A ATUAÇÃO DA ANA NA PREVENÇÃO DE EVENTOS CRÍTICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ATUAÇÃO DA ANA NA PREVENÇÃO DE EVENTOS CRÍTICOS"

Transcrição

1 JORNADA INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE RISCOS DE INUNDAÇÕES E DESLIZAMENTOS São Carlos/ SP 14 a 19/05/2007 A ATUAÇÃO DA ANA NA PREVENÇÃO DE EVENTOS CRÍTICOS Alessandra Daibert Couri João Augusto de Pessôa Especialistas em Recursos Hídricos da ANA - Agência Nacional de Águas 1

2 I INTRODUÇÃO A Superintendência de Usos Múltiplos SUM é uma das 8 superintendências da Agência Nacional de Águas ANA, criada pela Lei nº de 17 de julho de A ANA é uma autarquia sob regime especial, com autonomia administrativa e financeira, vinculada ao Ministério do meio Ambiente. Suas principais competências são as de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Dentro deste contexto, a Superintendência de Usos Múltiplos tem, dentre suas atribuições específicas estabelecidas pelo Regimento Interno da ANA, algumas destinadas à prevenção e à minimização dos efeitos dos eventos críticos: I - apoiar a elaboração dos planos de recursos hídricos no desenvolvimento dos temas relacionados aos usos múltiplos, à minimização dos efeitos de secas e inundações e ao uso racional da água; II - planejar e promover ações destinadas a prevenir e a minimizar os efeitos de secas e inundações, no âmbito do SINGREH, em articulação com o órgão central do Sistema Nacional de Defesa Civil, em apoio aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios; III - propor a definição das condições de operação de reservatórios por agentes públicos e privados, visando a garantir o uso múltiplo dos recursos hídricos, a controlar as enchentes e a mitigar as secas, em consonância com os planos das respectivas bacias hidrográficas e de acordo com a articulação efetuada entre a ANA e o Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS, relativamente aos reservatórios de aproveitamentos hidrelétricos; IV - propor a declaração de regime de racionamento em corpos de água, preventivo ou não, e aplicar as medidas necessárias para assegurar os usos prioritários da água, em consonância com os critérios estabelecidos;... XI - apoiar as ações de combate à desertificação;... 2

3 II PRINCIPAIS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS II.1 Prevenção de Secas e Inundações De acordo com a Doutrina Brasileira de Defesa Civil, desastre é o resultado de eventos adversos, naturais ou provocados pelo homem, sobre um ecossistema vulnerável, causando danos humanos, materiais e ambientais, e conseqüentes prejuízos econômicos e sociais. Assim, a intensidade de um desastre depende da interação entre a magnitude do evento adverso e a vulnerabilidade do sistema receptor, e é quantificada em função dos danos e prejuízos caracterizados. No Brasil, tem-se registrado um número cada vez maior de desastres e, conseqüentemente, vultuosos danos e prejuízos têm repercutido no desenvolvimento nacional, especialmente na região Nordeste, castigada pelas sucessivas estiagens, secas e inundações. Os desastres são classificados por níveis e, dentre estes, os de intensidade III (grande porte) e IV (muito grande porte) são reconhecidos, legalmente, pelos Governos Federal, Estaduais e Municipais como Situação de Emergência ou Estado de Calamidade Pública. Estes, em sua maioria, são de origem natural e estão relacionados com fatores climáticos. Dentro deste contexto, a ANA tem, dentre suas atribuições, definidas no Art. 4º, inciso X, da Lei nº 9.984/ 2000 a de planejar e promover ações destinadas a prevenir e minimizar os efeitos de secas e inundações, no âmbito do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, em articulação com o órgão central do Sistema Nacional de Defesa Civil, em apoio aos estados e municípios. Na seqüência, são descritas algumas ações da SUM destinadas a prevenir ou minimizar os efeitos de secas e inundações. Monitoramento dos Reservatórios do Nordeste O Monitoramento dos Reservatórios do Nordeste é uma ação de caráter continuado da SUM, que se dá, sistematicamente, por meio da produção de um Boletim Mensal, disponibilizando informações sobre volumes atualizados dos principais reservatórios do Nordeste, localizados na Bahia, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí. São monitorados, no total, 451 reservatórios, que tem capacidade para acumular 35,9 bilhões de m 3. Na Tabela 1, estão apresentados os dados por estado dos açudes monitorados. Essas informações, que são fundamentais para a tomada de decisões sobre a operação desses reservatórios de forma a permitir o uso múltiplo dos recursos hídricos, são obtidas junto ao Departamento Nacional de Obras Contra as Secas DNOCS e aos órgãos estaduais ligados à gestão de recursos hídricos. 3

4 Tabela 1 Açudes Monitorados por estado ESTADO NÚMERO DE RESERVATÓRIOS MONITORADOS CAPACIDADE TOTAL (milhões de m3) BAHIA* PERNAMBUCO PARAÍBA RIO GRANDE DO NORTE CEARÁ PIAUÍ TOTAL (*) Incluindo os reservatório de Itaparica e Sobradinho A SUM também, em 2006, participou da concepção e acompanhou a elaboração do Mapa atualizado dos Reservatórios do Nordeste, atividade desenvolvida pela Superintendência de Gestão da Informação - SGI. A Figura 1 mostra os principais Reservatórios do Nordeste. Figura 1 Principais Reservatórios do Nordeste. 4

5 Os Boletins de Monitoramento dos Reservatórios do Nordeste são disponibilizados na INTERNET no endereço Acompanhamento do sistema de reservatórios da Bacia do Rio Capibaribe (PE) Iniciou-se, em 2006, o acompanhamento do Sistema de Reservatórios da Bacia do Rio Capibaribe, que serve ao controle de cheias da cidade de Recife e ao abastecimento de várias cidades da Região Metropolitana de Recife e da região agreste do estado. O acompanhamento é realizado a partir de informações prestadas diariamente pela Companhia Pernambucana de Saneamento. Monitoramento da Região Amazônica A ANA vem operando uma rede de estações em todo o Brasil e, em particular, na Região Amazônica, nas quais são medidas, dentre outras grandezas, chuva, níveis de água dos rios, qualidade da água e sedimentos transportados. Esta rede de monitoramento permite o acompanhamento da evolução dos níveis de água dos principais rios da região. Enquanto que, no primeiro semestre do ano, o monitoramento de eventos de cheias são priorizados, no segundo semestre, os eventos de estiagem (vazante) passam a ter maior importância. A SUM acompanha a evolução diária dos níveis de 09 estações fluviométricas. O mais importante ponto de monitoramento é a estação do Rio Negro, em Manaus, que dispõe de dados desde Na Figura 2, é apresentado o gráfico de monitoramento do Rio Negro, em Manaus, em Figura 2 Gráfico do monitoramento do Rio Negro, em Manaus, em

6 As envoltórias internas do gráfico acima indicam os limites das curvas de permanência para 10% e 90% para cada dia do ano. Os valores extremos diários, máximo e mínimo, formam as envoltórias externas. Os valores da curva de permanência de 50% estão indicados na curva central. O Monitoramento da Região Amazônica é uma ação de caráter continuado da SUM, que se dá, sistematicamente, por meio da produção de boletins, disponibilizando informações sobre níveis de água dos rios da Região. Em 2006, foram produzidos 8 Boletins para a Região Amazônica. Monitoramento da Bacia do Alto Paraguai O Rio Paraguai é um dos principais tributários da Bacia do Rio da Prata, a segunda maior bacia da América do Sul, superada apenas pela bacia do Amazonas e conta com km 2 em sua totalidade. De todos os rios que formam a Bacia do Rio da Prata, o Rio Paraguai é o que penetra mais em direção ao centro do continente. A Bacia do Alto Paraguai tem três regiões bastante distintas: o Planalto, o Pantanal e o Chaco. O Planalto é uma região relativamente alta, com cotas acima de 200 m, podendo atingir até 1400 m, localizada na região leste da bacia, quase inteiramente em território brasileiro, onde a drenagem é bem definida e convergente. O Pantanal é uma região baixa, localizada no centro da bacia, onde os rios inundam a planície e alimentam um intrincado sistema de drenagem, que inclui lagos extensos, cursos d água divergentes e áreas de escoamento e inundação sazonal. A região do Pantanal apresenta cotas entre 80 e 150 m e foi formada pelo rebaixamento de uma grande região, simultaneamente ao surgimento da Cordilheira dos Andes. A curva de nível de 200 m de altitude corresponde, aproximadamente, aos limites entre a Planície do Pantanal e as escarpas, montanhas e chapadas do Planalto. Finalmente, o Chaco, localizado a oeste da fronteira do Brasil, é uma região baixa onde a precipitação é inferior a 1000 mm por ano e onde há grandes áreas com drenagem endorréica (sem fluxo de saída natural), que finaliza em banhados ou lagos, ou sem sistema de drenagem definido. Com base na topografia, a área de drenagem da BAP, incluindo toda a região de Chaco, seria de km 2, aproximadamente. Entretanto, por ser o Chaco um área endorréica, é freqüentemente desconsiderada para efeito de contribuição hídrica, o que resulta numa área de drenagem de cerca de km 2 para a BAP. A Figura 3 apresenta os postos fluviométricos utilizados para monitorar a Bacia do Alto Paraguai. 6

7 Figura 3 - Postos fluviométricos utilizados para monitorar a Bacia do Alto Paraguai. Dentre todos os postos fluviométricos da Bacia do Alto Paraguai, a estação de Ladário, localizada no 6º Distrito Naval da Marinha do Brasil em Mato Grosso do Sul, dispõe da série de níveis mais extensa, com dados desde o ano de 1900 até os dias de hoje. Além da extensa série, sua localização é estratégica, pois controla cerca de 81% da vazão média de saída do território brasileiro, tornando-o fundamental na caracterização do regime hidrológico da Bacia do Alto Paraguai e possibilitando mesmo a caracterização de um dado período como sendo de seca ou de cheia no Pantanal. Essa condição é reforçada pela homogeneidade relativa na distribuição sazonal das vazões na bacia, o que fica refletido no registro de Ladário, apesar das imensas áreas envolvidas e da diversidade geomorfológica, sobretudo considerando as cabeceiras e o Pantanal. Na Figura 4, é apresentado o gráfico de monitoramento da Estação de Ladário, em Figura 4 Gráfico do monitoramento da Estação de Ladário, em

8 As envoltórias internas do gráfico acima indicam os limites das curvas de permanência para 10% e 90% para cada dia do ano. Os valores extremos diários, máximo e mínimo, formam as envoltórias externas. Os valores da curva de permanência de 50% estão indicados na curva central. O Monitoramento da Bacia do Alto Paraguai é uma ação de caráter continuado da SUM, que se dá, sistematicamente, por meio da produção de boletins Mensal, disponibilizando informações sobre níveis de água dos rios da Bacia. Em 2006, foram produzidos 8 Boletins para a Bacia do Alto Paraguai. Acompanhamento das Condições Hidrológicas aliadas as Decretações de Situação Emergência e Estado de Calamidade Pública nos Municípios Brasileiros Desde de 2004, vem sendo realizado o acompanhamento das condições hidrológicas, como também do tempo e clima no Brasil, aliada à decretação de Situação de Emergência (SE) ou Estado de Calamidade Pública (ECP) em municípios de todo o território nacional, devido a eventos hidrológicos críticos, através de contatos com as Coordenadorias Estaduais de Defesa Civil e com a Secretaria Nacional de Defesa Civil, que fornecem e atualizam, periodicamente, estes dados. Em 2006, destaca-se o monitoramento da estiagem na Região Sul do país, entre os meses de maio e agosto, incluindo o racionamento de água na Região Metropolitana de Curitiba e as baixas vazões afluentes nos aproveitamentos hidrelétricos das bacias dos rios Iguaçu, Uruguai e Jacuí. Em casos emergenciais, foram produzidos Boletins de Monitoramento, com a periodicidade necessária para o referido evento crítico. Em 2006, foram produzidos os seguintes boletins: Estiagem na Região Nordeste -1 Boletim elaborado; Estiagem na Região Sul - 1 Boletim elaborado; Estiagem em Santa Catarina - 1 Boletim elaborado; Estiagem no Rio grande do Sul - 1 Boletim elaborado; Anomalias das Precipitações na Região Sul - 1 Boletim elaborado; Monitoramento dos reservatórios do Rio Iguaçu - 04 Boletins elaborados; Monitoramento dos reservatórios do Rio Uruguai - 04 Boletins elaborados. Plano de Prevenção e Controle de Cheias na Bacia do rio Beberibe PE Acompanhamento da execução do Convênio Nº 004/2003, celebrado entre a ANA e a Prefeitura Municipal de Olinda - PMO, em Pernambuco, que visa à elaboração do projeto básico do Sistema de Macrodrenagem da Bacia do Canal da Malária e do Plano de Ação para a Previsão de Enchentes na Bacia do Rio Beberibe, que têm como objetivo a minimização dos impactos de cheias na Bacia do Rio Beberibe, que ocupa áreas dos dois municípios: Olinda e Recife. 8

9 Como resultado dessas ações, registra-se, em 2006, a entrega do Projeto Básico da Macrodrenagem do Canal da Malária, estudo que já está subsidiando a Prefeitura Municipal de Olinda na captação de investimentos para implementação do mesmo. Plano de Controle de Cheias da Bacia do Rio Caratinga MG Em parceria com o Ministério da Integração Nacional, a ANA, participa, da coordenação e análise de estudos contratados para a Bacia do Rio Caratinga (MG), afluente do Rio Doce, que visa a definir alternativas voltadas à minimização de danos causados por enchentes e elaborar uma proposta de Plano de Controle de Enchentes da Bacia do Rio Caratinga para fornecer subsídios às etapas futuras de elaboração de estudo de viabilidade final, projetos básicos e executivos. II.2 Sala de Situação da ANA Hoje, mais de 3/4 de todos os desastres naturais são relacionados aos eventos críticos do tempo, clima e água. O progresso nas ciências meteorológicas e hidrológicas indica que os impactos de desastres naturais podem ser reduzidos através da prevenção e preparação. Em 2004, as chuvas intensas que caíram em vários Estados, nos meses de janeiro e fevereiro, ocasionaram desastres que, segundo Ministério da Integração Nacional, atingiram cerca de pessoas, com 209 mortes contabilizadas até 25 de março de 2004, o que configura o maior desastre natural já ocorrido no Brasil. Ocorreram, principalmente, deslizamentos de terra, rompimento de barragens e inundações. A ANA já vem realizando o acompanhamento da evolução das condições hidrológicas de alguns rios, do armazenamento dos principais reservatórios e das ocorrências de Situação de Emergência ou Estado de Calamidade Pública nos municípios brasileiros. Contudo, estas ações, muitas vezes, têm sido decorrentes de demandas localizadas e não um trabalho sistemático, planejado e pró-ativo, que realmente traga resultados em termos de prevenção e minimização de eventos extremos. Face à ocorrência de sucessivos eventos críticos e à necessidade de acompanhá-los em tempo real, de forma sistemática e pró-ativa, fornecendo respostas com maior agilidade e precisão, foi aprovada, na reunião da Diretoria Colegiada nº 134, de 04 de agosto de 2004, a criação da Sala de Situação da ANA. Assim, após visita a outras Salas de Situação já em funcionamento (Secretaria Nacional de Defesa Civil, ONS, INFRAERO) foi elaborada, em 2004, uma primeira proposta para a montagem da Sala de Situação da ANA, tendo sido modificada, em 2005, sua concepção inicial e elaborada nova proposta para aquisição de parte dos equipamentos básicos. Esta Sala teve seu funcionamento iniciado em maio de 2006, apenas com parte dos meios físicos e humanos necessários, através do desenvolvimento e implantação de algumas ferramentas de monitoramento e definição de outros equipamentos para aquisição em O principal objetivo da Sala de Situação é acompanhar as tendências hidrológicas em todo o território nacional, com a análise da evolução das chuvas, dos níveis e das vazões dos rios e reservatórios, da previsão do tempo e do clima, bem como a realização de simulações 9

10 matemáticas que auxiliariam na prevenção de eventos extremos. Esse acompanhamento visa a subsidiar, em especial, decisões na operação de curto prazo de reservatórios, com vistas à minimização dos efeitos de secas e inundações. Atualmente a Sala de Situação tem seu foco no monitoramento de bacias prioritárias e sistemas de reservatórios. Para que ela opere plenamente são necessários investimentos em equipamentos (parte deles já será adquirida pelo processo de compra que está em andamento) e em ferramentas mais robustas e ágeis para o desenvolvimento de modelos de previsão. Esses modelos de previsão já estão sendo desenvolvidos pela própria equipe da SUM (modelos mais simples, aplicados em locais específicos). Foram produzidos em 2006, pela Sala de Situação, 7 Informes. Estes relatam as anormalidades verificadas nos sistemas hidráulicos através do monitoramento. A Figura 5 ilustra o fluxo de informações da Sala de Situação da ANA. PREVENIR OU MINIMIZAR OS EFEITOS DAS SECAS E INUNDAÇÕES Boletins: Intranet / Internet RELACIONAMENTO EXTERNO ONS Órgãos Gestores de Recursos Hídricos Organismos de Bacia Centros de Pesquisa INPE / CPTEC INMET MEIOS DE COMUNICAÇÃO SITUAÇÃO NORMAL ALERTA HIDROLÓGICO Superintendência de Usos Múltiplos SALA DE SITUAÇÃO Diretoria ANA Superintendência de Administração da Rede Hidrometeorológica MMA Superintendência de Gestão da Informação Sistema Nacional de Informações Rede Telemétrica Banco de Dados Secretaria Nacional de Defesa Civil Figura 5- Fluxo de informações da Sala de Situação da ANA. 10

11 II.3 Projetos Especiais Projeto GEF Alto Paraguai/ Pantanal No âmbito do Projeto GEF Alto Paraguai/ Pantanal, houve a continuação da segunda etapa do Subprojeto Nº Modelo Integrado de Gerenciamento Hidrológico da Bacia do Alto Paraguai, desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - IPH/UFRGS, com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente - PNUMA e da Organização dos Estados Americanos - OEA e a coordenação da ANA. O principal objetivo do Subprojeto 5.4 é desenvolver um modelo hidrológicohidrodinâmico para a Bacia do Alto Paraguai - BAP capaz de amparar o gerenciamento dos seus recursos hídricos, com destaque para a previsão de vazões em alguns locais da bacia. Projeto Integrado de Cooperação Amazônica e de Modernização do Monitoramento Hidrológico Projeto em preparação no âmbito do CT-Hidro, que envolve a definição, desenvolvimento e implantação de sistemas e equipamentos para o monitoramento hidrológico em tempo real, subsidiando as ações da Sala de Situação da ANA. Esta atividade foi iniciada em 2006 e terá continuidade em Articulação Institucional ANA/ SIPAM/ CPRM na Região Amazônica Trata-se de um Projeto de Integração quanto às atividades conjuntas e compartilhamento de dados e conhecimentos, na Região Amazônica, viabilizando a inserção de dados hidrológicos nos bancos de dados de referência. É um projeto transversal na ANA, ou seja, mais de uma superintendência têm participação: SAR - Avaliação da utilização de terminais VSAT como possível forma de transmissão de dados; acompanhamento e coleta de dados, via telefone, de estações selecionadas para o monitoramento da Região Amazônica; SUM monitoramento dos dados das estações da ANA e sistema de alerta. Foram selecionadas 61 estações para serem monitoradas, mas apenas 22 têm dados disponíveis, atualmente. O produto deste projeto, previsto para estar pronto no início de 2007, será um boletim mensal conjunto ANA/ SIPAM/ CPRM da Região Amazônica, em que constarão informações de 61 estações de monitoramento (ANA) e previsão climática. Até que este resultado seja obtido, a SUM vem produzindo, desde maio/ 2006, o Boletim de Monitoramento da Região Amazônica (disponível na Intranet e Internet, no endereço 11

12 Cooperação Técnica relativa ao Sistema de Prevenção e Controle de Cheias da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí Trata-se de um acordo de cooperação técnica, envolvendo diversas entidades: A União, por intermédio do Ministério da Integração Nacional MI, a Agência Nacional de Águas ANA, o Estado de Santa Catarina, por intermédio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Sustentável, do Departamento Estadual de Infra-estrutura DEINFRA, da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina EPAGRI, das Secretarias de Estado de Desenvolvimento Regional de Ibirama, de Rio do Sul e de Ituporanga, a Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí AMFRI, o Município de Blumenau, o Município de Rio do Sul, o Município de Itajaí, A Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB, a Fundação Agência de Água do Vale do Itajaí e o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí, objetivando o desenvolvimento de ações relativas ao aprimoramento e manutenção do Sistema de Prevenção e Controle de Cheias da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí. As discussões necessárias, bem como o conteúdo do Termo de Cooperação Técnica, já estão prontos, aguardando, apenas, a assinatura do Ministro da Integração Nacional para que entre em vigor. Programa de Ação Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca PAN A Secretaria de Recursos Hídricos (SRH/ MMA) responde junto à Organização das Nações Unidas (ONU) pela implementação da Convenção Internacional das Nações Unidas de Combate à Desertificação nos países afetados por seca grave e/ ou desertificação UNCCD, ou simplesmente CCD, da qual o Brasil é signatário desde A Convenção foi ratificada pelo Brasil em Atualmente, mais de 200 países fazem parte desta Convenção. Neste escopo, a SRH tem executado trabalhos de representação brasileira junto à Secretaria da Convenção de Combate à Desertificação na ONU, em resposta aos compromissos assumidos pelo país por ratificar a Convenção, dentre eles na coordenação da elaboração do Programa de Ação Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca (PAN). A ANA, através da SUM, foi chamada a participar, em 2006, de um grupo de apoio ao PAN- Brasil, visando à assinatura de um Termo de Cooperação Técnica, que conta com a participação de vários órgãos: Ministério do Meio Ambiente, através da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH/ MMA), Agência Nacional de Águas (ANA), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) e Instituto Interamericano de Cooperação para Agricultura (IICA). Ele visa ao desenvolvimento de ações conjuntas para implementar a Convenção das Nações Unidas no Brasil. Esta atividade está paralisada, desde setembro, aguardando a análise por parte de todos os partícipes quanto aos termos do referido documento. 12

13 Proágua Nacional A SUM participou do trabalho de avaliação dos sistemas estaduais de gestão de recursos hídricos, tendo em vista a definição de critérios de elegibilidade às demandas para financiamento dentro do âmbito do Proágua Nacional, que é um acordo de empréstimo internacional a ser financiado pelo Banco Mundial ao Governo Brasileiro. Esse trabalho, coordenando pela SIP, constou de um levantamento de informações sobre a gestão estadual de recursos hídricos, seguida de uma oficina com a presença de representantes dos estados para validação, correção e complementação dessas informações. Todos os estados foram visitados para aprofundar a avaliação e verificar as condições reais da gestão. Além disso, foi realizada uma reunião com acadêmicos especialistas em gestão de recursos hídricos para a discussão da metodologia e dos resultados das etapas anteriores. A conclusão é a ordenação dos estados quanto ao seu grau de gestão de recursos hídricos, sendo essa classificação a base para o acesso seletivo aos produtos que podem ser financiados pelo Proágua, em III. COOPERAÇÃO TÉCNICA E RELAÇÃO COM ORGANISMOS MULTILATERAIS III.1 Cooperação técnica internacional China Visando a implementar o Memorando de Entendimento entre o Ministério do Meio Ambiente do Brasil e o Ministério dos Recursos Hídricos da República Popular da China em Cooperação Técnica e Científica no Campo dos Recursos Hídricos, foi realizado em julho de 2006, na ANA, um seminário binacional para discutir os seguintes temas: regulação de uso múltiplo, com ênfase em hidroeletricidade; transposição de bacias; modelo de gestão do semiárido; recuperação da qualidade da água; e sedimentação de rios. Esse encontro, que teve participação ativa da SUM, contribuiu para uma maior divulgação da ANA no cenário internacional e para a inserção da Agência no esforço do Governo brasileiro de fortalecer as ações de cooperação técnica bilateral com aquele país. Cuba A SUM participou das discussões referentes à implementação do projeto Intercâmbio Técnico e Institucional na Área de Planejamento e Gerenciamento de Recursos Hídricos em Bacias Hidrográficas entre a ANA e o Instituto Nacional de Recursos Hidráulicos de Cuba. A SUM integrou a primeira e a terceira missão à Cuba para intercâmbio de informações, respectivamente, sobre conservação de água e solo, uso racional e reuso da água e prevenção de eventos críticos, quando foram proferidas diversas palestras sobre os temas. Participou, também, da segunda missão, quando técnicos cubanos vieram ao Brasil para conhecer práticas de uso racional e reuso de água na agricultura irrigada. 13

14 III.2 Relação com organismos multilaterais No contexto multilateral, as ações de cooperação técnica da SUM com a Organização Mundial de Meteorologia (OMM) têm sido atendidas em articulação com outras entidades brasileiras relacionadas à meteorologia e hidrologia, entre as quais a Comissão de Climatologia (CCL) e a Comissão de Hidrologia (CH). A OMM desenvolve vários programas científicos e técnicos e a ANA tem participado do Programa de Hidrologia e Recursos Hídricos (HWRP), que implementa o Sistema Mundial de Observação de Ciclos Hidrológicos (WHYCOS). A SUM tem dado apoio técnico ao Dr. Oscar Cordeiro, assessor hidrológico do representante do Brasil, na OMM, Dr. Divino Moura, Diretor do INMET. 14

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica Caracterização da bacia Área 639.219 km² Precipitação média anual na Bacia Extensão 2.863 km População 14,3

Leia mais

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Palestrante: Jeane Dantas de Carvalho Instituto Mineiro de Gestão das Águas

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NA GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E SUAS IMPLICAÇÕES NO CONTROLE DA POLUIÇÃO E NA PREVENÇÃO DE SECAS E ENCHENTES

A PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NA GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E SUAS IMPLICAÇÕES NO CONTROLE DA POLUIÇÃO E NA PREVENÇÃO DE SECAS E ENCHENTES VII CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS A PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NA GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E SUAS IMPLICAÇÕES NO CONTROLE DA POLUIÇÃO E NA PREVENÇÃO DE SECAS E ENCHENTES ALESSANDRA DAIBERT COURI

Leia mais

Campina Grande, 2015.

Campina Grande, 2015. Campina Grande, 2015. A Questão dos Recursos Hídricos No Nordeste No Brasil No Mundo Recursos Naturais do Planeta Aspectos Usos dos Recursos Hídricos Demandas Abastecimento Humano (Urbano e Rural) Agricultura

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com BACIAS RECEPTORAS EIO NORTE BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO

Leia mais

Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômico-Ambientais

Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômico-Ambientais Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômico-Ambientais Sessão 4: Estatísticas e Contas Ambientais Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos Rio de Janeiro/RJ, setembro

Leia mais

Geografia. Clima. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Clima. Professor Luciano Teixeira. Geografia Clima Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia CLIMA O Estado está inserido na zona intertropical. Duas tipologias climáticas dominam o Estado de Pernambuco, cada qual

Leia mais

Transposição do Rio São Francisco - Os Desafios da Gestão José Almir Cirilo UFPE/Secretaria de Infraestrutura- PE

Transposição do Rio São Francisco - Os Desafios da Gestão José Almir Cirilo UFPE/Secretaria de Infraestrutura- PE Transposição do Rio São Francisco - Os Desafios da Gestão José Almir Cirilo UFPE/Secretaria de Infraestrutura- PE Importância do Programa para Pernambuco O CLIMA ENDOIDOU? 5 de Maio de 2011: evitada 17

Leia mais

Ciclo hidrológico: ciclo fechado no qual a água de movimenta

Ciclo hidrológico: ciclo fechado no qual a água de movimenta Ciclo hidrológico e qualidade da água Ciclo hidrológico: ciclo fechado no qual a água de movimenta A água está em constante movimento e descreve um ciclo na natureza: evapora do mar, açudes, rios lagoas

Leia mais

Água na produção de alimentos e Gestão compartilhada dos Recursos Hídricos: desafios e oportunidades

Água na produção de alimentos e Gestão compartilhada dos Recursos Hídricos: desafios e oportunidades Água na produção de alimentos e Gestão compartilhada dos Recursos Hídricos: desafios e oportunidades Prof. Dr. José Luiz Cabral Manaus, AM Brasil Algumas reflexões... Água HOJE... ÁGUA NA AGRICULTURA aprimorar

Leia mais

Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO

Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO Hidroelétricas Reservatório Sobradinho Hidroelétricas Reservatório Sobradinho O Projeto: Divisão em dois eixos Capacidade máxima: 99 m³/s Altura bombeamento: 165 m Capacidade máxima: 28 m³/s Altura bombeamento:

Leia mais

Saneamento Urbano I TH052

Saneamento Urbano I TH052 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano I TH052 Aula 03 Ciclo hidrológico, usos do solo e da água Profª Heloise G. Knapik 1 Surgimento das cidades Planejamento Conflitos

Leia mais

NOTA TÉCNICA No. 014/2012/CAPRE/CDP/INMET

NOTA TÉCNICA No. 014/2012/CAPRE/CDP/INMET MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Instituto Nacional de Meteorologia INMET NOTA TÉCNICA No. 014/2012/CAPRE/CDP/INMET ESTIAGEM NO NORDESTE (SERTÃO) DO BRASIL NO INÍCIO DE 2012 1. Situação

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA. Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

ESTADO DA PARAÍBA. Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N 10.033,DE 0 3 DE JULHO DE 2013. AUTORIA: DEPUTADO ASSIS QUINTANS Institui a Política Estadual de Captação, Armazenamento e Ap"oveitamento da Água da Chuva no Estado da Paraíba, e dá outras providências.

Leia mais

CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos. Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS

CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos. Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS Seminário CPTEC 19 e 20/out 2004 Mudanças climáticas aumento CO2 Estamos vivenciando

Leia mais

Recursos Hídricos: situação atual e perspectivas

Recursos Hídricos: situação atual e perspectivas Recursos Hídricos: situação atual e perspectivas IX Simpósio Nacional Cerrado II Simpósio Internacional Savanas Tropicas Desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos

Leia mais

ÜÍFERO GUARANI. MESA REDONDA Projeto Sistema Aqüífero Guarani II SIMPÓSIO DE HIDROGEOLOGIA DO SUDESTE

ÜÍFERO GUARANI. MESA REDONDA Projeto Sistema Aqüífero Guarani II SIMPÓSIO DE HIDROGEOLOGIA DO SUDESTE PROJETO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SISTEMA AQÜÍ ÜÍFERO GUARANI MESA REDONDA Projeto Sistema Aqüífero Guarani II SIMPÓSIO DE HIDROGEOLOGIA DO SUDESTE Júlio Thadeu da S. Kettelhut

Leia mais

Estresse hídrico na bacia do rio Paraíba do Sul e a segurança hídrica do Estado do Rio de Janeiro

Estresse hídrico na bacia do rio Paraíba do Sul e a segurança hídrica do Estado do Rio de Janeiro Estresse hídrico na bacia do rio Paraíba do Sul e a segurança hídrica do Estado do Rio de Janeiro Diretoria de Gestão das Águas e do Território - Digat Instituto Estadual do Ambiente - INEA 01 de julho

Leia mais

Quantidade de água no planeta

Quantidade de água no planeta HIDROGRAFIA Quantidade de água no planeta O Brasil possui: 10% da água superficial disponível para consumo no mundo. No Brasil a distribuição é desigual. - 70% na Amazônia - 27% no Centro-Sul - 3% no

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRA R SIL I

HIDROGRAFIA DO BRA R SIL I HIDROGRAFIA DO BRASIL ÁGUAS CONTINENTAIS Rio São águas correntes que se deslocam na superfície, no sentido da declividade do relevo Importante elemento no ciclo hidrológico Fornecimento de água potável

Leia mais

Desmatamento anual na Amazônia Legal ( )

Desmatamento anual na Amazônia Legal ( ) Setembro 2016 4.571 7.464 7.000 6.418 5.891 5.012 5.831 11.030 11.651 13.730 13.786 13.227 12.911 14.896 14.896 14.286 16.531 17.770 18.161 17.383 17.259 18.226 18.165 19.014 21.050 21.651 25.396 27.772

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 13 de janeiro de 2003 Número 01. Sumário Executivo

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 13 de janeiro de 2003 Número 01. Sumário Executivo INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 13 de janeiro de 2003 Número 01 Divisão de Operações Chefia: C h o u S i n C h a n Editor técnico dessa edição: J o s é A n t o n i o M a r e n g o O r

Leia mais

Reunião Banco do Brasil

Reunião Banco do Brasil Reunião Banco do Brasil Apresentação das geotecnologias desenvolvidas pela Divisão de Processamento de Imagens (DPI) Projetos TerraClass Amazônia e TerraClass Cerrado Luis Maurano (maurano@dpi.inpe.br)

Leia mais

Gerenciamento das Microbacias: Victoria, Vieira e Pereira

Gerenciamento das Microbacias: Victoria, Vieira e Pereira O GERENCIAMENTO DE MICROBACIAS COM VOCAÇÃO AGRÍCOLA EM SANTA CATARINA: ESTUDOS AGROHIDROCLIMATOLÓGICOS INTEGRADOS "Modernización de Riegos y Uso de Tecnologías de Información" CYTED - Red Riegos y Tierras

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 13/04/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

capa Dupla função Foto: Chico Ferreira Reservatórios geram energia e controlam cheias

capa Dupla função Foto: Chico Ferreira Reservatórios geram energia e controlam cheias Dupla função Foto: Chico Ferreira Reservatórios geram energia e controlam cheias 8 Revista FURNAS - Ano XXXVI - Nº 372 - Fevereiro 2010 texto Gleice Bueno estação chuvosa chegou mais cedo e mais forte.

Leia mais

PERÍODO DE OBSERVAÇÃO:

PERÍODO DE OBSERVAÇÃO: EDIÇÃO 04 PERÍODO DE OBSERVAÇÃO: 10 a 17 de janeiro de 2017 O Boletim Informativo Rio Doce tem como objetivo disponibilizar informações atualizadas dos rios afetados pelo rompimento da Barragem de Fundão

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ.

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. Adriana Xavier da Silva Bello Graduada em Letras - UNIVAG; Graduanda em Gestão Ambiental (IFMT); Mestranda em Educação

Leia mais

SISTEMA TAQUARIL ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO. Apresentação: Prof. Jorge Rios

SISTEMA TAQUARIL ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO. Apresentação: Prof. Jorge Rios SISTEMA TAQUARIL ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Apresentação: Prof. Jorge Rios A CRISE DE PLANEJAMENTO, A CRISE DA ÁGUA E A UTILIZAÇÃO DOS MANANCIAIS Estudo de 1973 do Massachusetts

Leia mais

IBGE apresenta ranking dos 10 rios mais poluídos do Brasil

IBGE apresenta ranking dos 10 rios mais poluídos do Brasil IBGE apresenta ranking dos 10 rios mais poluídos do Brasil Os indicadores do IBGE revelam quais bacias de água doce estão em situação mais crítica, apresentando os 10 rios mais poluídos do país. Os IQAs

Leia mais

HIDROGRAFIA (estudo das águas)

HIDROGRAFIA (estudo das águas) HIDROGRAFIA (estudo das águas) Consumo Real e Virtual 1 CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL - comparativo CONSUMO DE ÁGUA BRASILEIRO 2 Ciclo da Água CONCEITOS e TERMINOLOGIAS 3 CONCEITOS e

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 20 de janeiro de 2017.

Clipping de notícias. Recife, 20 de janeiro de 2017. Clipping de notícias Recife, 20 de janeiro de 2017. Recife, 20 de janeiro de 2017. Recife, 20 de janeiro de 2017. 20/01/2017 Agricultores se reúnem com representantes do Mapa e discutem modelo de assistência

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ NO CONTEXTO DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Helder Cortez

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ NO CONTEXTO DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Helder Cortez GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO CEARÁ NO CONTEXTO DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Helder Cortez ORGANOGRAMA SISTEMA SRH ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO CEARÁ

Leia mais

Painel: Desafios e Metas de Abastecimento de Água e Tratamento de Esgoto

Painel: Desafios e Metas de Abastecimento de Água e Tratamento de Esgoto Painel: Desafios e Metas de Abastecimento de Água e Tratamento de Esgoto Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano Sabesp 07/11/2011 Bacia do Alto Tietê Bacia do Sorocaba/ Médio Tietê Bacia do PCJ

Leia mais

O Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - CEIVAP. Vera Lúcia Teixeira Vice-Presidente do CEIVAP

O Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - CEIVAP. Vera Lúcia Teixeira Vice-Presidente do CEIVAP O Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - CEIVAP Vera Lúcia Teixeira Vice-Presidente do CEIVAP ESCASSEZ HIDRICA DA BACIA DO RIO PARAIBA DO SUL Água: bem público com valor econômico

Leia mais

FORUM RNP MOBILIDADE

FORUM RNP MOBILIDADE INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA FORUM RNP 2015 - MOBILIDADE A IMPORTÂNCIA DAS TICs NAS PESQUISAS [E SERVIÇOS] NA ÁREA DE CLIMA E TEMPO E DEMANDAS FUTURAS José Arimatéa de Sousa Brito Assessor INMET

Leia mais

Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012

Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012 Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012 Todos os anos a Região Sudeste do Brasil é atingida por eventos extremos de chuva, que ocorrem principalmente

Leia mais

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT Franco Turco Buffon Pesquisador em Geociências Engenheiro Hidrólogo RESIDÊNCIA DE PORTO VELHO - REPO MOTIVAÇÃO: MOTIVAÇÃO:

Leia mais

Relação de Programas por Instituição

Relação de Programas por Instituição Relação de Programas por Instituição Filtros Informados na Pesquisa: Programa: PSIQUIATRIA UF: Nenhum valor foi informado para este ítem Situação: Nenhum valor foi informado para este ítem Entidade: Nenhum

Leia mais

Sistema Cantareira: RMSP e PCJ escassez hídrica (muita gente: 20 milhões de pessoas só na RMSP e pouca água)

Sistema Cantareira: RMSP e PCJ escassez hídrica (muita gente: 20 milhões de pessoas só na RMSP e pouca água) Sistema Cantareira: RMSP e PCJ escassez hídrica (muita gente: 20 milhões de pessoas só na RMSP e pouca água) Franco da Rocha Bragança Paulista Mairiporã Nazaré Paulista Piracaia São Paulo Escassez hídrica:

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 21 de janeiro de 2016.

Clipping de notícias. Recife, 21 de janeiro de 2016. Clipping de notícias Recife, 21 de janeiro de 2016. Recife,21 de janeiro de 2016. Recife, 20 de janeiro de 2016. Recife, 21 de janeiro de 2016. Açudes cheios, sertanejos aliviados 21/01/2016 às 9:00 por

Leia mais

Atividades de redução dos efeitos da seca no Espírito Santo

Atividades de redução dos efeitos da seca no Espírito Santo Atividades de redução dos efeitos da seca no Espírito Santo Janil Ferreira da Fonseca Engenheiro Agrônomo Coordenador de Projetos Vitória-ES 02 de setembro de 2016 Considerações Iniciais O Espírito Santo

Leia mais

CISTERNA tecnologia social: atendimento população difusa

CISTERNA tecnologia social: atendimento população difusa Precipitação / Evapotranspiração (mm) 180 160 140 120 100 80 60 40 20 0 Semi- árido: REGIME IRREGULAR DE CHUVA: variação inter-anual e sazonal necessidade de armazenamento (GARANTIA DE SUPRIMENTO) Jan

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM SIMULAÇÃO HIDROLÓGICA E BALANÇO HÍDRICO DO RESERVATÓRIO POÇO DA CRUZ (PE) Alfredo Ribeiro Neto Cristiane Ribeiro de Melo Djalena Marques de Melo José Almir Cirilo Objetivo O objetivo deste trabalho é simular

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO).

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO). PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Complete as

Leia mais

Capítulo 12. Precipitações nas capitais

Capítulo 12. Precipitações nas capitais Capítulo 12 Precipitações nas capitais 12-1 Capítulo 12- Precipitações nas capitais 12.1 Introdução Vamos mostrar as precipitações médias mensais das capitais no Brasil no período de 1961 a 1990 fornecidas

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL X GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA COMO FATOR LIMITANTE DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Edmilson Costa Teixeira GEARH-DEA-CT

GESTÃO AMBIENTAL X GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA COMO FATOR LIMITANTE DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Edmilson Costa Teixeira GEARH-DEA-CT GESTÃO AMBIENTAL X GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA COMO FATOR LIMITANTE DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edmilson Costa Teixeira GEARH-DEA-CT USOS DA ÁGUA DISPONIBILIDADE HÍDRICA NO PLANETA ESTADOS Sólido.

Leia mais

PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO MUNICIPIO DE POCINHOS

PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO MUNICIPIO DE POCINHOS PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO MUNICIPIO DE POCINHOS Márcia Cristina de Araújo Pereira (1); Soahd Arruda Rache Farias (1); Felipe Guedes de Souza (2); Ana Cristina de Lima (3);

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

eventos extremos ligados a recursos hídricos

eventos extremos ligados a recursos hídricos Mudanças climáticas e eventos extremos ligados a recursos hídricos JOAQUIM GONDIM SUPERINTENDENTE DE USOS MÚLTIPLOS Brasília, 4 de agosto de 2009 AS INUNDAÇÕES E AS SECAS TÊM CADA VEZ MAIS CHAMADO A ATENÇÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBH-GRANDE Nº 27/2016, DE 10 DE AGOSTO DE 2016.

DELIBERAÇÃO CBH-GRANDE Nº 27/2016, DE 10 DE AGOSTO DE 2016. DELIBERAÇÃO CBH-GRANDE Nº 27/2016, DE 10 DE AGOSTO DE 2016. Aprova a ampliação do Grupo de Trabalho para acompanhamento da Elaboração do Plano Integrado de Recursos Hídricos (PIRH)-Grande e dá outras providências.

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2017 Boletim Nº. 15 14/04/2017 Boletim de acompanhamento - 2017 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a Figura 01 e as Tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave:

Leia mais

Rio São Francisco. Os usos múltiplos das águas e sua importância para o Nordeste

Rio São Francisco. Os usos múltiplos das águas e sua importância para o Nordeste Rio São Francisco Os usos múltiplos das águas e sua importância para o Nordeste DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NO PLANETA Volume total 1.370.000.000 km³ Água salgada 97% Água doce 3% (cerca de 40 milhões km³) A

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2017 Boletim Nº. 12 24/03/2017 Boletim de acompanhamento - 2017 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a Figura 01 e as Tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

Perspectivas de Negócios em Infraestrutura. novembro 2013

Perspectivas de Negócios em Infraestrutura. novembro 2013 Perspectivas de Negócios em Infraestrutura novembro 2013 Brasil no Mundo Globalizado - Importação e exportação manufaturas, commodities e serviços; - Crescimento da economia e aumento do consumo nos países

Leia mais

Qualidade no Grupo Seta

Qualidade no Grupo Seta 1941 Fundação da Sociedade Extrativa Tanino da Acácia Ltda. SETA, a primeira indústria de extração de tanino de acácia da América. 1946 Fundação da filial em Taquari (RS). 1987 Criação da SETA Química

Leia mais

Estudo Prognóstico sobre a Viabilidade Econômico-financeira para a Criação da Agência da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco

Estudo Prognóstico sobre a Viabilidade Econômico-financeira para a Criação da Agência da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco Mesa Redonda: Tema: Palestra: Criação da Agência de Bacia Hidrográfica Modelos Institucionais de Agência de bacia Hidrográfica Estudo Prognóstico sobre a Viabilidade Econômico-financeira para a Criação

Leia mais

XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 27 a 30 de novembro de 2012

XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 27 a 30 de novembro de 2012 XI Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste 27 a 30 de novembro de 2012 INSTRUMENTOS PARA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICO-FINACEIRA DO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO SÃO FRANCISCO E ESTIMATIVAS DO CUSTO MÉDIO DA

Leia mais

Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da. Bacia do rio Doce

Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da. Bacia do rio Doce Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da Belo Horizonte, 21 de Janeiro de 2016 às 10:00h. Bacia do rio Doce Boletim Extraordinário Na tabela abaixo seguem as previsões dos níveis dos rios monitorados

Leia mais

Prognóstico Climático

Prognóstico Climático Prognóstico Climático PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Trimestre: ago/set/out - 2001 O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia - INMET, órgão do Ministério da Agricultura e do Abastecimento,

Leia mais

A COBRANÇA A PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS H BACIAS PCJ

A COBRANÇA A PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS H BACIAS PCJ A COBRANÇA A PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS H NAS BACIAS PCJ FEDERAÇÃO INDUSTRIAS S C 30/09/2010 EDUARDO L. PASCHOALOTT I C.R.M.A - FIESP 1 Características Físicas das Bacias PCJ Bacias dos Rios Piracicaba,

Leia mais

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO Vicente de Paulo Rodrigues da Silva 1 ; Raimundo Mainar de Medeiros 2 ; Manoel Francisco Gomes Filho 1 1 Prof. Dr. Unidade Acadêmica

Leia mais

DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA AMAZÔNICA

DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA AMAZÔNICA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA AMAZÔNICA IV Reunião Científica do projeto ORE - HYBAM 19 de novembro de 2007 Eurides de Oliveira ORIGEM DO RIO AMAZONAS 1541 - a expedição de Francisco Orellana desceu

Leia mais

Cenário Futuro do Consumo de Água no Espírito Santo. 15/12/ Vitória/ES

Cenário Futuro do Consumo de Água no Espírito Santo. 15/12/ Vitória/ES Cenário Futuro do Consumo de Água no Espírito Santo 15/12/2015 - Vitória/ES AGENDA A CESAN Principais resultados alcançados Cenário hídrico Ações e projetos futuros 52 municípios atendidos 72 % da população

Leia mais

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Introdução A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Estações meteorológicas Imagens de satélite Radar Aeronaves, navios e bóias oceânicas Necessidade de rapidez

Leia mais

PREVISÃO DE CHEIAS E SECAS DA EMBRAPA AUXILIA PANTANEIROS

PREVISÃO DE CHEIAS E SECAS DA EMBRAPA AUXILIA PANTANEIROS PREVISÃO DE CHEIAS E SECAS DA EMBRAPA AUXILIA PANTANEIROS Por: Sérgio Galdino Emiko Kawakami de Resende A Embrapa Pantanal, localizada em Corumbá MS, ás margens do rio Paraguai, no coração do Pantanal,

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO

SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO Elizabeth Guelman Davis 27 de maio de 2014 Sistema de Alerta de Enchentes na Bacia do Rio Doce Um sistema de alerta antecipado,

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir hidrologia e engenharia hidrológica

Leia mais

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES Bibliotecários brasileiros pensando o direito: memória dos encontros nacionais de bibliotecários jurídicos (1971-1994) Regina Celi de Sousa Luciana Maria Napoleone Eixo temático: Preservação da memória

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET PREVISÃO DE NORMALIDADE DE CHUVAS E DE TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS

Leia mais

Hidrologia - Lista de exercícios 2008

Hidrologia - Lista de exercícios 2008 Hidrologia - Lista de exercícios 2008 1) Qual seria a vazão de saída de uma bacia completamente impermeável, com área de 22km 2, sob uma chuva constante à taxa de 50 mm.hora -1? 2) A região da bacia hidrográfica

Leia mais

Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional SISTEMA DE GESTÃO SGIB SISTEMA DE GESTÃO Decreto n o 5.995/2006 Decreto n o 6.365/2008 Conselho Gestor do SGIB 2º, art.

Leia mais

PPP do Saneamento Básico. Pioneirismo em parceria tripartite com a iniciativa privada; novo modelo de financiamento para a gestão pública

PPP do Saneamento Básico. Pioneirismo em parceria tripartite com a iniciativa privada; novo modelo de financiamento para a gestão pública PPP do Saneamento Básico Pioneirismo em parceria tripartite com a iniciativa privada; novo modelo de financiamento para a gestão pública Paraty, cidade sem rede de esgoto e água tratada? Patrimônio histórico

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL PROF. LUIZ FERNANDO L. SILVA

RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL PROF. LUIZ FERNANDO L. SILVA RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL PROF. LUIZ FERNANDO L. SILVA Águas brasileiras O Brasil concentra 12% do total mundial de água doce, o equivalente a 53% do continente sul-americano. BACIAS BRASILEIRAS TRANSPOSIÇÃO

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA. Nomenclatura. Divisor de água da bacia. Talweg (talvegue) Lugar geométrico dos pontos de mínimas cotas das seções transversais

BACIA HIDROGRÁFICA. Nomenclatura. Divisor de água da bacia. Talweg (talvegue) Lugar geométrico dos pontos de mínimas cotas das seções transversais U 6 BCI HIDROGRÁFIC Bacia hidrográfica ou bacia de drenagem de uma seção de um curso d água é a área geográfica coletora de água de chuva que escoa pela superfície do solo e atinge a seção considerada.

Leia mais

Aula 07 Os Sertões Brasileiros Caatinga (floresta branca) Savana Estépica

Aula 07 Os Sertões Brasileiros Caatinga (floresta branca) Savana Estépica Universidade Federal do Paraná Ecossistemas Brasileiros Aula 07 Os Sertões Brasileiros Caatinga (floresta branca) Savana Estépica Candido Portinari Retirantes 1944 932 sps Plantas 148 sps Mamíferos 185

Leia mais

A Crise Hídrica no Estado de São Paulo Políticas Públicas e Programas para Conservação de Água

A Crise Hídrica no Estado de São Paulo Políticas Públicas e Programas para Conservação de Água Workshop ZCAS/MONÇÃO Cachoeira Paulista, 20 a 22/07/2015 A Crise Hídrica no Estado de São Paulo Políticas Públicas e Programas para Conservação de Água Américo de Oliveira Sampaio Coordenador de Saneamento

Leia mais

Prefeitura de São José do Rio Preto, 06 de dezembro de Ano XIII nº 3920 DHOJE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO. Resolução SME N.

Prefeitura de São José do Rio Preto, 06 de dezembro de Ano XIII nº 3920 DHOJE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO. Resolução SME N. Prefeitura de São José do Rio Preto, 06 de dezembro de 2016. Ano XIII nº 3920 DHOJE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO Resolução SME N.º 18/2016 Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração do Calendário Escolar,

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORDESTE POTENCIALIDADES / DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS

BACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORDESTE POTENCIALIDADES / DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORDESTE POTENCIALIDADES / DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS JOAQUIM GONDIM Superintendente de Usos Múltiplos da ANA Brasília, 14/08/2008 O NORDESTE

Leia mais

Quais são os principais drivers do desflorestamento na Amazônia? Um exemplo de interdisciplinaridade.

Quais são os principais drivers do desflorestamento na Amazônia? Um exemplo de interdisciplinaridade. INCLINE workshop interdisciplinaridade FEA-USP - 10 de Março de 2015 Quais são os principais drivers do desflorestamento na Amazônia? Um exemplo de interdisciplinaridade. Natália G. R. Mello, PROCAM-USP

Leia mais

Interessado (Coordenador do Projeto): FRANCISCO MAGALDI MARTORANO NETO

Interessado (Coordenador do Projeto): FRANCISCO MAGALDI MARTORANO NETO Projeto Agrisus No: PA-1786-16. Título da Pesquisa: AMAZÔNIA: OCEANO VERDE Interessado (Coordenador do Projeto): FRANCISCO MAGALDI MARTORANO NETO Instituição: (com endereço, teu e E-mail): x Local da Pesquisa:

Leia mais

HIDROGRAFIA (estudo das águas)

HIDROGRAFIA (estudo das águas) HIDROGRAFIA (estudo das águas) CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL - comparativo CONSUMO DE ÁGUA BRASILEIRO Fase rápida Fase longa 2 Alto Médio Curso Curso Interflúvios Baixo Curso Interflúvios

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2017 Boletim Nº. 10 10/03/2017 Boletim de acompanhamento - 2017 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a Figura 01 e as Tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL DEZEMBRO/JANEIRO/FEVEREIRO 2015-2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural NOVEMBRO/2015 Comunicado importante da Aquaeris Meteorologia Em novembro de 2015

Leia mais

Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe

Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Programa de Pós - Graduação em Ciência do solo Disciplina: Seminário II Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe Discente do mestrado: Wagner

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 399.473,26 422.403,60 501.033,08 371.050,32 437.918,87 2.131.879,13 Valor

Leia mais

Trecho do sistema construído (canais, aquedutos, túneis)

Trecho do sistema construído (canais, aquedutos, túneis) Parecer Técnico nº 17/2016/SRE Documento nº 00000.067953/2016-23 Referência: 02501.000731/2015 Estimativa de perdas hídricas no PISF Eixo Leste 1. O parecer técnico conjunto nº 5/2016/SRE/SFI, documento

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DA CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO IFPE CAMPUS CARUARU

ESTUDO DE VIABILIDADE DA CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO IFPE CAMPUS CARUARU ESTUDO DE VIABILIDADE DA CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS NO IFPE CAMPUS CARUARU Michael Antão dos Santos 1 Marcelo Tavares Gomes de Souza 2 Guilherme Lúcio da Silva Neto 3 Resumo: Diante da crise hídrica que

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 27 de setembro de 2016.

Clipping de notícias. Recife, 27 de setembro de 2016. Clipping de notícias Recife, 27 de setembro de 2016. Folha de Pernambuco 27/09/2016 Blog do Finfa PAULO CÂMARA REATIVA SISTEMA PALMEIRINHA PARA ABASTECER POPULAÇÃO DE SURUBIM Por Junior Finfa em 27

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I )

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I ) ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I-01-2017) Áreas de Atuação das Superintendências Regionais de Belo Horizonte e Parte de Salvador Fev/2017 CPRM

Leia mais

Nota Técnica Conjunta nº 02/2014/SRE/SUM-ANA Documento nº: / Em, 14 de janeiro de 2014.

Nota Técnica Conjunta nº 02/2014/SRE/SUM-ANA Documento nº: / Em, 14 de janeiro de 2014. Nota Técnica Conjunta nº 02/2014/SRE/SUM-ANA Documento nº: 00000.001000/2014-31 Em, 14 de janeiro de 2014. Aos Senhores Superintendentes de Regulação e de Usos Múltiplos. Assunto: Proposta de complementação

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES REDE DE CONTROLE NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

RELATÓRIO DE ATIVIDADES REDE DE CONTROLE NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fls. 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES REDE DE CONTROLE NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO I ÓRGÃOS PARTÍCIPES 1. ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO Núcleo de Assessoramento Jurídico no Estado do Espírito Santo 2. ADVOCACIA GERAL

Leia mais

INCORPORAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO PLANEJAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS O CASO DA BACIA DO RIO PARAGUAÇU

INCORPORAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO PLANEJAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS O CASO DA BACIA DO RIO PARAGUAÇU INCORPORAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO PLANEJAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS O CASO DA BACIA DO RIO PARAGUAÇU Samara Fernanda da Silva Fernando Genz Lafayette Luz Métodos U)lizados para Incorporação das

Leia mais

Plano de Ação do Governo Federal para melhor convivência com a estiagem

Plano de Ação do Governo Federal para melhor convivência com a estiagem Plano de Ação do Governo Federal para melhor convivência com a estiagem 1. Prognóstico Climático 2. Ações Emergenciais 3. Ações Estruturantes Nordeste e Norte de Minas Gerais MUNICÍPIOS EM SITUAÇÃO DE

Leia mais

Previsão de vazões na bacia do rio Doce. Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007

Previsão de vazões na bacia do rio Doce. Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007 Previsão de vazões na bacia do rio Doce Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007 Caracterização da Região Localização - Região Sudeste Área de drenagem 83.400km² - (86% em MG e 14% no ES) Municípios

Leia mais

Disponibilidade Hídrica do Sistema Elétrico Brasileiro

Disponibilidade Hídrica do Sistema Elétrico Brasileiro Disponibilidade Hídrica do Sistema Elétrico Brasileiro Maio/2003 A Água no Mundo Desse volume: 97,2% águas dos mares 2,15% geleiras e calotas polares 3/4 3/4 do do globo globo terrestre são são cobertos

Leia mais

PRESIDENTE ALVES OBRAS E AÇÕES GESTÃO

PRESIDENTE ALVES OBRAS E AÇÕES GESTÃO PRESIDENTE ALVES OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014 DESENVOLVIMENTO SOCIAL: Distribuição de leite: Distribuídos 24.420 litros de leite de Jan a Nov/2011 Custo: R$ 34 mil, beneficiando 148 famílias carentes,

Leia mais

Hidráulica e Hidrologia

Hidráulica e Hidrologia 86 VIII. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 8.1. Introdução Das fases básicas do ciclo hidrológico, talvez a mais importante para o engenheiro seja a do escoamento superficial, que é a fase que trata da ocorrência

Leia mais