UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ MÔNICA PIERINI DE MATOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ MÔNICA PIERINI DE MATOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ MÔNICA PIERINI DE MATOS RISCOS EM PROJETOS DE SOFTWARE: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELOS DE PROCESSOS DE REFERÊNCIA E PROPOSTA DE UM MODELO DE PRÁTICA São José 2006

2 MÔNICA PIERINI DE MATOS RISCOS EM PROJETOS DE SOFTWARE: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELOS DE PROCESSOS DE REFERÊNCIA E PROPOSTA DE UM MODELO DE PRÁTICA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação na Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação São José. Orientador: Prof. M. Eng. José Francisco Salm Junior São José 2006

3 MÔNICA PIERINI DE MATOS RISCOS EM PROJETOS DE SOFTWARE: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELOS DE PROCESSOS DE REFERÊNCIA E PROPOSTA DE UM MODELO DE PRÁTICA Este trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação e aprovado pelo Curso de Ciência da Computação, da Universidade do Vale do Itajaí (SC), Centro de Educação São José. São José, 15 de dezembro de Apresentada à Banca Examinadora formada pelos professores: Prof. José Francisco Salm Junior, M. Eng. UNIVALI Centro de Educação São José Professor orientador Prof. Alecir Pedro da Cunha, membro da banca examinadora, Esp. Prof. Adhemar Maria do Valle Filho, membro da banca examinadora, Dr.

4 DEDICATÓRIA Dedico em especial a minha mãe, Lúcia que sempre serviu como exemplo de dedicação para toda a família. Dedico aos meus irmãos, Gabriel e João. Dedico in memoriam ao meu pai, João. Dedico ao meu querido esposo Sandro pelo amor correspondido e por fazer-me feliz. A Deus que me proporcionou principalmente saúde.

5 AGRADECIMENTOS A Deus pela vida, saúde, paz, proteção, família e pelos bons amigos. Agradeço minha mãe, Lúcia Pierini de Matos, ao meu esposo amigo Sandro José Longen, e aos meus irmãos, Gabriel Pierini de Matos e João Pierini de Matos pela compreensão, paciência, amor e apoio que tornaram esta trajetória possível. Aos demais familiares que cada um com pequenos gestos também têm participado na elaboração deste trabalho. Ao professor Paulo Henrique de Souza Bermejo pela amizade, acompanhamento e incentivo. Ao professor José Francisco Salm Junior pela amizade, apoio e orientação. Aos professores que acompanharam esta trajetória e a todos os outros amigos que conquistei. Não posso deixar de agradecer àqueles que me acompanharam desde o início do curso.

6 RESUMO A gerência de projetos de software vem recebendo maior atenção por parte das organizações, mostrando um crescimento daquelas que aprovam a gestão focada em projetos, e que vêm se tornando maiores e mais complexos. Uma das áreas que têm demandado atenção e ganhado muita importância, especialmente em projetos de desenvolvimento de software, muitas vezes por motivos relacionados à complexidade e a fatores tecnológicos, é a gerência de riscos. Modelos e processos têm sido desenvolvidos para estabelecer as atividades envolvidas na gerência de riscos em projetos. Como exemplos desses tipos de modelos e processos estão a Integração do Modelo de Maturidade e de Capacidade (CMMI) para Desenvolvimento, a Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS-BR), a International Organization for Standardization (NBR ISO/IEC 12207), o TenStep Processo de Gerenciamento de Projetos e o AS/NZS 4360:2004 Australian Standard for Risk Management. Atualmente os projetos de desenvolvimento de software, em geral, apresentam atrasos de cronograma, custos além do planejado e não alcançam todas as funcionalidades planejadas. Esses problemas podem ser minimizados pelo contínuo gerenciamento dos riscos do projeto. Para contribuir com essas atividades relacionadas a riscos, propõe-se realizar uma análise comparativa de modelos de processos segmentados no mercado e que são relacionados às áreas de riscos em projetos de software, como CMMI para desenvolvimento (CMMI for development), MPS-BR, NBR ISO/IEC 12207, TenStep e AS/NZS 4360:2004. Essa análise objetiva permitir a identificação de um conjunto de práticas que estejam definidas nesses processos e possam ser citadas a fim de incorporar um modelo específico para software. Tal modelo visa agregar as práticas encontradas, as contribuições das áreas de engenharia de software e o gerenciamento de projetos, esta última tomando por base as práticas descritas no Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projeto (Project Management Body of Knowledge - PMBOK ), criado e mantido pelo Instituto de Gerenciamento de Projeto (Project Management Institute PMI ). Para avaliação do modelo proposto, propõese aplica-lo nas atividades de identificação e gerência de riscos em um projeto de software. Espera-se que o fruto de estudo e aplicação deste trabalho venha a oferecer condições para o alcance de melhorias nas atividades relacionadas ao gerenciamento de riscos em projetos de software. Palavras-chave: Gerência de riscos; Engenharia de software; Gerenciamento de projeto; Modelo de Referência para melhoria do Processo de Software.

7 ABSTRACT The project management of software is attracting major attention by organizations showing that those organizations are growing which adapt management focused in projects and for this reason turn themselves into even bigger and more complex ones. One field which attracted attention and gained much importance, especially in projects of software development is risk management which is often related to complexity and technological factors.models and processes have been developed in order to support activities involved in risk management of projects. Examples for this kind of models and processes are: Capability Maturity Model Integration for development (CMMI), Improvement of Brazilian Software Processes (MPS-BR), International Organization for Standardization (NBR ISO/IEC 12207), TenStep Process of Management of Projects and AS/NZS 4360:2004 Australian Standard for Risk Management Today projects for software development in general present delays in chronograms, costs above the planned and not fulfilled planned functionalities. These problems can be minimized by the continuation of project risk management.aiming for a contribution to activities related to risks a comparative analysis of process models is proposed divided in markets and related to risk areas in software projects like: CMMI for development, MPS-BR, NBR ISO/IEC 12207, TenStep e AS/NZS 4360:2004.This objective analysis allows the identification of a set of practices which may be defined in these processes and can be used in the end to corporate a specific model for software.such a model aims to aggregate found practices, the contributions of the areas of software engineering and project management, this last one taking for base practical the described ones in the Guide of the Set of Knowledge in Management of Project (Project Management Body of Knowledge - PMBOK ), created and kept for the Institute of Management of Project (Project Management Institute - PMI ). For the evaluation of the proposed model its application for the identification of activities and risk management in one software project is realized. The outcome and the application of this study may offer conditions for improvements in the activities related to risk management in software projects. Keywords: Risk Management; Software Engineering; Project Managemen, Process Improvement Reference Model.

8 LISTA DE SIGLAS ANSI Instituto Nacional Americano de Padronização (American National Standartd Institute) ASC Corporação Americana de Sistemas (American System Corporation) CMM Modelo de Maturidade e de Capacidade (Capability Maturity Model) CMMI Integração do Modelo de Maturidade e de Capacidade (Capability Maturity Model Integration) CTQs Crítico à Qualidade (Critical to Quality) DMAIC Definição, Mensuração, Análise, Melhoria e Controle (Define, Measure, Analyse, Improve e Control) DSDM Método dinâmico de desenvolvimento de sistemas (Dynamic Systems Development Method) FDD Desenvolvimento Dirigido por Funcionalidade (Feature-Driven Development) GG Objetivos Genéricos (Generic Goals) GRI Gerenciamento de riscos HTML Linguagem de Formatação de Hipertexto (HyperText Markup Language) ICE Engenharia de Computação Integrada (Integrated Computer Engineering) IEC Comissão eletro técnica internacional (International Electrotechnical Commission) ISO Organização Internacional de Padrões (International Organization for Standardization) KPIs Indicadores chaves de desempenho (Key Performance Indicators) MA-MPS Método de Avaliação de Melhoria de Processo de Software MN-MPS Modelo de Negócio de Melhoria de Processo de Software MPS-BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro MR-MPS Modelo de Referência de Melhoria de Processo de Software NBR Norma Brasileira PMBOK Guia de Conhecimento em Gerenciamento de Projeto (A Guide to the Project Management Body of Knowledge) PMI Instituto da gerência de projeto (Project Management Institute) RAD Desenvolvimento rápido da aplicação (Rapid Application Development)

9 RUP SEI SG SOFTEX XP Processo Unificado da Racional (Rational Unified Process) Instituto de engenharia de software (Software Engineering Institute) Objetivo específico (Specific Goals) Sociedade para Promoção da Excelência do Software Brasileiro Programação extrema (Extreme Programming)

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Método do trabalho...18 Figura 2: Utilização de recursos ao longo do ciclo de vida do projeto...23 Figura 3: Interação de grupos de processos em um projeto Figura 4: Modelo de representação por contínuo...25 Figura 5: Representação por estágio...25 Figura 6: Níveis de maturidade do CMMI Figura 7: Componentes do Modelo CMMI...27 Figura 8: Estrutura do modelo de referência MPS.BR...30 Figura 9: Processos da NBR ISO/IEC Figura 10: Processos do TenStep...37 Figura 11: Modelo de desenvolvimento em espiral de Barry Boehm Figura 12: Ciclo de vida do RUP...43 Figura 13: Visão geral do gerenciamento de riscos do projeto...52 Figura 14: Estrutura AS/NZS Figura 15: Principais etapas AS/NZS 4360: Figura 16: Processo de gerência de riscos...74 Figura 17: Equivalência entre os processos de gerência de riscos do PMBOK Guide e da ferramenta Risk Free...77

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO PROBLEMA OBJETIVO Objetivo geral Objetivos específicos ESCOPO E DELIMITAÇÃO RESULTADOS ESPERADOS JUSTIFICATIVA ASPECTOS METODOLÓGICOS ESTRUTURA DO TCC GERENCIAMENTO DE PROJETOS, MODELOS DE REFERÊNCIA PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE, E RISCOS EM PROJETOS DE SOFTWARE GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIAS PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Integração do Modelo de Maturidade e de Capacidade (Capability Maturity Model Integration - CMMI) Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS-BR) International Organization for Standardization (NBR ISO/IEC 12207) Tecnologia de informação Processos do Ciclo de Vida de Software TenStep Processo de Gerenciamento de Projetos AS/NZS 4360:2004 Australian Standard for Risk Management GERÊNCIA DE PROJETOS APLICADA EM PROJETOS DE SOFTWARE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETO E METODOLOGIAS ÁGEIS Metodologias prescritivas ou clássicas Metodologias ágeis RISCOS EM PROJETOS DE SOFTWARE PROCESSOS DOS MODELOS DE REFERÊNCIA COM ÊNFASE EM RISCOS PROCESSOS PMBOK GUIDE PROCESSOS DA NORMATIVA NBR ISO/IEC COM ÊNFASE EM RISCOS PROCESSOS DO MODELO DE REFERÊNCIA CMMI COM ÊNFASE EM RISCOS PROCESSOS DO MODELO DE REFERÊNCIA MPS-BR COM ÊNFASE EM RISCOS...57

12 3.5 PROCESSOS DO TEN STEP COM ÊNFASE EM RISCOS PROCESSOS DA NORMATIVA AS/NZS 4360:2004 COM ÊNFASE EM RISCOS ANÁLISE COMPARATIVA DAS PRÁTICAS Resultados MODELO PARA GERÊNCIA DE ATIVIDADES COM ÊNFASE EM RISCOS DE PROJETOS DE SOFTWARE ATIVIDADES PRELIMINARES PREPARAÇÃO DO ESTUDO IDENTIFICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES SOBRE A ORGANIZAÇÃO/PROJETO INÍCIO FORMAL DO ESTUDO REALIZAÇÃO DAS ENTREVISTAS DE LEVANTAMENTO PLANEJAR A GERÊNCIA DE RISCO IDENTIFICAR RISCOS ANALISAR RISCOS PLANEJAR RESPOSTAS AOS RISCOS MONITORAR RISCOS CONTROLAR RISCOS COMUNICAR OS RISCOS DESENVOLVIMENTO E RECOMENDAÇÕES DOCUMENTAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE RESULTADOS ESTUDO DE FERRAMENTAS DE GERÊNCIA DE RISCO RISK RADAR RISKTRAK RISKFREE ANÁLISE COMPARATIVA CONCLUSÕES E FUTUROS TRABALHOS CONCLUSÕES FUTUROS TRABALHOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 81

13 10 1. INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO O Gerenciamento de Riscos de Software consiste em avaliar e controlar os riscos que afetam o projeto, processo ou produto de software. A melhor maneira de descobrir os riscos é definir, inicialmente, os objetivos e as metas do projeto. O objetivo do Gerenciamento de Riscos é identificar problemas antes que eles ocorram de forma que as atividades de tratamento de riscos possam ser planejadas e invocadas, conforme necessário, durante a vida do produto ou do projeto para mitigar os impactos adversos no atendimento dos objetivos (UNISINOS, 2005, p.413). O risco em um projeto de software é uma medida da probabilidade e da perda relacionadas à ocorrência de um evento negativo ou positivo que afete o próprio projeto, seu processo ou produto. Em outras palavras, qualquer coisa que possa acontecer e ameaçar o bom andamento do projeto é um risco. Os projetos de desenvolvimento de software estão expostos a perdas ou ganhos e demandam planejamento, controle e acompanhamento das suas influências no projeto. Pela gerência é possível maximizar os resultados decorrentes de fatos positivos e minimizar as conseqüências decorrentes de fatos negativos. Em engenharia de software, a área de estudo que enfoca o planejamento e o acompanhamento dessas perdas ou desses ganhos é a gerência de riscos. De modo a contribuir com as atividades relacionadas aos riscos, propõe-se realizar uma análise comparativa de modelos de processos segmentados no mercado e fornecer contribuições para atividades relacionadas aos riscos em projetos de software como o Capability Maturity Model Integration for development CMMI para desenvolvimento, a Melhoria de Processo do Software

14 11 Brasileiro - MPS-BR, a norma NBR ISO/IEC 12207, o TenStep Processo de Gerenciamento de Projetos e a norma AS/NZS 4360:2004: CMMI é uma evolução do Capability Maturity Model - CMM, que é uma estrutura de modelo de maturidade, desenvolvida com o propósito de auxiliar empresas de software a melhorar os seus processos; MPS-BR é uma iniciativa envolvendo universidades, grupos de pesquisa e empresas sob a coordenação da Sociedade para Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX. O projeto visa à definição e à disseminação de um modelo de referência e um modelo de negócio para a melhoria de processo de software; NBR ISO/IEC é uma norma definida pela International Organization for Standardization - ISO aplicada em engenharia de software. Esta estabelece um processo de ciclo de vida do software; TenStep Processo de Gerenciamento de Projetos é uma metodologia prática e eficaz para o planejamento e a gerência de projetos de qualquer tamanho e complexidade; e AS/NZS 4360:2004 Padrão Australiano para a gerência de riscos (Australian Standard for Risk Management) é uma norma australiana / neozelandesa para gerenciamento de riscos que foi elaborada pela Standards Austrália e Standards New Zealand por meio do Comitê de Gestão de Riscos (OB-007). É uma norma genérica que fornece orientações para o gerenciamento de riscos de qualquer natureza. 1.2 PROBLEMA Riscos não identificados significam que se pode investir em uma arquitetura falha ou em um conjunto não otimizado de requisitos. Além disto, a totalidade dos riscos envolvidos está diretamente relacionada à diferença entre a estimativa de quanto tempo vai demorar para que o projeto seja concluído. Para se obterem estimativas acuradas, é necessário identificar e tratar os riscos antecipadamente.

15 12 O risco é uma parte integral da boa gerência, sendo fundamental para conseguir bons resultados do negócio, do projeto e dos bens e serviços. É algo que muitos já gerentes fazem em um formulário ou outros meios, avaliando a permissão de contingência em uma estimativa de custo, negociando o contrato ou desenvolvendo contingência (COOPER, et al., 2005, p.19). Segundo Schwalbe (2004, p. 49), a gerência de riscos deve ser feita durante o ciclo de vida inteiro do projeto. Apesar de freqüentemente ser um fator decisivo para que o projeto seja bem- sucedido, a gerência de riscos é ainda um aspecto ignorado dentro da gerência de projetos. As vantagens resultantes da aplicação de práticas de gerência de riscos citadas por Schwalbe (2004, p.49) são: auxilia a seleção de projetos; ajuda a determinar o escopo de projetos; ajuda a desenvolver cronogramas e estimativas de custos realistas; ajuda aos interessados do projeto a entenderem a natureza do projeto; faz com que a equipe do projeto se envolva na definição de pontos fortes e fracos; e ajuda a integrar as demais áreas de conhecimento da gerência de projetos. Demarco, Lister e Schwalbe (apud Silveira; Knob, 2005, p. 32) ressaltam que as organizações não devem fugir dos riscos, pois podem estar deixando de aproveitar grandes oportunidades. Dado que todos os projetos envolvem riscos e oportunidades, a questão é saber como os riscos inerentes ao projeto serão gerenciados ao longo do seu ciclo de vida. Existe grande quantidade de materiais sobre riscos. Para este trabalho, foram selecionados os modelos CMMI, MPS-BR, NBR ISO/IEC 12207, TenStep Processo de Gerenciamento de Projetos, e a norma AS/NZS 4360:2004 por serem considerados apropriados e relacionados às áreas de riscos em projetos de software, apresentando contribuições relevantes para o problema em estudo. Também devido a relevância e reconhecimento de mercado relacionado a destaque na literatura utilizada como referência na pesquisa para desenvolvimento desse trabalho.

16 13 Um dos fatores de contribuição deste trabalho é que as empresas acabam tendo custos financeiros para implantação desses modelos de referência incluindo serviços de consultoria, treinamentos e avaliação que normalmente são realizados unicamente por um modelo de referência. Com esse método proposto no trabalho, além das práticas serem extraídas desses modelos, elas são comparadas com os demais que estabelecem as contribuições no mesmo tipo de prática. Por outro lado, a quantidade de modelos e diferentes práticas podem resultar em dificuldades para a realização das atividades de gerência de riscos, e isso pode levar até a realização de atividades que não estejam fundamentadas nesses modelos de referência. A busca por um modelo que alcance todas as áreas do gerenciamento de riscos faz-se necessária para que o gerenciamento de projetos de software melhore. 1.3 OBJETIVO Objetivo geral Este trabalho tem como objetivo principal realizar uma análise comparativa de modelos de processos segmentados no mercado que apresentam contribuições para a área de riscos em projetos de software como CMMI, MPS-BR, NBR ISO/IEC 12207, TenStep e AS/NZS 4360: Objetivos específicos Para alcançar o objetivo principal deste trabalho, serão considerados os seguintes objetivos específicos: 1. consolidação da identificação dos modelos de referência, normas e procedimentos que ofereçam contribuições especificamente para a área de riscos, que possam ser utilizáveis em projetos de software; 2. identificação das práticas relacionadas a riscos dos modelos e das normas consolidados no estudo deste projeto; 3. análise comparativa entre as práticas identificadas;

17 14 4. seleção de um conjunto de práticas para serem executadas na gerência de riscos em projetos de software; 5. fundamentação das práticas selecionadas a partir de conceitos da área de engenharia de software e gerência de projetos com o PMBOK Guide; e 6. definição de um modelo para avaliação das atividades de gerenciamento de riscos em projetos de software por meio das práticas selecionadas e fundamentadas. 1.3 ESCOPO E DELIMITAÇÃO Neste trabalho é feita uma análise com o objetivo de identificar um conjunto de práticas específicas para a gerência de riscos que estejam definidas nos processos 1 e que possam ser utilizadas a fim de incorporar um modelo específico de gerência de riscos em projetos de software. Com base no Guia de Conhecimento em Gerenciamento de Projeto do Instituto de Gerenciamento de Projeto (PMI - PMBOK Guide), foi abordado o como podem ser realizadas as práticas que foram selecionadas nos modelos de maturidade e processos analisados. Visando oferecer contribuições às atividades relacionadas aos riscos, propõe-se realizar uma análise comparativa dos modelos selecionados: CMMI, MPS-BR, NBR ISO/IEC 12207, TenStep e AS/NZS 4360:2004. Essa análise tem como objetivo permitir a identificação de um conjunto de práticas que estejam definidas nos processos e possam ser citadas a fim de incorporar um modelo específico para software. Tal modelo agrega um conjunto de práticas selecionadas dos modelos de referência utilizadas como base para a análise comparativa dos modelos as contribuições das áreas de engenharia de software e gerenciamento de projetos. A aplicação do modelo proposto em um projeto de software para avaliação de riscos será realizada em uma oportunidade futura. 1 É uma seqüência coerente de práticas que objetiva o desenvolvimento ou a evolução de sistemas de software.

18 15 É feito um estudo de ferramentas de gerência de riscos, na qual as ferramentas estudadas não abordam especificamente a gerência de riscos em projetos de software, mas sim a gerência de riscos como um todo. 1.4 RESULTADOS ESPERADOS O resultado principal é um modelo formado pelas práticas de processos e conceitos de riscos, gerenciamento de projetos e engenharia de software que ofereçam contribuições para a área de gerenciamento de riscos. Com base nas práticas selecionadas a partir dos modelos e normas identificadas, será efetuada uma análise comparativa, levantando um conjunto de práticas para serem incorporadas no modelo de gerência de riscos em projetos de software. O gerenciamento de projetos exige dos responsáveis uma carga horária para a avaliação e o gerenciamento dos riscos envolvidos, além do próprio andamento do projeto. Isto porque as atividades relacionadas ao gerenciamento de riscos em projetos de software são funções de grande importância para que se alcance sucesso. Com isto, objetiva-se conseguir um melhor aproveitamento dos projetos, com significativa redução dos riscos envolvidos e do esforço necessário para o seu gerenciamento. 1.5 JUSTIFICATIVA Um projeto do software tem duas dimensões principais de atividade: gerência da engenharia e de projeto. A dimensão da engenharia trata de construir o sistema e os focos em edições tais como projetar, testar, codificar etc. A dimensão da gerência de projeto trata de planejar e de controlar as atividades da engenharia com o objetivo de projeto para custo, programação e qualidade (JALOTE, 2002, np). O risco do projeto é um evento ou uma condição incerta que, quando ocorre tem efeito positivo ou negativo em um ou mais objetivos do projeto. Um risco tem uma causa e, quando ocorre, uma conseqüência. Segundo Howes (2001, p. 241), o risco é uma realidade em cada empreendimento. Se soubéssemos o resultado antecipadamente, não haveria nenhum risco. Sabe-se que se pode terminar, mas não se sabe precisamente quanto custará ou quanto tempo levará. Conseqüentemente, é necessário reconhecer os riscos e controlá-los.

19 16 A gerência de projetos de software vem recebendo maior atenção por parte das organizações, mostrando um crescimento de organizações que aprovam a gestão focada em projetos, e, por sua vez, estes, a cada dia, tornam-se maiores e mais complexos. Uma das áreas que têm demandado atenção e ganhado muita importância, especialmente em projetos de desenvolvimento de software, é a gerência de riscos. Os modelos e os processos de referência, conforme o próprio nome diz, têm sido desenvolvidos para dirimir ou servir como referência para as atividades envolvidas na gerência de riscos em projetos. Como exemplos têm-se os modelos e processos CMMI, MPS-BR, NBR ISO/IEC 12207, TenStep e AS/NZS 4360:2004. Dessa forma, este projeto propõe uma análise comparativa das práticas que são abordadas nesses modelos. Com base nessa análise comparativa para gerenciamento de riscos em projetos de software, pretende-se selecionar um conjunto de práticas e pesquisar como as áreas de engenharia de software e de gerência de projetos (considerando o Guia de Conhecimento em Gerenciamento de Projeto) do Instituto de Gerenciamento de Projeto (PMI- PMBOK Guide) sugerem a realização de tais práticas abordadas nos modelos e nos processos analisados. Para isto, objetiva-se conseguir melhor aproveitamento dos projetos, amenizando as dificuldades para orientar os interessados nessa área por meio do modelo proposto. 1.6 ASPECTOS METODOLÓGICOS Existem várias formas de classificar uma pesquisa. As mais tradicionais salientam os seguintes pontos: natureza da pesquisa, forma de abordagem do problema, seus objetivos e procedimentos técnicos (SILVA; MENEZES, 2005, p. 21). Com relação à natureza, a pesquisa pode ser classificada como aplicada. Esse tipo de classificação é descrito por Silva e Menezes (2005, p.20) como uma pesquisa cujo objetivo é gerar conhecimentos para aplicação prática dirigidos à solução de problemas específicos, envolvendo verdades e interesses locais. Considerando-se o objetivo proposto neste trabalho, pressupõe-se o enquadramento nesse tipo de pesquisa. O método proposto neste trabalho visa abordar as etapas a fim de possibilitar uma seqüência de procedimentos que poderão ser seguidos para definição de uma unidade de informação. Com

20 17 isso, no tocante à forma de abordagem do problema, pode-se enquadrar a pesquisa como pesquisa descritiva, classificada também como pesquisa qualitativa. Silva e Menezes (2005) definem que nesse tipo de pesquisa o processo e seus significados são os focos principais da abordagem. No que diz respeito aos objetivos, a pesquisa pode ser classificada como exploratória. A pesquisa exploratória assume, em geral, as formas de pesquisa bibliográfica e estudo de caso (SILVA; MENEZES, 2005, p. 21). As etapas do trabalho constituem-se na gerência de projetos em riscos, envolvendo as atividades de identificação dos modelos de referência, normas e suas variações que ofereçam contribuições para a área e o gerenciamento de riscos. Da identificação das práticas a partir dos modelos e das normas fazer uma análise comparativa entre as práticas, selecionando um conjunto de práticas para serem executadas na gerência de riscos em projetos de software. A próxima etapa é a de fundamentação das práticas selecionadas a partir de conceitos na engenharia de software e gerência de projetos com o PMBOK Guide e em seguida a avaliação das atividades de riscos em um projeto de software. A figura 1 ilustra uma visão esquemática do método de construção do trabalho: 1.7 ESTRUTURA DO TCC O presente trabalho encontra-se dividido em seis capítulos que visam abordar questões relacionadas à gerência de riscos, ou seja: Capítulo 1: introdutório, no qual se encontram delimitados as idéias e os objetivos que se pretende discutir e alcançar; Capítulo 2: gerenciamento de projetos e de riscos em projetos de software são apresentados conceitos fundamentais de gerência de projetos e algumas de suas metodologias como PMBOK Guide, CMMI, MPS-BR, NBR ISO/IEC 12207, TenStep e AS/NZS 4360:2004, que são referenciados ao longo do documento. Também descreve como a gerência de projetos é aplicada em projetos de software;

21 18 Estudo e identificação dos modelos de referência Análise comparativa Estudo e identificação das práticas Estudo do conjunto de práticas selecionadas Fundamentação das práticas selecionadas Definição de um modelo para avaliação das atividades de gerenciamento de riscos em projetos de software Figura 1: Método do trabalho. Capítulo 3: processos dos modelos de referência com ênfase em riscos trata-se das metodologias estudadas neste trabalho e de como cada uma delas aborda a gerência de riscos; Capítulo 4: modelo para gerência de atividades com ênfase em riscos de projetos de software definição de um modelo para avaliação das atividades de gerenciamento de riscos em projetos de software através das práticas selecionadas e fundamentadas; Capítulo 5: estudo de ferramentas de gerência de risco para complementar o estudo das metodologias, foi realizado um estudo em ferramentas de gerência de riscos. Foram estudadas as características de quatro ferramentas de gerência de riscos disponíveis no mercado; e

22 19 Capítulo 6: conclusões e futuros trabalhos nesse capítulo discutem-se os resultados do trabalho de conclusão de curso. Fala sobre as conclusões alcançadas e finaliza com propostas de trabalhos futuros envolvendo gerência de riscos.

23 20 2. GERENCIAMENTO DE PROJETOS, MODELOS DE REFERÊNCIA PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE, E RISCOS EM PROJETOS DE SOFTWARE Neste capítulo são apresentados os conceitos fundamentais de gerência de projetos com base no Guia de Referência em Gerenciamento de Projeto PMBOK Guide e em modelos de processos da área de engenharia de software. Também são contextualizados os modelos de referência abordados nesse trabalho, que serão utilizados como primícias para a identificação e a fundamentação das atividades de gerenciamento de riscos, realizadas posteriormente. 2.1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS O gerenciamento de projetos de software é uma tarefa de fundamental importância no processo de desenvolvimento de um produto. Segundo Pressman (1995, p. 55), a gerência de projetos é a primeira camada do processo de engenharia de software, sendo chamada de camada em vez de etapa ou atividade porque abrange todo o processo de desenvolvimento, do início ao fim. A gerência de projetos consiste na aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas nas atividades do projeto de maneira a atingir os objetivos estabelecidos. A gerência de projetos é implementada por meio da execução de processos de iniciação, planejamento, execução, controle e encerramento. Esses processos são, por natureza, iterativos, devido à característica de elaboração progressiva atribuída ao ciclo de vida dos projetos (PMI, 2004, p. 365). O Gerenciamento de Projetos surgiu como ciência no início da década de sessenta, mas foi a partir da criação do PMI (Project Management Institute), em 1969, que a sua disseminação ocorreu com mais intensidade. O PMI é uma associação sem fins lucrativos, cujo principal

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto 4. Gerenciamento de integração do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto 4.2 Desenvolver

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software 6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software Alunos Filipi Silveira Flávio Knob Orientadores Afonso Orth Rafael Prikladnicki Agenda O problema O processo O projeto

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais