VALORAÇÃO ECONÓMICA DE BENS PÚBLICOS, PRODUTOS AMBIENTAIS E SERVIÇOS DOS ECOSSISTEMAS. Apresentação. Agosto, 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALORAÇÃO ECONÓMICA DE BENS PÚBLICOS, PRODUTOS AMBIENTAIS E SERVIÇOS DOS ECOSSISTEMAS. Apresentação. Agosto, 2014"

Transcrição

1 VALORAÇÃO ECONÓMICA DE BENS PÚBLICOS, PRODUTOS AMBIENTAIS E SERVIÇOS DOS ECOSSISTEMAS Apresentação Agosto, 2014

2 Exemplos de Serviços e Bens Ambientais alimentos provisionamento de água doce matérias-primas regulação de incêndios regulação da erosão estabilidade climática regulação de cheias e inundações serviços culturais processamento de resíduos e da poluição regulação de doenças infecciosas reciclagem de nutrientes

3 Valoração Económica de Bens e Serviços Ambientais Em que consiste? Permite valorar economicamente (em euros) o serviço/bem que a natureza produz e que é utilizado pelo Homem, mas que não tem um valor de mercado expresso Qual é a utilidade dessa informação? Integrar esta quantificação nas políticas locais permite: Compreender o valor do capital natural do território Repensar o território de forma mais integrada e inteligente, com efeitos sobre a qualidade da vida das populações Realizar análises de custo/benefício mais realistas, que promovam efetivamente a sustentabilidade do território, conciliando a visão económica com a conservação da natureza.

4 Valoração Económica de Bens e Serviços Ambientais Para que serve? Transmitir a importância dos ecossistemas e da biodiversidade aos decisores políticos Apoio à decisão sobre a alocação de recursos entre usos concorrentes Planeamento e ordenamento do território Pagamento ou compensação por serviços dos ecossistemas Desenvolvimento de novos produtos/serviços Gestão de áreas de recreio e lazer, de floresta, agrícolas ou costeiras Informação sobre os benefícios e custos associados à implementação de um projeto Análise de custo/benefício de políticas especificas Uso mais eficiente dos limitados recursos Constanza et al, 2014; de Groot et al, 2012

5 Valoração Económica de Bens e Serviços Ambientais É importante porquê? Na generalidade dos serviços dos ecossistemas não é valorizada através do mercado. Na prática diária de tomada de decisão (por governos, empresas e consumidores) é atribuído um preço às florestas, zonas húmidas e outros ecossistemas, muito baixo, ou mesmo zero. Esse preço não reflete assim a variedade de serviços dos ecossistemas fornecidos por esses sistemas multi-funcionais. Consequência: tomadas de decisões que não consideram, ou apenas parcialmente, os custos da perda de seus serviços. A valorização monetária dos serviços dos ecossistemas complementa as estruturas de tomada de decisão convencionais, em que as externalidades positivas e negativas do uso ou perda de muitos bens e serviços ambientais não são, ou são insuficientemente, reconhecidos. A valorização monetária pode ajudar a tornar as externalidades visíveis Constanza et al, 2014; de Groot et al, 2012

6 Valoração Económica de Bens e Serviços Ambientais É importante AGORA porquê? A Contabilidade nacional vai ser obrigada em 2020 a incluir os valores e passivos ambientais: O Plano Estratégico da Convenção para a Biodiversidade, exige que os valores da biodiversidade sejam integrados nas estratégias nacionais de desenvolvimento e nas contas nacionais. A Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020 exige aos Estados-Membros a avaliação do valor económico dos serviços dos ecossistemas e a sua integração nos sistemas de contabilidade em nível nacional.

7 O Que pode ser Valorado? Serviços de suporte: serviços que fornecem a infra-estrutura de vida aos ecossistemas, incluem a produção primária (fotossíntese), formação do solo e o ciclo da água e dos nutrientes. Os restantes serviços de ecossistema dependem deles. Os seus benefícios para o bem-estar humano são indirectos e, em larga medida, no longo prazo. Serviços de regulação: serviços ecológicos prestados pelos ecossistemas e os seus impactos como a regulação da erosão, resiliência ao fogo e a polinização. Estão intimamente interligados entre si e com as outras categorias de serviços. Serviços de aprovisionamento: serviços obtidos de ecossistemas naturais, semi-naturais, agrícolas e florestais, incluem alimentos, matérias-primas, como a madeira, os produtos silvestres, ou a água. A sua disponibilidade depende fortemente dos serviços de suporte e de regulação. Serviços culturais: estão associados a sítios onde os humanos interagiram e interagem uns com os outros e com a natureza ao longo de séculos, incluem o recreio o recreio e lazer, benefícios estéticos, bem-estar físico e espiritual, sentido de pertença, educacionais e patrimoniais. MA (2005), Madureira et al, 2013.

8 Como Podem ser Valorados? 1. Através de pagamentos por serviços de ecossistemas (integra os princípios de beneficiário pagador e de pagar ao fornecedor) 2. Através dos beneficiários (principio de beneficiário pagador) 3. Através dos fornecedores (principio de pagar ao fornecedor) DEFRA, 2010; Madureira et al, 2013

9 Como Podem ser Valorados? 1. Através de pagamentos por serviços de ecossistemas (integra os princípios de beneficiário pagador e de pagar ao fornecedor) Os fornecedores de serviços de ecossistemas são os produtores, que recebem um pagamento com vista a realizarem ações que aumentem a quantidade e a qualidade dos serviços dos ecossistemas. Principais sistemas de pagamento: Esquemas de pagamentos públicos: o Estado paga aos proprietários ou aos gestores da terra e de outros recursos naturais, para que assegurem a provisão dos serviços de ecossistemas Sistemas de pagamento privados: empresas ou outras organizações contratam a oferta de serviços de ecossistemas diretamente aos seus fornecedores Esquemas de pagamento público-privados: juntam o Estado e fundos privados para pagarem pela provisão dos serviços dos ecossistemas aos seus fornecedores.

10 Como Podem ser Valorados? 2. Através dos beneficiários (principio de beneficiário pagador) Mercantilização de serviços dos ecossistemas Alguns exemplos: comércio de produtos silvestres, reservas turísticas de caça, cobrança de taxas ecológicas, cobrança de entradas em áreas protegidas Certificação ecológica de produtos Alguns exemplos: certificação de denominação de origem protegida de produtos agrícolas, certificação de modo de produção biológico, certificação de sistema de gestão florestal sustentável Captação da disposição a pagar pelos beneficiários dos serviços Pagamentos voluntários obtidos por exemplo por intermédio de ONGs ou ONGAs

11 Como Podem ser Valorados? 3. Através dos fornecedores (principio de pagar ao fornecedor), por exemplo Compensações aos fornecedores de serviços de regulação e culturais Alguns exemplos: subsídios agro-ambientais, incentivos económicos a proprietários ou gestores da terra ou de áreas costeiras

12 Valoração Económica de Bens e Serviços Ambientais A valorização económica dos serviços dos ecossistemas pretende fornecer uma estimativa dos benefícios para a sociedade. Benefícios esses que seriam perdidos se os ecossistemas forem destruídos ou adquiridos se forem restaurados. Não é objetivo da valoração económica dos serviços dos ecossistemas a sua privatização!

13 Valoração Económica de Bens e Serviços Ambientais Métodos normalmente utilizados Métodos de preferência declarada: valoração contingente e experiencias de escolhas Métodos de preferência revelada: custo da viagem, utilidade aleatória, preço, comportamento defensivo Estes métodos utilizam inquéritos, focus group e workshops Os dados são depois tratados estatisticamente Sempre que possível fazem-se análises econométricas A escolha do método de valoração depende do serviço que será valorado, do objetivo da valoração e do contexto socioeconómico e ambiental.

14 Os Nossos Serviços às Autarquias e Empresas

15 SERVIÇOS que Disponibilizamos Identificação dos Activos e Passivos Ambientais e Sociais (Due diligence ambiental e social) Identificação dos Serviços dos Ecossistemas (serviços ambientais, sociais e económicos) Empresa, Autarquia Projecto, Região Valoração Económica dos Serviços dos Ecossistemas Identificação de novos produtos/serviços que se podem criar na região pela autarquia ou por empresas (utilizando o método do Business Design Thinking) Identificação de políticas regionais: Incentivo à criação de empresas necessárias à manutenção da existência dos serviços Política fiscal que remunere os produtores dos serviços/bens ambientais Apoio na negociação com seguradoras relativamente à subscrição do seguro obrigatório de responsabilidade ambiental Apoio no desenvolvimento da contabilidade ambiental da organização e da empresa

16 Equipa

17 SystemicSphere Trends and Scenarios for the New Economy, Lda. A SystemicSphere é uma empresa que consegue fazer a ponte, quer na linguagem quer nos métodos, entre o mundo económico e financeiro, e o mundo ambiental. Atendendo à importância crescente que os aspectos ambientais têm para as empresas e para o país em geral, as nossas competências permitem-nos desenvolver estratégias equilibradas, e incorporar os aspectos ambientais e sociais nas decisões financeiras. Acreditamos que só assim se conseguirá desenvolver uma sociedade mais equilibrada e justa. Por isso a nossa ambicionamos ser reconhecidos pelo papel ativo que tivemos na construção de uma sociedade onde a medida da riqueza inclui os aspectos ambientais, sociais e éticos. Nossos Valores São: a honestidade, a inclusão, a felicidade e criatividade disciplinada Nosso compromisso é ajudar as organizações a incluir o futuro nas decisões do presente. Av. António Augusto de Aguiar, 163, 5º Dt, Sala Lisboa. Portugal Telefone:

18 TTerra Engenharia e Ambiente, Lda. A TTerra é uma empresa que presta serviços na área da engenharia e do ambiente. Na TTerra acreditamos, profundamente, que o ambiente - os ecossistemas, a biodiversidade e os recursos naturais - é uma mais-valia. Os nossos serviços e produtos, há 25 anos, refletem sempre, inequivocamente, este valor. A ligação entre a inteligência humana e os limites da terra refletem-se, desde sempre, na nossa atitude. O nosso logótipo é a imagem desta ligação. TT de Toda a Terra, T de Terra, a inteligência, os recursos e os limites da Terra em sintonia com os recursos e os limites da mente. O nosso compromisso é um serviço inteligente e responsável. Rua Gil Vicente 193, 1º C Parede Telefone: Fax: skype: tterra_parede

19 Contactos

20 SystemicSphere Sofia Santos, PhD Av. António Augusto de Aguiar, 163, 5º Dt, Sala Lisboa. Portugal Telefone: TTerra Carlos Cupeto, PhD Rua Gil Vicente 193, 1º C Parede Telefone: Fax:

21 SystemicSphere Sofia Santos, PhD WORKING EXPERIENCE 2013 Presente Co-Funder of SystemicSphere Present INDEG/ISCTE. Assistant visiting professor in Sustainability, lecturing for the MScBA, Energy MBA and Executive MBA programmes Present Director of the Sustainability Knowledge Lab at INDEG-ISCTE Executive School. Counsellor for a number of students preparing masters theses in sustainability Sustainability Advisor at GCI Public Engagement Consultancy Company, Portugal INTELI. Main Project Manager, in the area of Business Intelligence and Business Design Thinking Sustentare Lda. Co-founder of Sustentare, a micro company specialising in sustainability consulting CELPA Paper and Pulp Industry Association. Responsible for the statistics department, carrying out economic analyses and developing the first approaches to business sustainability in the sector INE Portuguese National Statistics Institute. Senior Technician in Statistics, responsible for developing a new calculation method to meet the requirements of Eurostat Several working positions in Portugal: NGOs, Reuters and Bloomberg (UK) Merrill Lynch, London. Research Assistant in the Global Strategy Team at the Research Department. ACADEMIC BACKGROUND PhD in Management, Middlesex University, London, 2012 MSc in Economics, University of London, London, 1999 Undergraduate four-year degree in Economics, ISEG, Lisboa, 1997

22 TTerra Carlos Cupeto, PhD WORKING EXPERIENCE 1987 Present Professor, lecture and researcher in Évora University 1991 Present Founding partner and director of TTerra - Environmental Engineering Lda. Senior expert Presente Environmental journalist and chronics writer at several Portuguese and Spanish publications ( Diário do Sul, Semanário Económico, PME negócios, A Pedra, Ambiente Magazine, Indústria e Ambiente, El Ecologista and Grandes Espacios ) Director of Hydric Resources Department in Administration of Hydrografic Region of Tejo Director in the Portuguese environmental technical review Água e Ambiente Department chief in Water Resources Division at the Portuguese Water Institute (Environmental Ministry), Founding partner and director in two directions at Apemeta (Portuguese association of environmental technologies enterprises) Specialist Environmental Consulting at CEVALOR - Technological center of ornamental stones Environmental Director at ASSIMAGRA (Marble and Granite Industrial Association) where developed the definition of the Portuguese environmental politics for the natural stone ACADEMIC BACKGROUND PhD in Environmental Geology for Évora University Master in Economic and Applied Geology with thesis developed in the theme of Hydrogeology and Environment for Science Faculty (University of Lisbon) Degree in Economic Applied Geology for Science Faculty (University of Lisbon)

23 Anexos

24 Fontes Costanza R., de Groot R., Sutton P., van der Ploeg S., Anderson S. J., Kubiszewski I., Farber S., Turner R. K. Changes in the global value of ecosystem services. Elsevier, 2014 De Groot R., Brander L., van der Ploeg S., Costanza R., Bernard F., Braat L., Christie M., Crossman N., Ghermandi A., Hein L., Hussain S., Kumar P, McVittie A., Portela R., Rodriguez L. C., ten Brinkm P., van Beukering P. Global estimates of the value of ecosystems and their services in monetary units. Elsevier, 2012 DEFRA. Payments for Ecosystem Services: a short introduction Madureira, L., Magalhães, P., Silva, P.G., Marinho, C., Oliveira R. Economia dos Serviços de Ecossistema Um guia para conhecer e valorizar serviços de agroecossistemas em áreas protegidas de montanha. Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza Millennium Ecosystem Assessment. Global Assessment Reports. 2005

25 Alguns exemplos Valorização das melhorias nas instalações de recreio e lazer de uma floresta Local: Bedgebury National Pinetum and Forest, localizada em Kent, SE de Inglaterra Objetivo: valoração da melhoria da qualidade do lazer gerada pelas beneficiações nas instalações disponibilizadas aos utilizadores da floresta. População beneficiada: utilizadores da floresta Valorização dos benefícios das mudanças na gestão do uso do solo Local: Região de Bowland, no distrito de Peak, NW de Inglaterra Objetivo: valoração do serviços de ecossistemas: i. aprovisionamento de serviços alimentos e madeira; ii. serviços de regulação sequestro de carbono, qualidade e quantidade de água, proteção contra cheias; iii. serviços culturais recreio, desporto, valores de uso passivo e de opção. População beneficiada: agricultores locais, população residente, turistas, desportistas, população global. Valorização dos benefícios ambientais resultantes de um plano de gestão do risco de inundação Local: bacia hidrográfica do rio Derwent, no distrito de Peak, NW de Inglaterra Objetivo: valoração dos benefícios ambientais associados ao aumento da capacidade de armazenamento da bacia hidrográfica através da criação e restauração de zonas húmidas redução dos impactes das cheias, criação de habitats, melhoria dos valores de recreio e das instalações de recreio e lazer. População beneficiada: população residente na bacia em zonas com risco de inundação, população residente na região, turistas, desportistas, população global.

26 Alguns exemplos Valorização da melhoria na qualidade da água do rio Aire Local: rio Aire, em West Yorkshire, Inglaterra Objetivo: avaliar o impacte da melhoria do tratamento da água residual na qualidade da água do rio. População beneficiada: utilizadores do rio pescadores e utilizadores informais, população residente na envolvente ao rio (raio de 30 km). Valorização dos benefícios da designação de sítios marinhos de conservação Local: Haig Fras, afloramento rochoso, totalmente submerso, no Mar Céltico, SW de Inglaterra Objetivo: valoração do serviços de ecossistemas: i. aprovisionamento de serviços pesca; ii. serviços de regulação sequestro de carbono, proteção costeira; iii. serviços culturais investigação cientifica, arqueologia, mergulho pesca recreativa, valores de uso passivo. População beneficiada: população inglesa. Estimativa do value for money (1) das despesas do Parque Nacional do Distrito de Peak Local: Parque Nacional do Distrito de Peak Objetivo: avaliação dos benefícios dos serviços prestados aos visitantes do Parque Natural População beneficiada: visitantes. (1) Value for money significa aplicar o dinheiro onde se obtém resultados. Value for money implica eficiência (comparação de custos e benefícios), eficácia (grau em que os objetivos são alcançados) e economia (alcançar os objetivos a um custo mínimo).

27 All truth passes through three stages. First, it is ridiculed. Second, it is violently opposed. Third, it is accepted as being self-evident. Arthur Schopenhauer, 1818

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Seminário sobre Pagamento por Serviços Ambientais 21 de Agosto, 2009 Rio Branco, Acre FOREST TRENDS

Leia mais

A Mensuração dos Ativos Ambientais

A Mensuração dos Ativos Ambientais A Mensuração dos Ativos Ambientais Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br I CONGRESSO INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO MF,MPO,FGV, ISI e ESAF Brasília, 31 de agosto

Leia mais

Valoração Econômica de Bens Ambientais: um Suporte à Formulação de Políticas Públicas para o Turismo em Áreas Naturais

Valoração Econômica de Bens Ambientais: um Suporte à Formulação de Políticas Públicas para o Turismo em Áreas Naturais Valoração Econômica de Bens Ambientais: um Suporte à Formulação de Políticas Públicas para o Turismo em Áreas Naturais Economic valuation of environmental goods: a support for the formulation of public

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends Serviços Ambientais OFICINA DE FORMACAO Rio Branco, Acre 12 de Marco, 2013 Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Programa Comunidades - Forest Trends Promovendo participação e beneficios

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais COMUNICAÇÃO TÉCNICA 170786 Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais Caroline Almeida Souza Maria Lucia Solera Trabalho apresentado no Workshop

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais

Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais Ronaldo Seroa da Motta seroadamotta.ronaldo@gmail.com Curso de Aperfeiçoamento: Elaboração de diretrizes para atuação do Ministério Público na

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br Seminário Internacional sobre Reservas da Biosfera, Serviços Ambientais e Indicadores

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

Serviços dos ecossistemas aquáticos

Serviços dos ecossistemas aquáticos Recursos hídricos na Região Sudeste: segurança hídrica, riscos, impactos e soluções Serviços dos ecossistemas aquáticos Colaboradores Maione Wittig Franco Raquel Cordeiro Francisco AR Barbosa LIMNEA/ICB-UFMG

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

-Optimistic Plus- 2015

-Optimistic Plus- 2015 The way of change -The way of change - -Optimistic Plus- 2015 Agenda Missão ADN História O que somos Metodologia Board O que fazemos Serviços Referências Contatos 2 Corporate Group Corporate Business People

Leia mais

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil 1º Seminário Paulista de PSA- Novembro de 2009 - Clayton F. Lino A natureza

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

A integração da abordagem LID (ou SUDS ou WSUD) no planeamento urbano

A integração da abordagem LID (ou SUDS ou WSUD) no planeamento urbano A integração da abordagem LID (ou SUDS ou WSUD) no planeamento urbano Low Impact Development (LID), sustainable urban drainage systems (SUDS) ou water sensitive urban design (WSUD), embora com terminologias

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Vantagens e Oportunidades

Vantagens e Oportunidades PEFC Vantagens e Oportunidades PEFC Portugal Paula Salazar FLORESTAR SUSTENTABILIDADE DA FLORESTA Nº 2004/EQUAL/A2/EE/161 Vantagens e Oportunidades Razões para aderir à certificação PEFC Promovendo a Gestão

Leia mais

ROTEIRO PARA UM EMPREENDEDORISMO VERDE

ROTEIRO PARA UM EMPREENDEDORISMO VERDE CONFERÊNCIA INTERNACIONAL ROTEIRO PARA UM EMPREENDEDORISMO VERDE Lisboa, 20 de abril de 2016 Fundação Calouste Gulbenkian Auditório 3 14:00 Sessão de Abertura (Breve apresentação do projeto, das suas temáticas

Leia mais

O turismo como factor de desenvolvimento e sustentabilidade do Território

O turismo como factor de desenvolvimento e sustentabilidade do Território O turismo como factor de desenvolvimento e sustentabilidade do Território Sessão de debate Roteiro do Tejo Abrantes 2011-06-17 Paulo Pinho CITTA Centro de Investigação do Território, Transportes e Ambiente

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Smart Cities Benchmark Portugal 2015

Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Agenda Introdução & Objetivos Metodologia Cronograma 2 Um Novo Paradigma Tecnológico 40% 25% 3 3 Introdução & Objetivos Mais de 50% da população do mundo vive hoje

Leia mais

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO SIMBIENTE Engenharia e Gestão Ambiental Apresentação Institucional O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO Edição: Janeiro 2012 O Mundo é um sistema complexo. Sistemas naturais. Sistemas socioeconómicos. Desafio

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS E DO AMBIENTE

ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS E DO AMBIENTE 1 MESTRADO EM ECONOMIA E POLÍTICA DA ENERGIA E DO AMBIENTE 2006/2007 2º TRIMESTRE ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS E DO AMBIENTE ISABEL MENDES 3 ECONOMIA DO AMBIENTE 3.1 Valorização dos Bens Ambientais 3.1.1

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo www.pwc.pt Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo 16 Cláudia Coelho Diretora Sustainable Business Solutions da Turismo é um setor estratégico para a economia e sociedade nacional o que se reflete

Leia mais

THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA

THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA Josep-Francesc Valls, PhD Visiting professor, UMa Full professor Department of Marketing Management, ESADE Business School Funchal, 15 de

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE)

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) MAIO 2014 + Agenda Horário Atividade Facilitador 10:00 Boas Vindas e

Leia mais

Instrumentos Econômicos e Financeiros para GIRH. Métodos de valoração de água e instrumentos econômicos

Instrumentos Econômicos e Financeiros para GIRH. Métodos de valoração de água e instrumentos econômicos Instrumentos Econômicos e Financeiros para GIRH Métodos de valoração de água e instrumentos econômicos Meta e objetivo da sessão Identificar os principais métodos de valoração de água para dar suporte

Leia mais

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis Seminário Internacional sobre Politicas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa 20 de Junho de 2011 FLAD Lisboa Portugal A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política

Leia mais

PEFC O QUE PRECISA SABER SOBRE A CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC/13-01-01 PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL

PEFC O QUE PRECISA SABER SOBRE A CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC/13-01-01 PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC TUDO O QUE PRECISA SABER SOBRE A CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PEFC/13-01-01 PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DA CERTIFICAÇÃO FLORESTAL PORQUE É IMPORTANTE CUIDAR DA FLORESTA? As florestas desempenham um papel

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

O que é a Conservação Estratégica? Economia da conservação Economia da degradação Instrumentos de política ambiental Pagamento por Serviços Ambientais

O que é a Conservação Estratégica? Economia da conservação Economia da degradação Instrumentos de política ambiental Pagamento por Serviços Ambientais O que é a Conservação Estratégica? Economia da conservação Economia da degradação Instrumentos de política ambiental Pagamento por Serviços Ambientais Serviços ambientais Caso demonstrativo Conceito básico

Leia mais

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve um sistema baseado na participação pública

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve um sistema baseado na participação pública Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve um sistema baseado na participação pública Vaz, P. (1) ; Coelho, P. (2) ; Mascarenhas, A. (1) ; Beja, I (1) ; Subtil, E. (2) ; Dores. A (1) ; Calixto.

Leia mais

CV RESUMIDO DE LUÍS VALADARES TAVARES

CV RESUMIDO DE LUÍS VALADARES TAVARES CV RESUMIDO DE LUÍS VALADARES TAVARES Professor Catedrático do IST de Investigação Operacional e Engenharia de Sistemas Área Científica: Sistemas e Gestão I Dados Pessoais Nasceu em Lisboa, a 28/03/1946

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural 2014 2020 Seminário A PAC rumo a 2020: fazer face aos desafios da sustentabilidade João Marques DSPP 19 de Abril de 2013 1 1 Programação do Desenvolvimento Rural 2014-2020

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL

O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL Joésio Deoclécio Pierin Siqueira Eng. Florestal, Dr. em Economia e Política Florestal Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Capítulo 28 Economia Ecológica. Se não está planejada a manutenção, não construa. Urbonas, 1993

Capítulo 28 Economia Ecológica. Se não está planejada a manutenção, não construa. Urbonas, 1993 Capítulo 28 Economia Ecológica Se não está planejada a manutenção, não construa. Urbonas, 1993 Pantanal matogrossense 28-1 Capítulo 28- Economia Ecológica 28.1 Introdução Existem dois tipos de economia:

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

BFuture Soluções de Sustentabilidade

BFuture Soluções de Sustentabilidade BFuture Soluções de Sustentabilidade Porque existe um plano B! Hoje em dia é quase consensual que o estilo de vida que se segue nas sociedades ditas desenvolvidas, não é sustentável. Todos começam a ter

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

(Translation from the Portuguese original)

(Translation from the Portuguese original) (Translation from the Portuguese original) Appendix to the Proposal to Item 1 of the agenda of the Shareholders Annual General Meeting, to be held on April, 4 th, 2014 P 1 de 6 António Agostinho Cardoso

Leia mais

Portugal Outoftrack. out of the touristic tracks

Portugal Outoftrack. out of the touristic tracks Portugal Outoftrack Thelive guide that gets travelers out of the touristic tracks Lessons Learned nº 7 equipa #31 Portugal Outoftrack The live guide that gets travelers out of the touristic tracks feelingportugal@gmail.com

Leia mais

A PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Visita da Delegação da Comissão de Recursos Hídricos do Rio das Pérolas 17 de Maio 2011

A PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Visita da Delegação da Comissão de Recursos Hídricos do Rio das Pérolas 17 de Maio 2011 O que quer que possuamos, duplica o seu valor quando temos a oportunidade de o partilhar com outros. JEAN-NICOLAS BOUILLY (1763-1842) A PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Visita da Delegação da Comissão de

Leia mais

Call centres, regiões e ensino superior

Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Frank Peck Center for Regional Economic Development University of Central Lancashire (UK) A UCLAN (Universidade de Central

Leia mais

ERASMUS+ PROGRAM 2015/16 Degree Year Sem. Code Subject Subject (English) ECTS Notes

ERASMUS+ PROGRAM 2015/16 Degree Year Sem. Code Subject Subject (English) ECTS Notes ERASMUS+ PROGRAM 2015/16 Degree Year Sem. Code Subject Subject (English) ECTS Notes Busin. Manag. 1º 1 LGE1104 Contabilidade Empresarial I Business Accounting I 6 Not available in English Busin. Manag.

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE SECRETARIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA AGOSTO DE 2001 ESTRATÉGIA

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Contexto. Smart Cities Benchmark Portugal 2015 13-03-2015 80% Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960).

Contexto. Smart Cities Benchmark Portugal 2015 13-03-2015 80% Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960). Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Contexto Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960). 1 Mais de 80% da populção da Europa Ocidental irá viver em zonas em 2020. 2 80%

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa?

PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa? PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa? QUAL O MONTANTE DE APOIOS COMUNITÁRIOS ATRIBUÍDOS A PORTUGAL? 25 Mil Milhões de Euros. Outros Programas* Este é o montante que Portugal vai receber em fundos

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais

Pagamentos por Serviços Ambientais Pagamentos por Serviços Ambientais Encontro Água e Floresta: Vivenciar para Agir Jaboticabal/SP Julho de 2008 Serviços Ecossistêmicos: Benefícios providos pelos ecossistemas Provisão comida água madeira

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020

Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020 Dezembro 2011 PT Estratégia de Biodiversidade da UE para 2020 A biodiversidade Na Europa, perto de um quarto das espécies selvagens está agora ameaçado de extinção A biodiversidade a extraordinária variedade

Leia mais

JOSE GABRIEL REGO. Resumo. Especializações. Experiência. Assistant Card Manager at Grupo Banco Popular jgrego@netcabo.pt

JOSE GABRIEL REGO. Resumo. Especializações. Experiência. Assistant Card Manager at Grupo Banco Popular jgrego@netcabo.pt JOSE GABRIEL REGO jgrego@netcabo.pt Resumo My main objective is to develop my career in order to deepen the experience I accumulated over the years based in the development of practical and theoretical

Leia mais

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros AHETA - Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros Abril de 2013 Alojamento local AHETA Oportunidades de poupança fiscal Reafectação

Leia mais

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS VALORAÇÃO DA BIODIVERSIDADE E PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Deputado Arnaldo Jardim Brasília Março de 2013 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA Política Nacional

Leia mais

Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3

Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3 Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3 Agenda 1- Objectivos das TEN-Telecom 2- Domínios de interesse público 3- Fases do projecto e financiamento 4- Condições de participação

Leia mais

Mecanismos Econômicos

Mecanismos Econômicos Mecanismos Econômicos Prof a Ana Karina Merlin do Imperio Favaro MSc, Gestora Ambiental e Engenheira Agrônoma Objetivos Aprender os conceitos de economia ecológica Entender a Valoração Ambiental Observar

Leia mais

1 ª sessão [10.30/13.00] Uma agenda de investigação para a cultura estatísticas e indicadores

1 ª sessão [10.30/13.00] Uma agenda de investigação para a cultura estatísticas e indicadores Seminário: O Sector Cultural e Criativo A Agenda de Lisboa Programa provisório Presidência Portuguesa UE, 2007 Lisboa, 31 Out. / 1 Nov. Organização: Ministério da Cultura GPEARI Observatório das Actividades

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012 PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012 CONCEITO PSA: transação voluntária, na qual um serviço ambiental bem definido é comprado por um comprador de um provedor, sob a condição

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO DINSTITUTO SUPERIOR CURSOS PARA EXECUTIVOS E GESTÃO BANCÁRIA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO Início: 29 de Setembro de 2005 INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO

Leia mais

sustentabilidade da construção Isabel Santos e Carla Silva

sustentabilidade da construção Isabel Santos e Carla Silva O papel do Ambiente Urbano na sustentabilidade da construção Isabel Santos e Carla Silva SUMÁRIO O PAPEL DO AMBIENTE URBANO NA SUSTENTABILIDADE DA CONSTRUÇÃO APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE AMBIENTE URBANO

Leia mais

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades Bragança, 16 de Outubro 2014 1 A Inovação em Portugal - Alguns dados recentes Em relação à média da União

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Haroldo Palo. Hilton Franco. Mirella Domenich. A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Artur Paiva Engenheiro Florestal MSc. Coordenador

Leia mais