MICRORGANISMOS INDICADORES DE QUALIDADE DE ÁGUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MICRORGANISMOS INDICADORES DE QUALIDADE DE ÁGUA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA Ana Luísa Paiva Amaral MICRORGANISMOS INDICADORES DE QUALIDADE DE ÁGUA Belo Horizonte 2007

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA Ana Luísa Paiva Amaral MICRORGANISMOS INDICADORES DE QUALIDADE DE ÁGUA Monografia apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais para obtenção do Título de Especialista. ORIENTADOR: Prof. Dr. Carlos Augusto Rosa (Laboratório de Ecologia e Biotecnologia de leveduras / Departamento de Microbiologia / ICB / UFMG) Belo Horizonte 2007

3 Agradecimentos Agradeço a Deus por me guiar nesta jornada, possibilitando cumprir mais esta tarefa. Ao meu orientador Prof. Dr. Carlos Augusto Rosa pelo exemplo de profissional, pela paciência, amizade e incentivo, que foram de grande importância para a realização deste trabalho. A Adriana Oliveira Medeiros, revisora desta monografia. Aos professores do curso de Especialização em Microbiologia. Aos colegas do curso de pós-graduação em Microbiologia pelo incentivo e convivência agradável. Aos meus pais pelo apoio incondicional para que este projeto se concretizasse.

4 1 SUMÁRIO 1. Resumo Objetivo Relevância e Justificativa Microrganismos de interesse sanitário Grupo Coliforme Escherichia coli Enterococcus spp Pseudomonas aeruginosa Staphylococcus aureus Clostridium perfringens Bactérias Heterotróficas Presença de leveduras em ambientes aquáticos Água para consumo Águas minerais Contaminação microbiológica de corpos d água naturais e os potenciais riscos à saúde humana Conclusão Referências bibliográficas... 24

5 2 1. RESUMO Diante de um problema crescente que vem sendo a utilização errônea dos recursos hídricos, surge a necessidade de um estudo maior a respeito desse bem natural tão necessário a sobrevivência do planeta. A integridade dos ecossistemas aquáticos vem sofrendo os impactos causados pelas atividades humanas e suas comunidades estão sujeitas às diversas alterações ambientais. A população microbiana aquática reflete as condições terrestres circundantes e as atividades ali exercidas, e os órgãos administrativos utilizam essa população, com alguns indicadores para classificar os corpos d água. A quantificação de microrganismos de interesse sanitário como os coliformes é de grande importância para a saúde pública, uma vez que sua presença indica contaminação por material fecal. Os microrganismos da microbiota intestinal indígena podem causar doenças e se tornar uma ameaça para o indivíduo quando ocorre um eventual desequilíbrio do ecossistema digestivo ou quando estes microrganismos alcançam sítios estéreis do corpo. Os enterococos têm sido propostos como indicadores também, devido à alta concentração nas fezes e alta taxa de sobrevivência no ambiente. A Pseudomonas aeruginosa por conta de sua versatilidade, é padrão de potabilidade no Brasil. Estafilococos responsáveis por infecções e produção de toxinas, clostridios devido à resistência aos tratamentos convencionais de água. Bactérias heterotróficas, só representam riscos se encontradas em altas concentrações, mas sua enumeração é utilizada como um parâmetro complementar aos coliformes. Assim como as leveduras, que só apresentam altas taxas onde os níveis de poluição orgânica são elevados. Sendo a água de importância vital ao indivíduo, a garantia de sua potabilidade e de suas condições higiênico-sanitárias é de grande importância para toda a população. Sob o aspecto da saúde pública, a água potável deve estar isenta de microrganismos do grupo coliforme, que podem ou não ser de origem fecal.

6 3 2. OBJETIVO - Através de revisão bibliográfica, indicar os principais microrganismos indicadores de qualidade de água, suas respectivas características e ocorrência.

7 4 3. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA Cada vez mais tem se chamado a atenção para a utilização racional dos recursos hídricos do nosso planeta, uma vez que, se não houver um controle maior deste bem natural, a procura será cada vez maior do que a demanda. O planeta Terra tem 75% de superfície líquida, sendo 97% de água salgada, 2% de geleiras, e 1% de água doce. O Brasil tem 8% da água doce do planeta, cerca de 112 bilhões de metros cúbicos. Aproximadamente 80% das águas nacionais estão na Amazônia, onde só se encontram 5% dos brasileiros. Os outros 20% das águas nacionais têm de abastecer 95% da população (CREA,1988). A integridade ecológica dos ecossistemas aquáticos continentais vem sofrendo com maior intensidade os impactos causados pelas atividades humanas nas últimas décadas e suas comunidades estão sujeitas às diversas alterações ambientais sendo, em muitos ambientes, substancialmente reduzidas ou mesmo eliminadas. Assim, a demanda crescente e contínua pelos recursos aquáticos, causadas pelo crescimento populacional, urbanização, industrialização e irrigação podem levar a uma rápida e contínua degradação deste ambiente (MEDEIROS, 2005). A vida aquática inclui interações entre os microrganismos, e entre os microrganismos e a fauna e flora constituintes do mesmo ambiente. Muitas espécies realizam alterações bioquímicas que reciclam os elementos e nutrientes da água, desempenhando assim um papel importante na manutenção do fluxo de nutrientes e ocupando posição-chave na cadeia alimentar do ambiente aquático. A população microbiana aquática reflete as condições terrestres circundantes, mostrando os efeitos de práticas domésticas, agrícolas e industriais, conduzindo assim a uma degradação da qualidade da água decorrente do impacto das atividades humanas. Os microrganismos encontrados em ambiente aquático são determinados pelas condições físicas e químicas que ocorrem naquele ambiente, e essas condições variam de um local para o outro e em relação a fatores como temperatura, luminosidade, ph e nutrientes. Algumas espécies microbianas são nativas em áreas ecológicas específicas, enquanto outras são transitórias, provenientes de atividades

