MAPEAMENTO DE CAPITAIS DO CONHECIMENTO DA ECOENERGY UM LUGAR AO SOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO DE CAPITAIS DO CONHECIMENTO DA ECOENERGY UM LUGAR AO SOL"

Transcrição

1 MAPEAMENTO DE CAPITAIS DO CONHECIMENTO DA ECOENERGY UM LUGAR AO SOL Elisa Travalloni, Flávia Perantoni Marcelo de Sousa, Raphael Brandão, Renata Jiacomine PROJETO FINAL SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE ESPECIALISTA EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL Aprovado por: Prof. Marcos do Couto Bezerra Cavalcanti, D. Sc. Prof. Paulo Josef Hirsch, D. Sc. José Carlos Jansen, D.Sc. RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL JUNHO DE 2009

2 Brandão, Raphael; Brandão, Renata Jiacomine; Perantoni, Flávia; Sousa, Marcelo; Travalloni, Elisa Mapeamento dos Capitais do Conhecimento da EcoEnergy / Raphael Brandão, Renata Jiacomine Brandão, Flávia Perantoni, Marcelo Sousa, Elisa Travalloni. Rio de Janeiro, UFRJ/COPPE, XI, 97 p.: il.; 29,7 cm Orientador: Paulo Josef Hirsch Especialização (Projeto Final) UFRJ/COPPE/Programa de Engenharia de Produção, Referências Bibliográficas: p Capitais do conhecimento. 2. Energias renováveis. 3. Inteligência competitiva. I. Hirsch, Paulo Josef. II. Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, Programa de Engenharia de Produção. III. Titulo. II

3 AGRADECIMENTOS A nossos mestres, colegas de turma e coordenadores do curso que nos acompanharam em mais esta etapa de nossas vidas, brindando-nos com conhecimentos, troca de experiências e apoio, que culminaram neste projeto. III

4 Para Marcelo Nóbrega. In Memorian. Elisa Agradeço à minha família e ao meu namorado pelo apoio ao longo de toda esta etapa. Flávia Dedico este trabalho à minha família e esta equipe pelos momentos e experiências vividos juntos, e pela nova amizade. Agradeço aos membros da equipe de projeto de Energia Solar da COPPEAD/2007 que nos cedeu seu trabalho e conhecimento. Marcelo Agradeço à minha mulher e aos amigos do grupo. Raphael Agradeço ao meu marido pela parceria em mais uma importante etapa de nossas vidas e aos amigos deste grupo de trabalho que aqui fizemos. Renata IV

5 A emissão de carbono ocorrida durante a execução deste projeto foi anulada com o plantio de 15 mudas de árvores na Fazenda São Bento, Distrito de Santa Rita do Jacutinga MG. O cálculo do número de árvores necessárias foi efetuado no site O que eu tenho não me pertence, embora faça parte de mim. Tudo o que sou me foi um dia emprestado pelo Criador, para que eu possa dividir com aqueles que entram na minha vida. Chico Xavier V

6 Resumo do Projeto Final apresentado à COPPE/UFRJ como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Especialista em Gestão do Conhecimento e Inteligência Empresarial. Mapeamento de Capitais do Conhecimento da EcoEnergy Elisa Travalloni, Flávia Perantoni Marcelo de Sousa, Raphael Brandão e Renata Jiacomine Junho/2009 Orientador: Paulo Josef Hirsch Programa: Gestão do Conhecimento e Inteligência Empresarial Este trabalho apresenta a identificação dos quatro capitais do conhecimento, aplicados ao processo de criação de uma empresa que atuará no mercado de energias renováveis. O seu desenvolvimento é uma fase subsequente ao projeto técnico Uso de Sistemas Fotovoltaicos Interligados à Rede Elétrica, desenvolvido no curso MBA COPPEAD de Gestão e Economia em Energia no ano de O mapeamento dos capitais do conhecimento permitirá o alinhamento dos processos necessários à elaboração e execução do planejamento estratégico da organização, com o acompanhamento de resultados, alcance de metas e objetivos, a ser efetuado futuramente, com a confecção do plano de negócios e criação da nova empresa. PALAVRAS-CHAVE: Capitais do Conhecimento, Energia Solar, Inteligência Competitiva, Energias Renováveis. VI

7 Abstract on final project presented to CRIE/COPPE/UFRJ as part of the requirements for the degree of specialist in Knowledge Management and Business Intelligence. Knowledge Assets Mapping of EcoEnergy Elisa Travalloni, Flávia Perantoni Marcelo de Sousa, Raphael Brandão e Renata Jiacomine June/2009 Advisor: Paulo Josef Hirsch Program: Knowledge Management and Business Intelligence This work presents the identification of the four knowledge assets, and its application to build a new company, that deal in renewable energy market. Its development is a subsequent phase of the project Uso de Sistemas Fotovoltaicos Interligados à Rede Elétrica, based on technical issues, presented in the MBA COPPEAD course Gestão e Economia em Energia, The knowledge assets mapping will allow acknowledgement of strategic needs and knowledge alignment to processes definition to reach goals and targets. This alignment phase will be made after, during the business plan and new company creation making process. KEY WORDS: Knowledge Assets, Solar Energy, Competitive Intelligence, Renewable Energy VII

8 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO Contexto Objetivo da EcoEnergy Objetivo do projeto Metodologia de desenvolvimento do projeto GESTÃO DO CONHECIMENTO E SEUS CAPITAIS Gestão do Conhecimento Modelo de Capitais do Conhecimento Capital Ambiental Capital de Relacionamento Capital Estrutural Capital Humano A EMPRESA ECOENERGY O mercado de atuação Objetivos estratégicos Ambiente de negócios Produtos e Serviços Capitais do Conhecimento da EcoEnergy VIII

9 3.5.1 Análise do Ambiente de Negócios Capital Ambiental Ambiente Geopolítico e Econômico Legislação e Regulação Inovação Tecnológica e Tecnologias Substitutas Responsabilidade Socioambiental Capital de Relacionamento Parceiros Órgãos Reguladores Fornecedores Clientes Capital Estrutural Responsabilidade Socioambiental da EcoEnergy Mapeamento de Processos da EcoEnergy Relação entre Cap. do Conhecimento e Processos-Chave Capital Humano CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Classificação de processos da EcoEnergy IX

10 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Sequência de criação da EcoEnergy... 5 Figura 2 Os Capitais do Conhecimento Figura 3 Estrutura institucional do setor elétrico brasileiro [] Figura 4 Variáveis para monitoramento do capital ambiental Figura 5 Modelo das 5 forças competitivas de Porter Figura 6 Participação na emissão de gases do efeito estufa (%) Figura 7 Participação na emissão de gases do efeito estufa (Volume ton) 42 Figura 8 Framework de classificação de processos (PCF) Figura 9 Referência para análise dos processos-chave da EcoEnergy Figura 10 Fluxo de Processo da EcoEnergy Figura 11 Processos-chave EcoEnergy Figura 12 Relação entre os Cap. do Conhecimento e os processos-chave X

11 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 Medidas Regulatórias Tabela 2 Matriz Energética Mundial Tabela 3 - Processos da APQC Tabela 4 - Processo de Marketing e Venda de Produtos e Serviços XI

12 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contexto Nos últimos anos, observamos que os meios de comunicação têm noticiado temas relacionados a problemas climáticos, geopolíticos, crescimento populacional (principalmente em regiões de menor desenvolvimento), e crescimento econômico em ritmo constante e acelerado, intercalados com crises econômicas pontuais, e seus efeitos. Apesar do momento de crise econômica ter arrefecido o consumo de energia, como conseqüência da redução da produção industrial, a tendência do cenário econômico de médio e longo prazo aponta para o aumento na demanda por energia, monitorado e noticiado por órgãos como a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês). Um dos contextos divulgados é a tentativa de atender a esta demanda sem aumentar a dependência de combustíveis fósseis, devido às mudanças climáticas, entre outros aspectos. Em algumas localidades, os governos têm buscado até mesmo reduzir o consumo atual destes combustíveis, como é o caso da Alemanha [1]. Segundo levantamento da IEA, governos de diversos países como a Alemanha, França, Holanda e, recentemente Estados Unidos, têm destinado uma série de investimentos para desenvolvimento e produção em larga escala de fontes alternativas e renováveis de energia. 1 O Governo da Alemanha criou a GTZ Agência de Cooperação Técnica Alemã, uma empresa pública de direito privado, para auxiliar o governo federal, dentre outras coisas, a implantar suas metas na política de cooperação para o desenvolvimento sustentável (NIETERS, 2009)

13 2 Em 26 de janeiro de 2009, a ONU fundou a Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA, na sigla em inglês), com a assinatura de seu estatuto por 75 países, com o objetivo de fomentar o uso deste tipo de energia. Alguns países desenvolvidos e outros em desenvolvimento, como o Brasil, decidiram não aderir à nova agência. (World Press, 2009). No Brasil, centros de pesquisa e universidades como CEPEL, Unicamp, COPPE, UFRGS e UFSC, têm desenvolvido estudos, tais como o levantamento de áreas potenciais de aplicação de energias limpas e sua abordagem em um planejamento estratégico energético. Algumas áreas já identificadas pelo Ministério de Minas e Energia (MME) apontam para investimentos em etanol, energia eólica, biomassa e energia solar, devido ao alto potencial para aplicação deste uso de energia no país, conforme identificados pelos referidos centros de pesquisa. O nascimento e o crescimento destes mercados potenciais têm efetivamente sido influenciados pela aprovação de legislações municipais, estaduais e federais. O Governo Federal, através da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), tem editado resoluções, como a 112/1999 [2] e 83/2004 [3], que visam flexibilizar a implantação de projetos de energia alternativa e sua comercialização através de incentivos fiscais, compromisso de compra da energia, entre outros fatores. No âmbito estadual, estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná também têm buscado estabelecer um ambiente regulatório que facilite a implantação de projetos desta natureza. No mesmo intuito, municípios como Belo Horizonte e Curitiba têm 2 Resolução ANEEL 112/1999 estabelece os requisitos necessários à obtenção de registro ou autorização para a implantação, ampliação ou repotenciação de centrais geradoras termelétricas, eólicas e de outras fontes alternativas de energia 3 Resolução ANEEL 83/2004 estabelece os procedimentos e as condições de fornecimento por intermédio de Sistemas Individuais de Geração de Energia Elétrica com Fontes Intermitentes SIGFI

14 3 buscado atuar para o aumento da participação de fontes alternativas de energia em sua matriz de consumo energético. A consequência é um aumento do número de estudos e projetos sobre o uso destas novas formas de geração de energia. Em um desses estudos, um grupo de projeto do curso MBA de Gestão e Economia em Energia, do Instituto de Economia da COPPEAD, iniciou a análise técnica para criação de um negócio no segmento de energia solar no país. Os alunos DAHL, OLIVEIRA & RIBEIRO (2007) desenvolveram o projeto USO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA, que visou estabelecer parâmetros de viabilidade técnica de geração elétrica através de energia solar, tecnologias existentes, e outros aspectos técnicos. Como o mercado de energia solar é composto de duas tecnologias energia elétrica e térmica e o trabalho da COPPEAD foi baseado somente na produção de energia elétrica, neste trabalho também analisaremos as características do mercado de energia termossolar. A análise técnica realizada em 2007, juntamente com a necessidade de análise do mercado termossolar, culminou em um processo de criação de empresa de forma diferenciada do mercado de energia renovável atual, a EcoEnergy [4]. Durante a execução do projeto, participamos de cursos e congressos da área, onde percebemos que o mercado atual é pouco especializado, com um grande número de empresas com baixa profissionalização de seus gestores e agentes. 4 EcoEnergy é um nome fictício para a empresa proposta neste trabalho. Qualquer semelhança com nomes já existentes no mercado nacional ou internacional é mera coincidência.

15 4 A visão do grupo é que uma empresa diferenciada deve, desde o início, alinhar e aplicar seus conhecimentos às necessidades estratégicas e aos processos que permitirão o alcance de suas metas e objetivos. Com o objetivo de identificar estas necessidades e processos, os Capitais do Conhecimento da organização devem ser mapeados, e sua diferenciação também deve ser analisada sob a perspectiva do modelo de Gestão Estratégica do negócio. Segundo o modelo de Capitais do Conhecimento do CRIE [5], há quatro Capitais do Conhecimento em uma organização: Capital Ambiental, Capital de Relacionamento, Capital Estrutural e Capital Humano. Faz parte, também, da base deste mapeamento de modelos, um estudo de inteligência competitiva. Este estudo tem o objetivo de identificar os processos de trabalho e conhecimentos que possam ser aplicados na EcoEnergy para gerar um diferencial competitivo. Da mesma forma, é importante mapear os potenciais parceiros estratégicos e investidores, que podem se tornar um dos fatores críticos de sucesso em um novo ambiente de negócios globalizado. O mapeamento dos Capitais do Conhecimento fornecerá informações fundamentais para uma terceira fase, que é o desenvolvimento do Plano de Negócios da nova empresa e sua futura definição de criação, como indicado na Figura 1 abaixo. 5 Capitais do Conhecimento é marca registrada pelo CRIE Centro de Referência em Inteligência Empresarial da COPPE/UFRJ

16 5 Figura 1 Sequência de criação da EcoEnergy Fonte: Grupo 1.2 Objetivo da EcoEnergy O objetivo da EcoEnergy é atuar no mercado de energia solar, iniciando pelo mercado de energia termossolar. As empresas competidoras no mercado de energia termossolar têm deixado lacunas de atuação em alguns segmentos de negócios que demandam alta temperatura de água ou mesmo vapor. Para atingir o objetivo de preencher estas lacunas de mercado, a EcoEnergy, nos dois primeiros anos, atuará no desenvolvimento de projetos e instalação de sistemas de médio porte que demandam média temperatura de água quente (até 100ºC). Nesta primeira fase a empresa terá condições de se capitalizar e estruturar para atuar em projetos de maior porte.

17 6 Com mais capital, estrutura e know-how, a empresa terá condições de participar de projetos maiores como instalação de plantas de cogeração de energia que utilizem o aproveitamento termossolar a alta temperatura (acima de 100ºC), assim como atender necessidades de grandes volumes de energia térmica (água quente ou vapor) para processos industriais e instalação de pequenas e médias plantas termelétricas solares. Desta forma a EcoEnergy dará opções de fontes de energia a segmentos de mercado que hoje dependem basicamente de derivados de petróleo, assim como oferece alternativas de eficiência energética a estes clientes. 1.3 Objetivo do projeto Este trabalho tem como objetivo identificar os quatro capitais do conhecimento, de acordo com o modelo do CRIE, aplicados ao processo de criação de uma nova empresa que atuará no mercado de energias renováveis. Na etapa posterior a este projeto, o mapeamento dos capitais do conhecimento será alinhado aos processos necessários para a elaboração e execução do planejamento estratégico da organização, que permitirá, entre outros fatores, o acompanhamento dos resultados e a medição de alcance de metas e objetivos. 1.4 Metodologia de desenvolvimento do projeto As fundamentações e referenciais teóricos foram descritos a partir de pesquisas bibliográficas, acesso a sites específicos deste mercado e informações coletadas em cursos técnicos e congressos da área de energia solar e energias renováveis, permitindo

18 7 o embasamento conceitual necessário para o entendimento, desdobramento e construção do trabalho aqui apresentado. De forma a atender o objetivo proposto neste projeto, a metodologia empregada consistiu em três fases, descritas a seguir: Análise do contexto Nesta fase, foram realizadas pesquisas sobre os produtos (coletores solares) disponíveis no mercado brasileiro e no exterior, assim como sobre as empresas e organizações atuantes neste segmento. Dessa forma, foi possível definir o tipo de produto a ser comercializado e, futuramente, desenvolvido pela EcoEnergy. Foi feita uma análise sobre o cenário social, econômico e político mundial atual, com ênfase nas questões ambientais. Também foi feito um mapeamento de organizações e centros de pesquisas comprometidos com a evolução deste segmento do mercado e um levantamento das leis brasileiras voltadas para a preservação do meio ambiente e para a consolidação de um modelo de desenvolvimento sustentável. Análise dos Capitais do Conhecimento Esta etapa refere-se à revisão bibliográfica sobre o modelo de gestão empresarial criado pelo Centro de Referência e Inteligência Empresarial (CRIE/COPPE/UFRJ). O modelo prevê o gerenciamento dos quatro Capitais do Conhecimento _ Estrutural, Humano, Ambiental e Relacionamento _ para a gestão do conhecimento nas empresas. Análise dos Capitais aplicados à EcoEnergy Após mapeamento do ambiente de negócios em que a EcoEnergy atuará, foi feita uma análise da aplicação dos capitais do conhecimentos da empresa e a importância estratégica que representam. Foi possível identificar os processos chave da organização e sua relação com cada capital.

19 8 2 GESTÃO DO CONHECIMENTO E SEUS CAPITAIS 2.1 Gestão do Conhecimento Nas duas últimas décadas, o mundo presenciou profundas transformações socioeconômicas que acompanharam um acelerado desenvolvimento científico e tecnológico. As Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), que ajudaram a impulsionar a globalização da economia, desempenharam papel fundamental nesse cenário, pois permitiram o barateamento da produção e da distribuição de informação entre nações, corporações e indivíduos. E o conhecimento gerado pelo compartilhamento de ideias tornou-se um dos principais meios de produção do capitalismo atual. (CAVALCANTI, GOMES, & PEREIRA, 2001). Nessa nova organização, conhecida como Sociedade do Conhecimento, o capital intelectual passou a ser a principal matéria-prima na geração de riqueza. O saber tornouse um fator econômico essencial aprendemos a gerenciá-lo para fomentar o desenvolvimento e melhorar o bem-estar social, garantindo vantagem competitiva às organizações comerciais. O valor passa a ser criado pela produtividade e pela capacidade de inovar, aplicando o conhecimento ao trabalho e criando os trabalhadores do conhecimento. Os grandes ganhos de produtividade, daqui para frente, advirão das melhorias na gestão do conhecimento (DRUCKER, 1999). Em uma economia baseada na informação e no saber, empresas passaram a criar constantemente novos conhecimentos, agregando valor a suas mercadorias. A geração de riqueza no século 21 está intimamente ligada ao conceito de inovação e empreendedorismo, no que diz respeito aos produtos e serviços oferecidos pelo mercado. As empresas têm o desafio de gerenciar o excesso de informação e conhecimento, assim como mapear seus processos internos para orientar novos investimentos e consolidar uma economia de alto valor agregado, além de fomentar a educação e a aprendizagem continuada para se manterem competitivas. O

20 9 conhecimento agora está a serviço da geração de riqueza ou de valor, é o novo motor da economia (CAVALCANTI, GOMES, & PEREIRA, 2001). Segundo TEIXEIRA (2000), a gestão do conhecimento é uma certa forma de olhar a organização em busca de pontos dos processos de negócio onde o conhecimento possa ser usado como vantagem competitiva. No novo ambiente de negócios, gestão do conhecimento passa pelo mapeamento de características e demandas do ambiente competitivo e entendimento de necessidades individuais e coletivas associadas aos processos de criação e aprendizado. Em outra definição, gestão do conhecimento refere-se à adoção intencional da gestão de conjunto de esforços, tecnologias e habilidades dedicadas a estimular, identificar, compreender, criar, organizar, difundir e reutilizar o conhecimento em uma organização, fruto da criação de um ambiente de aprendizagem, cultura organizacional favorável, ambiente de trabalho colaborativo e gestão positiva que propiciam e estimulam a produção contínua de conhecimentos para a geração de valor aos stakeholders e suportando processos críticos de negócios. (FIGUEIREDO, 2005). Neste trabalho, estamos considerando a gestão do conhecimento como um processo corporativo, focado na estratégia da empresa e que envolve a aprendizagem organizacional e a inteligência empresarial [6]. Consideramos essa gestão como um processo sistemático de identificação, criação e aplicação dos conhecimentos estratégicos na organização. Com o mapeamento das necessidades e conhecimento necessário para o funcionamento do negócio, podemos traçar a estratégia da empresa e avaliar algumas questões: Competências individuais necessárias para a operação da empresa 6 Entende-se como Inteligência empresarial a sinergia entre conhecimento, inovação e empreendedorismo. (CAVALCANTI, GOMES, & PEREIRA, 2001)

21 10 Nível de inserção no contexto político, socioeconômico e técnico-científico Processos que garantam competitividade à empresa Investimentos em ciência e tecnologia que garantam o funcionamento dos processos e aumentem a competitividade da empresa Ampliação do fluxo de conhecimentos e ideias provenientes de clientes, parceiros, fornecedores e da comunidade em geral 2.2 Modelo de Capitais do Conhecimento O modelo de gestão adotado neste trabalho tem seu foco nos Capitais do Conhecimento empiricamente fundamentado em experiências desenvolvidas em projetos de Gestão do Conhecimento pelo CRIE. (STEWART, 1997) (SVEIBY, 1998) (EDVINSSON & MALONE, 1998) Criado pelo CRIE, o modelo em questão apresenta quatro capitais que devem ser monitorados e gerenciados para uma gestão do conhecimento efetiva de uma organização: o Capital Ambiental, o Capital Estrutural, o Capital Intelectual e o Capital de Relacionamento, conforme Figura 2 Figura 2 Os Capitais do Conhecimento Fonte: CRIE / COPPE / UFRJ

22 11 Em geral, nenhum capital é mais importante que outro, mas ao longo do estudo, e de acordo com o objetivo deste trabalho, pode-se identificar a necessidade de algum capital ser mais desenvolvido. No capítulo 3.5 (pág. 29) será feita uma análise da aplicação dos capitais do conhecimento da EcoEnergy e a importância estratégica que representam. 2.3 Capital Ambiental O capital ambiental pode ser definido pelos aspectos e características identificadas na região onde a organização se localiza. Todos os valores, aspectos legais e governamentais, clima, geografia, características socioeconômicas e culturais devem ser considerados (THOMAS & INKSON, 2004). Por esta definição é possível compreender como algumas empresas se desenvolvem mais do que outras, ao encontrarem um ambiente mais propício ao seu tipo de negócio. De acordo com o modelo do CRIE, o capital ambiental engloba os outros três capitais de relacionamento, estrutural e humano uma vez que tem dentro de si todos os aspectos responsáveis diretos ou indiretos pelo sucesso da organização. O valor de uma organização é, assim, altamente dependente do contexto onde ela está inserida. (CAVALCANTI, GOMES, & PEREIRA, 2001). O mapeamento do contexto em que a empresa está instalada permite a formulação de estratégias diferenciadas de acordo com o mercado e as transformações do ambiente. Nesse cenário, empresas que atuam na sociedade do conhecimento devem definir métodos e técnicas para serem empregados em um sistema de inteligência competitiva e no monitoramento ambiental, utilizando ferramentas de análise competitiva como Análise das Forças de Porter, SWOT, Balanced Scorecard, Benchmarking, entre outros. O processo de inteligência competitiva busca manter a organização melhor informada sobre aspectos críticos ao negócio, buscando dar suporte às decisões da organização em

23 12 relação a eventos futuros. Também permite ação fundamental na aprendizagem organizacional para operacionalização. (JOHNSON, 2008) Segundo o modelo de gestão do CRIE, são quatro as principais variáveis para o monitoramento do capital ambiental: Sociais, Econômicas, Tecnológicas e Políticas. No capítulo 3.5 (pág. 29) trabalharemos as variáveis específicas da EcoEnergy, assim como seu mapeamento. 2.4 Capital de Relacionamento Este capital trata da rede de relacionamentos de uma empresa com seus clientes, colaboradores, parceiros, fornecedores, governo, agências financeiras, entre outros, com o objetivo de alcançar os objetivos estratégicos da empresa através da exploração desses relacionamentos e alianças. (ALLEE, 2000). Apesar de alguns teóricos como STEWART (1997) restringirem este capital ao relacionamento da empresa apenas com seus clientes, consideraremos o capital de relacionamento como uma rede de alianças estratégicas de diversos agentes sociais, a qual descreveremos no capítulo 3.5 (pág. 29), de forma a ampliar sua atuação no mercado. Conforme ALLEE (2000), no universo dos negócios, as redes são compostas de conjuntos de ligações dinâmicas entre diversos parceiros, os quais estão engajados em trocas deliberadas e estratégicas de serviço, conhecimento e valor. Individuais ou institucionais, os relacionamentos possuem valor e precisarão ser gerenciados de acordo com a visão estratégica da organização. Para entrar no mercado, a empresa deverá identificar os relacionamentos-chave que garantirão o sucesso do negócio.

24 13 As relações estabelecidas entre a organização e seus parceiros podem agregar valor ao negócio de diferentes formas: com retorno financeiro, retorno de imagem (que garante à empresa novas possibilidades comerciais) e retorno na qualidade (aliança com fornecedores, institutos de pesquisa e universidades, por exemplo). O fortalecimento do capital de relacionamento garante vantagem competitiva ao empreendimento. No capítulo (pág. 39) identificaremos as relações essenciais para a EcoEnergy e que tipo de retorno trazem para o negócio. 2.5 Capital Estrutural O capital estrutural de uma empresa pode ser definido como a infraestrutura que apoia o capital humano, desde os sistemas administrativos, hardwares e softwares, à estrutura física da empresa. (EDVINSSON & MALONE, 1998) Essa capacidade e estrutura organizacional, incluindo os sistemas físicos utilizados para transmitir e armazenar conhecimento intelectual, influenciam diretamente os resultados desejados. O capital estrutural pertence à empresa e permite que ela funcione de forma eficiente e eficaz, além de ser parte integrante da avaliação de quanto vale uma organização, juntamente com os ativos intangíveis. O processo de globalização tem imposto mudanças e desafios, tais como: Capacidade de estabelecer negócios em qualquer parte do mundo Transações financeiras instantâneas, de forma globalizada Capacidade da Tecnologia da Informação de transcender tempo e distância Reestruturação e redução de organizações

25 14 Diante de cenários como esse, a definição e estruturação da empresa devem ser embasadas em processos flexíveis e autoadaptáveis. Em um mercado globalizado, os processos devem permitir a autoaprendizagem, gerenciamento do conhecimento e desenvolvimento das habilidades individuais. Esta flexibilidade permitirá a criação do que podemos chamar de processos orgânicos, onde as etapas podem sofrer adequações necessárias à realização de cada produto e serviço, agregando habilidades e conhecimentos individuais para atender clientes diferentes em situações diferentes, sem a necessidade de alterar a essência do processo. Estas definições estão intimamente relacionadas aos valores da organização (CAVALCANTI, GOMES, & PEREIRA, 2001). A cultura da organização também faz parte de seu capital estrutural. A cultura não é aleatória. É um sistema organizado de valores, atitudes, crenças e significados, que estão relacionados entre si e ao contexto ambiental. (THOMAS & INKSON, 2004) O maior desafio, portanto, é assegurar que o capital estrutural permita registrar o valor real de uma organização, além de ser estável para ser utilizado como alavanca para auxiliar o crescimento corporativo. 2.6 Capital Humano O capital humano trata do conhecimento das pessoas que se encontram em uma organização. Diferente do capital estrutural, ele pertence ao indivíduo, mas a utilização eficaz deste potencial tem o poder de gerar valor para as empresas e para as pessoas. A dificuldade das organizações é conseguir transformar o conhecimento tácito em explícito, agregando valor aos produtos ou serviços prestados. (CAVALCANTI, GOMES, & PEREIRA, 2001)

26 15 Todas as capacidades, os conhecimentos, as habilidades e as experiências individuais dos funcionários de uma empresa, incluídos no teor do capital humano, devem captar com igualdade, a dinâmica de uma organização inteligente em um ambiente competitivo e em frequente mudança, incitando a criatividade e a inovação organizacional. O comportamento social acompanhou todas as transformações mundiais, científicas e tecnológicas. Estamos diante de uma sociedade mais analítica, consciente de seus direitos e preocupada com o desenvolvimento sustentável. Novas culturas, hábitos e valores foram construídos, influenciando o ambiente e as relações de mercado. Observa-se que os modelos de negócios intensivos em conhecimento e que criam conhecimento dentro da empresa são os que tendem a prosperar na nova economia. As organizações passam a modular estruturas e inovar em seus processos de negócios. Cada vez mais a capacidade inovadora está apoiada na excelência do Capital Humano. Segundo a Prof a. Dóris Fonseca, da COPPE/UFRJ, esta seria a capacidade da organização obter, utilizar e desenvolver as competências humanas de forma integrada para atender aos objetivos estratégicos. NONAKA E TAKEUCHI (1997) explicam o mecanismo de criação do conhecimento com base na interação entre conhecimento tácito e conhecimento explícito. Para isso, desenvolveram a espiral do conhecimento, apoiada na Socialização, Externalização, Combinação e Internalização, constituindo o motor do processo de criação intelectual. As empresas passam a exercer o papel de fomentadoras do conhecimento individual e de facilitadoras da interação, a fim de ampliar para a esfera organizacional o conhecimento criado pelos indivíduos. É justamente a partir da interação social entre o conhecimento tácito e o conhecimento explícito das pessoas que ocorre a conversão do conhecimento. A Socialização acontece com a troca de experiência entre indivíduos e contribui para projetos, planejamentos, aperfeiçoamentos e resolução de problemas.

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Inovações em sustentabilidade.

Resumo Aula-tema 07: Inovações em sustentabilidade. Resumo Aula-tema 07: Inovações em sustentabilidade. No atual cenário de urgência na transição da economia tradicional para a economia verde, as empresas assumem papel central no cenário econômico, para

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional I Simpósio de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciência da Informação Universidade Estadual de Londrina - UEL Londrina 06 de março de 2010

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS. Datas: 19 e 20 de agosto de 2015

INFORMAÇÕES GERAIS. Datas: 19 e 20 de agosto de 2015 APRESENTAÇÃO O verão de 2015 demostrou, mais uma vez, de forma clara o quanto o País precisa rever sua dependência do setor hidrelétrico. Segundo previsões do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances O futuro do uso do Gás Natural no novo desenho urbano das cidades Gás na cidade 1872-1999 1872 1890 1900 1900 Missão Possível O desafio

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL O PROCEL EDIFICA e a Etiquetagem de Eficiência Energética de Edificações Projeções de Consumo de Eletricidade

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

SP COGEN Master Plan 2020

SP COGEN Master Plan 2020 SP COGEN Master Plan 2020 São Paulo 01de Agosto de 2013 1 Introdução Motivação Expansão imobiliária Restrições pontuais nas redes de distribuição em áreas de grande mutação urbana Interesse crescente na

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RENATO HIDEO FUSANO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RENATO HIDEO FUSANO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RENATO HIDEO FUSANO ANÁLISE DOS ÍNDICES DE MÉRITO DO SISTEMA FOTOVOLTÁICO CONECTADO À REDE DO ESCRITÓRIO VERDE

Leia mais

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Apresentação O Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro de

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 Índice 1. Processo de gestão do conhecimento...3 2. Gestão do capital intelectual...3 3. Sistema de inteligência competitiva...4 2 1. PROCESSO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Um impulso à energia no Brasil

Um impulso à energia no Brasil Um impulso à energia no Brasil Aqui estão consolidados os debates do painel promovido pelo Banco Santander na Conferência Ethos 2015. O encontro discutiu os desafios e as perspectivas para a expansão da

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais.

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Daniel José Justi Bego Especialista em Regulação Superintendência de Regulação

Leia mais

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL - 2004 Sumário Mudanças na Sociedade Industrial - fatores e tendências Novos caminhos da organização Elementos críticos do diferencial competetitivo Os recursos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM USO DO BALANCED SOCORECARD: UM ESTUDO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM USO DO BALANCED SOCORECARD: UM ESTUDO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM USO DO BALANCED SOCORECARD: UM ESTUDO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO Claudia Alves Perez Ribeiro 1 André Medeiros Xavier de Souza 2 RESUMO Para atingir seus objetivos as empresas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011. A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto:

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011. A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto: Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011 A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto: A disseminação em grande escala do uso da energia solar fotovoltaica no Brasil pode fornecer uma série de benefícios

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Wellington Bahnemann São Paulo Mickey Peters, presidente da Duke Energy no Brasil, demonstra entusiasmo ao falar das perspectivas da companhia

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO Mario Veiga mario@psr-inc.com Seminário FBDS - Desafios Ambientais no Novo Modelo do Setor Elétrico Rio, 01 de Abril de 2005 1 Temário Visão geral do sistema elétrico Perspectivas

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Recomendações para política de energia elétrica do Brasil

Recomendações para política de energia elétrica do Brasil Recomendações para política de energia elétrica do Brasil 1 Créditos Informação corporativa CEBDS - Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Brazilian Business Council for Sustainable

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo Trabalho de Avaliação Santo André, 30 de março de 2011 Trabalho de

Leia mais

BRIEFING BRASIL. Parceiro:

BRIEFING BRASIL. Parceiro: BRIEFING BRASIL Parceiro: 1 ÍNDICE 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Apresentação... 3 3.1 Tema 1 Consumo consciente... 3 3.2 Tema 2 - Qualidade e Satisfação no Atendimento ao Cliente... 4 4 Desenvolvimento

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI. Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho

Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI. Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho 1 1 A CPFL A CPFL é o maior grupo no setor de energia elétrica e tem

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Eficiência energética no ambiente construído

Eficiência energética no ambiente construído Posicionamento CBCS Comitê Temático de Energia Eficiência energética no ambiente construído Agosto 2015 1. A situação elétrica no Brasil O Brasil dispõe de enorme potencial e diversas fontes de recursos

Leia mais

Agenda Elétrica Sustentável 2020

Agenda Elétrica Sustentável 2020 Congresso Eficiência Energética Casa Alemã A Casa Ecoeficiente São Paulo, 14 de Abril de 2010 Agenda Elétrica Sustentável 2020 Estudo de Cenários para um Setor Elétrico Brasileiro Eficiente, Seguro e Competitivo

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I julho 2009 Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída CPFL Energia Crescimento sustentável Empresa centenária com atuação no setor elétrico, criada em 1912 Market cap de R$20 bilhões,

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais