Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal"

Transcrição

1 Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal Representante legal: Célio Biavati Filho (Presidente) Centro de Gestão Águas Emendadas - Av. Sibipiruna Lotes 13/21 Águas Claras DF CEP Telefone: (61) Fax: (61) Edição: Março / 2012 Relatório da Qualidade da Água Distribuída pela Caesb 2011 O maior sista de abastecimento de água da Caesb é o do Rio, que atende cerca de 60% da população do DF. São realizadas análises horárias nas unidades de tratamento de água da Caesb, totalizando aproximadamente análises por mês. A qualidade da água distribuída pela Caesb todo o DF é monitorada sistaticamente pelo seu Laboratório Central, certificado pela Norma ISO Em 2011, foram coletadas amostras sanais 307 pontos da rede de distribuição, totalizando cerca de análises mensais. Toda a caixa d água deve ser limpa e desinfetada, média, de 6 6 meses, para manter a qualidade da água fornecida pela Caesb para consumo humano. A água é um recurso finito de grande importância para a sobrevivência humana, portanto, devos usála racionalmente. Caro cliente, A Caesb é considerada uma das melhores presas de saneamento do país pelos serviços oferecidos à população. O nosso compromisso assegurar padrões rígidos de qualidade e a continuidade da distribuição da água potável são preocupações constantes nosso dia a dia, obedecendo aos requisitos estabelecidos pelo Ministério da Saúde - MS, por meio da Portaria 2914/11, que entrou vigor 12/12/2011 e revogou a Portaria 518/04. A distribuição deste Relatório de Qualidade da Água, com informações relativas a 2011, além de cumprir ao disposto no Decreto 5440/2005 Governo Federal e na Lei 8078/90 Código de Defesa do Consumidor (artigos 6 o e 31 o, que transcrevos abaixo), é também um exercício de cidadania. Art o 6 o São direitos básicos do consumidor:(...) III- a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, b como sobre os riscos que apresent ; Art o 31 o A oferta e apresentação de produtos ou serviços dev assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e língua portuguesa sobre suas características, qualidade, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e orig, entre outros dados sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores. A Caesb t orgulho divulgar as informações sobre o Sista de Abastecimento de Água do Distrito Federal e espera que este informativo possa estabelecer uma maior aproximação com seus clientes. Informações sobre a Caesb Água é vida! Água é saúde! A Caesb é uma Sociedade de Economia Mista, regida pela Lei das Sociedades Anônimas, responsável pela prestação de serviços de saneamento básico no Distrito Federal. Suas principais atribuições correspond à execução, operação, manutenção e exploração dos sistas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, além da conservação, proteção e fiscalização das bacias hidrográficas utilizadas ou reservadas para fins de abastecimento de água e o controle da qualidade e da poluição das águas. A Caesb atende todas as Regiões Administrativas do Distrito Federal com água proveniente de cinco sistas produtores, constituídos de captações superficiais e subterrâneas com capacidade total para produzir l/s, abastecendo 99,45% da população. Com relação à coleta de esgotos, o nível de atendimento é de 93,71%, sendo tratados 100% de todos os esgotos coletados. A Caesb disponibiliza a seus clientes quatro principais canais de acesso: Central de Relacionamento com o Cliente, por meio do telefone 115, que opera 24 horas, de forma ininterrupta; O site A Ouvidoria, por meio do telefone ; Os Escritórios Comerciais. Nossa Missão Desenvolver e implentar soluções e gestão saneamento ambiental, contribuindo para a saúde pública, a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento socio econômico. Nossa Visão Ser presa referência soluções e gestão saneamento ambiental, com a qual as pessoas tenham orgulho e prazer trabalhar. 1

2 Produção de Água no DF Captações operação para o abastecimento de água do Distrito Federal A Caesb utiliza 26 captações superficiais e 112 subterrâneas (poços tubulares profundos) para o abastecimento de água do Distrito Federal. O monitoramento das captações utilizadas é realizado sistaticamente pela Caesb, de acordo com as determinações da Resolução Conama 357/2005. Além disso, para a caracterização da qualidade da água in natura dos mananciais utilizados ou com possibilidade futura de utilização, a Caesb utiliza o IQA (Índice de Qualidade da Água), que permite uma avaliação sistática e simplificada das condições bacteriológicas e físico-químicas de um corpo d água. Para o cálculo do IQA são considerados oito parâmetros: cor, turbidez, amônia, ferro, cloreto, ph, DQO e coliformes totais. Esse índice varia de 0 a 100, e a qualidade da água é enquadrada nas seguintes classes: IQA Classificação Ótima Muito boa Boa Aceitável Imprópria para tratamento convencional 0 19 Imprópria A classificação segundo o IQA médio verificado no ano de 2011, por manancial, está indicada no quadro de informações gerais sobre as captações superficiais. As principais fontes de poluição e contaminação dos mananciais decorr das atividades desenvolvidas suas respectivas bacias hidrográficas, com destaque à ocupação urbana, loteamentos, desmatamentos, erosão, criação de animais, agricultura, extração de areia e cascalho e deposição de lixo. Além do monitoramento da qualidade da água, a Caesb executa um trabalho contínuo destinado ao acompanhamento das disponibilidades hídricas e à proteção de suas fontes de água, envolvendo atividades como a medição de chuva diversos pontos do DF e a medição de vazões nos rios e nos poços tubulares profundos. Mantém, ainda, um Programa de Proteção dos Mananciais que realiza, dentre outras iniciativas, o monitoramento do uso do solo, inspeções e vistorias ambientais rotineiras nas bacias hidrográficas dos mananciais, projetos de proteção e recuperação de áreas degradadas, educação ambiental e combate a incêndios florestais. 2

3 Muitas dessas ações, que têm caráter preventivo ou corretivo, são realizadas parceria com outras instituições, promovendo-se dessa forma uma atuação integrada para viabilizar a proteção hídrica. Nesse aspecto, destacam-se: SEMARH, IBRAM, IBAMA, ICMBio, SUDESA, Adasa e Emater. Informações Gerais Sobre os Mananciais / Captações Superficiais Mananciais / Captações Bacia Hidrográfica Área da Bacia (km²) Torto Paranoá 210 Unidades de Conservação e outras Àreas Protegidas Parque Nacional de Brasília, APM, APA Planalto Central e APA Cafuringa Uso e Ocupação do solo / Principais Atividades Desenvolvidas na área de drenag da captação IQA Classificação segundo o IQA 2011 Cerrado / Parcelamento do solo 76 Boa Santa Maria Paranoá 101 Parque Nacional de Brasília e APM Cerrado 82 Muito Boa Cachoeirinha (Córrego dos Goianos) 9,2 APA do e APM Agricultura / Reflorestamento / Loteamento Urbano 75 Boa Taquari (I e II) Paranoá 5,4 APA do Paranoá, APM e APA Planalto Central Reflorestamento / Cerrado 80 Muito Boa Cabeça de Veado (I, II, III, e IV) Paranoá 21,5 Pedras * 438 Catetinho Baixo (I e II) Paranoá 9,1 APA Gama / Cabeça de Veado / Estação Ecológica do Jardim Botânico e APA Planalto Central APA do Rio, REBIO -, Parque Estadual do e Flona/DF Cerrado 80 Muito Boa Agricultura / Urbano / Parcelamentos irregulares 77 Boa 28,5 APA do Rio, APM e Flona/DF Reflorestamento / Cerrado 73 Boa APA Gama / Cabeça de Veado, APM, APA Planalto Central e Parque Ecológico Córrego da Onça Cerrado 80 Muito Boa Alagado * Rio Alagado 12,9 APM toda a bacia e APA do Planalto Central Agricultura / Urbano / Chácaras de Recreio 80 Muito Boa Ponte de Terra (II e III) (Operação Sazonal) Olho D'Água * Ribeirão Ponte Alta Ribeirão Ponte Alta 9,4 APM e APA Planalto Central 2,3 APM e APA Planalto Central Agricultura / Chácaras de Recreio / Urbano / Parcelamentos Irregulares Agricultura / Cerrado / Chácaras de Recreio / Loteamento Urbano 76 Boa 80 Muito Boa Crispim Rio Alagado 3,1 APM e APA Planalto Central Cerrado / Agricultura / Área de Lazer 82 Muito Boa Engenho das Lajes Rio 51,5 APA do Planalto Central e APM Cerrado / Ocupação Urbana 72 Boa Capão da Onça Barrocão Contag Rio Maranhão 6,4 Paranoazinho guinho Fumal Brejinho Pipiripau Mestre D'Armas (Operação Sazonal) Quinze 8,3 APA do Rio, APM e Flona/DF Reflorestamento / Cerrado / Agricultura 79 Boa 37,3 APA do Rio, APM e Flona/DF Agricultura / Cerrado / Reflorestamento 71 Boa 5,1 APA Cafuringa, Parque Nacional de Brasília, APM, APA - Planalto Central e REBIO - Contag APA Cafuringa, Parque Nacional de Brasília, REBIO - Contag, APM e APA Planalto Central Cerrado 80 Muito Boa Cerrado 79 Boa 8,1 APM e APA São (parcial) Cerrado 80 Muito Boa 48 Estação Ecológica de Águas Emendadas, APM e APA Planalto Central Cerrado / Agricultura 76 Boa 18,9 Estação Ecológica de Águas Emendadas e APM Cerrado / Agricultura 79 Boa 195 APA do, APM e APA Planalto Central Cerrado / Agricultura / Urbano / Mineração 68 Boa 52,3 39 Estação Ecológica de Águas Emendadas, APM e APA Planalto Central APA do, APM e Parque dos Pequizeiros Agricultura / Loteamento Urbano/ Cerrado 69 Boa Cerrado / Agricultura 74 Boa * Desativada Tporariamente APA - Área de Proteção Ambiental APM - Área de Proteção de Mananciais REBIO Reserva Biológica Componentes do Sista de Abastecimento de Água Um sista de abastecimento de água é composto por: Manancial: corpo hídrico de onde se retira diretamente ou se armazena água para o abastecimento público. Captação: é a primeira unidade do sista de abastecimento, onde é coletada a água suas condições naturais. Pode ser superficial (córrego, ribeirão, rio ou lago) ou subterrânea (poços profundos). Adução/Bombeamento: responsável pelo transporte da água. Tratamento: objetiva rover ou eliminar impurezas, tornando a água segura para o consumo humano. Reservação: armazenamento de água para atender as oscilações de consumo ao longo do dia. Distribuição: rede composta por tubulações e dispositivos acessórios, destinada a colocar água potável à disposição dos consumidores, de forma contínua, quantidade, qualidade e pressão adequadas. Esqua de um Sista de Abastecimento de Água MANANCIAL CAPTAÇÃO ADUÇÃO (BOMBEAMENTO / GRAVIDADE) TRATAMENTO RESERVAÇÃO CIDADE BACIA HIDROGRÁFICA DISTRIBUIÇÃO 3

