUA E POLUIÇÃO Discentes: Enzo Fortunato, Mariana Bonjour, Thiago Schumann, Victória Machado e Vitória Abreu.

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

Unidade 2 Água: substância vital

Unidade 2 Água: substância vital Sugestões de atividades Unidade 2 Água: substância vital 6 CIÊNCIAS Estados físicos da água 1. Como ocorre o processo de formação das nuvens? 2. A água pode ser encontrada nos diferentes estados físicos

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação...

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação... PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Mudanças de estado

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

Qualidade da Água e Tratamento da Água

Qualidade da Água e Tratamento da Água Notas do Professor Qualidade da Água e Tratamento da Água Pergunta em foco Quais são os principais processos para o tratamento de água poluída? Ferramentas e materiais Seis garrafas de plástico transparentes

Leia mais

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A sociedade define as atividades que os seres humanos devem fazer a partir do seu sexo. Aos homens são destinadas aquelas consideradas produtivas, ou seja, que servem para ganhar

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Apresentação Este manual foi criado para fornecer importantes informações sobre o tratamento de piscinas e todos os processos envolvidos. Um guia que traz conceitos

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA 19 de Maio de 2000 TOMO II ÍNDICE Pág. 1 Introdução... 1 2 Caracterização de uma Água... 2 3 Legislação... 3 3.1 Disposições Gerais... 3 3.2 Águas Doces Superficiais

Leia mais

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano Ministrante: Eduardo Gomes Bispo Minicursos CRQ-IV - 2008 Técnico Químico e graduado em Administração de Empresas. Atua há mais de 20 anos em ETAs, sendo responsável pela distribuição da água distribuída

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Água e Qualidade de Vida

Água e Qualidade de Vida Água e Qualidade de Vida Introdução Recurso natural de valor econômico, estratégico e social, essencial à existência e bem estar do homem e à manutenção dos ecossistemas do planeta, a água é um bem comum

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Cartilha informativa

Cartilha informativa Cartilha informativa CONSTRUINDO A CIDADANIA A necessidade de estabelecer a relação entre cidadania e meio ambiente está expressa no direito do indivíduo ter um meio ambiente saudável e no dever que cada

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

UD 02: Tratamento de água

UD 02: Tratamento de água U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a EEL PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I UD 02: Tratamento de água Prof. Lucrécio Fábio Prof. Lucrécio Fábio

Leia mais

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA 2 Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. 3 Habilidades: Refletir sobre a importância da água para o Planeta Terra, para a vida e o

Leia mais

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO PROJETO FORMANDO MULTIPLICADORES No combate ao desperdício de água e preservação nos nossos rios e mananciais CRIAÇÃO E FINALIDADES A CAESA - Companhia de Água e Esgoto do

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

Preserve a água e a vida

Preserve a água e a vida Preserve a água e a vida Informações básicas sobre a preservação dos recursos hídricos A consciência de toda sociedade sobre a importância da conservação dos recursos hídricos é fator imprescindível em

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Curso de Líderes 2008 A importância da

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Usos da água As águas são usadas ou consumidas pelo homem de várias maneiras. As águas são classificadas em dois grupos: - consuntivo;

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

1. A água. 1.1. A água e as atividades humanas

1. A água. 1.1. A água e as atividades humanas 1. A água 1.1. A água e as atividades humanas O homem utiliza a água para os mais determinados fins (Figura 1): consumo doméstico higiene pessoal e da casa, preparar os alimentos; agricultura; indústria;

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA.

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

INTRODUÇÃO. 1 Por a piscina a funcionar

INTRODUÇÃO. 1 Por a piscina a funcionar INTRODUÇÃO 1 Por a piscina a funcionar Instruções para o início da temporada 1 Se for necessário, deve reparar a superfície do vaso da piscina. Limpar com uma solução de 10 cc de Algidelsa por litro de

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses

Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses 1. Saúde e doenças. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saúde é um estado de completo bem-estar físico, psíquico e social e não apenas

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

BIOINDICADORES AMBIENTAIS

BIOINDICADORES AMBIENTAIS Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOINDICADORES AMBIENTAIS Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 30 2. Carga horária

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco 5 A água no Planeta Terra A água tem uma enorme importância para

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Água e Qualidade de Vida Profª Lígia Cristina Palácio

Água e Qualidade de Vida Profª Lígia Cristina Palácio Água e Qualidade de Vida Profª Lígia Cristina Palácio http://video.globo.com/videos/player/entretenimento/0,,gim713411-7822-wanessa+camargo+canta+planeta+agua,00.html Objetivos: Reconhecer o valor da água

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO ÁGUA USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO Embora a água seja a substância mais abundante do nosso planeta, especialistas e autoridades internacionais alertam para um possível colapso das reservas de água doce,

Leia mais

Abastecimento e Tratamento de água

Abastecimento e Tratamento de água PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE Abastecimento e Tratamento de água Prof. Dr. Eduardo Luiz de Oliveira 1 Abastecimento e Tratamento de água. ƒ ƒ ƒ A água é o melhor solvente que se conhece. Nela encontramos um

Leia mais

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA Americana conta com duas unidades de captação e recalque que retiram do Rio Piracicaba cerca de 1000l/s de água e encaminham para o processo de tratamento no bairro Cordenonsi,

Leia mais

Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano. Água

Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano. Água Disciplina: Ciências Professor(a): Klícia Regateiro Série: 6º ano Água Água é vida A água é para o Homem, para os animais e para as plantas um elemento de primeira necessidade, É essencial à vida! É indispensável

Leia mais

ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores:

ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores: ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores: A consciência ecológica levanta-nos um problema de profundidade e vastidão extraordinárias. Temos que defrontar ao mesmo tempo o problema da Vida na Terra,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

Tratamento de Água Meio Ambiente

Tratamento de Água Meio Ambiente Tratamento de Água Meio Ambiente Puc Campinas Engenharia de Computação César Kallas RA: 02099224 Introdução Conhecida como solvente universal, a água sempre retém algum resíduo dos materiais com os quais

Leia mais

EQUILIBRIO da ÁGUA. TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS

EQUILIBRIO da ÁGUA. TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS EQUILIBRIO da ÁGUA NíVEIS de ph e alcalinidade ph mais sólido PRODUTO NO.: FORUSPLUS PH Produto: FORUSPLUS PH - ph Mais Sólido Categoria: Equílibrio da Água 15Kg COD: Q082 Descrição: Incrementador de ph

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar Professoras: Eliete, Maria Cristina e Midian INTRODUÇÃO O homem com o seu próprio corpo podem contaminar diretamente os alimentos

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

Revisão de Ciências 3 Trimestre

Revisão de Ciências 3 Trimestre PARNAMIRIM - RN Revisão de Ciências 3 Trimestre Prof. José Roberto. Água e cidadania. Os diferentes usos da água Tudo em nossa vida depende da água, seja de forma direta, como na manutenção da vida: beber,

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO O Tratamento Químico e fundamental para deixar a água da piscina saudável, limpa e cristalina. Você necessita medir, inicialmente, três parâmetros: Alcalinidade Total,

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 FISPQ NRº. 005 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Bicarbonato de Sódio Nome Comercial : Estabilizador de ph Sinônimo: Bicarbonato Ácido de Sódio N CAS: 144-55-8 Nome da Empresa:

Leia mais

Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante.

Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante. 61 Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante. Coagulação/Floculação: Logo na chegada da água bruta ocorre

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia)

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia) Princípios da Depuração Biológica de Esgotos e Águas Residuárias Industriais Índice 1 - Introdução 2 - A Poluição por Compostos Orgânicos 3 - Principais Indicadores da Matéria Orgânica 3.1 - DBO - Demanda

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais