EQUIPAMENTO PARA MENSURAÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE PLANTAS NA CULTURA DO MILHO (Zea Mays)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EQUIPAMENTO PARA MENSURAÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE PLANTAS NA CULTURA DO MILHO (Zea Mays)"

Transcrição

1 EQUIPAMENTO PARA MENSURAÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE PLANTAS NA CULTURA DO MILHO (Zea Mays) Edson Massao Tanaka¹; Luís Hilário Tobler Garcia²; Allan Lincoln Rodrigues Siriani³; Tiago Borges Scalisse 4 ¹Mestre, Professor Associado, FATEC Shunji Nishimura, Mecanização em Agricultura de Precisão, Pompeia, SP, Fone: (18) , ²Mestre, Professor Associado, FATEC Shunji Nishimura, Mecanização em Agricultura de Precisão, Pompeia, SP, Fone: (14) , ³Graduado, Pesquisador Tecnológico, Laboratório de Pesquisas Tecnológicas UJI, Pompeia, SP, Fone: (14) , 4 Discente, FATEC Shunji Nishimura, Mecanização em Agricultura de Precisão, Pompeia, SP, Fone: (14) , Resumo: O milho é uma cultura que possui grande importância na economia brasileira e segundo a Conab, somente na safra 12/13 a estimativa de colheita é de mais de 80 milhões de toneladas, atingindo um recorde no país, mas para a obtenção de altas produtividades, sua densidade e uniformidade devem fatores observados no momento do plantio. O trabalho tem como objetivo o desenvolvimento de um protótipo de um veículo terrestre não tripulado (VTNT) que mensure in loco o espaçamento entre plantas da cultura do milho possibilitando o cálculo de coeficiente de variação desse espaçamento de maneira automática. O desenvolvimento da estrutura principal do protótipo é feita de tubos perfilados de cloreto de polivinila (PVC) nas dimensões que permitam a passagem do veículo sobre a cultura. Para a medição do espaçamento e a elaboração dos cálculos utiliza-se uma plataforma de prototipagem eletrônica Arduino Mega 2560 e sensores ultrassônicos, através dos quais é possível por intermédio de uma programação construída em linguagem C, a obtenção dos dados e a elaboração de cálculos estatísticos para a determinação do coeficiente de variação. Como resultado final, foi observado que o equipamento responde de forma necessária para a obtenção dos dados, mas possui limitações que o impede de realizar o cálculo do coeficiente de variação de forma precisa e acurada, limitações advindas das variações de velocidade e de limitações dos sensores ultrassônicos. Palavras-chave: VTNT, coeficiente de variação do espaçamento, cultura do milho, arduino, Zea mays. 1

2 EQUIPMENT FOR MEASURING THE COEFFICIENT OF VARIATION BETWEEN PLANTS IN THE CORN CROP (Zea Mays) Abstract: Corn is a crop that has great importance in the Brazilian economy and according to Conab, only in season 12/13 the estimated harvest is over 80 million tons to a record in the country, but to obtain high yields the density and uniformity must be one of the most important factors at the time of planting. The work aims to develop a prototype of an unmanned ground vehicle (UGV) that measures in loco the plant spacing of the corn crop enabling calculation of coefficient of variation of this spacing automatically. The prototype main structure development is made of profile pipes made of polyvinyl chloride (PVC) in the dimensions that permit the passage of the vehicle on the crop. For measurement of the spacing and draw up the calculations uses electronics prototyping platform Arduino Mega 2560 with ultrasonic sensors, through of these is possible by means of a programming language built in C to obtain the data and preparation of statistical calculations for obtaining the coefficient of variation. As a result, it was observed that the equipment responds necessary to obtain data but has limitations that prevents it from performing the calculation of the coefficient of variation precisely and accurately, limitations arising from speed variations and limitations of ultrasonic sensors. Keywords: UGV, coefficient of variation, corn, arduino, Zea mays. INTRODUÇÃO O trabalho, caracterizado como artigo técnico, ressalta a importância econômica do milho, a importância do espaçamento entre plantas desta cultura e a importância do estudo de novas tecnologias e sua aplicação no campo. Segundo provas que envolvem escavações arqueológicas e geológicas e medições por desintegração radioativa, entre as culturas conhecidas, o milho se destaca como a mais antiga, sendo cultivado há pelo menos anos, é também uma das mais importantes plantas comerciais com origem nas Américas. Segundo indicações tem sua origem no México, América Central ou Sudoeste dos Estados Unidos e logo depois do descobrimento das Américas, foi levado para a Europa, onde era cultivado em jardins, até que seu valor alimentício tornou-se conhecido e passou, então, a ser plantado em escala comercial, espalhando-se desde a antiga União Soviética até a Argentina (GODOY, 2002; JUGENHEIMER, 1990, apud DUARTE, c2000). Atualmente o cereal mais produzido no mundo, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), nos últimos cinco anos, a produção média de milho foi de 778,8 milhões de toneladas, no mesmo período, a produção de arroz em casca foi de 668,1 milhões de toneladas e a de trigo situou-se em 662,2 milhões (DEMARCHI, 2011). Conforme cita Demarchi (2011), a importância econômica do milho se encontra em sua diversidade de utilização, podendo ser utilizado desde a alimentação animal e humana até a 2

3 indústria de alta tecnologia, contudo, o maior destino do milho é a produção de ração para a avicultura, bovinocultura e a suinocultura, as quais são de grande importância econômica, tanto no cenário nacional como no cenário mundial. O milho é uma cultura que possui grande importância na economia brasileira, e segundo a Conab (2013), somente na safra 12/13 a estimativa é de recorde, com mais de 80 milhões de toneladas de milho colhidas no país, como mostrado em destaque na figura 1. Figura 1 - Estimativa de produção de grãos, safras 2011/2012 e 2012/2013 (em 1000 t) Fonte: CONAB, 2013 Levantamento: Agosto/2013 Outro fator que indica essa importância é a participação da cultura no VBP (valor bruto de produção) brasileiro, em que ocupa a terceira colocação, com participação de 13% (correspondendo a R$ 36,846 bilhões), onde a cultura da soja possui principal participação com 30% seguida pela cana-de-açúcar com 17%. 3

4 Utilização de plataformas Arduino na agricultura Arduino é uma plataforma de hardware livre, projetada com um microcontrolador Atmel de placa única, com suporte de entrada e saída embutido e uma linguagem de programação padrão, essencialmente C. Pode ser usado para o desenvolvimento de objetos interativos independentes, ou ainda para ser conectado a um computador com o papel de servidor. Uma típica placa Arduino é composta por um controlador, algumas linhas de entrada e saída, digitais e analógicas, além de uma interface de comunicação serial e USB, possibilitando a sua conexão a um computador, para a sua programação e interação em tempo real, assim como a um servidor. Os Arduinos originais utilizam a série de microcontroladores megaavr, especialmente os microcontroladores da família ATmega8, ATmega168, ATmega328 e a ATmega1280, porém muitos outros microprocessadores foram utilizados por cópias de seu projeto original. A grande maioria de placas inclui um regulador linear de 5 volts e um oscilador de cristal de 16 MHz, sendo pré-programado com um bootloader que, em comparação com outros aparelhos, simplifica o carregamento de programas para o chip de memória flash embutido. Sua utilização envolve o uso de um software livre, responsável por permitir a confecção e transmissão de códigos de programação ao hardware citado, o qual pode ter funcionalidade agregadas através adição de placas que são montadas sobre a placa principal. Atualmente, existem alguns métodos usados para a transmissão de dados em um Arduino, através das placas programáveis por uma porta USB ou através de uma porta serial comum (ARDUINO, 2011). Devido a sua ampla capacidade de utilização, o Arduino também pode ser aplicado na agricultura, como em diversas variáveis que podem ser medidas através de sua plataforma e sensores, a exemplo da automação do processo de pulverização de defensivos e mapeamento de plantio da produção (JUNIOR; VENTURA, 2011). Como cita Dornelles (1997), para a programação é utilizada a linguagem Arduino que é baseada em linguagem C e utiliza um software livre para a escrita dos códigos do sistema criado para a placa Arduino, bem como para efetuar a transferência dos dados para tal placa. A linguagem C é uma linguagem genérica que, apesar de ser de alto nível, compartilha recursos tanto de alto nível, quanto de baixo nível, pois permite acesso e programação direta de microprocessadores. 4

5 O Coeficiente de Variação como medida de qualidade no plantio Conhecer medidas de variabilidade no espaçamento entre plantas na cultura do milho é um fator extremamente importante, pois o milho é uma cultura que apresenta variações de produtividade que dependem de seu espaçamento. Segundo Anderson (2011), quando estamos interessados em uma estatística descritiva que indique qual é o tamanho do desvio padrão em relação à média, utilizamos o coeficiente de variação. Sendo assim, conseguimos saber qual foi a variação do espaçamento entre plantas, e ter um fundamento para uma próxima tomada de decisão. O problema que motivou o desenvolvimento desse trabalho foi a necessidade de obter um método mais prático para obtenção do coeficiente de variação do espaçamento na cultura do milho. Pois o método atual é manual e razoavelmente demorado e trabalhoso. O projeto será realizado de forma experimental (um protótipo), ou seja, essa será a primeira versão realizada, onde será feito principalmente as exposições das ideias, afim de testar e determinar melhor o funcionamento, sendo assim, os testes serão feitos em ambientes controlados e considerados ideais. MATERIAL E MÉTODOS Para o desenvolvimento da estrutura do protótipo, primeiramente foi criado o desenho do projeto com a utilização do software Sketchup, como mostrado na figura 2, em sequência foram utilizados tubos perfilados (3/4) de cloreto de polivinila (PVC) para a montagem da estrutura (figura 3). 5

6 Figura 2 - Esquemático criado com a utilização do software Sketchup Fonte: DO AUTOR Figura 3 - Estrutura de PVC criada para estruturar o projeto Fonte: DO AUTOR Após montagem da estrutura principal, foi necessário equipá-la com o arduino e os sensores ultrassônicos. 6

7 O arduino utilizado foi o Mega 2560 (figura 4), pois possui entradas e saídas analógicas suficientes (16 no total) para a elaboração do projeto e os sensores ultrassônicos foram os HC- SR04 (figura 5), pois fazem parte dos recursos disponíveis e atendem os requisitos iniciais do projeto. Figura 4- Arduino Mega 2560 Fonte: DO AUTOR O Arduino Mega 2560 (figura 4) é uma placa fundamentada no microcontrolador ATmega2560. Ele tem 54 pinos de entradas/saída digitais (dos quais 14 podem ser usados como saídas PWM), 16 entradas analógicas, 4 UARTs (portas seriais de hardware), um cristal oscilador de 16 MHz, uma conexão USB, um conector de alimentação e um botão de reset. Ele contém tudo o necessário para suportar o microcontrolador, basta conectá-lo a um computador com um cabo USB ou ligá-lo com um adaptador AC para DC ou bateria para começar usá-lo (ARDUPILOT, c2013). Figura 5 - Sensor ultrassônico HC-SR04 Fonte: LET S MAKE ROBOTS,

8 Já o sensor ultrassônico HC-SR04 tem seu princípio de funcionamento na emissão de uma onda sonora de alta frequência, e na medição do tempo levado para a recepção do eco produzido quando esta onda se choca com um objeto capaz de refletir o som. Eles emitem pulsos ultrassônicos ciclicamente. Quando um objeto reflete estes pulsos, o eco resultante é recebido e convertido em um sinal elétrico. A detecção do eco incidente depende de sua intensidade e da distância entre o objeto e o sensor ultrassônico. Os sensores ultrassônicos funcionam medindo o tempo de propagação do eco, ou seja, intervalo de tempo medido entre o impulso sonoro emitido e o eco do mesmo (JUNIOR; VENTURA, 2011). O próximo passo foi a realização da conexão dos sensores com a placa arduino. O sensor ultrassônico possui 4 (quatro) pinos: VCC (+5V), Trig (pino trigger, que dispara a onda sonora), Echo (receptor da onda sonora) e o GND (ground, 0V). O pino VCC e GND são ligados a alimentação da placa do arduino, na entrada de 5V e GND respectivamente. Os pinos Trig e Echo são ligados as portas analógicas do arduino, sendo o pino Trig definido como saída e o Echo como entrada, sendo essa última operação realizada juntamente a programação. Nesse caso, dois sensores são utilizados para o projeto, para que possa ser medida a velocidade de deslocamento do veículo, sendo realizado da seguinte forma: Os dois sensores são posicionados do mesmo lado da estrutura a uma distância conhecida um do outro, nesse projeto foi utilizado 10cm (figura 6). Figura 6 Posicionamento dos sensores ultrassônicos Fonte: DO AUTOR 8

9 Quando o sensor, que está posicionado mais à frente da estrutura detecta a planta ele começa uma contagem de tempo, que só será parada quando o segundo sensor detectar a próxima planta. Assim com esse tempo, mais a distância de um sensor ao outro é possível obter a velocidade de deslocamento, representada pela equação (1): Onde: Vm = Δs/ Δt (1) Vm = velocidade média Δs = diferença de distância de um sensor ao outro Δt = diferença de tempo entre o 1º sensor até o 2º sensor O pino Trig e Echo do primeiro sensor foram ligados nas portas analógicas 8 e 9 respectivamente, o pino Trig e Echo do segundo sensor foram ligados respectivamente nas portas 12 e 13. E os pinos VCC e GND de ambos sensores foram ligados na alimentação de +5V e 0V. Com os dados de velocidade de deslocamento, foi é possível começar a obter o espaçamento de uma planta a outra. Utilizou-se a diferença de tempo que o primeiro sensor levou para passar de uma planta até a próxima planta, com essa diferença mais a velocidade calculada anteriormente, é possível calcular a distância de uma planta a outra, através da equação da distância (2): Δs = Vm x Δt (2) Onde: Vm = velocidade média Δs = distância entre as plantas Δt = tempo que o sensor demorou para passar entre as plantas Com o cálculo das distâncias, foi possível progredir para o cálculo do coeficiente de variação, as equações de 1 a 6, são referenciadas a Anderson, Sweeney e Williams (2011). Calculou-se a média das distâncias conforme a equação (3), para dar prosseguimento aos cálculos: x = xi n (3) 9

10 Onde: x = média xi = soma dos valores de n observações n = número de observações (plantas) Esses dados possibilitaram dar prosseguimento para os cálculos do coeficiente de variação, restando calcular a variância (4) e o desvio padrão (5): s² = (xi x)² n 1 (4) Onde: s² = variância ( xi x)² = soma dos valores menos a média elevado ao quadrado n = número de observações amostras (plantas) s = s² (5) Onde: s = desvio padrão s² = variância Agora para calcular o coeficiente de variação é necessário calcular a relação entre o desvio padrão e a média (6): CV% = s x 100 (6) Onde: CV% = desvio padrão em percentagem x = média A seguir consta a programação realizada, com as partes mais importantes descritas depois de duas barras (//). //PROGRAMA: //Declaração das variaveés que serão usadas no programa #define echopinb 9 //Pino 9 recebe o pulso do echo #define trigpinb 8 //Pino 8 envia o pulso para gerar o echo 10

11 #define echopin 13 //Pino 13 recebe o pulso do echo #define trigpin 12 //Pino 12 envia o pulso para gerar o echo int contplanta = 0; int sensor1= 0; double distsens = 10.00; //Distância entre os sensores ultrassônicos double vel; int sensor2 ; int cont; int cont1; double tempo1; double tempo0; double tempo2; double distplanta[100]; double cv; double soma; double desvpad; double media; double variancia; double somaquad; void setup() // define as entradas e saídas, no caso os dois sensores ultrassônicos { Serial.begin(9600); //inicia a porta serial pinmode(echopin, INPUT); // define o pino 13 como entrada (recebe) pinmode(trigpin, OUTPUT); // define o pino 12 como saida (envia) pinmode(echopinb, INPUT); // define o pino 9 como entrada (recebe) pinmode(trigpinb, OUTPUT); // define o pino 8 como saida (envia) } void loop() { //Configuração do SENSOR 1 digitalwrite(trigpin, LOW); delaymicroseconds(2); 11

12 digitalwrite(trigpin, HIGH); delaymicroseconds(10); digitalwrite(trigpin, LOW); long duration = pulsein(echopin,high); long distancia = duration /58 ; if (((distancia <10)&&(distancia > 1)) && (sensor1 < 1)){ // define se tem planta no sensor 1 sensor1 = 1; contplanta ++; tempo1 = millis(); tempo1 = tempo1/1000; Serial.print("Quant. Plantas: "); Serial.println(contplanta); Serial.print("Tempo 1: "); Serial.println(tempo1); if (contplanta > 1){ distplanta[contplanta] = ((tempo1-tempo0)*vel); soma = soma + distplanta[contplanta]; media = soma/(contplanta-1); Serial.print("Distancia da planta "); Serial.print(contplanta-1); Serial.print(" ate a planta "); Serial.print(contplanta); Serial.print(" e de "); Serial.print(distplanta[contplanta]); Serial.println(" cm"); } } //Configuração do sensor SENSOR 2 digitalwrite(trigpinb, LOW); delaymicroseconds(2); digitalwrite(trigpinb, HIGH); delaymicroseconds(10); 12

13 digitalwrite(trigpinb, LOW); long durationb = pulsein(echopinb,high); long distanciab = durationb /58 ; if(((distanciab < 10)&& (distanciab >1)) && (sensor1==1)){ //define se tem planta no sensor 2 tempo2=millis(); tempo2 = tempo2/1000; tempo0 = tempo1; sensor1 = 0; Serial.print("Tempo 2: "); Serial.println(tempo2); vel = (distsens/(tempo2 - tempo1)); Serial.print("Vel.: "); Serial.print(vel); Serial.println(" cm/s"); Serial.println(" "); for(cont1 =2; cont1 <= contplanta; cont1++){ somaquad = pow(distplanta[cont1]-media,2) + somaquad; } //Cálculos para realizar o coeficiente de variação variancia = somaquad/(contplanta-1); desvpad = sqrt(variancia); cv = (desvpad/media)*100; Serial.print("CV% = "); Serial.println(cv); } delay(300); } Após a montagem da estrutura e programação, foi dado início aos testes, que foram realizados em ambiente fechado (não foi realizado teste em campo), em condições ideais para que possa haver melhor controle e visualização dos resultados. 13

14 Ao invés de utilizar uma planta de milho, foram utilizados quatro cones de papel espaçados a 30, 25 e 20cm respectivamente um do outro (figura 7), para que fosse feira a simulação da detecção de planta, ressaltando que este projeto visa testar e entender melhor o funcionamento do equipamento aqui proposto. Figura 7 - Disposição dos cones de papel Fonte: DO AUTOR RESULTADOS Foram realizados 5 testes em ambiente controlado, e comparados com valores medidos do método manual. Os resultados estão expressos na tabela 1, e indicam a variação dos valores reais sobre os valores medidos pelo equipamento, mostrando que houve variações de -3,41 a 3,34 em relação ao valor real. Tabela 1 - Comparação entre valores reais e medidos com o equipamento Repetições Distância entre plantas real (cm) Distância entre plantas medido com equipamento (cm) , , , , , , , ,51 CV Real (%) CV medido com o equipamento (%) Diferença entre CV real e medido 16,33 19,14 2,81 16,33 12,99-3,34 16,33 14,98-1,35 14

15 , , , , , , ,33 19,74 3,41 16,33 13,87-2,46 CONCLUSÃO Com os testes realizados foi observado que o equipamento realiza todos os cálculos necessários para a medição do coeficiente de variação, mas possui alguns fatores que limitam a medição precisa e acurada, como a variação da velocidade durante o processo de medição do coeficiente de variação, devido ao método utilizado para medir a velocidade, e o tipo de sensor utilizado, que não apresenta grande precisão. A versão final da estrutura, com os sensores instalados encontra-se na figura 8. Figura 8 - Estrutura final do protótipo Fonte: DO AUTOR AGRADECIMENTOS Laboratório de Pesquisas Tecnológicas UJI, Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia e GECOM (Grupo de Estudo em Colheita Mecanizada). 15

16 REFERÊNCIAS ANDERSON, D.R.; SWEENEY, D.J.; WILLIAMS, T.A. Estatística aplicada à administração e economia. 2 ed. São Paulo: Cengage Learning, ARDUINO. Disponível em: <http://www.arduino.cc> Acesso em: 10 set ARDUPILOT. Arduino Mega2560. c2013. Disponível em: <http://www.ardupilot.com.br/index.php?page=shop.product_details&product_id=5&flypage =flypage.tpl&pop=0&option=com_virtuemart&itemid=231&vmcchk=1&itemid=231> Acesso em: 3 out CONAB, COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da safra brasileira: Grãos Safra 2012/2013. Décimo primeiro levantamento, Disponível em: <http://www.conab.gov.br/olalacms/uploads/arquivos/13_08_09_10_43_44_boletim_portug es_agosto_2013_port.pdf> Acesso em: 22 out DEMARCHI, M. Análise da conjuntura agropecuária. Secretaria da agricultura e do abastecimento do Paraná, Disponível em: <http://www.agricultura.pr.gov.br/arquivos/file/deral/prognosticos/milho_2011_12.pdf> Acesso em 06 out DORNELLES, A. A. Fundamentos de Linguagem C. Departamento de Engenharia de Computação e Automação - UFRN DUARTE, J.O. Cultivo do milho: Introdução e Importância Econômica do Milho, Embrapa, c2000. Disponível em: <http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/fonteshtml/milho/cultivodomilho/importan cia.htm#topo> Acesso em: 03 out JUNIOR, J.C.V.; VENTURA, L.C.G. Automação do processo de pulverização de defensivos e mapeamento de plantio da produção f. Trabalho de conclusão de curso Universidade Positivo UP, Curitiba, LET S MAKE ROBOTS Disponível em: < Acesso em: 31 out

Arduíno. Adriano Cruz. 16 de setembro de 2013. Adriano Cruz () Arduíno 16 de setembro de 2013 1 / 51

Arduíno. Adriano Cruz. 16 de setembro de 2013. Adriano Cruz () Arduíno 16 de setembro de 2013 1 / 51 Arduíno Adriano Cruz 16 de setembro de 2013 Adriano Cruz () Arduíno 16 de setembro de 2013 1 / 51 Section Summary 1 Introdução 2 Eletrônica 3 Hardware Adriano Cruz () Arduíno 16 de setembro de 2013 2 /

Leia mais

ARDUINO UNO Guia do Usuário

ARDUINO UNO Guia do Usuário ARDUINO UNO Guia do Usuário Heco Mecatrônica Ltda. e-mail: vendas@hecomecatronica.com.br Visite nosso site: www.hecomecatronica.com.br Loja Virtual: shop.hecomecatronica.com.br Guia do Usuário - Página

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA CALIBRAÇÃO DE CENTRAIS INERCIAIS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA CALIBRAÇÃO DE CENTRAIS INERCIAIS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA CALIBRAÇÃO DE CENTRAIS INERCIAIS Aluno: Pedro Schuback Chataignier Orientador: Mauro Speranza Neto Introdução O projeto, iniciado em 2013, visa desenvolver

Leia mais

Introdução ao Arduino. Pessanha Santos ASPOF EN-AEL

Introdução ao Arduino. Pessanha Santos ASPOF EN-AEL Introdução ao Arduino Pessanha Santos ASPOF EN-AEL Programa 1. Introdução à plataforma de desenvolvimento Arduino 2. Análise à sua constituição 3. Software de desenvolvimento Arduino 4. Estrutura e Sintaxe

Leia mais

Análise de desempenho de processadores ATmega328 utilizando Benchmark Linpack Marcos S. Morgenstern, Lori R. F. Machado Filho, Edson L.

Análise de desempenho de processadores ATmega328 utilizando Benchmark Linpack Marcos S. Morgenstern, Lori R. F. Machado Filho, Edson L. Análise de desempenho de processadores ATmega328 utilizando Benchmark Linpack Marcos S. Morgenstern, Lori R. F. Machado Filho, Edson L. Padoin Universidade Regional do Noroeste do Estado Do Rio Grande

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

Prá$cas Arduino. Manoel Neto

Prá$cas Arduino. Manoel Neto Prá$cas Arduino Manoel Neto Hello blink // Pin 13 has an LED connected on most Arduino boards. // give it a name: int led = 13; // the setup rou$ne runs once when you press reset: void setup() { // ini$alize

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Projeto de Instrumentação:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Projeto de Instrumentação: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Projeto de Instrumentação: Módulo de Sensores para Automação Residencial Componente: Instrumentação

Leia mais

Microcontrolador Arduino: Aplicação em controle PI

Microcontrolador Arduino: Aplicação em controle PI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio Coordenação de Eletrotécnica Microcontrolador Arduino: Aplicação em controle PI Autor: Prof. Alessandro N. Vargas

Leia mais

APLICAÇÃO PARA ANÁLISE GRÁFICA DE EXERCÍCIO FÍSICO A PARTIR DA PLATAFORMA ARDUINO

APLICAÇÃO PARA ANÁLISE GRÁFICA DE EXERCÍCIO FÍSICO A PARTIR DA PLATAFORMA ARDUINO APLICAÇÃO PARA ANÁLISE GRÁFICA DE EXERCÍCIO FÍSICO A PARTIR DA PLATAFORMA ARDUINO Alessandro A. M de Oliveira 1 ; Alexandre de Oliveira Zamberlan 1 ; Péricles Pinheiro Feltrin 2 ; Rafael Ogayar Gomes 3

Leia mais

Arduino e Proteus (Tutorial)

Arduino e Proteus (Tutorial) Arduino e Proteus (Tutorial) Por Felipe Gomes Flores Para quem trabalha com projetos ou apenas os faz por hobby sabe que há situações em uma boa idéia surge do nada e às vezes não há como reproduzi-la

Leia mais

Manual Técnico Arduino Supervisório MODBUS & Conversor RS485

Manual Técnico Arduino Supervisório MODBUS & Conversor RS485 Manual Técnico Arduino Supervisório MODBUS & Conversor RS485 2015 Todos os direitos reservados Página 1 de 27 Sumário Manual Técnico...1 Introdução...3 Arduino Supervisório MODBUS...3 Conversor RS485...3

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

BEC- Bafômetro Embutido em Carros

BEC- Bafômetro Embutido em Carros BEC- Bafômetro Embutido em Carros Síntia Rodrigues Moreira Fernanda Rodrigues da Silva Márcia Jorge do Carmo Renata Cristina Guimarães Sofia Pereira Campos Agosto de 2014 1 1 Introdução O consumo de álcool

Leia mais

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre ACENDENDO AS LUZES Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre Projeto 1 LED piscante Neste capitulo, todos os projetos utilizam luzes LED s de diversas formas. Em relação ao hardware,

Leia mais

TUTORIAL Arduino Nano

TUTORIAL Arduino Nano Conceito: O é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre e de placa única, projetada com um microcontrolador Atmel AVR com circuitos de entrada/saída embutido que podem ser facilmente

Leia mais

Minicurso Arduino JACEE 2012

Minicurso Arduino JACEE 2012 Minicurso Arduino JACEE 2012 1. Introdução O que é o Arduino? Arduino é uma plataforma de prototipagem eletrônica criado com o objetivo de permitir o desenvolvimento de controle de sistemas interativos,

Leia mais

TÍTULO: SENSOR DE ALTITUDE BASEADO EM SONAR PARA UM VANT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SENSOR DE ALTITUDE BASEADO EM SONAR PARA UM VANT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SENSOR DE ALTITUDE BASEADO EM SONAR PARA UM VANT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Drone Terrestre Microcontrolado

Drone Terrestre Microcontrolado Drone Terrestre Microcontrolado Gabriel Malinovski Azeredo 1 ; Geovane Hartkopp Bueno¹; Israel Rodrigo Pickler Paes Leite¹; Lucas Bzunek¹ Leandro Vasconcelos dos Reis² 1 Faculdade Educacional Araucária

Leia mais

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS Aluno: Lucas Grativol Ribeiro Orientador: Karla Tereza Figueiredo Leite Introdução As aplicações da robótica fora do contexto industrial têm

Leia mais

Prof. Cláudio Oliveira. Prof. Humberto Zanetti. Coordenador - Fatec Jundiaí. Professor - Fatec Jundiaí Coordenador - Etec de Itatiba

Prof. Cláudio Oliveira. Prof. Humberto Zanetti. Coordenador - Fatec Jundiaí. Professor - Fatec Jundiaí Coordenador - Etec de Itatiba Prof. Cláudio Oliveira Coordenador - Fatec Jundiaí Prof. Humberto Zanetti Professor - Fatec Jundiaí Coordenador - Etec de Itatiba A ideia! Criar uma plataforma de prototipagem de componentes eletrônicos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO 0 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO INTEGRADO: COBERTURA AUTOMATIZADA COM DETECTOR DE CHUVA CURITIBA 2010 1 TAISA DAIANA DA COSTA PROJETO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. Documentação Key Organizer Projeto realizado para a disciplina de Resolução de Problemas em Engenharia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. Documentação Key Organizer Projeto realizado para a disciplina de Resolução de Problemas em Engenharia PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ Documentação Key Organizer Projeto realizado para a disciplina de Resolução de Problemas em Engenharia CURITIBA Novembro de 2012 Carlo Nery de Lima Moro João

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

ACIONANDO DISPOSITIVOS ATUADORES EXTERNAMENTE COM ARDUINO ETHERNET

ACIONANDO DISPOSITIVOS ATUADORES EXTERNAMENTE COM ARDUINO ETHERNET ACIONANDO DISPOSITIVOS ATUADORES EXTERNAMENTE COM ARDUINO ETHERNET Filipe Cavalcanti Fernandes 13filipe11@gmail.com Universidade Federal do Pará (UFPA) Campus de Tucuruí BR 422 km 13, Canteiro de Obras

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

A ideia! Criar uma plataforma de prototipagem de componentes eletrônicos e sistemas de automação para leigos!

A ideia! Criar uma plataforma de prototipagem de componentes eletrônicos e sistemas de automação para leigos! Prof. Cláudio Oliveira Prof. Humberto Zanetti Prof. Júlio Vansan A ideia! Criar uma plataforma de prototipagem de componentes eletrônicos e sistemas de automação para leigos! 1 O que é Arduino? Uma plataforma

Leia mais

Parallel to Serial Shifting IN

Parallel to Serial Shifting IN Parallel to Serial Shifting IN Objectivo: Com o circuito integrado CD4021B Quando num projecto o número de sensores digitais é superior ao número de pinos de entradas digitais disponíveis no microcontrolador

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS Pedro Luis Antonelli Pós-Graduando em Telecomunicações na Escola Superior Aberta do Brasil - ESAB Hudson Ramos- Mestre em Engenharia

Leia mais

InteropMix 2014. Arduino e Internet das Coisas. Leandro Ramos Leonardo Toledo Robson Machado

InteropMix 2014. Arduino e Internet das Coisas. Leandro Ramos Leonardo Toledo Robson Machado InteropMix 2014 Arduino e Internet das Coisas Leandro Ramos Leonardo Toledo Robson Machado 29/novembro/2014 http://www.eaduino.com.br 2 Arduino Arduino é uma plataforma de hardware e software open source

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Eletrônica

Conceitos Fundamentais de Eletrônica Conceitos Fundamentais de Eletrônica A eletrônica está fundamentada sobre os conceitos de tensão, corrente e resistência. Podemos entender como tensão a energia potencial armazenada em uma pilha ou bateria

Leia mais

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Universidade Federal do Pará Laboratório de Processamento de Sinais (LaPS) Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Flávio Hernan Figueiredo Nunes flaviohernanfnunes@gmail.com 25 de janeiro

Leia mais

EduBOT: Protótipo de uma plataforma robótica para educação através da Metareciclagem

EduBOT: Protótipo de uma plataforma robótica para educação através da Metareciclagem EduBOT: Protótipo de uma plataforma robótica para educação através da Metareciclagem Carlos S. S. Guimarães, Henrique P. Maurer Departamento das Engenharias e Ciência da Computação Universidade Regional

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Manual Técnico Módulo Ponte H Dupla

Manual Técnico Módulo Ponte H Dupla Manual Técnico Módulo Ponte H Dupla Introdução Módulo de Ponte H dupla para controlar dois motores DC ou um motor de passo bipolar. Com este módulo é possível controlar o sentido de rotação de motores

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

Manual Técnico Arduino Programador Supervisório Gravador de Bootloader

Manual Técnico Arduino Programador Supervisório Gravador de Bootloader Manual Técnico Arduino Programador Supervisório Gravador de Bootloader Seriallink.com.br 2014 Todos os direitos reservados Página 1 de 19 Sumário Manual Técnico...1 Introdução...3 Características...3 Downloads...3

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Henrique Soares Hinke José Eduardo da Silva Rodrigues Matheus Augusto de Queiroz

Leia mais

Viabilizado pela Organização do ERI MS; Apoiado pelo grupo ArduinoMS; Agradecimentos especiais ao do SENAC e UCDB.

Viabilizado pela Organização do ERI MS; Apoiado pelo grupo ArduinoMS; Agradecimentos especiais ao do SENAC e UCDB. Sobre este Minicurso Viabilizado pela Organização do ERI MS; Apoiado pelo grupo ArduinoMS; Agradecimentos especiais ao do SENAC e UCDB. Sobre o Ministrante: Samuel Cavalcante Engenheiro de Computação (UNIDERP)-

Leia mais

Professor: Fernando Krein Pinheiro

Professor: Fernando Krein Pinheiro Professor: Fernando Krein Pinheiro Quem sou eu: Fernando Krein Pinheiro, bacharel em Ciência da Computação e Especialista em Educação Técnica e Tecnológica. Possui conhecimento nas áreas de algoritmos

Leia mais

Robótica com Arduino

Robótica com Arduino Robótica com Arduino Nesta apresentação veremos conceitos sobre contadores, estrutura de condição if, e trabalharemos com a comunicação Serial entre o Arduino e o Computador. Professor: Paulo Marcos Trentin

Leia mais

Arduino. Wanderson Souza wandersonsouza.info@gmail.com Professor de Robótica

Arduino. Wanderson Souza wandersonsouza.info@gmail.com Professor de Robótica Arduino Wanderson Souza wandersonsouza.info@gmail.com Professor de Robótica About me Tecnólogo em Computação - ETER Licenciado em Computação - UEPB Professor de Robótica Pedagógica desde 2008 Grupo de

Leia mais

Controlador de Lâminas para Microscópio Óptico com Arduino Proposta de Projeto

Controlador de Lâminas para Microscópio Óptico com Arduino Proposta de Projeto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA Óptico com Arduino Proposta de Projeto LABORATÓRIO DE PROJETOS SEMESTRE 2013.2 Equipe:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia - CCET. Engenharia de Computação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia - CCET. Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR Centro de Ciências Exatas e Tecnologia - CCET Engenharia de Computação Jean Carlo Ferreira Tambosi Raul Silva Donato Victor Henrique Alves Ribeiro Gerador

Leia mais

CONTROLE AUTOMÁTICO DO TEMPO DE UM BANHO EM FUNÇÃO DO FLUXO DA AGUA VISANDO A SUSTENTÁBILIDADE

CONTROLE AUTOMÁTICO DO TEMPO DE UM BANHO EM FUNÇÃO DO FLUXO DA AGUA VISANDO A SUSTENTÁBILIDADE CONTROLE AUTOMÁTICO DO TEMPO DE UM BANHO EM FUNÇÃO DO FLUXO DA AGUA VISANDO A SUSTENTÁBILIDADE Marcus Valério Rocha Garcia mvrgarcia70@gmail.com Luiz Flavio Parquet luizflavio0710@gmail.com Matheus Dantas

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N O Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N foi desenvolvido tendo em vista a integração de vários periféricos numa só placa, além de permitir a inserção de módulos externos para

Leia mais

Minicurso de Arduino

Minicurso de Arduino Minicurso de Arduino Gabriel Vasiljević Felipe Fernandes January 28, 2013 Gabriel Vasiljević Felipe Fernandes Minicurso de Arduino January 28, 2013 1 / 34 Sobre Sobre o minicurso: Duração de 20 horas Certificado

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza Introdução Continuando com a série do último artigo, hoje veremos os passos para o desenvolvimento de uma minuteria com o microcontrolador PIC18F1220

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉRMICA DE ISOLAMENTOS EM AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO

Leia mais

APLICAÇÕES DE SENSORES UTILIZANDO PLATAFORMA ARDUÍNO NA FORMAÇÃO DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA

APLICAÇÕES DE SENSORES UTILIZANDO PLATAFORMA ARDUÍNO NA FORMAÇÃO DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA APLICAÇÕES DE SENSORES UTILIZANDO PLATAFORMA ARDUÍNO NA FORMAÇÃO DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA Érika B. D. Bezerra erikabdiniz@gmail.com Thiago O. Rodrigues thiagoliveira08@gmail.com Lucas D. R. Rocha lucas.diegorr@gmail.com

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Robótica com Arduino CDI. Professor: Paulo Marcos Trentin

Robótica com Arduino CDI. Professor: Paulo Marcos Trentin Robótica com Arduino CDI Professor: Paulo Marcos Trentin Apresentações Professor: Paulo Marcos Trentin Email: paulo@paulotrentin.com.br Site: www.paulotrentin.com.br Graduando 9ª fase do curso de Ciências

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO CLAUDEMIR SANTOS

Leia mais

PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID

PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID 1 PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID Alexsandro Monteiro de Oliveira Antônio Carlos Almeida Eunice de Lassalete Sebastião Bartolomeu RESUMO O projeto de controle de acesso por RFID consiste no desenvolvimento

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

Datasheet Componentes Eletrônicos

Datasheet Componentes Eletrônicos Datasheet Componentes Eletrônicos Caixa de Pilhas... 2 LED (mini lâmpada)... 2 Conector INT... 3 HUB... 3 Sensor de Luz... 4 Circuito Relé... 4 Circuito Buzz... 5 Sensor de Ímã... 6 Ponte H com Relés...

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Descrição dos pinos do Módulo Driver Motor com Dupla Ponte-H - L298N:

Descrição dos pinos do Módulo Driver Motor com Dupla Ponte-H - L298N: O MÓDULO DRIVER MOTOR COM DUPLA PONTEH - L298N é baseado no chip L298N com dupla Ponte- H, podendo controlar a velocidade e o sentido de giro de até dois motores de 3-30V DC ou um motor de passo com 2

Leia mais

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Discadora por Celular HERA HR2048.

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Discadora por Celular HERA HR2048. Discadora por Celular HERA HR2048 Manual do Usuário Índice: Paginas: 1. Introdução 03 1.1 Visão Geral 03 2. Características 04 3. Funcionamento 04, 05 e 06 3.1 Mensagens 06 e 07 4. Instalação da Discadora

Leia mais

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo.

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo. Circuito de gravação (AVR programmer) Introdução Nossa proposta, nesta parte do trabalho, é apresentar um circuito para gravação ISP (In-System- Programming) para microcontroladores AVR. Este circuito,

Leia mais

Relatório técnico final

Relatório técnico final Estufa Relatório técnico final Integrantes: Cleiton J. Marcon Jefferson A. A. Parisotto Professor Orientador: Guilherme Nogueira 4º Bimestre Visto: Sumário Sumário... 2 Índice das Figuras... 3 Índice das

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

1. INTRODUÇÃO COMPUTADOR

1. INTRODUÇÃO COMPUTADOR 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é apresentar, de uma forma simples e rápida, o básico de programação, sendo assim iremos focar apenas nos conceitos que são importantes para Arduino e sistemas embarcados

Leia mais

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Paulo S. C. Molina molina@upf.br Matheus A. C.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER CURITIBA 2011 GUSTAVO MURILO SCHMITT MASSANEIRO CURVE TRACER Documentação apresentada

Leia mais

Monitoramento. Intuitivo, Configurável, Robusto. WEB Outros sistemas: GIS, ERPs... PORTAL SWS. Combustível. Apontamentos

Monitoramento. Intuitivo, Configurável, Robusto. WEB Outros sistemas: GIS, ERPs... PORTAL SWS. Combustível. Apontamentos Monitoramento PORTAL SWS Intuitivo, Configurável, Robusto WEB Outros sistemas: GIS, ERPs... RPM Combustível Paradas Transmissão Apontamentos MONITORE TODAS AS OPERAÇÕES Controle do Operador Identificação

Leia mais

O Laboratório de Garagem

O Laboratório de Garagem Oficina de Robótica O Laboratório de Garagem O Laboratório de Garagem foi fundado em 2010 e tem como proposta ser uma iniciativa voltada para a integração, colaboração e apoio aos desenvolvedores independentes

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO:

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: Página 2 0. Objetivos deste treinamento Quem está fazendo este módulo avançado II é porque já passou pelos módulos anteriores. Portanto não serão abordados aqui os tópicos já

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

Motor de Passo - Arduino

Motor de Passo - Arduino Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Mecânica Mestrado em Engenharia Mecatrónica Motor de Passo - Arduino Unidade de Crédito Máquinas de Comando Numérico 20 643 José António Barbosa Goncalves

Leia mais

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com.

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com. Ponte levadiça digital... Projeto semestral primeira fase de 2003 Engenharia de Computação 4 período Em breve aqui novos projetos... Página inicial Pré-projeto Projeto FOTOS e Vídeos Funcionamento Esboços

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE PARA ELETRÔNICA EMBARCADA EM EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS 1. Vítor Henrique Amarante Soares 2.

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE PARA ELETRÔNICA EMBARCADA EM EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS 1. Vítor Henrique Amarante Soares 2. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE PARA ELETRÔNICA EMBARCADA EM EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS 1 Vítor Henrique Amarante Soares 2. 1 Projeto de Pesquisa realizado no curso de Engenharia Elétrica da Unijuí

Leia mais

Hacking Class Controlando tomadas da sua casa via Internet

Hacking Class Controlando tomadas da sua casa via Internet Hacking Class Controlando tomadas da sua casa via Internet O que precisamos para controlar uma tomada via Web Microcontrolador Relê, transistor, diodo e resistor PC ou um shield Ethernet ou wifi para seu

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal PT ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal Amigável ao cliente e comprovado Com a implementação do ACS2000 há alguns anos, foram estabelecidos novos

Leia mais

ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ESCOLA POLITÉCNICA FELIPE VIGNOLI MATHIEU LUIS HENRIQUE DE SOUZA DOCUMENTAÇÃO MAGNETIC HAMMER

ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ESCOLA POLITÉCNICA FELIPE VIGNOLI MATHIEU LUIS HENRIQUE DE SOUZA DOCUMENTAÇÃO MAGNETIC HAMMER ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ESCOLA POLITÉCNICA FELIPE VIGNOLI MATHIEU LUIS HENRIQUE DE SOUZA DOCUMENTAÇÃO MAGNETIC HAMMER CURITIBA 2013 FELIPE VIGNOLI MATHIEU LUIS HENRIQUE DE SOUZA DOCUMENTAÇÃO MAGNETIC

Leia mais

MANUAL CONVERSOR ETHERNET SERIAL

MANUAL CONVERSOR ETHERNET SERIAL MANUAL CONVERSOR ETHERNET SERIAL Versão 1.0 Dezembro 2011 Infinium Automação Industrial Ltda Telefone: (45) 3038-3239 Site: email: contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O equipamento foi projetado

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA EM PLATAFORMA DE HARDWARE LIVRE PARA ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE REDES INTELIGENTES

IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA EM PLATAFORMA DE HARDWARE LIVRE PARA ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE REDES INTELIGENTES IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA EM PLATAFORMA DE HARDWARE LIVRE PARA ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE REDES INTELIGENTES Edson T. Procopio ed_taira@hotmail.com Vitor C. Oliveira vitor_chaves_oliveira@yahoo.com.br

Leia mais

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*)

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) HÉLIO JOSÉ SCARANARI Engenheiro-agrônomo, Divisão de Agronomia, Instituto Agronômico RESUMO Quatro distâncias entre as mudas na mesma cova foram estudadas, com

Leia mais

Tutorial 1 Como Escolher meu Arduino

Tutorial 1 Como Escolher meu Arduino Tutorial 1 Como Escolher meu Arduino Após descobrir o Arduino e perceber a infinidade de documentação e projetos disponíveis, a grande questão é: Por qual modelo de Arduino optar? Vamos descobrir juntos?

Leia mais

Minicurso de Arduino

Minicurso de Arduino Minicurso de Arduino Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo August 28, 2015 Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo Minicurso de Arduino August 28, 2015 1 / 45 Roteiro do curso O que é o Arduino (especificações,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES Matheus Montanini Breve (PIBIC-Jr), Miguel Angel Chincaro Bernuy (Orientador), e-mail: migueltrabalho@gmail.com Universidade Tecnológica

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Figura 01 Visão Geral da Placa

Figura 01 Visão Geral da Placa 1. Hardware O kit de FPGA é formado por periféricos que possibilitam sua interação com sinais de áudio, display gráfico e alfanumérico, comunicação serial e USB, codec de áudio, chaves para simulação e

Leia mais

Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino

Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino Com Alex Aquino III Workshop de Sistemas Embarcados do Semiárido do Nordeste & 3 Workshop Técnico Científico de Computação De 12 a 15 de Março de 2013 em Mossoró/RN

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM ROBÔ TERRESTRE CONTROLADO REMOTAMENTE UTILIZANDO A PLATAFORMA ARDUINO

CONSTRUÇÃO DE UM ROBÔ TERRESTRE CONTROLADO REMOTAMENTE UTILIZANDO A PLATAFORMA ARDUINO CONSTRUÇÃO DE UM ROBÔ TERRESTRE CONTROLADO REMOTAMENTE UTILIZANDO A PLATAFORMA ARDUINO Leopoldo Jacobsen¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leopoldojacobsen@gmail.com,

Leia mais

Prof. Ivair Teixeira INTEGRAÇÃO ANDROID & ARDUINO

Prof. Ivair Teixeira INTEGRAÇÃO ANDROID & ARDUINO INTEGRAÇÃO ANDROID & ARDUINO FACULDADE ANHANGUERA DE CAMPINAS Unidade 2 Via norte ivair.teixeira@anhanguera.com Coordenador dos cursos de: CC SI TADS - Redes App Inventor é uma ferramenta baseada em nuvem

Leia mais

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO Jessica Garcia Luz, Wyllian Fressatti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil jessica.garcia.luz@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 MANUAL DO USUÁRIO Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 Este aplicativo roda em plataforma Windows e comunica-se com a ITC 4000 via conexão USB. Através do ITC 4000 Manager, o usuário

Leia mais

Este tutorial mostra como utilizar as ferramentas Send Mail e Web Commands.

Este tutorial mostra como utilizar as ferramentas Send Mail e Web Commands. Este tutorial mostra como utilizar as ferramentas Send Mail e Web Commands. Antes de começamos certifique-se de estarem com o programa instalado, com sua conta e licenças ativas. Neste tutorial não irei

Leia mais

GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1. NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados

GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1. NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex Tecnologia Ltda não

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

REVENG Engenharia na agricultura, viçosa - mg, V.19 N.4, JULHO / AGOSTO 2011 329-333 p.

REVENG Engenharia na agricultura, viçosa - mg, V.19 N.4, JULHO / AGOSTO 2011 329-333 p. NOTA TÉCNICA: DESENVOLVIMENTO DE SENSOR DE NÍVEL CAPACITIVO PARA USO NO IRRIGÂMETRO Paulo Raimundo Pinto 1, José Helvecio Martins 2, Rubens Alves de Oliveira 3, Paulo Marcos de Barros Monteiro 4 RESUMO

Leia mais