Arroz. Ouro e água. Os 100 anos da lavoura de arroz irrigado no Rio Grande do Sul. III Congresso Brasileiro de Arroz Irrigado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arroz. Ouro e água. Os 100 anos da lavoura de arroz irrigado no Rio Grande do Sul. III Congresso Brasileiro de Arroz Irrigado"

Transcrição

1 Os segredos da produtividade em S. Catarina P l a n e t a Arroz Nº 8 OUTUBRO 2003 Ouro e água Os 100 anos da lavoura de arroz irrigado no Rio Grande do Sul Encarte III Congresso Brasileiro de Arroz Irrigado

2 graos_200x265(b) :59 Page 1 Enquanto o computador armazena dados, você vende sua produção. Conheça o melhor serviço on-line para a comercialização de grãos no site Agronegócios-e do Banco do Brasil. Você inclui sua oferta 24 horas por dia e acompanha as negociações, em tempo real, direto do seu computador. Soluções em agronegócios. Quem produz tem o apoio do Banco do Brasil. BB Responde

3

4 Nesta edição Planeta Arroz apresenta as novidades de lavoura e de mercado do setor orizícola Planeta INDICADORES 6 Encartado 100 anos da lavoura de arroz irrigado A lavoura orizícola gaúcha com irrigação mecanizada, que a tornou a principal do Brasil, está completando 100 anos no plantio da safra 2003/ Santa Planeta HUMOR 38 Catarina Os pesquisadores da Epagri de Santa Catarina conseguiram colocar a lavoura arrozeira do estado entre as mais produtivas do mundo. Encarte especial Congresso do Arroz Irrigado O III Congresso Brasileiro de Arroz Irrigado e a XXV Reunião da Cultura do Arroz Irrigado, realizados em Camboriú, Santa Catarina, mostram que a sociedade científica está interessada nos resultados que os laboratórios estão proporcionando à lavoura do arroz. Planeta GENTE 8/9 Planeta IDÉIA 10 Planeta BUSINESS 22/23 Planeta MÚNDI 12 Planeta AGENDA Projeto 10 O Irga e um grupo de produtores rurais que acreditam fielmente na agregação de alta tecnologia para obter grandes resultados estão muito perto de conseguir a produtividade de 10 toneladas de arroz por hectare em lavouras de 10 a 20 hectares no município de Dom Pedrito, na fronteira-oeste do Rio Grande do Sul. Planeta ALMANAQUE 17 P l a n e t a Arroz Outubro 2003 Fotos de Robispierre Giuliani/Consultoria técnica de Jaceguay Barros e Marco Aurélio Marques Tavares / Editor-executivo: José Ricardo Gaspar do Nascimento / Jornalista responsável: Liberato Dios Circulação em todo o Rio Grande do Sul / R$ 7,50 Impresso na Gráfica Jacuí - Cachoeira do Sul (RS) - (51) Publicação de Jornal do Povo Ltda / Rua 7 de Setembro, Cachoeira do Sul (RS) - CEP / Fone (51)

5 Carta ao leitor Um plano, afinal A revista Planeta Arroz tem trabalhado, dentro de sua missão de informação aos integrantes da cadeia produtiva do arroz, sob dois princípios básicos, o de aproximar o seu leitor das novidades que vêm do campo, dos gabinetes, dos laboratórios e do mercado e oferecer uma interpretação destas realidades. Assim, nesta edição, o leitor receberá uma série de notícias sobre o Programa Arroz RS, com o sumo da informação, despido do natural exagero político e do hermetismo científico. Trata-se de um programa que merece ser saudado por seu compromisso com o aumento da produtividade, do volume de emprego e do faturamento dos vários setores da cadeia. Em bom momento, o Governo resolveu unir alguns dos projetos vencedores do Irga com a vontade política para apresentar este projeto. Boa leitura e feliz sorte para todos com o Arroz RS. Os números Arroz RS 200 milhões de dólares em benefícios aos produtores 330 milhões de dólares a mais no faturamento da indústria 33 milhões de dólares a mais em ICMS 4 mil novos empregos Portal Irga Projeto Fundo Comum de Commodities (FAO) Projeto 10 Projeto Clearfield Projeto de Capacitação e Treinamento Projeto Gestão Ambiental Projeto Arroz Híbrido Projeto Produção de Sementes Projeto de Sistematização de Solos Projeto Uso Alternativo do Arroz e Subprodutos Projeto Bolsa do Arroz Projeto Economia do Arroz - UFRGS Projeto Exportação Programa de Armazenamento Projeto Cooperativismo e Associativismo FONTE: IRGA

6 6 / Planeta Arroz Planeta INDICADORES Item Valores set/2002 Valores set/2003 Variação % Óleo diesel (litro) R$ 1,059 R$ 1,39 31,26 Gasolina comum (litro) R$ 1,969 R$ 2,25 14,27 Botijão de gás (13 kg) R$ 26,50 R$ 30,00 13,21 Arroz em casca (50 kg) R$ 20,50 R$ 33,50 63,41 Soja (60 kg) R$ 37,50 R$ 34,00-9,33 Milho (60 kg) R$ 15,50 R$ 16,00 3,23 Feijão (60 kg) R$ 65,00 R$ 65,00 0 Fumo médio tipo R$ 2,61 R$ 3,37 29,12 Virgínia TO2 (kg) Boi vivo (kg) R$ 1,55 R$ 1,80 16,13 Adubo (t) R$ 564,00 R$ 670,00 18,79 Uréia (t) R$ 565,00 R$ 760,00 34,51 Energia Celetro - R$ 0,19809 R$ 0, ,71 kwh (rural) Energia AES Sul - kwh R$ 0,31510 R$ 0, ,93 (residencial urbana) Trator New Holand R$ ,00 R$ ,00-2,94 TL75 80HP Colheitadeira R$ ,00 R$ ,00 56,66 New Holand (TC55 sem esteira) Salário mínimo nacional R$ 200,00 R$ 240,00 20,00 Dólar (comercial) - venda R$ 3,40 R$ 2,91-14,41

7

8 8 / Planeta Arroz Planeta GENTE Um homem do arroz no comando do Irga Em pouco mais de nove meses na presidência do Instituto Rio-grandense do Arroz (Irga), o rizicultor Pery Francisco Sperotto Coelho, 42 anos, conseguiu imprimir um novo ritmo à autarquia estadual e, com a participação fundamental do qualificado quadro, oferecer suporte e mecanismos para que a orizicultura gaúcha supere o desafio da sustentabilidade e da alta produtividade. O entrosamento com o conselho do instituto, formado por arrozeiros eleitos pela lavoura, também criou um ambiente favorável à tomada de decisões que demonstram estar o Irga retomando seu foco central: o suporte tecnológico para que o Rio Grande do Sul tenha uma lavoura competitiva. Para chegar a este sucesso, conta muito a trajetória de Sperotto na política setorial. Além de orizicultor, ele já foi vice-presidente do Sindicato Rural de Butiá e Minas do Leão, diretor de mercado da Federarroz, membro fundador da Comissão do Arroz da Farsul e conselheiro do Irga. Pery Francisco Sperotto Coelho

9 P l a n e t a m G e n t e Uma vida pelo arroz Planeta Arroz / 9 Mais de 30 anos de história no desenvolvimento de 15 cultivares de arroz e pesquisas estratégicas de melhoramento para a indústria e a lavoura arrozeira pela Embrapa Clima Temperado foram encerrados em julho, com a aposentadoria do pesquisador Arlei Terres. Considerado um dos principais pesquisadores do sul do Brasil nesta área, Terres participou em 1980 da geração da BRS Irga 410, uma das mais utilizadas até hoje. Ele também foi responsável pelo melhoramento de cultivares com características especiais para nichos de mercado, como variedades japônicas. A aposentadoria de Arlei Terres acontece aos 58 anos para que fixe residência em Capão do Leão, município próximo a Pelotas, no Rio Grande do Sul. O pesquisador destacava-se pela presença constante dentro da lavoura e em contato com os produtores. Para não perder muito deste contato, Terres formou uma horta nos fundos da casa e já tem convites para dar consultoria a empresas e produtores. Além disso, seu filho ingressou no curso de Agronomia na UFPel. O pai promete formar um novo melhorista. Terres: aposentado, mas ainda no ramo

10 direto da redação Arroz RS e o Governo O Rio Grande do Sul, principal 1produtor de arroz irrigado do Brasil, com um valor bruto de produção beirando um bilhão de dólares e gerando cerca de 250 mil empregos diretos e indiretos, está lançando mão de um programa governamental para alavancar a competitividade do setor. Estamos buscando rentabilizar o segmento arrozeiro gaúcho, de vital importância para o Rio Grande do Sul e, notadamente, a metade sul do estado, e garantir a sua sustentabilidade, afirmou o governador Germano Rigotto, no lançamento do Programa Arroz RS, em Porto Alegre. A meta do programa é promover 2o aumento de até uma tonelada por hectare (t/ha) na produção de arroz do Rio Grande do Sul, passando das atuais 5,5 t/ha para 6,5 t/ha, ao final das quatro próximas safras. Até 2007, queremos produzir mil quilos a mais do cereal, garantiu. O programa está alicerçado em ações que iniciam na área informativa, com o marketing do produto arroz gaúcho, ações de comunicação direta com o produtor e o incremento da pesquisa forte e da extensão rural, com apoio total às experiências que estão sendo gestadas nos órgãos vinculados. 10 / Planeta Arroz Planeta IDÉIA A história segundo a Capital do Arroz Cachoeira do Sul, importante cidade da depressão central do Rio Grande do Sul e berço da mecanização da lavoura orizícola, que ostenta com orgulho o título de Capital Nacional do Arroz e promove bianualmente a Feira Nacional do Arroz, lançou no mês de agosto um projeto ousado: vai construir o Museu Internacional do Arroz, um espaço destinado a contar a história da cultura no Brasil e no mundo. Inicialmente é projetada a localização do museu no complexo que sediou o Engenho Brasil (Roesch), o mais importante do Rio Grande do Sul na primeira metade do século 20. No local serão instaladas áreas para exposições de outros países arrozeiros, bibliotecas, salas de vídeo, salas de projeção, artesanato, artes plásticas, pinacoteca, memoriais de sementes, memoriais da in- 3Anote aí dústria, exposição permanente de máquinas e implementos, memoriais de pioneiros, salas de exposições, restaurantes típicos, livrarias, educação patrimonial, história oral e outras atividades também ligadas à educação e, especialmente, à orizicultura. Pequenas lavouras, nos mais diversos sistemas, deverão ser formadas em ambientes especiais. RESGATE - Segundo o presidente da ONG Defender, uma das organizações envolvidas na proposta, Carlos Eduardo Dreyer, o museu tem o objetivo de resgatar a história do arroz no Brasil e no mundo e servir de palco para construir passo a passo a moderna história desta cultura. A proposta prevê ainda a reativação de um locomóvel alemão de 480 HP para geração de energia, criando assim um ecomuseu. Localizado no coração da cidade, o complexo Engenho Roesch é composto por um grupo de sete prédios, totalizando metros quadrados de área construída num terreno de metros quadrados. Inicialmente, a área aproveitada seria de 7,2 mil metros quadrados que possui três pavimentos divididos em diversas salas e compartimentos.

11

12 12 / Planeta Arroz Vietnã exporta mais arroz O Vietnã, um dos principais fornecedores de arroz para o Brasil, elevou sua meta de exportações do cereal para 3,9 milhões de toneladas em 2003, 11,4% maior que a meta anterior e 20% superior ao desempenho do ano passado, informa o representante do Ministério do Comércio do país. As vendas deverão estar mais aquecidas e a preços mais altos em relação aos praticados no começo do ano, afirma. Nos primeiros seis meses deste ano, as exportações de arroz totalizaram 2,39 milhões de toneladas por um preço médio de 191 dólares a tonelada. Planeta MÚNDI Arroz, um velho conhecido O arroz já é um velho amigo da humanidade. Originária da Ásia, essa planta aquática de delicados grãos brancos teve seu cultivo iniciado possivelmente na Índia, há cerca de cinco mil anos. Por isso, o cultivo de arroz é considerado um dos mais antigos da história. Arroz contra a calvície Um cientista da Tailândia usou o arroz para desenvolver uma nova fórmula de xampu que promete, além de regenerar a cor natural de cabelo, combater a calvície prematura. Sonwongse Trakoorung, diretor do Centro Nacional de Engenharia Genética, explicou que o xampu elaborado com grãos de arroz aromático denominado Hom Nil contém agentes ativos que lhe dão poder regenerador.

13

14 direto da redação L a v o u r a 14 Híbrido do Irga O Instituto Rio-grandense do Arroz 1deu start no Projeto Arroz Híbrido, com a assinatura de convênio com o Instituto Hunan, da China, por intermédio da Agropecuária Ana Paula, de Bagé. A partir do acordo, firmado durante a Expointer 2003, o Irga se insere no panorama mundial de pesquisa e melhoramento de cultivares híbridas, com a particularidade de buscar adaptação às condições edafoclimáticas gaúchas, segundo informou o gerente da Estação Experimental do Arroz, em Cachoeirinha, Maurício Fischer. Os híbridos podem alcançar produtividade até 20% superior às cultivares top que existem atualmente no mercado. Pelo convênio, técnicos do Irga 2serão qualificados pelos chineses. Cinco pesquisadores da China trabalharão no Irga. Este intercâmbio também permitirá ao instituto estabelecer uma geração de inverno em Alagoas e estudar algumas mudanças de manejo, como a densidade de semeadura e a tolerâncias às doenças. As desvantagens do sistema são a qualidade do grão e, principalmente, o custo da semente, em torno de quatro dólares o quilo. O horizonte ao alcance das mãos Irga está muito próximo de chegar à produtividade de 10 toneladas de arroz por hectare O Instituto Rio-grandense do Arroz e um grupo de produtores rurais que acreditam fielmente na agregação de alta tecnologia para obter grandes resultados estão muito perto de conseguir a produtividade de 10 toneladas de arroz por hectare em lavouras de 10 a 20 hectares no município de Dom Pedrito, na fronteira-oeste do Rio Grande do Sul. Eles integram o Projeto 10, uma proposta que reúne as melhores técnicas desenvolvidas pelas pesquisas do instituto, e aplicarão este manejo otimizado pela terceira vez em suas lavouras. O idealizador e coordenador do projeto, Valmir Gaedke Menezes, acredita que a meta só não foi alcançada em algumas lavouras na safra 2002/ 2003 pelos efeitos negativos do fenômeno climático El Niño. O melhor resultado foi do produtor Otto Prade, que chegou a Valmir Gaedke Menezes produzir 9,2 toneladas por hectare. Isto é praticamente o dobro da média gaúcha na safra passada e mais de 80% sobre a média regional. A lavoura que integra o projeto e menos produziu alcançou uma média de 6,5 mil quilos por hectare, mas ainda quase 1,5 tonelada sobre a média de Dom Pedrito, de quilos. Na comparação das médias, as lavouras do Projeto 10 produziram 50,9% a mais do que as demais do município, enfatizou o gerente regional do Irga em Dom Pedrito, Eloy Cordeiro.

15

16 16 / Planeta Arroz L a v o u r a Duas colheitas em uma Entre os avanços registrados, apesar dos problemas climáticos, está a melhoria da qualidade de grãos e evolução da produtividade na comparação das lavouras de 2001/ 2002, quando não houve El Niño e a produtividade média regional esteve acima de seis mil quilos/hectare. Além do aumento da produtividade, o Projeto 10 apresentou um retorno econômico de 80 sacos por hectare, enquanto a lavoura tradicional apresentou menos da metade: 34. Isso representa, na comparação, que os produtores que estão adotando o manejo qualificado fazem o equivalente a mais de duas colheitas em um ano, frisa Menezes. O custo de produção do Projeto 10 foi de R$ 16,68 por saco de 50 quilos em casca, contra R$ 22,55 da lavoura convencional. O investimento em insumos das lavouras do programa, no entanto, apresentou um desembolso 13% maior, principalmente em nutrição. Houve redução nos investimentos em sementes e herbicidas. Resultados do Projeto 10 Total de toneladas por hectare Produtores Elvio Marchesan 7,55 8,33 Gilberto Raguzzoni 7,22 9,02 Otto Prade 8,92 9,24 Anselmo Marchezan 8,37 7,27 Guatambu 7,59 8,85 Almir Vieiro - 7,70 Jair Rossato - 7,16 Fonte: Irga Questão básica O que ainda precisa melhorar no Projeto 10? Quem responde é Valmir Gaedke Menezes, idealizador e coordenador do programa pelo Irga: Com base nas avaliações técnicas e nos resultados já obtidos, eu diria que falta pouco para essas lavouras que agregaram métodos de alta tecnologia. Mas falta muito para as lavouras convencionais. Para a safra 2003/2004, vamos enfatizar o manejo da água, que ainda não foi realizado de acordo com o que está proposto. É preciso entrar com ela mais cedo na lavoura. Só neste item, já poderemos observar uma diferença significativa. Sem a interferência negativa do clima, estamos muito otimistas em alcançar uma produtividade ainda maior nessas lavouras. Quem sabe as 10 toneladas propostas, afirmou. Lavouras nos moldes do Projeto 10 foram instaladas em outras regiões gaúchas na safra 2002/2003, apresentando resultados superiores às médias regionais.

17 Treichel recebe prêmio A empresa Alfredo A. Treichel & Cia Ltda, dona das marcas de arroz Vera e Verinha, foi uma das 28 que receberam, em Porto Alegre, em julho, o Prêmio Competência Empresarial do Rio Grande do Sul A distinção foi concedida pela Lester Comunicação & Marketing, que realiza o evento pelo sétimo ano consecutivo. O empresário Alfredo Albino Treichel, que também preside a Associação Brasileira da Indústria do Arroz Parboilizado, recebeu o troféu. O Engenho Treichel fica em Cachoeira do Sul, no Rio Grande do Sul, e sua indústria foi completamente modernizada recentemente. Planeta ALMANAQUE Planeta Arroz / 17 Mais custo Levantamento da equipe de política setorial do Irga aponta que o custo de produção de arroz no Rio Grande do Sul ficará 16,04% mais caro na safra O cálculo considera o IGP-DI de fevereiro/junho de 2003, de 2,29%, e não inclui custo de licença de CUSTO Hectare R$ 2.647,06 R$ 3.071,60 Saco de 50 kg R$ 24,18 R$ 28,36 operação da Fepam exigida no RS. Com este estudo, quem produzir 100 sacos de arroz por hectare, dificilmente cobrirá seus custos com venda imediatamente após a colheita. Sinop Os altos custos para transportar a produção até os portos na região sul do país - Santos (SP) e Paranaguá (PR) - acabaram impedindo a primeira exportação de arroz produzido em Sinop para a Austrália. Em junho, exportadores fizeram um levantamento de preços e Sinop estava na lista de pesquisa, mas o frete alto acabou inviabilizando a concorrência.

18

19

20 T e r r a s a a l t a s 20 Mato Grosso não pára Estado vai plantar mais de 500 mil hectares para 2004 Banco de dados n No ano passado, o Mato Grosso plantou cerca de 380 mil hectares de arroz, pois a soja vinha com melhor performance no mercado. Produziu cerca de 1,075 milhão de toneladas. n A consultoria Safras & Mercado projeta uma área plantada de 3,514 milhões de hectares de arroz na safra 2003/2004, indicando uma ção. Agora, na recuperação de pastagens degradadas, a cultura encontrou um espaço significativo. De acordo com Walter Peters, um dos problemas enfrentados pelos produtores do Mato Grosso é a falta de sementes fiscalizadas para o arroz primavera, que corresponde à metade da elevação de 8,7% sobre os 3,232 milhões de hectares da safra anterior. n Pelas projeções da Embrapa, o Mato Grosso deverá produzir entre 1,3 e 1,5 milhão de toneladas de arroz na próxima safra, considerando boas condições climáticas e uma produtividade de 2,9 mil quilos por hectare a três mil quilos. A área a ser cultivada com arroz no Mato Grosso deve chegar a 500 mil hectares para a safra 2003/2004, segundo estimativa de Walter Peters, gerente de transferência de tecnologias da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) do Mato Grosso. O aumento será superior a 25% na área, devendo superar meio milhão de hectares, indica. Qual o motivo para este boom da cultura no Cerrado? Peters responde: O custo em relação a outras culturas está baixo e, em determinado momento em algumas regiões, o arroz chegou a valer mais do que a soja. A recuperação de cerca de cinco milhões de hectares com pastagens degradadas deve ser também um importante incentivo para a ampliação da área com arroz no Mato Grosso. Gradualmente essa área abrirá espaço para o cereal, que entra como cultura intermediária no sistema produtivo do Centro-oeste. Até agora, o arroz era visto como cultura de abertura de área, cedendo espaço depois para o algodão, a soja e o milho, entre outras culturas. A pesquisadora da Embrapa Arroz e Feijão, Beatriz Pinheiro, destaca que o grande desafio do arroz no Centro-oeste brasileiro, principalmente Mato Grosso, Goiás e Tocantins, era integrar-se ao sistema de produárea cultivada no estado. Somente 20% a 25% das sementes desta variedade são fiscalizadas, alerta. Para a temporada 2003/2004, a Embrapa pretende comercializar 70 toneladas de sementes do arroz primavera, o de maior demanda na lavoura e por parte da indústria e do consumidor.

21 T e r r a s a a l t a s 21 Aposta na várzea Goiás tenta recuperar o interesse pelo cultivo de arroz Dois empreendimentos de irrigação em regiões de várzea recuperaram o interesse dos agricultores goianos no cultivo do arroz. Os projetos Luis Alves e Flores de Goiás repetem experiências coordenadas pelo Governo na incorporação ao sistema produtivo de áreas com potencial agrícola. O projeto Luis Alves encontra-se na planície do Médio Rio Araguaia, na divisa de Goiás com o Mato Grosso, a 520 quilômetros de Goiânia (GO). Previsto para ocupar 30 mil hectares, sendo metade reserva ambiental, a iniciativa está com a primeira de suas três etapas concluída. São dois mil hectares sistematizados, com estruturação de diques, sistema de captação de água por bombas adutoras e canais de irrigação e drenagem. O agricultor Ozório Coelho é um dos pioneiros em Luis Alves, onde lida com o arroz desde Ele afirma que se sente tão estimulado com a rizicultura que desde o ano passado expandiu a produção. Além da safra de verão, passei a fazer em 2002 o plantio de inverno, diz. Apesar do entusiasmo, Ozório conta que enfrenta um problema grave: a falta de materiais para semeadura. Segundo o melhorista da Embrapa Arroz e Feijão, Paulo Hideo Rangel, uma das saídas possíveis para o impasse LEITURA DINÂMICA Os projetos irrigados de Goiás PROJETO LUIZ ALVES Divisa Goiás com Mato Grosso 2 mil hectares sistematizados PROJETO FLORES DE GOIÁS Nordeste de Goiás 1 mil hectare sistematizado é que o processo de multiplicação de sementes dessas cultivares seja feito por agricultores selecionados dentro do próprio projeto de irrigação para o atendimento aos demais. Rangel diz que novas variedades estão por vir e deverão despertar a atenção dos produtores. Existem 10 linhagens, oriundas do cruzamento com Metica 1, as quais foram incorporados genes de resistência à brusone. Desses materiais, dois serão escolhidos para serem lançados. A brusone é uma doença fúngica bastante comum nas várzeas tropicais e pode ocasionar perdas significativas. REENCONTRO - O projeto Flores de Goiás fica a 450 quilômetros de Goiânia e possui características bem diferentes de Luis Alves. Ele está localizado no nordeste do estado, em uma região carente, e pode beneficiar centenas de pequenos e médios produtores. O empreendimento irá alcançar uma área total de irrigação de 25 mil hectares, compreendendo a faixa que vai do Rio Paraná ao Rio Macacão. Ou seja, da cidade de Formosa até Alto Paraíso, passando por várias propriedades, dentre elas quatro assentamentos. A irrigação se dá por gravidade em cerca de mil hectares. Duas outras barragens menores estão em fase final de construção e outras sete serão feitas. Para a implementação da iniciativa, foram desapropriadas apenas as áreas das barragens. O relacionamento dos produtores de Flores de Goiás com a cultura do arroz vem de longa data. O cereal já predominou na região, mas entrou em declínio na década de 90. De 1985 a 1995, o número de produtores decresceu de 30 para 15.

22 22 / Planeta Arroz Mercado O mercado do arroz apresentou acentuada volatilidade no ano de 2003, com surpreendente escalada de preços em plena safra, em todas as regiões produtoras do Brasil, principalmente no Rio Grande do Sul. Inúmeras variáveis são responsáveis por este desempenho, entre elas os preços do cereal em casca na entressafra, com acentuadas altas refletindo a sobrevalorização do dólar. Uma inadequada administração dos estoques públicos no Rio Grande do Sul, ainda em 2002, onde as 524 mil toneladas armazenadas foram ofertadas em um prazo relativamente curto, contribuiu para a valorização do produto e refletiu no mercado interno. Os estoques governamentais ficaram praticamente zerados, pressionando a formação de preço para a safra 2002/2003. O estoque de passagem ficou em 972 mil toneladas (menos de 10% do consumo nacional). Planeta BUSINESS MARCO AURÉLIO MARQUES TAVARES Diretor de mercado da Federarroz n Mercado & política do arroz n Faltou dinheiro No Rio Grande do Sul, historicamente, há um aumento de até três vezes da oferta sobre a demanda, que corresponde a 500 mil toneladas mensais, no estado e para o restante do Brasil. Esta situação deprime os preços na safra, entre março e abril, determinando reflexos durante todo o ano e na cadeia produtiva. A pressão da oferta também resulta da descapitalização do setor nos últimos 10 anos. Em 2002, a utilização de mecanismos de sustentação de preços deu suporte a preços firmes durante o ano. Em 2003, a falta de recursos governament a i s p a r a apoiar a comercialização determinou a necessidade de uma reordenação no setor produtivo, que escalonou as vendas. Clima vilão Por questões climáticas, o Rio Grande do Sul apresentou uma quebra de produtividade superior a 700 mil toneladas sobre a previsão inicial, alterando a relação de mercado em 2003 e projetando a necessidade de importação de terceiros países e impactando os preços. O quadro de produção abaixo do previsto no Brasil, na Argentina e no Uruguai, também prejudicados pelo clima, ajustou oferta e demanda também no Mercosul. Os excedentes exportáveis dos vizinhos países não são suficientes, este ano, para abastecer o mercado brasileiro. Novo vetor As indústrias brasileiras negociaram, ainda em 2002, importações de arroz norte-americano em casca, criando um novo vetor de preços com paridade no mercado internacional. A ala econômica do Governo Federal, com base nestes dados e preocupada com a possível falta do produto para atender à demanda nacional pelo arroz - que vem reduzindo bastante - e objetivando diminuição de preços ao mercado consumidor, reduziu a Tarifa Externa Comum (TEC) do arroz para 4%, permitindo a importação de 500 mil toneladas do produto (100 mil com base beneficiada), entre 1º de outubro e 31 de dezembro de 2003.

23 Planeta Arroz / 23 P l a n e t a m B u s i n e s s Preços firmes Vários componentes contribuirão para os preços firmes na entressafra, mas muita coisa pode acontecer para atrapalhar. Veja o que ajudará a pender a balança: PARA AJUDAR n Sobra nos estoques públicos com a redução da TEC n Necessidade de importações expressivas de terceiros mercados n Comportamento do consumo brasileiro n Programa Fome Zero n Redução na produção brasileira e do Mercosul n Aumento das commodities no mercado internacional n Preços no mercado mundial com paridade da saca acima de 10 dólares n Permanente redução dos estoques mundiais n Safra dos Estados Unidos menor que a expectativa PARA ATRAPALHAR n Riscos de importações excessivas, gerando excedente na próxima safra n Política comercial agressiva dos EUA n Estoque de passagem americano n Mudança de hábitos do consumidor (com preços do quilo do arroz acima de US$ 0,70/kg) inibindo demanda e gerando inflação n Redução da TEC, facilitando as importações n Aumento indiscriminado de área no Brasil e no Mercosul, gerando grandes excedentes O maior dos acertos A mudança no perfil de comercialização adotada pelos produtores gaúchos contribuiu para a nova realidade de mercado. A busca da qualidade de grãos, somada à retenção do produto na safra e utilização de mecanismos alternativos, também foi fundamental. Todas as estratégias e esforços conjugados consolidaram, organizaram e promoveram a integração da cadeia produtiva com grande parcela de responsabilidade para o sucesso do setor. Gauchada acertou ao mudar o perfil da comercialização De cocheira Segundo o consultor Adriano Vendeth de Carvalho, da agência Solo Brazil Mercados Agrícolas, a venda dos estoques que ainda estão com os produtores neste início de plantio evitaria a formação excessiva de estoques, especialmente na Região Sul, ocasionando menores reajustes nos supermercados e estimulando assim a tão necessária demanda no varejo. Por outro lado, a Conab dispõe de um estoque público totalmente inexpressivo para complementar o abastecimento das regiões com uma menor capacidade produtiva. O avanço menos expressivo das cotações nas últimas semanas em grande parte é reflexo da fraca demanda no mercado varejista, o qual de um modo geral vem sofrendo as conseqüências de um poder aquisitivo muito baixo da maior parte da população brasileira.

24 direto da redação 20 / Planeta Arroz Planeta SHOP Equipalcool, 20 anos Arroz e soja O desenvolvimento de cultivares de soja tolerantes ao 1 estresse hídrico, por excesso ou falta, adaptadas às condições de várzea no Rio Grande do Sul é o novo desafio do Instituto Rio-Grandense do Arroz (Irga). Melhoristas da área de soja foram contratados para estabelecer um programa de melhoramento de soja para várzeas, um projeto que integra o Programa Arroz RS. A leguminosa surge como a principal 2 opção para a rotação de culturas em baixios, por sua capacidade de fixar nitrogênio no solo, possibilitar o controle de inços e, ainda, gerar um bom resultado econômico para o produtor. O Rio Grande do Sul tem 3 milhões 3de hectares de várzeas, nas quais a única cultura adaptada é o arroz. Anualmente, o Rio Grande do Sul planta perto de um milhão de hectares de arroz, por deficiência de água. Restam dois milhões para outras finalidades. Estima-se que o potencial para soja, dentro destes dois milhões, seja de 400 mil hectares, aproveitando-se as áreas mais apropriadas. Atualmente, cerca de 100 mil hectares de várzeas são plantados com soja no RS, segundo estimativa da Emater-RS. Parque industrial da equipalcool: tecnologia e foco no objetivo, isto há 20 anos A Equipalcool Sistemas Ltda está comemorando o seu 20º aniversário. São 20 anos de trabalho com o objetivo de projetar, industrializar e comercializar equipamentos pesados destinados à utilização em vários segmentos do mercado, destacando-se, entre eles, centrais termelétricas que utilizam casca de arroz como matéria-prima, diz o diretor Sérgio Vanzella. Para atingirmos nossos objetivos, a Equipalcool desenvolve e usa a mais alta tecnologia disponível, garante outro diretor, Orlei Bernuzzi. A Equipalcool surgiu de uma parceria com profissionais de grande conceito no mercado. Através dos investimentos realizados e um primordial avanço tecnológico, a empresa cresceu e hoje projeta e fabrica produtos inovadores, tornando- se assim um referencial no setor energético. A partir de inúmeras experiências no setor de energia, a Equipalcool projeta e fabrica equipamentos movidos pela biomassa casca de arroz. A empresa projetou, por exemplo, a BK Energia Uruguaiana, com capacidade de produção de 40 mil quilos V.H. com sistema de remoção de cinzas. Com sua filosofia de produtos e serviços ecologicamente corretos, a Equipalcool também acredita no potencial humano, colaborando decididamente no desenvolvimento social e educacional de todo o Brasil, finaliza o terceiro diretor, Reinaldo Alioti.

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Estado do Rio Grande do Sul CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Boletim de Informações

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente.

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente. APRESENTAÇÃO O presente diagnóstico Sócio-Econômico da Lavoura de Arroz e sua cadeia produtiva têm por finalidade apresentar sua relevante importância no município de Arroio Grande e Zona Sul, sendo a

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE A Fundação Pró-Sementes aponta que um dos grandes problemas encontrados nos arrozais é a forte atuação de plantas invasoras, que são de difícil controle, prejudicando

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

OPORTUNIDADE: Associar sua marca a uma das maiores vitrines de negócio do Cerrado Brasileiro. PERÍODO DE REALIZAÇÃO: 24 a 27 de março de 2015

OPORTUNIDADE: Associar sua marca a uma das maiores vitrines de negócio do Cerrado Brasileiro. PERÍODO DE REALIZAÇÃO: 24 a 27 de março de 2015 SHOW SAFRA BR 163 O Show Safra BR163 é idealizado pela Fundação Rio Verde para ser uma feira de novas tecnologias com foco comercial e ainda abre espaço para discussões de temas técnicos, políticos, sociais

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 Eng. Agr. Sérgio Iraçu Gindri Lopes Gerente da Divisão de Pesquisa Estação Experimental

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz Soja Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio A soja (Glycine max (L.) Merrill) que hoje é cultivada mundo afora, é

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Terça-feira, 23.08.11

Terça-feira, 23.08.11 Terça-feira, 23.08.11 Veja os destaques de hoje: 1. Governador em exercício participa da reunião de renovação do Programa Bolsa Universitária 2. Programa Lavoura Comunitária 3. ONU lança campanha O Planeta

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Strider nas fazendas A queda de braço entre custo e produtividade:

Leia mais

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM 2014-2015 é a identificação das cultivares produzidas pela Embrapa. Elas são desenvolvidas visando alta produtividade e qualidade de grãos aliadas

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB13.02 16 de dezembro de 2013 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

Edição 38 (Março/2014)

Edição 38 (Março/2014) Edição 38 (Março/2014) Cenário Econômico: A atividade do comércio varejista registrou crescimento de 6,1% em fevereiro ante o mesmo período do ano anterior, na terceira aceleração consecutiva do resultado

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho José Carlos Cruz 1, Israel Alexandre Pereira Filho 1, João Carlos Garcia 1, Jason de Oliveira Duarte 1, João Herbert Moreira Viana 1, Ivan Cruz 1, Rodrigo

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões PGPM A. EGF SOV COV B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO Aquisições via Preços Mínimos Via Leilões Estados e Municípios Leite Compra Local Compra Direta Compra Especial Formação de Estoque Doação Simultânea EMPODER

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

QUALIDADE DO EFLUENTE GERADO NO PROCESSO DE PARBOILIZAÇÃO DE ARROZ. Catia Cirlene Felipi 1 Cladir Teresinha Zanotelli 2

QUALIDADE DO EFLUENTE GERADO NO PROCESSO DE PARBOILIZAÇÃO DE ARROZ. Catia Cirlene Felipi 1 Cladir Teresinha Zanotelli 2 QUALIDADE DO EFLUENTE GERADO NO PROCESSO DE PARBOILIZAÇÃO DE ARROZ Catia Cirlene Felipi 1 Cladir Teresinha Zanotelli 2 1 UNIVILLE Universidade da Região de Joinville Curso de Engenharia Ambiental Rua Júlio

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

agricultura familiar

agricultura familiar saúde A importância da agricultura familiar na merenda escolar Iniciativas em Santa Rosa do Viterbo são exemplos de sucesso Por Danielle Lautenschlaeger Inúmeras famílias brasileiras ainda obtêm sua renda

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. ORGÂNICOS SÃO CAROS. POR QUÊ? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br Quem nunca ouviu ou falou

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação.

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. Avanços da Agricultura Brasileira. Passou de importador

Leia mais

Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul

Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul Luís Davi Vicensi Siqueira PPG Economia do Desenvolvimento PUCRS luis.davi@ibest.com.br Carlos Eduardo Lobo e Silva PPG Economia do Desenvolvimento PUCRS

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais