GESTÃO DOCUMENTAL. Procedimentos de protocolo. Marli Marques de Souza Denise de Almeida Silva Johanna W. Smit Jorge Henrique dos Santos Nascimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DOCUMENTAL. Procedimentos de protocolo. Marli Marques de Souza Denise de Almeida Silva Johanna W. Smit Jorge Henrique dos Santos Nascimento"

Transcrição

1 GESTÃO DOCUMENTAL Procedimentos de protocolo Marli Marques de Souza Denise de Almeida Silva Johanna W. Smit Jorge Henrique dos Santos Nascimento 2010

2 UNivErSiDADE DE SÃO paulo reitor João Grandino rodas vice-reitor Franco maria lajolo pró-reitora de Graduação telma maria tenório Zorn pró-reitor de pós-graduação Vahan Agopyan pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária ruy Alberto corrêa Altafim pró-reitor de pesquisa marco Antonio Zago CODAGE - Coordenadoria de Administração Geral Antonio roque dechen Arquivo Geral Johanna W. smit GESTÃO DOCUMENTAL: procedimentos DE protocolo marli marques de souza denise de Almeida silva Johanna W. smit Jorge Henrique dos santos nascimento Estagiários Alan Gonçalves de souza Aline laura nascimento tavella denis Uezu Juliana Almeida dos santos informações: ArqUiVo GerAl sausp - sistema de Arquivos da Universidade de são Paulo rua Francisco dos santos, 107 são Paulo-sP telefones: (11) / / Fax: (11) site: editado em 2010 produção gráfica: coordenadoria de comunicação social divisão de relações Públicas, marketing e Publicidade

3 SUMÁRIO Apresentação... 7 Introdução... 9 Mapa geral do trâmite de processos e protocolados na USP Recepção de documentos produzidos pela USP Recepção de documentos provenientes de fora da USP Busca Registro de processo no PROTEOS Montagem de processo Registro de protocolado no PROTEOS Montagem de protocolado Trâmite Abertura de novo volume Juntada/entranhamento de documentos Anexação de protocolado ao processo Juntada de processos Desentranhamento Apensamento Desapensamento Desdobramento Regularização de identificação do processo/protocolado Extravio de processo/protocolado e abertura de 2a via Registro de informações em processos e protocolados Arquivamento Desarquivamento Conceitos básicos de protocolo e arquivo sumário 5

4 6

5 Apresentação Além do caráter probatório da realização de atividades pela USP, os documentos que as viabilizam também permitem o registro de sua história institucional. Estes documentos formam um valioso acervo que espelha o comportamento de nossa universidade tanto em suas atividades-meio quanto em suas atividades-fim: ensino, pesquisa e extensão. Para comprovar e viabilizar a realização de tais atividades é necessário produzir/receber documentos. No âmbito administrativo, mais do que a produção de documentos, aquilo que corrobora para a garantia de direitos e cumprimento de deveres por parte das entidades públicas, é a gestão de documentos. A racionalização do fluxo de documentos possibilita seu controle, atribuindo-lhes também a autenticidade. O trâmite, a organização, a preservação, a avaliação e o efetivo acesso aos documentos são questões que permeiam a gestão de documentos. Sendo o presente manual produto de uma parceria entre o Arquivo Geral da USP e o Departamento de Administração, ambos subordinados à Coordenadoria de Administração Geral da USP, sua segunda versão, agora revista e ampliada, responde e contribui a uma demanda gerada pelas preocupações dos agentes públicos da nossa universidade no que se refere ao trato dos documentos. A padronização de procedimentos relacionados aos documentos em fase corrente é uma ação que trará benefícios rumo ao aperfeiçoamento da gestão de documentos da USP. Foi para esse objetivo que este manual foi desenvolvido. Coordenadoria de Administração Geral da USP Maio/2010 apresentação 7

6 8

7 introdução A preocupação com os documentos públicos produzidos ou recebidos pela USP não é recente e já acumulou uma série de experiências ao longo dos últimos 20 anos, orientados pela Divisão de Comunicações Administrativas do Departamento de Administração da CODAGE. Nesse período foi também institucionalizado o Sistema de Arquivos da USP, consolidando e sistematizando procedimentos que já tinham sido incorporados à prática cotidiana. A gestão documental obedece a uma série de procedimentos que se impõem tanto para fornecer um efetivo apoio à administração como também para garantir a autenticidade dos documentos que tramitam nos e entre os diferentes órgãos/unidades da universidade. Dito em outros termos, de nada adianta produzir ou receber documentos oficiais se não for possível detectar onde os mesmos se encontram, se a ele foram incorporados outros documentos ou se algumas folhas foram retiradas de seu miolo. O presente manual, revisado e ampliado, visa auxiliar os servidores envolvidos na gestão documental - com especial destaque para os servidores que atuam nos protocolos - objetivando tornar mais simples a compreensão dos diferentes procedimentos e as regras aos quais os documentos estão submetidos, de modo a preservar o valor probatório dos mesmos. Procedeuse, portanto, à revisão do Manual do Proteos, atualizando alguns detalhes e reorganizando as informações sob forma de fluxogramas que apresentam, de forma clara, as diferentes etapas e procedimentos da gestão documental. O manual segue uma ordem lógica, apresentando inicialmente um fluxograma geral dos procedimentos pelos quais os documentos passam em sua fase corrente. Em seguida cada procedimento é esquematizado num fluxograma, completado pelos textos de despachos quando pertinente e pelas telas preenchidas do sistema PROTEOS quando o procedimento envolve uma transação no sistema informatizado. Em alguns casos, há ainda um registro de alguns procedimentos particulares que não foram incorporadas aos fluxogramas para não comprometer sua legibilidade. Um glossário dos termos utilizados nesse manual se encontra ao final. Para identificar, nos fluxogramas, os procedimentos manuais, aqueles que devem ser realizados no sistema PROTEOS, as atividades dos mensageiros e ainda chamar a atenção para a existência de notas importantes, adotamos as seguintes convenções: Operação manual PROTEOS Mensageiro Notas importantes Na esperança que o manual possa contribuir para simplificar e padronizar a atividade do protocolo, fundamental para o sucesso da gestão documental, agradecemos aos que quiserem fazer sugestões ou críticas pelo introdução 9

8 10

9 MAPA GERAL DO TRÂMITE DE PROCESSOS E PROTOCOLADOS NA USP INÍCIO I INÍCIO II Recepção de documentos produzidos pela USP BUSCA Recepção de documentos provenientes de fora da USP Existe processo Não existe processo está em trâmite está arquivado Abertura de ProTOCOLADO (registro + montagem) Juntada de documentos Abertura de Processo (registro + montagem) INSTRUÇÃO abertura de novo volume juntada de documentos/ entranhamento anexação ao processo juntada de processos desentranhamento (des)apensamento desdobramento regularização TRÂMITE Protocolado Processo Anexação ao processo Arquivamento desarquivamento MAPA GERAL DO TRÂMITE DE PROCESSOS E PROTOCOLADOS NA USP 11

10 RECEPÇÃO DE DOCUMENTOS PRODUZIDOS PELA USP INÍCIO Solicitação de abertura de processo, protocolado ou juntada Ler o documento, identificar o interessado e atividade de que trata Registro de data e hora de recebimento do documento, com a assinatura do funcionário Seguir: BUSCA RECEPÇÃO DE DOCUMENTOS PROVENIENTES DE FORA DA USP 12 NOTAS É de responsabilidade das Unidades/Órgãos solicitar a abertura e autuação de processos, protocolados ou juntada de documentos, através de despacho no próprio documento ou de memorando. A solicitação deverá conter: - Encaminhamento a ser dado ao documento após a respectiva providência; - Nome do setor solicitante, data e assinatura.

11 RECEPÇÃO DE DOCUMENTOS PROVENIENTES DE FORA DA USP INÍCIO Devolver a quem o trouxe Verificar se o documento deve ser recebido pela USP Está de acordo com as exigências formais? sim NÂO Entregar cartãoprotocolo ou cópia do documento carimbado Registrar data e hora do recebimento, com assinatura NOTAS Ler o documento, identificar o interessado e atividade de que trata Seguir: BUSCA O Protocolo somente pode recusar o recebimento de um documento, processo ou correspondência, se este não estiver endereçado à USP, à Unidade, ou a qualquer autoridade do Órgão ou, ainda, se não contiver identificação e assinatura do solicitante. RECEPÇÃO DE DOCUMENTOS PRODUZIDOS PELA USP 13

12 BUSCA INÍCIO Seguir: abertura de protocolado BUSCA: Há processo aberto com a mesma finalidade? NÃO PROTEOS1 SIM Arquivado Em trâmite Qual a situação do processo? Seguir: abertura de processo Seguir: desarquivamento TELA PROTEOS 1 - Busca BUSCA 14

13 TELA PROTEOS 1.1 TELA PROTEOS 1.2 NOTA 1 Âmbito de aplicação: usuários dos setores de protocolo Ler com atenção o que está sendo solicitado no documento recebido. Analisar o conteúdo para identificar o interessado e a que atividade se refere. Consultar o Sistema Proteos, através da transação busca para verificar a existência de processo aberto sobre o mesmo assunto. Constatada a existência de processo aberto sobre o mesmo assunto, o documento não constituirá novo processo, devendo ser juntado ao já existente. Exemplo: contrato, contagem de tempo, afastamento, etc. Existindo processo aberto sobre o mesmo assunto, mas tratando-se de novo evento ou situação sujeita a decisões e providências independentes do processo já aberto, deverá ser providenciada nova abertura. Exemplo: processos da área de finanças e materiais, novos convênios, área jurídica, etc. Não existindo antecedentes sobre o assunto, ou definida a conveniência de abertura de novo processo o documento será registrado no Sistema Proteos através da transação abre processo. NOTA 2 Âmbito de Aplicação: todos os usuários do sistema Proteos O Sistema busca processo ou protocolado do qual não se conhece o número, mas sabe-se informações a respeito do interessado ou assunto: Digite no campo Buscar palavras-chave que compõem o assunto, interessado ou pode ser também uma combinação de palavras entre os campos interessado e assunto. Preencha o escopo limitando a busca a processos ou protocolados, especifique a Unidade desejada e o ano. Clique no botão Buscar Processo. O Sistema lista os processos ou protocolados que contenham as informações desejadas e que atendam ao escopo especificado. Quanto mais específico for o escopo, mais eficiente é a busca BUSCA 15

14 REGISTRO DE PROCESSO NO PROTEOS INÍCIO PROTEOS 2 de Abertura do processo Clicar em abrir processo Registro no sistema selecionar e preencher: documento-base interessado código de classificação detalhamento e saída para o setor-destino Gerar folha da identificação do processo Anotar núnero do processo no verso da folha 2 e o total do número de folhas Gerar número de processo Seguir: MONTAGEM DO PROCESSO TELA PROTEOS 2 - Abertura de Processo REGISTRO DE PROCESSO NO PROTEOS 16

15 TELA PROTEOS 2.1 TELA PROTEOS 2.2 TELA PROTEOS 2.3 NOTAS Âmbito de aplicação: setores de Protocolo da USP Somente devem ser protocolados e autuados no Sistema de Protocolo Proteos na condição de PROCESSO os documentos ou conjunto de documentos que: Envolvam uma seqüência de decisões e/ou providências administrativas/jurídicas. Precisem ser documentados e facilmente acessíveis para comprovação futura. Necessitem tramitar fora da unidade de origem. Registro no sistema compreende: Documento base: Digite o número do ofício, memorando, requerimento no formato padrão: Sigla do setor emitente do doc/num. do documento Ano/sigla do setor superior do emitente DACA/ /DA Interessado: Digite o nome da pessoa, empresa, órgão da USP, órgão do governo, sem abreviações. Código de classificação (Assunto): Selecione a atividade da lista Detalhamento: Digite informações complementares ao Assunto, se necessário, tais como: datas de vencimento, valores, número de notas fiscais, descrição de mobiliários, equipamentos, itens de despesas, etc. Setor destino: Digite a saída para o setor correspondente. Após o registro dos dados o número do processo é gerado automaticamente pelo sistema, com a seguinte composição: Exemplo: Ano 1 Tipo: processo Número do processo na unidade/órgão 1 Número da unidade/órgão (Reitoria) 6 Dígito de controle REGISTRO DE PROCESSO NO PROTEOS 17

16 MONTAGEM DE PROCESSO Capa + folha de identificação centralizada + folhas em ordem cronológica INÍCIO Entranhar os documentos Furar folhas Numerar e rubricar todas as folhas Fixar os colchetes Modelo de despacho 1 Na última folha, formalizar a abertura do processo e fazer encaminhamento por escrito NÃO Ultrapassou o limite de 300 folhas? SIM Seguir: ABERTURA DE NOVO VOLUME Identificação feita a lápis no verso da 1 a contracapa Identificar setor de destino para uso do mensageiro A numeração é feita no canto superior direito. A rubrica vem abaixo de cada n o de folha, com numeração sequencial e contínua. Capa + folha de identificação = folha 1 Documento base ou documento principal = folha 2 É proibida a repetição de números seguidos de letras, como por exemplo: 14A Seguir: TRÂMITE MONTAGEM DE PROCESSO 18 DESPACHO 1 Despacho de abertura e autuação de processo/protocolado. Providenciada a autuação. A(o)...(nome do órgão de destino)... (Setor, data, assinatura) NOTAS Âmbito de aplicação: setores de Protocolo da USP O documento em papel de fax, devido a curta duração de seu conteúdo, deverá ser reproduzido e sua cópia juntada ao processo

17 REGISTRO DE PROTOCOLADO NO PROTEOS PROTEOS 3 INÍCIO de abertura do protocolado Buscar número do processo Anotar número do protocolado no verso da folha 2 e o total de número de folhas Gerar número de protocolado Clicar em abrir protocolado Registro no sistema selecionar e preencher: documento-base número do processo interessado código de classificação detalhamento e saída para o setor-destino Gerar folha de identificação do protocolado Seguir: MONTAGEM DE PROTOCOLADO TELA PROTEOS 3 - Abertura de Protocolado REGISTRO DE PROTOCOLADO NO PROTEOS 19

18 TELA PROTEOS 3.1 TELA PROTEOS 3.2 REGISTRO DE PROTOCOLADO NO PROTEOS NOTAS Âmbito de aplicação: setores de Protocolo da USP Autuar somente quando o processo referente ao assunto não estiver disponível para tramitação. Verificar se consta despacho solicitando a abertura do protocolado. Localizar, através da transação busca do Sistema Proteos, o número do processo referente ao assunto do documento. Registrar o protocolado através da transação abertura de protocolado. Registro no Sistema compreende: Documento base: Digite o número do ofício, memorando, requerimento no formato padrão: Sigla do setor emitente do doc/ num. do documento Ano/sigla do setor superior do emitente: DACA/ /DA Processo: Digite o número do processo ao qual o protocolado se vincula. Interessado: Digite o nome da pessoa, empresa, órgãos da USP, órgãos do governo, sem abreviações. Código de classificação (Assunto): Selecione a atividade da lista Detalhamento: Digite informações complementares ao Assunto, se necessário, tais como: datas de vencimento, valores, número de notas fiscais, nomes de pessoas, números de convênios, etc. Saída destino: Digite a saída para o setor correspondente. Após o registro dos dados o número do protocolado é gerado automaticamente pelo sistema com a seguinte composição: Exemplo: Ano 5 Tipo: protocolado 3865 Número do protocolado na unidade/órgão 1 Número da unidade/órgão (Reitoria) 6 Dígito de controle Solicitar impressão da folha de identificação do protocolado. Após o encerramento, o protocolado deve ser entranhado ao processo de referência. Não é permitido o arquivamento de protocolado. 20

19 MONTAGEM DE PROTOCOLADO Capa + folha de identificação centralizada + folhas em ordem cronológica INÍCIO Entranhar os documentos Furar folhas Fixar os colchetes Identificação feita a lápis no verso da 1 a contracapa Modelo de despacho 1 Identificar setor de destino para uso do mensageiro Na última folha, formalizar a abertura do protocolado e fazer encaminhamento por escrito Numerar e rubricar todas as folhas Seguir: TRÂMITE A numeração é feita no canto superior direito. A rubrica vem abaixo de cada n o de folha, com numeração sequencial e contínua. Capa + folha de identificação = folha 1 Documento base ou documento principal = folha 2 É proibida a repetição de númers seguidos de letras, como por exemplo: 14A DESPACHO 1 Despacho de abertura e autuação de processo/protocolado. Providenciada a autuação. A(o)...(nome do órgão de destino)... (Setor, data, assinatura) NOTAS Âmbito de aplicação: setores de Protocolo O documento em papel de fax, devido a curta duração do conteúdo, deverá ser reproduzido e sua cópia juntada ao processo. MONTAGEM DE PROTOCOLADO 21

20 TRÂMITE PROTEOS 4 PROTEOS 5 INÍCIO Mensageiro PROTEOS (tela Entrada) Registrar a entrada do processo no momento da recepção Providências do setor PROTEOS (tela Saída) Registrar a saída do processo no momento de envio O processo chega ao local de destino TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TRÂMITE 22

21 TELA PROTEOS 5 - Saída TELA PROTEOS 5.1 NOTAS Entrada: Acessar o Sistema Proteos (transação Entrada) registrar a confirmação do recebimento. O registro da entrada de processos e protocolados no setor deve ser obrigatoriamente realizada no momento da recepção dos documentos. Deslocamento do processo/protocolado: Âmbito de aplicação todos os setores envolvidos com tramitação de documentos. Denominam-se pontos de tramitação todos os setores por onde o processo ou protocolado passa depois que sai do Protocolo. Por exemplo, seções, serviços, divisões, departamentos, etc. Os deslocamentos de processos/protocolados de um setor para outro, serão feitos diretamente pelos setores envolvidos mediante despacho na última folha, onde fique explícito a quem se destina e as providências a serem tomadas. A tramitação de processos/protocolados, entre unidades da USP, será feira sempre através dos setores de protocolo, com exceção da reitoria que a tramitação se faz através do serviço de expedição. Não será permitida a tramitação de processos e protocolados em mãos (levar em mãos significa ser levado sem controle, sem registro de saída no Proteos). Todo o trâmite deverá ser obrigatoriamente registrado no Sistema Proteos. Os próprios setores remetentes e destino são os responsáveis pela atualização do Sistema, registrando os dados do envio e do recebimento, através das transações entrada e saída, para evitar problemas de extravio de processos e protocolados. O uso inadequado do Sistema, com o consequente extravio de documento em trânsito poderá acarretar apuração de responsabilidade administrativa tanto para o setor remetente como para o setor de destino. Os órgãos detentores de processos e protocolados para providências deverão envidar esforços no sentido minimizar o seu tempo de retenção. Processo/Protocolado: A frente da 1ª folha das capas dos processos não poderá ser carimbada, receber notas ou escritos de qualquer natureza, com exceção do número de caixa de arquivamento. Capa do processo compreende: pasta com janela + folha de rosto. TRÂMITE 23

22 TRÂMITE 24 Os processos ou protocolados com capas danificadas ou desgastadas deverão ser encaminhadas ao setor de Protocolo da Unidade para substituição. Nenhum processo/protocolado poderá ter andamento sem que todas as suas folhas estejam devidamente numeradas e rubricadas e os espaços em branco regularmente inutilizados. Processos ou protocolados com indícios de mutilação ou adulteração não poderão tramitar, devendo ser remetidos à diretoria da Divisão de Comunicações Administrativas da Reitoria para análise do ocorrido. A diretoria da DACA identificará o setor no qual se originaram os fatos e providenciará o encaminhamento do processo ou protocolado para apuração de responsabilidades. Os funcionários que manusearem os processos zelarão pela ordem destes. Saída Ao efetuar o encaminhamento de processos e protocolados o Órgão remetente deverá documentar a remessa mediante despacho na última folha do processo ou protocolado indicando o setor de destino e providência esperada. Acessar o Sistema Proteos (transação Saída) informar para qual setor o documento deve ser encaminhado. Controle Setores das Unidades: Os setores envolvidos com tramitação de documentos, utilizando-se do Sistema de Protocolo poderão emitir relatórios de controle para um melhor desempenho das suas atividades. O Proteos permite a extração dos seguintes relatórios: - Entradas documentos com entrada em um setor em um dado período. - Enviados documentos enviados a um setor e não tiveram suas entradas registradas. - Extraviados documentos extraviados enviados por um setor e não tiveram suas entradas registradas pelo setor de destino. - Retidos documentos que estão parados ( sem tramitação) nos setores da unidade. - Saídas do setor documentos com saída de um setor em um dado período. O Sistema Proteos possui uma funcionalidade chamada Movimentação de processos que verifica diariamente todos os processos em movimentação na Universidade quanto a sua situação de extraviado ou retido. A transação permite o cadastro de usuários para acompanhar a movimentação do setor. O Sistema envia para os usuários cadastrados notificando a existência de processos extraviados enviados pelo seu setor ou encaminhados ao seu setor, opcionalmente poderá acompanhar também os processos em situação de retido. Caso não sejam tomadas providências para regularizar a situação dos processos, o usuário de um setor poderá registrar ocorrências de extraviado ou retido, para processos com movimentação em seu setor. Com o registro dessas ocorrências o Sistema envia para o usuário e também exibirá uma mensagem na página de andamento que permanece até o processo ser movimentado. Quando o processo receber o registro da ocorrência de situação extraviado ou retido, cessa o envio de para este documento notificando a situação de movimentação. Protocolos das Unidades: Os Serviços de Protocolo são responsáveis em gerenciar e controlar as atividades de trâmite de processos e protocolados da sua unidade, utilizando-se dos relatórios oferecidos pelo Sistema. Identificados os casos de processos ou protocolados parados ou extraviados deve solicitar ao órgão responsável esclarecimentos ou providências quando necessário. GRS do Sistema Proteos Constituído por funcionários da Divisão de Comunicações Administrativas DACA-01 Responsável pelo gerenciamento e controle do Sistema.

23 ABERTURA DE NOVO VOLUME INÍCIO Solicitar abertura de novo volume Recebimento do último volume PROTEOS 6 PROTEOS 4 PROTEOS emite mensagem informando n o do novo volume e n o do processo vinculado PROTEOS Abrir volume, digitar n o do processo principal PROTEOS Dar entrada no último volume Gerar e imprimir termo de encerramento de volume PROTEOS 6.2 Preencher manualmente o termo Numerar, carimbar e rubricar o termo, preencher o espaço em branco com número da folha que inicia o novo volume, identificando setor, data e responsável pelo encerramento PROTEOS 5 PROTEOS 6.3 PROTEOS Dar saída nos volumes Imprimir nova folha de identificação do processo do novo volume Anexar o termo de encerramento no volume anterior Seguir MONTAGEM DE PROCESSO ABERTURA DE NOVO VOLUME 25

24 TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TELA PROTEOS 6 - Abertura de volume ABERTURA DE NOVO VOLUME 26 TELA PROTEOS 6.1

25 TELA PROTEOS 6.2 TELA PROTEOS 6.3 TELA PROTEOS 5 - Saída TELA PROTEOS 5.1 ABERTURA DE NOVO VOLUME 27

26 NOTAS Âmbito de aplicação: abertura de novo volume deve, sempre que possível, ser efetuada pelo Protocolo da Unidade de procedência do processo O volume constitui-se em nova pasta aberta, em continuidade a um determinado processo. Ocorre quando o processo tiver atingido a média de trezentas folhas. A abertura de volume de um processo só pode ser efetuada com o encerramento simultâneo do volume anterior, mediante despacho que expresse o fato e indique o nº do novo volume e o nº do novo processo. A partir do despacho de encerramento do volume anterior, nenhuma outra juntada ou despacho poderá ser nele efetuado, nem mesmo os referentes às saídas de arquivo para consulta. Todas as novas juntadas e despachos deverão ser feitas no último volume. Montar o novo processo na seguinte ordem: - capa com janela - folha de identificação - documentos em ordem cronológica O novo volume terá sua numeração de folhas em seqüência à numeração finalizada no volume anterior (capa e folha de rosto não são numeradas). As folhas devem ser numeradas e rubricadas no canto superior direito. Anotar o número do novo processo no primeiro documento dos autos. Concluída a abertura do novo volume, liberar os processos para trâmite registrando o setor de destino através da transação saída. Os dados de identificação do processo: interessado, código de classificação e detalhamento permanecem exatamente os mesmos em todos os volumes, diferenciando-se apenas: - toda vez que é aberto um volume ele recebe um número diferente do processo principal - no campo doc base a identificação do número do volume referente ao processo principal - data de abertura de cada volume Correção/alteração nos dados do processo principal (interessado, código de classificação e detalhamento) as folhas de identificação deverão ser trocadas em todos os volumes para que permaneçam iguais. Registrar um termo de alteração na última folha do último volume. De forma conjunta ou independente o trâmite de processos poderá ocorrer de acordo com a necessidade: - para consulta pode tramitar todo o conjunto de volumes - para juntada de documentos deve tramitar somente o último volume ABERTURA DE NOVO VOLUME 28

27 JUNTADA / ENTRANHAMENTO DE DOCUMENTOS INÍCIO O mesmo procedimento feito na folha, través do despacho, para registrar a juntada, é feito também através do sistema PROTEOS Registrar a juntada PROTEOS 7 Ordenar cronologicamente os documentos a serem juntados PROTEOS 4 PROTEOS Dar entrada no processo/protocolado Obedecer a seqüência numerada da última folha já presente no processo/protocolado para poder numerar as folhas juntadas Modelo de despacho 2 Registrar no verso da folha, imediatamente anterior à juntada o despacho contendo: n o das folhas juntadas n o do ofício seção responsável pela execução data e assinatura do funcionário PROTEOS 5 PROTEOS Dar saída para o setor de destino Seguir: TRÂMITE ATENÇÃO: A numeração (seqüencial e contínua) deve ser feita por folha e não por página. Todas as folhas juntadas, inclusive anexos, deverão ser numeradas e rubricadas no canto superior direito da página da frente. É proibida a repetição de números seguidos de letras, como por exemplo: 14A DESPACHO 2 Despacho de juntada/entranhamento de documentos (rodapé do verso da folha anterior à juntada). Segue juntada das folhas de nº... a..., ofício nº... (Setor, data, assinatura/carimbo). JUNTADA / ENTRANHAMENTO DE DOCUMENTOS 29

28 TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TELA PROTEOS 7 - Juntada de documento JUNTADA / ENTRANHAMENTO DE DOCUMENTOS 30 TELA PROTEOS 7.1

29 TELA PROTEOS 5 - Saída TELA PROTEOS 5.1 NOTAS Âmbito de aplicação: a juntada deve ser efetuada pelo setor de Protocolo ou pelos próprios setores envolvidos nas decisões ou providências atinentes Deve ocorrer atendendo a alguns procedimentos mínimos de segurança, de forma que se possa prevenir e detectar a retirada indevida de documentos, ou a alteração de sua seqüência. O funcionário que junta qualquer folha ao processo é responsável pela juntada e por isso, é obrigatório numerar e rubricar a folha ou folhas juntadas. É obrigatório o registro do despacho de juntada, no rodapé do verso da folha anterior à juntada dos documentos. O despacho de juntada permite identificar o setor e o funcionário responsável pela juntada. A eventual falta de uma folha do processo ou protocolado pode ser motivo para punição administrativa. Importante: O setor que receber processo com folhas juntadas sem numeração, rubrica e despacho, ou ainda com outros tipos de irregularidades, salto ou repetição de números deve devolver à origem para a devida correção. Qualquer regularização efetuada no processo deve ser registrada através de despacho esclarecedor. É Proibido o uso de repetição de números seguidos de letras, por exemplo:113a, 35B, tal procedimento somente é permitido ao DRH da Reitoria quando elabora apostila de alteração de nome de funcionário. A apostila é juntada ao processo de contrato, logo em seguida das folhas de contrato ou título de contrato numerando a folha com o mesmo número da anterior acrescentado a letra A. Cuidado! Ao se efetuar entranhamento de documentos antes de uma apostila de nome, com consequente renumeração de folhas, deve-se preservar a repetição do número seguido de letras na renumeração também. Na correção de irregularidades no processo referente à numeração, não pode haver borrões, rasuras, evitando o uso de corretivo líquido. Tornar sem efeito a numeração anterior com um traço transversal em cima do número cancelado. Registrar no processo e no Sistema Proteos o termo de regularização. O documento em papel de fax, devido a sua curta duração, deverá ser reproduzido e sua cópia juntada ao processo. JUNTADA / ENTRANHAMENTO DE DOCUMENTOS 31

30 ANEXAÇÃO DE PROTOCOLADO AO PROCESSO A anexação deve obedecer a ordem cronológica. INÍCIO Anexação do protocolado ao seu respectivo processo Retirar a capa e a folha de rosto do protocolado que está sendo anexado e retirar também possíveis cópias de documentos PROTEOS 4 PROTEOS Dar entrada no protocolado anexado e no processo que recebeu a anexação Modelos de termos1 Registrar no verso da folha que precede a juntada do protocolado e na última folha do processo, os termos de anexação Renumerar e rubricar as folhas do protocolado anexado na seqüência do processo que sofreu a anexação. Tornar sem efeito a numeração anterior com o traço transversal. PROTEOS 8 PROTEOS 5 PROTEOS Transação Anexação PROTEOS Dar saída para o setor de destino ANEXAÇÃO DE PROTOCOLADO AO PROCESSO 32 TERMO 1 Termo de Anexação de protocolado a processo Última folha do processo Anexamos o protocolado nº..., constituindo fls... a... (Setor, data, assinatura/carimbo). Verso da folha que precede a juntada do protocolado Anexamos o protocolado nº..., constituindo fls... a... (Setor, data, assinatura/carimbo).

31 TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TELA PROTEOS 8 - Anexação TELA PROTEOS 8.1 ANEXAÇÃO DE PROTOCOLADO AO PROCESSO 33

32 TELA PROTEOS 5 - Saídas TELA PROTEOS 5.1 ANEXAÇÃO DE PROTOCOLADO AO PROCESSO 34 NOTAS Só é permitido anexar um protocolado ao processo ao qual está vinculado. Os dois devem estar com entrada no setor. Âmbito de aplicação: Protocolo e setores da Unidade. A capa do protocolado se estiver em bom estado pode ser reutilizada.

33 JUNTADA DE PROCESSOS Despacho do órgão solicitante na última folha de um dos processos envolvidos mencionando quais deverão ser juntados e expondo a razão da solicitação. O processo mais antigo recebe o mais novo. Mantem-se o número do processo antigo. A juntada deve obedecer a ordem cronológica. INÍCIO Solicitação de juntada Retirar a capa e a folha de rosto do processo que está sendo juntado e retirar também possíveis cópias de documentos PROTEOS Dar entrada nos dois processos PROTEOS 4 Modelos de termos 2 Registrar no verso da folha que precede a juntada do processo mais novo e na última folha do processo os termos de juntada Renumerar e rubricar as folhas do processo juntado em sequência à numeração de folhas do processo que sofreu a juntada. Tornar sem efeito a numeração anterior com o traço transversal PROTEOS 9 PROTEOS 5 PROTEOS Transação Juntada PROTEOS Dar saída para o setor de destino TERMO 2 Termo de juntada de processos Última folha Providenciamos a juntada do processo nº..., folhas de nº... a..., em atendimento ao solicitado na folha...(se não houver solicitação, descrever o motivo). (Setor, data, assinatura/carimbo). Verso da folha que precede a juntada do processo mais novo Providenciamos a juntada do processo nº..., folhas de nº... a... (Setor, data, assinatura/carimbo). JUNTADA DE PROCESSOS 35

34 TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TELA PROTEOS 9 - Juntada TELA PROTEOS 9.1 JUNTADA DE PROCESSOS 36

35 TELA PROTEOS 5 - Saída TELA PROTEOS 5.1 NOTAS Executa-se quando é observada a existência de duplicidade de processos sobre um mesmo assunto ou correlatos que mereçam ser conduzidos em conjunto, transformando-se num único processo. A juntada poderá provocar alteração no assunto do processo ou do interessado. Nesse caso é recomendada a regularização dos dados de identificação constantes na capa. Registrar a alteração através de despacho na última folha do processo. Anotar o número do processo na 1ª folha do processo a ser juntado, na frente, canto superior direito. Âmbito de aplicação: a juntada de processos somente poderá ser efetuada pelo Setor de Protocolo da Unidade ou Protocolo da Reitoria. JUNTADA DE PROCESSOS 37

36 DESENTRANHAMENTO INÍCIO Modelo de despacho 3 Solicitação de desentranhamento por despacho ou requerimento Modelos de termos 3 Registrar o termo de desentranhamento na última folha do processo e registrar também uma anotação na folha anterior às folhas desentranhadas PROTEOS 10 PROTEOS 4 PROTEOS Registrar o termo de desentranhamento no despacho e dar saída para o setor de destino PROTEOS Dar entrada no processo/ protocolado Desentranhar os documentos Encaminhar para trâmite O desentranhamento acontece quando é necessário a retirada de documento original para devolução à terceiros (com sua substituição por cópia autenticada pelo setor), a eliminação de cópias, a retirada de documentos juntados erroneamente ou a abertura de novos processos (nesse caso, não se faz a cópia de documentos). O desentranhamento só pode ser feito pelo setor de protocolo da unidade ou pelo protocolo da Reitoria. Tanto no despacho solicitante como no termo de desentranhamento devem constar: número de folhas a serem desentranhadas, motivo do desentranhamento e tipo do documento. O processo que teve folhas retiradas conserva a numeração original, permanecendo vago o número de folhas correspondentes ao desentranhamento. DESPACHO 3 Despacho de desentranhamento de documentos do processo Solicito o desentranhamento das folhas... a..., tendo em vista (razão do desentranhamento). (Setor, data, assinatura/carimbo). TERMO 3 DESENTRANHAMENTO 38 Termo de desentranhamento Última folha Desentranhamos documentos de folhas... a..., para fins de (razão do desentranhamento), atendendo solicitação da folha.... (Setor, data, assinatura/carimbo) Folha anterior às folhas desentranhadas Efetuar anotação indicando onde se encontra o registro do Termo de Desentranhamento: Termo de Desentranhamento à folha...(nº da última folha onde foi feito o termo). (Setor,data, assinatura/carimbo)

37 TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TELA PROTEOS 10 - Despacho TELA PROTEOS 10.1 NOTAS O desentranhamento é a retirada de um documento de um processo, só pode ser realizado mediante pedido justificado do interessado e devidamente despachado por autoridade competente. A retirada de documentos de um processo sem prévia autorização pode ser objeto de apuração de responsabilidades. Âmbito de aplicação: somente o setor de Protocolo da Unidade pode executar desentranha- mento de documentos de processo. Documentos juntados indevidamente ou em duplicidade, o setor de Protocolo da Unidade pode realizar o desentranhamento independente de requerimento, efetuando os devidos registros. Quando a razão do desentranhamento for juntada indevida ou abertura de novo processo, mencionar no termo o número do processo onde o documento será juntado ou o número do novo processo aberto. DESENTRANHAMENTO 39

38 APENSAMENTO Modelos de termos4 INÍCIO Solicitação de apensamento Registrar os termos de apensamento na última folha dos processos apensados Modelos de termos4 PROTEOS 10 PROTEOS 4 PROTEOS Registrar os termos de apensamento na tela Despacho e dar saída para o setor de destino PROTEOS Dar entrada nos processos e/ou protocolados Colocar colchetes para apensar os processos e/ou protocolados à contracapa do processo principal Encaminhar para trâmite Atenção: Os processos apensados não podem ser arquivados. TERMO 4 APENSAMENTO 40 Termo de apensamento No processo/protocolado que receberá o apensamento: Apensamos aos presentes autos o(s) processo(s)/protocolado(s)...(nº do(s) processo(s)/ protocolado(s) apensado(s)), em atendimento ao solicitado na folha...(nº da folha onde consta a solicitação). (Setor, data, assinatura/carimbo) Em cada um dos processos/protocolados apensados: O presente foi apensado ao processo/protocolado nº...(nº do processo/protocolado que recebeu o apensamento), em atendimento à determinação do...(sigla do Órgão solicitante), à folha...(nº de folha onde consta a solicitação). (Setor, data, assinatura/carimbo).

39 TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TELA PROTEOS 10 - Despacho TELA PROTEOS 10.1 APENSAMENTO 41

40 TELA PROTEOS Despacho TELA PROTEOS 10.3 NOTAS Âmbito de aplicação: o apensamento só poderá ser realizado pelo setor de Protocolo da Unidade O Apensamento poderá ocorrer entre processos, entre protocolados ou entre protocolados e processos Durante o período em que estiverem apensados os processos e protocolados terão trâmite idêntico. O registro será efetuado nos autos que recebeu o apensamento (ou seja, o processo principal). É proibido o arquivamento de processos apensados.. APENSAMENTO 42

41 DESAPENSAMENTO INÍCIO Solicitação de desapensamento Retirar os colchetes para soltar os processos/ protocolados Modelos de termos 5 PROTEOS 10 PROTEOS 4 Modelos de termos 5 PROTEOS Registrar os termos de desapensamento na tela Despacho e dar saída para o setor de destino PROTEOS Dar entrada nos processos e/ou protocolados Registrar nos processos/protocolados os termos de desapensamento na última folha Encaminhar para trâmite TERMO 5 No processo/protocolado que recebeu o apensamento Desapensamos dos presentes autos os processo(s)/protocolado(s)... (nº dos processos/protocolados desapensados), em atendimento ao solicitado na folha...(nº da folha onde consta o pedido). (Setor, data, assinatura/carimbo) Em cada processo/protocolado apensado O presente foi desapensado do processo/protocolado nº... (nº do processo/protocolado onde estava apensado), em atendimento à solicitação do...(sigla do Órgão solicitante), à folha...(nº da folha onde consta a solicitação). (Setor, data, assinatura/carimbo). DESAPENSAMENTO 43

42 TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TELA PROTEOS 10 - Despacho TELA PROTEOS 10.1 DESAPENSAMENTO 44

43 TELA PROTEOS Despacho TELA PROTEOS 10.3 NOTAS Âmbito de aplicação: o desapensamento só poderá ser efetuado pelo setor de Protocolo da Unidade Após a decisão final, os processos ou protocolados deverão ser desapensados, voltando a ter trâmites independentes. É proibido o arquivamento de processos apensados. DESAPENSAMENTO 45

44 DESDOBRAMENTO PROTEOS 1 INÍCIO Fazer busca para localizar o processo de cada interessado Tirar cópia do ofício e de seus anexos para cada interessado Grifar o nome do interessado na cópia do ofício que será juntado ao processo Modelos de termos 6 Registrar os termos de desdobramento no verso do original e das cópias Juntar original no processo do primeiro interessado da lista Seguir módulo Juntada/ Entranhamento TERMO 6 DESDOBRAMENTO 46 Deverá constar no verso do ofício original um despacho conforme modelo abaixo, informando os processos que foram instruídos: Tiramos cópia do presente documento para fins de instrução dos seguintes processos: (nº do processo) - (Interessado) (nº do processo) - (Interessado) (Setor, data, assinatura/carimbo) Deverá constar, no verso de cada cópia do ofício, um despacho conforme modelo abaixo: O original do presente ofício foi entranhado ao processo nº... (Setor, data, assinatura/carimbo)

45 TELA PROTEOS 1 - Busca TELA PROTEOS Busca TELA PROTEOS Busca DESDOBRAMENTO 47

46 TELA PROTEOS 7 - Juntada de documento TELA PROTEOS 7.1 TELA PROTEOS Juntada de documento DESDOBRAMENTO 48 TELA PROTEOS 7.3

47 TELA PROTEOS Juntada de documento TELA PROTEOS 7.5 TELA PROTEOS 5 - Saída TELA PROTEOS 5.1 DESDOBRAMENTO 49

48 NOTAS É necessário efetuar um desdobramento quando um documento se refere a mais de um interessado para a mesma vantagem ou providência solicitada no ofício/requerimento. O desdobramento de documentos só poderá ser efetuado pelos setores de Protocolo das Unidades. O original do documento será sempre juntado ao processo do 1º interessado mencionado no ofício. Para os demais será providenciada cópia e anexado ao processo de cada interessado de acordo com o assunto solicitado. Registrar no documento original e nas cópias os respectivos termos de desdobramento. Quando o desdobramento envolver um conjunto grande de documentos, referente a muitos interessados solicitando a mesma providência é necessário ter bom senso para efetuar o desdobramento, devem ser selecionados para cópia somente os documentos pertencentes a cada interessado, de forma a evitar a inclusão de folhas desnecessárias no processo. Verificar as datas dos documentos a serem juntados no processo, que deverão seguir ORDEM CRONOLÓGICA, POR ASSUNTO. Caso a documentação que está sendo desdobrada for antiga, tomar o devido cuidado para que a juntada dos documentos não trunque nenhum assunto já providenciado e encerrado. Analisado o processo e identificada a posição correta do entranhamento das folhas, estas devem ser anexadas, numeradas e rubricadas. As folhas posteriores que já constavam do processo, antes do entranhamento, devem ser renumeradas e rubricadas na sequência. Tornar sem efeito a numeração anterior, com um traço transversal em cima do número cancelado. Registrar, no verso da folha imediatamente anterior à juntada dos documentos desdobrados, o respectivo termo de entranhamento: Entranhamos aos Autos documentos de folhas...(nº das folhas juntadas)..., ofício de número...(nº do ofício na forma padrão)...- original/cópia. (Órgão, data, assinatura/carimbo) Na última folha do processo efetuar despacho documentando o entranhamento de documentos e a renumeração de folhas: Entranhamos aos Autos, em ordem cronológica, documentos de folhas...(nº de folhas juntadas)..., tendo em vista desdobramento de documentos com data de...(colocar data do documento desdobrado)..., bem como providenciamos a renumeração das folhas seguintes. (Órgão, data, assinatura/carimbo) Quando a juntada é feita no final do processo, as folhas devem ser numeradas e rubricadas em sequência a última folha existente nos Autos. Registrar, no verso da folha imediatamente anterior à juntada dos papéis, o respectivo despacho: Segue juntada de folhas de nº... a..., ofício número... (Órgão, data, assinatura/carimbo) Registrar a juntada no Sistema Proteos, através da transação juntada doc. DESDOBRAMENTO 50

49 REGULARIZAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO / PROTOCOLADO Modelos de termos 7 INÍCIO Solicitação de regularização na última folha do processo ou protocolado Registro de regularização no processo ou protocolado Modelos de termos 7 PROTEOS 10 PROTEOS 11 PROTEOS 4 Registrar o termo de regularização na tela Despacho e dar saída para o setor de destino PROTEOS Alteração imprimir nova folha de rosto PROTEOS Dar entrada no processo/protocolado Desmontar o processo/protocolado e substituir a folha de rosto TERMO 7 Termo de regularização de identificação de processo/protocolado. Alteração de Interessado: Alterado o nome do Interessado, na capa do presente, de...(nome anterior)... para...(nome atual)..., conforme (despacho/documento) de fls... (Setor, data, assinatura/carimbo) Alteração de Assunto: Alterado o Assunto, na capa do presente de:...(descrição anterior)... para:...(nova descrição)..., tendo em vista...(expor os motivos da alteração)... (Setor, data, assinatura/carimbo) Encaminhar para trâmite REGULARIZAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO / PROTOCOLADO 51

50 TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TELA PROTEOS 11 - Alteração REGULARIZAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO / PROTOCOLADO 52 TELA PROTEOS 11.1

51 TELA PROTEOS 11.2 TELA PROTEOS 11.3 TELA PROTEOS 11.4 TELA PROTEOS 10 - Despacho REGULARIZAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO / PROTOCOLADO 53

52 TELA PROTEOS 10.1 REGULARIZAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO / PROTOCOLADO 54 NOTAS Âmbito de aplicação: regularização de identificação somente poderá ser efetuada pelo setor de Protocolo da Unidade A regularização de identificação consiste em ato formal através do qual: Altera-se algum dado da identificação do processo ou protocolado, seja porque detecta-se incorreção, seja porque o próprio dado sofreu atualização. Ex.: Alteração do estado civil, com alteração do nome. Completa-se dados faltantes. Ex.: nº do R.G., nº funcional, nº de convênio etc. A alteração de dados contidos na capa de um processo, ou na identificação de um protocolado, assim como a regularização de falhas de autuação, só poderão ser efetuadas pelo Protocolo da Unidade onde efetuou-se a sua abertura, ou pelo Protocolo de Reitoria. Não é permitida a alteração do número do processo ou protocolado, data e hora de abertura e Setor de abertura. A regularização do Interessado é permitida quando, no decorrer do processo ou protocolado, ocorrerem situações que tornem necessária a atualização, tais como: Alteração do nome, em função de casamento, divórcio, etc., quando tratar-se de pessoa física. Alteração da razão social, quando pessoa jurídica. Alteração de nome de Órgão interessado, quando ocorrer reestruturação interna. Juntada de processo a outro, que implique em alteração de assunto da capa e, em decorrência, também o interessado. Observação: Quando de alteração de nome do interessado, em processos tipo Pessoal, deverão ser regularizadas as capas de todos os processos existentes para o interessado. n Para que se proceda à regularização de identificação do Interessado será necessário: Solicitação formal por parte de órgão competente da Universidade, através de despacho no processo/protocolado ou através de ofício, assegurando que foram atendidos todos os requisitos legais necessários, tais como tipo de documento exigido, publicações no DOE etc. Existência de documento comprobatório de alteração ocorrida, cujos originais ou cópias possam ser juntados ou referenciados no processo/protocolado. A regularização do Interessado também é permitida quando for identificada a ocorrência de erro quando da abertura do processo/protocolado, que possa ser comprovado pelos documentos iniciais. Nesse caso não é necessária a solicitação formal através de despacho para que proceda a regularização. A regularização do Assunto da capa é permitida na ocorrência de situações, formalmente registradas, em que a descrição existente não mais corresponde ao objetivo do processo/protocolado: Juntada de um processo a outro, alterando o assunto do processo que recebeu a juntada. Existência de descrição mal elaborada, ou erros de digitação, na ocasião da abertura do processo/protocolado, dificultando o imediato entendimento do conteúdo, ou dificultando a busca no sistema automatizado. A alteração também é permitida quando o acréscimo de algum dado relevante se faz necessário para facilitar a recuperação da informação no Sistema Automatizado Proteos. Ex.: nº de convênio, nº funcional. A regularização do nº do documento base também é permitida, quando for cadastrada fora do padrão estabelecido pelo Ofício Circular DC-13/2681/DC. O nº da caixa Arquivo também pode ser alterada, toda vez que o processo sofrer remanejamento de caixa. A regularização de identificação, envolvendo alteração de dados da capa do processo/protocolado deverá ser formalmente registrada no processo/protocolado, através de despacho esclarecedor.

53 EXTRAVIO DE PROCESSO/PROTOCOLADO E ABERTURA DE 2 a VIA Utilizar o mesmo número de processo para registro nos papéis INÍCIO Solicitação de abertura de 2 a via de processo extraviado Reunir as cópias dos documentos que compunham o processo extraviado Modelo de termo 8 Registrar Termo de abertura de 2 a via na tela Despacho e dar saída para o setor de destino PROTEOS 10 PROTEOS 11 PROTEOS Alteração acrescentar no campo Doc Base, logo após o número do ofício a expressão 2 a via. Gerar e imprimir folha de rosto. PROTEOS 4 PROTEOS Registrar a entrada do número do processo extraviado Modelo de termo 8 Montar, capear, numerar e rubricar as folhas do processo TERMO 8 Termo de abertura de 2 a via Registrar na última folha do processo o Termo de abertura de 2 a via Encaminhar para trâmite Providenciamos abertura de 2ª via do processo nº..., tendo em vista que o original encontra-se extraviado desde...(data do extravio)..., junto ao Setor...(nome do Setor onde ocorreu o extravio)...alteramos a identificação do processo acrescentado 2ª via no campo doc base (Órgão, data, assinatura/carimbo) EXTRAVIO DE PROCESSO/PROTOCOLADO E ABERTURA DE 2a VIA 55

54 TELA PROTEOS 4 - Entrada TELA PROTEOS 4.1 TELA PROTEOS 11 - Alteração EXTRAVIO DE PROCESSO/PROTOCOLADO E ABERTURA DE 2a VIA 56 TELA PROTEOS 11.1

55 TELA PROTEOS 11.2 TELA PROTEOS 11.3 TELA PROTEOS 11.4 TELA PROTEOS 10 - Despacho TELA PROTEOS 10.1 EXTRAVIO DE PROCESSO/PROTOCOLADO E ABERTURA DE 2a VIA 57

56 EXTRAVIO DE PROCESSO/PROTOCOLADO E ABERTURA DE 2a VIA 58 NOTAS Vias de um processo constitui-se em um exemplar que dele se obtenha, com características exatamente iguais, constituindo-se, portanto em réplica das folhas, um do outro. Somente o Protocolo da Unidade de procedência do processo poderá efetuar abertura de 2ª via para trâmite, despacho, e juntada de documentos, após esgotadas as providências de localização da via extraviada, em função da urgência em dar andamento ao assunto objeto. A 2ª via será montada totalmente ou parcialmente, através de cópias que eventualmente se disponha dos documentos que compunham o processo extraviado. A 2ª via criada em função do extravio só poderá tramitar e receber despachos enquanto a via original permanecer extraviada. Uma vez localizada a 1ª via, a 2ª via deverá ser extinta, efetuando-se a juntada somente dos documentos que não constam do processo original. Procedimentos Acessar o Sistema Proteos, dar entrada no processo e através da transação Alteração apagar do campo doc base o dado 2ª via, concluir a transação. Gerar e imprimir a folha de identificação. Juntar ao processo original os documentos da 2ª via que não constam da via original, eliminando as cópias, e tomando o devido cuidado para que haja coerência na ordenação dos documentos e no assunto tratado no mesmo. Se necessário, dar seqüência à numeração das folhas, cancelando com um traço a numeração anterior. Registrar, no processo e no Sistema, um despacho sobre a localização do processo original, juntada de documento, bem como de alteração dos dados de identificação. Tendo em vista a localização da via original do processo nº..., providenciamos juntada da 2ª via, constituindo folhas...(mencionar o nº das folhas)...alteramos a folha de identificação do processo eliminando o dado 2ª via do campo Documento base. Órgão, data, assinatura/carimbo Dar saída para o setor de destino. Trocar a folha de identificação do processo. Liberar para trâmite. Os mesmos procedimentos são válidos para protocolados. CABE À ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR INSTAURAR PROCESSO DE APURAÇÃO DE RESPONSABILIDADE REFERENTE AO DESAPARECIMENTO DO PROCESSO OU PROTOCOLADO.

COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2

COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2 COMO FAZER? Como preencher adequadamente um envelope para expedição de documentos e processos?... 2 Como preencher adequadamente uma comunicação interna CI?... 3 Como montar um processo físico?... 4 Como

Leia mais

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB Manual do Sistema SMARsa Módulo WEB Notas da Atualização do Manual Na versão 4.1 deste manual consta: 1º. Aguardando Recebimento: Adicionado o campo de digitação do numero de remessa para o recebimento.

Leia mais

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: AUTUAÇÃO, MOVIMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 109/2013, de 01/07/2013 VIGÊNCIA: 01/07/2013 NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

SGD - Sistema de Gestão de Documentos

SGD - Sistema de Gestão de Documentos Agosto/2012 SGD - Sistema de Gestão de Documentos Manual do Módulo Documentos Características Orientações de utilização do Módulo Documentos. Apresentação das funcionalidades. Telas explicativas e passo

Leia mais

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS O que é preciso para autuar um processo? Para atuar processo é necessário que o documento seja original ou cópia, desde que autenticada

Leia mais

SAUSP. Sistema de Arquivos da Universidade de São Paulo

SAUSP. Sistema de Arquivos da Universidade de São Paulo SAUSP Sistema de Arquivos da Universidade de São Paulo Comissão Setorial do Sistema de Arquivos da EEFEUSP Presidente: Camila N. Favero Membros: Telma Elisa A. V. Sanches Paulo Serson Ilza B. dos Santos

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos O objetivo deste Manual é permitir a reunião de informações dispostas de forma sistematizada, criteriosa e segmentada

Leia mais

SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012

SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012 SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012 Caro Gestor, Este manual de operação tem por objetivo instruí-lo sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA. Pág. 32

MINISTÉRIO DA CULTURA. Pág. 32 Pág. 32 Pág. 33 ANEXO II PASSO A PASSO CADASTRO SALIC WEB E SAD 1. CADASTRO DE DOCUMENTOS NO SALICWEB (perfil somente do Protocolo Central) A documentação que é recebida no Protocolo do MinC é cadastrada

Leia mais

SISTEMA PATRIMÔNIO WEB

SISTEMA PATRIMÔNIO WEB UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Subcomissão de Patrimônio - GEFIM REITORIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO COMPATRIM/GEFIM SISTEMA PATRIMÔNIO WEB Manual do usuário v.1.1 Sumário Introdução... 4 Fluxo das Principais

Leia mais

ELIMINAÇÃO DA AUTUAÇÃO DE BARRAMENTOS Manual de Utilização e Referência

ELIMINAÇÃO DA AUTUAÇÃO DE BARRAMENTOS Manual de Utilização e Referência ELIMINAÇÃO DA AUTUAÇÃO DE BARRAMENTOS Manual de Utilização e Referência Dezembro/2012 Sumário 1. Introdução... 4 2. Conteúdo... 4 3. Premissas... 4 4. Alterações de impacto global... 5 i. Comportamento

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

04/05/2010. Segundo a Rede de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais (RENAPI)

04/05/2010. Segundo a Rede de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais (RENAPI) Agenda MINISTERIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCACÃO PROFISSIONAL ETECNOLÓGICA IFBAIANO Sistema Integrado de Gestão Acadêmica Administrativo SIGA-ADM ADM Módulo de Protocolo TREINAMENTO (Geral) O Sistema

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO SIE-SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O ENSINO

MANUAL DO USUÁRIO DO SIE-SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O ENSINO MANUAL DO USUÁRIO DO SIE-SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O ENSINO INTRODUÇÃO Esse manual destina-se a usuários do Sistema de Informação para o Ensino -SIE Módulo Protocolo e tem por finalidade apresentar as

Leia mais

MANUAL DO MÓDULO PROTOCOLO

MANUAL DO MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO MÓDULO PROTOCOLO Florianópolis, março de 2005 SINGU SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA INDICE 1. CADASTRAR PROTOCOLO...3 2. VINCULAR DOCUMENTO A PROCESSO...5 3. VINCULAR INTERESSADO A

Leia mais

Sobre o Cancelamento de Gravames. Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP

Sobre o Cancelamento de Gravames. Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP Sobre o Cancelamento de Gravames Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP Procedimentos para Solicitação do Desbloqueio de Cancelamento de Gravame De acordo com a portaria 2.762 de 28 de dezembro

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO DE DOCUMENTOS DIGITALIZADOS Abril/2015 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 5 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que:

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que: ORDEM DE SERVIÇO N o 003/2014 Em 16 de janeiro de 2014, o Reitor em exercício da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ, usando de suas atribuições, tendo em vista a ampliação da eficácia e da eficiência

Leia mais

Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO

Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO Empresa de Gestão de Recursos do Piauí EMGERPI MANUAL DE PROTOCOLO/PROTOCOLADO TERESINA (PI), JUNHO DE 2008 GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ José Wellington Barroso de Araújo Dias SECRETÁRIA DE ESTADO DA

Leia mais

Manual do sistema SMARsa WEB

Manual do sistema SMARsa WEB Manual do sistema SMARsa WEB Módulo Solicitação/Ouvidoria SMARsa WEB Solicitação/Ouvidoria Versão 2.7 1 Sumário INTRODUÇÃO...4 OBJETIVOS...4 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo solicitação/ouvidoria...5

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ACADÊMICA

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ACADÊMICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ACADÊMICA MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO: SETEMBRO/2010 SUMÁRIO Introdução...

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003.

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. Disciplina a formação de processos administrativos no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

Sistema Protocolo, Tramitação e Arquivamento de Processos Manual do Usuário

Sistema Protocolo, Tramitação e Arquivamento de Processos Manual do Usuário SERVIÇO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ARQUIVO CENTRAL Sistema Protocolo, Tramitação e Arquivamento de Processos Manual do Usuário Belém Pará Fevereiro 2000 Sumário Introdução... 3 Acesso ao Sistema...

Leia mais

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB Manual do Sistema SMARsa Módulo WEB Índice INTRODUÇÃO...1 OBJETIVOS....1 TELA DE LOGIN...2 Como Utilizar?...2 INICIANDO O TRABALHO...3 TELA INICIAL...3 PERDA DE CONEXÃO:...4 1. ADMINISTRAÇÃO...5 1.1. Alterar

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS PROCESSUAIS

MANUAL DE NORMAS PROCESSUAIS MANUAL DE NORMAS PROCESSUAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP (Fevereiro de 2008) Elaborado pelo Grupo de Trabalho de Normas Processuais Instituído por Portaria em 18 de outubro

Leia mais

Sistema de Protocolo. Manual do Usuário

Sistema de Protocolo. Manual do Usuário Sistema de Protocolo Manual do Usuário Atualizado em 05/06/2010 2 Apresentação Módulo Protocolo Está disponível de forma integrada com todos os órgãos para registrar e acompanhar, de modo atualizado e

Leia mais

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA

O QUE É DOCUMENTO PARA O SIGA APRESENTAÇÃO O SIGA - Sistema Integrado de Gestão Administrativa é o sistema oficial de gestão documental do Poder Judiciário baiano que permite a criação, transferência, assinatura e demais atos de tramitação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE IX Envio das Informações e documentos para o TCE VERSÃO 2015 Novembro

Leia mais

GERENCIAMENTO DE NF-e (VEND0079)

GERENCIAMENTO DE NF-e (VEND0079) GERENCIAMENTO DE NF-e (VEND0079) 1. IDENTIFICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES NA TELA.... 2 2. FUNCIONALIDADES.... 3 2.1 EMISSÕES DE NOTAS... 3 2.2 DESTINATÁRIO DE NF-E... 4 2.3 ENVIAR NOTA POR E-MAIL... 7 2.4 VISUALIZAÇÃO...

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010.

PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010. CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PORTARIA NORMATIVA Nº.., DE DE... DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos gerais para o desenvolvimento das atividades de protocolo nos órgãos e entidades integrantes

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Universidade Federal de Santa Maria UFSM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PRPGP

Ministério da Educação - MEC Universidade Federal de Santa Maria UFSM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PRPGP Ministério da Educação - MEC Universidade Federal de Santa Maria UFSM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PRPGP Tutorial de Solicitação de Defesa de MDT Monografia Dissertação Tese AGOSTO DE 2013

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Versão 1.0 Julho/2012 ÍNDICE 1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO... 4 1.1 Equipamento e Sistemas Operacionais 4 1.1.1

Leia mais

Copyright 2004/2014 - VLC

Copyright 2004/2014 - VLC Escrituração Fiscal Manual do Usuário Versão 7.2 Copyright 2004/2014 - VLC As informações contidas neste manual são de propriedade da VLC Soluções Empresariais Ltda., e não poderão ser usadas, reproduzidas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO M3

MANUAL DO USUÁRIO DO M3 MANUAL DO USUÁRIO DO M3 1 CADASTROS 1.1 Clientes Abre uma tela de busca na qual o usuário poderá localizar o cadastro dos clientes da empresa. Preencha o campo de busca com o nome, ou parte do nome, e

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

1. Objetivos do curso 2. 2 Comunicação Interna (CI) 13 3 Ofício 18 4 DEFINIÇÕES GERAIS 23 5 CONCLUSÃO 27

1. Objetivos do curso 2. 2 Comunicação Interna (CI) 13 3 Ofício 18 4 DEFINIÇÕES GERAIS 23 5 CONCLUSÃO 27 1. Objetivos do curso 2 Introdução 2 Funções do Sistema: 2 Da Comunicação Interna: 3 o Enviadas: 3 o Recebidas: 3 o Com Cópia Pessoal: 3 Ofícios 4 o Enviados: 4 o Recebidas com Cópia: 5 Contatos Externos:

Leia mais

Manual de utilização do Relatório de Viagens

Manual de utilização do Relatório de Viagens Manual de utilização do Relatório de Viagens Os Módulos do Sistema de Relatório de Viagens foram criados tendo com base a Regulamentação de Viagem da MGS - Minas Gerais Administração e Serviços S/A (RG/AD/02/10ª).

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP UNIDADE 2.6.15.1 Atender cliente Atender o cliente e analisar a solicitação para identificar se é restituição por pagamento indevido (erro de leitura, erro de cadastro, faturamento indevido), pagamento

Leia mais

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174 Versão Liberada A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível. A atualização da versão

Leia mais

SISTEMA DE PRODUTOS E SERVIÇOS CERTIFICADOS. MÓDULO DO CERTIFICADOR MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 2.4.6

SISTEMA DE PRODUTOS E SERVIÇOS CERTIFICADOS. MÓDULO DO CERTIFICADOR MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 2.4.6 SISTEMA DE PRODUTOS E SERVIÇOS CERTIFICADOS Versão 2.4.6 Sumário Fluxograma básico do processo de envio de remessa... 5 Criar novo certificado... 6 Aprovar certificado... 16 Preparar e enviar remessa...

Leia mais

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA ANEXO I ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL CRIAÇÃO, CAPTURA E DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE:

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...1 1. DO CADASTRO DE PRETENDENTES:... 2 1.1. RECIBO DE INCLUSÃO:... 4 2. REGISTRO ADICIONAL DE PRETENDENTES:...

Leia mais

CONTESTAÇÃO DA ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA

CONTESTAÇÃO DA ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA atualizado em 19/10/2015 acrescentados os itens 6.3 e 6.4 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...4 2. MODALIDADES DA CONTESTAÇÃO...5 3. PRAZOS PARA A CONTESTAÇÃO...5 4. REQUISITOS GERAIS PARA ACESSO AO SISTEMA e-fisco/cmt...7

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos 1 SUMÁRIO 1. Definições 3 1.1 Apresentação 3 1.2 Disposição do Sistema 3 2. Acessando o Sistema 4 2.1 Procedimento para regularizar o primeiro acesso 4 2.2 Procedimento

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Publicada no DOE do dia 25/02/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Regulamenta os procedimentos para abertura de processos, juntada, cópia e demais rotinas de tramitação de processos e documentos

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS - DGA

DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS - DGA DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS - DGA SETOR DE REGISTRO DIPLOMAS - SRD MANUAL DE ENVIO DE PROCESSOS MÓDULO SOLICITANTE - SICP Versão 2 CUIABÁ-MT Setembro / 2014 1 ÍNDICE GERAL APRESENTAÇÃO...03 INSTRUÇÕES

Leia mais

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. ACESSO AO SISTEMA... 1 1.2. TELA INICIAL

Leia mais

Manual do Usuário. Protocolo

Manual do Usuário. Protocolo Manual do Usuário Protocolo Índice de capítulos Parte I - Processos............................... 01 1 - Buscar................................ 01 2 - Listar................................ 02 3 - Abertura..............................

Leia mais

- Acessar o sistema. Para acessar o sistema digite o endereço eletronico www.simpo.com.br/protocolo e clique em login na barra de menus.

- Acessar o sistema. Para acessar o sistema digite o endereço eletronico www.simpo.com.br/protocolo e clique em login na barra de menus. - Acessar o sistema. Para acessar o sistema digite o endereço eletronico www.simpo.com.br/protocolo e clique em login na barra de menus. Ou digite www.simpo.com.br/protocolo/login.php, para ir diretamente

Leia mais

PORTARIA Nº 102 DE 14 DE JUNHO DE 2011

PORTARIA Nº 102 DE 14 DE JUNHO DE 2011 ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PORTARIA Nº 102 DE 14 DE JUNHO DE 2011 O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no exercício de suas atribuições legais, para fins de uniformizar procedimentos relativos

Leia mais

Conhecimento de Transporte

Conhecimento de Transporte Página1 Conhecimento de Transporte No menu de navegação, este item é a opção para emissão e administração dos Conhecimentos de Transporte do sistema. Para acessar, posicione o mouse no local correspondente

Leia mais

TCEnet. Manual Técnico. Responsável Operacional das Entidades

TCEnet. Manual Técnico. Responsável Operacional das Entidades TCEnet Manual Técnico Responsável Operacional das Entidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Características... 3 3. Papéis dos Envolvidos... 3 4. Utilização do TCEnet... 4 4.1. Geração do e-tcenet... 4

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 1 2 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 2- Notas de Compra (Incluindo Quantidades no Almoxarifado) 07 2.1 - Notas complementares 12 2.2 - Desmembramento de bens 13 3- Requisições

Leia mais

MÓDULO PROTOCOLO Manual do Usuário

MÓDULO PROTOCOLO Manual do Usuário MÓDULO PROTOCOLO Manual do Usuário Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. TÓPICOS ABORDADOS...3 3. PARA ENTRAR NO SIM...3 4. PARA ALTERAR SENHA...3 5. ACESSO AOS MÓDULOS... 4 6. APRESENTANDO A TELA INICIAL...4 7.

Leia mais

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA.

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA MANUAL DO VTWEB CLIENT CADASTROS /PEDIDOS E PROCEDIMENTOS Resumo Esse manual tem como o seu objetivo principal a orientação de uso do

Leia mais

SISCOF - Manual do Usuário

SISCOF - Manual do Usuário SISCOF - Manual do Usuário SERPRO / SUPDE / DECTA / DE901 SISTEMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA Versão 1.2 Sumário SISCOF Sistema de Controle de Frequência 1. Login e Senha... 2 1.1 Como Efetuar Login No Sistema...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1 MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento Toledo PR Página 1 INDICE 1. O QUE É O SORE...3 2. COMO ACESSAR O SORE... 4 2.1. Obtendo um Usuário e Senha... 4 2.2. Acessando o SORE pelo

Leia mais

Manual do Processo de Faturamento

Manual do Processo de Faturamento Manual do Processo de Faturamento Apresentação MV Sumário Processo de Faturamento 6 Leia-me primeiro... 6 Faturamento de... Convênios e Particular 8 Faturamento de Convênios... 8 Protocolar Documentação...

Leia mais

Grupo Normativo de Auditoria e Controle de Saúde GNACS

Grupo Normativo de Auditoria e Controle de Saúde GNACS Grupo Normativo de Auditoria e Controle de Saúde GNACS Atualizações Normativas / Fluxo de documentações Maria Aparecida Ribeiro Singer Novembro 2009 Objetivo - GNACS Racionalizar e Organizar o método de

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE. Solicitação de CAT N-LINE CREA-SP PASSO-A-PASSO

SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE. Solicitação de CAT N-LINE CREA-SP PASSO-A-PASSO SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE CAT Solicitação de CREA-SP N-LINE PASSO-A-PASSO 1 2 CREA-SP SOLICITAÇÃO DE CAT ON-LINE: A QUALQUER HORA, EM QUALQUER LUGAR! O QUE É ACERVO TÉCNICO? É o conjunto das atividades

Leia mais

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Seção I Da Criação, da Captura e da Digitalização de Documentos Art.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP Pouso Alegre MG 2013 SUMÁRIO 1. Introdução.... 6 2. Efetuar Entrada de Material.... 8 2.1. Entrada de Material por Compra.... 8 2.1.1. Cadastro de Empenho...

Leia mais

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro SUMÁRIO 1. FINANCEIRO... 5 1.1. ED - SECRETARIA... 5 1.2. ED - ESCOLA... 5 1.3. USUÁRIOS POR ENTIDADE NO ED SECRETARIA E ESCOLA... 6 2. FINANCEIRO - SECRETARIA... 7 2.1.

Leia mais

FORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

FORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ FORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS Realização: CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Elias Caetano da Silva Controlador Geral Ji-Paraná, Março de 2013 FORMALIZAÇÃO

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

AFASTAMENTO CURSO/CONGRESSO

AFASTAMENTO CURSO/CONGRESSO PREFEITURA DO MUNICIPIO DE SÃO PAULO PMSP SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO SMG COORDENADORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COGEP DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DERH DIVISÃO DE GESTÃO DE TEMPO DE SERVIÇO E INFORMAÇÕES

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José do Calçado - ES

Prefeitura Municipal de São José do Calçado - ES TRAMITAÇÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS PRINCÍPIOS GERAIS: Cabe à chefia dos pontos de tramitação fiscalizar a movimentação de processos e documentos na Unidade Administrativa pela qual respondem; O encaminhamento

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 Dispõe sobre o procedimento de reconstituição e restauração dos autos de processos do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.0 2010 1 1. INTRODUÇÃO Administradores públicos defrontam-se diariamente com grandes dificuldades para fazer com que processos administrativos, documentos, pareceres e informações

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Manual de Contingência Contribuinte 08/05/2008 Versão 6.0.2 Maio de 2008 Página 1 de 9 CONTROLE DE VERSÕES Versão Data 1.0.0 26/10/2006 Porto Alegre 2.0.0 30/03/2007 Belo Horizonte

Leia mais

Juntada de Processos. Sistema Módulo Usuários Perfil. A juntada pode ser de dois tipos:

Juntada de Processos. Sistema Módulo Usuários Perfil. A juntada pode ser de dois tipos: Juntada de Processos Sistema Módulo Usuários Perfil SIPAC Protocolo Todo usuário que possui o perfil Cadastrar Protocolo Gestor de Cadastro de Protocolo Última Atualização 07/12/2010 14:52 Juntada é a

Leia mais

Sistemas Corporativos da USP (Web)

Sistemas Corporativos da USP (Web) Sistemas Corporativos da USP (Web) O sistema de estágios remunerados da USP é fruto da colaboração das seguintes áreas da Reitoria da Universidade de São Paulo: Departamento de Recursos Humanos, Departamento

Leia mais

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS 2014 Tecnologia da Informação - TI Unimed Cascavel MANUAL HILUM 4.0 - FISIOTERAPIA A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL. PTU Web

MANUAL OPERACIONAL. PTU Web MANUAL OPERACIONAL PTU Web Versão 8.0 24/08/2011 ÍNDICE Índice... 2 PTU Web... 4 O que é o PTU Web?... 4 Como acessar o PTU Web?... 4 Listagem de arquivos enviados e recebidos... 5 Unimeds disponíveis

Leia mais

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Divisão de Patrimônio DIPM/GRM/PRAD Manual do Sistema de Patrimônio Versão On-Line Núcleo de Informática Universidade Federal de Mato Grosso do Sul P á g i n a 2 Manual do Sistema de Patrimônio Núcleo

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN Guia de Capacitação Concessão de Cotas Financeiras Versão 1.0 outubro 2012 MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA INSTRUTOR: CARLOS ALBERTO PEREIRA LIMA COLABORADORES

Leia mais

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16 Regulamento SIGA Versão 1.0 Outubro, 2013 Página 1 de 16 Sumário Objetivo deste Regulamento...3 Introdução...4 Definição...4 O que é documento para o SIGA...4 Numeração dos documentos no SIGA...4 Disposição

Leia mais

Circulação de Materiais

Circulação de Materiais Circulação de Materiais Manual APC Manual PER-MAN-001 Circulação de Materiais Sumário 1. EMPRÉSTIMO/DEVOLUÇÃO/DÉBITOS/RENOVAÇÃO... 1-1 1.1 1.2 EMPRÉSTIMO... 1-3 DEVOLUÇÃO... 1-7 1.3 DÉBITOS... 1-10 1.4

Leia mais

Manual do Almoxarifado SIGA-ADM

Manual do Almoxarifado SIGA-ADM Manual do Almoxarifado SIGA-ADM DIRETORIA DE GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO(DGTI) MARÇO/2012 Requisição de Almoxarifado Requisições O sistema retornará a tela do menu de Administração. Nela selecione

Leia mais

FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP

FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP 1. Quem pode obter o acesso ao SEI-MP? O SEI-MP está disponível apenas para usuários e colaboradores internos do MP. Usuários externos não estão autorizados

Leia mais

Passo a passo SISCORT R 2015

Passo a passo SISCORT R 2015 Passo a passo SISCORT 2015 SUMÁRIO (PASSO A PASSO SISCORT) Passo 1 Acessando o Sistema ------------------------- slide 1 Passo 2 -Identificação do Usuário ---------------------slide 16 Passo 3 Atualizar

Leia mais

E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes

E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes 1. É possível excluir um processo que já foi enviado? Só será possível excluir o processo se o mesmo ainda não tiver sido recebido.

Leia mais

SophiA Biblioteca - Treinamento Cadastro de Usuários

SophiA Biblioteca - Treinamento Cadastro de Usuários SophiA Biblioteca - Treinamento Cadastro de Usuários Para realizar um cadastro de usuário, clique na aba USUÁRIOS e em seguida no botão. Aba Dados Nome: cadastro do nome do novo usuário. Código: É possível

Leia mais

LICENÇA ADOÇÃO E LICENÇA GUARDA DE MENOR

LICENÇA ADOÇÃO E LICENÇA GUARDA DE MENOR PREFEITURA DO MUNICIPIO DE SÃO PAULO PMSP SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SEMPLA COORDENADORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COGEP DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DERH DIVISÃO DE GESTÃO

Leia mais

CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS. (1ª Edição)

CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS. (1ª Edição) CARTILHA PARA AUTUAÇÃO DE PROCESSOS (1ª Edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS João Martins Dias Reitor Antônio Venâncio Castelo Branco Pró-Reitor

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS Versão 1.0 SUMÁRIO 1. Descrição do Local de Acesso... 1 2. Módulo Registrar Diárias... 3 3. Módulo Aprovar Diárias... 11 4. Registrar Prestação de Contas...

Leia mais

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 índice Passo 1: Visão geral 3 Passo 2: Como acessar o Consultório Online? 3 Passo 3: Recursos disponíveis 4 Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 Pesquisa de histórico

Leia mais

e- SIC Manual do SIC

e- SIC Manual do SIC e- SIC Manual do SIC Sumário Introdução.. 3 O e-sic.. 4 Primeiro acesso.. 5 Perfis de usuário.. 6 Cadastro de usuário no e-sic.. 7 Alteração de dados de usuários.. 9 Atualização de dados do SIC.. 11 Registro

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Cheques 1

2013 GVDASA Sistemas Cheques 1 2013 GVDASA Sistemas Cheques 1 2013 GVDASA Sistemas Cheques 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 4, p. 6-12 em 10/4/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 191, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Disciplina a formação de processos administrativos no âmbito do Supremo Tribunal Federal

Leia mais

Copyright 2004/2015 - VLC

Copyright 2004/2015 - VLC Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Perguntas Frequentes Versão 8.1 Atualizado em 26/08/2015 Copyright 2004/2015 - VLC As informações contidas neste caderno de Perguntas e Respostas são de propriedade da

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SGA Nº. 007/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO, REGISTRO, TRAMITAÇÃO, CONTROLE E EXPEDIÇÃO DE DOCUMENTOS NA. Versão: 01 Aprovação: 13/06/2011 Ato de aprovação: 13/06/2011

Leia mais