4 Etapas do Tratamento de Água O tratamento aplicado determinada água depende da sua qualidade in natura. Em face deste fato, a Caesb possui unidades de tratamento que utilizam desde uma simples cloração até unidades mais complexas, ou seja, que contplam todas as etapas de tratamento descritas abaixo: Coagulação / Floculação: processo que é adicionado à água um produto químico denominado coagulante, o que faz com que as impurezas se aglutin formando flocos, para ser mais facilmente rovidos nas etapas posteriores. Decantação ou Flotação: Decantação: os flocos aglutinados ficam mais pesados que a água e sedimentam-se no fundo do decantador, por ação da gravidade. Flotação: os flocos aglutinados são suspensos através da aderência de microbolhas existentes na água, produzidas um saturador e injetadas na água floculada. A roção é feita na superfície do flotador. Filtração: Nesta etapa, a água passa por várias unidades filtrantes, que são constituídas normalmente de grãos de areia, onde os flocos menores ficam retidos. Após as etapas de floculação, decantação / flotação e filtração, praticamente todas as partículas de impurezas já foram rovidas, porém a água não está pronta para ser consumida. Desinfecção: aplicação de compostos de cloro para eliminação de microorganismos nocivos à saúde, além de funcionar como uma barreira de proteção casos de contaminações futuras. Fluoretação: aplicação de compostos de flúor para prevenção da cárie dentária. Alcalinização: reção do ph para evitar problas de corrosão ao longo das redes de distribuição. Sista Produtor de Água da Caesb O Sista Produtor de Água da Caesb é composto pelos 05 subsistas constantes na tabela a seguir: Subsista Produtor Torto / Santa Maria Captações Processos de tratamento Localidades abastecidas Torto / Santa Maria Tratamento Convencional (*) Cachoeirinha Tratamento Convencional (**) Taquari (I e II) Cabeça do Veado (I, II, III e IV) Filtração direta Brasília, Sudoeste/Octogonal, Cruzeiro, Norte, Sul, Paranoá, Varjão, Itapoã, Jardim Botânico, Mansões do Norte,Taquari, Mansões Entre s, e reforço para os condomínios na área do posto Colorado. Mananciais Subterrâneos (poços) Filtração direta Taguatinga, Ceilândia, Samambaia, Água Quente, Riacho Fundo, CAUB, Riacho Fundo II, Recanto das Emas, Ponte de Terra II, Crispim I e II, Resid. Palmeiras, Águas Claras (Arniqueira), Santa Catetinho Baixo (I e II) Maria, Chapéu de Pedra, Núcleo Bandeirante, Park Way, Candangolândia, Gama, Sítio do Gama, Novo Gama, Engenho das Lajes Tratamento Convencional (**) Guará, Vicente Pires, reforço no abastecimento de Mananciais Subterrâneos (poços) Brasília, Sul, Jardim Botânico, Cruzeiro, Estrutural, Cidade do Automóvel, Sudoeste/Octogonal e SIA. Sobradinho / Planaltina Contag, Paranoazinho Fumal, Brejinho, Pipiripau Dupla filtração guinho e Mestre d Armas Filtração direta de fluxo ascendente Córrego Quinze Tratamento Convencional (**) Mananciais Subterrâneos (poços) Sobradinho, Planaltina, Sobradinho II, Fercal, abrangendo condomínios localizados na área do Grande Colorado, Mini-Chácaras, Região Contag, Cond. R.K., Nova Colina, Arapoanga, Mestre D Armas, Arrozal, Vila Basevi e a localidade do Vale do Amanhecer. São Sebastião Mananciais Subterrâneos (poços) Capão da Onça, Barrocão Tratamento Convencional (**) Brazlândia Mananciais Subterrâneos (poços) * Unidade com flotação ** Unidade com decantação São Sebastião, Vila São José, vila Nova, Morro da Cruz, Condomínio Del Rey e Complexo Penitenciário da Papuda Brazlândia, Vila São José e Incra 8 Qualidade da Água Distribuída no ano de 2011 A qualidade da água fornecida é controlada todas as etapas de produção, desde a captação, passando por todo o processo de tratamento, até a entrada da residência do cliente, onde apresenta qualidade compatível com os padrões estabelecidos pela Portaria 2914/11 do Ministério da Saúde, que substituiu a Portaria 518/04 a partir de dezbro de O Laboratório Central da Caesb, certificado pela norma ISO , é responsável pelo monitoramento diário da qualidade da água distribuída e o executa com o que é estabelecido pela legislação vigente. Para tanto, são coletadas amostras de água pontos estratégicos da rede de distribuição, atendendo o número mínimo de 4

5 amostras pela Portaria citada. Além disso, também são analisados os produtos químicos utilizados no tratamento de água, a fim de verificar se os insumos encontraram-se dentro das características necessárias para garantir a qualidade da água. Destaca-se que até dezbro de 2011, esse monitoramento foi realizado de acordo com a Portaria 518/04-MS, vigente à época. Quanto aos parâmetros que dev ser analisados com freqüência trimestral, dentre as análises realizadas 2011, não foram obtidos resultados fora dos padrões nas amostras coletadas na saída das Unidades de Tratamento e/ou na rede de distribuição. No início de 2011, o monitoramento da qualidade da água distribuída foi reformulado, buscando-se melhor atender à Portaria 518/04-MS. Algumas localidades, que até então eram consideradas como parte integrante de algum dos cinco sistas de produção de água, passaram a ser monitorados de forma isolada, resultando na ampliação do número de sistas de abastecimento de água, que passou de cinco para onze a partir de abril/2011, e conseqüente, incrento no número de amostras e de análises. Maiores informações pod ser obtidas pelo telefone , junto à Gerência de Monitoramento da Qualidade da Água. O órgão responsável pela vigilância da qualidade da água para consumo humano do Distrito Federal é a Diretoria de Vigilância Ambiental DIVAL SAIN, Estrada do Contorno do Bosque, lote 04, Brasília-DF Fone: (61) e Nas tabelas a seguir, constam os resumos dos monitoramentos da qualidade da água distribuída realizados nos onze sistas na rede de distribuição, no período de janeiro a dezbro de 2011, relativos ao número de amostras, e dos parâmetros,,,, Coliformes Totais e E. coli Sista Torto - Santa Maria (Ausência 95% das amostras) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Sista (Ausência 95% das amostras) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Sista Sobradinho Planaltina (Ausência 95% das amostras) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

6 04 - Sista São Sebastião (Ausência 95% das amostras) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Sista Brazlândia (Ausência 95% das amostras) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Sista Engenho das Lages (Ausência 95% das amostras) Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Sista Incra 8 (Ausência 95% das amostras) Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Sista Água Quente (Ausência 95% das amostras) Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

7 09 - Sista Papuda (Ausência 95% das amostras) Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Sista Basevi (Ausência 95% das amostras) Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Sista Chapéu de Pedra (Ausência 95% das amostras) Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez : característica física da água devido à presença de substâncias dissolvidas ou estado coloidal; : característica física da água devido a partículas suspensão; : residual livre do agente bactericida adicionado à água para sua desinfecção e proteção; : agente químico adicionado à água para prevenção de cárie dentária; : indicador utilizado para medir a ocorrência de bactérias provenientes da natureza; : indicador microbiológico utilizado para medir possível contaminação fecal da água por bactérias de orig animal. Spre que as amostras coletadas na rede de distribuição apresentam resultados fora dos limites estabelecidos pela Portaria 2914/2011-MS, ações corretivas são desenvolvidas imediatamente objetivando o atendimento aos padrões estabelecidos. 7

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA 2013

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA 2013 RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA 2013 A Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia - SAAE, com sede na Praça Roberto Gomes Pedrosa, 11 - Centro - Atibaia - SP, Telefone 4414-3500 e atendimento ao

Leia mais

Anexo XI. Demonstrativo dos Recursos Destinados a Investimentos por Órgão. Fiscal 5.176.791.354 154.831.221 1.942.922.708 7.274.545.

Anexo XI. Demonstrativo dos Recursos Destinados a Investimentos por Órgão. Fiscal 5.176.791.354 154.831.221 1.942.922.708 7.274.545. Anexo XI GOVERNO DO DISTRITO 1 01 - CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO 01101 - CAMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO 02 - TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO 02101 - TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO 09 - CASA CIVIL DO DISTRITO

Leia mais

Avançando na gestão das águas do DF

Avançando na gestão das águas do DF Avançando na gestão das águas do DF O Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal (CRH DF) 1 emitiu no ano de 2014 duas resoluções tratando do enquadramento dos corpos d água superficiais do Distrito

Leia mais

Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal CAESB Superintendência de Atendimento Comercial CAC

Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal CAESB Superintendência de Atendimento Comercial CAC Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal CAESB Superintendência de Atendimento Comercial CAC A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal CAESB é uma empresa pública de direito

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Tratamento de águas de abastecimento urbano e residuária Parte 2 (água)

Tratamento de águas de abastecimento urbano e residuária Parte 2 (água) Tratamento de águas de abastecimento urbano e residuária Parte 2 (água) Curso Técnico em Agropecuária integrado ao ensino médio Disciplina: Gestão Ambiental Prof: Joana Paixão DSc. Geologia Marinha/MSc.

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A ONG WWF MAIO 2003 OPP 065 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL - Levantar informações para subsidiar o planejamento e avaliação da comunicação da WWF e

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

III-013 IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS NO DISTRITO FEDERAL APTAS PARA A RECICLAGEM AGRÍCOLA DE BIOSSÓLIDOS, POR MEIO DE GEOPROCESSAMENTO.

III-013 IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS NO DISTRITO FEDERAL APTAS PARA A RECICLAGEM AGRÍCOLA DE BIOSSÓLIDOS, POR MEIO DE GEOPROCESSAMENTO. III-013 IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS NO DISTRITO FEDERAL APTAS PARA A RECICLAGEM AGRÍCOLA DE BIOSSÓLIDOS, POR MEIO DE GEOPROCESSAMENTO. Patrícia Souza Sobrinho (1) Engenheira Ambiental pela Universidade Católica

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.440, DE 4 DE MAIO DE 2005. Estabelece definições e procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Usos da água As águas são usadas ou consumidas pelo homem de várias maneiras. As águas são classificadas em dois grupos: - consuntivo;

Leia mais

TREDF alerta eleitores para mudança de locais de votação

TREDF alerta eleitores para mudança de locais de votação TREDF alerta eleitores para mudança de locais de votação O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE/DF) informa que 21 de setembro é o último dia para os interessados requererem a segunda via

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004

PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004 PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004 Estabelece as responsabilidades por parte de quem produz a água, a quem cabe o exercício do controle de qualidade da água e das autoridades sanitárias, a

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

Apostila Tratamento de Água

Apostila Tratamento de Água Apostila Tratamento de Água Estação de Tratamento de Água em Caçaroca Vila Velha MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da

Leia mais

ANO XLIII Nº 129 BRASÍLIA DF, SEGUNDA-FEIRA, 24 DE JUNHO DE 2013 PREÇO R$ 3,00

ANO XLIII Nº 129 BRASÍLIA DF, SEGUNDA-FEIRA, 24 DE JUNHO DE 2013 PREÇO R$ 3,00 ANO XLIII Nº 129 BRASÍLIA DF, SEGUNDA-FEIRA, 24 DE JUNHO DE 2013 PREÇO R$ 3,00 Portaria nº 147,de 19 de junho de 2013. Fixa os novos valores a serem descentralizados às Unidades Escolares e Coordenações

Leia mais

Auditoria Operacional: escolas públicas do Distrito Federal 2007

Auditoria Operacional: escolas públicas do Distrito Federal 2007 Auditoria Operacional: Qualidade das instalações físicas das escolas públicas do Distrito Federal 2007 Processo nº 37.711/2006 - ANEXO - FOTOS DAS ESCOLAS VISITADAS DATA DAS VISITAS: 05/FEV A 09/FEV DE

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água

Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água IV Diálogos de Saneamento Plano de Segurança da Água Painel: Os Municípios e os Planos de Segurança da Água Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água Dieter Wartchow dieterw@iph.ufrgs.br

Leia mais

Nota Técnica n 20/2013 SRH/ADASA. Em, 28 de outubro de 2013. I. DO OBJETIVO

Nota Técnica n 20/2013 SRH/ADASA. Em, 28 de outubro de 2013. I. DO OBJETIVO Nota Técnica n 20/2013 SRH/ADASA Em, 28 de outubro de 2013. Assunto: Estabelecer as diretrizes e critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa

Leia mais

NÃO ao projeto do setor noroeste

NÃO ao projeto do setor noroeste Asa Norte diz NÃO ao projeto do setor noroeste Pela manutenção dos índios na área Pela anulação de um projeto ambientalmente irresponsável Esplanada dos Ministérios e Congresso Nacional ASA SUL Congestionada

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF META 4 Universalizar o atendimento educacional aos estudantes com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, independente da idade, garantindo a inclusão na

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

4.4 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA

4.4 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA 4.4 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA A programação financeira pública compreende atividades com o objetivo de adequar o ritmo de execução do orçamento ao fluxo provável de recursos financeiros. Constitui-se, portanto,

Leia mais

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano Ministrante: Eduardo Gomes Bispo Minicursos CRQ-IV - 2008 Técnico Químico e graduado em Administração de Empresas. Atua há mais de 20 anos em ETAs, sendo responsável pela distribuição da água distribuída

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Relatório Técnico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA O Estatuto do Idoso três anos depois da promulgação 16 a 22 de agosto de 2006 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública de abrangência restrita ao

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

Abastecimento de água

Abastecimento de água Abastecimento de água Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Tucuruí Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental 2014 Disciplina: Sistema de Saneamento Ambiental Professor: Davi Sales Alunos:

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 A LITORAL SANEAMENTO LTDA, atuante como concessionária do Município de Jaguaruna SC, prestando serviços de abastecimento de água nos Balneários Copa 70, Balneário

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Nome do Autor: Endereço para correspondência:

Nome do Autor: Endereço para correspondência: TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA E SUA RELAÇÃO COM O USO DO SOLO EM DOIS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS SP: RESERVATÓRIO DO TANQUE GRANDE E DO CABUÇU Nome do Autor: José Carlos

Leia mais

I-091 MELHORIA DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I-091 MELHORIA DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina I-091 MELHORIA DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA Wanderlei

Leia mais

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA Americana conta com duas unidades de captação e recalque que retiram do Rio Piracicaba cerca de 1000l/s de água e encaminham para o processo de tratamento no bairro Cordenonsi,

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO

A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO Lia Mônica de Oliveira Aluna do Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental/UNIPLI e funcionária da FUNASA. E-mail: sandramarins7@yahoo.com.br

Leia mais

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA.

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC Brayam Luiz Batista Perini (1) Engenheiro Químico (PUC-PR), Mestrando em Engenharia de Processos (UNIVILLE),

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DA DEMANDA HABITACIONAL

PROCESSO DE SELEÇÃO DA DEMANDA HABITACIONAL PROCESSO DE SELEÇÃO DA DEMANDA HABITACIONAL NOVO CADASTRO DA HABITAÇÃO MAIO/2012 Necessidade de adequação da gestão de processos da CODHAB para: Atingir meta de eliminar o deficit habitacional do DF ofertando

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL WWF Brasil Maio/ 2003 OBJETIVOS: Levantar informações para subsidiar o planejamento e a avaliação da comunicação da WWF Brasil. Gerar conhecimentos relevantes

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR EIXO TECNOLÓGICO: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Meio Ambiente/Subsequente DISCIPLINA: SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS CÓDIGO: Currículo: 2010/dez Ano/Semestre: 2011/2 Carga

Leia mais

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco 5 A água no Planeta Terra A água tem uma enorme importância para

Leia mais

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO PROJETO FORMANDO MULTIPLICADORES No combate ao desperdício de água e preservação nos nossos rios e mananciais CRIAÇÃO E FINALIDADES A CAESA - Companhia de Água e Esgoto do

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

O Enquadramento em nível nacional

O Enquadramento em nível nacional 1º Seminário Estadual sobre Enquadramento dos Corpos d água O Enquadramento em nível nacional Marcelo Pires da Costa Gerente Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos Agência Nacional de Águas

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Bacia Hidrográfica do Piracicaba, Capivari e Jundiaí Plano de Segurança da Água na SANASA Um Breve Histórico A SANASA sempre se preocupou

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GDF SECRETARIA DE ESTADO DE OBRAS PROGRAMA DE SANEAMENTO BÁSICO NO DISTRITO FEDERAL ACORDO DE EMPRÉSTIMO Nº 1288/OC-BR BID PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em limpeza e higienização para lavagem e desinfecção dos reservatórios de água que abastecem as áreas de alimentação, saúde e pontos

Leia mais

UD 02: Tratamento de água

UD 02: Tratamento de água U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a EEL PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I UD 02: Tratamento de água Prof. Lucrécio Fábio Prof. Lucrécio Fábio

Leia mais

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol.

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Alexandre Cruz 1 Documentos Emitidos Autorização Ambiental para Perfuração

Leia mais

TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP

TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP Flavio Geraidine Naressi Serviço Autônomo de Água e Esgoto

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO Adriana Moreira de Carvalho Biológa, mestra em Saneamento e Meio Ambiente e aluna especial em doutorado área Águas Subterrâneas pela

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1 ; Everaldo Rocha Porto 2 1 Av. do Sol, n o 100, apt o 302, Caminho do

Leia mais

Acompanhamento de Vagas Semana 09 a 13 de Março de 2015

Acompanhamento de Vagas Semana 09 a 13 de Março de 2015 PARA PARTICIPAR DOS PROCESSOS SELETIVOSFAÇA SEU CADASTRO NO SITE: WWW.IFESTAGIO.COM.BR PROGRAMA APRENDENDO A FAZER (APRENDIZ) NÍVEL MÉDIO Cód.: JA 680 / Vaga: 1 / Ano: 1º ao 3º ano do Ensino médio / Salário:

Leia mais

Conselho Regional de Química 4ª Região

Conselho Regional de Química 4ª Região PARECER TÉCNICO EMENTA: PARECER SOBRE OS EFEITOS DA PORTARIA Nº 518, DE 25/03/2004, DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, BEM COMO AS AÇÕES QUE DEVERÃO SER TOMADAS PELOS ÓRGÃOS DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA E PELAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

Avaliação da Vigilância da Qualidade da Água no Estado do Acre Ano base 2011

Avaliação da Vigilância da Qualidade da Água no Estado do Acre Ano base 2011 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Programa Nacional de Vigilância

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Curso de Líderes 2008 A importância da

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Ambiente e Saúde MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-004 - AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA X DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Ricardo Augusto Pereira Rezende (1)

Leia mais

IRACEMÁPOLIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R4 Continuação diagnóstico e não conformidades

IRACEMÁPOLIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R4 Continuação diagnóstico e não conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE IRACEMÁPOLIS PRESTADOR: SAE SERVIÇO DE ÁGUA E ESGOTO DE IRACEMÁPOLIS Relatório R4 Continuação diagnóstico e não conformidades

Leia mais

Eng. Fuad Moura Guimarães Braga, MSc. Porto Alegre - RS Dezembro/2015

Eng. Fuad Moura Guimarães Braga, MSc. Porto Alegre - RS Dezembro/2015 ELABORAÇÃO DE PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO SUBSISTEMA PRODUTOR TORTO/SANTA MARIA DA COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ETAPA 1: AVALIAÇÃO DO SISTEMA. Eng. Fuad Moura Guimarães Braga,

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais