2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES"

Transcrição

1 2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES Aceleração da execução A execução do QCAIII atingia, no final do 1.º semestre de 2001, uma taxa de execução acumulada de cerca de 29% face ao valor programado para o 1.º ano, em termos de fundos comunitários, tal como consta do relatório remetido à Assembleia da República e que foi apresentado publicamente. Os números do final do ano de 2001 demonstram uma nítida aceleração do ritmo de execução do QCAIII, que atinge, em , 76% do valor programado para o 1.º ano à data de , quer em termos de Fundo quer em termos de Despesa Pública. Recorde-se que os próprios valores dos pedidos de pagamento intermédios realizados no 4.º trimestre de 2001 excediam em 365% os valores do período homólogo, tal como já referido neste relatório. Execução acumulada em % 1º ano de programação 76,0% 29,0% 1º semestre 2001 Ano 2001 De facto, em face dos números apresentados conclui-se que 1 : A execução no 2.º semestre foi 2.4 vezes superior à execução no 1.º semestre. A execução no 2.º semestre foi superior em 60% à totalidade da execução registada desde o início do QCAIII. Pela 1.ª vez, o nível de execução num semestre atingiu praticamente metade do 1.º ano de programação do QCAIII, o que atesta o ritmo de cruzeiro efectivamente alcançado. Recorde- 1 A análise a seguir apresentada foi efectuada tendo por base os valores do Fundo

2 se que o 1.º ano de programação do QCAIII representa a maior dotação anual dos 7 anos de programação do QCAIII. Os resultados assim alcançados no 2.º semestre de 2001 permitem-nos perspectivar uma clara aceleração dos níveis de execução para o conjunto do ano de 2002 face a Processo de aprovações Para esta evolução da execução ao longo de 2001 foi determinante a gestão do processo de aprovações do QCAIII, cujo arranque antecede efectivamente o arranque da execução. Execução e Aprovações em % 1º Ano de Programação 235% Execução acumulada Aprovações acumuladas 169% 76% 29% 1º Semestre 2º Semestre De facto, o rácio Aprovações / Execução reduziu-se de 5.8 no 1.º semestre, para 3.1 no 2.º semestre, o que revela quer a importância da aceleração inicial do processo de aprovações, quer a aceleração do ritmo de execução ( catching-up face às aprovações), que adquiriu pleno significado no 2.º semestre de O valor global de aprovações de projectos e acções atinge, em termos acumulados e à data de , milhões em termos de fundos comunitários e milhões em termos de despesa pública (no 1.º semestre de 2001 foram realizadas 44% das aprovações totais acumuladas e 60% das aprovações realizadas no ano de 2001). Estes valores globais representam 25 25

3 sensivelmente 40% da totalidade do QCAIII, cujo período de execução se estenderá ao ano de Recorde-se que este grande esforço foi realizado em sensivelmente 16 meses de trabalho intenso. As Aprovações em 16 Meses (Despesa Pública) (milhões de euros) Programado 2000 Programado Aprovações Programado Aprovações Totais (Despesa Pública) (milhões de euros) Set-2000 Dez-2000 Jun-2001 Dez

4 Assim, à data de , o valor global de aprovações realizadas atingia sensivelmente o equivalente aos 2 primeiros anos de programação do QCAIII e ainda metade do 3.º ano de programação do QCA III (em termos de Despesa Pública). A análise da tabela a seguir apresentada permite ainda concluir que, em termos globais, 15 PO (em 18 PO 2 ), à data de , já tinham entrado no 3.º ano de programação, ao passo que 2 PO já haviam inclusivamente entrado no 4.º ano de programação (num total de 7 anos de programação). Aprovações em % da Programação - Fundo unid: milhares de euros PROGRAMA Aprovações em % Aprovações em % Aprovações totais LVT 97% 66% Ambiente 91% 61% Pescas 99% 67% Agricultura e Des. Rural 100% 69% Centro 105% 71% Açores 106% 72% Algarve 105% 73% Economia 113% 78% Acessibilidades e Transportes 117% 80% Saúde 118% 81% Sociedade da Informação 119% 67% Educação 121% 80% Alentejo 135% 84% Madeira 136% 93% Cultura 138% 94% Emprego, Formação e Des. Social 143% 97% Ciência, Tecnologia e Inovação 147% 109% Norte 154% 104% Assistência Técnica QCA III 24% 16% TOTAL 120% 82% FEDER 124% 84% FSE 128% 86% FEOGA 91% 62% IFOP 69% 47% TOTAL 120% 82% Excluindo o PO Assistência Técnica dado, que apenas enfrenta a Regra n+2 pela 1º vez em

5 Em termos de Fundo constata-se que o FEDER e o FSE já completaram 2 anos de aprovações estando apenas disponível cerca de 50% do 3º ano de programação (57% em termos de Despesa Pública). No que diz respeito ao FEOGA e ao IFOP, o total das aprovações atinge, respectivamente 91% e 62%, dos dois primeiros anos de programação. A este propósito, recorde-se o perfil descendente da programação financeira: os valores correspondentes aos anos de programação 2002 e 2003 do QCAIII são inferiores em 6.7% e 10.3% ao valor correspondente ao 1.º ano (em termos de fundos comunitários). Em termos globais, deveria ser assumido como referência um valor global de aprovações a atingir, por Programa Operacional e por Fundo, equivalente a 4 anos de programação do QCAIII em Execução por programa O quadro a seguir apresentado, detalha os níveis de execução por PO em termos de fundos comunitários, quer para os semestres, quer para o conjunto do ano de 2001 e permite-nos retirar um conjunto importante de conclusões: O investimento em Recursos Humanos apresenta o maior nível de execução do QCAIII, 111%, com destaque para a performance dos PO: Educação (129%), Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (116%), Ciência, Tecnologia e Inovação (133%), e Sociedade de Informação (97%). O PO Saúde, cujo nível de execução atinge 51%, acelerou a sua execução ao longo do 2.º semestre; O investimento nos Programas Regionais, que valem 44% do total do QCA III, apresentam uma execução significativa de 82%, claramente acima da média nacional. Sublinhe-se que 4 dos 5 Programas Regionais do Continente (que correspondem ao novo modelo de gestão desconcentrada dos Fundos) apresentam uma taxa de execução claramente superior a 80%; O Investimento no Território apresenta uma taxa de execução de 91%, devido sobretudo à performance do PO Acessibilidades e Transportes, cuja execução atinge 97%. Por seu turno, o PO Ambiente registou um acréscimo muito significativo de execução no 2.º semestre; A execução do investimento nas Actividades Económicas foi fortemente determinada (razões que serão detalhadas nas observações realizadas à frente neste capítulo): 28 28

6 Pelo prolongamento das negociações do PO Agricultura e Desenvolvimento Rural, tendo-se registado uma aceleração da execução ao longo do 2.º semestre (mais de 2 vezes a execução do 1.º semestre); Pela pressão gerada sobre o Ministério da Economia decorrente do encerramento dos Programas Comunitários relativos ao anterior QCA, bem como pelo impacto das novas regras de execução, estabelecidas pelos novos regulamentos comunitários, as quais têm importantes consequências sobre o POE. Execução em % 1º Ano de Programação Programa 1º semestre º semestre 2001 Execução período acumulado período acumulado Acum. Ajustada a) EIXO 1 41% 59% 51% 111% 111% EDUCAÇÃO 31% 67% 62% 129% EMPREGO, FORMAÇÃO E DES. SOCIAL 50% 50% 66% 116% CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 66% 111% 21% 133% SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO 21% 44% 53% 97% SAÚDE 13% 19% 32% 51% CULTURA 26% 28% 32% 60% EIXO 2 7% 8% 19% 27% 36% AGRICULTURA E DESENV. RURAL 13% 14% 29% 43% PESCA 14% 38% 19% 57% ECONOMIA 3% 3% 13% 17% 31% EIXO 3 29% 44% 47% 91% 104% ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES 35% 53% 44% 97% 114% AMBIENTE 2% 4% 61% 65% EIXO 4 15% 24% 58% 82% 84% NORTE 10% 25% 64% 89% 98% CENTRO 23% 27% 57% 85% LISBOA E VALE DO TEJO 14% 16% 56% 72% ALENTEJO 21% 22% 62% 84% ALGARVE 17% 17% 73% 90% AÇORES 15% 33% 53% 85% MADEIRA 12% 27% 35% 62% ASSISTÊNCIA TÉCNICA 0% 0% 31% 31% Total 20% 29% 47% 76% 81% FEDER 18% 29% 42% 71% 77% FSE 29% 40% 73% 113% 114% FEOGA 11% 12% 28% 39% IFOP 11% 29% 14% 44% TOTAL 20% 29% 47% 76% 81% a) Execução Acumulado Ajustada = Execução real + Efeito Grandes Projectos + Efeito Adiant. POE 29 29