8 5 humanas que geram um impacto na biodiversidade. Por exemplo, em águas que recebem esgotos domésticos com grande quantidade de nutrientes orgânicos, podem ser encontradas bactérias do grupo coliforme, como a Escherichia coli. A presença deste microrganismo na água pode indicar risco potencial a saúde, uma vez que o mesmo é proveniente do intestino grosso do homem e de animais de sangue quente, indicando assim contaminação fecal, isto acontece também com outras bactérias como os estreptococos fecais, e também vírus intestinais como o causador da Hepatite A ou poliomielite (GREENBERG et al., 1992). Os órgãos administrativos utilizam esses parâmetros para classificar os corpos d água quanto ao seu destino, uso e quanto a sua condição sanitária. (BRASIL, 2005). Pode-se citar também fatores prejudiciais ao crescimento microbiano como o lançamento de efluentes industriais em cursos d água, com elevados níveis de metais pesados. Pesquisas que levem em consideração as interações entre os ecossistemas aquáticos e terrestres são fundamentais para a conservação dos recursos hídricos e sua diversidade biológica (MEDEIROS, 2005). No presente trabalho serão tratados como tema as águas naturais e potáveis e os diversos fatores que possam influenciá-las de maneiras maléficas, limitar-se-á ao estudo de bactérias, fungos e leveduras. Serão levados em consideração microrganismos presentes no ambiente aquático como contaminantes. Serão observados também os limites estabelecidos pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente, Resolução 274 (2000) e 357(2005), para lazer e recreação de contato primário, e esclarecendo alguns critérios para considerar a potabilidade da água de acordo com a portaria nº 518 do Ministério da Saúde (2004). Serão citados ainda alguns microrganismos como Enterococcus spp., Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, Clostridium perfringens, Escherichia coli, bactérias heterotróficas, fungos filamentosos e leveduras.

9 6 4. MICRORGANISMOS DE INTERESSE SANITÁRIO 4.1. Bactérias do grupo Coliforme A quantificação bacteriana em corpos d água é de grande interesse para saúde pública, uma vez que a detecção de altos níveis bacterianos esta freqüentemente associada com elevados níveis de patógenos para humanos (USEPA, 1986). A maioria dos microrganismos patogênicos, causadores de doenças transmitidas pela água, é predominantemente de origem fecal e são conhecidas como patógenos entéricos. Microrganismos enteropatógenos geralmente aparecem em concentrações muito baixas em águas ambientais quando comparada à diversificada microbiota existente. Pelo fato de que os microrganismos patogênicos usualmente aparecem de forma intermitente e em baixo número na água, podem ser pesquisados outros grupos que estão presentes juntamente com os patogênicos nas fezes. Shibata et al. (2004), afirmam que os microrganismos tipicamente utilizados como indicadores são aqueles encontrados em elevadas concentrações nas fezes humanas. Os coliformes fecais, um subgrupo dos coliformes totais representados principalmente pela espécie Escherichia coli, têm sido extensivamente utilizados no monitoramento da qualidade de águas e são considerados os mais específicos indicadores de qualidade de águas destinadas a potabilidade e balneabilidade (LÓPEZ-PILA & SZEWZYK, 2000; YOUN-JOO et al., 2002; ALM et al., 2003; NOGUEIRA, et al., 2003; LEBARON et al., 2005). O grupo coliforme é constituído por bactérias pertencentes aos gêneros Citrobacter, Escherichia, Enterobacter e Klebsiella (NOGUEIRA et al., 2003). São bacilos aeróbios ou anaeróbios facultativos, Gram negativos e não formadores de esporos, oxidase-negativos, capazes de desenvolver na presença de sais biliares ou agentes tensoativos que fermentam a lactose com produção de ácido, gás e aldeído a 35,0 ± 0,5ºC em horas, e que podem apresentar a enzima ß-galactosidase. Embora estes microrganismos estejam relacionados com contaminação fecal, podem também ser encontrados em outros locais, oriundos de vegetais e do solo, observado, principalmente, para os gêneros

10 7 Citrobacter, Enterobacter e Klebsiella (GELDREICH, 1975; CABELLI, et al., 1979; 1983; HAGLER & MENDONÇA-HAGLER, 1988; BAUDISOVÁ, 1997). Além disso, alguns estudos sugerem que as altas temperaturas tropicais, a elevada radiação solar e a presença de predadores podem diminuir a sobrevivência destes microrganismos que deixam de exercer uma função de indicadores de presença de patógenos em tais condições (FUJIOKA et al., 1999; ROSA et al., 1990; BYAMUKAMA et al., 2000, WHITMAN et al., 2004). Diversos fatores podem interferir sobre a enumeração dos coliformes, como ph, temperatura e outros organismos presentes na água. Pseudomonas aeruginosa é conhecida por interferir sobre a contagem colimétrica e acreditase que a síntese do pigmento piocianina esteja ligada com este fenômeno (GUILHERME & SILVA, 2000). A qualidade bacteriológica de águas recreacionais é avaliada pelos mesmos indicadores recomendados para águas destinadas ao consumo humano, isto é, coliformes totais e coliformes fecais (YOSHPE-PURER et al., 1987) Escherichia coli Os coliformes fecais, um subgrupo dos coliformes totais representados principalmente pela espécie Escherichia coli, estão mais especificamente relacionados com contaminação fecal oriundos de animais de sangue quente. Entretanto, sua utilização como indicador de poluição fecal tem sido questionada, pois a metodologia usualmente empregada para detectar essas bactérias, é realizada à temperatura de 44,5 ± 0,2 ºC como fator seletivo. Porém esta temperatura permite o isolamento de outros coliformes termotolerantes, não necessariamente provenientes de contaminação fecal (CABELLI et al., 1979; 1983; HAGLER & MENDONÇA HAGLER, 1988; ELMUND et al., 1999; BYAMUKAMA et al., 2000; SCOTT et al., 2002). Países localizados em regiões de clima temperado têm utilizado, com sucesso, E. coli como indicadores de poluição fecal. Porém, a adequação de E. coli como indicadores de poluição fecal em regiões tropicais e subtropicais não tem sido propriamente demonstrada (CHAO et al., 2003). Isto porque, vários trabalhos mostram que E. coli tem sido encontrada nos solos e corpos d água,

11 8 onde estudo destes ambientes tem mostrado que é improvável que a fonte destas bactérias seja contaminação fecal humana. Algumas pesquisas sugerem que estas bactérias originaram-se de outros animais que residiram na área e que desenvolveram mecanismos para manter populações de células viáveis por longo período de tempo em condições tropicais (BYAPPANAHALLI & FUJIOKA, 1998; FUJIOKA et al., 1999; SOLO-GABRIELE et al., 2000; DESMARAIS et al., 2002; CHAO et al., 2003; WINFIEKD & GROSIMAN, 2003). Carrillo et al. (1985) e Hagler et al. (1993) isolaram E. coli de águas naturais preservadas de contaminação fecal, como as águas de bromélias e de chuvas em florestas tropicais. Embora existam ainda algumas divergências quanto ao seu uso, as bactérias do grupo coliforme têm demonstrado eficiência no monitoramento de águas doces em relação à presença de contaminação fecal. Além disso, os órgãos administrativos utilizam estes parâmetros para classificar os corpos d água quanto a seu destino, uso e quanto à sua condição sanitária (BRASIL, 2005). Sabe-se que os coliformes não têm a capacidade de crescer em baixas concentrações de carbono orgânico, as altas temperaturas tropicais e a elevada radiação solar diminuem o seu potencial de sobrevivência na água, e assim deixam de exercer uma função de indicadores de presença de patógenos em tais condições (HAGLER et al., 1986; ROSA, et al., 1990). Segundo KUHNERT et al. (2000), existe uma grande diversidade de linhagens de Escherichia coli comensal pertencentes a diferentes sorotipos, e que podem ser isoladas das fezes de indivíduos saudáveis. Estas linhagens são eliminadas maciçamente no ambiente e podem contaminar os alimentos, a superfície de corpos d água e os sedimentos, geralmente sem causar nenhum efeito adverso a saúde humana. A E. coli comensal da microbiota intestinal é considerada inofensiva para o hospedeiro e é um patógeno oportunista. Segundo BERG (1996), a microbiota normal associada ao trato digestivo é responsável por três funções importantes para a saúde do hospedeiro. Essas funções são as seguintes: resistência à colonização devido à inibição da multiplicação de microrganismos exógenos; imunomodulação que permite uma resposta imune mais rápida e adequada durante uma agressão infecciosa; e contribuição nutricional que fornece vitaminas, substratos energéticos e reguladores na forma de ácidos graxos voláteis. Somente em algumas raras

12 9 circunstâncias as linhagens de E.coli comensal podem tornar-se uma ameaça para o indivíduo saudável (KUHNERT et al., 2000). Para Santos et al. (2003), os microrganismos da microbiota intestinal indígena podem causar doença e tornar uma ameaça para o indivíduo quando ocorre um eventual desequilíbrio do ecossistema digestivo ou quando estes microrganismos alcançam sítios estéreis do corpo. Este desequilíbrio pode ser devido a uma imunossupressão do indivíduo ou terapias com antimicrobianos. Pacientes com sistema imune debilitado são incapazes de conter os microrganismos comensais do seu habitat natural após o rompimento da barreira natural entre o intestino e outros sítios estéreis do corpo (KUHNERT et al., 2000) Enterococcus spp. Os enterococos são um subgrupo dos estreptococos diferenciados por sua habilidade de crescer em 6,5% de NaCl, em ph 9,6, e entre 10 a 45ºC (BLANCH et al., 2003). Os enterococos são bactérias encontradas no trato intestinal do homem e dos animais, e são comumente isolados de ambientes contaminados pelo material fecal humano e animal, como exemplo esgoto urbano, água e solos que recebem fertilizantes de origem animal, além de produtos alimentícios derivados de animais (KUHN et al., 2003). Os enterococos adquiriram recentemente particular relevância médica devido ao aumento de doenças, principalmente nasocomiais, causadas por eles (BLANCH et al., 2003; ANDRE et al., 2005). Até o presente, estão descritas 30 espécies pertencentes ao gênero Enterococcus. E. faecalis é a espécie dominante encontrada em fezes humanas, mas E. faecium, E. hirae, E. avium e E. durans também tem sido isoladas. Em bovinos, E. faecium é a espécie predominante isolada, mas E. faecalis, E. hirae e E. casseliflavus também são encontradas (ANDRE et al., 2005). Devido a alta concentração nas fezes e alta taxa de sobrevivência no ambiente, enterococos tem sido proposto como indicador de contaminação fecal complementar aos coliformes fecais (USEPA, 2000; ANDREA et al., 2002; KÜHN et al., 2003; NOBLE et al., 2003). Mcfeters et al. (1974) estudaram a sobrevivência de bactérias indicadoras e de patógenos entéricos em águas de

13 10 poços, observando que o grupo coliforme morre mais rapidamente que o grupo enterococo, e diante disto utilizou-o como indicador para avaliação da qualidade de água em seu trabalho Pseudomonas aeruginosa O gênero Pseudomonas compreende bactérias unicelulares, Gram negativas, que são bastonetes retos ou curvos medindo 0.5 a 1.0 µm X 1.5 a 4.0 µm. As células são móveis por um ou vários flagelos polares. Não é conhecida a formação de esporos neste gênero. As bactérias são catalasepositivas e aeróbias estritas, exceto por algumas que são denitrificantes (GARRITY et al., 2001). Pseudomonas aeruginosa é capaz de crescer e multiplicar em diversos ambientes incluindo água, esgoto, solo, plantas e animais (KIMATA et al., 2004; PIRNAY et al., 2005). A espécie Pseudomonas aeruginosa é um patógeno oportunista importante na etiologia de muitas doenças infecciosas nos humanos, e também está envolvido em infecções hospitalares. Numerosos casos de foliculite, dermatite, e infecções de orelha e do trato urinário são atribuídos a P. aeruginosa, adquirida por meio de recreação em águas contaminadas (ESIOBU et al., 2004). Devido a isto, vários trabalhos que avaliam a presença desta espécie em ambientes aquáticos foram realizados (PELLETT et al., 1983; KIMATA et al., 2004; ESIOBU et al., 2004; RUIZ et al., 2004; PIRNAY et al., 2005). No Brasil, a bactéria é padrão de potabilidade em águas minerais. Por conta da sua grande versatilidade metabólica, a bactéria teria vantagens sobre os demais microrganismos na água (VASCONCELOS, et al. 2006). Pseudomonas aeruginosa é considerado um microrganismo metabolicamente mais versátil que os coliformes, capaz de persistir por mais tempo na água e tende a resistir aos agentes cáusticos do ambiente por mecanismos ainda desconhecidos (Smith & Iglewski, 2003). A atividade antimicrobiana de Pseudomonas aeruginosa sobre os coliformes foi verificada em um estudo sobre o antagonismo entre Pseudomonas aeruginosa e bactérias indicadoras de contaminação fecal em

14 11 água (VASCONCELOS, 2006). O estudo sugere também a importância da investigação de fenômenos de antagonismo entre Pseudomonas aeruginosa e o grupo coliforme e consequentemente, sua implicação nas análises colimétricas, determinando até que ponto as análises colimétricas podem ser comprometidas Staphylococcus aureus Os estafilococos são células esféricas gram-positivas que normalmente se dispõem em cachos irregulares semelhantes a cachos de uva. Crescem rapidamente em vários meios de cultura e mostram-se metabolicamente ativos, fermentando carboidratos e produzindo pigmentos que variam de branco a amarelo intenso. Alguns são membros da microbiota normal da pele e mucosa dos humanos; outros provocam supuração, formação de abscessos, várias infecções piogênicas e até mesmo septicemia fatal. Tradicionalmente os estafilococos são divididos em duas categorias: coagulase positivos e coagulase negativos. Essa divisão é baseada na capacidade de coagular o plasma que é uma propriedade considerada, há longo tempo, como importante marcador de patogenicidade (TORTORA, 2006). O S. aureus produz uma série de enzimas que podem contribuir para a sua patogenicidade, tais como a coagulase, catalase, desoxirribonuclease (DNAse), lipase, termonuclease (TNase), bem como a toxina hemolítica, cuja produção está associada com sua virulência. Seu alto poder de colonizar várias partes do corpo, pode dar origem a infecções assintomáticas, facilitando assim a disseminação de várias doenças (SCHAECHTER et al., 2002). Os estafilococos desenvolvem rapidamente resistência a numerosos agentes antimicrobianos, portanto, constituem problemas terapêuticos difíceis. Os estafilococos produzem catalase, o que os diferencia dos estreptococos. Os estafilococos fermentam lentamente muitos carboidratos, produzindo ácido láctico, mas não gás. O tipo mais comum de intoxicação alimentar é causado por uma enterotoxina estafilocócica termoestável (TORTORA, 2006). Alguns estudos sobre o monitoramento de águas recreacionais sugerem além da contagem de coliformes, uma abordagem sobre alguns

15 12 microrganismos indicadores de origem não-fecal, como contagem de bactérias heterotróficas, leveduras e Staphylococcus aureus (HAGLER, 1986). Staphylococcus aureus é um importante patógeno de enfermidades que resultam em infecções ou em produção de toxinas. É o principal agente etiológico de doenças transmitidas por água contaminada por animais, pessoas doentes, e portadores assintomáticos (TOOD, 1977; VERHOEF, 1981). Algumas espécies de estafilococos coagulase negativo, normal da microbiota humana, tem sido isolados de amostras clínicas originárias de vários tipos de infecções. Este patógeno oportunista tem sido frequentemente encontrado em águas de piscinas cloradas e águas de praias inclusive nos locais onde o índice de coliformes satisfaz o padrão de balneabilidade (HAGLER, 1990). A contagem de S. aureus pode ser um bom monitoramento para evitar infecções de pele e de olhos, uma vez que esse microrganismo se mostra resistente em águas cloradas e salinas (HAGLER, 1990) Clostridium perfringens Clostridium perfringens é uma bactéria anaeróbia, em forma de bastonete, Gram positiva, esporogênica, sulfito redutora, amplamente distribuída na natureza e considerada como parte da microbiota intestinal normal do homem e de animais (HATHEWAY et al. 1980). As células vegetativas de C. perfringens encontram no intestino condições adequadas para sua esporulação, o que não ocorre facilmente em meios de cultura, utilizados para crescimento in vitro (LABBE, 1980). Os esporos são eliminados nas fezes e, dessa forma, chegam ao meio aquático onde apresentam excepcional longevidade, em função da grande resistência a condições ambientais desfavoráveis. Por esse motivo, são úteis na detecção de contaminação fecal remota, em situações nas quais outros indicadores, como Escherichia coli e estreptococos fecais, já não se encontrariam presentes. O uso de C. perfringens como um indicador de qualidade de água tem sido objeto de vários estudos. De acordo com Medema et al. (1997), os esporos de C. perfringens sobrevivem mais tempo nas águas fluviais que os oocistos do protozoário

16 13 Cryptosporidium parvum, podendo, desta forma, ser considerado um indicador útil da presença deste parasita, responsável por inúmeros surtos de doenças intestinais de origem hídrica e resistente ao tratamento convencional da água. O monitoramento de C. perfringens em água tratada pode fornecer subsídios para se avaliar a eficiência na remoção de organismos patogênicos resistentes, tais como oocistos de Cryptosporidium ou cistos de Giardia, em sistemas de tratamento de água Bactérias Heterotróficas O termo bactérias heterotróficas inclui todas as bactérias que usam nutrientes orgânicos para o seu crescimento. Estas bactérias são universalmente presentes em todos os tipos de água, alimento, solo, vegetação e ar. A contagem de bactérias heterotróficas representa diversos microrganismos isolados a partir de um método particular, que incluem algumas variáveis como meio de cultura, tempo e temperatura de incubação, e a forma de inoculação no meio (ALLEN, 2004). A enumeração de alguns gêneros de microrganismos pelo método de contagem de bactérias heterotróficas pode variar muito de acordo com o meio de cultura escolhido, temperatura de incubação, tempo de incubação, origem da água (rios, reservatórios de águas superficiais, água tratada), e estação do ano. Todos os gêneros de bactérias heterotróficas encontrados em águas são comuns também em alimentos, e são ingeridos pelo homem diariamente. Altas concentrações de carboidratos e proteínas ajudam a multiplicação desses microrganismos nos alimentos, mas não em água, onde sua concentração é significativamente menor, caracterizando assim os alimentos como um risco maior à saúde do que a ingestão de água (ALLEN, 2004). Para considerarmos as bactérias heterotróficas como um risco à saúde, elas devem estar em altas concentrações para serem capazes de infectar uma pessoa idosa. A capacidade de um microrganismo de causar uma enfermidade frequentemente está associada ao seu fator de virulência. Alguns estudos afirmam que contagens de bactérias heterotróficas entre UFC/mL em águas potáveis pode interferir nas análises de

17 14 coliformes, a portaria nº 518 do Ministério da Saúde estabelece que em 20% das amostras mensais para análise de coliformes totais nos sistemas de distribuição, deve ser efetuada a contagem de bactérias heterotróficas e, uma vez excedidas 500 unidades formadoras de colônia (UFC) por ml, devem ser providenciadas imediata recoleta, inspeção local e, se constatada irregularidade, outras providências cabíveis. A determinação da contagem de bactérias heterotróficas pode ser usada para monitorar a eficácia dos processos de tratamento de água potável e verificar mudanças indesejáveis na qualidade durante a sua distribuição e estoque, mas não por razões de risco para a saúde Presença de leveduras em ambientes aquáticos As leveduras são microrganismos predominantemente unicelulares, imóveis e englobam um grupo funcional de organismos heterotróficos que colonizam substratos contendo fontes de carbono. Com relação à faixa de temperatura são classificadas como mesófilas crescendo preferencialmente entre 18 e 45ºC. Taxonomicamente pertencem a 100 gêneros entre as classes Ascomicetos e Basidiomicetos (KURTZMAN & FELL, 1998). Estudos sobre a diversidade e distribuição de leveduras em ambientes aquáticos e terrestres, animais e frutos no Brasil, têm mostrado que diferentes habitas possuem comunidades distintas de leveduras sendo encontrados diversos biótipos ainda não descritos, e possivelmente espécies novas. Pesquisas envolvendo leveduras de ambientes tropicais vêm sendo conduzidas com uma freqüência ainda inferior a desejável, pois muitos ambientes são devastados antes mesmo de se conhecer a microbiota (HAGLER et al., 1995). Apesar de inúmeros trabalhos feitos com objetivo de caracterizar as leveduras presentes em ambientes aquáticos, existem poucos dados referentes a sua ocorrência em lagos e rios em regiões tropicais, sendo a maioria dos trabalhos desenvolvidos em regiões temperadas. Segundo Hagler & Ahearn (1987) em lagos não poluídos são encontradas contagens geralmente abaixo de 10 unidades formadoras de colônia (UFC) de leveduras por 100 ml. Lagos mesotróficos possuem

18 15 contagens entre 10 e 50 UFC/100 ml. Águas que estão recebendo descargas de poluentes, mas que ainda são seguras para uso recreacional, possuem contagens entre 50 e 100 UFC por 100 ml. E, finalmente, águas eutrofizadas apresentam contagens acima de 100 UFC/100 ml. Tem sido observada uma correlação entre os níveis de poluição orgânica e as populações de leveduras. Cooke (1963, 1965) observou a existência de uma grande diversidade de leveduras em todos os estágios de tratamento de esgoto e que estas ocorriam em altas densidades em águas naturais que recebiam efluentes de esgotos domésticos. Quinn (1984) sugere que a presença de elevado número de leveduras poderia ser utilizada como um bom indicador de enriquecimento orgânico periódico ou localizado em ambientes aquáticos. A composição da microbiota fúngica em um corpo d água pode ser influenciada por vários parâmetros físicos e químicos, como por exemplo, temperatura, ph, oxigênio dissolvido e fosfatos totais dissolvidos (WOOLLETT et al., 1970; SIMARD & BLACKWOOD, 1971 a, b; QUINN, 1984; HAGLER et al., 1986; FUJITA et al., 1987; ROSA et al., 1990, 1995; MORAIS et al., 1996). Segundo Bärlocher (1982) ecossistemas aquáticos com dados físicos e químicos semelhantes apresentam elevado grau de similaridade quanto à diversidade de espécies de fungos. Rosa et al. (1995) e Morais et al. (1996) não encontraram correlação significativa entre a freqüência de espécies de leveduras e as variáveis físico-químicas para os lagos da região de Lagoa Santa, Minas Gerais. Medeiros (2002) em estudo realizado em lagos e rios da Bacia do rio Doce encontrou correlação significativa entre as contagens de leveduras e as concentrações de fósforo solúvel reativo e nitrato no lago Dom Helvécio. Na lagoa Carioca as contagens de leveduras apresentaram correlação com temperatura, ph, amônia e luz. Um elevado número de espécies de leveduras tem sido freqüentemente isolado em ambientes aquáticos, observando-se o predomínio dos gêneros Aureobasidium, Candida, Cryptococcus, Rhodotorula, Saccharomyces e Trichosporon, sendo que a maioria das espécies destes gêneros está associada a plantas, solos ou fontes de poluição orgânica (MEDEIROS, 2005). As leveduras pertencentes ao gênero Cryptococcus e as leveduras negras principalmente a espécie Aureobasidium pullulans são conhecidas por serem

19 16 os tipos predominantes em ambientes aquáticos com pouca ou nenhuma poluição, já os gêneros Candida e Rhodotorula são predominantes em águas contendo esgotos domésticos. Odds (1988) relata como isoladas do trato gastrointestinal humano, as espécies Candida albicans, C. glabrata, C. guilliermondii, C. parapsilosis e C. tropicalis. A espécie C. albicans é a levedura oportunista, associada ao homem, mais amplamente estudada. Alguns relatos demonstram ainda o isolamento dessa espécie em anfíbios (ODDS, 1988) e, de acordo com a literatura revista por esse autor, C. albicans é comprovadamente encontrada em 58 espécies animais incluindo primatas, mamíferos selvagens e domesticados, além de pássaros. Algumas pesquisas mostraram que densidades altas de C. albicans estavam associadas com contaminação fecal humana recente em águas doces de regiões temperadas, mas baixas taxas de isolamento ou até sua ausência tem sido observada em locais poluídos, sendo encontrada em águas tropicais, mesmo na ausência de contaminação fecal (VALDEZ-COLAZO et al., 1987). Águas poluídas por efluentes industriais apresentam microbiota fúngica característica, relacionada com a fonte poluidora. O gênero Saccharomyces constitui um exemplo típico, sendo freqüentemente isolado de locais próximos à indústria de vinho, cerveja e pão (AHEARN et al., 1968). Ambientes aquáticos que recebem efluentes industriais podem ser habitados por microrganismos, com a habilidade de degradar dejetos tóxicos e sobreviver em ambientes hostis, fazendo deles grandes candidatos para serem utilizados em processos de biorremediação (SLÁVIKOVÁ & VADKERTIOVÁ, 1997 a, b). Segundo Hagler et al. (1995) o estudo de diversidade e distribuição de leveduras em ambientes aquáticos indicam que habitas diferentes possuem comunidades de leveduras características, revelando muitos biótipos diferentes que provavelmente representam novas espécies. Uma grande diversidade de populações de leveduras tem sido encontrada em ambientes aquáticos porem, estas parecem originar de ambientes terrestres incluindo esgotos (HAGLER et al., 1995). Medeiros (2002) em trabalho realizado na bacia do rio Doce encontrou a maior diversidade de espécies de leveduras nos ambientes aquáticos que recebiam maior carga de material alóctone. Candida krusei, C. parapsilosis e C. guilliermondii foram predominantes nos ambientes onde foi observada a maior diversidade de espécies de leveduras e que recebiam

20 17 grande quantidade de esgoto doméstico. Estes microrganismos provavelmente entraram nos corpos d água carreados pelas chuvas encontrando ambientes favoráveis para sua sobrevivência. Segundo Hagler & Ahearn (1987), poucas espécies de leveduras são específicas de habitas aquáticos sendo que diferentes populações destes microrganismos podem ser encontradas em água doce originadas de ambientes terrestres e esgotos.

POLUIÇÃO FECAL DA ÁGUA: MICROORGANISMOS INDICADORES

POLUIÇÃO FECAL DA ÁGUA: MICROORGANISMOS INDICADORES Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 POLUIÇÃO FECAL DA ÁGUA: MICROORGANISMOS INDICADORES Juliane Pena Souto*, Allyna Gabriela Sarmento Lira², Jaila da Silva Figueira³, Adria Nascimento da Silva, Ederly Santos

Leia mais

Qualidade da Água e Saúde Pública

Qualidade da Água e Saúde Pública Qualidade da Água e Saúde Pública Principais doenças de origem microbiana difundidas através de águas contaminadas Doença Agente Causa da doença Origem Bactérias Cólera Vibrio cholerae Enterotoxina.ingestão

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ESPOROS DE Clostridium perfringens EM AMOSTRAS DE ÁGUAS BRUTAS E TRATADAS, NA CIDADE DE CAMPINAS, SÃO PAULO, BRASIL

OCORRÊNCIA DE ESPOROS DE Clostridium perfringens EM AMOSTRAS DE ÁGUAS BRUTAS E TRATADAS, NA CIDADE DE CAMPINAS, SÃO PAULO, BRASIL OCORRÊNCIA DE ESPOROS DE Clostridium perfringens EM AMOSTRAS DE ÁGUAS BRUTAS E TRATADAS, NA CIDADE DE CAMPINAS, SÃO PAULO, BRASIL Valéria Christina Amstalden Junqueira*, Romeu Cantusio Neto**, Neusely

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Juliano de Oliveira Nunes 1,2 Leonardo Galetto 1,2 Resumo O tratamento de água, é de

Leia mais

Análise comparativa das legislações vigentes sobre microrganismos contaminantes de água- Brasil, Estados Unidos e Espanha.

Análise comparativa das legislações vigentes sobre microrganismos contaminantes de água- Brasil, Estados Unidos e Espanha. Análise comparativa das legislações vigentes sobre microrganismos contaminantes de água- Brasil, Estados Unidos e Espanha. Letícia Aparecida Cruvinel (1) ; Neimar Freitas Duarte (2) (1) Estudante de Mestrado.

Leia mais

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS Tipo de amostra Análises SIF Método CQ Método Água M 04 Contagem de Clostridium perfringens Membrana Filtrante M 08 Contagem de Coliforme Total Membrana

Leia mais

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos;

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; MICRORGANISMOS E MEIO AMBIENTE Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; 1 Os microrganismos vivem em comunidades,

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DOS RESTAURANTES SELF-SERVICES

AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DOS RESTAURANTES SELF-SERVICES Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia. Ano 2, V. 2, Número Especial, jun, 2014. Faculdade Leão Sampaio Resumo Expandido ISSN 2317-434X AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DOS RESTAURANTES SELF-SERVICES

Leia mais

Revista Eletrônica de Biologia

Revista Eletrônica de Biologia . REB Volume 3 (3): 105-116, 2010 ISSN 1983-7682 Revista Eletrônica de Biologia Condições higiênico-sanitárias de piscinas em companhia hidromineral conforme análise de indicadores de contaminação fecal

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA. ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS,

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP)

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail. A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.com (1) Faculdade de Castanhal FCAT, Castanhal PA, Brasil. RESUMO A

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

ASSESSMENT SIMPLIFIED TREATMENT OF WATER TANK: SOLAR DISINFECTION (SODIS) FOR HUMAN CONSUMPTION

ASSESSMENT SIMPLIFIED TREATMENT OF WATER TANK: SOLAR DISINFECTION (SODIS) FOR HUMAN CONSUMPTION AVALIAÇÃO DE TRATAMENTO SIMPLIFICADO DA ÁGUA DE CISTERNA: DESINFECÇÃO SOLAR (SODIS) PARA CONSUMO HUMANO Lucio Alberto Pereira 1, Poliana Ferreira Vieira 2, Luiza Teixeira de Lima Brito 1, Carlos A.Tuão

Leia mais

Qualidade da água, vírus e mudanças climáticas globais

Qualidade da água, vírus e mudanças climáticas globais Mudanças Climáticas Globais e seus Impactos nos Recursos Hídricos do Brasil, São Carlos 23-25/02/2010 Qualidade da água, vírus e mudanças climáticas globais Fernando Spilki Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL LABOR TRÊS Nome Empresarial: LABOR TRÊS LABORATÓRIOS E CONSULTORIA TÉCNICA LTDA. CNPJ: 02.021.076/0001-29 Endereço: Av. Damasceno Vieira, 542 Bairro: Vila Mascote CEP: 04363-040 Cidade: São Paulo-SP Fone:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. . AVALIAÇÃO DA QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE. Miriam Cleide Cavalcante de Amorim, Eng. Química. Mestre em Eng. Química pela Universidade Federal

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO PORTO E DA PRAINHA DO RIO PARANÁ NA CIDADE DE ILHA SOLTEIRA, SP

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO PORTO E DA PRAINHA DO RIO PARANÁ NA CIDADE DE ILHA SOLTEIRA, SP ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO PORTO E DA PRAINHA DO RIO PARANÁ NA CIDADE DE ILHA SOLTEIRA, SP Mariel Amorim Silva Graduanda em Biomedicina Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Matheus Rodrigues

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

NASCIMENTO, Karla Alvarenga 1 ; FERREIRA, Marcos Roberto Alves 2 ; BORGES, Guilherme Assis 3 ; MOREIRA, Cecília Nunes 4

NASCIMENTO, Karla Alvarenga 1 ; FERREIRA, Marcos Roberto Alves 2 ; BORGES, Guilherme Assis 3 ; MOREIRA, Cecília Nunes 4 Análise e orientações sobre a qualidade microbiológica da água não tratada utilizada para o consumo humano em propriedades na zona rural e periurbana e em escolas rurais de Jataí e entorno. NASCIMENTO,

Leia mais

SANIDADE EM MALACOCULTURA. Métodos de Depuração

SANIDADE EM MALACOCULTURA. Métodos de Depuração SANIDADE EM MALACOCULTURA Métodos de Depuração Essencial para Sustentação da vida e Meio ambiente Papel importante no desenvolvimento econômico e social do país. Principal fator limitante Fatores que afetam

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI Agnos Lopes do Nascimento (Bolsista PIBIC/CNPQ), Carlos Ernado da Silva

Leia mais

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Dorit Schuller 1. Recolha de amostras para análise microbiológica 3 2. Contagem total de microrganismos 4 3. Pesquisa e quantificação de Escherichia

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DE TRÊS MARCAS DE ÁGUA COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP.

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DE TRÊS MARCAS DE ÁGUA COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP. AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS DE TRÊS MARCAS DE ÁGUA COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP. (MICROBIOLOGICAL PARAMETERS EVALUATION OF THREE BOTTLED WATER LABELS COMMERCIALIZED IN BEBEDOURO

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 202

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 202 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL MATRIZ 2 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DISCIPLINA/UNIDADE CURRICULAR Resolução 075/09

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO

A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO Lia Mônica de Oliveira Aluna do Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental/UNIPLI e funcionária da FUNASA. E-mail: sandramarins7@yahoo.com.br

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Título: Avaliação da qualidade bacteriológica da água utilizada em hospitais do Estado de Pernambuco. Resumo

Título: Avaliação da qualidade bacteriológica da água utilizada em hospitais do Estado de Pernambuco. Resumo Título: Avaliação da qualidade bacteriológica da água utilizada em hospitais do Estado de Pernambuco. Área temática: Saúde Autoria: Fernando Antônio Chaves Vital Estudante de Biomedicina, vital_se@yahoo.com.br;

Leia mais

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos Rosa Helena Luchese, PhD Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: rhluche@ufrrj.br CONTAMINANTES DOS

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana

Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana Avaliação Microbiológica das águas da Comunidade Quilombola de Santana Joice Andrade de Araújo joiceandrade_rj@hotmail.com ANA CLAUDIA SILVA DE ALMEIDA ana.almeida@foa.org.br BRUNO CHABOLI GAMBARATO bruno.gambarato@foa.org.br

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

Missão da Unidade de Água e Solo (UAS)

Missão da Unidade de Água e Solo (UAS) Avaliação microbiológica da qualidade da Água IV Congresso Análises Clínicas e de Saúde Pública 2, 3 e 4 de Março de 2012 Cristina Pizarro / Carla Coelho Laboratório de Microbiologia Unidade de Água e

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

Análises Bacteriológicas de Águas Provenientes de Creches, Asilos e Poços Artesianos Situados Próximos ao Campus da UFPE

Análises Bacteriológicas de Águas Provenientes de Creches, Asilos e Poços Artesianos Situados Próximos ao Campus da UFPE Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Análises Bacteriológicas de Águas Provenientes de Creches, Asilos e Poços Artesianos Situados Próximos

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES):

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL e SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL e SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL e SAÚDE PÚBLICA ÁGUA e SAÚDE: ABORDAGENS DE UMA ÚNICA SAÚDE Responsável: Maria das Graças Cabral Pereira e André Kipnis Número de créditos e carga horária:

Leia mais

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional QUALIDADE DAS ÁGUAS Box 1 O conselho nacional do meio ambiente, CONAMA, baixou a Resolução n 20, de 5 de junho de 1986, que classifica as águas doces, salobras e salinas do Brasil, Tabela 1, estabelecendo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Flávia Cristina Salvador 1

Leia mais

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível ambiente natural, bem como induzir condições em um determinado curso ou corpo de água, direta

Leia mais

Art. 2º As empresas têm o prazo de 180(cento e oitenta) dias, a contar da data da publicação desta Resolução, para se adequarem ao mesmo.

Art. 2º As empresas têm o prazo de 180(cento e oitenta) dias, a contar da data da publicação desta Resolução, para se adequarem ao mesmo. Resolução - RDC nº 54, de 15 de junho de 2000 (Revogada pela Resolução RDC nº 274, de 22 de setembro de 2005) Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Água Mineral Natural

Leia mais

PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004

PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004 PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004 Estabelece as responsabilidades por parte de quem produz a água, a quem cabe o exercício do controle de qualidade da água e das autoridades sanitárias, a

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR 1 Farmacêutico Bioquímico - Pesquisador A - Embrapa Gado e Leite de Juiz de Fora, MG, Gestão Ambinetal

Leia mais

A água destinada ao consumo humano deve ser isenta de agentes biológicos como vírus, bactérias, protozoários e helmintos (BRANCO,

A água destinada ao consumo humano deve ser isenta de agentes biológicos como vírus, bactérias, protozoários e helmintos (BRANCO, DESCONTAMINAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA ÁGUA ATRAVÉS DE UM PASTEURIZADOR SOLAR Silva, T.C.D. (1) ; Calazans, G. M. T. (1) : Carielo, G. (1) ; Tiba, C. (1) teresa.tecatk@gmail.com (1) Universidade Federal de

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido CISA Cooperação Internacional do Semi-Árido Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 7 de Maio de 2009 Aspetos sanitários da qualidade da água Qual é a diferença dessas

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO

ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO 11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO OLIVEIRA, T.S.¹; COELHO, A.F.S.² ¹ Aluna bolsista do grupo PET (Programa

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

Flora microbiana natural dos alimentos

Flora microbiana natural dos alimentos 1 Flora microbiana natural dos alimentos 2 Produtos cárneos crus e prontos a comer carcaças contêm diversos tipos de m.o., sobretudo bactérias bactérias patogénicas entéricas presentes, em pequeno número

Leia mais

Padrão físico-químico e microbiológico da água de nascentes e poços rasos de propriedades rurais da região sudoeste do Paraná

Padrão físico-químico e microbiológico da água de nascentes e poços rasos de propriedades rurais da região sudoeste do Paraná FOOD SAFETY / SCIENTIFIC COMMUNICATION DOI: 0.590/808-65700007203 Padrão físico-químico e microbiológico da água de nascentes e poços rasos de propriedades rurais da região sudoeste do Paraná Physico-chemical

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CTDTQAMT02.P QUALIDADE HIGIENICO SANITÁRIO DE MANIPULADORES DE ALGUMAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DO MUNICIPIO DE JOAO PESSOA PB Maria Amélia de Araújo Vasconcelos (2), Ana Maria Vieira de Castro (1), Angela

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

VII-003 - AVALIAÇÃO DE INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM AMBIENTES COSTEIROS DE VITÓRIA/ES

VII-003 - AVALIAÇÃO DE INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM AMBIENTES COSTEIROS DE VITÓRIA/ES VII-003 - AVALIAÇÃO DE INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM AMBIENTES COSTEIROS DE VITÓRIA/ES Elaine Nolasco Ribeiro (1) ; Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Espírito Santo. Aluna

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Folha: 1 de 12 Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento ALIMENTOS LÁCTEOS ENSAIO QUÍMICO Determinação de Ceftiofur e seus metabólitos expressos como Desfuroilceftiofur

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Microrganismos Mesófilos Aeróbios Totais edição, 2010. 5.5.3.1.2 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Fungos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais i 20/07/2007 José Luiz Silvério da Silva CCNE Djalma Dias da Silveira - CT Introdução Água é essencial: Sua ausência impossibilita

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação microbiológica do pirarucu (Arapaima gigas) salgado seco comercializado em feiras da Cidade de Manaus e Fonte Boa, Amazonas Euclides Luis

Leia mais

Rogério Pereira Xavier. Orientadora: Drª. Glícia Maria Torres Calazans. Co-orientadora: Drª. Francisca Janaína Soares Rocha

Rogério Pereira Xavier. Orientadora: Drª. Glícia Maria Torres Calazans. Co-orientadora: Drª. Francisca Janaína Soares Rocha Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas Curso de Biomedicina Co-orientadora: Drª. Francisca Janaína Soares Rocha Ocorrência de contaminação por bactérias e por protozoários patogênicos

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA Priscilla Dantas Rocha 1 ; Márcia Isabel Cirne França 2 ; Rodrigo Vieira Alves

Leia mais

TÍTULO AUTORES: INSTITUIÇÃO E-mail ÁREA: SAÚDE 1.0 INTRODUÇÃO:

TÍTULO AUTORES: INSTITUIÇÃO E-mail ÁREA: SAÚDE 1.0 INTRODUÇÃO: TÍTULO: AVALIAÇÃO BACTERIOLÓGICA DE ÁGUAS MINERAIS CONSUMIDAS NA CIDADE DO RECIFE-PE. AUTORES: Joás Lucas da Silva & Glícia Maria Torres Calazans. INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO E-mail:calazans@ufpe.br;

Leia mais

II-002 - BACTÉRIAS ESPOROGÊNICAS COMO PARÂMETRO AUXILIAR NO CONTROLE DO TRATAMENTO DA ÁGUA DE CONSUMO

II-002 - BACTÉRIAS ESPOROGÊNICAS COMO PARÂMETRO AUXILIAR NO CONTROLE DO TRATAMENTO DA ÁGUA DE CONSUMO II-002 - BACTÉRIAS ESPOROGÊNICAS COMO PARÂMETRO AUXILIAR NO CONTROLE DO TRATAMENTO DA ÁGUA DE CONSUMO Daniel Adolpho Cerqueira () Biólogo, responsável pelo controle microbiológico da água da Companhia

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias SEGURANÇA ALIMENTAR Prevenir a presença de agentes patogénicos nos alimentos agentes biológicos microrganismos parasitas agentes tóxicos origem microbiana origem no

Leia mais

Princ ipa is funç õe s dos mic rorga nis mos na na tureza

Princ ipa is funç õe s dos mic rorga nis mos na na tureza PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL MICROBIOLOGIA APLICADA Princ ipa is funç õe s dos mic rorga nis mos na na tureza Profa.Ana Maria Curado

Leia mais

ANÁLISE DOS QUESTIONÁRIOS APLICADOS NA CACHOEIRA DO ALAMBIQUE PARQUE JOSÉ VERGARA BERTIOGA/SP.

ANÁLISE DOS QUESTIONÁRIOS APLICADOS NA CACHOEIRA DO ALAMBIQUE PARQUE JOSÉ VERGARA BERTIOGA/SP. Revista Ceciliana Jun 3(1): 17-21, 2011 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana ANÁLISE DOS QUESTIONÁRIOS APLICADOS NA CACHOEIRA DO ALAMBIQUE PARQUE JOSÉ

Leia mais

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente.

Poluição do Solo. Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. Poluição do Solo 1) Objetivo Geral Aprofundar os conhecimentos sobre como o solo pode ser poluído e as consequências para o homem e o meio ambiente. 2) Objetivo Específico Conscientizar os alunos da importância

Leia mais

http:// www.insa.pt _ consumo de água de nascentes naturais Um problema de saúde pública. _DSA Departamento de Saúde Ambiental 2010 _Nascentes Naturais 01 _Introdução A convicção, ainda hoje frequente

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO ECOSSISTEMA LACUSTRE URBANO (LAGOA MAIOR) DO MUNÍCIPIO DE TRÊS LAGOAS/MS

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO ECOSSISTEMA LACUSTRE URBANO (LAGOA MAIOR) DO MUNÍCIPIO DE TRÊS LAGOAS/MS 1 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO ECOSSISTEMA LACUSTRE URBANO (LAGOA MAIOR) DO MUNÍCIPIO DE TRÊS LAGOAS/MS Matheus Henrique Reis da Silva, Odanir Garcia Guerra, Andreia Aparecida Silva de Barros, Rony

Leia mais

EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO

EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO EFICÁCIA DOS DESINFETANTES QUANTO AO CONTROLE MICROBIOLÓGICO Desiree Augusta M. B. NOVATO Giovania Pereira D. SILVA Karina Peres FERRASSOLI Luana Pizoni SIQUEIRA Paolla Moraes MURONI Paulo Francisco R.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO MICROBIOLÓGICO: ETAPAS E SUA APLICAÇÃO NA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA

AVALIAÇÃO DE RISCO MICROBIOLÓGICO: ETAPAS E SUA APLICAÇÃO NA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA http:///br/artigos.asp?ed=2&cod_artigo=30 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com.

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com. Reaproveitamento da água efluente dos bebedouros pré-tratada em filtro alternativo: uma prática de educação ambiental na E.E.E.M. Severino Cabral na cidade de Campina Grande/PB Autor (s): Cibele Medeiros

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças

ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ÁGUA: introdução; poluição/contaminação; doenças Profa. Eliane Carneiro Gomes Disciplina

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação Segurança da Água para Consumo Humano Como Moldar o Futuro da Água para as partes Interessadas 07 Maio de 2015 Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para

Leia mais