7 A seguir são apresentadas observações que se impõem por Programa ou áreas essenciais do QCAIII. 1.ª Observação: Relativamente ao PO Agricultura, os níveis de execução decorrem nomeadamente da respectiva decisão de aprovação ter sido tomada pela Comissão mais tardiamente face à generalidade dos restantes Programas Operacionais (a decisão data do final do mês de Outubro do ano 2000, contra a generalidade das restantes decisões que datam do mês de Julho do mesmo ano), em virtude das negociações terem sido mais prolongadas dada a maior complexidade dos regulamentos comunitários aplicáveis a este sector. 2.ª Observação: No que se refere ao PO Economia, importa sublinhar que uma parte significativa dos pagamentos realizados aos promotores não se encontra relevada na taxa de execução apresentada para este PO, a qual recorde-se atinge 17% do valor programado para o 1.º ano. De facto, os novos regulamentos comunitários representam uma mudança substancial face aos anteriores normativos aplicáveis ao QCAII relativamente ao entendimento de despesa executada. Assim, de acordo com o art.º 32.º, n.º 1, do regulamento comunitário 1260/99:...Os pagamentos intermédios ou do saldo serão referentes às despesas efectivamente pagas, que devem corresponder a pagamentos executados pelos beneficiários finais e justificados por facturas pagas ou documentos contabilísticos com um valor de prova equivalente. Deste modo, e ao contrário do que sucedia no âmbito do QCA II, o valor dos adiantamentos pagos, por conta de projectos e acções, que ainda não corresponda a despesas efectivamente realizadas por parte pelos respectivos promotores, não pode ser considerado como execução efectiva. Conclui-se pois que a aplicação dos critérios utilizados no âmbito do QCA II conduziria a uma taxa de execução do POE, não de 17%, mas de 31%, deve ser tomada em consideração porque permite avaliar a tendência para os próximos meses. É fundamental na análise do nível de execução do PO Economia, que terá de acelerar claramente já nos próximos meses, ter atenção que o ano de 2001 representou um grande esforço para o Ministério da Economia em termos de encerramento simultâneo do QCAII. De facto, em 2001, o PO Economia representou cerca de ¼ do valor total pago a título de Programas Comunitários (incluindo o anterior período de programação comunitária) a todos os promotores (cerca de 798 milhões ao todo)

8 3.ª Observação: A análise da performance do PO Lisboa e Vale do Tejo (LVT), em termos de execução e de aprovações, deve tomar em considerar o respectivo perfil temporal excepcional da respectiva programação financeira. De facto, os três primeiros anos de programação deste PO Regional representam mais de 2/3 da dotação disponível para os sete anos de programação (contra 45% na totalidade do QCA III). 4.ª Observação: Por seu turno, e de acordo com o art.º 25.º e art.º 26.º do regulamento comunitário 1260/99, os Grandes Projectos (cujo Custo Total excede 50 milhões) estão sujeitos a um processo de aprovação especial pela Comissão, o qual envolve significativos períodos negociais. Desta forma, a taxa de execução apresentada, de 76%, não engloba a despesa já realizada a a título dos Grandes Projectos que, na mesma data, se encontravam em curso de negociação com a Comissão. Esta despesa transformar-se-á de imediato em execução a seguir à data de decisão favorável pela Comissão relativamente aos referidos Grandes Projectos. Assim, estima-se que o conjunto de Grandes Projectos em curso de negociação à data de , designadamente o Sistema de Metro Ligeiro da Área Metropolitana do Porto 2.ª Fase (integrado no POR Norte), o Plano de Expansão do Aeroporto de Faro e o Prolongamento da Linha Amarela Campo Grande / Odivelas (ambos PO Acessibilidades e Transportes), apresentassem àquela data um valor de despesa realizada de 76 milhões em termos de FEDER. Assim, pode concluir-se que, caso estes Grandes Projectos já tivessem sido formalmente aprovados pela Comissão à data de , a taxa de execução global do QCAIII passaria de 76% para 79%. Simultaneamente, a taxa de execução do FEDER, de 71% passaria para 74%. 5.ª Observação: Ainda numa perspectiva de avaliação de tendência para os próximos meses, constata-se que a consideração do Efeito Grandes Projectos e do Efeito Adiantamentos PO Economia (ver quadro detalhado em baixo), permitirá colocar a taxa de execução sobre o 1.º ano de programação em 81% e a taxa de execução do FEDER em 77% em termos de fundo

9 Execução Acumulada Ajustada em % 1º Ano de Programação Fundo QCAIII FEDER POAT PORN POE Execução apresentada 76% 71% 97% 89% 17% Efeito grandes projectos 79% 74% 114% 98% n.a Efeito POE 78% 74% n.a n.a 31% Total 81% 77% 114% 98% 31% 6.ª Observação: O PO Ciência, Tecnologia e Inovação (CTI) apresenta a maior taxa de execução do QCAIII em , devendo-se a sua maior concentração no primeiro semestre ao faseamento dos concursos e avaliação de projectos de investigação, bem como aos faseamentos de apoios a instituições cientificas que ocorrem com especial incidência no início do ano civil. 7.ª Observação: O PO Assistência Técnica representa somente 0.4% do QCAIII, com uma importância naturalmente secundária no conjunto dos 19 PO do QCAIII, tendo constituído o único Programa Operacional do QCAIII cuja decisão se verificou em 2001 ( ), o que justifica o relativamente baixo nível de execução. A este propósito, e de acordo com os regulamentos comunitários, o PO Assistência Técnica enfrentará pela 1.ª vez a regra n+2 no final do ano de 2003, momento em que deverão encontrar-se liquidadas as autorizações orçamentais relativas aos anos de 2000 e Fundo Social Europeu Sublinhe-se que os valores de execução apresentados para o FSE incluem uma estimativa da despesa que, encontrando-se suportada por recibos do ano 2001, será apresentada ao gestor e devidamente contabilizada até ao final de Março de 2002, de acordo com as orientações do Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu e em consistência com os procedimentos adoptados no ano 2000 (os relatórios de execução relativos ao ano 2000, remetidos à Comissão, incluem os valores contabilizados nos termos referidos), bem como ao longo de todo o período do QCA II

10 Outros factores condicionantes da execução O ritmo de execução encontra-se condicionado às condições atmosféricas, nomeadamente aos níveis de precipitação. Relativamente ao período de execução do QCAIII, que decorre basicamente desde fim de Setembro de 2000, constata-se que os valores médios de precipitação verificados são cerca de 33% superiores aos valores normais entre 1961 e 1990, tendo sido um período adverso sob o ponto de vista das condições climatéricas para a execução do QCAIII

2.3 APLICAÇÃO DA REGRA N+2 E EVOLUÇÃO DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO INTERMÉDIOS

2.3 APLICAÇÃO DA REGRA N+2 E EVOLUÇÃO DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO INTERMÉDIOS 2.3 APLICAÇÃO DA REGRA N+2 E EVOLUÇÃO DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO INTERMÉDIOS A Regra da Guilhotina Os regulamentos comunitários que enquadram a aplicação do QCA III apresentam uma rigidez e uma exigência

Leia mais

síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III

síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III 2007 síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III QCA III síntese da execução financeira em Novembro 2007 QCA III síntese da execução financeira em Novembro 2007 Comissão de Gestão do QCA

Leia mais

NÃO UTILIZAÇÃO E DEFICIENTE UTILIZAÇÃO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS

NÃO UTILIZAÇÃO E DEFICIENTE UTILIZAÇÃO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS Não utilização e deficiente utilização de Fundos Comunitários Pág. 1 NÃO UTILIZAÇÃO E DEFICIENTE UTILIZAÇÃO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS RESUMO DESTE ESTUDO A baixa qualidade do investimento realizado em Portugal,

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA CGD PARA A COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO LINHA DE CRÉDITO CGD/BEI E SUBVENÇÃO GLOBAL (APOIO AO QCA II)

RELATÓRIO FINAL DA CGD PARA A COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO LINHA DE CRÉDITO CGD/BEI E SUBVENÇÃO GLOBAL (APOIO AO QCA II) RELATÓRIO FINAL DA CGD PARA A COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO LINHA DE CRÉDITO CGD/BEI E SUBVENÇÃO GLOBAL (APOIO AO QCA II) ÍNDICE A. LINHA DE CRÉDITO CGD/BEI Pag. 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 1 2. UTILIZAÇÃO DA

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

Balanço a 30 de Junho de 2004

Balanço a 30 de Junho de 2004 Caracterização Em 30 de Junho o registo central de ajudas de minimis apresentava um volume financeiro de apoios aprovados de mais de 612 milhões de euros, sendo composto por 37 337 registos de apoios.

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

Análise da execução financeira do QCA III. {Junho de 2008}

Análise da execução financeira do QCA III. {Junho de 2008} Análise da execução financeira do QCA III {Junho de 2008} Análise da execução financeira do QCA III {Junho de 2008} 2 3.............................................................................. Glossário

Leia mais

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem Construção: Obras licenciadas e concluídas 1 13 de Setembro de 2007 e Concluídos Diminuem No 2º trimestre de 2007, foram licenciados mais de 11 mil edifícios e concluídos mais de 6,5 mil edifícios. Estes

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Assistência Técnica FEDER

Assistência Técnica FEDER Programa Operacional Assistência Técnica FEDER 2007-2013 Relatório Anual de Execução 2 0 0 9 Ficha Técnica Título: Programa Operacional de Assistência Técnica FEDER 2007-2013 Relatório Anual de Execução

Leia mais

Senhor representante do Secretário de Estado da Economia e do Desenvolvimento Regional. Senhor Coordenador-Adjunto do Observatório do QREN

Senhor representante do Secretário de Estado da Economia e do Desenvolvimento Regional. Senhor Coordenador-Adjunto do Observatório do QREN 1 Senhor representante do Secretário de Estado da Economia e do Desenvolvimento Regional Senhor Presidente do Conselho Regional Senhores Autarcas Senhor Coordenador-Adjunto do Observatório do QREN Senhores

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO DIRIGIDA A PROJECTOS APOIADOS NO ÂMBITO DO SISTEMA DE INCENTIVOS QREN

CIRCULAR. Assunto: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO DIRIGIDA A PROJECTOS APOIADOS NO ÂMBITO DO SISTEMA DE INCENTIVOS QREN CIRCULAR N/REFª: 37/11 DATA: 07 Abril 2011 Assunto: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO DIRIGIDA A PROJECTOS APOIADOS NO ÂMBITO DO SISTEMA DE INCENTIVOS QREN Exmos. Senhores, Vimos informar que se encontra disponível

Leia mais

Coordenação: ADRAL Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, S.A.

Coordenação: ADRAL Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, S.A. Coordenação: ADRAL Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, S.A. Equipa Técnica: Luís Cavaco Ana Cristina Bugio Ana Luísa Brejo Marta Figueira Consultoria externa: Maria Alberto Branco Outros colaboradores:

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Apoios ao Investimento em Portugal

Apoios ao Investimento em Portugal Apoios ao Investimento em Portugal AICEP Abril 2015 FINANÇAS Índice Investimento Produtivo Auxílios Estatais Máximos Incentivos Financeiros Incentivos Fiscais Investimento em I&D Empresarial Incentivos

Leia mais

PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa?

PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa? PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa? QUAL O MONTANTE DE APOIOS COMUNITÁRIOS ATRIBUÍDOS A PORTUGAL? 25 Mil Milhões de Euros. Outros Programas* Este é o montante que Portugal vai receber em fundos

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

ESTUDO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR DO PROGRAMA OPERACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA (PO ATQCA III) - RELATÓRIO FINAL

ESTUDO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR DO PROGRAMA OPERACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA (PO ATQCA III) - RELATÓRIO FINAL ESTUDO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR DO PROGRAMA OPERACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA (PO ATQCA III) - RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2003 Índice 0. APRESENTAÇÃO 3 1. CONFIRMAÇÃO DA RELEVÂNCIA DA ESTRATÉGIA 4 1.1.

Leia mais

Programa Compete Balanço e meios disponíveis até final do QREN

Programa Compete Balanço e meios disponíveis até final do QREN Programa Compete Balanço e meios disponíveis até final do QREN Franquelim Alves XIV Fórum da Indústria Têxtil Vila Nova de Famalicão 28 Novembro 2012 COMPETE Instrumentos e Sistemas de Apoio AGENDA DA

Leia mais

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 03 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO Nos termos do

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO NO 7.º PROGRAMA-QUADRO DE I&DT (UNIÃO EUROPEIA)

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) Programas Operacionais Regionais do Continente REGULAMENTO ESPECÍFICO Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 09/2011 SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN ACESSO À LINHA DE CRÉDITO QREN-INVESTE Tendo em consideração que importa dar continuidade a que as empresas com projectos aprovados no âmbito

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 07 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO Nos termos do Regulamento do SI Qualificação

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013. (31 de dezembro de 2013)

POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013. (31 de dezembro de 2013) POLÍTICAS PÚBLICAS NO CENTRO DE PORTUGAL QREN 2007-2013 QREN 2007-2013 No período 2007-2013, são principalmente os instrumentos financeiros, Fundos Estruturais (FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Comissão Ministerial de Coordenação do Programa Operacional Fatores de Competitividade

Comissão Ministerial de Coordenação do Programa Operacional Fatores de Competitividade Comissão Ministerial de Coordenação do Programa Operacional Fatores de Competitividade Alteração ao regulamento específico do Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) Deliberação aprovada por consulta

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS 2516-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 90 9 de Maio de 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Portaria n.º 357-A/2008 de 9 de Maio A estrutura empresarial dos territórios

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro Generalidades Aplicação a investimentos realizados a partir de 1 Janeiro de 2014 (excepto para efeito de apuramento dos limites máximos dos

Leia mais

em alterações climáticas da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (CCIAM), liderado por

em alterações climáticas da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (CCIAM), liderado por O primeiro mapa nacional do risco de inundações Alerta. Investigadores da Universidade de Lisboa apresentam hoje na Fundação Gulbenkian estudo que mostra um risco acrescido de cheias, no futuro, no Norte

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior FCT (última actualização 2009/03/09) Missão: A missão da FCT visa o desenvolvimento, financiamento e avaliação

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Economia, Finanças e Plano PROPOSTA DE LEI N.º 47/VIII

Relatório e Parecer da Comissão de Economia, Finanças e Plano PROPOSTA DE LEI N.º 47/VIII Relatório e Parecer da Comissão de Economia, Finanças e Plano PROPOSTA DE LEI N.º 47/VIII [GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA 2001] I. INTRODUÇÃO Nos termos da Constituição Portuguesa, o Governo apresentou à

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO III AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EIXO PRIORITÁRIO III AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS CÓDIGO DO AVISO: POVT- 35-2011-41 17 de Janeiro

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS (SIALM) Nos termos do Regulamento do Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze CONSELHO GERAL 2013-17 Ata número treze -------- Aos vinte e nove dias do mês de Abril de dois mil e quinze reuniu, pelas dezoito horas o conselho geral para tratar da seguinte ordem de trabalhos: -----

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014 Parecer da CGTP-IN O Programa Operacional Regional do Alentejo para o período 2014-2020 tem uma dotação de fundos

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa INOVAÇÃO e I&DT Lisboa Prioridades, Impactos, Próximo Quadro MIGUEL CRUZ Aumentar a capacidade competitiva no mercado internacional Reforçar as competências estratégicas Apoiar as PME no reforço das suas

Leia mais

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE N.º 07/2009 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2009/11/04 Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa Elaborada por: Unidade de Coordenação da Gestão Operacional SÍNTESE A presente

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Manual de Apoio à Apresentação de Candidaturas ao PRODESA, vertente do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Manual de Apoio à Apresentação de Candidaturas ao PRODESA, vertente do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Secretário Regional da Presidência para as Finanças e Planeamento Direcção Regional de Estudos e Planeamento Manual de Apoio à Apresentação de Candidaturas ao PRODESA, vertente

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS Decreto-Lei 54-A/99, de 22 de Fevereiro Lei 162/99, de 14 de Setembro Decreto-Lei 315/2000, de 2 de Dezembro Decreto-Lei 84-A/2002, de 5 de Abril Subgrupo de Apoio

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

Boletim Informativo dos Fundos da União Europeia

Boletim Informativo dos Fundos da União Europeia Boletim Informativo dos s da União Europeia QREN e Portugal 2020 Junho 2015 Número 0 NOTA DE ABERTURA Considerando a coexistência em 2015 da aplicação efetiva de dois quadros de programação de apoios

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS CONTACTOS DAS ENTIDADES QUE INTEGRAM O Direcção-Geral das Autarquias Locais Morada: Rua José Estêvão,137, 4.º a 7.º 1169-058 LISBOA Fax: 213 528 177; Telefone: 213 133 000 E-mail: helenacurto@dgaa.pt Centro

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Procedimento de contingência do registo contabilístico de dívidas FEDER e Fundo de Coesão

Procedimento de contingência do registo contabilístico de dívidas FEDER e Fundo de Coesão N.º 03/2008 Data: 2008/12/12 Procedimento de contingência do registo contabilístico de dívidas FEDER e Fundo de Coesão Elaborada por: Unidade de Apoio à Gestão Institucional e Unidade de Sistemas de Informação

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Financiamento da contrapartida nacional de projetos QREN

Financiamento da contrapartida nacional de projetos QREN QREN Financiamento da contrapartida nacional de projetos QREN julho de 2014 Objetivo: financiar a contrapartida nacional de projetos QREN O do Banco Europeu de Investimento (QREN EQ) é uma solução de crédito,

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

Energia 2ª ALTERAÇÃO AO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO. Aviso - ALG-48-2011-01. Eixo Prioritário 3 Valorização Territorial e Desenvolvimento Urbano

Energia 2ª ALTERAÇÃO AO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO. Aviso - ALG-48-2011-01. Eixo Prioritário 3 Valorização Territorial e Desenvolvimento Urbano 2ª ALTERAÇÃO AO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário 3 Valorização Territorial e Desenvolvimento Urbano Energia Aviso - ALG-48-2011-01 Página 1 de 2 A Autoridade de Gestão do POAlgarve 21, comunica

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO 08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO Aprovação do Relatório de Execução de 2010 Estrutura do Relatório de Execução 2010 Estrutura do Relatório de Execução de 2010 do PORL: 1. Apresentação

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

ÍNDICE. Desconcentradas

ÍNDICE. Desconcentradas ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Condições Gerais de Enquadramento da Execução do Programa 1 3. Gestão e Acompanhamento 8 3.1 Eixo Prioritário I Apoio a Investimentos de Interesse Municipal e Intermunicipal 8

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais

Portugal e a Política de Coesão 2007-2013

Portugal e a Política de Coesão 2007-2013 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Portugal e a Política de Coesão 2007-2013 2013 Rui Nuno Baleiras Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Centro

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema de Apoio a Ações Coletivas

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários

Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários Projectos de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários Versão 1.0 10/03/2011 Governo da República Portuguesa 2 Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

INDICE... I NOTA INTRODUTÓRIA... III 1. MODIFICAÇÕES DAS CONDIÇÕES GERAIS COM IMPORTÂNCIA RELEVANTE PARA A EXECUÇÃO DA INTERVENÇÃO...

INDICE... I NOTA INTRODUTÓRIA... III 1. MODIFICAÇÕES DAS CONDIÇÕES GERAIS COM IMPORTÂNCIA RELEVANTE PARA A EXECUÇÃO DA INTERVENÇÃO... Aprovado Consulta Escrita 2 a 11 de Junho e 14ª Reunião da Comissão de Acompanhamento 17 de Junho de 2008 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2007 PORLVT INDICE INDICE... I NOTA INTRODUTÓRIA... III 1. MODIFICAÇÕES

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais